Qual o tempo de sobrevida de um indivíduo portador do HIV?
Até o começo da década de 1990, a aids era considerada uma doença que levava à morte em um prazo relativamente curto. Porém, com o surgimento do coquetel (combinação de medicamentos responsáveis pelo atual tratamento de pacientes HIV positivo) as pessoas infectadas passaram a viver mais. Esse coquetel é capaz de manter a carga viral do sangue baixa, o que diminui os danos causados pelo HIV no organismo e aumenta o tempo de vida da pessoa infectada.

O tempo de sobrevida (ou seja, os anos de vida pós-infecção) é indefinido e varia de indivíduo para indivíduo. Por exemplo, algumas pessoas começaram a usar o coquetel em meados dos anos noventa e ainda hoje gozam de boa saúde. Outras apresentam complicações mais cedo e têm reações adversas aos medicamentos. Há, ainda, casos de pessoas que, mesmo com os remédios, têm infecções oportunistas (infecções que se instalam, aproveitando-se de um momento de fragilidade do sistema de defesa do corpo, o sistema imunológico).

“Um número crescente de pacientes com HIV vivem agora o suficiente para acabar sofrendo com cânceres ‘incidentais’, observados na população em geral” — é assim que começa o artigo que li no Cancer Therapy Advisor, nos últimos dias, depois de saber que o companheiro de um médico pediatra que visitamos com meu filho, homossexual e soropositivo, faleceu em decorrência de um câncer no fígado. Essa notícia levanta a questão: afinal, enquanto ficamos mais velhos e continuamos com HIV, corremos mais riscos em relação à outras questões de saúde? Quem é o responsável por essas intercorrências de saúde: o HIV, os antirretrovirais ou a inflamação crônica, baixa porém persistente, decorrente do HIV e não resolvida por esses medicamentos?

É verdade, e o artigo que li o confirma, não sofremos mais com os cânceres tipicamente definidores de aids, que assolavam as pessoas com HIV no começo da epidemia. São três estes principais cânceres, típicos de sistemas imunes totalmente devastados: sarcoma de Kaposi, linfoma agressivo de células B e câncer invasivo do colo do útero — estes eram vistos com grande frequência quando a aids foi observada pela primeira vez. O declínio significativo destes cânceres, chamados de “cânceres relacionados à aids” é atribuído à terapia antirretroviral combinada de três medicamentos, que foi desenvolvida em meados dos anos 90 e que segue sendo aprimorada ainda nos dias de hoje.

“É uma história complexa”, disse Robert Yarchoan, chefe da divisão de malignidade de HIV e Aids no National Cancer Institute, em Bethesda, Maryland, e coautor de uma recente revisão de cânceres associados ao HIV no The New England Journal of Medicine. “Com a queda dramática nos casos de câncer que definem a aids, vários de meus colegas pensaram que o câncer estaria desaparecendo como um problema em pacientes com HIV.” No entanto, embora o número de casos de cânceres associados à aids tenha se mantido relativamente estável nos Estados Unidos por duas décadas, ele disse que a incidência de outros tipos de cânceres está aumentando, uma vez que as pessoas que vivem com HIV agora vivem mais — mais tempo de vida e mais tempo com HIV, com antirretrovirais e com inflamação crônica.

A proporção de indivíduos infectados pelo HIV que desenvolvem complicações relacionadas ao câncer ou morrem de câncer permanece indeterminada, mas, de acordo com um estudo francês, esta é atualmente a principal causa de morte entre pessoas com HIV. Mesmo assim, por alguma razão, muitos médicos evitam oferecer terapias convencionais para tratar o câncer desses pacientes. Segundo o Dr. Yarchoan, esta disparidade na oferta de tratamento, é uma realidade que lentamente vem ganhando reconhecimento na comunidade médica.

 

Foto de 1987, por Alon Reininger, intitulada “Ken Meeks, Paciente com Aids”

 

Se no começo da epidemia de aids é verdade que muitos pacientes estivessem frágeis demais para suportar a intensidade da quimioterapia, o fato é que, hoje, com os antirretrovirais, este não é mais o caso. “Muitos pacientes com câncer e HIV podem tolerar a quimioterapia tão bem quanto indivíduos não infectados”, disse o Dr. Yarchoan.

Richard Ambinder, PhD, diretor da divisão de neoplasias hematológicas no Hospital Johns Hopkins, em Baltimore, Maryland, concorda com essa afirmação. “Não tratar pacientes infectados pelo HIV que desenvolvem câncer com quimioterapia é um problema real”, disse ele. “O HIV deve ser visto como uma doença crônica, que, tal como o diabetes, traz outras doenças que precisam ser abordadas, mas não devem impedir o tratamento do câncer”.

Em fevereiro, a National Comprehensive Cancer Network (NCCN) adotou medidas para remediar essa “disparidade no tratamento do câncer”, publicando as primeiras diretrizes de tratamento para pessoas vivendo com HIV que depois foram diagnosticadas com câncer. De acordo com os dados mais recentes, estima-se que, em 2010, 7760 pacientes com câncer e HIV foram 2 a 3 vezes menos propensos a receber cuidados apropriados para o câncer. Por isso, as diretrizes do NCCN exigem que os médicos tratem esses pacientes com as mesmas terapias contra o câncer oferecidas a indivíduos soronegativos. Eles também pedem aos médicos trabalhem com oncologistas e especialistas em HIV para gerenciar interações medicamentosas potencialmente tóxicas entre fármacos contra o câncer e os antirretrovirais antes de iniciar a terapia.

“Tratar as pessoas que vivem com o HIV para o câncer é uma preocupação relativamente nova”, escreveu Robert Carlson, diretor executivo da NCCN, em uma declaração publicada em 2011. “É tanto um testemunho do sucesso dos tratamentos para o HIV nos últimos anos e um lembrete que a busca por resultados mais saudáveis ainda ​​está em andamento.”

Entre os cânceres mais comuns que não definem aids em indivíduos infectados com HIV estão o de pulmão, fígado, anal e linfoma de Hodgkin. Destes, o câncer de pulmão ocorre não só em frequência crescente, em comparação com a população em geral, mas também está frequentemente presente numa em uma fase mais avançada da doença. Este maior risco do câncer de pulmão em pessoas com HIV não é compreendido. “Não sabemos se a infecção pelo HIV aumenta o risco de câncer de pulmão ou se altas taxas de tabagismo ou outras exposições aumentam o risco, ou ambos”, disse o Dr. Ambinder.

 

Oncovírus

 

Muitos cânceres associados ao HIV, incluindo aqueles rotulados como cânceres definidores de aids, se desenvolvem com a ajuda de oncovírus — vírus que têm a capacidade de alterar as células infectadas induzindo o desenvolvimento de algum tumor. Alguns oncovírus, mas nem todos, podem ser transmitidos sexualmente.

Segundo Ambinder, o sarcoma de Kaposi, por exemplo, requer a coinfecção com um vírus da família do herpes associado ao sarcoma de Kaposi, descoberto em 1994. Embora este vírus possa ser transmitido principalmente através da saliva, a razão dos homens que fazem sexo com outros homens constituírem o grupo mais alta prevalência desta enfermidade ainda não é compreendida. “É como fumar”, disse o Dr. Ambinder. “Muitas pessoas fumam, mas a maioria dos fumantes não tem câncer de pulmão”.

