Anualmente, vários eventos que discutem o HIV e a aids acontecem em todo o mundo. No Brasil, pode-se acompanhar esse calendário pelo site aids.gov.br/eventos. Para eventos no exterior, pode-se acompanhar o blog TheBody.com/visualaids.

De 10 a 20 de maio, o Itaú Cultural, em São Paulo, apresenta a quinta edição de Todos os Gêneros: Mostra de Arte e Diversidade, que neste ano, tem como tema a vida soropositiva.

Para tratar do assunto – e de outras questões ligadas ao corpo, à afetividade, à sexualidade e à diversidade –, o evento contará com mostra de curtas-metragens, mesas de debate, apresentações teatrais, performances, além de um show com o cantor pernambucano Almério, uma festa, o Cabaré Todos os Gêneros, e o lançamento do livro Tente Entender o que Tento Dizer – Poesia HIV/Aids, organizado pelo escritor, jornalista e ativista de direitos humanos Ramon Nunes Mello. Confira abaixo a programação completa do evento.

Show, festa e lançamento de livro
16/05/2018 Quarta-feira – 18h: Lançamento do livro “Tente Entender o que Tento Dizer – Poesia HIV/Aids”

Organizado por Ramon Nunes Mello, o livro reúne uma seleção da produção poética contemporânea, cujos autores são de gerações, gêneros e sorologias diferentes. Os poetas foram convidados a escrever sobre o HIV/aids, de forma direta ou indireta. Entre os autores presentes no livro estão Silviano Santiago, Marília Garcia, Chacal, Micheliny Verunschk, Victor Heringer, Angélica Freitas, Fabricio Corsaletti, Italomori, Amara Moira e Armando Freitas Filho.

com interpretação em Libras | duração aproximada: 60 minutos | Foyer da Sala Vermelha (piso 3) |  livre para todos os públicos

18/05/2018 Sexta-feira – 20h: Almério

O cantor pernambucano Almério apresenta músicas dos seus dois primeiros CDs, além de versões de sucessos que dialogam com os temas: diversidade, afetividade, respeito por si mesmo e pelo próximo. O show contará com a participação especial de Evi Hadu.

com interpretação em Libras | duração aproximada: 75 minutos | Sala Itaú Cultural (piso térreo) – 224 pessoas | classificação indicativa: 12 anos

19/05/2018 Sábado – 23h: Cabaré Todos os Gêneros com Casa Florescer, Coletivo Amem e Kiara Felippe

O Teatro de Contêiner, sede da Cia. Mungunzá, será palco para o Cabaré Todos os Gêneros. A festa terá discotecagem de Kiara Felippe, com participação do Coletivo Amem. As conviventes da Casa Florescer também marcam presença, com trechos do espetáculo Divas Florescer.

duração aproximada: 180 minutos | Teatro de Contêiner Mungunzá (Rua dos Gusmões, 43, Santa Ifigênia, São Paulo/SP) | classificação indicativa: 18 anos
Espetáculos de teatro

Assim como as demais atividades promovidas pelo evento, a programação teatral de Todos os Gêneros: Mostra de Arte e Diversidade trata da soropositividade, ao mesmo tempo que explora outras questões ligadas ao corpo, à sexualidade, à afetividade e à diversidade.

No total, serão apresentadas quatro peças: Lembro Todo Dia de Você, musical realizado pelo Núcleo Experimental; Desmesura, do Teatro Kunyn; O Bebê de Tarlatana Rosa, do grupo Rainha Kong; e L, o Musical, do coletivo Criaturas Alaranjadas Núcleo de Criação Continuada. Todos os espetáculos contam com interpretação em Libras (Língua Brasileira de Sinais).


11/05/2018 Sexta-feira e 12/05/2018 Sábado – 20h: Lembro Todo Dia de Você

O musical apresenta um retrato realista e contemporâneo do HIV por meio da história de Thiago, jovem que se vê soropositivo aos 20 anos de idade e inicia uma jornada de autoconhecimento, encarando questões decisivas de sua vida – como o abandono paterno e a descoberta da sexualidade. Realizado pelo Núcleo Experimental, o espetáculo traz canções originais que passeiam por diferentes gêneros — do pop ao bolero.

Elenco e músicos: Anna Toledo, Bruna Guerin, Davi Tápias, Fabio Augusto Barreto, Fabio Redkowicz, Gabriel Malo, Pier Marchi, Zé Henrique de Paula | Regência: Rafa Miranda | Clarineta e sax: Flá- vio Rubens | Violoncelo: Felipe Parisi | Piano: Fernanda Maia | Baixo: Clara Bastos/ Pedro Macedo | Bateria: Abner Paul | Ficha técnica: Texto: Fernanda Maia | Colaboração: Herbert Bianchi e Zé Henrique de Paula | Música: Rafa Miranda | Letras: Fernanda Maia | Direção: Zé Henrique de Paula | Direção musical: Fernanda Maia | Assistência de direção e preparação de atores: Inês Aranha | Preparação vocal: Fernanda Maia e Rafa Miranda | Figurinos: Zé Henrique de Paula | Assistência de figurinos: Danilo Rosa | Iluminação: Fran Barros | Coreografia: Gabriel Malo | Projeto sonoro: João Baracho | Cenografia: Bruno Anselmo | Assistência de cenografia: Carolina Caminata | Cenotécnica: Vanderlei Leonarchik | Serralheria: Gildo Batista Reis de Santana e Pedro Roselino Filho | Pintura: Luciano Filardo | Contrarregra frente: Gilmar Alves | Design gráfico e vídeos: Laerte Késsimos | Fisioterapia: PhysioArt Studio Fisioterapia | Otorrinolaringologia: Reinaldo Yazaki | Operação de luz: Tulio Pezzoni | Operação de som: Ki Somerlate| Produção: Claudia Miranda, Laura Sciuli, Louise Bonassi e Mariana Mello | Assistência de produção: Julia Maia | Fotos e redes sociais: Giovana Cirne| Realização: Núcleo Experimental
com interpretação em Libras | duração aproximada: 120 minutos | Sala Itaú Cultural (piso térreo) – 224 lugares | classificação indicativa: 16 anos

13/05/2018 Domingo – 19h: Desmesura

Inspirada livremente na trajetória do dramaturgo argentino Raúl Damonte Botana, ou Copi, morto em 1987, de complicações decorrentes da aids, a peça do Teatro Kunyn aborda a soropositividade e a transexualidade. No espetáculo, o artista é apresentado em seus últimos momentos, tendo delírios nos quais a época em que viveu é confrontada com os dias de hoje.

Criação: Teatro Kunyn | Dramaturgia: Ronaldo Serruya | Atuação: Luiz Gustavo Jahjah, Paulo Arcuri e Ronaldo Serruya | Direção: Lubi | Direção de produção: Fernando Gimenes | Direção de arte e figurinos: Yumi Sakate | Dramaturgue: Renata Pimentel | Iluminação: Wagner Antônio | Assistente de iluminação: Dimitri Luppi Slavov | Operação de luz e som: Alexandre Silva | Cenografia: Lubi e Yumi Sakate | Cenotécnico: Josué Torres | Costureiras: Cirlandia Maria Simon, Noeme Costa e Oficina da Malonna | Perucas: Nina Fur | Confecção do bolo: Flavia Vidal | Confecção do boneco: Big Air | Música Inicial: Lovejoy – Aeromoças e Tenistas Russas | Designer gráfico e assessor de mídias sociais: Jonatas Marques
com interpretação em Libras | duração aproximada: 60 minutos | Sala Itaú Cultural (piso térreo) – 224 lugares | classificação indicativa: 18 anos

16/05/2018 Quarta-feira – 20h: O Bebê de Tarlatana Rosa

Baseada no conto homônimo de João do Rio, a peça do grupo Rainha Kong é ambientada no Carnaval carioca do início do século XX e levanta questões de gênero e sexualidade.

Direção: RAINHA KONG | Dramaturgia: Criação coletiva sobre texto de João do Rio | Iluminação: Vitinho Rodrigues | Elenco: Aleph Naldi, Helena Agalenéa, Vitinho Rodrigues, Jaoa de Mello | Orientação: Grácia Navarro | Colaborador: René Guerra | Visualidades: Helo Cardoso, Divina Núbia e RAINHA KONG | Apoio teórico: Cassiano Sydow, Isa Kopelman | Arte: Aleph Naldi | Material fotográfico e fílmico: Natt Fejfar, Normélia Rodrigues, Karen Mezza e Thomas BF
com interpretação em Libras | duração aproximada: 50 minutos | Sala Multiúso (piso 2) | classificação indicativa: 16 anos

19/05/2018 Sábado – 20h 20/05/2018 Domingo – 19h: L, O Musical

Com canções de Adriana Calcanhotto, Cássia Eller, Sandra de Sá, Maria Bethânia e Zélia Duncan, entre outras artistas da música brasileira, o espetáculo do coletivo Criaturas Alaranjadas Núcleo de Criação Continuada tem como foco o universo do amor lésbico. Na trama, uma autora de novelas celebra com suas amigas o sucesso de seu último trabalho, que trata de um triângulo amoroso formado por mulheres. A chegada de notícias inesperadas, no entanto, muda o destino de todas elas.

Direção geral e dramaturgia: Sérgio Maggio | Direção musical: Luís Filipe de Lima | Diretor assistente e de palco: Jones de Abreu | Diretora de movimento: Ana Paula Bouzas | Artistas-criadoras: Elisa Lucinda, Luiza Guimarães, Luísa Caetano, Gabriela Correa e Tainá Baldez | Musicistas: Marlene Souza Lima (violão e guitarra), Alana Alberg (baixo), Geórgia Camara (bateria) e Luísa Toller (teclado) | Iluminador: Aurélio de Simoni | Figurinista: Carol Lobato | Cenógrafa: Maria Carmem de Souza | Visagista: Luma Le Roy | Design e operação de som: Branco Ferreira | Operador de luz: Rodrigo Pivetti | Camareira: Regina Sacramento | Contrarregra: Thomas Marcondes | Microfonista: Jeff Almeida | Filmagem e edição vídeos léa secret: Wallace Lino e Edgar Ramos | Fotografias: Claudia Ferrari, Diego Bresani, Patrícia Lino e Sérgio Martins | Direção de produção: Ana Paula Martins | Concepção e coordenação de produção: Criaturas Alaranjadas Núcleo de Criação Continuada
com interpretação em Libras | duração aproximada: 110 minutos | Sala Multiúso (piso 2) | classificação indicativa: 16 anos
Mesas de debate (com performances)

Seguindo o tema da Mostra deste ano, vida soropositiva, as sete primeiras mesas tratam do HIV e da aids sob diferentes recortes e perspectivas. Em três delas haverá a apresentação de uma performance: Cura, em Sorofobia, Onde se Esconde o Preconceito; Sangue, em Negritude & Hiv/Aids: o Corpo Negro, a Militância e a Epidemia; e Poema Maldito, em Visibilidade ou Não: Modos de Ocupar o Mundo.


10/05/2018 Quinta-feira – 20h: Performance Cura + Sorofobia, Onde se Esconde o Preconceito com Micaela Cyrino [performance Cura], Carué Contreiras e Gabriela Calazans [mesa] | mediação Salvador Corrêa

Além de ser um problema de saúde pública, a epidemia de HIV e aids é um desafio social. De forma silenciosa, reproduzem-se o preconceito e a discriminação contra a pessoa vivendo com HIV: a sorofobia ou a aidsfobia. Quais são as ferramentas possíveis para entender o processo pelo qual 830 mil brasileiros são mantidos no anonimato? Como tratar uma violência que, ao isolar e afastar do teste e do tratamento, mata? Antes do debate, o público poderá assistir à performance Cura, com Micaela Cyrino, artista visual que nasceu com o HIV e, ainda na adolescência, tornou-se ativista na luta para defender os direitos das pessoas que vivem com esse vírus. Na performance ela propõe expor corpos negros femininos e a epidemia de aids.

Carué Contreiras vive com HIV/aids. É ativista, médico pediatra e sanitarista. Gabriela Calazans é psicóloga, especialista em saúde coletiva, mestre em psicologia social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).Salvador Corrêa é psicólogo, mestre em saúde pública pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz (Ensp/Fiocruz), e coordenador na Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia).

com interpretação em Libras | duração aproximada: 140 minutos | Sala Itaú Cultural (piso térreo) – 224 lugares | classificação indicativa: 16 anos

12/05/2018 Sábado – 16h: O Diário Virtual: Youtubers e o HIV/Aids com Daniel Fernandes, Gabriel Comicholi e Vinicius Borges (Doutor Maravilha) | mediação Roseli Tardelli

Desde o início dessa epidemia, o relato de quem vive com HIV/aids tem sido registrado em livros como busca de compartilhar a experiência em primeira pessoa. Recentemente, os depoimentos vêm se popularizando nas redes sociais, em especial no YouTube. Como os jovens que utilizam essas ferramentas podem colaborar nesse diálogo ao falar abertamente sobre sexo e mostrar a realidade de quem vive com o vírus?

Daniel Fernandes tem 33 anos, é portador de HIV, fotógrafo e youtuber no canal Prosa Positiva.Gabriel Comicholi t em 21 anos, é ator e inaugurou um canal no YouTube (HDiário) quando se descobriu soropositivo. Roseli Tardelli é jornalista com mestrado pela Universidade de Navarra (Espanha). Foi a primeira mulher a apresentar o programa Roda Vida, na TV Cultura. Em 1994, depois da morte de seu irmão, Sérgio Tardelli, em consequência da aids, passou a se dedicar a ações de comunicação e cultura ligadas ao tema HIV/aids. Criou a Agência de Notícias da Aids há 12 anos e a Agência Sida, em Moçambique (África), em 2009. Lançou, em 2015, o projeto Lá em Casa, local de reabilitação e convivência para pessoas vivendo com HIV/aids. Vinicius Borges (Doutor Maravilha) é médico infectologista, criador do canal Doutor Maravilha: Saúde para População LGBTQI e ativista dos direitos humanos.

com interpretação em Libras | duração aproximada: 120 minutos | Sala Vermelha (piso 3) – 70 pessoas | classificação indicativa: 14 anos

13/05/2018 Domingo – 16h: Desconstruindo o HIV com curadoria do projeto [SSEX BBOX] e participação de Diego Callisto, Mayo Julieta Villarreal Villalobos e Rafaelx Amaral

A mesa vai questionar “verdades científicas” e discutir com o público várias questões que envolvem a epidemia de HIV: quem é a população-chave? É possível desconstruir a necessidade de atribuir o risco a segmentos a partir de um recorte de gênero, raça e classe? Existe lobby na indústria farmacêutica?

[SSEX BBOX] é um projeto que procura dar visibilidade às questões de gênero e sexualidade em São Paulo, São Francisco (Estados Unidos), Berlim (Alemanha) e Barcelona (Espanha). Através de sensibilizações e debates, o objetivo é reduzir o isolamento, facilitar a educação, estimular a criação de comunidades e questionar antigos conhecimentos sobre sexualidade e gênero. Diego Callisto é soropositivo e fez especialização em epidemiologia e bioestatística em Berkeley (Estados Unidos). Atualmente trabalha com pesquisas relacionadas às vulnerabilidades de segmentos populacionais no contexto da epidemia de HIV e de outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). Mayo Julieta Villarreal Villalobos é psicanalista, médica psicossomaticista e pesquisadora. Formada no Instituto Superior de Ciências Médicas de Santiago de Cuba, é especialista em medicina familiar e comunitária no Hospital Geral de La Palma, nas Ilhas Canárias (Espanha), e especialista em gestão de conflitos e psicossociopatologia. Rafaelx Amaral é ativista e graduando de ciências sociais na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), onde desenvolve pesquisa em antropologia da saúde sobre HIV/aids.

com interpretação em Libras | duração aproximada: 120 minutos | Sala Vermelha (piso 3) – 70 pessoas | livre para todos os públicos

16/05/2018 Quarta-feira – 16h: Literatura Pós-Coquetel: Novas Narrativas do HIV/Aids com Alexandre Nunes de Sousa, Amara Moira e Ramon Mello | mediação Nathan Fernandes

Partindo do conceito de “literatura pós-coquetel”, pesquisadores, poetas, escritores e jornalistas refletem sobre a relação do vírus HIV com a linguagem na construção de novas narrativas em torno dessa epidemia. Com os avanços das medicações antirretrovirais e a melhoria da qualidade de vida de quem vive com o vírus, já existe uma literatura de HIV/aids diferente do tempo em que viver com HIV era sinônimo de sentença de morte?

Alexandre Nunes de Sousa é professor de comunicação e cultura na Universidade Federal do Cariri (UFCA), no Ceará. Doutorando em cultura e sociedade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), integra os grupos de pesquisa CuS – Cultura e Sexualidade, da UFBA, e Cult.com – Políticas de Comunicação e de Cultura, da Universidade Estadual do Ceará (Uece). Atualmente estuda as relações entre arte, ativismo, luto e espaço público. Amara Moira é travesti, feminista e doutora em teoria e crítica literária pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), além de autora do livro autobiográfico E Se Eu Fosse Puta (hoo editora, 2016). Nathan Fernandes é jornalista, editor da revista Galileu. Autor da reportagem “O vírus do preconceito” – reconhecida como referência pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) –, recebeu em 2016 o Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. Ramon Mello, natural de Araruama (RJ), é poeta, escritor, jornalista e ativista dos direitos humanos. Mestre em literatura brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é autor dos livros de poemas Vinis Mofados (Língua Geral, 2009) Poemas Tirados de Notícias de Jornal (Móbile Editorial, 2011) e Há um Mar no Fundo de Cada Sonho (Verso Brasil, 2016).

duração aproximada: 120 minutos | Sala Vermelha (piso 3) – 70 pessoas | classificação indicativa: 14 anos

17/05/2018 Quinta-feira – 20h: Performance Sangue + Negritude & Hiv/Aids: o Corpo Negro, a Militância e a Epidemia com Flip Couto [performance Sangue e mesa], Aline Ferreira, Carlos Henrique de Oliveira, e Micaela Cyrino [mesa] | mediação Ozzy Cerqueira

No Brasil, hoje, uma pessoa negra e infectada pelo HIV tem 2,4 vezes mais probabilidade de morrer de aids do que uma pessoa branca. Os dados alarmantes nos levam a pensar que o “racismo institucional” e a falta de acesso aos serviços públicos de saúde necessitam ser combatidos. O mito da democracia racial colabora para encobrir a discussão do HIV/aids e a negritude? Antes da mesa, acontece a performance de dança Sangue, dirigida e encenada por Flip Couto. Com participação do público, o espetáculo discute a construção de um corpo negro, homoafetivo e soropositivo, tendo como ponto de partida os bailes black dos anos 1970, festas de bairros, reuniões familiares e vários outros encontros presentes no cotidiano das cidades.

Aline Ferreira é estudante de psicologia, integra o grupo de pesquisa Viver+, da faculdade de educação física da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), compõe o coletivo Loka de Efavirenz e é secretária de articulação política da Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo com HIV/Aids (RNAJVHA). Carlos Henrique de Oliveira é escritor, ativista do movimento negro e integrante do coletivo Loka de Efavirenz. Flip Couto é dançarino, performer e produtor. Integrante da Cia. Discípulos do Ritmo, da Cia. Sansacroma e do Coletivo Amem, está ligado à cultura hip-hop desde 1999. Micaela Cyrino estudou artes visuais na Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo. Em 2015, foi selecionada para a residência artística no Centro de Arte Contemporânea de Quito (Equador), onde concebeu a performance Cura. Ozzy Cerqueira é advogado da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia), ativista dos direitos humanos e estudante de doutorado de saúde global na Universidade de São Paulo (USP).

com interpretação em Libras | duração aproximada: 150 minutos | Sala Multiúso (piso 2) – 100 pessoas | classificação indicativa: 18 anos

18/05/2018 Sexta-feira – 16h: Novos Rumos do Tratamento do Hiv/Aids e as políticas públicas para PVHA com Bruna Benevides, Marcia Rachid e Ricardo Vasconcelos | mediação Diogo Sponchiato

Pensando a militância como espaço de reivindicação de políticas públicas para pessoas que vivem com HIV/aids, é fundamental o diálogo médico com o ativismo, possibilitando a convergência de discussões fundamentais que se alteram desde o início dessa epidemia. O debate vai abordar questões como o surgimento de novos tratamentos, as políticas públicas de saúde propostas pela comunidade científica e como o atendimento ao portador do vírus HIV pode ser cada vez mais democrático, humanizado e acolhedor.

Bruna Benevides é presidenta do Conselho LGBT de Niterói e secretária de articulação política da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) e da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT). Diogo Sponchiato é jornalista, redator-chefe da marca Saúde, na Editora Abril, que engloba revista, site, livros e pesquisas. Foi um dos contemplados no Prêmio Especialistas da Comunicação na categoria Saúde em 2017. Marcia Rachid é mestre em doenças infecciosas e parasitárias pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), especialista em alergia e imunologia clínica pelo Instituto de Pós-Graduação Médica Carlos Chagas (Rio de Janeiro) e membro do Comitê Técnico Assessor para Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos, do Departamento de DST/Aids/Hepatites Virais do Ministério da Saúde. Ricardo Vasconcelos é médico infectologista formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e trabalha desde 2007 atendendo pessoas que vivem com o HIV. É coordenador do SEAP HIV (São Paulo), ambulatório do Hospital das Clínicas especializado nesse vírus.

com interpretação em Libras | duração aproximada: 120 minutos | Sala Multiúso (piso 2) – 100 pessoas | classificação indicativa: 14 anos

19/05/2018 Sábado – 16h: Visibilidade ou Não: Modos de Ocupar o Mundo + Performance Musical Poema Maldito com Mirella Façanha, Neon Cunha, Rafael Bolacha [mesa] e Luís Capucho [pocket show] | mediação Marcio Caparica

De acordo com a legislação brasileira, quem está soropositivo tem direito a sigilo, e ninguém pode expor a situação sorológica de uma pessoa. Entendendo tanto o desejo dessa visibilidade quanto o modo pessoal e intransferível de se colocar no mundo, quais são os desdobramentos, as implicações e os embates sociais dessas escolhas? Após o debate, será apresentada o pocket show Poema Maldito, com Luís Capucho. Acompanhado por Vitor Wutzki (baixo) e Felipe Mourad (bateria), ele apresenta composições que falam de forma líricae pessoal de masculinidade, homossexualidade e HIV.

Marcio Caparica é o editor-chefe do blog e podcast Lado Bi, que desde 2013 se dedica a esclarecer questões de cultura e cidadania LGBT. Mirella Façanha é atriz afro-indígena, graduada pela Universidade de Brasília (UnB) e pela Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (EAD/USP). No seu trabalho de pesquisa explora a presença política do seu corpo em cena pelo ponto de vista racial. Neon Cunha é ativista independente, mulher negra, ameríndia, feminista interseccional e transgênera. Publicitária e colaboradora no desenvolvimento de coleções na marca Isaac Silva. Tem atuado junto à Marcha das Mulheres Negras de São Paulo, palestras, rodas de conversas e debates. Rafael Bolacha é ator, bailarino e produtor. Autor do livro Uma Vida Positiva e gestor do projeto de mesmo nome, em que aborda a temática HIV/aids em variados segmentos culturais, é também produtor e apresentador do Chá dos 5, canal no YouTube sobre o universo LGBT, com cerca de 40 mil seguidores.

com interpretação em Libras | duração aproximada: 170 minutos | Sala Vermelha (piso 3) – 70 pessoas | classificação indicativa: 14 anos

20/05/2018 Domingo – 15h: Encontro com o Espectador – Edição Todos os Gêneros com L, o Musical e Teatrojornal

Edição extraordinária da série Encontro com o Espectador, apresentada pelos editores do site Teatrojornal. As artistas de L, o Musical conversam com os jornalistas, num bate-papo aberto ao público.

com interpretação em Libras | duração aproximada: 120 minutos | Sala Vermelha (piso 3) – 70 pessoas | classificação indicativa: 14 anos
Mostra de Curtas
Dia 14 às 19h

Bailão (Marcelo Caetano, 2009, 16 min)
O documentário se passa no centro de São Paulo onde a urgência da vida é retratada através das histórias das pessoas que frequentam clubes noturnos e outros locais voltados para o público gay masculino.

O Pacote (Rafael Aidar, 2013, 18min30s)
Em uma nova escola, os jovens Leandro e Jefferson percebem uma ligação instantânea, mas não se trata de uma amizade comum. Jeff tem algo a dizer. Se eles querem ficar juntos, Leandro deverá lidar com algo irreversível. Algo que faz parte do pacote.

Na Esquina da Minha Rua Favorita com a Tua (Alice Name-Bomtempo, 2017, 17min57s)
O filme conta a história de Helena e Tainá, que se conheceram em uma ida casual ao cinema.

