Todos os posts com a tag: visto de viagem ou residência

Apesar de controversa como medida de política de saúde e não recomendada pela OMS, muitos países recusam a entrada a doentes infectados por HIV no seu país. Antes viajar, cheque HIVtravel.org.

Um homem, seu diagnóstico e a vida com HIV

Alex, 27, é diretor de marketing. Ele foi diagnosticado aos 23 anos e fez aqui um relato franco e emotivo da vida antes do HIV, do terrível dia do diagnóstico e de como agora ele está vivendo uma vida normal.   Pré-HIV Minha primeira experiência com o teste de HIV foi com um médico em Norfolk tirando meu sangue e dizendo “você é gay então você provavelmente tem HIV” e, em seguida, me entregando um folheto sobre ser soropositivo. Ninguém quer escutar isso com 16 anos! Mas ele estava errado: cinco dias depois eu recebi o resultado dizendo que eu era soronegativo. No entanto, a experiência foi tão ruim que eu não fiz o teste novamente por um bom tempo depois disso.   Os sinais Passei alguns anos vivendo em Londres antes de voltar para Norwich, onde a vivia muito bem – mantinha uma dieta saudável e ia sempre à academia para perder peso. Foi então notei que a perda de peso foi realmente muito dramática e que eu constantemente ficava resfriado. Aliás, não fui só eu que percebeu — meu chefe, no trabalho, disse: “Alex, você é a pessoa …

Avalie isto:

O que aprendemos em 2015?

Foi nesse ano de 2015 que Kim Jong-un, o líder supremo da Coreia do Norte, afirmou ter descoberto a cura do HIV, ebola, diabetes, alguns tipos de câncer e uma série de outras condições médicas, com um único novo medicamento revolucionário que ele quer vender para o mundo todo. As instruções de dosagem são incrivelmente confusas e discorrem em mais de 2.500 palavras, mas, com muito esforço, é possível deduzir que, teoricamente, para prevenir o HIV seria preciso algo entre 40 a 56 injeções — ao custo de 50 dólares por injeção. Ainda bem, a comunidade científica não se convenceu e continuou a pesquisar! E, nesse ano, aprendemos muita coisa sobre o HIV. Aprendemos que, em geral, mulheres portadoras do HIV combatem naturalmente o vírus melhor do que os homens. Aprendemos que anticorpos amplamente neutralizantes podem vir a ser a solução para a prevenção do HIV no futuro. Outros estudos com vacinas preventivas também tiveram resultados promissores, incluindo uma vacina brasileira. E a Fiocruz deve em breve começar a testar seu próprio medicamento para prevenir …

Avalie isto:

Países negam antirretrovirais a imigrantes sem documentos

Imigrantes que chegam na Europa vindo de países de baixa e média renda e que se infectaram com o HIV começam a terapia antirretroviral mais tarde do que as populações nativas e em contagens de CD4 mais baixas, indica uma nova pesquisa. Uma grande parte das pessoas que vivem com HIV na Europa são imigrantes e, nesse sentido, elas estão mais propensas a desenvolver doenças relacionadas à aids, disse a Dra. Julia del Amo, PhD, do Centro Nacional de Epidemiologia, Instituto de Saúde Carlos III, em Madrid. A Dra. del Amo apresentou as conclusões iniciais do estudo clínico aMASE (advancing Migrant Access to Health Services in Europe) na 15ª Conferência Europeia sobre Aids. Os resultados vêm de uma pesquisa com 2.249 imigrantes que vivem em nove países europeus. A maioria dos entrevistados adquiriu o HIV no país para o qual migraram, ao invés de em seu país de origem. Em geral, a maioria dos governos da União Europeia e do Espaço Econômico Europeu têm programas completo de tratamento para imigrantes, de acordo com o relatório …

Avalie isto:

Singapura suaviza restrição a visitantes soropositivos

Por Annabelle Liang para Associated Press em 31 de agosto de 2015 Nesta segunda-feira, dia 31 de agosto, Singapura afirmou ter suspendido a proibição, que vigorava há duas décadas, para pessoas infectadas pelo HIV entrarem no país, mas vai limitar sua estadia para um máximo de três meses. O Ministério da Saúde de Singapura disse que a proibição foi suspensa em 1º de abril, “dado o contexto atual de mais de 5 mil residentes de Singapura vivendo com o HIV e a disponibilidade de tratamento eficaz para a doença.” “A lista negra de estrangeiros soropositivos foi recomendada no final de 1980, quando a doença era nova, fatal e nenhum tratamento eficaz estava disponível.” A restrição de três meses é aparentemente destinada a impedir a estadia de longa duração por parte de estrangeiros, incluindo aqueles que procuram trabalhar na nação insular ou acompanhar uma criança estudando em Singapura. “A política de repatriação e a lista negra permanente de estrangeiros soropositivos foi recomendada no final de 1980, quando a doença era nova, fatal e nenhum tratamento eficaz estava …