“A questão é: depois de um indivíduo com infecção pelo HIV ser tratado com medicação antirretroviral e alcançar a supressão viral ele fica totalmente saudável?”, pergunta Jeffrey Martin, epidemiologista e médico da Universidade da Califórnia, na Escola de Medicina de São Francisco. “Nós não sabemos a resposta ainda.” O que os pesquisadores sabem, disse ele, é que, ao medir biomarcadores específicos no sangue de indivíduos infectados pelo HIV e aqueles sem essa infecção, “as pessoas infectadas pelo HIV têm muito mais anormalidades químicas”, especialmente relacionadas à inflamação. Em geral, as pessoas infectadas pelo HIV também têm mais oncovírus do que a população sem HIV, principalmente os oncovírus que são sexualmente transmissíveis. “Se e como essas anormalidades químicas se traduzem em doença é o que os pesquisadores estão tentando entender.”

 

CD4

 

Mesmo as contagens de CD4, um marcador sanguíneo da força imune, considerado o mais forte preditor da progressão do HIV, podem ser um fator em alguns, mas não em todos os cânceres que não definem a aids, explica Martin. Embora, é verdade, quanto maior o dano causado pelo HIV nessas células imunológicas, mais provável é que um câncer se desenvolva, o fato é que esta diferença de risco ainda é pequena e nada parecida com a dizimação observada nos cânceres que há muitos anos definiam a aids. “Pode ser que uma baixa contagem de CD4 há seis anos seja o impulso para o desenvolvimento de um câncer de pulmão seis anos depois”, disse ele. Por outro lado, “baixos números de CD4 se podem se traduzir em sarcoma de Kaposi em meses.”

Surpreendentemente, talvez, as pessoas que vivem com HIV não viram um aumento, até agora, na incidência dos cânceres mais comuns: câncer de mama, próstata e cólon. O Dr. Martin sugeriu que a razão para isso pode estar nas diferenças biológicas entre esses e outros tipos de câncer. “O HIV não é um estimulante geral para centenas de diferentes tipos de câncer”, disse ele. O Dr. Yarchoan, no entanto, sugeriu outro motivo: “minha opinião é que o controle imunológico pode não ser tão importante no desenvolvimento inicial desses cânceres”.

O ponto principal, segundo o Dr. Yarchoan, é que soropositivos são hoje menos acompanhados em relação ao câncer do que a população em geral, provavelmente porque os médicos estão se concentrando mais no HIV e acreditam que o câncer é uma ameaça distante nesse grupo de pessoas, ao qual estamos incluídos. Agora, com o aumento da nossa expectativa de vida, isso precisar mudar.

Anúncios

Em comparação com os seus pares soronegativos, as pessoas com HIV ainda acreditam que vão morrer mais cedo e que são menos propensas a alcançar um relacionamento amoroso duradouro, de acordo com um estudo encomendado pela Gilead Sciences, conduzido em cinco países europeus. Os resultados foram anunciados na 16ª Conferência Europeia sobre Aids (EACS 2017) em Milão, Itália, e publicados no Aidsmap.

Nessa pesquisa, 54% das pessoas soropositivas consideraram que o HIV era uma barreira ao sexo, dos quais 87% disseram ter medo de transmitir o vírus para para outras pessoas. (Estes 87% representam 47% do grupo inteiro.) Esse medo poderia até ser visto como racional ou bem informado, uma vez que este grupo era um grupo relativamente novo de pessoas com HIV, com pouco menos de dois terços em terapia antirretroviral, dos quais menos da metade tinha carga viral indetectável. No entanto, as pessoas que tinham carga viral suprimida não apresentaram uma opinião muito diferente: 38% das pessoas com carga viral indetectável ainda temiam transmitir o vírus para outros.

O estudo HIV is: Expectations from Life foi conduzido entre novembro e dezembro de 2016 na França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido. Cerca de 20 mulheres soropositivas foram recrutadas em cada país, totalizando 102 mulheres, e 84 homens em cada país, num total de 420 homens. Destas 522 pessoas, 11% nunca tinham feito tratamento antirretroviral e outros 11% tinham feito tratamento, mas relataram tê-lo abandonado. Das 338 pessoas (65%) que estavam em tratamento, 229 pessoas (67% destas ou 44% de todo o grupo) disseram ter carga viral indetectável.

As 522 pessoas com HIV foram comparadas com 2723 pessoas soronegativas, equiparadas quanto à idade, gênero e orientação sexual. Os pesquisadores perguntaram a todos os entrevistados: você espera viver uma vida mais longa do que seus amigos, colegas e irmãos mais velhos? As pessoas com HIV se mostraram três vezes mais propensas a dizer que acreditavam que teriam vidas mais curtas: 35% disseram acreditar que morreriam mais cedo do que seus amigos, em comparação com 10% do grupo soronegativo. A supressão viral mudou pouco esse cenário, com 31% daqueles em tratamento e com carga viral indetectável ainda considerando ter uma expectativa de vida mais curta.

As pessoas que vivem com HIV também se mostraram mais propensas a priorizar o amor (37% contra 27%) e uma vida sexual saudável (28 contra 17 %) do que pessoas soronegativas. Mais da metade dos soropositivos considerou o HIV como uma barreira para o sexo e 38% consideraram que o HIV era uma barreira para namorar e conhecer possíveis parceiros sexuais. O obstáculo mais comumente citado como impeditivo para um namoro foi o medo de ter que revelar o sua condição sorológica para o HIV, com 59% dos soropositivos (ou 22% do grupo inteiro) dizendo que acreditavam que o HIV era uma barreira para namorar.

As pessoas com HIV apresentaram menor probabilidade de avaliar sua saúde atual como excelente, com 44% classificando sua saúde como boa ou excelente, em comparação com 69% dos entrevistados soronegativos. Há algumas diferenças interessantes entre os países: espanhóis e italianos sentem-se pior em relação à saúde. 71% das pessoas na Espanha contra 38% na Alemanha disseram que sua condição sorológica positiva para o HIV os tornava menos propensos a se envolver em atividades para apoiar a saúde e o bem-estar, como alimentação saudável e exercício físico, porque eles não acreditavam que isso poderia fazer alguma diferença, agora que tinham o HIV.

Por sua vez, os entrevistados britânicos se mostraram mais propensos ​​de temer a divulgação de sua condição sorológica e a dizer que o estigma contra soropositivos ainda prevalece. 68% dos entrevistados do Reino Unido, contra 50% dos espanhóis, temem divulgar seu status. 44% dos entrevistados do Reino Unido e apenas 12% dos italianos disseram que o estigma contra soropositivos é uma barreira para conseguir um relação amorosa.

E você, o que acha?

No último dia 10 de maio, foram publicados os resultados da Antiretroviral Therapy Cohort Collaboration, um estudo que analisou as causas de morte, carga viral e contagem de células CD4 e o regime antirretroviral de 88.504 soropositivos, inscritos em 18 coortes europeias e norte-americanas relacionadas ao HIV-1.

Foram selecionados pacientes com idade maior ou igual a 16 anos que iniciaram o tratamento antirretroviral entre 1996 e 2010 e que fizeram pelo menos 3 anos de acompanhamento nestas coortes. O pesquisadores observaram que, durante o estudo, a proporção de mulheres aumentou de 20% entre 1996 a 1999 para 28% entre 2004 a 2007 e, depois, diminuiu para 21% entre 2008 a 2010. A idade média dos selecionados aumentou entre 1996 a 1999 e 2008 a 2010, enquanto a proporção de pessoas que usam drogas injetáveis diminuiu de 17% para 7% nesse período. A contagem média de CD4 no primeiro ano após o início do tratamento antirretroviral aumentou substancialmente, de 370 células em 1996 a 1999 para 430 células em 2008 a 2010, enquanto a proporção de pacientes com carga viral igual ou menor que 500 aumentou de 71% entre 1996 a 1999 para 93% entre 2008 a 2010.

Características dos pacientes no momento do início da terapia antirretroviral.

Dentre os 88.504 pacientes incluídos no estudo, 2.106 morreram durante o primeiro ano de tratamento antirretroviral, o que representa 2% deste total. Dos 81.608 pacientes que permaneceram no estudo por mais de um ano, 2.302 morreram no segundo ou terceiro anos, o que representa 3% deste total.

Causas específicas de morte por período de início do tratamento antirretroviral no primeiro, segundo e terceiro anos.

Os pacientes que iniciaram o tratamento antirretroviral entre 2008 a 2010 apresentaram menor mortalidade, incluindo causas de morte não relacionadas a aids, do que naqueles que começaram o tratamento entre 2000 a 2003: a expectativa de vida em pacientes com 20 anos de idade que começaram o tratamento antirretroviral aumentou cerca de 9 anos em mulheres e 10 anos em homens. Ainda assim, esta diminuição da mortalidade não pode ser totalmente explicada pela carga viral e pela contagem de células CD4 — por que razão, além do CD4 e da carga viral, a expectativa de vida teria continuado a aumentar?

A interpretação dos pesquisadores é que a expectativa de vida aumentou ainda mais com a transição para medicamentos menos tóxicos, que permitem melhor adesão.

Durante 1996 a 1999, a maioria dos pacientes começava seu tratamento com um regime baseado em inibidores de protease, enquanto que após o ano 2000 os regimes eram baseados em inibidores não-nucleosídeos da transcriptase reversa eram mais comuns. Os inibidores de protease, como Indinavir, Nelfinavir e Saquinavir foram substituídos por Atazanavir, Darunavir e Lopinavir. O Efavirenz foi do terceiro fármaco mais utilizado de 2000 em diante. Os inibidores da transcriptase reversa Didanosina, Estavudina e Zidovudina (AZT) foram substituídos por Abacavir e Tenofovir.

Essa evolução toda faz com que a expectativa de vida atual dos soropositivos seja “próxima do normal”, segundo uma reportagem da BBC publicada esta semana: jovens de vinte anos de idade que começaram o tratamento antirretroviral em 2010 podem esperar viver 10 anos a mais do que aqueles começaram o tratamento antirretroviral em 1996.


eurekalert 300 cmyk

Novo estudo conduzido por pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts descobriu que fumar cigarros reduz substancialmente a vida de pessoas vivendo com HIV nos EUA, potencialmente mais do que o próprio HIV. O relatório foi publicado on-line no Journal of Infectious Diseases.

“Uma pessoa com HIV que toma medicamentos antirretrovirais e que fuma é muito mais propensa a morrer de uma doença relacionada ao tabagismo do que do HIV”

“Uma pessoa com HIV que toma medicamentos antirretrovirais e que fuma é muito mais propensa a morrer de uma doença relacionada ao tabagismo do que do HIV”, diz Krishna Reddy da divisão de cuidados críticos de saúde e pulmonares do Hospital Geral de Massachusetts e do Medical Practice Evaluation Center e quem liderou o estudo. “A boa notícia é que parar de fumar pode aumentar muito a vida útil, e nunca é tarde demais para parar.”

Embora apenas 15% da população adulta geral dos EUA seja fumante de cigarros, entre as pessoas que vivem com o HIV a taxa de tabagismo é superior a 40%, enquanto 20% são ex-fumantes. O uso generalizado de medicamentos antivirais hoje permite que as pessoas com HIV vivam mais tempo, mas os fumantes com HIV estão desenvolvendo doenças relacionadas ao fumo — como câncer de pulmão, doenças cardíacas e doença pulmonar obstrutiva crônica (às vezes chamada de enfisema). As taxas são mais elevadas do que em indivíduos não infectados pelo HIV.

Os pesquisadores usaram dados epidemiológicos para estimar a expectativa de vida média de pessoas vivendo com HIV, separando-os em grupos de fumantes atuais, ex-fumantes ou que nunca fumaram. Aplicando um modelo de simulação desenvolvido pela equipe, eles demonstraram que uma pessoa com HIV poderia perder mais de 8 anos de vida apenas em decorrência do hábitos de fumar e não relacionado à infecção pelo HIV.

Eles também descobriram que, se um quarto das pessoas que recebem cuidados de saúde para o HIV nos EUA parassem de fumar agora, mais de 25 mil anos de vida seriam salvos no total. Aliás, o estudo descobriu que, para uma pessoa de 40 anos de idade e que recebe cuidados para o HIV, mas — tal como costuma acontecer nos EUA — que não segue perfeitamente seu tratamento como recomendado, o tabagismo reduz sua expectativa de vida em mais de 6 anos, em comparação com um não-fumante que é igualmente não aderente perfeitamente ao tratamento antiviral. Para quem adere bem aos medicamentos anti-HIV, o fumo reduz a expectativa de vida em mais de 8 anos — cerca do dobro do impacto do próprio HIV — em comparação com um não-fumante que adere perfeitamente ao tratamento. Para aqueles que já eram fumantes quando começaram tratamento para o HIV, parar de fumar, particularmente em idades mais jovens, demonstrou reverter grande parte da perda da expectativa de vida.

“É hora de reconhecer que fumar é atualmente o principal assassino das pessoas com HIV que estão recebendo tratamento”

“Cessar o tabagismo deve ser uma parte fundamental do cuidado das pessoas que vivem com HIV para melhorar sua expectativa de vida e sua qualidade de vida”, diz o coautor do estudo Travis Baggett, da divisão geral de medicina interna do Hospital Geral de Massachusetts e do Centro de Pesquisa e Tratamento do Tabaco. Rochelle Walensky, da divisão de doenças infecciosas do Hospital Geral de Massachusetts e autora sênior do estudo, diz: “É hora de reconhecer que fumar é atualmente o principal assassino das pessoas com HIV que estão recebendo tratamento.”

Reddy acrescenta: “Infelizmente, as intervenções para cessar o tabagismo não foram amplamente incorporadas nos cuidados do HIV. Dado o quão comum é o tabagismo entre as pessoas com HIV, agora é a hora de mudar isso.” Reddy é professor de Medicina, Baggett é professor assistente de Medicina e Walensky é professora de Medicina na Harvard Medical School.

Em 3 de novembro de 2016 pelo EurekAlert!

HuffPost Brasil

Nós não morremos mais de aids. Nós não vamos viver menos que uma pessoa que não tem HIV. Com tratamento antirretroviral e carga viral indetectável, nós não transmitimos o HIV através de relação sexual. Temos o código genético do vírus integrado em algumas células, mas provavelmente seremos a geração de soropositivos que vai experimentar a cura.

É verdade, muitas pessoas com HIV ainda morrem por conta de complicações decorrentes da aids, porém, a maioria delas são aquelas que não tem acesso ao tratamento antirretroviral, infelizmente, como ainda é o caso de muitas regiões na África, por exemplo, ou aquelas que foram diagnosticados tarde, já no hospital, com algum doença oportunista relacionada à aids.

Por hora, também é verdade que ainda vivemos um pouco menos que as pessoas que não têm HIV. Uma pessoa soropositiva e que alcançou 50 anos de idade entre os anos de 2006 a 2014 tem uma expectativa de vida de 72,5 anos, enquanto uma pessoa soronegativa pode esperar viver até os 80,2 anos. Todavia, uma pessoa soropositiva que fez 50 anos de idade entre 1996, o ano em que a terapia antirretroviral combinada de três medicamentos foi implementada, a 1999 poderia esperar viver somente até aos 67,8 anos. Para olhar para o futuro, colocamos esses números num gráfico e assim podemos presumir, sem exageros, que a atual geração de jovens soropositivos não vai viver menos que soronegativos.

sobrevida
Sobrevida, em anos, entre as pessoas de 50 anos de idade com e sem HIV.

O mesmo vale para a incidência de cânceres, relacionados e não-relacionados à aids, que ainda têm uma taxa mais elevada entre as pessoas que vivem com HIV do que entre as pessoas soronegativas. Uma das possíveis razões para essa taxa mais elevada é a inflamação crônica, um assunto pontual ainda não totalmente compreendido pelos médicos e cientistas, a qual é um pouco maior em soropositivos e que, a longo prazo, acredita-se, pode trazer complicações ligadas à uma série de doenças, incluindo cardiovasculares, autoimunes, doenças hepáticas, renais e câncer.

Ainda assim, os gráficos já mostram, nos dias de hoje, um declínio das taxas de câncer entre soropositivos. Projetando para o futuro, não é exagerado concluir que em breve teremos a mesma taxa de incidência de cânceres que os soronegativos.

Grafico tendencia cancer
Neste gráfico, a linha azul mostra a incidência de cânceres não relacionados com aids, enquanto a linha verde mostra a incidência de tipos de câncer relacionados à aids, ao longo do tempo.

As pessoas com HIV que serviram como referência para os gráficos acima são aquelas que passaram pelo começo da epidemia de HIV/aids, quando não havia tratamento e, quando este surgiu, ainda era muito agressivo, tóxico e, muitas vezes, não tão eficaz.

Aliás, de tão agressivos e ineficazes, os primeiros tratamentos antirretrovirais não foram capazes de salvar a vida da pequena Kat Schurmann, filha adotiva do casal Schurmann, cuja história está no filme brasileiro Pequeno Segredo, que concorre agora por uma indicação ao Oscar 2017 de filme estrangeiro. Kat nasceu em 1992, antes do surgimento da terapia antirretroviral, infectada com o HIV por transmissão vertical, nome que se dá à transmissão do HIV durante a gravidez, parto ou amamentação de uma mãe soropositiva. Ela faleceu em 29 de maio de 2006, aos 13 anos de idade, devido à complicações decorrentes do HIV.

pequeno-segredo-banner

Hoje, para viver quase como soronegativos, ainda precisamos dos antirretrovirais. São o mesmo tipo de medicamentos que aqueles implementados em 1996, embora, atualmente, eles sejam mais modernos, mais simples de ingerir e menos tóxicos — por isso, com menos efeitos colaterais, incluindo ausência de lipodistrofia, uma condição comum decorrente dos primeiros coquetéis de antirretrovirais, que faz com que a gordura corporal seja realocada pelo organismo de maneira desproporcional.

Hoje, para controlar o HIV precisamos somente de um comprimido por dia, o qual é composto por três medicamentos diferentes, que inibem os processos que o vírus usa para se replicar dentro do organismo. Em breve, esse único comprimido deve passar a conter apenas dois ou, quem sabe, um único medicamento antirretroviral, o que deve reduzir ainda mais a toxicidade destes medicamentos e, muito possivelmente, melhorar ainda mais os indicadores que falamos acima.

Os antirretrovirais atuais são muito mais avançados que aqueles a que Kat Schurmann teve acesso. Com eles, não é difícil manter o vírus no sangue em quantidade tão baixa que é indetectável, mesmo pelos exames mais precisos de laboratório. No Brasil, de acordo com o último Boletim Epidemiológico, aproximadamente 88% das pessoas que vivem com HIV e que fazem tratamento antirretroviral no país têm carga viral indetectável.

Sob tratamento antirretroviral e com o vírus indetectável no sangue, também não há vírus detectável no fluído pré-ejaculatório e há em baixa quantidade no sêmen. Isso provavelmente é o que faz com que, desde o começo da epidemia, nunca tenha sido observada uma única transmissão sequer a partir de pessoas que vivem com HIV, fazem tratamento antirretroviral e têm carga viral do HIV indetectável no sangue, muito embora já tenham sido feitos longos e extensos estudos entre milhares de casais sorodiscordantes (quando só um dos parceiros é positivo para o HIV) que optam por não fazer uso do preservativo. No último destes estudos, o Partner, foram acompanhados 1.166 casais sorodiscordantes, vários deles homossexuais, em 75 centros clínicos espalhados por 14 países europeus e, assim como nos estudos similares anteriores, não foi documentada uma única transmissão do HIV a partir de quem faz tratamento antirretroviral e tem carga viral indetectável. Zero transmissão.

Essa realidade faz com que a concepção natural, sem inseminação artificial, sem camisinha, já seja uma opção para casais sorodiscordantes que planejam ter filhos. Portanto, no sexo, soropositivos em tratamento e com carga viral indetectável já são como soronegativos. “Derrubou a carga viral, não tem como transmitir o HIV. Esse hoje é o mecanismo mais poderoso de prevenção que existe”, explicou Fábio Mesquita, ex-diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, durante o X Curso Avançado de Patogênse do HIV, que aconteceu na Faculdade de Medicina da USP, em 2015. “É mais poderoso que a camisinha.”

cascata-de-tratamento-no-brasil

Por conta desta eficácia do tratamento como prevenção na transmissão do HIV, o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, o Unaids, estabeleceu uma meta, que determina que “90% de todas as pessoas vivendo com HIV conheçam seu status; que 90% das pessoas diagnosticadas recebam terapia antirretroviral; e que 90% das pessoas recebendo tratamento possuam carga viral suprimida e não mais possam transmitir o vírus”.

A Suécia foi o primeiro país a alcançar essa meta. Se ela for alcançada por mais países, a epidemia de HIV/aids será virtualmente controlada até 2030, com apenas 200 mil infecções por ano, ante as 2,1 milhões de novas infecções em 2015. Restarão com HIV no mundo as atuais 36,7 milhões de pessoas soropositivas, aproximadamente, dentre as quais eu estou incluído.

metas_ambiciosas-unaids

Em 2030, qual será a diferença entre soropositivos e soronegativos? Se os gráficos acima estiverem certos, muito pouco: continuaremos a não morrer de aids, teremos uma expectativa de vida igual a de soronegativos e, ao invés de um comprimido por dia composto por três medicamentos, provavelmente teremos uma única pílula composta por um único antirretroviral — quem sabe, administrável em doses mais espaçadas que a atual dose diária. Para ser aprovado pelas autoridades de saúde, esse tratamento terá de continuar a manter a nossa carga viral indetectável e, por isso, continuaremos incapazes de transmitir o HIV.

Até lá, esperamos que viajantes com HIV não sejam mais deportados ou impedidos de entrar em alguns países, como ainda acontece hoje. Esperamos que mulheres com HIV na Rússia não sejam mais presas por não revelar sua condição sorológica aos seus parceiros e que elas não sejam mais esterilizadas à força em Uganda, tal como tem acontecido enquanto você lê esse texto. Esperamos que não hajam mais leis criminalizantes, que ainda hoje punem desproporcionalmente aqueles que vivem com HIV — como em alguns estados americanos, por exemplo, que já chegaram à condenar soropositivos que cuspiram ou morderam outras pessoas a 35 anos de prisão, e nos Emirados Árabes, onde um soropositivo está preso há mais de 10 anos por ter HIV.

Enfim, esperamos, tal como a meta proposta pelo Unaids, que nos próximos anos não haja mais estigma, discriminação e preconceito contra quem vive com HIV. Nesse cenário, o que é que restará de diferente?

HIV_3D_modelo

“Carregamos cerca de 100.000 pedaços de DNA que vieram de retrovírus, conhecidos como retrovírus endógenos. No total, eles compõe estimados 5 a 8% de todo o genoma humano”, explica uma matéria da National Geographic, de 2015, que teve a colaboração de Carl Zimmer, autor do livro A Planet of Viruses.

“Os cientistas sabem que esta fusão aconteceu porque os vírus têm genes distintos. Quando os cientistas vasculham o genoma humano, às vezes se deparam com um trecho de DNA que carrega marcas de um vírus. O tipo mais fácil de vírus de reconhecer são os retrovírus, um grupo que inclui o HIV. Retrovírus fazem cópias de si mesmos infectando as células e, em seguida, usando uma enzima para inserir seus genes no DNA da célula hospedeira. Em seguida, a célula lê o DNA inserido e faz novas moléculas que se montam em novos vírus.

“Na maioria das vezes, os retrovírus se comportam como outros vírus, saltando de um hospedeiro para outro. Mas, por vezes, um retrovírus vai parar no genoma de um óvulo ou do esperma. Se, em seguida, ele terminar em um novo embrião, então o embrião vai levar uma cópia do vírus em cada uma de suas células, incluindo o seu próprio óvulo ou esperma. E assim por diante, de pais para filhos, aos netos.

“Não há como ter certeza de que estamos livres de novos retrovírus endógenos e se o HIV ou outros novos retrovírus irão dar um jeito e integrar nossos nossos genes” — se isso acontecer, bem, então os soronegativos é que vão ficar mais parecidos com soropositivos.


logo_bodypro

A sobrevida estimada a partir dos 50 anos entre as pessoas que vivem com HIV na Dinamarca quase duplicou, passando de 11,8 anos, entre 1996 a 1999, para 22,8 anos, entre 2006 a 2014. Porém, a sobrevida estimada das pessoas soropositivas ainda é menor do que pessoas da mesma idade e sexo na população da Dinamarca.

A expectativa de vida com o HIV tem aumentado dramaticamente nos últimos anos, como as pessoas tomando combinações antirretrovirais mais fortes, mais seguras e mais convenientes. Alguns estudos sugerem que as pessoas com HIV estão vivendo quase tanto tempo quanto as pessoas sem HIV. Contudo, a análise da sobrevida projetada é complicada e nem todos os estudos constataram que as pessoas com HIV têm a mesma expectativa de vida que soronegativos. Por exemplo, um estudo da Califórnia descobriu que a diferença entre a expectativa de vida de 24.768 pessoas com HIV e 257.600 sem HIV caiu de 44 anos, entre 1996 a 1997, para apenas 12 anos, em 2011. Essa diferença persistiu mesmo em pessoas soropositivas relativamente saudáveis, que começaram terapia antirretroviral com uma contagem de CD4 acima de 500.

Por causa do aumento da sobrevida com HIV, pessoas com 50 anos ou mais representam uma proporção crescente de grupos de pessoas com HIV. E ainda pouco se sabe sobre a expectativa de vida com o HIV em pessoas com 50 anos ou mais. Para abordar esta questão, pesquisadores na Dinamarca realizaram um estudo de âmbito nacional de pessoas soropositivas pareadas por idade e sexo, comparando com pessoas sem HIV.

 

Como funcionou o estudo:

Todos que estão em tratamento contra a infecção pelo HIV na Dinamarca vão para algum dos oito centros de HIV, onde os cuidados de saúde, incluindo a terapia antirretroviral, são gratuitos. Desde janeiro de 1995, a Dinamarca mantém registros médicos eletrônicos de todas essas pessoas, incluindo dados sobre o tratamento antirretroviral, a contagem de CD4 e carga viral. Outros registros no país incluem dados atualizado regularmente sobre todos os residentes dinamarqueses que foram internados em algum hospital na Dinamarca, além de dados sobre mortes, emigração e imigração.

Este estudo avaliou as pessoas infectadas pelo HIV que atingiram a idade de 50 anos entre janeiro de 1996 e maio de 2014 e viveram durante pelo menos um ano depois de testar positivo para o HIV. Os pesquisadores compararam cada pessoa soropositiva à 6 pessoas da mesma idade e sexo na população comum. A equipe de pesquisa também identificou um grupo de pessoas soropositivas “bem tratadas” entre 2006 e 2014, que tinham tomado a terapia antirretroviral durante pelo menos 1 ano, tinham carga viral abaixo de 500 cópias e uma contagem de CD4 igual ou superior a 350 depois de tomar antirretrovirais durante 1 ano e, também, que não tinham sido diagnosticadas com qualquer doença relacionada à aids ou doença grave não-relacionada à aids. Os pesquisadores compararam cada uma dessas pessoas bem-tratadas com HIV à 6 pessoas na população comum que não tinham infecção pelo HIV ou qualquer outra doença grave.

A equipe de pesquisa usou os registros nacionais para determinar o tempo de 50 anos de idade e morte por qualquer causa, data de saída Dinamarca e data da última visita médica registrada para pessoas com HIV. Eles utilizaram um método estatístico padrão para determinar a sobrevivência de pessoas que entraram no grupo de estudo em três períodos: 1996-1999, 2000-2005 e 2006-2014. Esta análise deu aos pesquisadores uma taxa de mortalidade por todas as causas. Os pesquisadores também calcularam a razão da taxa de mortalidade comparando a mortalidade no grupo de pessoas HIV ao grupo da população em geral.

 

O que o estudo descobriu:

O estudo identificou 2.440 pessoas soropositivas de 50 anos de idade ou mais e 14.588 pessoas na população em geral combinadas com o grupo com HIV por idade e sexo. No grupo com HIV, 530 pessoas (21,7%) morreram durante o período do estudo, em comparação com 1.388 pessoas (9,5%) na população em geral.

Entre as pessoas com HIV, a média de sobrevivência estimada a partir de 50 anos de idade aumentou de 11,8 anos em 1996-1999 para 17,8 anos no período 2000-2005 e para 22,5 anos em 2006-2014. Para o grupo de comparação da população em geral, a sobrevida mediana de 50 anos de idade foi de 30,2 anos ao longo de todo o período do estudo. Em outras palavras: uma pessoa soropositiva de 50 anos de idade em 1996-1999 poderia esperar viver até aos 67,8 anos, enquanto uma pessoa soropositiva de 50 anos de idade em 2006-2014 poderia esperar viver até os 72,5 anos. Contudo, o grupo com HIV e 50 anos de idade em 2006-2014 não alcançou a população em geral, que poderia esperar viver até aos 80,2 anos.