Dandara (Flávia Ayer e Fred Bottrel, 2017, 14 min)
O assassinato brutal da travesti Dandara Kataryne poderia se limitar a uma estatística no país que mais mata travestis e transexuais, mas o caso ganhou repercussão com a viralização de vídeos gravados pelos próprios agressores.

O Chá do General (Bob Yang, 2016, 22 min)
Um general aposentado chinês recebe a inesperada visita de seu neto, e a história se desenrola a partir desse reencontro.


Dia 15 às 19h

Jessy (Paula Lice, Rodrigo Luna e Ronei Jorge, 2013, 15 min)
Jéssica Cristopherry: assim se chamavam todas as personagens da infância de Paula Lice. Atriz, dramaturga e mulher, Paula conta com o apoio de suas madrinhas para resgatar Jéssica e realizar o desejo de ser transformista.

Diva (Clara Bastos, 2016, 18 min)
Camila se aproxima das drag queens que habitam a pensão de Bella.

Afronte (Bruno Victor e Marcus Azevedo, 2017, 15min40s)
Ficção e documentário se misturam para contar a história de Victor Hugo, jovem negro, gay e morador da periferia do Distrito Federal. Seu relato se mistura aos depoimentos de outros jovens, revelando diferentes formas de resistência.

Parente (Aldemar Matias, 2011, 20 min)
Rodado entre 2010 e 2011 nas aldeias indígenas Ticuna, em Belém do Solimões (Tabatinga/ AM), e Ianomâmi, em Pixanahabi (Alto Alegre/RR), o filme mostra o primeiro contato de populações indígenas com testes rápidos de HIV e sífilis.

Entre os Ombros (Carolina Castilho, 2016, 19min07s)
Dani, adolescente intersexual, é pressionada por sua mãe para realizar um tratamento de redesignação sexual.

COM LEGENDAS DESCRITIVAS | duração aproximada: 90 minutos | Sala Itaú Cultural (piso térreo) – 224 pessoas | classificação indicativa: 14 anos

A entrada é gratuita. A distribuição de ingressos para o público preferencial é feita duas horas antes do espetáculo, com direito a um acompanhante (os ingressos são liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante). Para o público não preferencial, a distribuição é feita uma hora antes do espetáculo e apenas um ingresso por pessoa.

Anúncios

Inevitavelmente, a cura do HIV vai precisar envolver uma vacina capaz de melhorar a habilidade natural do organismo para controlar o vírus. Pelo menos, é isso o que foi discutido no seminário Steps, durante a 16ª Conferência Europeia sobre Aids (EACS 2017) em Milão, Itália, de acordo com o Aidsmap. Giulio Maria Corbelli, membro do European Aids Treatment Group (EATG) disse que “a pesquisa da cura nos lembra da importância do envolvimento do paciente, desde as primeiras fases do desenvolvimento de tratamento e prevenção.”

 

A cura do HIV: um objetivo elusivo

Giulia Marchetti, da Universidade de Milão, abriu o seminário com uma apresentação geral sobre as vacinas contra o HIV, especialmente as vacinas terapêuticas. Ela chamou a atenção para um paradoxo desconfortável na cura do HIV: por um lado, existem casos como o da “Bebê do Mississippi” e dos “Pacientes de Boston”, em que, respectivamente, a jovem paciente foi tratada poucas horas depois da infecção inicial e nos quais os pacientes com câncer tiveram seu sistema imunológico aparentemente todo substituído. Em ambos os casos, apesar dos repetidos estudos que não conseguiram encontrar o menor vestígio de DNA do HIV no meio das células, o vírus, mesmo assim, voltou.

Timothy Ray Brown

Por outro lado, temos o caso de Timothy Ray Brown, o “Paciente de Berlim” — com quem conversei pessoalmente em Lisboa. Já faz uma década desde o procedimento que levou Timothy à cura e, até agora, não há qualquer sinal do HIV em seu organismo. Também temos, ainda segundo Giulia Marchetti, o caso dos controladores de elite: os raros soropositivos que são capazes de controlar a carga viral do HIV mesmo sem tomar antirretrovirais. Por fim, há ainda os casos dos “controladores pós-tratamento”, como os dos pacientes da coorte Visconti, entre outros relatados na Alemanha e na França, que sugerem que algumas pessoas que recebem o tratamento cedo podem, posteriormente, serem capazes de passar por longos períodos sem tratamento e sem retorno da carga viral do HIV — estes foram casos espontâneos e ainda não sabemos exatamente porque é que isso acontece com algumas pessoas e não com outras.

Apesar destes casos pontuais de sucesso, as tentativas de induzir o controle viral sem ajuda da terapia antirretroviral não têm sido inteiramente bem sucedidas. Em um estudo com uma vacina terapêutica espanhola, os cientistas conseguiram manter alguns pacientes fora dos antirretrovirais por um longo período de tempo e sem rebote do HIV. Mas estudos semelhantes tiveram resultados decepcionantes. Outros estudos, ainda in vitro ou em animais, tiveram resultados mais animadores, com vacinas e medicamentos indicando que pelo menos a supressão viral por longos períodos pode ser possível, senão a cura completa do HIV.

 

Como sabemos qual estratégia é que vai funcionar?

É quase impossível prever antecipadamente qual abordagem contra HIV realmente vai funcionar. O Dr. Felipe Garcia, do Hospital da Universidade de Barcelona, um dos pesquisadores colaboradores da Aliança Europeia de Vacinas contra o HIV, disse que o problema das vacinas contra o HIV é que “aquilo que protege não é capaz de controlar e aquilo que controla não é capaz de proteger”.

O que ele quer dizer com isso é que, por um lado, os chamados anticorpos amplamente neutralizantes e as vacinas que os geram — as vacinas de células B — podem bloquear completamente a infecção pelo HIV nas células, mas tendem a perder a eficácia rapidamente, uma vez que o HIV é capaz de mutar o suficiente para desenvolver resistência a estas estratégias. Mesmo assim, uma destas ferramentas, chamada Pro 140, levou à supressão da carga viral por mais de um ano. Experiências com combinações de anticorpos amplamente neutralizantes que já existem, incluindo algumas com design inovador, mostraram maior eficácia em estudos em humanos e em macacos. Entretanto, estes anticorpos foram injetados passivamente, funcionando tal como medicamentos, sem induzir o corpo a produzir estes anticorpos por conta própria, tal como uma vacina faz.

As vacinas que estimulam uma resposta imune das células contra o HIV — as vacinas de células T — poderiam, potencialmente, gerar uma resposta imune muito mais duradoura contra HIV. No entanto, até agora, essa resposta se mostrou muito fraca e estreita, pelo menos nos estudos em humanos, sem produzir mais do que uma ligeira redução na carga viral — geralmente, uma redução de três a dez vezes (0,5 a 1log) no tamanho do reservatório de células latentemente infectadas pelo HIV. Um estudo com uma vacina em macacos levou à reduções de carga viral muito mais significativas e até à uma aparente cura em cerca de metade dos macacos — o problema é que esta vacina parece ser complicada de se adaptar em humanos.

Garcia citou um modelo matemático que sugere que uma resposta imune teria que produzir uma redução contínua de dez mil vezes nas células infectadas (4 logs) para produzir uma remissão que dure toda uma vida. Ele acrescentou que um problema fundamental nos estudos de vacinas contra o HIV é o fato de que ainda não temos correlatos reais de imunidade: estudos que previram a eficácia de outras vacinas no passado não têm funcionado no caso das vacinas contra o HIV. “Só depois que uma resposta imune é validada por um estudo”, disse Garcia, “é que podemos tirar uma conclusão.”

Estes correlatos de eficácia ou imunidade emergiram em estudos clínicos de grande escala, disse ele. No caso das vacinas contra o HIV, isto é um problema, uma vez que estes estudos são muito caros: o estudo RV144, o único estudo de fase III sobre eficácia, envolveu 16 mil participantes e custou 100 milhões de euros. Foram necessários múltiplos estudos para encontrar uma vacina eficaz contra o HIV e estima-se que mais de 35 mil voluntários por ano sejam necessários nos testes de vacinas contra o HIV de fase I a III, em todo o mundo, para atingir seu objetivo final.

