Quem tem mais chance de recuperar a imunidade?

Sete em cada dez pessoas diagnosticadas positivas para o HIV e que começam a fazer o tratamento antirretroviral recuperam sua contagem de células CD4 para um patamar acima de 500 células/mm³. É isso o que relatam pesquisadores franceses em um estudo divulgado recentemente: quanto maior a contagem de células CD4 e maior a relação CD4/CD8 no momento do início do tratamento, melhor será a recuperação de CD4.

O estudo usou informações do Banco de Dados Hospitalar Francês sobre HIV, observando pacientes que iniciaram seu primeiro tratamento entre 2006 e 2014 e então alcançaram e mantiveram carga viral indetectável em até seis anos de acompanhamento. Todos estes pacientes começaram o tratamento com uma contagem de células CD4 inferior à 500 células/mm³ e uma carga viral superior a 50 cópias/ml. Além disso, todos os pacientes considerados no estudo tinham pelo menos uma medição da relação CD4/CD8 feita seis meses antes de iniciar o tratamento. Estabeleceu-se que a “recuperação de CD4” seria definida por duas contagens de CD4 sucessivas de pelo menos 500 células/mm³, após confirmação de duas cargas virais consecutivas com menos de 50 cópias/ml. Pessoas com esquemas triplos, duplos ou em monoterapia foram incluídas.

Dos 23.188 pacientes observados, 6.050 preencheram os critérios do estudo. 66% dos participantes eram homens, dos quais aproximadamente um terço era originário da África Subsaariana. Ao iniciar o tratamento, a média de idade entre os participantes era de 38,6 anos, a carga viral média do HIV-1 era de 52.257 cópias/ml, a contagem média de CD4 era de 275 células/mm³ e a média da relação CD4/CD8 era de 0,3.

O resultado foi o seguinte: no geral, 69,7% dos participantes tiveram recuperação de CD4 após seis anos de carga viral indetectável; apenas 12,1% não atingiram a recuperação do CD4 no sexto ano de carga viral indetectável. Nesse sentido, o estudo concluiu que quanto maior a contagem de CD4 e quanto maior a proporção de CD4/CD8 ao iniciar o tratamento, maior a chance de recuperação do CD4. (A relação CD4/CD8 é um marcador do sistema imunológico tão importante quanto a contagem de células CD4. Quanto mais próximo de 1 for a relação CD4/CD8, melhor.)

Célula CD4.

Os pesquisadores identificaram ainda outros fatores que foram significativa e moderadamente associados à recuperação da contagem de células CD4:

  • Idade: indivíduos com mais de 60 anos apresentaram menor probabilidade de recuperação de CD4 do que pessoas mais jovens;
  • Homens que fazem sexo com homens, mulheres e homens heterossexuais que não são da África Subsaarian têm uma probabilidade maior de recuperação de CD4 do que mulheres e homens heterossexuais que são da África Subsaariana;
  • Indivíduos com coinfecção por hepatite B ou C ou aids ao iniciar o tratamento tiveram menor probabilidade de recuperação de CD4.

A influência dos antirretrovirais no resultado da recuperação do CD4 também foi analisada. Começar com uma combinação tripla baseada em inibidores não-nucleosídeos da transcriptase reversa (como Efavirenz, Nevirapina e Etravirina), em vez de uma combinação baseada em inibidores de protease (como Atazanavir, Darunavir, Fosamprenavir, Indinavir, Lopinavir/r, Nelfinavir, Ritonavir, Saquinavir e Tipranavir), foi associada a uma menor probabilidade de recuperação de CD4. Mas não houve diferença ao começar com outros regimes, incluindo regimes baseados em inibidores da integrase, principalmente o Raltegravir, de acordo com o presente estudo.

Quanto maior a carga viral no momento de início da terapia antirretroviral, maiores as chances de recuperação do CD4. Isso pode parecer surpreendente, mas é algo que já foi documentado em vários estudos anteriores. O fenômeno pode ser explicado pela liberação no sangue, após a eficácia do tratamento antirretroviral, de células CD4 que foram mobilizadas no tecido linfóide para combater a intensa replicação viral e a inflamação. No entanto, o tempo necessário para a carga viral ser suprimida não foi associado à recuperação de CD4.

