Nanomedicina pode melhorar terapias contra o HIV


scidaily-logo1

Uma nova pesquisa, liderada pela Universidade de Liverpool, visa melhorar a administração e a disponibilidade de medicamentos terapêuticos para pacientes com HIV através do uso da nanotecnologia. A Pesquisa conduzida pelo programa colaborativo de pesquisa em nanomedicina, liderado pelo farmacologista e professor Andrew Owen e pelo professor e químico de materiais Steve Rannard, examinou o uso da nanotecnologia para melhorar a aplicação de medicamentos em pacientes com HIV.

Nanotecnologia é a manipulação da matéria em escala atômica, molecular e supramolecular. Nanomedicina é a aplicação da nanotecnologia na prevenção e no tratamento de doenças no corpo humano. Essa disciplina em evolução tem o potencial de mudar radicalmente a Ciência Médica e já tem tido impacto sobre uma série de terapias utilizadas clinicamente e em diagnósticos em todo o mundo.

 

Principal pesquisa

Atualmente, o tratamento de HIV requer dose oral diária de medicamentos antirretrovirais. A dosagem vitalícia traz complicações significativas, que surgem em decorrência do incômodo sentido por muitos pacientes, entre populações com condições variáveis, que levam à falta de adesão às terapias.

Uma avaliação recente entre grupos de pacientes com HIV mostrou que existe vontade de mudar para alternativas de nanomedicina, se esta mostrar benefícios. Os esforços de pesquisa da equipe de Liverpool têm-se centrado no desenvolvimento de novas terapias orais, usando a tecnologia Solid Drug Nanoparticle (SDN), a qual pode melhorar a absorção da droga no corpo, reduzindo tanto a dose quanto custo por dose, permitindo assim que os atuais orçamentos de saúde possam tratar mais pacientes.

 

Pouco disponível

Atualmente, não existem nanoterapias orais disponíveis clinicamente para populações com HIV e medicamentos pediátricos convencionais contra o HIV são pouco disponíveis. A pesquisa examinou uma formulação pediátrica comum, que utiliza altas concentrações de etanol para solubilizar o Lopinavir, um antirretroviral pouco solúvel.

Através da utilização de uma nova abordagem de nanomedicina desenvolvida em Liverpool, os pesquisadores foram capazes de gerar um meio de dispersas medicamentos em água e, assim, tornado desnecessário o uso de álcool na medicina pediátrica.

A pesquisa, financiada pelo Engineering and Physical Sciences Research Council do Reino Unido, está agora em testes em humanos, enquanto o estudo pré-clínico foi publicado na revista Nature Communications.

 

Ampla aplicabilidade

Segundo o professor Owen, “os frutos da nossa pesquisa interdisciplinar estão começando a ser colhidos. Nossa abordagem tem potencial de superar os desafios da atual terapia antirretroviral, que incluem a administração de altas doses necessárias para atingir concentrações eficazes no corpo, bem como melhorar as formulações para crianças que vivem com HIV.”

O professor Rannard acrescentou: “A ampla aplicabilidade da nossa estratégia tem implicações para programas de desenvolvimento de terapias múltiplas e estamos ativamente engajados na criação de opções de nanomedicina para impactar uma variedade de necessidades clínicas.”

Em 21 de outubro de 2016 pelo ScienceDaily

FonteMateriais da Universidade de LiverpoolReferência: Marco Giardiello, Neill J. Liptrott, Tom O. McDonald, Darren Moss, Marco Siccardi, Phil Martin, Darren Smith, Rohan Gurjar, Steve P. Rannard, Andrew Owen. Accelerated oral nanomedicine discovery from miniaturized screening to clinical production exemplified by paediatric HIV nanotherapies. Nature Communications, 2016; 7: 13184 DOI:10.1038/NCOMMS13184
Anúncios
avatar
19 Comment threads
6 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
18 Comment authors
YuridanielRJPedroMarcus ViniciusAntonio Recent comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Inscrever-se  
Receber notificação
Jorgito
Visitante
Jorgito

A nanomedicina irá permitir os saltos em direção à cura.

I'M
Visitante
I'M

Se alguém estiver lendo esta mensagem e no futuro tiver acesso a uma máquina que permite viajar no tempo, por favor, volte aqui e responda em que ano a cura plena do HIV será (foi) descoberta e estará acessível a toda a população da Terra.
Aguardando…
😉

Anjo terapeuta
Visitante
Anjo terapeuta

Viajando pelo futuro vi q a cura foi anunciada no ano de 2018 porem toda populaçao so tiveram acesso ao tratamento no ano de 2022.
Hj 1 de abril de 2023 ano q erradicou o hiv.
Obs devido os milhares de testes q foram feitos para se chegar a cura do hiv, cientistas americanos desenvolveram um virus muito mais forte q foi o antingo hiv.
(Usando meu direito de variar)

Gil
Visitante
Gil

Eles de Liverpool que se apressem com esta terapia com nanomedicina, porque já, já, as outras equipes encontram uma forma de erradicar o vírus do corpo humano e eles dançam bonitinho com tanto investimento. Poderá servir para muitas e muitas terapias, mas torço para que a cura venha antes dessa aplicabilidade dos medicamentos em escala de pentelhésimos de quase nada…

Augusto
Visitante
Augusto

Hoje era dia de consulta com meu infecto (pelo SUS)… ele nem sabia que o Dolutegravir havia sido liberado para novos pacientes a partir de 2017…. muita falta de informação desses médicos….

Vivendopositivo
Visitante
Vivendopositivo

Já passei por 3 infectologistas. O primeiro deixou de atender pelo plano, esse se garantia, muito atualizado e confiante. Os últimos dois ficaram presos com informações do começo do ano 2000. E são “particulares” e péssimos. Próxima consulta vou em outro ate achar um razoável.

Edi
Visitante
Edi

Uma história que aborda o HIV em todas as suas formas… http://clubedeautores.com.br/book/215789–O_PRECO_DO_SILENCIO#.WBDCzOUrLcd

Alessandro
Visitante
Alessandro

Minha médica mudou, pensa numa mulher lerda e desinformada, chega dar dó, as vezes penso que os que trabalham para o governo eram os que tiravam as piores notas kkkkkk só pode, eu n pergunto mais nada, ela nunca sabe responder, já a antiga médica era ótima, sanava praticamente todas questões, muito dedicada e advinha ? Vai montar consultório próprio…

Sampa26
Visitante
Sampa26

Já disse por aqui temos que fazer esses infectologistas do SUS saírem da zona de conforto, senão nunca vão individualizar nada…vão continuar seguindo protocolos, como todos funcionários públicos estaduais e municipais.

luquinha
Visitante
luquinha

Em relação ao paciente zero , coitado foi julgado , já ouvi ate que o coitado deu para vários passageiros de uma só vez , a sociedade só sabe julgar ,
Então venho logo falar pra vocês , o que me restou foi a minha beleza , e hoje preciso de duas coisas, uma cerveja e uma prostituta .

Vivendopositivo
Visitante
Vivendopositivo

Essas bobagens que constantemente tu fala não são engraçadas. Tu não tem mais 12 anos.

Anjo terapeuta
Visitante
Anjo terapeuta

Estou muito satisfeito com minha medica( pelo plano) ela e professora de midicina na universidade federal.

MH
Visitante
MH

Pessoal alguem ja viajou para EUA portando os remédios ?encontram alguam dificuldade?preciso viajar para lah e estou com medo….

Mar
Visitante
Mar

Olá !! Eu viajei levando 3 caixas de remédios 3×1. Eu levei uma quantidade (cerca de uns 20 comprimidos) comigo na bagagem de mão, por garantia, pois corria o risco de ter a bagagem extraviada .. o restante eu levei na mala e dentro dos frascos originais (dividi os comprimidos em 2 frascos). Levei comigo uma receita da médica em mãos caso fosse questionada sobre os remédios, mas não foi preciso e chegou tudo certinho dentro da mala sem problemas.
Espero ter ajudado.

Antonio
Visitante
Antonio

Nunca tive problema nem nos EUA e nem para Europa
ja cheguei levar para 6 meses, mas tive que conversar com o farmacêutico do posto para ele liberar duas receitas

Pedro
Visitante
Pedro

Olá Antônio, Você sabe me informar se é necessário que o médico faça um pedido especial pra farmárcia liberar esses medicamentos de uma só vez? Eu estou com planos de fazer um intercâmbio que vai durar um ano e queria saber se consigo tirar esse medicamento de uma só vez, no caso seria pelo menos 12 caixas do 3×1.

RecentWave
Visitante
RecentWave

Também estou muito satisfeito com minha médica.

Marcus Vinicius
Visitante
Marcus Vinicius

Eu acredito que cheguemos a uma cura funcional em menos de uma década por uma questão de interesse político e capital: A geração atual se previne menos por se quer conhecer o que era a aids e vai chegar a um ponto em que o gasto com tratamento vai ser muito maior do que o gasto com uma cura funcional. Foi assim com o tabaco, nos anos 90 tínhamos comerciais lindos de cigarros e podia-se fumar em qualquer lugar, além do cigarro não ser tão caro, mas, quando o gasto com o tratamento de câncer superou o lucro com a… Ler mais »

Marcus Vinicius
Visitante
Marcus Vinicius

E pra constar, meu médico dotar Yan é maravilhoso, é do SUS, super acolhedor, bem informado, souber responder questões minhas até sobre estudo Partner, do qual era conhecedor!

danielRJ
Visitante
danielRJ

Pessoal, faço uso do 3×1 e estou em profilaxia com isoniazida contra tuberculose. Já que meu PPD deu reagente. Percebi que desde então estou com espuma na urina. Uso a medicação a dois meses, alguém passou por isso?! Estou muito preocupado com a alteração na urina, vi que este sintoma é relativo a problemas nos rins. Porém em apenas dois meses de medicação é possível danificar os rins? Abs

Yuri
Visitante
Yuri

Gente minha médica é do SUS e não sabe nada de nada… Sou do RJ é queria indicação de um bom infecto. Iniciei o 3×1 faz 1 semana, meu cd4 tava 795 e a carga viral 2.800. tô tento muito enjôo e queria saber se posso tomar um Plasil sei lá. Abraços