Foi preciso encontrar um jeito mais fácil de selecionar quais das novas vacinas são as melhores candidatas para desenvolvimento, explicou Garcia, e as vacinas terapêuticas trouxeram essa solução, com estudos que não necessitaram de muitas pessoas. Mesmo assim, em um estudo que ele participou da pesquisa, o RISVAC02, foram selecionados 3056 voluntários, dos quais apenas 41 eram candidatos elegíveis e, destes, só 30 foram matriculados no estudo. Outra alternativa tem sido utilizar uma vasta gama de proteínas diferentes num único estudo, caso uma delas mostre eficácia. Em um estudo de vacinas de células dendríticas, no qual Garcia foi o pesquisador principal, avaliou-se a atividade de mais de 50 mil moléculas.

 

Estratégias combinadas

A possibilidade de combinar estratégias tem sido uma tarefa formidável para os pesquisadores de vacinas, que têm mais chances de ver sua vacina ser bem sucedida. Dentre as estratégias recentemente estudadas, estão:

O Dr. Felipe Garcia tem mais interesse nesta última. “As células dendríticas são a primeira linha de defesa contra a infecção. Elas capturam moléculas estranhas e as apresentam para as células do sistema imunológico como antígenos. É preciso acompanhar estas células dendríticas, porque se estas células não alertam o corpo sobre a infecção, o corpo não sabe disso”, disse ele. “O problema com o HIV é que ele desenvolveu a habilidade de se ligar à célula dendrítica, que então os transporta para dentro dos gânglios linfáticos como um Cavalo de Troia. Isso significa que, se desenvolvermos uma vacina que se associe às células dendríticas, podemos gerar uma forte resposta imune celular nos gânglios linfáticos, que é exatamente onde é preciso que ela aconteça.”

Além de fazer parte da Aliança Europeia de Vacinas contra o HIV — um consórcio que reúne 39 parceiros de onze países europeus, quatro da África subsaariana e um dos Estados Unidos que apoia o estudo de diversas estratégias de vacinas preventivas, que incluam vetores virais melhorados, versões modificadas de proteínas do envelope do HIV e vacinas de células dendríticas —, Garcia também é o principal pesquisador no consórcio HIVACAR, que envolve três diferentes estratégias de vacinas terapêuticas que serão usadas em pessoas soropositivas, separadamente e em combinação. A primeira se concentra no desenvolvimento de antígenos direcionados não apenas contra as partes estáveis do vírus, mas também contra o perfil genético do HIV de cada indivíduo — trata-se de uma vacina verdadeiramente individualizada. A segunda etapa é a injeção de anticorpos amplamente neutralizantes. E a terceira inclui moléculas de RNA mensageiro, um procedimento já utilizado em medicamentos experimentais contra o câncer, injetadas após os antígenos e anticorpos contra o HIV. Essa sequência visa sensibilizar as células dendríticas para os antígenos do HIV e estimular ainda mais uma resposta imune que, esperara-se, possa matar as células infectadas pelo HIV dentro dos reservatórios, aonde outras estratégias não conseguiram chegar.

Gânglios linfáticos.

Estas vacinas serão aplicadas intranodicamente — isto é, injetadas nos gânglios linfáticos — com a esperança de que a vacinação direta no local de integração e replicação do HIV inicie uma resposta imune mais forte contra HIV e, espera-se, reduza a replicação do vírus até o ponto em que os indivíduos possam ser retirados da terapia antirretroviral. Os protocolos da HIVACAR estão em estudos de fase I e II, avaliando sua segurança e imunogenicidade, com resultados esperados para 2021.

 

Outras abordagens

O seminário também contou com detalhes sobre o estudo River, parte do consórcio britânico CHERUB. Este estudo reúne combinações de inoculações iniciais com vacinas baseadas em vetores com doses subsequentes de medicamentos denominados inibidores de HDAC para verificar se as duas estratégias funcionam melhor juntas. Os inibidores de HDAC, que despertaram as células dormentes do reservatório de HIV, estavam entre os primeiros fármacos experimentados como agentes de cura do HIV. No entanto, embora eles tenham se mostrado capazes de reverter a latência viral, não produziram uma diminuição útil no tamanho do reservatório de HIV. Espera-se que, ao estimular o sistema imunológico para reconhecer o vírus que é produzido pelas células despertadas do reservatório, essa diminuição do reservatório seja alcançada. O River inlcui 50 voluntários de seis regiões da Inglaterra e deve anunciar seus resultados no próximo ano.

O seminário também trouxe uma atualização sobre a coorte ICISTEM, que reúne pacientes soropositivos com câncer que receberam transplantes de medula óssea — uma abordagem de cura semelhante à de Timothy Ray Brown e dos pacientes de Boston. O ICISTEM conseguiu coletar dados de 23 pacientes, 11 dos quais morreram. Seis pacientes dos 12 restantes foram acompanhados ao longo de dois anos: em cinco deles, as células-tronco da medula óssea transplantada sem HIV substituiu rapidamente as células cancerosas e infectadas pelo HIV. Testes ultrassensíveis não encontraram RNA do HIV no sangue desses pacientes e a carga viral deles se aproxima de zero. Outros testes também não encontraran DNA de HIV nas células do reservatório.

Os pacientes ICISTEM foram curados? Nós ainda não sabemos. Embora os pesquisadores não tenham conseguido encontrar uma única cópia do DNA do HIV em um milhão de células do reservatório destes pacientes, o verdadeiro teste será tirá-los da terapia antirretroviral, o que ainda não foi feito.

 

Envolvendo a comunidade

Fred Verdult é uma pessoa vivendo com HIV que vive na Holanda e que usou sua experiência em publicidade e marketing para fazer uma série de pesquisas de opinião dentro da comunidade de pessoas com HIV, especialmente sobre a pesquisa de cura do HIV e o seu potencial. Ele descobriu que 72% dos seus entrevistados, num grupo de 457 pessoas com HIV, acreditam que uma cura para o HIV seria “muito importante” e apenas 6% achavam que não seria importante.

Quando os entrevistados foram perguntados sobre qual seria a maior desvantagem de viver com o HIV, 91% responderam que era o risco dos possíveis efeitos adversos prejudiciais à saúde no futuro, como efeitos colaterais decorrentes do longo uso da terapia antirretroviral ou problemas de saúde devido à inflamação crônica. 66% disseram se incomodar com os efeitos colaterais dos medicamentos, e outros 66% disseram sofrer com ansiedade sobre o risco de infectar alguém.

Verdult disse que a questão de quando interromper o tratamento é um importante problema ético na pesquisa da cura do HIV — um dilema que já está sendo considerado pelo ICISTEM. Outro dilema é o seguinte: quando a cura chegar, quem devem ser os primeiros beneficiados com ela? Eticamente, se fosse preciso escolher quais pessoas deveriam se beneficiar primeiro da cura do HIV, deveríamos logicamente chamar primeiro as pessoas cronicamente infectadas que sofreram mais que a maioria, por anos de imunossupressão e de terapia subótima contra o HIV — primeiro a entrar, primeiro a sair. No entanto, pelo que se sabe hoje, estas provavelmente serão as pessoas mais difíceis de curar, portanto, com a exceção dos pacientes com câncer, a pesquisa da cura concentrou-se nas pessoas infectadas mais recentemente, com sistemas imunes ainda intactos. Isso pode levar a cura que beneficie antes os últimos infectados — últimos a entrar, primeiros a sair. Será que é justo?

Por fim, há ainda a questão do tratamento como prevenção e da profilaxia pré-exposição (PrEP), que podem trazer grande redução na incidência de HIV no mundo todo — tal como já tem sido observado em São Francisco, por exemplo. Se essa tendência se mantiver, será que o interesse científico e dos financiadores das pesquisas da cura vai diminuir?

No dia 28 de novembro de 2017, das 18h às 20h, acontece em São Paulo o 1º Encontro de Saúde/Prevenção IST/Aids entre Jovens LGBT, realizado pela Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (APOGLBT), responsável pela maior parada do orgulho LGBT do mundo. Este evento foi organizado por Almir Nascimento, um dos novos diretores da ONG, e é uma das primeiras etapas de uma importante e contínua ação da APOGLBT ligada à saúde e a prevenção de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e aids.

A ideia é que este evento passe a ocorrer anualmente, sempre na mesma data, próximo ao dia 1º de dezembro, o Dia Mundial de Luta Contra a Aids. Este primeiro encontro conta com a participação do Programa Municipal de IST/Aids de São Paulo, do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids de SP, do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde e também o Projeto Boa Sorte, o Fórum de Ongs Aids do Estado de São Paulo e o site Menino Gay.

