Todos os posts com a tag: câncer

Câncer é uma doença caracterizada por uma população de células que cresce e se divide sem respeitar os limites normais, invade e destrói tecidos adjacentes, e pode se espalhar para lugares distantes no corpo, através de um processo chamado metástase. Estas propriedades malignas do câncer o diferenciam dos tumores benignos, que são auto-limitados em seu crescimento e não invadem tecidos adjacentes (embora alguns tumores benignos sejam capazes de se tornarem malignos). O câncer pode afetar pessoas de todas as idades, mas o risco para a maioria dos tipos de câncer aumenta com o acréscimo da idade.[1] O câncer causa cerca de 13% de todas as mortes no mundo, sendo os cânceres de pulmão, estômago, fígado, cólon e mama os que mais matam.[2]

CRISPR é testada em humanos pela primeira vez

Um grupo chinês tornou-se o primeiro a injetar células que contêm genes editados usando a revolucionária técnica CRISPR-Cas9 em uma pessoa. Em 28 de outubro, uma equipe liderada pelo oncologista Lu You, da Universidade de Sichuan, em Chengdu, aplicou as células modificadas em um paciente que sofre de câncer de pulmão agressivo, como parte de um estudo clínico feito pelo West China Hospital, também em Chengdu. Estudos clínicos anteriores usando células editadas através de uma técnica diferente animaram os cientistas. A introdução da CRISPR, que é mais simples e mais eficiente do que outras técnicas, provavelmente acelerará a corrida para obter células editadas geneticamente em laboratórios clínicos em todo o mundo, diz Carl June, especialista em imunoterapia na Universidade da Pensilvânia, Filadélfia, e quem conduziu um dos estudos anteriores. “Acho que isso vai desencadear algo semelhante à corrida espacial: um duelo de progresso biomédico entre China e Estados Unidos. Isso é ótimo, uma vez que a concorrência geralmente melhora o produto final”, diz ele. June é o conselheiro científico de um estudo americano que usará …

Avalie isto:

Ômega-3 melhora inflamação crônica

O uso prolongado de suplementos de ácidos graxos ômega-3 foi associado a níveis reduzidos de triglicérides e de proteína C reativa, um dos biomarcadores da inflamação em pessoas soropositivas com carga viral suprimida, de acordo com uma pesquisa apresentada na semana passada na IDWeek 2016 in New Orleans. Com as pessoas com HIV vivendo mais tempo graças à terapia antirretroviral, doenças crônicas, como doenças cardiovasculares e câncer são uma preocupação crescente. Pesquisas sugerem que a inflamação crônica e a ativação imune excessiva contribuem para o aumento do risco de condições não-relacionadas à aids nessa população, mesmo quando se o tratamento antirretroviral é eficaz. Gretchen Volpe da Tufts University School of Medicine e seus colegas realizaram um estudo randomizado, controlado por placebo — o mais longo feito até hoje — de alta dose de ácidos graxos ômega-3 em pessoas com HIV, avaliando seus efeitos a longo prazo sobre os níveis de lipídios no sangue, inflamação e função vascular. Ácidos graxos ômega-3 — encontrados no óleo de peixe — são muitas vezes tomados para reduzir os triglicérides. O estudo incluiu 117 participantes em tratamento antirretroviral estável …

Avalie isto:

Cigarro é pior que HIV

Novo estudo conduzido por pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts descobriu que fumar cigarros reduz substancialmente a vida de pessoas vivendo com HIV nos EUA, potencialmente mais do que o próprio HIV. O relatório foi publicado on-line no Journal of Infectious Diseases. “Uma pessoa com HIV que toma medicamentos antirretrovirais e que fuma é muito mais propensa a morrer de uma doença relacionada ao tabagismo do que do HIV” “Uma pessoa com HIV que toma medicamentos antirretrovirais e que fuma é muito mais propensa a morrer de uma doença relacionada ao tabagismo do que do HIV”, diz Krishna Reddy da divisão de cuidados críticos de saúde e pulmonares do Hospital Geral de Massachusetts e do Medical Practice Evaluation Center e quem liderou o estudo. “A boa notícia é que parar de fumar pode aumentar muito a vida útil, e nunca é tarde demais para parar.” Embora apenas 15% da população adulta geral dos EUA seja fumante de cigarros, entre as pessoas que vivem com o HIV a taxa de tabagismo é superior a 40%, enquanto 20% são ex-fumantes. O uso generalizado de medicamentos antivirais hoje …