Avalie isto:

Kiev revoga restrição de viagem para soropositivos

Por Sarah Berger em 6 de agosto de 2015 para o International Business Times A Ucrânia anunciou, na última quarta-feira, que revogou a proibição de viagem para soropositivos, de acordo com a Agence France Presse. O país, que foi parte da União Soviética, espera que a nova política ajude a melhorar sua relação com a Europa. A União Europeia (UE) exigiu a revogação da proibição, que durou 14 anos, durante as conversas que estão em andamento sobre a isenção de visto. Hoje, Kiev busca um acordo de viagens sem restrições com Bruxelas já no próximo ano, e espera se tornar membro da UE em 2020. “Um importante passo na defesa dos direitos humanos.” A proibição foi revogada em junho e se aplicava a cidadãos ucranianos que queriam viajar para o exterior e também para estrangeiros que desejavam entrar no país, disse Igor Pereginets, ministro da saúde ucraniano. A Ucrânia agora faz parte do rol de 140 outros países que também revogaram proibições similares, de acordo com a declaração de Valeriya Lutkovska, comissária de direitos humanos, …

Avalie isto:

Da Rússia com amor

Indivíduos estrangeiros que vivem legalmente na Rússia são considerados indesejados se “representarem uma ameaça real para a saúde pública”. No caso de diagnóstico de infecção por HIV, estrangeiros em território russo são deportados. Além disso, a autorização de permanência temporária naquele país é obtida somente após a apresentação do certificado de não infecção pelo HIV ao Serviço Federal de Migração (FMS, na sigla em russo). Mas, agora, isso deve mudar. “É inaceitável deportar um cidadão estrangeiro, negar-lhe a entrada no país ou não fornecer a ele a autorização de residência temporária.” De acordo com o jornal Gazeta Russa, o Tribunal Constitucional da Rússia entendeu que estrangeiros portadores do HIV não podem mais ser deportados e nem ter sua entrada proibida naquele país em razão da sorologia positiva. O Tribunal declarou que a prática de aplicação de normas estabelecidas em algumas leis que regem o estatuto jurídico dos estrangeiros na Rússia e que permitem a deportação de cidadãos estrangeiros ou apátridas soropositivos e cujos familiares residem permanentemente no país é inconstitucional. “É inaceitável deportar um cidadão estrangeiro, …

Avalie isto:

Quais são os países que ainda discriminam viajantes com HIV?

Domingo, 1º de março, foi o Dia da Discriminação Zero, data que começou a ser celebrada em 2014. Neste ano, a Unaids aproveitou a data para divulgar um novo balanço dos países ou territórios que ainda restringem o tempo de estadia, impedem a entrada ou deportam viajantes com HIV. Em 2008, eram 59 os países que impunham alguma restrição segregatória contra viajantes que vivem com HIV. Mas Austrália, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Mongólia e Uzbequistão, entre outros, abandonaram suas restrições e hoje esse número é menor, com 38 países. Entre aqueles que ainda discriminam viajantes com HIV estão, nas Américas: Belize, Cuba, o nosso vizinho Paraguai e a República Dominicana. Na Europa: Bielorrússia e Lituânia. Na África: Ilhas Maurício e Sudão. No Oriente Médio: as únicas exceções são Turquia e Irã, enquanto todos os demais países da região impõem algum tipo de restrição. Na Ásia: Brunei, Coreia do Norte, Malásia, Rússia, Singapura, Taiwan e Turcomenistão. Na Oceania: Ilhas Salomão, Nova Zelândia e Papua Nova Guiné, entre outros países e territórios insulares da região. …

Avalie isto:

Não podemos entrar em 15 países

Com um tratamento que funciona perfeitamente e uma vida que é plenamente normal, o preconceito e a discriminação acabam por ser a pior parte da vida de um soropositivo. No entanto, pela minha experiência desde o diagnóstico, posso dizer que hoje eles são pontuais. E vou tentar apontar exatamente aonde estão. Muitos juntam discriminação e preconceito num mesmo grupo. Mas aqui eu vou separá-los, por entender que existe uma diferença sutil entre as duas definições. Segundo o dicionário, preconceito é um “conceito ou opinião formados antes de ter os conhecimentos adequados”. É o famoso “pré conceito”, termo autoexplicativo. É até ingênuo, pois presume que o agente teve pouca matéria-prima para emitir seu parecer mas, por alguma razão, emitiu assim mesmo. Por sua vez, discriminar é “tratar de modo preferencial, geralmente com prejuízo para uma das partes”. Em certo sentido, é mais grave, pois não é preciso falhar em ter os conhecimentos adequados. Na discriminação não há ingenuidade: é possível discriminar mesmo possuindo conhecimentos que sugiram o contrário. As razões que levam alguém a discriminar me …

Avalie isto: