Em São Paulo, 1 a cada 4 homens que transam com homens tem HIV

Embora as evidências mostrem uma redução global nos casos de HIV e aids em muitos países, a epidemia entre homens que fazem sexo com homens (HSH) parece estar se expandindo — em países de baixa, média e alta renda. De acordo com os autores de um estudo publicado em maio de 2018 no jornal Medicine e que, mais recentemente, em 6 de junho, virou notícia na Folha de S. Paulo, os “HSH correm alto risco de infecção por HIV devido à vulnerabilidades estruturais, biológicas e comportamentais, que agem em conjunto, aumentando as chances de infecção”.

Nesse estudo, a prevalência do HIV aumentou além das expectativas em relação aos resultados de uma pesquisa anterior, feita em 2009. Nesse estudo de 2009, o Ministério da Saúde do Brasil realizou a primeira Pesquisa Nacional sobre Vigilância Biológica e Comportamental do HIV (BBSS) entre HSH, trabalhadoras do sexo (FSWs) e usuários de drogas (DU) para o HIV. Os resultados dessa época mostraram prevalência de HIV de 4,9% entre DU, 5,8% entre FSW, e 12,1% entre HSH. Em comparação com a prevalência do HIV na população em geral (estimada em 0,37%) a prevalência do HIV entre DU foi 13 vezes maior, entre o FSW foi 16 vezes maior e entre HSH foi 33 vezes maior. Em 2016, o 2º BBSS Nacional foi realizado com HSH, conforme relatamos aqui. FSW e, pela primeira vez, mulheres transexuais foram incluídas neste BBSS e reportadas nesta revista

Agora, a pesquisa atual se baseou na entrevista com 4.176 homens de 11 capitais e Brasília. Destes, 3.958 aceitaram fazer o teste de HIV, com 18,4% de resultados positivos. A pesquisa anterior, de 2009, com a mesma metodologia, encontrou prevalência de 12,1%. “É um número altíssimo. São vidas e vidas em risco”, diz Lígia Kerr, professora da Universidade Federal do Ceará (UFC) e que coordenou ambos os trabalhos. No grupo entrevistado, 83,1% se declaram gays, 12,9% heterossexuais ou bissexuais e 4% outros. Do total, 75% transam só com homens. Foram feitos dois testes do HIV, a maioria em unidades de saúde. Enquanto isso, segundo o Ministério da Saúde, a prevalência do HIV na população geral é de 0,4%.

Outra preocupante curiosidade é que metade dos participantes foram testados pela primeira vez na vida. O estudo utilizou de uma metodologia americana que recruta pessoas-chaves, chamadas de “sementes”, para serem entrevistadas e testadas duas vezes. Essas, por sua vez, indicam outras pessoas com o mesmo perfil e assim por diante. Cinco a seis sementes foram inicialmente selecionadas para iniciar o recrutamento e os cupons e entrevistas foram gerenciados on-line. O teste rápido no local foi usado para o rastreio do HIV e confirmado por um segundo teste. O tamanho da amostra foi de 350 pessoas por cidade. Os dados de todas as 12 cidades foram fundidos e analisados ​​com as ferramentas de análise de dados de pesquisa.

Perfil da amostra: homens que fazem sexo com homens

Menos de 25 anos
58%
Mais de 25 anos
42%
Ensino médio completo ou superior incompleto
59%
Ensino superior completo
11%
Classes A e B
41%
Classe C
43%
Classes D e E
16%
Solteiros
83%
Casados
4%
União estável com homem
10%
União estável com mulher
1%

Ainda segundo o estudo, na América Latina, entre 2000 e 2015, o número de novas infecções por HIV entre adultos aumentou lentamente. De 2010 a 2015, o Brasil passou a fazer parte dos países da América Latina e Caribe onde a infecção por HIV entre adultos aumentou, muito embora nosso país tenha um histórico de programa exemplar de prevenção ao HIV. O País responde por mais de 41% do total de novas infecções entre Argentina, República Bolivariana da Venezuela, Colômbia, Cuba, Guatemala, México e Peru.

“O Brasil apresenta grandes desigualdades socioeconômicas, e a epidemia da aids espelha essa desigualdade”, diz o estudo. De 2006 a 2015, as taxas de HIV nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, as mais desenvolvidas, apresentaram redução de 7,4% e 23,4%, respectivamente. Apesar da redução geral nessas regiões, durante este mesmo período Porto Alegre relatou uma uma elevada alta de casos de aids: 74 a cada 100.000 habitantes — o dobro da taxa do resto do estado e quatro vezes a média brasileira. Por outro lado, as regiões Norte e Nordeste, as mais pobres do país, mostraram um aumento linear da aids no mesmo período: de 14,9 para 24 casos por 100.000 habitantes na região Norte e de 11,2 para 15,3 casos por 100.000 habitantes no Nordeste, representando um crescimento de 61,1% e 36,6%, respectivamente. Dois estados dessas regiões, Pará e Maranhão, apresentaram um aumento de 91,5% e 82,9% na incidência de casos de aids, respectivamente.

Taxa de infecção por HIV por capital

São Paulo
25%
Recife
21%
Curitiba
20%
Belém
19%
Rio de Janeiro
15%
Manaus
15%
Belo Horizonte
14%
Porto Alegre
10%
Fortaleza
10%
Campo Grande
9%
Salvador
8%
Brasília
6%

Nos últimos 10 anos, de fato, houve um aumento nos novos casos de aids notificados entre os homens, especialmente aqueles com idades entre 15 e 19 anos, 20 a 24 e 60 anos de idade ou mais. Entre os jovens, de 2006 a 2015, a taxa foi alarmante: quase triplicou entre os jovens de 15 a 19 anos, de 2,4 a 6,7 ​​casos por 100.000 habitantes, e dobrou entre os jovens de 20 e 24 anos, de 15,9 a 33,1 casos por 100.000 habitantes. No mesmo período de 10 anos, os casos de aids entre HSH aumentaram de 35,3% para 46,2%.

As descobertas desse estudo representam um sério desafio para os formuladores de políticas de saúde pública: “como devemos abordar a crescente epidemia entre HSH no Brasil?”, perguntam-se os autores do estudo. “Nossos resultados defendem um esforço de prevenção revigorado, combinando abordagens inovadoras, tais como engajar as comunidades no desenvolvimento de soluções e envolvendo as próprias comunidades na pesquisa, publicação e defesa de direitos”.

Para Ligia Kerr, vários fatores explicam o aumento da prevalência do HIV entre homens que transam com homens, um fenômeno que também visto em países da Europa e nos Estados Unidos. “Já se fala em segunda onda de aids.”

Anúncios
avatar
10 Comment threads
23 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
JuniorFernandesRogerJunior PersonalFelipe Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Inscrever-se  
Receber notificação
Positividade de luz
Visitante
Positividade de luz

Não posso falar pelos outros,falo por mim,eu contrai a 3 anos atrás,hoje tô super bem graças a Deus,mas eu era PROMÍSCUO SIM,transava a torto e direito sem camisinha,queria oque,ganhar na mega sena? Quem procura acha,eu achei,hj sou desencanado com relação a culpas e tudo mais,aprendi a tomar cuidado pra não passar pra mais gente,enfim,sou indectável e consciente de que colhi oque eu mesmo plantei,espero sim que um dia haja cura,mas não fico encanado com isso,vivo,trabalho,até voltei a estudar e fazer faculdade,a vida sempre continua,hj com RESPONSABILIDADE,foi preciso acontecer isso para que hj aos 40 anos,eu passasse a ter juízo e… Ler mais »

Tomm
Visitante
Tomm

Digo o mesmo amigo. Apesar de acesso a toda informação, em alguns momentos me descuidava onde não deveria e aos 37 fui infectado.

Positivo
Visitante
Positivo

Comecei a tomar o 2x 1 em
JANeiro e depois de 1 mês já estava indetectável.
Em fevereiro meu cd4 estava em 600. Agora no mês de junho, estou com gripe leve, mas não passa. Será que eh minha imunidade que baixou ,mesmo estando indetectável?

EuPositivoSC
Membro
EuPositivoSC

Oi. É comum as gripes e algumas inflamações – tipo um machucado – demorarem um pouquinho mais para serem curados quando se tem HIV. Temos uma inflamação constante no corpo, então o tempo de resposta aumenta. Não descuide, trate essa gripe, faça ingestão de vitamina C (laranja, suco de limão, chás a noite para acalmar a tosse…) e logo vai estar melhor.

Aluap
Membro
Aluap

Oi, quedas de cabelos também é um efeito da infecção ou seria pelo stress constante ? O que vc sugeri?