Resumindo, os pesquisadores franceses afirmam que os dois principais fatores de recuperação de CD4 são: uma alta contagem de CD4 e uma alta proporção de CD4/CD8 no momento de início do tratamento antirretroviral. Por isso, quanto mais cedo for feito diagnóstico e mais rápido for iniciado o tratamento, melhor.

Anúncios
avatar
8 Comment threads
20 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
BetoLuis GustavoFabio SoaresPositiveSoulLuiz Recent comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Inscrever-se  
Receber notificação
Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Dois pontos a serem destacados:
1 – As pesquisas avançam e colaboram para melhorar a vida dos soropositivos. Muita gente perdeu “fôlego” ao iniciar o tratamento com contagem baixa de CD4, conforme era praxe até há alguns anos.
2 – Esse estudo também confirma o acerto da mudança do protocolo, que agora prevê o tratamento imediado a todos os diagnosticados.

Rômulo Monteiro
Visitante
Rômulo Monteiro

Ainda bem que consegui começar com menos de 90 dias ! rs…

Sávio
Membro
Sávio

Qual seu tratamento?

Rômulo Monteiro
Visitante
Rômulo Monteiro

DTG + 2em1

Fábio Soares
Visitante
Fábio Soares

Também 😊

Mas meu CD4 estava 344 e carga viral lá nas alturas

Rômulo Monteiro
Visitante
Rômulo Monteiro

Meu CD4 tava em 490+- e meu CV quase 2 milhões rs…, levei 1 ano para ficar indetectável xD

Duvida
Visitante
Duvida

Pessoal,
Qual a chance de eu tomando o esquema com dolutegravir me recontaminar por hiv? É maior que a chance de uma pessoa tomando profilaxia pré ou pós exposicao, ou menor?
Obrigado

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Pergunta pertinente, pois uma das combinações da Profilaxia Pós-Exposição tem o DTG + TDF + 3TC, ou seja, o mesmo esquema preferencial para início de TARV

maxwell
Visitante
maxwell

Respondendo no “achismo” eu acho que é muito difícil uma pessoa que faz uso das medicações se recontaminar já que da mesma forma que ela acaba com o vírus circulante fazendo só algumas sobreviverem adormecidas ela teria o poder de barrar uma nova recontaminação pq seu uso da medicação serviria também como barreira para o hiv exterior MAS lembre-se que há outras DSTs por aí, então o uso da camisinha é sempre interessante pra vc se contaminar com outras DSTs. Não coloque sua saúde em perigo por confiar nos outros. A pessoa pode agora não ter nada e lhe mostrar… Ler mais »

Caio PE
Visitante
Caio PE

A chance existe embora não seja muito alta devido a alta barreira genética do DTG (mas existe sim !). A pergunta que eu devolvo é: por que essa preocupação? Não está adotando a camisinha?

Duvida
Visitante
Duvida

Pessoal,
Qual a chance de eu tomando o esquema com dolutegravir me recontaminar por hiv?
É maior que a chance de uma pessoa tomando profilaxia pré ou pós exposicao, ou menor?
Obrigado

CD4
Visitante
CD4

Meu cd4 ficou uns 4 anos em torno de 350. Descobri em torno de 350. Mas, 3 meses depois de ter começado o dolutegravir, foi pra 550! Alguma experiencia semelhante?

Sávio
Membro
Sávio

O meu cd4 nao passa de 320 hehehe

Sorodiscordantes
Visitante
Sorodiscordantes

Gente eu e meu marido somos um casal sorodiscordante, ele é +eu- , ele está indetectável a 6 anos.Queríamos muito ter um filho, a médica dele nos “liberou ” para tentarmos engravidar, e por incrível que pareça em uma única relação sexual sem preservativo eu engravidei, mesmo com problemas de fertilidade. Depois disso voltamos a usar preservativo ,daí fiz três testes, 30,60, 9o dia após a relação, todos deram não reagente, esse tempo de janela imunológica é seguro, pra o resultado negativo? Alguém sabe algo a respeito?

