Notícias
Comentários 222

Como a cura da aids impactaria a sua vida?

Depois de inaugurar uma campanha pela cura da aids até 2020, a amfAR, Fundação para a Pesquisa da Aids, lança agora a websérie Vozes Épicas, que traz histórias pessoais e inspiracionais de soropositivos que explicam como o HIV impacta suas vidas e o que a cura significaria para eles. O objetivo dos vídeos é conscientizar a população de que os desafios para o fim do HIV/aids continuam e, ao mesmo tempo, inspirar a geração Millenium e a comunidade LGBT a apoiarem as pesquisas para a cura da aids.

Os vídeos trazem depoimentos de pessoas com diferentes perfis que vivem com HIV/aids: Hydeia Broadbent, ativista que nasceu com HIV/aids; Mykki Blanco, rapper e artista; Ken Williams, palestrante e fundador do blog Ken Like Barbie; Ongina (Ryan Palao), ator; Teo Drake, homem trans que vive com HIV há bastante tempo. Todos os vídeos (em inglês) estão disponíveis aqui.

Anúncios

222 comentários

  1. Ney diz

    Parabenizo você pelo blog. Descobri Minha soro positividade este ano. Estou em tratamento. Iníciei com o dolegravir remédio quase sem efeito colateral mas infelizmente está em falta e tive que tomar o 3 em 1 que é horrível mas é até chegar o dolegravir. Sobre a possibilidade de cura eu acredito e devemos acreditar sempre. Obrigado por suas postagens. Continue nos alimentado de informações. Boa sorte para nós. Unidos somos mais fortes.

    • Rômulo diz

      Sim, ta meio complicado o estoque do DTG… eu peguei a última caixa e daqui 30 dias se não chegar no posto onde retiro, creio eu que vão me dar o 3×1.

      • Luiz Carlos diz

        Ney e Rômulo, vocês se incomodariam em dizer quando exatamente isto ocorreu? Houve um problema de distribuição no mês passado, porém os estoques já estão se normalizando.

        Abraços

        • Ney diz

          Oi amigo justamente acabou no início deste mês. Sou do estado do Pará. Espero que normalize. O dolutegravir pouco efeito colateral me causou ao contrário do 3 em 1. Também soube que em Manaus está faltando medicação… Abraço juntos somos mais fortes.

          • Luiz Carlos diz

            Obrigado Ney, se possível nos mantenha informados por aqui. Houve falta de medicamentos em alguns almoxarifados mas a situação deveria ter sido normalizada no final de Junho. Em virtude da má administração de algumas farmácias a falta de TARV pode ter se extendido, mas na próxima dispensa você deve recebê-la normalmente, pelo menos pelo que se tem notícia até então.

            Abraços

            • Ney diz

              Luiz você tem bastante conhecimento isso é legal. Espero mesmo que chegue. E por favor sempre faça algum comentário por aqui aprendi bastante com você… Valeu

          • Pedro diz

            Ney quais efeitos colaterais o 3×1 causou em você? Sou do Pará tbm e quando iniciei o tratamento em janeiro de 2016 não estava disponível, creio eu, o Dolutegravir, na verdade nem sei informações dessa medicação, tomo o 3×1 e até agora em curto prazo o mesmo não me causou efeitos…

            • Ney diz

              O 2 em 1 me causou apenas insônia e dor de cabeça isso no primeiro dia depois sumiu. Praticamente sem efeitos colaterais indesejáveis. Já o 3 em 1 é uma bomba atômica me causa tontura sonhos horríveis mal estar geral enfim uma medicação que em mim causa muito mal estar. Mas espero que logo chegue o dolutegravir. Valeu amigo.

            • Alberto Monteiro diz

              Meu Tratamento é com 3×1 eu apenas tives reações como (Pesadelos, tonturas fortes) nos 2 primeiros hoje graças a deus não sinto mais nada

        • Rômulo diz

          A farmacêutica do posto me informou que era pra ter chegado dia 28/06 mas não chegou e antes disso chegou metade do que deveria… parece que ainda tinha algum estoque de antes ai deu pra segurar… mas ela me disse que eu peguei a última caixa.

  2. Alex diz

    Boa série, mas por que agora? Será que felizmente já consideram a alta probabilidade que uma cura está pra chegar mesmo, e antes disso já começam a fazer os preparativos para ela, alimentando a discussão de como será estar curado?

    A cura chegando deve trazer maior qualidade de vida, espero também que traga normalização da expectativa de vida dos que tiveram o vírus, embora ninguém deve esperar viver esperando a cura chegar, mas que venha.

    • Rodrigo diz

      Palavra de leigo, mas aparentemente buscam uma estratégia semelhante ao do tratamento de câncer: identificar apenas as células doentes, para que a medicação atue cirurgicamente e não atinga as células saudáveis.
      Não à toa que um dos medicamentos testados na estratégia chutar-e-matar é utilizado no tratamento do câncer…
      Não sei se tô falando besteira, mas é o que dá para inferir das publicações.

  3. Caio PE diz

    Um dia de cada vez. Um passo por vez: Os ARVs poderiam ser melhores ? Sim! A cura já deveria ter chegado? Sim! Mas enquanto ela não chega, é tentar viver da forma mais intensa e responsável possível. Sei que na teoria tudo é fácil. Mas, e as pessoas das décadas de 80 e 90 ? Quiseram elas terem essa sorte de hoje.

    • Mai diz

      A cura nunca virá. Não se sintam vítimas, isso tudo é consequência de seus atos. 🙂

        • Antonio lv diz

          Não. Ele deu a opinião dele e tem direito. Eu até que concordo com ele! Vivam a vida gente! Muitos só lamuriam.

      • Mariah diz

        Uma transfusão de sangue também seria consequência do seus atos? Pessoas como vc é que fazem é que causam consequências!

        • Caio PE diz

          Um acidente ocupacional, um estupro etc seria consequências de seus atos ??? Muito equivocada essa MAI !

          • Jorgito diz

            Esse Mai aí é apenas um troll maldito, espírito de porco, querendo encher o saco. É inacreditável que até mesmo em espaços como esse apareçam indivíduos suficientemente reles para opinar dessa maneira.

      • Sorocaba diz

        E as crianças que nasceram assim? Nao seja babaca meu chapa! Ninguem merece isso! Existem diversos tipos de virús que são tão brutais quanto o HIV. E não tem só vírus fiiii tem protozoarios como Malária, virus Ebola, SARs, vírus Varíola, bactéria Tuberculose. Não é soh vírus que matam a milhares de anos os seres humanos. E com o tempo aprendemos a combate-los. Simmmmm aprendemos a combate-los.

  4. G+21 diz

    Mas e aí gente? Quanto tempo vocês apostam? E que tipo de cura funcional ou esterilizante? E quanto o médico de vocês chutam ou falam
    ? Gostaria de ouvir opinião de vocês.

    • Ney diz

      O meu infectologista diz que é pra 2020. E pelo que li realmente é por aí. Sabemos que falta pouco. Firme pessoal vamos vencer. Rss

      • G+21 diz

        O que ele fala exatamente? Ele tem algum estudo em vista que acha promissor?

        • Ney diz

          Bom ele assim como eu estamos de olho nas pesquisas que buscam eliminar os santuários do vírus. E para uma doença que há décadas atrás não havia medicação que desse conta hoje realmente com os tarv podemos sim pensa na cura. Óbvio com base em estudos científicos sérios que geralmente é demorado. Mas percebo que a cura vira. Aliás este blog excelente local de troca de informações. Quanto mais informações do vírus mais próximo de elimina ló ficamos. E pesquisa há em vários locais do planeta. O objetivo é claro uma cura até 2020. E cada vez mais temos medicação menos agressiva porque não acredita numa cura próxima? ,Eu acredito devemos acreditar em algo assim sabe … Muitos se foram e podemos ser a geração que superou a doença em honra a eles. Juntos somos mais fortes. Rss

          • Breno+ diz

            Olá Ney, qual o nome do seu médico? Ele atende por plano, particular etc…? Faço tratamento aqui em Belém particular, e a médica com quem eu faço parece ser gente boa, mas acaba que não temos muita intimidade, sei lá… Acaba sendo uma consulta onde ela vê que esta tudo bem, faz a prescrição dos medicamentos e solicits os exames para a próxima consulta…

  5. Cara+ diz

    Ao ver vídeos desse tipo, parece-me que há uma grande luz no fim do túnel. E que cada vez mais a comunidade científica está perto de conquistar um dos maiores feitos da humanidade: a cura da aids. Estamos na reta final? Acredito que sim, mas o segredo é continuar vivendo sem pensar muito nisso, pois quando menos esperarmos , um belo dia iremos acordar com a impactante notícia.

  6. Junior + diz

    Antes de descobrir o meu status eu vivi momentos de angustia e uma tremenda sensação de estar MUITO doente e que se algo não acontecesse em breve eu morreria. Passei por diversos médicos do SUS e todos me recomendavam cama e antibióticos.
    Foi ai que eu passei a pensar mais nos outros, viver o que muitos vivem (principalmente os povos da África) . vcs já imaginaram como seria viver sem a medicação? Eu já teria partido dessa pra outra…
    Respondendo ao post:
    Então por tudo que vivi eu agradeceria ao HIV pela sensibilidade que adquiri de ver o sofrimento do outro com outros olhos , principalmente aos que faltam a condição mínima de tratamento .
    Hoje eu sou doador do Médicos Sem Fronteiras (MSF) e luto para que as pessoas que não tem tratamento adequado possa recebe lo.
    Que venha a cura 🙌

    • Junior, muito legal seu comentário. Depois que eu descobri meu status também, muita coisa mudou em mim. Quis realizar todos meus sonhos e um deles foi fazer algo para as pessoas vítimas do HIV. Hoje também atuou fora do país. Tem algum e-mail para nos falarmos? Quem sabe nossa troca de experiências pode gerar um projeto legal? Abraço

  7. Saint diz

    Estou fazendo a PEP com 21 horas apos a exposicao + ou -. (2 caps kaletra manha) (2 noite e 1 tenofovir/lamivudina noite) 12 em 12 horas nesse ciclo.

    a pessoa descobriu ser soropositiva no outro dia via teste rapido! Minha situação foi sexo oral que fiz nele (sem ejaculacao). Fora algumas roçadas do penis dele na parte anal (sem penetrar)

    apesar de muitos falarem que sexo oral a saliva inativa o virus, eu preferi fazer a pep!

    nao tive efeito colateral nenhum a nao ser diarreia suportavel em alguns horarios do dia.

    tenho chances de dar certo este tratamento?

    • Luiz Carlos diz

      A diretriz de PEP atual é com ATZ/r + TDF + 3TC porque permite uma janela maior (72 horas) contra 48 horas do LPV/r, além de ser mais facilmente adaptável pela posologia de 24 em 24 horas, porém, pelo seu tipo de exposição e a rapidez na adesão à PEP, as chances são altíssimas, pode-se dizer que praticamente 100%. Apenas certifique-se de manter a PEP pelo prazo indicado e efetuar os exames pós-PEP.

      Diarreia é um efeito colateral comum do LPV.

      Abraços

  8. Luiz Carlos diz

    Atenção aos que utilizam Kaletra (Lopinavir/ritonavir), notícia fresca:

    (Já havia comentado há alguns posts da possibilidade da saída do Lopinavir do rol de medicamentos pelo alto custo e alta toxicidade, agora segue a confirmação)

    O Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle dos das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DIAHV) irá substituir o medicamento lopinavir/ritonavir – mais conhecido por Kaletra® – pelo atazanavir/ritonavir para pessoas vivendo com HIV/aids acima de 12 anos de idade. Considerado obsoleto, o lopinavir está sendo excluído dos principais protocolos internacionais devido à alta toxicidade e aos efeitos colaterais tais como intolerância gastrintestinal e aumento do risco cardiovascular, além da posologia mais complexa, que requer o uso de quatro comprimidos ao dia.

    O atazanavir e o darunavir, medicamentos que serão utilizados na substituição, apresentam melhor posologia e menos efeitos colaterais em comparação ao lopinavir. O atazanavir é um inibidor de protease com dose única diária.

    Pacientes que não possam fazer a troca para o atazanavir poderão ter seu medicamento substituído pelo darunavir, considerado o inibidor de protease mais moderno. Devem fazer a troca do lopinavir pelo darunavir pacientes com histórico de intolerância ao atazanavir, com histórico de doença renal ou com exposição prévia ao atazanavir sem reforço de ritonavir com resistência virológica.

    Pacientes que se encontram em tratamento para tuberculose com uso de rifampicina e lopinavir ou em tratamento para hepatite C em uso de daclatasvir e lopinavir, poderão ser mantidos em lopinavir enquanto durar o tratamento para tuberculose ou hepatite C. Após o término desses tratamentos, deverão ter o lopinavir substituído por atazanavir ou darunavir, conforme critérios estabelecidos pelo DIAHV.

    Nota informativa: http://azt.aids.gov.br/documentos/siclom_operacional/NOTA%20INFORM%C3%81TIVA%20N%C2%BA%20059%20-%20SUBSTITUI%C3%87%C3%83O%20LOPINAVIR-RITONAVIR%20200MG-50MG.PDF

    Comentário meu:

    Apesar de o DRV ser muito mais novo, ter menor hepatoxicidade e efeitos colaterais mais brandos, ele tem posologia de 12/12 horas. Como ele substitui o Kaletra que também tem esta posologia, quem não se incomodar em tomar a TARV de 12/12 horas deve procurar utilizar o DRV (na minha opinião). Já quem prefere reduzir o esquema e passar a tomar a TARV 1x por dia, o ATZ/r é uma ótima opção.

    Abraços

  9. Rodrigo diz

    Luiz Carlos, não tem a ver com o post do JS minha questão, mas sua postagem me despertou uma curiosidade.
    Veja alguns medicamentos sendo substituídos, outros sendo incorporados, mas o velho AZT segue sendo indicado em esquema de primeira linha (o meu, por exemplo)…
    O que me diz sobre o AZT, que é um ARV pioneiro e é visto por muita gente como um dos piores ARVs utilizados?

    • Luiz Carlos diz

      Rodrigo,

      Não sei onde você obteve esta informação, mas o AZT – Zidovudina – (não confundir com o ATZ, Atazanavir) não é indicado em esquema de primeira linha. Ele é um ITRN, assim como a Lamivudina (3TC), o Tenofovir (TDF) e o Abacavir (ABC). O AZT só é utilizado em último caso, quando há intolerância comprovada tanto ao Tenofovir quanto ao Abacavir.

      O uso do AZT como primeira linha de tratamento só se dá em crianças (< 35 Kg) justamente por ser um ARV mais antigo, onde já há estudos de eficácia e tolerância comprovados em crianças.

      Abraços

      • Rodrigo diz

        Luiz, eu estou no meu primeiro esquema, e me foi receitada a combinação Zidovudina (AZT)/Lamivudina + Efavirenz… Lembrando que comecei o tratamento em 2010 e sigo no mesmo esquema até hoje.

