Pose

[mks_dropcap style=”letter” size=”52″ bg_color=”#ffffff” txt_color=”#000000″]N[/mks_dropcap]o ar desde 28 de setembro para assinantes do canal Fox Premium 1 e, ao que tudo indica, em 2019 no Netflix, a série Pose (2018), criada por Steven Canals, Brad Falchuk e Ryan Murphy — este último, o mesmo criador de American Horror Story e American Crime Story —, é altamente recomendada!

[mks_dropcap style=”letter” size=”52″ bg_color=”#ffffff” txt_color=”#000000″]A[/mks_dropcap]mbientada no final da década de 80, Pose é uma série que acompanha a vida de pessoas LGBTIQ+, bem como a expansão destas comunidades em uma década na qual ainda não se sabia muito sobre esses grupos de pessoas. A circunstância desta época acabou por unir transexuais, travestis, drag queens, gays e outros grupos que acabavam por compartilhar interesses em comum e, por acaso, que começam a ser assolados pela epidemia de aids.

Essa produção de Ryan Murphy é emblemática, porque conta com o maior número de atores transgênero como protagonistas, atores principais, num elenco finamente selecionado para contar a história de vários segmentos da vida e da sociedade de Nova York no final dos anos 80: um mundo da cultura de baile, do surgimento do universo de luxo na época de Trump e a cena social e literária do centro da cidade. Pose já tem garantida sua segunda temporada, para 2019, a qual promete se aprofundar mais na questão da epidemia e dos soropositivos daquele período.

Publicado por

Jovem Soropositivo

Jovem paulistano nascido em 1984, que descobriu ser portador do HIV em outubro de 2010. É colaborador do HuffPost Brasil e autor do blog Diário de um Jovem Soropositivo.

6 comentários em “Pose”

  1. Assistam o seriado na netflix “ELITE”. A personagem principal da série é soropositiva. (apesar da série não ser sobre essa temática em questão ela é bem explorada quanto à questão de relacionamentos sorodiferentes, preconceitos. Asssistam, muito boa

    1. Assisti! A série deixa claro que indetectável e intransmissível, após a menina transar com um rapaz sem preservativo e até engravidou … mas independente disso a série é boa mesmo!

      1. Acredito que está com problemas…pior que estamos em uma situação tão foda que “que merda” pode ter sido um desabafo da situação…eu descobri ontem de manhã…e a palavra “que merda” diz tanto nesse momento, pra mim… ;(

  2. Séria bom uma série que falasse a vida atual de ser um positivo, que trabalha, estuda, vida social normal, faz academia, viaja, fica doente como qualquer outro que não se cuida… não voltar a uma época sombria da doença… acredito que toda doença passou por uma época sombria mas com o avanço da medicina não é mais, o HIV é a mesma coisa…. você VIVE SIM BEM, você viaja, você faz tudo que um negativo faz o problema é o preconceito que bate na nossa porta toda vez. SOU ATLETA DE CROSSFIT, SOU SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL, SOU VIAJANTE DESSE MUNDO, CURTO CARNAVAIS, TAMBÉM FICO GRIPADO, FAÇO CIRURGIA ESTÉTICA, BATE UMA BAD AS VEZES ( mesmo sendo negativo isso acontecia a única diferente que hoje tenho um motivo mais sério ou nem seja tão sério assim) , VOU AO BARBEIRO, TENHO MEUS MÉDICOS ( urologista, nutricionista, endócrino, dermatologista e esse que o HIV me deu infectologista ) como uma pessoa que cuida do corpo …. ENFIM SOU NORMAL E TENHO SAÚDE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.