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Que coisa bacana. Olha, acredita que tenha gente mais capacitada para dizer, especialmente sua própria médica, mas, pelo que tenho lido aqui e em outras fontes, esse período é bastante confiável com os testes atualmente disponíveis. Boa sorte e saúde para vocês e seu filho. Deus os abençõe

Alessandro
Visitante
Alessandro

Infelizmente o estigma ainda está dentro de vc, estive em um relacionamento sorodiscordante com minha ex mulher e transei com ela por quase 2 anos sem o uso do preservativo, estamos separados a 9 meses e ela continua negativa, de fato é com toda certeza quem tem adesão 100% ao tratamento, não infecta não existe a possibilidade, todos estudos comprovam isso, porém quanto a engravidar vc poderia ter feito uso da terapia para te proteger e abandonar o uso assim que soubesse que estava grávida, apenas por desencargo de consciência.

Sorodiscordantes
Visitante
Sorodiscordantes

Obrigada pelo seu comentário! Eu fiz a pergunta pq onde faço os testes eles não nos dão essa garantia, não entendi pq, já que é o mesmo local onde meu marido faz acompanhamemto(consultas),e foi lá que a médica nos orientou quanto gravidez. Quanto a Prep não tomei pq a médica dele nos disse que aqui onde moramos o protocolo é só fornecer a mesma pra quem não está indetectável. Na verdade não me considero com estigma se o tivesse, não teria me casado com ele. A pergunta é pq percebi que nem todos os médicos tem o mesmo entendimento quanto… Ler mais »

Carla
Membro

Amada, tem como me passar seu email p conversarmos, tbm estou querendo engravidar.

Sorodiscordantes
Visitante
Sorodiscordantes
Bia
Visitante
Bia

Oi,
Também estou num relacionamento sorodiscordante e, por querer em breve engravidar, conversei com a nossa infecto e ela disse que não seria necessário o uso da prep, apenas se fosse da minha vontade.
Como quem adere o tratamento certinho, após 6 meses indetectável , não transmite, eu não farei uso. Porém, é uma decisão bem particular.
Quanto a informação sobre HIV entre os médicos há realmenre diferenças, vi pela conversa com a minha ginecologista.

Alessandro
Visitante
Alessandro

Sim existem profissionais e “profissionais” infelizmente tem pessoas muito desatualizadas, atrapalhando a evolução das coisas, mas a grande maioria acredito que já são aqueles que sabem dos novos estudos e apoiam que de fato não transmite.

Luiz
Visitante
Luiz

Olá, faz um bom tempo que não posto nada aqui, mas a tua dúvida me deixou com vontade de participar.
Bom, vivo um relacionamento sorodiscordante no qual eu sou soropositivo e minha mulher não. Ela engravidou e deu a luz a uma linda menina, hoje com 10 meses de vida, completamente saudável. Sempre fez todos os exames e sempre deu não reagente. Não usamos preservativo em nossas relações sexuais, pois a orientação do meu infectologista é de que indetectável NÃO TRANSMITE.
Espero que meu depoimento seja útil.

Um abraço a todos e boa sorte para vocês!!!

Carla
Membro

Foi isso que o infecto do meu esposo me disse.

PositiveSoul
Visitante
PositiveSoul

https://giveprepashot.org/pt/

PrEP injetável de longa duração talvez numa realidade bem próxima… Espero que tenhamos avanços em relação à TARV nesse próximo ano.

Fabio Soares
Visitante
Fabio Soares

Pessoal, faço o uso de dolutegravir a mais de 6 meses. Porém há algum tempo meu intestino tem alterado bastante o seu ritmo “normal”. Além de episódios de ansiedade e insônia que estão sendo frequentes. Alguém observou o mesmo ?
Eu não queria trocar o meu esquema atual…

Luis Gustavo
Visitante
Luis Gustavo

Amigo,se vc toma o dolutegravir anoite,ele pode sim ta provocando insonia,procure toma-lo sempre pela manha,e a insonia melhorara.eu tomo o dolutegravir a 2 anos,e nunca tive nenhum efeito colateral. tomo todos os dias as 6hs da manha em jejum mesmo.

Fábio Soares
Visitante
Fábio Soares

Sim, Luis! Tomo pela manhã.

Beto
Visitante
Beto

Pode acontecer sim, Fabio. E pode ser transitorio tambem. Procure fazer atividades fisicas para dar uma cansada e aliviar a ansiedade, faz um preparado na manipulaçao de vitaminas B1, B6 e B12 que ajuda bastante em tudo isso. E foco no trabalho interior tambem. Um abraço!