        • Luiz Carlos diz

          Rodrigo, recomendo que você se consulte com outro infecto o quanto antes. Alguns infectos ficam “parados no tempo”, outros insistem em não mexer nos esquemas ARVs e deixam os pacientes com medicamentos ultrapassados que, além de possuírem toxicidade muito maior, possuem altas chances de desenvolver lipodistrofia acentuada ao longo dos anos.

          Não tenho todos os PCDTs aqui, mas em 2008 o PCDT recomendava LPV/r + AZT + 3TC. Em 2010 já era sugerida a troca do LPV/r por EFZ (já que o LPV/r tinha que ser administrado 2x por dia com 2 comprimidos por administração) e posteriormente a troca do AZT por TDF. Em Janeiro de 2015 o 3×1 (EFZ + TDF + 3TC) já foi disponibilizado para todos pacientes em TARV.

          Se você não possui contra-indicação ao Tenofovir (TDF) ou ao Abacavir (ABC), não tem motivo nenhum para você tomar 2 comprimidos (AZT+3TC) + EFZ, ainda mais considerando a toxicidade e risco de lipodistrofia do AZT. Você pode e deve migrar para o 3×1, tanto por comodidade (apenas 1 comprimido) quanto por estar já acostumado com novos esquemas. Tendo em vista que a didanosina (ddI) e fosamprenavir (FPV) foram descontinuados no inicio do ano, creio que a descontinuação do AZT deva estar próxima, algo para meados de 2018.

          Abraços

          • Caio PE diz

            Luiz, você notou como é importante a sua participação aqui ? NUNCA nos abandone !

          • Rodrigo diz

            Obrigado pela informação. Vou conversar com meu infecto na próxima consulta e, se for o caso, até pensar em procurar outro. Apesar de me dar muito bem com o meu atual infecto e confiar nele.

  10. Roberto diz

    Não acredito em cura!
    Toda vez é isso, quando se dizem que se acham uma possível cura ou um tratamento melhor e menos invasivo ao organismo, parecem que abafam o caso e cai no esquecimento.
    Acho melhor não divulgar possíveis curas ou melhores tratamentos e sim, só divulgar quando realmente se concretizar a cura!!!!

  11. Raquel diz

    Alguém sabe como anda a pesquisa com o aveloz,para tratamento do hiv?
    Eu tomo o extrato por conta própria,junto com o remédio,e meu médico liberou o uso,pois pra ele,o aveloz nao tem efeito algum,seja positivo ou negativo.
    Eu uso o azt,junto com o kaletra,e estou me sentindo péssima.
    Me sinto cansada,com dores pelo corpo,e pra piorar estou com uma barriga imensa,que apareceu depois que comecei a medicação.
    Já reclamei com o médico,mas meu tratamento com o 3 em 1 falhou,e ele insiste no azt.
    Alguém tem alguma indicação de infecto,aqui no Rio?
    Grata

    • Luiz Carlos diz

      Raquel, alguns comentários acima eu acabei de postar uma informação importante para pacientes utilizando Kaletra. Ainda este mês deve ser feita alteração para ATZ/r, e havendo contraindicação do ATZ/r, para o DRV/r.

      Todas as informações estão acima.

      Infelizmente não sei lhe indicar um bom infecto no RJ, mas sugiro a troca de infecto o quanto antes.

      Abraços

      • telma diz

        Eu me dei estremamente mal com dolutegravir foi o medicamento que me deu mais efeitos colaterais FOI TERRIVEL PRA MIM O USO DESSE REMEDIO

    • JJ diz

      Olá Raquel, passei mais de um ano com diarréia, achando que estava com intolerância gluten, leite, etc, tbm me sentia muito cansada mesmo desde que iniciei com o kaletra. Pedi o 3×1 para diminuir a quantidade de comprimidos e comentei sobre a diarréia, já no primeiro dia de troca a diarréia desapareceu. Mas tbm não aguentei os efeitos do 3×1, passei para o atazanavir. Hoje estou atenta a qualquer alteração fisiológica mo meu corpo.

    • Cariocarj diz

      Raquel

      Não sei onde você realizar o o seu acompanhamento com Infecto, particular (convênio) ou pelo SUS.

      Eu indico Dr. Carlos Figueredo. Infecto. Hospital Memorial no Engenho de Dentro, todos os sábados só ligar se informar do valor da consulta ou se você tem plano de saúde se informa se aceita o seu e marcar.

  12. Sorocaba diz

    Pra mim se a cura viesse a primeira coisa que passa na minha cabeça é…. eu respiraria bem fundo e falaria para mim mesmo…. passou! Graças a Deus! Tb largaria o emprego e iria pra uma prai bem deserta e refletir tudo que passei, o que aprendi e que sairia mais forte …. até para enfrentar a morte. Bjs fraternos a todos!

    • G+21 diz

      Gente tenho 08 meses de diagnóstico e de uns meses pra cá tento não olhar mais nada do hiv. Eu preciso dessa cura, assim como todos vocês eu sinto que eu fui inter rompido apesar que não é só hiv que trato. Desde os 16 trato meu transtorno bipolar com remédios, e o hiv veio como se fosse um empurrão pra eu sobreviver pq realmente antes eu só vivia e não pensava no futuro Tava nem aí pra nada. Aí aos meus 20 anos diagnosticado com hiv. Eu tinha uma amiga da faculdade que trabalhava fazendo teste rápido e um dia ela comentou na sala e eu pedi pra ela levar qualquer dia. Um certo dia ela levou e eu estudava com 2 amigos que são irmãos e eram meus amigos há 8 anos. Sempre dormiam na minha casa, saímos juntos éramos insuperáveis. Até que depois desse dia fizemos o teste juntos e acabaram sabendo e sabe o que aconteceu? Eles se afastaram totalmente de mim. E começaram a andar com um amigo da época da gente muito falso e eu que sempre fui amigo deles levei um chute eu tô quebrado e magoado com tudo isso até hoje. Não nos deixamos de nos falar mas tudo é diferente. E eu morro de medo de eles falarem pra outras pessoas e o que vai ser de mim se isso acontecer? Eu jurava que eles eram meus amigos, aliás melhores amigos. Eu sei que se eles falarem ou não eu vou negar e vou dizer que é boato até pq no mundo gay sempre tem aqueles que inventam histórias dizendo que o outro tem hiv por pura inveja. E a cura me proporcionaria chegar pra eles e dizer tudo que eu tenho vontade e hoje não posso. Não queria guardar essa mágoa no coração. Que a cura venha pra todos nós. Me desculpam os erros estou digitando depois de tomar meu antipsicótico e o 3×1. Tô dopado. Que Deus me ajude a conseguir. Aliás, a conseguirmos

      • ANA diz

        Olá, eu entendo perfeitamente como vc está se sentindo pq ja me senti assim tb, inclusive sem querer saber nada sobre o HIV. Isso passa… Passei muitos anos da minha vida sendo refém de várias coisas por causa da importância que dava ao HIV. Mas, presta atenção: vc não precisa ser refém de nada e nem ninguém. Cara, o HIV não é nada e ele não tem tanto poder assim. A partir do momento que entendi isso, a minha vida mudou completamente. Lembre-se o HIV não te define. Te aconselho a procurar terapia (não perca tempo) que foi essencial para que eu entendesse todo esse caos nas nossas mentes causados pelo estigma que essa sociedade nos impõe. Seja forte…Perdeu aqueles “amigos”, consiga outros…viva, com responsabilidade, please!!! Boa sorte!!!

    • Renato diz

      Mesmo com o anúncio de uma cura,acredito que que dure anos até chegar a nós ,vejam q essa nova medicação chegou ao Brasil uns quatro anos depois de ser lançada ,se n estou enganado!

      • Renatinho diz

        Renato
        Infelizmente tenho que convir com vc ..
        Quando descobri minha sorologia morava no Brasil hj mora em NY.
        Quando eu sai do Brasil eu utilizava atripla e achava o maximo até chegar aqui nos EUA e ver q o ATRIPLA é 1 de uma classe de medicamentos que eu nunca tinha ouvido falar .
        Hoje eu tomo um medicamento chamado ODEFSEY q também são varias drogas em um comprimido é a evolução do ATRIPLA que tem no BRASIL …
        Da classificação ATRIPLA tem 8 que são varias drogas em um comprimido …
        O meu tratamento é uma das coisas que me mantem longe do BRASIL ….

        • ricardo diz

          Renatinho.. me dê uma informação por favor… quanto que ta o cocktail por aí… tou querendo voltar para san francisco e ralar de novo.. a coisa aqui ta preta amigo..
          Ha possibilidade de conseguir a medicação por ai grátis (USA)? ha meios de conseguir isso? pois, dependendo do preço não compensa voltar para SF e ter que pagar so aluguel e os antiretrovirais/// posso viajar com os do brasil? sei que o Brasil fornece somente por 3 meses para quem está morando fora…. Por favor, me mantenha informado…. quero sair daqui desse buraco chamado Brasil… Tem algum site que poderia me indicar sobre essas informações? MUITO OBRIGADO….. ricardo197833@hotmail.com

  13. Sorocaba diz

    E vc JS o que pensa sobre a cura. Desulpe perguntar. É que sua opinião é muito importante para mim. Desde já obrigado!

  14. Deus é + diz

    Boa noite amigos.. Desculpe a pergunta não estar relacionada com o conteúdo do post, porém aqui é o espaço que mais confio pra tirar minhas dúvidas, depois da minha infecto. A minha dúvida é a seguinte: vou fazer uma viagem de avião dentro do país mesmo domingo agora e queria saber se preciso carregar junto com meus remédios alguma receita, porque em caso de revista de bagagem ñ passar por contratempos. Comecei a tomar o DTG a um mês e ainda não fiz nenhuma viagem nesse meio tempo.
    Ps: ñ pretendo carregar no frasco próprio, mas naquelas caixinhas organizadoras de remédio.

    • Paulistano Positivo diz

      Já saí do país (Argentina e Chile pra ser mais específico) sem receita e com o medicamento em outro pote e sequer olharam, e vira e mexe pego vôos domésticos e nunca me pararam (já me pararam por estar com o líquido de lente de contato acima de 100ml, mas joguei no lixo e problema resolvido).

    • Luiz Carlos diz

      Dentro do Brasil não há problema algum. O ideal é sempre carregar nos frascos do medicamento pela questão da conservação, mas em uma viagem pequena nada lhe impede de carregar em uma pill box, sem nenhum problema.

      Via de regra, sempre carregue comprimidos para pelo menos uma semana a mais, pois nunca se sabe quando o voo é cancelado, os planos mudam, etc. Todos os medicamentos, sem exceção, devem ser transportados na bagagem de mão.

      Eu viajo muito (sem brincadeira, nos últimos 12 meses entrei em um avião 45 vezes), tenho residência fixa na minha cidade de nascença onde sempre visito minha família, trabalho cerca de 6 a 12 meses em cada estado e ainda viajo para outros estados e países durante o trabalho, então sempre mantenho comprimidos em cada uma das regiões (sempre atento à data de validade dos medicamentos).

      Para quem viaja para fora do país a recomendação é sempre a mesma: carregar a TARV nos seus frascos originais e uma receita branca em Inglês (sem necessidade de indicar o CID-10 ou o motivo do medicamento – basta indicar que o medicamento é para uso pessoal).

      Costumo viajar para fora do país duas a três vezes por ano, já cheguei a ficar quase um ano fora, e nunca tive nenhum problema.

      Abraços

    • Rodrigo diz

      Já viajei várias vezes internamente, sempre com o medicamento na bagagem de mão, e algumas vezes para o exterior (EUA, Uruguai e Argentina). Nunca nem perguntaram nada. Mas sempre levo uma declaração do médico, para qualquer necessidade.
      Ah, e transporto nas embalagens originais, mas tiro o rótulo

  15. Gil diz

    A descoberta da cura e sua implantação na minha vida geraria ansiedade, pois entre a notícia chegar e efetivamente conseguirmos “o antídoto” (o tratamento de cura) vão se passar uns dois anos, creio.
    Mas, eu levo a vida sem a perspectiva de ser soropositivo. Sou e pronto. Assumi nos locais de trabalho, para os melhores amigos. Só ainda não para os filhos, pela questão da idade.
    Penso que assumir e mostrar que dá para viver sem grilos, sem dramas e sem doenças é a melhor forma de colaborar com a sociedade para a quebra do estigma gerado pelo início da epidemia e o alarmismo causado na imprensa e que povoa o imaginário popular.
    Claro que eu comemoraria no dia da descoberta, no dia do início do tratamento e no dia do médico dizer: “está imunizado, curado!”. Assim como abri uma moet chandon na semana passada, quando finalmente me vi imunizado e totalmente em alta da hepatite B, outro “presente” que recebi com o hiv e mais 9 tipos de infecções, todas debeladas, exceto “os bichinhos insistentes”. Mas comemorar me trará um marco na vida, apenas isso. Pois a vida é feita dos momentos que construímos no dia-a-dia. Se construímos relações e atitudes equilibradas, temos uma vida equilibrada.
    Não podemos viver com a perspectiva principal de ser um soropositivo, nem soro-qualquer coisa, de esperar a cura, de esperarmos para desabafar, de soltar os cachorros nesse ou naquele crápula… Pois a cura não depende de nós, mas a doença se manifestar, esta sim, depende de nossa atitude. Com ou sem HIV.
    A nossa vida precisa ser pautada pelos planos de crescimento pessoal, manutenção de um bom estado mental, social, material e por momentos bacanas com quem amamos e respeitamos.
    Isso nos mantém vivos e com saúde, com ou sem HIV.
    É assim que penso, respeito os demais que não concordam. Viver em equilíbrio, desequilibrar um pouquinho, mas de forma que tudo possa ser reversível (como um exagero de fim de semana), buscar a alegria, a satisfação neste breve intervalo entre o nascer e morrer. Alegria.
    Com ou sem HIV.

  16. Gil diz

    Ah, sobre a hepatite B.
    Eu já estava imunizado, tinha feito exames, acusou imunidade, mas a hepatologista disse que preventivamente, não sei por quê, era para acompanhar, tratar, ver a evolução,s e tive contato com o vírus. Não entendi bem e deixei pra lá. Até porque às vezes já não uso camisinha com a esposa e a infecto disse que não transmito mais nada depois de estar indetectável. Mas na dúvida pedi os exames e agora, sim, a infecto explicou direitinho e me disse que não, não tenho hepatite e dela estou imunizado. Aí, abrir um espumante foi “uma obrigação”. Me sinto feliz.
    Mas lógico, me batem preocupações, principalmente quando ocorre um alerta, tipo: a dermatologista receita isoconazol para a micose da unha do pé e ao ler a bula diz que pode interferir no efeito do ritonavir, que deve ser ajustada a dose ou do isoconazol ou do ritonavir… mas a médica diz que não há necessidade e eu acredito e pronto. Tomar remédio grilado não ajuda muito… vamos ver no que dá.