50_survival

Para todo o período do estudo, 1996-2014, os pesquisadores compararam a chance de morte por qualquer causa relacionado ao HIV contra causas não relacionados ao HIV em grupos etários agrupados por 5 anos, expressando a razão da taxa de mortalidade. Em comparação com pessoas compatíveis na população em geral, as pessoas de 50 a 55 anos de idade com HIV tiveram 3,8 vezes mais chance de morte durante todo o período do estudo. A maior chance de morte com o HIV cresceu menos nos grupos etários mais velhos. Contudo, o grupo de 75 a 80 anos de idade com HIV ainda tinham 1,6 vezes mais chance de morte do que as pessoas compatíveis na população em geral. A razão da taxa de mortalidade, comparando as taxas de mortalidade em pessoas com e sem HIV foram mais elevadas em 1996-1999 e caíram em todas as faixas etárias em 2000-2005 e 2006-2014.

sept16_deathbyage

Em seguida, os pesquisadores se concentraram nas 517 pessoas com HIV “bem tratadas”, que não tinham sido diagnosticadas com uma doença relacionada à aids e não tinham qualquer doença grave não-relacionada à aids um ano depois de começar a terapia antirretroviral. Os pesquisadores combinaram as 3.192 pessoas na população em geral que não têm uma doença grave por idade e sexo.

A sobrevida média estimada a partir de 50 anos de idade no grupo com HIV foi de 25,6, em comparação com 34,2 anos no grupo de comparação da população em geral. Em outras palavras: pessoas com 50 anos de idade e relativamente saudáveis com HIV poderiam esperar viver até aos 75,6 anos, em comparação com 84,2 anos na população em geral. Comparando as taxas de mortalidade em pessoas soropositivas com a população em geral, a taxa de mortalidade de 1,7 significa que as pessoas de 50 anos de idade relativamente saudáveis com HIV tiveram uma taxa de mortalidade 70% maior.

 

O que estes resultados significam para você:

Este estudo nacional da Dinamarca descobriu que pessoas de 50 anos de idade com HIV podem esperar viver mais tempo se completaram 50 anos em 2006-2014 do que aqueles que completaram 50 anos de idade em 2000-2005 — e muito mais do que aqueles que completaram 50 anos de idade em 1996-1999. Pessoas soropositivas de 50 de idade e mais velhas que evitaram aids e doença graves não-relacionadas à aids por conta da terapia antirretroviral podem esperar viver ainda mais tempo.

Ainda assim, os grupos com HIV ainda não alcançaram a expectativa de vida de pessoas na população em geral na Dinamarca, na mesma idade e sexo. A recente comparação de 24.768 pessoas soropositivas na Califórnia e 257.600 pessoas sem HIV descobriram resultados semelhantes.

Grandes estudos como estes mostram que as recentes melhorias na terapia antirretroviral e cuidados de saúde para o HIV estão ajudando as pessoas soropositivas a viver muito mais tempo com a infecção. Contudo, as pessoas soropositivas ainda enfrentam mais desafios de saúde do que as pessoas sem HIV. Estes desafios incluem taxas mais elevadas de algumas doenças graves, como doenças cardíacas, câncer, diabetes e doença renal ou hepática. Pessoas soropositivas devem trabalhar com seus médicos para cuidar de doenças não-relacionadas à aids que podem representar alguma ameaça específica e tomar medidas para reduzir as chances de contrair essas doenças. Soropositivos que já têm uma doenças não-relacionadas à aids podem tomar medidas para controlá-las.

A coisa mais importante que você pode fazer para viver mais tempo mesmo com o HIV é tomar todos os seus antirretrovirais regularmente, exatamente como seu prescrito pelo médico. Se você tem dificuldade para tomar as pílulas regularmente, fale com o seu médico a respeito de encontrar maneiras de melhorar a ingestão do comprimido. Às vezes, pode ser possível mudar para uma combinação antirretroviral na qual se sente mais confortável de tomar.

Cuidar bem da sua saúde geral é importante para todas as pessoas com HIV, mais especialmente para pessoas com 50 anos de idade ou mais. Muitas doenças graves tornam-se mais frequentes à medida que uma pessoa envelhece, tenha esta pessoa HIV ou não. Este estudo concluiu que pessoas com 50 anos ou mais que controlam a sua infecção pelo HIV e evitam a aids e doenças graves não-relacionadas à aids podem esperar viver mais tempo do que as pessoas que adquirem essas doenças.

Por The Center for Aids Information & Advocacy para The Body Pro em setembro de 2016


prnewswire

Um estudo clínico de fase II realizado na África do Sul confirmou que a vacina terapêutica Tat contra o HIV/aids pode efetivamente melhorar a resposta aos medicamentos antirretrovirais em soropositivos. Os resultados foram publicados no jornal Retrovirology. A vacina foi desenvolvida no Istituto Superiore di Sanità (ISS) pelo National Aids Center (NAC) (NAC), sob a direção da Dra. Barbara Ensoli.

O estudo, realizado no MeCRU, a unidade de pesquisa clínica da Universidade Makgatho Sefako, inscreveu 200 participantes em tratamento antirretroviral com níveis indetectáveis de HIV no sangue. Os participantes foram divididos aleatoriamente em dois grupos “cegos” para receber três injeções intradérmicas de 30μg da vacina ou placebo, com um mês de intervalo. Após 48 semanas da vacinação, os grupos foram revelados: os participantes vacinados apresentaram aumento significativo de células T CD4 em relação ao grupo que tomou placebo. O ganho de células T CD4 foi particularmente significativo nos participantes com poucas células T CD4 no início do estudo.

A vacina atua induzindo anticorpos protetores, capazes de neutralizar a proteína Tat do HIV de diferentes subtipos virais, incluindo os subtipos A, B e C que circula na Ásia, Europa, América e África. A vacina Tat promete melhorar a eficácia dos tratamentos atuais contra o HIV e a expectativa de vida das pessoas que vivem com HIV em todo o mundo.

As células T CD4 são peças fundamentais na resposta imunitária contra os agentes patogênicos, mas são progressivamente perdidas durante a infecção pelo HIV, uma condição que conduz à aids. Embora o tratamento antirretroviral seja muito eficaz em suprimir a replicação do vírus, as células T CD4 podem permanecer baixas, particularmente em pessoas que iniciam o tratamento tarde, como ainda ocorre em ambos os países desenvolvidos e em desenvolvimento.

estrutura do HIV
Uma ilustração da estrutura do HIV, com proteínas identificadas. Crédito: David S. Goodsell, RCSB APO.

A Dra. Ensoli, inventora da vacina, explica que “A vacina foi desenvolvida para alvejar a proteína Tat do HIV, que é produzida logo no começo da infecção. A Tat desempenha um papel chave na replicação viral e na progressão da doença por enfraquecimento do sistema imunológico. Através da concepção de uma vacina que inclui uma pequena quantidade da proteína Tat, fomos capazes de induzir uma resposta imune capaz de melhorar os efeitos dos medicamentos anti-HIV.”

Este estudo confirma os resultados de um estudo anterior de fase II com a vacina Tat, realizado na Itália, com 155 pacientes tratados com antirretrovirais, o qual mostrou a indução de anticorpos contra a Tat e a recuperação de células T CD4. Após três anos da vacinação, o estudo italiano também mostrou uma diminuição significativa do “reservatório do vírus” no sangue, uma porção de vírus “silenciosos”, invisíveis aos antirretrovirais e responsáveis pela restauração da quantidade de vírus após uma eventual interrupção da terapia antirretroviral ou em decorrência de baixa “adesão” ao tratamento. Um estudo de seguimento está em curso também na África do Sul, para confirmar a redução do reservatório de HIV observado no estudo italiano.

