Suicídio: Saber, Agir & Prevenir

[mks_dropcap style=”letter” size=”52″ bg_color=”#ffffff” txt_color=”#000000″]N[/mks_dropcap]o próximo dia 22 de setembro de 2018, das 13h às 18h, acontece o evento “Suicídio: Saber, Agir & Prevenir”, organizado pela Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo com HIV/Aids, a RNAJVHA, na Escola Superior de Ciências da Saúde, em Manaus.

A RNAJVHA é um coletivo de pessoas que atua como movimento social, reivindicando direitos e funcionando como um espaço de acolhimento para adolescentes e jovens com sorologia positiva para o HIV. É uma rede nacional que possui bases em vários estados do Brasil. Em Manaus, a RNAJVHA – Amazonas realiza encontros mensais, no segundo domingo de cada mês, buscando fortalecer a juventude que vive com HIV/Aids por meio da informação entre pares, incentivando a adesão ao tratamento, promoção de direitos e quebra do estigma e discriminação, trazendo um novo olhar para a vida da juventude após a descoberta do diagnóstico. E trabalhamos com políticas públicas e controle social da juventude vivendo com HIV/Aids no Estado.

A ideia do evento foi de Felipe Medeiros, um dos coordenadores da RNAJVHA – Amazonas, que movimentou muita coisa pra que isso acontecesse. Na verdade, não existe nenhum estudo que relacione diretamente o suicídio ao diagnóstico positivo para o HIV, mas vimos neste setembro amarelo uma oportunidade de desmistificar o tema e falar sobre a importância do cuidado com a saúde mental. Existem alguns estudos que mostram que uma parcela significativa das pessoas que vivem com HIV possuem algum tipo de transtorno psiquiátrico, diagnosticado ou não. Por isso, hoje em dia, fala-se em atendimento biopsicossocial da pessoa que vive com HIV: uma forma de encarar o tratamento para além de apenas tomar a medicação. Ou seja, oferecendo suporte para cuidado com a saúde mental e meios para que aqueles que não possuem dinheiro possam dar continuidade ao tratamento desta enfermidade.

[mks_dropcap style=”letter” size=”52″ bg_color=”#ffffff” txt_color=”#000000″]N[/mks_dropcap]este evento, haverá dois palestrantes de Manaus: Um é um psicólogo que conhece muito bem o tema, o Clovis Coelho. Outra é a Consuelena Lopes. Ela é psicóloga com doutorado em Antropologia Social e já atuou por muito tempo no atendimento de pessoas que vivem com HIV aqui em Manaus, em uma policlínica. Também teremos uma psicóloga da Fiocruz Brasília que vem pra cá apenas pra este evento, a Karine Dutra. Ela já trabalhou muito na construção de políticas públicas diretamente no ministério da saúde.

Hoje em dia existem outras formas de se prevenir o HIV além da camisinha, como a PEP e a PREP, e também existem estudos internacionais que comprovam que pessoas com carga viral indetectável há pelo menos seis meses, e sem nenhuma ist não transmite o vírus do HIV mesmo em relações sexuais desprotegidas. Por isso, para além da camisinha podemos considerar a adesão ao tratamento uma forma eficaz de prevenção ao HIV.

Sobre o HIV e o suicídio, eu penso que ambos os assuntos são envolvidos por tabus. Ainda existem pessoas que, mesmo nos dias de hoje, encaram o HIV como um diagnóstico de morte. Além disso muita gente não sabe exatamente como ocorre a transmissão, imaginando que só de compartilhar talheres, beijar ou abraçar pode se infectar, pois a nossa sociedade não fala abertamente sobre sexo. Da mesma forma, o suicídio envolve alguns temas delicados: evita-se falar de morte, pois achamos que isso pode atrair coisas ruins. As vezes a pessoa com ideação suicida é vista como alguém dramático, fraco, inconveniente. Tudo isto impede um diálogo aberto sobre o tema. E como você mesmo falou, é um tema que precisa da nossa atenção pois é uma das principais causas de morte entre jovens.

Se o suicídio passar a ser encarado como um problema de saúde pública e se forem pensadas estratégias para combatê-lo a partir de estudos sérios, penso que essa triste situação pode ser revertida. Mas pra isso, é preciso que as pessoas lancem um novo olhar sobre o suicídio e os transtornos associados a ele. É isso que buscamos com esse evento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

[alert type=”warning” icon-size=”hide-icon”]RNAJVHA – Amazonas | Coordenadores: Bruno Cortez, Felipe Medeiros, Hadassa Brasil | E-mail para contato: jovenspositivosam@gmail.com[/alert]

Publicado por

Jovem Soropositivo

Jovem paulistano nascido em 1984, que descobriu ser portador do HIV em outubro de 2010. É colaborador do HuffPost Brasil e autor do blog Diário de um Jovem Soropositivo.

45 comentários em “Suicídio: Saber, Agir & Prevenir”

  1. Gente é aqui que fazi os comentários agora? To mto perdido!
    E tbm triste! Peguei os resultados de roeriam hoje continuo indetectável mas meu CD4 caiu de 860 para 650!
    Meu último exame foi em março!
    Desde que eu soube que sou positivo não fiquei nem gripado mais e já já completa dois anos!

    To mto assustado com essa queda 😪

    1. Acalme o seu coração: o que importa é que vc está indetectável e até em soronegativos ocorrem as variações de CD4.

    2. Não faz qualquer diferença um CD4 de 860 ou de 650 ou de 1.000. Fique tranquilo. Isso só vai se tornar preocupante se ao longo do tempo seguir baixando e chegar a números muito baixos. Tanto que hoje os infectos nem pedem CD4 em todas as consultas. Contagem de CD4 é igual pesquisa eleitoral: a gente que não entende fica doido com uma variação de números de uma pra outra; mas o que vale é a tendência ao longo de várias pesquisas.

      1. Obrigado pessoal! Eu tava realmente muito agoniado, preocupado…
        Amanhã tenho consulta. Vamos ver o que el diz sobre isso!
        🙂

  2. Aproveitando a chance, encontrei uma notícia muito bacana sobre a concientização sobre o HIV/AIDS na África subsaariana. Aproveitando o boom da TV por assinatura nestes países, a UNAIDS firmou parceria com a maior operadora do continente, a StarTimes, para divulgação de ações de prevenção na região. Em plena era da Internet, apenas 30% dos jovens de até 35 anos tem acesso à informação sobre o vírus.

    O projeto visa a exibição de propagandas nos intervalos de alguns canais da operadora junto à programas educativos exibidos ao longo do dia. Além do uso do aplicativo que transmite a programação da operadora. Serão produzidos vídeos em português, inglês, francês, luganda, suaíli, iorubá, igbo e huaçá.

    https://actualite.cd/2018/09/06/lonusida-et-startimes-vont-sensibiliser-les-jeunes-africains-au-vihsida-laide-dune

  3. Não é esse assunto do tópico mas se alguém puder ajudar!!
    Trabalho em uma empresa privada e tenho convênio da Unimed pela empresa. Esse plano tem coparticipação e agora novamente vou fazer meus exames de carga viral e db4/cd8, sei que irá para a empresa um boleto de coparticipação e terei que pagar mas minha dúvida será que vai descrito qual exame foi feito??? Gostaria de manter em sigilo e que a empresa n soubesse da minha sorologia.

    1. Nao vem discriminado nao amigo,tbm tenho a unimed cooparticipativo da empresa,e no relatorio da unimed,vem escrito apenas EXAME, para esses tipos de exame,.isso é lei,a unimed nao pode divulgar sorologia.

  4. Se alguém puder ajudar!!
    Fiz os exames de carga viral e cd4/cd8 pelo plano da empresa, sei que tem coparticipação, como o plano de saúde irá mandar a descrição dos exames para a empresa para cobrar as taxas de coparticipação? Não faço questão que a empresa saiba minha sorologia…

  5. gente, e JS, o que os candidatos podem fazer em relação a quem usa TARV? Algum pode querer cancelar o remedio gratuito? Algum vai querer trazer remedios mais modenros? O Bolso falou algo sobre isso?
    É capaz dele mandar cancelar tudo…

    1. O tratamento é garantido por lei e só o congresso pode revogar. Mas existe um um campo discricionário, isto é, normas, portaria e regulamentação que é de responsabilidade do executivo, ou seja, do Ministério da Saúde sob comando da presidência.
      Então a presidência pode alterar unilateralmente muita coisas, cortar muito investimento, a variedade das ofertas de medicamentos, números de profissionais, centros de referências, etc…

    2. Propostas de Ciro Gomes no “Programa de Governo”:

      6.8 Reforço aos programas bem-sucedidos do SUS – a estratégia de saúde da família (ESF), o programa de controle de HIV/AIDS, o programa de transplante de órgãos e o sistema nacional de imunização.

      10,9 Consideração das transversalidades da população LGBTI e suas vulnerabilidades, tais como: situação de refúgio, conviventes com HIV/AIDS, LGBTIs negros e negras, em situação de rua, dentre outras, fomentando a ampliação das políticas públicas existentes e criação de políticas públicas de proteção e acolhimento à essas especificidades;

      Programa do Boulous:

      Criar plano de políticas públicas e metas para redução da transmissão do vírus do HIV, recuperando e reforçando campanhas e políticas específicas para a população LGBTI, negra, campesina e indígena, e da mortalidade por Aids e coinfecções como tuberculose e pneumonia;

      (Há outras menções sobre HIV no texto do Boulos, mas não está como proposta, mas sim como reflexão sobre o tema)

      ESTES SÃO OS ÚNICOS CANDIDATOS QUE MENCIONARAM HIV/AIDS NO PROGRAMA DE GOVERNO
      Se tiverem interesse em ler a íntegra, dá um google, é fácil de encontrar. O site do poder360 tem todos.

    1. Pelo amor é cada uma…claro que não haverá mudança na distribuição dos medicamentos, óbvio que apenas se for para aperfeiçoar algo, é uma questão humanitária né amigos, ele nem nenhum outro candidato podem fazer o que bem querem, vivemos numa república, para qualquer alteração é preciso autorização pelos poderes, executivo e legislativo, caso ocorra alguma alteração ainda pode-se questiona-la pelo judiciário.

      1. Cara isso tudo eh muito bonito, a independência dos poderes e o funcionamento das instituições democráticas até ocorrer um golpe. Bolsonaro eh um militar e seu vice-presidenciavel já deixou claro em entrevista a GloboNews que se for necessário , fechará o congresso a exemplo de 64. Isso eh muito grave, as pessoas estão se deixando levar pelo repúdio a corrupção, a degradação política e depositando suas fichas em um governo autoritário. Se ele fechar o congresso, acredito que tudo que regulamente o acesso a tratamento das pessoas com TARV vai pro espaço. Haverá apenas a figura do ditador , que decide o que bem quer. Confesso que tenho receio das políticas públicas na área da Saúde de Bolsonaro.

    2. Não terá alteração nenhuma, isso é questão de saúde pública, ele mesmo já falou novamente sobre isso e se dizia arrependido pelo que disse, fiquem tranquilos, continuaremos nos tratando sim !

    3. BR17 e Alessandro, este candidato é um perigo para o regime político atual! ABRAM OS OLHOS! Numa ditadura nossa constituição é automaticamente revogada! Se não derem o autogolpe, a proposta de nova constituição de notáveis pode não garantir mais nosso medicamento.

      É muito importante termos consciência do que ele pensa. Ele acha que HIV é problema de viado e drogado e despreza ambos! Falar merda sobre todo mundo durante anos e na companha dizer que foi brincadeira ou se arrepende? Pelo amor de deus! Ele tá seguindo instrução de marketeiro.

      1. Todos os outros menos PSL, PT, PSDB e PMDB.
        O mais preparado ao meu ver é o Álvaro Dias.
        Pesquisem para não se arrependerem do voto !

  6. Caros amigos, acompanho o Jovem Soropositivo há alguns anos e raramente comento por aqui. Hoje vim procurar justamente o assunto que os últimos três leitores comentaram, já imaginando que seria pauta entre nós: a possível presidência de Jair Bolsonaro e o impacto sobre o tratamento do HIV.

    Respeito muito este espaço e não quero politizá-lo, mas estou extremamente angustiado com a situação. A postura e as ideias do Bolsonaro são absolutamente contrárias a tudo que eu acredito e sou. Desde o ano passado sua possível eleição tem me preocupado muito. Com o passar dos meses essa preocupação se transformou em temor, angustia, obsessão e tristeza. Recentemente voltei a tomar antidepressivo e ansiolítico depois de dois anos sem utilizá-los e acredito que esta candidatura tem grande relação com meu quadro. Talvez para alguns possa parecer exagero, mas como homem gay sinto a intolerância e a homofobia crescendo junto com ele nas pesquisas. Embrulha-me o estômago pensar que, por qualquer razão que seja, 28% (IBOPE de 18/09/2018) da população aprova um homem com um discurso de tanto ódio, desrespeito e deboche para com LGBTs, negros, mulheres e qualquer pessoa que pense diferente da visão de mundo absolutamente restrita dele. Outros candidatos defendem diversas medidas semelhantes às dele, mas sem o ódio. Por que o nosso povo está tão cego a ponto de precisar votar em alguém como ele? Por que não escolhe outro que prometa medidas neoliberais? Por que não escolhe outro que se autoproclame incorruptível? Por que não escolhe outro que se oponha ferrenhamente ao PT e ao Lula? Por que não escolhe outro que se apresente como outsider?

    Durante todos esses meses sofri por considerar sua presidência o fim de qualquer progresso na luta dos direitos LGBT, com um fortíssimo impacto prático, simbólico e discursivo. Tenho um relacionamento estável há 9 anos, não temos nenhum interesse em casamento ou adoção, cada um tem sua casa e suas contas (bem mais apertadas do que gostaríamos, confesso) e nem mesmo questões legais como a partilha de bens são algo que nos atingiria no momento em uma eventual separação. Evidentemente, mesmo sem me atingir, sou sensível e defendo acirradamente estes direitos. Por outro lado, uma luta ainda não conquistada e que me é muito cara é a criminalização da lgbtfobia e a adoção de políticas educacionais que trabalhem a tolerância com as novas gerações (tolerâncias com as sexualidades, com os gêneros, com as raças, com os credos, etc). Sou abençoado por não ter sofrido algumas atrocidades que tantos homossexuais sofrem ao longo da vida, no entanto, também passei por momentos muito difíceis. Com o amadurecimento pude identificar inúmeras características e inseguranças no meu comportamento que foram moldadas pela homofobia velada ou explicita que sofri. Sinto-me vencido por saber que muito pouco mudou institucionalmente para a geração que hoje está iniciando a escola e me dói o coração pensar em crianças LGBTs crescendo com um presidente como ele.

    Diante de tudo isso, com o aproximar da eleição e sua escalada eleitoral, uma preocupação mais visceral está me assolando: a da garantia do nosso tratamento. Venho ignorando esse aspecto, mas nos últimos três dias ele se somou definitivamente a minha preocupação. Sei que podemos contar com certas garantias sobre a manutenção do nosso atendimento, mas a situação pode sair totalmente da normalidade. O que resta da nossa democracia e institucionalidade está em risco com as recentes declarações de autogolpe e nova constituição feita por notáveis. Neste cenário nossos direitos de tratamento podem sim ser retirados. Nosso direito pode não estar nessa nova constituição, o SUS pode não existir mais ou mudar totalmente. Pode parecer alarmista, mas se a famigerada PEC dos gastos está criando dificuldades na distribuição de medicamentos, imaginem uma mudança de regime e mesmo outras medidas mais simples dentro da “democracia”. Lembrando que para ele HIV/AIDS é “problema de drogado ou viado” e que o estado não deve ser onerado com as “picadas” e as “vadiagens” “dessa gente”. A moral, a ética, o espirito público, a generosidade, a solidariedade, a bondade, a compaixão, a misericórdia dele são guiadas por premissas como essa: que pessoas são dispensáveis, que vidas são dispensáveis. Para quem acha que foram só palavras ditas sem pensar, não são só palavras não! Nenhum, absolutamente nenhum, outro presidenciável nesta eleição diz algo minimamente próximo disso. Nenhum político de relevância fala barbaridades como essa. Absurdos como esse partem apenas desse tenebroso baixo-clero da nossa política que emergiu como “solução” para corrupção. Vamos resolver “roubalheira” com barbárie, é isso? A desumanidade é melhor do que o PT? O retrocesso civilizatório é nossa única opção?

    Estou falando de DESUMANIDADE! Estou falando de MALDADE! Desumanidade e maldade comigo, homem cisgênero homossexual branco jovem classe média baixa e soropositivo, mas também com todos os outros LBGTs; com todos os pretos e pretas; com todos os pardos e pardas; com todos os índios e índias; com todos os gordos e gordas; com todas as mulheres; com todos os imigrantes, estrangeiros e refugiados cuja origem ancestral ou posição política de seus países convier; com todos os economicamente vulnerários beneficiários do bolsa-família; com todos que pensem e agem minimamente fora da cartilha que ele dita e ditará. Uma cartilha estabelecida tendo “deus acima de todos”. E sim, insisto no “d” minúsculo, por-que será o “deus” dele. Aquele “deus” que aparece no antigo testamento e que condena coisas absolutamente normais nos dias de hoje, como frutos do mar e tecidos com fibras diferentes, e de onde ele e seus seguidores pinçam a condenação da homoafetividade. Aquele mesmo “deus” que foi usado como pretexto para atrocidades ao longo de séculos com mulheres, africanos, índios e tantos outros. Aquele “deus” opressor e não caridoso.

    Esta noite chorei, passei mal e quase vomitei. O ano será um divisor de águas na minha forma de ver e apreciar o mundo e os outros, mesmo que a civilização derrote a barbárie. Infelizmente minha “inocência” se quebrou diante da leviandade com que ele é tratado na família, na roda de amigos, no trabalho, na fila do mercado, no boteco, na boca de fumo, no grupo do whats, nas redes sociais, na imprensa, no Brasil.

    #elenão

    PS: estendi-me mais do que eu imaginava, JS. Se julgar condizente com a sessão “Cartas do Leitor” sinta-se a vontade. Gostaria de publicar eu mesmo, com meu nome, mas a intolerância de “bolsominions” da geração anterior ainda nos fazem calar nossas vozes na esfera pública até hoje.

    1. Concordo com vc amigo! creio que foi o PT quem alimentou e criou este ambiente em que vivemos com aqueles discursos também de ódio no passado recente (nós contra eles) começou com o lançe de ricos contra pobres…e por ai vai… PAZ PARA TODOS

      1. De fato a estratégia eleitoral adotada pelo PT em 2014 acirrou ânimos ao preferir disputar o segundo turno com o moribundo Aécio, do que com Marina…lamentável…mas isso não é causa, é sintoma, mau caro. Vivemos no país que escravizou pessoas por mais de 300 anos e foi o último país no planeta a abolir essa barbárie. As marcas disso estão encarnadas em nossa constituição social. Somos um dos países mais perigosos do mundo para ser mulher; o mais perigoso para ser LGBT; vivemos no país com maior número de assassinatos do mundo; vivemos no país mais desigual, econômica e socialmente, do planeta (os ricos sempre estiveram contra os pobres). Portanto, não é razoável atribuir ao PT esse acirramento. Vale lembrar, a despeito desse cenário de barbárie, que nossas vidas melhoraram muito nos último 20 anos. O SUS e as políticas públicas em torno do HIV/AIDS implementadas no governo FHC e aprofundadas na era Lula/Dilma (cujo comando estava com o principais especialistas que temos) constituem um ganho civilizatório sem precedentes em nossa História. Bolsonaro é sim uma ameaça às nossas vidas; é uma ameaça ao mínimo de civilização que esse país ainda tem…

    2. “Com o amadurecimento pude identificar inúmeras características e inseguranças no meu comportamento que foram moldadas pela homofobia velada ou explicita que sofri”.

      Esse trecho me tocou profundamente. Eu sofro de ansiedade generalizada, e hoje percebo o quanto o preconceito dos desconhecidos e a retaliação da minha família teve sua parcela de contribuição para que eu adquirisse essa anormalidade;

      Você falando de Deus, percebi que ultimamente não tenho dado muito crédito à ‘justiça divina’, pois cada vez mais acredito na aleatoriedade da vida;

      Também me entristece saber que uma parcela (considerável) de concidadãos apoia um candidato com um discurso tão agressivo e antidemocrático como o Bolsonaro. Porém não me surpreende, já que aqui é o pais onde mais se mata LGBts no mundo.

      Enfim, relevem o tom de desesperança e torçamos por dias melhores.

  7. alguem sabe algum esquema de busca de remedios em SP por motoboy?
    gostaria de ter alguem para buscar para mim e nao ter que ir ao posto de saude.

    obrigado

    1. Aí o motoboy ia saber e espalharia pra outras pessoas, que espalhariam pra outras.

      É mais seguro você mesmo buscar, vai com uma mochila.

      1. eu fui e encontrei um conhecido, que ainda por cima é medico lá. estou com medo dele acessar meu prontuario

    2. Olá, eu nunca usei, mas já li aqui alguns comentários de pessoas que usam motoboy.
      Sugiro perguntar na sua farmácia se vc precisa informar algo antes de mandar o terceiro.
      Se mora em SP tem um app de motoboys chamado Loggi que vc pode usar.
      Abraços

  8. Boa tarde meus amigos de jornada!! Tenho uma dúvida e agradeceria se alguém da área médica ou que detenha esse conhecimento possa me explicar! Agora devo também ao Jovem Positivo, se puderem me ajudar a tirar a dúvida que eh a seguinte: 1) existe diferença entre anticorpos monoclonais e amplamente neutralizantes? Se tiver agradeço se puder explicar o que eh cada uma e 2) um anticorpo tem o mesmo alcance de ataque do nosso TARV? Ele consegue atacar os reservatórios latentes ou precisaria do auxílio de um reversor de latência? São questionamentos que já procurei nos 4 cantos da internet e não encontrei resposta !! Rs eh pq tenho lido que existem linhas de pesquisa on.anticorpos monoclonais e outras com anticorpos amplamente neutralizantes e queria saber se são a mesma côisa. No mais eh muito bom como sempre visitar esse fórum, grande abraço em todos e obrigado a quem puder me ajudar elucidando esses “enigmas”.

  9. Pessoal, estou com uma inflamação/infecção feia de garganta e o médico me receitou um antibiótico e um corticoide e agora estou lendo na bula do ritonavir uma interação perigosa com o corticoide. Como vocês fazem nesses casos de inflamação/infecção? Eu não quis dizer para o médico que sou soropositivo, porque tenho vergonha e tenho medo disso sair se espalhando também, nunca se sabe se o médico conhece alguém que você conhece, esse tipo de coisa. Estou muito preocupado com essa quantidade gigantesca de interações medicamentosas.

    1. Seria bom vc perguntar do seu infectologista antes de tomar o corticoide. Meu esposo toma o dolu e o infecto disse q não tem problema algum ele tomar antibiótico ou corticoide.

    2. Amigo,vc tem sim,q falar com qualquer medico q vim a se consultar,sobre sua sorologia,é lei q todos os medicos tem q manter sigilo,sob a condiçao clinica de um paciente,principalmente no caso de hiv. o medico sem saber da sua sorologia,pode vim a atrapalhar seu tratamento do hiv sem querer.

      1. O fato de ser lei não quer dizer que o médico irá respeitar a lei. Aliás, não quer dizer absolutamente nada.

  10. Ensaios clínicos iniciais da primeira droga de imunoterapia contra o HIV revelaram que é seguro para uso humano.
    Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte testaram com sucesso uma droga de imunoterapia contra o HIV que eles desenvolveram, e os resultados revelaram que a droga é segura para os seres humanos. O resultado preliminar do ensaio clínico de Fase 1 é um marco significativo para a equipe de pesquisadores que recebeu uma doação de US $ 20 milhões para tornar suas ideias uma realidade.

