Notícias
Comentários 143

HIVconsv: a vacina que controlou o vírus em 38,5% dos voluntários

Um estudo clínico feito pelo Institut de Recerca de la Sida IrsiCaixa e pela Fundació Lluita contra la Sida, na Espanha, conseguiu induzir o controle do HIV em 5 pessoas que estavam sem tratamento antirretroviral — as interrupções de tratamento duraram 5, 13, 17, 20 e 27 semanas. Normalmente, sem a presença de antirretrovirais, o vírus recupera sua quantidade e aumenta a carga viral no plasma sanguíneo durante as primeiras 4 semanas após a interrupção do tratamento.

Institut de Recerca de la Sida IrsiCaixa em Barcelona, Espanha.

“Parece que conseguimos enfraquecer o vírus e fortalecer o sistema imunológico dos pacientes”

Esta foi a primeira intervenção terapêutica contra o HIV que provou ser bem sucedida na reeducação do sistema imunológico de pessoas infectadas pelo HIV, permitindo manter o vírus sob controle sem uso de medicamentos antirretrovirais. Estudos anteriores realizados por outros centros para testar diferentes vacinas e medicamentos em pacientes com HIV não tiveram resultados semelhantes. “Parece que conseguimos enfraquecer o vírus e fortalecer o sistema imunológico dos pacientes, permitindo que este reaja de forma eficaz contra as tentativas de rebote do vírus”, explica a Dra. Beatriz Mothe, pesquisadora associada da IrsiCaixa e coordenadora do estudo.

“A vacinação terapêutica contra o HIV é possível.”

Este comportamento é semelhante ao observado nos chamados “controladores de elite”, indivíduos cujo sistema imunológico é capaz de controlar a carga viral sem a necessidade de antirretrovirais. “É a primeira vez que um número tão relevante de participantes de um estudo se tornaram controladores de elite após uma intervenção terapêutica, seja por vacina ou outra imunoterapia”, disse a Dra. Mothe. “Este é um passo muito importante porque mostra que a vacinação terapêutica contra o HIV é possível. Agora, nós queremos compreender como melhorar a eficácia desta estratégia ainda mais, seja com uma vacina melhor, repetindo os ciclos com doses mais baixas, associando o uso de agentes de reversão de latência ou com outros produtos em desenvolvimento — ainda há muitas perguntas a serem respondidas”, explicou o Dr. José Moltó, pesquisador da Fundació Lluita contra la Sida.

Laboratório do Institut de Recerca de la Sida IrsiCaixa em Barcelona, Espanha.

O estudo BCN 02 foi iniciado como um estudo de repetição em pacientes que participaram do estudo BCN 01, o qual incluiu voluntários que iniciaram o tratamento antirretroviral durante os primeiros seis meses após a infecção pelo HIV, recebendo aquilo que se chama de “tratamento precoce”. Estes voluntários também receberam doses das vacinas ChAdV63.HIVconsv e MVA.HIVconsv, projetadas pela Universidade de Oxford. Depois de demonstrar uma forte resposta imune induzida pelas vacinações, todos os pacientes foram mantidos sob tratamento antirretroviral até o estudo BCN 02 ser iniciado, quando os quinze pacientes receberam duas doses de reforço da vacina MVA.HIVconsv seguida por três doses de Romidepsina, um medicamento usado na quimioterapia de doenças hematológicas e que mostrou-se capaz, em estudos anteriores, de reverter a latência do HIV.

Os participantes que mostraram uma resposta imune positiva à vacina foram convidados a interromper o tratamento antirretroviral e, com isso, a serem avaliados semanalmente. Até à data, há cinco potenciais controladores de elite e oito indivíduos que tiveram de reiniciar o tratamento antirretroviral, após o vírus voltar a ser detectado. Um outro voluntário deve interromper o tratamento antirretroviral em breve e outro não teve uma respostas imunológica satisfatória após a vacinação.

Dentre os quinze participantes do estudo, com idade média de 40 anos e tratamento iniciado em no máximo 5,5 meses após a data estimada da infecção pelo HIV, todos estavam em tratamento há mais de três e a menos de quatro anos. Todos estavam em regimes contendo inibidores de integrase e tinham contagem média de CD4 de 728 células/mm³. Segundo o Aidsmap, os efeitos colaterais da vacina foram semelhantes aos de uma gripe, incluindo dor de cabeça, fadiga e dores musculares.

As três infusões de Romidepsina foram acompanhadas por curtos surtos de produção viral, mesmo sob antirretrovirais, na ordem de 50 à 400 cópias/ml, e por aumentos na produção de células CD4, que subiram cerca de 200 células/mm³ a cada infusão e, depois de três dias, voltaram para onde estavam antes. Apesar destes surtos de produção viral, a quantidade de DNA viral nas células do reservatório não mudou: uma das esperanças do conceito de “chutar e matar” era que o aumento de produção viral diminuísse o reservatório de células latentemente infectadas, algo que parece não ter acontecido neste estudo.

A quantidade de células CD8 também aumentou durante o estudo, tanto após a dose inicial da vacina como após a Romidepsina. Igualmente importante, o tipo de resposta imune também mudou: de uma resposta caracterizada por ser ampla contra todas as proteínas do HIV à uma situação em que três quartos da resposta imune se concentraram em regiões virais específicas, induzidas pela vacina.

 

Ao que parece, a HIVconsv tem ajudado a fortalecer um fenômeno às vezes observado em pessoas que iniciam o tratamento logo após a infecção: o controle pós-tratamento. Essas pessoas desenvolvem reservatórios de HIV naturalmente menores e, por isso, preservam algum grau de controle imunológico efetivo sobre o HIV, pois não possuem a proliferação de estirpes virais tal como ocorre em pessoas cronicamente não tratadas, nas quais capacidade do sistema imunológico é ultrapassada pelo vírus. A HIVconsv não só fortaleceu a resposta imune, mas também a redirecionou para um alvo mais eficiente.

“Este estudo é o primeiro a demonstrar o controle pós-tratamento”

“Este estudo é emocionante porque é o primeiro a demonstrar o controle pós-tratamento — ou seja, o vírus está presente, mas não há rebote após parar a terapia antirretroviral”, disse Sharon Lewin, diretora do Instituto Peter Doherty da Universidade de Melbourne, Austrália. “No entanto, também precisamos ser cautelosos: não havia grupo de controle e não sabemos qual parte da intervenção foi importante — A vacina precoce? A segunda vacina? Romedepsina? Ou todas as anteriores?”

“Precisamos de um estudo maior”

“Ao mesmo tempo, até hoje, em todos os outros estudos envolvendo a interrupção do tratamento, o controle pós-tratamento tem sido raro e, no máximo, ocasional. Portanto, este é um passo promissor e significativo. Precisamos agora de um estudo maior, que tenha um grupo de controle que não receba nenhuma intervenção. Queremos entender por que algumas pessoas controlaram o HIV e outras  não — atualmente não temos resposta para isso.”

Anúncios

143 comentários

  1. Fabio diz

    Olá, moro em Barcelona e penso muito em fazer parte deste “experimento”, mas tenho dito excelentes resultados com o tratamento tradicional. Pergunta, voces “encarariam” este experimento. Tenho receio…
    Abraco a todos

    • JuniorRN diz

      Ser cobaia sempre tem seus riscos. Eu mesmo não me submeteria a esses testes se meu tratamento está indo bem.

    • Brasileiro diz

      O teste é acessível a qualquer positivo aí? Já que é uma vacina tomada apenas em algumas doses, alguém aqui do Brasil poderia ir aí fazer esse teste?

      • Fabio diz

        Ola Brasileiro, num levantamento inicial que fiz sim, mas tem que morar aqui pois a frequencia dos exames de sangue é maior que no tratamento com antiretroviral

  2. telma diz

    Eu se pude-se faria parte sem pensar muito , mais moro no brasil apesar de os antiretrovirais serem eficazes , os efeitos nos rins e ossos e comprovado por mim mesma que tomo eles a mais de 24 anos . Infelizmente nao posso .Essa é minha opinião.

    • JuniorRN diz

      Vendo por esse lado, seria bom mesmo tentar uma alternativa nova para o tratamento.

    • Fabio diz

      Ola Telma, obrigado pela sua opinião, posso lhe fazer uma pergunta? Além do seu tratamento ao longo desse tempo, você toma ou tomou algum complemento ao longo desses anos? Abracos

      • telma diz

        Tomei somente algumas injeções de vitaminas b12 atualmente somente tomo probioticos devido ao efeito colateral de flatulencia e intestino preso utilizando inibidores de integrase , nunca sofri nenhum tipo de internação nem mesmo com os antigos retrovirais que eram muito mais toxicos, mais sinto que meus rins foram danificados devido ao uso diario de anos de antiretrovirais

  3. Lucius diz

    Pena que descobri minha sorologia muito tarde (uns 8 anos) e devo ter muitos reservatórios com o genoma viral. Mas há esperança no futuro.

    • raphael+ diz

      Como vc sabe que tinha ha uns 8 anos? Não é muito tempo pra ta infectado e não sentir nada?

    • Gustavo diz

      Lucios, tenha fé, a cura está chegando. Nunca foi tão revolucionário o salto que as pesquisas na área deu! Deus nos ajudará!

  4. UK+ diz

    Se fosse proposto para eu iniciar um teste com novas drogas ( ser cobaia) aceitaria numa boa!!!
    Me descobri a pouco tem ser soropositivo uns 4 meses após a infecção, e deste então procuro ler e me manter informado cosntatemente, e acredito pelas leituras que faço, que talvez a cura não esteja tão próxima como imaginamos, mas que a medicina para o tratamento irá melhorar bastante ex: 1 vacina a cada mês ou chegando a 1 vez a cada 6 meses!
    De fato irá melhorar bastante nosso tratamento!
    Isso que me deixa um pouco mais “confortável”

  5. Paulo diz

    ME AJUDEM! Tenho 25 anos, comecei a namorar começo do ano e meu namorado após 2 meses disse que queria eliminar o preservativo de nossas relações, me mostrou o teste que ele tinha acabado de fazer “não reagente” e lá vai eu fazer o teste… pulando pro resultado, dia 12/05 estava tão certo e feliz que peguei o exame no laboratório e abri na rua mesmo. Não acreditei no que li, estava escrito “REAGENTE” meu mundo acabou, à vista escureceu, me deu uma forte tontura e eu sentei na calçada e comecei a me desesperar com pensamentos horríveis e só vinha a palavra morte na minha cabeça. Tive que contar a ele e ele me deu super força e disse pra eu não me preocupar pq ele não iria acabar por causa disso, me senti um pouco melhor por ter em quem me apoiar, não pretendo contar a ninguém sobre isso por enquanto, infelizmente desde ontem ele não fala comigo e diz que não consegue colocar na prática o que vê em teoria, me pediu muitas desculpas, embora isso seja horrível, achei que pudesse ter um apoio e agora só sou eu e Deus. Marquei um infectologista para segunda feira e estou muito ansioso para o melhor ou o pior, muitas coisas na minha cabeça, está a mil! Não consigo fazer nada e só choro, não deixo transparecer para minha família, mas tenho vontade de abraçá-los, pois me sinto agora sozinho nesse mundo, não sei oq será de mim! Fazem 8 dias hoje que minha vida virou um inferno 😦

    • UK+ diz

      Calma!!!! Descobri a pouco também! Me senti como você! Vai ao médico faça seus exames e comece a se tratar! E lembre-se quanto menos pessoas souberem é melhor! Infelizmente temos muito preconceito! E sua vida não acabou ela apenas está começando!!!!! Se precisar desabafar mande seu E-mail conversamos por lá!!!

    • Sorocaba diz

      Paulo para mim foi assim…. eu descobri em 28 de dezembro. Estava com manchas na pele do rosto q nunca tive fiz exame deu reagente. Dia 18 de janeiro jah estava tomando o 3×1. Deu sono somente e nenhum mal estar do tipo enjoo. Desde entao minha saude melhorou muito. Nao contei a ninguem. Tb estou sozinho nessa. Tomo escondido em casa de madrugada antes de dormir. Tenho feito exames a cada 3 meses. E minha carga viral já está indetectavel. Tem dias que estou mentalmente super bem mas tem dias que a tristesa bate e é foda segurar. Choro sozinho a noite mas agora eh meio raro a tristesa bater forte. Mas conforme vai passando o tempo parece que o corpo cansa de sofrer e vc passa a ficar meio anestesiado com a nova condição. Assim vejo que muito do meu sofrimento foi atoa no começo. Neste caso busquei ajuda aqui e no espiritismo através da leitura e oraçao. No youtube gosto de ver “Cartas de Fatima do Fernando Bem” e TVKardec, me conforta muito e tira minha atenção do hiv. Baixo livros de graça do site http://lelivros.love. São de hackers amigos meus que colocam os livros digitais de graça na net. Tem muitos espirituais e de auto ajuda. Da para ler eles pela Playlivros do google no modelo epub. E vc lê eles confortavelmente no celular. Eu no momento estou lendo “o livro nosso lar”. Ah quando estou com o pensamento muito angustiado tomo muito chás de efeito calmante. Tomo chá de camomila e erva doce. Tem feito bem. Faço isso desde o começo do tratamento como estou com cv indetectável pelo visto os chas nao interferem no tratamento. A tem o lance da academia… olha eu nao acreditava mas realmente saio melhor disposto depois de uma sessão de academia. Melhora muito o animo. Dizem tb que academia aumenta o cd4 mas eu nao tive tempo ainda de verificar isso. Tem um site de relacionamento muito bom o radarhiv lá vc vai ver que sua vida não acabou com relação a namoro e descobre várias pessoas que estao com hiv a mais de 25 anos tomando remedio e estão bem. Tb da para achar pessoas que estao na sua cidade ou região. Tem do país inteiro. Voltei a tomar minha cervejinha novamente esses dias. E fiquei bem tb. Olha bem sei que eh hard o começo mas melhora. Bom espero falando de minha experiencia tenha ajudado.

      • Paulo diz

        Fico mais confortado com suas palavras, obrigado. Você tem e-mail?

        • Carlos diz

          Achei que só eu pensava assim… que bom saber que vocês compartilham disso também!

        • Sorocaba diz

          Sim soh positivo. Mas ainda nao quero isso. Quero por a vida em ordem primeiro.

          • RODRIGO+ diz

            Sorocaba, vc ainda não está indetectável ou é opção sua se relacionar somente com soropositivos?
            No começo, eu até saí com alguns, mas eles insistiam em não usar preservativo. Daí parei de sair com positivos. Hoje só tô saindo com soronegativos. Para 2 deles, eu contei minha condição e a gente continua ficando sem problemas já tem 1 ano. São pessoas esclarecidas. Só que não tenho mais coragem de contar pra mais ninguém.

    • Ricardo- Guarulhos diz

      Só posso de dizer uma coisa : Mantenha a calma…vc não vai morrer por causa do hiv, aliás, sua qualidade de vida irá melhorar ! Por costume temos a mania de somatizar as coisas, vc verá q daqui q pouco este desespero inicial irá e vida q segue, com ou sem Hiv. Querendo conversar, email : rick_vade@hotmail.com. Forte abraço.

      • Lucio SOuza diz

        cara desculpa, mas qualidade de vida nao melhora nao.
        nao posso tomar cerveja, nao posso tomar suplemento de academia do jeito que tomava, fico preso a buscar remedios, temos que ser otimistas mas realistas.

        • Marcus diz

          Também concordo, a vida é “quase” normal, mas aí a dizer que melhora, totalmente irreal (pelo menos pra mim). Só o fato de você ter a carga de ter de contar pra alguém que você gosta sua condição e ter que esperar a pessoa julgar se vai ou não ficar com vc (como se nossa condição nos desumanizasse) só aí já ferra a teoria, infelizmente. Porém, como dizem, antes isso que um câncer, uma sequela de acidente ou algo pior – O que ferra é o estigma…

          • Viviane diz

            Concordo”não levo uma vida normal” dores no corpo, estômago que fica ruim,e muito preconceito das pessoas mal informadas.As vezes bate uma melancolia do nada, mas jamais deixo de tomar meu remédio 3 em 1 . Descobri em novembro de 2011.

        • Oi Lucio
          Desculpe mas tenho que discordar de você!
          Porque parou de tomar os suplementos ?
          Eu faço academia há muitos anos, descobri que sou soropositivo tem 9 meses,em nenhum momento do tratamento parei de tomar meus suplementos ou de sair pra beber de vez em quando.
          Eu te digo que na prática a única coisa que mudou foi a rotina de tomar os 3 comprimidos toda noite de resto nada mudou literalmente.
          Não deixe de fazer o que gosta…E possível manter dieta, ganhar massa magra, ter performance nos treinos .
          A não ser que você tome anabolizantes aí realmente vai precisar parar porque a sobrecarga no fígado será muito grande , o mesmo com excesso de álcool.
          Não desista!!!

          • GompMais diz

            É verdade o que Mel falou. Descobri há dois anos que fui infectado por esse vírus, tomo suplementos, faço crossfit, musculação e corro. Tenho 37 anos, excelente desempenho e condicionamento físico, sou saradinho, massa magra, faço dieta e tomo os remédios depois do almoço. Muita mlkada “saudável” não acompanha meu ritmo…

            • Joseh diz

              Oi! Descobristes faz quanto tempo? Me entusiasmei contigo! Queria conversar mais. 👍✌🏼️

              • Joseh diz

                Desculpe com relação à pergunta… Muito aflito, não percebi. Posso te encontrar no KIK, amigo?

    • Anjo Terapeuta diz

      calma, respire, veja bem a maioria das pessoas aqui tem o virus como vc, eu tbm o tenho, foi uma barra no inicio mas eu decidi viver e viver bem entao comecei logo a medicaçao e em menos de um mes ja era indetectavel e eu me sentia bem e me sinto ate hj. logo vc veras q n estas no corredor da morte mas teras um vida como qualquer outra pessoa.

    • Cristiano diz

      Oi Paulo tudo bem? Aconteceu parecido comigo,meu namorado fez o teste deu ‘não reagente’ e o meu “reagente” refiz o teste denovo pois não acreditava oq tava acontecido comigo isso em Janeiro de 2016 tinha perdido muito peso e só fui fazer o teste porque estava com dificuldades em andar,enfim… Depois que contei pra ele,me deu muita força, graças a ele,a um amigo meu que tb é positivo e a outro amigo meu,ao tratamento dos retrovirais e principalmente Deus hj me sinto melhor,em aparência e principalmente saúde superei e consegui ganhar peso,tem os efeitos colaterais… Namoramos até Outubro de 2016 e só terminamos porque ele voltou a morar com a mãe no Maranhão e assim mesmo distante quero que ele seja feliz com outra pessoa e eu também… A nossa visão que temos da vida muda,aprendemos a dar valor em tudo,e principalmente na saúde e nas pessoas em nossa volta,minha família não sabe e nem pretendo contar,mas acredito que a cura é a nossa superação,a cura é o controle que temos hoje sobre isso… Claro que todos criamos muitas expectativas da cura definitiva,porém não deixe de se cuidar pois o maior remédio além do nosso tratamento é viver 😉 Abraço

    • Juan diz

      Calma, eu quando descobri não conseguia nem dormir, nem comer, enfim não consigo erguia fazer nada… me sentia preso dentro de um corpo que na minha cabeça “já eras”, no entanto hoje um ano e meio depois eu vejo que tudo nesse mundo passa, me sinto MUITO melhor que antes, não pego uma gripe, vida NORMAL. Cuide da sua cabeça e do seu corpo. Tenho 21 anos se quiser conversar me manda um e mail enjoyingjuan@outlook.com

    • casal diz

      Paulo amigo….. me mande um email para casalpositivo2@gmail.com vamos conversar muito e te mostraremos que além de Deus vc tem muitos amigos pode ter certeza disso!. Aguardo seu contato!

      • casal diz

        opa desculpe me… casalpositivo2@hotmail. com e n gmail.com abraços!

    • Adriano diz

      Oi, Paulo.
      Estou passando por uma fase parecida, descobri ontem que sou soro positivo. Eu estava saindo com alguém há algum tempo, sabia que ele saia com outras pessoas, mas eu sempre procurava usar preservativo, mesmo ele dizendo que não gosta. Eu ainda ia encontrar com ele somente pq eu estava passando por uma fase ruim pos fim de um casamento (terminado há 2 anos) e não queria namorar ninguém, medo de me machucar, entao era só sexo sem compromisso. Por uma bobeira minha transamos um fds inteiro sem proteçao e, assim, ele conseguiu me machucar mais que qualquer outra pessoa que tenha passado pela minha vida. Sem saber disso, eu já tinha deixado de sair com ele porque conheci uma pessoa super bacana, super especial e estamos nos dando muito bem. Me senti seguro para começar uma nova vida a dois. Mas, além de toda a tristeza e sentimento de culpa por ter me descuidado em um momento, agora sofro com medo de contar para meu novo companheiro, não sei como começar, não sei como conduzir. Conheci esse blog hj, buscando ajuda para a minha tristeza, ele e os comentários de vocés tem me dado alguma força, mas estou muito triste com o que está acontecendo cmg. Se eu não consigo forçar para contar para um namorado novo, imagine contar para a família. Fico mal só de lembrar de quando me assumi gay, imagine agora. Estou com bastante medo e me sentindo muito só. Fiquemos bem. Um abraço

    • Daniel34 diz

      caro amigo começo é assim mesmo esses fantasmas e monstros querem acabar com nossa cabeça, porém não se entregue você vai perceber que a cada novo dia a esperança de que é possível viver bem com esse vírus, os medos vão sumindo e os fantasmas vão desaparecendo.
      se você acreditar em Deus peça ajuda Dele, reze, ore e pense que daqui para frente a vida precisa continuar e continuar muito bem.
      Se quiser conversar está ae meu e-mail danielive@gmail.com.
      Forte abraço você não está sozinho.

  6. Phoenix diz

    Pessoal, comecei meu tratamento a três meses no esquema (2 em 1).
    Caso eu tenha que mudar de medicação devido a intoxicação do rins, visto que minha creatinina deu um pouco alta. Qual seria o protocolo que seria posto em prática. Eu teria que alterar toda a medicação ou apenas um. E qual seria as opções. Alguém teve que mudar tão recentemente devido a isso?

    • Beto diz

      Boa noite Phoenix eu estou nesse dilema já um ano junto com a creatinina alta ainda tenho o cpk tb muito alto já usei quase todos os remédios mais nada de baixar toda segunda faço exame pra acompanhamento de quiser trocar informações deixa teu e-mail que vai ser muito bom.

    • gaucho29 diz

      3 meses é muito pouco tempo pra ti ter intoxicação meu querido, ainda mais com o Dolutegravir que é um dos menos tóxicos. É normal alguns indíces subirem um pouco após o inicio da tarv, tal como creatinina, tgo e tgp, triglicerícios. Respondendo a tua pergunta, se tu n se adaptar ao Dolutegravir a tua opção será o 3×1, que contém o bruxo Efavirenz, aí tu se prepara para os efeitos colaterais hahehe. Bjo

      • Victor diz

        Nem o Dolutegravir nem o Efavirenz são responsáveis pelos efeitos nos rins e ossos. Quem faz isso é o tenofovir, presente tanto para quem toma o 3×1 quanto para quem toma o 2×1 + dolutegravir.

        • Victor diz

          A opção para quem tem aumento de creatinina secundário ao Tenofovir é o Abacavir, que reconhecidamente aumenta o risco cardiovascular. Em breve devemos ter disponível no Brasil o novo Tenofovir Alafenamida, bem menos tóxico para os rins e ossos! Em 2032 a patente de todos os antirretrovirais existentes hoje terá expirado. Obviamente até lá surgirão novos e melhores medicamenfos! Um abraço!

          • Phoenix diz

            Obrigado, mas até 2032 espero que todos nós já estejamos curados. Rs. Vi em alguns sites que tenofovir provoca isso. E já tem esse novo tenofovir. Mas qto a implantação no Brasil acho que vai demorar. E o abacavir tem isso?Nossa. Uma coisa eu posso deduzir : até 2020 já estará implantado o esquema de dolutegravir e lavimudina somente. Vi num site que já foram feitos testes e mais testes em que dolutegravir é bastante eficaz pra usar somente a terapia dupla em vez da tripla. Amanhã faço outro exame. Tomara que tenha baixado.

  7. Lolito diz

    Meio triste ao ler um comentário em outro post em ver que um paciente do doutor esper disse que ele não acredita em cura nos próximos 10 anos. Me sinto interrompido nos meu 21 anos. Ai vocês me vem e diz ” mas tem tratamento e remédio VC deveria agradecer” eu agradeço mas não tem quem pego esse vírus e ainda jovem que não queira se livrar, acho que quase todos se sentem assim igual a mim. A cura seria um paraíso.

    • Gil diz

      Sim, todos, jovens, coroas ou idosos querem se livrar do vírus. Mas não se pode ficar sentado à beira do caminho chorando ou esperando o mundo perfeito, a cura e outra bênção qualquer, amigo. Vá viver, use os retrovirais, pense em outras coisas, tenha projetos de vida, pense em sua vida, porque o vírus está controlado. Tens 21 anos e uma vida toda de cursos, de trabalho de formação, de realização, de viagens, de superação… aí, antes do 40 anos (e olha, acredite, passa muuuiittooo rápido entre 21,22 e 40, 45 anos… estou com 44 e foi um zás!), repito, antes dos 40 anos, estarás curado. E mais que isso: realizado na vida, se for muito caprichoso e zeloso consigo mesmo, que é a única pessoa que mais precisa de você bem…

  8. Lolito diz

    Gente, não é só por mim. Milhões de pessoas morrem ainda por esse vírus maldito. Seja pelo diagnóstico tardio ou por que não tem acesso a medição, pra que tanta demora, tanta burocracia?
    Não sei como o JS acredita pra 2020. Perguntei pra saber se ele sabe de algum estudo promissor que termine até lá. Mas vai MAIS uma VEZ minha pergunta JS, por que acredita na cura até 2020? E não me venha dizer que acredita que até 2020 vamos ter um entendimento de como a cura virá, pois hoje já consegue-se ver os caminhos. E o vídeo que você postou e legendou da AMFAR deixa bem claro que é uma meta pra CURA em 2020.

  9. Sorocaba diz

    Meu medo maior agora eh com essa crise política que está se instalando no País, tenho medo que através disso passem a não comprar remédios para nós e assim comece a faltar. O que será de nós se por algum motivo começamos a deixar de tomar o remédio diariamente…. e quanto tempo duramos sem ele.

  10. Sorocaba diz

    Ficar positivo neste cenário político louco q está o país soh me deixa mais nervoso e triste.

  11. Cbb diz

    Fugindo um pouco do tema gostaria de dizer que o momento político que o Brasil atravessa é deveras vergonhoso pra vossa classe política, mas felizmente vcs têm instituições credíveis e adultas que estão a tentar meter as coisas no caminho certo.
    Qto ao vírus que nos apoquenta penso que o cerco está a se fechar e quase todas as semanas há informações novas, mas gostaria de saber se em qto tempo é que começamos a ter problemas de saúde em função da toxidade dos medicamentos contendo efavirenz. Saudações fraternais de Angola.

  12. Sou Jorge diz

    Temos um grupo no Kik super alto astral em que todos compartilham com alegria suas vidas, seus medos, esclarecimentos dúvidas…enfim, somos muito mais que um vírus, somos vida. Viver Pensando que o mundo acabou é uma besteira, uma perda de tempo. Cuidem-se, pratique exercícios, comam direitinho,procurem além do infecto um bom nutrólogo é um endócrino. O HIV não é sinal de morte, e com ele aprendemos a dar mais valor a vida e não banalizar tanto as coisas, Vivam cada dia, sorriam pra vida que ela dará o retorno.fiquem com Deus! Entre em contato com. “Dom_SP” no kik

  13. UK+ diz

    Queridos talvez a minha proposta seja imprópria! Mas poderíamos fazer um grupo no whats pra conversamos! Não somente sobre isso mais trocarmos ideia sobre tudo!? Fazer amizades!?

    • Bigorna diz

      Eu tbm acho muito criativo e interessante ter um grupo no whats pra d soro positivo pra conversarmos e tirarmos algumas dúvidas

    • Carlos diz

      Também acho interessante a proposta, mas para uma maior privacidade acho que deveria ter um e-mail onde pudéssemos mandar os numeros de telefone…

    • Marcus diz

      Eu super queria, poderia deixar um end de e-mail pras pessoas passarem o n° por lá, somos todos de cidades diferentes, acho que seria muito bom!

    • JP diz

      Grupo de e-mail é uma forma de comunicação já ultrapassada porém mais discreta que whats. E é uma ótima ferramenta de comunicação. Um grupo no Gmail, por exemplo.

    • Paulo.arq@hotmail.com diz

      Existe um canal chamado radarhiv…la existem varias pessoas como um chat de amizades, como existiam no uol. Então você entra no site e vê varias pessoas para fazer amizade da sua região ou cidade.
      Assim que eu tive o diagnostico esse grupo foi quem me salvou…vc descobri que outras pessoas levam vida normal. Me ajudou muito…surgiram varios casais. A ideia era unir a pessoa soropositiva caso tivessem que lutar por seus direitos.
      Quando tive uma melhora e descobri que não seria o fim do mundo que poderia namorar outras pessoas, trabalhar etc. Varios meninos fazendo faculdade.
      Tinha o grupo dos heteros e dos gays. Proposta bem interessante.

    • Paulo.arq@hotmail.com diz

      Veja um site chamado radar hiv. Bem nessa proposta.

  14. Rômulo diz

    Sorte que descobri antes dos 3 meses… com sorte minhas reservas são baixas ! E com uma vacina eficaz facilitará muito minha vida !

    =)

      • Rômulo diz

        Sim… eu sou muito tranquilo então quando soube tomei aquele “choque básico” de 10 minutos hehe mas depois devorei sobre o assunto e vi que nem era nada d+… (atualmente óbvio), comecei uns 70 dias +- após o contágio… a próprio infecto falou que comecei numa “janela excelente” o coquetel… então to de boa hehe…

        Tive 2 dias de enjoo e só. Eu to com uma escamação no rosto ainda mas após 30 dias de coquetel já ta mínimo (comendo hidrante obviamente).

        Agora só esperar ficar indetectavel e a vida volta praticamente a mesma de antes! ^^

        PS: Já tomava comprimido todo dia (finasterida) então só triplicou a quantidade hahaha… =)

        • Rômulo diz

          Só complementando (já que não da pra editar), tive exantema (mancha vermelha) no pescoço e pouco no rosto mas com hidratante praticamente zerou.

        • cangangopositivo diz

          Essa escamação no rosto começou antes de começar a tomar os tarvs ?

          Deixa seu email para trocarmos uma ideia. A finasterida não interage com os tarvs ?

          • Rômulo diz

            Começou após a medicação. (mas é relativo pois muitos sofrem efeitos colaterais e outros nada sofrem… o meu foi “meio termo” hehe)

            Não interage, foi liberado pela infecto. (E tbm vi alguns positivos (estrangeiros tbm) confirmando o uso sem restrições em comentários)

  15. João Carlos diz

    Promissor…muito promissor esse estudo. Estou otimista com tudo o que vem ocorrendo, logo uma dessas pesquisas dará certo.

  16. semprepositivoportugal diz

    Boa noite Pessoal,

    Eu moro em Portugal e descobri que tenho o vírus logo no início da infecção. Descobri no dia 29 de Dezembro de 2016 e como podem imaginar, o meu mundo também foi abaixo…primeiro porque só pensava na morte e em segundo lugar por viver longe da minha familia. Inicie o tratamento logo a seguir as primeiras analíses e até o presente momento não tenho o que me queixar. Senti enjôos diários quando aproximava-se as 24 horas do dia seguinte. Tenho feito dois tipos de medicação e amanhã irei a consulta com o médico…penso que irei iniciar uma fase de apenas uma medicação se tudo correr bem…não é fácil, é triste, por vezes viver sozinho e distante do seu país e família…torna tudo mais complicado, mas enfim não podemos desistir…

  17. semprepositivoportugal diz

    Sorocaba, eu descobri um dia depois do dia em que descobriste. Também tenho feito a medicação desde Janeiro. Sinto-me bem.

    • Sorocaba diz

      Nossa semprepositivoportugal ficamos de cabeça quente no mesmo tempo entao! Eu posso dizer que ainda nao me acostumei com a ideia mas cada dia a mais tenho melhorado.

  18. Luiz Carlos diz

    Não sei se alguém já postou pois estive ausente por alguns dias, mas o autoteste para HIV finalmente vai sair do papel. Em algumas cidades já há iniciativas estaduais em que é possível receber um kit de testagem pelo correio, e agora finalmente o registro pela Anvisa para um teste rápido vendido em farmácia foi homologado.

    A expectativa é que as vendas comecem já em Junho, e o preço não deve passar de R$ 60. O teste é como a grande maioria dos testes rápidos, que requer uma janela imunológica de 30 dias para uma efetividade de 99,9%.

    http://www.brasil.gov.br/saude/2017/05/teste-de-farmacia-para-hiv-recebe-registro-da-anvisa

    Eu fico muito feliz, do fundo do meu coração, por saber que isto finalmente vai estar disponível. Tenho certeza que muitas pessoas que tinham medo de ir ao CTA poderão finalmente fazer o teste no conforto de suas casas e ter o sigilo total de seu diagnóstico.

    Abraços!

    • Caio PE diz

      Luiz, Luiz …. Sempre apareça! Suas informações são altamente necessárias aqui.

    • Phoenix diz

      Infelizmente, eu fui uma dessas pessoas. Na primeira vez que fiz, a psicóloga quase me matou. Pensei que ela iria dizer que deu positivo. Fiquei com trauma e falei pra mim mesmo que nunca iria mais lá. Mera ignorância minha. Fora isso, sou homossexual, mas não assumido. E não me sentia confortável a falar minhas intimidades a uma estranha. Ainda mais numa cidade pequena. Achava que aids era uma coisa distante de mim. Como pode uma pessoa que, pra mim, inspirava “virilidade e saúde” ser soropositivo. Por pura ignorância e falta de informação eu mesmo fazia o esteriotipo de quem poderia ter uma
      “saúde suspeita”. E muitas vezes deixei de que ficar com alguém por causa disso. E novamente, Como pode alguém que transbordava “saúde” ser soropositivo. Hj eu sei que Aids não tem cara, cor de pele, status social, sexo e grupo de risco, pois só basta uma vez o descuido pra pegar ela. O medo me barrava sempre a fazer esse bendito teste, de alguém vê eu lá, de eu encontrar algum conhecido, de saberem caso desse positivo mesmo sabendo que algumas vezes, raras vezes, havia transado sem camisinha. Que bom que será assim também.

  19. Fábio diz

    Pessoal, sei que não é o assunto do post, mas acabo de ver uma peça LINDA sobre um jovem que descobre ser soropositivo e precisa lidar com isso. Todas as nossas angústias estão lá, num musical muito bem escrito e encenado. Chama-se “LEMBRO TODO DIA DE VOCÊ” e está em cartaz aqui em São Paulo, no Centro Cultural Bando do Brasil, de sexta a segunda. O ingresso é baratíssimo! Vale muito a pena, e merece até um post sobre isso. Fica a dica: http://culturabancodobrasil.com.br/portal/lembro-todo-dia-de-voce/

    • Cara+ diz

      Tem horas que a gente acha que a cura está bem aí, bem perto. Aí vem um balde de água fria e descobre que deve demorar bastante. Complicado, mas vamos seguindo e vivendo. Estamos no caminho!

    • Luiz Carlos diz

      Todos assuntos são válidos Fábio, obrigado por compartilhar.

  20. Carlos diz

    Bom dia, gostaria de saber como vocês levam a vida tomando os antirretrovirais associado a bebidas alcoolicas… Gosto de sair aos finais de semana com amigos e as vezes exagero na bebida. Devo parar? O que fazer? Qual de vocês bebem também?

    • Alexandre diz

      Conheço 3 que bebem muito, inclusive 1 bebe todos os dias, e todos estão indetectáveis há um bom tempo.

    • Luiz Carlos diz

      Carlos, o ideal é sempre maneirar, pois a hepatotoxicidade dos ARVs já é alta. Quando combinada com o álcool, a situação piora. Em um mundo perfeito nós não beberíamos, mas realmente, as vezes passamos da conta.

      O ideal é você conversar com seu infecto, acompanhar os exames e evitar que isto seja algo rotineiro.

      Eu eventualmente acabo extrapolando também, e haja suco de couve com limão no dia seguinte.

      Abraços.

    • Rômulo diz

      Alcool por si só nem é saudável a longo prazo (excessos óbvio) com ou sem HIV.

      Se for só FDS acho que n é tão problemático… só n pode esquecer de tomar o remédio !

      Passa esta informação para sua médica e ve o que ela diz.

    • Jorgito diz

      Excesso de alcool e ARVs são uma combinação bombástica para o fígado. Agora, tomar ARVs e beber socialmente de vez em quando não tem problema nenhum. Já fui em dois infectos e ambos disseram o mesmo.

    • Gil diz

      Eu, como bom catarinense, curto uma cerveja, sim. E às vezes vinho, tequila… sem exagerar, mas já fiz besteira. Diminuí nos últimos anos, mas sempre bebo um pouco, duas 3 latas numa noite, às vezes mais. Depois dos antiretrovirais, mantive a média, mas bebo mais água, coisa que todos devemos fazer, sempre uns goles de água entre uma dose ou uma latinha e outra. Isso ajuda a não embebedar-se, a se manter hidratado e fugir de ressaca, se for beber a mais, e ajuda aos rins e fico amiguinho do fígado. Um abraço.

    • raphael+ diz

      Passei meses sem tomar álcool após descobrir que tinha hiv e iniciar o tratamento com 3×1. Até que chegou minha ultima consulta do ano, antes do reveillón. Eu tava com vergonha de perguntar ao meu infectologista se poderia beber e ele brigar comigo. heheheh Até que perguntei se eu poderia brindar o ano novo com meus amigos.
      Ele respondeu: “Mas é claro que pode! Nós estudamos na faculdade e na vida que o veneno está na dosagem. Você não vai beber todos os dias, nem beber pra se embriagar, mas pode sempre que quiser brindar com seus amigos. Eles achariam estranho se vc que sempre bebeu em um momento de festejar se isolasse. O medicamento que vc toma “3×1” é muito forte, e não tem isso de cortar efeito. O máximo que pode acontecer é no outro dia vc ter enjoos, ou diarreia… “

      • Renato diz

        Sai semana passada ,primeira vez depois de oito meses , daí tomei três cervejas ,sendo que uma água entre uma e outra!o próprio médico falou q eu podia beber !

    • Marcus diz

      Eu nunca fui muito do álcool, mas para acompanhar meu ex, td fds era aquela cervejinha. O que mudou é que antes eu ficava bêbado e tinha ressaca com umas 5, 6 latinhas, depois das arv’s basta três pra eu trançar as pernas. Dizem pra dar intervalo de 2 horas entre remédio e bebida, mas já tomei em cima e nunca deu nada, sempre indetectável graças a Deus

  21. Paulo diz

    Estando indetectável os efeitos colaterais permanecem? E quanto às consultas, continuam muito frequentes estando indetectavel?

  22. Estando indetectavel vc terá controlado o virus no sange, através dos arvs , que produzem efeito colateral a curto e a longo prazo como qlq outra medicação e varia de acordo c o organismo e as drogas envolvidas .As consultas costumam ser mais espaçadas após este resultado. Abç

  23. Leo diz

    Olá pessoal, boa tarde!
    Eu acompanho o blog há umas semanas, desde quando meu namorado resolveu ir ao CTA da minha cidade fazer os exames, que deram todos negativos! Uns dias depois resolvi fazer também, mesmo não tendo a intenção de tirar o preservativo do relacionamento (nunca aconteceu penetração desprotegida nesse namoro), mas por ter muito tempo que não fazia o teste… Desde o dia que liguei para marcar, que era uma segunda-feira a tarde, até o dia marcado, que foi uma quarta-feira (por ser a primeira vez lá) eu fiquei pensando milhares de coisas, li tudo sobre o assunto.. E claro, como sempre sofro por antecedência, já tinha como certo de ser positivo. Pelo meu histórico de relações sem proteção, por não gostar de usar etc.. A tensão em esperar o resultado foi a pior sensação que já senti na vida, pelo medo da novidade, do preconceito das pessoas, por não ter ideia de como ia encarar esse fato. Muitas pessoas que fizeram o exame depois de mim foram chamadas antes para pegar o resultado e eu fui me preparando psicologicamente, tendo certeza que ia ler um “reagente” no meu exame, naquela sala de espera.. Lá dentro conversei com várias pessoas, com uma virgem que a mãe estava obrigando a fazer exame, com uma positiva há 14 anos e 11 filhos (nenhum positivo) que estava indo junto com o marido, com uma garota super jovem que tinha perdido o namorado há 4 dias por complicações da hepatite.. enfim, esperei quase 1h para o resultado, quando a psicóloga me chama para entregar o resultado: Não Reagente! Foi um alívio pra mim, mas vi pessoas saindo chorando de lá e poderia ser eu, ou qualquer pessoa que eu goste.
    Sinceramente era uma coisa que não passava pela minha cabeça, mas depois disso não consegui mais parar de visitar esse blog e ler os relatos e o tanto de amor que rola nesses comentários, de ajuda, de apoio, compreensão.. Que coisa linda! Com ajuda de vocês desconstruí muita coisa na minha cabeça. Nunca tive nenhum preconceito, nunca foi um bicho de 7 cabeças pra mim, mas não tenho ninguém positivo no meu convívio (que eu saiba).
    Enfim, depois desse texto todo, eu só estou aqui para oferecer meu tempo, meu colo, minha atenção pra quem quiser e/ou precisar. Sou Reikiano, então se aqui tiver alguém de Juiz de Fora-MG, eu vou ter o maior prazer em aplicar Reiki, tomar um café e trocar idéia.
    Meu e-mail: rabiscario6@gmail.com
    Um abraço em vcs..
    Até 😉

  24. Verdes Olhos diz

    Oi, pessoal. Ando bem a fim de conversar com pessoas que, assim como eu, vivem com este vírus chato, em Porto Alegre-RS ou arredores.
    Inclusive já tentei procurar reuniões estilo “terapia de grupo”, mas os médicos não souberam me indicar nada, parece tudo tão desmobilizado…
    Enfim, se alguém quiser trocar uma ideia, meu e-mail é: verdesgrandesolhos@gmail.com

    Abraço a tod@s!

  25. SP+- diz

    Que ótima notícia quanto ao PrEP!

    Vivo um relacionamento homoafetivo soro discordante e felizes há mais de 3 anos, e falando honestamente sem hipocrisia, sexo oral e preliminares com camisinha não dá..

    Não acho que o truvada deva ser encarado como o passaporte as aventuras sexuais sem proteção, afinal todas outras DSTs estão aí.

    Mas como um auxiliar, e especialmente um pacificador para grupos de risco será mto bem vindo.

    Tenho uma dúvida. Em casais sorodiscordantes aonde um segue a TARV e se encontra indetectavel e o outro utiliza da PrEP o risco de contágio é zero?

    Pra título de informação, eu não sabia da sorologia dele (motivos mto difíceis de explicar mas compreensíveis dentro do nosso relacionamento) praticamos sexo versátil de todas formas por mais de 2 anos sem proteção com ele indetectável e eu me encontro negativo repetindo os exames mensalmente.

    Obviamente após ele ter me contado (com mais de 2 anos se relacionando) passamos a usar o preservativo, mas que foi um baque quando ele me contou isso foi pq jamais pensei que havia alguma chance de estar negativo, apesar dele estar mto certo sobre isso até o resultado do exame confirmar…

    • Rômulo diz

      Pelo que li a chance de ele te passar algo sem camisinha é a mesma com a camisinha… +- 96%. (ele estando indetectável)

      Li por ai tbm que quem ta indetectável não transmite… mas vai da consciência de cada um.

      • Rômulo diz

        Escrevi errado: 96% de NÃO transmitir ! Ou seja 4% +- de transmitir…

  26. telma diz

    home novidades comunicados de investidores detalhes noticias & eventos
    Compartilhar isso
    Inovio HIV Vacina Elicita Quase 100% Taxas de Resposta Imune em um Estudo Clínico

    Entre os níveis mais elevados de respostas imunológicas já demonstradas num estudo de vacinas contra o HIV em seres humanos
    PLYMOUTH MEETING, Pa., 24 de maio de 2017 (GLOBE NEWSWIRE) – Inovio Pharmaceuticals, Inc.(NASDAQ: INO) anunciou hoje que a sua vacina contra o HIV, PENNVAX ® -GP, produzido entre os mais elevados níveis globais de resposta imunológica (celular e humoral) nunca demonstrada em um estudo humano por uma vacina contra o HIV. A vacina candidata, PENNVAX-GP, consiste numa combinação de quatro antigénios de HIV concebidos para cobrir múltiplas estirpes globais de HIV e gerar tanto uma resposta imunitária de anticorpos (humoral) como uma resposta imunitária de células T (celular) tanto para potencialmente prevenir e tratar HIV.

    Esses resultados preliminares são de um estudo apoiado pela Rede de Ensaios de Vacinas contra o HIV (HVTN) ea Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), parte do Instituto Nacional de Saúde(NIH) em colaboração com Inovio. O estudo avaliou um regime de quatro doses de uma vacina de ADN de PENNVAX-GP administrada por administração intradérmica (ID) ou intramuscular (IM) em combinação com um activador imunitário codificado por ADN, IL-12 (INO-9012). Em geral, 71 dos 76 participantes (93%) avaliáveis ​​vacinados mostraram uma resposta imunitária celular CD4 + ou CD8 + a pelo menos um dos antigénios da vacina (env A, env C, gag ou pol). Do mesmo modo, 62 dos 66 (94%) participantes avaliados demonstraram uma resposta de anticorpo específica env. Nenhum dos receptores de placebo (0 de 9; 0%) demonstrou uma resposta celular ou de anticorpo no estudo. Notavelmente, entre os participantes que receberam a vacina PENNVAX-GP e a IL-12 com imunização intradérmica,

    Entre os participantes avaliados que receberam PENNVAX-GP e IL-12 via vacinação IM, 27 de 27 (100%) demonstraram uma resposta celular e 19 de 21 (90%) demonstraram uma resposta de anticorpo específica env. Respostas imunes similares e as taxas de resposta foram alcançados através de ambos ID e IM administração da vacina apesar de participantes vacinados via administração intradérmica vacina recebida 1/5 th a dose de vacina comparado com os vacinados por via intramuscular.

    Os dados desta descoberta foram apresentados numa sessão plenária na Reunião do Grupo de Primavera da HVTN de 2017 23 de maio dentro Washington DC Pelo co-presidente do protocolo do estudo HVTN 098, Dr. Stephen De Rosa, Professor Associado de Investigação, Medicina de Laboratório no Universidade de Washington e Fred Hutchinson Centro de Pesquisa de Câncer. O estudo HVTN 098 foi o primeiro estudo clínico do PENNVAX-GP. O estudo multicêntrico aleatorizado, controlado por placebo, envolveu 94 indivíduos (85 vacinas e 9 placebo) para caracterizar e optimizar os regimes de imunização PENNVAX-GP administrados através de vacinações por via intramuscular ou intradérmica.

    Dr. De Rosa, disse: “Os resultados preliminares do HVTN 098 são notáveis ​​por uma série de razões. Em HVTN 098, quase todos os indivíduos vacinados com os regimes incluindo IL-12 tinham respostas CD4 detectáveis ​​e mais de metade tinham respostas de células T CD8. De forma semelhante, a taxa de resposta de anticorpos foi de 100% ou perto de 100% para vários dos antigénios env testados no ensaio. Assim, estas altas taxas de resposta são excepcionais. Mais estudos serão necessários para determinar se esta vacina candidato pode segura e eficazmente prevenir a infecção pelo HIV. ”

    Dr. J. Joseph Kim, Presidente e CEO da Inovio, disse: “Esses resultados estão entre as respostas mais altas que já vimos com uma vacina contra o HIV, e eles são notavelmente consistentes com nossos dados recentes relatados em nossos estudos clínicos Ebola, Zika e MERS em termos de demonstração de quase 100% taxas de resposta vacinal com perfil de segurança muito favorável. Além disso, o nosso dispositivo de administração de vacina intradérmica mais novo e mais tolerável mostrou que podemos obter respostas imunes muito elevadas a uma dose muito mais baixa. Estamos ansiosos para avançar PENNVAX-GP em desenvolvimento clínico posterior com nossos parceiros e colaboradores. ”

    O desenvolvimento da imunoterapia PENNVAX-GP da Inovio, que se destina amplamente a vários clados principais do HIV – fornecendo cobertura global – foi financiado US $ 25 milhõesNIAID adjudicado anteriormente em 2009 à Inovio e seus colaboradores. Além disso, a Inovio e seus colaboradores receberam um prêmio adicional de cinco anosUS $ 16 milhões Desenvolvimento Preclínico / Clínico Integrado da Vacina contra a AIDS (IPCAVD) em 2015 do NIAID.

    Sobre a Infecção pelo HIV

    Quase 35 milhões de pessoas morreram por causa do HIV e mais de 36 milhões vivem com o HIV. O HIV é um retrovírus que causa a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), uma condição em que a falha progressiva do sistema imunológico permite que infecções oportunistas com risco de vida e câncer prosperem. O HIV é classificado em clades, subtipos dentro dos quais o vírus tem semelhanças genéticas. Os clados mais prevalentes são B (encontradosAmérica do Norte e Europa), A e D (encontrados principalmente em África), E C (encontrado principalmente em África e Ásia).

    O clade C do HIV é responsável por 48% dos casos em todo o mundo e 51% pelos africanos-HIV tipo 1. É o subtipo mais rápido de propagação do HIV. Embora os regimes de terapia anti-retroviral altamente ativos tenham transformado dramaticamente o tratamento da doença nos países desenvolvidos, são necessárias vacinas seguras e eficazes contra o HIV para impedir a propagação da doença.

    Sobre Inovio’s PENNVAX ® HIV Vacinas e Imunoterapias

    Inovio completou os estudos clínicos iniciais de sua imunoterapia contra o HIV PENNVAX-B, visando clade vírus B, para obter prova de princípio na geração de potentes respostas imunes usando sua tecnologia de imunoterapia SynCon ®. Em dois estudos de fase 1 publicados, a imunização com PENNVAX-B via injecção IM gerou elevados níveis de células T assassinas CD8 + activadas e antigénicas específicas. Essa capacidade posiciona de forma única o PENNVAX como um produto importante candidato para prevenir e tratar infecções por HIV.

    Usando um US $ 25 milhõesInovio desenvolveu a sua imunoterapia universal, multi-clade, multi-antigénio PENNVAX-GP dirigida aos antigénios env, gag e pol para proporcionar cobertura contra todos os principais clados do HIV-1. O foco de desenvolvimento de HIV da Inovio para fins preventivos e terapêuticos está no PENNVAX-GP.

    Sobre a HVTN

    A Rede de Ensaios de Vacinas contra o HIV (HVTN), com sede Fred Hutchinson Centro de Pesquisa de Câncer dentro Seattle, Washington., É uma colaboração internacional de cientistas e educadores à procura de uma vacina contra o HIV eficaz e segura. A missão da HVTN é facilitar o processo de teste de vacinas preventivas contra o HIV / AIDS. O HVTN realiza todas as fases dos ensaios clínicos, desde a avaliação de vacinas experimentais para a segurança ea capacidade de estimular respostas imunes, para testar a eficácia da vacina. O suporte para o HVTN vem doInstituto Nacional de Alergia e Infecciosas (NIAID) dos Institutos Nacionais dos Estados UnidosSaúde (NIH). As Unidades de Avaliação de Vacinas de HIV da Rede estão localizadas em instituições de pesquisa líderes em 27 cidades de quatro continentes. Pesquisadores internacionalmente renomados de vacinas contra o HIV e prevenção lideram as unidades.

  27. Sorocaba diz

    Gostei…. o que temos…
    Vacinas mais potentes
    5 pessoas em cura funcional
    1 cara na inglaterra que foino primeiro a terminar o chute e matar e deve ter mais outros
    1 cara tratado com cas9 que nao toma mais remedios.
    Um remedio abivax que provou reduzir em 40% os reservatorios virais
    E 3 ratinhos ainda vivos que espulsou o hiv de celulas latentes e ativas a mais de 90%.
    E o 1 macaco de 4 quatro macacos do medico escoces curado com uma vacina viral.
    2018 promete ….

    • Sorocaba diz

      Quando eh que eles vao juntar tudo isso e ver se vai dar certo?!

    • Luiz Carlos diz

      Estamos trabalhando, com o pouco que temos, para melhor atendê-lo

  28. Marcus diz

    Gente, eu preciso da opinião de vocês. Ontem foi minha consulta de rotina, pra ver o resultado da CV, graças a Deus segue indetectável e o meu médio não quis trocar o Efavironha, porque “não se mexe em time que está ganhando”, segundo ele. O fato é que o efavirenz triplica a depressão que eu já tinha, mas enfim, deixa isso pra depois. A grande questão é que eu insisto sempre eu perguntar (em todas as consultas como se fosse a primeira) se indetectável não transmite o vírus e se eu vier a namorar se vou ter que usar camisinha pra sempre, e ele é sempre incisivo em dizer que sim, dai questionei e as 5 razões dele foram:
    1 – Não é só HIV tem outras dst’s (tá essa a gente pula);
    2 – Mesmo os indetectáveis, vez ou outra da um blip (acho que é essa a palavra) e a gente fica com um pouco de vírus num período que pode transmitir pro parça;
    3 – Diz ele que tem pessoa que não tem no sangue, mas tem no semên (isso a gente dá jeito tb, rs)
    4 – Reinfecção, pois podemos nos infectar novamente com um vírus resistente de outra pessoa e ter de mudar e complicar o esquema de arv’s (tá essa dá medo tb)
    5 – Ela afirma que uma paciente dele indetectável transmitiu ao marido negativo (não sei da vida do marido por ai….)

    Enfim, pode? Não pode?

    O que acham?

    • Rodrigo diz

      Meu infecto já me disse: “Na sua condição (indetectável, monogâmico, sorodiscordante) você não transmite. Ainda assim, eu e minha mulher optados pelo preservativo, só para não ficar na paranoia e atrapalhar o sexo.
      As razões elencadas pelo seu infecto são pertinentes. O item 5, por exemplo, quem garante que o parceiro não pula a cerca, não é?
      Sobre o EFZ, minha condição é parecida com a sua também. Meu médico sempre me questiona se eu penso em mudar, fala das alternativas, mas que a decisão é minha, já que não tenho reações adversas complicadas. E eu opto pelo “em time que está ganhando não se mexe”… ainda que meu time seja escalado com alguns pernas de pau, como o EFZ, Zidovudina (AZT) e Lamivudina.

    • Luiz Carlos diz

      Marcus, eu acho que você não está sendo orientado por um bom profissional.

      Em primeiro lugar, o trabalho do infecto, como de qualquer médico, é garantir a melhor qualidade de vida possível para você. Se você não está feliz com os seus medicamentos e vem sentindo efeitos colaterais destes medicamentos (um bom infecto sabe diagnosticar depressão por conta do Efavirenz muito rapidamente), o infecto tem não só o direito, mas a obrigação de lhe ajudar a encontrar um esquema de tratamento melhor. Infelizmente ainda existem profissionais de saúde que são muito preconceituosos. Se você não está se sentindo confortável com este médico, troque de infecto quantas vezes for necessário, até você encontrar um que seja não só seu médico, mas seu braço direito nessa jornada.

      Sobre o sexo sem camisinha, a resposta é um pouco mais complexa. Esqueça a história dos blips e do vírus no semen, isto foi claramente um papo para lhe deixar assustado (prática que todos nós sabemos que é ineficaz). O maior estudo realizado sobre este assunto, com mais de 58 mil relações sexuais sorodiscordantes, a taxa de transmissão foi absolutamente zero. Você pode ler mais sobre o assunto aqui no próprio blog:

      https://jovemsoropositivo.com/2016/07/21/partner-nenhuma-transmissao/

      Agora, vale sempre lembrar que nós contraímos o HIV por termos confiado em alguém que não era confiável. Quantas vezes já ouvimos a frase “ah mas eu me testei esses dias”, etc? Outra questão que seu infecto colocou que é importante é a das outras DSTs… Sífilis, Hepatite C, tudo está por aí, assim como o HIV.

      Então: pode ou não pode? Da parte do HIV o estudo deixa bem claro que o risco de transmissão é zero desde que você esteja tomando seus ARVs da forma correta. Da parte das outras DSTs, vai de você conversar com seu parceiro, se testarem juntos, e tomarem uma decisão considerando os riscos.

      Eu passei por uma experiência muito complicada. Estava em um relacionamento onde ambos eram soropositivos. Nos consultávamos com o mesmo infecto, sempre fazendo todos os exames de rotina para outras DSTs, sempre tudo certo. Certa vez brigamos, e nos afastamos para esfriar a cabeça por um final de semana. Resolvemos nossa briga, porém ele não queria transar comigo mais. Depois de duas semanas eu joguei a real pra ele e perguntei o porquê de ele não querer transar comigo, e ele me contou que quando brigamos ele transou com outra pessoa, sem camisinha, e pegou sífilis.

      Nem preciso dizer que meu relacionamento terminou ali, e que hoje em dia não transo sem camisinha por mais que eu tenha absoluta confiança no meu parceiro. Como cada caso é um caso, é como eu falei, cabe a vocês conversarem e tomarem uma decisão em relação ao risco.

      Agora vou bater de novo na mesma tecla: procure outro infecto, um que lhe ajude mais do que atrapalhe. Você nem deveria estar precisando fazer estas perguntas aqui.

      Abraços

      • Marcus diz

        Eu confio que não transmite, o medo nem é por mim, pois se eu contraio outra dst aí a consequência é pra mim e eu terei de arcar, agora se transmito HIV pra um negativo, não conseguiria conviver com isso, e penso mais nessa questão pra ter um relacionamento, sexo casual eu sigo usando a camisinha como sempre usei (contraí ou de camisinha estourada ou oral, pq nunca tirei a bendita da borracha, mas só to dizendo por dizer, isso não me faz melhor, pois estamos todos na mesma condição sem melhores ou piores) mas numa relação vai chegar a hora do vamos tirar, ai se a pessoa ainda me aceitar depois de saber tem essa grande questão. Acho que as afirmações do meu infecto são mais teóricas que práticas, tipo se existir 0,0001 por cento de chance ou alguém dizer que aconteceu, então ele dirá que pega sim, acho que é nisso que ele se baseia, mas já vi casais tendo filhos naturalmente, enfim… Quanto a depressão, tenho certeza que o remédio piorou, mas ele me desmotivou a trocar, esperar mais 6 meses…. Obrigado Luiz Carlos!!! Abraço! e Ps. meu ex trouxe tanta coisa pra casa que eu até pensaria que o hiv tivesse vindo dele não fosse por ter me infectado muitos meses depois de vários testes negativo e de não estar mais com ele, mas já pegou siflis, hpv, e outras coisas que nao lembro nome e3 não sei como não peguei essas coisas dele, não sei mesmo, pq ele é contra camisinha….

        • Luiz Carlos diz

          Olá Renato, já utilizei por um tempo, mas ultimamente infelizmente não tenho tido tempo para responder mensagens por lá.

          Abraços

    • Verdes Olhos diz

      Pois é. Teu médico tá fazendo um enorme desserviço – e má medicina – ao te deixar desnecessariamente receoso e encucado. Se tá indetectável, não transmite – e isso vários médicos já me disseram.

      Abraço!

  29. SP+- diz

    Ainda sobre o assunto do sexo sem proteção em relacionamento sorodiscordante.

    Pratiquei por mais de 2 anos sexo sem proteção com total contato com sêmen etc com meu companheiro positivo.

    Houve blip na CV e por isso ele veio me contar, mas vamos concordar que o blip aparece na data do exame mas vai saber há quantos dias ou semanas aconteceu a variação… Portanto fizemos sexo durante o blip.

    Mesmo assim sigo negativo. Após ele me contar passamos a usar a camisinha. O que infelizmente agora com mais de 3 anos de relacionamento sério vira uma droga pq vc acostuma a fazer sem com a pessoa, introduzir a camisinha acaba broxando bastante infelizmente.

    Estamos felizes com a notícia da prep pq eu acho que no nosso relacionamento ele estando indetectavel e eu fazendo uso do truvada pode ser uma solução feliz.

    Vejo nosso relacionamento como condidato ao uso, espero que possamos fazer parte de quem vai receber o truvada.

    Alguém aí tem experiência a logo prazo com sexo sem proteção em relacionamento sorodiscordante e indetectavel?

    Do mais quero parabenizar o blog e frequentadores. Altíssimo nível!

  30. Mas a historia se passa nas décadas de 70/80 qdo ainda era uma sentença de morte . Hj em dia sabemos q não .O tempo está a nosso favor.

  31. M. diz

    Tive um problema assim que comecei o tratamento com o 3×1 em relação as alergias de pele principalmente, tentei por quase 3 meses mas a minha infecto trocou o esquema pra 3 comprimidos de tenofovir e lamivudina + ritonavir + atazanavir que no inicio também me causou um pouco de rash cultaneo mas que conseguimos controlar com pouco tempo. Passado 1 ano agora de tratamento e tudo estava muito bem, Indetectavel no ultimo exame e tudo mais peguei uma Dengue e pá o rash voltou a tona, mas ja melhorei da dengue e o rash continua ao máximo, ainda não fui em infectologista pq dependo do SUS e a que me acompanhava se desligou do centro que faço tratamento. Estou tomando antialérgicos que a Emergência me passou mas nada, ja estou com 6 dias de antialérgico, não sei muito bem o que fazer, não queria ter que trocar de esquema de novo, foi muito complicado acostumar com todos os efeitos pra começar tudo do zero novamente ):

    • telma diz

      Eu tive alergia com efavirenz e fiquei com o corpo todo tive febre e mais alguns sintomas fiquei uns 20 dias com ela tomeu allegra e melhorei , mais fiquei sem tomar nada mais de 15 dias pq no meu caso depois dele qualquer medicamento me dava alergia parecia como uma intoxicaçao depois desses 15 dias tomei uma nova combinaçao e melhorei, fui colocando um por um pra ver se nenhum me dava alergia primeiro foi o tenofovir lamivudina depois o ritonavir e por ultimo o atazanavir todos com intervalo de 10 dias .Foi isso que meu medico me aconselhou . .

  32. Vinicius diz

    Oi Luiz Carlos!

    Sobre o HIV latente em macrofagos, não se teve mais notícias. Voce acha q os medicamentos capazes de expulsar os virus dos linfocitos, tambem poderão expulsá-las dos macrofagos? Ou isso deve atrasar um pouco os estudos?

    Será q o governo fará um 3×1 com o dolutegravir?

    • Luiz Carlos diz

      Vinicius, não sei lhe responder sobre o HIV em macrófagos, pois são pesquisas muito distintas do que eu faço e acompanho, mas creio que serão duas frentes de ataque possivelmente diferentes.

      Sobre o 3×1 com DTG, não vejo como uma opção no momento. O próprio EFV levou quase 10 anos para ser coformulado em dose tripla combinada. No momento o DTG só é oferecido para pacientes virgens de tratamento. Para termos um 3×1 com o DTG devemos primeiro expandir o tratamento a todos pacientes, tornar este ARV o principal no tratamento, para depois iniciar o processo de redução do Efavirenz, renovar contratos com menores quantidades, e assim por diante. No ritmo que as coisas estão caminhando, não vejo DTG coformulado pelo menos nos próximos 5 anos.

      Abraços

      • Vinicius diz

        Obrigado!

        Só mais uma duvida, os testes sorológicos podem dar negativo no fim do estágio da Aids?

  33. Fabricio diz

    Boa tarde,
    Alguém poderia me indicar um bom infectologista em São Paulo,Capital, que atenda pela Sulamérica ? Estou feliz com meu infecto mas está ficando meio cara a consulta.
    Agradeço muuito

  34. Bia diz

    Gnt boa noite, mudando de assunto, eu to com uma dúvida q nem meu endócrino e nem meu infectologista resolveram… descobri q sou positiva faz uns 2 anos e uso o 3×1 ( Efavirenz, lamivudina e Tenofovir) e to indetectável desde o 2 mês d adesão ao tratamento, q foi logo após a descoberta… até aí td blz, porém isso mexeu com minha cabeça um pouco e faz um bom tempo q to tendo crises d ansiedade e descontando na comida…o q num ajuda em nd juntando a rotina corrida q tenho, pois mesmo fazendo exercícios, acabo engordando mais …e meu endócrino receitou bupropiona 150mg e topiramato 25mg, mas expliquei q sou + e q tomo o 3×1 e perguntei dos efeitos e ele não soube dizer se o uso desses remédios afetam, e nem meu infecto soube me informar…e não quero prejudicar o tratamento…mas queria saber ou se algum outro ajuda, pq sério dormir mal e descontar na comida não dá mais..rs

    • Rômulo diz

      Na bula do seu TARV tem as substancias que interagem.

      Ou busca a bula de cada substância de sua TARV no google.

    • Fabricio diz

      Olá Bia,
      Há grandes indícios de que o Efavirenz causa ansiedade. A melhor maneira de saber precisamente seria trocar a medicação, isso deve ser conversado com seu médico e, dependendo do grau que você está, uma avaliação psiquiatrica será necessária para uma troca para outra medicação de primeira linha (Dolutegravir, por exemplo). As outras combinações disponíveis podem provocar outros efeitos colaterais mas o remédio que mais causa reclamaçoes parecidas como a sua é o Efavirenz. Estou num dilema parecido e quero a troca o mais rápido possível.
      Boa sorte e força aí.

  35. ton diz

    Viajo por demais a trabalho e estou tendo sérios problemas com as datas de entrega do medicamento. Assim, tenho optado em comprometer minha agenda de trabalho e por isso sofrido prejuízos profissionais e financeiros. Tenho recebido, portanto, a medicação 3 em 1 na data aprazada e, por conseguinte, tenho tomado corretamente a medicação. Estou desde o início do tratamento há nove meses indetectável e com um CD4 acima de 1.300. Contudo, preciso de um vidro de 3 em 1 sobressalente para não continuar me prejudicando tanto na questão profissional. Já tentei contato com laboratórios mas não sei como adquirir no varejo esse vidro extra que me daria a condição de manter minha agenda. Agradeço muitíssimo a orientação pretendida.

  36. Claudinha diz

    Boa noite gente sempre leio mais essa é a 1 vez q escrevo gostaria de saber se alguém sabe alguma novidade sobre os controladores de elite e um parto achar notícias alguns falam q o hiv envelhece o corpo…alguém sabe algo???

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s