O estudo na África do Sul é parte de um grande programa de cooperação com o Departamento Sul-Africano de Saúde e do Conselho de Pesquisa Médica na luta contra o HIV/aids, assinado pelos governos da Itália e África do Sul, e dirigido pela Dra. Ensoli (principal pesquisadora) e pelo Dr. P. Monini (chefe de operações na África do Sul), em estreita colaboração com os homólogos sul-africanos. O programa foi financiado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros italiano e foi auditado com recomendações para sustentabilidade futura dos resultados de acordo com Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO).

O Prof. Gualtiero Ricciardi, novo presidente ISS, sublinha que “o Programa representa um exemplo de excelência, que tem combinado efetivamente a pesquisa clínica translacional com a saúde pública, e promoveu a inovação e o desenvolvimento internacional”. Os homólogos italianos e sul-Africano estão agora defendendo seguir para estudos de fase III, em direção ao registro da vacina com o apoio financeiro de órgãos internacionais.

 

Istituto Superiore di Sanità

O Istituto Superiore di Sanità (ISS) é uma instituição pública italiana que, como principal corpo técnico e científico do Servizio Sanitario Nazionale, realiza pesquisas, estudos, controles, aconselhamento, documentação e formação para a saúde pública. O ISS está sob a supervisão do Ministero della Salute. Três vencedores do prêmio Nobel conduziram suas pesquisas dentro do ISS: Daniel Bovet, Ernst Boris Chain e Rita Levi-Montalcini. Hoje, o ISS reúne um corpo de aproximadamente 2.000 cientistas, técnicos e pessoal de escritório, no centro de pesquisa e no hospital da área biomédica de Roma.

 

National Aids Center

O National Aids Center (NAC) foi estabelecido no ISS em 2005. Sua missão é lutar contra o HIV/aids e doenças associadas através do desenvolvimento de vacinas e abordagens terapêuticas inovadoras, com base em estudos sobre a patogênese do HIV e sua progressão. O NAC realiza programas de pesquisa translacional e fundamental para estudos clínicos, além de coordenar vários programas de pesquisa nacionais e internacionais. Seu know-how científico e tecnológico, sua liderança em redes nacionais e internacionais e suas múltiplas cooperações com os países em desenvolvimento e agências humanitárias, faz com que o NAC seja uma referência nacional e internacional na luta contra o HIV/aids.

Em 8 de junho de 2016 pelo Istituto Superiore di Sanita para o PR Newswire.


hivandhepatitis

Domingo, 5 de junho de 2016, foi o 35º aniversário do primeiro relatório sobre a doença que viria a ser conhecida como aids. As últimas três décadas incluíram um progresso notável — incluindo a terapia antirretroviral e uma pílula que pode prevenir a infecção pelo HIV — mas muito ainda precisa ser feito para que esses avanços estejam à disposição de todos aqueles que necessitam.

A edição de 5 de junho de 1981 da Morbidity and Mortality Weekly Report (MMWR), publicada pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) americano, incluiu um artigo sobre um grupo de casos misteriosos de pneumocistose (PCP) entre homens homossexuais anteriormente saudáveis, em Los Angeles. Não muito tempo depois, a edição de 4 de julho de MMWR descrevia vários casos de PCP e de um tipo raro de câncer, o sarcoma de Kaposi, na Califórnia e em Nova York.

“A causa do surto é desconhecida.”

Descrevendo a nova síndrome no New York Times, Lawrence Altman escreveu: “A causa do surto é desconhecida e não existe ainda nenhuma evidência de contágio. Mas os médicos que fizeram os diagnósticos, principalmente em Nova York e na região de São Francisco, estão alertando os outros médicos que tratam um grande número de homens homossexuais para o problema, em um esforço para ajudar a identificar mais casos e reduzir o atraso no início do tratamento de quimioterapia.”

Vários casos semelhantes começaram a aparecer em todo os Estados Unidos e em todo o mundo, afetando não só homens homossexuais e bissexuais, mas também pessoas com hemofilia, receptores de sangue doado, pessoas que injetam drogas e crianças nascidas de mulheres nestes grupos. Logo se tornou evidente que um agente patogênico previamente desconhecido — um que parecia ser transmitido sexualmente e pelo sangue — estava destruindo o sistema imunológico, deixando as pessoas infectadas suscetíveis à uma série de doenças oportunistas fatais.

“Os primeiros anos da aids foram a fase mais sombria da minha carreira.”

Em 2011, num encontro celebrando o 30º aniversário do primeiro relato de aids, Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, escreveu: “Os primeiros anos da aids foram, sem dúvida, a fase mais sombria da minha carreira, caracterizada pela frustração sobre o quão pouco eu poderia fazer pelos meus pacientes. Em hospitais por todo o país, os pacientes eram geralmente internados já perto da morte. Sua sobrevivência geral era medida em meses. O tratamento que nós fornecíamos era principalmente paliativo. Treinado para ser um curador, eu não estava curando ninguém.”

Em 1983, os pesquisadores anunciaram a descoberta do vírus da imunodeficiência humana, o HIV. A primeira droga que mostrou alguma eficácia contra o vírus, a zidovudina ou AZT, foi aprovada em 1987, mas foi somente em 1996 que a terapia usando várias classes de medicamentos antirretrovirais se tornou disponível. O advento do tratamento antirretroviral reduziu drasticamente as taxas de mortalidade entre as pessoas com HIV, primeiro em os Estados Unidos e outros países ricos e, eventualmente, em países de recursos limitados. Esta semana, o Unaids anunciou que atualmente existem 17 milhões de pessoas em todo o mundo recebendo terapia antirretroviral.

LK Altman, New York Times, 3 de julho de 1981.
New York Times, 3 de julho de 1981.

No entanto, apesar destes avanços, ainda há muito a ser feito. O Unaids estima que quase metade das pessoas que vivem com HIV no mundo ainda não estão em tratamento, com base nas diretrizes americanas, europeias e da Organização Mundial da Saúde, que recomendam a todas as pessoas diagnosticadas com HIV a iniciar o tratamento imediatamente, independentemente da contagem de células T CD4.

Nos Estados Unidos, dados do CDC indicam que, enquanto 86% das pessoas com HIV tinham sido diagnosticadas em 2011, apenas 37% tinham sido prescritas ao tratamento e apenas 30% tinham carga viral indetectável, a qual tanto interrompe a progressão da doença como evita a transmissão subsequente. (Um estudo recente, no entanto, sugeriu que menos pessoas podem estar vivendo com o HIV em nos Estados Unidos e que uma proporção maior pode estar sob terapia antirretroviral).

Não houve qualquer infecção entre aqueles que tomaram Truvada pelo menos 4 vezes por semana.

Em 2012, a Food and Drug Administration aprovou o Truvada (Tenofovir e Emtricitabina) para a prevenção do HIV. Dados do estudo internacional iPrEx de homens que fazem sexo com homens e mulheres transexuais mostrou que tomar Truvada uma vez por dia reduziu o risco de infecção pelo HIV em 44% do total, subindo para 92% entre os participantes que o tomaram de forma consistente. Numa extensão do iPrEx, não houve qualquer infecção entre aqueles que tomaram Truvada pelo menos 4 vezes por semana.

O CDC estima que mais de 47.000 pessoas foram diagnosticadas com HIV e mais de 26.000 pessoas foram diagnosticadas com aids nos Estados Unidos em 2013, indicando que o tratamento e a prevenção não estão atingindo todos.

Envelhecimento e questões de longo prazo tornaram-se mais proeminentes, uma vez que hoje as pessoas vivem mais tempo com o HIV.

