Notícias
Comentários 27

São Francisco atinge menor histórica de novos casos de HIV

São Francisco, na Califórnia, onde foram documentados os primeiros casos de HIV da história da epidemia, registrou 223 novos diagnósticos de HIV em 2016 — o menor índice jamais registrado na cidade. Enquanto isso, a cobertura de tratamento antirretroviral e as taxas de carga viral indetectável em quem estava sob tratamento batiam recorde. A notícia foi publicada por diversos veículos de imprensa nos Estados Unidos.

É isso o que a Dra. Susan Scheer, PhD, diretora da Seção de Epidemiologia do HIV no Departamento de Saúde Pública de São Francisco, e seus colegas averiguaram em sua análise dos dados epidêmicos da cidade. Os pesquisadores atribuíram o sucesso no controle da epidemia na cidade ao progresso de uma série de programas de prevenção e de tratamento de HIV, partes da campanha Getting to Zero San Francisco, iniciativa da qual diferentes organizações acadêmicas, comunitárias e de saúde pública fazem parte. O objetivo é zerar o número de novas infecções pelo HIV, zerar as mortes associadas ao HIV e zerar o estigma e discriminação contra quem vive com HIV em São Francisco.

A campanha foi lançada em 2010, quando incluiu a oferta de terapia antirretroviral independentemente da contagem de células CD4. Em 2011, aumentou a cobertura do teste de HIV e criou programas específicos para pacientes com HIV que haviam abandonado o tratamento. Em 2012, iniciou a oferta de tratamento no mesmo dia no diagnóstico. Em 2013, expandiu o acesso à profilaxia pré-exposição (PrEP) em grupos de alta prevalência.

A análise feita pelos pesquisadores mostra que o número total de novos diagnósticos de HIV diminuiu de 473 em 2009 para 329 em 2014. Os dados mais recentes divulgados pelo departamento de saúde da cidade revelaram ainda menos diagnósticos em 2016: apenas 223. De acordo com os pesquisadores, o declínio nos novos diagnósticos de HIV em São Francisco reflete uma tendência geral nos Estados Unidos. No entanto, a proporção de novos diagnósticos aumentou entre homens asiáticos, naturais das ilhas do Pacífico, latinos e entre homens que fazem sexo com homens. A ligação ao tratamento em 3 meses aumentou de 85,8% em 2009 para 91,8% em 2014, enquanto iniciação do tratamento no prazo de 1 ano após o diagnóstico aumentou de 63,2% para 90,7%, a supressão viral dentro de 1 ano do diagnóstico aumentou de 49,2% para 82,3% e a proporção de pacientes que desenvolveram aids em 3 meses diminuiu de 26,9% para 16,4%.

Anúncios

27 comentários

  1. Ney diz

    Excelente resultado. São ações conjugadas de prevenção e tratamento que podem ajudar bastante a diminuir os índices de infecção. Esperamos que isso também possa ocorrer no Brasil. Mas destaco que nós em tratamento podemos contribuir em muito. Conversando e trocando idéias para maiores ações de prevenção. Meu sonho é ninguém mais infectado. Estou fazendo a minha parte. Rumo a CURA galera

  2. Anônimo PI diz

    Acompanho direto todas as notícias do jovem soropositivo.
    Caio PE, qual o seu número?

  3. Lesly diz

    Pessoal, depois de praticamente beijar os pés do meu médico ele topou Trocar meu tratamento e me tirar do efavirenz! Infelizmente não vou para o degloutamir direto ainda por protocolo mas queria saber de vcs se esse esquema novo é um pouco melhor sendo ele composto pelo Tenofovir ( ainda ), emtricitabina e rilpivirina. Essa combinação é aquela que deixa os olhos amarelos ?

    • SAR diz

      Lesly,

      A combinação que pode provocar a bilirrubinemia é Atazanavir/ritonavir, Tenofovir + Lamivudina. Sendo que o antirretroviral responsável por esse efeito é o Atazanavir.

      • Sol diz

        Eu uso esse esquema há mais de um ano e nunca tive esse efeito de ficar “amarelada”. Acho muito tranquilo, a diferença é que tomo 3 comprimidos ao invés de 1, uma vez por dia. Sei que varia de pessoa pra pessoa, mas eu não tive nenhum efeito colateral com essa combinação.

          • Sol diz

            A que o SAR mencionou ali em cima: Atazanavir, Ritonavir e Tenofovir + Lamivudina

            • Gil diz

              Eu também tomo esta há 30 meses e nada sinto, sendo que o “branco dos olhos” amarelou uma vez ou outra, tipo umas 2 ou 3 vezes neste período, mas só quando fico com sede, quando tomo pouca água.Bebendo água e mantnedo bons hábitos, sem forçar o fígado com muita gordura e muita bebida alcoólica, fica vida normal.

        • Vsrj33 diz

          Tambem uso essa combinação tem 6 meses e nunca tive nenhum efeito colateral. Tenho 1 ano e 6 meses de tratamento e fiquei praticamente 1 ano no 3 x 1 e minha carga viral não ficou indetectavel. Fiz genotipagem e deu esse esquema que depois de três meses a notícia que eu tanto esperava. Estou indetectavel. Adoro esse esquema.

          • Rick diz

            Eu uso esse esquema há bastante tempo, raramente meus olhos ficaram amarelados.

  4. Sp+- diz

    Excelente, exemplo a ser seguido por outras cidades.

    Fiquei confuso com o final do último parágrafo. Tem como se desenvolver AIDS em 3 meses? Ou são 3 meses uma janela de tempo para pesquisa?

    Sorry

    • paraensepositivo diz

      SP+, acredito que possa ser três meses após ser diagnosticado com HIV. O que não quer dizer que, necessariamente, a pessoa tenha HIV há três meses, ela pode ter já há anos.

  5. paraensepositivo diz

    Enquanto isso em Belém os números, segundo informes da CASADIA, vem aumentando assustadoramente. A última vez que fui retirar medicação, ouvi de um funcionário – incomodado com a longa fila de espera que se forma por quem busca medicação – que eles vem cadastrando doze novos pacientes por semana, a maioria jovens e adolescentes, para iniciar tratamento. Fazendo uma continha rápida, se mantendo a regularidade desse número de casos, daria 576 casos por ano e só de quem procura tratamento na CASADIA em Belém, fora quem se trata em outros locais na RM de Belém. Quando iniciei meu tratamento em janeiro de 2015, me atribuíram o número 5738, hoje vejo que está beirando 8000, ultimamente, quando vou retirar medicação, venho notando uma grande quantidade de pessoas em busca de tratamento o que é positivo, quanto mais pessoas em tratamento, menos pessoas transmitindo, mas que alguma coisa precisa ser feita para frear o surgimento de novos casos, isso precisa.

    • Tiago diz

      Neste feriado de proclamação da República, dá dó ver as consequências deste país ser governado tanto tempo pelas mãos de piratas.

    • Sp+- diz

      Vamos ver com a adesão a PREP como vai ser…..

      Só acho que tem poucas “vagas”.
      Se falava de 3mil adesões pra 2018 ou algo assim é mto pouco 😦

    • Caio PE diz

      Os casos vêm aumentando em TODO o país. As pessoas, principalmente as mais jovens, não estão mais usando o preservativo. Na realidade, não estão nem aí mais! O que esperar de uma geração que idolatram Justin Bieber e Anitta ? Em Recife e região metropolitana, segundo a secretaria municipal de saúde, os casos estão aumentando vertiginosamente. E mais um detalhe: muitos vírus resistentes a vários esquemas de ARVs circulando, segundo os infectologistas do Correia Picanço (hospital de referência na cidade).

  6. Lecinho diz

    O Brasil precisa urgentemente procurar soluções para prevenir o HIV.Sabemos que os casos só aumentam, e que precisamos de um olhar mais objetivo do Ministério da Saude. Casos que vem sendo descobertos nesse periodo em sua maioria são de pessoas infectadas a anos passados,e isso tem q diminuir.Não vejo nenhum comercial preventivo sobre HIV/aids de impactante.Dia 01/12 já e o dedicado a luta contra o HIV/AIDS E não vemos nada. Lamentável!! Novembro azul,outubro rosa, e cade o mês para a prevenção desta doença???

    • Junior diz

      Lecinho, cuidado. “Comerciais da luta contra o vírus HIV e contra a AIDS” NÃO DEVEM ser impactantes. Eles DEVEM de ser educativos.

      Esqueça essa ideia arbitrária de que HIV se combate com medo. HIV se combate com CORAGEM e dissolução de todos os tabus. Com medo e tabu, todo mundo vai continuar tapando o sol com a peneira. A melhor medida contra o HIV é desconstruir o tabu e construir uma rede de ferramentas: acessibilidade ao teste caseiro (agora a luta é pro preço abaixar, né? pq 50 reais ninguém merece 1 teste 50 reais), diminuição do preconceito, inclusão de quem tem o vírus, implementação da PrEP no Brasil todo (e não só pra uma minoria de estados, sendo só pra 7 mil pessoas por mês) e o encorajamento de quem é portador do HIV, descobrir logo através do teste e aderir com urgência à TARV pra evitar infecções oportunistas e parar de transmitir o vírus.

      Esqueçamos o MEDO e o IMPACTO, ok? Somos (em tese) seres racionais, não somos ratos de laboratório. (Aqui vos fala um soronegativo super entusiasmado com o tema HIV, porque tenho responsabilidade com todos nós, portadores ou não).

  7. Cbb diz

    Meu Deus… Parece que a praga da falta de ARVs atingiu o meu país (Angola).
    Hj fui a consulta e na farmácia não havia ARVs pra atender às receitas e, sorte a minha, que ainda devo ter um frasco de 30 comprimidos de reserva.
    Por favor alguém me pode informar se há algum problema em eu tomar a medicação em dias intercalados pra poupar o pouco que me resta, pq não sei qdo essa situação vai ser ultrapassada.
    Pra mais informações eu uso o 3×1 composto por efavirenz 600mg, lamivudina 300mg e tenofavir 300mg e neste momento estou indetectável a quase um ano. Abraços

  8. infoprodutos2 diz

    Cbb eu tenho contato com uma ONG da Índia que ajuda soropositivos de todo o mundo (principalmente Russia e leste europeu) com Arvs. Você pode comprar Arvs indianos e eles enviam para o seu endereço na Angola, o 3×1 custa em média R$250,00 / mês e o Dolutegravir + 2×1 custa R$450,00 já com todas as taxas e frete. Você só precisa de uma receita médica e da sua identidade digitalizada para enviar por email para eles, e transferir o dinheiro para a conta deles via Wiretransfer, em 15 dias os medicamentos chegam. Eu comprei o dolutegravir, é seguro! Me envie um e-mail que passo pra vc o contato deles (em inglês).

    • Tiago diz

      Que bacana… Posso lhe pedir o seu e-mail/contato dessa ONG? O Luiz Carlos, que comenta aqui regularmente, também andava estudando alternativa por esses caminhos da Índia e respectivos custos. Pelo menos esse valor já é bem mais viável, se comparado às alternativas existentes.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s