Todos os posts com a tag: zika

Quem tem carga viral indetectável precisa usar camisinha?

Em face das extensas pesquisa mostrando que as pessoas que vivem com HIV e que estão em terapia antirretroviral com carga viral estável e indetectável têm uma probabilidade extremamente baixa de transmitir o vírus, a maioria dos participantes da IDWeek 2016, em Nova Orleans, disseram acreditar que ainda deveriam ser aconselhados a usar preservativos — uma proporção que aumentou depois de um debate em que se discutiram as evidências. Lisa Winston, da Universidade da Califórnia em São Francisco, argumentou sobre o lado “a favor”, enquanto Roy Gulick da Weill Medical College da Universidade de Cornell tomou a posição “contra”. Antes do debate, os participantes do auditório foram solicitados a votar se acham que é totalmente desnecessário que homens com carga viral indetectável usem preservativo, se é desnecessário quando a carga viral for continuamente indetectável por um ano ou se os preservativos sempre devem ser usados. De início, 63,5% votaram por usar sempre preservativo, 12,8% disseram que era completamente desnecessário e 23,6% achavam que era desnecessário em determinadas condições.   Continuar a usar camisinha A Dra. Winston deu três argumentos para o uso contínuo do preservativo: Os preservativos …

Avalie isto:

Zika vírus em imunocomprometidos

Exemplos publicados de infecção pelo vírus zika em indivíduos imunodeprimidos ou imunossuprimidos são muito escassos. Apesar do zika ter sido descoberto mais de 60 anos atrás, sabemos surpreendentemente pouco sobre a patogênese e imunologia da infecção pelo vírus zika em seres humanos. Uma vez que o zika é um flavivírus, é provável que ambas as respostas inatas e adaptativas sejam necessárias para interromper a replicação viral e eliminar o vírus, de modo que as condições médicas ou intervenções que influenciam as respostas imunes inatas e/ou adaptáveis ​​podem alterar o curso da doença clínica, incluindo os sintomas, a gravidade e a duração da infecção. Provisoriamente, até que dados de casos e grandes estudos controlados observacionais apareçam, (note que estes podem não estar próximos), extrapolar a partir da experiência de infecções causadas por flavivírus similares, como o vírus da dengue, parece razoável. Mais uma vez, os dados publicados sobre a infecção pelo vírus da dengue em doentes imunocomprometidos vêm de relatos ou de pequenas séries de casos, muitas vezes em populações de pacientes mistos (por exemplo, com variabilidade nas condições subjacentes e intervenções, diferentes …

Avalie isto: