Notícias
Comentários 162

Mais uma criança capaz de controlar o HIV

Uma criança sul-africana de nove anos de idade, que foi diagnosticada soropositiva já no primeiro mês de idade e que recebeu um tratamento anti-HIV ao longo de 40 semanas, mantém o vírus controlado sem a necessidade de antirretrovirais há oito anos e meio, de acordo com o que os cientistas relataram na 9th IAS Conference on HIV Science (IAS 2017), em Paris, e publicado no Aidsmap.

Esta criança sul-africana é agora o terceiro exemplo de uma criança que iniciou o tratamento do HIV logo após o nascimento, interrompeu o tratamento depois de meses ou anos e mostrou conseguir controlar a infecção pelo HIV por um período prolongado, sem a necessidade de medicamentos antirretrovirais.

A criança francesa continua a controlar o HIV, mesmo sem tratamento antirretroviral há onze anos. A Bebê do Mississippi controlou o HIV por 27 meses.

Os outros dois casos de crianças que atualmente estão controlando a infecção sem a necessidade de antirretrovirais são: uma criança francesa, diagnosticada aos três meses de idade e tratada por mais ou menos 5 ou 7 anos, e a “Bebê do Mississippi”, tal como ficou conhecida, que começou a receber tratamento 30 horas após o nascimento e nele permaneceu por 18 meses, antes de interrompê-lo. A criança francesa continua a controlar o HIV, mesmo sem tratamento antirretroviral há onze anos. A Bebê do Mississippi controlou o HIV por 27 meses, antes do reaparecimento do vírus.

A criança sul-africana apresentada na IAS 2017 foi tratada por um curto período após o nascimento, como participante do estudo CHER, que comparou duas estratégias de tratamento precoce para bebês com HIV na África austral. A criança foi diagnosticada no primeiro mês de idade e iniciou o tratamento aos dois meses de idade com Lopinavir, Ritonavir, Zidovudina (AZT) e Lamivudina por 40 semanas. Depois, interrompeu o tratamento no primeiro ano de idade. A criança tinha uma carga viral indetectável, abaixo de 20 cópias/ml, no momento da interrupção do tratamento.

Depois disso, a criança foi testada a cada três meses até seus quatro anos de idade, para verificar a sua contagem de células CD4. Análises das amostras de sangue armazenadas mostram que a criança manteve sua carga viral indetectável durante todo esse período. O teste feito aos 9 anos de idade mostram que o HIV ainda se mantém indetectável e que o número de células que contêm o DNA do HIV, o reservatório viral, não mudou desde a interrupção do tratamento.

A criança exibe uma resposta de célula CD4 específica para o HIV

A criança exibe uma resposta de célula CD4 específica para o HIV, indicando que seu sistema imunológico é capaz de montar uma resposta contra o vírus, enquanto não possui resposta de células CD8 contra o HIV. Isso pode significar que níveis muito baixos de vírus estão presentes, mas não podem ser detectados pelos métodos atualmente disponíveis. Nenhum vírus competente de replicação foi isolado usando dois métodos diferentes para cultivar vírus de células potencialmente infectadas.

“Nós acreditamos que podem haver outros fatores, além do tratamento inicial, que contribuíram para a remissão do HIV nesta criança”

Pesquisadores da África do Sul e dos Estados Unidos ainda estão tentando explicar como a criança é capaz de controlar o HIV. Eles são cautelosos em não descrever o caso como uma cura — em vez disso, dizem que a infecção pelo HIV na criança está em remissão, controlada por fatores que ainda precisam ser entendidos. “Nós acreditamos que podem haver outros fatores, além do tratamento inicial, que contribuíram para a remissão do HIV nesta criança”, disse a Dra. Caroline Tiemessen do laboratório do Centro de HIV e DSTs do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis, em Joanesburgo, o qual está estudando o sistema imunológico desta criança.

Um grande estudo chamado IMPAACT P1115 está testando a hipótese de que a terapia antirretroviral em recém-nascidos infectados pelo HIV iniciada dentro de 48 horas do nascimento pode permitir o controle a longo prazo da replicação do HIV, mesmo após o tratamento ser interrompido, possivelmente levando à remissão do HIV. O IMPAACT P1115 começou em 2014 e inscreveu 42 crianças infectadas pelo HIV. As primeiras crianças podem tornar-se elegíveis para o tratamento antirretroviral no final de 2017.


Referência: Violari A et al. Viral and host characteristics of a child with perinatal HIV-1 following a prolonged period after ART cessation in the CHER trial. 9th IAS Conference on HIV Science, Paris, 23-26 July, 2017, abstract TuPDB0106.
Anúncios

162 comentários

  1. Ney diz

    Resultado excelente esperemos mais pesquisas científicas em torno dessa criança. E que realmente o vírus esteja nesse processo de remissão. São pequenos passos mais fundamental para cura funcional

    • carlos diz

      Essa conferência acontece de quanto em quanto tempo? Alguém sabe me informar?

  2. life4ever diz

    ola pessoal,

    Venho aqui para pedir a opinião de vocês a respeito do 3×1 do laboratório Macleods (embalagem com detalhes verde) que estão dispensando na farmácia do cta de minha cidade e acredito que em muitos outros pelo país?? pesquisando obtive poucas informações a respeito desta companhia. Comecei meu tratamento a 6 meses com o 3×1 do laboratório Mylan (embalagem com detalhes cinza e azul) que venho tomando sem muitos problemas ou efeitos colaterais. Eu sei que o principio ativo do medicamento é o mesmo, mas acredito que alguns de vocês compartilhem de experiências – de medicamentos em geral não só em relação a antivirais – nas quais eventualmente o mesmo medicamento de diferentes laboratórios se diferem em termo de qualidade, eficiência e também na causa de efeitos colaterais indesejáveis… inclusive li aqui no blog em alguns post antigos pessoas que notaram uma melhora nos efeitos colaterais entre o 3×1 “amarelo” – não sei de qual o laboratório – e o 3×1 “branco” da Mylan o qual venho tomando ate então. Gostaria de saber se alguém mais já fez ou esta fazendo uso da pílula da Macleods e se pode compartilhar a experiência?

    Obrigado.

  3. Garoto diz

    Pessoal, alguém com o uso do AZT notou mudança no cheiro da pele? Comecei a tomar e tenho notado um cheiro forte, ruim, que nunca tive. Com alguém mais aconteceu isso?

    • Sven diz

      sim, isso aconteceu comigo, cheiro da pele e cor tambem. Mudei o remedio.

  4. Sorocaba diz

    Bom galera hj foi minha vez de pegar apenas 1 pote para 30 dias de 3×1. Antes eu pegava 3 e a moça disse que eh porque os estoques estão baixos. Uma droga isso pra quem mora em outra cidade. O pior foi ouvir do medico que isso é culpa da crise e da gente que se contaminou muito, pois muita gente aprontamos neh?! Fiquei abismado enquanto
    Quando um profissional velho e de renome disse isso. Então eh assim não é culpa de um vírus super especializado e equipado em infectar as pessoas…. eh nossa? Somos 37 milhoes de culpados?! Enquanto tivermos pessoas especializadas da area de pesquisas em infectologia dizendo isso dificilmente vao se interessar em realmente achar uma cura. Isso é um problema de todos nós.

    • Mai diz

      Sim, a culpa é de vcs! De quem seria? O vírus entrou em você sozinho? Ah, me poupe!

      • Cezar diz

        Quando vc tiver um câncer, a culpa eh sua, afinal foi vc quem o criou. Não seja idiota. Os médicos resolvam logo esta merda e criem a cura ao invés de dizer quem é culpado pelo que.

        • Tiago diz

          Cezar, ao longo do pouco tempo que acompanho o blog, a Mai só apareceu para repetir a mesma coisa, o mesmo apontar de dedos, em total desconsideração e desrespeito ao sofrimento de quem aqui chega em busca de algum alívio de seus medos e angústias e sobre quem ela sabe NADA.

          Julgando pela autoridade com que fala, deve ser o exemplo perfeito de cuidado pessoal com a saúde; alguém que nunca come alimentos processados, tudo orgânico e natural sem agrotóxicos, nada de carne alimentada com antibióticos, nada de açúcar refinado… E ainda vive bem longe da cidade, dos fumos e poluição. Só bebe água mineral diretamente da fonte, depois de encomendar o próprio laudo. Só come uma refeição depois desta passar por análises laboratoriais, que comprovam sua segurança. Ela é o exemplo perfeito de cuidado pessoal, portanto nunca será responsável por nada de ruim que lhe aconteça.

          Desista Cezar, está desafiando a mulher-maravilha, poderosa, invulnerável e imortal. Ou super-homem, sei lá… Enfim… Simplesmente desista.

        • Tiago diz

          Bem a propósito, estou vendo um filme que começa com a seguinte frase:
          “A glória da Vitória ilumina as falhas dos derrotados. Ensina ao mundo sobre os defeitos deles, mas deixa na escuridão os seus próprios erros.”
          #ficaadica

      • Caro(a) leitor(a),

        O seu comentário é lamentável e audacioso!!!
        CUIDADO COM Q VC FALA, POIS AKI SE FALA E AKI SE PAGA!!!!!

        MUITA LUZ PRA VC !!!!!…pois é o que vc ta precisando.

    • Kiss diz

      Absurdo esse comentário infeliz que esse “médico” fez! Pergunto quem nunca correu riscos? Muita gente decide levar realmente uma vida promíscua e tem a sorte de nunca se contaminar com nada…Mas outras, fazem tudo conforme manda o figurino e num momento de vacilo acontece isso! Já basta termos que conviver com o estigma, o preconceito, efeitos colaterais e ainda ter que suportar um comentários desses é de lascar!!! Julgar é a coisa mais simples do mundo….Falta alteridade nesses profissionais da área da saúde,pois a maioria só pensa em dinheiro! Esquece a ética, o que estudou, esquece qual seu papel para melhorar a vida do outro…Infelizmente falta muito para essa humanidade melhorar! Mas não podemos perder a fé e desistir da vida….
      Vamos lutar pela vida e nossos direitos! Ninguém tem autonomia para julgar….

    • Gil diz

      Na verdade, pouco importa de quem é a culpa, se é que há culpa, exceto aqueles que fazem a transmissão conscientemente, para prejudicar ao outro. Ninguém quer esse vírus dentro de si, mas os humanos são instáveis e imprevisíveis frente ao desejo e a razão nessas horas perde feio para o instinto. Não somos culpados, mas muitos responsáveis por suas mazelas. E isso não faz a menor diferença também. O que importa é tomar a medicação e ser otimista que alguma empresa conseguirá a cura EM BREVE!

  5. Bruno Macedo diz

    Nao sei vocês, mas todos os dias passo pela doce tentação de parar o tratamento para ver se meu organismo se segura sozinho. Claro que não farei e nem imagino que alguém em sã consciência o faria.
    E vocês, têm estes pensamentos?

  6. LEandro diz

    eu penso tb Bruno, nao se culpe kkkkkk… e olhe que nao sinto nada com o remedio… apenas pra ver o que acontece com a bagaça kkkkkkk
    parece que depois do indetectavel nao vai subir mais né…
    ja estou a 3 anos indetectavel

  7. Ney diz

    Eu não penso em para o tratamento. Sei que se eu fizer isso irei contaminar pessoas e eu não quero que elas passem o que eu estou passando. Meu pensamento é o vírus vai morrer comigo. De mim ele não passa. Realmente está faltando remédio mas não devemos nos calar e sim denuncia no ministério público federal. Fiz isso e deu resultado imediato logo chegou o remédio. Enfim boa sorte para nós. Valeu

    • Caio PE diz

      É a maneira mais sensata: faltou medicação, denunciar ao MPF e à imprensa.

  8. Cbb diz

    Luiz Carlos por favor me elucide.
    Alguém que está com a CV indetectável pode ter o seu exame de hiv negativo e se pode ser dador de sangue a alguém compatível com o seu?

    • Pranchana diz

      Cara, que loucura. Coloca a cabeça pra pensar! Mesmo a pessoa com carga viral indetectável, o teste de triagem, que é de luminescência, sempre vai dar reagente, pois uma vez o organismo em contato com a infecção e produção de anticorpos, sempre acusará reagente!! Mesmo com a vinda da cura funcional, você sempre terá IgG para o HIV! É claro que nos bancos de sangue acusará que você tem o vírus, pois eles fazem lá o PCR qualitativo além dos testes que buscam anticorpos e proteínas do envelope viral. Qual é esse fetiche seu em doar sangue?? Colocar pessoas em risco? Saia dessa loucura e aceite a sua condição. Não, você não pode doar sangue, pois mesmo indefectível, você ainda tem menos de 20 cópias de vírus por mm3 de sangue e isso já é suficiente para infectar outra pessoa. O indetectável não transmite por outros fluidos, pois existem barreiras corporais, mas se você colocar seu sangue diretamente na corrente sanguínea de um soronegativo, vai infectá-lo. Mais uma vez: esqueça esse fetiche de querer parecer soronegativo, aceite a sua condição de não mais poder doar sangue.

      • Cbb diz

        Jamais pensei em fazer isso. A minha dúvida surgiu em função de uma discussão que tive com alguém que disse “é impossível alguém infectado e mesmo parecendo saudável” estar saudável até ao ponto de gerar vida ou ajudar alguém que dificuldades em saúde. E como exemplo citou a doação de sangue.

        • Tiago diz

          Cbb, você fez o certo, surgiu uma dúvida e perguntou.

          “Indetectável” não significa “sem vírus” no sangue, apenas significa que não é possível detectar o vírus com os atuais exames, cujo alcance hoje é de 20 cópias/mm3. Isto significa que qualquer quantidade de vírus existente no sangue abaixo de 20 cópias/mm3 é “indetectável”. No passado, esse limiar já foi mais alto, mas os exames têm vindo a evoluir também.

          Como a Pranchana esclareceu, estando com vírus indetectável o risco de transmissão por outros fluidos é nula – ou quase nula -, visto existirem diversas e suficientes defesas no corpo para impedir e eliminar um pequeno grupo de insurgentes maltrapilhos, antes deste chegar à corrente sanguínea e conquistar as CD4 para se replicar. Já eu, hoje com +27.000/mm3, não sou um porta-aviões do inimigo, mas trago comigo um considerável bando de FDP… Perdoe o francês…

          Em qualquer dos casos, jogar 1 cópia que seja na corrente sanguínea de um soronegativo, equivale a abrir todas as portas ao vírus e ainda lhe estender o vermelho tapete de sangue onde vivem as CD4. Se com 1 cópia/mm3 apenas o vírus conseguiria se replicar suficientemente até conquistar os seus primeiros reservatórios, onde se escondem, não faço ideia… Mas não arriscaria.

          Sua explicação, no entanto, coloca a questão original de uma forma bem particular; É possível um soropositivo estar suficientemente saudável para gerar vida e ajudar alguém em necessidade, doando sangue até?

          Sobre ser possível estar suficientemente saudável para gerar vida, respondo com um artigo:
          http://agenciaaids.com.br/home/noticias/volta_item/22588

          E quanto a estar suficientemente saudável para ajudar alguém em necessidade, doando sangue até, vou falar apenas por mim…

          Se eu estivesse me esvaindo em sangue e não existisse por perto um banco com um tipo de sangue compatível ou um doador soronegativo compatível, aceitaria de bom grado o sangue de um indetectável, sabendo o que sei hoje. Obviamente é um exemplo extraordinário, mas – como se diz – toda a regra tem exceção.

          Experimente colocar a questão ao seu amigo dessa forma (se ele estivesse se esvaindo em sangue e só tivesse a si como doador por perto…), talvez ele repense…

          Abraços

          • Luiz Carlos diz

            Acho que o pessoal já respondeu super bem a sua pergunta Cbb 🙂

            Os testes de HIV procuram pelos antígenos (proteínas que desencadeiam a geração de anticorpos) do vírus HIV, ou seja, a “marcação” de que seu corpo já tentou se defender do vírus. Esta marcação permanece pelo resto da vida. Mesmo com a cura nós iremos continuar apresentando os anticorpos específicos do HIV.

            O mesmo vale para outros vírus como, por exemplo, Hepatite B e Febre Amarela. Recebo muitas perguntas de pessoas assustadas com resultado de Hepatite B reagente, mas a grande maioria foi vacinada quando criança, por isto apresentam resultado reagente para o anticorpo de Hepatite B.

            O mesmo acontece para o vírus amarílico (Febre Amarela). As pessoas se esquecem que se vacinaram, e quando testam positivo para o anticorpo acham que estão com a doença.

            Resumindo: é impossível testar negativo e impossível doar sangue depois de um resultado confirmatório de HIV positivo.

            Abraços!

            • AMar.Ctba diz

              Olá pessoal! Interessante a discussão sobre a doação de sangue…
              E se num caso extremo, poderia haver a possibilidade de um negativo receber sangue de um positivo fazendo uso da PrEP ou fazer a PEP posteriormente?
              Os medicamentos “matariam” os vírus circulantes antes de formar reservatórios…
              Grande abraço!

            • Cbb diz

              Obrigado pela ajuda. E como dizem vcs brasileiros “vc é show de bola cara”

            • Cara legal diz

              Luiz Carlos. Ajude-me por favor! Estou a sete meses fazendo uso do 3×1 os exames que fiz antes de iniciar a TARV deram como resultado: CV – 44.000 e CD4 – 244. Agora após esse período o CD4 deu 234 é a porcentagem 21% o resultado da CV ainda não saiu, estou preocupado tem será que o medicamento não fez efeito, vou aguardar o resultado da CV para me certificar e marcar o infecto, mas se tiver alguma informação me passa por favor. Abraço.

              • Luiz Carlos diz

                Cara legal,

                O CD4 varia ao longo do dia e dos dias por diversos outros motivos, desde processos infecciosos simples, como uma gripe ou resfriado, até pelo horário do dia.

                O número absoluto não representa muita coisa, é normal ocorrer esta variação. O importante é a CV estar reduzindo e a porcentagem de CD4 aumentando, porém também não significa que ela vá aumentar constantemente. Flutuações sempre ocorrem.

                Você precisa aguardar o resultado do exame de CV e consultar seu infecto normalmente. Não há nada de alarmante a princípio, ok?

                Em mais de dois anos de TARV meu CD4 começou em 650, já desceu para 410, subiu para 720 e volta e meia fica em 550. Não há nada de errado nisso, tudo varia, conforme expliquei, de acordo com as variações do nosso próprio organismo. A indicação de boa adesão ao tratamento é a redução da CV.

                Abraços!

                • Cara legal diz

                  Luiz Carlos,

                  Muito obrigado pelas informações, meu exame de CV saiu e estou indetectável graças a Deus. Já marquei o infecto e verificarei essa questão com ele. Forte abraço. Deus abençoe!

        • Gil diz

          GERAR VIDA PODE. Estando indetectável, vai fecundar a mulher sem o vírus.

    • Kiss diz

      Desconheço essa possibilidade!!Não podemos mais ser doadores, mesmo com CV indetectável!

  9. telma diz

    Excitante que identifiquemos a criança, pois poderia fornecer respostas para o futuro.
    Mark Cotton, Stellenbosch University
    Muito poucas pessoas podem controlar o HIV sem ARVs. Esses chamados “controladores de elite” geralmente possuem fatores genéticos que predispõem seus sistemas imunitários a criar respostas invulgarmente fortes contra o HIV, sem tratamento. Os ARV também fazem o trabalho muito bem, mas o problema é que o HIV pode se integrar e ficar dormentado em células de memória imune de longa vida, pronto para se recuperar quando a terapia pára. Para eliminar o vírus – uma cura completa – os pesquisadores tentaram encolher esses reservatórios, até agora com pouco progresso.

    Mas tratar as pessoas pouco depois de serem infectadas pode reduzir o tamanho do reservatório inicial, tornando mais fácil drenar. E mesmo que não seja possível esvaziá-lo, a quantidade de vírus novo emergindo de um reservatório menor pode ser tão baixa que o sistema imunológico pode conter sem drogas.

    Asier Sáez-Cirión, um imunologista viral no Instituto Pasteur em Paris, acompanha um grupo de 23 pacientes na França que iniciaram o tratamento pouco depois de serem infectados e cujo vírus permaneceu indetectável em testes padrão por uma média de 7 anos. (Eles foram tratados por 3 anos em média, mas decidiram parar por várias razões.) Uma pessoa do grupo, denominada coorte VISCONTI , passou sem tratamento por quase 17 anos. Nenhum dos pacientes teve uma assinatura genética associada a controladores de elite.

    Muitos pesquisadores prestaram atenção aos dados VISCONTI quando foram relatados pela primeira vez em 2013 porque era uma série de relatos de casos, não um estudo controlado. “VISCONTI colocou a bandeira e disse que havia algo acontecendo, e muitas pessoas achavam que era um lixo e não importa”, diz o pesquisador clínico John Frater, da Universidade de Oxford, no Reino Unido. “Mas não foi um lixo”.