Inscreva-se agora para participar!

Mesa de Abertura:
“Atualização sobre a situação atual e tendências da epidemia de HIV e IST entre a população LGBT”.
  • Rodrigo Pinheiro, do Fórum Ongs Aids do Estado de São Paulo, sobre “Panorama das ONGs de aids no Estado de São Paulo – Desafios”
  • Cláudia Regina Garcia, Presidente da Parada do Orgulho LGBT do Estado de São Paulo, sobre a “Importância do encontro de saúde/prevenção para a APOGLBT de SP”
  • Georgiana Braga-Orillard, Diretora do Unaids Brasil, sobre a Importância do evento da Parada em resposta à epidemia de IST/Aids
Mesa Redonda:
  • Gerson Pereira, do Departamento de Vigilância Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde, sobre a “Atualização sobre a situação atual e tendências da epidemia de HIV e IST entre a população LGBT”
  • Ivone de Paula, do Programa Estadual/CRT — DST/Aids do Estado de São Paulo, sobre “Discussão das novas estratégias de prevenção para o enfrentamento dessas epidemias com foco nos segmentos mais jovens”
  • Maria Cristina Abbatem Coordenadora do Programa Municipal DST/Aids.
    Tema: “Como está a PEP no Município de São Paulo, como será a implantação da PrEP”
  • Matheus Emílio, do site Menino Gay, sobre “As mídias sociais na luta contra a aids”
  • Gabriel Estrela, do Projeto Boa Sorte, sobre “Acolhimento, estigma e preconceito”
  • Ricardo Vasconcelos, médico infectologista da FMUSP e do PrEP Brasil, sobre “Jovens e prevenção combinada”
Inscreva-se agora para participar!
I Encontro de Saúde/Prevenção IST/Aids entre Jovens LGBT em São Paulo
Realização APOGLBT SP (www.paradasp.org.br)
Dia: 28 de novembro de 2017
Horário: das 18h às 20h
Local: Aliança Francesa
Rua General Jardim, 182 – Centro – SP – Entrada Franca.
Ficha de inscrição: https://goo.gl/forms/Q5z2O63GACA0GQdy1
Link do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/122522791773103
Parceiros: Centro de Referência e Treinamento DST/Aids – SP, Programa Municipal de DST/Aids – Secretaria Municipal de Saúde, Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual do Estado de São Paulo, Museu da Diversidade, Fórum Ongs Aids do Estado de São Paulo, Projeto Boa Sorte, Menino Gay. Apoiadores: Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde, ONG Koinonia, Aliança Francesa de São Paulo, Canto Produções. Agradecimentos: Sr. Marco Prado, Diário de um Jovem Soropositivo.

Nos últimos anos, a International Aids Society Conference on HIV Science, a IAS, incluiu um simpósio especializado na pesquisa da cura do HIV, que sempre antecedeu o evento principal. E este ano não foi exceção, com apenas uma pequena mudança, a começar pelo nome: HIV Cure and Cancer Forum — isto é, um fórum sobre o câncer e a cura do HIV.

O título do evento parece reafirmar uma percepção atual entre muitos cientistas sobre aspectos comuns entre duas doenças distintas: o HIV e o câncer. Antes de falar das semelhanças entre elas, é importante ter em mente que estas são doenças distintas entre si porque há muitas diferenças entre elas. Foi isso o que bem lembrou Monsef Benkirane, do Instituto Francês de Genética Humana, na sua palestra de abertura. Enquanto o HIV é causado por uma infecção, o câncer é geralmente decorrente do mau comportamento espontâneo de algumas células. A exceção está apenas em alguns tipos específicos câncer, cujo mau comportamento das células pode mesmo ser provocado por infecções.

No entanto, no coração das células é que surge a semelhança entre estas duas doenças: tanto para o HIV quanto para o câncer, a questão parece ser a mesma: ambas células cancerosas e células infectadas pelo HIV possuem um material genético trapaceiro. No caso do câncer, este material genético leva as células a crescer incontrolavelmente. No caso do HIV, à derrubar o sistema imunológico. O fato de ambas estas doenças concentrarem-se em uma disfunção do núcleo celular é o que as torna difíceis de curar: basta uma célula infectada pelo HIV ou uma célula cancerígena para propagar a doença.

Não é por acaso que as mesmas ferramentas que agora estão levando à cura de alguns tipos de câncer e à maior remissão de outros tipos, incluindo medicamentos sofisticados capazes de direcionar marcadores biológicos específicos para agir contra células cancerosas, podem também ser usadas contra o HIV. Aliás, esta relação entre os medicamentos para câncer e para o HIV não vem de agora: o próprio AZT, a Zidovudina, o primeiro antirretroviral usado no tratamento de HIV/aids, foi inicialmente desenvolvido para tratar câncer, mas acabou nunca indo para o mercado para essa finalidade, conforme lembra uma matéria publicada pelo The New Yorker.

Foi em 1987 que a Food and Drug Administration americana aprovou o AZT para uso em pacientes com HIV, depois que seu estudo inicial já mostrava alguma habilidade da droga em controlar o vírus. Esse estudo começou como um “duplo cego”, em que um grupo de pacientes toma o medicamento verdadeiro e outro toma placebo, sem que eles saibam quem é que está tomando o quê.

Então, os benefícios que começaram a ser observados em quem estava tomando o AZT foram tão evidentes que pareceu injusto aguardar o término do estudo para que os pacientes sob placebo pudessem usufruir do medicamento e, também, o restante das pessoas diagnosticadas com HIV. Não havia tempo a perder: naquela época, quase todos os que eram diagnosticados positivo para o HIV estavam muito doentes ou morrendo. O desespero era enorme! Para salvar a própria vida, muita gente estava disposta a assumir o risco de tomar um medicamento promissor, mas que ainda não tinha completado formalmente todos os estudos habitualmente necessários e os rituais de aprovação e regulação pelas autoridades — você já assistiu Clube de Compras Dallas (2013)?

É verdade que, naquela época do começo da epidemia, qualquer semelhança entre o câncer e o HIV estava mais para um coincidência casual do que um resultado de uma observação meticulosa. O próprio apelido de “câncer gay”, que a aids recebeu antes de ser batizada de aids, em nada tem relação com a semelhança celular observada nos dias de hoje. Esse apelido nasceu por ignorância sobre a doença e por preconceito contra os homossexuais, junto com o fato do diagnóstico ser feito sem o teste de HIV, que ainda nem existia, mas com o aparecimento doenças oportunistas, incluindo cânceres típicos de sistemas imunológicos abalados.

Uma célula cancerígena.

Hoje sabemos que as células infectadas pelo HIV e pelo câncer compartilham um mesmo truque mortal: ambas conseguem se “des-diferenciar” quando estão sob ataque, seja por medicamentos ou pelo sistema imunológico. Ambas são capazes de retroceder para um estágio anterior de evolução celular, onde são invisíveis ao sistema imunológico.

No caso do HIV, as células imunes infectadas que produzem ativamente cópias de vírus se esgotam e morrem. Mas não todas. Uma parte delas retorna a um estado dormente, prontas para entrar em ação se a pressão da terapia antirretroviral for aliviada. Estas células dormentes, ou latentes, é que formam o famoso “reservatório de HIV”. O obstáculo atual da cura do HIV é exatamente este: a identificação e destruição destes reservatórios para uma cura completa ou, pelo menos, sua redução e contenção para uma remissão de longo prazo, conforme lembra uma matéria publicada recentemente pelo Aidsmap.

Continue reading

sexo-remedios-e-hiv

A prevenção ao HIV mudou. Como isso afeta as nossas relações?

Em comemoração ao dia 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta Contra a Aids, os Núcleos de Educação Comunitária do Laboratório de Imunologia Clínica e Alergia da Faculdade de Medicina da USP e da Unidade de Pesquisa II do Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids, com patrocínio da HIV Prevention Trials Network (HPTN), promovem dois encontros para falar sobre:

Sexo, Remédios & HIV

Semelhante ao que ocorreu com a pílula anticoncepcional nos anos 60, estamos assistindo a uma nova onda de medicalização do sexo. Agora se sabe que os remédios antirretrovirais não só tratam a pessoa vivendo com HIV, como também previnem a transmissão sexual.