    • JJ diz

      Olá Gil, leio seus comentários e acredito que Vc pode me ajudar a esclarecer uma dúvida. Estou com problemas gástricos, fui na infecto e ela me disse para não tomar omeprazol nem pantoprazol Pq podem interagir com arvs e me receitou ranitidina, porém, ao ler a bula para meu espanto o que leio: que a ranitidina pode interagir com atazanavir. Continuo tomando pois consulto pelo sus e td vez que tenho que voltar lá é ruim demais. O que Vc pode me dizer.

      • Gil diz

        OLÁ! Também tive alguns problemas e a infecto disse que omeprazol não era para ser tomado. Mas não lembro qual ela receitou, até se foi o pantoprazol. Preciso achar. O que é interessante é estimular o diálogo dos dois médicos, o infectologista com o gastrologista, foi o que fiz quando fiz cirurgia bariátrica. Isso favoreceu aos profissionais e a mim, pois senti segurança em cada procedimento e na terapêutica medicamentosa.
        Tente procurar uma canal entre os dois. E deve haver outra medicação que não intervenha nos inibidores de protease. Um abraço, JJ.

        • Luiz Carlos diz

          Qualquer medicamento que tenha como metabolismo principal o citocromo CYP3A4 deve ser monitorado, pois o Ritonavir é forte inibidor do CYP3A4 (justamente para que haja maior biodisponibilidade do Atazanavir). Omeprazol, pantoprazol, esoprazol, enfim, todos os “zols” como gosto de falar com os amigos não devem ser co-administrados.

          O Cloridrato de Ranitidina é a opção “menos pior”, mas ainda assim deve ser administrada com intervalo de 12 horas do Atazanavir e, claro, sempre com orientação e monitoramento pelo infecto. Ajustes de dose também podem ser necessários.

          Abraços

  17. MCN diz

    Olha amigos, alguma coisa acontecerá em 2020, pois estão falando muito dessa data. Se Deus quiser vem a cura.

  18. Thais diz

    Vou contar minha história para vocês.
    Tenho 24 anos e a menos de 1 mês me descobri soropositivo. Nem iniciei ainda o tratamento.
    Bom,eu namorei dos meus 17 aos 24 com uma única pessoa,terminei a exatos 7 meses. Sempre tivemos relação sexual sem camisinha, confiava muito nele. Depois do término eu cheguei a me envolver com outras duas pessoas,irresponsável, transei sem camisinha.
    Fui no ginecologista como faço todos os anos,e ele me perguntou se queria fazer o teste,então eu fiz. Ai a surpresa, positivo.
    Meu chão desabou quando peguei o resultado, até porque eu já estou com outra pessoa,minha mãe e sistemática,não sabia o que fazer.
    A primeira pessoa que eu contei,foi pra minha chefe, que inclusive tem me ajudado demais.
    O meu atual parceiro,sabe da minha sorologia e mesmo assim quis ficar comigo, fez o exame e o dele deu negativo. Não pretendo contar pra minha mãe, não quero julgamentos. Contei para meu ex,que se nega a fazer o exame. Mas to tranquila pq minha parte eu fiz.
    Eu sinto um pouco de medo por conta do medicamento, não sei como vai ser.
    Mais eu sei que Deus sabe que sou capaz de passar por isso. E apenas estou pagando pela minha irresponsabilidade.

    • Luiz Carlos diz

      Vai ficar tudo bem Thais.

      É importante você procurar um bom infecto. Você irá iniciar o tratamento com as medicações alinhadas com diretrizes de primeira linha em muitos países de primeiro mundo. No começo parece assustador, mas depois passa a ser uma “vitamina” diária, assim como tomar um Omega3 ou um Centrum (só não pode pular nenhum dia).

      No mais recomendo que vc dê uma lida pelo blog pois muitas das suas dúvidas provavelmente já foram respondidas por aqui. Caso tenha alguma dúvida ainda, basta postar por aqui e responderemos.

      É sempre muito importante pensarmos para quem vamos contar ou deixar de contar sobre isto. A sua sorologia é sigilosa por direito, então muitas vezes nos vale mais utilizar este sigilo.

      Abraços!

      • Rapaz diz

        Eu descobri tem quase um ano mas meu infecto não me recomendou o tratamento pq minha carga ainda se mantém zerada por reação do corpo e o cd4 em níveis normais. Agora estamos com um problema em Manaus pq cancelaram o exame de carga por prazo indeterminado. Alguém sabe dizer quando o MS deve normalizar isso?

      • Renatinho diz

        Luiz Carlos
        olá amigo não sei se é vc que criamos uma amizade antes de vir para os EUA se for deixe o seu contato por favor
        se não for o Luiz q conversamos por horasssss .
        Pode deixar seu e-mail tambem q podemos ser amigos tambem
        Abraçosss

    • JJ diz

      Oi Thais, um conselho que lhe dou é: fique atenta a qualquer sintoma diferente do teu estado normal, dor de cabeça, tontura, diarréia, não deixe passar nd. Preste atenção na duração desses sintomas e se persistir não exite em falar p o infecto.

  19. Tay diz

    Após 1 ano da descoberta da minha sorologia, estou cada vez pior não consigo mais controlar essa tristeza , nem a raiva.
    Me casei e após 3 meses do casamento descobri que meu marido tinha Aids, fui logo fazer o exame e está la o reagente para mim também.
    Diversas vezes pensei em suicídio, mas daí o inesperado aconteceu: Engravidei , me afoguei ao bebê como resposta de que tudo poderia ser diferente mas infelizmente nas 34 semanas de gestação meu bebê faleceu ainda na barriga. Hoje eu sou feita de dor e raiva, perdi a fè e o pior de tudo sou humilhada pela família dele imagine quando descobritem sobre o vírus.
    Estou indetectavel, neste tempo ele melhorou bastante e também é indetectavel.

    • Luiz Carlos diz

      Tay, recomendo fortemente que você fale disto com o seu infecto, pois algumas TARVs, principalmente o 3×1, podem levar a pensamentos de tristeza profunda e depressão. Nestes sintomas é normal a suspensão imediata do 3×1 trocando-o por outro esquema. Caso seu infecto não o faça, você está sendo mal orientada e sugiro que procure outro infecto.

      Aliado a isto, também recomendo a consulta para acompanhamento inicial com um psiquiatra e com um psicoterapeuta. Não há nada de errado em fazer uma consulta, pois estes pensamentos não devem se tornar rotina.

      Sempre que precisar conversar sobre assuntos relacionados a essa tristeza, se quiser conversar com alguém de forma anônima (via chat, telefone, skype ou e-mail), recomendo o CVV: http://www.cvv.org.br

      Precisando de algo, estamos por aqui.

      Abraços!

      • Tay diz

        Obrigada Luiz Carlos, agradeço as palavras vou falar com o infectologista sobre isso, no começo fiz um acompanhamento com a psicóloga do posto de saúde, vou voltar.

  20. Wan diz

    Temos um grupo de Whatsapp onde conversamos, discutimos sobre diversos assuntos além de nossa situação. Se alguém se interessar pode entrar em contato. Estamos dispostos a ajudar e compartilhar experiências.

  21. Vsrj22 diz

    Ao Luiz Carlos ou a outros amigo. Eu estava tomando o 3 x1 o início foi muito bom pois minhas cópias reduziram muito e fiquei super feliz. Com mais ou menos 9 meses de tratamento as cópias aumentaram tive uma rejeição primária. Fiz um exame de genotipagem e no exame a melhor indicação pra mim foi tomar 3 comprimidos ao dia de (ritonavir + tenofovir desoproxila com lamivudina + atazanavir) não tive nemhuma reação estou indo para o terceiro mês nesta medicação e em agosto farei exame pra ve como estão o cd4 e as cópias. Disse o farmacêutico e o infectologista que essa minha combinação é muito boa e de grande aceitação. Não tenho informações sobre eles. Agora uma coisa ta me deixando preocupado. Aqui no Rj mês passado ao buscar a medicação o estoque estava praticamente vazio. O farmacêutico disse que era a primeira vez que acontecia.

    • Caio PE diz

      É uma das melhores combinações (2×1 + ATZ/r). Possuem poucos efeitos colaterais. Os mais notáveis são a icterícia nos olhos e na pele (mas não ocorre em todos). E ainda tem a comodidade de tomar apenas 1x-dia. Sempre gostei dessa combinação. Ela tb é usada na PEP.

    • Luiz Carlos diz

      Vsrj22, se serve para lhe animar, eu também tomo ATZ/r + TDF + 3TC. Como o Caio comentou, é uma ótima combinação. Dos IPs atuais, considerando a posologia de 24 em 24 horas, é a melhor combinação possível.

      Já passei pela falta do Ritonavir especificamente 3 vezes (em 2 anos com esta TARV). Como sempre aconselho por aqui, vá retirar seus medicamentos sempre com 23 a 25 dias (o prazo de 5 a 7 dias antes dos 30 dias varia de farmácia para farmácia), nunca espere dar os 30 dias. É assim que construímos um estoque de medicamentos para estas situações.

      Infelizmente a parte negativa de todos os IPs é que eles precisam do Ritonavir como booster. Esta combinação também é utilizada na PEP e o número de casos de PEP varia muito de mês para mês. Quando isto acontece, muitas farmácias acabam tendo problemas de distribuição por conta do mau gerenciamento dos almoxarifados centrais na solicitação de medicamentos ao MS.

      No pior dos casos (faltando alguma das medicações e você não tendo estoque), não se preocupe. Você pode tomar outra TARV por alguns dias (informe à farmacêutica da sua rejeição primária e, se possível, contate seu infecto na hora – aqui está o motivo de se ter um bom infecto), e retornar ao ATZ/r assim que estiver disponível, sem problema nenhum.

      Também há algumas outras soluções momentâneas, como tomar duas doses do ATZ para compensar a falta do RTV, mas tudo isto deve ser orientado pelo seu infecto.

      Abraços

        • SAR diz

          Olá Vsrj22,

          Comecei o meu tratamento há 11 meses com o esquema ao qual você iníciará, ou seja, ATZ/r, 3TC + TDF e o que lhe digo é que desde a primeira dose não sinto nenhum efeito colateral, exceto, um certo amarelamento dos olhos que hoje já é, praticamente, imperceptível. Aqui na minha cidade onde retiro meus medicamentos nunca fiquei sem medicação. Pelo contrário, tenho retirado sempre para 60 dias. Fique tranquilo, acredito que você se sentirá muito bem com esse esquema.

          Abraço!

      • Ser+H diz

        Amigos, hoje o infectologista mudou o esquema 3×1 que utilizei por 2 anos (não me adaptei ao Efavirenz), pelo ATZ/r + TDF + 3TC. Havendo a ocorrência da icterícia, ela permanece por muito tempo? Alguém teve esse efeito colateral? Confesso que estou inseguro.

        • João diz

          Olá amigo. Como está com o novo esquema? Estou tb há quase 2 anos no 3×1 mas ainda penso na troca. O efavirenz tem me deixado psicologicamente instável. Como está a sua situação? Teve a icterícia? Já sente melhora com a retirada do efv?

  22. Tiago Figueiredo diz

    Ao dono do blog e aos comentadores, não tenho palavras para agradecer por este espaço. Dois dias atrás descobri ser soropositivo, ainda estou em choque, devorando o que aqui leio e que me tem ajudado um pouco a segurar a onda e a tristeza. O difícil de administrar é saber que regra geral fui cuidadoso, mas que os descuidos, apesar de bem raros, foram suficientes. Sinto-me como se tivesse ganho a lotaria, mas ao contrário. Sei que faço parte de um grupo de risco, mas fez-me pensar se as estatísticas hoje não estarão muito subestimadas, com bastante mais gente vivendo com o vírus sem saber… Mas o pior é saber que conheci alguém meses atrás e que recentemente chegamos a transar sem camisinha. Entretanto ele fez o teste e foi diagnosticado negativo, mas poderia ainda estar na janela. Agora isto…. Eu tenho a primeira consulta com um infecto na próxima semana, ele terá de fazer novo teste e eu rezando para o exame dele sair limpo, pois ter de conviver com a outra possibilidade seria o pior dos pesadelos. Estou tentando não pensar nisso agora, pois não tem nada que eu possa fazer é porque sei que agora tenho que cuidar da minha condição, que é a única concreta, mas está difícil… Bem difícil. Tenho lido alguns comentários sobre as diferentes combinações de tratamento e sobre efeitos secundários, tentando me preparar para o que virá agora. Surgiu-me uma dúvida… Pelo que entendi, o DTG é o que tende a oferecer menos efeitos secundários… A escolha desse tratamento ao invés de outros é uma opção conjunta do infecto conosco? É possível pedir ao infecto tentar esse tratamento primeiro? Como trabalho por conta própria, estou um pouco assustado sem saber o quanto os efeitos secundários esperados no início poderão afetar o meu dia-a-dia e capacidade de trabalhar… Obrigado a todos vocês que compartilham aqui as vossas experiências. Significam um mundo neste momento…

    • Tiago diz

      Pensei que este comentário não tivesse sido publicado, perdáo pelo “double post”. Não vejo como apagar…

    • Luiz Carlos diz

      Oi Tiago, tudo bem?

      Em primeiro lugar, fique calmo. O susto e todo este processo, bateria de exames, etc, pode parecer muito maior do que realmente as coisas são no início. O importante agora é estar ao lado do seu infecto, esclarecer todas suas dúvidas, e se você ainda achar que algo não está certo ou tiver qualquer outra dúvida, lembre-se sempre de procurar outra opinião e, inclusive, perguntar por aqui.

      Sobre sua pergunta, o DTG é o que chamamos de “Esquema inicial preferencial”, ou “Esquema de primeira linha”. Este esquema muda com o decorrer dos anos, sempre buscando os melhores tratamentos. Como você foi diagnosticado agora, este será seu primeiro esquema sem sombra de dúvidas, inclusive o próprio sistema de dispensa de medicamentos só permite que ele seja o esquema inicial, exceto se você tiver Tuberculose, alguma disfunção renal ou algum outro fator de risco avaliado pelo seu infecto.

      Abraços!

      • Tiago diz

        Obrigado pela resposta Luiz… No momento, realmente parece que estou brigando com um monstro de 7 cabeças. Estou lutando para não me deixar tomar pelos mil e um pensamentos e perguntas que me correm pela cabeça ao longo do dia, mas não está nada fácil, por todas as dúvidas e incertezas, especialmente quanto ao diagnóstico do meu parceiro, que entretanto já dá sinais de afastamento… Estar sem convénio médico, não saber quanto tempo de infecção, como o tratamento irá impactar no trabalho… E ainda conciliar tudo isto com o meu trabalho, que requer bastante concentração e tranquilidade…

        Sinceramente, o que mais me tem valido tem sido este blog, ler a força nos teus comentários e de outros aqui e a presença do único amigo a quem confidenciei – além do meu parceiro(?) – e com quem divido casa…

        Hoje também tive uma consulta com a minha dentista e senti que devia avisá-la. Ela foi bem compreensiva, agradeceu o aviso e me tranquilizou (não deixarão de me atender por isso) e inclusive me indicou o Hospital das Clínicas, que ela considera referência para HIV, “talvez até melhor que o Einstein”, disse… Como não tenho convénio e no momento estou usando o Dr. Consulta…

        Já li aqui várias vezes sobre a importância de ter um bom Infecto… Alguma recomendação em SP? Não faço ideia quanto fica uma consulta particular, nem sei nem se conseguirei pagar, mas estou considerando…

        Mais uma vez obrigado pela força, mesmo.

