São Paulo tem tratamento inédito para prevenção do HIV

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo iniciou na semana passada a distribuição do medicamento Truvada no SUS (Sistema Único de Saúde). O item passa a ser fornecido como terapia pré-exposição (PrEP) para prevenção do HIV às pessoas com maior chance de exposição. A iniciativa prevê, nos dois meses iniciais, a oferta do Truvada a 1.110 pessoas em 14 serviços municipais e estaduais (confira abaixo), localizados nas cidades de São Paulo, São Bernardo, Campinas, Santos, Piracicaba, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto.

Esses locais foram definidos em conjunto com o Ministério da Saúde, e a expectativa é que a medida seja ampliada gradativamente para demais localidades do Estado. O medicamento é indicado a homens que fazem sexo com homens, mulheres transexuais, travestis, profissionais do sexo que tenham tido relações sexuais sem uso de preservativo nos últimos seis meses e/ou episódios recorrentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e/ ou tenham usado repetidamente medicamentos de profilaxia pós-exposição (PEP).

Também poderão receber o remédio casais sorodiscordantes para o HIV (quando um parceiro tem o vírus e outro, não) que mantêm ou tenham tido relações sexuais sem uso de preservativos. Para recebimento, o interessado deve comparecer à unidade de referência de seu município e passar por avaliação para critérios de elegibilidade, incluindo a realização de teste/diagnóstico rápido de HIV. Caso o resultado do exame seja negativo, e o paciente se encaixe nos critérios estabelecidos para recebimento do tratamento, será indicado a receber a PrEP. Em caso de positividade, o paciente será encaminhado para tratamento e acompanhamento da infecção pelo HIV, como já prevê o fluxo da rede.

O Truvada é contraindicado para pessoas com doença renal, porém os locais de referência farão avaliações médicas em todos que procurarem pelo tratamento. O medicamento pode ter efeito colateral leve, como dores de cabeça, náuseas e inchaço. Aos pacientes que aderirem à terapia, é recomendado o uso de preservativo durante as relações sexuais, pois a PrEP não protege contra outras doenças sexualmente transmissíveis. Além disso, o medicamento começa a fazer afeito a partir do sétimo dia para exposição por relação anal e a partir do vigésimo dia para exposição por relação vaginal.

Durante o tratamento, os usuários serão acompanhados pelo serviço de referência. Após o início do tratamento, haverá retorno num período de 30 dias e, depois, a cada três meses. A Secretaria desenvolve um trabalho permanente de conscientização, prevenção, diagnóstico e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis, por meio do Programa Estadual DST/AIDS, com apoio dos municípios.

A distribuição do Truvada na rede pública de saúde é um novo passo do ponto de vista preventivo, mas é fundamental que as pessoas continuem utilizando preservativos para proteger a si mesmas e seus parceiros. Confira abaixo a relação de serviços que oferecem a PrEP.

Capital:

  • Centro de Referência e Treinamento DST/Aids.
  • Ambulatório de Infectologia da Unifesp
  • Casa da Aids
  • SAE (Serviço de Assistência Especializada) DST/Aids Butantã
  • SAE (Serviço de Assistência Especializada) Fidélis Ribeiro
  • SAE (Serviço de Assistência Especializada) Ceci
  • CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento) Pirituba
  • CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento) Santo Amaro

Outros municípios:

  • São Bernardo do Campo – Policlínica Centro
  • Santos – Serviço de Atenção Especializada-Adultos
  • Campinas – Centro de Referência em IST/Aids
  • Ribeirão Preto – Centro de Referência em Especialidades Central
  • Piracicaba – Centro de Doenças Infecto Contagiosas (CEDIC)
  • São José do Rio Preto – Ambulatório de Doenças Crônicas Transmissíveis

Fonte: Portal do Governo, em 22 de janeiro de 2018

Publicado por

Jovem Soropositivo

Jovem paulistano nascido em 1984, que descobriu ser portador do HIV em outubro de 2010. É colaborador do HuffPost Brasil e autor do blog Diário de um Jovem Soropositivo.

93 comentários em “São Paulo tem tratamento inédito para prevenção do HIV”

  1. Acho isso completamente errado…. isso fará com que essas pessoas criem um virus resistente a essas preps … e aí ja sabem… aparecerá milhares com resistências a essa medicação no futuro… Jogada esperta mais uma vez dos States para vender as novas medicações posteriormente ..

  2. Infelizmente a truvada veio tarde para mim mas que seja uma mudança de paradigma ao combate ao HIV. Preservativo mais Prep tem tudo para ser inovação. Apoio a ideia. Vamos divulgar galera valeu

  3. Como foi bem abordada na matéria, a PrEP não vem para substituir a camisinha pois ela não previne as outras ISTs (bem lembrado). Mas … e se a pessoa “se achar segura” só porque está usando a PrEP, não usar o preservativo e for infectado por um vírus resistente aos ARVs? Em Recife já existe vírus resistente ao Truvada (acredite se quiser)! Informação dos infectologistas.

    1. Renato, estou portador a quase 30 anos. Já passei por tantas. Não espero mais nada. Infelizmente neste mundo não dá para acreditar em cura pelos interesses envolvidos… Salve-se quem puder. Sei que essas drogas são terríveis e meu organismo não está aguentando mais e os médicos, que procuro, não querem nem saber. Se eu ou quem for, estiver mal e morrer fica por isso.
      O que faria hoje se estivesse jovem era até não ficar com ninguém e sim com Deus, pois quanto mais a vida vai a nos trazer uma e outra é com Ele que posso contar.

  4. Se vê que o HIV ainda é visto como uma doença de grupos quando a PREP é indicada para: ” homens que fazem sexo com homens, mulheres transexuais, travestis, profissionais do sexo que tenham tido relações sexuais sem uso de preservativo nos últimos seis meses e/ou episódios recorrentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e/ ou tenham usado repetidamente medicamentos de profilaxia pós-exposição (PEP)”. Pensei que deveria ser recomendado a TODOS que fazem sexo desprotegido já que HIV não distingue se a pessoa é gay ou hetero.
    Para casais sorodiscordantes só recomendaria se o parceiro positivo não tomasse (pois se o mesmo toma a medicação e está indetectável não tem pq de ter medo – e cá pra nós se o positivo não quer se tratar e tomar a medicação eu se fosse negativo dava era um belo pé na bunda do mesmo, pois quem deve por obrigação tomar a medicação é o positivo e não o negativo.
    Bom reforçar também que o uso da PREP não é como a camisinha e vc só vai tomar antes de uma relação não. É para toda a vida se assim vc deseja se arriscar transando sem camisinha. E vamos ser sincero: preferir se entupir de remédio todo dia e num futuro lascar um de seus órgãos internos ao invés de usar a camisinha APENAS quando for fazer sexo é burrice pra mim, mas cada um é dono de sua vida…

  5. [Off]

    Luiz Carlos, por onde andas? Está tudo bem? Tenho sentido falta de suas valiosas contribuições aqui no blog. Dê sinal de fumaça.😁

    Abraço.

  6. Hoje fui pegar o 3 em 1. Questionei a pessoa que estava fazendo a entrega dos medicamentos sobre a troca para o dolutegravir e ela me informou que várias pessoas já fizeram a troca e me orientou a solicitar ao médico. Isso procede? Pergunto porque sempre que solicito a troca ao médico ele informa que não é possível. Sinto uma certa revolta pois era para a médica que me atendeu a princípio ter receitado o dolutegravir já que iniciei o tratamento em março do ano passado.

    1. Eu ficaria feliz em voltar a pegar medicação para 02 meses. Onde pego no Hospital Regional de Sorocaba, passaram a dar para 01 mês e só trocam o 3 em 1 pelo Dolutegravir ou Darunavir se você provar que é resistente ao 3 em 1 com genotipagem. Eu tive e tenho todos os problemas com o 3 em 1, eles não querem nem saber. Fazer o que né :/ terei que aguentar o 3 em 1 até quando eles quiserem.

  7. Ainda sobre a vacina …me tirem uma duvida tomar a vacina pode beber ? Caso tenha tomado a vacina e bebeu 3 copos de cerveja 21 horas depois ? A cerveja era nacional .

    1. Ow Luquinhas, a propósito, falando em beber…..faço uso das TARVs a 6 anos e desde então costumo beber um pouco mas não com a frequência anterior e sempre pensei em diminuir pra não sobrecarregar o fígado já tão assoberbado com os remédios.Esta semana lendo um blog de um soropositivo ele falava que jamais se pode fazer uso de álcool enquanto fizer uso das TARVs e que o álcool diminui a absorção dos remédios pelo organismo.Alguém pode me esclarecer se essa informação procede? Fiquei um tanto assustado e triste com a informação já que sempre comentei com meu infecto e ele nunca me disse nada a respeito. Ás vezes é tão bom uma cerva com os amigos pra relaxar,mas diante deste fato estamos também fadados a não mais beber pelo resto da vida? JS pode me falar algo sobre o assunto? obrigado pessoal……

      1. Olha, eu confiaria muito mais em um infectologista a um soropositivo que, possivelmente, não tem conhecimento científico sobre o assunto.
        A minha infecto recomendou cortar bebidas destiladas (ainda bem, pois nunca gostei), mas não falou nada sobre outros tipos de bebida. Acho que a qualidade de vida vale mais do que ficar preso a esses questionamentos, claro, sempre sem exageros.

        1. Estou em tratamento há um ano com o 3×1, desde o meu primeiro exame feito uma semana após o inicio do remédio já estava indetectável e até meu último exame em outubro me mantenho assim. Bebo de tudo, na quantidade que tiver vontade (geralmente muito e rotineiramente), uso de tudo, enfim não deixei minha vida mudar por causa do HIV, apesar de achar que deveria diminuir (metas para 2018 rs), acredito que essa de efeito do álcool no remédio é lenda até pq se realmente fosse assim os médicos seriam taxativos em proibir a bebida. Continuem vivendo gente, sem nóias, tomem o remédio religiosamente que vai dar tudo certo!!

          1. A questão da.bebida não é com os remédios,e sim com o fígado,por isso os médicos recomendam cautela com.o álcool ,pois alguns como é o caso do q faço uso e epatotoxico !

            1. Pois é Renato, é o que sempre pensei,diminuir pra não sobrecarregar o fígado. Desde que descobri ser S+ comecei a me cuidar muito mais,ao ponto das pessoas notarem e comentarem que eu estava ¨mudado¨pra melhor., acho que o bom senso e equilíbrio são fundamentais pra NÓS…..vida que segue. Abraço forte !!!

        1. Acho que é por isso que minha imunidade está sempre alta. Bebo todo fim de semana, cerveja ou vinho ou os dois.😀

      2. Minha infecto e mais dois médicos que consultei, um deles hepatologista me disseram a mesma coisa: o uso moderado de álcool, sem ser contumaz, diário e compulsivo, não interfere no tratamento antiretroviral.
        Eu bebo socialmente, às vezes passo um pouco da conta, tipo uma garrafa de vinho numa noite ou umas 6 latas de cerveja entre às 20h até umas 3 da madruga (para mim, é muito!)
        Mas continuo indetectável!
        Mas…pesquise com seu médico. É o melhor para te garantir e te dar segurança!

  8. Muito boa a matéria. Só faltou falar que essa não é uma iniciativa do exclusiva do Estado, nem do Município de São Paulo, mas sim do Ministério da Saúde que tem implantado a PrEP – ai sim em parceria com estados e municípios – em 36 serviços em 22 municípios. Até o final do primeiro semestre a intenção é ampliar para todos os estados, pelo menos nas capitais. No mais, excelente trabalho de informação. Excelente nível de discussão. Abraços

  9. Já uso truvada há um ano. É uma maravilha esse remédio. Desde então só transo sem camisinha. Fui inclusive em orgias bareback em SP. Mais de 200 pessoas fudendo sem capa a noite toda. Estou negativo. Quanto às outras Ist vc trata e fica boa. Foi assim com a sífilis. 6 injeções de penicilina e tá curada. Esse lance de que o pessoal irá usar truvada e camisinha é lenda urbana.

    1. Aí tu pega um htlv, herpes genital, hpv, hepatite C, sífilis resistente. Fazendo uma analogia, é como se uma pessoa visse um tiroteio e fosse lá para o meio rindo pq acha legal sentir a andrenalina de poder ser atingido por um tiro.

        1. Ficou meio distorcido aí o meu pensamento com o seu comentário, JS. Eu n sou contra a Prep. Longe de mim ser contra, acho q pode ajudar sim no combate à epidemia. É um ótimo avanço contra o HIV, mas n é só HIV q existe como dst.

          Como vc colocou aí comentário sobre a camisinha ser usada como colete. A camisinha serve e muito para combater o HIV se usada nas relações sexuais. Eu nunca escutei falar em alguém que pegou hiv usando camisinha. Ps: há riscos de acidentes e para isso há tb medidas a serem usadas como plano B (Acidentes sempre acontecerão).

          Temos tudo na mãe diminuirmos o aumento de hiv, as pessoas precisam se conscientizar. Se a Prep vai ajudar essas pessoas q n querem se conscientizar p/ usar camisinha (n falo aqui um casal sorodiscordante q sou a favor de usar a prep).

          Eu n critico a Prep, até pq acho válido demais. Critico é essa atitude de tomar a medicação e “ligar o foda-se na vida louca”. O surto de hiv vai se transformar em surto de htlv, sífilis … etc. Isso é questão de escolha da pessoa. É o mesmo q um hétero usar prep p/ transar com garota de programa sem camisinha. Sabe q n vai pegar hiv, mas pode pegar várias outras coisas.

        2. A camisinha funciona como um colete a prova de balas SIM ! Se a epidemia está aí é porque justamente as pessoas NÃO utilizam o preservativo. E quando utilizam e acontece algum acidente com ele eles nem sequer conhecem a PEP. Se todos usassem corretamente o preservativo claro que a infecção estaria controlada.

          1. A camisinha é sim um colete à prova de balas! Eu concordo — releia acima e veja que eu não disse o contrário. O que eu quero dizer é que a camisinha é um colete à prova de balas que está à disposição para evitar a epidemia de HIV, mas que, por alguma razão, não tem sido usada como deveria, na frequência que deveria, pela quantidade de pessoas que deveria, nesses mais de 30 anos de epidemia. Portanto, ao meu ver, alternativas eficazes para suprir a falta de uso desse colete à prova de balas são muito bem vindas.

            1. JS, é que teu primeiro comentário ficou parecendo uma crítica à eficácia da camisinha. Mas agora deu p/ ver o seu pensamento … A camisinha é uma forma eficaz de combater, porém, por algum motivo termina sendo escanteada. A Prep é ótima e sua distribuição é um avanço importante. Mas torço para que usem com consciência, e não com pensamento do tipo: ah vai ser carnaval daqui a um mês, vou começar a usar a Prep pq vou transar sem camisinha. Aí vai vir surto de htlv, hepatite c, sífilis e afins.

        3. Mas anula a chance de espalhar mais doenças que tanto custam para os cofres públicos, lotam hospitais e causam dor, morte e epidemias.
          Porque uma hepatite B ou hepatite C são doenças muito complicadas. Isso sem contar que pessoas sem a devida responsabilidade podem infectar parceiros que nem sabem dessa vida louca, podem espalhar doenças que se tornam a cada contágio mais e mais resistentes, piorando a vida de tantos.
          Portanto, camisinha sim, com ou sem PREP.
          Claro, se olhar só pelo lado do HIV, a PREP vai ajudar a não transmitir, mas o cuidado é de todos, pois outras epidemias podem até fazer reduzir o dinheiro para as políticas públicas contra a transmissão do HIV.

    2. Convido o Sr. a transar sem camisinha nas saunas de Recife com vários homens, onde já existe resistência viral ao Truvada, aí quero só ver seu discurso !

      1. Acho que o comentário do JS não foi com essa interpretação que estão mencionando acima. Não é sobre o “quão” seguro o preservativo é, mas todos esquecem as outras formas de contágio certo ? Então por assim dizer, sexualmente ela seria o método mais eficaz, porém sozinha ela não consegue frear a contaminação via não-sexual.

        Fora o principal fato que ela existindo ou não, simplesmente o pessoal não usa.
        E hoje é pior, por existir anticoncepcional feminino, todos se preocupam com a gravidez e esquecem das DSTs confiando que o parceiro esteja Ok !

      2. Nossa então Recife vai virar matéria de jornal pq nesses anos todos de Truvada só existiram 4 casos de contágio durante a prep.

        Se a coisa começar por Recife vai ficar feio pro Brasil hein!?

    3. Tenho muita pena de vocês. Vocês não sabem o que estão fazendo. Só o tempo dirá. E ele passa rápido demais. Aguardem.
      Lugares como esses devem ser fechados, assim como todos que podem destruir mais o homem. Frequentados por quem não tem consciência nem sabedoria apenas para enriquecer maus feitores que aproveitam da fragilidade humana.
      Há tanto para fazer de modo saudável… Falta ver a amizade entre os homens e não umas apelações assim por desvio de não ter boa aproximação com os outros do mesmo sexo.
      Uma hora vocês poderão se arrepender profundamente por estarem bem doentes fisicamente, já que estão psicologicamente, e poderá ser tarde demais por ficarem sós e poderem contar somente com Deus se ainda Nele acreditar e esperar. E todos esses que foram somente para o prazer podem nunca mais serem vistos, pois não houve nada mais do que desespero. Nenhum outro animal faz isso e isso também me envergonha por ser homem.