    Apesar de Frater e colegas de trabalho não estarem buscando induzir remissão de longo prazo, eles realizaram seu próprio estudo controlado, denominado SPARTAC, de quase 200 pessoas que começaram o tratamento precocemente. O tratamento foi interrompido em um grupo de participantes após 12 semanas e em outro após 48 semanas. Um ano depois, o vírus era indetectável em 14% das pessoas que tinham o tratamento de 48 semanas e em 4% daqueles que receberam o menor. O estudo, publicado em 2013 , convenceu Frater de que o tratamento precoce pode levar a uma supressão de longo prazo em pelo menos algumas pessoas. (Ele não seguiu os pacientes desde então, e não está claro como eles estão fazendo agora.)

    Mas limitar o reservatório tratando precocemente não conduzirá, por si só, a remissão viral sustentada, como ressalta outro estudo apresentado na reunião. Timothy Henrich, da Universidade da Califórnia, em San Francisco (UCSF), descreveu um paciente que iniciou ARV estimado em 10 dias após se infectar. Ele permaneceu em tratamento por 34 meses e teve “quase uma perda completa” de HIV: os pesquisadores não conseguiram detectar o vírus “apesar da amostragem maciça” de seu sangue, medula óssea, líquido espinhal, linfonodos, íleo e reto. O HIV ressurgiu, no entanto, quando injetaram seu sangue em um mouse “humanizado”, embora a equipe não tenha conseguido confirmar que o vírus era real e não contaminante. Um modelo matemático sugere que o paciente só tinha 200 células infectadas em seu corpo. Ele decidiu parar o tratamento e o vírus se recuperou 7,4 meses depois.

    O Steven Deeks, da UCSF, que colabora com Henrich, diz que ele acha que a chave para a remissão sustentada pode ser um equilíbrio complicado entre o uso de drogas precocemente para manter o reservatório pequeno e permitir que o sistema imunológico veja HIV suficiente para desenvolver uma resposta de memória robusta quando o vírus volta. “Se você começar muito cedo, como fizemos com o paciente, você tem apenas algumas centenas de células infectadas, mas o sistema imunológico não teve chance de gerar uma resposta protetora”, diz Deeks. “Se você começar muito tarde, você tem um enorme reservatório, mas um sistema imunológico imobilizado”. Ele sugere que a criança sul-africana e os pacientes VISCONTI podem ter o equilíbrio certo.

    Anthony Fauci, chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas em Bethesda, Maryland, descreveu um estudo que perguntou se uma vacina contra o HIV poderia aumentar o sistema imunológico em pessoas infectadas em ARVs cujo vírus era indetectável, na esperança de ajudá-los a alcançar o longo prazo, Remissão do termo quando eles pararam as drogas. Um grupo de 15 recebeu a vacina, enquanto o segundo recebeu um placebo. A estratégia não funcionou: o vírus rapidamente se recuperou na maioria de todos dentro de algumas semanas. Mas um punhado de pessoas ficou em remissão por mais de um ano – alguns deles no grupo de placebo. O resultado enfatiza a importância dos ensaios controlados, Fauci diz: “Se tivéssemos acabado de dar uma vacina sem o controle, teríamos dito:” Uau, olhe o que fizemos “.

    Frater tem um de vários estudos novos e controlados no quadro de desenho que planejam parar ARVs em pessoas que iniciaram o tratamento cedo e, em seguida, intensamente estudá-los para ver por que alguns têm remissão de longo prazo. “O que na Terra está dirigindo isso?”, Pergunta Frater. “Se pensarmos que há uma agenda de cura, será muito difícil avançar a menos que entendamos esse mecanismo”.

  10. telma diz

    ESSE ULTIMO RESULTADO DE ESTUDO ANTHONY FAUCI ESTA BEM CLARO PRA MIM QUE VIVO COM O VIRUS A MAIS DE 28 ANOS , A MENTE DA PESSOA COMANDA O SISTEMA IMUNOLOGICO A PONTO DE COMBATER QUALQUER PATOGÊNO ARVS MATAM O VIRUS NA CORRENTE SANGUINEA MAIS A SUA MENTE COMADA A RESPOSTA IMUNNOLOGICA , CRIANÇAS NAO SABEM A REAL SITUAÇAO DE TER HIV POR ISSO NAO SE DEPRIMEM E GERALMENTE SE CURAM MAIS RAPIDO DE CANCER E HIV .

    • Olá Telma,

      Parabéns pelo seu glorioso comentário, pois, não só acredito, como vivi isso na minha vida q o pensamento positivo atua como alta defesa no organismo eliminando vários ataques desse inimigo, q entra com força total te deprimindo e levando sua alto estima pro fundo do poço.
      Claro q os antirretrovirais são importantíssimos!!!!…mas o seu pensamento positivo ajuda e muuuuuuuuuuito.

      Com carinho,
      Rick*+

  11. G+21 diz

    Acredito na cura funcional mas a estetelizante bem pouco mas se acontecesse não me surpreenderia. A cura funcional ou um tratamento de longa duração seria uma maravilha pra nós soro positivos. Sei que um bom candidato pra cura funcional é uma molécula da Abivax, esse é o único que conheco e que está avançado nas pesquisas já em fase IIb

  12. G+21 diz

    Na próxima consulta irei perguntar a minha médica o que ela acha sobre a cura funcional e se está tão perto mesmo. Vi que em 2015 um dos descobridores do hiv falou que ela é uma realidade entre 5-10 anos. E outro infectolgista muito famoso aqui no Brasil, Ricardo Vasconcelos falou o mesmo. E falou que a cura estetelizante jamais existirá. Quanta a essa última afirmação espero que ele esteja enganado. Mas a cura funcional seria um grande alívio até a espera da cura total

  13. Esb diz

    Sou casado a 9 anos descobri a dois meses ser soropositivo e minha esposa nao, sempre fizemos sexo sem camisinha, como isso é possível? Ela nunca fez sexo anal.

    • Luz diz

      É Esb tbm não entendo como isso é possível! vejo relatos de casais casados ha anos sem saber que é soro+ e não contamina o outro, é bem extranho!!! Vc faz idéia do tempo de sua infecção?

    • Kiss diz

      Nossa…Esse HIV e seus mistérios! Vejo que a ciência tem muito a pesquisar ainda! Parabéns! Meu médico contou uma experiência parecida, acompanha um casal que um tem há 10 anos o outro nunca se cuidou e tbem nunca pegou….Muito bom isso….Mas seria bom saber os motivos!!! Parabéns ao casal, espero que permaneça assim!!!

    • Luiz Carlos diz

      Conforme comentei no post anterior:

      Esb, o risco de transmissão em sexo pênis-vaginal receptivo é de cerca de 0,08%, ou 8 transmissões a cada 10.000 exposições ao vírus. Isto significa em teoria que você teria que ter 1.250 relações com sua esposa sem camisinha enquanto portador do HIV para ter chance de em uma delas ocorrer a transmissão.

      Abraços

  14. PARANAENSE + diz

    Boa Noite Pessoal,Preciso de uma ajuda, por acaso alguém em tratamento já passou pela experiência (ou conheça alguém que tenha passado) de fazer um intercâmbio nos EUA, por um ano ou até um ano e meio e como foi o procedimento do tratamento, liberação de medicamento, ou envio destes medicamentos para fora do país, ou o início de um tratamento lá durante este período? Eu me informei com a moça aqui da farmácia da minha cidade ela disse que dependendo do estoque pode conseguir a liberação de até 06 frascos do 3×1 nessa situação. Supondo que eu consiga viajar com estes 6 medicamentos eu acho que não conseguiria outros 6 mesmo que enviados de 3 em 3 ou menos durante o restante do tratamento enquanto eu estivesse lá ne? Se neste caso eu realmente teria que voltar ao Brasil simplesmente para fazer os exames de acompanhamento e conseguir outra receita. Se alguém tiver experiência neste assunto por favor entre em contato aqui para me dar um direcionamento, pois preciso decidir se tento realizar ou simplesmente desisto desse sonho profissional por conta desse maldito vírus. Obrigado.

    • Luiz Carlos diz

      Paranaense (inclusive eu sou do PR também pra quem não sabe 🙂 ) vou postar aqui uma cópia de um comentário antigo meu que irá lhe ajudar (com algumas alterações para se adaptar ao seu caso):

      Minhas sugestões (e, inclusive, o que eu fiz quando fui estudar no exterior) são as seguintes:

      1) Construa um estoque do seu ARV atual. Você pode retirar seus ARVs sempre 5 dias antes de fechar 30 dias (algumas farmácias permitem até 7 dias antes). Faça retiradas mensais retirando sempre 5 dias antes que, até setembro, você terá pelo menos 15 dias extras de ARV, se você já não tem um estoque.

      2) Consulte com seu infecto antes da viagem, fale sobre o intercâmbio – aqui o importante é ter uma relação boa com o infecto, bem como estar consultando com um bom profissional – e solicite que ele deixe o formulário de dispensa para o tempo que você irá ficar fora, se possível alguns formulários reserva também. Peça também que ele faça uma receita branca em Inglês listando os ARVs que você utiliza, informando que a medicação é para uso pessoal. Não é necessário listar o motivo da utilização dos medicamentos (e.g. não é necessário listar que os medicamentos são para tratamento do HIV ou listar o CID 10).

      3) Contate uma pessoa de confiança que possa retirar os ARVs para você. Dependendo da cidade, alguém do próprio grupo do Kik pode lhe ajudar. Se for uma pessoa soronegativa, peça que ela lhe acompanhe até a farmácia e mostre como você pega os medicamentos, indique a ela quando retirar, lembre-a da importância deste tratamento para você, etc. É importante deixar avisado na farmácia que esta pessoa irá fazer a retirada dos ARVs para você enquanto você estiver fora.

      4) Deixe um documento de identificação (e.g. segunda via da CNH ou do RG – não pode ser xerox) com a pessoa que fará a retirada dos ARVs. Deixe também os formulários de dispensa e a receita branca do seu médico (procure deixar pelo menos umas 20 cópias da receita branca – você já irá entender o porquê).

      5) Escolha um serviço de correios confiável (como a UPS ou DHL) para que a pessoa no Brasil envie as medicações para você.

