1969: o primeiro negro que morreu de aids nos EUA

Há cinquenta anos, um jovem negro de 15 anos chegou assustado ao hospital de St. Louis, cidade que fica no estado americano do Missouri. Ele sofria sintomas incomuns, que intrigaram os médicos. Suas pernas estavam inchadas e, em seguida, seu corpo inteiro. Nenhum tratamento parecia funcionar, nem mesmo sete semanas de antibióticos.

Robert Rayford ( * 3 de fevereiro de 1953 † 15 de maio de 1969 )

Ao longo de seis meses seu estado de saúde continuou a se deteriorar, até que, em maio de 1969, o tímido adolescente perdeu a vida para uma doença que confundia toda a equipe médica. Seu nome era Robert Rayford e ele é a primeira pessoa de que se tem notícia a morrer em decorrência do HIV nos Estados Unidos.

Sua morte se deu apenas um mês antes da Rebelião de Stonewall, em junho de 1969, que começou no bar LGBT Stonewall Inn, em Nova York. Os frequentadores do bar eram principalmente adolescentes periféricos do Queens, Long Island e New Jersey, incluindo jovens drag queens e sem-teto que ocupavam casas abandonadas no Lower East Side — provavelmente, no espírito dos bares retratados no premiado documentário Paris Is Burning (1990), disponível no Netflix. Foi nesse bar que uma batida policial foi iniciada na noite de 27 de junho, seguindo ordens da State Liquor Authority, autoridade responsável pelas licenças para venda de álcool na cidade e que, recentemente, proibira a venda de bebidas alcoólicas em bares que atendiam clientes abertamente homossexuais.

Do outro lado da rua, uma multidão de aproximadamente cem pessoas assistia à polícia fichar e prender os funcionários e clientes do bar. Antes de serem presos, os jovens sorriam e acenavam para a multidão. Irritados pela irônica reação, os policiais começaram a empurrá-los violentamente com seus cassetetes. A multidão começou a gritar para que a polícia parasse; e os oficiais responderam, dizendo-lhes para saírem da rua. Alguém começou a lançar pedras e a balançar o camburão da polícia. Da parte de trás da multidão, latas de cerveja e garrafas voaram pelo ar. Depois, detritos de rua, o que fez com que os oficiais recuassem para dentro do bar, trancando as portas, encurralados pela multidão.

Multidão revoltada enfrenta a polícia em frente ao bar Stonewall.

Pedras voavam. Um jornal em chamas atravessou a janela quebrada do bar, iniciando um pequeno incêndio. Dentro do bar, os policiais se salvaram graças à uma mangueira de incêndio, a qual eles passaram a usar para jogar água contra a multidão. Foram seis dias de confronto. E o resto virou história.

Vários anos mais passaram antes que bares abertamente gay fossem licenciados, como o Ballroom em West Broadway e o Reno Sweeney na West 13th Street. Foram-se ainda mais alguns anos até que figuras políticas de Nova York se posicionassem a favor de leis antidiscriminação. Tudo isso, marcado pela Revolta de Stonewall: o momento da virada do movimento pelos direitos homossexuais nos Estados Unidos e, possivelmente, em todo o mundo. Por isso, 28 de junho, a data da Revolta de Stonewall, é considerada o Dia do Orgulho LGBT.

Jovem sendo preso pela polícia durante a Revolta de Stonewall.

Naquela época, ninguém sabia ainda o que era o HIV — doze anos se passariam antes que os Centros para Controle e Prevenção de Doenças americano, o CDC, reportassem sobre uma misteriosa pneumonia e imunodeficiência que afligia “cinco homens jovens homossexuais”. As mortes decorrentes mesma misteriosa doença começaram a aumentar a partir de 1981, mas o HIV não foi identificado pelos cientistas até 1984.

Gaëtan Dugas, o “Paciente Zero”.

Foi somente em 1987 que o HIV foi encontrado nas amostras de tecido de Rayford. Mesmo assim, poucos notaram sua história. Ao invés disso, a origem da epidemia de HIV e aids foi atribuída a Gaëtan Dugas, um comissário de bordo canadense, branco, responsabilizado por disseminar o HIV por todo o continente norte-americano e apelidado, à época, pelo CDC e pela imprensa, como o “Paciente Zero”. Isso se deu depois de uma extensa busca das autoridades médicas, a partir de informações das ligações sexuais entre homens gays e bissexuais na Califórnia, Nova York e alguns outros estados. Dugas era o marco zero entre vários parceiros.

Capa do New York Post em 6 de outubro de 1987.

Em 1987, uma matéria do New York Post que tinha como manchete “O homem que nos trouxe a aids” contou sua história: a cada cidade em que pousava, o comissário aproveitava para transar com quantos homens pudesse, mesmo ciente de que sua condição pudesse ser transmissível a outras pessoas. Depois de fazer sexo, conta-se que era comum que Dugas apontasse para as lesões em sua pele, provavelmente oriundas de Sarcoma de Kaposi e outras manifestações de doenças oportunistas típicas da aids, e então dissesse para seus parceiros: “agora você também tem!”

Tudo isso é contado em detalhes no livro And the Band Played On, do jornalista Randy Shilts, publicado também em 1987, o qual fala do conturbado início da epidemia, retratando Dugas como um sociopata promíscuo que espalhou o vírus pelo país. Logo após terminar de escrevê-lo, Shilts foi diagnosticado positivo para o HIV. Em agosto de 1993, o livro virou filme, ao qual o jornalista assistiu pouco antes de sua morte, aos 42 anos, em decorrência de uma pneumonia. Nesse sentido, Shilts foi vítima de Dugas.

Gaëtan Dugas.

Acontece que atribuir a responsabilidade pela origem da epidemia ao comissário de bordo canadense é impreciso e incorreto. Dugas não foi o primeiro infectado e a história de Robert Rayford é prova disso.

Quando o caso de Rayford foi identificado, uma narrativa diferente sobre quem estava morrendo de HIV já estava em curso: ao que parece, concentrava-se em homens gays brancos. O relatório de 1981 do CDC trazia a informação genérica dos cinco jovens gays com pneumonia, sem indicar a sua etnia — algo que, à época, nos Estados Unidos, seria um indicativo de que todos eles eram brancos. Dois outros casos, um afro-americano homossexual e um haitiano heterossexual, não foram sequer mencionados pelo CDC. Michael Gottlieb, médico responsável pelo relatório, disse ao New York Times: “Até recentemente, eu não teria pensado que isso tinha importância”.

Reconhecer apenas Dugas negligencia a trágica experiência de Rayford e o fato de que ele não é a única pessoa negra a perder a vida para o HIV. Ao invés disso, ele foi a primeira vítima documentada daquilo que se tornaria uma tendência na epidemia de HIV: o impacto devastador e desproporcional do HIV sobre as comunidades negras. Desde que o vírus foi descoberto, negros representam 43% das mortes por HIV nos Estados Unidos. Homens negros gays e bissexuais representaram 26% de todas as novas infecções por HIV em 2016, apesar de representarem menos de 2% da população total dos Estados Unidos. Dentre 1,1 milhão de americanos que vivem com o HIV hoje, quase 475.000 deles são negros e quase 150.000 deles são homens negros gays e bissexuais.

No Brasil não é tão diferente. De acordo com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, o Unaids, a epidemia de HIV afeta desproporcionalmente a população afrodescendente do País. Dados do Boletim Epidemiológico de 2016 do Ministério da Saúde mostram que, entre os casos de infecção por HIV registrados de 2007 a 2015, 44% são entre brancos e 54,8% são entre negros e pardos. A diferença ainda é maior entre mulheres: 39,2% dos casos são entre brancas e 59,6% entre negras e pardas. Em 2015, a maior proporção dos falecimentos ocorreu entre pardos (44,2%), seguidos por brancos (41,4%) e negros (14%), o que significa que a população negra representou um total de 58,2% desses óbitos. Na cidade de São Paulo, também em 2015, enquanto a taxa de mortalidade por causas relacionadas à aids entre brancos foi de 5,4 por 100 mil habitantes, entre negros foi de 10,9 por 10 mil habitantes.

Gaëtan Dugas nunca teve a chance de se defender das acusações feitas contra si. Ele morreu antes disso, em março de 1984, em decorrência de complicações da aids. Foi só a dois anos atrás que sua história foi reescrita, quando Michael Denneny, editor do livro And the Band Played On, confessou que o perfil do personagem de Dugas foi propositalmente deturpado: “Nós nos rebaixamos ao sensacionalismo. Meu agente disse: ‘Sexo, morte, glamour e — o melhor de tudo — ele é um estrangeiro!’ Essa foi a única maneira que encontramos para chamar a atenção.”

A alegação de que Dugas foi a primeira pessoa a trazer o HIV para os Estados Unidos foi refutada por pesquisadores em novembro de 2016, por meio de testes genéticos. Ele nunca foi de fato o primeiro portador do vírus, mas apenas um dos primeiros a receber o diagnóstico. Além disso, nenhuma das atitudes e decisões de seu personagem descritas no livro de Randy Shilts podem ser confirmadas. O próprio autor do livro, que virou best seller, teria inicialmente relutado em desenhar o perfil de vilão para Dugas. Ele teria cedido depois de muita insistência de seu editor. Talvez, sua confissão tenha vindo cifrada, numa declaração feita antes de sua morte: “O HIV me fez ver todas as coisas superficiais às quais nos apegamos, como ego e vaidade.” — Enquanto isso, a história de Rayford foi mantida em silêncio.

Campanha da organização ActUp: “Silêncio = Morte”

O HIV não veio de Dugas e nem de Rayford. Uma equipe internacional de cientistas, liderada pelas universidades de Oxford, na Inglaterra, e Leuven, na Bélgica, reconstruiu a história da pandemia de HIV por meio de registros históricos e amostras de DNA do vírus, os quais remontam ao final dos anos 1950. O DNA permitiu a elaboração de uma árvore genealógica do vírus, que traçou sua ascendência através do tempo e do espaço. Usando modelos estatísticos, cientistas voltaram ainda mais para trás no tempo e, finalmente, localizaram a origem da pandemia: no ano de 1920, em Kinshasa.

Foi ali, na capital do que é hoje a República Democrática do Congo, onde tudo começou. Embora o vírus provavelmente tenha cruzado de chimpanzés para os seres humanos em anos anteriores, na região do sul de Camarões, o HIV manteve-se uma infecção regional até entrar em Kinshasa.

Mapa da República Democrática do Congo.

Quando o vírus surgiu, esta era uma cidade agitada. Foi o maior e mais rápido crescimento de uma cidade na região, com ligações de transporte atingindo todo o país. O movimentado Rio Congo levava pessoas a mais de 600 quilômetros de distância. A ferrovia trazia dezenas de trabalhadores ao sudeste de Katanga, província de mineração que depende de trabalho imigrante, e para Lubumbashi, a mais de 900 quilômetros.

A partir dos anos 1920 até 1960, a cepa pandêmica do HIV — outras cepas anteriores fracassaram  se propagou de Kinshasa, atravessou fronteiras para outros países e, então, desembarcou em outros continentes, infectando quase 75 milhões de pessoas em todo o mundo. Dentre elas, você, eu, Dugas e Rayford, vítimas do HIV.

Anúncios
avatar
3 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
Jovem SoropositivoBetoRichardOmbro AmigoRodrigo Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Inscrever-se  
Receber notificação
Xavier
Visitante
Xavier
Rodrigo
Visitante
Rodrigo

No livro O Sonho do Celta, o escritor Mario Vargas Llosa relata bem como era o Congo mais ou menos no período em que a epidemia de aids dava seus primeiros passos. Um povo explorado economicamente, fisicamente e sexualmente pelos colonizadores belgas. Um fim do mundo, um verdadeiro inferno.

Ombro Amigo
Visitante
Ombro Amigo

Toda a África subsaariana sofria com condições muito precárias. Porém, a situação no Congo Kinshasa (ex-Zaire) era ainda mais dramática por este ser uma colônia particular do rei belga. Era comum a existência de todo tipo de crueldade humana e animal. E, para piorar, o então Congo Belga era explorado até a ultima gota.

Ombro Amigo
Visitante
Ombro Amigo

Ainda existem muitas lacunas na história do HIV/AIDS e uma dela, talvez a mais intrigante, foi de como o vírus chegou nos EUA. Li uma teoria de que, em algum momento dos anos 60, o vírus saiu do continente africano e entrou nos Estados Unidos através do Haiti. A pergunta é: como o vírus saiu do Congo Kinshasa e chegou ao Haiti? Quem puder me esclarecer, eu agradeço!
Outro ponto a esclarecer é de como Robert Rayford, um adolescente de 16 anos teria perecido de AIDS em 1969, tendo jamais saído do interior do país?

Richard
Membro

Chama-se: VIAGEM e SEXO. As pessoas viajam e trepam desde antes de 1930… uma delas viajou ou trepou com alguém que foi pro Haiti e outra pros EUA.

Beto
Visitante
Beto

Elas viajam e trepam desde tempos imemoriais…

Ombro Amigo
Visitante
Ombro Amigo

Que foi através do sexo e com alguém do Haiti eu já sei…o que eu não entendi é como o vírus viajou da África para o Caribe. Existia algum fluxo migratório entre os dois países?