Beto
Visitante
Beto

É por isso que a ampla divulgacao da Prep deve ser estimulada entre esse grupo especificamente. Nao da para contar apenas com camisinha, sabemos bem disso (claro que ela deve sempre sempre estimulada tambem…), mas oferecer outras opçoes de prevençao para a sociedade, especialmente HSH. Estudos mostram que em alguns paises a taxa de infecçao por HIV caiu mais de 40% depois da Prep, aqui e em muitos paises isso chegou esse ano apenas, mas o importante é que chegou. Nao adianta falar em passado agora, mas sim bolar estrategias para frear essa epidemia, e ao meu ver, a Prep… Ler mais »

maxwell
Visitante
maxwell

Se a sociedade brasileira não tem educação sexual na escola quanto ao uso de camisinha IMAGINA se elas vão ficar usando PREP (Profilaxia PRÉ-EXPOSIÇÂO). Prep é remédio. Remédio esse que tem que ser tomado TODO DIA e não apenas antes de ir fazer sexo. Se os jovens brasileiros não usam camisinha (que somente é usado antes da relação) imagina se eles vão ficar tomando religiosamente todo dia medicamento pra evitar algo que pode ser evitado com a camisinha. Sou favorável sim à PEP (Profilaxia PÓS-EXPOSIÇÃO) que mesmo também sendo remédio é um uso de apenas 28 dias pós-exposição. Pra mim… Ler mais »

paulo
Visitante
paulo

gente, fui pegar meus remédios hoje e só agora, na hora de tomar, notei que em vez do Dolutegravir a farmácia me deu o Raltegravir! nunca tomei esse remédio antes, é a mesma coisa!? posso tomar tranquilo??

Beto
Visitante
Beto

Paulo,

Nao é a mesma coisa, sao medicamentos diferentes. Os dois sao da classe dos inibidores de integrase, mas o Raltegravir é usado 2x ao dia (12/12h) e o dolutegravir é 1x ao dia. Se o medico te passou dolutegravir, entao vc precisa voltar la e reportar isso.
Abraço!

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

Não sei se vou ser leviano e até mesmo mal interpretado, mas, acho que essa pesquisa de âmbito internacional servirá para os governadores de todas as noções se posicionarem e se unir na procura de uma cura, não em paliativos (Prep, vacinas e etc…), Sabemos que uns se cuidam e outros não… Camisinha pode estourar, prep pode não fazer efeito no organismo da pessoa X, carimbadores de plantão e etc… Ou seja, nem sempre a culpa é do “promíscuo, mas de uma fatalidade e de outros acontecimentos…. Vms torcer para que o lado “humano” das pessoas seja mais valorizado que… Ler mais »

Lucius
Visitante
Lucius

É quem fala sobre promiscuidade e que recebeu o que merecia fale por si mesmo, muitos aqui somos vítimas apenas. Vítimas de um relacionamento estável e longo, que foram infectados por parceiros de anos e etc. Não falem por todos, reforçando esse estereótipo de que hiv positivo é porra louca e promíscuo. Assim como eu muitos não são e nem foram, foram vítimas do azar e do acaso. E sinceramente quando leio isso me faz até mal, pq me sinto mais injustiçado ainda. Não que ng mereça, longe disso. Parem de se culpar tb, eu nunca fiz sexo desprotegido com… Ler mais »

+SC
Membro
+SC

Lucius, Perfeito seu comentário. As pessoas usam suas experiencias e a tornam em uma verdade absoluta. Existem pessoas que foram infectadas por não tomar cuidado nas relações sexuais, a tão falada vida “promiscua” (tirem isso da cabeça pq todo mundo gosta de transar, que saco!), outros foram traídos por parceiro ou parceira, outros por transmissão vertical (tenho uma prima na família de 16 anos) e outros que não esperavam estar infectado em uma relação fechada, como foi o meu caso. Eu e minha namorada desconfiamos estar infectados depois que o ex namorado dela de 6 anos ficou doente, já estava… Ler mais »

Marco
Visitante
Marco

Muito bom o seu comentário, Lucius.
Também sempre fui mega cuidadoso com minha proteção e nem muitos parceiros tinha/tive, mas mesmo assim adquiri o vírus. Hoje em dia sou mais resolvido quanto a isso, mas quando descobri, tb me senti injustiçado pela vida .

Allpiste
Membro
Allpiste

Lúcios, certíssimo. Tem todo meu apoio. Faço minhas, as suas palavras. E acrescento que: nem os positivos conseguem se livrar do preconceito e do estigma. Estamos diante de um exemplo claro disso.
Um abrçao,
Allpe

Caio PE
Visitante
Caio PE

Camisinha sempre, independente de estar indetectável pois pode ser que adquira um vírus resistente às medicações que a pessoa toma atualmente, gerando falha terapêutica. Essa é a minha opinião PESSOAL.

EuPositivoSC
Membro
EuPositivoSC

Eu fico P. da vida quando alguém fala que pessoas promíscuas procuraram o HIV. Ninguém procura isso não, queridos. Algumas pessoas podem se expor mais ao vírus, mas aí dizer que procurou problema, tá errado. Quer dizer que o seu HIV contraído de um parceiro fixo é diferente do adquirido por alguém que transou com 6 pessoas em uma noite? Pq uma pessoa tem um desejo sexual diferente do seu, ela deveria ser infectada para aprender uma lição? Que lição? Quem disse que transar com 10, 15, pessoas num dia é errado é merecedor de HIV? O HIV machuca todo… Ler mais »

Allpiste
Membro
Allpiste

Eupositivosc perfeito! Espécie de visão cristã míope que julga sem noção e adora culpar…..tô fora! Parabéns pelo comentário. Sempre pertinentes!
Um abraço. Boa viagem….
Allpe

Lucius
Visitante
Lucius

É, nossos conceitos de felicidade são diversos. Respeito o direito de dispor do corpo de cada um como queira. Não acho que procurou, mas no mínimo assumiu os riscos em um dolo eventual. É diferente de alguém que se relaciona há anos e fez exames com o parceiro e foi surpreendido por um fato novo e uma quebra de confiança, de algo que não foi de sua responsabilidade. Não acho que é pior ou melhor do que o outro. Mas mais responsável isso eu afirmo categoricamente. O que me incomoda são as afirmações que fazem: tipo eu era muito doido,… Ler mais »

EuPositivoSC
Membro
EuPositivoSC

Ok, entendo seu ponto de vista, até pq eu poderia ter infectado meu parceiro por uma cagada que fiz, e seria meu fim, pois jamais me perdoaria por isso – que graças ao universo não aconteceu. Aconteceu comigo, fui infectado e não pretendo fazer com ninguém o que fizeram comigo. O que me incomoda é que algumas pessoas jogam o HIV como prêmio pelas pessoas transarem demais e veem essas pessoas como merecedoras da infecção, afinal, se há o risco, bem feito por abrirem a porta. E isso eu não concordo. Pessoas tem estilos de vida diferentes, necessidades diferentes e… Ler mais »

Carla
Membro

Está certíssimo! Aqui na minha casa sempre fui fiel ao meu esposo, temos uma bb, e durante a gestação e nos primeiros meses de vida ele me traiu com 4 mulheres , ele tinha aquele pensamento, que homem não pega hiv de mulher, pois ele pegou e por um milagre de Deus, eu e minha filha não temos. Não julgo ele , talvez julgo mais eu do que ele, nem sei…

AnonimoFer
Membro
AnonimoFer

Esse pensamento de seu marido está acometido em na sociedade.. pessoas que se rotulam livres desse mal.
Para poucas pessoas que falei sobre meus diagnósticos, a maioria sendo da área da saúde, uma dessas mesmo sendo infectologista, me perguntou se meu parceirO sabia do meu diagnóstico. Acabei sendo sínico e respondi com outra pargunta , qual parceirO ?
A profissional da área não exitou em dizer, “o seu namoradO”… acabei dando risada, e respondi q esteva preocupado com a minha namoradA.
Não sei porque não me pareceu confiável, e segui com outro infecto..

Carla
Membro

Já o infecto e psicólogo do meu esposo disseram que atualmente, pelo menos aqui na nossa região, a quantidade de hetero e homo que possui o vírus está pau a pau… Eu perdoei o meu esposo, até pq todos podemos errar, inclusive eu havia errado no nosso casamento, não que eu tenha culpa dele ter me traído, mas depois que engravidei eu não queria ter mais relação sexual c ele, tive alguns problemas durante a gravidez…eu me culpo um pouco..mas Deus sabe de todas as coisas e ter o hiv não é o fim do mundo, na nossa vida foi… Ler mais »

Carla
Membro

Você não precisa se preocupar com a sua namorada, se você está indetectável, não irá transmitir p ela. Vc contou p ela?

AnonimoFer
Membro
AnonimoFer

Sim !!

Felipe
Visitante
Felipe

Caraca, se até um profissional da área de saúde pensa desse jeito, não quero nem imaginar os outros que não conhecem.
Isso me faz ter mais vergonha de ser o portador deste vírus, não pelo fato de gostar de homem (gosto de homem) ou de mulher, mas devido ao preconceito de pensar que somos seres que não merecem confiança.

Sorocaba
Visitante
Sorocaba

kkkkk a verdade eh que hiv eh um turbilhão de emoções neh galera….. mas vamos em frente que o importante eh nao parar ok! Sempre em frente…

Wellington
Visitante
Wellington

Sorocaba ,vc anda sumido.Não some cara.

Junior Personal
Visitante
Junior Personal

Alguem usando kik?

Roger76
Membro
Roger76

Oi Junior, qual seu nick no kik?

Fernandes
Membro
Fernandes

Algum grupo lá ou em outro app sobre assuntos iguais a esse site?

Gustavo Campos
Membro
Gustavo Campos

Juniorpersonal