Avalie isto:

Terapia genética portátil: a futura cura acessível

Um pequeno dispositivo que permite que uma equipe médica manipule geneticamente o sangue de um paciente, capaz de levar novos tratamentos contra o câncer, HIV e outras doenças, eliminaria a necessidade das salas esterilizadas, que custam milhões de dólares, tornando a terapia genética mais viável, mesmo para os países mais pobres. A chamada terapia genética portátil, desenvolvida por cientistas no Fred Hutchinson Cancer Research Center, conseguiu levar células estaminais do sangue modificadas que eram tão boas — ou até melhor — do que aquelas fabricados em salas esterilizadas, altamente regulamentadas, além de exigir menos da metade da equipe, de acordo com um estudo publicado na Nature Communications. O estudo observou que células adaptadas também tiveram sucesso em repovoar o sistema sanguíneo, quando testadas em dois modelos animais diferentes. Ainda não foi testado em humanos. O dispositivo portátil sugere uma solução para um dos desafios mais complicados da terapia genética: como tornar estes tratamentos emergentes, de alta tecnologia, acessíveis e disponíveis, para além dos poucos centros de pesquisa especializados no mundo? “Terapias genéticas não estão mais restritas a um número muito pequeno de instalações altamente sofisticadas.” “Tínhamos que pensar sobre como construir …

Avalie isto:

Sobre câncer entre pessoas vivendo com HIV

Desde a implementação da terapia antirretroviral combinada, a tendência de surgimento de câncer em pessoas que vivem com HIV tem mudado. As taxas de alguns tipos de câncer, como o Sarcoma de Kaposi, diminuíram. Outros, no entanto, como o câncer anal, têm de fato aumentado nos últimos anos. O que está acontecendo e o que as pessoas que vivem com HIV devem saber sobre seu risco para o câncer, à medida que envelhecem? Em uma sessão na Conferência Internacional de Aids 2016, o Dr. Benigno Rodríguez resumiu o que os pesquisadores sabem sobre o risco de desenvolvimento de certos tipos de câncer entre as pessoas na América do Norte que vivem com HIV. Aqui está o que nós aprendemos. No geral, a taxa de incidência de cânceres relacionados com a aids diminuiu ao longo do tempo, desde cerca de meados do ano 2000. Isto não é surpreendente, uma vez que menos pessoas que vivem com o HIV têm ou vão desenvolver aids, graças aos tratamentos mais eficazes. Ao mesmo tempo, a taxa de incidência de cânceres não relacionados à aids tem aumentado ao longo do tempo. Cânceres relacionados à aids incluem o …

Avalie isto:

Brasileiros criam nanopartículas que podem inativar o HIV

Para se reproduzir no organismo, um vírus passa por um processo de adsorção (ligação) das suas partículas às células infectadas, conectando-se a receptores da membrana celular. Com o objetivo de impedir essa ligação e, consequentemente, a infecção, pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) desenvolveram uma estratégia que utiliza nanopartículas carregadas de grupos químicos capazes de atrair os vírus, ligando-se a eles e ocupando as vias de adsorção que seriam utilizadas nos receptores celulares. Dessa forma, o vírus, já com sua superfície ocupada pelos grupos químicos carregados pelas nanopartículas, fica incapacitado de realizar ligações com as células do organismo. A estratégia inovadora de inativação viral foi desenvolvida no âmbito da pesquisa “Funcionalização de nanopartículas: aumentando a interação biológica”, realizada com o apoio da FAPESP e coordenada por Mateus Borba Cardoso. “Esse mecanismo de inibição viral impede que o vírus chegue até as células.” Trata-se do primeiro estudo que demonstra inativação viral baseada em química de superfície de nanopartículas funcionalizadas. “Esse mecanismo de inibição viral se dá por meio da modificação de nanopartículas …

Avalie isto:

Imunoterapia pode curar o HIV?