    A esperança de cura de HIV envolve o uso de terapia celular adoptiva para aproveitar as respostas das células T . Os pesquisadores fizeram isso colhendo células T de um paciente. As células T são então cultivadas no laboratório para aumentar seus números para que possam ser devolvidas ao paciente para impulsionar o sistema imunológico e combater a doença.

    “Descobrimos que essa abordagem de reeducar as células imunológicas e reinfundi-las era segura, que era o objetivo principal do estudo. Os dados deste estudo continuarão a nos ajudar a projetar imunoterapias melhoradas contra o HIV ” , explicou David Margolis , co-autor sênior do estudo .

    Em seu estudo publicado na revista Molecular Therapy , os pesquisadores expressaram grandes esperanças sobre o potencial do uso de imunoterapia na cura de pacientes HIV positivos sem o risco de morte.

    “Acreditamos que poderemos reproduzir os resultados do paciente de Berlim, mas isso levará algum tempo, em uma trajetória passo a passo”, acrescentou Margolis.

    Timothy Brown , o famoso americano conhecido como “paciente de Berlim”, é a única pessoa a ser curada do HIV. Brown também foi diagnosticado com leucemia e mais tarde foi tratado com um transplante de medula óssea.

    Brown foi declarado livre de leucemia após receber medula óssea de um doador que tinha genes resistentes ao HIV. Não só isso, após o transplante, os médicos não encontraram vestígios de HIV no corpo de Brown. Brown fez manchetes em todo o mundo, dando à comunidade médica e aos pacientes HIV positivos uma esperança renovada de uma possível cura.

    No entanto, tentativas de replicar o tratamento foram, até agora, inúteis. Ele estimulou outras equipes a continuar a busca pela cura milagrosa do HIV, e esse novo estudo pode ser apenas isso.

    “Este é um avanço promissor para o campo. O estudo não curou o HIV e não deve ser interpretado como tal, mas também estamos muito encorajados pelos dados de segurança, por isso não deve ser considerado desanimador também ”, disse Julia Sung , primeira autora do estudo.

  11. Pessoal, vocês que inciaram o tratamento na fase sintomática, quanto tempo levou para que os sintomas cessassem (ex: sintomas visuais, de pele, candidíase (mucosas))?

  12. Gostei muito do post, sintetiza um pouco das angústias que venho sentido há mais de um ano, quando me expus a uma situação de risco. Desde então, venho fazendo exames todos os meses, inclusive, já Western Blot e PCR, todos estão vindo com resultados negativos. Se isso é bom ou ruim? Realmente não sei. Só posso dizer que há duas hipóteses para o meu caso: (1) ou estou realmente infectado, ou (2) minha mente está fazendo um ótimo trabalho de somatização.
    A questão é que estou para enlouquecer, se calhar, à beira de um abismo psicológico. Obviamente já consultei vários especialistas, alguns foram pacientes já outros nem tanto. Assombra-me conviver com a ideia de que no próximo mês posso fazer um exame e o resultado poderá vir positivo, bem, à esta altura, o resultado pouco importa.
    Vejam minha ideia de gerico, fui até o CTA daqui e disse que havia passado por uma situação de risco, na minha cabeça eu poderia ter acesso à PEP e, se aquele remédio aplacasse meus sintomas, então, pimba! Eu realmente estaria infectado. Comecei a tomá-lo religiosamente, não demorou muito e comecei a melhorar, todos os sintomas foram aplacados em pouco menos de 2 semanas. Mas, como vocês sabem, a medicação é disponibilizada por 28 dias. Acabou o remédio. Em pouco mais de uma semana todos os sintomas voltaram rsrs. Enfim, até que um desses exames positive, vou vivendo e torcendo para não acabar vítima de uma doença oportunista grave.
    Este comentário é só um breve relato da minha experiência, não tenho a intenção de pedir a opinião médica de ninguém, digo isso porque a moderação aqui é ferrenha rsrs.
    Se puderem contribuir com conselhos, fico grato.
    Forte abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.