Cada vez mais autoridades reconhecem que pessoas vivendo com HIV em tratamento eficaz – conhecidos como indetectáveis – não transmitem o vírus. Por sua vez, os negativos agora podem tomar antirretrovirais diariamente para se proteger: a PrEP*. Outra opção para os negativos é a PEP**, o antirretroviral de emergência, método antigo que vem se tornando mais acessível em São Paulo.

Os desdobramentos sobre a incorporação de novas tecnologias em como conduzimos nosso sexo, afetos e relações sociais só estão começando a ser desenhados. Como no caso dos anticoncepcionais, o assunto toca em dois pontos delicados: sexo e opressões sociais.

O quanto as novas tecnologias podem empoderar grupos oprimidos e vulnerabilizados ao HIV? Até que ponto contribuirão para reduzir o estigma e a invisibilidade das pessoas vivendo com HIV? Como está se dando o acesso aos novos métodos?

Programação:

Quarta 7/12 das 19-22h: “Eu sou indetectável”

Quinta 8/12 das 19-22h: “Eu uso Prep” / “Eu usei PEP”

Inscreva-se aqui

 

Convidados:

Mesa “Eu sou indetectável”:

  • Carlos Henrique de Oliveira, é escritor e militante do movimento negro de SP, da Rede de Jovens São Paulo Positivo e da Nova Organização Socialista (NOS).
  • Carué Contreiras, médico sanitarista e pediatra, é coordenador do Núcleo de Educação Comunitária da Unidade de Pesquisa do CRT DST/Aids. Já foi colaborador da Agência de Notícias da Aids.
  • Ésper Kallas, médico Infectologista e imunologista, é Professor Associado da Disciplina de Imunologia Clínica e Alergia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e Livre-Docente pela FMUSP em 2009. Também é Pesquisador do LIM-60, na Disciplina de Imunologia Clínica e Alergia, onde realiza projetos de medicina de tradução, trazendo conceitos de ciência básica para aplicações clínicas, especialmente em infecções pelo HIV, HTLV, CMV, vírus herpes, flavivírus, hepatites virais e micobacterioses.
  • Jef Martins, relações públicas, sempre trabalhou com comunicação e acredita que é através dela que as diferenças passam a conviver de forma harmônica. Em 2015 participou da campanha “Cartaz HIV Positivo” comunicando através dessa ação sua sorologia positiva para o mundo. De lá pra cá, vem praticando o que batiza de “Ativismo de APP”, onde pretende através do micro, trocar com as pessoas sobre como é viver com HIV, prevenção combinada, e outras cositas más!
  • Micaela Cyrino, artista plástica e ativista.

 

Mesa “Eu uso PrEP” / “Eu usei PrEP”:

  • Artur Zalewska, criador do grupo de Facebook Fórum PrEP e voluntário da pesquisa PrEP Brasil, membro do Conselho de Acompanhamento Comunitário do CRT-DST/Aids e da FMUSP para pesquisas em HIV/Aids
  • Flávia Carvalhães já se sentia uma mulher desde de Criança, hoje cresceu e se tornou a Mulher que é hoje! Servidora, é uma pessoa reservada, guerreira, educada, carismática, atenciosa e que n aceita injustiças. Tem sonhos de fazer algumas cirurgias. É muito família e adora fazer amizades.
  • Lua Lucas, atriz, performer e cantora trans. Artivista militante da causa trans. Criou na funarte Sp a ocupação de gênero e sexualidade: oCU-Pah e vem lutando pela representatividade trans na arte e em todos os outros espaços. Formada pela Casa das artes de Laranjeiras no Rio, já encenou transexualidades nas pistas do Teatro Oficina Uzyna Uzona, em performances contra o machistério Temeroso dirigidas por Cibelle Forjaz e principalmente em festas LGBTQIA+. Acredita que a mulher trans feliz é um ato político e revolucionário!
  • Márcio Caparica, editor-chefe do Lado Bi, programa de rádio online e blog. Como designer gráfico e webdesigner, no mundo da produção jornalística, sempre ficou com a parte de deixar tudo lindo para os leitores, trabalhando na edição de arte de revistas como Recreio, Men’s Health e Runner’s World. Depois que foi se aventurar no mundo das agências e editoras menores, descobriu que, embora deixasse a revista linda, não havia senso estético que salvasse texto tosco. Então começou a correr atrás de maneiras de produzir o tipo de conteúdo que gostaria de encontrar.
  • Piero Mori, paulistano, tem 33 anos e é desenvolvedor web formado pela Universidade Mackenzie. Foi fundador e diretor do XTeens, ONG dedicada ao apoio de jovens e adolescentes LGBTs. É membro do Conselho de Acompanhamento Comunitário do CRT-DST/Aids e da FMUSP para pesquisas em HIV/Aids
  • Rico Vasconcelos, médico Clínico Geral e Infectologista formado pela Faculdade de Medicina da USP é hoje Médico Supervisor do Serviço de Extensão e Atendimento ao Paciente com HIV/Aids (SEAP HIV/Aids, Ambulatório de HIV do Hospital das Clínicas da FMUSP), trabalhando com atendimento de pessoas vivendo com HIV/Aids e com a formação de médicos residentes em infectologia e alunos da graduação da FMUSP. Além disso trabalha com prevenção de HIV desde 2010 quando participou como médico subinvestigador do iPrEX (Iniciativa da Profilaxia Pré Exposição). No momento atuando como coordenador clínico do centro da USP dos projetos PrEP Brasil e HPTN 083.

 

Local:

Faculdade de Medicina da USP
Rua Dr. Arnaldo 455, prédio central
Metrô Clínicas (saída Faculdade de Medicina)

7/12: Anfiteatro de Microbiologia – 2º andar – sala 2104
8/12: Anfiteatro dos Paramédicos – 4º andar – sala 4303

* PrEP é a profilaxia PRÉ-exposição, uso contínuo de antirretrovirais por pessoas negativas para o HIV, com objetivo de prevenção.
** PEP é a profilaxia PÓS-exposição, uso emergencial de antirretrovirais por 28 dias, que deve ser começado em até 72 horas após uma situação de sexo sem camisinha.

projeto-caminhada-noturna

No dia 01/12, quinta-feira, Dia Mundial de Combate a Aids, o Projeto Caminhada Noturna juntamente com Dra. Glória Brunetti, estarão promovendo uma Caminhada em prol dos 35 anos de Luta Contra a Epidemia.

Este evento, tem como objetivo, aumentar a sensibilização em relação ao HIV/aids para a população em geral, enfatizando os 35 anos de trajetória da epidemia, suas vitórias, seus desafios e homenagear a todos aqueles que tombaram frente a este vírus. Para tanto faremos uma Caminhada Cultural Noturna pelo Centro Histórico de São Paulo, com paradas estratégicas em frente a locais de destaque como Vale do Anhangabaú, CTA- Henrique de Souza Filho – Henfil entre outros Nestas paradas, o guia Laércio de Carvalho, abordará fatos importantes relacionados ao local e sua história e também será exposto de modo breve por mim e por amigos da área, temas que abordem HIV/Aids como: história e evolução da doença, epidemiologia atual Brasil, mortalidade São Paulo – Brasi e prevenção.

Programamos leitura de crônicas e poesias de pessoas que faleceram de HIV como Caio Fernando de Abreu e Betinho.

A participação é gratuita e os participantes receberão um bottom comemorativo do evento onde haverá espaço central para escrever o nome de alguém que faleceu ou luta contra o HIV/Aids e que naquele dia, será homenageado e fará simbolicamente o passeio conosco pelo Centro de São Paulo .

Estamos falando de rápida sensibilização e empatia, valorizando também todos aqueles que trabalham, pesquisam e lutam contra este vírus e esta epidemia, tudo num contexto leve e cultural

Dia: 01/12/ 2016, quinta-feira
Saída: 20 horas do Teatro Municipal São Paulo


agenciaaids

Começou nessa quinta-feira (20) e vai até 2 de novembro, em São Paulo, a 40ª Mostra Internacional de Cinema. Durante duas semanas, serão exibidos 322 títulos em 35 endereços, entre cinemas, espaços culturais e museus espalhados pela capital paulista, incluindo projeções gratuitas e ao ar livre. A seleção faz um apanhado do que o cinema contemporâneo mundial tem produzido, além de apresentar tendências, temáticas, narrativas e estéticas. A 40ª Mostra é composta por seis seções: Homenagens, Apresentações Especiais, Foco Polônia, Competição Novos Diretores, Mostra Brasil e Perspectiva Internacional.

