Notícias
Comentários 124

As leis contra (quem vive com) HIV nos Estados Unidos

Em 43 estados americanos há leis específicas que punem as pessoas que vivem com HIV em caso de transmissão do vírus. Em 11 destes estados, é crime um soropositivo morder, cuspir ou compartilhar fluídos corporais com outra pessoa, mesmo que seja considerado impossível infectar alguém sob estas condições.

A maioria destas leis surgiu a mais de trinta anos atrás, no começo da epidemia de aids, quando ainda não se sabia muito a respeito da transmissão do HIV. Muita gente acreditava que a doença estava se espalhando por culpa dos soropositivos, que estariam colocando outros em risco de infecção. Segundo um artigo publicado pelo San Francisco Chronicle, foi neste clima que a Califórnia promulgou suas leis criminalizantes específicas contra o HIV — ou, talvez, contra as pessoas que vivem com HIV.

Na Califórnia, um dos primeiros projetos de lei contra o HIV foi a “Proposta 64”, de 1986, concebida por um grupo autodenominado “Pânico” para o Comitê de Iniciativa para Prevenção da Aids Now. A Proposta 64 sugeria que as pessoas com HIV/aids não fossem elegíveis a trabalhos em escolas ou cozinhas. Um dos partidários da Proposta 64, o político Lyndon LaRouche, chegou a comparar alguém com aids a “uma pessoa correndo com uma metralhadora”.

Ainda bem, os eleitores californianos derrubaram a Proposta 64 de 1986 —  e, curiosamente, aprovaram uma proposta de mesmo nome em 2016, que aprovou o uso recreativo de maconha. Mas, apesar da revogação da Proposta 64 de 1986, o medo da aids continuou generalizado. Histórias de soropositivos fazendo sexo com o objetivo de infectar outras pessoas foram sensacionalizadas pela mídia, muito embora estes costumem ser casos serem raros — lembra-se da história do “Clube do Carimbo”? O próprio Paciente Zero, tido por décadas como quase o único culpado pela epidemia de HIV/aids, foi inocentado somente no ano passado.

O fato é que, desde os anos 80, a epidemia mudou, o conhecimento sobre o HIV aumentou e o risco de transmissão diminuiu para quem faz uso consistente dos medicamentos antirretrovirais. Só as leis é que não mudaram. “Desde que essas leis foram promulgadas, o mundo mudou para quem vive com HIV”, disse Edward Machtinger, diretor do Programa de HIV para Mulheres da Universidade da Califórnia em São Francisco, ao San Francisco Chronicle. “Agora estas leis só servem para institucionalizar a desinformação e a discriminação. São a encarnação do estigma, codificado em lei.”

Foi então que, no mês passado, o senador estadual Scott Wiener e o deputado Todd Gloria, apresentaram um projeto de lei para rever ou até acabar com três das quatro leis da californianas que punem os soropositivos em caso de transmissão do HIV. A proposta dos senadores apenas não mudaria a quarta lei, que aumenta em três anos o tempo de prisão em casos de agressão sexual onde o perpetrador é soropositivo. As três outras leis, atualmente puníveis com pena de prisão de 16 meses a 8 anos, que criminalizam a prática de prostituição enquanto portador do HIV, relações sexuais consensuais com a intenção de transmitir o HIV e a doação de sangue, tecido, sêmen, leite materno ou órgãos quando sabidamente soropositivo, têm sugestões de mudanças pelos dois políticos. Afinal, conforme descrito pelo próprio artigo do San Francisco Chronicle, “as pessoas que estão em tratamento antirretroviral, e para quem o HIV está indetectável no sangue, apresentam chance perto de zero chance de transmitir o vírus.”

“Essas leis foram aprovadas no auge da epidemia de aids, quando havia muito medo e desinformação”, disse Wiener. “Mas é hora de assumir uma abordagem baseada na ciência, e não uma abordagem baseada no medo. Não há nenhuma razão para o HIV ser tratado de forma diferente do que outras doenças infecciosas.”

Esforços para revogar leis similares foram bem sucedidos nos estados do Colorado e Iowa, seguindo a sugestão do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, de 2014, que recomendou que todos os estados americanos eliminassem seus códigos criminais específicos contra o HIV, apenas com exceção para casos de estupro e quando o suspeito está ativamente tentando infectar outras pessoas.

Aqueles que intencionalmente transmitem o HIV a outras pessoas não ficarão impunes com a revogação das leis específicas contra soropositivos. Machtinger lembrou que estas pessoas podem ser processadas por outros crimes que punem as pessoas por transmitir intencionalmente outras doenças infecciosas, tal como a sífilis. O que a revogação dessas leis vai permitir é que pessoas mais vulneráveis e desprotegidas, em particular os profissionais do sexo, não sejam injusta ou desproporcionalmente condenados.

Dados compilados pela Faculdade de Direito da Universidade da Califórnia em Los Angeles mostram que dos 1.200 casos relacionados ao HIV na Califórnia, entre 1988 a 2014, mais de 93% caíram na lei da prostituição. Destes, apenas 33 casos envolviam exposição com a intenção de transmitir o HIV. Isso quer dizer que estas leis são usadas principalmente para transformar acusações simples de prostituição, que são delitos menores, em delitos graves, elevando à sentenças mais duras.

Em 2012, um homem foi condenado por prostituição e à deportação justamente porque era soropositivo. Mas o que torna o caso mais impressionante é o fato de que o homem não fez sexo! Ele foi preso por sugerir a um policial à paisana que praticassem sexo oral, um ato sexual onde a transmissão do HIV é extremamente improvável. “Ele passou 16 meses na cadeia por causa dessa condenação”, disse Scott Schoettes, da organização LGBT Lambda Legal. “Nós esclarecemos ao tribunal o quão baixo o risco era do sexo oral. Não fazia sentido classificar isso como um crime sério.” Depois disso, o tribunal de imigração suspendeu sua deportação.

Naina Khanna, diretora executiva da Rede de Mulheres Positivas de Oakland, um grupo de defesa de mulheres com HIV, disse ter ouvido falar de mulheres cujos parceiros ameaçaram ir à polícia e alegar que elas mentiram e esconderam sua condição positiva para o HIV. Naina conversou com mulheres que tinham medo de perder seus filhos, empregos e moradia se tivessem sua sorologia revelada. A ameaça, por si só, segundo Naina, causou tanta ansiedade que as impediu de procurar apoio.

De acordo com alguns especialistas em saúde pública, este é o maior perigo das leis criminalizantes do HIV: elas podem desencorajar as pessoas a fazer o teste de HIV e buscar tratamento antirretroviral em caso de diagnóstico positivo — muito embora o tratamento não só seja capaz de salvar suas vidas, como de impedir a transmissão do vírus para outras pessoas.

Anúncios

124 comentários

  1. Paraense+ diz

    Acho justo a criação de lei que puna o soropositivo que transmita o HIV de propósito, fora isso sou totalmente contra. Sou a favor por que sei que existem doidos capazes de qualquer coisa, para prejudicar outras pessoas. Certa vez, eu estava no CTA, e aguardava minha vez de pegar o medicamento quando puxei conversa com um senhor que também aguardava. Perguntei se era soro+, a quanto tempo, como tinha contraído etc… Ele disse que sim, que já tinha a dez anos e pegou, segundo ele, “na putada”. Fiquei surpreso – e perplexo- quando ele me falou : ” peguei das putas mas já passei pra muita gente, também. Não quero nem saber, passaram pra mim, vou passando em frente. Se eu morrer vou levar muita gente comigo”. Encerrei o papo e me afastei. São para pessoas assim, que pensam assim que devem ser criadas leis que visem punir atos desse tipo. Esse é só um exemplo que eu tomei conhecimento direto. Quantos outros milhares de soropositivos não pensam , e agem, assim ???.

    • Pedro diz

      Faço das suas palavras as minhas. Sempre usei preservativo e fico me questionando como ocorreu essa situação. Tenho quase 99% de certeza que comigo o carimbador tirou a camisinha no meio do ato e a colocou novamente ao contrário. Após 3 semanas veio a fase aguda. Acredito na lei do retorno. Quero o bem ao próximo. Só fico pensando em quantas pessoas esse demônio fez esse ato proposital. Quanta maldade no coração de um ser. O pior que quando vamos ao médico eles imaginam que estávamos transando sem preservativo para chegar a está condição.

    • Richard diz

      Paranaense, dificilmente um senhor na fila pra pegar medicamentos antirretrovirais do CTA vai conseguir transmitir HIV, não acha? se ele faz tratamento…

      • Paraense+ diz

        Verdade Richard, o detalhe que eu omiti é que ele sabe que é portador há dez anos e, no entanto, só faz tratamento há dois anos, ou seja, passou oito anos transmitindo sem qualquer sentimento de culpa, apenas para, como ele mesmo falou, “levar muita gente com ele”.

    • AmigoSp diz

      Gente, para de viagem. Esse papo de carimbador é conversa.
      “Carimbador” teria que negligenciar o tratamento para poder “passar pra frente o vírus”. Quem encontra-se em tratamento de ARV com carga viral indetectável não consegue passar HIV pra frente!

      • Caio PE diz

        Existe sim esse tipo de gente: negligenciam a própria saúde, pois “chutaram o pau da barraca” para passar o vírus adiante. Alguns fazem por maldade mesmo (não usam a TARV) e outros que, mesmo a usando, pensam que podem passar adiante (mas sua CV está indetectável). Esses aí é que são infelizes mesmo pois estão sujeitos a contraírem um vírus resistente aos ARVs que usam.

  2. Emilio diz

    Eu fui vítima de um carimbador em outubro de 2014. Ele era ativo, estávamos transando, eu nunca havia feito sexo sem camisinha, nem com este cara.de repente já no final do sexo na hora dá ejaculação, com a eficiência de um mágico, ele retirou a camisinha e ejaculou dentro de mim. Eu fiquei furioso e briguei com aquele desconhecido q me garantiu q não tinha HIV e q a camisinha saiu sem ele perceber.duas semanas depois e eu senti a fase aguda.morro de ódio desse cara q eu nunca mais o vi.

  3. JuniorRN diz

    Paraense+, que horror a atitude do crápula que vc, infelizmente, conheceu no CTA. Ele nem deve ser considerado como homem e sim como lixo humano que contamina. Estou indignado e triste ao mesmo tempo por existir gente assim. Eu tive um contato de risco com um cara que depois de ejacular me mandou cuspir e lavar a boca rápido. Achei isso muito estranho. Ainda estou esperando resultado de exames. Tive verdadeira repulsa desse cara. Enquanto pensarmos que todos são íntegros e agem com ética e não nos protegermos como convém, seremos alvo desses bandidos.
    Agora, com relação a leis, se você quer uma lei que não seja cumprida, venha para o Brasil. Aqui as leis não funcionam, principalmente para os pobres.

    • Paraense+ diz

      Pois é JuniorRN, é a mais pura verdade. Se todos com HIV pensassem assim, estaria todo mundo f…

  4. Caio PE diz

    Pessoal, tenho duas questões a fazer (mudando um pouco o foco): (1) alguém aqui já fez algum exame de CV já em vigência do DTG (dolutegravir)? (2) essa me perguntaram e eu não soube responder, ao certo: se o sexo oral insertivo (quem é “chupado”) corre algum risco para ele?

    • Caio, respondendo a segunda pergunta, geralmente quem é “indetectável” tem chances mínimas de transmitir o vírus a outras pessoas, e no caso de “chupar” alguém soronegativo e infectar, a chance é praticamente zero. A única forma de contaminar alguém assim é sua boca estar sangrando e o pênis do cara ter alguma ferida aberta que seu sangue possa contaminar.
      Da mesma forma segue o processo invertido, vc é indetectável e deixa alguém te chupar sem ejacular na boca da pessoa é claro!

      • Caio PE diz

        Obg, mas questionei uma pessoa sorointerrogativa praticando (“chupando”) e não uma pessoa com CV indetectável.

        • Luiz Carlos diz

          Correções ao comentário do Lucilio, que parece estar um pouco defasado quanto aos estudos de sorologia e transmissão: “geralmente quem é indetectável tem chances mínimas de transmitir o vírus a outras pessoas” – Não, Lucilio. Quem é indetectável não tem chances de transmissão. Zero, simplesmente zero. É muito mais seguro (em termos de HIV), transar com uma pessoa que sabe da sua sorologia, segue o tratamento à risca e possui CV indetectável do do que com uma pessoa que não sabe sua sorologia (e sabemos que no Brasil a grande maioria das pessoas não sabe sua sorologia e não procura saber).

          Sobre sexo oral, independentemente se receptivo ou insertivo, existe risco, porém este é tão baixo que não existe precisão de um número exato, justamente por conta da baixa transmissibilidade. A combinação de fatores seria a pessoa “sorointerrogativa” possuir vírus circulante e ter algum tipo de ferida na boca, enquanto a pessoa que está recebendo o sexo oral possui alguma ferida aberta no pênis ou regiões periféricas.

          Em termos muito relativos, tentando associar ao que pode ocorrer na vida real (e entrando, certamente, no campo especulativo), quem está praticando sexo oral possui uma inflamação na gengiva, foi ao dentista fazer uma limpeza, está com sangramento por conta da inflamação, e resolveu praticar sexo oral logo em seguida. Ao mesmo tempo, a pessoa que está recebendo o sexo oral, havia se depilado minutos antes e acabou se cortando com a lâmina de barbear (e o corte tem que ser relativamente profundo, já que a maioria dos cortes por lâmina de barbear são extremamente superficiais e não oferecem risco – nem dor).

          Ainda assim vale ressaltar que este é um caso onde existiria a possibilidade de transmissão, e não quer dizer que ela necessariamente vá ocorrer. Pensando na especificidade da situação e do contexto, dá para entender o porquê da taxa de transmissão ser tão baixa a ponto de não haverem números concretos sobre ela.

          Recomendo a leitura deste post aqui do JS:

          https://jovemsoropositivo.com/2014/05/27/risco-de-transmissao-do-hiv/

          Abraços

          • Caio PE diz

            Agradeço a todos, mas em especial ao Luiz: excelente resposta. Agora falta a resposta da questão (1) aos que já fizeram o exame de CV já em vigência do DTG. Bom dia a todos!

            • Luiz Carlos diz

              Esta resposta provavelmente vai demorar um pouco a aparecer. Temos poucos leitores no blog que estão utilizando o DTG, e menos ainda que utilizam há tempo suficiente para executar um exame de CV.

              Gostaria de entender, porém, qual a sua dúvida, afinal a resposta é um tanto quanto óbvia. Se o indivíduo é indetectável e apenas trocou para o DTG, sua CV vai continuar sendo indetectável. Se ele está em início de tratamento, a CV irá cair com o tempo de uso e a quantidade de vírus circulante, assim como todos os ARVs. Nada muda em termos técnicos.

              • Caio PE diz

                Questionei em termos de supressão viral mais acelerada que os demais ARVs, questionei sobre efeitos colaterais após 2 ou mais meses de uso … Não coisas ÓBVIAS do tipo, tomando ARV corretamente a CV tende a ficar indetectável. Abraços a todos.

                • Luiz Carlos diz

                  Agora sim ficou claro 🙂 sobre diferenças na velocidade de supressão viral, são coisas completamente subjetivas quando se trata de uma pessoa só. Apenas estudos maiores podem dizer se existe maior supressão ou não. Para um paciente qualquer, não será fator determinístico.

                  Abraços

                • anon diz

                  Olá faço uso do DTG há um ano, indetectável com 30 dias de tratamento, CV na época esta em torno de 5.000 cópias. Nunca senti nenhum efeito colateral

                • luk diz

                  Comecei a fazer o uso do DTG em 13/03. Já estava indetectável há 2 meses. Não tive nenhuma reação ao DTG, nem no primeiro dia. Minha Próxima CV está marcada pra o fim de abril.

                  • Good Vibes diz

                    Luk, como vc conseguiu passar para o DTG já que estava indetectável em outro esquema?

                    • Caio PE diz

                      Sei que a resposta foi dirigida ao Luk, mas suponho que seja por resistência viral a algum componente do 3×1 e/ou por reação ao ATZ/r. O DTG pode ser usado, além dos pacientes novatos a partir de 2017, por falhas comprovadas em esquemas anteriores (ou forte reação/efeitos a esses).

                    • luk diz

                      Eu não estava me adaptando ao ATZ. Estava com Icterícia muito alta a ponto de causar um isolamento social. Não queria sair de casa, trabalhar, estudar… Minha vida estava um caos.
                      Desde janeiro estava lutando com minha médica para trocar pelo DTG, tive que falar com o MRG (médico referência em genotipagem), só ele podia autorizar minha troca de esquema.
                      Consegui fazer a troca em 13 de março e sinto que voltei a ter o controle da minha vida novamente. 🙂

                • CRIS diz

                  Eu, iniciei o DOLUTEGRAVIR em dia 06.05.2015, e no dia 21.05.2015 (15 dias depois, fiquei indetetavel). Eu tinha 70.000 cópias.

                  Porém, volto a referir, o Dolutegravir é bom, mas NÃO ISENTO DE EFEITOS COLATERAIS, eu tive de deixar o Dolutegravir por efeitos secundários muito graves.

                  Agora tomo há 1 ano o Raltegravir, e estou OPTIMO, sem um uncio efeito secundário 🙂

                  A minha médica falou que, o Raltegravir é tão bom quanto o Dolutegravir, a diferença é pouca.
                  Cris.

                    • Cris diz

                      Em mim, foi que me fez ficar com colite ulcerosa… Durante 4 meses, fiz exames a tudo e mais alguma coisa, porque minha infeto não acreditava que o Dolutegravir pudesse dar estes efeitos secundários…

                      Parei o dolutegravir, e duas semanas depois fiquei 100% bem.

          • Mar+ diz

            Luiz Carlos, tenho muito respeito às suas opiniões, te acho muito seguro e claro no que diz.
            Pois bem, eu estou indetectável e saudável. As relações que estou tendo são todas superficiais e nem sei se vão passar disso. Eu quase sempre pratico sexo oral (sou chupado) e, apesar das insistências, nunca ejaculei na boca de ninguém. Uma dessas pessoas, que não sabe da minha sorologia, prefere muito mais sexo oral a penetração. Demora horas me chupando e com isso ingere todo o líquido pré-ejaculatório, o que me deixa muito preocupado.
            Me dá sua opinião em relação a isso. Pode ser?

  5. Paraense+ diz

    Interessante é o nome da organização LGBT : “lambda legal” kkkkkkk !!!.

  6. Henrique diz

    Oi pessoal, bom dia, gostaria que alguem pudesse me responder. A um ano realizo meu tratamento com o 3×1 e fiz os exames na semana passada de rotina, tudo otimo, porem meu gama gt esta alto. Alguem aqui ja passou por isso? Qual foi a providência do medico? No caso o meu resultado deu 84 e deveria ser ate 55. Segundo um amigo meu que trabalha no setor onde trato eh mto normal dar alteração no gama gt devido a medicacao. Mas gostaria de saber se alguem aqui tbm teve o resultado alterado e qual foi a opinião do medico. Abraço e obg

    • Luiz Carlos diz

      Bom dia Henrique. Primeiro vamos com calma, seu GGT está levemente alterado. Um resultado de 60 até em torno de 160 é considerado como primeiro grau de toxicidade, ou Toxicidade Leve.

      A elevação do GGT tem diversos fatores, porém ser alterada pelo 3×1 de forma direta é um fenômeno muito raro. Diante da avaliação com seu médico, ele deverá abordar outros fatores de risco, sendo que o principal deles é o álcool. Se você tem o hábito de beber, é interessante reduzir ou parar de beber completamente. Outros fatores importantes são diabetes e outras doenças hepáticas. Tudo deve ser avaliado antes de se levar a crer que o 3×1 está causando esta elevação.

      Abraços

  7. Mutatis Mutandis diz

    Com todo respeito às exceções (que existem apenas para confirmar a regra), tem gente aqui que pegou HIV jogando playstation.

    O primeiro passo que tive de tomar pra viver em paz foi aceitar meu erro. Foi de fato assumir minha culpa nesse processo de contaminação.

    Malabarismos narrativos para retirar minha parcela de culpa só fizeram me deprimir ainda mais, pois tinha que ficar me fazendo coitadinho a toda hora pra mim mesmo.

    “Peguei HIV fazendo sexo sem camisinha!”, pronto, é essa minha resposta.

    “Ah! Como eu poderia desconfiar daquela menina linda e saudável que tinha um anel de formatura de quase R$ 3.000,00 e que morava num apartamento de classe média alta?etc..etc..etc..”
    Não importa, não se trata de desconfiar, trata-se de assumir o risco e a culpa, e aí se vai ter dolo ou não é outra história…mas inicialmente assumi o risco e a culpa!

    Se vc foi “vítima” de um carimbador é porque vc de certa forma assumiu o risco de transar com alguém desconhecido, minha modesta opinião.

    Fico imaginando se tivesse transmitido pra minha esposa, Santo Deus! Muito obrigado, meu Deus! Ela de fato teria sido uma vítima.

    Colegas, de coração, desejo demais que vcs passem dessa fase. Assumam o prejuízo e sigam em frente, porque a vida é muito mais do que isso!

    “Eis que faço novas todas as coisas!”

    Um grande abraço!

    • Concordo plenamente contigo, pelos relatos parece que se contaminaram jogando bolinha de gude.
      E tem gente que não gosta quando lhe apontam incoerências…
      Abraço.

    • Jorgito diz

      Eu me infectei transando com prostitutas sem camisinha. Nem gosto de pensar nisso. Comportamento totalmente kamikaze. Sempre tive informação de sobra a respeito dos riscos de transmissão. Isso desde a adolescência, ou mesmo desde a infância. Passei pela fase que tende a ser a mais inconsequente, dos 18 aos 30, me prevenindo, sendo super responsável, para aos 34 começar a fazer merda. As vezes eu nem sequer consigo compreender aonde raios eu estava com a minha cabeça. Realmente, parece que quando Deus quer castigar a primeira coisa que faz é tirar a razão.

    • Emilio diz

      Eu fui vítima de um carimbador e não transava sem camisinha. Se o cara era um desconhecido,então eu não poderia transar com ele pq se ele me carimbasse eu seria culpado? Sendo assim, se sua esposa se contaminasse contigo ela tbem seria culpada e não vítima já q não exigia o uso do preservativo, Por analogia.

      • Jorgito diz

        No fim das contas não importa como cada um contraiu o vírus, todos tem que lidar com a mesma situação – a infecção crônica causada pelo HIV. Não importa se você foi irresponsável, vítima, azarado, o vírus não faz esse tipo de juízo de valor e age da mesma forma no organismo de prudentes e imprudentes. Uns se afundam na culpa e outros no vitimismo; ambos perdem, na medida em que deixam de focar na oportunidade de fruir as possibilidades decorrentes de estarem vivos. Ganha quem tem força suficiente pra colocar as ideias no lugar e olhar pra frente com otimismo. Ganha quem tem a habilidade de conviver bem com a nova condição e se adaptar. Temos o privilégio de podermos nos tratar com medicamentos que impedem o avanço da doença e vivermos uma vida normal. A cura funcional parece realmente estar batendo à porta, toda hora aparece uma notícia diferente a respeito de avanços em diversas frentes de pesquisa de combate ao vírus. A vida segue e contra aquilo que não há como resistir o melhor é se adaptar. No meu caso, especificamente, tenho buscado desenvolver a fé, a minha maneira. Não tenho religião (respeito todas) e nem tenho a pretensão de pregar nada aqui. Mas o desenvolvimento e cultivo da fé é algo que realmente tem me ajudado muito.

  8. Paraense+ diz

    JS, meu querido, bem que você poderia colocar aqui no blog as opções “Editar” e “Excluir”. Boa semana a todos !!!..

      • Paraense+ diz

        Vamos mobilizar a turma , então. Afinal o blog é super visitado e comentado o que ,por si só, já justifica a inclusão dessas opções.

      • Miguel diz

        tem uns gestores de comentários que dá pra instalar… que resolve isto amigo!

  9. HomemPositivoSP diz

    Gostaria de compartilhar informações.
    Desde que comecei o tratamento com 3em1, fiquei indetectavel apenas uma vez (que acho ter sido um erro na leitura do exame) e depois sempre restava uma detecção que vinha aumentando.
    Meu medico e eu, decidimos suspender a TARV, para subir o valor de carga viral, em um numero suficiente para a leitura da genotipagem.
    Com exame, descobri que tenho resistência ao efavirenz e que segundo a tabela de stanford, meu virus é do subtipo B.

    • Caio PE diz

      Em Recife e região existe uma resistência elevada ao EFZ (efavirenz). Segundos os infectos, são as pessoas que tomam de forma irregular o 3×1 (mas não entendo o motivo de apenas a resistência ao EFZ se é o 3×1 e poderia ocorrer resistência ao 3TC ou ao TDF também). Se alguém puder explicar, de forma coerente fico agradecido. Por isso a recomendação é de tentar criar alternativas ao 3×1 (além do DTG que chegou aos novatos) para essa população.

      • Jorgito diz

        Porque é mais fácil pro vírus desenvolver resistência ao Efavirenz. Basta uma única mutação.

        • Caio PE diz

          Mas onde existem pesquisas sobre isso ? Onde você leu isso ? Gostaria de dados concretos. Obrigado.

  10. luquinha diz

    Lucas -Então Doutor vai chegar uma droga que mostra a onde o vírus esta escondido e isso mesmo que esta me dizendo ?
    Dr -sim , ou seja no intestino a onde for , essa droga vai mostrar
    Lucas – vamos aguardar

    • Visionnaire diz

      É engraçado como ler algo do tipo, sem nem saber diretamente em que se baseia, faz bem.

  11. Luiz Carlos diz

    Nota afirmativa do Ministério da Saúde sobre Febre Amarela em portadores de HIV:

    http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/legislacao/2017/59480/nota_informativa_febre_amarela_pdf_26762.pdf

    A recomendação básica continua a mesma, pessoas com CD4 > 200 células/mm3 devem tomar a vacina.

    O que é interessante de se observar nesta nota é o que já venho frisando há algum tempo, sobre a diretriz geral de não se utilizar mais exame de CD4 no acompanhamento de PVHA quando o CD4 é maior que 350 cel/mm3 e a CV é indetectável.

    Segundo a nota, os exames de CD4 devem ser realizados em quem tem indicação apenas, em períodos semestrais. Quando houverem dois resultados consecutivos de CD4 acima de 350 cel/mm3 e o paciente for indetectável, a resposta terapêutica passa a ser acompanhada apenas pelo exame de Carga Viral.

    “As recomendações consideram as evidências científicas de que, para pacientes estáveis em uso de terapia antiretroviral (TARV) regular com CV indetectável e contagem de LT-CD4+ acima de 350 células/mm3, a realização do exame de LT-CD4+ não traz nenhum benefício ao monitoramento clínico-laboratorial.”

    Abraços

  12. Cláudio diz

    Existe algum tipo de “aposentaria” especial no INSS para pessoas soropositivas?

  13. Guto diz

    Boa tarde. Apenas para constar nos registros… As pessoas adoram buscar rótulos universais para encaixarem os seus “pares” e, talvez, diminuir o seu próprio sentimento de culpa. O resultado dos atos é o mesmo, ou seja, soropositivos, portadores do vírus HIV. Entretanto, não há como generalizar o comportamento humano que resultou em tal ação. Contrair HIV, não envolve somente aspectos objetivos, mas também uma rede complexa de aspectos subjetivos que apenas CADA UM DE NÓS tem consciência. Já conheci outras pessoas, cujos relatos de infecção me fizeram sentir, de certo modo, merecedor dessa condição. Eu não era baladeiro, não tinha vários parceiros, não participava de orgias… Enfim, apenas namorava uma pessoa que soube esconder muito bem o seu passado e, sequer, sabia que portava o vírus. Tivemos dois deslizes… Deslizes esses que foram ignorados devido ao sentimento que existia entre nós. Irresponsabilidade? Não sei… Se pelo menos ele tivesse aberto o jogo pra mim em relação ao passado dele, ou ainda, se o passado dele não o envergonhasse, eu saberia quais medidas tomar para preservar não só à mim, mas a ele também. Por isso, antes de olharmos para o telhado de vidro trincado do outro, melhor verificarmos se o nosso já não está despedaçado… Chega um momento na vida em que é necessário rever os nossos julgamentos para não nos tornarmos amargos, insensíveis e indiferentes em relação aos outros. Vida e paz para todos!

  14. Joel diz

    Olá a todos. Sou novo pelo blog.
    Descobri minha sorologia em janeiro desse ano e iniciei no mesmo dia que recebi o resulta do teste de hiv o tratamento com o uso dp 3 em 1.
    Tive complicações alérgicas ( incomum segundo o médico que me acompanha) ao 3 em 1. Vômitos durante 6 dias seguidos. Vermelhidão em quase 40% do corpo, cefaléia aguda por uma semana. . Não passei 8 dias no uso do 3 em 1. Ele foi trocado pelo combinação desses três medicamentos: fumarato de tenofovir desoproxila+ lamivudina, sulfato de atazanavir e ritonavir. Os efeitos colaterais que sinto dessa nova combinação é dor de estômago, diarréia e insônia. Meu exame de c d4 deu 595 e cv de 221 com o um mês de uso dos medicamentos.

    • Guto diz

      Olá Joel. O começo é sempre constituído por incertezas e “adequações”… Confie! Tudo dará certo! Logo estará indetectável e esses efeitos colaterais sumirão ou diminuirão gradativamente… Fique bem! Abç.

  15. Visionnaire diz

    Este é o primeiro post do qual faço parte. Perambulo por aqui há um tempo, desde a suspeita de ter “soropositivado”. É muito importante e interessante a forma com a qual vocês interagem. Uns ajudam os outros, vocês soam como uma família.

    É incrível como quando passamos a suspeitar, procuramos logo saber como anda o andamento (sim, isso mesmo; como anda o andamento) da busca pela cura. Li notícias motivadoras e é engraçada a minha relação com todas elas. Pois quando a notícia é recente, sinto uma grande proximidade, o sentimento de que algo está sendo feito; e agora. E quando a notícia é antiga, penso que algo mais pode estar perto de ser concluído, pelo tempo que se faz.

    É claro que, às vezes, pensamentos negativos vêm a tona. Mas estou tentando tornar isso tudo mais fácil. JS, parabéns pelo blog. E a todos vocês, o meu “obrigado”, vocês ajudam pessoas sem perceber.

  16. Luiz diz

    Olá, amigos! Recebi meu diagnóstico em 2012. Desde então, acompanho este blog que já me trouxe muito conforto e esclarecimento. Sou extremamente grato ao admistrador por esse serviço tão importante que conecta pessoas que enfrentam essa condição. Agora estou vivendo um dilema e preciso de ajuda. Quando descobri minha sorologia estava casado. Por sorte, e tomando os cuidados, não trasmite à ela. Acontece que, há alguns meses, meu casamento acabou. Passado o baque da separação, volto a me interessar por outras pessoas e estou começando a me deparar com o dilema: em que momento contar, como fazer isso… Enfim, medos e angústias. Sei o quanto o preconceito e a desinformação imperam. Eu mesmo, antes de descobrir minha sorologia, não sabia nada sobre cd4, vc, indetectável…Talvez no histórico do blog, exista algum post que fale sobre este tema. Lembro de histórias que o Jovem particulares compartilhou. Bom, alguém pode me ajudar? Como vcs estão lidando com isso. Alguma dica? Estou perdido. Desde já, agradeço.

  17. Victor diz

    Bom dia a todos! Fui diagnosticado em agosto de 2016, na fase aguda. Minhas primeiras sorologias vieram negativas, mas agradeço imensamente á médica que me atendeu naquela época e solicitou um exame de PCR. Comecei o 3×1 apenas 6 semanas após a relação na qual fui infectado. Houve sexo oral sem proteção. Então presumo que a contaminação tenha surgido daí. Tenho 31 anos, sempre fui 100% saudável. Nunca tive nenhuma outra DST, então foi difícil aceitar minha nova realidade. Os efeitos colaterais do 3×1 ainda atrapalham um pouco minha rotina, principalmente a tontura matinal. Aos “novatos”, gostaria apenas de dizer que as coisas melhoram! Hoje não passo o dia todo pensando no vírus e em como fui me infectar. Simplesmente aconteceu, como outras coisas acontecem na vida. Tento não pensar em “culpados”. Parei de me martirizar com o sentimento de culpa. Temos um vírus que sequer tem consciência da própria existência… E que pode infectar qualquer pessoa neste planeta. Parei de ler sobre pesquisas e perspectivas de cura. O que o HIV modificou em mim é que enxergo com mais clareza a finitude da vida. O melhor que posso desejar a qualquer um aqui é que “esqueçam” desse vírus e continuem a viver, afinal a morte se apresenta de diversas maneiras para todos, inclusive soronegativos. Para finalizar, gosto do trecho de um livro que diz:

    “Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projeto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.

    Morre muita gente lentamente, e esta é a morte mais ingrata e traiçoeira, pois quando ela se aproxima de verdade, aí já estamos muito destreinados para percorrer o pouco tempo restante. Que amanhã, portanto, demore muito para ser o nosso dia. Já que não podemos evitar um final repentino, que ao menos evitemos a morte em suaves prestações, lembrando sempre que estar vivo exige um esforço bem maior do que simplesmente respirar”.

    • Caio PE diz

      Victor, desculpe pela pergunta: mas sua infecção via oral foi sendo insertivo ou receptivo (“chupou” ou foi “chupado”) ? Desculpe, mais uma vez, a pergunta.

    • LVTENSO diz

      Victor, desculpe perguntar, mas tenho a mesma dúvida que o Caio. Foi sexo oral insertivo? Cada um fala uma coisa dessa prática. Eu tive uma situação de risco apenas com sexo oral desprotegido e com a camisinha escapando no final da relação. Fiz uso da PEP e fiz um exame de quarta geração com 34 dias após a exposição, deu negativo. Mas com o seu relato fiquei meio assustado. Você fez as sorologias depois de quanto tempo? Foi de quarta geração? Que tipos de sintomas você teve?

      Desculpe pelas perguntas, mas é que fiquei pilhadaço hahaha

      Grande abraço!

  18. Caio PE diz

    Pessoal: outro caso curioso que gostaria de compartilhar (e solicitar opiniões coerentes sobre tal): tenho um amigo que usa a TARV há uns 3 anos (TDF, 3TC e NVP). O mesmo realizou a CV em setembro e o seu CD4 (indetectável e 410, respectivamente). Mas, ao realizar novamente os exames (no mesmo laboratório e no mesmo horário, agora em março) os valores vieram muito alterados: CV e CD em 109 mil e 1400, respectivamente. Ficamos sem entender esses valores (ambos altos para o histórico dele).

    (1) Será erro do laboratório?
    (2) Será “pulada” de doses do ARV (ele pula, pouquíssimas vezes, mas pula doses).
    (3) Será que houve uma re-infecção (ele não me falou sobre) gerando uma “nova” fase aguda ?
    (4) Será que os ARVs deixaram de fazer efeito?

    Gostaríamos, novamente, de opiniões pertinentes. Abraços a todos.

    • Jorgito diz

      Se ele tomou alguma vacina recentemente, pode alterar o resultado também. Acusa uma carga viral falsa.

  19. Santos diz

    Pessoal, gostaria de que vocês tirassem uma dúvida. Descobri em 3 de fevereiro deste ano. Estou a mês tomando medicação nova. Já descobri qdo minha imunidade já estava em 30, e carga viral em 89000. Acredito que já estava infectado no mínimo a 5 anos, por aí. Tô tomando já a nova medicação do Sus. Antes de descobrir minha condição havia tido uma diarréia que durou 2 semanas, a qual perdi 6 quilos. Já recuperei 2 quilos. Tô comendo q nem um leão. E uma alimentação saudável. Mas percebo que meu braço e pernas perdeu um pouco de massa só em um mês de medicação. E meu rosto um pouco tbm. Não sei se tô vendo coisas ou tendo psicose, pois está sendo muito difícil pra mim. Será a lipodistrofia? Dizem que esta medicação não gera isso. Mas sei lá. Tô com medo. Pois a minha condição ninguém sabe, e tenho medo de acentuar. Será uma adaptação do corpo ao remédio pra depois eu engordar mas de maneira normal sem lipodistrofia? Me ajudem. Só tenho uma consulta com minha infecto próxima semana.

    • Luiz Carlos diz

      Não existe lipodistrofia com tão pouco tempo. Seu corpo vai se transformar, e você está ainda com a carga viral alta e CD4 baixos. Se preocupe em cuidar do seu tratamento, tomar o remédio todos os dias, se alimentar bem (de forma saudável, não comer porcaria), e em tomar cuidados para evitar doenças oportunistas que lhe prejudiquem. Depois de atingir CV indetectável e um nível melhor de CD4, aí sim você irá pensar em arrumar seu corpo. No momento ele está apenas se adaptando. Um passo de cada vez, um dia por vez.

  20. Alexandre diz

    Bem, amigos e amigas, aqui estou para relatar meus últimos 07 anos de vida. Sofrimento, angústia, aflição, cismas, somatizações, mentiras, “omissões”, etc. Tudo por conta de um vírus que mesmo sem estar no corpo de uma pessoa provoca tanto mal, caso não seja tratado. E foi isso que eu fiz até o dia de hj. Nunca tratei esse vírus nos meus últimos 07 anos e quase que ele me matou e acabou com meus sonhos.
    Com a ajuda do meu grande amigo (irmão) Barasa, hj eu resolvi me tratar. Peguei meus exames de CD4 (1499), meu CD8 (1144), meu CV (indetectável) e fui a um CTA para concluir minha bateria de exames para que eu pudesse começar meu tratamento e ter meus filhos.
    Fui atendido por uma excelente pessoa, de nome Fran, e a mesma foi bem clara quanto ao resto dos exames. Porém, como já havia feito todos recentemente ela disse que não precisaria.
    Comecei meu tratamento as 13:05 e as 13:15 estava curado. Um milagre aconteceu e meu exame foi negativo.
    Nesses 07 anos fiz algumas poucas, porém verdadeiras amizades, aqui no blog.
    Conheci pessoalmente o Ricardo, o Luiz Gaúcho, a Ana e o Barasa.
    Tenho afinidades com outros aqui, tais como Mutatis, Luquinha, tinha o Lopes, e outros. Me desculpem se esqueci de alguém mas as vezes as pessoas param de postar e aí a gente esquece.
    JS, mesmo com tantas declarações que vc recebe relatando a sua importância na vida de todos positivos, sejam eles recentes, experientes ou loucos (eu), acho que vc não sabe a dimensão de sua contribuição em nossas vidas. Já tivemos nossas rusgas mas nunca deixei de te admirar, e assim continuarei. Quero ler logo seu livro.
    Por fim, gostaria de agradecer a uma das pessoas mais especiais em minha vida nesses últimos anos e daqui pra frente. Barasa, espero contar com sua ajuda e seus conselhos para sempre. Como te disse há pouco, tratamos e curamos um problema e quando a gente o supera vimos que temos outros maiores do que esse que vc simplesmente me curou. Conto com vc, meu amigo!
    Aprendi muito com muitos aqui!
    Um beijo no coração de todos vcs, sem exceção alguma!
    Alexandre!

    • Jorgito diz

      Não entendi foi porra nenhuma desse milagre aí. Algum exame já tinha dado positivo?

    • Caio PE diz

      Você não tinha o vírus e nunca fez uma sorologia antes e/ou um PCR? Ou você é um controlador de elite ?

    • Paraense+ diz

      Estou me perguntando : como pudestes ser tão sábio e tão tolo e ignorante ao mesmo tempo ?…

    • Mutatis Mutandis diz

      Felicidade tremenda pela sua condição de negativo! Nem quero entender como, só estou feliz!

      Lamento, egoísticamente, por outro lado, sua futura ausência no processo de busca de pesquisas e informações que sempre foram muito enriquecedoras aqui no blog.

      Tenho duas filhas! Ô negócio bom da bexiga…desejo o mesmo pra vc e sua esposa!

      Grande abraço!

  21. Matheus diz

    Pelo que eu entendi o Alexandre achava que tinha o vírus mas nunca teve coragem de se testar até agora.

    • Jorgito diz

      kkkkk Você tá de sacanagem que o cara passou sete anos se martirizando sem estar infectado! aí é complicado. Cada dia que passa vejo que, de fato, existe coisa bem pior que o HIV.

      • Positividade diz

        Como a hipocrisia domina as pessoas… Quem somos para julgar as situações vividas por quem não conhecemos? Como julgar sem conhecermos o contexto em que o outro está envolvido?

    • Caio PE diz

      Como alguém fica 7 anos sem fazer sequer uma sorologia ou um teste rápido (que é 0800 em qualquer posto de saúde) e fica se martirizando e somatizando as coisas ? É cada uma!

  22. Gil diz

    Pelo que entendi, e pela história de desavenças com este cara, por tudo que li e pelo acabei de ler, hoje estou duplamente feliz: uma por ele não ter o vírus, a outra porque meu “diagnóstico”, meu “parecer” sobre ele estava rigorosamente correto.

    • Alexandre diz

      Fala, Gil! Cara, e eu estou triplamente feliz. Primeiro pq eu não tenho o vírus. É uma sensação que vc irá experimentar em breve, fique tranquilo, segundo que o meu parecer sobre vc foi errado. No fundo vc é gente boa, e terceiro pq vc continua lendo minhas postagens. kkkkkkkk!
      Grande abraço e saúde!

      *Luizão, grande abraço. Em breve vcs estarão livres, tenham certeza.

      • Gil diz

        Eu fiquei muito feliz mesmo, por você estar livre. E porque seu humor melhorou.
        E mais sensível, mais gay, eu acho… kkkk…
        Mas que essa neurose de ficar com um vírus imaginário, cara, é coisa pra estudo clínico, isso é…

        • Alexandre diz

          Pode ter certeza que é pra estudo, Gil. Isso é indiscutível. Mas assim como eu, existem vários. Eu tinha certeza.
          Gil, fiz uma promessa a Deus que quando a cura chegasse eu seria outro. Ela chegou pra mim alguns anos antes do que pra vc. Em breve vc verá o quanto o humor da gente melhora.

  23. Visionnaire diz

    Pessoas, vocês criaram algum grupo no Kik? Acabo de criar um Kik, mas não sei o grupo de vocês ou alguém que possa adicionar.

  24. Danilo diz

    Victor, me identifiquei muito com sua história, sempre me cuidei e fui responsável, mas acabou acontecendo o mesmo comigo,trânsito entre revolta e duvida, mas a voda segue né. Você é de onde?? Tem Kik? Me add oriobh, tenho 31 anos 3 descobri já fase aguda também é já iniciei o medicamento, pq sempre fui muito cuidadoso e atento a minha saúde. Abs e paz 🙂

  25. luquinha diz

    ALEXANDRE porra caralio hoje eu não fumei maconha , você quer dizer o que tinha o vírus e foi o Valdomiro Boiadeiro ou o Macedo kkkk ou você e o segundo paciente de Berlim ? Cara o que aconteceu afinal eu também quero que meu exame fique negativado , ou você nunca teve o vírus e isso ? Cara se for isso so vou te falar uma coisa , não sei se você acredita em Deus mais ele feis isso acontecer para você estudar e saber muito sobre o vírus cara vc sabe de cada pesquisa de cada fase e quantos anos vai demorar , não sei o que esta acontecendo (coloca muito medico ate mesmo infectologista no bolso ), só vou te fazer um pedido e saiba que nesse momento os meus olhos estão cheios de lagrimas e minha garganta fechando , não abandona agente não , continua acompanhando tudo , se agente tiver alguma duvida tire ,cara não é pra daqui uma semana ou 1 mês esquecer de nós , te desejo tudo de bom, obrigado fica na paz .

    • Jorgito diz

      Sinceramente não acredito que o Alexandre irá abandonar esse espaço até um exame confirmatório – daqui a sete anos. Nunca se sabe, sempre pode rolar um falso negativo… hehehe

      Brincadeiras a parte o cara está de parabéns pelo resultado sim. É a melhor coisa do mundo, sei como é a sensação. Quando tinha uns vinte anos sempre me cuidava, mas qualquer estourada de camisinha, prontamente percebida, com a consequente retirada do instrumento e uma boa lavada de meia hora com uma barra inteira de sabonete, qualquer cinco segundos de bola gato de prostituta (que era o cúmulo da irresponsabilidade que me permitia, pra depois me arrepender, e já entrava em desespero total. Depois de 3 meses de angústia, fazia o exame e, quando pegava o resultado negativo, era o paraíso. Saía do laboratório com o resultado negativo e a sensação de imortalidade. Era muito massa.

      • Alexandre diz

        Muito bom, Jorgito! Mas estava preparado para o pior, graças ao Barasa. O que viesse era lucro. Mas a sensação é maravilhosa, a mesma que todos terão com a cura, em breve!

  26. luquinha diz

    Cara se pular a cerca lembre se que agora existe um comprimido por dia que evita se contaminar kkkkkkkke outra se tiver um filho macho (homem) pode por o nome de Lucas kkkkkkkkkk

    • Alexandre diz

      Grande Luquinha, valeu demais! Continuarei aqui eternamente, enquanto durar. Lucas é o nome do ex da minha esposa, então não vai rolar. KKKKKKKK!
      Mutatis, obrigado pelos sinceros votos e pode ficar tranquilo que vou continuar na mesma busca.
      Grande abraço aos dois!

  27. Cara+ diz

    Me identifiquei muito com o relato do Alexandre. Só que o meu caso já é diferente: estou nessa angústia há 5 meses e sem coragem de fazer o teste ainda. Espero que esse medo passe logo, que eu crie coragem. Não vou aguentar ficar 7 anos convivendo com essa dúvida. No mais, parabéns Alexandre, deve ter sido uma sensação de alívio muito grande.

    • Alexandre diz

      Cara+, quem sou eu te dizer algo, só posso te falar que me arrependo muito de não ter feito o teste antes. Mas olhando pelo lado bom eu amadureci muito nesses 7 anos e encontrei o blog, blog esse que me proporcionou uma bela e eterna amizade.
      Precisando, meu email é otimista22@bol.com.br
      Valeu e boa sorte!

    • Jorgito diz

      Porra Cara+, seja um pouco mais otimista. Você ainda nem fez o exame e já colocou um + no seu nick?! Talvez vc seja um Cara-. Faça o exame e descubra. Esperar 5 meses é normal, bom que você já tem uma janela bastante segura, qualquer resultado negativo e já pode ficar tranquilo. Se for positivo, quanto antes descobrir melhor. Quem opta por não fazer o exame e perde a oportunidade de se tratar a tempo pode desenvolver AIDS. Aí já complica bastante. O estrago que o vírus vai fazendo no organismo ao longo dos anos não é revertido pela medicação. A medicação estanca a evolução do vírus, por isso quanto antes o diagnóstico e o consequente tratamento melhor. Boa sorte.

  28. MB+ diz

    Porra…

    Alexandre melhor notícia que recebi nesse ano

    Duas palavras para voce …

    Para
    Bens.

    Abraços

    • Alexandre diz

      MB, também me esqueci de vc. Mas como o D_Pr, vc também sumiu demais. Vc é do caralho. Grande abraço!

  29. JV diz

    Compartilhando… Parece já ser possível identificar o vírus latente, ou seja, o persistente que não permite, AINDA, a cura total. Segue abaixo.

    HIV-AIDS Cure News Update 2017: Biomarker for Latent HIV Infection Could Be Clue to Completely Eradicate Virus

    By EDWARD LEANO
    Mar 27, 2017 | 2:03 AM

    While antiretroviral therapy with virus-suppressing drugs has made significant progress in reducing the deadliness of the disease, a complete cure still eludes the worldwide medical community. Researchers have found a biomarker molecule that can be a first step to designing treatments that can completely eliminate the Human Immunodeficiency Virus (HIV), and not just suppress the viral load in a patient.

    It’s the first time that AIDS researchers have found a way to distinguish HIV-free cells from healthy cells that carry latent HIV. According to MedPage Today, investigators have discovered a molecule that can serve as a biomarker to target cells that are latently infected with the virus.
    The findings, as reported in the science journal Nature, opens the possibilities for research about ways at destroying the HIV “reservoir.” This reservoir, cells scattered around a patient’s body that carry the virus, have been the bane of treatments that promise to cure HIV infection by suppressing the virus, only to find them rebounding in numbers sometime after treatment is stopped.
    The marker molecule, called “CD32a” for now, has been detected on the surface of about half of the latently infected T-cells in their sample. Interestingly, the marker is not present in cells with an active HIV infection, and it is also not detected on uninfected cells. These findings have been reported by a team led by Monsef Benkirane, PhD, of the Institute of Human Genetics in Montpellier, France.
    Finding a way to destroy the virus in latently infected cells has been an active area in AIDS research. Many teams have focused on reactivating latent HIV so conventional antiviral treatments can sweep them away.
    This new development provides an alternative to the “kick and kill” method — if this and more biomarkers are discovered, treatments could be tailor-made to kill latent HIV, possibly leading to complete cures.

    • Caio PE diz

      Podem me criticar mas não acredito na cura, pelo menos por enquanto. A indústria farmacêutica lucra bilhões de dólares com os medicamentos e não “deixaria” a cura surgir. Medicamentos cada vez mais eficazes e com menos (ou nenhum) efeito colateral sim, eu acredito! Mas a cura efetiva, diante de um mercado altamente capitalista e interesseiro? Não! Detalhe: opinião PESSOAL, apenas.

  30. Alessandro diz

    Caramba Alexandre, não sei se vc merece os parabéns ou uns tapas !!! Pqp kkkkkk cara essa foi foda,deveria virar livro, tudo isso foi medo ?? Que comédia.

  31. Costa diz

    Boa tarde pessoal,
    Queria saber se alguém faz uso da auto-hemoterapia.

    • Mutatis Mutandis diz

      Costa, pense numa balela sem tamanho! Ninguém fala das lesões musculares que se têm ao longo do tempo…..pelo amor de Deus, não caia nessa!

      No começo da minha infeção, estava com CV 8.000. Dois meses depois, sem ARV’s, fazendo hemoterapia a CV foi para 256.000. Idiotice das maiores.

      Nunca vi ninguém de fato ficar bom de HIV com essa bobagem!

      Além de tudo ilegal, anti-higiênica e feita por amadores, na sua grande maioria.

      Desculpe se fui grosseiro! Sincero abraço!

  32. Sorocaba diz

    Caio eu discordo de você. Vários cientistas estão numa busca frenética pela cura, isso porque o cara que descobrir a cura vai se tornar uma espécie de herói da humanidade! Vai ter seu nome perpetuado para sempre na humanidade e com certeza vai sim encher os bolsos de muuuuuuiiittaaaa grana!

  33. Cara+ diz

    Tem horas que eu acredito que o cerco está se fechando e a cura está próxima. Mas ao mesmo tempo fico pensando nesse mercado farmacêutico que lucra bilhões e que pra eles surgir a “cura” não seria interessante. Acredito que o segredo é viver cada dia , se adaptar ao tratamento e tentar não pensar, nem ficar obsessivo pela cura. Eu tenho fé que o bom senso no final falará mais alto. Existem milhões de pessoas esperançosas, sempre temos algum conhecido, parente, amigo próximo que convive com o vírus. Acredito que pra medicina e ciência, descobrir a cura seria um dos maiores feitos da humanidade. Enquanto isso, a vida continua e vamos seguindo….

    • Jorgito diz

      O coração chega bate mais forte quando vejo alguma notícia sobre a cura até 2020! Uma coisa que eu tenho observado é a quantidade de notícias recentes sobre as mais diversas estratégias pra se chegar à cura. Realmente, parece estar havendo um movimento substantivo nessa direção. Uma cura funcional nos próximos cinco anos, que nos tirasse desse bombardeio de medicamentos, já seria fantástico. Eu acredito que sai. Depois, com a cura funcional, tudo já fica mais tranquilo. Acho que a cura esterilizante vai sair em uns 10 anos. Todo mundo estará bem, sadio. Tenho fé nisso.

  34. junior28 diz

    Boa noite a todos!
    Li esse post do Alexandre e me identifiquei, estou a um ano e dois meses pra fazer um exame que detecte o HIV. Não tenho coragem, perdi qualidade de vida, fiquei paranóico, e peço a Deus pra chegar esse dia, preciso fazer. A mente pode se tornar uma prisão e eu estou em regime fechado.

  35. luquinha diz

    Pessoal vi hoje no jornal local que já são 13 o numero de mortos , estou em Búzios e aqui próximo Casemiro de Abreu teve 2 novos casos e em Arraial do cabo ,tinha que ir embora no sábado mais vou meter o pé dessa porra amanha , teve uma pessoa que postou uma portaria do ministério da saúde dizendo que quem esta com cd 4 acima de 200 deve tomar , eu ia tomar a vacina , mais depois que eu ouvi uma entrevista com um radialista daqui do rio resolvi não tomar , des que eu era criança esse radialista já comunicava Roberto Canazio , recebeu uma medica uma Reumatologista e presidente da sociedade reumatologia do Rio de janeiro Dr Selma o sobrenome não consegui capitar respondeu a pergunta de uma ouvinte que a ouvinte Raimunda que sofre de artrite reumatoide não deve tomar a vacina e todas as doenças de auto imunidade ate uma simples psoríase ate psoríase cutania alerge a vacina pode fazer a pessoa desenvolver a doença independente da idade a vacina de febre amarela ela ao e esenta de risco ela e uma vacina do nosso organismo a lhe dar com ela , ela e o próprio vírus atenuado , nos enduzimos a febre amarela no organismo , quem tem problemas ate em pacientes saudáveis vai apresentar complicações ou seja saudáveis

    saudáveis 1 em cada 130 mil vai ter alergia grave
    crianças ou pessoas acima de 60 anos 1 cada 150 mil doses aplicadas afetar cistema nervoso central causar incefalite
    vacinia mesmo pessoa saudável 1 caso para 200 mil e se for acima de 60 anos cai de 200 para 1/40 mil óbitos

    A vacina ela e o próprio vírus atenuado , eu estava no carro e gravei a entrevista se vocês puderem entrar no site da radio globo e se vcs conseguir ouvir a entrevista será bom , pois ate mesmo para ajudar os amigos acima de 60 anos , desculpa os erros mais e tudo muito corrido , não tenho muito tempo eu estava a dias querendo falar mais devido hoje ter ouvido essas noticias de óbito já 13 resolvi parar um pouco e tentar falar se alguém puder ir la e traduzir a entrevista sera legal .Radialista Roberto Canazio , Reumatologista Selma

  36. luquinha diz

    Serão milhões de doses então pessoal falando de proporção e muito serio 25 mortes a cada 1 milhão de dose aplicadas pois a reumatologista fala de óbito sim .

    • Tiago_000 diz

      Em relação à vacina, só gostaria de lembrar que a recomendação da OMS é apenas uma dose ao longo da vida. Assim, paraquem já tomou, de fato não é recomendável tomar novamente. Acho que o próprio posto de saúde não tá aplicando nesses casos. Abraços!

      • Sorocaba diz

        Tiago obrigado pela materia. Me fez bem. Sou positivo desde 28 dez 2016. Ainda nao sei se estou indetectável pois o medico pediu exames só para abril. Meu primeiro exame deu cd4 296 e cv 40000 e tomo o 3×1 desde 18 de janeiro. Galera faz uns 4 dias que luto pra deixar esse temor e tremor que sinto no meu peito! Sabe parece que a ficha caiu de que nao tenho mais controle sozinho da minha saude. Estou tomando o 3×1 e foi super de boa quase sem efeito. Mas acho que quando acordo fico com as pernas bambas, angustia , fraqueza e zumbido no ouvido nesses ultimos dias. Tb enfrento minha familia pois não contei pra eles. Minha mãe está doente entao penso melhor falar nada.
        Veio a culpa, a frustração, o medo e o arrependimento. Hoje estou um pouco melhor, mas ontem foi foda. Parecia que o coração ia sair pela minha boca. To numa cidade do interior onde todo mundo se conhece e entao me trato em sorocaba. Hoje a tristesa é grande mas amanhã vai ser um dia melhor. Estou pensando em usar a maconha pra ver se relaxo mais. Se alguém usa ou usou, se ajuda ou atrapalha o 3×1 e puder falar da experiência agradeço. Tb se alguem tiver uma tecnica pra que suma essa angustia me contem. Eu ficarei humildemente grato!

        • Rfs diz

          Bom dia Sorocaba.
          Também sou daqui, de Sorocaba.
          Se quiser conversar me passa algum meio de contato.
          Abraço
          Rfs

  37. Reinaldo diz

    Olá ,nunca comento aqui mas sempre estou observando ,sobre o amigo ali em cima sobre o Dolutegravir ,estou a quase 2 meses com o uso do medicamento e não tenho nenhum efeito colateral(tirando uma queda de cabelo que achei que era decorrência do medicamento ,mas era calvice msm haha) sobre insônia não posso afirmar muito pois durmo normalmente tarde mas consigo dormir cedo quando possível ,porém durmo muito bem . Meu exame de cd4 logo depois da fase aguda estava em 1360 e a infecto msm assim quis começar o medicamento,me sinto muito bem e pra melhorar a situação encontrei alguém que não liga para minha sorologia(me desejem sorte haha). Única coisa minha infecto pega no pe é tomar esses 2L de água por dia ,as vezes só tomo 1L :/ mas já trabalhando com isso levando uma garrafinha em todo lugar que vou.

  38. CBBS diz

    Boa noite! Em outubro, deste ano de 2017, estarei indo para os Estados Unidos fazer um curso de 5 meses de duração. Tomo o 3 em 1 (Teonofovir/Efavirenz/Lamivudina). Moro no estado do Pará e já fui informado no CTA que eles poderão me arrumar apenas a medicação para 2 meses. Alguém tem conhecimento sobre a venda do 3×1 na América? Como adquirir o medicamento? Venda somente sob prescrição médica etc? Preços? Se alguém tiver alguma informação que possa me ajudar, eu agradeço muito, pois estou tendo dificuldades de encontrar informações de como vou ter de fazer pra conseguir o medicamento por lá. O problema nem é dinheiro caso eu precise comprar, pois aqui no Brasil nem tendo o dinheiro para tal não posso comprar em lugar nenhum…Que situação desesperadora!

    • rfs diz

      oi, bom dia,
      talvez, uma saída para essa dificuldade seria voce deixar alguem responsável para retirar a medicação no posto para você e te enviar via DHL, UPS, ou mesmo correio.
      já conversou com seu medico a respeito?

    • Rick diz

      Boa noite!!!

      Tambem estou com essa dúvida, tenho uma viagem prevista para os EUA daqui um ano e estou preocupado com a situação dos medicamentos.
      Existem o tratamento e ou medicação nos EUA?

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s