Notícias
Comentários 92

XII Curso de Patogênese do HIV

15937153_949685681834223_8122949294793162751_o

Anúncios
Este post foi publicado em: Notícias
Etiquetado como:

por

Jovem paulistano nascido em 1984, que descobriu ser portador do HIV em outubro de 2010. É colaborador do HuffPost Brasil e autor do blog Diário de um Jovem Soropositivo.

92 comentários

  1. bmr diz

    Algum casal soropositivo ou sorodiscordante no grupo que tenha tido filhos biológicos? Estando eles indetectáveis???

    • JJ diz

      Casal soropositivo, meu filho negativo, com sete anos agora, criança saudável muito alegre e feliz.

      • JJ, só mais uma dúvida, você e sua esposa já tinha o diagnóstico? Ou seja, desidiram ter o bebê, ambas estavam em tratamento, indetectáveis, e cd4 favorável? Desculpas pela curiosidade.

        • JJ diz

          Descobrimos a soropositividade nos exames de pré natal. Hj ambos em tratamento, indetectaveis, não fazemos uso da camisinha. Se fossemos sorodiscordantes não sei se teríamos a msm confiança de fazer sem preservativo, porém, há informações de q se o parceiro está indetectavel há mais de seis meses não há transmissão. Qqer outra dúvida, msm q pessoal pode perguntar, pois é mt ruim não termos onde sana-las, abraço.

  2. SAR diz

    Olá caros colegas,

    Novamente estou aqui para compartilhar um pouco mais da minha história pós HIV. Há exatos cinco meses atrás descobri minha condição de soropositivo. Estive aqui em um momento de muito desespero, angústia e incertezas relatando um pouco do meu quadro naquele momento. Hoje vim por um motivo muito mais agradável, vim para compartilhar com vocês a alegria em ter recebido meus últimos resultados laboratoriais. Meus últimos exames realizados agora em 10/02/2017 mostraram que minha saúde após o início do tratamento está muito bem. Estou muito feliz por estar INDETECTÁVEL e ver meu valor de CD4 subindo gradativamente. Quando descobri meu diagnóstico, eu estava com CD4 muito baixo, e hoje, meses depois, meu CD4 está 3 vezes maior. Não me canso de agradecer a Deus por não ter sido vítima de nenhuma doença oportunista e agora ver que tudo pode melhorar. Hoje sinto que renasci. Agradeço demais
    minha médica infectologista que, realmente, tem sido uma amiga e um anjo na minha vida. Ela tem colaborado muito para que hoje eu me encontre nesse estado de felicidade, sempre muito atenciosa, paciente e sensível a minha nova condição.
    O que quero deixar registrado é que todos tenham força, tenham fé e que façam o tratamento adequadamente. O HIV realmente assusta, causa pânico no momento em que somos diagnosticados, mas hoje sinto que é possível sim viver com HIV. Desejo a todos muita saúde, paz e amor pela vida. Agradeço ao JS por esse blog que em momentos de angústia me serviu para esclarecimentos e, principalmente, os depoimentos confortantes e de positividade que encontrei aqui. Hoje o que quero é deixar o meu relato como contribuição.

    Abraços!

    • Mdss diz

      Parabéns SAR 👏👏
      Descobri minha minha condição de soro positiva em 08/12/17. Comecei a tomar o 3 em 1no ultimo dia 10… Ainda falta um pouco pra chegar na mesma condição que vc. Mas estou me esforcando bastante. Em breve estarei aqui comentando…
      Aproveito para tb agradecer ao JS. Muito obrigada! Esse espaço só tem a ajudar a todos nós…
      Para aqueles que estão ansiosos, deprimidos, eu digo para terem calma, tá bom? Não posso dizer que não tenha ficado triste… Mas digo que estou bem, estou me tratando, trabalhando (oq é mt bom até pra distrair). Ah… outra coisa… quase não tenho mais pensado na minha condição. Porém não tem como não lembrar, né? 😉 Pois temos que tomar os remedinhos todos os dias….
      Fiquem bem…
      Um forte abraço a todos.

      • SAR diz

        Obrigado Mdss…

        Tenha certeza que assim como cheguei ao estado de indetectável você também chegará. Continue se esforçando que tudo dará certo. É natural pensarmos no vírus, mas o que digo a você é que isso vai se tornando cada vez mais incomum. Na hora de tomar os remédios eu penso que é por conta da pressão alta. Não sou hipertenso, mas penso assim. Forte abraço e esteja certa que tudo dará certo.

    • SAR diz

      Muito obrigado Dom,

      Sim é uma sensação muito boa, de alívio! Estou feliz!

      Abraço!

  3. jshappy diz

    Alguém tem indicações de infecto em SP que atenda por unimed? Eu não estou achando nenhum… Estou pagando 380 em consultas trimestrais.

    • SAR diz

      Olá Jshappy,

      Eu acredito que você esteja olhando no catálogo de especialidades da Unimed. Se não está, faça essa pesquisa no site da unimed. Ao invés de você procurar na especialidade Infectologista, olhe dentre as opções que aparecem em “Consulta especializada infectologia”. Espero tê-lo ajudado.
      Abraço!

  4. Paulo Victor diz

    Boa noite. Alguém mais percebeu que o gosto e o cheiro do 3×1 está um pouco mais forte? Parecem aqueles remédios realmente que amargam na língua. Pelo menos eu nunca tinha sentido gosto normal de medicamentos nessas pílulas de 3×1 de nenhum dos dois: nem do branco, nem do laranja.

  5. Rodrigo diz

    Carnaval chegando, campanhas de alerta à Aids e outras DSTs, distribuição de preservativos, blá-blá-blá. Como se o povo só fizesse sexo no carnaval.
    Passou da hora de mudar o foco, senão vamos ter de conviver com o recrudescimento das infecções por HIV, como temos observado, principalmente entre o público jovem.

    • junior diz

      Rodrigo, concordo que as campanhas de alerta ao hiv devem ser distribuídas de forma homogênea e sem distinção de época. Seu argumento é absolutamente válido. Relegar todo esforço de conscientização e de quebra de tabu pra tratar do assunto hiv apenas pro Carnaval e pro 1º de Dezembro é um desserviço ao tratamento dos portadores que ainda desconhecem seu status sorológico pra hiv e um desserviço à contenção da epidemia.

      Mas ainda acho que nessa época do ano, teria que duplicar a divulgação da pep e da entrega de preservativos e lubrificantes, que já deveria ter normalmente durante o ano todo, mesmo porque se trata de uma época, que uma parcela da população fica um pouco mais voluptuosa do que o normal.

  6. Kacco diz

    Passando aqui só para dizer que meu infecto se recusou a trocar meu esquema 3×1 com efavirenz por o 2×1 + Dolutegravir !
    ele disse que mesmo se estivesse liberado para todos a troca seria impossível , porq o dolutegravir não pode substituir o Efavirenz !
    e ainda falou com voz de grosseria se eu quisesse trocar de infecto era para mim ficar á vontade ., Achei tudo isso muito estranho , pelo que eu sabia O dolutegravir tbm é um inibidor de transcriptase , então como isso é possível !?
    Alguém pode me explicar ??

    • Luiz Carlos diz

      Não faz sentido, realmente sugiro que você procure outro infecto. As únicas contraindicações ao DTG são para pessoas em uso de fenitoína, fenobarbital ou oxicarbamazepina.

      O que acontece é que realmente por enquanto a troca do 3×1 por Dolutegravir ainda não foi autorizada, o DTG está liberado apenas para início de tratamento.

      A troca atual que você pode fazer é sair do 3×1 (caso esteja tendo problemas de intolerância) e ir para o ATZ/r. Em Abril/2017 deve ser liberada a troca do ATZ/r para Darunavir (DRV/r) para casos de intolerância/toxicidade.

      Todas estas informações estão disponíveis na Nota Informativa 007/2017:
      http://azt.aids.gov.br/documentos/siclom_operacional/Nota%20Informativa%20007%20-%20protocolo%20de%20uso%20ARV%20-%202017.pdf

      Segundo dois infectos e um diretor de infectologia do Hosp. Evangélico conhecidos meus, espera-se que a partir de Abril/2017 também seja liberada a mudança do 3×1 para DTG em casos de intolerância.

      Eu entendo o afã das pessoas em mudarem para o DTG por sua toxicidade reduzida, porém importante entender que a mudança deliberada por um grupo muito grande de pessoas sem necessidade comprovada causa sérios problemas de logística nas UDMs, já que os medicamentos têm que ser encomendados, produzidos, enviados e distribuídos através de previsões feitas com base nos dados atuais de utilização, e tudo isto leva muito tempo.

      Se todo mundo trocasse para o DTG sem necessidade, certamente iria faltar DTG para muita gente, o que causaria transtornos muito maiores.

      Sejamos um pouco mais pacientes, e logo teremos acesso a essa medicação.

      • Cris diz

        Olá,

        Já dei diversas vezes a minha opinião sobre o Dolutegravir, opinião por ter experienica própria no seu uso.

        O Dolutegravir aqui em Portugal é dado a todos os doentes que iniciam a terapêutica.
        É usado em 1ª Linha do tratamento, ao contrario dai que é na 3ª linha.

        É realmente um medicamento muito bom (para algumas pessoas).

        Eu iniciei o tratamento dia 06/05/2015, estava com 70.000cv e CD4 de 470 (DOLUTEGRAVIR + KIVEXA)
        No dia 21 de 05.2015 (Quinze dias depois eu estava indetetavel e os meus cd4 subiram para 574.

        Durante os 1º 4 meses foi tudo perfeito, nenhum efeito secundário, era a perfeição, tomava antes de deitar…

        Até que tudo mudou, e após os 4 meses, o meu corpo começou a rejeitar o dolutegravir… Os meus intestinos inflamaram. Sofri muito, com diarreia, mau estar, cólicas horríveis, foram semanas a fazer exames e analíses no gastro, a colonoscopia indicou colite ulcerosa… nada mas nada indicava uma outra doença a não ser a Colite..

        Minha infeto mudou meu esquema para RALTEGRAVIR + TRUVADA, medicamentos mais velhotes, porem muito bons também… E passados umas 3 semanas meus sintomas desapareceram, e fiquei bem, sem colite.

        Continuo indetetavel com o novo esquema antiretroviral, e os meus cd4 continuaram a subir e já tenho cerca de 820 Cd4.
        Não tenho qualquer efeito secundário.

        Dolutegravir é bom, mas, não é livre de efeitos secundários.

        P.s: O meu amigo de infância, se dá muito bem com o AZT…Sem qualquer efeito secundário….

        Acho que os medicamentos também são muito de organismo para organismo.

        Cris

    • SAR diz

      Olá Kacco,

      Há cinco meses iniciei o meu tratamento com os antirretrovirais Atazanavir, Ritonavir + 2 x 1. Não sei se é do seu conhecimento mas o Atazanavir causa um aumento nos índices de bilirrubinas no sangue tendo como efeito colateral um amarelamento dos olhos e pele. A minha infectologista, esperava efetuar a troca para o DTG assim que fosse disponibilizado, justificando a troca pelo aumento nos índices de bilirrubinas. No início desse mês estive em consulta e ela me disse que não seria possível fazer a troca, uma vez que, chegaram somente 20 tratamentos para a cidade onde moro e que no momento o novo esquema só seria disponibilizado para pacientes virgens de tratamento. Se eu fosse você trocaria de médico mesmo, não pelo fato dele não efetuar a troca, mas sim pelo fato dele comparar o Efavirenz (inibidor da enzima transcriptase reversa) com o Dolutegravir (inibidora da enzima integrase). Acho que está faltando um pouco de conhecimento sobre o assunto. Profissionais atualizados faz toda a diferença. Graças a Deus minha infectologista é médica e professora universitária. Vou com minhas listas de dúvidas em todas as consultas e ela me responde item por item.

      Abraço!

      • SAR diz

        RETIFICANDO…

        Olá Kacco, acho que me equivoquei no entendimento do seu post. O seu médico disse que o Efavirenz não substitui o Dolutegravir e nisso ele está certo. Como postei anteriormente o Efavirenz é um inibidor da enzima transcriptase reversa enquanto o Dolutegravir é um inibidor da enzima integrase. Mas mesmo assim sugiro a você a troca de médico. Penso que um médico precisa ter sensibilidade as dúvidas e anseios dos seus pacientes. É interessante você estabelecer com seu médico uma relação de confiança e amizade e não se sentir constrangido em tirar todas as suas dúvidas.

        Abraço!

        • Kacco diz

          Então no caso eu não posso fazer o uso de DTG + lamivudina +tenofovir !? Descartar de vez esse efavirenz do meu esquema qe me deixa lezado noite e dia !?

          • Luiz Carlos diz

            Por enquanto não, Kacco. Vale lembrar que se você tem problemas de intolerância com o EFZ, existem diversos outros esquemas de ARVs que você pode experimentar e ver com qual você melhor se adapta.

            Como mencionei, tenha calma. Pela expectativa de distribuição, em breve deveremos ter acesso ao DTG. Acredito que ainda este ano todas as pessoas que tenham intolerância ao 3×1 poderão passar para o DTG.

            Abraços.

  7. Vida diz

    Kacco
    Eu não sei muito bem , mas quando fui retirar medicamentos para o meu esposo esse mês , perguntei sobre o Dolutegravir e eles me informaram para ir com calma , 8 pessoas iriam iniciar o tratamento naquela semana e estavam ansiosos para de fato saberem os resultados.
    Disse que se estiver tolerando o 3×1 para continuar até aguentar.

  8. Maycon diz

    Eu não trocaria o 3×1 pelo DTG a não ser que fosse extremamente recomendável. Eu já engordei 8kg após 8 meses de tratamento. Não sinto absolutamente nada tomando o “Atripla”.
    Acho o DTG a carta na manga! Tipow, DTG é meu esteio caso necessite trocar a medicação. Não irei pegar o “melhor” ARV de cara, pois vejo ele como coringa quando nada der mais certo.

    • Cris diz

      Eu troquei do Dolutegravir para raltegravir (Explicação num post neste tópico).

      E a minha infeto disse que mesmo que o dolutegravir ganhasse resistência, há sempre mais algumas outras opções de tratamento, para não falar nos novos tratamentos que estão para sair nos próximos 2 ou 3 anos.

    • Luiz Carlos diz

      Discordo Maycon. Você usaria AZT hoje se EFZ fosse a melhor opção?

      Como qualquer tecnologia, os ARVs estão sempre em constante evolução. O DTG é uma droga nova, aprovada em 2013 pelo FDA, com muito mais tolerância à falha terapêutica e muito menos efeitos colaterais. Para efeitos de comparação, o EFZ foi aprovado pelo FDA em 1998.

      Em uma comparação esdrúxula, pense no que um celular de 1998 fazia (o Nokia 5110 é desta época), e o que um iPhone 5S (2013) faz.

      Já existem muitas outras drogas sendo desenvolvidas e aprovadas que futuramente chegarão ao Brasil. A lista de ARVs está em constante mudança, apesar de muitas vezes só falarmos sobre os ARVs chave, aqueles que são utilizados pela grande maioria da população.

    • Anjo Terapeuta diz

      Foi o q minha medica falou, nao aconcelho a troca caso vc precise trocar no futuro ai sim trocaremos, pediu 50000 exames rs e disse vc esta otimo.

  9. Paraense+ diz

    Essa semana peguei o resultado dos últimos exames, CD 4= 729, CD 8=2.189, a relação entre os dois é 0,33. Até aí tudo bem, mas a carga viral não está mais indetectável. Deu 42 cópias. Porra !!!, tecnicamente não seria indetectável ?. A médica não fez nenhum comentário, eu, tambem, não perguntei nada. Agora gostaria de saber, se alguém aqui já passou por isso e se devo me preocupar ?.

      • Paraense+ diz

        Já me trato há dois anos. As vezes esqueço de tomar de manhã, mas, tomo de tarde quando chego do trabalho. Penso não ter problema. Achei legal, pela honestidade do laboratório, duas cópias. Pensei que não considerassem esse número…

        • Jorgito diz

          Não acho que tenha com o que se preocupar não. Está muito próximo do indetectável. Tranquilo. CD4 normal. Provavelmente esse tipo de variação é normal. Essa carga viral aí é mínima. O vírus está sob controle no organismo. Só me preocuparia se continuasse subindo cada vez mais nos próximos exames. Aí sim seria o caso de trocar de esquema.

        • Caio PE diz

          Alguns exames de CV possuem limite mínimo de 20 cópias, outros de 40 e outros de 50. Pelo que o seu apresentou (42) está tudo sob controle (pelo menos na minha leiga opinião). O importante é NÃO esquecer de tomar as doses. No próximo exame de CV, se vier novamente um valor acima do valor mínimo de referência, aí vale a pena questionar a (o) sua (seu) infectologista. Acredito que não seja o seu caso, mas existe um exame de GENOTIPAGEM para casos com cópias mais altas. O laboratório, ao exibir 42 cópias (caso o limite mínimo seja de 40) foi uma resposta de que esse possui credibilidade para com seus clientes.

    • Positividade de luz diz

      Esta pequena variação as vezes é normal,nada preocupante não,as vezes pode oscilar um pouquinho,mas tecnicamente esse valor é indetectável sim!!!

    • Augusto diz

      o que me preocupa não é sua CV de 42, mas sua relação CD4/CD8 de 0,33 após 2 anos de tratamento….. como anda a evolução dessa taxa? tem praticado atividade fisica?

      • Paraense+ diz

        Vem evoluindo, no primeiro exame era de 00, alguma coisa que não lembro mais. Cd4 147 e cd8 quase 4000. Sei que evoluiu, e muito. Precisamente só olhando o prontuário.

    • Jonas diz

      Caro amigo, o meu CD4 e CD8 estão ok, porém, a palavrinha “indetectável” também sumiu do meu exame, apareceu deu menos de 20 cópias. Não me preocupei tanto. Tem um pouquinho do vírus circulando, mas antes do tratamento era 19 mil. Vamos esperar os próximos.

      • Luiz Carlos diz

        Jonas, <20 cópias e indetectável são literalmente a mesma coisa. Significa apenas que o limite de detecção do exame é de 20 cópias e o seu resultado está abaixo disso, logo é considerado indetectável.

    • Luiz Carlos diz

      Paraense+, não há absolutamente nada com o que se preocupar. Isto é chamado de “blip” e é relativamente comum. Quanto maior a capacidade de detecção do exame, maiores as chances de aparecer um blip.

      Os blips são causados por inúmeros fatores, como a variação no processo de teste, pequenas mudanças na concentração do ARV, ou ainda ativações transitórias do sistema imunológico, como por exemplo ao tomar uma vacina ou estar com alguma infecção como o vírus da gripe.

      Tenho visto muitas pessoas tomando a vacina da febre amarela e fazendo o exame de CD4 no período de imunização (cerca de 10 dias após a vacina). Muitas tem blips no exame de CV.

      Para efeitos clínicos, se você está indetectável, blips com <100 cópias continuam sendo tratados como indetectáveis.

      No estudo Intermittent HIV-1 Viremia (Blips) and Drug Resistance in Patients Receiving HAART (
      Richard E. Nettles, MD; Tara L. Kieffer, PhD; Patty Kwon, BA; et al), foi medida a carga viral de 10 pacientes a cada 3 dias durante o período de 4 meses, em dois laboratórios distintos. O “blip” era considerado como sendo um resultado de CV maior que 50 cópias, seguido por outro menor de 50 cópias (limite de detecção na época). 9 dos 10 pacientes tiveram um ou mais blips.

      Abraços!

  10. Meu amigo está tomando a combinação do 3 em 1 há 9 anos, nesse ano venho notado uma forte lipodistrofia facial,com isso ele vai fazer aplicação de ppma no rosto,o que não entendo é que os médicos falam que com essa combinação não acontece a temida lipodistrofia, eu não acredito!!!! Será que essa nova medicação é livre desse maldito efeito colateral

    • Jorgito diz

      Fui em três infectologistas e todos os três me disseram que um dos possíveis efeitos dos medicamentos é a lipodistrofia. Na própria bula do atazanavir fala da lipodistrofia. Eu estou tomando um esquema com Atazanavir, Ritonavir, Tenofovir e Lamivudina há apenas seis meses e já estou achando que minhas nádegas diminuíram e minhas coxas afinaram. Algo ainda sutil, mas não creio que seja psicológico, porque minha mãe também percebeu e comentou. Além disso acho que estou com mais gordura na cintura. Justamente o efeito que os médicos descreveram, apenas os braços e a face que não afinaram. Estou muito triste com isso. Logo agora que eu estava assimilando melhor a doença, foda.

      • Caio PE diz

        Por isso entra a importância de exercícios físicos com objetivo de ganho de massa muscular e exercícios cardiorrespiratórios, pelo menos 3x por semana. Incluindo, aí a ingestão de proteína de boa qualidade.

      • Ombro Amigo diz

        A lipodistrofia é um dos sintomas colaterais que mais atingem o psicológico do soropositivo. Mas para (quase) tudo há uma solução. Procure bons profissionais (nutricionista e preparador físico) para lhe orientar como combinar exercícios físicos e uma dieta balanceada com o objetivo de diminuir a quantidade de gordura e aumentar a massa muscular no seu corpo.

  11. Positividade de luz diz

    BOA NOITE!
    SE QUISEREM ME ADD NO KIK EM GRUPOS E QUEM QUISER ME ADD FIQUE A VONTADE,MORO NO RJ,39 ANOS,ESTOU MORANDO A POUCO TEMPO AQUI ESTOU MEIO SOLITÁRIO,CONHEÇO POUCA GENTE,SOROPOSITIVO,NÃO CONHEÇO NINGUÉM AKI…
    LuzSempre meu kik

  12. roger diz

    Minha carga viral veio assim(<40 copias estou preoculpado tenho infecto so em abril e nao foi feito cd 4 alguem pode me ajudar?

    • SAR diz

      Olá Roger,

      Se a sua carga viral ou HIV – PCR Quantitativo veio 40 cópias/mL. Espero tê-lo ajudado!

      Abraço!

      • SAR diz

        Olá Roger,

        Se a sua carga viral ou HIV – PCR Quantitativo for menor que 40 cópias/mL, você não deve se preocupar. Isso significa que você está indetectável e isso é motivo de comemoração. Os equipamentos que realizam as análises de carga viral só conseguem detectar o vírus em valores maiores que 40 cópias/mL. Espero tê-lo ajudado!

        Abraço!

    • Luiz Carlos diz

      Não precisa ficar preocupado, Roger. <40 significa que você está indetectável, e o limite de detecção é de 40 cópias/mL.

      Sobre o CD4, está sendo propagada uma nova diretiva de se fazer o exame apenas uma vez por ano, já que é um exame caro e não tão necessários para pacientes que tem boa adesão ao tratamento (que mantém CV indetectável, como no seu caso).

      Abraços!

  13. Jonas diz

    Em 1º de março, o ano que mudou mudou tudo na minha vida. O que que me descobri “positivo”. Ontem recebi minha contagem de CD4 e outros exames após 10 meses de tratamento com o 3×1. Tudo sobre controle, graças a Deus. Comemorei muito, pois meu CD4 saiu de 332 para 441. Mais de 100 mm3. Estou em festa! A infecto falou que não é fácil, na maioria das vezes se estabiliza quando não é infecção recente e eu já comecei a tratar abaixo de 350. Vou continuar a me cuidar. Sempre tomo algumas vitaminas e suplementos naturais e faço exercícios físico bem moderados, mas permanentemente. Este blog é minha leitura diária, só tenho que agradecer a todos!

  14. João Pedro diz

    Bom dia, alguém em tarv (3×1) e indetectável, com cd4 bom, acima de 500 por exemplo, já fez uso da vacina de febre amarela? Como foi indicado, como foi o pós-vacinal e se imunizou? Ou alguém por motivo de viagem já tomou essa vacina?

    • Miguel diz

      Sem nenhuma reação. Pode tomar tranquilo. Meu último cd4 foi 542.

    • Luiz Carlos diz

      Pode tomar a vacina sem problema nenhum, eu inclusive já comentei sobre isto em outro post:

      A vacina da febre amarela é um vírus atenuado, por isto não é recomendado para portadores do virus HIV com CD4 abaixo de 200, segundo portaria do Ministério da Saúde. Caso você esteja com CD4 acima de 200 e saudável, não há problema em tomar e é recomendável para as pessoas que estão nas áreas de risco.

      Lembrando que a imunização ocorre apenas 10 dias após tomar a vacina, e se você tiver qualquer efeito adverso neste período é importante consultar um médico e seu infecto.

      Abraços

    • saulo diz

      Eu tomei a vacina. Meu cd4 esta 950 e tomei por indicação da minha infecto (moro no leste de Minas). Não tive nenhuma reação.

  15. João Pedro diz

    Obrigado gente, pelo retorno. Eu vou viajar esse ano para uma área que exige a vacinação, porém a médica não recomendou a vacina, apesar de já estar em tarv há mais de dois anos e indectável desde então. Mesmo ela me dizendo antes que uma pessoa com cd4 acima de 500 podia tomar sem problemas. Não sei, senti como se ela quisesse dificultar as coisas, disse que eu tinha que procurar a Anvisa nesse caso… quando do diagnóstico, meu cd4 era 200 e pouco e cv acima de 500 mil cópias, vocês acham que tem alguma coisa a ver? Ela disse que eu já tive “a doença”, com essas palavras (mesmo assim nunca manifestei nenhum sintoma ou doença oportunista). Enfim, fiquei com um pé atrás, pois afinal foram palavras da minha médica, mas em todos os lugares que leio vejo que não há contraindicações para quem está indectavel e com cd4 acima de 500, meu caso. Queria logo me livrar dessa dor de cabeça da vacina, senão nem embarco! Qualquer mensagem de tranquilização seria bem vinda, às vezes esses médicos complicam mais do esclarecem.

  16. Fernando-PR diz

    Bom dia, pessoal eu faço uso do 3 x 1 a cinco meses e ao mudar do comprimido laranja para o branco comecei a ter diarreia, isso é normal, falei com meu infecto e ele mando tomar Prolive para repor flora intestinal e também mebendazol e metonidazol, porque acredita que pode ser uma infecção e não a troca de comprimidos, estou preocupado, vou fazer exames de cd4 e carga viral inicio de março;

  17. Horus diz

    Oi pessoal, Boa noite!
    Acabo de me descobrir sendo portador do vírus HIV (na verdade descobri na segunda feira). Ainda estou em estado de choque tentando aceitar essa nova realidade mas a sensação é de que alguém vai me acordar a qualquer momento e dizer que era apenas um pesadelo.
    E imaginar que eu fiz o exame apenas por desencargo de consciência ja que não apresentava absolutamente nenhum sintoma. Eu fiquei com uma pessoa em dezembro e somente dessa vez me descuidei e acabei contraindo o vírus. Eu fiquei desesperado quando o biomédico me apresentou o resultado eu não conseguia acreditar, acabei saindo desesperado do laboratório, só conseguia pensar em desistir da vida pois não sabia como lidar com isso, ao mesmo tempo pensava na minha família, na minha mãe, como eu ia contar isso para ela?! Eu fui andando para casa, eu não ouvia e nem enxergava ninguém apenas seguia como se estivesse desligado do mundo. Chegando em casa, ainda chorando, por sorte minha mãe estava sozinha, e ja cheguei dizendo: Mãe senta ai, preciso te contar uma coisa! E antes q ela sentasse eu disse: Mãe eu to com HIV!!! Ela só disse: O QUE? e ficou me olhando e eu chorando ainda mais ate que ela veio e disse: Fique calmo, existe tratamento e nos vamos fazer, ore a DEUS peça sua cura e enquanto ela não chegar nos vamos tratar da forma que tiver de ser tratada. A partir desse momento eu sentir um pouco de força e esperança surgindo no meu coração pois a pessoa que mais importa na minha vida ficou do meu lado.
    Resumindo mais a historia, eu comecei a pesquisar sobre grupos e achei uns bacanas onde todo mundo contava suas historias de superação e que é possível domar esse “monstro”. Ontem realizei a minha primeira consulta com o infectologista ele me avaliou, solicitou outros exames e já receitou o medicamento, que seria o 3 em 1. Mas chegando no local fui informado que eu n poderia pegar essa medicação pois havia mudado o tratamento para quem tava começando pois o 3 em 1 agora é para gestantes e soropositivos com tuberculose, e o certo agora é Dolutegravir e o 2 em 1 ( tenofir e lamivudina ). Ontem mesmo já tomei os primeiros e não sentir absolutamente nada, ainda n entendo nada sobre eles, só fiquei um pouco agoniado pq via todo mundo nos blogs que li falando sobre o 3 em 1, e esse blog aqui foi o único q vi falando sobre essa nova rotina de medicação!
    Então é isso pessoal, desculpe-me o textão, nem sei se posso fazer isso aqui, Mas é que não tenho com desabafar sobre isso e não quero preocupar minha mãe ainda mais! Se houver algum grupo q eu possa participar por favor me avisem, pq pior que o vírus é o preconceito e infelizmente n da ( ainda ) pra contar pra mais ninguém!

    • Luiz Carlos diz

      Horus, primeiramente bem-vindo.

      Nós aqui do JS somos praticamente uma família virtual, muitos de nós não temos nomes, apenas apelidos, mas ainda assim encontramos conforto e ajuda nas palavras uns dos outros.

      Todo este processo leva tempo para ser assimilado, mas você pode contar com todos nós aqui e desabafar o quanto quiser que sempre haverá alguém para te responder e te ajudar.

      Você diagnosticou o HIV muito rápido (de dezembro para cá), e isto é ótimo, pois sua imunidade dificilmente foi abalada. Agora o principal é focar em manter o tratamento, criar uma rotina para que você se lembre de tomar a medicação todos os dias (recomendo usar um pill-box, é muito útil), ler bastante para desmistificar as dúvidas que você talvez ainda possa ter e ficar tranquilo, que muito em breve você nem irá perceber que está tomando a medicação ou que possui o vírus. Todos nós aqui vivemos vidas normais e ajudamos uns aos outros sempre que possível.

      Realmente a dispensa do 3×1 está bloqueada no sistema para novos casos de infecção, permitindo apenas a dispensa do Dolutegravir. O Dolutegravir é uma droga nova, aprovada nos EUA em 2013, e por lá já consiste a primeira linha de tratamento e linha preferencial para todas as pessoas vivendo com HIV. Muitos de nós que atualmente estamos no 3×1 (ou Efavirenz, EFZ, como chamamos por aqui) ou em outras drogas queremos mudar para o Dolutegravir, pois ele possui toxicidade bem menor e tolerância quanto ao “esquecimento de dose” bem maior. Provavelmente para nós que já estamos em tratamento, a troca para o DTG seja permitida a partir do segundo quartil, se tudo correr bem.

      Se tiver alguma dúvida ou quiser desabafar mais, estamos por aqui 🙂 Poucas pessoas aqui no Brasil estão usando o DTG, então se você quiser nos relatar seus próximos dias nos será bem útil!

      Abraços,

      Luiz Carlos

      • Horas diz

        Luis Carlos –

        Obrigado pelas palavras viu?!?
        Estou aqui seguindo. Confesso que ainda estou muiiiito assustado, mas já encaro o vírus com outros olhos.
        A respeito da medição, eu ainda n tive nenhum efeito colateral, ou se teve, passou despercebido!

        Um abraço !!!

        • Caio PE diz

          É como o Luiz falou: o 3×1 deixou de ser um ARV fornecido aos pacientes “novatos”. Em seu lugar foi disponibilizado o DTG e o 2×1 (TDF e 3TC). Qual a vantagem disso? Menos efeitos colaterais (tanto a curto quanto a longo prazo). Qual a “desvantagem”? O 3×1 toma 1x/dia, o DTG deve ser tomado 2x/ dia por não existir, ainda, o 3×1 com ele incluído.

      • Renato diz

        Minha médica vai fazer a troca porq há cinco meses com o 3×1 ainda tenho insônia é depressivo ,mas já tem alguém aí no início q toma em Portugal e não se adaptou.

  18. Maycon diz

    Pessoal! Alguém aqui tem ou teve lipodistrofia?
    Conheço um portador que diz estar sofrendo com isso. Ele se trata há pouco tempo oO

  19. Positivo Azul diz

    Maycon
    Conheço uma pessoa que teve e conseguiu minimizar os efeitos através da prática de exercícios físicos e mudança na alimentação. A mudança foi bastante significante tanto esteticamente quanto na melhora da saúde.

  20. SILVA + diz

    Quando uma pessoa tem lipodistrofia o primeiro sinal é no exame de sangue com taxas alteradas? Ou pode ta tudo ok no exame de sangue e ela ja ter manifestação na forma física?

    • Luiz Carlos diz

      Olá Silva,

      Não necessariamente. A lipodistrofia é a redistribuição da gordura no corpo, portanto não necessariamente será refletida em exames de sangue ou até mesmo no peso na balança. As vezes ela pode vir acompanhada de alterações metabólicas, que aí sim são refletidos em exames de metabolismo.

  21. Sorocaba diz

    https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/estado/2017/02/24/cientistas-dizem-ter-suprimido-virus-hiv-do-organismo-de-cinco-pessoas.htm

    Um grupo internacional de cientistas afirma ter conseguido suprimir o vírus HIV dos organismos de cinco pacientes infectados – e impedir que ele voltasse a se replicar-, substituindo o uso diário de drogas antiretrovirais por uma nova terapia com base em vacinação.

    No estudo, conduzido ao longo de três anos, os cientistas combinaram duas novas vacinas experimentais contra o HIV com uma droga amplamente utilizada no tratamento de câncer. Depois do tratamento, o vírus teria sido suprimido em cinco dos 24 pacientes que participaram do experimento.

    Os resultados da pesquisa foram divulgados na semana passada, na Conferência de Retrovírus e Infecções Oportunistas, realizada em Seattle, nos Estados Unidos, de acordo com a revista de divulgação científica New Scientist.

    Embora os resultados sejam considerados animadores, os próprios autores alertam que será preciso realizar novos estudos e, principalmente, acompanhar os pacientes por mais tempo. Segundo eles, tratamentos desenvolvidos antes aparentemente curavam as pessoas infectadas com o HIV, mas o vírus acabava voltando depois de algum tempo.

    A maior parte das pessoas infectadas com o HIV precisa tomar drogas antiretrovirais diariamente para impedir que o vírus se replique, causando danos ao sistema imune. Essas drogas precisam ser tomada ao longo de toda a vida, porque o vírus pode ficar oculto nas células de certos tecidos e, sem a medicação, acaba ressurgindo rapidamente.
    Com o novo tratamento, porém, os pesquisadores dizem ter conseguido eliminar o vírus e fazer com que o próprio organismo dos pacientes se encarregasse de impedir seu ressurgimento.

    O grupo de pesquisadores foi liderado por Beatriz Mothe, do Instituto de Pesquisa sobre Aids IrisCaixa, em Barcelona (Espanha). Há três anos eles iniciaram os testes em 24 pessoas que haviam sido diagnosticadas recentemente com o HIV. Os pacientes receberam duas vacinas, desenvolvidas por cientistas da Universidade de Oxford (Reino Unido), além de drogas antiretrovirais.

    Em 2017, 15 dos pacientes receberam mais uma dose de uma das vacinas, seguida por três doses de romidepsin, uma droga anticâncer que havia mostrado potencial para impedir que o HIV se escondesse. Depois, os pacientes tomaram mais uma dose de vacina e pararam de tomar os antiretrovirais.

    Em 10 dos pacientes, o vírus voltou rapidamente e eles tiveram que retomar o uso dos antiretrovirais. Mas cinco deles não precisaram voltar a tomar as drogas, porque o próprio sistema imune deles foi capaz de suprimir o vírus sozinho.

    Segundo a New Scientist, um dos cinco pacientes já está há sete meses sem tomar os antiretrovirais. Os outros quadro estão livres do vírus por seis, 14, 19 e 21 semanas, respectivamente. Os pacientes serão acompanhados para que os cientistas verifiquem por quanto tempo seus organismos conseguem controlar o vírus por si sós.

    De acordo com os autores do estudo, não está claro ainda porque o novo tratamento não deu certo para dois terços do grupo de pacientes.

    Como funciona
    As duas vacinas usadas no experimento possuem genes que comandam a produção de certas proteínas que também estão presentes em todas as linhagens do HIV. Uma dessas proteínas chega ao sangue e é reconhecida pelo sistema imune como invasora. Isso ativa um tipo de células de defesa do organismo – chamadas células-T citotóxicas CD8 – que se tornam capazes de reconhecer, atacar e destruir as células infectadas pelo HIV.

    O segundo componente da terapia, o romidepsin, faz com que os vírus HIV adormecidos saiam de seu esconderijo e sejam atacados pelas células CD8.

  22. Fabio diz

    Ola pessoal, tudo bem?!

    Estou lendo os comentários e gostaria de compartilhar o meu tratamento com o Triumeq (dolutegravir/abacavir/lamivudina). Comecei a três semanas e no princípio senti apenas um acumulo maior de gases, mas agora não sinto absolutamente nada. Farei um exame de sangue no próximo mês para ver se estou tendo alguma alteração renal ou hepática e volto aqui para contar pra vocês. Um grande abraço abraço a todos vocês!

    • bmr diz

      Seu esquema é tomado quantas vezes ao dia Fábio? Deus lhe abençoe.

  23. viver+ diz

    Horus
    Sei plenamente o que você sentiu com o seu diagnóstico, todos passamos por isso, e pode acreditar, seu diagnóstico não é mais uma sentença de morte estará relacionado apenas com algumas mudança na sua rotina. O que quero dizer é que vc vai acrescentar na rotina da sua vida o uso de um medicamento diário e visitas médica e coletas de exames trimestrais, o resto você continuará como sempre foi. Referente a contar ou não contar, não sinta-se obrigado a contar a ninguém e tão pouco sinta-se impedido de contar a alguém que você tenha certeza que não te critique, embora não será fácil encontrar essa passoa, isso será uma opção sua.
    Viva plenamente a sua vida amigo, estamos juntos nesse barco.

    • Horus diz

      Viver+ –

      Obrigado pelas palavras amigo! Realmente ainda estou me acostumando com essa nova etapa da minha vida, estou com alguns medos um deles é a ideia do que os medicamentos podem causar a longo tempo, tipo diabetes. Isso me deixou muito assustado apesar de nunca ter levado uma vida sedentária mas soube por aqui q os medimentos aumentam os níveis de glicemia e triglicerídeos do corpo! Eu já tava ficando bem tranquilo aí fiquei sabendo disso é agora tô novamente naquela bad terrível!
      :/

      • Caio PE diz

        Diabetes, dislipidemia etc ocorre , na grande maioria das vezes, em pessoas não regradas. Se o portador hiv (ou não) mantiver uma alimentação equilibrada, atividade física regular, evitar vícios etc, a qualidade de vida aumenta (e muito) e, por consequência, os efeitos indesejados das medicações é reduzido.

    • Só mais uma dúvida. Esse esquema é o novo fornecido pelo SUS, para virgens de tratamento, ou você comprou por conta própria? Desculpe pela curiosidade.

      • Caio PE diz

        O novíssimo esquema fornecido pelo SUS a partir de fevereiro/2017 é o dolutegravir mais a lamivudina e o tenofovir. O dolutegravir substituiu o efavirenz. Isso para os pacientes virgens de tratamento.

  24. 2P diz

    Olá, primeira vez que posto aqui.
    Descobri tem 1 anos que sou portador do vírus , porém a medica que comecei o tratamento veio falecer, ela me ajudou bastante; hoje estou com um medico que só me passa mesmo a receita do medicamento e alguns exames de rotinas.
    Tento perguntar porém ele vem com termos muitos técnicos e fico mega perdido.

    Minha duvida e a seguinte, eu estou com a garga viral indetectável; eu posso ter relação sem camisinha e contaminar alguém que não tenha o vírus? ou pelo fato de minha garga está indetectável a contaminação da minha parte e ‘impossível’ ?
    Tenho ciência que posso aumentar minha carga viral, caso eu tenha relação sem cuidado com uma pessoa que possua o vírus detectável

    • Luiz Carlos diz

      2P, “tecnicamente” você pode ter relações sexuais sem camisinha.

      O maior estudo já feito sobre o caso, em que foram avaliadas mais de 58 mil relações sexuais entre sorodiscordantes, a taxa de transmissão, levando em conta a condição de indetectável do soropositivo, foi zero.

      Se você deseja se informar mais, procure sobre o estudo PARTNER. O JS escreveu sobre ele aqui:
      https://jovemsoropositivo.com/2016/07/21/partner-nenhuma-transmissao/

      Importante sempre lembrar que o sexo sem camisinha pode transmitir diversas outras DSTs além do HIV. Outra questão é a confiança. No mesmo estudo que citei acima, 11 pessoas que adquiriram o vírus comprovadamente adquiriram por terem “pulado a cerca”, ou seja, tiveram relação sexual com outra pessoa que não seu parceiro soropositivo.

      Dito tudo isto, fica sempre a recomendação do uso de preservativos. Existem diversos produtos no mercado hoje em dia, tão modernos que fazem parecer que não há preservativo sendo usado, sem abrir mão da segurança.

      Lembre-se que se por algum motivo você contaminar alguém, aí quem está assumindo o risco e a culpa, por saber que é soropositivo, é exclusivamente você. Eu, particularmente, não gostaria de carregar esta culpa comigo.

      Abraços

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s