Tanto os Estados Unidos como no mundo, o HIV afeta grupos vulneráveis mais desproporcionalmente, incluindo homens gays e bissexuais — especialmente jovens gays negros — profissionais do sexo e usuários de drogas injetáveis, enquanto o estigma e a criminalização desencorajam as pessoas que vivem com HIV ou em risco de contraí-lo a buscar os serviços de que necessitam. Ao mesmo tempo, o envelhecimento e as questões de longo prazo tornaram-se mais proeminentes, uma vez que hoje as pessoas vivem mais tempo com o HIV.

Publicado em 3 de junho de 2016 por Liz Highleyman para o HivAndHepatitis.com

Fonte: MS Gottlieb, HM Schanker, PT Fan, et al. Pneumocystis Pneumonia — Los Angeles. Morbidity and Mortality Weekly Report30(21):1-3. June 5, 2016. LK Altman. Rare Cancer Seen in 41 Homosexuals. New York Times. July 3, 1981.


Atlantic

Religião é saudável. Pelo menos, é isso que uma série de estudos têm sugerido: frequentar igrejas e outras práticas religiosas estão associadas à taxas mais baixas de mortalidade, junto com outros comportamentos saudáveis, como não fumar ou beber.

Um novo estudo, publicado esta semana no Journal of General Internal Medicine, leva estas conclusões um passo adiante: por mais de 17 anos, pesquisadores acompanharam homens e mulheres que vivem com HIV e que já estavam em estágio intermediário da doença quando o estudo começou. Eles descobriram que as pessoas que se envolveram em práticas e pensamentos espirituais tiveram uma maior taxa de sobrevivência do que as pessoas que não o fizeram — de duas a quatro vezes maior.

Entre outras coisas, os pesquisadores perguntaram aos participantes se eles rezavam, meditavam ou participavam de cultos religiosos; se eram gratos a Deus pelo que tinham; se tinham superado sentimentos de “culpa espiritual”, acreditando que Deus iria perdoá-los por seus erros. O estudo deixa em aberto uma série de questões, mas os resultados são provocantes. Eles sugerem que a forma como as pessoas pensam sobre o significado de suas vidas e seu relacionamento com Deus pode ter um efeito positivo sobre a sua saúde, mesmo quando estão vivendo com uma doença crônica e progressiva.

No final dos anos 90, o medicamento usado para tratar pacientes soropositivos melhorou significativamente, com a introdução de um novo “coquetel” de medicamentos utilizados para interromper o desenvolvimento da doença. Isso abriu o caminho para novas pesquisas: pouco depois deste novo tipo de tratamento antirretroviral tornar-se disponível, Gail Ironson, professora de psicologia na Universidade de Miami, recrutou pacientes para um estudo longitudinal sobre o HIV, e mais tarde foi acompanhada por Heidemarie Kremer, uma ex-ativista e pesquisadora da Universidade Internacional da Flórida. A cada seis meses, durante a primeira metade do estudo, os participantes respondiam à perguntas, escreviam ensaios e participavam de entrevistas. A maioria deles fazia uso da medicação quando o estudo começou e esse número subiu enquanto o estudo prosseguiu. Ironson disse que ela e sua equipe atentaram para este tipo de variação, juntamente com outros fatores, como a demografia e uso de drogas.

“Ela se sentiu escolhida por Deus, acreditando ter contraído o HIV para ajudar os outros.”

Os pesquisadores procuraram por sinais qualitativos dentro do que os participantes pensavam e agiam em relação à religião ou espiritualidade — menções sobre Deus ou orações, por exemplo. Um paciente “falou em voltar para a igreja para ajudar outras pessoas que tinham HIV que não revelavam sua sorologia”, disse Ironson. “Ela se sentiu escolhida por Deus e encontrou sentido no HIV, acreditando ter contraído o HIV para ajudar os outros.” Outro disse que se sentia “ter contraído o HIV para que Deus pudesse levá-lo a prestar mais atenção e mudar seu estilo de vida”. Estes são exemplos do que Ironson chamou de “reformulação espiritual positiva” — pessoas encontram uma maneira de pensar sobre a sua situação de forma mais positiva, usando a linguagem da espiritualidade. Cerca de um quinto das pessoas no estudo pareciam usar esta técnica e a taxa de sobrevida entre essas pessoas foi cerca de quatro vezes maior do que os outros participantes. Esta foi apenas uma dentre as 17 formas diferentes de espiritualidade e religiosidade que os pesquisadores observaram.

Uma vez que este é um estudo qualitativo, muitas interpretações estavam envolvidas na obtenção dos resultados, como ouvir certas frases e codificá-las de uma determinada maneira. Para a reformulação espiritual ser codificada, por exemplo, as razões dos participantes tinham que envolver Deus ou o divino; eles não poderiam ser apenas genericamente positivos. Essa é uma grande limitação do estudo: não está claro se a mentalidade não-espiritual, não-teísta, mas igualmente positiva, levaria às mesmas taxas de sobrevivência.

“A verdadeira natureza de Deus está claramente além do escopo deste artigo.”

Também é difícil afirmar que certos pontos de vista e práticas espirituais levam as pessoas a viver mais tempo. Em um estudo anterior, Ironson e seus colegas analisaram a forma como os pacientes soropositivos enxergavam Deus — como benevolente, amoroso e misericordioso, ou como duro, julgador e punitivo. Embora os pesquisadores tenham descoberto que as pessoas com uma visão positiva de Deus tinham uma progressão da doença significativamente mais lenta, “a verdadeira natureza de Deus está claramente além do escopo deste artigo”, escreveu Ironson. “Embora tenhamos concluído que o ponto de vista a respeito de Deus prediz a progressão da doença e é digno de nota, isso não implica que a visão de Deus causa progressão da doença.”

O mesmo é verdade aqui. Estas descobertas são fascinantes, mas não está claro como elas poderiam efetivamente ser incorporadas no tratamento. É incerto o que iria acontecer “se pedirmos às pessoas para mudar sua espiritualidade, para tornarem-se mais religiosas ou espirituais ou se envolverem em práticas espirituais”, disse Ironson. “A partir deste estudo, nós realmente não sabemos se isso iria aumentar a sua sobrevivência.”

Além disso, os médicos não podem prescrever religião, juntamente com um coquetel antirretroviral. As pessoas podem não se sentir confortáveis em falar sobre religião e espiritualidade com seus médicos, ou podem ter preocupações sobre discriminação religiosa. Ironson sugeriu que médicos poderiam iniciar conversas com seus pacientes sobre como lidar e ver se eles mostram quaisquer sinais de interesse em espiritualidade. Mas o tema tem de ser abordado com cautela. “É uma área controversa”, disse ela. “Eu acho que é importante divulgar essa informação para que as pessoas saibam sobre isso. Se vai entrar para o ambiente médico, está aberto ao debate.”

O estigma e a condenação social pode ter levado as pessoas mais rapidamente em direção à morte.

Embora este estudo possa inspirar pesquisas e servir de forro para conversas sobre a melhor maneira de misturar espiritualidade e saúde, também é indiretamente relevante para a história do HIV/aids. Obliquamente, e assustadoramente, os resultados podem ser interpretados como uma acusação aos políticos, profissionais de saúde e cidadãos que condenaram ou ignoraram, no começo da epidemia, aqueles que tinham a doença. Se “superar a culpa espiritual” é um fator que ajuda as pessoas soropositivas a permanecerem saudáveis, o estigma generalizado e a condenação social pode ter levado as pessoas mais rapidamente em direção à morte.

Por Emma Green em 6 de maio de 2016 para o Atlantic