40-mostra

A programação completa pode ser acompanhada no site do evento. Aqui, selecionamos alguns destaques relacionados aos temas LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais), direitos humanos ou que estão ligados, de alguma forma, à sexualidade.

EU, OLGA HEPNAROVÁ (2016)
icone_ingressoOlga Hepnarová era uma jovem, lésbica e solitária, de uma família emocionalmente distante, e que não conseguiu desempenhar o papel que a sociedade desejava dela. Seu comportamento paranoico e sua incapacidade de se conectar a outras pessoas levaram-na ao limite quando ela tinha apenas 22 anos de idade.

República Tcheca, Polônia, Eslováquia, França | PB | 105 min | Ficção Direção: Petr Kazda, Tomás Weinreb Elenco: Michalina Olszanska, Martin Pechlát, Klára Melísková, Marika Soposká, Juraj Nvota Classificação: 16 anos

  • Dia 21, sexta-feira, 21h30 – Cinemark Cidade São Paulo (Shopping Cidade São Paulo – Av. Paulista, 1230 – Bela Vista)
  • Dia 22, sábado, 17h20 – Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca 2 (Rua Frei Caneca, 569)
  • Dia 25, terça-feira, 17h40 – Cinesala (Rua Fradique Coutinho, 361)
  • Dia 02, quarta-feira, 13:30 – Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca 1 (Av. Paulista, 2.073)

 

DIVINAS DIVAS (2016)
icone_ingressoRogéria, Jane Di Castro, Divina Valéria, Camille K, Fujika de Halliday, Eloína dos Leopardos, Marquesa e Brigitte Búzios são personagens icônicos da primeira geração de artistas travestis do Brasil que desafiaram a moral de um país no auge da ditadura militar, nos anos 1960 e 1970, em apresentações no Teatro Rival produzidas por Américo Leal, avô de Leandra Leal. O documentário relembra os 50 anos de carreira no palco, e a luta pelos direitos humanos e pelas liberdades individuais no Brasil de ontem e de hoje.

Brasil | 2016 | cor | 110min | Documentário Direção: Leandra Leal Classificação: 14 anos

  • Dia 28, sexta-feira, 21h – Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca 1 (Av. Paulista, 2.073)
  • Dia 30, domingo, 16h15 – Cinearte 1 (Av. Paulista, 2.073)
  • Dia 01, terça-feira, 13h55 – Espaço Itaú de Cinema – Augusta Anexo 4 (Rua Augusta, 1475)

 

A CIDADE DO FUTURO (2016)

icone_ingressoA Cidade do Futuro é o segundo longa-metragem da dupla de diretores, o novo longa se passa em Serra do Ramalho, cidade do oeste baiano, no Vale do São Francisco. A cidade foi criada em fins dos anos 1970, no governo militar, como forma de acolher as famílias desapropriadas por conta da criação da hidrelétrica de Sobradinho. Na época foi chamada de “cidade do futuro”. Além da peculiar característica histórica que o lugar carrega, o filme se debruça sobre a vida de jovens do lugar. Na trama, Mila, Gilmar e Igor vão desafiar os padrões sociais formando uma família não tradicional.

Brasil | cor | 75 min. | Ficção Direção: Cláudio Marques, Marília Hughes Elenco: Milla Suzart, Gilmar Araujo, Igor Santos

  • Dia 25, terça-feira, 20h20 – Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca 2 (Rua Frei Caneca, 569)
  • Dia 26, quarta-feira, 18h40 – Cinearte 1 (Av. Paulista, 2.073)
  • Dia 29, sábado, 17:10 – Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca 6 (Rua Frei Caneca, 569)

 

NUNCA VAS A ESTAR SOLO (2016)

icone_ingressoJuan é um introvertido gerente de uma fábrica de manequins que vive sozinho com Pablo, seu filho gay de 18 anos. Quando o rapaz é vítima de um violento ataque homofóbico que o deixa hospitalizado, seu pai percebe o quão distantes e estranhos um do outro eles se tornaram. A falta de testemunhas e as exorbitantes contas do hospital forçam Juan a deixar a tranquila estabilidade de sua vida para reposicionar-se em um mundo preconceituoso.

Chile | cor | 82 min. | Ficção Direção: Alex Anwandter Elenco: Sergio Hernández, Andrew Bargsted, Jaime Leiva, Edgardo Bruna, Babriela Hernández Classificação: 16 anos

  • Dia 20, quinta-feira, 20h – Reserva Cultural 2 (Av. Paulista, 900)
  • Dia 21, sexta-feira, 15h30 – Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca 6 (Rua Frei Caneca, 569)
  • Dia 22, sábado, 19h20 – Cinesesc (Rua Augusta, 2075)
  • Dia 24, segunda-feira, 18h – Espaço Itaú de Cinema – Augusta Anexo 4 (Rua Augusta, 1475)
  • Dia 29, sábado, 14h – Cine Caixa Belas Artes – Sala 1 Vila Lobos (Rua da Consolação, 2423)

 

OS DECENTES (2016)

icone_ingressoUma empregada, que trabalha em um condomínio fechado na periferia de Buenos Aires, embarca em uma jornada de liberação sexual e mental depois que adentra os portões de segurança máxima e se depara com um clube de swing naturista.

8866

Áustria, Coreia do Sul, Argentina | cor | 100 min. | Ficção Direção: Lukas Valenta Rinner Elenco: Iride Mockert, Martin Shanly, Andrea Strenitz, Mariano Sayavedra Classificação: 16 anos

  • Dia 22, sábado, 21h25 – Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca 3 (Rua Frei Caneca, 569)
  • Dia 23, domingo, 15h20 – Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca 5 (Rua Frei Caneca, 569)
  • Dia 28, sexta-feira, 14h – Reserva Cultural 2 (Av. Paulista, 900)
  • Dia 01, terça-feira, 17h – Circuito Spcine Lima Barreto – CCSP (Av. São João, 2073)

 

A GLÓRIA E A GRAÇA (2016)

icone_ingressoGraça é uma mãe solteira de dois filhos. Quando descobre estar com um aneurisma cerebral impossível de ser operado, ela resolve ir atrás do irmão, Luiz Carlos, que não vê há 15 anos, por conta de uma briga. Quando se encontram, Graça é surpreendida ao se deparar com Glória – uma linda travesti, que deixou de ser Luiz Carlos há alguns anos e agora diz viver uma vida completa, como dona de um restaurante em Santa Teresa. Aos poucos, sensibilizada pelas circunstâncias, Glória aceita se aproximar da família, conhece os sobrinhos, retoma a amizade com Graça, e percebe que talvez, para se sentir verdadeiramente completa, ela precise ser mãe.

8697

Brasil | cor | 97 min. | Ficção Direção: Flávio Ramos Tambellini Elenco: Carolina Ferraz, Sandra Corveloni, Sofia Marques, Vicente Demori, Cesar Mello, Carol Marra Classificação: 16 anos

  • Dia 25, terça-feira, 22h – Espaço Itaú de Cinema – Augusta 1 (Rua Augusta, 1475)
  • Dia 26, quarta-feira, 17h45 – Cinearte 2 (Av. Paulista, 2073)
  • Dia 01, terça-feira, 19h – Cinemark Cidade São Paulo (Av. Paulista, 1230)

 

SEXO, PREGAÇÕES E POLÍTICA (2016)

icone_ingressoO Brasil cria e vende uma imagem de sociedade em que a sexualidade é liberada e a diversidade respeitada. No entanto, esse mesmo Brasil se revela um país conservador, onde mulheres morrem em decorrência da proibição do aborto e onde há mais assassinatos de homossexuais e transexuais no mundo. Das vítimas até a esfera politica, o filme propõe um olhar afiado sobre o paradoxo da liberdade sexual.

Brasil | cor | 72 min. | Documentário Direção: Aude Chevalier-Beaumel, Michael Gimenez Classificação: Livre

  • Dia 26, quarta-feira, 21h45 – Cinearte 1 (Av. Paulista, 2073)
  • Dia 31, segunda-feira, 18h30 – Cinearte 2 (Av. Paulista, 2073)
  • Dia 02, quarta-feira, 14h – Reserva Cultural 2 (Av. Paulista, 900)
Em 18 de outubro de 2016 pela Redação da Agência de Notícias da Aids