Notícias
Comentários 166

Quando teremos a cura?


beta_logo

Como anda a pesquisa da cura do HIV? É ético tirar as pessoas dos antirretrovirais para participar de pesquisas da cura do HIV? Você acha que teremos uma cura para o HIV nos próximos anos? Estas são algumas das perguntas que fizemos aos pesquisadores que fazem parte do Instituto para a Pesquisa sobre a Cura do HIV da amfAR, na Universidade da Califórnia em São Francisco (UCSF), durante um fórum no Dia Mundial da Aids deste ano.

panelists-square-300x300

Depois de uma apresentação minuciosa sobre os progressos realizados peloInstituto para a Pesquisa sobre a Cura do HIV no ano passado, o grupo de cientistas e um soropositivo sobrevivente de longo prazo responderam às perguntas sobre a busca de uma cura para o HIV. Aqui está o que aprendemos.

 

Quando teremos uma cura para o HIV?

“As pessoas muitas vezes me perguntam isso”, disse Steve Deeks, “e, honestamente, eu não tenho a mínima ideia. Mas espero que tenhamos um regime — uma combinação viável e testável — até o atual financiamento deste instituto acabar, nos próximos anos. Essa é uma perspectiva otimista”, disse ele. Deeks comparou o conhecimento dos cientistas hoje diante do que se sabia sobre o HIV no início dos anos 90. “Em 1993, ninguém tinha a menor idéia de que seríamos realmente capazes de controlar o vírus. No entanto, três anos depois, nós conseguimos.”

 

O HIV persiste no organismo porque há células de HIV latentemente infectadas que não são mortas pelos antirretrovirais — são os “reservatórios” de HIV. Se uma pessoa fica em terapia antirretroviral por muitos anos — e mantém uma carga viral indetectável durante este tempo — as células CD4 infectadas latentemente não morrem?

“Dois estudos têm mostrado que elas podem durar 70 a 75 anos”, disse Deeks. As células do reservatório do HIV infectadas latentemente podem, infelizmente, durar muito tempo. “Eu até desafiaria esses números”, disse Warner Greene, PhD. Segundo ele, as células no reservatório latente podem se dividir a fim de manter sua presença nos tecidos de todo o corpo. “Há uma outra escola de pensamento que diz que [o reservatório latente] estará lá para sempre, até que o ataquemos.”

 

Quanto tempo leva para que o reservatório de HIV, de células CD4 infectadas latentemente, seja estabelecido no corpo depois que uma pessoa é infectada? As pessoas que iniciam a terapia antirretroviral muito tempo depois da infecção têm reservatórios maiores ou reservatórios mais difíceis de atingir com terapias de cura?

O reservatório de HIV é estabelecido logo após a infecção, disse Deeks, geralmente de 15 a 28 dias após a pessoa ser infectada. Entre as semanas dois e quatro, o reservatório “cresce de 100 a 1.000 vezes, então muito acontece durante esta janela crítica de duas semanas”. Embora possa ser um desafio para as pessoas a iniciar a terapia antirretroviral imediatamente após terem sido diagnosticadas, “durante esse período de tempo, cada minuto conta”, disse Deeks. Quanto mais cedo a pessoa começar a terapia antirretroviral após a infecção, menor será o número de células CD4 infectadas latentemente pelo HIV que farão parte do reservatório viral. Após esse período, quanto mais cedo você iniciar a terapia, mais você vai preservar o funcionamento do seu sistema imunológico.

As pessoas que iniciam a terapia com HIV tardiamente terão maiores reservas de HIV, disse Peter Hunt. Além disso, as estratégias de cura do HIV que dependem do poder do sistema imunológico de uma pessoa para alvejar e limpar as células infectadas pelo HIV podem funcionar menos em pessoas que começam o tratamento contra o HIV muito tarde.

 

Existem outros vírus que se comportam como o HIV?

Segundo Greene, em geral os vírus perseguem uma de duas estratégias para permanecerem vivos e persistirem no organismo do hospedeiro. “Eles se replicam [fazem cópias de si mesmo] cronicamente ou formam latência. A maioria dos vírus escolhe um ou outro, mas o HIV faz os dois.”

 

Há diferenças nos reservatórios de HIV e na pesquisa da cura entre homens e mulheres?

“Há muito tempo sabemos que há diferenças entre homens e mulheres quando se trata da biologia do HIV”, disse Hunt. As mulheres que não estão em terapia antirretroviral tendem a ter cargas virais mais baixas do que os homens que não estão em tratamento, qualquer que seja a contagem de CD4. Os hormônios sexuais femininos, como o estrogênio, parecem de fato suprimir a reativação do HIV (quando células latentemente infectadas começam a produzir vírus), o que mantém o HIV escondido, disse ele.

Greene explicou que há diferenças entre como os agentes que podem “chutar” o HIV — como os agonistas de TLR — funcionam em homens em comparação com as mulheres. As células dendríticas das mulheres respondem menos bem aos agonistas de TLR-7, enquanto os agonistas de TLR-9 parecem funcionar igualmente bem em homens e mulheres. Em suma, segundo Deeks, se a comunidade de cientistas for séria em descobrir se as diferenças baseadas no gênero de fato influenciam nas terapias de cura do HIV, eles terão de conduzir estudos com este propósito, para responder a essas perguntas.

 

Por que os pesquisadores têm que tirar as pessoas de seus medicamentos antirretrovirais? Isso é ético?

“Não há truque para nos dizer o quão bem uma estratégia de cura funciona”, disse Satish Pillai, PhD. Para descobrir se uma terapia de cura do HIV é eficaz, disse Greene, você tem que tirar a pessoa de seus antirretrovirais. “É o padrão”, disse ele. “A única maneira que nós descobrimos que os pacientes de Boston não tinham sido curados, ou mesmo a bebê do Mississippi, foi porque seu vírus voltou após a terapia ter sido interrompida.”

Hoje em dia, os medicamentos antirretrovirais são tão poderosos que a maioria das pessoas que os tomam têm níveis “indetectáveis” de vírus no sangue. As células de HIV latentemente infectadas são muito raras — elas compõem uma em cada milhão de células CD4 — por isso são extremamente difíceis de encontrar. As estratégias de medição dos reservatórios ainda são cruas e os cientistas não têm uma estratégia de medição específica ou sensível o suficiente para determinar se uma pessoa está verdadeiramente livre das células infectadas latentemente pelo HIV.

Atualmente, os protocolos de pesquisa da cura do HIV, disse Deeks, são extremamente cuidadosos e conservadores quando se trata de interromper a terapia antirretroviral das pessoas. “Nós não vamos parar a terapia e dizer às pessoas para voltar em três meses. Paramos a terapia e vemos as pessoas duas a três vezes por semana durante o tempo em que é provável que o vírus volte. Então, monitoramos o vírus com muito cuidado.”

Na semana passada, Deeks contou que sua equipe viu um participante que saiu da terapia antirretroviral, mas teve um rebote de seu vírus em 50 cópias/mL. “Nós colocamos essa pessoa imediatamente de volta em terapia. Nós não precisamos ver o vírus tomar o controle novamente, só precisamos saber quando ele volta.”

 

Vamos supor que encontremos uma cura para o HIV. Hoje em dia, há 37 milhões de pessoas vivendo com o HIV. Quais são suas previsões sobre a nossa capacidade de implantá-la em todo o mundo?

Para que uma terapia de cura do HIV tenha um impacto global, ela tem de ser segura, eficaz e escalável, disse Deeks. “Fizemos um estudo com a Fundação Gates, que nos fez esta pergunta. Eles fizeram muitas estimativas e descobriram que tem que ser algo que pode ser administrado em uma pequena clínica, por um curto período de tempo — digamos, até seis meses. E não pode custar mais de US$ 1.500 por pessoa. Pessoalmente, eu imagino um regime finito de seis meses, com duas ou três drogas diferentes que podem ser adicionadas a um regime estável de antirretrovirais, sem exigir um tratamento de longo prazo em uma cama de hospital. Em teoria, isso poderia funcionar e seria revolucionário.”

 

Matt Sharp, você é um membro da comunidade que participou de um estudo de cura de terapia genética há cinco anos. Depois de ouvir essas apresentações, qual é a sua percepção de como as coisas estão indo?

“É muito animador ver a pesquisa avançar para os detalhes”, disse Sharp. “Determinar as formas de medição e de aplicação clínica. Mas também é um pouco assustador, para mim como paciente, saber que eu provavelmente não serei curado — quer dizer, talvez não seja curado. Vou manter os dedos cruzados. Já é possível ver o legado do que está acontecendo atualmente e perceber que um dia chegaremos lá, por isso, eu ainda estou animado e otimista.”

Por Emily Newman em 21 de dezembro de 2016 para Beta

Anúncios

166 comentários

  1. davi diz

    Achei interessante a parte qdo eles falam q não sabiam como controlar o virus e em 3 anos conseguiram. Espero q seja o mesmo cm a cura, q sem esperar ela aconteça.

  2. cbb diz

    Mas interessante ainda é a forma como já está a ser prevista a administração da possível cura.

  3. Alex diz

    Não achei a matéria muito promissora, principalmente a parte que diz “é um pouco assustador, para mim como paciente, saber que eu provavelmente não serei curado — quer dizer, talvez não seja curado”.

    Não sei qual a dele, mas vamos supor que ele tenha uma idade média e cerca de 30 ou 40 anos de expectativa de vida, então, considerando a fala, dá a entender que nem mesmo nesse prazo ele acha que ainda não existirá a cura.

    • Good Vibes diz

      Por “soropositivo sobrevivente de longo prazo” eu deduzo (posso estar errado) que ele passou pelos tratamentos mais agressivos e pesados, e deve ter passado por complicações por causa do vírus e se recuperado, e essa pode ser a fonte do pessimismo dele. Os recem diagnosticados têm acesso a um tratamento muito mais moderno e não sentem muito o que é ter o HIV como os primeiros diagnosticados sentiram, e essa pode ser a fonte do nosso otimismo.

      Meu infecto me disse na última consulta: “você viu os primeiros resultados do estudo no Reino Unido com o Virinostat? Aposto com você que em 5 anos teremos coisas muito boa saindo dali.”

      Que bom que eu tenho um infecto otimista. Combina comigo. 🙂

  4. Paraense+ diz

    Gostei da matéria, respondeu quase todos os meus questionamentos, só acrescentaria mais uma pergunta: É possível saber há quanto tempo estou infectado com base no tamanho do reservatório viral, ou quantidade de células CD 4 ?.

    • vivendopositivo diz

      Não, o único exame que pode supor seu tempo de infecção chama western blot, mas só vale para infecções recentes.

  5. Kadu diz

    Tento evitar os remédios desde que descobri a 4 anos e meu cd4 permanece em 500 e carga viral em 3000 será que fiz errado mesmo esse tempo todo de evitar os remédios? Sabendo disso o melhor séria iniciar os remédios mais rápido possível? Fico com um pé atrás pois os remédios tem muitos efeitos e minha carga viral continua baixa, as vezes penso que eles querem nos matar logo, fiquei muito na dúvida agora

    • Luiz Carlos diz

      Antes de mais nada quero deixar claro que esta é a minha opinião, e outras pessoas podem pensar de outra forma sobre o assunto:

      Fazendo uma comparação esdrúxula, quando você não sabe se possui o vírus (nunca fez o teste), você é uma roleta russa. Não se sabe se a arma está carregada ou não. A partir do momento em que você sabe que sua arma está carregada, por mais que você tome todas as medidas para evitar que o tiro nunca saia, se um dia acontecer, você está assumindo a culpa de ter atirado. Faz sentido?

      Em outras palavras: quem é portador do HIV, sabe que possui o vírus e não toma TARV, assume o risco de contaminar outras pessoas, como em um caso onde a camisinha estourou e você não viu. Eu particularmente não conseguiria lidar com este peso. Acho que o “peso” dos efeitos colaterais das medicações são muito menos absurdos do que o peso de ter infectado alguém conscientemente simplesmente porque eu deixei de tomar a medicação.

      E pasmém, existe muita pressão psicológica sobre os efeitos colaterais. O medo que você tem certamente é muito maior do que os efeitos colaterais em si, se é que eles irão ocorrer no seu organismo. Eu tenho a consciência tranquila em ser indetectável, sabendo que se porventura eu colocar alguém em risco sem saber, a minha chance de contaminar outra pessoa é praticamente nula. Praticamente é modo de dizer, pois segundo o estudo PARTNER o risco é zero.

      • Yes+ diz

        Uma grande ignorância a pessoa deixar de tomar a tarv por medo de um efeito que sequer pode existir. Hoje em dia o tratamento quase não apresenta toxicidade, o paciente acompanhado mantém a mesma combinação por toda a vida, no máximo uma leve tonturinha nos primeiros dias que logo passam… Mas ao desenvolver AIDS.. aí já era … Pois o sistema já tá todo lascado é comprometido. Não basta manter cd4 acima de 500 enquanto tem virus circulante … Tem uma inflamação latente que enseja o envelhecimento das células …. Portanto, o maior inteligente é o que se trata. Medico bom é aquele que orienta bem o paciente e consegue tirar o preconceito e a marginalização que se criou sobre o assunto: tarv. AIDS sim é problema… Remédio é um passo para a cura…

    • Tom diz

      Estou sem iniciar tarv tb.. 3 anos de infecção… esse mês peguei a receita com infecto .. começar com o 3×1, mas não fui pegar até agora…

      Alguém saberia dizer quando o dolutegravir começa a ser indicado?

      • Yes+ diz

        Comece logo meu amigo… Não espere pegar uma doença ou desenvolver AIDS. Não tem essa neura louca não… 1 comprimido ao dia… Na segunda semana nem tontura de noite vc sente mais… Uma tonturinha muito leve apenas nos 3 primeiros dias… E tem gente q não sente nada! Abraço e segue o conselho do seu médico… Tome o remedio e tenha uma vida longa e saudável… Nada de esperar pelas doenças oportunistas e irreversíveis como a tuberculose … a toxoplasmose… Pneumonia… Doenças do cérebro pela inflamao causada pelo vírus… Ter carga indetectável significa q mesmo sob a base de uma medicação vc não tem quase nenhum cepa de vírus circulando no seu sangue e se tem é tão pouquinho q não se detecta , não se transmite e não inflama as células sadias. Vai por mim cara…

      • Marcos go diz

        Faz dois anos que sou sobre a minha sorologia, não faço o uso dos medicamentos porque meus médicos me orientaram esperar um pouco, meu cd4 700 e minha carga viral eh de 1900, esse números fazem 2 anos que não aumentam e não diminuem, creio qu iniciarei a medicação com o dolutegravir, tenho trabalhado minha mente pra isso e meus médicos deixaram escolher ! Camisinha não eh só pra quem não toma remédio não! Eh pra todo mundo inclusive indetectavel!

    • Jorgito diz

      Esse lance de não se tratar é perigoso. Mesmo com uma carga viral relativamente baixa e CD4 bom. O vírus vai destruindo a imunidade desde a medula. Quando a coisa complica vem de uma vez. A melhor opção é se tratar.

    • Welder diz

      Kadu.
      Eu também fui diagnosticado jovem e a médica recomendou a utilização da terapia mesmo com o cd4 em 444. Tive o mesmo impasse.

      A médica disse que antigamente só tinha acesso aos remédios quem tivesse com o cd4 abaixo dos 250.
      Não é pelo fato de estar baixa a carga viral ou alto o cd4. Mas sim pela sua saúde é a dos que te rodeiam que você precisa se cuidar.
      A medicação é gratuita e possibilita a você controlar esses reservatórios de vírus.

      Além de evitar infecções maiores, que estressam seu sistema imunológico, você controla os reservatórios de vírus. Aumentando as chances de cura com os novos tratamentos, cada vez menos tóxicos.

      O Brasil já fabrica muitas drogas e também é referência mundial no tratamento gratuito.
      Outro dia fui conferir na internet um frasco com 60 comprimidos de efavirenz e custava mais de €200 (euros).

    • vivendopositivo diz

      Te falar sobre minha situação. Comecei a tomar o 3×1 logo depois da fase aguda ( me contaminei em dezembro de 2014 – fase aguda em janeiro, e comecei o 3×1 fim de fevereiro). Meu cd4 tava em 946 em fev. em julho subiu pra 1666, em dez pra 1998. Mais 6 meses caiu pra 1760 (julho 2016). Fiz agora há 1 semana deu 2006. Todos feitos no hermes pardini de BH. Quanto mais tempo você tem o HIV passeando no seu organismo livremente, ele vai destruindo sua capacidade de recompor seu CD4 como falaram mais abaixo. Os 3 médicos que passei falaram que nunca viram alguém com cd4 tão alto. Apensar de achar esse efavirenz uma desgraça pra atrapalhar meu sono, me deixar zonzo, me causar bruxismo (tenho que dormir agora com uma placa pra não desgastar mais os dentes), não me arrependo de ter iniciado imediatamente depois da infecção, por sorte eu conhecia alguns sinais da fase aguda (pois estava namorando há 1 ano, mas desconfiei logo de cara de chifre, pois tinha feito teste bem no inicio). Felizmente todos meus exames de sangue estão sempre normais, colesterol, triglicerídeos, ureia, creatinina… que refaço cada 3 meses. Mas ao mesmo tempo me dá uma tristeza absurda ver pessoas jogando fora a oportunidade de iniciar um tratamento por iniciativa própria, enquanto vários descobrem já com sintomas de baixa imunidade, ou outras nem mesmo tem acesso ao tratamento. Mas enfim, fique ciente que chega um estágio que sua imunidade pode até ficar estável ao iniciar a medicação, mas não subirá mais a valores “confortáveis”.

      • Renato diz

        O q seria fase aguda ? Eu n tenho ideia de quando me.infectei , já q sempre me.prwvenia ,as vezes acho q foi de alguma relação duradoura q tive e confiei.

        • Luiz Carlos diz

          Fase aguda é a fase logo após a contaminação. Poucas pessoas sabem quando se passa pela fase aguda, e não existe um consenso sobre algum tipo de efeito que o corpo sente nesta fase. A fase aguda geralmente inicia-se entre 5 e 30 dias depois da infecção, onde existe um pico de carga viral e o organismo passa a tentar se defender do corpo estranho (o vírus).

          Como na maioria das infecções, um mecanismo de defesa do próprio organismo é elevar sua própria temperatura, por isto muitas pessoas sentem febre, um pouco de dor de garganta, inflações nos gânglios, etc, mas é tudo muito subjetivo, pois a fase aguda pode se passar por uma gripe disfarçada ou, muitas vezes, as pessoas nem sentem esses sintomas.

          Independente disso, mesmo no início da fase aguda, a Profilaxia pós-exposição já não é mais eficaz.

    • Sergio diz

      Desde que não transmita o vírus acho que vc está certo pq o seu organismo está estável, eu tomaria o medicamento quando realmente for preciso.

  6. Paranaense+, seria carga viral? Reservatório náo tem como quantificar ,ainda! É a grande meta pra eles e ainda localiza-las para tentar destrui-las e curar o individuo .

    • Paraense+ diz

      Pode ser Ivan, como queira. Retificando : Carga viral. O importante pra mim, seria ter uma ideia de quanto tempo sou portador do vírus.

      • Caio PE diz

        Não tem como saber isso ao certo pois o vírus se comporta de maneira diferente em casa pessoa. O que pode prezumir (chutando mesmo) seria pela qtde de CV x CD. Uma pessoa com CV muito alta e CD baixo ou pderia estar na fase aguda ou ser portador há muitos anos. Mas certeza mesmo não há.

  7. ROBERTO diz

    Eu sinceramente não penso na cura, penso em viver com qualidade de vida e é o que estou fazendo!

    • anonimo diz

      eu já penso na cura mano… preciso sair dessa escravidão o mais rápido possível…

  8. João diz

    Como o Roberto disse, eu também não penso mais em cura. A desejo com certeza. Mas prefiro levar a vida da melhor forma possível. Fui diagnosticado há 7 meses, passei por troca de esquema de remédios, e só agora em dezembro consegui aceitar ser soropositivo. Tenho muito medo é do preconceito, de tentar um relacionamento. No mais, levo a vida com otimismo, treinando todos os dias, tomando os remédios, e tendo o acompanhamento de um ótimo infecto. Espero ter a aguardada notícia de já estar identificável agora em janeiro. Meta que mais almejo. O que sinto é muita falta de sexo. Desde março, quando começaram os sintomas e não sabia o que era, peguei sífilis também, não faço. Sou homossexual ativo, e tenho receio de transmitir, pegar alguma DST e de reinfecção. Mesmo usando camisinha. Como todos sabemos o pessoal não quer fazer sexo oral com preservativo, até tentei, mas a pessoa não quis. Por isso desisti. Não quero para ninguém, o que aconteceu comigo. No mais, é viver a vida da melhor forma possível, e deixar esse detalhe apenas para a 00h… horário dos remédios. Rs.

    • Leanno diz

      A cura, na verdade, é o remédio de cada dia. A cura é se cuidar, é fazer exames periódicos, é cuidar da alimentação. Cuidar tbm do psicológico. Meu resultado veio no dia 13 de dezembro. Ainda ñ fiz o exame de cd4 e carga viral, portanto, ainda ñ pude começar o tratamento. Mas, estou disposto sim a aderir. Meu maior medo ñ é o vírus, meu maior medo é o preconceito que o envolve e de ficar sozinho.

    • Gaucho29 diz

      Oi João! Tive esse medo também, mas relaxa cara, não deixe de fazer sexo pois isso vai ser muito ruim para o teu psicológico. Uma dica é falar que pro teu parceiro que tu não curte oral, coloca a camisinha e já era, mete e começa a festa! Hahehe E parabéns por essa consciência de não querer contaminar ngm ;), eu penso o mesmo, e não desejo isso nem para o meu pior inimigo. Saúde e felicidades!

  9. Sol diz

    Apesar de tudo ser muito incerto, são notícias como esta que me deixam mais otimista. Acredito realmente que estamos muito perto da cura, mas enquanto ela não vem estou fazendo como o Roberto disse: procuro melhorar minha qualidade de vida para ser uma pessoa mais saudável a cada dia. Fiquei muito feliz hoje com o resultado dos meus exames, descobri ser soropositiva em maio, comecei o tratamento em setembro e hoje o exame já indicou que eu estou indetectável. Tive que ajustar meu medicamento pois tive alergia ao 3 em 1, não tive nenhum efeito colateral com a medicação nova, e minha vida está normal como era antes de conhecer meu diagnóstico.

  10. Caio PE diz

    Sem ser pessimista e desanimar (sou é realista). Mas cura não acredito. O vírus é muito esperto e ataca justamente o sistema que deveria combate-lo. Mas eu acredito em medicações mais eficientes e com maiores espaçamentos de ingestão (e menos efeitos colaterais).

  11. Eu acredito que a cura exista. Tantas coisas mais complexas o homem já dominou e um vírus (extremamente comercial diga-se de passagem) eles ainda não dominaram em 30 anos?
    Ah fala sério…

  12. roger diz

    Com tantas opçoes de tratamento ae pela frente sabemos que nao vira a cura….O hiv e uma doença comercial e todos estao ganhando muito dinheiro com ela….afinal um novo tratamento chega a custar um absurdo para os paises mais pobre e como se refinasse a cocaina e sobrasse o crack para nos ….estamos no fim da fila como sempre…agora a amfar esta tirando o dela da reta indignado…

  13. GF-SP diz

    É bem óbvio que ninguem vai se comprometer porém existe o movimento de busca da cura e por ele existir já é promissor, pois gasta-se dinheiro e muito. Então eu acredito que se houvesse uma probabilidade de não obterem sucesso, duvido que haveria todo este aporte financeiro. Sem contar que até os principais laboratórios estão na jogada.

  14. Jorgito diz

    Tudo no universo das hipóteses, nada muito concreto, infelizmente. Mas acredito que, ao longo dos anos, o desenvolvimento da tecnologia e os avanços na medicina conduzirão a cura sim. Muito difícil não acreditar que ela venha a surgir, mas se nem os experts da área se arriscam a qualquer previsão de quando, imagina um leigo.

  15. Desabafo diz

    Meus amigos, boa madrugada. Resolvi escrever para desabafar mesmo, já que não tenho com quem fazer isso… HIV é sempre um assunto delicado e, mesmo após vários anos após “boom” epidêmico, ainda se vê bastante preconceito. Estou aflito, embora ainda tenha muita esperança de que não se passa de um “susto”. Em uma endoscopia de rotina, um médico identificou uma possível “monilíase endofágica” e, de cara, pediu exames de sangue, incluindo HIV. Aí vocês já imaginam, não é? A mente não consegue sossegar.. Sempre fui e sou muito precavido com relação ao sexo, mas surge a pergunta: será que algo falhou? Não consigo imaginar situações de risco nesse caso, mas, se houvesse, seria há uns 3 (três) meses atrás. Será que daria tempo de acontecer algo assim? Espero que não. Não sei. A sensação é terrível, embora saiba que isso já não é mais uma sentença de morte. Com o resultado, posto aqui. Acaso dê negativo, que meu texto sirva, também, para que outras pessoas na minha situação possam refletir e compreender que um indicativo não é uma certeza e que apenas o teste elimina a dúvida.

  16. Matheus diz

    Eu creio que não tem como prêver algo que precisa ser descoberto….Mas que estamos perto,isso sim eu acredito.

  17. Junior diz

    Bom dia Meus Amigos, nossa eu leio esse blog a quase um ano quando eu e meu companheiro descobrimos o HIV, até então achamos que isso nunca iria acontecer , mas se aconteceu é pq serei capaz de lidar com ele. Faço uso do 3×1 a 10 meses e para os que tem receio de começar o tratamento te digo que os efeitos são só na primeira semana, depois tudo normal.
    Acho que se chegamos até aqui com apenas 1 remédio por dia , procuro viver e aproveitar minha vida com o se fosse o meu ultimo dia, pois ta passando tudo muito rápido, mas acredito sim na cura mas enquanto ela não vem vamos ser saldáveis e VIVER , não adianta ficar remoendo o porque isso aconteceu, se aconteceu foi uma consequência de algo e teremos que lidar , eu e meu companheiro estamos juntos a 2 anos e se unimos ainda mais , um dando força ao outro e digo que vivemos super bem. Aos amigos que descobriram o vírus agora muita força e fé e um foco ser indetectável e saudável. Vc não precisa nem falar com ninguem a não ser que queira pois atualmente so lembro que sou soropositivo a noite quando vou tomar minha vitamina rsrs assim que eu e meu companheiro a chamamos.

    • Renato diz

      O q tá atrapalhando muita minha vida eh a insônia q ele causa ,já entrei pro quarto mês de uso ,será q vai passar?

      • Sim, vai!!!
        Se vc puder fazer academia, melhora muito mais suas noites de sono, eu comecei recentemente e estou me sentindo muito bem!!!
        É como se eu voltasse a ser um soronegativo novamente!!!
        Fica tranquilo!!! Faça o tratamento corretamente e creia que a nossa cura virá o mais rapido possivel!!!

        Abraços, fique com Deus!!! ☝🏾🙌🏾🙏🏽

  18. Quel diz

    Ja passei vários susto , de ir ao laboratório chorando em pega meu resultado de HIV , Graças a deus Deu negativo , Hoje tomo muito cuidado peguei uma Doença que tevi cura ,Mais esse medo e tão grande que sempre fico Martelando isso na Cabeça , Espero que Consiga a cura logo para todos vocês Soropositivo , Fica na paz

  19. Loren diz

    Olá pessoal,

    Acho a matéria realista.

    Só gostaria de comentar que eu melhorei muito minha hiperbilirubimia desde o início. Hj já tou chegando quase na normalidade, principalmente a bilirrubina indireta que estava bem alta. Tomei silimarina com Xantion. Não sei se foi isso. Mas diminuiu muito minhas bilirrubinas.

    Outra coisa, é que tive uma grande aumento de CD4, 30%, misturando FOS com PB8 (Prebiótico com probiótico) . Dr. Esper falou que tinha uma pesquisa ano mesmo sentido e que havia detectado o mesmo na pesquisa.

  20. Miguel diz

    A OMS acabou de anunciar uma cura 100% eficaz para o ebola… enfim quem sabe sejamos os próximos.. força, fé e foco!

  21. Faz uns 6 meses que tomo o 3:1 e atualmente nao sinto mais nada, estou vivendo a vida normal, até parece que sou um soronegativo, chamo o 3:1 te minha vitamina.
    Tudo isso eu sou grato primeiramente a Deus, segundo aos cientistas pela descoberta do 3:1, e tenho a plena certeza de que a nossa cura esta mais perto do que nunca, oro todos os dias por nossa cura, pois Deus permitira que os cientistas descubram o mais rapido possivel.
    ☝🏾🙌🏾🙏🏽👈🏽

  22. cbb diz

    Companheiros boa tarde. Podem me elucidar se quem se tornou indetectável e faz o tratamento normalmente pode ter, em um novo exame para hiv, sair negativo?

    • davi diz

      Cbb…

      Não. O exame será sempre positivo, pois ele busca anticorpos para o hiv e isso nos teremos ainda.

    • Cbb,
      Para o exame Anti HIV-1/HIV-2 alguns laboratórios disponibilizam os resultados da seguinte forma:
      Reagente – Quando são encontrados anticorpos contra o HIV
      Não reagente – Quando não são encontrados anticorpos contra o HIV
      Indetectável – Não é descartada a possibilidade de infecção por HIV.
      Ainda é possível que o resultado venha com valores, assim como, valores de referência para que vc verifique em que condição das 3 mencionadas vc se enquadra naquele momento.

      Espero ter ajudado. Abraço.

  23. Ph diz

    Companheiros,

    Nesse caminho todo de ser + acho q o que mais pesou pra mim foi a culpa. Foi a parte mais difícil de trabalhar na minha cabeça. Você se martiriza demais por culpa. Culpa de não ter se protegido. Culpa de ter se exposto. Se sente indigno do amor de outra pessoa.
    Resolvi falar isso pois vejo o mesmo comportamento reforçado aqui dos indetectáveis sobre os que ainda não querem inicicar o tratamento. O reforço da culpa. Nessa jornada cada um sabe o peso e o sofrimento que carrega. Mais empatia por favor. Não precisamos reforçar a culpa entre nós. Não somos diferentes por sermos indetectáveis ou não. Não somos menos ou mais nem por sermos + ou -.
    Vamos parar de projetar culpa a mais nos outros.
    Ninguém aqui é uma arma ambulante com o dedo no gatilho. O pensamento me soa tão absurdo quanto a você dizer que ninguém deveria andar de carro, pois você pode atropelar alguém, já que é uma possibilidade. Assim como o HIV, se vc decidiu dirigir um carro, não dirija embriagado, ande no limite da pista, dirija com atenção. Acho que a analogia serve pro HIV tb.
    Em modo algum estou dizendo para alguém “não iniciar o tto”. Eu iniciei o mais rápido possível logo após a fase aguda. Não me adaptei e troquei o esquema um tempo depois. Hj em dia não sinto mais nenhum efeito colateral.
    Todas evidências hoje apontam para um prognóstico melhor quanto antes de inicia o tto.
    para quem não tem coragem de começar o tto ainda eu reforço que aqui no BR nos temos muitas opções de esquemas. Você vai sim se adaptar a algum. Demora pouco tempo pra medicação estabilizar. Eu tentei o 3×1 por bastante tempo por medo de ter q tomar outro esquema com vários comprimidos. Achava que apenas 1 seria mais fácil pra mim. Bom, não funcionou e troquei. Hj tomo 3 comp. estou ótimo. Já me adaptei a tomar quase um café da manhã de tanto comp que tomo logo que acordo (3 tarv, ômega 3, complexo vit, probiótico, vitC).
    A vida segue.
    A culpa só vc pode trabalhar (terapia pode ajudar muito).
    Ninguém precisa de mais culpa nas costas.
    Se vc está na dúvida pra iniciar o tto, procure uma segunda ou terceira opinião de outro infectologista. Pode te ajudar muito nessa decisão que é só sua.

    Precisamos de mais amor.
    Pratique o bem.
    Se afaste do mal.

    Feliz Natal.

    (Kik Ph_Tc)

    • vivendopositivo diz

      A menos que essa pessoa esteja em abstinência total, ela não deveria sentir “culpa” por não se tratar, pois sabendo da sua sorologia, sabe que mesmo usando preservativo pode contaminar alguém, levando esse outro a um novo mix de sentimentos negativos que todos aqui passamos ao descobrir a sorologia. Muito bonito seu texto, mas não estamos num consultório psicológico lidando com questões meramente existenciais, e sim com questões saúde individual e pública, que levam pessoas à morte. O homem é livre, sim, dentre suas escolhas, e a angústia é uma das consequências de quem opta pela confortável opção de se abster de escolher. Porém todo mundo sabe que é inevitável e imprescindível iniciar o tratamento. Causar um acidente por dirigir um carro é uma possibilidade, contaminar alguém estando indetectável, não.

      • Tom diz

        Isso me soa igual à patrulha dos soronegativos que policiam, monitoram e discriminam os soronegativos (indetectáveis ou não, em tratamento ou não)… pessoas que julgam ou tentam impor aos outros os seus conceitos…

        Precisamos de mais amor sim.

  24. Renato diz

    Vejo que a maioria aqui se trata com o 3×1 ,quando fui diagnosticado o medico passou aquele esquema q toma 2comp manhã e 1 a noite depois de quinze dias eu n sentia nada ,mas tive q fazer um tratamento paralelo e foi trocado pelo 3×1 ,antes mesmo de completar os 15 dias, o 3×1 é mais recente no sistema do q os outros? Acho muito prático mas me causa insônia!!

    • Vivendopositivo diz

      Efavirenz ta em uso ha 18 anos, lamivudina e tenofovir tb são velhos. O Efv vai ser substituído pelo dolutegravir inicio do ano que vem para primeiro esquema. Eu já tomei em diversos horários, mas eu ficava meio avermelhado quando tomava de manhã no trabalho. Porem dormia bem melhor a noite. Tentei 8h da manhã, tentei repartir tomar metade 8h e outra 12h , tentei tomar 15h, 18h… O que melhor deu certo comigo foi tomar 3,4, ou 5 gotas de rivotril (dependendo do que comi na janta se foi algo menos ou mais gorduroso) e tomar por volta de 22h. Que ele diminui uns 60% os efeitos do zumbido no ouvido e da tontura. E não fico acordando tb de madrugada.

      • Gil diz

        Rivotril causa dependência e o corpo têm tolerância, pra dar o mesmo efeito de em tempos, toma-se uma dose cada vez maior.
        Afeta a memória, a atenção e o raciocínio.
        É visivel o resultado nos pacientes que acompanho, quanto ao desempenho crescente nos testes de atenção, memória e raciocínio, aferidos antes e depois do uso diário de rivotril.
        Testes feitos trimestralmente ou semestralmente, com outras variáveis controladas. Estou desenvolvendo pesquisa para publicação de artigo nesta área.
        Opinião até aqui: fujam de rivrotil e outros similares.

        • Vivendopositivo diz

          Ah rivotril tem efeito colateral? Pensei ter lido aqui no blog que só 2% tivessem efeito colateral à medicações. Estranho…

          • Gil diz

            Vivendo Positivo… o rivotril e outros remédios desta classe de medicações, como diazepam, somalium, valium, valix… são medicações antigas e invasivas. Arrisco dizer que fazer o cara dormir por relaxar, acalmar quebrar a ansiedade por bloquear e inibir o SNC de trabalhar como deveria não é efeito colateral. É o efeito “terapêutico” desse tipo de droga. Faz cair a ansiedade, gera sonolência, o cara fica “chapado” por atuar como depressor das funções do córtex, de forma direta. O ruim éque sossega e acalma, mas obviamente não cura a causa da tensão toda.
            Uma vez ou outra, lá uma duas vezes no mês, não fará mal. O uso num luto, numa situação gravíssima, pontual, vá lá… O problema é derrame de uso contínuo que os médicos andam prescrevendo, como uma volta aos anos 60,70. Há medicamentos menos agressivos que regulam a química cerebral, que seria uma terceira geração.
            Os efeitos colaterais, de boca seca, diarreia, desorientação, perda de reflexo mesmo depois do tempo de efeito… sim, estes são uma minoria. Creio que você poderia ler mais, se informar maise entrar no contexto da discussão, em vez de ficar tentando espetar, cheio de ressentimento. Há uma diferença grande entre o assunto de efeitos adversos de uma para outra classe de remédios. Só seu coraçãozinho magoado não te deixa perceber.
            Pelo jeito, o seu pseudônimo positivo não parece combinar com você, além da sorologia.
            Mas… é Natal, fique bem, não se ressinta.
            Viva de forma positiva, pessoa. Ou façacomo quiser, mas não saia espetando os outros com teu desamor.

            • Luiz Carlos diz

              Gil, acho que sou um peixe fora d’água. Tenho diagnóstico de F41.1 e F34.0, e já tentei milhares de medicamentos do mercado, de todas as linhas. Inibidores de recaptura de serotonina, trazodona, agomelatina, todos eles ou não trouxeram impacto favorável ou trouxeram intolerância.

              Quando a regulagem do sono também já tentei diversos medicamentos, sendo o último o zolpidem, e em todos tive efeito paradoxal forte, de ficar 4, 5 dias acordado, até meu corpo desligar. O clonazepam até hoje é o único benzodiazepínico que me induz ao sono, apesar da resistência parcial (tomo 2mg/dia). Tudo isso acompanhado por um grupo de psiquiatras de um hospital referência em psiquiatria em SP.

              • Gil diz

                OLÁ LUIZ!
                Para muitos, infelizmente, é a solução. Por isso os benzodiazepínicos (que nossos pais chamavam de boleta e a juventude anos 70 tomava com vodka, pinga, etc, nas baladas) ainda estão aí, porque para muitos, é o que há. Mesmo com efeito terapêutico invasivo e efeitos colaterais numerosos, se é preciso, é preciso. Com este stress de final de ano, com 3 empregos, tenho insônia e tomo, um por semana. Melhor que beber bebida alcoólica pra tentar apagar com bom sono. Isso é mito. Aí, meio comprimido e bum…zzzz…
                Mas, Luiz, eu sugiro que você faça psicoterapia associada a seu acompanhamento psiquiátrico. Duas vezes por semana, com um psicoterapeuta que fuja um tanto da linha TCC, tão modinha pra tudo que é caso, tão indicada pelos psiquiatras, sem estes ao menos entenderem outras correntes de psicoterapia que são muito apropriadas para ansiedade, como a Gestalt-Terapia, o ACP (abordagem centrada da pessoa) e a psicodinâmica (de base psicanalítica, abordagem que eu atendo há 20 anos)… tem muitos caso que a TCC (terapia Cognitiva Comportamental) ajuda, mas nestes casos, de ansiedade paroxística, bipolaridade, transtornos de humor… cara… é terapia com abordagem mais aprofundada nas questões inconscientes.
                Se quiser que eu indique algum colega, entre em contato: psicoglmr@gmail.com
                Grande Abraço, fique bem!

                • Renato diz

                  Oi Gil , vc tem três empregos ? Eu sou prof e tava trabalhando em dois ,quando descobri ser + após um derrame pleural ,o q me fez parar por três meses ,aí bate aquela neura se vale a pena continuar se esforçando , aquela velha sensação do estigma de morte,mas tô bem agora n quis pegar mais um mês de atestado ,volto dia 2 pro meu emprego dá tarde q n dou aula e em fevereiro q recomeça o outro q eh um contrato de dois anos q tbm estou afastado ,o q vc pode me aconselhar ?Por suas próprias experiências? Desde já abraços.

                  • Gil diz

                    OLÁ RENATO!
                    Eu tenho 3 empregos e 4 funções, na verdade… trabalho na universidade em dois cargos, duas coordenações, coordeno uma pós e um projeto de apoio aos alunos com transtornos de aprendizagem. Na prefeitura, onde sou psicólogo educacional, antes numa escola, agora organizando trabalhos mais específicos, coordenando ações com os demais profissionais e ainda atendo no consultório, 3 vezes na semana. Eu amo o que faço, adoro mesmo, faço os meus horários, trabalho 16 horas diárias e em finais de semana alternados, nunca menos de 80h, isso quando não viajo nas sextas, para dar cursos e palestras em universidades e institutos aos sábados. Diariamente, inicio às 7h da manhã, eu paro 1h pra almoço e vambora!! Ainda treino tenis (5h30 da madruga) e faço as refeições com os filhos.
                    Vejo assim: você precisa fazer o que gosta. Canse o físico, mas, se tiver aquele stress que causa cansaço mental, aí, tem de parar em alguns lugares. Não pode ficar se incomodando e, se ocorrer, que seja por poucas horas, poucos dias e resolva… se vê que não dá, saia!
                    Troquei de ambiente em julho porque a clínica que eu atuava me deixava na mão, tinha muito movimento e pouca eficácia. Preferi recomeçar e largar até o apoio de neurologistas vizinhos, para não me incomodar. Deu certo!
                    Eu me divirto trabalhando, oriento os mais jovens, os novos profissionais, diagnostico crianças sem esperança, vejo-as melhorando, coordeno equipes que ajudam os grupos, sempre dando risada de tudo, cultivando amizades e sem deixar de ser eficaz. Aí, dá pra conciliar. Mas já ralei muito pra chegar até aqui, onde está mais leve.
                    Mas se o que fazes te dá prazer, manda brasa, mas tenha qualidade de lazer e de saúde.
                    Respeite seu sono (eu durmo pouco mesmo), seus desejos, isto ajuda a se manter forte e o imunológico em dia. Eu vejo assim, é minha receita. Não é a ideal, eu deveria trabalhar menos, mas gosto assim. Agora, estou em 40 dias de férias, exceto o consultório, que paro 20 dias.

                    • Renato diz

                      Desculpa se tou sendo chato,mas vc é soro+ ? ,Aínda ontem falei c uma amiga de faculdade e ela tbm ta assumindo duas coordenadorias em universidades, e fico pensando se esse diagnóstico q ainda é recente apagou o brilho do meu futuro profissional!!!

                • Renato diz

                  Afinal tenho contas a pagar ,reconheço q n posso me entregar ,fico otimista quando vejo a maioria aqui seguindo suas vidas ,sei q preciso acreditar voltar a acreditar ,pois nos esforços pra fazer uma faculdade uma pós !!!

                  • .iD_ diz

                    Eu ainda tenho dificuldades de trabalhar, confesso. Mas por outros problemas psicológicos que sempre me acompanharam, Pânico e ansiedade. Esses dias resolvi ir trabalhar e acordei as 6 da manhã e fiquei olhando pro guarda roupa e chorando até as 09, tremendo. Resolvi ir no médico.

                    Tento sempre manter o bom humor e ajudar as pessoas mas é foda mesmo cara, tudo tem seu tempo! Creio que o trabalho me faria MUITO bem mas meu trabalho requer muito foco, dedicação e pessoas me cobram constantemente. Isso pra mim tem sido um ponto bem negativo.

                    Mas decidi que não vou assumir o papel de doente!
                    Mesmo afastado, minha empresa é bem tranquila e eles recomendaram eu me afastar mas não pra ficar doente em casa, pra ir passear, viajar, andar de bike, ir pra praia, conhecer gente etc. Isso que faço e continuarem fazendo até conseguir sentar e trabalhar como sempre gostei,

                  • Gil diz

                    Sim.. sou positivo indetectável. Você pode ir em frente, vc é normal, vamos trabalhar e sermos felizes. Abraço!!

                    • Renato diz

                      Muito obrigado pela força!!! Feliz 2017!!!

                • Luiz Carlos diz

                  Obrigado pelo seu comentário Gil! Eu já fiz a Gestalt-terapia por quase um ano, mas parei por questões financeiras. Sou meio leigo quanto a psicoterapia através do plano de saúde, como qual médico pode receitar, etc, e não sei se conseguiria profissionais tão bons quanto os profissionais que atendem pela rede particular (peço perdão se minha informação for equivocada, é apenas um pré-conceito que tenho).

                  Abração e obrigado pelas informações!

                  • Gil diz

                    Infelizmente, tem muito profissional que atende por plano e faz sessões com 30 minutos, que acabam tendo pouco retorno financeiro para pagarem supervisão, fazerem cursos, cursarem atualizações, viajar a congresso. Mas tem uns que são bons, com boa vontade. Investigue pessoas que fazem terapia e indicam, vá a alguns e veja se sentes firmeza, questione a abordagem que o profissional usa… se precisar de mais dicas, se quiser conversar, pode me contatar: psicoglmr@gmail.com
                    Abraço e feliz 2017!

                • Ombro Amigo diz

                  Gil, como disse há meses atrás, sofro de depressão, TOC e transtorno de ansiedade generalizada. Tomei vários anti-depressivos e anti-ansiolíticos que me deixavam mal, os efeitos colaterais eram terríveis: falta de libido, falta de apetite, boca seca, tontura, sonolência excessiva, total apatia, “efeito zumbi”, entre outros. Eu não tive um bom feedback com a minha ex-psiquiatra. Então, preferi não tomar essa medicação e procurar alguma alternativa que até hoje não encontrei.

                  P.s.: mandei um e-mail pra você e até agora não obtive resposta. Abraços!

            • Vivendopositivo diz

              Colega, a impressão que passa é que você se faz de desentendido pra angariar simpatia. Meu comentário se referia ao seu “achismo” sobre efeito colateral de uma postagem anterior, que nem referência técnica tinha ou tem. Não é ético você citar dados técnicos que você não pode provar, sua área é psicologia (que até hoje se discute até dentro do próprio curso se é uma ciência). Falar em espetar, você é ótimo nisso, já vimos a QUE nível você é capaz de chegar quando é contrariado, passou 3 dias numa baixaria absurda com o Alexandre numa discussão pública, mostrando o quanto é “equilibrado” para ser psicólogo. É ÓBVIO que todos sabem que Rivotril tem efeito colateral (e mesmo eu indicando algo que funciona pra MIM com 3 a 5 gotas, a pessoa precisa de uma receita e orientação médica para conseguir, é um remédio muito barato e que funciona, assim como o AZT é), e repito, TODO remédio tem, e não em só 2% da população e em uma proporção “ínfima” como você citou há 1 semana (se você não domina algo, era melhor ter ficado calado, era isso que eu queria que você percebesse, mas sua arrogância não deixa, porque precisa ser o último a falar). Agora mostre o quanto você é “evoluído e sereno”, e deixe aqui o “coraçãozinho magoado” e “ressentido” por ter te corrigido dar por encerrada essa discussão tola, que você já deixou claro que nem sabe mais qual é o assunto.

              • .iD_ diz

                Não to ligado nessa discussão! hahaha
                Mas sempre tomei rivotril, há mais de 2 anos não tomava e ontem a noite decidi tomar novamente pois estava tendo pesadelos e não dormia mais de 2 horas por noite.

                Tomei Rivotril (existem N outros que são melhores ou piores vai da vontade, bolso e outros fatores de cada um).

                Mas meu, há muito, mas muito tempo eu não acordava sem estar suado, me sentindo leve, me sentindo agradável. É viciante? É.. mas as outras vezes que tomei sempre evitei de tomar por mais de 2 semanas ou evitava tomar quando estava DeMASIADAMENTE cansado pois o cansaço já resolvia.

                (por isso considerei o fazer um esporte como um colega citou por aí)

                Enfim, rivotril no meu caso ajuda, tomo 1mg (comecei com 0,5 mas realmente, já não faz mais nada comigo)

              • Gil diz

                Nossa, Vivendo Ressentido, burrice tem limite. Pode até ser burrinho, mas ignorante (que não sabe e fala asneira) é demais.
                Acho que você é que anda se perdendo, Vivendo Negativo. E sua memória anda boa, viu, marcando minhas falas, se discuto ou não, quanta fixação, mas seu jeitinho tá muito raivoso. Experimente morder o cotovelo, se conseguir, passa a raivinha…
                Na verdade, se sou equilibrado ou não, não lhe apetece. Com quem merece, trato bem, com quem não merece, dou toco! Se faço um barraco aqui, onde somos personagens, na verdade, também não é de sua conta… eu me divirto com aquele moço, mas, por favor, não fique enciumado.
                Creio que você ainda é daqueles que sequer sabem o que é Psicologia, está com informação do tempo que se tinha discussão de área e acha que conhecimento de área X ou Y é daquele tempo que ficava tudo em gavetinhas. Psicólogos, neuropsicólogos precisam sim, saber e estudar sobre Psicofarmacologia, tive duas disciplinas na graduação, uma numa pós, outras duas no mestrado em Neurociência, e no doutorado tive uma e tinha outra optativa, fora mais cursos de atualização. Precisamos saber os efeitos para poder comparar, analisar, testar reações e funções cognitivas com e sem efeitos, dar pareceres e laudos, mas isso, vc sequer faz ideia.
                Nos congressos que vou, não é bem assim como você acha, cara. Até Pedagogos hoje em dia precisam entender dessa área.
                Você foi estúpido comigo, fui com você, se tivesses falado de boa, na sua resposta, não teria iniciado a celeuma. Com quem discorda, mas é cordial, respeito. Pessoa feito você, mais que espinafrada, não merece.
                Estava lendo agora uma retificação recém inserida na bula do Piracetam, e lembrei de ti. Minha surpresa, após ler, vi que vc tinha escrito pra mim: No piracetam, claro, é só um exemplo: incidência MUITO COMUNS de efeitos adversos… 10% dos casos.
                Leia mais, citei dois autores de artigos interessantes e populares, mas acho que isto você não quis ver, sua mágoa não deixou.
                Leia, mais neurotize menos. Ria mais, trepe mais, importune outro ou venha com argumentos decentes.

        • Paraense+ diz

          Tomei Clonazepan por 5 meses…tô tentando deixar…passei pro Diazepam mas, não estou tomando toda noite… Não recomendo pra ninguém. Vicia mesmo. E a médica que me atendeu na última consulta, me orientou a abandonar esses Remédios, segundo ela, pode causar minha morte.

      • danny diz

        sempre tomo antes de dormir,as vezes 23h as vezes 00;00. as vezes 0030, minha infecto disse q os horarios podem sem um pouco flexivel e so nao deixar de tomar, nunca tive problemas para dormir, no começo como todos relatam, apenas umma tontura q parecia ter tomado um rivotril inteiro hoje so sei q sou positivo, mas nao sinto nada,tomo o remedio como qualquer outro exames de rotina tudo em ordem,ja indetectavel por 2 anos cd4 mais de 900 e tudo bem mesmo, e tomo o 3×1 desde o principio,na primeira consulta sem saber de resutados de exames ja peguei a receita e comecei a tomar .somente depois de um mes q veio o resultado, mas saibam q tomar o remedio e importante, se um dia tiver cura tudo bem, mas enquanto isso vamos nos cuidar, abraços a todos.

    • M. diz

      Nem vou perder meu tempo assistindo a resposta dele, pois o que ele deveria ter falado no programa ele não falou. Queria muito que fosse o Gabriel Estrela ou o próprio jovem que estivessem lá. Acho que seriamos melhor representados.

  25. Paraense+ diz

    Feliz Natal galera. Tudo de bom pra todos !!!.🎅🎅🎅🎅🎅

  26. Leanno diz

    Um Natal de Paz pra todos! Que a LUZ de Jesus nos dê a força necessária pra superar tantas adversidades desse mundo louco. Jovem, Deus te abençoe. Obrigado pela sua disposição em levar informação e mensagem do BEM pra tantas pessoas aqui no Blog!

  27. Renato diz

    Quando comecei o 3×1 sentia tontura e calor ,já n sinto porém n consigo dormir até tipo 7,8h direto e isso me deixa meio mole e as vezes eh pior passo o dia deitado meus olhos ficam vermelhos será q isso vai passar? Já estou no terceiro mês .

    • .iD_ diz

      Vai sim! Algumas pessoas demoram mais pra se adaptar, outras menos. Posso dar uma recomendação? Tome chá para se acalmar a noite, passar um pouco a ansiedade. Chá de Melissa por exemplo é ótimo. (pra mim pelo menos) Feliz Natal!!

    • Luiz Carlos diz

      Renato, converse com o seu infecto. Estes efeitos podem não estar relacionados à medicação ou, se estiverem, você pode junto com seu infecto procurar um outro esquema de TARV que seu corpo se adapte melhor.

      Os efeitos da TARV variam muito de pessoa para pessoa.

      Abraços!

  28. Curioso diz

    Boa noite. Estou curioso com uma coisa: o HIV não me coloca mais medo. Continuo meu tratamento certinho e sigo meus remédios religiosamente. Mas eu tenho curiosidade sobre, por exemplo, o meu fígado. Os mais experientes e com mais tempo de casa podem me ajudar nessa questão? Eu bebo socialmente com amigos, mas sempre que estou bebendo, fico com peso na consciência em relação ao meu fígado, já que o remédio consome muito dele. O que vocês acham a respeito dessa questão do álcool? É válido ficar bêbado numa ocasião ou outra, tipo, uma festa de um amigo próximo, festa de réveillon (de maneira alguma isso acontece sempre, até porque bebo moderadamente e somente aos finais de semana). Obrigado!

    • Luiz Carlos diz

      Curioso, o que é válido é viver a vida sem excessos. Acho importante controlarmos a alimentação, assim como todas as pessoas que não são portadoras do HIV também deveriam controlar. O mesmo vale para o álcool. Beber em excesso faz mal, seja você soropositivo ou não.

      O fato agravante da medicação atacar o fígado não significa que você não possa beber, é só não exagerar. Creio que o mais importante em tudo isso é como você se sente. Não devemos ter sentimento de culpa por beber socialmente em uma festa ou no réveillon, mas isto se torna algo muito pessoal. Você precisa colocar na balança o peso da sua “culpa” versus o fato de você querer beber socialmente. Procurar um terapeuta especializado em PVHIV ajuda muito nestas horas dos sentimentos de culpa.

      Eu hoje vivo minha vida normalmente, como eu viveria se não portasse o vírus (imagino eu – talvez eu seja um pouco mais cuidadoso, mas nada que me traga algum sentimento de culpa, pelo contrário, faz com que eu me sinta bem). Cuido da minha alimentação, evito beber mas não abro mão de alguma comemoração especial, assim como não abro mão de uma costelinha de vez em quando. Acho que sempre temos que viver como nos sentimos melhor, né?

  29. Curioso diz

    Renato, tudo passa. ja completei 1 ano de tratamento e hoje em dia não sinto mais nada. No início tive muita insônia, queimação no estômago, embriaguez, os olhos ficavam vermelhos como se estivesse com muito sono ou com algum tipo de alergia, principalmente quando eu tomava o remédio e após duas horas eu ingeria álcool. Os efeitos ficam em níveis mais altos quando há ingestão de alguma bebida alcoólica. Mas fica tranquilo que em breve não sentirá mais nada. E caso fique insuportável, converse com seu médico.

    • Renato diz

      Muito obrigado pela atenção curioso ,eh sempre muito bom trocar experiências eh tudo muito novo pra mim ,achei até interessante o fato de vc beber pois quando o medico me passou o primeiro esquema falou q eu n bebesse pois arrebentaria meu fígado ,antes eu saia muito fds e bebia ,mas faz três meses q estou em csa. Meu email eh renatosheldman@yahoo.com.br
      Abraços!!!

  30. Miguel diz

    Morreu George Michael no qual era soropositivo mas nunca foi confirmado publicamente… teve uma parada cardíaca.. Um grande é excepcional cantor! Amo as musicas dele! Ficará eternizado! Que descanse em paz!

    • Maxwell diz

      Como essa doença destrói psicologicamente as pessoas, não é? Um cara com tanto dinheiro, fama, sucesso, mas não queria fazer o exame de HIV por que tinha medo de descobrir ser soropositivo e não saber se poderia conviver com o estigma dessa doença que tinha levado seu namorado há alguns anos e alguns dos amigos dele. Deixou-se levar pela doença. Que Descanse em paz

    • Matheus diz

      Ele não era soropositivo…Eu acho engraçado que se um gay morre jovem já falam que foi AIDS…Foi confirmado pelo hospital que ele morreu de uma parada cardíaca…Mesma coisa aconteceu com a morte do cantor Prince(que nem gay era) que veio a óbito por overdose de um medicamento.

      • Caio PE diz

        Ele tinha sim o vírus. Só que, como foi dito aqui, ele recusava a fazer o teste anti-hiv mesmo sabendo que seu ex namorado, brasileiro, faleceu devido so vírus. E ele levou a vida como se nada estivesse acontecido: cantou, drogou-se, bebeu, curtia sexualmente etc. Até que, uma pneumonia o derrubou. Aí ele começou a se tratar, pois os médicos estranharam tal pneumonia. Mas ele continuou a levar a mesma vida de sempre. Isso segundo sites ingleses (antes de vierem aqui me crucifixarem pelo comentário).

        • Matheus diz

          Então vc está afirmando que ele foi vítima da AIDS…Eu aposto com vc que ele morreu de parada cardíaca devido ao uso de heroína…Eu acompanho a carreira dele a um bom tempo e nesses último ano ele foi internado 3x em clínicas de reabilitação…

        • cariocarj diz

          Verdade.

          Também já li isso. Ele não teve coragem de fazer o exame de HIV, com medo e receio do resultado ser Reagente.

  31. Renato diz

    Bom dia a todos ,tentando retomar minha vida ,mas as vezes sinto como se nunca mais possa ser a mesma pessoa ,lutadora ,sonhadora e festiva como todo bom geminiano,,as vezes fico otimista com relatos de pessoas aqui do blog ,parece q n consigo ver as coisas com o mesmo brilho ,estava vivendo uma fase ótima e.nunca imaginaria que pudesse parar de forma tão brusca,tudo q conquistei foi c muita luta,talvez, seja cedo ainda .

    • .iD_ diz

      Cara, é assim mesmo com altos e baixos. Sabe a pior parte? Não é só o HIV que vai te deixar pra baixo. Se permita estar triste mas corra atrás, não desista. Exemplo, uma parada que me deixou muito triste. Após ter relação sexual, retirei o preservativo e o meu parceiro queria ver – fui passivo -, então eu apenas falei “Não estourou, é por isso que tu quer ver né?” ele “Mas é claro”. Isso na hora me abalou muito, enfim, uma baita barreira novamente se ergueu. Fui em um psiquiatra, busquei ajuda e vou tomar anti depressivos pra evitar que esses comentários me deixem para baixo. Infelizmente haverão MUITAS outras barreiras e focar-se apenas na barreira do HIV vai te cansar tanto que quando surgirem novos problemas você vai pensar “Porra, já tenho HIV ainda vou ter mais isso” e é normal, mas o que tenho tentado fazer é não deixar isso dominar! Pois domina, uma amiga sempre me dizia: “Cuidado que a tristeza vicia” isso há ANOS atrás, antes mesmo de eu ser sexualmente ativo. Hoje entendo o que ela quer dizer. Pense um pouco nisso, esse vício é horrível.

      E outra, está tudo bem se você não vê as coisas da mesma forma. Mas o fato de não estar da mesma forma não significa de forma alguma que está pior (pode ser que esteja) mas também não significa que vai ficar pior pra sempre. E não falo em questão da cura do HIV falo em questão da cura de nossas mentes. Olhe ao seu redor, algumas pessoas tão saudáveis de corpo tem a mente destruída, outras o inverso. Já você não tem o corpo destruído então por que você está deixando sua mente te enganar pensando que acabou?

      Cara, não posso beber, não posso comer açucar, tomar café, leite e derivados e a vida segue, dói? dói! Mas e aí? Vou me entregar? Não to pronto pra isso. Então estou tentando viver sem sofrer e lhe digo É FODA mas é foda um dia de cada vez… e devagarzinho vou me lembrando de como eu usava “foda” pra algo bom como “noooosssa que foooda esse filme” e assim as coisas tem que ir voltando. Porque a vida tem muitos caminhos, mas só uma direção e é pra frente.

  32. RJ30 diz

    Alguém sente um zumbido ou pressao forte no ouvido, com o 3×1? Começei o tratamento a tres meses, com 1 mês não aguentei a ansiedade e fui fazer os exames. De uma CV de 30000 fiquei indetctável, e cd4 subiu de 448 para 489. Considerando 30 dias de tratamento, achei animador. Mas o incomodo no ouvido é muito grande. Tenho consulta nos próximos dias. Tenho medo de pedir pra trocar o esquema, sendo que to indo bem . Mas não aguento mais meus ouvidos!!

    • Renato diz

      RJ30 eu tbm sinto esse zumbido,mas só percebi mais deitado em silêncio.

    • Rodrigo diz

      Também ouço o zumbido desde o dia que iniciei a medicação 3×1 a três anos atrás. Fiz um tratamento com uma fonoaudióloga, que me auxiliou a não prestar atenção no barulho. Para mim deu muito certo, pois não mais presto atenção no incomodo. Paz e saúde para vc

  33. Maycon diz

    Querem ficar calmos? Estudem! Nada melhor do que entender esse vírus é como ele age em vcs. Eu sou Indetectável e meu namorado tbm. Não usamos preservativos, pois acredito no que a ciência descobriu. Fim…

  34. Max diz

    Vou deixar uma sugestão aqui para quem ficou depressivo e partiu para medicamentos para se estabilizar psicologicamente, claro que nao sao todos os casos, mas muitos podem ser resolvidos. Faça esporte. Pode parecer simples, mas a atividade fisica tem um poder incrivel sobre a mente. Dedique, faça disso um estilo de vida.

    • .iD_ diz

      Boa, estou pensando em inserir natação na minha rotina, pois sempre fui muito sedentário. Acho que realmente seja uma boa!

    • Miguel diz

      Além do esporte que faz um bem danado pro corpo e pra saúde física e mental, também o lado espiritual é super válido pois filtra os pensamentos ruins e o transforma em força! Reze, ore, medite, leia ensinamentos bíblicos.. Ter Fé faz milagres! Acredite!

  35. Alessandro diz

    Olá, pessoal gostaria de uma informação, se eu for ao dentista eu preciso informar que sou portador do vírus é que faço uso de determinado medicamentos ? Ou é desnecessário ? Hj fui a uma dentista ela perguntou e eu disse, mas ela quis mesmo saber se eu era alérgico a algum tipo de anestesia e pronto, obrigado.

    • Gil diz

      Dizer não precisa. Eles precisam se cuidar e cuidar de nossa saúde, para não nos infectar nem serem infectados, para isso eles têm protocolos de assepsia e esterilização.
      Mas, eu digo que sou HIV, para exercitar essa naturalidade que deve ser, para quebrar estigma, para que os que não são familiarizados vejam que temos HIV e tudo bem, estamos bem e pronto.
      Se minha postura é de calma e de naturalidade, eles seguem nosso exemplo. No mínimo, os deixamos curiosos para ler e saber mais, o que já ajuda, né?

    • Ser+H diz

      Comentário do meu médico: não tem necessidade de contar a qualquer outro profissional de saúde de que vc está na TARV. Porque vc é uma pessoa normal, goza de saúde sendo indetectável e além do mais é o infectologista o médico com especialidade para te orientar no tratamento. Cada qual no seu quadradinho.

    • Junior diz

      Oi Alessandro, você não é obrigado a informar sua sorologia. O que acontece é que para ALGUNS procedimentos médicos (e, no caso, odontológicos) essa informação pode ser importante. Um exemplo prático: Para alguns procedimento, como a extração de dentes, o seu dentista pode te receitar antibióticos como forma de prevenção à alguma infecção, algo normal e que não tem nada a ver com a sua sorologia. No entanto, o fato de que você já faz uso de uma medicação forte (como os antirretrovirais) pode ser levada em consideração no momento da prescrição da dosagem do antibiótico, para não sobrecarregar seu organismo.
      Pessoas que não utilizam medicação nenhuma geralmente fazem uso de uma dosagem maior de antibiótico em uma quantidade menor de dias, enquanto para pessoas que já utilizam alguma medicação o dentista pode preferir receitar o mesmo antibiótico em doses menores em uma quantidade maior de dia. Minha opinião pessoal: Caso não esteja a vontade, não informe sua sorologia.
      Embora essa seja minha opinião pessoal, ela está de acordo com a Constituição Federal que define: “Todo portador do vírus tem direito a comunicar APENAS às pessoas que deseja seu estado de saúde e o resultado dos seus testes.” Perceba que a Constituição Federal não faz exceção aos profissionais de saúde, vc realmente só deve informar apenas às pessoas que deseja.

      • Ser+H diz

        Caro Junior. O que vc escreveu não conta na Constituição Brasileira e nem em Lei. Foi incluido na Declaração dos Direitos Fundamentais da Pessoa Portadora do Vírus da Aids. O documento foi aprovado no Encontro Nacional de ONG que Trabalham com Aids (ENONG), em Porto Alegre (RS).

        • Junior diz

          Obrigado por esclarecer Ser+H. É isso mesmo que vc disse! Entendo que a Declaração é um dos documento que pode ser utilizado para resguardar as obrigações e direitos garantidos pela CF.

      • Ph diz

        Não precisa informar ao dentista.
        Se seu CD4 é normal, os esquemas de antibiótico para remoção de dentes são iguais aos de qq outra pessoa. Caso seu CD4 esteja baixo, a melhor pessoa pra te informar qual esquema de antibiótico tomar para extrair dente será seu infectologista. E não o dentista.

        • Gil diz

          Ontem fui a um dentista que nunca tinha ido. Informei. Foi tranquilo e ele disse atender outros. Adorei a postura.

      • Rick diz

        Olá, onde você viu isso que deve ajustar a dose do antibiótico por conta dos antiretrovirais? Você é medico ou cirurgião dentista? Coloca a fonte aqui para todos… Abraço

  36. Camila diz

    Olá amanhã vou fazer meu primeiro exame para saber se estou indectavel estou em terapia a 9 meses com o 3 em 1 tive poucas reações no começo não tenho mais nada mais não engordei o peso que perdi será que não vou voltar a meu peso normal ou já estarei indectavel muitas dúvidas ( lembrando q nunca deixe de tomar meus comprimidos)

    • .iD_ diz

      Fica tranquila! Sei que minhas palavras não passam de um mero conforto banal.
      Esse nervosismo infelizmente é quase inevitável. Mas não deixe se, por ventura não vier o resultado que tu espera, te afetar! Continue com a cabeça erguida, tomando seus medicamento e se alimentando bem! E lembre-se importante é estar saudável. Sei que as vezes a aparência mais magra é ruim (odeio ouvir “Noooossa guri como tu tá magro”) eu sempre respondo “É pra causar inveja nas menininhas que querem essa barriga”.

      Bom humor supera!

  37. Alexandre diz

    Hj estou feliz pra caralho!
    CD4: 1.322
    CD8: 1.114
    Relação CD4/CD8: 1,19
    Barasão, muito obrigado, cara. Vc conquistou um grande amigo.
    Abraços!

    • Matheus diz

      Alexandre como estava seu CD4 antes?E quanto tempo de tratamento?Um dia eu chego a esses valores 😃

    • Emilio diz

      Meu cd4 sempre foi alto tbem, acima de mil. De repente senti q estava meio enfraquecido como na fase água do HIV há pouco mais de um ano. Ao fazer meus exames de rotina meu cd4 caiu pela metade devido a infecção pela sífilis (uns 5 meses contaminado). Até herpes de zoster eu tive por conta dessa queda de imunidade…..Sífilis é destruidora. Tomei hj a terceira dose de benzetacil. Qdo poderei transar ?(devidamente protegido claro).

    • Mutatis Mutandis diz

      Alexandre, que felicidade, fera! Números excelentes!

      Você está em TARV? E a CV?

      • Alexandre diz

        Porra, Barasão! Só eu que sei o quanto vc me ajuda no dia a dia. E eu não quis dizer que só agora vc virou meu amigo, não. Quis tornar público.
        Grande abraço, parceiro, e que 2017 seja maravilhoso para vc e sua família!

  38. luquinha diz

    Alexandre que ótima noticia , será que é a cerveja ?Ou você parou de beber ?

    • Alexandre diz

      KKKKKKKK! Que nada, Luquinha. Bebendo muita cerveja! Mathews, meu CD4 estava em 890 na última vez que eu o fiz. Mutatis, vou fazer CV dia 12 de janeiro e ainda não estou em TARV. Detalhe, 8 anos de infecção. Feliz 2017 a todos e que venham os ARV’s injetáveis!

      • Jorgito diz

        Alexandre, porque você preferiu não fazer o tratamento com tanto tempo de infecção? Na sua visão os medicamentos são mais danosos do que a atuação do vírus?

  39. Ser+H diz

    Alexandre vc é um controlador de elite já que está com infecção há 8 anos, sem TARV e CD4 elevado? Quanto tem de CV?

  40. Matheus diz

    Alexandre e como vc fez para seu cd4 subir sem estar em TARV…Dê umas dicas se possível

    • Alexandre diz

      Matheus, não faço nada demais, pelo contrário. Tenho uns hábitos que não devem ser seguidos por nenhum positivo. Faço bastante esporte mas em contrapartida bebo quase todos os dias e como muito besteira, mas como muita coisa saudável também. Uma coisa que acho que me ajuda é a maconha. Não estou incentivando ninguém, estou falando que pra mim eu acho que ela faz bem. Ser+H, vou fazer a CV dia 12 de janeiro. Falo aqui assim que sair.

      • Verdes Olhos diz

        Curioso você falar sobre a maconha, Alexandre.
        Existem alguns estudos (agora, de cabeça, não lembro quais são) relatando algum efeito anti-viral da maconha em relação ao hiv. Inclusive havia – e não sei a quantas anda isso – um protótipo de gel preventivo contra o vírus, gel feito à base de cannabis.

  41. Batista diz

    Gente cadê os estudos da Ambivax? Estava previsto para sair antes de 2016.

  42. Sou+ Vida_Esperança diz

    Venho aqui relatar uma triste historia que aconteceu comigo. Em outubro/2016, me descobri c/ HIV e tbm com sífilis (1/2048 +/-) após exames de rotina. Foi um grande impacto saber dessa notícia, pensei que iria morrer de imediato e passei a achar que estava c/ várias outras doenças, principalmente qdo tive que fazer os demais exames que são solicitados qdo se é diagnosticado, meu psicológico me fez achar que estava com todas doenças do mundo.

    Logo após ser contactado pelo laboratório p/ repetir os exames passei a me perguntar como seria possível isso? Tinha certeza que não foi por meio de relação sexual, precisei fazer uma retrospectiva de minha vida.

    Infelizmente cheguei a conclusão que a possível causa vem após uma grande crise emocional (depressão grave) que fui diagnosticado em 2015, após vim sofrendo mto desde o final de 2014. Passei a tomar medicamentos fortes p/ me controlar e até fui afastado do tratalho. Foi um período de mta dor e sofrimento no qual em um infortuno momento de minha crise estava em hora e lugar errado. Acabei sendo visto por algumas pessoas que usavam drogas, pensei que seria assaltado ou algo mais, porém como nada naquele momento fazia mais sentindo em minha vida e eu só buscava a morte como soluçao, me deixei ser injetado pelas substancias que eles usavam, esperando eu que ali mesmo poderia ser o meu fim e esperei a morte chegar.
    Bem, como percebem a morte não chegou naquele momento com eu esperava. Sei que mtos aqui podem me crusifucar e falar mtas coisas, mas vcs não sabem o que é ser pego de surpresa por uma crise emocional onde vc perde q razão de tudo e não sabe o que é certo ou errado, é uma dais piores dores que alguém pode sentir senão a pior, só quem passou por isso e no grau em que tive pode saber.

    Enfim, vejo está como a única causa anormal que aconteceu comigo. Até hj me pergunto o por que td isso vem acontecendo comigo? Sempre levei minha vida de forma tranquila e sem me colocar em riscos e infelizmente acabei passando por estes tristes fatos.

    Ainda não iniciei o tratamento, meu cd4 deu 321, porém a medica achou por bem eu voltar a tratar a minha depressão p/ agora em janeiro provavelmente iniciar o tratamento, pois devido ao meu quadro poderia ser agravado pq um dos medicamentos tem como um possível efeito colateral provocar depressão, então imaginem ai o que poderia acontecer comigo? Certamente poderia agravar mais ainda o meu caso e ai sim eu não conseguir me tratar e voltar a tentar outras loucuras.

    Esperar agora em janeiro/2017 como será esta nova fase de minha vida e ter coragem p/ ir pegar os medicamentos e depois ter mais coragem ainda p/ contar p/ as pessoas mais próximas a mim (amigos e familiares).

    Confesso que tenho mais medo da depressão e do preconceito das pessoas do que do vírus HIV (mesmo sabendo da gravidade, mas acredito no tratamento e numa possível cura).

    Bem, pessoal este foi um breve relato do que aconteceu comigo, estou descobrindo este canal agora como outros tbm que tenho pesquisado p/ obter informações atualizadas sobre HIV/AIDS. Obrigado a todos e vida que segue, buscando sempre forças no Senhor.

    • Maxwell diz

      O medicamento a que ela se refere vem a ser o efavirenz. Converse melhor com ela pois há outras combinações que vc pode utilizar que não tem o efeito colateral de potencializar a depressão. Aí vc pode tratar normalmente à sua depressão e o vírus do hiv concomitantemente.
      Existe a combinação com o kaletra e biovir, existe a do atazanavir + lamivudina + ritonavir …

    • Pedro diz

      Vc não foi a única pessoa a ter esses sentimentos, mts aqui tbm já passaram por isso. Não sei se saber disso pode te aliviar mais um pouco, porque no fim, apesar de estarmos juntos nessa, todos estão sozinhos com suas dores.

      Eu tbm contraí o vírus num momento de decepção e desespero com a vida, apesar de ter sido pelo sexo. Mas não adianta agora chorar pelo leite derramado. Esteja forte, e vc não tem obrigação de contar pra seus amigos e familiares, só se sentir a vontade e achar que eles vão te ajudar.

    • Mutatis Mutandis diz

      Por que você precisa contar pra alguém?
      Só conte se for realmente necessário, e olhe lá…as pessoas nunca vão lhe tratar do mesmo jeito, vão sempre olhar pra vc como um portador de HIV…

      No meu caso,só quem sabe é minha esposa e meu médico, só e somente só…

      Acredite, tem muita gente, muita gente mesmo que gostaria de ter nossa enfermidade em vez das que tem….é muito estigma, mas graças a Deus tem muita pesquisa.

      As pessoas não sabem nada de HIV, aliás “nada” ainda é muito.

      Pensam que somos bombas ambulantes, que morreremos de qualquer gripe, que contaminamos ao espirrar, enfim. E isso independe se as pessoas nos amam ou não, é questão de conhecimento sobre o assunto que é muito pouco, ou de preconceito, que é gigante.

      Olhe, desculpe se estou entrando nessa esfera tão particular de sua vida, mas eu teria me arrependido amargamente se tivesse saindo contando para alguns familiares sobre minha sorologia. Mas analise bem o seu caso, certamente vc não precisa pensar igual a mim.

      Ademais, tenha paciência e siga sua medicação…um dia todos aqui estiveram assim. Mas passa, é complicado, mas passa!
      Um grande abraço!

      • Sou+ Vida_Esperança diz

        Grato pelos comentários que tem lido aqui e tem me ajudado mto, tem buscado forças para seguir nessa nova jornada. Bem, com relação a contar eu me preocupo que pelo menos alguém próximo a mim deva saber, principalmente se me acontecer alguma coisa, pois nunca estamos livres de algum tipo acontecimento inesperado (olha o q aconteceu comigo após uma grave crise de depressão, nunca imaginei passar pelo que passei e pelo q estou passando).

        Então, tenho medo de q me aconteça algo e ninguém saiba de minha condição ou que venham a saber de forma inesperado. Tbm penso qdo iniciar o tratamento, pois tenho receio dos tão temidos e falados efeitos colaterais, bem como imagino se em algum momento ficar doente (acamado por qualquer outro motivo) como pegar os medicamentos, então penso q pelo menos alguém mto próximo a mim e que sei q vai esta sempre comigo precisa saber, pelo menos será uma força a mais que terei, uma motivação p/ me ajudar a não cair em uma nova depressão, pois como citei antes, tenho mto medo da depressão pq eu sei como fiquei. Mto grato a todos aqui pelos posts que tenho lido.

        Tenho passado a ver a vida de uma outra forma e qro me sentir mto mais útil e fazer o meu melhor enquanto puder. Sempre tive comigo a questão de realizar trabalhos sociais e agora mais do q nunca sinto esta necessidade. Precisamos ser útil ao próximo.

      • Life diz

        Mutatis eu concordo com o que você falou, estamos na mesma situação, somente minha esposa sabe, entretanto não conversamos sobre isso, eu falo dos avanços mas ela não procura saber muito.

        É como se eu não tivesse ninguém pra conversar sobre e isso faz uma falta enorme, de um jeito ou de outro precisamos desabafar.

        • Mutatis Mutandis diz

          Life, meu diálogo sobre isso com ela é mínimo…nem os remédios tomo na frente dela. Do jeito que os restos de HIV se escondem dentro de mim, eu escondo ele da minha realidade.

          Vivo sem nem dá bola pra esse invasor!

          Indetectável = intransmissível, sonho com o dia em que isso será uma verdade espalhada por tudo quanto é infectologista, e não por alguns apenas.

          Na verdade, o que sinto falta mesmo é de mais intimidade com ela, a camisinha quebra um pouco isso…mas não chega a atrapalhar, tá ficando até sexy….dá pra viver!

          Quanto a desabafar, as vezes falo com um Padre, às vezes comigo mesmo…mas, quer saber: quanto mais eu repito o nome do inimigo, maior ele fica…FODA-SE ELE!

  43. Anjo Solitário diz

    Tem alguém de Alagoas afim de conversar? Skype? Whats? Mesmo sabendo que não, mas vai que.

  44. João diz

    A Gilead tem escritório no Brasil entretanto não vejo seus remédios para HIV disponível no SUS, principalmente o Genvoya. Alguém sabe dizer se estes medicamentos estarão disponíveis no SUS ou na rede particular?

  45. luquinha diz

    Sobre o poste acima ,eu não quero saber se é o chip do apocalipse , se é a profecia ou não pode inserir o chip em mim . Voltei com a corda toda , depois de ter quase morrido já vi 3 queimas de fogos 3 viradas 2014 2015 2016 Feliz Ano novo

    • Jorgito diz

      Muito bom! Esse sistema já é utilizado para administração de hormônios. Inclusive no Brasil. Vai ser bom demais para os soropositivos, individualmente considerados, mas é m uma perspectiva mais ampla, será excelente também pra o combate ao alastramento da infecção e ao desenvolvimento de vírus com mutações, na medida em que se elide a não adesão ao tratamento.

    • e ai Renato tudo bem?
      eu malho ja tem um tempinho e tomo Whey Protein Gold Standard e Animal Pak, meu infecto liberou sem problemas, são produtos importados, um pouco mais caros que os nacionais, mas a qualidade nem se compara e sem nenhum efeito colateral.
      Blza!

    • Alexandre diz

      Pro HIV as coisas são sempre mais demoradas. Para o tratamento contra o câncer os cientistas já irão iniciar testes em humanos por agora. Mas para o HIV, eles esperam começar os testes em animais num futuro próximo.

      • Sou+ Vida_Esperança diz

        Nao perco a esperança de que cada vez mais melhore o tratamento e o controle deste vírus, como também torço p/ que o estigma que esse vírus/doença ainda carrega seja eliminado, onde todos percebam que não existe mais grupo de risco e sim comportamento de risco. E que mesmo assim, qualquer um, independente de ter ou não comportamento de risco está vulneravel a ele. Hoje graças a Deus é uma doença possível de ser controlada como qualquer outra doença cronica, então é só seguir o tratamento. Tenho fé também de que a cura chegue o mais breve possível.

      • Lucas diz

        Rodrigo fala ao pessoal do grupo que fui assaltado, estou sem celular e não estou conseguindo entrar no kik pelo PC.
        Obrigado!

  46. Ferposses diz

    Tem muita gente investindo pesado na busca de tratamento e cura, vamos nos manter positivos e otimistas.
    COLUNAS
    Bill Gates investe US$ 140 milhões na cura do HIV

    Blog da Redação

    Bill Gates
    Bill Gates investe em dispositivo que pode revolucionar o tratamento do HIV (Getty Images)

    A fundação de caridade do fundador da Microsoft, o Bill Gates, investiu US$ 140 milhões em estudos de desenvolvimento de um implante que pode revolucionar o tratamento do HIV.

    A The Bill and Melinda Gates Foundation está fornecendo o dinheiro para a tecnologia inovadora que pode revolucionar a prevenção dessa doença potencialmente fatal.

    VEJA MAIS: Bill Gates faz parceria com empresa de perfumes para criar um bloqueador de odor de fezes

    Atualmente, a forma de prevenção da doença é através de medicamentos em formato de pílulas, que, caso sejam tomadas todos os dias de modo correto, pode reduzir as chances da pessoa ser infectada com o HIV.

    Os medicamentos são recomendados pela Organização Mundial de Saúde para uso em grupos de ricos, incluindo relações homossexuais entre homens. Entretanto, o método só é eficaz caso os comprimidos sejam tomados corretamente.

    VEJA TAMBÉM: 10 universidades dos EUA que mais formam bilionários

    Há esperanças que a tecnologia de implantes, semelhante aos sistemas de controle de natalidade, poderia ser usada para auxiliar pessoas vulneráveis ao HIV.

    De acordo com o jornal norte-americano “The Wall Street Journal”, o último investimento do bilionário foi em uma empresa farmacêutica localizada em Boston.

    E TAMBÉM: 10 universidades dos EUA que mais formam bilionários

    Esse tratamento de tecnologia de implante consiste em um dispositivo inicialmente desenvolvido para pacientes com diabetes do tipo II. Nesse tipo de paciente, ele funciona por um período de 12 meses e atua através da descarga contínua de medicamentos em todo o corpo.

    Os cientistas acreditam que o dispositivo poderia trabalhar de forma semelhante com pacientes saudáveis, para evitar o HIV. Esse tipo de tratamento pode ser extremamente útil para a prevenção da doença, especialmente em adultos sexualmete ativos.

    O casal investiu US$ 50 milhões na empresa Intarcia Therapeutics, a companhia que criou o dispositivo. Em seguida, eles forneceram mais US$ 90 milhões para a empresa, com o objetivo de desenvolver o mesmo dispositivo, mas voltado para a prevenção do HIV.

    http://www.forbes.com.br/colunas/2017/01/bill-gates-investe-us-140-milhoes-na-cura-do-hiv/

  47. Lua diz

    Esse blogs estava aparecendo pra mim aqui diferente, achei que JS tivesse desistido.,Hoje voltou ao normal.,Que bom!!! Feliz ano novo pra todos.Bjim

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s