  10. Agora só nos resta esperar o “boom” da sífilis e outras ISTs, apesar de considerar a importância da implementação da PrEP.

  11. Na minha cidade ainda não chegou a PrEP pelo SUS. Quando o ministério da saúde vai liberar esse medicamento pra todo mundo poder comprar na rede privada?? Eu quero comprar Truvada em farmácia particular, mas na distribuidora que eu conheço o medicamento está em falta. Alguém sabe onde comprar o Truvada?

  12. Pessoal no hemograma de que fiz o nível de monócitos deu baixo,fiquei preocupado.É normal quem faz uso da medicação baixar ?

    1. Se o for o AZT (zidovudina) sim, pode baixar. Outros AVRs eu desconheço. Mas lembre-se que os leucócitos podem baixar por vários fatores: horário da coleta, estresse, má alimentação, diabetes mellitus, uso de corticoides por tempo prolongado etc etc

  13. https://www.greencrosspharmacy.online. Victor já usei muito o genérico comprando nessa farmácia da Inglaterra. Demora um mês pra chegar. Precisa de receita médica do Truvada. Está custando 110 reais o frasco. Compensa. Se quiser mais informações tem um fórum no face: Fórum PrEP. Usei esse generico um ano. So agora que consegui pelo SUS. Abraços.

  14. Que notícia ótima. Será uma boa para meu esposo. Somos casados a um ano e ele e eu não usamos camisinha pq ele não gosta.

  15. Caio PÉ que vírus e esse resistente ao Truvada? Tem casos documentados por medicos? Publicados em revistas cientificas? Nem deve ter tanta gente ai que faz Prep por ser recente no Brasil ainda. No mundo todo tem apenas 4 casos de pessoas que foram infectadas usando truvada. Isto num universo de 150 mil pessoas no mundo todo que faz uso. E a grande maioria usa para poder tránsar bare. 4 casos em universo de milagres. o Remédio e bem eficaz.

    1. Os medicamentos que fazem parte da PrEP (o truvada) é o Tenofovir e a Entricitabina. Esses 2 medicamentos já fazem parte dos medicamentos fornecidos pelo SUS: O tenofovir nem se fala: é usado em praticamente TODOS os esquemas (e ainda na PEP tb). O outro já é usado como terapia de resgate para paciente multiexperimentados (falha terapêutica). O que a indústria fez foi unir (em uma cápsula apenas) o tenofovir (bastante conhecido) e a entricitabina (usado em ocasiões especiais). As pessoas que possuem vírus resistentes a esses medicamentos (por não fazerem o tratamento corretamente, por exemplo) podem sim possuir resistência ao truvada desde que já tenham sido tratados previamente com um desses componentes. Como eu sei disso ? Vá ao Correia Picanço (hospital de referência no Recife) e converse com os infectologistas de lá ! Como eles sabem disso? GENOTIPAGEM ! E a PrEP está sendo agora fornecida aos poucos pelo SUS, mas já era possível há muito tempo compra-la, com receita médica, importando-a dos EUA. Falo isso apenas a título de informação. Não sou e nem quero interferir (e muito menos julgar) a vida de ninguém.

      1. Tudo que o Caio falou eu adendo atrás e acrescento ainda que com a globalização um vírus resistente poderia chegar ao Brasil antes mesmo de um medicamento específico. Esse papinho furado de que só existem 4 casos documentados de contaminação com o uso de Truvada é a maior ilusão. Se tem algo pouco e mal documentado nesse mundo é a dinâmica de proliferação da infecção por HIV.

        1. Papo TOTALMENTE FURADO esse de apenas 4 casos documentados ! E como vcs acham que a Zika e a Chykungunya chegaram ao Brasil ? Vindo da África na Copa de 2014. Hoje temos avião, para quem ainda não sabe !

  16. Gente eu tenho fetich por positivos e essa medicação pode me ajudar muito. Tive um relacionamento com um indetectável por vários anos e eu e ele sempre transavamos sem camisinha. Na época não tinha prep, já cuidará festas na Alemanha só de soropositivos e bebia tudo e participava de orgias e nunca usei camisinha e estou sempre não reagente então acredito que a prep ajudem pessoas como eu muito mais.

  17. Boa noite

    Gente, comecei meu tratamento há 3 meses. Tomando os medicamentos às 21 horas todos os dias.
    Posso começar a tomá-los no período da manhã? Ou o médico precisa ser informado? Nunca senti nenhum efeito colateral.

    1. Acredito que possa sim, desde que mantenha agora o mesmo horário matinal.
      Leia a bula para saber se existe algum suplemento a base de cálcio e ferro que não deve ser tomado próximo ao DTG.

  18. Boa noite

    Gente, comecei meu tratamento há 2 meses. Tomando os medicamentos às 21 horas todos os dias.
    Posso começar a tomá-los no período da manhã? Ou o médico precisa ser informado? Nunca senti nenhum efeito colateral.

    1. Caro, se você toma alguma combinação com o EFZ, não é muito legal tomar pela manhã.
      De resto, creio que não há problema. Mas sempre informe seu infecto, por precaução.

  19. Ficar esperando aqui pelo Nordeste. Minha companheira é S- e a gente tá a fim de tentar ter uma criança agora 🙂

  20. Pessoal, a minha infecção é recente, tem vinte dias que comecei a tomar o DTG, tomo sempre as 22 horas e percebo que estou tendo insônia, alguém mais teve esse efeito?

    1. Roger,
      Eu li que em algumas pessoas o DTG desenvolve este efeito colateral. Pode ser também que você esteja preocupado e encanado com a sua sorologia e isso também causa insônia. Fale com o seu infecto.

    2. Sim, Roger, esse efeito esta sendo bastante associado ao DTG. Um trabalho mostrou que tomando a medicacao pela manha, esse feito pode ser atenuado. Abs e boa sorte!

    3. @Roger,

      Creio que deve ser Reagente a pouco tempo.
      Tive insônia no inicio, com o tempo todos os medos passaram, inclusive a insônia, que por Deus ninguém merece.

      Sigo meu tratamento á risca, bebo bastante água durante a semana e não deixo de tomar a minha cerveja aos finais de semana, e sem neuras.

      Vou ao psicólogo uma vez a cada 15 dias.
      E não deixo de praticar esportes nem por decreto. O que me tira o sono, é o PES 2018, passo horas jogando…

      Abraços..

  21. Infelizmente, eu não tive a oportunidade de conhecer esse remédio antes. Agora, é conviver com esse vírus e fazer a vida seguir.

  22. Boa tarde, hj vou ao infecto saber se posso tomar a vacina da febre amarela. Meu cd4 veio 1335 e minha carga viral continua indetectada. Alguém saberia me informar se existe algum infecto que tenha especialização no tratamento de controladores de elite? Minha infecto desconfia que eu seja um, mas ela não sabe muito a respeito. O pouco material que tem na rede sobre, só fala a respeito da inflamação crônica e que isso poderia ser ruim pra quem não toma os retrovirais e sobre os problemas cardíacos que os controladores sofrem mais do que quem faz uso da terapia. Eu não sei muito o que fazer… Sou positivo desde 2011

    1. Basta fazer uma sorologia de 4a geração em qualquer lab. particular para saber se é controlador de elite ou não. O PCR não é indicado pois os ARVs podem mascarar os resultados. Com esse tempo todo se a sorologia (e o western blot tb) vier negativa você não é portador.

  23. Controlador, sua cv nunca deu positiva? Vc mora em capital, seria atendido por médico particular? Há médicos experientes que conhecem sim sobre controladores …

    1. Triplox, eu moro em sp- capital… fazia acompanhamento pelo SUS, mas, devido a comodidade, hj faço no particular… Eu tive um exame que veio 56 cópias em 2012, depois disso somente indetectado.. Hj minha infcto pediu novamente um anti Hiv e um wersten blot e vamos aguardar o que ela vai decidir fazer.

  24. Fiz um teste rapido de hiv e deu positivo. Fui numa clínica da familia aqui no Rj, para fazer um novo exame. Tirei o sangue ontem. Tenho que esperar 5 dias para saber do resultado. Lendo sobre o assunto na internet me deparei com algumas entrevistas de cientistas dizendo que, o hiv não causa aids, que os remedios tomados pelos soropositivos, no combate ao hiv, destroem nosso sistema imunologico, e não é o hiv que faz isso e sim os remedios. Agora, eu to com medo de tomar os remédios quando o medico receitar. Tem alguem soropositivo que nunca fez uso dos antirretrovirais e estao bem ?

    1. Fábio,

      Sinto muito pelo seu diagnóstico. Minha sugestão é que você converse com um bom médico infectologista e faça o tratamento e os exames recomendados por ele, incluindo o tratamento antirretroviral.

      Você se deparou com textos da “teoria dissidente” ou “negacionista”, que vem desde o começo da epidemia de HIV. Já escrevi sobre esse assunto algumas vezes — veja aqui. Em especial, recomendo esse texto aqui:

      De onde vem a ideia de negar que o HIV causa da aids? “Tudo surgiu, até certo ponto, legitimamente, no início da identificação da aids, no fim dos anos 70 ao início dos anos 80”, conta o Dr. Esper Kallás, meu médico infectologista e professor associado da Disciplina de Imunologia Clínica e Alergia da Faculdade de Medicina da USP. “Naquela época, o conhecimento era muito restrito e carente de técnicas laboratoriais capazes de avaliar o sistema imune. A virologia era uma ciência nascente.”

      Nesse período, surgiram muitas terapias alternativas de tratamento e os negacionistas começaram a suspender seu tratamento convencional com antirretrovirais. A fim de convocar cada vez mais soropositivos a fazê-lo também, lançaram a revista Continuum, em 1992. Em 1999, a americana Christine Maggiore, publicou o livro “E se tudo o que você ouviu sobre a aids estiver errado?”, influenciada por um encontro que teve com Peter Duesberg, quando parou de tomar seus medicamentos e assim seguiu, mesmo durante a gestação e amamentação de sua bebê. Naquele mesmo ano, o então presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, aderiu à teoria dissidente, convocou Peter Duesberg para um encontro e reduziu o acesso aos antirretrovirais em seu país.

      Em 2005, faleceu a filha de Christine Maggiore, aos quatro anos de idade. Em 2008, foi a vez da própria Christine, ainda negacionista, que morreu em decorrência de uma pneumonia. Nesse mesmo ano, um estudo de Harvard concluiu que a falta de acesso ao tratamento antirretroviral durante o governo de Mbeki resultou em 300 mil mortes decorrentes de aids, que poderiam ter sido evitadas com acesso aos medicamentos.

      “Este é um debate extremamente perigoso”, lembra o Dr. Esper Kallás. “Os negacionistas da relação entre o HIV e a aids não fazem ideia da inconsequência de seus atos. Hoje, os que negam a relação entre o HIV e a aids se nutrem de uma teoria de conspiração. Vários vídeos na internet estimularam as fantasias de muitos e se aproveitam da ignorância de outros.”

      “Quais as consequências das posturas negacionistas?”, questiona o Dr. Esper. “Provavelmente os que negam não fazem qualquer ideia. Ao negar que o HIV cause a aids, estimulam o comportamento de risco. Fazem com que pessoas que vivem com o HIV abandonem o tratamento. Facilitam a transmissão de mães para seus bebês. Contribuem para o avanço da epidemia que ainda mata milhões. Os negacionistas precisam levar isso em consideração e saber até que ponto podem destilar o veneno de sua irresponsabilidade.”

      1. Obrigado por sua resposta. É muito educado com as pessoas. Diferente de alguns, que mesmo doentes incuraveis, tratam mau e usam de arrogancia para com os menos esclarecidos.

  25. Gente, eu gostaria de tirar uma dúvida com vocês. Eu tomo diversos tipos de chas com frequência. Tudo com intuito pra fazer uma limpeza no organismo. Inclusive pra diminuir a tóxicidade da medicação no fígado, e por assim dizer melhorar o trabalho dos rins. Perguntei pra dois infectos meus, e eles disseram que não interferem. Mas tenho medo de eles reduzirem a eficácia da medicação, e assim, ocorrer falha terapêutica. Tomo muita água sagradamente todos os dias. E sigo a risca meu tratamento. Mas, eu pesquisando na Internet, vi que há reportagens dizendo que podem comprometer a eficácia do tratamento. Aí fiquei com medo. Alguém expert nesse assunto que possa me dá um luz.

    1. Água é fundamental. Chá depende da planta. Algumas interagem com o DTG. Na bula dele tem tudo ! Tem de ler !

      1. Não sabia sobre o chá !

        Eu tomo pelo menos 30 tipos diferentes de chá, e preciso porque moro em país frio e isso me ajuda muito, porque café me dá intolerância.

    2. Phoenix,

      Algo que é interessante ter em mente é que quando tomamos um chá, provavelmente, obtido por infusão de ervas frescas ou desidratadas estamos fazendo uma extração, ou seja, estamos retirando dessa erva os seus metabólitos secundários (substâncias químicas) presentes na mesma. Esses metabólitos pertencem às mais diferentes classes e possuem propriedades específicas. A interação química desses metabólitos com os ARV’s é difícil de ser prevista, uma vez que, não temos conhecimento da composição de cada erva na sua totalidade, portanto, sugiro que tenha um certo cuidado ao ingerir chás. Minha infectologista me orientou que o único chá que poderia tomar é o chá mate, todo chá que eu tivesse pretensão de ingerir seria interessante conversar com ela antes. Espero tê-lo ajudado!

      Abraço!

      1. Obrigado SAR. Suspendi tudo só por precaução. Tomava chá de alcachofra, picao preto, anis estrelado etc . Agora só o bodo tomarei, qdo, por ventura, exagerar na cerveja q as vezes tomo no final de semana.

  26. Bom dia
    Estou tendo candidose genital masculina. Tomo tarv a 2 anos. fui em posto de saude e me passaram fluconazol em dose unica, mas nao vi resultados. Minha Cv a 6 meses atras estava indetectavel… refiz o exame a 10 dias mas sem resultados ainda… alguem ja teve o mesmo problema?

  27. Saiu no site aidsmap faz 5 horas ………………O tratamento com nivolumab para câncer de pulmão de células não pequenas pode induzir o esgotamento bem sucedido do reservatório de HIV, de acordo com uma carta ao editor publicado nos Annals of Oncology .

    Amélie Guihot, MD, do Hôpital Pitié Salpêtrière em Paris, e colegas descrevem o caso de um fumante de 51 anos, que teve infecção por HIV desde 1995, e foi diagnosticado com câncer de pulmão de células não pequenas pequenas em estágio IIIa em maio de 2015 Menos de 6 meses após o término da quimioterapia adjuvante, ocorreu uma recaída e ele foi tratado com nivolumab como agente de segunda linha em dezembro de 2016. O pré-tratamento da carga de plasma do HIV era indetectável sob emtricitabina, tenofovir e dolutegravir.

    Os autores observaram um aumento progressivo e modesto da carga plasmática de HIV até 101 cópias / mL no dia 45, seguido de uma diminuição para 31 cópias / mL no dia 120. Um leve aumento na ativação das células T foi observado entre o dia 14 e o 45 , enquanto as diminuições foram observadas nas células T PD1 + CD4 e CD8 no dia 30. Um aumento acentuado foi observado nas freqüências de células T CD8 e RT específicas de HIV do dia 30 a 120. Uma diminuição drástica e persistente foi observada em o HIV-DNA associado às células de 369 no dia 0 a 30 cópias por 10 6 células no dia 120.

    “Este primeiro relatório de uma depleção bem sucedida dos reservatórios de HIV abre novas perspectivas terapêuticas para uma cura do HIV”, escreveram os autores.

    1. Eu li esta notícia aqui neste site, o JS postou agora pouco !

      Com sorte descobriram a substância que elimina os reservatórios !

  28. Ola pessoal! Descobri q tenho Hiv a 9 meses, e a 8 meses estou em tratamento com o 2×1 + dolutegravir. Em 4 meses fiquei indetectavel. Ontem 5 meses depois do último exame,peguei novo resultado acusando 81 cópias. Tomo o remédio sempre na mesma hora a 6hs da manhã religiosamente! Já aconteceu isso com alguém? A carga viral aumentar um pouco mesmo se tratando corretamente?

    1. Escape (ou blip viral) o nome disso. É “normal”. Pode ficar oscilando em poucas cópias no momento da coleta. Mas depois volta a ficar indetectável. Lembrando que indetectável não é ausência total de RNA viral e sim que a quantidade do mesmo é menor que o poder que a máquina que realiza o exame é capaz de mensurar (20 ou 40 cópias)

    1. Olá, existem grupos tanto no KiK qto no WhatsApp, para troca de informações sobre HIV, saúde sexual, física e e apoio emocional mútuo.
      Me add ao KiK q te dou as coordenadas.

      KiK: DOM_SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.