      Aqui entra uma dica: se a pessoa retirar os medicamentos para, por exemplo, 3 meses, é importante que ela envie cada um dos meses em remessas separadas (e espaçadas por pelo menos alguns dias, já que normalmente estas empresas agrupam remessas em voos mais espaçados para regiões mais distantes). Desta forma, caso uma das remessas se perca, você perde a medicação para um mês, não para três, e pode compensá-la com seu estoque feito anteriormente.

      IMPORTANTE: Cada remessa deve conter os medicamentos e a cópia da receita branca em inglês.

      O custo do envio não costuma ser tão barato, cerca de USD 80 para os EUA, mas é muito mais barato do que comprar os ARVs nos EUA, além de que o esquema utilizado lá não é o mesmo do Brasil (a maioria dos ARVs comerciais utiliza o abacavir no lugar do tenofovir).

      Outras considerações:
      – Algumas regiões tem farmácias mais rígidas, portanto é importante consultar como funciona a retirada dos medicamentos por terceiros, documentos necessários, etc.

      – Fique atento também à data do exame de CV, já que algumas farmácias não liberam o medicamento caso a data no campo do formulário exceda 6 meses. Converse com seu infecto e discuta como vocês podem resolver esta situação.

      – Como já mencionei, a relação com o infecto é fundamental, bem como ter um bom infecto, que possa lhe auxiliar neste processo.

      Caso você encontre algum seguro que cubra as medicações e prefira retirá-las lá, mesmo que o custo seja mais elevado, vá em frente, só certifique-se de que seu infecto está sabendo, justamente pela troca da medicação. Alguns testes, como a genotipagem do alelo HLA-B*5701 para verificar a hipersensibilidade ao abacavir podem ser feitos aqui mesmo no Brasil, já eliminando possíveis problemas futuros.

      Este é um guia meio generalizado mas foi o caminho que eu segui. Caso alguém queira adicionar informações e dicas, fiquem à vontade 🙂

      Abraços!

      • Paranaense+ diz

        Luís Muito Obrigado pelo ” Norte ” você realmente é muito importante pra todos nós.. rs Eu estava muito inseguro, mas esse serviço de correios como a Ups, chega diretamente em algum recinto para que eu possa fazer a retirada la ou preciso ter o endereço de alguém para que a medicação chegue em uma residência por exemplo? ( ps: não quero que chegue isso no local que vou ficar rs.) de qualquer forma a ideia de fazer esse estoque é uma boa e a moça da farmácia aqui é bem atenciosa e ate disse que dependendo da quantidade de estoque consiga liberar até 6 frascos pra eu levar. Ja é meio caminho andado rs. Muito obrigado pelas informações, so falta a pessoa de confiança agora rs

        • Luiz Carlos diz

          Paranaense, normalmente não, serviços como a UPS fazem entregas pessoalmente. Você pode solicitar o serviço com necessidade de assinatura, assim só você poderá receber, e, claro, o pacote vai embalado, não vejo motivos para não receber onde você irá ficar, mas aí realmente é uma decisão sua.

          Desculpe mas em qual local do PR você está? Até hoje estou para encontrar uma farmacêutica atenciosa em Curitiba. Abraços!

          • Paranaense+ diz

            Estou no interior do Estado Luís. Bem pequena a cidade. Um pouco distante de curitiba.

  15. Rômulo diz

    To de olho na vacina que é a cada 8 semanas… seria excelente !

  16. dejaine diz

    Minha filha pegou de mim no nacimento e hj eu estou na luta com ela que só tem 50 dia de vida.
    cientistas que Deus Venha abençoa suas mentes para sair a cura.pq a descriminalização e grande nesta palavra hiv

  17. Ney diz

    Que você e sua filha melhorem. E que os cientistas possam descobri a CURA. Enquanto há vida há esperança.

  18. Olá a todos, sou biologo, e acredito q a cura ja exista,contudo há o velho caso dos interesses empresárias,o q tinhamos q fazer era sensibilizar os laboratórios farmacêuticos a elaborar medicaçoes mais eficazes , mais baratas e com menos efeito colaterais

  19. Ja existe cura, mas ha o interesse econômico, precisamos pelo menos sensibilizar os laboratórios a elaborar medicamentos mais eficazes

  20. Manrj30 diz

    Sem querer desviar do foco do post, já desciando! Alguém tem notícias da pro140 da cytodyn? Estava para entrar no mercado agora em julho . Mas não vejo noticias sobre o andamento em lugar algum? Aconteceu o que muitos já esperavam? Era apenas mais uma empresa criando buzz para ateair investidores? Não foi aprovada? Agradeço.

  21. Felipe diz

    Luiz Carlos, Por um acaso sabes o custo anual de tratamento nos EUA utilizando-se o esquema aquivalente ao 3×1 adotado pelo Brasil?
    Abcs

    • Paranaense+ diz

      Felipe vi uma tabela de preços de vários medicamentos e varia de 400Dólares à 3000.( MUITO CARO) o mais parecido com o 3×1 parece que era na média de 2000U$ Isso o valor mensal, daí vc multplica por 12 meses rs

    • Luiz Carlos diz

      Normalmente “no seco”, sem suporte algum, o preço nos EUA chega a USD 3000/mês para o 3×1 (com abacavir no lugar do tenofovir). Alguns seguros dão auxílio neste sentido (mas, como é uma pré-condição que tem que ser declarada, o preço do seguro chega próximo ao preço do medicamento).

      Existem também algumas ONGs que importam a TARV e vendem à preço de custo.

      Abraços

  22. Rodrigo29 diz

    Felipe tu podrs importar o 3×1 da India, laboratório Mylan (o mesmo que o governo compra) por 140 reais por mês. Tô pesquisando e vou importar o dolutegravir + 2×1, não dá pra depender dessa bosta de governo.

    • Verdes Olhos diz

      Oi, Rodrigo29. Como é o procedimento para importar nossos medicamentos? Também tenho interesse nisso.

      Grande abraço!

    • Rodrigo, tudo bem? Gostaria de mais informação sobre como vc está tratando a importação de medicamentos. Tenho muito interesse, pois moro fora do Brasil. Como podemos nos falar? Abraço

      • Luiz Carlos diz

        Recomendo cautela apenas com estes sites, principalmente os indianos. Os laboratórios não vendem as TARVs diretamente para usuários finais, apenas para farmácia, e existem muitos Scams, sites falsos , farmácias falsas (como as que listam no IndiaMART) que pedem pagamento adiantado por transferência bancária. Fiquem atentos.

        Na Índia qualquer pessoa pode abrir uma conta com o nome de uma farmácia ou qualquer razão social, independente de comprovação de vínculo.

        Abraços

        • Tiago diz

          Também fiquei com essa impressão, dos laboratórios não venderem direto. Isso realmente complica, pois nos obriga a buscar e filtrar fornecedores credíveis entre falsos, fora que pelo que outros estão dizendo, os valores são bem mais altos do que o Rodrigo mencionou.

          Seria bom ter uma alternativa emergencial em caso de problemas de distribuição, mas os valores mencionados são impraticáveis.

          • Luiz Carlos diz

            Eu já estou em contato com dois laboratórios há algum tempo, tanto o Mylan quanto o Hetero, pois quero averiguar se as farmácias com as quais tenho contato na Índia são fornecidas por eles, mas estes laboratórios são muito fechados em prover informações, sempre esbarro também na questão da língua, é difícil se comunicar com alguém que realmente fale Inglês.

            Quando solicito as documentações das farmácias na Índia muitos somem, é difícil encontrar algo confiável, mas estou na busca (para poder indicar pra todos aqui) – até porque além de tudo existe a questão da falsificação de medicamentos, que é algo muito sério para quem toma TARV.

            P.s.: estou tentando fazer isto sem mencionar meu trabalho, para ver como o processo flui normalmente.

  23. Positivo Azul diz

    Olá pessoal, tudo bem com vocês?
    Gostaria de saber se alguém aqui importa o 3×1, como é o procedimento e qual o valor atual dele de mercado.

  24. Manrj30 diz

    Até onde eu consegui ver o valor da medicação é altíssimo! Cerca de USD2000, impraticável!

  25. Mana diz

    A CURA mesmo acho que em 40 anos a partir de agora. As farmacêuticas estão enfraquecendo com o lobby do HIV, muito pouco ainda muito tímido mas esta acontecendo ( coisa que a um ano atrás era impossível imaginar ) a 2 anos só tinham especulaçaos de Cura e agora muitas evidências e caminhos a grande questão é por exemplo, no caso da vacina de 8 semanas ( que comecou a ser estudada a 5 anos atras ) demorou muito a coleta de aportes para a pesquisa andar rápido, é assim que funciona, as farmacêuticas tiram os investimentos dessas novas plataformas. A EBIVAX ficou um bom tempo para conseguir aporte para testagem na fase II e foi chamada até de mentirosa e hj está aí ! A 30 anos tínhamos que tomar 19 comprimidos do tamanhanho de uma barata como coquetel e hj só está em 1, infelizmente é isso!

  26. Pessoal assunto sério: se algum de vocês não conseguir pegar a medicação e tiver que parar o tratamento em razão disso, não podemos ficar calados! Hoje tem MUITOS canais e porta vozes que nos ajudarão se esse problema persistir. Liguem no MPF e denunciem! Não se calem! Entrem em contato com a Unaids e qualquer outra ONG de peso e peçam ajuda. Temos vários Youtubers tbm que são muito porta-vozes das pessoas que vivem com HIV. Não deixem que o tratamento de vocês sejam prejudicados por problemas de gestão ou Logistica. O Brasil se orgulha muito perante ao mundo de ter um tratamento pra o HIV universal e sempre busca alinhar-se às políticas de saúde pública mais modernas. Uma bomba como essa cair na mídia diminuirá ainda mais a popularidade do atual Governo. Ficarmos silenciados não ajudará a solucionar o problema e os maiores prejudicados seremos todos nós. Agora é a hora de nos unirmos. Canais nós temos para ganharmos força de expressão! Não se calem e ajudem quem precisar. Juntos somos muito fortes!!!!

    • Ney diz

      Exatamente amigo juntos somos mais fortes desunidos seremos facilmente destruídos. Faltou medicamentos aqui na minha cidade então denunciei no ministério público federal e deu certo em três dias a medicação chegou. Abraços a todos e não percamos a esperança de CURA afinal desde que nascemos lutamos pela vida. Bjs

        • Rodrigo29 diz

          Fiz a denúncia no MPF pela internet r não obtive retorno, então fui pessoalmente no Ministério Público Federal em Uruguaiana- RS, e eles me orientaram a procurar um advogado e entrar com uma liminar emergencial contra o estado para conseguir os medicamentos, falaram que é mais rápido do que eles entrarem contra a União. Estou sem o medicamento 3×1.

          • Tiago diz

            Nossa, que situação Rodrigo… 😦 Força e sorte aí.

            Para piorar ainda temos que engolir notícias recentes apontando dedos apenas aos pacientes pela alta de resistência do HIV aos ARVs, por descuido e interrupções no tratamento… Pelo que percebi, não é o primeiro ano que acontece… Duvido que estejam contando o número de pessoas que interromperam o tratamento por falta de estoque…

            Eu falei para a minha médica hoje sobre o tema e ela falou que o problema não chegou a SP (bom, o racionamento está acontecendo). Ainda assim, ela sugeriu entrar em contato e passar a denúncia a ONGs relacionadas. Não substitui os meios oficiais, mas pode ser um caminho paralelo.

      • Muito bom querido!!! Fico muito feliz! Acreditou-se fato que temos que proteger nossa identidade até a página 2. No momento que isso pode prejudicar nossa vida temos que gritar, sair às ruas, faremos o maior barulho possível. É O NOSSO DIREITO E NINGUÉM VAI VIOLA-LO! Vamos lutar sempre que for preciso. Conte comigo!!!!

  27. Felipe diz

    Obrigado pelas respostas meus queridos. Esses precos sao proibitivos.
    Realmente nao podemos ficar calados. Semana que vem irei pegar a minha medicacao e aproveitar para sondar a situacao para eventual denuncia junto ao MPF.
    Eu fico imaginando a situacao dos venezuelanos com aquele caos todo. Deus nos ajude a superar mais esse obstaculo para, pelo menos, conseguirmos viver com um pouco mais de “tranquilidade”.
    Nao precisamos ir longe para perceber o quanto esse problema de falta de medicacao pode atormentar a nossa vida. Aqui em Brasilia esta uma confusao para o pessoal conserguir medicamentos de alto custo.

  28. Esb diz

    Graças a Deus minha esposa não pegou hiv de mim nesses 9 anos que estamos juntos, não sei há quanto tempo peguei esse vírus.
    Estamos fazendo tratamento para fertilização in vitro, hoje eu coletei os espermas para análise da carga viral Deles, já estou com carga viral indetectável mais o médico quer analisa os espermatozóides se estão também com carga viral zerada, e se não estiver eles farão uma lavagem. Vou informando vocês sobre meu processo de fertilização, no qual sou soro+ e minha esposa não. Lembrando que descobri em maio 2017 com carga viral 8.500 e em 25 dias já fiquei indetectável graças a Deus.

  29. Rodrigo29 diz

    Fiz a denúncia no MPF pela internet r não obtive retorno, então fui pessoalmente no Ministério Público Federal em Uruguaiana- RS, e eles me orientaram a procurar um advogado e entrar com uma liminar emergencial contra o estado para conseguir os medicamentos, falaram que é mais rápido do que eles entrarem contra a União. Estou sem o medicamento 3×1.

    • Ser+H diz

      Quem te orientou no MPF deste modo? O estagiário? Um técnico ou analista de carreira? Certamente não foi o Procurador da República. É dever do MPF fiscalizar o cumprimento das leis. E é lei a obrigatoriedade do Estado prover o suprimento de medicamentos aos soropositivos. A falta atinge a todos. É direito difuso que está sendo lesado e portanto requer a atuação do MPF. Existe pra isso oras.

  30. Lua diz

    Bom dia ESB. Feliz por vcs estarem olhando para o futuro e cheios de planos. Quando leio seu depoimento menos entendo sobre esse vírus. O que será que acontece? Uns se infectam outros não, intessante. Luiz Carlos, o que vê nisso? 9 anos no contato direto. ESB, de notícias sempre. Torcendo muito por vcs. Bjs

    • Luiz Carlos diz

      Lua,

      Como já comentei acima, apenas estatística. Considerando que houve sexo pênis-vaginal receptivo com ejaculação, o risco de contaminação fica entre 0,07% e 0,08%. ou entre 7 e 8 infecções a cada 10 mil exposições.

      Considerando também que o casal está junto há 9 anos, faz sexo 3 vezes por semana (média nacional), que todas as relações tiveram ejaculação e todas foram desprotegidas (estou utilizando dados bem otimistas), eles tiveram um total de 1.404 relações, ou seja, em aproximadamente dois casos a parceira “escapou” de se infectar. Sorte? Azar? Tudo depende.

      Muitas pessoas escutam isto e falam “nossa, que azarado(a) que eu sou, transei uma vez com fulano e já me infectei”. Não é bem assim. Temos que lembrar que hoje somos quase 210 milhões de brasileiros. Vamos fazer umas continhas bem brutas, faltando centenas de variáveis de controle, mas que nos ajuda a ter uma base.

      Considerando uma população sexualmente ativa entre 15 e 54 anos (aqui já temos a primeira variação, alguns estudos utilizam a população sexualmente ativa como entre 15 e 44 anos, outros como 15 e 64 anos, e por aí vai), utilizando dados de 2010, temos que 51,6% da população é sexualmente ativa (IBGE, 2010).

      Em 2010 éramos 196,8 milhões de brasileiros (World Bank, 2010), ou seja, éramos 101,5 milhões de pessoas sexualmente ativas.

      Considerando a média nacional (mais precisa) de 2,9 relações por semana (ProSex, 2016), temos 294,3 milhões de relações sexuais por semana. 47% das pessoas não utilizam preservativo (dados mais próximos que encontrei de 2010, MS, 2008), o que totaliza 138,3 milhões de relações por semana (aqui também entram outras variáveis de controle, como levar em conta que a média nacional foi medida por pessoa, mas para haver transmissão a relação sexual requer, obviamente, pelo menos duas pessoas, e nem todas as pessoas têm parceiros sexuais distintos, ou seja, seria necessário fazer mais uma ponderação com dados sobre o número de parceiros sexuais, avaliando pessoas que possuem mais ou menos parceiros sexuais e adicionando tudo isto como variáveis de controle).

      Considerando os dados da UNAIDS em 2015, tínhamos 827 mil PVHIV, das quais apenas 455 mil estão tratamento (teria que aplicar aqui um fator de correção também para remover a população que não é sexualmente ativa dentro do grupo de PVHIV, mas não tenho estes dados). Consideraremos então que as pessoas sem tratamento são possíveis transmissores, ou seja, 372 mil, ou 0,36% da população.

      Se ponderarmos todos os grupos de risco e suas taxas de transmissão, chegaremos a números próximos de 0,15%, ou 15 infecções em 10 mil relações.

      Voltando ao raciocínio básico: 138,3 milhões de relações sexuais por semana, 0,36% da população é um possível transmissor e em 0,15% das relações temos o risco de infecção, chegamos a um número aproximado de 747 infecções/semana. Como o ano possui 52 semanas, temos, no Brasil, aproximadamente 38,8 mil novas infecções.

      Também em dados da UNAIDS, 2015, estima-se que tenham ocorrido 44 mil (com margem de erro entre 32 mil e 59 mil) novas infecções pelo HIV. Nossa continha está dentro da margem de erro, e não estamos levando em conta outros grupos de risco e fatores, como usuários de drogas, transmissão vertical, etc.

      Só queria deixar bem claro aqui que esta é apenas a pontinha da pontinha do iceberg. Estou usando dados de anos diferentes, tentando ponderá-los, e faltam centenas de outros dados que podem ser incorporados para aprimorar estes estudos, como crescimento populacional, evolução do acesso à TARV, outros grupos de risco, normalização dos dados, estamos utilizando algumas inferências, falta aplicar variância em alguns dados, enfim, jamais considerem isto para qualquer tipo de estudo, é apenas para mostrar como a mecânica da estatística funciona.

      Espero que eu não tenha me alongado demais, ou feito alguns dormirem no meio do caminho 😛

      Abraços!

      • Tiago diz

        Eu sou um dos que sente ter tido algum “azar”… Certamente não me encaixo nas estatísticas de sexo 3x por semana nos últimos 2 anos, quando acredito ter sido infectado… Lembra-me o ditado… Pior que roubar é ter a fama sem o proveito…

        Uma das variáveis agravantes que eu li recentemente e que pode explicar parte do meu “azar” (do ponto de vista estatístico), aliada ao pertencer a um grupo de risco, é uma baixa imunidade pré-existente no momento de contato com o vírus. Os meus últimos 2 anos foram um período em que me esforcei demasiado no trabalho. Não consegui tirar férias, virei bastantes noites e fds trabalhando, nem sempre me alimentei tão bem… Isso certamente detonou com a minha imunidade e provavelmente facilitou a infecção.

    • Ney diz

      Discordo desta orientação pois cabe ao ministério público federal zela pelo direito difuso e da vida. Cabe ao ministério público federal entra com ação diante do ministério da saúde Para garantia da medicação. O ministério público é o fiscal da lei e a lei neste caso está sendo descumprida. O próprio ministério público federal pode entra em contato com o CTA e pedi explicação do porque da falta de remédios. Se você não tem dinheiro para advogado então como ficará sua situação? Lamentável a atitude deste ministério público o daqui do Pará comprou a briga e rapidamente chegou a medicação. Boa sorte.

  31. Tiago diz

    Pessoal, hoje tive a segunda consulta e peguei o 3×1 (DTG). A minha médica falou para me dirigir a um SAE mais próximo de casa para pegar a medicação.

    Não sei qual a experiência de outros, mas fui informado que não poderia pegar lá, visto ter sido atendido pelo particular. Orientaram-me para pegar no Hospital Emílio Ribas. Lá disseram-me que não deveriam ter negado no SAE… Enfim… No Emílio Ribas recebi tratamento para 30 dias, embora tivesse receita para 60, ou seja, o racionamento continua.

    Dúvida: a minha médica falou que poderia tomar o 3×1 de manhã, pois o DTG não causa tantos efeitos colaterais como o Efavirenz, mas ainda assim fiquei me perguntando se tomar de noite não será melhor, visto poder causar dores de cabeça e náuseas. Alguém aqui que esteja no DTG pode dizer se sentiu esses colaterais, quanto tempo após após a tomada e durante quanto tempo?

    Abraços

    • Ney diz

      Oi Tiago eu estou usando o dolutegravir é senti efeito colateral só no primeiro dia foi dor de cabeça e insônia. Mas depois sumiu totalmente. Eu tomo a noite antes de dormir. Meu sono é tranquilo afora algumas preocupações mas nada haver com o remédio. Boa sorte amigo

    • Luiz Carlos diz

      Tiago, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. O 3×1 não é o DTG, ok?

      Quando falamos de 3×1 estamos falando do Efavirenz + Tenofovir + Lamivudina, pois ele vem combinado em apenas um comprimido (por isso 3×1, 3 ARVs em um comprimido). Nos referimos como 3×1 pois é a única combinação em apenas um comprimido.

      O DTG, que é a TARV que você recebeu, é sempre referido como DTG (que já fica implícito o uso do DTG + 2×1), pois é um comprimido de DTG e outro de Tenofovir + Lamivudina (2 ARVs em um comprimido, por isso 2×1).

      A primeira dispensa é sempre para 30 dias, nunca dispensam mais do que isto na primeira vez. O próprio sistema não permite. Isto serve para avaliar a sua adesão ao tratamento, efeitos colaterais, etc.

      Sua receita pode ser para dispensa de até 180 dias, mas a primeira dispensa sempre será de 30 dias, e as próximas serão de acordo com a disponibilidade da farmácia.

      Abraços

      • Tiago diz

        Obrigado pelos esclarecimentos Luiz, realmente saí da consulta com a impressão que já pegaria para os dois meses. Até perguntei para a minha médica se eu já pegaria para dois meses, quando vi que ela receitou para esse período, mas realmente faz todo o sentido, já que a próxima consulta será daqui a um mês precisamente para avaliar o tratamento.

        Já a confusão do 3×1 é minha mesmo. rs
        Não sei porquê, estava com a ideia que era referência à terapia combinada de 3 ARVs, uma vez ao dia, (provável criação do subconsciente)…

        Valeu.

      • Jonas diz

        Oi Luiz Carlos, preciso de uma ajuda sua. Um endocrinologista me receitou o medicamento Orlistate, 80mg, (o Xenical), porém, li alguma coisa que ele diminuir os efeitos da medicação anti HIV (eu tomo o 3×1). Qual a sua opinião? Estou acima do peso e com colesterol alterado, além dos triglicerideos. Ajude-me. Devo tomar ou não?

        • Luiz Carlos diz

          Jonas, pode existir alguma interação por conta dos efeitos gastrointestinais do Orlistate, mas eu não posso lhe dar esta recomendação. Você precisa solicitar a orientação do seu infectologista. Ele saberá lhe dizer se você pode tomar ou não, ou espaçar uma medicação da outra.

          Abraços!

  32. Rodrigo29 diz

    Consegui pegar o remédio hoje!! 😁😁😁 3×1 do laboratório Macloads

    • Tiago diz

      Boa notícia Rodrigo!… Agora é seguir as instruções do Luiz e fazer estoque rs

    • Tiago diz

      2 meses sem tratamento, que sufoco…
      Sinceramente assusta iniciar um tratamento assim, vendo o abastecimento pelo público falhar, sem alternativa privada economicamente viável e sabendo os riscos de rebote e aumento de resistência aos ARVs pela interrupção.
      Não deixarei de iniciar, claro, mas que assusta, lá isso assusta.
      Venha logo a injeção mensal p.f.

  33. Esb diz

    Tiago eu comecei o tratamento em junho e em 25 dias fiquei identectavel, aqui em Belo Horizonte eles dão remédio a cada 30 dias e somente 01 vez por ano posso pegar para 02 meses ( no caso de ferias ou viagem) sobre efeitos colaterais tive muito pesadelo, gases e dor de cabeça, depois de 01 semana tudo passa., tomo medicamento todo dia às 23h pois tenho memória muito falha para tomar pela manhã. Meu maior medo era emagrecer mais pelo contrário eu estou engordando kkkk e olha que faço academia, mais estou com uma barriguinha que não sai de jeito nenhum 😦

    O que importa é a saúde, parece que os medicamentos anteriores a esse que estamos usando que começaram a ser distribuído nesse ano causam mais efeitos colaterais.

    Bom tratamento rapidinho vc ficara indetectável e siga sua vida normalmente.

    • Tiago diz

      Oi Esb… Obrigado… Mmm… Então, eu ainda estou num dilema quanto a horários… rs Inicialmente havia pensado em tomar antes de deitar, para tentar dormir sobre quaisquer efeitos e evitá-los durante o horário de trabalho… E também porque se quiser dormir um pouco mais num fds, não tenho que acordar só pela medicação. Só que depois pensei “mas também preciso de sono tranquilo, de qualidade, senão sofro dos efeitos colaterais da falta de sono no dia seguinte”… rs

      Mas já entendi que, à partida, os efeitos são mais comuns no início do tratamento e nem é todo o mundo que os sente, então parece-me que é decidir e eventualmente segurar a onda um pouco até passar o período inicial de adaptação… Qualquer coisa, mudo o horário.

      As dores de cabeça que sentiu foram muito fortes e persistentes ou passavam algum tempo depois de tomar? Semana passada passei vários dias com dores de cabeça intensas e persistentes por conta de um exame de Liquor e ainda estou um pouco traumatizado rs

  34. Esb diz

    Luiz Carlos vc esta de parabéns pela boa vontade em responder a todos, há muitas dúvidas e esse blog me ajuda muito a entender várias coisas que em outros sites não são esclarecedoras, muito pelo contrário me assusta.
    Você é portador também? É infectologista? Seu conhecimento sobre qualquer dúvida que surge aqui é algo grandioso, ainda mais do ponto de vista biológico. Parabéns mesmo.
    Esse blog foi criado por você?

    Juntos todos nós podemos nos unir e nos ajudar.

    Abracos

    • Luiz Carlos diz

      Obrigado Esb, fico feliz em poder ajudar.

      Sou portador sim. Não sou médico, sou cientista e pesquisador na área de imunologia. Não sou dono do blog, este blog me ajudou muito quando descobri minha sorologia e pertence ao nosso querido JS. Hoje apenas tento retribuir a quem me ajudou.

      Abraços!

      • Tiago diz

        Luiz, assino por baixo dos agradecimentos e parabéns, tanto a si como ao JS e a todos que aqui compartilham suas experiências e conhecimento.

        Faz toda a diferença ter um lugar, ainda que digital, com pessoas disponíveis a compartilhar o que vivenciaram, vivenciam e sabem e que nos mostram a vida além do dia D.

        Não é pouca contribuição não. E se assim parece a quem o faz, é apenas um belo exemplo de como pequenas atitudes fazem grandes diferenças. Eu pelo menos não consigo por em palavras o valor de ver muitos medos e dúvidas rapidamente dissipados.

        E viva a internet…

  35. Matheus diz

    Parabéns Luiz Carlos,vc tem sido de grande ajuda a todos nós,obrigado.

  36. ESB diz

    Tiago as dores de cabeça não eram fortes, eu tomava um remédio e passava.
    Luiz parabéns pela ajuda a todos nós, você nos tranquiliza bastante.

    abraços

  37. Tiago diz

    Valeu Esb… Bom, pelo menos o Dia 1 foi sem colaterais até ao momento…

    • Guilherme diz

      Tiago, fica tranquilo, essa terparia estou usando desde abril/2017, bastante tranquilo!!!.. Acredito eu, que agora, a preocupação que paira é a dispensação dos medicamentos, ta ficando tenso… Também sou de SP. Abraços

      • Tiago diz

        Legal Guilherme, ontem tomei de noite e até agora não senti absolutamente nada. Se tive sonhos muito loucos, não lembro… rs
        Já essa situação da dispensação, realmente tá tenso… Torcendo para sair logo o tratamento de longa duração, quem sabe alivia de vez o problema.

    • Tiago diz

      Este caminho está parecendo promissor!
      A combinação das duas terapias foi uma ideia genial.

  38. Lukas diz

    Como é difícil encontrar infectologista qualificado no mercado. Grande parte desses médicos possuem muito conhecimento teórico e uma péssima formação humana. Eu passava com uma excelente médica (acertei de primeira), mas meu plano de saúde mudou, precisei deixá-la e agora só encontro lixo. A nova porcaria que me atendeu mudou meu esquema do 3×1 para Atazanavir, Ritonavir, Tenofovir+lavimudina. Alguém já usou esse esquema? A ictericia aparece em todos os casos? Em dois dias fui em, dois infectos diferentes, a de ontem abandonei no meio da consulta porque era uma lixo de ser humano, grosseira com a secretaria e com os pacientes e o de hoje vê o HIV como uma punição moral. Sinto muito pelas pessoas que não tem a oportunidade de trocar de médico, porque a maioria deles são uns trastes.

    • Caio PE diz

      Esse esquema novo (TDF, 3TC, ATZ/r) é muito melhor que o 3×1. A icterícia pode aparecer (não em todos, depende do organismo de cada um). A ingestão de muita água ao longo do dia pode resolver (ou amenizar) o problema. Sempre gostei dessa combinação.

  39. Rômulo diz

    Uma dúvida para o Luiz Carlos:

    CV de + de 1 milhão e após 4 meses de DTG, posso estar indetectável ?

    Ainda não consegui fazer o exame… se bobear só daqui 2 meses que vou conseguir…

    • Luiz Carlos diz

      Impossível dizer Rômulo, tudo varia de organismo para organismo, de como seu corpo reage à medicação e da sua aderência ao tratamento. Os Inibidores de Integrase como o DTG costumam ter taxas de queda maiores, mas só o exame de CV para lhe responder.

      Abraços

  40. Positivo Azul diz

    Pessoal moro em Uberlandia MG hoje fui buscar meu medicamento 3×1 e não tinha no estoque só tinha o pote do Tenovir+Lamivudina mais não tinha o Evavirenz , recebi para 10 dias somente.

    • GompMais diz

      Onde vc pega em Uberlândia?! Não moro em Uberlândia, mas tb busco aí, o esquema com atazanavir… Informaram-lhe previsão de regularizar o fornecimento?!

      • Positivo Azul diz

        Olá, pego no ambulatório Herbert de Sousa sobre o esquema que você usa não sei como está, mas a farmaceutica simplesmente me disse que não tem previsão para voltar a normalidade. O que mais me intriga e me causa angústia é isso ninguém se pronuncia em nada e não estão nem aí porque eles não estão nesta condição. Esse tal problema de logística que o Ministério da Saúde se justifica vem desde o começo do ano e já estamos no mês de agosto e está só piorando já abrange quase o país inteiro. Já fiz denúncia no MP e nada.

        • GompMais diz

          Busco no ambulatório tb, lá sempre entregaram p 30 dias somente. A falta de caráter e vergonha desse governo safado tá colocando a gente numa situação de risco, impraticável…

  41. Felipe diz

    Lukas, o meu infecto é de São Paulo e moro em Brasília. Eu não mudei de plano devido a esse meu médico que é muito bom. Além de pagar um plano de saúde caro – o dobro do oferecido pelo meu emprego atual – tenho que ir a SP a cada 3 meses para as consultas e pegar medicação, pois não posso pegar a dispensa aqui onde moro com receita de outro estado. Ademais, aqui em Brasília o sistema de saúde está um caos.
    Agora como esse caos da distribuição está se espalhando pelo país talvez tenha que mudar de plano, de médico, de local para pegar a dispensa…
    PS: que o CTA em SP não saiba disso. rssssss

  42. Luquinha diz

    Hoje busquei meu chocalho , na farmácia do Rio tudo normal , fica a dica 5 dias antes de completar 30 dias o sistema já libera , com isso eu já tenho uma boa quantidade , para se acontecer algum imprevisto dar tempo de agir ,mais em um futuro próximo estaremos livres disso e ao envelhecermos voltaremos a tomar remédio diário para a velhice , a única diferença e que devido ao preconceito , acaba mexendo com nosso psicológico , mais as drogas que em breve estaremos longe delas não da quase nenhuma efeitos e o tempo de vida e praticamente igual , de Agosto há Agosto teremos muito boas noticias .Sobre ontem não sei se meu voto seria sim ou não , só espero que a falta de medicação se normalize , curioso foi o numero de parlamentares que não compareceram devido falecimento de familiares , foi muito grande , a macumba comeu souto só pode .

  43. SP+- diz

    Luiz Carlos e quem puder me ajudar urgente.

    Meu companheiro é soro+ há 3 anos e indetectável há 3, está no esquema 3×1 sem colaterais.

    Apesar de pedir cd4 e cd8 pra infecto do SUS, a mesma somente pede CV, TGO, TGP, CREATININA a cada 6 meses, segundo ela se segue indetectavel não tem necessidade de ver a CD4/CD8 ainda em vista que nem gripe ele costuma ter.

    Há 4 meses ele teve uma crise de Herpes Simples no tronco apenas 1 foco de aproximadamente 2cm que foi tratado com aciclovir tópico e logo passou. Tinha sido a primeira crise da vida a infecto disse que podia estar relacionado ao sol ou stress.

    Acontece que hj começou na região genital e ele está desesperado. A infecto do posto atende somente de terças e quintas e estamos numa cidade afastada, o que complica um pouco por não ter outro lugar além do posto.

    Queria saber se alguém já passou por isso e se ele pode tomar e aplicar o aciclovir novamente.

    Está bem no começo e não queria que ficasse pior pq mexe demais com o psicológico.

    E qq outra recomendação pra essa situação urgente.

    Obrigado e desculpem perguntar aqui mas realmente não sei a quem recorrer…

  44. JuniorGYM diz

    Oi,gostaria de saber se alguém aqui pode me tirar uma dúvida quanto ao uso de termogênicos.Se há alguma contraindicação?Treino bastante e faço uso de whey e tá tudo bacana e sou portador desde 2013.

  45. Luiz Carlos diz

    SP+-,

    Em primeiro lugar, fique tranquilo. Quase 70% do mundo é infectado pelo vírus da herpes simples HSV-1 (que afeta a região bucal), já o HSV-2 (que afeta a região genital) é portado por cerca de 6% a 7% da população mundial.

    Eu não sou médico portanto não posso lhe receitar medicamentos, mas posso lhe dizer que o Aciclovir é a opção mais utilizada. Na região genital a recomendação é que se utilize o creme.

    Abraços!

  46. SP+- diz

    Luiz Carlos,
    Obrigado.

    Na verdade fico aflito com o desespero dele, inclusive está desesperado querendo me explicar, o que não precisa pq tenho noção que o vírus pode ter sido contraído em qualquer momento e não algo recente nem mesmo após me conhecer.

    Estando indetectavel e com CD4/CD8 supostamente em ordem ainda torna o soro+ mais suscetível as crises de herpes pelo simples fato de ser soro+?

    Eu não entendi isso direito ainda….

    • Luiz Carlos diz

      Qualquer indivíduo que porte o vírus da herpes está sujeito a ter crises, seja labial (HSV-1) ou genital (HSV-2). Qualquer fator que colabore com a redução da imunidade como estresse, cansaço, outras infecções, exposição ao sol, etc, podem causar uma crise que gera as lesões.

      Como soropositivos têm o sistema imune um pouco mais debilitado, a combinação com outros fatores facilita o aparecimento das lesões. O “supostamente em ordem” depende muito dos níveis de CD4/Linfócitos totais e da relação CD4/CD8. Se estiverem dentro dos valores de referência, as lesões causadas pela herpes nada mais são que a manifestação normal do vírus causada pelos diversos fatores de risco que eu expus acima.

      Abraços!

  47. pedro diz

    Fui pegar remédio hoje no Butantã, em São Paulo. 3X1 me informaram que o estoque está no fim. Sem previsão de reabastecimento. Não estão fazendo cd4, nem carga viral. Não sabem o que farão quando acabar. O Temer vai ter que tirar dinheiro de algum lugar para pagar sua permanência no cargo… já escolheu um dos gastos, nossa vida.

  48. Esta situação de falha de distribuição de ARVs é alarmante!

    É importante que TODOS aqueles a quem a medicação seja negada denunciem sem falta a situação pelos canais apropriados e não apenas aqui. Gostaria de pedir ao JS, talvez, que entendo ter ligações com a imprensa, mas a quem tiver sugestões, que listem aqui contatos que podem ser usados para esse fim. Acho que seria legal desenharmos um modelo simples e passo-a-passo de denúncia, que inclua não apenas os canais oficiais (MS, etc), mas também a imprensa e as principais ONGs relacionadas, para que a pressão seja externa e o assunto ganhe visibilidade.

    Vou buscar outros, mas encontrei já contatos da UNAIDS Brasil:
    imprensa@unaids.org
    bragag@unaids.org (Georgiana Braga-Orillard, Diretora da UNAIDS Brasil)

    JS, apenas como sugestão, eventualmente e quando as tivermos, seria legal colocar no menu lateral do site um link sempre visível para essas instruções, já que parece que o problema é persistente e se repete de tempos a tempos.

    ‘Bora se mexer, não dá para ficar quieto nem reclamando ao vento.

    Abraços!

  49. Vida diz

    Bom dia!!
    Meus queridos nenhuma notícia sobre o reabastecimento dos remédios?
    Estava lendo as notícias sobre a falta do medicamento e todos negam essa falta.
    Estou muito preocupada. O que vamos fazer sem medicação.?
    Alguém sabe como podemos importar?
    Além de ser uma doença de estremo preconceito não podemos nem mesmo ter acesso ao medicamento . Dependemos do governo que pelo jeito não está nem um pico pro upa do com nossa situação. Não vi nenhuma reportagem no jornal nacional . E acredito que essa situação já tomou conta do país.
    Muito preocupada!!

    • Tiago diz

      Bom dia Vida

      Fiz um comentário acima sobre isso também, mas ficou aguardando moderação, vou repetir aqui pois vejo o tema com bastante preocupação e urgência:

      Esta situação de falha de distribuição de ARVs é alarmante!

      É importante que TODOS aqueles a quem a medicação seja negada denunciem sem falta a situação pelos canais apropriados e não apenas aqui. Gostaria de pedir ao JS, talvez, que entendo ter ligações com a imprensa, mas a quem tiver sugestões, que listem aqui contatos que podem ser usados para esse fim. Acho que seria legal desenharmos um modelo simples e passo-a-passo de denúncia, que inclua não apenas os canais oficiais (MS, etc), mas também a imprensa e as principais ONGs relacionadas, para que a pressão seja externa e o assunto ganhe visibilidade.

      Vou buscar outros, mas encontrei já contatos da UNAIDS Brasil:
      imprensa@unaids.org
      bragag@unaids.org (Georgiana Braga-Orillard, Diretora da UNAIDS Brasil)

      JS, apenas como sugestão, eventualmente e quando as tivermos, seria legal colocar no menu lateral do site um link sempre visível para essas instruções, já que parece que o problema é persistente e se repete de tempos a tempos.

      ‘Bora se mexer, não dá para ficar quieto nem reclamando ao vento.

      Abraços!

  50. telma diz

    O US FDA concluiu a inspeção de pré-licença (PLI) da WuXi Biologics cGMP Manufacturing Facilities for Production of TMB-355 (ibalizumab)
    2017-08-02

    A TaiMed Biologics (4147.TWO) e seu parceiro WuXi Biologics (2269.HK) anunciaram hoje que a US Food and Drug Administration (US FDA) completou a Inspeção Pré-Licença (PLI) das instalações de fabricação WuXi Biologics cGMP para produção de TMB -355 (ibalizumab) sem achados críticos. A inspecção de 5 dias do inspector de 5 inspetores abrangeu instalações de fabricação de fármacos e fármacos cGMP na cidade de Wuxi, na China. WuXi Biologics deverá completar todas as ações de acompanhamento, que não devem afetar a linha de tempo de revisão BLA de Ibalizumab. IBALIZUMAB candidato a droga é distinto de outros inibidores de entrada na medida em que se liga ao domínio 2 da molécula CD4. BIIL GATTES E MELINDA FINANCIAM UMA FORMULA INJETAVEL DE IBALIZUMAB

  51. Gusta diz

    A mae de uma amiga minha começou tratamento recente ja com a medicação nova… Alguem do ES q poderia doar alguns comprimidos? Ela esqueceu q pegar e vai passar o fds todo sem o remedio… respondam

    • Luiz Carlos diz

      Estava no ES até semana passada, infelizmente não tenho como ajudar. Ela não tem contato com ninguém? Mesmo que tenha que tomar outra medicação, como o 3×1, é importante que ela tome, pois ficar sem medicação durante o final de semana inteiro no início de tratamento implica em muitas chances de falha terapêutica, e queimar um esquema como o DTG no primeiro mês é pesado…

      Podes tentar algum SAE/CTA em Vitória/Vila Velha ou o Hospital Evangélico em Vila Velha e solicitar uma consulta de urgência com um infecto. Muitos deles tem algumas sobras de medicamentos para casos assim mas, me desculpe a sinceridade, é uma enorme falta de responsabilidade não se programar para retirar os medicamentos, ainda mais no ES onde as farmácias são super tranquilas e funcionam em horários ótimos.

      Você pode tentar entrar em contato com algum dos lugares abaixo para tentar conseguir alguma medicação também:

      Fórum das ONG/Aids do Estado do Espírito Santo
      Rua Nilton Ribeiro Rosa Nº 07
      Cachoeiro de Itapemirim, ES 29301-680
      Fone (27) 3238-0642
      Cel (27) 8824-4224

      GAASV- Grupo de Apoio aos Doentes de Aids Solidários Pela Vida
      Rua Nilton Ribeiro Rosa, 07 Otto Marins
      Cachoeiro de Itapemirim, ES 29304-801
      Fone (28) 3517-8113 / 3511-2040
      Cel (28) 99484741

      Casa de Apoio Campo Grande
      Rua José Severino, 20 Vera Cruz
      Cariacica, ES 29146-791
      Telefone (27) 3343-6293
      Cel (27) 9728-0974

      Assoc. Monte Sinai – Casa Servo de Deus
      Rua Horácio Santana, 411
      Guarapari, ES 29200-750
      Telefone (27) 8852-5861
      Cel (27) 9734-8537

      Movimento de Apoio Humano aos Portadores HIV/Aids – MAHP
      Rua Lúcio Maia, 30
      Guarapari, ES 29215-070
      Telefone (27) 3362.2980
      Cel (27) 9754-0887

      Grupo Resgate São Francisco de Assis
      Rod. Dalmácio José Mage, Km 04
      Linhares, ES 29900-000
      Fone (27) 3264-3622

      CAC – Casa de Apoio ao Cidadão
      Rua Pedro Álvares Cabral, 340
      Serra, ES 29160-772
      Fone (27) 3238-0684 / 3337-1538
      Cel (27) 8824-4225

      ACARD – Associação Capixaba de Redução de Danos
      Rua da Alfândega, Nº22, Salas 406 e 410
      Vitória, ES 29.015-000
      Telefone (27) 3233-0029
      Cel (27) 9508-4214

      Junta de Ação Socal Batista / Casa da Esperança
      Rua Marechal Floriano, 648
      Vitória, ES 29043-018
      Fone (27) 3325-9265
      Cel (27) 9716-1063

      Abraços

  52. Phoenix diz

    Gente, comecei o tratamento esse ano. No esquema 2 em 1. Mas minha creatinina só vem aumentando consideravelmente desde do início. Antes da medicação, estava normal. Quais são as opções pra eventual troca. O tenofovir já tem fama de ocasionar isso. Então, ele seria substituído por qual. E seria só ele?

    • Luiz Carlos diz

      O infecto terá que avaliar quão acima do valor de referência a creatinina está. Como você começou o tratamento neste ano, a Creatinina pode subir por conta dos ARVs mas na maioria dos casos tende a se estabilizar e volta a cair. Se estiver muito acima do VR substitui-se o Tenofovir pelo Abacavir, após genotipagem para detectar hipersensibilidade ao Abacavir (presença do alelo HLA-B*5701).

      Só ele é substituído, e o único inconveniente é que passam a ser 3 comprimidos/dia (DTG, ABC e 3TC) e vez de DTG + 2×1.

      Abraços

      • Phoenix diz

        Obrigado Luiz Carlos. Você é dez. Muito bom poder contar com suas informações CONCRETAS. Grande abraço 🤗

  53. Rômulo diz

    Só pra deixar registro aqui:

    Peguei o DTG+2em1 de boa sem problemas no posto de saúde do RJ (grajáu), e comentei a ela sobre o risco de não ter estoque e talz e ela me informou que, com estes boatos, ela correu atrás p/ fazer o pedido logo e, parece que ta tudo ok no estoque local do PS.

    Como faltavam 5 dias pra acabar o meu, já fui logo lá pegar por precaução mas por enquanto acho que posso ficar tranquilo…

  54. Esb diz

    Peguei medicamento hoje em Belo Horizonte tudo ok. Mandaram retornar dia 29-08 pagar pegar mais. Eles estão mandando eu fazer uma reserva não espera eu completar 30 dias para nova retirada e eu vi que a prateleira estava bem cheia.

    • Luiz Carlos diz

      Isto é normal e eu sempre recomendo. Confira com sua farmácia se você pode retirar 5 ou 7 dias antes do previsto, e procure retirar a TARV com antecedência sempre.

      Abraços

  55. SP+- diz

    Ao meu ver se todo mundo for fazer estoque, e aqueles que correram pra pegar 3 meses fazem com que 2 outros fiquem sem tratamento por 1 mês… Vai faltar mesmo

    • Luiz Carlos diz

      SP+-, o estoque é importantíssimo justamente para aliviar situações como esta, e está tudo previsto em orçamento (em tempos normais, obviamente). Todos devem possuir um estoque, é sua vida que está em jogo, literalmente.

      Em 2 anos com ATZ/r eu tenho estoque pra 2 meses. Quando saí do 3×1 possuía um mês de estoque, que prontamente doei para uma ONG que cuidava de casos de falta de medicação.

      Sobre a retirada para 2/3 meses, concordo contigo, mas isto infelizmente faz parte do planejamento da farmácia, não do paciente ou do infecto. A farmácia que tem a palavra final, e muitas delas não se prepararam quando o estoque estava diminuindo, achando que seria apenas um atraso pontual.

      Neste caso realmente acontece falta mais significativa ou fracionamento por conta do mau planejamento de distribuição das farmácias.

      Abraços

    • Tiago diz

      SP+- geralmente, quando se fala em “fazer estoque” aqui, não é referência a “pegar 3 meses”, mas a pegar a medicação a cada 25 dias e guardar os restantes 5 dias de tratamento a cada receita mensal. Fazendo isso, num ano dá para construir um estoque de 2 meses (5×12 =60).

      Quanto a pegar 3 meses, o problema não é o ato em si. Se o planejamento, distribuição e logística forem feitos corretamente, o próprio sistema se adequa a isso. O lado positivo de pegar mais quantidade menos vezes ao ano é aliviar o atendimento nas farmácias, já que serão menos pessoas se dirigindo aos balcões todo mês.

      Já num momento de ruptura de estoque, concordo consigo. Seria egoísta demais brigar por receber 3 meses, correndo o risco de deixar alguém sem.

  56. Sp+- diz

    Pessoal falando ainda sobre o estoque, acho que por aqui a coisa funciona diferente.

    Ao longo dos quase 3 anos que meu parceiro é soro+ e está em Tarv ele esqueceu se tinha tomado o remédio por 7x nesses aproximados 1.100 dias e todas as vezes que ele ficou em dúvida se não tinha tomado ele tomou novamente o 3×1.

    Acontece que lendo essas informações de que pode faltar e sobre o estoque que vcs sugerem eu como acompanho ele todo mês no posto o instruí a buscar 5 dias antes.

    Pra nossa surpresa a moça da farmácia tinha controle lá que ele deveria ter medicamentos pra mais 12 dias ou seja 7cps que de fato ele acabou tomando a mais ao longo dos 3 anos e mais 5cps que adiantamos os 5 dias.

    Então ele explicou pra ela que acabou antes pq ao longo dos anos aconteceu de tomar duplicado, e ela deu o maior esporro nele, coitado ficou até triste.

    Falou que ia zerar a contagem mas q tinha controle.

    Então eu acho pelo meu raciocínio que se ele buscar com 5 dias antes pro próximo mês, se fizer de novo seria como se ele tivesse se antecipando a 10 dias, e 15 no terceiro mês, assim por diante.

    Ela tem meio q um controle de até quando tem que durar os remédios dele mas a contagem não zera a todo mês e sim conta desde o começo. Parece ser totalmente diferente do que vcs relatam…

    Acho q não vai rolar. Alguma dica?

    Pq concordo com vcs, de 5 em 5 não falta pra ninguém e assegura quem está em tratamento que não falte na hora de uma emergência….

    • Tiago diz

      Seu raciocínio está certo SP+-

      Pegando a cada 25 dias, pegaremos 5 dias mais cedo que no mês anterior, o que significa que num ano inteiro fazendo isso pegamos 14 vezes.

      Isso acaba realmente colocando uma pressão extra no SUS a cada mês, mas também não tanta como todo mundo pegar 3 meses de uma vez. Fora que, uma vez tendo um estoque decente, também não precisamos continuar reforçando o estoque indefinidamente.

      Só não entendi na sua história se a farmacêutica que o atendeu, estava argumentando que ele não precisava/podia pegar, por achar que ele tinha esse estoque de 12 dias. Foi o caso?

      Pergunto porque também acredito que onde eu pego tenham o mesmo controle, já que devem ter registrado as datas de coleta de todo o mundo, mas pelo menos no meu caso a própria atendente sugeriu que o fizesse, como faz o Luiz aqui.

      • SP+- diz

        Tiago,
        Exatamente isso, por supostamente ter pra mais 12 dias, qdo na verdade tinha somente pra mais 5 dias (pelos motivos explicados acima) ela não liberou.

        Precisamos voltar 5 dias depois quando não tinha mais nenhum comprimido no pote pra buscar 1 pote com 30.

        Pior de tudo q meu namorado ficou chateado pq a ideia foi minha e ele ainda levou uma comida no toco.

        Fiquei sem entender. Estamos falando de 5 dias, ou 12 na contagem dela após 3 anos, fiquei passado.

        Acho q só aqui vimos disso né?!

        • Tiago diz

          Nossa SP+-… Ou é muita falta de estoque ou muita má vontade de quem atendeu. É sempre a mesma pessoa? Senão, talvez valha tentar ir só você sondar outro horário com outra atendente?

          No próprio Emílio Ribas orientam-me a fazer estoque e não vejo motivo algum para darem uma bronca na farmácia. Se alguém tinha que dar, era o infecto… e meu…. brigar por uma diferença de 7 comprimidos em 3 anos?! Enfim…

          Pode dizer ao seu namorado para não ficar chateado que essa bronca só pode ser resultado de uma noite mal dormida, falta de amor, mau feitio ou humor de quem atendeu… Não dá para nos abatermos com a ignorância de quem nos atende. Infelizmente, temos que ter jogo de cintura e respirar fundo, quando a pessoa está com a nossa medicação na mão…

          No Emílio Ribas tive sorte, pelo menos até agora…

        • Tiago diz

          Gente… É para ficar passado mesmo.

          Se ela não podia liberar, por falta de estoque, simplesmente que o dissesse, agora brigar com alguém por seguir uma orientação comum ou por uma diferença de 7 comprimidos em 3 anos, é muita ignorância… Enfim…

          Boa sorte para nós. Abraços

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s