Em 2016 tivemos uma notícia animadora sobre a pesquisa da cura do HIV: falava de um anticorpo “fascinante”, “impressionante” e “incrível demais para ser real” que tinha levado oito macacos à beira da cura do SIV, o vírus da imunodeficiência símia — vírus que é primo do HIV.

Naquela altura, uma equipe liderada pelo imunologista Aftab Ansari, da Emory University School of Medicine, em Atlanta, infectou oito macacos com SIV e então tratou-os com antirretrovirais. Em seguida, aplicou neles um anticorpo semelhante a um medicamento aprovado para tratar doença de Crohn e colite ulcerativa, o qual se dirige ao receptor da superfície das células imunes conhecido como α4ß7. Esse receptor celular é encontrado na superfície das células brancas CD4, o alvo favorito do HIV.

Mais de 9 meses depois dos tratamentos antirretrovirais e com anticorpos serem interrompidos, todos os oito animais tinham níveis baixos ou indetectáveis de SIV no sangue. Os sete animais infectados com SIV que receberam um anticorpo placebo, tiveram recuperação de níveis elevados do vírus, dentro de 2 semanas a partir da interrupção do tratamento antirretroviral. “Os resultados nos surpreenderam, eles são muito impressionantes”, disse o coautor do estudo Anthony Fauci, imunologista que dirige o U.S. National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID), em Bethesda, Maryland. O estudo em macacos foi tão animador que seguiu-se para os testes em humaos.

Macaco infectado com SIV mostra ter menos vírus (vermelho-amarelo) após o tratamento com um anticorpo para α4ß7 (à direita).

No estudo em humanos, Fauci e colaboradores recrutaram 18 pessoas, todas sob tratamento antirretroviral e com e níveis indetectáveis ​​de HIV no sangue, durante pelo menos dois anos.

Ao longo de mais de 30 semanas, os participantes receberam nove infusões de Vedolizumab, um anticorpo monoclonal um pouco diferente do anticorpo daquele administrado nos macacos, mas que também se liga à α4β7 e está no mercado para tratar a doença de Crohn e colite ulcerativa.

Se as pessoas reagissem como macacos ao tratamento com anticorpos, assim que o Vedolizumab bloqueasse a α4β7, os pacientes poderiam interromper os medicamentos antirretrovirais e o HIV que inevitavelmente começaria a se multiplicar, mas com dificuldades em infectar células e criar novos vírus. Entretanto, não foi esse o caso.

Fauci explicou que, em duas das 18 pessoas, o HIV voltou assim que pararam os antirretrovirais. Surpresos com o resultado desanimador, uma outra equipe de pesquisadores, não envolvidos com o estudo original com macacos, tentou repetir o estudo em outro grupo de primatas, também sem sucesso. Tudo isso fez crer que resultados originais nos macacos de 2016, segundo Fauci, “podem ser um acaso”.

Com isso, o Vedolizumab se junta a uma longa lista de outras estratégias potenciais de cura para o HIV que geraram resultados iniciais empolgantes, mas, uma vez colocado em um teste do mundo real, não deram certo.

Anúncios