Notícias
Comentários 126

Nota Técnica “Indetectável = Intransmissível”

O Centro de Referência e Treinamento-DST/AIDS-SP (CRT-DST/AIDS) é uma unidade de referência normativa, de avaliação e de coordenação do Programa Estadual para Prevenção, Controle, Diagnóstico e Tratamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) no Estado de São Paulo.

A Secretaria de Estado da Saúde, por meio do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids-SP, lança nota técnica “Indetectável igual a Intransmissível”. A nota informa gestores, profissionais da saúde, sociedade civil e população geral, que as pessoas vivendo com HIV/aids com carga viral indetectável há pelo menos seis meses e boa adesão ao tratamento tem um risco insignificante de transmitir o vírus pela via sexual.

Esta afirmação se baseia em recentes estudos com resultados sólidos e conclusivos – HPTN 052, e Partner, de 2016, e Opposites Attract, de 2017 –, os quais têm levado à atualização da mensagem sobre transmissibilidade por parte de autoridades como o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos e a Sociedade Internacional de Aids (IAS), da Suíça. Infecções sexualmente transmissíveis (IST) e possíveis pequenos aumentos transitórios na carga viral (conhecidos clinicamente como “blips”) não influenciam a transmissibilidade nestes casos, de acordo com os estudos. Considera-se carga viral indetectável a quantidade de vírus inferior a 40 cópias por ml de sangue.

“Pessoas que vivem com o HIV, se tomarem seus medicamentos e tiverem carga viral indetectável, não transmitirão HIV para seus parceiros sexuais”

Esta novidade traz impacto positivo na vida das pessoas vivendo com HIV/aids sob vários aspectos. “Pessoas que vivem com o HIV podem sentir-se confiantes de que, se tomarem seus medicamentos adequadamente e tiverem carga viral indetectável, não transmitirão HIV para seus parceiros sexuais”, declara Artur Kalichman, coordenador do Programa Estadual DST/Aids-SP. A notícia traz impacto positivo na adesão ao tratamento e, em especial, as pessoas vivendo com HIV/aids sorodiscordantes que desejam ter filhos. “Será possível também realizar planejamento familiar com mais tranquilidade”, comenta.

“Uma correta percepção do nível de transmissibilidade tem efeitos positivos sobre a sorofobia”

Para Maria Clara Gianna, coordenadora adjunta do Programa Estadual DST/Aids-SP, os profissionais de saúde e de comunicação em saúde devem fornecer orientação atualizada e acurada às pessoas vivendo com HIV/aids e seus(suas) parceiros(as) sobre o risco de transmissão neste cenário. “Uma correta percepção do nível de transmissibilidade tem potenciais efeitos positivos sobre a sorofobia (estigma) e sorofobia internalizada (autoestigma), direitos sexuais e reprodutivos, testagem, vinculação aos serviços de saúde e adesão ao tratamento”, observa.

As pessoas vivendo com HIV/aids e seus(suas) parceiros(as) devem receber também aconselhamento sobre fatores que influenciam a opção entre o uso deste método de prevenção ao HIV isoladamente ou a sua associação a outros métodos de gerenciamento de risco e de prevenção, como preservativo e uso de profilaxia pós-exposição (PEP) ou profilaxia pré-exposição (PrEP) pelo parceiro HIV-negativo. “Esses fatores incluem acordos de confiança do casal, adesão ao antirretroviral e decisões sobre o gerenciamento de risco para IST e gravidez.

Em qualquer situação, deve ser respeitada a autonomia da pessoa vivendo com HIV/aids e de seu(sua) parceiro(a) e deve ser garantido o acesso a diagnóstico e tratamento de IST, outros métodos de prevenção ao HIV, métodos anticoncepcionais e acompanhamento pré-natal”, comenta Rosa de Alencar, coordenadora adjunta do Programa Estadual DST/Aids-SP. Para as pessoas que, por qualquer razão, não estejam com a carga viral indetectável, deve ser reforçado que o preservativo é um método eficaz de prevenção e que estará em breve disponível a profilaxia pré-exposição (PrEP) para uso pelo parceiro HIV negativo.


*Nota Técnica 02/2017/CRT-PE-DST/AIDS/SES-SP. Informações adicionais: www.crt.saude.sp.gov.br | Disque DST/Aids: 0800 16 25 50
Anúncios

126 comentários

  1. Rafael diz

    Texto excelente para acabar com o preconceito e esclarecer aos leigos.

  2. Fico mais tranquilo por isso ser publicado e divulgado, pois já era comentado. Para os soropositivos, mais compromisso e responsabilidade com a vida deles e dos demais. Agora é aguardar participativo o que combaterá o HIV. E ter uma vida melhor por tudo que isso passou.
    Viver vale a pena com responsabilidade por nós e pelos outros mesmo com tudo que a vida possa apresentar. E viver cada momento.

  3. Otimo anuncio.agora é duvulgar na midia em canal aberta para q diminua o preconceito q ainda é muito grande pela maioria das pessoas leigas.

  4. Solangedoenças diz

    Boas notícias a casa dia nossas esperanças são renovadas adeus ano velho feliz ano Novo fé sempre dias melhores bjs

  5. Bruno F diz

    A notícia cita a não transmissão pelo contato sexual,mas ficou a dúvida sobre a transmissão pelo sangue. Uma carga viral abaixo de 40 cópias nas situações de indetectável a mais de 6 meses é capaz de infectar alguém pelo sangue?

    • TriploX diz

      Pode sim. Talvez diminua a chance de transmissão (n pesquisei sobre isso ), mas a matéria deixa claro que é intrasmissível sexualmente …

    • Life diz

      Não.

      Indetectável não transmite HIV através do sangue, sexo, esperma, etc.

    • “Os índices de transmissão por meio de picadas com agulhas infectadas são baixos: em média 0,3%. Nos contatos acidentais de líquidos corpóreos infectados com as mucosas dos olhos e da boca ou com a pele ferida do profissional, mais baixos ainda: em média 0,09%.”
      Fonte: GIV.

  6. Cal diz

    Tenho q divulgar isso pra minha infecto, ja q esse ano reiterei a pergunta de minha companheira sobre o risco do sexo oral (eu fazendo nela) e pedi em porcentagem, “entre 10 e 20″, respondeu. Deu vontade de responder a ela ” entao melhor ela fazer sexo,com penetracao, com um parceiro positivo e sem tratamento q a chance e menor!”. Se uma de minhas motivacoes era justamente nao passar isso a ela, ainda bem q temos aqui e informacoes senao seria uma grande desmotivação a continuar….

  7. Tomm diz

    Excelente notícia.!
    Preciso iniciar minha TARV, estou há mais de um mês com os medicamentos em mãos e não tomei coragem, estou me achando um idiota, mais uma vez😞

    • Rodrigo diz

      Inicie hoje mesmo a terapia amigo. Não tenha medo dos “efeitos”, eles simplesmente não ocorrem. Faço uso do 3×1 a quase 3 anos e não sinto nada.

      • Tomm diz

        Obrigado pelo conselho Rodrigo.
        Vou começar hoje, sexta.
        Até hoje acho difícil aceitar que não tomei o cuidado devido com essa droga de vírus…

        • Tiago diz

          Tomm,

          Inicie o tratamento sem medo. Estou no DTG+2×1 há 4 meses já e apenas senti sono pouco depois de tomar a medicação e alguns episódios de sono mais irrequieto, isto na primeira semana, e mais à frente uns dois episódios em que me senti aéreo, com dificuldade de concentração, e dois episódios de dor de cabeça, sendo que estes dois últimos aconteceram precisamente no dia seguinte a uma noite trabalhando sem dormir, entrando direto na jornada seguinte. Trabalhei quase 36 horas seguidas… Portanto, não dá nem para culpar os ARVs, ainda que possam ter potenciado, já que não lembro disso acontecer antes.

          Fora isso, nada.

          Claro que cada um é cada um e o seu corpo pode reagir de forma diferente, mas se cuidar da sua alimentação, beber bastante água (super-importante) dormir bem, exercitar e cuidar da sua saúde mental e seus pensamentos, as chances de não sentir nada são muito boas, bem como de ter uma longa vida.

          Quanto a achar difícil aceitar não se ter prevenido, o que está feito está feito. Infelizmente, andamos um pouco iludidos com o grau de risco, que pelo menos a mim ainda parece ser consideravelmente maior do que a informação que se distribui por aí. Faltou-nos consciência e entramos em território minado, achando que estávamos entrando apenas no quintal do vizinho.

          Mas não é só com HIV que essa falta de prevenção acontece nos dias de hoje. Quantos e quantos casos de câncer/AVC/hepatites/cirroses/diabetes hoje se devem ao consumo de alimentos e bebidas que sabemos serem de risco para a saúde, seja por serem demasiado processados com química agressiva, agrotóxicos, etc…

          Não está fácil viver saudável e sem preocupações nos dias de hoje. Não se cobre demasiado por fazer algo tão natural, ainda que arriscado, quanto sexo sem proteção. Apesar de tudo, ainda é uma prática bem mais natural que encher a cara o fds inteiro e detonar com o fígado ou que comer o monte de venenos à venda em qualquer supermercado na esquina.

          Força aí, abraços.

          • Tomm diz

            Tiago,
            Obrigado cara, de verdade! Pela serenidade e por compartilhar sua história aqui.
            Estou iniciando hoje.
            Abraço

    • Rômulo diz

      Amigo, vc esta pegando remédio para deixar guardado ?! Tem idéia de quantas pessoas em outros países sonham em ter estes comprimidos ?!?!

      • Tomm diz

        A questão não é essa, deixar guardado!
        De todo modo, só com o valor dos meus impostos eles estão mais do que pagos.

        • Wolverine diz

          Mesmo que fosse vetdade, ainda assim, vc não teria o direito de experdiçar.

    • kiss diz

      Todo início é assim mesmo! Não esqueça que vc é um privilegiado em poder lutar pela vida e ter medicamentos eficientes que poderão te auxiliar a viver melhor!! Dê o primeiro passo e vença esse monstro! Para muitos não é fácil, mas outros não sentem absolutamente nada!! Boa sorte e vida que segue…..

    • Bruno Salvador diz

      Tomm, espero que já tenha começado seu tratamento. Recebi resultado definitivo dia 13/11/2017, comecei a tomar a medicação dia 14/11/2017 e hoje, dia 12/01/2018, 2 meses depois, estou carga viral abaixo de 40 cópias/ml, já considerada indetectável. Estou muito feliz! Tomos os 2 comprimidos por dia e desde o primeiro momento não senti absolutamente nada de diferente. Vá em frente!

  8. Truvada Saves diz

    Mas por via sanguínea o aidético transmite? E pelo beijo com uma ferida na boca? Faltou esclarecer

    • Aidético? Quem tem aids, provavelmente não faz um tratamento antirretroviral bem sucedido e, por isso, provavelmente tem carga viral detectável, o que é diferente do assunto da Nota Técnica acima.

      Sobre transmissão por via sanguínea e beijo, não faltou esclarecer nada. Isso já está mais do que esclarecido: beijo no rosto ou na boca não transmite HIV — veja aqui.

    • AIDÉTICO? QUE MUNDO VC VIVE, PARA ACABAR COM O PRECONCEITO TEM QUE ACABAR PRIMEIRO COM O SEU.

      • Nizo diz

        Aideticos ainda existem amigo. Porem o colega como é novato no assunto, vai aprender que essa palavra para que faz o tratamento correto não EXITE MAIS.

      • César Augusto Barbosa Barbosa diz

        Parabéns EDC, o preconceito as vezes vem das próprias pessoas que vive com o vírus.Assim fica mais difícil de acabar com ele.

      • Tomm diz

        Vamos ser mais tolerantes! Nem todo mundo
        tem o mesmo nível de intelecto e acesso à informação!

    • Marcos diz

      Aidético?! Eu li essa palavra mesmo? Em pleno século XXI?! 😱😨

  9. SAR diz

    Cada vez que leio que indetectável = intransmissível sinto-me mais confiante, feliz e certo que viver com HIV é apenas uma vírgula em minha vida. 😁

  10. JS entaum quem tiver indetectavel e a mulher for soro discordante pode ter filho no metodo tradicional sem fazer a lavagem do esperma? Alguem pode me esclarecer essa duvida ?

    • Gil diz

      JS respondeu e postou link, mas já te adianto: leia os links já sabendo que pode transar sem camisinha e engravidar sem lavar “PORRA NENHUMA”… Aliás, se lavar deve… mas não precisa lavar espermatozóides…

    • Herivaldo Virulato diz

      Eu tenho uma linda criança que nasceu soronegativa, de minha esposa soronegativa. Eu sou soropositivo e a engravidei pelo método natural, depois de indetectável por mais de 6 meses.

  11. Sol diz

    Pessoal, alguém já teve que trocar de esquema para tratar outro problema de saúde?
    Vou precisar tratar uma gastrite aguda e o gastro me receitou pantoprazol de 40 mg por pelo menos 4 meses.
    Meu infecto autorizou o uso do pantoprazol de 20 mg por apenas duas semanas, o tratamento com prazo maior que esse ele disse que tem que mudar o esquema.
    Alguém já passou por situação parecida pode me dar uma luz? Fico com medo de trocar e acabar criando resistência, já que me dei tão bem com esse esquema.

    • Salvador diz

      por que vc não experimenta tratar essa gastrite tomando o sumo de um limão com 50ml de água todos os dias em jejum. é mais benéfico, não tem efeitos colaterais e é mais saudável. o limão, apesar de ser uma fruta ácida, tem ação alcalinizante no organismo. pesquise a respeito.

    • Paulo diz

      Depois que estupraram a Gramática da Língua Portuguesa, para chamar Dilma de presidentA, eu não sei nem mais se as regras gramaticais devem servir de parâmetro para alguma coisa. Ainda mais que a mulher sapiens agora é work alcoólic.
      É prá acabar o queijo e a goiabada de uma vez só!

  12. Truvada Saves diz

    Na verdade eu quis dizer o portador do Hiv, não aidético. Eu sei que o aidético é quem já desenvolveu a doença. Desculpa.

    • Truvada Saves diz

      Obrigado! Não usarei mais ! Mas o artigo não explica bem porque não usar aidético. Era melhor dizer não use aidético por que não gostamos. Fosse assim não poderíamos usar as palavras diabético, epilético, e tantas outras.

      • Tiago diz

        Truvada, como você mesmo falou, pretendia dizer portador de HIV. Muitos portadores de HIV que estão em tratamento não sofrem da síndrome, logo não seria correto nem do ponto de vista médico-científico…

        E num caso de um paciente de AIDS? Bom, um bom motivo para não usar o termo é o histórico do termo. Talvez o termo até tenha aparecido inicialmente com uma conotação mais neutra, mas fato é que foi usado como termo perjorativo, discriminatório e foi até tema de piadas de mau gosto durante uns bons anos. Um pouco como a história da suástica. Seu significado e conotação mudou, depois que os nazistas se apropriaram dela.

        Mas… e diabético? Que eu saiba, o termo diabético nunca foi usado de forma tão pejorativa, mas simplesmente para identificar alguém com diabetes. Ainda assim, deixe-me dizer que – pessoalmente, pelo menos – é um termo que evito também. Inclusive, tenho uma assistente que foi diagnosticada com diabetes e não me refiro a ela usando esse termo. Até porque, muito antes de ela ser diagnosticada, ela já era um ser humano… E tinha nome próprio.

  13. Botini diz

    Galera, boa noite!

    Alguém tomando dolutegravir e tendo depressão como efeito adverso?

    Abraços

    • Shando diz

      Oi, estou tomando há pouco menos de um mês e até agora não tive esse problema. O problema é o dois em um que está faltando na minha cidade e estão “fracionando”. 😦

    • Edimon diz

      O Dolutegravir foi introduzido no meu 2o esquema, há um ano, pois não me sei bem com o protocolo inicial do 3×1.

      Uma exame de CV depois e eu estava indetectável. Por incrível que pareça, não tive reação nenhuma,diferente do Efavirenz, o pior que já usei

  14. Paulo diz

    Galera, boa noite. Recebi uma mensagem dando conta de ,que há um laboratório em Washington que está recrutando pessoas para testes com novos medicamentos, destinados à cura do HIV.
    . Alguém sabe de algo a respeito?
    Recebi esta notícia há alguns dias, pelo Whattsapp, mas com tantos boatos sendo divulgados, não sei se é verdade.
    Pelo que li, o nome do laboratório é GILEAD.
    Algum de vocês saberiam me informar alguma coisa a respeito?

    • Verdes Olhos diz

      Oi, Paulo. Pode dar mais detalhes – ou o link dessa notícia, se tiver?
      O que se sabe é que a Gilead é um grande laboratório, que parece ter um foco em curar doenças até então difíceis ou impossíveis de curar (pelo menos é o que eles dizem publicamente). Que eu me lembre, foi num estudo da Gilead para a cura do hiv que acabaram descobrindo a cura para a hepatite C, bem recentemente.
      Então o laboratório, em si, parece “sério”. Tem que ver se a notícia também procede.

      Abraço!

      • Paulo diz

        Boa noite. Recebi como uma mensagem pelo Whatsapp. Não tenho links e nem informação a respeito, por isso resolvi vir checar aqui se alguém sabe me informar.
        Caso seja verdadeira a informação, eu gostaria de me apresentar como voluntário.
        Realmente, o laboratório existe. E pelo que vi no site do laboratório, eles trabalham, sim, com pesquisas.
        Porém não vi nenhuma informação sobre este assunto.
        Obrigado pela sua resposta! Assim que eu tiver mais informações, entro em contato!

  15. Marcos diz

    Boa noite pessoal, alguém poderia me esclarecer uma dúvida.
    Sou indetectável a mais de um ano, sei q não sou transmissível , mas se eu ter relações com um parceiro soro positivo o q pode acarretar, se ele for indetectável ou com a carga viral detectável? Mesmo eu aderindo ao medicamento 100%

    • Caio PE diz

      Basta ele ter um vírus resistente a algum ARV que vc usa para sua medicação perder o efeito.
      Em seu caso específico acredito que a camisinha deva sim ser usada. Quando ele fizer o tratamento correto e sua CV “indetectar”, aí vcs conversam sobre a possível retirada do preservativo.

    • Nizo diz

      Na duvida use camisinha, ha outras doencas. Se ele é detectavel o ideal é usa preservativo, se for indetectavel e usam a mesma medicacao nao vejo problema, na duvida converse com o medico dos dois.

    • Herivaldo Virulato diz

      As pessoas dirão que vc pode pegar uma superinfecção, mas a verdade é que seu tratamento te deixa seguro. Vc não pegará HIV.
      Mas deve se prevenir contra outras doenças, convém fazer testes.

  16. Shando diz

    Deu-se muita importância ao outubro rosa e ao novembro azul. Mas quanto a dezembro ? Muitos estão dizendo por aí que o dezembro é o mês de combate ao cancer de pele (dezembro laranja). Infelizmente é a sociedade tentando ofuscar uma luta que é tão nobre quanto as outras… Lembrem-se: Silêncio= Morte.

  17. Salvador diz

    Isso já foi noticiado no Jornal Nacional, no Fantástico, em Ana Maria Braga, no Faustão, no Programa do Gugu, na Fátima Bernades???? Se não sair nesses meios de comunicação não faz o menor efeito para minimizar o preconceito e o estigma. Infelizmente.

    • Maxwell diz

      Concordo Salvador. Infelizmente enquanto não for divulgado isso nas mídias televisivas e portais de notícias “com credibilidade” as pessoas sempre vão dizer que é notícia fake plantada em site de um soropositivo pra que as pessoas deixem de ter receio de relacionamento amoroso conosco.

      • Herivaldo Virulato diz

        Só vai convencer as pessoas quando a protagonista da novela das 9 engravidar de um soropositivo.

    • Shando diz

      Eu não assisto a esses programas. Hoje minhas fontes de informação são unicamente a Internet, na minha casa tem televisão mas apenas meus pais assistem, hoje em dia muitas pessoas tem acesso a Internet. Portanto não dependemos mais deles para divulgar essa informação.

  18. Arthur diz

    Algum soro+ ja teve experiência com uso de anabolizantes esteroides pra ganhar massa muscular? Teve alguma reação? Alterações nos.exames laboratoriais? Li a.bula do dolutegravir e vi que não há contraindicações quanto a interacção. E meus exames tgo e tgp estão em niveis normais após 1 ano em TARV. Estive pensando se seria seguro fazer um ciclo a cada 6 meses. (Eu ja tive experiência antes do diagnóstico e foi bem tranquilo., até pq nunca usei produto falso, apenas originais de farmácia e tomando hepatoprotetores ) gostaria de ler algum relato aqui do blog. Obrigado !

    • PVS diz

      Arthur, desculpa eu me intrometer na sua vida, mas já que postou aqui, abertamente, acredito que posso expressar minha opinião. Tu já tens uma condição especial (digamos assim), vai ter que tomar medicações agressivas ao teu organismo pelo resto da vida, será que n seria o caso de pensar se realmente valeria a pena o uso de anabolizantes e correr um risco ainda maior de ferrar seu organismo?

      Enfim, se vc acha mesmo necessário o uso pq tu n investe um pouco de grana e faz um acompanhamento com nutrólogo bom. Foda alguém aqui falar que usou “e n deu nada”, cada organismo é um organismo único e responde de forma pessoal. Meu pensamento. Espero que vc faça uma boa escolha e n prejudique sua saúde.
      Abraço!

    • Cara Positivo diz

      Olá Thiago,
      Desde que tenha acompanhamento médico, CD4 bom e nenhum problema no figado/rins pode ir, mas se for fazer na cara e na coragem nem pensa.
      Mas com um bom acompanhamento médico, endocrino e afins, rola sim.

      Vale lembrar que Anabols foram utilizados (e talvez ainda sejam) em pacientes que tiveram perda muscular com o tratamento para HIV. EMbora eu ache que os novos remedios não causem mais isso.

  19. black diz

    Marcos, eu e meu parceiro somos +, porém eu me trato a 3 anos indetectável e ele ainda n aderiu ao tratamento,vai começar agora em janeiro,ou seja,ele é DETECTAVEL, e temos relação sem preservativo e eu continuo indetectável a 3 anos,a única coisa que ele não faz é ejacular dentro pois estaria injetando diretamente a carga viral em mim,no atrito sexual em pequenas fissuras acredito que seja tão pouco que o remédio que eu tomo se encarrega de elimina-los

  20. Arthur diz

    PVS
    Primeiramente obrigado pelo seu comentário. Eu entendo sua preocupação e mesmo tendo uma experiência sem complicações com uso de AEs no passado, hoje fico com um pé atras devido a essa nova condição. Mas acredite, eu ja pesquisei bastante sobre o assunto, li artigos pros e contras, inclusive soropositivos e até mesmo pessoas com AIDS se beneficiaram com o uso, então o que eu gostaria mesmo era de ler relatos pessoais de algum soro+ que usou após o diagnóstico.

    Como eu disse anteriormente minha função renal e hepática nesse 1 ano de tarv continuam normais, por isso surgiu essa duvida, se fazendo certinho, com as doses recomendadas e acompanhamento através de exames, se não seria seguro. Eu sempre gostei de ter um corpo “maiorzinho” e esse diagnóstico veio num momento em que estava tendo bons resultados. Não queria perder isso. Entende? Abraço.

    • Pedro diz

      Arthur
      Fiz a mesma pergunta aqui tempos atrás e um colega nosso respondeu que fez acompanhamento e tomou oxadrolona em quantidade determinado pelo médico. Vou tomar tb!

  21. Lecinho diz

    A enfermeira da minha cidade que entra em contato com o SAE da minha região me informou hoje que recebeu uma mensagem em que fala que ele está em greve, e que os medicamentos estão em falta, e estão a procura em outros SAES e está tendo o mesmo problema. Disseram que é melhor ligar antes pra saber se tem para ir buscar. PREOCUPANTE! E se na proxima semana que meus remédios acabarem,e lá não tiver, o que eu irei fazer????Ficando alguns dias sem tomar as TARVS não faz com que o virus fique resistente ??

    • Tiago diz

      Lecinho, não sei onde mora, mas recomendo que denuncie imediatamente a situação pela Secretaria cde Saúde e pelo MP e, se pegar o embalo, envie a denúncia também para a imprensa. Se os medicamentos estão em falta, não deveriam. De acordo com a presidência, o orçamento para a distribuição de ARVs é garantido por lei.

      Busque uma solução de emergência. Uma sugestão é contatar ONGs da região que trabalhem com HIV. Quem sabe eles conseguem ajudar com medicamentos e até dar apoio jurídico, quem sabe até ajudando na denúncia. Por vezes, em grupos de apoio também pode conseguir alguém que more numa cidade próxima, sem problemas de distribuição, que possa dispensar e enviar por correios.

      Não fique esperando uma solução do problema ou a medicação acabar para tomar uma atitude.

      Abraços e sorte.

      • Lecinho diz

        Obrigado Tiago. Ligarei na segunda e se continuar assim irei atrás das medidas da lei para nao ficar sem os medicamentos.

  22. Pedro diz

    Depoimento,

    EXISTE VIDA SEM O EFAVIRENZ

    Colegas estou aqui para compartilhar minha decisão de deixar o 3×1 e partir para um tratamento diferente, apesar do meu médico me garantir uma melhora dos sintomas em apenas um mês após 2 semanas eu me sinto leve, vivo, disposto e cheio de amor para dar. A vida é bela e linda sem aquele esquem horrorozo. Até meu apetite melhorou mesmo ainda sentindo um pouco de efeito da adaptação como leve náusea e enjoo. Acho que o melhor efeito foi que a minha auto estima junto com o psicológico melhorou muito! Ainda estou com uma pequena ceborreia mas isso eu tenho certeza que ainda é efeito decorrente de todo o stress ao qual fui submetido no primeiro ano de tratamento. Tenho certeza que isso tbm vai passar.

    Abraços fraternos do Indetectável

    Pedro

  23. Tyago carvalho diz

    Essa nota com certeza ajudará a esclarecer e diminuir o medo das pessoas, mas o preconceito ainda é algo maior porque envolve estigmas, o principal e que ainda persiste é de que a pessoa vivendo com hiv/aids é um promíscuo, um indivíduo que não agrega a sociedade. Temos que dar a cara a tapa e mostrar que somos normais, fazemos o que todos fazem (estudamos, trabalhamos…transamos) e também fazemos a diferença. Outra, voltando ao assunto do tópico, viajei pra sp e no app grindr (sim, sou desses, mas não exponho ninguém a riscos) o que havia de indivíduos propondo sexo bare e justificando com o estudo Partner não estava no gibi. Minha gente camisinha é fundamental e o estudo tem como objetivo ratificar a importância do tto na diminuição da transmissão (suplementar) e não ser permissivo ao sexo desprotegido. Quem se vale desse argumento pra fz sexo desprotegido compromete moralmente todo um trabalho de anos e no mínimo é oportunista.
    Se quiser conversar estamos aqui: kik – tyagocarvalho

    • PositiveSoul diz

      Acho incrível justificarem a prática bare com esse estudo. Claro né, só existe HIV como IST (sic)…

      • SAR diz

        PositiveSoul,

        Discordo de você. Não acho que o estudo teve como objetivo justificar a prática do sexo desprotegido, mas sim tranquilizar nós soropositivos, que estando indetectáveis não corremos o risco de sermos transmissíveis. Não podemos nos esquecer que existem casais heterossexuais sorodiscordantes que pretendem ter filhos e esse estudo, juntamente, com o Partner, HPTN052 e Opposites Attract validam esse fato. Hoje se fala muito em prevenção combinada que é a utilização da profilaxia pré-exposição (Prep) e a utilização do preservativo, uma vez que, a Prep é aplicada somente na prevenção da infecção pelo HIV. Obviamente, que a utilização do preservativo ainda continua sendo um excelente aliado na prevenção de IST’s e não consegui perceber no texto acima o estímulo ao sexo desprotegido.

        Abraço.

        • Tyago carvalho diz

          Em nenhum momento disse que o estudo tinha o objetivo de justificar a prática bare, pelo contrário, critiquei os que utilizavam esse argumento para justificar a prática.

    • ROCK HUDSON diz

      Seu comentário é bastante preconceituoso Tyago, você certamente tem a chamada homofobia introjetada. É como se dissesse que os casais soropositivos podem transar sem camisinha, podendo gerar filhos, ou mesmo curtir o prazer sexual do bare, mas quem é solteiro e só quer transar não pode se valer dessa mesma permissão. É contraditório e bastante preconceituoso. Concluindo: camisinha NÃO É FUNDAMENTAL. o fundamental é a prevenção. Cada um deve assumir os riscos que quer correr , fosse assim ninguém passaria férias no Rio de Janeiro, pois lá o risco maior é ser assassinado.

  24. Caio diz

    Amigos, boa noite!

    A uma semana tive conhecimento da minha sorologia com HIV reagente(testes rápido) ainda não sei em que estado me encontro pois foram solicitados os exames que provavelmente irão determinar meu tratamento, o que ira demorar uns 15 dias… (me preocupo com as fases de HIV em que me encontro,qual a probabilidade de ter desenvolvido Aids) infelizmente não consigo me abrir com ninguém e estou encubando isso dentro de mim…também não sei dizer oque realmente estou sentindo exceto o pensamento de culpa..fora outros pensamentos como irei enfrentar isso..eu sei que atualmente seguindo o tratamento a expectativa de vida pode ser comparada a alguém sem a presença do vírus,porém minha cabeça ainda está um turbilhão…desculpe a todos pelo desabafo..

    • SAR diz

      Olá Caio,

      Embora seja muito difícil manter a serenidade no momento pós-diagnóstico o que tenho a lhe dizer é que mantenha o máximo de calma e paciência. Realmente, só os resultados dos seus exames mostrarão em que estágio da infecção você se encontra. Os resultados dos seus exames de contagem de células T CD4+ e PCR Quantitativo HIV revelarão em que estágio da infecção você se encontra. Eu tive um diagnóstico tardio e fora a bomba que foi, para mim, saber da minha soropositividade descobri que já estava com AIDS, digo isso, pois segundo a OMS, é considerado como AIDS resultados de contagem de células T CD4+ inferiores a 200 células/mm3, meu CD4 estava em 58 células/mm3, porém, graças à Deus, não desenvolvi nenhuma infecção oportunista e, até hoje, nem resfriado fiquei. Estou a um ano e dois meses sob tratamento e comigo está tudo bem. Mas porque estou dizendo isso? Independente dos resultados, não perca a fé e a esperança. Lute com todas as suas forças, que por mais desesperadora que seja a situação, hoje ela pode ser revertida. Fique tranquilo, aguarde seus resultados e tenha a certeza que tudo, em breve, ficará bem. Se precisar conversar deixe aqui o seu e-mail que entro em contato com vc, ok?

      Forte abraço.

    • Roger diz

      Olá Caio
      Tb descobri há duas semanas. Somente agora estou um pouco mais calmo. Hoje que recebi a confirmação do laboratório. Passei essas duas semanas já sabendo que estava contaminado.,pos eles pediram pra recoletar o sangue. Hoje recebi o exame de carga viral. Amigo não eh fácil mesmo. Mas vamos nos ajudando por aqui. Tento sempre lembrar que tudo passa, as coisas boas e as coisas ruins. Estou tentando aínda manter me centrado. Vamos conseguir superar isso!! Abraços

    • Pedro diz

      Caio… Tudo tem seu tempo!
      Eu fui diagnosticado em abril desse ano… Fiquei muito triste e pensando em milhões de coisas… Eu só ficava pensando nesse maldito vírus e como minha vida seria a partir daquele momento…
      Hj, Posso lhe dizer que hj eu estou bem mais tranquilo… Tenho uma vida absolutamente normal… Às vezes até esqueço que eu tenho o vírus…rs
      Ng sabe da minha sorologia.. E To mt bem assim…
      Sigo com o tratamento, tomando meus remédios…. Não tive nenhum efeito colateral… Na verdade tive sim, um rush cutâneo no início do tratamento… Fora isso, não tive mais nada!!!!!
      Mantenha-se forte e tenha fé!!!

    • Herivaldo Virulato diz

      Vou te dizer uma coisa que provavelmente é verdade pra maioria das pessoas aqui: você ficará desesperado no início mas, conforme for reunindo informações, vai se fortalecer. Daqui a dois anos, mais ou menos, vai estar absolutamente tranquilo e nem lembrará da doença. Descobrirá que, no fundo, sua doença não mata, não transmite se vc se tratar corretamente e, apesar de crônica, é menos grave que diabetes ou pressão alta.
      Fique bem.

  25. Maycon diz

    Pessoal, eu não me lembro de ter tomado o meu remédio (3×1) ontem (bebo um pouco a mais) por via das dúvidas tomei hoje cedo. Fiz certo diante da situação ou deveria esperar o outro pra tomar hoje à noite?

  26. SAR diz

    Maycon,

    Uma sugestão que pode ajudá-lo é você adquirir um pill box (caixas de guardar comprimidos) Essas caixas facilitam muito no controle do consumo da medicação.

    Abraço!

  27. TriploX diz

    Pessoal, td bem, nada a ver com o tópico mas achei umas coisas interessantes e fiquei bem curioso… Alguém já usou LDN (baixas doses de Naltrexone em paralelo ou em substituição aos ARVs ? Conhece alguém que já fez uso?

    • Roger diz

      Nunca ouvi falar disso não, triplo X. Onde você obteve essas informações?

  28. Phander diz

    Galerinha, me surgiu uma dúvida: há quanto tempo nós que participamos desse blog, vivemos com HIV? Quero fazer um levantamento pra saber quem vive a mais tempo portanto vírus… Lembrando que esse tempo tem de ser a partir do momento em que se começa a fazer o tratamento. Eu, há 10 meses e vocês?

  29. Roger diz

    Gente recebi hoje meu primeiro exame de carga viral. Deu 15.200 por ml Isso é muito? Eh péssimo? Ainda não fiz o de contagem de cd4 porque a primeira consulta com o infectologista vai ser só em 20 de janeiro. Esse exame foi que o laboratório fez pra confirmar o diagnóstico.

    • SAR diz

      Boa noite Roger,

      Quando fui diagnosticado minha carga viral era de 12.690 cópias/mL. Te darei a explicação que minha infecto me deu. Ela disse que o valor era considerado alto, mas tendo em vista que há casos onde a carga viral chega na ordem de milhões, eu não precisava me preocupar. Comecei a medicação em outubro de 2016 e realizei exame de carga viral em fevereiro de 2017 e já estava indetectável. Então tranquilize-se que, em breve, o mesmo acontecerá contigo.

      Abraço.

    • Tiago diz

      Roger, eu fui diagnosticado com CV 29k, mas ao contrário do SAS, minha infectologista falou que, não sendo a minha das mas baixas, só a partir de 100.000 cópias se considera uma CV alta.

      Alta ou não tão alta, posso dizer que ao fim de 3 meses de tratamento fiz exames e já estava indetectável.

      O tratamento atual é muito eficiente a zerar a carga viral.

    • Herivaldo Virulato diz

      Quando recebi meu diagnóstico minha carga viral era de 1.900.000 u/ml.
      Fique tranquilo.

  30. Pessoal, será que alguém pode me ajudar?
    Iniciei meu tratamento há menos de um mês, e estou cheio de “neuras”
    Estou usando o dolutegravir + lamivudina + tenofovir.
    Qual o melhor lugar pra guardar os frascos? Posso colocar na minha mochila? Utilizar porta comprimidos é válido? O frasco do dolutegravir vem sem algodão, devo conservá-lo assim?
    Tem algum alimento ou bebida que possa cortar o efeito?
    Hoje meu medo é o vírus criar resistência e o tratamento não funcionar.
    Fui diagnosticado com carga viral 2.091 cópias. Segundo a infectologista é baixo. Será que consigo ficar indetectável em poucos meses?

    Obrigado 🙂

    • Tiago diz

      Ad,

      Toda a medicação deve ser conservada em local seco, longe de fontes de calor e luz. É meio que um cuidado básico de conservação.

      Eu uso um pillbox, sobretudo para controlar melhor as tomadas. Já me aconteceu tomar no meio da correria e esquecer que tinha tomado. O pillbox ajuda.

      Quanto ao algodão, eu deixo o DTG do jeito que veio. Acredito que o algodão seja para proteger da humidade, mas a embalagem protege bem por si só, no pouco tempo que fica aberta.

      Bebidas e alimentos não interferem no tratamento, o único cuidado especial que se deve ter é com o consumo de álcool, não porque interfira, mas porque você perder o norte, dormir e esquecer de tomar ou passar mal e vomitar após tomar os comprimidos.

      Deve sim beber muita água todos os dias! Super-importante para compensar o esforço renal e hepático adicional causado pelos ARVs. O único cuidado que tive com alimentos foi mais no sentido de evitar alimentos muito gordurosos próximos ao horário da TARV, porque podem causar algum enjoo e o enjoo ser potenciado pela TARV. Em 4 meses, nunca senti náuseas ou enjoos.

      O DTG é um ARV novo e com alta barreira à resistência, muito difícil o vírus criar resistência a ele, se você não falhar as tomadas. Não pode é falhar. Se esquecer uma noite (se tomar de noite) ou se atrasar (ex. Saiu de noite sem tomar a TARV, chegou de madrugada a casa) tome assim que possível, sem neuras também. É bom ser disciplinado nos horários, mas não precisa ser neurótico também. O DTG+2×1 tem uma meia vida superior a 36 horas, o que significa que temos uma janela de 12 horas a mais para cobrir um eventual atraso. Claro que é bom não abusar e ser mais regrado, mas – como digo – também não precisa ser neurótico.

      Quanto a ficar indetectável, cada caso é um caso mas com essa CV, provavelmente em menos de dois meses já ficará. Eu fui diagnosticado com mais de 10x mais e fiquei em 3 meses.

      Força aí, fique tranquilo.
      Abraços

    • Cara Positivo diz

      2091 copias em duas semanas ou menos eles ja estao todos mortos.
      Iniciei com 5000 copias, fiz meu CV um mes depois e estava zerado e CD4 ja havia subido, os remedios funcionam.

      Guarde eles bem, use seu porta pilula, se veio sem algoodao é pq pode ficar sem algodao, não beba muito, não fume, não use drogas, sexo so com camisinha e viva a vida 🙂

  31. Célia lima diz

    Sei que quando estamos indetectável, não passamos o vírus certo? Mais eu tenho um namorado 3 meses e ele não sabe que tenho vírus, não tenho coragem de falar pra ele, sempre transamos de camisinha, mas ele não ter mais usar ,se eu transar com ele sem.. posso ficar tranquila estou indetectável a 5 anos o que faço transo ou termino o namoro.

    • Luz diz

      Célia, acho que vc deve contar pra ele, mesmo porque em algum momento vai ter que abrir o jogo, e se contar depois, ele pode se sentir enganado, e isso pode te traser problemas maiores!!! Se gosta de vc de vdd vai te apoiar e ficar com vc independente disso…

      • SAR diz

        Olá Célia,

        Eu penso que você deve sondá-lo para saber o que ele pensa sobre o HIV. Já que ele está querendo tirar o preservativo. Sugiro que você toque no assunto, veja como funciona a cabeça dele em relação a isso. Não lhe aconselho ir se abrindo de primeira para poder ver qual a reação dele. É uma particularidade sua e dependendo de como funciona a cabeça dele, ele poderá sair da relação é ainda fazer comentários com outras pessoas sobre sua sorologia. Converse com ele, veja se ele é informado, se ele costuma transar sem camisinha, se tem receio (pavor) do HIV. Caso mostre ter uma boa cabeça cabe a você decidir. É importante relembrar que é fácil mostrar-lhe aberto, despido de preconceitos quando a situação não é conosco. Outra coisa, nós soro+ nos sentimos muito culpados por viver com HIV, mas quem nos garante que a outra parte não seja soro+, ou pior, sorointerrogativa? Pense no seu bem-estar.

        Abraço.

    • Cara Positivo diz

      Olá Celia,
      Logo após o resultado da minha sorologia conheci uma garota e na primeira noite iamos transar, eu não queria falar que tinha HIV e dai disse que estava com sífilis, ela disse que estaria tudo bem já que iriamos transar com camisinha. Mesmo assim não rolou pq eu nao quis, estava com algumas semanas de diagnostico e sem cabeça pra sexo.
      Depois de algum tempo, ela ja meio chateada comigo, expliquei para ela que na verdade eu era soro+ e ela reagiu da mesma forma: “tudo bem, vamos transar com camisinha”.

      Eu acho que voce deveria falar pra ele, levá-lo no infectologista e pedir os exames dele (pq ser sorointerrogativo é pior que soropositivo).

      Se ele gostar de voce mesmo ele não vai te deixar.

  32. PVS diz

    Célia, tudo bem?

    Conforme vc falou, sabemos que há estudos que nos mostram n transmitir o HIV nessas condições.

    Como vc pediu opinião, vou te dar a minha (olhando por fora. Até pq n conheço vcs nem a relação de vcs). 3 meses n seria muito pouco tempo p/ vc depositar tamanha confiança em uma pessoa? Vc gosta tanto assim dele? Como vc vê a relação de vcs no futuro?

    “O que faço transo ou termino o namoro?”, essa pergunta que vc fez é bem pessoal e só vc vai poder responder.

    Pelo que percebo vc n deposita muita confiança (pq vc n sente segura p/ contar sua sorologia +, e eu n te julgo por isso). Se vc n sente confiança pq vc iria “colocar” sua saúde nas mãos de outra pessoa, somente pq ela está te pressionando p/ n usar camisinha? Vc pode pegar outras dsts (herpes genital, tricomoniase, clamídia, hepatite C … mtas vezes ficam escondidinhas ali e “já era”), poderia ser outro baqui p/ vc, não?

    Se vc gosta do rapaz e acha que podem ter um futuro, pq vc não tenta conversar com ele (n estou dizendo p/ vc contar q é +, mas tentar convencê-lo a n tirar o preservativo). Pq n tentar falar que vc acha cedo p/ tirar e que se sente melhor fazendo com preservativo, por enquanto?

    Coloque-se à frente de tudo. Não coloque sua sorologia ou um relacionamento à frente das coisas. Primeiro deve vir sua felicidade e sua tranquilidade, o resto vai fluir normalmente se esses 2 pontos estiverem “ok”.

    Imagina se vc tira a camisinha e vcs terminam tendo um futuro e depois ele descobre ou vc conta, talvez n tenha uma boa reação e acabe se sentindo enganado (dependendo da cabeça da pessoa poderá te causar um grande mal estar).

    Estou aqui torcendo por vc, que vc seja feliz e faça uma escolha boa p/ vc! 😀

  33. Pepe Rafael diz

    Desde quando fui diagnosticado no final de 2015, imediatamente comecei o tratamento (não sofri nenhum efeito colateral ), quase todos os dias eu busco informações à respeito dos andamentos e progressos na luta contra o hiv. Acho que essa divulgação de que o indetectavel é intransmissivel já devia tá a todo vapor nos meios de comunicação, pra aos poucos ir acabando com o preconceito. Eu não culpo muito os leigos, culpo os que omitem as informações. Eu tô muito sossegado, me sinto muito bem, tô saudável e tô feliz. Um feliz ano novo a todos. Saúde e sucesso na vida.

  34. Luccas diz

    Descobri que estava infectado em Julho de 2016. Como todo mundo me desesperei. Mas tomando o 3×1 fiquei rapidamente indectetavel. Em novembro do ano passado fiz um exame de carga viral e para minha surpresa estava em 69. Em dezembro fiz outro e deu 51. Estou muito preocupado. Meu médico falou que é normal. Mais alguém passou por isso. Sera q vou voltar a ficar indectetavel?

  35. caio diz

    Boa noite!

    A um tempo deixei um comentário em nota sobre a descoberta da minha sorologia, atualmente já faço uso dos ARv´s entretanto diferente de muitos aqui os exames demonstraram coinfecção por HIV + Hepatite B cronica, com isso mesmo que chegue a indetectável quando se tratado do HIV minha situação não é das melhores principalmente no que se refere a qualidade de vida, com isso em apenas um mês e meio obtive a descoberta descoberta de duas doenças crônicas que não possuem cura quando conciliadas umas a outras além de suas derivadas complicações que resultam em complicações fatais , o pior de tudo isso é não poder explodir ou compartilhar isso é deteriorante e resultam sempre em pensamentos de certa forma trágico (mas amenizante ) que até nos da medo.

    Por isso mesmo que todos fiquem indetectáveis continuem se cuidando, evitem outras IST´s, ser indetectável é algo muito bom, porem melhor ainda e manter o que tanto lutam diariamente a sobrevivência e a qualidade de sua vida.

    Desculpe o desabafo desnecessário, pois acredito que não é finalidade da nota entretanto escapou muitas palavras desnecessariamente.

  36. SAR diz

    Olá Caio,

    Uma curiosidade. Como foi diagnosticado confecção por HIV? Foi por meio de exames? Se sim, qual exame? Se possível explique um pouco mais sobre isso.

    Abraço!

  37. SAR diz

    Ok Caio, acho que já entendi. Havia pensado que vc tinha sido infectado novamente pelo HIV (superinfecção), mas pesquisando um pouco, vi que fostes diagnosticado com HIV + HCV (coinfecção). Desejo que tudo fique bem pra vc. Procure manter a serenidade, mesmo que pareça impossível. Saia, vá ao cinema, alimente-se bem que, em breve, vc nos dará excelentes notícias sobre vc!

    Abraço!

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s