        • Luiz Carlos diz

          Tiago, fique tranquilo. Normalmente o tratamento não impacta o trabalho de ninguém, os efeitos colaterais são praticamente nulos ou imperceptíveis para quem está começando tratamento agora e, sempre que precisar ir ao seu infecto, pode utilizar a desculpa de que está fazendo check-ups de rotina.

          O convênio médico auxilia um pouco apenas na questão de realizar os exames com mais rapidez, fora isso, não tem muita diferença (e, as vezes, até mais dor de cabeça).

          Sobre seu parceiro, é normal ocorrer este tipo de situação, As pessoas normalmente não são instruídas sobre o HIV, e com o passar do tempo você verá que só quem porta o vírus realmente entende algo dele (como o fato de, estando indetectável, ser muito mais seguro uma pessoa fazer sexo com você do que com quem não sabe a sorologia). Poucos sabem sobre o vírus e praticamente ninguém entende estas questões que parecem ser contra-intuitivas. Neste departamento, o melhor conselho é aquele que já deve estar no seu coração: se ele te ama, estará do seu lado sempre. Se não, existem pessoas melhores no mundo 🙂

          Sobre avisar a sua dentista, fico feliz que ela agiu como uma boa profissional e foi compreensiva, mas infelizmente o mundo não é assim por inteiro. O sigilo da sua sorologia, como sempre friso aqui, é um direito seu. Todos profissionais que podem entrar em contato com sangue (médicos, enfermeiros, dentistas, pesquisadores, laboratoristas, tatuadores, funcionários de empresas de remoção de lixo hospitalar, e por aí vai) são instruídos durante seus cursos em como não entrar em contato com o sangue de nenhuma pessoa (lembre-se que existem várias doenças transmissíveis pelo contato com sangue, não apenas no HIV), e o que fazer caso o contato ocorra. Por mais duro que isto pareça agora, a proteção é um dever deles ao estarem prestando um serviço a você ou a qualquer pessoa.

          Não conheço nenhum infecto que atenda a rede pública em SP, mas vou dar uma sondada entre amigos. O HC é uma boa referência, mas você provavelmente ser orientado a retirar os medicamentos e realizar futuros exames de acordo com a região onde mora.

          Abraços!

          • Tiago diz

            É… Já percebi que o atendimento pela rede pública depende da região onde se mora. Hoje fui no HC e lá me disseram que não fazem atendimento ambulatório e orientaram contatar uma unidade na Vila Mariana (não entendi porquê, pois fica longe). Liguei para lá, me disseram que não estão atendendo novos casos e orientaram para buscar uma unidade mais próxima de casa, mas lá também não estão aceitando novos casos… Pediram-me para preencher um formulário da Ouvidoria, solicitando o atendimento pela proximidade… Um dia meio frustrante, mas enfim…

              • Tiago diz

                Luiz, creio já ter identificado os mais próximos, mas na dúvida te enviei… Obrigado.

          • Tiago diz

            Olha Luiz, sobre a questão do afastamento de alguém por “não ser instruído no HIV”, entendo, mas como tu mesmo disseste “se ele te ama, estará do seu lado sempre”, na alegria e na doença e até mesmo na ignorância e no medo. Confesso que a minha ignorância e medo do HIV era suficiente para me travar um pouco no envolvimento com quem se declarava HIV+, mas não a ponto de me afastar de alguém que já conhecia e estava envolvido. E isso posso dizer com propriedade. Enfim, não quero julgar, cada um tem as suas batalhas – que desconhecemos – e cada um ama o quanto pode e quer amar, mas se hoje já vejo algo de bom neste maldito vírus, talvez seja ser um divisor de águas nesse sentido; quem importa ficará e quem não ficar, é porque não está preparado para fortalecer. Melhor desejar felicidades e deixar seguir seu caminho.

          • Pranchana diz

            Me desculpe, mas o plano de saúde faz diferença, sim! Talvez por você ser funcionário público tenha essa mentalidade atrasada de que o SUS ainda pode funcionar. Ledo engano! O SUS, de fato, funciona em algumas partes, no caso do HIV, funciona! Mas, vai precisar de uma cirurgia, internação ou melhor tratamento! Nesse caso, sendo soropositivo ou não, ter um plano de saúde no Brasil é imprescindível! Eu recomendo, sim, ao Tiago fazer o quanto antes um plano de saúde!
            E outra coisa, eu sou soronegativa, já fiz os testes de quarta geração cinco vezes. Uma antes da gravidez, três durante a gravidez e uma durante a amamentação recentemente. Portanto, sou soronegativa, mas me interesso pelo blog, pois adoro o conhecimento e tenho até muito mais conhecimento do que soropositivos! Então, esse lance da pessoa só saber sobre o virus ter que ser positivo, é pura bobagem! Inclusive, conheço um positivo que não sabe nada e negligencia o tratamento.
            Quebre seus preconceitos, Luiz, inclusive contra as questões de saúde privada que, a meu ver, é a que realmente funciona.
            Tiago, faça um plano de saúde, pois não se sabe o dia de amanhã. Se eu não tivesse plano, não sei o que seria durantr a minha gravidez e nem do meu filho com pediatra e afins. Não caia nesse papinho ilusório de que SUS vai te amparar!

            • Tiago diz

              Olhe Pranchana, nem tanto ao mar nem tanto à terra.

              A minha dentista falou algo semelhante e faz sim algum sentido, que talvez agora não faça tanta diferença, mas que lá na frente e na eventualidade de uma infecção oportunista que requeira internação, exames ou procedimentos mais complexos, pode fazer diferença. E digo lá na frente porque, a menos que tenha condições para pagar mais caro para não ter carência, terei de aguardar dois anos para poder usufruir de uma cobertura completa.

              Por outro lado, dizer que a saúde privada é a que realmente funciona também está longe da verdade. Há cerca de seis anos atrás entrei num hospital da Unimed com uma apendicite – sem saber – e fui diagnosticado com gases. Mandaram-me de volta para casa, para a apêndice estourar no dia seguinte.

              Se isso acontecesse hoje, poderia ter sido uma sentença de morte. Enfim… Não existe sistema perfeito e – pelo menos a meu ver – a saúde privada, que depende do lucro, ainda está por comprovar sua eficiência, ainda que possamos dizer que – regra geral – seja melhor do que um sistema politicamente condenado ao abandono.

              Sinceramente, não sei o que é melhor ou pior… Pagar um seguro privado ou separar esse valor e colocá-lo num investimento de risco baixo…

              • Luiz Carlos diz

                Tiago, “lá na frente” seu sistema imunológico estará muito melhor do que está hoje. Se você não está internado com uma infecção oportunista hoje, não estará daqui a 20 anos, não pelo HIV. Algumas pessoas acham que o HIV é um divisor de águas neste sentido, e não é.

                O divisor de águas foi você ter descoberto sua sorologia. Este é o grande divisor. Daqui pra frente não passa de tomar sua TARV e viver sua vida feliz. Feliz por ter descoberto ser soropositivo e estar indetectável, saber que não transmite o vírus a ninguém. Que cometeu um deslize mas está tudo sob controle, melhor antes do que depois.

                Sobre fazer um plano de saúde, têm pessoas que podem pagar, têm outras que não podem. Se você pode pagar, obviamente é bom ter um plano de saúde, mas não deixe que descobrir sua sorologia seja o divisor de águas.

                Obviamente eu me referi a recorrer ao SUS dada a sua situação financeira e sobre a questão do HIV.

                Abraços!

                • Tiago diz

                  Luiz e Pranchana, agradeço ambas as perspectivas e olharei sim essa possibilidade, pelos motivos já mencionados e ainda que não me iluda achando que “saúde privada” seja garantia de eficiência e bom atendimento. No momento – e felizmente – o SUS e o Dr. Consulta são o que tenho e – provavelmente – o que terei durante pelo menos os próximos dois anos (considerando a carência).

                  E dou graças sim à distribuição gratuita de medicamentos, sem por isso me sentir “encostado”. Tenho 42 anos de vida durante os quais contribuí para a saúde pública, nunca solicitei um único subsídio do estado, nem quando me encontrei desempregado, e conto pelos dedos de uma mão as vezes que recorri ao serviço público de saúde.

                  Óbvio que isso não me isenta da responsabilidade de cuidar de mim mesmo e daqueles com quem me relaciono, mas deslizes acontecem e não vejo muita justiça em penalizá-los com dezenas de milhares de reais anualmente, ao longo de uma vida inteira, o que me parece uma pena dura demais, especialmente considerando a impunidade que assistimos face a crimes intencionais e multimilionários, que depredam recursos que poderiam ser destinados à saúde pública, afetando diretamente milhares ou até milhões de pessoas… Mas enfim, isso é outro assunto…

                • Tiago diz

                  “Tiago, “lá na frente” seu sistema imunológico estará muito melhor do que está hoje.”
                  Que a vida me continue dando a força necessária para fazer por isso e o pouco de sorte também necessária para que o tratamento corra bem e isso se realize!

            • Luiz Carlos diz

              Pranchana, apenas uma coisa: mais sutileza, por favor 🙂 pelo fato de você ser soronegativa, não passou na pele o que as pessoas sentem ao descobrir sua sorologia positiva.

              Se você se interessa pelo vírus, que ótimo, mas saiba que você é um grão de soja no meio da plantação de milho. Não ache que porque você é soronegativa e você “sabe”, que todo mundo sabe também. Adoro essas afirmações do tipo “inclusive, tenho um amigo soropositivo…”. Uau, parabéns. Vamos descer do salto um pouco. Vamos sair à rua, eu e você, e fazer uma pesquisa sobre o que é sorologia? Apenas esta pergunta “O que é sorologia?”. Vamos? Lhe convido.

              Agora, com licença, quebrar meus preconceitos? Eu trabalho com a rede pública e com a rede privada, e obviamente a rede privada é mil vezes melhor para qualquer outro tipo de situação, mas me diga, onde exatamente na rede privada você consegue medicação gratuita, graças a quebra de patentes, que em outros tempos custariam dezenas de milhares de reais por ano? Pois é.

              Por favor, alguém vir pedir para que eu quebre meus preconceitos? Você acha que eu faço o que? Pesquisa com AZT? Em algum momento você leu eu indicando ele a fazer cirurgia, ou internação pelo SUS? Você quer assustar o rapaz ainda mais?

              Realmente, como Carl Sagan já dizia, a ciência é uma vela na escuridão da ignorância. Infelizmente têm pessoas que acham que são fogo, mas na primeira brisa se apagam.

              • Pranchana diz

                Luiz, me referi ao que você disse sobre HIV, que só quem pode compreender o vírus, diagnóstico e tratamento são os soropositivos. Quando fiz meu pré-natal e fui ao posto tomar vacinas, tive uma longa conversa com um soropositivo que estava na fila para pegar os ARVs na farmácia do posto. O que quero dizer é que você não precisa ter a condição para compreendê-la e tentar entender quem passa pela mesma. E me pareceu pedante você ter dito isso. De fato, eu não sei o que vocês passam, mas tento entender pelo estigma, o que passam mesmo com profissionais de saúde que, inclusive, são cheios de preconceitos! Ainda falta muito conhecimento até na área de saúde! Enfim, quanto à saúde pública, é uma questão básica de economia. Enquanto a iniciativa privada vive de lucro, o setor público também vive, pois é bancado pelo setor privado via impostos e esses impostos só são possíveis devido ao lucro. Então, a quem vem demonizar o lucro, saiba que a máquina pública também vive dele. E, Luiz, por favor, você é um cara inteligente! Dizer que os ARVs são distribuídos gratuitamente é inocência! Nada é de graça. O governo arrecada dinheiro e paga pelos ARVS, você paga pelos seus medicamentos, mas não diretamente. É a redistribuição que o governo faz, todos pagam e muitos recebem da forma que estabelecem burocratas e políticos. Para o Tiago: como eu disse, para políticas com relação ao HIV, funciona! Mas, suponhamos que você precise de um atendimento, internação, não relacionado ao HIV…plano de saúde é imprescindível. E carência do plano para internação é de 6 meses, para cirurgias, não muito longo. Para exames, um PCR e outros de rastreio de outros parâmetros bioquímicos, você terá muito mais comodidade com o plano e os resultados rápidos e no site do laboratório, coisa que você não encontra no SUS. A carência para exames e consultas nos planos é de 2 a 3 meses. Essas são as regras da ANS. Vejo que você é bastante refratário ao privado, mas saiba que o público é sustentado pela geração de riquezas do privado, inclusive a dos seus ARVs!

                Luiz, vamos às ruas discutir sorologia, mas não só do HIV, como do HTLV, hepatites virais e outras IGM e IGG!

                Abçs.

                • Tiago diz

                  Oi Pranchana…

                  Só para esclarecer, não demonizo o lucro nem sou resistente ao privado, apenas o sistema privado não me convenceu, da mesma forma que o público também não. Prefiro ser realista e reconhecer que da mesma forma que a busca pelo lucro pode incentivar melhoras, também pode e incentiva pioras, quando “economias de custos” em nome de uma eficiência financeira são feitos a prejuízo da eficiência do atendimento, que no caso afeta diretamente a saúde dos pacientes.

                  Novamente, veja o meu caso de apendicite com a Unimed… Diagnóstico apressado, médico nem me tocou, poderia ter pedido um ultrassom (exame que inclusive estava disponível na unidade onde fui atendido), mas não… Resultado, supuração da apêndice e infecção generalizada no tórax, que atacou inclusive os pulmões. Repito, se fosse hoje, poderia ter sido uma sentença de morte.

                  Concordo que o governo não deveria ter o monopólio de controle de medicamentos e que seria bom te-los disponíveis à venda também, mas veja os custos de tratamento de HIV nos EUA. Insustentáveis para uma boa parte da população atingida no Brasil. E quem não pode pagar? Deixa sem tratamento? A prejuízo do paciente e da saúde pública, considerando que cada caso não diagnosticado e tratado aumenta o risco da epidemia se alastrar? E qual o risco da população evitar o diagnóstico, sabendo o custo de tratamento, que por sinal a saúde privada também não cobre? Qual a solução? Deixar a saúde pública à mercê da prática de caridade? Enfim, sinceramente não sei.

                  Uma coisa eu sei… Não posso me iludir e contar com o amparo do abandonado e incerto SUS daqui a 5-10 anos – isto se eu lá chegar, porque neste momento nada me é garantido – mas pelo menos uma certeza absoluta tenho; não posso me iludir e contar com a saúde privada, se amanhã – por conta de uma infeção oportunista – for internado e não puder trabalhar e pagar o meu plano.

                  E para mim essa é a grande diferença entre o público e o privado. No público, cada um desconta ao longo da vida para garantir que – um dia necessitando – será atendido. No privado, a única garantia de atendimento que cada um tem é ter recursos, no momento em que necessitar e independentemente de tudo o que já pagou ao longo do plano. Você pode pagar 20 anos sem necessitar de atendimento, adoecer, perder a sua fonte de renda e ficar a ver navios… Daí a minha dúvida entre o que será melhor ou pior; contratar um plano de saúde ou separar e investir esse valor, criando uma reserva para a eventualidade de não poder trabalhar. Melhor, claro, seria ambos, mas não sei se consigo.

                  Quanto às carências, irei me informar melhor. No momento, a informação que tenho é que pacientes com HIV no momento da contratação têm uma cobertura parcial durante dois anos, que exclui algumas cirurgias, exames e procedimentos, a menos que possam e estejam dispostos a pagar uma mensalidade mais elevada.

                  Abraços

        • Sorocaba diz

          Oi Tiago! Eu tb descobri a pouco tempo. O que tenho pra te falar é que descobri 28 de dezembro 2016 e comecei a tomar 18 de janeiro 2017. Quanto aos problemas que tive a maioria estava na minha cabeça. Sofri muito pensando que ia morrer na semana seguinte. Eu peguei o 3×1 e gosto dele pq eh um comprimido por dia e soh. Ele me dá somente uma tontura leve como se eu estivesse levemente embriagado. Mas tomo sempre antes de dormir. Já fiquei acordado trabalhando com ele mas não me atrapalhou o trabalho. Outra coisa não pare de trabalhar por isso pq no começo pra mim o trabalho ajudava muito a tirar o foco no HIV. Tenho uns amigos com HIV vivendo com ele a mais de dez anos e segundo pesquisas recentes podemos viver tempo de vida igual a quem nao tem. Procure assistir coisas que te distraiam e te chamem atenção. No meu caso foram e ainda são os documentarios do youtube. Gosto deles me distraem.

          • Tiago diz

            Sorocaba, obrigado pelas palavras… É… Confesso que nestes primeiros dias tem sido beeeem difícil manter o foco no trabalho, o meu emocional e mental estão disparados ao longo do dia, com apenas alguns intervalos de maior tranquilidade, quando acabo sentindo o cansaço de tanto pensar e perguntar. Mas sei que preciso me distrair e que trabalho é uma forma de o fazer… E que não posso parar… Enfim… Um dia de cada vez… Uma hora me equilibro na onda…

          • Renato diz

            Tudo isso que ele tá passando eu passei ,e vcs me falavam as.mesmas.xoisas aqui,e hj as coisas já se aceitaram bastante e já estou levando uma rotina q achava n seria possível,tô achando até q o 3×1 que foi trocado nem fazia tanto mal assim é sim a mi há cabeça tbm ,por me achar uma pessoa doente!

            • Shell diz

              Olá Renato. Tem mais ou menos 6 meses que descobri minha sorologia. Me identifiquei com o seu comentário pois comigo também foi a mesma coisa. No começo ficamos de certa maneira desnorteados, mas acredito ser algo normal já que o estigma e discriminação infelizmente ainda persiste. Logo, retomamos a nossa rotina e o que parecia cinza começa a ganhar cor novamente.
              Desejo paz a todos. 🙂

              • Tiago diz

                Shell, eu imagino que qualquer diagnóstico de doença grave cause a mesma sensação de desnorte, não só HIV. Nem precisa do estigma e discriminação…

                Lembro de, com 26 anos, me apaixonar por alguém para descobrir, depois dos primeiros encontros e dos primeiros beijos, que esse alguém era soropositivo. Abalou-me no instante da descoberta, claro, mas como a um bamboo que verga com o vento e logo volta ao lugar. Não por isso me afastaria – pelo contrário – a sinceridade só me atraiu ainda mais. No final, foi ele que se afastou.

                Sinceramente não sinto que o o meu desnorte seja por estigma ou discriminação, mas muito mais por todas as incertezas e dúvidas que de repente se colocam, sem saber como será o dia de amanhã e se terei condições de me cuidar.

                Resta-me a esperança de poder um dia estar no seu lugar, podendo dizer que o tratamento está correndo bem e que a rotina voltou ao normal, mas não existem garantias. O check-up geral onde descobri o meu diagnóstico, veio com resultados TGO e TGP 4-5x acima dos normais. Queria eu conseguir estar mais otimista, mas começar com um diagnóstico de HIV associado a possíveis problemas hepáticos não me parece muito bom. Resta-me aguardar os próximos exames que virão.

    • Ledos diz

      Oi amigo, li sua história e me identifiquei em algumas partes.
      Fui apresentado ao hiv, de perto dia 3 de janeiro de 2016. Estava inciando um relacionamento, onde eu já havia me descuidado e feito sexo sem camisinha tb, quando meu namorado foi diagnosticado, após um quadro de queda de imunidade. Foi um choque enorme, eu era soro-interrogativo e ele também. Me muni de informações, dei uma sofrida nos primeiros dias, busquei toda ajuda possível, e fui fazer meu exame, pois ja estavamos a algum tempo juntos e sexo se camisinha acontecia frequentemente. Para minha surpresa, meu exame deu NEGATIVO. Estamos juntos até hoje, 2 anos de convivência e cumplicidade, e o hiv é algo superado entre nós. El entrou em tratamento no mesmo mês de diagnóstico e nunca teve NENHUM EFEITO COLATERAL Com o 3×1. Te mantém calmo, faz tudo direitinho, busca ajuda, não procura causa nem te culpa. Tudo vai ficar bem, tudo vai passar…tua vida vai seguir NORMAL.

      beijo no coração!

      • Tiago diz

        Obrigado por compartilhar sua história e pelos votos Ledos. Ontem nos encontramos e conversamos bastante, entre os carinhos possíveis e “permitidos” no momento, depois de uns dias de maior silêncio e afastamento. O simples fato de nos vermos, conversarmos abertamente e pessoalmente pela primeira vez após o meu diagnóstico e estarmos bem um com o outro, sem sentimentos de culpa e apesar dos medos e arrependimentos, já tirou uma boa parte da nuvem cinza sobre a minha cabeça… O exame dele sairá na quarta-feira… Torcendo para vir negativo.

        Quanto a mim, amanhã tenho a primeira consulta com um infecto, que certamente irá pedir mais exames para ver o que se passa no fígado. Torcendo para que seja “apenas” uma hepatite medicamentosa sem sequelas permanentes, já que fiz o exame enquanto tomava o que hoje descobri ser uma bomba antibiótica (amoxicilina + clavulanato), que a médica havia receitado por conta de uma infecção numa gengiva que surgiu na semana anterior, após um tratamento dentário e provavelmente por conta de uma imunidade já baixa.

        Enfim… Continuo um pouco assustado, mas torcendo pelo melhor. Cada dia tem sido um pouco mais fácil que o anterior e assim espero continuar.

        Obrigado e tudo de bom para vocês dois!
        Beijo!

      • Tiago diz

        Depois de tudo o que escrevi, não dá para segurar a melhor notícia que poderia receber hoje; saiu o resultado do exame de HIV do meu companheiro e saiu negativo!
        O céu está encoberto, São Paulo um gelo, mas o sol segue brilhando!
        Hoje durmo feliz!
        E amanhã acordarei feliz, apenas com uma leve ressaca devido ao abuso de pontos de exclamação!
        Graças!

  23. Tiago Figueiredo diz

    Em primeiro lugar quero agradecer ao autor do blog e a todos que aqui compartilham as suas experiências. Fui diagnosticado há 2 dias com HIV e o que tenho lido aqui tem me ajudado um pouco a segurar a onda de emoções. Ainda estou em choque e está difícil de lidar com a sensação de ter ganho a lotaria ao contrário, sabendo que regra geral fui cuidadoso mas que os poucos deslizes que aconteceram foram suficientes. Apesar de saber que estou num grupo de risco, faz-me pensar que a epidemia poderá ser bem maior do que se sabe é que tem muita gente vivendo com o vírus sem saber, como era o meu caso inclusive. O mais difícil de tudo é que há alguns meses atrás conheci alguém, recentemente transamos sem camisinha e que entretanto ele fez o teste e saiu negativo, mas poderá estar na janela. Agora fiz eu e saiu positivo e ele terá de refazer o exame. Estou rezando para que o resultado dele venha limpo, pois conviver com a outra possibilidade seria o pesadelo dos pesadelos. Estou tentando não pensar nisso agora, porque não tem nada que eu possa fazer é porque sei que preciso focar na minha condição, que é concreta, mas está difícil… Bem difícil. Acordo de manhã e o primeiro pensamento que me vem a cabeça é “aconteceu mesmo…” Tenho a minha primeira consulta com um infecto na próxima semana… Li alguns comentários e informações sobre os diferentes tratamentos que existem e surgiram-me duas dúvidas… Os exames após o diagnóstico conseguem identificar o tempo de infecção? E sobre o tratamento, pelo que entendi, o DTG é o que tende a gerar menos efeitos secundários. É possível pedir ao infecto para tentar esse primeiro? Estou preocupado com os efeitos secundários no período inicial de tratamento, pois trabalho por conta própria e não posso parar.
    Mais uma vez, obrigado a todos por compartilharem… No meio do choque e da tristeza, ver o relato e a força de alguns aqui tem significado um mundo de suporte…

  24. Tiago diz

    p.s. confesso que neste momento nem consigo pensar na cura, que significaria o fim do que – agora – sinto como um pesadelo que está apenas começando. Guardarei alguma esperança, mas prefiro não alimentar muita expectativa. Vivemos num mundo onde doenças crônicas viraram gestão populacional e negócios multimilionários, então por mais que tenhamos um exército de pesquisadores e cientistas do nosso lado, lutando por uma cura, existem outros interesses maiores em jogo que poderão estar lutando contra. Não quero parecer pessimista, mas prefiro acreditar no melhor, vivendo preparado para o pior. Esperemos que isso mude e que vença a luta pela cura e prevenção, ao invés da luta para resolver os problemas da humanidade pela doença, mas isso depende de todos nós, independentemente da sorologia de cada um… Que venha a cura e a mudança, em todos os sentidos necessários.
    Abraço a todos e mais uma vez obrigado.

  25. AmigoSp diz

    Como entro no grupo do Whats? Tem alguma mail que possa mandar meu número?

  26. beto diz

    Boa tarde!
    Eu nunca tive problema de pegar meus remedios principalmente o Dolutegravir faço no CRT da santa cruz em sao paulo.

  27. Rapaz diz

    Bem…vou repetir minha pergunta pra ver se alguém pfv me responde… alguma alma caridosa e dotada de conhecimento saberia dizer quando a situação do exame de carga viral será normalizada? Aqui no amazonas estão suspensos por falta de kits. Obrigado colegas

    • Renato diz

      Rapaz , vc n teria como fazer na rede privada ? Pra n ter q ficar esperando?

      • Rapaz diz

        Quanto custa? Aqui em Manaus deve ser caríssimo. Custo de vida alto demais aqui.

  28. Maycon diz

    Luiz Carlos! No Mato Grosso do Sul a medicação que era fornecida para 2 e 3 meses passou a ser mensal por falta no estoque. Sobre o minha rotina, passou a ser semestral 🙂

    • Luiz Carlos diz

      Olá Maycon, que bom que conseguiu conciliar a rotina de exames semestral com seu infecto, fico feliz em poder ajudar!

      Sobre a dispensa mensal, aproveite para retirar com antecedência e criar um estoque legal.

      Abraços!

  29. Wsb diz

    Tem 01 mês comecei meu tratamento, sou casado e pretendo fazer fertilização in vitro em agosto, minha carga viral deu 8.500, será que em 2 meses já fico indetectável? Estou tomando essa nova composição de medicamentos, não lembro os nomes agora.

    Preciso ficar indetectável o quanto antes para
    Poder realizar a fertilização, já fiz um novo exame de carga vira só que o resultado sai somente do 21-07

  30. Wsb diz

    Não sei será cura vira, mais algum tratamento semestral ajudaria bastante a esquecer que tenho hiv, às vezes esqueco, às vezes me lembro e fico bastante triste, o medo de morrer é frequente.
    Poderiam criar algum comprimido ou vacina que durasse por 6 meses ou 01 ano, tomar remédio todos dia me faz lembrar sempre como fui irresponsável. Tenho 27 anos e comecei o tratamento a 01 mês.

  31. Sorocaba diz

    http://www.morningstar.com/advisor/t/119860773/abivax-to-present-latest-clinical-data-on-abx464-at-the-international-aids-society-conference-in-paris-france.htm

    A apresentação do Late Breaker “ABX464 diminui o DNA total de HIV em PBMC quando administrado durante 28 dias para pacientes infectados pelo HIV que são virologicamente reprimidos” demonstra ainda os resultados preliminares comunicados pela ABIVAX em 2 de maio de 2017. O ABX464 impactou o reservatório de sangue do HIV em Este ensaio clínico de Fase IIa, apoiando seu potencial para se tornar um componente chave de cura funcional para o HIV.

  32. Dere diz

    Só uma pergunta…. sou + um pouco mais de 2 anos. Sou atleta crossfit e participo de competições … percebi que depois da sorologia vi que tive mais dificuldade de ganhar massa muscular, conversei com minha médica e ela disse que era coisa da minha cabeça que isso não acontece mais… gostaria de saber se alguém está achando isso também ou é só coisa da nossa cabeça com o pensamento do passado desta doença.
    Agradeço desde já!

    • SP+- diz

      Dere será que não tem a ver com os medicamentos?

      Também tenho essa curiosidade…

    • Luiz Carlos diz

      Dere, qual seu esquema? Recomendo que você faça acompanhamento com uma boa nutricionista, de preferência que trabalhe com nutrição esportiva e faça todas as medições com adipômetro (nada dessas que usam eletrodos e medem por bioimpedância).

      Abraços

  33. Maycon diz

    Luiz! Eles disseram pra mim, que provavelmente volta ao normal em uns 2 meses. A UNAIDS transmitiu uma nota ridícula, “justificando” essa falta de logística do governo. Me indigna essas atitudes! Pois não temos pra quem recorrer caso faltar. Não se vende em farmácia. A farmacêutica me disse que haviam pessoas sem a medicação há 1 semana :/. Tendo que pedir a amigos que mantinham um estoque! Eu tenho meu namorado, que toma o mesmo medicamento que eu. Sendo que já guardamos pra emergência. Não consigo acreditar que o governo vai disponibilizar o Truvada, se não está dando conta nem de garantir acesso aos que já estão infectados. Sei que você não responde comentários sobre política, só gostaria de entender por quais motivos o governo não libera para a venda em farmácia. Queria que liberasse com desconto, como fazia ou faz (sei lah) com remédios pra hipertensão e diabetes. Não haveria problemas em ir mensalmente buscar se não houvesse esse preconceito latente. Enfim, só pra mostrar o lado psíquico e social em relação a esses atrasos.

    • Luiz Carlos diz

      Não sei lhe responder estes motivos Maycon. Acredito eu que seja um acordo pela quebra das patentes, já que a maioria das medicações continuam patenteadas no resto do mundo. Se fosse vendido em farmácia abriria uma série de possibilidades complicadas, levando em conta que existem muitas pessoas mal-intencionadas por aí. Vender os medicamentos para o exterior geraria uma fortuna. Este porém, é só um palpite. O motivo de fato eu realmente não sei.

      O psicológico de quem vai até a UDM e não encontra a medicação realmente vai a mil, eu mesmo lembro da primeira vez que eu fui buscar e estava faltando RTV, e era a segunda vez que eu estava indo buscar o ATZ/r, ou seja, não tinha nem estoque. A sorte é que eu tinha estoque de 3×1 ainda. Voltei por alguns dias pro 3×1 e na semana seguinte, quando foi reposto, voltei ao ATZ/r. Isto era em 2015.

      Abraços

    • Pranchana diz

      Luiz, é um ponto que você tocou, o fato dos ARVs serem distribuídos pelo governo (não gratuitamente, pois não existe nada grátis), não é garantia! Pois, no caso de falta, o paciente fica à mercê do sistema, se ele pudesse comprar, bastaria fazer a compra, mas sendo distribuído e somente pelo governo, tem esse grande transtorno. E você nunca pensou, Luiz, que a quebra da patente dos ARVs não teria o efeito negativo de “desmotivar” a indústria farmacêutica a produzir ARVs mais eficientes/seguros, inclusive de uma possível cura funcional? Nunca te passou pela cabeça o lado negativo dessa quebra de patente? Imagine você, Luiz, que trabalha com pesquisas, se dedicar àquilo por anos e, de repente, o governo quebra a sua patente e você fica à míngua! Que incentivo você terá para produzir alguma coisa? Pense além, Luiz, sua mente está muito engessada no “governo bonzinho que distribui ARVS”.

      A cura funcional só virá com a garantia de lucro
      sem que governos se metam nisso. (desde o início da humanidade você precisa lucrar para desenvolver algo, hoje não é diferente).

      Até!

      • Tiago diz

        Pranchana, será que você também não está demasiado confiante no privado?

        Eu concordo que a quebra de patentes levanta problemas, do mesmo jeito que um monopólio sobre um tratamento ou cura pode ser. Diz que a cura só virá com a garantia de lucro sem que os governos interfiram…

        Se a uma empresa com fins lucrativos forem colocados dois cenários: 1) lucro de curto-prazo pela venda única da cura ou 2) lucro a curto, médio e longo prazo pela venda contínua de tratamento ao longo da vida, qual o incentivo comercial para optar pela venda da cura?

        Se no primeiro caso estamos dependentes do governo, no segundo estamos dependentes de interesses comerciais.

        Não existe sistema sem pontos fracos.

        • Tiago diz

          E Pranchana, vale dizer que não faltam exemplos de patentes e tecnologias benéficas, que foram compradas e engavetadas ou dificilmente são implementadas, por falta de interesse comercial ou por força de eventuais interesses que desconhecemos…

          Enfim, só podemos torcer para o que o mesmo não aconteça com a cura do HIV que, a meu ver, só chegará quando o interesse pela cura seja mais forte que qualquer outro, seja ele qual for.

        • Pranchana diz

          Ok, espere que a cura venha do Estado. Afinal, um funcionário público vai encontrá-la! E quanto ao controle de gastos, você nao tem ideia do quanto o SUS economiza em material e outras coisas. Você ainda é iniciante nessa vida, não deve tee precisado de um hospital público numa internação, exame ou outro atendimento, ainda está iludido. Continue sem o seu plano, acreditando ser sempre e prontamente atendido. E, ah, o que te mantém vivo é os ARVs e nenhum deles foi desenvolvido por uma agência estatal, portanto, vá esperando por uma cura que o governo venha a promover. É muita inocência!

          E não tenho tempo para ficar em amplas discussões, pois tenho de trabalhar para bancar impostos!

          Valeu!

          • Tiago diz

            Haja paciência para debater com torcidas do público ou do privado viu?

            Nem vou perder meu tempo respondendo à sua presunção sobre o que acha que eu sou ou vivi…

            • Tiago diz

              Sabe o que eu acho piada Pranchana?

              As torcidas do privado sugerem frequentemente que a torcida do público é composta de gente preguiçosa, que quer viver às custas de subsídios disto e daquilo sem trabalhar… Para depois defenderem um sistema onde você subsidia uma empresa privada durante meses ou anos de saúde – sem ser atendido – mas que lhe cancela o atendimento na hora em que – por motivos de saúde – você é afastado do trabalho e perde a sua fonte de renda. No dia em que este cenário mudar, aí defenderei o sistema privado.

              Quanto ao “continue sem seu plano etc”, já falei que irei estudar… Andava vendo já mas agora terei que reavaliar tudo, com um novo olhar. No momento não sei sequer o suficiente sobre a minha condição hepática para saber se necessitaria contratar (e conseguiria suportar) um plano sem carência ou se estarei vivo daqui a dois anos para usufruir por inteiro de um plano com carência…

  34. Maycon diz

    Tiago, parabéns por abrir a boca e falar a situação real: “pertencemos ao grupo de risco”. Esse lance de não estigmatizar, jogou a sujeira pra baixo do pano! Ao invés de retirar o estigma e preconceito do HIV, jogou nossa comunidade na burrice e aumentou o preconceito entre nós, de tal forma, de fazer chorar os que passaram dias reais como na ficção The Normal Heart. Esses dias, estava lendo Bilhões do Carl Sagan (livro dos anos 80) e ele que era astrônomo, já previa essa maquiagem na epidemia! Inclusive, fez previsões de quais grupos seriam mais afetados e a ordem, entre o mais e o menos em relação ao tempo. Tudo bem, que ele não sabia sobre as chances de cada tipo de relação sexual, então não podemos julgá-lo como preconceituoso, ao chamar os homossexuais da época de mais promíscuos. Nossa comunidade deveria erguer a bandeira do indetectável! Seria um ótimo tema para a próxima parada gay, que tal?

    • Tiago diz

      Maycon, sinceramente não o falei para polemizar e muito menos para estigmatizar. Ontem, num SAE, li um cartaz que dizia “Não existem grupos de risco, apenas comportamentos de risco”. Entendo e concordo que – na conta final de contágio e infecção – os comportamentos de risco são beeeem mais relevantes que conceitos como “grupos de risco”, mas também não vejo benefício algum em ignorar que uma relação sexual desprotegida entre dois homens envolve um risco mais elevado… Mas enfim, é apenas a minha visão.

      Quanto a “paradas gay”, confesso que tendo a me distanciar desses eventos, muito por conta de não gostar de grandes concentrações de gente (nem em shows musicais ou grandes festivais vou), mas também porque me parecem cada vez mais festas por festa do que uma manifestação que realmente promove o respeito onde ele se faz mais necessário. Novamente, é apenas a minha visão, não uma verdade absoluta, e reconheço que diferentes pessoas participarão com motivações diferentes.

  35. Maycon diz

    Eu não tenho contatos com os idealizadores da parada gay! Mas bem que poderiam fazer uma marcha pra espalhar sobre o que é ser indetectável!

  36. Rapaz diz

    Olá camaradas…hj fui pegar meu resultado do CD4 e baixou bastante. Está 404! Certamente agora irei iniciar meu tratamento. Como o exame de carga está suspenso não sei como a mesma está. Da última vez estava indetectavel e por isso o médico não recomendou o início do Tarv. Estou apreensivo mas ainda conseguindo manter minhas rotinas de casa e trabalho normais. Eu nunca quis me deixar abater, nunca soltei uma lagrima sequer, mas confesso que as vezes bate uma deprê grande. Mas eu procuro me ocupar e logo passa. Espero reagir bem ao esquema que me for passado. Alguém sabe dizer se beber cerveja tipo uma vez por semana vai interferir na eficácia do tratamento? Eu adoro um churrasquinho com cerveja aos sábados ou domingos. Espero que não. Forte abraço, paz, saúde, força e fé a todos.

    • Tiago diz

      Outros aqui poderão dizê-lo com mais propriedade, mas pelo que já li nos relatos, o consumo moderado – como exemplificou – não interfere diretamente na eficácia dos tratamentos, sendo o risco maior ficar alterado a ponto de esquecer e falhar a medicação (criando resistência ao tratamento) e o risco “menor” – a longo prazo – o impacto potencialmente danoso que todo o consumo de álcool tem, especialmente no fígado, órgão central e já sobrecarregado pela metabolização do tratamento. Então, me parece que o melhor conselho continua sendo “Beba com moderação”, mesmo nessa ocasião semanal. Preserve o seu fígado.

    • Tiago diz

      p.s. Rapaz, vale dizer que não é só o consumo de álcool que deve ser evitado e requer moderação. Acredita-se que o leite, por exemplo, também pode causar danos em fígados já danificados (senão em saudáveis também) e – dizem – até o consumo regular de chá verde, tão considerado saudável… Como se aprende em medicina, o que difere um remédio de um veneno, muitas vezes, é a dosagem, não a substância em si. E pelo papel central do fígado no nosso tratamento e na saúde em geral, creio que vale pesquisar um pouco sobre o que é bom e menos bom e em que quantidades.

    • Luiz Carlos diz

      Rapaz, é importante saber sua relação CD4/Linfócitos totais, pois a contagem de células CD4 apenas não quer dizer muita coisa.

      O CD4 varia de acordo com o ciclo circadiano (de acordo com as horas do dia) e com inúmeros outros fatores, como infecções por outros vírus e bactérias, etc. Existem pessoas que não portam o vírus e vivem com CD4 abaixo de 500 a vida toda, assim como existem portadores com CD4 acima de 1600, mas o que realmente importa é a relação CD4/Linfócitos totais (o valor de referência varia um pouco na literatura, mas fica entre 32% e 57% mais ou menos).

      Consulte com seu infecto e ele deverá guiá-lo (é a primeira vez que ouço falar em um controlador de elite com CV indetectável sem TARV).

      Não há problema em tomar uma cervejinha no final de semana, vale apenas a máxima de que tudo em excesso faz mal, portanto, não há problema em beber com moderação.

      Abraços.

      • Rapaz diz

        Então…meu cd4 deu 404 – 32.25%, meu cd8 deu 468 – 37,3 %. A relação cd4/cd8 ta marcando aqui 0,864611.. e o cd45 deu 1254. Esses são os dados que constam no meu resultado. Eu descobri em Setembro de 2016. Minha primeira carga feita em Outubro deu 67 e o médico disse que poderia ser considerada indetectavel por ser quase nula. Minha esposa deu negativo. Em Dezembro fiz minha segunda carga e deu efetivamente indetectavel com cd4 493. O teste rapido não deu positivo pra mim! E o exame feito no sangue deu positivo pra anticorpos e negativo pra vírus. Uma complicação….e hoje pra melhorar não estava liberado o meu Elisa pq constava no sistema como estando em análise. Minha esposa fez teste rápido ontem e continua negativa. Todos os meus outros exames deram totalmente normais. Nenhuma outra dst hepatites ou tuberculose. Eu quero acabar logo com essas incertezas e iniciar o tratamento pq sei que é a garantia do meu bem estar e da minha esposa. Uma coisa que ocorreu é que tomei a vacina da gripe e meu médico disse pra que eu aguardasse 30 dias pra colher sangue e aguardei 32 dias. Fiquei extremamente irritado pq nesse prazo acabou sendo suspenso a carga viral. Agora não tenho como saber mais..só me resta aguardar dia 02 a consulta e ver o que o médico dirá. Abraços a todos, saúde saúde paz.

    • Renato diz

      A questão que os médicos falam não é q interfira na medicação e sim no fígado q já fica sobrecarregado !

  37. daniel diz

    Alguem tem contato de uma psicologa em São Paulo que ajude pessoas com HIV?

    eu estou em estado avançado de depressao, os remedios do psiquiatra ja nao fazem mais efeitos. eu quero melhorar mas preciso de ajuda.

    obrigado

  38. marcos diz

    Gente sou de Manaus/Am, e tenho duas eprguntas que gostaria muito da ajuda na resposta de voces :
    Trabalho para o interior do Estado e preciso sempre ta pegando a medicao para 3 meses, acontece que sempre que vou na farmacia tenho de ficar me explicando o porque do motivo, isso nao seria um direito meu ? pegar a medicaçao para pelo menos 3 meses? e qual procedimento eu deveria fazer para ter esse direito?
    Outra coisa e que gosto de tomar uma cervejinha nos finais de semana ( nada exagerado gente), qual seria o certo, tomar o medicamento antes , tipo duas horas ou depois ( duas horas)

  39. marcos diz

    Gente sou de Manaus/Am, e tenho duas perguntas que gostaria muito da ajuda na resposta de voces :
    Trabalho para o interior do Estado e preciso sempre ta pegando a medicao para 3 meses, acontece que sempre que vou na farmacia tenho de ficar me explicando o porque do motivo, isso nao seria um direito meu ? pegar a medicaçao para pelo menos 3 meses? e qual procedimento eu deveria fazer para ter esse direito?
    Outra coisa e que gosto de tomar uma cervejinha nos finais de semana ( nada exagerado gente), qual seria o certo, tomar o medicamento antes , tipo duas horas ou depois ( duas horas)

    • Luiz Carlos diz

      Marcos, cabe à farmácia decidir se a dispensa será para 30, 60 ou 90 dias, com base no estoque disponível. No próprio formulário de dispensa você encontra a seguinte informação: “Validade do formulário para 30, 60, 90, 120, 150 ou 180 dias com retirada de no máximo de 90 dias, conforme disponibilidade de estoque da UDM. O médico definirá por quantos dias o formulário terá validade e a UDM avaliará a possibilidade para dispensação para períodos maiores que 30 dias e até 90 dias.”

      O que você faz já é o correto, mencionar que mora no interior e explicar a dificuldade de ir retirar a TARV, porém a palavra final é da farmácia.

      Sobre tomar uma cervejinha, o mais correto é você procurar manter uma regularidade no horário de tomar a TARV, independente do horário que irá beber, porém nada impede de, por exemplo, você manter a TARV na hora de dormir, e aos finais de semana acabar tomando um pouco mais tarde porque foi dormir um pouco mais tarde. O importante é sempre a moderação.

      Abraços

  40. Maycon diz

    Vou falar por mim! Eu bebo muito, mas muito mesmo. Sempre cerveja! Não há ninguém aqui que possa lhe dizer o quanto você pode ou não tomar, precisa se atentar aos seus exames, os que analisam as enzimas hepáticas etc. Comigo, houve um aumento considerável! Não parei de beber, só bebo menos. Mas pra muito aqui, talvez seria muito ainda! Hoje meus exames estão ótimos… Achei o equilíbrio através dos exames e das recomendações do seu médico. O meu fala: beba, tome seu remédio, não falte os exames e as consultas e você vai viver mais que eu. Nossos remédios não tem sua eficácia diminuída com o álcool! Isso é conversa… Existem pesquisas que sugerem que nós tomamos uma concentração de remédio maior que o necessário. Pega essa quantidade a mais e pense que é uma janela de segurança :)! Prefiro morrer de cirrose e feliz, do que falecer de depressão por acreditar que não posso isto ou aquilo por conta desse vírus. Mas credow!

    • Tiago diz

      Maycon, também me parece que este tipo de orientação não deve ser levada a letra como “serve para mim, serve para todos”, sem considerar os próprios exames e orientações médicas. Cada pessoa tem diferentes predisposições genéticas, históricos de saúde e cuidado com a saúde diferentes e – consequentemente – diferentes pontos fortes e fracos na sua biologia e psicologia atual. Cada caso é um caso, então o que não é ruim ou tão ruim para um, pode ser bem mais ou menos ruim para outro.

      Pessoalmente não sou tão chegado em cerveja ou grandes bebedeiras, mas espero poder continuar a apreciar a ocasional taça de vinho! Por enquanto, pelo menos, prefiro aguardar os próximos exames e orientações. Nos resultados do check-up que fiz e onde descobri a minha sorologia, vieram 4 resultados menos bons (fora o diagnóstico), 2 dos quais precisamente no fígado… :/ Os outros 2 podem ser melhorados com uma mudança alimentar.

      Estou torcendo para que os resultados do fígado não sejam nada de mais (a médica falou que poderão derivar de ter tomado anti-inflamatório na semana do exame), mas se não for, provavelmente terei de deixar a ocasional taça de vinho para ocasiões especiais… Veremos.

    • Rapaz diz

      Kkkk….vlw meu amigo! Também penso assim. Nunca deixei a peteca cair mas tb preciso pensar nos meus curumins aqui. Abraços mano

    • Renato diz

      Meu primeiro médico falou q eu n bebesse ,já a atual falou q podia c moderação ,quando falei da recomendação do anterior ela falou q era por causa do esquema q ela havia passado q tinha nevirapina,o pior q tive q voltar pro mesmo esquema depois de n me adaptar ao 3×1, e n tive como conversar c ela ainda! Mas como temos q tá controlando as taxas do fígado da pra ter uma base da toxicidade da.medicação.

      • Tiago diz

        Renato, como é feito o controle das “taxas de fígado”? Quais são os exames?

        • Luiz Carlos diz

          Me metendo onde não fui chamado: é um hepatograma ou exame de função hepática. Normalmente é feito exame de Aminotransferases (TGO e TGP) e Bilirrubinas (direta, jndireta e total). Dependendo do caso também podem ser solicitados exames de Fosfatase Alcalina, Albumina e Tempo de Protrombina, mas os primeiros já dão uma boa visualização da função hepática como um todo e apontam possíveis danos ao fígado.

          Abraços

          • Renato diz

            São esses mesmos q faço ,teve um período q chegou a 130 o TGO ,mas era por um tratamento q eu fazia ,mas mês passado deu 40,daí a médica só vai pedir na próxima consulta em novembro agora,mas fiquei meio apreensivo em beber ,porq a nevirapina pode ser hepática segundo a farmacêutica, a mesma.n aconselha bem de c nenhum esquema,mas acho q tudo é relativo!

            • Tiago diz

              Que bom que o seu TGO normalizou Renato! Torcendo para que seja o meu caso também, o meu TGO/TGP estava em 150/216 quando fiz o check-up. Fiz confusão quando mencionei que estava tomando anti-inflamatório. Era um antibiótico, que hoje descobri ser bem forte e poder levar a uma hepatite medicamentosa, que causa alterações nesses valores.

              Quanto a ficar apreensivo em beber… Olha Renato, se uma coisa estou aprendendo, é o quanto ficamos mais atentos e conhecendo melhor o nosso corpo depois do diagnóstico, cuidados a ter com ele e as consequências de não os ter, independentemente da sorologia. Ou seja, passamos a conhecer mais o próprio corpo como todo o mundo deveria conhecer.

              Minha briga interna agora é substituir pensamentos e sentimentos de medo/apreensão com cautela, moderação e observação. Medo e cautela parecem semelhantes mas enquanto o medo nos tende a bloquear, a cautela simplesmente nos desacelera e leva a dar um passo de cada vez.

              Como falaste, tudo é relativo porque cada um de nós tem um corpo e genética suficientemente diferente para reagir de forma diferente à mesma substância na mesma quantidade. Isso já percebi. Por isso me parece claro que nenhum conselho aqui dado, com base em experiências pessoais, deve prevalecer sobre a nossa auto-observação e do nosso médico claro, seja pelas reacções do corpo ou por resultados de exames. Não sou médico e muito menos sei o seu histórico, mas se os últimos exames vieram bons e sua médica atual disse que pode, não me parece ser grande problema beber ocasionalmente – sem exageros – sentir como isso impacta no corpo, aguardar os próximos exames e depois ajustar se necessário.

              Obrigado por compartilhar os seus resultados de TGO, me deu ainda mais esperança que os meus sejam por motivos semelhantes e temporários e que o meu fígado recupere logo.
              Nunca fui chegado em fígado grelhado, quanto mais o meu :p
              Abraços

  41. Maycon diz

    Desculpa os erros! Meu celular e esse corretor ferram minha vida hehe

  42. Maycon diz

    É como o Luiz disse! Pior que um resultado positivo, é resultado nenhum. Descobrir morrendo com os pulmões se desintegrando por conta de uma tuberculose. Nós salvamos as nossas vidas, sabendo e se tratando, estamos salvando a vida de outros também. É difícil? É… Mas quer saber pq é tão ruim? Por que outros e nós mesmos nos escondemos. Não falamos, esclarecemos e nem nada disso. As pessoas vivem na ignorância. E não é só em relação ao HIV não. Qualquer doença! Exemplo: vocês conhecem porfiria?

  43. Maycon diz

    Luiz! Eu não havia visto que você citou o livro “O Mundo Assombrado pelos Demônios “, logo depois citei “Bilhões e Bilhões “. Vai achar que fazemos propaganda pra Carl! Hehe

    • Luiz Carlos diz

      Pois é, melhor evitarmos Dr. Sagan um pouco (brincadeira, conhecimento nunca é demais).

  44. Renato diz

    Olá, pessoal!

    Vi que alguns já comentaram sobre a falta e/ou atraso na entrega de medicamentos (3×1) em alguns Estados. Sou de Porto Alegre e por aqui a situação não é diferente. No mês de junho estavam fracionando os potes e dividindo-os em frascos com 15 comprimidos cada. No início de julho, a situação estava se normalizando e voltaram a disponibilizar os frascos completos (30 comprimidos), e não fazendo a dispensa para 2 meses. Nesse meio tempo entrei em contato com veículos de comunicação e informei a situação. O assunto foi destaque e noticiado em alguns portais. Também contatei o Secretário de Saúde que afirmou ter repassado o assunto para a Ouvidoria. Dias depois, soltaram uma nota afirmando, e comprovando, o problema. Segundo eles, o Governo Federal estaria repassando menos medicamentos, o que foi desmentido pelo Ministério da Saúde.

    De qualquer forma, o problema persiste e deve ser normalizado ainda este mês. Mas nos deixa ainda apreensivos. Também foi falado sobre a falta de medicamentos para gestantes e recém nascidos. Hoje, noticiou-se que o governo gaúcho irá tercerizar a distribuição dos medicamentos e que isso também afetou o abastecimento nas farmácias.

    Volta a velha pergunta: está faltando Antirretrovirais?

    Jovem, vale um post informativo sobre o assunto?

    Caso alguém tenha, ou esteja enfrentado, o mesmo problema, entre em contato!

    Seguem links com notícias recentes:

    http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/noticia/2017/06/alegando-menor-repasse-do-ministerio-da-saude-estado-parcela-distribuicao-de-medicacao-para-pessoas-com-hiv-9819893.html

    http://www.saude.rs.gov.br/nota-informativa-sobre-antirretrovirais

    http://m.gaucha.com.br/noticia-aberta/distribuicao-de-medicamentos-fornecidos-pelo-estado-sera-terceirizada-201328.html

    http://www.sul21.com.br/jornal/lider-em-casos-de-hiv-rs-agora-sofre-com-falta-de-remedios-para-criancas-e-gestantes/

  45. Vjgfhjfffhjjff diz

    Se infelizmente o ser humano tem preconceido até com o que se come, imagine com a Aids, se até um espirro é motivo pra se afastarem, encaremos a realidade! A vida é a saúde são coisas sérias e se eu fosse alguma cientista afirmo que com certeza eu já teria encontrado a cura, pois sempre fui dedicada e concentrada para alcançar um 10, então se eu fosse cientista, química e/ou médica já teria encontrado a cura para esse vírus.

  46. Vjgfhjfffhjjff diz

    Eu realmente me admiro que ganham prêmio Nobel disso e daquilo (para não citar nomes)sendo que um vírus são mais inteligente do que eles, pelo visto

  47. Vjgfhjfffhjjff diz

    Talvez queiram nos ver doentes depe dentes de remédios, preconceito, sofrimento para nós,família, amigos,filhos… etc

  48. Vjgfhjfffhjjff diz

    Entrego minha vida nas mãos de Deus por que se for depender…

  49. Vjgfhjfffhjjff diz

    Meu sonho era ser médica, mas agora não faço nem questão…

  50. Rapaz diz

    Então…meu cd4 deu 404 – 32.25%, meu cd8 deu 468 – 37,3 %. A relação cd4/cd8 ta marcando aqui 0,864611.. e o cd45 deu 1254. Esses são os dados que constam no meu resultado. Eu descobri em Setembro de 2016. Minha primeira carga feita em Outubro deu 67 e o médico disse que poderia ser considerada indetectavel por ser quase nula. Minha esposa deu negativo. Em Dezembro fiz minha segunda carga e deu efetivamente indetectavel com cd4 493. O teste rapido não deu positivo pra mim! E o exame feito no sangue deu positivo pra anticorpos e negativo pra vírus. Uma complicação….e hoje pra melhorar não estava liberado o meu Elisa pq constava no sistema como estando em análise. Minha esposa fez teste rápido ontem e continua negativa. Todos os meus outros exames deram totalmente normais. Nenhuma outra dst hepatites ou tuberculose. Eu quero acabar logo com essas incertezas e iniciar o tratamento pq sei que é a garantia do meu bem estar e da minha esposa. Uma coisa que ocorreu é que tomei a vacina da gripe e meu médico disse pra que eu aguardasse 30 dias pra colher sangue e aguardei 32 dias. Fiquei extremamente irritado pq nesse prazo acabou sendo suspenso a carga viral. Agora não tenho como saber mais..só me resta aguardar dia 02 a consulta e ver o que o médico dirá. Abraços a todos, saúde e paz.

    • Luiz Carlos diz

      Rapaz, “descobriu em Setembro” como? Foi por teste rápido com exame confirmatório? Independente disso, tendo um exame de CV acusando vírus e o de CD4 que, por sinal, já está no limiar do considerado normal pela literatura, você já pode iniciar o tratamento. Só consultar com seu infecto e solicitar a dispensa inicial.

      Abraços

      • Rapaz diz

        Ok Luiz, minha consulta é dia 02/08 e com certeza devo iniciar meu tratamento. Seria bom saber a carga, mas nosso governo abençoado suspendeu a realização por falta de kits. Queria muito saber pq eu estava indetectavel mesmo sem tratamento. Enfim…quero logo iniciar esse Tarv pq não quero adoecer. Não tenho medo da morte, não quero é ficar num hospital doente. Sou muito ativo…trabalho bastante, faço treinos de 10km, participo de corridas de rua… Não me imagino numa cama de hospital. Obrigado pelas dicas que tens dado a todos e é realmente espetacular a sua gama de conhecimentos. Abraços a todos, saúde, paz, força e fé.

  51. JoaoRN diz

    Olá pessoal! Sou positivo, tem 1 ano e meio que uso o 3×1 e ontem eu esqueci de tomar o meu comprimido (sempre tomo por volta de meia noite). Acordei agora as 10 da manhã e tomei. A dúvida é: Será que tem problema essa janela de 10 horas de ontem pra hoje? Espero não passar o dia chapado… rs

    • Beto diz

      Não devia ter tomado sem problema, o remédio fica atuando no organismo por um bom tempo de um espaço para outro isso quem falou foi o meu infecto. Esquenta não guerreiro.abs

    • Luiz Carlos diz

      Não tem problema João, e você fez o correto ao acordar e tomar. A única coisa que não pode é esquecer, por exemplo, por 24 horas e tentar tomar duas doses para compensar. Se houver esquecimento de um dia para o outro e estiver na hora de tomar o ARV novamente, tome apenas uma dose.

      Abraços!

  52. Rapaz diz

    Atenção colegas…um excelente fds a todos! Paz, saúde e amor junto aos seus namorados, namoradas, esposos, esposas, filhos, pais e etc…e que a próxima semana seja melhor que essa. Venham boas notícias!

    • Tiago diz

      Ótimo fds Rapaz. Alguma hora viramos o jogo.
      Paz e que o resto venha naturalmente.
      Abraços

  53. Henrique diz

    Eu tenho uma duvida referente a cd8, sempre quando faço meus exames de cd3 cd4 cd8 meu cd8 da muito abaixo do cd4. Isso é normal? Alguem mais tem essa característica? Meu cd4 geralmente fica em 750 e meu cd8 350, meu cd3 1300. Se alguem souber me responder isso pq sempre vejo pessoas com cd8 maior q o cd4.

  54. Luquinha diz

    Luiz Carlos gostaria de saber qual a relação antirretroviral e remédio para ter um melhor desempenho sexual . Há algum remédio especifico sempre em rodas de amigos eles falam que obtiveram um melhor desempenho com as mulheres , eu sempre ouço e tenho vontade de tomar mais tenho medo , nunca perguntei aos infectos , nem sei porque , tenho mais de 38 anos .

    • Luiz Carlos diz

      Luquinha, se você se refere à interações entre ARVs e medicamentos para disfunção erétil, cabe ao seu infecto lhe orientar mas, via de regra, os medicamentos mais conhecidos como o cloridrato de sildenafila (Viagra), cloridrato de vardenafila (Levitra) e tadalafila (Cialis) são metabolizados pelo citocromo CYP3A4 como via principal, ou seja, em esquemas ARVs que utilizam o Ritonavir como booster (ATZ, DRV, LPV, RAL) devem ser receitados com cautela, além de uma provável redução de dose por conta da forte inibição que o Ritonavir causa na enzima.

      Abraços!

  55. Renato diz

    Boa tarde!

    Alguém de Porto Alegre que tenha Skype para manter contato?

    Abraço.

  56. Wsb diz

    A vacina da gripe pode dar um falso positivo para hiv? E pode dar uma carga viral mesmo que seja baixa?

    • Caio PE diz

      Vamos tentar entender: vc já é soropositivo (já sabia disso) ? Ou vc fez o teste para saber sua condição sorológica ? A vacina da gripe pode conferir falso-positivo nos exames Elisa. Já a carga viral acredito que a vacina não interfira. Mas Isso é uma questão para o nosso oráculo, o nosso consultor, Luiz Carlos.

      • Luiz Carlos diz

        Pode ocorrer eventualmente um resultado positivo em um Elisa, mas como na sequência de um Elisa positivo é sempre solicitado um Western Blot, o WB deve retornar Não Reagente ou Indeterminado. Ambos exames testam anticorpos específicos para o HIV, porém a vacina da gripe pode gerar alguns anticorpos cruzados, mas não todos ao mesmo tempo (por isto o Western Blot pode vir como Indeterminado).

        O exame de Carga Viral conta o número de réplicas do vírus específico para o HIV por mm3 de sangue, portanto não há como um exame de CV retornar Detectável por causa da vacina da gripe.

        Abraços

        • Pranchana diz

          Não é a vacina da influenza, e sim da H1N1. O Elisa de quarta geração dificilmente dará um falso positivo, visto que pesquisa proteínas do antígeno.

  57. Felipe diz

    Galera vcs tem algum grupo de whatsapp para quem tem HIV ou para tirar dúvidas? Se não tiverem então vamos fazer um? Deixem seu número ou me chamem no whats 86-8865-5870

  58. Roberto diz

    Olá amigos. Descobri por acaso que sou soropositivo a cerca de 10 meses. Sempre fui assintomático e comecei a tomar o 3 em 1 sem nunca ter nenhum problema. Hoje meu CD4 está por volta de 600 e minha relação cd4/cd8 está em 0,70. Vivo super bem e nem lembro de ter o vírus. Só que ontem aconteceu um acidente. Caiu no meu olho um pouco de esperma de uma pessoa. Lavei lavei e apesar de já ter o HIV fico com medo de me recontagiar com um tipo diferente e mais agressivo do vírus. O fato de estar tomando o anti retroviral impediria esse contágio? O que pode acontecer?

  59. Lucio SOuza diz

    qual a pesquisa mais proxima da cura?
    eu preciso ter alguma esperanca, eu perguntei aqui de ajuda psicologics mas ngm se importa em responder…

    • Tiago diz

      Lucio, sobre a pesquisa mais próxima da cura, nem imagino. Sobre a ajuda psicológica, não sei se é atendido pelo público ou privado, mas no SAE que contatei em SP, mencionaram que – além do infectologista – poderão oferecer também serviços de assistência psicológica e até nutricional.
      Abraços

    • Sorocaba diz

      Lúcio meu psicólogo foi youtube, netflix, trabalho e muuuuito chá de hortelã ou camomila o dia inteiro. É barra amigo mas falta pouco vamos aguentar firmes. Kra tem um site de batepapo q se chama radar hiv entra la foi bom e da pra trocar ideia em tempo real.

    • Gil diz

      OLÁ LUCIO!

      Existem várias pesquisas em andamento, mas estão em testes com humanos, mas em estágio de pesquisa que não permite previsões de tempo ou de resultados conclusivos. Há a linha de testes de bloqueio de proteínas do vírus, proteínas que “grudam” nas células humanas, há pesquisas de retirar os vírus inativos das células-reservatório de vírus, onde o HIV se esconde e jogá-lo na corrente sanguínea para a medicação eliminar (chutar e matar), há pesquisa de engenharia genética… enfim, são várias, mas todas em andamento e lá por 2020, 2022 quem sabe, teremos a tão sonhada notícia. Mas enquanto isso é tratar, ficar indetectável e viver a vida normalmente.
      Quanto à ajuda psicológica, procure sua Unidade Básica de Saúde para ver se encontra psicólogos na rede pública, pela prefeitura, ou uma faculdade de Psicologia, para atendimento nas clínicas-escola, que é gratuito e supervisionado por professores especialistas.
      Ou entre em contato com psicólogos particulares e tente combinar os valores de atendimento particular. Muitos psicólogos são acessíveis, negociam valores. Até porque entre se credenciar num plano de saúde que pague 20 reais ou menos ao psicólogo, tributados, depois de 60 dias da consulta, é melhor reservar algumas vagas por semana para atendimento social com preço reduzido, como eu e outros colegas fazem, do que ser explorado por planos de saúde.

  60. Tiago diz

    Hoje tive hoje a primeira consulta com uma infecto, que entretanto já solicitou uma bateria de exames e foi levantado um tema que me incomodou bastante.

    Durante a conversa, ela notou pela ausência total de anticorpos nos meus exames que não estou imunizado para um tipo de hepatite e perguntou sobre as minhas vacinas. Falei que apenas fui vacinado em criança e que – pessoalmente – desconfio muito de vacinas. Minha mãe conta que eu tive uma reação violenta quando recebi uma delas em criança (passei dias ardendo em febre) e tenho fortes suspeitas de até hoje sofrer do síndrome de Asperger como resultado.

    Não quero aqui abrir uma discussão sobre essa polémica, que é uma autêntica caixa de Pandora, mas gostaria de saber quais vacinas os vossos infectos sugerem e qual a vossa experiência, especialmente de quem já conviva com o HIV há mais tempo, pois a infecto falou que eu teria que fazer muitas vacinas e – muito sinceramente – estou mais inclinado a fazer nenhuma ou o mínimo possível, como a da hepatite. Ela pediu para que eu reflectisse sobre o assunto e irei fazê-lo.

    Abraços

    • Shell diz

      Então Tiago,

      Antes de tudo mantenha calma. A vacinação é importante para manter as defesas do organismo contra agentes infecciosos e bacterianos. Quando iniciei o tratamento também tive que colocar minha vacinação em dia. Eu tomei as seguintes vacinas:

      -Dupla (difteria e tétano)
      -Hepatite A e B
      -Pneumo 23
      -Meningite C
      -Influenza (Gripe)
      -Febre Amarela

      Um grande abraço

      • Tiago diz

        Oi Shell, obrigado.
        Só para deixar claro a quem leia, nunca digo a alguém “não se vacine”, apesar da minha má experiência e relutância pessoal. Queria mais era que desenvolvessem vacinas não tóxicas e me livrar da desconfiança e da sensação de trocar saúde por imunidade a cada injeção…

    • Gil diz

      A Síndrome de Asperger não é adquirida, não é causada por um evento traumático ou lesão neurológica, em hipótese alguma, cara!
      Quem te falou essa asneira de vc ter Síndrome de Asperger por uma febre ou um trauma?????

      • Tiago diz

        Gil, a síndrome de Asperger é uma condição do espectro autista e existem diversos estudos associando autismo a vacinas, particularmente as que incluem mercúrio – potente neurotoxina – na sua composição. Existem também estudos que contradizem esses estudos, whistleblowers que participaram e contradizem os estudos que contradizem os estudos e por aí vai…

        O tema é polémico e não creio ser este o lugar para o debater, então ficarei por aqui. Falei apenas para explicar o meu incómodo, que é baseado no muito que já li e na minha experiência pessoal.

      • Tiago diz

        p.s. Só para colocar os pontos nos i’s, em nenhum momento falei que a Síndrome de Asperger poderia resultar de uma febre.

  61. Tiago diz

    Um artigo curto mas que já foi um pouco esclarecedor:
    http://saberviver.org.br/publicacoes/canova-homeopatia-contra-aids/

    O artigo não tem nada a ver com homeopatia (como aparece no link)… Um infecto do RJ fala dos riscos para soropositivos da vacinação com vírus atenuados. Ele recomenda as vacinas da gripe, com reservas em casos de CD4 <200 e a anti-pneumococica, mas não recomenda as de febre amarela, sarampo, rubéola e poliomielite, exceto em casos de epidemia, quando “a relação entre risco e benefício deve ser avaliada”.

  62. Sorocaba diz

    O estudo avança na capacidade de expor HIV latente.
    “Nós já conseguimos começar dois estudos pequenos e intensivos que combinam o Vorinostat com uma vacina anti-HIV produzida pela Argos Therapeutics, ou com uma infusão de células imunes antivirais preparadas pelo laboratório de Borracha de cateterismo no Children’s National Medical Center, na tentativa de testar Abordagens combinadas para limpar a infecção pelo HIV “, disse David Margolis, diretor de medicina do UNC HIV Cure Center no UNC Institute for Global Health & Infectious Diseases. “Não esperamos sucesso imediato, mas esperamos progredir em direção ao objetivo de desenvolver tratamentos que algum dia possam limpar a infecção pelo HIV”.
    https://m.medicalxpress.com/news/2017-07-advances-ability-expose-latent-hiv.html

    • Tiago diz

      Perdão, no segundo estudo usaram uma droga chamada Romidepsin, não o Vorostat, também usada no tratamento de cancer.

      • CACA diz

        Olá, lendo os comentários me veio uma dúvida. Descobri minha sorologia no começo do ano, meu primeiro exame de carga viral deu 42 e eu já havia iniciado o 3×1 uma semana antes do mesmo. Após a apresentação desse exame (CV – 42 e CD4 – 600) o infectologista me avisou a respeito do tratamento e já me liberou, falando pra eu voltar em 6 meses. que no caso será no próximo mês de agosto. Li a respeito de vacinas, e a respeito de um acompanhamento mais detalhado no inicio, eu não tive isso… será que foi pelo fato da baixa CV? ou foi negligência do próprio infecto?

        • Tiago diz

          Caca, cada caso é um caso, então parece-me difícil responder a essa pergunta sem mais informações.

          Por exemplo, no meu caso, eu era soro-interrogativo, não consigo apontar exatamente quando ocorreu a infecção – pode ter ocorrido há mais de 6 meses, que é o período considerado ideal para início de tratamento -, desde o final do ano passado tive três episódios de quebra de imunidade, apesar de poderem resultar de um 2016 violento do ponto de vista profissional e estar há quase 3 anos sem férias prolongadas, e para arrematar, o meu diagnóstico resultou de um check-up geral, que veio com resultados de TGO/TGP bem acima dos normais, o que pede uma atenção especial pela função central do fígado no tratamento. Com tanta dúvida, antes pecar por excesso de zelo do que por falta. Optamos por aprofundar o checkup e fazer um “raio x” mais completo, adiando o início de tratamento mais um pouco.

          Por outro lado, o seu já iniciou o tratamento logo após o diagnóstico antes mesmo dos resultados de CV/CD4, o que – pelo menos para mim – parece demonstrar algum cuidado, pois quanto antes começarmos o tratamento, melhor as chances de ele correr bem, se o seu histórico de saúde anterior era bom e você ainda não havia apresentado quaisquer sintomas.

          Sobre as vacinas, se o seu infecto não questionou ou falou nada, parece realmente um pouco estranho, considerando o quanto a minha foi enfática sobre o assunto.

          • CACA diz

            Pois é, eu não havia sentido nada mesmo… descobri pq como sou de beber e fumar demais, nas férias quis ver como estava quanto a essa questão, e acabei fazendo o teste do HIV. O fígado e os pulmões estão bons, mas o HIV deu positivo. Algo totalmente inesperado pq a gnt nunca acha que vai acontecer com a gnt né,,, Confesso que se eu fosse em um infecto particular talvez teria mais atenção. Mas como moro no interior não está tão fácil de encontrar… Quanto às vacinas, só foi mencionado o que eu perguntei pelo infecto, que foi a respeito da Vacina de Febre Amarela, e da gripe que eu tomava todo ano. Estou meio apreensivo quanto aos resultados dos exames que vou fazer agora mas, não tem o que fazer … só torcer rs obrigado pela resposta.

          • Rapaz diz

            CACA eu me trato em Manaus e aqui meu infecto pediu uma serie de vacinas e algumas em repetidas doses…pneumocócica, hepatite ,gripe, febre amarela…..além de diversos exames pra tuberculose, raio x, exame de vista, urina, fezes, hemograma e outros. Marapaz que eu nem sabia que existiam tantos exames rs. E é isso…se oriente a respeito e cobre tudin do teu médico. A internet tem tudo que vc precisa saber e muito mais….Boa sorte! Abraços, saúde, paz e vida longa a todos nós.

  63. Wsb diz

    Caca eu fui diagnosticado agora em maio, antes do tratamento fiz uma bateria de exames, até raio x do tórax meu infecto pediu. Acho meio estranho não pedir exames e já sair passando medicamento. Pelo que tenho acompanhado
    o processo é exames depois medicamentos.

  64. JoaoRN diz

    Pessoal, procurei aqui mas não vi nada sobre. Fui hoje 20/07 buscar meu 3×1, a farmacêutica me entregou um frasco de um novo laboratório (MACLEODS) e disse que agora tanto os da Mylan quanto o Hetero serão substituídos por ele. Alguém sabe se isso procede? Alguém já está tomando o 3×1 desse laboratorio e poderia me dizer se sofreu algum efeito com essa mudança? Obrigado pela atenção!

    • Alberto diz

      Estou preocupado. Ninguém troca de laboratório sem motivos. E com essa crise, com certeza é econômica a razão. A questao é: será que a qualidade é a mesma? Tive queimação no estômago no terceiro dia e para prevenir tomei no quarto dia com estômago cheio. Ainda assim senti de leve um certo desconforto. Vamos ver hoje. Já com o antigo, nunca havia sentido nada. Absolutamente nada e minha carga viral ficou indetectável rapidamente. Estou com medo desse 3×1 não ter a mesma eficácia

  65. Jéssica Oliveira diz

    Olá Jovem soropositivo, meu nome é Jéssica, acompanho sempre suas publicações aqui e levo aquilo que é discutido para o consultório e isso tem me ajudado a ter um acompanhamento mais esclaredor e uma relação muito mais proxima com meu infecto. Por isso, obrigada pela dedicação em publicar conteudos novos e atualizados sobre o HIV e como conviver com.

    Pois bem, eu vim aqui hoje, pois acabei de ler uma publicação do hospital Emilio Ribas sobre um pronunciamento do presidente Americano Donald Trump, na Conferência Internacional sobre a pandemia Aids, referente a sua pretensão de cortar em 17% do investimento americano no Fundo Mundial de Luta contra a Aids, Tuberculose e Malária, o que teria como resultado 830.000 cidadãos sem acesso aos antiretrovirais e um aumento de 200.000 novas infecções no País. Mas na hora me lembrei da nossa contagem regressiva também, e da alavancada que demos em intensificar as pesquisas e investir pesado nisso, e me veio a dúvida caso isso venha de fato a se concretizar, que impacto teria com o avanço das pesquisas rumo a cura da Aids?
    Tenho esse blog como referencial e gostaria que essa você pudesse nos ajudar nessa discussão.
    Segue reportagem na íntegra:
    http://istoe.com.br/paris-recebe-conferencia-internacional-sobre-aids-com-preocupacao-por-cortes-de-trump/

    Desde já agradeço, e te desejo cada dia mais: sabedoria, inteligência e dedicação. Seu blog é uma missão linda que tem ajudado muitas pessoas.

  66. Fernando Antunes da Silva Juliano diz

    Bom Dia! Descobri que sou Soropositivo em Maio/2017. Esse mes vou fazer exame de CD4 etc… Confesso que não estou com medo, e não vejo a hora de começar a tomar os remédios. Minha Infectologista disse que dara um novo remédio mais moderno, confesso que esqueci i nome rsrsrs… serão 2 comprimidos ao dia! Tenham fé Deus vai dar a Vitória em breve vamos se livrar desse vírus maldito em nome de Jesus. Eu creio!

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s