Pesquisadores e defensores da cura do HIV se encontraram no Fred Hutchinson Cancer Research Center, na semana passada, para debater se a imunoterapia — tratamento que utiliza o sistema imunológico para combater o câncer — pode desempenhar um papel na concretização de uma cura ou remissão de longo prazo para o HIV, o vírus que causa a aids. “As células CAR-T têm o potencial de matar as células infectadas pelo HIV”, disse o Dr. Larry Corey, virologista do Fred Hutch e veterano há 35 anos na pesquisa do HIV, em seu discurso de apresentação para a terceira Conferência sobre Terapia Celular e Genética para a Cura do HIV. “Vinte anos atrás, testamos essas células para agir contra o HIV. Elas não funcionaram muito, mas agora sabemos como fazê-las melhorar.” Corey estava se referindo a um tipo de imunoterapia ainda experimental, no qual as próprias células T dos pacientes — um tipo de glóbulo branco que procura e destrói os patógenos — são geneticamente reprogramadas, com receptores sintéticos chamados receptores de antígeno quiméricos, ou CARs, a fim de matar células cancerosas que carreguem um marcador específico. Hoje, existem dezenas …

Avalie isto:

Carta de um leitor: sobre dois diagnósticos

“Olá, Jovem Soropositivo. Me desculpe a falta de ponto de exclamação no cumprimento, mas não é com alegria que alguém recebe esse resultado, positivo em alguns testes e reagente em outros. Sou mais um na estatística para o HIV. Mais um que dependerá do governo com as medicações e exames e mais um ser no estigma e na escuridão da doença. Mas não serei mais um na vida de minha família e amigos. Para eles, percebo que eu continuo sendo o mesmo — ainda que eles não saibam desse detalhe e eu nem pense em contar! “Aceitar o HIV parece levar mais tempo do que para assimilar qualquer outra doença.” Descobrir e aceitar o HIV parece levar mais tempo do que para assimilar qualquer outra doença. Eu descobri que era soropositivo numa sexta-feira, e minha simplesmente vida parou! Na sexta-feira seguinte, vim a descobrir que minha mãe está com um tumor no cérebro, que causa sintomas devastadores sobre todo o corpo dela. Como eu poderia achar que meu problema era maior que o dela? Minha mãe descobriu seu tumor da pior maneira: estava tão grande e desenvolvido …

Avalie isto:

Por que o HIV não é eliminado pelo sistema imune?

Cientistas da Escola de Medicina da University of North Carolina (UNC)  e Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute (SBP) identificaram uma proteína humana que enfraquece a resposta imunológica contra o HIV e outros vírus. Os resultados, publicados no Cell Host & Microbe, têm implicações importantes para melhorar as terapias antivirais contra o HIV, criando vacinas virais eficazes e promovendo uma nova abordagem para o tratamento do câncer. “Por que o corpo é incapaz de montar uma resposta imune eficaz contra o HIV?” “Nosso estudo traz uma visão crítica sobre uma questão fundamental na pesquisa do HIV: por que o corpo é incapaz de montar uma resposta imune eficaz contra o HIV para prevenir a transmissão?”, disse Sumit Chanda, Ph.D., professor e diretor do Programa de Imunidade e Patogênese do SBP e do e coautor sênior do estudo. “Esta pesquisa mostra que a proteína NLRX1 é responsável — é necessária para a infecção pelo HIV e funciona reprimindo a resposta imune inata.” A resposta imune inata funciona através da produção de uma cascata de sinalizadores químicos (interferons e citocinas) que fazem disparar as células …

Avalie isto: