Todos os posts com a tag: capsídeo

Supercomputador revela como o HIV se move dentro do corpo

Um pequeno vislumbre de como o HIV viaja através do corpo foi simulado pela primeira vez em supercomputadores dos Estados Unidos. Depois de dois anos trabalhando, os supercomputadores da Universidade de Illinois conseguiram modelar o comportamento de 64 milhões de átomos do HIV e, enfim, capturar 1,2 microssegundos da vida de um capsídeo do vírus — uma pequena gaiola de proteína que transporta o HIV para dentro do núcleo de uma célula humana. A simulação foi realizada no supercomputador Titan, do Departamento de Energia, enquanto a análise dos dados foi feita pelo supercomputador Blue Waters, no National Center for Supercomputing Applications. Este método de estudo de grandes sistemas biológicos com simulações de dinâmica molecular, chamado de “microscopia computacional”, foi desenvolvido e liderado por Juan Perilla e pelo falecido Klaus Schulten. A simulação com o HIV revelou várias características do capsídeo, com diferentes partes da proteína que oscilam em diferentes frequências. Segundo Perilla, é provável que o capsídeo compartilhe informações com seus semelhantes, ajudando-os a navegar pelo seu ambiente. O estudo também descobriu que íons fluem dentro …

Avalie isto:

Movimento de proteína regula infecciosidade do HIV

Quase 37 milhões de pessoas no mundo vivem com HIV. Quando este vírus destrói tantas células do sistema imunológico que o corpo não consegue combater a infecção, a aids se desenvolve. No ano passado, a doença tirou a vida de mais de um milhão de pessoas. Durante os últimos três anos e meio, uma equipe de pesquisadores de seis universidades, liderada pela Universidade de Delaware e financiada pelos National Institutes of Health e pela Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos, tem trabalhado para aprender sobre uma proteína que regula a capacidade do HIV de sequestrar uma célula e nela fazer iniciar sua replicação. Suas descobertas, relatadas recentemente na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, apontam para um novo caminho no desenvolvimento de possíveis estratégias para frustrar a replicação do vírus. A equipe incluiu cientistas da Universidade de Delaware, Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh, Universidade de Illinois em Champaign-Urbana, Universidade Carnegie Mellon, Laboratório Nacional de Alto Campo Magnético na Universidade Estadual da Flórida e Faculdade de Medicina da Universidade de Vanderbilt. …

Avalie isto: