Artigos
Comentários 189

Quase soronegativos

HuffPost Brasil

Nós não morremos mais de aids. Nós não vamos viver menos que uma pessoa que não tem HIV. Com tratamento antirretroviral e carga viral indetectável, nós não transmitimos o HIV através de relação sexual. Temos o código genético do vírus integrado em algumas células, mas provavelmente seremos a geração de soropositivos que vai experimentar a cura.

É verdade, muitas pessoas com HIV ainda morrem por conta de complicações decorrentes da aids, porém, a maioria delas são aquelas que não tem acesso ao tratamento antirretroviral, infelizmente, como ainda é o caso de muitas regiões na África, por exemplo, ou aquelas que foram diagnosticados tarde, já no hospital, com algum doença oportunista relacionada à aids.

Por hora, também é verdade que ainda vivemos um pouco menos que as pessoas que não têm HIV. Uma pessoa soropositiva e que alcançou 50 anos de idade entre os anos de 2006 a 2014 tem uma expectativa de vida de 72,5 anos, enquanto uma pessoa soronegativa pode esperar viver até os 80,2 anos. Todavia, uma pessoa soropositiva que fez 50 anos de idade entre 1996, o ano em que a terapia antirretroviral combinada de três medicamentos foi implementada, a 1999 poderia esperar viver somente até aos 67,8 anos. Para olhar para o futuro, colocamos esses números num gráfico e assim podemos presumir, sem exageros, que a atual geração de jovens soropositivos não vai viver menos que soronegativos.

sobrevida

Sobrevida, em anos, entre as pessoas de 50 anos de idade com e sem HIV.

O mesmo vale para a incidência de cânceres, relacionados e não-relacionados à aids, que ainda têm uma taxa mais elevada entre as pessoas que vivem com HIV do que entre as pessoas soronegativas. Uma das possíveis razões para essa taxa mais elevada é a inflamação crônica, um assunto pontual ainda não totalmente compreendido pelos médicos e cientistas, a qual é um pouco maior em soropositivos e que, a longo prazo, acredita-se, pode trazer complicações ligadas à uma série de doenças, incluindo cardiovasculares, autoimunes, doenças hepáticas, renais e câncer.

Ainda assim, os gráficos já mostram, nos dias de hoje, um declínio das taxas de câncer entre soropositivos. Projetando para o futuro, não é exagerado concluir que em breve teremos a mesma taxa de incidência de cânceres que os soronegativos.

Grafico tendencia cancer

Neste gráfico, a linha azul mostra a incidência de cânceres não relacionados com aids, enquanto a linha verde mostra a incidência de tipos de câncer relacionados à aids, ao longo do tempo.

As pessoas com HIV que serviram como referência para os gráficos acima são aquelas que passaram pelo começo da epidemia de HIV/aids, quando não havia tratamento e, quando este surgiu, ainda era muito agressivo, tóxico e, muitas vezes, não tão eficaz.

Aliás, de tão agressivos e ineficazes, os primeiros tratamentos antirretrovirais não foram capazes de salvar a vida da pequena Kat Schurmann, filha adotiva do casal Schurmann, cuja história está no filme brasileiro Pequeno Segredo, que concorre agora por uma indicação ao Oscar 2017 de filme estrangeiro. Kat nasceu em 1992, antes do surgimento da terapia antirretroviral, infectada com o HIV por transmissão vertical, nome que se dá à transmissão do HIV durante a gravidez, parto ou amamentação de uma mãe soropositiva. Ela faleceu em 29 de maio de 2006, aos 13 anos de idade, devido à complicações decorrentes do HIV.

pequeno-segredo-banner

Hoje, para viver quase como soronegativos, ainda precisamos dos antirretrovirais. São o mesmo tipo de medicamentos que aqueles implementados em 1996, embora, atualmente, eles sejam mais modernos, mais simples de ingerir e menos tóxicos — por isso, com menos efeitos colaterais, incluindo ausência de lipodistrofia, uma condição comum decorrente dos primeiros coquetéis de antirretrovirais, que faz com que a gordura corporal seja realocada pelo organismo de maneira desproporcional.

Hoje, para controlar o HIV precisamos somente de um comprimido por dia, o qual é composto por três medicamentos diferentes, que inibem os processos que o vírus usa para se replicar dentro do organismo. Em breve, esse único comprimido deve passar a conter apenas dois ou, quem sabe, um único medicamento antirretroviral, o que deve reduzir ainda mais a toxicidade destes medicamentos e, muito possivelmente, melhorar ainda mais os indicadores que falamos acima.

Os antirretrovirais atuais são muito mais avançados que aqueles a que Kat Schurmann teve acesso. Com eles, não é difícil manter o vírus no sangue em quantidade tão baixa que é indetectável, mesmo pelos exames mais precisos de laboratório. No Brasil, de acordo com o último Boletim Epidemiológico, aproximadamente 88% das pessoas que vivem com HIV e que fazem tratamento antirretroviral no país têm carga viral indetectável.

Sob tratamento antirretroviral e com o vírus indetectável no sangue, também não há vírus detectável no fluído pré-ejaculatório e há em baixa quantidade no sêmen. Isso provavelmente é o que faz com que, desde o começo da epidemia, nunca tenha sido observada uma única transmissão sequer a partir de pessoas que vivem com HIV, fazem tratamento antirretroviral e têm carga viral do HIV indetectável no sangue, muito embora já tenham sido feitos longos e extensos estudos entre milhares de casais sorodiscordantes (quando só um dos parceiros é positivo para o HIV) que optam por não fazer uso do preservativo. No último destes estudos, o Partner, foram acompanhados 1.166 casais sorodiscordantes, vários deles homossexuais, em 75 centros clínicos espalhados por 14 países europeus e, assim como nos estudos similares anteriores, não foi documentada uma única transmissão do HIV a partir de quem faz tratamento antirretroviral e tem carga viral indetectável. Zero transmissão.

Essa realidade faz com que a concepção natural, sem inseminação artificial, sem camisinha, já seja uma opção para casais sorodiscordantes que planejam ter filhos. Portanto, no sexo, soropositivos em tratamento e com carga viral indetectável já são como soronegativos. “Derrubou a carga viral, não tem como transmitir o HIV. Esse hoje é o mecanismo mais poderoso de prevenção que existe”, explicou Fábio Mesquita, ex-diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, durante o X Curso Avançado de Patogênse do HIV, que aconteceu na Faculdade de Medicina da USP, em 2015. “É mais poderoso que a camisinha.”

cascata-de-tratamento-no-brasil

Por conta desta eficácia do tratamento como prevenção na transmissão do HIV, o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, o Unaids, estabeleceu uma meta, que determina que “90% de todas as pessoas vivendo com HIV conheçam seu status; que 90% das pessoas diagnosticadas recebam terapia antirretroviral; e que 90% das pessoas recebendo tratamento possuam carga viral suprimida e não mais possam transmitir o vírus”.

A Suécia foi o primeiro país a alcançar essa meta. Se ela for alcançada por mais países, a epidemia de HIV/aids será virtualmente controlada até 2030, com apenas 200 mil infecções por ano, ante as 2,1 milhões de novas infecções em 2015. Restarão com HIV no mundo as atuais 36,7 milhões de pessoas soropositivas, aproximadamente, dentre as quais eu estou incluído.

metas_ambiciosas-unaids

Em 2030, qual será a diferença entre soropositivos e soronegativos? Se os gráficos acima estiverem certos, muito pouco: continuaremos a não morrer de aids, teremos uma expectativa de vida igual a de soronegativos e, ao invés de um comprimido por dia composto por três medicamentos, provavelmente teremos uma única pílula composta por um único antirretroviral — quem sabe, administrável em doses mais espaçadas que a atual dose diária. Para ser aprovado pelas autoridades de saúde, esse tratamento terá de continuar a manter a nossa carga viral indetectável e, por isso, continuaremos incapazes de transmitir o HIV.

Até lá, esperamos que viajantes com HIV não sejam mais deportados ou impedidos de entrar em alguns países, como ainda acontece hoje. Esperamos que mulheres com HIV na Rússia não sejam mais presas por não revelar sua condição sorológica aos seus parceiros e que elas não sejam mais esterilizadas à força em Uganda, tal como tem acontecido enquanto você lê esse texto. Esperamos que não hajam mais leis criminalizantes, que ainda hoje punem desproporcionalmente aqueles que vivem com HIV — como em alguns estados americanos, por exemplo, que já chegaram à condenar soropositivos que cuspiram ou morderam outras pessoas a 35 anos de prisão, e nos Emirados Árabes, onde um soropositivo está preso há mais de 10 anos por ter HIV.

Enfim, esperamos, tal como a meta proposta pelo Unaids, que nos próximos anos não haja mais estigma, discriminação e preconceito contra quem vive com HIV. Nesse cenário, o que é que restará de diferente?

HIV_3D_modelo

“Carregamos cerca de 100.000 pedaços de DNA que vieram de retrovírus, conhecidos como retrovírus endógenos. No total, eles compõe estimados 5 a 8% de todo o genoma humano”, explica uma matéria da National Geographic, de 2015, que teve a colaboração de Carl Zimmer, autor do livro A Planet of Viruses.

“Os cientistas sabem que esta fusão aconteceu porque os vírus têm genes distintos. Quando os cientistas vasculham o genoma humano, às vezes se deparam com um trecho de DNA que carrega marcas de um vírus. O tipo mais fácil de vírus de reconhecer são os retrovírus, um grupo que inclui o HIV. Retrovírus fazem cópias de si mesmos infectando as células e, em seguida, usando uma enzima para inserir seus genes no DNA da célula hospedeira. Em seguida, a célula lê o DNA inserido e faz novas moléculas que se montam em novos vírus.

“Na maioria das vezes, os retrovírus se comportam como outros vírus, saltando de um hospedeiro para outro. Mas, por vezes, um retrovírus vai parar no genoma de um óvulo ou do esperma. Se, em seguida, ele terminar em um novo embrião, então o embrião vai levar uma cópia do vírus em cada uma de suas células, incluindo o seu próprio óvulo ou esperma. E assim por diante, de pais para filhos, aos netos.

“Não há como ter certeza de que estamos livres de novos retrovírus endógenos e se o HIV ou outros novos retrovírus irão dar um jeito e integrar nossos nossos genes” — se isso acontecer, bem, então os soronegativos é que vão ficar mais parecidos com soropositivos.

Anúncios

189 comentários

  1. Joao diz

    Artigo de grande valia e de esperança!!Me faz lembrar a segunda consulta com minha infecto quando perguntei se chegaria aos 90 anos rsrs!!kik:joaoarturlima

  2. Lukas diz

    Matéria elucidativa. Porém, acredito que a qualidade de vida dos HIV +, só aumentará, em âmbito social. Quando os arvs forem substituidos por medicações ministradas de outra forma, a obrigatoriedade de tomar o mrdicamento diariamente no mesmo horário, todos os dias, mesmo na formulação 3×1 gera desconforto imenso, priva a liberdade, faz a pessoa se sentir prisioneira e evitar o lazer e outras atividades no horário. Acho que este fator favorece o estresse, depressão e desordens sociais. Tenho plena certeza que caso fosse por meio intravenoso ou subcutâneo, com maior tempo de vida útil, menores doses, a sorologogia perderia o impacto social. Inclusive atuando na maneira como os outros enxergam o indivíduo positivo, e o foco passaria a ser apenas acompanhar indicadores de saúde e viver, de fato, normalmente. A morte biológica não me assusta, porém já vivo diariamente, com apenas um mês de terapia antiretroviral a mlrte social.

    • Victor diz

      Lucas, você não precisa ingerir o 3×1 no mesmo horário todos os dias. Existem uma grande flexibilidade no horário! A meia-vida da medicação é longa. Dr. Esper Kallas foi enfático ao dizer que deveria levar minha vida normalmente. E que poderia tomar os comprimidos em horários diferentes. Recomendou que eu ingerisse á noite, ao deitar, mas que poderia fazer uso dele em qualquer horário do dia. Inclusive citou um exemplo: “se você chegar da balada ás 05:00 da manhã, tome-o nesse horário). Minha outra infecto falou a mesma coisa. Estou em TARV há 3 semanas e tomo sempre antes de deitar, o que nunca acontece no mesmo horário. Acho que uma rotina ajuda a não esquecer do remédio! Mas não deixe que o fato de tomar apenas 1 comprimido ao dia (coisa que leva poucos segundos) leve á tua morte social. Vida normal amigo!

      • Caio PE diz

        Victor

        Quanto estava sua CV e CD4 antes do início dos ARVs? E quanto (se você já as fizeram) hoje?

        • Victor diz

          Olá Caio! Minha CV estava 387.000 é meu CD4 575. Vou repetir somente 3 meses do início da TARV! Darei notícias! Um abraço!

        • Jota diz

          Estou pra começar a tomar. Minha CV em torno de 2 mil e CD4 em mil. Meu médico pediu a genotipagem, por eu não saber de quem contraí o vírus, para assim, ter certeza de uma possível resistência do vírus a algum dos medicamentos e já acertar de cara no tratamento.

      • Passei tomar de manha, minha qualidade de sono melhorou e tenho os sonhos.Comigo não era sonhos horríveis, mas era tudo que tinha feito durante o dia. Agora não tenho mais

        • Anônimo diz

          Não consigo tomar de manhã, passei muito mau ..já faz um ano e ainda tenho pesadelos e meu peso estacionou 😑…pratico atv física e tal … e meu medo de não ter vida longa

          • Li diz

            Boa noite. Tenho 7 meses de diagnóstico e 6 de tarv 3×1 . No segundo mes passei a tomar de manhã, não sinto absolutamente nada. Minha vida continua normal como antes, exceto pelo fato de tomar 1 comprimido de manhã e fazer exames. Sempre tive uma ótima alimentação associada a atividades físicas. Minha cv inicial era de 43 mil, cd4 340 e relação cd4/8 de 0.5. Atualmente estou indetectável, cd4 1040 e relação cd4/8 1.28. Estou muito feliz com meus exames. Fácil não é, mas não é impossível.

    • Clop diz

      Lukas meu infecto me orientou da mesma forma que o Victor, tomar antes de dormir devido ao fato do Efavirenz deixar um pouco tonto, a um ano estou fazendo tratamento e continuo com a minha rotina normal, na verdade ficou até melhor pois diminui a ingestão de alcool e no meu segundo exame de carga viral já estava indetectável.

      • Ser Positivo diz

        Olá Crop,
        Como você está se sentindo? O Efavirenz causa algum tipo de fraqueza, apatia ou alterações psicológicas em você?
        Agradeço

        • CLOP diz

          Olá Ser Positivo

          As unicas alterações que eu senti foram os sonhos e no começo se eu levantasse de madrugada me sentia um pouco tonto, agora hoje em dia somente os sonhos de vez em quando mais.

    • Ricardo - Guarulhos diz

      Concordo com o “Victor” e com o “Clop”, tomo o ARV sempre antes de ir dormir e se eu sei que vou ficar até mais tarde numa balada, levo dentro do bolso para tomar após as 22hs, senão, tomo em casa quando eu chego. Fiquei indetectável 4 meses pós iniciar, e estou a dois anos assim, sem neuras, vivendo mais e melhor todos os dias !

    • Ledos diz

      Lukasss, bola pra frente amigo..essa história de morte social não tá com nada! NADA MUDOU, vc apenas tem que tomar um comprimidinho por dia e ir mais vezes ao médico. Me arrisco a dizer que a sua saúde agora vai estar melhor do que antes… Meu namorado toma o remedinho como os outros meninos ai, sem neura..se saimos e ele vai beber ele toma quando chegar da balada..tipo as 6 da manhã, durante a semana antes de dormir, sem nenhum horário fixo, as vezes meia noite, outras uma da manhã…a vida segue normal, tem que seguir..você não vai morrer, tem que seguir trabalhando estudando, namorando, indo pra balada e tudo mais…se tiver problemas com isso procure um profissional, uma psicóloga nunca é ruim. Abração amigo, fique bem, se cuide, cuide da sua cabeça e logo vc está zerado!

      • Amanda diz

        Parabéns por trazer esperança diária para todos nós que convivemos com HIV. Nossos irmãos que aqui postam também são super 10 nessa luta, sou feliz por ter vocês aqui. Muito obrigada por fazerem parte da minha vida.

  3. Hoje diz

    Boa matéria, quero viver até 70 anos, estará ótimo!! Sem lamentações!

  4. Jeinaina diz

    Como sempre vc esta atras de otimas informacao obrigado estamos juntos para viver melhor

  5. Fersp diz

    Muito bom, excelente artigo.

    É disso que todos nós precisamos, nos atentar a parte positiva da época em que vivemos, saber que podemos viver muito bem, nos cuidar, ter filhos, amar e viver uma vida normal.

    Obrigado pelo artigo Jovem.

    Agradeço por compartilhar informações em seu blog.

    Abraços

  6. legu diz

    Artigos como esse me faz ter esperança e nunca desistir…
    A CURA ESTÁ PRÓXIMA !!!
    EU CREIO…

    • GB diz

      boa há que ter fé .
      Eu só daqueles que não apanho a sida
      mas convivo com alguém q é seropositiva , e rezo para que fique sem ela

  7. Ser Positivo diz

    Boa tarde,
    Parabéns JS pelo seu trabalho e dedicação.
    O artigo, sem dúvida, nos deixa bastante felizes.
    Tenho algumas dúvidas: o que se diz efetivamente sobre o Efavirenz? Causa depressão ou será apenas “impressão”? Estou em tratamento há um ano, indetectavel , CD4 800 e exames gerais ok. Mas sinto forte ansiedade, perturbações pela manhã e às vezes fico apático. Meu médico insiste no 3×1 e pede uma avaliação psiquiátrica mas acho que é do remédio. Qual a opinião de vocês ? Agradeço.

    • Antonio Victor diz

      Tive muitos problemas c o efavirenz… meu médico insistia em manter o 3×1. Chegou a sugerir q eu não havia aceitado o meu diagnóstico após um ano! Confrontei-o afirmando q não era o sonho da minha vida ser positivo, mas aceitei o meu diagnóstico e gostaria de viver a promessa de uma vida mais próxima do normal. O efavirenz me deixava embriagado e tonto. Trabalhava como plantonista e tive q mudar de função. Enfim insisti numa alternativa ao 3×1 e após 10 meses sinto q estou vivendo novamente. Agora tomo 3 comprimidos: tenofovir+lamivudina, atazanavir e ritonavir e após completar uma semana estou aliviado. Briguem, se necessário, por um tratamento que interfira menos no dia a dia. Muitos não se adaptam ao tratamento com o efavirenz. Nós merecemos respeito e existem alternativas de tratamento. Um forte abraço a todos e vivam c plenitude.

      • Gustavo diz

        Olá, você conseguiu trocar a sua medicação? Tomo o 3 em 1 há três e tô no ápice da minha depressão, meu médico se recusa a trocar a medicação.

  8. Alan-RJ diz

    E ainda tem gente que reclama porque tem que tomar apenas 1 comprimido ( 3×1) ! Gente, pelo amor de Deus! vamos imaginar a galera que tratava-se nos anos 90 que ingeriam enormes quantidades de medicamentos por dia e os efeitos colaterais era muito maiores. Mesmo que hoje em dia ainda não tenhamos a cura definitiva, só pelo fato de termos a possibilidade de ingerir apenas 1 comprimido por dia já é uma grande vitória . Claro que o que gostaríamos seria a cura definitiva,mas vamos pensar pelo lado positivo das coisas. Não sabemos ainda quando vamos nos libertar destes remédios, mas tenhamos pensamentos positivos.

    • Caio PE diz

      No início dos anos 90, haviam pessoas que ingeriam VINTE E QUATRO COMPRIMIDOS (de 8 em 8h), diariamente. A medicina está avançando. Sucesso!

      • Caio PE diz

        Claro, 8 comprimidos a cada 8h, totalizando 24 cápsulas. O aue NÃO é pouco !

  9. Gil diz

    ÓTIMO ARTIGO! Esperançoso, lúcido, racional.
    Precisamos de mais tópicos que nos passem esperança.
    Daqui a alguns anos, estaremos sem o vírus, sem a chance de desenvolver. Pode demorar, mas a nossa geração (de 20 a 50 anos) terá esta oportunidade.
    Ao pessoal que reclama de tomar um comprimido ao dia (ou 3, como eu tomo), quando tiver e vacina de 8 semanas, vai ter gente reclamando: “ai, que chato, que horrível a cada dois meses ser espetado, ter de ir num CTA ou posto de saúde tomar vacina”. É a mesma lógica de quem reclama do gol, compra um fox, reclama do fox, compra um golf, depois um jetta, depois reclama também e quer mercedes… mas antes de tudo, esquece que andava de ônibus lotado…
    Não que não devamos evoluir, mas tem hora que reclamamos demais!

  10. Claudemar diz

    Excelente artigo. O meu resultado confirmatório positivo saiu hoje mas já conhecia seu blog e ele já me ajudou muito, tanto que o que sinto hoje é esperança. Obrigado por tudo.

  11. Unkown diz

    Olá, primeiramente boa noitee. Sei que esse não é o melhor post para tal, porém é o mais recente e encarem como um desabafo pessoal.
    Pouco mais de dois meses a pessoa que me jurou amores simplesmente me deixou. Fiquei desesperado, e na ânsia de me ver livre daquele sentimento que me consumia eu me vi com as mais diversas figuras e junto com a última delas o meu maior erro. Foi numa tarde de sábado, levado pelo momento, pelas aflições e outros inúmeros fatores tive uma relação desprotegida. Relação essa que me tiraria o sono alguns dias depois.
    O medo inicial foi bem grande, mas eu tentei esquecer e seguir minha vida. Sempre lendo sobre o assunto e já com medo de algum sintoma.
    Meu desespero começou exatos 30 dias passados dessa relação, comecei a passar terrivelmente mal e o meu feriado de 7 de setembro foi de cama. Fiquei um caco, meu corpo sentia cada sintoma e eu entrava em colapso de tanto pavor. 33 dias após o “dia zero”, fiz um exame para dst’s. O qual deu todo não reagente, inclusive para HIV, pelo método quimioluminescência. Mas isso ainda não se encaixava na minha cabeça, porque todo e cada sintoma eu apresentava, exceto um ou dois, o que já confortava um pouco minha alma. Um dia depois à esses não reagentes fui internado com o diagnóstico de pneumonia, fiquei durante três dias no hospital para o meu desespero, porque à essas alturas eu já não sabia o que era o que no meu organismo. Mesmo depois da internação os sintomas permaneciam. Tentei contato com a pessoa da relação e esta me bloqueou depois que a pedi para que fizesse um teste rápido, o que me destruiu. Tanta coisa se passou pela minha cabeça, tantas concepções, tantas decepções, tanta culpa, desespero, agonia, medo. E por ninguém saber o que se passava os dias foram passando e eu praticamente vegetei. Minha idéia era repetir os testes com 40 dias, porém hoje fazem 44 e eu ainda não tive coragem para tal.
    Parte de mim já se tranquilizou de que não foi nada grave, apenas infelizes coincidências. Mas a outra parte decidiu se apegar aos amigos, à família, à fé, ao amor, aos planos para o futuro e principalmente à mim. Independentemente do resultado.
    Apesar da confusão e das dúvidas ainda serem grandes eu vou tentando me encontrar.
    Bom, é isso aí amigos, precisava dividir isso com quem partilhasse de esperanças por mim. Quero parabenizar pelo blog, pois em momentos de angústia ele foi de grande valia para me agregar conhecimentos.
    Amanhã se completam 45 dias, e passando um dia, ou seja, na quarta feira, estarei fazendo novamente a quimioluminescência em busca de antígeno p24 ou anticorpos. Eu torno a compartilhar minha experiência.
    Orem por mim!
    Agradeço pela atenção. Deus abençoe.

    Desabafo de um anônimo, cujo sentido e filosofias de vida foram totalmente destruídas. Mas a luta dia a dia para um renascer ainda é maior que tudo.

    • Gil diz

      Sabe, Unknow, a impressão que dá é que você realmente quer ter o vírus ou quer ficar com esta angústia, este sofrimento, quem sabe para ficar se martirizando, se punindo pela relação que chegou ao fim de forma dolorida. Sejamos práticos:
      Se tiver o vírus, é triste, ruim, compliado aceitar, mas está lá para ser neutralizado! Aí, sem maiores dramas. Tens e pronto, faça os exames, tome os remédios, reorganize a vida e vá viver.
      Se não tiver, que maravilha, uma preocupação a menos. Faça menos drama, pense antes de agir e use preservativo para sempre.
      Depois, procure terapia para entender a necessidade de sofrer, de se autodestruir, de depender tanto assim de alguém, como se a vida fosse só coração, paixão e sofrência.

    • Matheus diz

      É importante desabafar, fica tranquilo! Talvez os sintomas que vc sentiu tenham sido devido a preocupaçao, já ouvi muitos casos assim. Mas de qqr forma eu recomendo vc ir a um CTA e fazer um teste rápido. Com 45 dias após a exposição ja da pra fazer o exame. Dê notícias!

    • Amanda diz

      Amigo, tenha fé em Deus, eu tambem passei por isso, estava grávida, no início do nono mês de gestação, quando meu marido foi diagnosticado positivo para HIV, entrei em desespero, fui impedida de amamentar, fiz vários testes por 7 meses consecutivos, mas nunca soroconverti. Passado susto, passei a conhecer melhor a realidade das pessoas que convivem com HIV, meu marido começou a tomar o 3×1 e está super bem, e meu medo diminuiu a medida que comecei a compartilhar aqui minhas experiências. Fique tranquilo, você provavelmente não contraiu, além disso, há vida pós HIV e uma vida linda. De qualquer forma não esqueça de se prevenir durante as relações, vai evitar que fique dependente de remédios a vida toda. Boa sorte!

        • Amanda diz

          Oi Rogério, eu não entendi ainda oque é esse kiki, vc pode me explicar? Rsss. Poderíamos conversar sim.

  12. Fernandinha diz

    Alguém teve suas taxas de tireoide aumentada por causa do tratamento?

    • JJ diz

      Olá Fernandinha, questionei ontem meu médico sobre isso, ele disse q não era do conhecimento dele que os arvs causassem reação na tireóide, mais os conhecidos msm, estomacais, gastrointestinais, renais etc. Perguntei a ele pq essa semana descobri mt dolorosamente onde realmente fica a glândula tireóide. Fiz troca da tarv no início do mês e antes de 15 dias comecei c sintomas de rinite sinusite tosse e garganta infeccionada (era como eu sentia), nd de passar os sintomas c medicamentos comprados por conta, ao contrário, só aumentando. Na quarta passada, dia 26, a dor “de garganta” aumentou, foi aí q percebi onde realmente doía, não por dentro da garganta e sim na frente por fora, bem no final do pescoço quase no colo, dor ao tossir por expandir e dor ao toque msm, muita dor. Fui na quinta-feira cedo trabalhar, mas passei a manhã td deitada, qdo um colega me deu aquela chamada, “JJ se vc não está se sentindo bem vai ao médico, pq a …. (local onde trabalho) não está nem aí p vc, vc é só mais um, vai cuidar da sua saúde”. Fui ao PA de um hospital, expliquei td, o médico do plantão examinou e pediu exame de tsh, após 1hr o resultado, o limite era 2 ou 20 (sei lá) e o meu tava 7 ou 70, receitou anti inflamatorio e fui embora. No dia seguinte lá estava eu no infecto enchendo ele de perguntas, pediu exames mais específicos e ultrassom, mas não soube me responder se tinha relação hiv/arvs/tireóide. Se alguém souber de algum artigo q fça essa relação informa a gente aí.

    • JJ diz

      *Corrigindo “exame VHS – velocidade de hemossedimentaçao” e não tsh.

  13. Verdes Olhos diz

    Belo texto. Mas, honestamente, me parece insuportável conviver até 2030 (ou mais) com este vírus e todo o estigma que ele nos acarreta.
    Às vezes, sinto que falta união entre as pessoas + . União política, pra pressionar por avanços significativos no tratamento em todo o mundo. Certamente, o anonimato de cada um de nós é um grande obstáculo para uma união mais efetiva.

    Pra mim, essa ideia de que basta um comprimido por dia (no meu caso, 3) já está obsoleta.

    Cadê os medicamentos injetáveis mensalmente? Cadê a PrEP? E as possibilidades de CURA? Será mesmo que vamos ultrapassar 2030 nos contentando em tomar um comprimido com apenas um medicamento? E continuar vivendo com a tensão a cada novo relacionamento? Continuar vivendo uma vida dupla, escondendo nossa condição de praticamente todos os conhecidos e familiares?

    Sei lá. Honestamente, ser quase soronegativo às custas de um comprimido diário ainda é uma situação muito desagradável. Há duas décadas essa situação era pior? Muito pior, com certeza. Mas a situação melhorou muito devido à luta das pessoas daquela época, que foram pra rua exigir avanços no tratamento. Agora, ao contrário, vejo um discurso conformista em muitos lugares, como se negasse a possibilidade de que a situação DEVE ser MUITO melhor do que é. Não podemos nos contentar com comprimidos diários (que, além da chatice, trazem alguns efeitos colaterais a longo prazo). Temos que mentalizar e exigir a cura, que já se mostra no horizonte. O que falta para a cura acontecer não é conhecimento científico, mas maiores investimentos financeiros para efetivar as pesquisas. Porque nós não somos apenas “pacientes crônicos”: nós somos consumidores fiéis de um produto vendido por empresas bilionárias que fazem seus planos de negócios a médio e longo prazo. Vamos ser fiéis consumidores até quando? Até a eternidade? Tô fora!

  14. Luke diz

    Gela meu coração ler essa relação de HIV com câncer. Eu tenho depressão e por muito tempo pedi a morte, quando descobri o HIV mês passado dei mais valor a vida e não quero morrer de jeito algum, quero lutar pra vencer isso. Entretanto, me sinto extremamente triste e desanimado ainda, com medo de tudo, especialmente de me relacionar de novo, de nunca ser aceito por alguém. Ainda mais aqui em Cuiabá onde tudo parece só andar pra trás. Enfim, ainda torço pela cura. Que o universo a traga. :/

  15. Luke diz

    Essa ideia de câncer devido ao HIV me faz gelar. Há 5 anos tenho depressão e sempre pedi a morte, procurava meios de me matar. Hoje, um mês após começar a tomar o 3×1 e dois mês após descobrir o vírus, luto todos os dias para poder continuar a viver, mesmo que seja com medo, triste, sozinho ou sem esperanças de um dia encontrar um homem que me aceite nessa condição e queira viver comigo. O que mais está doendo agora é a solidão. Infelizmente me isolei e não consigo conversar com ninguém sobre isso. Minha mãe tenta ajudar, mas não é suficiente. Agradeço ao Destino por ter me dado uma mãe que me apoia até numa situação como essa, mas tenho medo do que será quando eu a perder. Se já tem muito preconceito com gays aqui em Cuiabá, quero nem imaginar com soropositivo… Espero ter uma vida normal :/

  16. Ledos diz

    Oi amigos! Tempão que não escrevia aqui…adorei o texto Jovem, parabéns mais uma vez!
    Eu espero que essas informações se espalhem na sociedade de forma concreta, pois ficam restritas a poucas pessoas, que por motivos óbvios buscam informações sobre o tema. Quando vi o HIV de frente, em janeiro desse ano, quando meu namorado foi diagnosticado inesperadamente, eu não sabia sobre os principais aspectos de como é viver com HIV, dos avanços científicos e de outras informações de grande importância…sabia é claro que ele não iria morrer, mas tive medo, angustia, me senti perdido e sozinho…desinformado!
    Hoje, quase um ano desse dia que marcou nossa história, após fazer meus exames e ser negativo, posso dizer que tudo que li aqui, os relatos dos amigos se confirmaram..nossa vida seguiu normal, os remédios são eficazes e nós nem lembramos mais do vírus. Nosso relacionamento se fortaleceu, amadureceu. Me muni de informações e seguimos em frente. Nossas briguinhas e besteiras de relacionamento nenhuma está envolvida o HIV, somos um casal sorodiscordantes ou não…pq somos um casal totalmente normal, com uma rotina normal, lutando e conquistando nosso espaço. Muita alegria em ler esse texto. Espero que ele ajude outras pessoas como um dia fui ajudado aqui. Beijão no coração de todos! ❤

    • James diz

      Que bacana! Aconteceu o mesmo comigo e a relação amadureceu num nível absurdamente bom. Pode parecer balela, mas, ATÉ AGORA, isso só trouxe coisas boas para nós. Parece que a vida começa a ter um sentido diferente e você tem algo para lutar. Há a necessidade de se sentir forte para enfrentar aquilo.

      Vida longa e próspera para todos nós 😉

  17. Gil diz

    Pessoal, quero dividir a experiência que tive hoje.
    Abri a minha sorologia a todos os professores da escola pública onde trabalho!
    Cheguei e falei, para não haver boatos, fofocas e para mostrar que pode ser qualquer um, que não tenho nada de errado ou monstruoso, que é hora de quebrar o tabu e sairmos do anonimato, na medida do possível.
    Quando descobri o HIV em mim, saía para fazer exames, tinha também hepatite e mais 4 infecções (o pulso ainda pulsa!), trazia atestado, quando faltava aos plantões.
    Fiz cirurgia este ano, voltei antes do previsto, mesmo com atestado maior. Mas um professor faltoso invocou com “os privilegiados”
    Para afastar esta conversa de faltar demais, sendo que repus todos os dias (em dias diferentes dos que estes vinham), eu fui à sala dos professores na hora do intervalo e disse que era soropositivo, que não era o fim do mundo, que não transmito,não estou doente, sou forte, sadio e estava bem, que relaxassem, porque não queria transar com ninguém dali, com ou sem camisinha. (e que ao invés de apontar, faltassem menos, os alunos querem aula!)
    Expliquei que minha vida continua e que, mesmo com tudo o que sofri até o susto passar, curar a hepatite e tals, estava ali, sempre sorrindo e que ninguém desconfiava, se eu não contasse, porque o vírus não vê cara…
    Senti o choque, o alívio, o apoio e os faltosos com vergonha, porque por qualquer merdinha faltam, e a gente ali, batalhando e, mesmo não precisando, se esforçando, repondo, vivendo.
    Para mim, foi tranquilo, certo alívio. Chega de esconder isto como se eu fosse um criminoso!

      • Gil diz

        Moro em João Pessoa -PB, mas não vou contar para ninguém, ou o Aquele-que-Não-Se-Diz-o-Nome pode querer me visitar, kkkkk…

    • Fersp diz

      Belo exemplo meu amigo, um dia chego lá, parabéns pela iniciativa.

      Se todos nós, de todas áreas, classes sociais nos mostrássemos, tal como somos, saudáveis, esportistas, médicos, professores, advogados, ou quaisquer outro profissional de quaisquer área e quaisquer condição, com certeza iríamos derrubar o pré-conceito.

      Abraços

  18. Acreboy diz

    Texto bastante elucidativo.
    Parabéns mais uma vez JS. Sua luta, nossa luta, torna-se mais branda com essas palavras.
    Abs

  19. Lv Antônio diz

    Olá pessoal, boa noite!

    Tem um tempinho que não comento mas leio os artigos e comentários sempre antes de dormir. E fiquei muito feliz com o artigo de hoje! Ótimo para começar a semana!

    Gostaria que meu ex namorado pudesse lê lo. Foi muito doloroso pra mim ser ignorado por termos descoberto juntos, sendo eu positivo e ele não. Nosso relacionamento acabou e nossa vida seguiu, mas ainda sinto sua falta.

    Estar indetectavel é ótimo! Iniciei meu tratamento em março e já em maio estava indetectavel. Tomo meu 3×1 todo dia e nem me lembro que tenho hiv. Hoje me cuido muito, me alimento melhor, continuo tomando minha cerveja e meu vinho, mas não fumo. Continuo vivendo até mais que antes do diagnóstico.

    Hoje me permito a fazer o que eu quero e o que eu gosto. Me permito dizer não, me permito viver experiências antes dominadas por preconceitos. Hoje, eu penso maisso em mim, mesmo olhando para o outro.

    Amadureci nestes 7 meses de hiv e o que sinto falta é de ter um namorado. É foda mas eu chego lá kkkk alguém aí de bh kkkk.

    Um abraço e ótima semana a todos!

  20. CALP1968 diz

    Também gostei bastante do artigo, e venho como educador trabalhando com meus alunos e em debates em grupos operativos alguns de seus textos. Gostaria de parabenizar, pois seus textos, em sua grande maioria são muito bem tecidos. No entanto, como soropositivo, minha inquietação está em torno da pesquisa do Dr. Paulo Gouveia do Tocantins, apresentada em junho de 2016, e que está sendo desenvolvida pela UNIFESP sob a Coordenação do Dr. Ricardo Froes Dias, “O Projeto Mutamba”, da possibilidade de cura a partir do chá da folha da mutamba. Quais informações você tem a respeito dessa pesquisa? Você que obteve informações dessa última conferência mundial, o que foi falado a respeito? Isto é: se houve alguma consideração a respeito. Grato.

    • Caio PE diz

      Passou no Fantástico (há um mês) que tudo isso era balela, conversa fiada.

    • Gil diz

      Ele é um enganador, passou recentemente no Fantástico, é um falastrão, não cura nem unha encravada aquela enganação do cara do Tocantins… é charlatanice pura!

  21. Vamos ver se este passa. Ninguém morre mais de AIDS. Entre os anos de 2000 e 2011, no Estado de São Paulo. 11.000 pessoas morreram em decorrencias da infecção por HIV ou por contas de complecação causadas pela AIDS. Eu ficaria encantado se alguém pudesse e mostrar um documeto, chancelado pela Secretaria Estadual de Saude dizendo que o quadro mudou de forma tão maravilhosa!

    Ou detalhe é que, aqui neste blog, onde impera um otimismo editoria que beira à irresponsabilidade foi publivaco um video (na verdade uma super produção, da aMFAR, prometendo a cura para 2020. A resposta da comunidade, que está em meu site, onde se exibe o mesmo video, a titulo de exposição, a comunidade científica respondeu imediatamente com um texto que contradiz tudo que a amfar, em sua superprodução, prometei, que eu coloquei, ipos literis, com a devida licença idiomática o artigo uqe está neste link https://soropositivo.org/2016/02/16/a-cura-para-o-hiv-ai-na-frente-virando-a-esquina/ (pago para ver este comentário publicado). Voltando no tempo, tive ua amiga, Amarils, que tinha uma carga viral indetectável, uma contage de CD4 beirando os 1000 e que foi acometida por u linfoma “nao hodgkins” e, numa bela manha, acordou sem os movimentos das pernas. Como ela sempre foi uma pessoa precavida, dormia com o telefone na cama e pediu socorro a uma amiga, que a socorreu no Hospital São Camilo, tido e havido como o Melhor da Zona Norte e faleceu 15 dias depois de longa agonia. A infecção por HIV e a AIDS são uma espécie de doença personalizada que adota um curso diferente em cada pessoa e eu estoou vivendo com ela ha 22 anos e já vi muita coisa, e muita promessa de cura uqe se esvaziou e semanas… Eu vivi dois anos ao vai da valsa, pois em 1994 não havia tratamento e eu perdi a conta de a quantos funerais eu compareci, sempre me perguntando quando seria a minha vez. Em 1996 sugiu o coqutel e eu ainda vi muita gente morrer de, or exemplo, pancreatite fulminante (um efeito colateral do DDI) e de tuberculose cerebral, bem como tuberculose miliar, disseminada por todo o corpo.
    Quanto à morte social, estou ha seis anos sem receber auxilio doença e tod vez que consigo um emprego a vaga se fecha porque, no meu NIT, consta o codigo do saque do Fundo que, na época não era genérico e significava AIDS. Havia sempre um burburinho quado a moça do caixa dizia que tinha um caso de zyzyl (exemplo ilustrativo) que era uma caguetagem sobre a presença de uma pessoa com AIDS no ambiente da Agência.

    Com relação ao DR Espr Kallas, nada tenho de ruim para falar sobre ele, mas também não tenho nada de Bom e, mesmo que me pagassem para abandonar meu tratamento com a Dra Angela Atomya, para ir se tratar com o Dr Kallas, eu não iria. Pubicar um artigo como este é como dar licença para transar sem camisinha porque a cura da AIDS esta bem perto. Eu só não convidarei vcoe, jove soropoitivo a ir me ajudar a contar os cadavers pq vc não é uma pessoa e, sim, um personagem fictício que, eu bem sei, pode ser materalizado com algum dinheiro.
    A AIDS é uma doença mostral e eu publiquei em outro lugar, este artigo lugar: http://jornalggn.com.br/blog/claudio-souza/aids-a-%E2%80%9Cdoenca-cronica%E2%80%9D

    Imorta ainda informar que, depois de 22 anos vivedo com HIV eu soro de neuropatia periférica, resultante da ação do HIV, que tem tropismo (https://pt.wikipedia.org/wiki/Tropismo_viral)
    pelo sistema nervoso e, para digitar este texto eu só tenho os dedos indicadores. Além disso, o HIV já causou u cavernoma no meu cerebelo esquerdo e eu, para não viver caindo, ando de bengala e, para todos os efeitos, estou fazendo o screen shot desta página e se ela não for publicada aqui, será publicada no meu site e, creia-me, eu tenho um excelente suporte jurídico, que se torna ainda mais aguerrido quando eu me manifesto para combater informações nadequaas que, quer gostemos ou não, pode levar à uma crise humanitaria. Esta página, e meus comentários estao copiadas e servirão para documentar o que quer que seja necessário documentar, porque eu não estou disposto a ver este naipe de informação se espalhando como um carcer e uma esécie de autorização do tipo: Podem transar sem caminha, afinal, nós não morremos mais de aids. Nós não vamos viver menos que uma pessoa que não tem HIV. Com tratamento antirretroviral e carga viral indetectável, nós não transmitimos o HIV através de relação sexual. Temos o código genético do vírus integrado em algumas células, mas provavelmente seremos a geração de soropositivos que vai experimentar a cura.

    • Victor diz

      Cláudio, também acho que o JS goza de um otimismo invejável. Mas veja bem, ele disse que hoje pessoas que fazem o tratamento de forma adequada não morrem mais de AIDS. Infelizmente sabe-se que grande parte dos soropositivos apenas “descobre” sua sorologia quando é acometido por alguma doença oportunista. Sabe-se também que, quanto mais tempo de evolução e mais baixo o CD4 no início do tratamento, pior o prognóstico.

      Sabe, eu tinha um amigo jovem, forte e saudável. Praticava esportes e se alimentava bem. Não tinha nenhum vício. Em poucas semanas foi levado por uma leucemia, aos 33 anos de idade. Ele era soronegativo. A morte assume diversas faces, tanto para soropositivos quanto para soronegativos. Por sermos soropositivos em tratamento, não vamos deixar de ter doenças cardiovasculares, especialmente se formos sedentários, não vamos deixar de ter câncer, não vamos deixar de adoecer por todas as outras milhares de causas que também acometem todo o restante da população.

      Nossa expectativa de vida ainda é menor que a de um soronegativo, porém sabe-se que o tabagismo e o etilismo são mais prevalentes nos soropositivos. E eu, pessoalmente, acredito que o impacto emocional diário da sorologia também tem impacto na nossa sobrevida, afinal, mente e corpo estão conectados.

      Talvez o JS seja excessivamente otimista e talvez você seja extremamente pessimista. Vocês são pessoas diferentes e tiveram vivências diferentes. Você experimentou o lado mais devastador do HIV, no início da epidemia.

      Não acredito que a cura do HIV esteja próxima. Mas acho possível, embora improvável, que eu a veja em meu tempo de vida. Até 2 anos atrás a hepatite C não tinha cura. E é uma doença viral, assim como o HIV. Existem pesquisas avançadas no campo da cura funcional. Existem medicamentos muito menos tóxicos e mais eficazes, os quais infelizmente a maioria de nós ainda não tem acesso. Isso por enquanto. Eu estou tentando fazer a minha parte para estar bem e a apto a recebê-los quando eles estiverem disponíveis.

      Você tem razão quando diz que o HIV assume uma face personalizada em cada indivíduo. Eu, pessoalmente, acredito que isso ocorra não por causa do vírus em si, mas porque somos totalmente diferentes uns dos outros. Somos geneticamente e socialmente diferentes. Existe quem fuma, quem é obeso, quem não faz exercícios, quem não se alimenta de forma adequada, quem é deprimido e tem uma lente cinza para tudo na vida. E existe o oposto disso. A cada dia que passa temos a chance de mudar algo em nós mesmos para melhor. Você conhece o medalhista olímpico Greg Louganis? Ele é soropositivo há 28 anos. Quando fico desanimado, imediatamente penso nele.

      Por último, acho teu depoimento emocionante e muito valioso, mas não acredito que o medo ou “terrorismo” tragam algum benefício a qualquer pessoa, independente de sua sorologia. Eu sempre tive pavor de HIV, sempre usei preservativos, e cá estou, soropositivo. Continuo trabalhando, estudando, saindo com meus amigos e familiares e vivendo.

      Eu estou bem hoje, e por ora, não há nada que me faça pensar que as coisas estarão diferentes amanhã. Quando li este texto, a última coisa que me passou pela cabeça foi: “oba, posso transar sem camisinha”. Para ser honesto, sequer pensei em sexo. O que eu senti é que ainda tenho muita coisa para ser vivida. Que não posso e não devo tornar-me prisioneiro do medo. O medo nos paralisa, nos impede de viver. “A cada dia basta o seu mal”. Portanto, amigos, continuemos a viver até o momento que Deus permitir. Não vamos sofrer antecipadamente. Sejamos gratos por cada dia de vida. Tenhamos serenidade e leveza para enfrentar os tropeços e dificuldades. Não deixemos essa sorologia dominar nossa vida e nossos pensamentos. Vamos agradecer a vida, perdoar nossos erros, eliminar a culpa e amar os outros e a nós mesmos. Pratiquem exercícios físicos, alimentem-se bem, estudem, pratiquem ioga, aprendam um novo idioma, descubram algo que lhes dê prazer… tenham metas e planos de vida!

      Um abraço a todos!

      • Vítor, eu respondi longamente a um comentário de outra pessoa e lá já há muito a se ver. Eu sei o que vi, e o que vivi. Acabo de me lembrar que, nos EEUU, o então Presidente Ronald Reagan afirmou que eles teria uma vacina para a cura em “dois ou três anos”. Ele, o Reagan, já está morto, e se tem uma coisa que eu gostaria muito de fazer, era a de ir no tumulo dele e mijar em cima. A grande diferença entre o otimista e o pesimistas muitas vezes é que o pessimista geralmente é uma cara muito mais bem informado.
        Esta é a primeira versão do site que eu criei dezesseis anos atras. Há um link convidando para entrar. Eu lhe dou minha palavra de honra que não há nenhuma ameaça ou risco lá. Leia o meu primeiro editorial e pense se ele ainda não é atual e se ele não poderia ser reeditado ainda hoje… porque nada mudou http://web.archive.org/web/20000821182929/http://www.soropositivo.org/ e 30% das pessoas no Brasil, não trabalhariam junto a um soropositivo http://soropositivo.org/2015/05/02/em-2010-a-unaids-fez-um-levantamento-que-apurou-a-seguinte-realidade-quase-30-dos-brasileiros-se-recusam-a-trabalhar-com-soropositivos/

        • Victor diz

          Claúdio, desculpe-me, mas discordo de você. Fiz faculdade e residência médica em uma excelente universidade, na qual passei 6 meses em uma enfermaria de infectologia, em um Hospital referência para HIV. Depois de ter descoberto minha sorologia devorei um conteúdo científico gigantesco, com artigos e revisões de revistas e periódicos extremamente confiáveis. Sou bem informado e realista. Mas não pessimista. Minha mãe faleceu recentemente em decorrência de um câncer extremamente agressivo. Lutou por 13 anos contra a doença, quando todos os médicos apontavam prognósticos horríveis, com sobrevida menor que 1 ano. Ela nunca reclamou. Apesar de todas as sequelas que o câncer provocou, sempre a vi otimista, com um sorriso no rosto, lúcida até o último momento. Você já ouviu falar de resiliência? A dela era gigante! A minha é grande! Sou um otimista convicto!

          • Victor, eu lamento a sua perda. A perda de uma mãe (infelizmente não temos duas) é algo terrível e eu terei isso descrito na minha biografia. O ponto em questão não é otimismo ou pessimismo. O que está em questão aqui é o seguinte. A “Entidade” Jovem Soropositivo, independentemente de ser uma pessoa ou um personagem ficticio se tornou, de certa forma, para muitas pessoas, um líder.

            O artigo que me chamou ao site (e vc é médico, sabe que eu tenho minhas razões começa assim:

            Nós não morremos mais de aids. Nós não vamos viver menos que uma pessoa que não tem HIV. Com tratamento antirretroviral e carga viral indetectável, nós não transmitimos o HIV através de relação sexual.

            A primeira coisa que eu disse foi que entre o ano 2000 e o ano 2011 mais de 11.000 pessoas morreram, na cidade de São Paulo, em decorrência das complicações da AIDS.

            Foi uma amiga que me ligou e sugeriu que eu procurasse por soropositivo no google e olhasse minuciosamente os resultados e eu segui a orientação dela e vi isso aqui

            Infelizmente alguém publicou um livro chamado “não me faça pensar”, que foi um estrondoso sucesso de vendas, pois é justamente isso que as pessoas querem: “Não pensar”. Uma pessoa lê isso, duas leem isso, milhares leem isso e não clicam no link, mas no subconsciente delas fica a msg (minha geração conhecerá a cura para a AIDS). Eu espero que sim, mas eu não vivo pensando nisso. Tenho outras preocupações, e uma delas é “como conduzir informação para aquelas que veem em mim “um líder”. Eu comecei este site em agosto de 2000 com outro nome
            Soropositivo Home Page; não havia blog, havia home pages. Eu pensei em criar o meu “Diário de um Soropositivo”. Mas a coisa tomou rumos que eu não previ. E, derepente, eu estava com milhares de visitas por dia com pessoas buscando informações e fazendo perguntas que eu não sabia a resposta. Mas me vi no dever de responder estas perguntas e o blog foi crescendo. Durante muito tempo ele foi o ´punico, além do do Ministério da Saúde, que me recia alguma respeitabilidade e eu não nego isso ao JS (isso me faz lembrar de java script,m mas vá lá).

            O grande problema não reside nas pessoas que leem a noticia, embora eu a considere um tanto desfocada, especialmente se confrontada com coisas que eu tenho lido e venho traduzindo na medida do possivel. O problema primário é esta resposta que aparece no google, que se baseia no seu conteúdo, ou no meu quando o caso é o meu.

            Vc tem razão, otimismo faz bem. Mas otimismo consciente. Eu sei o que vi e não quero que isso volte a acontecer. E, entretanto, o Brasil, que já foi referência em resposta à AIDS está, hoje, na contra-mão de si mesmo e a cada dia que passa, pior fica. Eu tinha deixado este assuntoi de lado, mas como vc me tratou com respeito eu voltei para ponderar. Sabe qual é a página mais procurada do meu site? eu te motsro ela. Não leia o conteudo, pq ninguém le, leia os comentários. É uma multidão, desde que pubiquei a página ja sao dois mil comentários só nesta página e todos qurem saber se 12 meses de janela imunológica o resultado é confiável. Eles menciona nomes de testes que eu nem imaginava existirem, pq eu não preciso me testar, eu ja sei meu resultado e não tenho a menor preocupação com a ideia de morrer por conta da AIDS ou não. Eu quero viver e, parte de minha vida, é este trabalho. O que me importa muito é o momento em que meu espírito deixar esta roupagem que certamente (eu acredito nisso) velha e carcomida com a certeza que fiz o meu melhor! Não só no que tange ao combate à AIDS, mas também com relação ao futuro de minhas filhas, que tem 32 e 30 anos (pensem nisso). Vc sabe pouco sobre mi e não tem ideia do que é resiliência quando se trata de mim, mas minha biografia estará pronta dia 1º de dezembro e quem quiser, poderá conhecer minha história. Em suma, Victor, eu me manifestei em relação a algo que não considero certo, tenho estes direitos (o de discordar e o de manifestar isso) e manifestei-me. Fui agredido – Um trabalho de dezesseis anos chamado de lixo por alguém que nem imagina o que está por detrás da historia deste site. Mas sempre é tempo de se saber. Resta-me apenas duas coisas a serem ditas. Como alguém pode fazer militância oculto por detrás de um avatar? A outra pe que sempre que eu discordar de alguma coisa, neste campo, o das ideias e vir algo que eu considere potencialmente perigoso (os dois sites tratam de saúde pública e lidam com vidas humanas; é peciso responsabilidade nisso. Reagan minimizou os riscos da AIDS e disse que a vacina seria criada em dois ou tres anos… a história fala por si. Eu teria muito a te dizer victor, mas não aqui, se vc quiser, entre em meu site, lá eu tenho um whatz app público no qual eu atendo tantas pessoas quantas me forem possível atender e procuro dar a elas, esperança. Não insensatez…. Foi um prazer falar com vc

            • Anjo terapeuta diz

              Claudio vc e o js tem muito a oferecer, cada um do seu jeito, vc é importante tbm seu blog é importante imagino quanta vida vc salvou nesses anos. O jeito q vc levou o dialogo pode para muitos parecer arrogante e ignorante mas quando conversou cm victor demostrou ser uma pessoa boa. Olha a difereça entre vc e o js esta no jeito de ver as coisas e no tempo que cada um vive. Fica com Deus vc tbm é guerreiro e estamos todos do mesmo lado.

              • Eu não sou guerreiro. E mal posso comigo a esta altura. Mas dizer: “quase soronegativos e plantar uma falácia”. Eu não tenho um modo diferente de ver. Eu tenho um jeito diferente de me postar. Com a cara e a coragem. As justificativas que eu li em certa entrevista, aquela parte da meia duzia de países onde soropositivo não entra… Bem, eu não pretendo ir a estes lugares, e creio que poucos de vocês também tem algum interesse. A minha inquietação é com o número crescente de JOVENS, especialmente meninas, contraindo HIV. Eu convido vocês a me conhecrem melhor, neste link https://soropositivo.org/2017/08/08/raios-que-caem-de-como-espm-me-descobriu-e-descobriu-soropositivo-org/ e, quem sabe se vocês vendo o meu rosto quando eu falo que durante uma época eu ia a pelo menos um funeral por dia, às vezes dois, voc~es possam me enender. A verdade é uma só:
                Eu considero a PrEP e a TasP como uma espécie de segunda camada de proteção. Eu sou casado, amo minha mulher e dificilmente alguma outra poderá entrar na cozinha em que ela ás vezes trabalha, porque eu vim, pela vida, buscando sempre o melhor e, estou certo, melhor que Mara, só Mara. Mas se eu fosse livre, desimpedido e fosse me relacinar como uma mulher sorodivergente tres coiss aconteceriam:

                1-) El a só iria para um quarto de motel comigo depois de saber minha sorologia e estar certa que quer viver isso
                2-) Ela teria de me acompanhar em consulta com minha médica. Se minha médica a convencesse a usar PrEP ou TasP isso seria decisão de foro íntimo dela
                3-) nada no mundo me faria abandonar o uso de preservativo. Se vc é portador de HIV vc sabe o quanto isso é desagradável e uma antiga namorada me disse:
                -“Não se passa HIV nem para um inimigo, certo”?
                -“Certo”!
                -“E ninguém vai para a cama com uma inimiga, certo”?
                -“Certo”.
                Ela me beijou e nós não sabíamos, mas aqueles cinco dias foram os únicos em que estivémos juntos e eu jamais a veria novamente… Whatever.

                Mas este curto diálogo, no portão de embarque estão comigo há quase 20 anos, que pode ser a idade da maioria de vcs. Não é a coisa de impor medo. é a de incutir responsabilidade.
                Eu e minha esposa, que vivemos juntos há mais de 15 anos, mais outros cinco de namoro, e que não imaginávamos tudo isso, decidimos não ter uma criança, para não submetê-la (hipotéticamente) ao risco da orfandade.
                Temos conversado e, talvez, nós venhamos a adotar uma criança soropositiva

            • Zimba diz

              Meu Deus!! Claudio, tu quer desanimar as pessoas? Dá essa impressão!
              Acho que esse tipo de comentário vc deveria guardar pra vc!
              Esperança e bom comportamento junto a adesão ao tratamento é o que nos resta!
              Cada caso é um caso, e essas pessoas que faleceram (infelizmente), não sabemos se aderiram ao tratamento, e se aderiram se foi cedo ou tarde!

              Passe bem!

          • Tyago Carvalho diz

            tb sou médico e passando por essa situação, ainda estou realizando exames. Seria bom ter alguém para conversar, se puder dar uma ajuda ficaria grato. Meu email tyagonoex@outlook.com. obg

          • Tyago Carvalho diz

            Sou médico tb, se tiver interesse entra em contato comigo no kik , tyagocarvalho meu nick. Obrigado

        • Alexandre diz

          Cláudio, apesar de discordar de vc em quase tudo vejo que vc é importante para nós.
          Bora brigar!!! Tirar esses caras da zona de conforto. Eu não tenho essa coragem, por isso penso que vc é importante para nós.

          • Caio PE diz

            Alexandre (ou revoltado ou seja lá qual seja seus múltiplos nicks): deixe de ser RIDÍCULO. Ninguém está aqui para BRIGAR, tão pouco TIRAR ESSES CARAS DA ZONA DE CONFORTO. Esse blog é feito por soropositivos e por soronegativos que buscam ajuda mútua. E as notícias trazidas aqui por CARAS DA ZONA DE CONFORTO são as notícias mais atuais e que ajudam (e muitos) todos na esperança (e realidades) contra a doença.

            • Alexandre diz

              Caio, conforme previsto vc tem muita dificuldade para entender as coisas. Também, esperar o que de uma cara que não tem opinião própria? Um cara que não sabe interpretar um texto com 5 linhas. Cara, não tem como levar uma discussão com vc adiante. Seria covardia da minha parte. Chame o Gil para te defender e manipular as suas opiniões. Idiota, eu não quis dizer brigar aqui no blog. Eu quis dizer brigar por coisas melhores para nós, seu burro. Vai estudar e trabalhar pra depois me chamar de ridículo.
              Já mandou lembranças pra ela???

              • Gil diz

                Ei, “Aquele que não se diz o nome”, lembrou de mim, hein, querido carimbador enrustido?
                A tua tara por mim é mais forte que o desejo do Claúdio Urubu Souza Coveiro de contar defunto!
                Se não tiver mais o que fazer, se embrulha pra presente (de mau gosto) que a gente de leva pra esse pulha do soropositivo.org.
                Se a presença do Caio, minha ou das centenas que não te topam incomoda, faça um favor pro mundo: vá cantar na freguesia do Cláudio…
                Com vc só no deboche… mau caráter…

                • Alexandre diz

                  KKKKKKK! E num é que o Gil continua lendo meus comentários?
                  #euseiqueogilmelê

                  • Gil diz

                    Para você, é uma honra, então… dá a impressão que você, por dentro, é daquele tipo de morador de rua que comemora se alguém o nota. Chamar a atenção é sua praia…
                    Mas sério: No fundo te entendo, acabo lendo. Só dá um misto de nojo e pena, mas faz parte do meu treinamento de tolerância.

        • Obrigado JS por ajudar cada um de nós a ter esperança mesmo que seja pouca, pessoas como Cláudio Souza que deveriam agradecer a Deus por mais um dia de vida, que deveria ensinar e orientar, e não disseminar uma revolta… aki no blog é um lugar de experiências de vida, de otimismo, de força de vontade, o fardo que cada um carrega é pesado e não venha colocar seu peso pra nós carregarmos, ainda bem que tenho amigos que convivem com o vírus a mais tempo que vc, e que me ajudam sempre…

    • Pedro diz

      Pessoa pesada( Cláudio souza) , os textos do seu blog estão sempre levando para o lado ruim empurrando o soropositivos para o abismo. Precisamos de auto estima e coisas boas, de ruim já basta a doença. Obrigado JS por estar nos ajudando .

      • Meus textos, os textos de meu blog, são realistas. Se vc não sabe, há meninas de doze anos, soropositivas, dando a luz outras crianças soropositivas. Esperança é algo bom de se ter, mas ser um agente noticioso irresponsável e levar as pessoas a acreditarem que “a cura está ai, à nossa porta, pode noslevar a uma crise huanitária que eu vi com meus proprios olhos e, eu ouso imaginar que você ainda jogava bolinhas de gude quando eu ajudava a carregar doentes no CTR-A. Eu não empurro ninguém para o abismo. Eu simplesmente não estimulo a prática do sexo irresponsável por gerar uma sensação de segurança que é falsa. Eu trabalho neste site ha ezesseis anos e muitas vezes dei notícias animadoras, que servissem para dar esperança, sim eu gosto disso e, depois de seis meses, ver aquilo ser desmentido. Cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém. Para se ter auto estima não e preciso ler e acreditar em algo que pode não se realizar. Ter auto estima não depende disso.
        Eu tenho elevada auto-estima, porque venci, com a ajuda de Deus, coisas que você, com óculos azuis, prefere ver o mundo como Alice (a do pais das maravilhas) e não como o pequeno príncipe, que questiona a tudo e para tudo quer uma resposta satisfatória, baseada na lógica e nos fatos. Vc pode se abraçar ao que vc quiser, esta é uma opção sua, do seu livre arbítrio, o meu me leva a combater o que pode ser perigoso. Ter HIV te deixa com baixa auto-estima? Procure uma analista! Mas não se apegue a previsões, simples previsões, que podem levar a você, e a muitas outras pessoas à uma armadilha que, uma vez fechada sobre si, não tem mais saída. SE você já contraiu HIV, amigo, eu lamento muito, isso é tudo o que eu poso dizer a você. Mas, a meu respeito, eu posso dizer que contraí HIV porque me faltava auto-amor e alta-estima, que eu buscava compensar com sexo fácil. Dia primeiro de dezembro, minha biografia será lançada e, se você tiver interesse e comprar um, verá que eu não sou isso que você viu. Isso que você viu foi um movimento de proteção contra algo que eu considerei perigoso. Eu não me escondo. Vá a meu site, use outro nick, engane-me, faça-me crer que vc não é a pessoa que me desancou agora e me de a chance de me dar-se a conhecer. O meu ZAP está-la, ele é público Você conhece alguma outra pessoa que faz isso? Pois é. Primeiro passe neste lik, tvz vc mude de opinião a meu resrepeito. http://wp.me/p5jmXx-vaB

        Eu sou capaz de jurar ue vc tem entre 23 e 30 anos e, com base nisso, eu sou capaz de apostar que eu estou vivendo AIDS há um tempo que pode ser equivalente à toda a sua vida, ou, pelo menos, desde que você começou a brincar de bolinhas de gude (eu tb fiz isso, não há nenhum mal nisso, eu só quero lhe mostrar o que é experiencia. Qaundo eu comecei a “me tratar” no CRT-A, quando ele ainda era na Rua Antônio Carlos e eu tinha sido expulso do meu emprego, sob a pecha de “suma daqui, lixo aidético” e só me restou morar numa casa de apoio a realidade que eu via, todos os dias era equivalente aà desta Imagem (JS, por mais que diverjamos deixe que vejam isso) Nesta época, eu tinha chegado a pesar 60 KG (meu peso normal são cem qiologramas) e hohe eu sou este aqui: . Isso se deve ao fato de eu me cuidar, de eu buscar informações, de eu não me deixar seduzir por novidades. Este anos de 2016 eu sui surpreendido duas vezes por crises de zóster. Em ambas as vezes eu não sofri (muito) porque olho meu corpo todo, todos os dias, presto atenção em tudo o que sinto e, se vc quer saber, este texto, como todos os outros que eu traduzo ou redido, são digitados apenas com os dedos indicadores de ambas as mãos,e eu tenho buscado, desesperadamente, por um software para windows, que ouça e escreva o que eu digo, pontuando as frases, por que eu sofro, também, de uma coisa chamada neuropatia periférica, ha anos e anos e ela me levou, para colocar como sinal de alerta a outras pessoas, este artigo, que você pode ler ou não. Depende de vc saber se quer me julgar com equidade ou se vc quer apeas me dar um cala a boca… o que seria inútil, pois eu não me calo, tenho meu espaço e quando eu vir qq coisa que possa levara erro ou que possa trazer de volta o circo de horrores da foto que eu expus aqui, circo do qual eu fui parte ativa e aterrorizada, eu vou falar. Sabe, Alice, houve uma época em que eu ia todos os dias a apenas um funeral, no mínimo, E percebr que isso pode estar voltando (observe que eu disse que 11.000 pessoas morreram de AIDS e suas complicações num período de 11 anos, o ue dá ua média de tres pessoas por dia e isso não combina com “INGUÉM MORRE MAIS DE AIDS”. Isso sim, é uma grande besteira e incentiva a um coportamento suicida. Acho que, com isso, eu não preciso dizer mais nada

        • Pedro diz

          Aqui ninguém incentiva nada de ruim meu caro, se estamos aqui tb não foi por falta de informação e sim discuido. Todos sabem das suas responsabilidades e oq o sexo sem camisinha pode nos levar… vc não tem nada a acrescentar, vc é pessimista e negativo.

    • Henrique diz

      Como tem pessoas como esse Claudio que exalam pessimismo, acho que por isso Que o senhor enfrenta tantos problemas . E não é vindo ate aqui onde geralmente pessoas recem diagnosticadas “assim como eu” e expondo toda sua negatividade que o senhor irá contribuir com algo. Pelo contrario, o senhor conseguiu acabar com todo um texto motivassional do JS com um breve relato de vida seu. Uma vida que por azar enfrentou o virus numa época completamente diferente de hoje onde os medicamentos eram mil vezes mais tóxicos. Acredito, que o senhor precise buscar auxílio psicológico e psiquiatrico e se ja buscou, troque de profissionais. Pois isso que o senhor transmite não faz bem para ninguém. Me trato na rede particular, e no setor onde trato existem pessoas que sao acompanhadas desde 1989, e vivem uma vida como outra pessoa qlq, nao destrutiva como a do senhor. Pessoas essas que por incrivel que pareça hoje participam até de maratonas. Enfim, repense antes de querer colocar as pessoas pra baixo expondo as SUAS VERDADES e TEORIAS. Afinal, o senhor foi diagnosticado e tempos remotos. Passar bem.

        • positivosempre@outlook.com diz

          Vaza daqui Claudio Souza, vai espalhar pessimismo no seu site, que diga-se de passagem, considero um lixo.

      • E há uma coisa muito importante a ser dita: AIDS não se enfenta com “texto motivacionais”. AIDS se combate com textos sérios, pautado em fatos, baseado na vciência e a comunidade científica é muito clara no que tange à possibilidade de cura para daqui a 5 anos. É nenhuma. E o próprio Montaigner elocubrou que talvez jamais seja encontrada uma vacina para o HIV. Eu penso, e ja dise isso aqui, que tratar de questoes como HIV, ou AIDS, é lidar com questoes de vida ou morte. E eu jmais cometeria a temeridade de anunciar que a geração X Y ou z verá a cura da AIDS. Eu penso, antes, em evitar que as pessoas contraiam AIDS e, para isso, evito um tipo de texto que pode criar (na cerdade são) arapucas onde pessoas desavisadas acreditam no inviável e se contaminam, Eu publiquei um texto na ONU que fala da cura para o HIV ainda em 2016. mAs se sta cura não vier, eu ja tenho a mensagem escrita para mandar para eles por conta disso.
        Se vc acha que eu exalo pessimissmo, esta me julgando parcialmente. Conheça-me aqui: https://soropositivo.org/2015/08/18/janela-imunologica-os-fatos-em-agosto-de-2015/ ou no meu zap, que é publico. Eu sou uma pessoa que milita de cara abeta, que sou reconhecido o Metro até pelo modo peculiar que tenho de me vestir, que é usar um chapeu panama co o laço que representa a nossa (???) luta contra a AIDS. Eu sou responsável pelo que escrevo e publico evc se referiu a mim por um nome, que esta registrado no Cartorio do Cerqueira Cesar no Livro -A na Folha 22.
        Não é o que eu vi que me faz reagir assim, o que me faz reagir é ver isso tomando força e um forte risco de se recuperar, num texto “motivacional” que diz que ningume mais morre de AIDS enquanto a Secretaria da Saude do Estado de São Paulo relatou 11.000 mortes (de seres humanos) entre 2000 e 2011. Isso é motivacional? Amim, sendo ligt, é ilusorio. Se vc quier conversar, entre pelo meu ZAP +5511997080203 e eu terei imenso prazr em conversar. Sim, é verdade. Eu contrai HIV numa época muito mais difícil do que a atual. E sobrevivi, Sabe por que? Porque buscava me informar o tempo todo sobre o que fazer e como fazer. Eu não sou uma “vitima da AIDS”. Eu sou um sobrevivente e tenho guiado muitas pessoas e direção à sobrevivência. Todas as noites eu me dito pensando se fiz a coisa certa naquele dia e, quando acordo no dia seguinte, tenho certeza que fiz e vivo com minha consciência tranquila. Há quem prefira o País das Maravilhas…

    • Mari diz

      Agora pronto, quer dizer que se as pessoas resolverem sair transando sem camisinha a culpa é do JS?? Só sendo mesmo…
      Assim como o Victor comentou, a última coisa que eu pensei ao ler esse post foi em sexo e, até onde eu sei, não transmitimos o HIV se estivermos indetectável mesmo e isso não é motivo para sairmos fazendo sexo sem preservativo, pois o maior risco quem corre somos nós mesmos de pegar alguma outra doença sexualmente transmissível ou até mesmo ser infectados novamente e pior ainda, por um vírus que seja resistente aos medicamentos que tomamos.
      O que te fez vir aqui falar esse monte de coisa? Eu nem sei qual é esse seu site, mas diante do pessimismo demonstrado por você prefiro continuar sem saber, pois noticias tristes tem aos montes por aí, quero sim a verdade, mas também quero um pouco de otimismo para me animar, para reacender minhas esperanças.
      É cada um que aparece, francamente viu…

      • Otimismo só é bom quando pautado em verdades e fatos e, se vc iser dar uma olhadinha, ele está em http://soropositivo.org e é muito bem conceituado no meio médico e no âmbito do ativismo contra a AIDS e, com isso, fica-me, ainda, uma pergunta: Que espécie de ativista é este que não tem nome e nem rosto? rsrs

    • Caro Claudio Souza,

      No post acima, não está escrito que “ninguém morre mais de aids”, como você disse no começo seu comentário. O segundo parágrafo explica justamente que “muitas pessoas com HIV ainda morrem por conta de complicações decorrentes da aids”, com link para os dados oficiais do Unaids.

      Nesse link, fala-se que 1,1 milhão de pessoas morreram de aids em 2015 — mas também fala que o número de mortes anuais em decorrência da aids caiu 45% desde 2005, o ano em que a epidemia atingiu o pico de mortes por aids. O otimismo da primeira frase do meu texto, quando falo, genericamente, que “nós não morremos mais de aids”, está substanciado nestes 45%.

      O post acima também não fala muito a respeito da pesquisa da cura do HIV. A palavra “cura” só aparece uma vez nesse texto, mencionada na última linha do primeiro parágrafo, depois de “provavelmente”. Diferentemente do que você compreendeu, o espaço de tempo referido nessa frase não é imediatista e nem iminente: tomei o cuidado em dizer que acho que seremos “a geração de soropositivos que vai experimentar a cura”, o que implica em um tempo de vida e não em poucos anos.

      O caso da sua amiga acometida por linfoma também não vai contra o texto. Veja o 4º parágrafo: “cânceres, relacionados e não-relacionados à aids, que ainda têm uma taxa mais elevada entre as pessoas que vivem com HIV do que entre as pessoas soronegativas”.

      Contudo, os mesmos gráficos que mostram que hoje soropositivos ainda sofrem mais de canceres do que soronegativos também mostram uma tendência de queda. O otimismo dessa queda não é insubstanciado, uma vez que esse gráfico é parte de um dos maiores estudos de acompanhamento de câncer em soropositivos já feitos na história da epidemia, o qual eu apresentei aqui.

      A “morte social” que você cita vai de acordo com o meu texto. Veja o segundo e terceiro parágrafos logo depois do gráfico com as metas do Unaids: “Até lá, esperamos que viajantes com HIV não sejam mais deportados ou impedidos de entrar em alguns países… Enfim, esperamos, tal como a meta proposta pelo Unaids, que nos próximos anos não haja mais estigma, discriminação e preconceito contra quem vive com HIV.”

      O Dr. Esper Kallás não é citado nesse post — e, aliás, faz tempo que não o cito em outros posts, embora saiba que já o tenha feito bastante. Quem falou que o tratamento como prevenção é “mais poderoso que a camisinha” foi, conforme escrito no post acima, o Dr. Fábio Mesquita, ex-diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde. A fala de Mesquita vai ao encontro com a fala de muitos outros médicos e, também, dos extensos estudos sobre tratamento como prevenção.

      Em resumo, em cada parágrafo do post acima há links para referências científicas para fundamentar cada uma das minhas afirmações. Por isso, não concordo quando você diz que meu otimismo é irresponsável.

      As referências temporais que você usou, ao longo do seu comentário, para se referir à sua amiga que teve linfoma e à sua experiência com o HIV também vão ao encontro do meu texto. Veja, eu escrevi que: “as pessoas com HIV que serviram como referência para os gráficos acima são aquelas que passaram pelo começo da epidemia de HIV/aids, quando não havia tratamento e, quando este surgiu, ainda era muito agressivo, tóxico e, muitas vezes, não tão eficaz.”

      Com “22 anos vivendo com HIV”, como você disse, estou certo que você passou por tudo isso, infelizmente. Contudo, a minha experiência é outra. É diferente da sua. É de um jovem soropositivo. Ainda assim, a minha experiência é real e os meus textos estão substanciados em fatos e evidências científicas.

      • Eu comecei a ler sua resposta e ela já se contradiz na primeira linha. Observe que, para todos os efeitos, eu fiz um prinscreen completo da página e xte é um excerto do que está em seu site.

        Esta afirmação pode ser um estopim para uma bomba cujas proporções eu não sei se você tem condições de avaliar. Eu vou fazer um favor a mim e não vou olhar mais seu site, que eu evito sempre, mas quando eu vi o snnipet da busca (Snnipet são aquelas frases que apaecem embaixo do texto com o nome do site na busca) eu tive de ir ler com meus próprios olhos. Anos atrás eu tive uma discusão bem mais séria com o Editor da revista cientifica super interessante e, ao final, eu disse a ele que, quando chegasse a hora de se recolher os cadaveres eu saberia achá-lo. Fica dito o mesmo a você. Boa noite, boa sorte e adeus

        • Zimba diz

          zZzZ para o Claudio Souza, que quer ibope e cliques em seu site FLOP.
          kkkkk

          Só rindo mesmo!

          • davi diz

            pois é…ele ta aqui pra divulgar o site dele e o livro que pretende lançar neste ano. #recalcada kkk

        • Richard diz

          puta cara chato esse claudio souza… preso em 1980 e acha que todo mundo tem que estar preso lá também…

        • James diz

          Cláudio, eu já havia lido seu blog algumas vezes, mas a maioria de seus posts são relacionados a doenças e tudo de ruim que pode acontecer a um soropositivo. Sério, isso não ajudará EM NADA a pessoas que acabaram de descobrir sua sorologia. Eu entendo que nem é sua culpa direta, tudo que você passou até hoje reflete no que você pensa e em todo esse seu pessimismo, mas eu fico MUITO TRISTE de saber que um blog como o seu AINDA TENHA tanta visibilidade, pois pouco informa, apenas joga para mais fundo pessoas que acham que estão no fundo do poço. Agradeça a Deus pelo dom da vida, e por você ter resistido à tudo que alguns de seus conhecidos, que hoje são cadáveres (até nos termos você tem mau gosto), não conseguiram (por falta de oportunidade) resistir.

          E sobre a morte… Cuidado, pessoal! Ela está por todo lado. Ao atravessar a rua; reagir a um assalto; viagem de avião; choque elétrico; queda de moto/bicicleta; e inúmeras outras formas que essa inconveniente, mas inevitável realidade nos acometerá, COM CERTEZA, algum dia.

          Parabéns, JS! É de pessoas como vocês que os soropositivos, negativos, e sorodiscordantes, como eu, precisamos para sermos mais informados e otimistas.

        • Gil diz

          O cara tem uma vocação para coveiro que vou te contar… mais desagradável que ele, só o Alexa…ops… “Aquele que não se diz o nome”…
          Meu, ele não tá bem, isto é surto, o cara é de uma aura sinistra que vou te contar…
          Culpa, neurose, medo… quer espalhar o que tem em excesso dentro dele…
          Vá de retro!!

        • Fernando diz

          Eu fico me perguntando como o senhor só consegue ler e reler os textos aqui e apenas consegue enxergar uma propaganda para o sexo sem proteção, não existe essa propaganda aqui Claudio, existe apenas textos com embasamento cientifico que mostram que o atual tratamento para HIV é mais eficaz e menos tóxico, apenas isso, ninguém aqui incentivou ninguém a sair transando sem camisinha, apenas informou que a infecção é extremamente menos provável quando se está com carga viral indetectável, isso é tão simples de se compreender.
          HIV/AIDS não é combatido com textos negativos ou positivos; É combatido com o uso da camisinha e TARV, o que se pretende combater com os textos é o estigma que o senhor tanto sofreu na sua vida e que aqui nos relata, se pretende combater o preconceito e esclarecer que o HIV é um virus que pode acometer qualquer pessoa, em qualquer classe social e que pode ser controlado atualmente com medicações, novamente, mais eficazes e menos tóxicas.
          O tratamento para o cancer também evoluiu muito, e ao disseminar informação sobre esses tratamentos mais eficazes eu não vejo pessoas acusando ninguém de que estão influenciando habitos de vida menos saudáveis à população.
          Pois bem, ao esclarecer o avanço no controle do HIV tampouco está o JS influenciando que as pessoas se contaminem, que triste perceber que o senhor só consegue enxergar isso, que a sua unica estratégia é baseada no medo.
          Aqui se procura combater o estigma, informar sobre os avanços nas pesquisas e falar sobre a realidade atual de conviver com um vírus ainda sem cura.
          Caso o JS em algum texto diretamente influenciasse práticas promíscuas e desprotegidas, eu seria o primeiro a estar ao seu lado, mas não é isso que aqui acontece.
          Acho que você deveria comprar essa briga com a industria porno do bareback e não com dominios como esse que objetiva disseminar informações atuais e reduzir o estigma do soro positivo na sociedade.

          • Veja só. Você fala que eu alimento o medo e o estigma. Eu huro para vc que repondo a tudo o que você disse se vc puder me explicar como você fala em estigma, na derrocada dele, por detrás de um avatar. Estendo iso um pouco mais além, a pesoa que coloca tudo issoe se esconde, também, num avatar. Eu sou Cláudio santos de Souza paciente 3256664J da Casa da AIDS e, se tudo estiver funcionando direitinho, minha toto vai aparecer ai para vc ver, da mesma forma com ela aparece no topo do meu site, site que tem um tempo de vida que me faz pensar onde estavam estes jovens quando eu, 22 anos atrás, vi o que vi e, me reportando ao presente, em 2011 o município de São paulo reportou 11.000 (onze mil) mortes por causa da AIDS. A amfar prometeu a cura para 2020. Eu faço votos que eles consigam, pois nem o diabo poderá ser mais incisivo e assertivo como eu, no dia 1º de Janeiro de 2021! Tirem as máscaras, apareçam. E ai sim, venham debater comigo, cara a cara, sobre nossas diferençar. Antes de terminar eu aviso, eu não vou gastar tempo com gete sem rosto… Nem vou gastar meu latim, tendo eu, tanto a fazer… (…) …
            Eu considero justo que voc~es não mostrem o rosto. Eu só não considero correto falar em desestigmatização escondido, porque é disso que se trata, de se esconver atras de um avatar e deitar pseudo-verdades, como quem fala de palanque blindado, à praça pública

            • Tiago diz

              Cláudio, sair do anonimato pode ajudar a combater o estigma, sem dúvida, mas também nos deixa mais vulneráveis ao estigma que ainda existe na sociedade. É uma espada de dois gumes – não tem jeito – e se expor ou não se expor é uma opção estritamente pessoal que de modo algum deve ser julgada, nem por você nem por ninguém. Ninguém é obrigado a se expor. Ninguém. Mesmo quem queira combater o estigma.

              Se é verdade que nos escondermos no anonimato não ajuda – em si mesmo – a quebrar o estigma, também não se pode dizer que o estigma depende apenas dessa postura! A existência do estigma deve-se – sobretudo – a uma percepção desatualizada e à ignorância sobre o HIV. E isso podemos sim combater a partir do anonimato, se assim o desejarmos. Talvez não de uma forma tão poderosa e direta, mas podemos. Como? Compartilhando informação. Simples assim.

              O simples fato de compartilhar informação, como o autor do blog aqui faz, já ajuda a combater o estigma. E a prova disso está clara aqui para quem queira ver, basta ler os comentários para perceber como pessoas – como eu – chegam aqui desesperadas após um diagnóstico positivo e encontram alívio na informação e dicas oferecidas, muitas vezes por pessoas que se mantém no anonimato.

              Se serviu para mim, pode servir para muitos outros.

              • Veja, enquanto estivermos passando a batata quente para o outro, por incrível que pareça, a batata vai permancer quente. Eu não julgo a ninguém. De madrugada, quando eu acordo de meus pesadelos, e me levanto a primeira coisa (…) que eu vejo, sou eu. E se eu sei o que sou agora, tenho plena consciência do que eu fui no passado e, se eu tivesse de julgar a mim, como já fiz, será sempre com quase nenhuma leniência…

                O trabalho que é feito aqui, com uma ou outra diferença editorial, é ótimo. Mas, eu continou me perguntando quem seria eu se não tivesse exposto meu rosto, minha fala, minha voz…. Se puder, veja isso. É longo. https://wp.me/p5jmXx-yyW Eu não discordo de você, visitante, pessoa vivendo com HIV/AIDS. Mas eu, como militante tenho a obrigação na zazão exponencialmente reversa de aparecer! Veja só. Eu ando no metrô de sampa com um ou outro chapeú, e ele sempre vai com o laço que representa nossa luta. Eu sou um ativista, tenho de fazer isso!. E nem todas as reações são ruins e, contudo, hoje eu tenho de bate pronto a resposta que eu teria de ter dado, 22, quas vinte e três anos atrás, quando me nomearam “LIXO AIDÉTICO”. É… Sim… Sim… Ninguém diz mais isso de nós, Mas eu posso fazer uma pequena galeria, que vai por ordem de rememorização, sem valorizar mais um do que qualquer outro e sem sonhar em m e perfilar com eles
                Paulo Giacomini
                Beatriz Pacheco
                Beto Volpe
                Sílvia Almeida
                Eduardo (nunca perguntei o sobrenome dele ) lá do CRD
                Nadia Kendall (infelizmente in memorian)
                Hércules (assim o conhecíamos) e ele foi o responsável pela criação de salas de chat no UOL para pessoas com HIV. E para garantir o sucesso da sala ele ficava 19 horas por dia lá, de plantão. É outra pessoa in memorian. Sabe, eu trabalhei como voluntario no CRT-A que era na rua Antônio carlos, para não enlouquecer dentro da casa de apoio Brenda Lee. Vcs não tem noção da minha sensação de responsabilidade quando o que se diz é prevenção á AIDS e,. perdõem-me: “QUASE SORONEGATIVOS” É uma péssima mensagem a ser passada a quem não tem HIV e da margem a muitas ilações. Eu acompanho os gráficos do analytics em meu site e o dia menos movimentado é o sábado. E os mais movimentados são segunda e terça feira. Prezado JS, eu, Cláudio santos de Souza, deploro a mensagenm que vc passou e dou por encerrada a conversa

                • Tiago diz

                  Cláudio,

                  Sua memória deve ser preservada e respeitada, pois é o que nos ajuda a lembrar do quanto o vírus contínua sendo potencialmente perigoso e mortal e nos ajuda a lembrar da importância da prevenção e de aderir ao tratamento quando esta não foi suficiente.

                  Provavelmente, o seu trabalho já inspirou muitos outros, talvez até o do próprio JS, que pegou o bastão e seguiu correndo, do seu próprio jeito e de acordo com a sua própria experiência de vida.

                  Os tempos mudaram. O tratamento evoluiu. As mortes por AIDS continuam acontecendo, é fato, mas muitas provavelmente por falta de diagnóstico e tratamento em tempo útil ou bem administrado.

                  Só é natural que o discurso evolua também e deixe de ser tão pesado e exigente quanto o seu tende a ser, por conta das difíceis memórias e experiência do vírus quando o diagnóstico era uma sentença de morte.

                  Talvez essa maior leveza dos dias de hoje às vezes beire a irresponsabilidade é a inconsequência, mas enquanto não chega a cura, não podemos deixar de reconhecer e celebrar as pequenas conquistas.

                  Uma delas é podermos dizer que, hoje, a vida e saúde de um soropositivo que se trata e cuida, está muito mais próximo da vida de um soronegativo do que há 30 anos atrás. E isso, meu caro, é fato indiscutível.

                  • Então Tião, boa tarde. Faz sentido o que você diz, mas a minha preocupação com a mensagem que é passada com um título como o que mencionei é que muita gente passa a pensar: “Oba, oba”! E é isso que me faz pensar nisso. Se não fosse esta “diferença editorial” eu já teria proposto ao JS uma troca de links. Há no WordPress um esquema onde eu posso fazer com o que é publicado em um blog, pode aparecer no outro. Enfim, a minha memória tem de ser preservada, mas ainda há muito para eu fazer, ou eu já teria parado com o blog, eu deixo aqui a propost, JS, da troca de noticia, que eu prometo fazer com que ele apareba em todas as páginas, com a promessa de não fazer mais ataques (…) como os que eu já iz. Talvez eu pedisse para vc pensar mais antes de escolher o titulo porque, na versade, ha pessoas que só vêem o titulo da doença e este é o grande desastre. Tiago, e todos os outros, eu os convido a lerem este texto: https://soropositivo.org/2017/03/02/agora-sim-aids-sem-limites-para-viver-e-sem-limites-para-sonhar/

                    • Tiago diz

                      Cláudio, entendi o ponto do título, mas diga-se que – independente do que você escreva, especialmente sobre HIV – sempre vai ter um Cristo para desentender a intenção. Basta escrever “use camisinha” numa página acessada por adolescentes para vir alguém sugerir que estamos promovendo a promiscuidade, sexo adolescente, etc. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Claro que isso não é motivo para sair falando qualquer coisa de forma inconsequente, mas há que dar o devido desconto.

                      No final, cada um projeta seus maiores medos ou desejos naquilo que lê e assim o interpreta. Se um escrever “indetectável = intransmissível”, um pensa no parceiro que está mais seguro, outro que acha que é sinal verde para transar sem camisinha, outro sobre doar sangue e por aí vai…

                      Só posso falar por mim, mas pessoalmente leio no título “Quase soronegativos” uma mensagem positiva, anunciando hoje muito boas chances de uma vida longa com qualidade de vida e menos chances de transmissão, a caminho de uma cura e da soronegatividade amanhã.

                      Não apenas uma vaga esperança no amanhã, mas algo concreto hoje, que muito alivia a quem – como eu – recebeu o diagnóstico há pouco mais de um mês e meio e que lê neste texto e – pelo título – no seu, “permissão para sonhar” e voar para longe da desesperança.

                      Nada é garantido, só a morte mesmo, mas isso vale para todos e pode vir de mil e uma formas e a qualquer momento. Outro dia uma moça foi atropelada na frente da minha casa ao sair de uma aula de pilates, por um senhor que enfartou e perdeu o controle do carro.

                      Do mesmo jeito, não vou deixar de sair de casa por medo do mesmo acontecer comigo. O melhor que posso fazer é me prevenir e prestar o máximo de atenção que estiver ao meu alcance.

                      Fique bem, mais tarde passo pelo seu blog para ler esse texto.

                      Abraços

                    • Uma mensagem irreal, que pode dar azo, e tem dado em toda a parte, a todo tipo de estripulia. Uma das médicas da casa da AIDS me relatou que os jovens lutam como desesperados paraalcançarem a indetectabilidade e, depois disso, desaparecem do ambulatório. Não digo que isso é resultado “apenas” do título de uma postagem num blog. É o resultado de uma linha editorial, sugerida por não sei quem, que leva, no fim das contas, ao comportamento gerado por toda uma massiva campanha de liberação geral.
                      Eu digo para vc que se o HIV sofrer uma mutação e se tornar capaz de contaminar as pessoas por transmissão “aérea” não se passaram dois anos até se encontrar a vacina. (…). Enfim, eu já disse o que penso a respeito disso e tenho uma linha editorial diferente. É muito tarde para eu fazer um aalteração no meu site
                      Passe lá amanha, por favor, depois das 14 horas.
                      Obrigado pel atençaõ

    • Gil diz

      Bom, após ler esta mensagem deste infeliz cavaleiro do apocalipse que não houve e nem vai haver, digo que: tive um paciente, soronegativo, que teve um linfoma não hodgkins e faleceu. Não é exclusividade de soropositivo, como entendi, pesquisando sobre o tema.
      A infecção por HIV pode resultar em danos ao organismo, dependendo de vários fatores. Assim como o açúcar, o sal, o tabaco e os fatores genéticos, orgânicos pessoais.
      Se você teve complicações, é provável que foi por consequência de tempo sem tratamento ou com medicações agressivas, mas não foi sentença de morte.
      Há muita dor na sua fala, muita raiva e agressividade (dor de cotovelo? Talvez por seu site/blog ser um horror!), parece o nosso amigo antipático e raivoso (“Aquele-que-não-se-diz-o-nome”), só acho que não é porque ele é burrinho e escreve mal…
      Não li que poderia transar sem camisinha com desconhecidos, li que a pessoa que transar sem preservativo não passa o vírus, mas pode pegar uma cepa resistente ou outras DST´s… não vi irresponsabilidade do JS, nem vejo-o como um personagem, mas se for, não quer dizer que ele não seja muito útil, esclarecedor e um alento aos que precisam.
      Quanto aos que se percebe do HIV, a enorme maioria que se trata antes dos sintomas vive bem e não sofre com danos que o vírus pode vir a causar. Mas existem exceções, que não podem servir para aterrorizar os demais, FAZENDO COM QUE VIVAM SOB AMEAÇA DE MORTE, DE DANOS TRÁGICOS, DE DOR E SOFRIMENTO.
      Não é se enganar, é a velha história clichê do copo meio-cheio…
      Agora, estranho mesmo é querer convidar alguém para contar cadáveres. Cara, conte o seu primeiro, pois você morreu, só esqueceu de deitar… cacete!!
      Que cadáveres você quer contar? De quem não se trata? De gente que não teve boa saúde e morreu do mesmo jeito que morreria sem HIV?
      Tá feio, amigo, o HIV detonou seu lobo límbico e sua modulação emocional pifou… ou foi sua personalidade?? Que horror…

  22. Cbb diz

    Desde que eu descobri a minha seropositividade, em meados de Fevereiro de 2016, e tendo começado o tratamento a 11 de Março, com o 3×1, que eu nunca falhei um dia sem tomar o mesmo.
    Devo tb dar que de todos os artigos que eu já li neste blogue talvez esse seja o mais elucidativo, coerente e sincero, deixando-me com uma elevada auto estima e altamente agradecido por partilhar estas informações mto importante para nós sero+. Contudo agradecia que me esclarecessem alguns aspectos, visto que eu vivo em Angola, África, e mtas coisas não são passadas como deve ser, principalmente relacionadas ao hiv:
    1 Mesmo não csguindo do deixar de tomar umas cervejas aos fins de semana nunca fiquei sem tomar o comprimido a mesma hora, e não sei se isso atrapalha o tratamento.
    2 Quatro meses depois do início do tratamento tive relação sexual com a minha esposa e o preservativo se rompeu, e não sei se nessa altura eu já era indetectável e se lhe trasmiti o vírus.
    3 Não csgo fazer nenhuma análise pra saber se sou ou não indetectável pq aqui no meu país não se faz esse tipo de análise.
    4 Gostaria de ganhar alguns quilos pq qdo descobri a minha situação perdi 8 a 9 kilos que não csgo recuperar
    Abraços e um bem haja e longa vida a todos

    • Mari diz

      Olá!

      Não sou medica, sendo assim as respostas que eu tentarei lhe dar estão baseadas em minhas pesquisas pela internet e em todas as dúvidas que tiro com a minha infectologista, espero que possa ajudar.

      Quanto a tomar sua cerveja, já vi opiniões um tanto controvérsia ao respeito disso, mas acredito que o maior problema está em sobrecarregar o fígado, pois isso já acontece devido ao tratamento que fazemos (TARV’s). Dessa forma, não acho que beber uma cerveja vez ou outra, ou até mesmo um vinho e coisas do tipo vão lhe fazer mal, pois é vida que segue e temos todo o direito de nos permitir esses momentos de relaxamento. Porém, como tudo demais é veneno, acredito que a moderação seja fundamental. Eu bebo pouco e com pouca frequência, mas em determinadas situações não me furto ao direito de ter esse momento de relaxamento e acho que isso é VIVER.
      Em relação a você ter ou não transmitido o vírus para sua esposa é uma questão muito delicada, pois estar indetectável depende não só da regularidade no tratamento, mas também de cada organismo. Pelo que vejo e acompanho, esse período varia de uma pessoa para outra e embora exista uma grande chance de que você já estivesse indetectável com 4 meses de tratamento, apenas um exame de sangue feito em laboratório poderia afirmar isso. Como você disse que mora em outro país e não tem como fazer esse exame, acho que o mais prudente seria sua esposa realizar um teste de HIV (levando em consideração a janela imunológica para que o teste traga para vocês um resultado de confiança).
      Sobre o ganho de peso, acredito que um acompanhamento profissional possa te ajudar a fazer isso da forma correta. Infelizmente nesse quesito eu não sei muito como te ajudar.

      É isso, espero ter ajudado em algo.

      Abraços

      • Luana diz

        Eddy eu fiz uso d Mutamba onorme orientação para o tratamento de 1 mes, comprei as folhas de Palmas-TO pela internt, só depois que eu comprei, que descobri que aqui na minha cidade e em todo Brazil central, tambem tem arvores de mutamba. Pretendo fazer o tratamento daqui 6 meses novamente, realmente o uso da mutamba abre o apetite, melhora a disposição em geral, parece ser revigorante, mas até o momento nãoo engordei nem 1 kilo, ou seja, eu não engordei nada. O que engorda são aos ARVs, creio que eles adicionam suplementos ou substancis que aumentam o apetite nos ARVs,

        O uso de unha de gato tambem melhora a imunidade do organismo em geral, isso já foi provado cientificamente em varias pesquisas, pesquise sobre a unha de gato “Uncaria tormentosa”, poiséesa espécie que estimula o sistema imunológico em geral e ajuda na cura de varias doenças, como infecção por hiv\ aids, cancer e outras doenças, pois com um istema imunologico forte, o combte ás doenças fica mais fácil.

  23. roger diz

    Eu nao gosto do site soropositivo.org esse claudio souza so vive falando sobre problema e esta vivo a mais de 20 ano…..sae fora seu chato.

    • Eu falo de fatos. Vc não precisa ir lá se não gosta. Eu só vim aqui falar sobre isso pq vi uma coisa e achei que devia me manifestar. O direito a manifestação do pensamento é livre no Brasil (vedado é o anonimato)

      • P.H.G. diz

        Do mesmo jeito que você, Cláudio, não precisa vir aqui se não gosta.
        Você e seu blog são importantes sim. Todos somos a nossa maneira.
        Só fico triste de ver, em seus comentários, que tenta desmerecer um trabalho tão bom quanto o do JS.
        Coloca como se o seu blog fosse a única fonte confiável sobre o assunto e quer que o JS saia do sigilo a todo custo. Essas questões acho totalmente desnecessárias, uma vez que tá tudo aí respaldado por artigos científicos e o sigilo é um direito de todos nós. Você quebrou o seu, o que não significa que todos os demais tenham que fazê-lo. Outro ponto é o recorrente “arrastar cadáveres” usado por você. Não sei se você já imaginou um recém diagnosticado lendo isso como se sente.Vamos nos colocar no lugar no próximo. E você, Cláudio, como tantos outros, são a realidade VIVA de que isso de” arrastar cadáveres” não se condiz com o atual panorama, ainda mais para os que foram diagnosticados nos últimos anos. Sua realidade é muito diferente da de muitos aqui, o que não deixa, por si só, uma ou outra mais fácil.

        Tenho certeza que você ajuda e já ajudou diversas pessoas, continue com o seu bom trabalho e aceite que muitos outros virão depois de você. Use do SEU espaço para promover os seus ideias e pensamentos à sua maneira e ponto. Terá seu público. Você realmente é livre para manifestar sua opinião, mas saiba respeitar o espaço do colega. Eu acredito que você tem muito mais a oferecer do que ficar atacando as pessoas. Saibamos reconhecer o trabalho do próximo e que toda ajuda é bem vinda.

        Quanto ao post, eu me senti muito bem ao ler. Basta sermos críticos (como fez o Victor que, diga-se de passagem, sempre tem bons comentários) na vida e sabermos que verdades absolutas, ainda mais quanto o assunto é HIV, não existem.
        Retirei o melhor dele pra mim. E, gente, cada realidade é uma realidade.
        Acredito que posts assim ajudam a diminuir toda a carga de preconceito e estigma quando lidos por soronegativos. O que falta em nossa sociedade é informação e aqui ela foi colocada de uma forma clara, didática e objetiva. Assim, consegue alcançar um número muito maior de pessoas, sejam jovens ou não, sejam positivos ou negativos. Eu, particularmente, acredito que “tocar o terror” sobre HIV/AIDS e principalmente sobre pessoas vivendo com HIV/AIDS não seja a maneira certa de quebrar o tabu. Fiquei esperançoso não em relação à cura (não vivo baseado nisso, apesar de acreditar), mas em relação a poder ser feliz independentemente do tempo que me restar.

        Parabéns, JS. Principalmente pela polidez na resposta. Não esperava menos de você.

        • Eu não li toda sua resposta agora, mas vou ler depois. Quando vc faz declarações públicas a constituição é clara: “É vedado o anonimato”. Seria muito simples para qq pessoa abrir um blog e, por exemplo, dizer cobras e lagartos sobre a personalidade publica X ou Y e não ter de se identificar. Isso craria um entrave à democracia e todos os meus dados são públicos, dsde uma época em que até tentar invadir minha casa, gritando vem aqui fora “sua bichinha aidética filha de uma puta” aconteceu, em Piracicaba, lugar de onde eu fui virtualmente expulso, se quisesse continuar vivo”.

          Quando nós, pessoas que vivemos às escondidas, damos margens a quaisquer ilações e isso é que permite que opreconceito viceje impunemente (ele consegue ficar anonimo, mas isso não srpa impunemente – eu falo do preconceito e, sinceramente, eu não vou a este blog nunca, fui, ontem, porque uma amiga me ligou e disse para eu pesquisar por soropositivo no google para eu ver se via o que ela estava vendo. E estavamos, sim, bendo a mesma coisa, que é isso aqui:. Este texto parece uma coisa insignificante, mas a grande verdade é que: 1) É possível que isso não se realize.
          2) Muita gente vai ler isso e não vai clicar no link; ele simplesmente vai pensar que transar sem camisinha não é uma coisa tão ruim, ou perigosa…
          3) Eu não sei se está em meu site ou se eu li em algum outro lugar, há meninas (crianças) de 12 anos, com AIDS, dando à luz a outras crianças, com AIDS. Isso mostra que o ambiente hermético que o JS parece projetar, pois só num ambiemte herméticamente fechado, em abóbodas isoladas, poderia existir e eu não vou pegar o clichê da África. Eu vou chamar a atenção para o leste europeu e para a Ásia, o maior dos continentes, onde a AIDS grassa como fogo sob a tundra… No momento em que isso irromper….

          Enfim, eu fiz o que achi certo fazer, eu sempre ajo em função do que minha consciência e uma pessoa disse que eu exalo pessimismo, ou sei lá o que, ignorando que eu posso tomar isso como uma ofensa pessoal e fazê-lo pagar por isso, e não seria em dinheiro, eu pediria para o juiz comutar a pena dele para a prestação de serviço voluntário numa caa de apoio, onde infelizmente é jogada toda a “sucata do sofrimento huano” por pelo menos um mês, para que ele pudesse ter a visão burilada de forma a entender porque eu me preocupo tanto com o peso das palavras. Eu dei uma olhada à minha direita e vi um monte de besteira escrita e vou ver o que faço co isso. Minha audiência é boa, não preciso do que vem dai, se é que alguma audiência vem daí. Eu levo meu trabalho muito a sério e esta é a última resposta que eu dou, por esta via, a vcs. Não garanto nada sobre outro tipo de resposta, um tanto quanto mais ácida em quem resolver tentar me ofender. Eu vi algo errado e manifestei minha opinião. Quanto à audiência, eu vi de relance alguém falando (sic) sobre isso, no google, para a palavra soropositivo, o quadrro é este: 🙂

          • P.H.G. diz

            Cláudio, você poderia ter lido todo o comentário pra depois responder, só assim acho que entenderia o meu propósito. A essa altura acho que foi em vão, já que novamente seu comentário é só pra ataques e ameaças.
            E, só pra constar, todos sem fundamentos jurídicos plausíveis, tendo em vista primeiro a relativização dos direitos fundamentais .O direito a livre manifestação de pensamento, vedado o anonimato, não é absoluto, ainda mais quando em colisão com outros direitos fundamentais constitucionais, tais como o direito à intimidade, a vida privada, a dignidade da pessoa humana, o que no direito se chama técnica da ponderação de interesses. Segundo que danos morais por ser chamado de pessimista é demais pra mim, não tenho nem o que comentar.

            Só não esqueça que todos nós (ou quase todos aqui) somos PVHIV e cada um tem sua própria luta e sua própria realidade.

        • Deco diz

          P.H.G.,seu post me fez lembrar do primeiro contato que tive com o blog ao ser diagnosticado. Confesso que nos momentos iniciais eu só fazia chorar e me “conformar” com a morte, que para mim era eminente. O blog foi um sopro de alívio diante de tanta angústia, medo e lágrimas; porém lendo os comentários, cheguei até um infeliz que se referia ao tratamento como “quimioterapia”, dizendo que éramos “loucos” por fazê-lo, pois iria acabar com nosso corpo de qualquer forma. Pronto, foi mais um dia de lágrimas e medo, e como não havia compartilhado meu diagnóstico com ninguém de minha família, todos me viam chorar copiosamente sem entender nada, para eles eu estava com depressão. Fazia de tudo para não sair de casa, pois achava que estava tatuado bem grande um “+” em minha testa. E olha que quem me acolheu em meu CTA foi o fundador que convive com o vírus há 30 anos e é o exemplo de pessoa saudável, alto-astral e de bem com com a vida, mas nada disso fazia sentido pra mim. O que me fez sair dessa foi o tempo, o melhor remédio para todos os males, físicos e psicológicos. Conheci pelo kik pessoas maravilhosas, amigas, atenciosas; e mais tarde essa amizade virtual se tornou real. Hoje vejo que é “vida que segue”, feliz, plena como entendo ser, e saudável. Infelizmente tive a visão esquerda prejudicada por conta do citomegalovírus, mas isso não me impede de ver o mundo colorido e belo como é. Pratico exercícios, saio com meus amigos sempre que posso, trabalho muito pois “cabeça vazia é oficina do diabo” e agradeço, agradeço muito por viver numa época em que o tratamento está avançado e vai avançar ainda mais, por ter encontrado em meu caminho pessoas muito especiais e atenciosas, e principalmente pelo dom da vida. E bora viver e ser feliz!

          • P.H.G. diz

            Deco, ser grato faz toda a diferença.
            sou grato todos os dias pelo dom da vida.
            Depois passa seu kik.
            E é isso aí, viver e ser feliz, sempre!!

      • roger diz

        Claudioooo eu nao sou um menino e tenho 46 anos e conheci muita gente que morreu de aids…So que agora o tempo e outro e os meninos e meninas querem conforto…certo? Vai ter cura sim e essa juventude ficara livre desse virus…

  24. Matheus diz

    Entendo seu pensamento Claúdio…não vejo inverdades nem no que vc escreve e nem no que o JS escreve…sei que vc fica temeroso em alguém ler esse texto e pensar q a AIDS já era, mas essa não é a intenção do JS pode ter certeza,alias tenho convicção que esse blog é de imensa ajuda aos recém diagnosticados(foi assim para mim)…Enfim espero que vc entenda o que o JS tenta transmitir nesse blog e que juntemos nossos conhecimentos e informações para combater nosso inimigo que é o mesmo.

  25. Mari diz

    É a primeira vez que escrevo aqui no blog, embora em muitos outros momentos quis comentar algo e acabava por não fazer. Adorei esse artigo e embora eu saiba que nem tudo são flores (pelo menos para mim), é sempre bom ler coisas positivas e que nos deixam pra cima.
    Eu fui diagnosticada no dia 30 de Novembro de 2015, porém fui infectada pelo vírus no inicio de Outubro do mesmo ano, durante uma viagem para fora do Brasil onde encontrei meu ex-namorado que mora foram fazem alguns anos e claro, nunca poderia imaginar que isso aconteceria. Passei 10 dias viajando com ele e embora tenha usado preservativo na grande maioria das vezes (pensando apenas em prevenir de uma gravidez), foi nos poucos momentos de descuido que aconteceu. Ironia do destino, pois eu que tive relacionamentos sempre mais duradouros e conhecia ele muito bem (entre indas e vindas nos conhecemos fazem 15 anos) jamais poderia imaginar que algo assim fosse me acontecer. Tive a infecção aguda ainda nos EUA e cheguei a ser hospitalizada lá, pois eu não tinha forças nem para levantar da cama e foi onde realizaram o meu primeiro teste de HIV que deu negativo. Depois de ter ficado bem e já de volta ao Brasil, eu poderia achar que não se passava de uma virose “americana” se não fossem estranhas pintinhas vermelhas que durante a infecção aguda apareceram por todo o meu corpo e o médico que me atendeu no hospital dos EUA disse serem reflexos da desidratação causada pela febre (sendo que na minha infecção aguda a febre era bem baixa, o que incomodou mesmo foi a dor de cabeça e o mal estar no corpo). Não satisfeita com essa explicação comecei a pesquisar na internet essa relação da desidratação com as pintinhas e não achava nada que ligasse uma coisa com a outra. Em uma dessas buscas pelo google me deparei com o nome “HIV”, o que na hora me pareceu bem assustador e não fazia muito sentido. Porém, ao ler um pouco mais e descobrir sobre a infecção aguda, os sintomas, o tempo que ela levava pra se apresentar .. tudo se encaixava e eu comecei a entrar em desespero, principalmente pelo fato de que desde então eu acordava durante todas as noites completamente molhada de suor mesmo dormindo com o ar condicionado em temperatura baixíssima e isso nunca tinha me acontecido. Enfim .. foram cerca de uns 5 dias de angustia e medo pensando na possibilidade de ter contraído o vírus e ao questionar meu ex (que nessa altura já me fazia juras de amor e estava fazendo de tudo para que eu fosse embora do Brasil morar com ele) que me garantiu que não existia essa possibilidade. Não confiei nele e fui no dia seguinte ao centro de testagem na minha cidade onde, para minha tristeza, o teste de HIV deu positivo. Não preciso nem falar o que senti, pois acredito que esse seja um sentimento compartilhado pela grande maioria aqui. Minha primeira reação (depois de ligar pra ele e falar que queria esganar ele, rs) foi contar pra minha mãe e pra uma grande amiga, dois anjos que Deus colocou na minha vida e que me ajudaram muito a superar essa fase de luto da descoberta. Logo busquei tratamento com uma infectologista maravilhosa que descobri pela internet e em poucos dias comecei a tomar o 3×1. No meu primeiro exame de sangue minha carga viral estava muito alta (100.000 cópias) e meu CD4 700 .. ela me disse que essa carga viral alta era por causa da infecção recente. O único efeito colateral que eu tive foram os sonhos e que duraram cerca de uns 2 meses. mas logo depois foi melhorando. o meu segundo exame, feito 4 meses depois do inicio do tratamento minha carga viral já estava indetectável, porém meu CD4 tinha caído de 700 pra 500. Embora não fosse tão baixo, era desanimador ver que ao invés de subir ele desceu. Graças a minha médica que é uma pessoa maravilhosa, super humana eu não me deixei desanimar completamente, pois ela afirmou que era “normal” e que o CD4 voltaria a subir. Hoje, depois de quase um ano de tratamento fiz novamente os exames de sangue tem uns 15 dias e o resultado foi carga viral indetectável e meu CD4 980, o que me deixou bastante feliz!!
    Sei que não é fácil nossa situação, mas acredito que tentar pensar e viver de forma positiva e saudável é o melhor caminho, pois isso irá influenciar diretamente na nossa saúde (pelo menos é o que dizem, rs).
    Bom, vou ficar por aqui que meu texto já está muito grande .. acho que era a vontade de desabafar com quem vive algo parecido com o que estou vivendo. Prometo que nos meus próximos comentários serei mais breve, rs!!

    Abraços e vamos que vamos!!

      • Mari diz

        Oi, eu não tenho esse aplicativo. Uma vez baixei, mas não entendi nada e desisti.

    • Fersp diz

      Mari se quiser conversar um pouco mais, faz bem desabafar, comigo funcionou bem também.

      Se quiser, Me passa o e-mail podemos conversar melhor, mas continue desabafando que é a melhor coisa a se fazer. Eu mesmo, ninguém além dos médicos sabe, e gosto de poder trocar experiências.

  26. Danilo diz

    Pessoal, uma coisa que devemos brigar é para as coberturas que nis beneficiam. Ora, vi que meu seguro de vida além de não cobrir a descoberta do hiv, ainda exclui a cobertura de doença grave no caso de cancer na presença de hiv. Estou revoltado com isso, nao tem nenhumaaaaaa justificativa para isso. Vamos ficar calados, deveriamos ser bem tratados com isso. Ademais, nao podemos quem tem cancer tem varios beneficios como a quitacao de financiamento na caixa. O que temos? Preconceito e uma doença cronica. Vamos nos unir!!!

    • CLOP diz

      Danilo trabalho na área de seguros e e depende muito do produto que vc contratou em termos gerais os produtos que são vendidos pelo gerente de banco quase nunca são adequados para o cliente devido ao fato que o gerente que bater a meta a é funcionário do banco já um corretor de seguros devidamente registrado apresenta um produto um produto adequado as necessidades do cliente. Sobre a questão do financiamento o HIV é ima doença crônica e pode ser tratada com medicamentos assim como Diabetes, pessão alta e outras doenças mais usuais, se quiser mais informações sobre os seguros envia um email para volans@volansseguros.com.br volans@volansseguros.com.br que eles iram te passar mais informações

  27. Verdes Olhos diz

    Pessoal, como é esse lance do KIK? Fiz um usuário pra mim (que é: VerdesOlhos ), mas não sei como funciona. Alguém pode me ajudar?

    Já agradeço 🙂

  28. Um tema que gostaria de ver mais por aqui são terapias alternativas ASSOCIADAS à TARV. Por exemplo, já ouvi o Doutor Lair Ribeiro falar sobre a terapia com baixas doses de Naltrexona como muito positiva para portadores de HIV. Já ouvi falar de gente que faz uso de Coenzima Q-10 também.

    Faço exames (além da carga viral e CD4) com muita frequência e consegui baixar meu colesterol total e meu LDL para níveis normais, porém meu HDL ainda está baixo e triglicérides ainda estão altos, são meus próximos desafios. Se o JS puder fazer um post sobre essas terapias alternativas que auxiliam a nós portadores de HIV a melhorar nossa qualidade de vida acho que seria muito bom para que cada um possa relatar nos comentários o que vem usando e discutir com seu médico a possibilidade de agregar essas outras coisas ao tratamento. A chave para a nossa saúde não está só na TARV, creio que ela é a base de tudo, não podemos deixá-la de jeito nenhum, ainda mais para nos metermos em maluquices não comprovadas como essa mutamba. Mas outros tratamentos e terapias seria de grande valor.

    Outra coisa, sinto uma falta danada de produtos (alimentos, suplementos etc) voltados para nós soropositivos. Eu sempre comparo o nosso caso ao dos que convivem com Diabetes. Existem lojas com uma infinidade de produtos para esse público, se vocês observarem em 20 anos um diabético aumentou enormemente seu arsenal para levar a doença numa boa. Acho que é uma dica para empreendedores. Quem sabe um e-commerce com produtos voltados à saúde dos soropositivos. Somos um público grande, não estamos mais morrendo nos corredores de hospitais, trabalhamos, ganhamos nosso dinheiro e podemos comprar produtos que melhorem nossa saúde e qualidade de vida. Quero uma linha de produtos também.

    • Fersp diz

      Br meus exames no inicio foram parecidos. Triglicerídios alto, eu consegui baixar bem com alguns produtos naturais, o principal foi a capsula de óleo de coco, junto com outros produtos naturais que ajudam a regular o organismo e melhora qualidade de vida, e claro o tratamento. Faça uma pesquisa na internet, converse com seu médico.

      Quanto aos suplementos, concordo, sim é um nicho de mercado excelente, pois além de melhorar a qualidade de vida, ajudará muito no tratamento dos remédios.

      Abraços

  29. caradobemsampa2 diz

    Viver com otimismo é melhor sempre (minha humilde opiniao).
    Quero acreditar que continuarei a ter uma vida saudável e faço por onde.

    Qdo recebi o diagnóstico no início do ano passado, não tinha nenhuma base conceitual sobre o tema.
    Qdo recebi o exame positivo, achei que ia morrer. Li sobre lipodistrofia, efeitos colaterais, sofrimento e morte.
    Até que cheguei nesse (santo) blog, onde encontrei informações, depoimentos e experiências. Conheci outros soropositivos pessoalmente, incluindo JS (que garanto que não é um personagem). Me tornei amigo de muitos que conheci aqui. E que vivem muito bem.
    Descobri que hiv não tem cara, Sexo, raça ou condição social.
    Descobri Tb que existe vida após o diagnóstico.
    Vale lembrar que tratamentos bem e não tão bem sucedidos, fazem parte da estatística. E acredito que só irá aumentar a quantidade dos bem sucedidos.

    E vale lembrar também que todos nós precisamos ter um médico que precisamos confiar. E que vai acompanhar nossa condição de saúde.

    A leitura é livre e a interpretação Tb.
    Cada um enxerga o mundo, com os óculos que tem.
    Pensem, as vezes vale a pena trocar a lente.

    JS continue dividindo informações. Muita gente precisa disso.
    Muita gente precisa desse blog.

    Abraçao

  30. caradobemsampa2 diz

    Viver com otimismo é melhor sempre (minha e opiniao).
    Quero acreditar que continuarei a ter uma vida saudável e faço por onde.

    Qdo recebi o diagnóstico no início do ano passado, não tinha nenhuma base conceitual sobre o tema.
    Qdo recebi o exame positivo, achei que ia morrer. Li sobre lipodistrofia, efeitos colaterais, sofrimento e morte.
    Até que cheguei nesse (santo) blog, onde encontrei informações, depoimentos e experiências. Conheci outros soropositivos pessoalmente, incluindo JS (que garanto que não é um personagem). Me tornei amigo de muitos que conheci aqui. E que vivem muito bem.
    Descobri que hiv não tem cara, Sexo, raça ou condição social.
    Descobri Tb que existe vida após o diagnóstico.
    Vale lembrar que tratamentos bem e não tão bem sucedidos, fazem parte da estatística. E acredito que só irá aumentar a quantidade dos bem sucedidos.

    E vale lembrar também que todos nós precisamos ter um médico que precisamos confiar. E que vai acompanhar nossa condição de saúde.

    A leitura é livre e a interpretação Tb.
    Cada um enxerga o mundo, com os óculos que tem.
    Pensem, as vezes vale a pena trocar a lente.

    JS continue dividindo informações. Muita gente precisa disso.
    Muita gente precisa desse blog.

    Abraçao

    • Amanda diz

      Oi Belle! Eu e meu marido também somos sorodiscordantes, nosso infectologista, dr Roberto Badaró, de salvador, orientou que ao iniciar o tratamento 3×1, que principalmente o Efavenez causaria muitas reações desagradáveis, principalmente nas primeiras 2 semanas, realmente ele teve umas alucinações, mas hoje em dia sua carga viral negativou e ele está até gordinho, bem adaptado a terapia medicamentosa, ele disse que fazendo acompanhamento certinho poderia engravidar novamente, pois com a carga viral negativada, não passaria o vírus. Acalme seu coração, o melhor já aconteceu, ele foi
      diagnosticado a tempo de se tratar antes que vc engravidasse. Entregue tudo nas mãos de Deus que ele proverá. Um forte abraço.

  31. ruan diz

    olá faz uns diazinhos que não escrevo aqui,mas lendo esse artigo confirmei tudo oque meu médico disse, estou bem há 01 ano indetectável, com saúde ótima, namorando, somos sorodiscordantes, mas nunca deixo de me prevenir, estou muito bem levando a vida .Abraços.

  32. Belle D Jour diz

    Namoro a dois anos e meio e a um mês atrás fizemos o teste de HIV ! Ele deu positivo e eu não ! Foi uma mistura de sensações que não sei nem explicar !
    Faço o teste com frequência devido ao meu trabalho e foi uma supresa ess divergência de resultados ! Mas nem por isso desisti do meu relacionamento ! Ele está tomando o 3 em 1 não faz uso nem de álcool e nem de drogas ! Estou comentando isso pois li em alguns artigos que uso disso aumenta os efeitos ruins do remédio ! Ele tem sentido muita tontura , pesadelos , boca seca , dificuldade para dormir , alucinações , e sensação de que a vida está em flashes ! Muita coceira na cabeça e em algumas partes estou do corpo e apareceram algumas manchas vermelhas no rosto ! Vocês também tiveram isso ? Procuro achar respostas em vários sites mas é tudo muito confuso ! E aqui lendo os comentários de alguns de vocês me deu esperança ! Estamos vivendo cada dia de uma vez , diminuindo o ritmo de tudo ! As relações agora só com preservativo ! A única coisa ruim é que meu sonho de ser mãe já era 😦 !! Sou do Rio de Janeiro e gostaria de saber se existe aqui um lugar onde eu possa me informar mais e trocar experiências com pessoas que já tem o vírus a muito tempo ! Ou até mesmo aqui através de vocês !
    Estou muito preocupada ele está tão magrinho 😦 ! De um ano pra cá percebemos que ele perdeu uns 14 kilos mas nunca desconfiamos de nada ! Vou continuar acompanhando o blog !

    • caradobemsampa2 diz

      Belle
      Creio que seja oportuno ele falar com o médico sobre os efeitos e as manchas vermelhas. Exames de rotina Tb são solicitados pelo médico para acompanha a saúde dele.
      Em muitos momentos os efeitos colaterais desaparecem ou minimizam após a terceira semana

    • Positivo_Confiante diz

      Belle, tudo bem?

      Acho importante conversar com o médico sobre esses efeitos neurológicos que ele está tendo. Sobre seu sonho de ser mãe, não acabou não. Procure se informar melhor, mas até onde sei um casal sorodiscordante pode ter filhos desde que ele esteja indetectável há pelo menos 6 meses e o processo seja acompanhado de perto por infectologistas/ginecologistas. Converse com seu médico e dê uma procurada aqui no blog que já vi pessoas falando sobre isso. Boa sorte!

    • Amanda diz

      Oi Belle! Eu e meu marido também somos sorodiscordantes, nosso infectologista, dr Roberto Badaró, de salvador, orientou que ao iniciar o tratamento 3×1, que principalmente o Efavenez causaria muitas reações desagradáveis, principalmente nas primeiras 2 semanas, realmente ele teve umas alucinações, mas hoje em dia sua carga viral negativou e ele está até gordinho, bem adaptado a terapia medicamentosa, ele disse que fazendo acompanhamento certinho poderia engravidar novamente, pois com a carga viral negativada, não passaria o vírus. Acalme seu coração, o melhor já aconteceu, ele foi
      diagnosticado a tempo de se tratar antes que vc engravidasse. Entregue tudo nas mãos de Deus que ele proverá. Um forte abraço.

  33. Cbb diz

    Qrda Mari, mto grato pelas tuas explicações lúcidas, e julgo que devemos continuar a viver a vida e não ficar na esquina a contabilizar os que partiram desta para o outro lado por aids ou complicações decorrentes desta. Bem haja esse blogue.

  34. Li diz

    Bom dia. Recebi meu diagnostico ha 3 meses atrás. Após um mês iniciei meu tarv 3×1. Anteriormente realizei todos exames possíveis hemograma, urina, enzimas, hormônios, cv e cd4. Minha CV inicial era 43 mil e meu CD4 341 e a relação cd4/8 estava 0.56%. Após 1 mês e 20 dias de tarv realizei novos exames e fiquei muito feliz com o resultado. Minha cv está 170 cópias e meu cd4 589, sendo a relação cd4/8 0.89. Outros exames estão todos perfeitos. Continuei com a alimentação balanceada que sempre tive, atividades físicas e sempre pensamento positivo. Não fumo, mas tomo minha cervejinha aos finais de semana. Esse blog me ajudou muito. Aqui conheci muitas pessoas que me auxiliaram e hoje os considero meus amigos. Eu sou otimista sim, não sou nenhuma leiga, pois não sei se irão lembra, mas sou a geneticista que deu um depoimento triste no começo de Agosto. Hoje estou muito bem tanto psicologicamente quanto fisicamente e assim ficarei por longos anos de minha vida. Só lembrando não tive efeitos colaterais com a medicação. Beijos no coração de todos. Força, fé e esperança!!!!

  35. Belle D jour diz

    Não sei o que é Kiki ?
    Obrigada a todos que me responderam !
    Alguém sabe se existe algum medicamento ou vitamina que seja recomendado tomar ? Tipo centrum ? Ou algo nesse gênero ?
    Vou me informar sim sobre o lance da gravidez , caso o dono do blog saiba ou tenha lido algo a respeito e puder me passar eu agradeço muito ! Meu e-mail e gatinha_cam_cam@yahoo.com.br

  36. Rapaz+ diz

    Fiquei muito triste com toda essa discussão acima. Confesso que não procurei a entender sobre o que se trata. Todos sabemos da gravidade de ser soropositivo, e todos nós positivos sabemos da forma de se cuidar, cada um com sua individualidade. A realidade é que eu devo me cuidar mais. Eu sou neutro quando fala se de cura, já disse isso antes e volto a repetir, desenvolvendo remédios com menores efeitos colaterais e com maiores intervalos de tempo pra mim tá ótimo. Sou cristão, e nunca pedi para Deus me curar do HIV, apenas peço a Ele que me mantenha saudável. Eu sou grandemente grato pois minha vida não mudou em NADA, exceto tomar um UNICO comprimido a noite. Cuidar da saúde é uma obrigação de todos que querem viver, agora para viver abraçamos essa obrigação que deveríamos ter tido desde a vida negativa. Já pararam para imaginar que tristeza é aplicar insulina diariamente, mas porque isso não é discutido? Pois não há culpa em ter diabetes, não há um pecado. No entanto, falar de sexo que é causa do HIV nos gera culpa, não pode ser discutido isso nas igrejas, e até nas escolas. Enquanto o HIV for um tabu, um pecado jamaiz haverá a cura. Conversando com meus amigos que não sabem de minha sorologia, eles como eu acredittava achava que o HIV só tinha no meio promíscuo, numa casa de prostituição, e para isso a camisinha resolve. Então porque ainda há muitos casos de HIV entre os jovens assim como eu? Pois começamos a amar alguém, e fazer sexo sem camisinha é uma representação de entrega, mostrar o tamanho do amor que tenho pela pessoa, até um certo dia eu ir fazer exame de rotina para estudar fora e me deparar com um POSITIVO. Primeira coisa que pensei foi: Ham? Se ao menos eu tivesse transado inúmeras vezes sem camisinha com vários parceiros, mas foi com meu namorado com a pessoa que amei! Enfim, hoje em dias todos sabem a forma de prevenção do HIV. Mas ele.nao tem mais cara, nem razão social e muito menos acreditar que o amor não seja um canal de transmissão como foi meu caso.

  37. Iago diz

    Js, Vc é extremamente importante na minha história c o hiv. Só para registrar. Continue nos ajudando c seu conhecimento e otimismo. É tudo que a nova geração precisa.

  38. Olem diz

    pessoal, quem quiser bater um papo via skype me adiciona no olemfort ou no olemleao!

  39. Soro+MR diz

    Olá a todos.
    A duas semanas recebi o diagnostico.
    No momento fiquei paralisado, a primeira coisa que veio na cabeça foi (Até quando vou viver ?).
    E a primeira coisa que vem na cabeça é procurar noticias e desabafos relacionados ao HIV, achei muitas coisas positivas e negativas.
    Comecei a ter pesadelos a noite, dos momentos felizes com familiares e amigos.Bateu uma pequeno desanimo, pois estou a poucos meses do vestibular de medicina. Quem já passou por isso sabe que nosso emocional já fica abalado por conta dos estudos intensivos e reprovações, e receber um diagnostico desse é complicado. Essa semana já estou mais tranquilo, pois conheci historias de universitários e médicos que também são soropositivos. Morrer um dia todos nós vamos, se ficarmos parados esperando a “morte” ou a “cura” vamos deixar de conhecer novas pessoas, de viver momentos felizes. Só conhecemos historias de pessoas com diagnostico tardio já em fase terminal, de pessoas rancorosas que disseminam ódio. Tenho metas para serem cumpridas, sonhos para serem realizados. O HIV tem 34 anos de existência no mundo. Vocês conhecem Silvia Almeida (Silvinha / 23 anos com HIV) e Rafael Bolacha (7 anos com HIV) ? Busquei forças na mensagens deles, são mensagens positivas, de pessoas que fazem o tratamento certo… Na minha consulta a medica disse: Você não precisa escrever em um outdoor “Tenho HIV”, vai viver sua vida, nunca deixe sonhar. Logo a cura já está batendo ai na porta !

  40. Paul diz

    Gostaria de compartilhar minha experiência, no dia 19/09 estava com muita dor no peito e suspeita de pneumonia a alguns dias. Chegando no hospital fiz uma tomografia e ali já fiquei internado na UTI. O tratamento foi iniciado e certo momento o médico me falou sobre a necessidade de fazer o teste de HIV e eu concordei na mesma hora sem nem dar a menor atenção, já que ele disse que era rotina. A pneumonia só piorava o o tratamento parecia na evoluir, até que no dia 22 logo de manhã recebo a visita do mesmo médico dizendo”sabe aquele exame que pedi, deu positivo, isso explica a pneumonia “. Nossa, na hora eu que já pensava estar morrendo, quase morri mesmo. Ele tentou me acalmar e tal, mas só pensava que ia morrer, que tinha um filho pequeno, uma esposa linda e que todos iam ficar na mão. Fiquei ali sozinho na cama até o fim da tarde quando minha esposa chegou toda feliz pra me visitar e tive que contar pra ela. Ela ficou muda, não falou nada, e eu em estado de choque, tomando oxigênio sem nem conseguir me mexer. O médico nesse momento levou ela pra conversar e já pediu um teste rápido. Eu pensava, 10 anos juntos, com certeza ela tava infectada, mas após 40 mim ela chegou com um teste não reagente, foi um alívio. O teste completo também de negativo e agora vamos fazer um daqui a 30 dias para confirmar. Nesse momento fiquei mais tranquilo, pois não era justo ela pagar por um erro meu. Agora ainda estou no hospital e a pneumonia já está melhorando, mas o que me preocupa é que o cd4 está em 50. Ainda essa semana vou iniciar o tratamento e estou muito apreensivo. Na verdade to com muito medo mesmo. Ainda bem que minha esposa não me abandonou, e acho que isso vai me dar força pra segui na luta. Fé em Deus que vou sair dessa.

    • Positivo_confiante diz

      Paul, tudo bem?
      Espero que já esteja melhor. Eu também descobri por acaso, e minha esposa estava grávida. Entendo o medo que passou de ter infectado ela e o seu filho. Ainda bem que tanto no meu caso, como no seu, isso não aconteceu. Com certeza o fato da sua esposa não ter te abandonado (a minha também ficou do meu lado, e posso dizer que hoje somos até mais unidos), vai te fortalecer nessa luta. Quando descobri o meu CD4 estava em 89. Tomo o 3×1 e hoje, dois anos depois do início do tratamento, ele está em 416. Ainda não é o ideal, mas o que me explicaram é que quando se começa o tratamento com o CD4 baixo, ele demora mais para subir. Fique tranquilo que vai dar tudo certo. Abraço

  41. Paul diz

    Olá positivo confiante, lendo sua história fico mais confiante, precisava ouvir algo de quem está vivendo o problema. Ainda estou no hospital, mas vou embora amanhã com a saúde bem melhor e respirando bem pelo menos. Vou começar o tratamento na próxima semana e estou com muitas dúvidas quanto a efeitos colaterais, se vou conseguir trabalhar normalmente, se houveram mudanças no corpo, se vou conseguir tem uma vida normal com a minha esposa, com a sociedade, nossa…é muita coisa na cabeça. Obrigado pelo apoio e espero que esteja bem.

    • Positivo_confiante diz

      Paul, tudo bem? No começo é complicado mesmo, a gente pensa no pior cenário possível. O que posso dizer é da minha experiência. Comecei com o 3×1 e nas primeiras três noites tive alguns sonhos estranhos, ficava meio grogue uma hora após tomar, e mais nada. Fiquei indectável já no próximo exame (dois meses depois do início da medicação) e o CD4 foi subindo, lentamente mas foi. Tomo antes de dormir (tem quem prefira outros horários), mas para mim não alterou em nada a minha rotina. Continuo trabalhando, estudando, curtindo minha família, amigos, bebendo minha cerveja de vez em quando, tudo normal. Claro que às vezes bate uma tristeza, mas logo passa também. A tristeza tb. batia quando era soronegativo, por outros motivos, na maioria das vezes menores. Claro que ninguém quer ter o vírus, mas acabei usando todo o sofrimento pelo qual passei para ressignificar vários aspectos da minha vida. Acho que o ideal é sempre aprender algo com as rasteiras (e bota rasteira nisso) que a vida nos dá. Espero que você se adapte bem com o tratamento. E lembre-se que sempre é possível trocar a medicação, caso tenham efeitos adversos com forte impacto na sua qualidade de vida. Boa sorte. E nos mantenha informado. Abraço

  42. Wka diz

    Olá Paul.

    Espero que esteja bem melhor. E comece o tratamento e seja feliz com sua esposa, sempre se precavendo e usando a camisinha. Viva a sua vida normalmente. O que irá mudar é somente ir mais ao médico e se cuidar mais.

    Um abraço.

  43. Luana diz

    Oi crianças, voces estão muito exagerados, a aids não mata ninguem mais, falo isso por mim, tenho hiv há 28 anos e faço o tratamento com ARVs, há 20 anos, desde 1996, estou viva até hoje, linda e loira, fui contaminada pelo meu ex marido que faleceu de aids, tive um filho com ele soronegativo, hoje formado e empresário, depois que tive pneumocitose e descobri que eu estava com aids, comecei à levar isso para o lado científico e não para o lado social, graças à minha profissão que é da área biomédica. Nunca tive morte social, criei meu filho sozinha, formei ele na faculdade, fiz dele um empresário de sucesso, ele se casou há 2 anos atrás, entrei com ele no casamento, linda e loira, com meu vestido importado de Miami, estava belíssima, quem me vê jamais imagina que eu tenho hiv, vivo bem, tenho amigos (que não precisam saber da minha condição de soropositiva) já passei dessa fase, a maioria do tempo esqueço que sou soropositiva, na verdade só me lembro disso quando vou tomar meu remédio.
    Só morre, de aids quem não faz o tratamento com ARVs e não acompanha os seus exames de CV e CD4 de 6 em 6 meses ou 1 vez por ano, dependendo dos resultados dos seus exames Só morre socialmente quem quer, nunca mais tive nada a não ser gripes normais, saio, viajo, dirijo, namoro, vouao salão de beleza, faço as unhas todas semanas, cuido do meu cabelo, faço depilação, faço academia, Já fiz plástica no rosto e pescoço, pareço ter 10 a 15 anos menos que eu tenho, cuido de mim, da minha casa e da minha vida.
    Portanto parem de se fazer de coitadinhos, vão à luta, que a vida esta aí para ser vivida, trabalhem sua alta estima, se cuidam, vão para academia, viajem, curtam a vida normalmente como qualquer soronegativo, afinal o problem é de quem tem preconceito, SE ALGUÉM TEM PRECONCEITO CONTRA O HIV\ AIDS O PROBLEMA É DELE E NÃO SEU, ELE SIM QUE DEVE PROCURAR UM PSICOLOGO E FAZER TERAPIA.

    • Paul diz

      Pessoal, esses depoimentos estão me ajudando e muito, estou muito confiante. Já deixei o hospital e comecei o tratamento com o 3×1, consegui o remédio sem problemas e ate agora nada de efeitos, apenas uma “brisa” quando acordo mas logo passa. Agora estou confiante que minha vida vai seguir normal. Já voltei pra faculdade hj e pretendo voltar pro trabalho semana que vem. Agora cada vez mais acredito na vida após o HIV. Grande abraço a todos o muito obrigado.

      • Luana diz

        É isso aí Paul, fico feliz por voce, corra atrás dos seus sonhos, tome as rédeas da sua vida, seja o cavaleiro dela e não o cavalo, não deixe que um mísero virus tome conta da sua vida, afinal somos muito mais inteligentes do que ele… Viva a vida normalmente, faça o seu tratamento e evite pessoas preconceituosas e deprimidas, se necessário, evite os velhos amigos se eles te discriminarem e arume novos amigos (mas lembre-se que eles não precisam saber que voce é +), Trabalhe, namore, viaje, cante, dance, voce provavelmente verá a cura, afinal vai viver até os 73-75 anos, vai se formar, ver seus filhos formarem, casarem, vai conhecer seus netos… no inicio eu tomava 16 capsulas e comprimidos por dia, hoje eu tome o 3 porque fiquei com resistência ao Efavirenz, me sinto ótima, afinal em 20 anos ser resistente a penas um medicamento isso não é problema nenhum.

  44. Olha eu gosot bastante das suas postagens, e na maioria das vezes eu acompanho todos os comentarios. Penso que o medo, o tabu, e a falta de informação é o que mais atrapalha um debate mais produtivo acerca do Hiv e Aids….Embora as pessoas falem- e até mesmos os médicos e assistentes sociais, -sobre a importancia de não falar sobre hiv e aids para não sofrer preconceito, penso que esse é uma postura que só atrapalha uma discussão construtiva. Sou arte-educador e tenho pensado muito nas nossas responsabilidades e até mesmo empenho em desconstruir essa historia marcada pelo pavor e o terror….Fazer calar, é uma das estrategias do poder e do biopoder, que visam disciplinar e controlar o corpo e a existencia – Focault- Cada vez que eu vejo um soropositivo tratando da sua sorologia como se fosse de outra pessoa, me sinto chateado, porque a sensação que tenho é que ele esta reforçando um imaginário que ainda esta fortemente enraizado nas politicas da opressão e medo. A maioria das pessoas não falam sobre isso, porque tem medo do preconceito…e podem acreditar por esse mesmo medo muitos jovens e adolescnetes estao se matando ou mesmo não aderindo ao tratamento porque se angustiam que alguem venha descobrir…Isso é real…Eu mesmo namorei um rapaz durante uns 5 anos, em um momento que eu era negativo- claro o nosso sexo sempre foi com muito cuidado da parte dele….mas ele jamais tocou no assunto sobre a sorologia dele…inclusive quando eu falava sobre hiv e aids, ele sempre tratava isso como uma infecção e doença dos outros…..há exatamente um mes e meio soube da minha sorologia, não foi por ele que fui contaminado, porque nunca NUNCA transamos sem camisinha….mas depois que eu contei pra ele, pra minha familia, e tenho informado as pessoas pelo face, ele teve a coragem de me dizer que ja convive ha 7 anos com o hiv, e que nunca me contou por medo….Enfim penso que esse medo reforça muito estigmas….Ficar calado não é a melhor opção…Vamos pensar que vivemos o Futuro, e que podemos sim , nem que seja em pequenos circulos propor uma discussão construtiva e informativa sobre hive e aids e os avanços da biomedicina e do tratamento…enquanto nos escondermos , como aconteceu com as mulheres, gays , lésbicas continuaremos a ficar mais longe da realidade de exercitar o futuro…..Quanto ao rapaz que tem constantes medo de ser infectado- lhe digo uma coisa, nós fazemos parte dessa sociedade gerida pelo medo e pelo controle da nossa liberdade. Que cinicamente associa a falta de amor, a promiscuidade, a desejo, a conhecimento do corpo, ao sexo sem camisinha…..Devo te dizer sim…conuiste a tua autonomia e o desejo de viver e se amar mais antes de pensar somente nos outros….Muitas vezes esquecemos de nos cuidar, e diante da loucura e da histeria do mundo, nos deixamos ser infectados pela maldade e indiferença dos outros….penso mesmo que a pior das doenças é causada pelo virus ideologico- graças aos Deuses e Deusas e a ciencia vivemos uma realidade medicamentosa excelente nos tempos atuais em relação ao hiv…..naum tenho duvida que seremos mesmo a geração que tera a experiencia da cura….O mundo não suportará tantas mortes, tantas infecções e tantas mentiras que nos contam a respeito do corpo, do desejo, da autonomia, do empoderamento e das liberdades……Vamos nessa, amenizando o coração uns dos outros….em busca de uma sociedade menos hostil e segregadora….Lembrem-se que assim o poder e o saber afastou do convivio social as pessoas que tinham hanseniase, e hoje ela pode ser tratada e curada….bjinhos de Luz

    • Luana diz

      Bom dia Xan,

      Sim é verdade que devemos falar sobre hiv\ aids, mas primeniramente devemos nos informar cientificamente para nos cuidarmos, devemos falar sim, mas com as pessoas certas e preparadas, como psicologos, médicos infectologistas (porue muitos médicos de outras especialidades, especialmente os mais antigos, mal sabem sobre hiv\ aids0. Devemos lembrar que a sociedade em geral não esta preparada para isso, afinal o tema hiv\aids é um assunto novo, tem menos de 30 anos e a sociedade em geral não gosta de ler. A sociedade e o povo em geral andam a passos lentos em relação a esse tema, verdade que a geração mais jovens já foram melhor preparada nas escolas por professores, que muitas vezes tambem são preconceituosos e passam isso para seus alunos. A sociedade não esta preparada para discurtir isso, como ainda não esta preparada para receber casais gays em geral de braços abertos, Falo isso pela minha convivência de mais de 20 anos com a soropositividade, pois quando fiquei sabendo que era soropositiva em 1996, as pessoas corriam de nós como se fossemos seres de outro planeta, afinal mal sabiam como o hiv\aids eram transmitidos, os médicos e enfermeiros, usavam roupas de astronautas e capacetes na ala de molestias infectocontagiosas com medo de serem contaminados, se um soropositivo visitasse alguem e sentasse no sofá, depois a pessoa ficasse sabendo, o sofá era queimado, Cazuza e Renato Russo estavam morrendo, tomávamos de 16-20 remédios e comprimidos por dia, muitos + ficavam com a pele cinza comozumbi (efeito colateral do coquetel na época). enfim; a sociedade tinha e ainda tem muito medo de ser contaminada pelo virus hiv, falo isso com conhecimento, pois vivi isso tudo calada. na época conversei somente com meu médio e psicologas assustadas que não sabiam o que me dizer, mal me ouviram, quando formaram os grupos RNP+ fui procurar pessoas + para discutir o assunto e o que eu encontrei, foram pessoas drogadas, prostitutas, gays, bandidos, ladrões, um deles se passou por amigo e roubou o meu dinheiro de comprar remédio, foi quando eu percebi que teria que levar o assunto hiv\aids para o lado científico e me informar o máximo possível, para poder me cuidar melhor. Por isso concordo plenamente que ninguem precisa saber da soropositividade de ninguem e cada pessoa +, deve procurar as pessoas certas para conversar, afinal quando ficam sabendo da sua soropositividade, eles estão sensíveis e precisam de pessoas prepara das, que possam oferecer ajuda, apoio, compreensão, informação e não de pessoas mal preparadas e assustadas que só vão piorar esse momento tão delicado. Atualmente esta bem mais fácil conviver com hiv\aids, ainda existe preconceito sim, mas bem menos que há 20 anos atrás. Ninguem precisa sair gritando `a altos brados que é soropositivo, afinal o preconceito é com a doença e não com a pessoa. Atualmente temos informações sobre o assunto hiv\aids, basta clicar no google para vermos a quantidade de pesquisas que temos publicadas sobre o assunto. Evoluímos muito nesse sentido, temos varias opções de tratamento, novos remédios são lançados todos os anos e graças à esses pesquisadores maravilhosos, eu e muitas pessoas que se cuidaram e se trataram ainda estamos vivos, tão acostumados com o tema hiv\aids que o preconceito não nos afeta mais, afinal os preconceituosos tambem tem sangue e quem tem sangue nas veias que se cuide tambem, pois o virus hiv não escolhe classe social, cor, sexo, religião. basta ter sangue para ser contaminado. O que esta ocorrendo na verdade é uma adaptação do virus hiv na espécie humana, isso chama-se seleção natural biologicamente falando, na verdade os soropositivos de hoje serão os resistentes ao virus amanhã, pois já foi provado cientificamente que com o uso dos medicamentos ARVs o virus esta enfraquecendo e em breve ele ficará inativado e não fará mais efeito no nosso organismo e nós ficaremos resistente à ele, Virus inativado = vacina, portanto seremos naturalmente vacinados contra o virus hiv.

  45. ensinaprender diz

    Venho acompanhando muitas matérias por aqui. Como professor de ciências e biologia, consigo compreender um pouco mais o que se passa no interior do corpo, troco altas ideias com meu infecto atual.
    Ah, sou diagnosticado desde junho de 2012, passei por muitas barras, tive reação adversa a 3 combinações, hoje em dia estou muito melhor, com a saúde em dia.
    Detalhe, eu usava as combinações 1 mês e suspendia por conta das reações. Resumindo, nesses mais de 4 anos, demorei um ano pra começar a tomar os remédios, fiz intervalos de 1 ano entre uma tentativa e outra (resistência é um risco real).
    Agora completei um mês da minha 3a tentativa (lopinavir+ritonavir e tenofovir+lamivudina). Tive diarréias por 3 semanas, agora o corpo parece se adaptar. São 5 comprimidos (acho muito), tomava 3 pela manhã e 2 pela noite, agora tomo todos antes de dormir.
    Enfim, é muita coisa que acontece e aconteceu, caso qualquer um aqui esteja interessado em falar comigo, terei o maior prazer em contar um pouco que sei e da minha história, além do que, será um prazer saber mais de vocês. Acho incrível o que vocês fazem de se apoiar, coisas como essas ainda me fazem acreditar no ser humano. Vocês são lindos.

    61982618459 (meu whatsapp)

    Bjs a tod@s

    Reni

  46. survivor diz

    Otimo artigo, descobri a doenca a 7 anos atras e meu cd4 era 10, comecei o tratamento imediato e hoje vivo uma vida normal e saudavel, Meu cd4/cd8 e por volta de 700 e minha carga viral indetctavel. Muito obrigado pelo artigos e os comentarios de todos que lutam e sobrevivem com saude e paz no coracao e fe.

  47. Paul diz

    Pessoal, boa tarde a todos. Completei hoje 15 dias de tratamento com o 3×1. estava super preocupado com os efeitos colaterais e tal, mas sabe o que aconteceu?? nada, apenas uns sonhos meio esquisitos nos primeiros dias. Estou super bem e curado da pneumonia que quase me matou. Amanhã volto a trabalhar e retomo minha vida normal. Estou super feliz no meu casamento, minha esposa me aceitou e agora estamos aguardando o tempo da janela imunológica para confirmar o sorologia dela, já que no primeiro exame graças a Deus deu negativo. Confesso que hoje estou muito mais feliz que antes de descobrir a doença, pois comecei a dar mais valor na vida, e principalmente me dedicar mais ao meu casamento, ao meu filho e nas coisas que realmente são importantes na vida. A todos que estão passando a mesma situação só tenho a dizer: bola pra frente, aproveitem a vida, procurem a Deus, independente da religião e cuide de quem está correndo do seu lado, e o resto, é apenas o resto. Um grande abraço a todos!!!

    • Positivo_Confiante diz

      Maravilha Paul. Ótimas notícias. Para mim também funcionou assim, me fez olhar a vida de outra forma e dar valor ao que realmente importa. Isso aí, bola pra frente. Grande abraço!

  48. Umombroamigo diz

    Parabéns Paul!
    Excelente evolução, em 01 mês, graças a Deus!
    Que furacão hein? rsrsrsrs…. Boa sorte no retorno ao trabalho tbém.
    Se cuida, medicação no vírus e atenção para aumentar sua imunidade: coma bem, durma bem, se hidrate, exercite e pesquise todos os meios que poderão contribuir para seu restabelecimento e melhora. “bola pra frente, aproveite a vida, procure a Deus, independente da sua religião e cuide de quem está correndo do seu lado, e o resto, é apenas o resto.” (filósofo rsrs… Paul – JS)
    Abr

    • Luana diz

      É isso aí Paul, em menos de 2 meses com os antirretrovirais, voce já estara com uma carga viral indetectavel e uma imunidade bem mais alta. Se informe sempre sobre as pesauisas sobre hiv\aids, esse blog é super atual, pena ue eu só descobri ele à pouco tempo.
      Seja bem vindo à rotina diária novamente e o mais importante, previna-se para vcoe não se reocntaminar com outros subtipos de hiv, hepatie C e outros virus patológicos, isso porque quem tem hepatite C sofre bem mais com o tratamento com os ARVs, pois o fígado não suporta tanto como os que não tem hepatite C. Outra coisa, no início ficamos um pouco revoltados e pensando porque aconteceu isso com agente, etc, só aconteceu porque temos sangue nas veias, somos da espécie humana e não nos previnimos, simples assim, conheço pessoas que aprontam, ficam com 3-4 parceiros por final de semana, ou até mesmo por dia, mas como se previnem não pegam hiv, hepatite C e nenhuma outra doença sexualmente transmissível. Eu diria que os amigos tambem são muito importante, ir à um happy hour depois do trabalho, continuar sua vida social tambem é muito importante, para que voce não se sinta discriminado e solitário, os amigos não são o resto, eles são muito important na nossa vida, com o tempo voce sentirá isso, lógio que estou falando de amigos pra valer, eles existem viu e voce pdoe contar com alguns deles sim, mas lembre-se voce não precisa ficar contando para eles que voce é soro + afinal não sabemos o dia de amanhã, alguns ditos “amigos” de hoje podem e transformar em inimigos amanhã e podem usar isso contra nós, vá com calma, firme e forte, sem pedras nas mãos para atirar nos outros e muita fé em Deus e com o coração aberto para viver a vida normalmente, fazer o que voce gosta, ficar de bem com todos e principalmente com voce mesmo, afinal voce não é o primeiro soro + e nem vai ser o ultimo, com o tempo voce acostuma com isso e nem vai se lembrar mais disso, lembre-se que ser soro + é somente um detalhe que esta no nosso sangue e não esta escrito na nossa testa, viva normalmente e procure viver bem, alimentar bem, beber pocuo, ser feliz, isso é o mais importante, pois a felicidade, o bem estar e a satisfação aumenta a nossa imunidade, já foi provado cientificamente que OS MONÓCITOS um tipo de celula branc do nosso sitema imunológico, ficam circulando no sangue e levam a mensagem de satisfação e felicidade para o sistema imunológico que produz mais celulas de defesa para o nosso organismo. Portanto trate de ser feliz e vá à procura do que vcoe gosta de fazer, se gosta de pescar, procure exercer esse robb, se gosta de jogar futebol, jogue pelo menos 2-3 vezes por semana, se gosta de cinema vá mais ao cinema e assim por diante. Fiquei feliz por sua recuperação tão rápida.

  49. Luana diz

    Claudio Souza, pelo seus posts voce esta muito pesimista, com depressão ou com uma carência imensa no seu coração, de família, de amigos e de vida social, se cuide meu amigo, esse tipo de depressão os psicologos brasileiros ainda não estão preparados para tratar, digo isso porque quando soube que era soropositiva há 20 anos atrás e meu médico na época me disse que eu já tinha sido contaminada 8 anos antes, pois tive pneumocitose, ouseja, vivo com hiv há 28anos, não encontrei psicólogo nenhum capaz de me ajudar, pelo contrário, todos me olham com os olhos arregalados até hoje e me dizem que sou muito forte e perguntam como consegui sobreviver até agora. COMO SOBREVIVI… simples. fui pesquisar alternativas e encontrei a MEDICINA AYURVÉDICA (Medicina Indiana), já ouviu falar no Dr: DEEPAK CHOPRA… médico indiano, radicado nos Estados Unidos, escritor de vários livros, entre eles, OS MUTANTES, sim somos todos mutantes!!! outros livros dele que tambem podem te ajudar: CURA QUÂNTICA, VIDA INCONDICIONAL, CONEXÃO SAUDE, SAÚDE PERFEITA, OS MUTANTES, esses são os mais importantes, tenho todos eles, tenho xerox aqui, se quiser posso xerocr eles para voce, se vcoe não encontrar eles mais par comprar. No livro Conexão Saude, o Dr: Deepak Chopra, aborda a importancia da mente e dos nossos pensamento no processo de cura ou remissão espontânea (que é o processo de prolongar ao máximo nossa vida e ter uma boa qualidade de vida, mesmo sendo diagnosticado com alguma doença grave, não só hiv\aids, mas câncer, lupus e outras doenças do sistema imunológido e autoimunes, afinal nos ensinaram que tínhamos o nosso sistema de defesa, que tínhamos nossos soldadinhos que nos defendiam das doenças, dos virus, bactérias e fungos; agora vem esse tal de hiv e acaba com tudo, acaba com nossa defesa, ficamos vulneráveis sim, mas somente por um determinado período, pois lembre-se eles atacam somente os linfócitos CD4, e temos vários outros tipos de celulas de defesa no nosso sistema imunológico (linfócios, macrofagos, eosinófilos, basófilos, monócitos, etc), ele aborda que nossas células são inteligentes e que sabem como trabalhar para manter nosso organismo saudável, claro que as vezes precisamos de um remedinho para ajudar nossos soldadinhos. O mais importante de tudo ele aborda que TODA DOENÇA TEM CURA, MESMO QUE SEU MÉDICO ALOPATA DISSE QUE NÃO. A cura é ´possível sim, mas não essa cura alopata que todos querem, provada por A + B e confirmada cientificamente, mas a cura de poder viver bem, tomando alguns remedinhos, mesmo estando com um virus grave circulando em nosso corpo, lembre-se que o DNA esta dentro da célula, ou melhor dentro do núcleo e mais especificamente dentro dos nossos genes que contem TIMINA ADENINA, CITISINA E GUANINA, que são radicais proteicos, e finalmente em CURA QUÂNTICA, ele aborda todas nossas celulas de forma quântica, ou seja, ele vai muito além da célula, do núcleo, dos genes, do DNA e das moléculas de TIMINA-ADENINA ; GUANINA-CITOSINA, ele vai mais longe, chega nos átomos de Carbono (C); de hidrogênio, (H); de Oxigênio (O); de Nitrogênio (N), ele chega mais longe ainda, ultrapassa os elétros dos átomos de Hidrogênio, Oxigênio, Carbono, Nitrogênio, Calcio, etc, chega ao nucleo desses átomos dos quais todos nós, e TODO UNIVERSO, inclusive o VIRUS HIV… chegando mais longe ainda, nas particulas das partículas dos protons e eletrons ou seja nas subpartículas quânticas (O QUANTUM), dos elementos de que todos nós somos feitos, de que todo universo é feito, inclusive o virus HIV. Quando voce chegar à esse nível de conhecimento, bioquímico, biofísico e quântico, voce perceberá o quanto o nosso organismo é inteligente e bem organizado, de como nossas células são inteligentes, de como elas sabem trabalhar, que elas trabalham de comum acordo, colaborando umas com as outras, para que o processo de cura se instale em nosso organismo. Desejo à voce boa sorte e que Deus ilumine voce, para que, voce encontre alguma alternativa para acreditar mais na nossa sobrevivência, afinal não é por acaso que eu sobrevivi 20 anos e voce já sobreviveu 22 anos ou mais com hiv. Os que não sobreviveram, não aderiram ao tratamento corretamente, a maioria eram usuários de drogas, ficavam até semanas sem tomar os ARVs, bebiam muito alcool, participam de orgias, tipo assim, já que sou soro + mesmo que se dane o resto, como se o mundo todo tivesse culpa disso, quando a culpa foi dele e somente dele, de não ter se cuidado, outros se tornaram revoltados (carimbadores).

    Em tempo: Já foi provado cientificamente que com o uso constante dos ARVs (por 10 anos ou mais), o virus hiv esta enfraquecendo, ou seja, perdendo a sua capacidade de virulência = capacidade de provocar enfraquecimendo do sistema imunológico, até o ano 2000 pessoas contaminadas com o virus hiv demoravam em média 8 anos para adoecer, ou seja, para ter aids (algum tipo de doença oportunista); com o uso dos ARVs os virus ficaram mais fracos, ATUAMENTE (2016), as pessoas que tem hiv e não sabem, levam em média de 10-12 anos para ter aids (doenças oportunistas), ou seja, o virus hiv esta enfraquecendo, demorando mais tempo para debilitar o sistema imunológico dos seres humanos; e isso é FANTÁSTICO, pois já se observam, até 4 anos a mais (o que significa 50% do tempo, de diminuição, no prazo de agressividade do virus hiv, ao nosso sistema imunológico). Os soro + que fazem USO CORRETO dos ARVs não adoecem mais e quando adoecem se recuperam rapidamente, graças à esses médicos maravilhosos, pesquisadores incansáveis que mesmo lidando com um virus tão grave e difícil, optaram por cuidar de nós (poderiam estar cuidando de criancinhas, cheirosinhas e rechonchudas, mas preferiram o lado árduo da medicina, de lidar com pessoas com diarréia, pneumonia, doenças infecto-contagiosas, cadavéricas, muitas vezes fétidas (pelo menos foi assim que eu fiquei em 1996), sem preconceito, sem discriminação, com todo amor e dedicação, nos recebem nas consultas, nos tocam, examinam e cuidam de nós, esses sim são os verdadeiros anjos de Deus aqui na terra e merecem todo o nosso respeito. Eu amo o meu médico!!! Já pensei até em deixar herança pra ele!!!

  50. Graemer diz

    Achei interessante, mas está com muitos pontos incoerentes no texto. Sou médico e não é bem assim. A medicação ainda promove lipodistrófia e em alguns casos mesmo com a carga viral indetectavel se houver falhas no tratamento há loop viral em que a infecção pode ser transmitida. Acredito que isso possa estar influenciando nas auto estima das pessoas, no entanto vejo que por mais difícil que seja as pessoas devem realmente saber pelo que estão passando.

    • Tyago Carvalho diz

      boa noite, sou médico também, conhece algum grupo no kik ou outro lugar para médicos soropositivos? meu kik tyagocarvalho obrigado

  51. Charles diz

    Deveria ser obrigatório fazer exame de HIV e fazer o tratamento, curar um vírus desses é algo que não consigo entender, por isso, o tratamento feito corretamente dificultaria a proliferação e a erradicação do HIV. Seria o mais sensato e humano para as próximas gerações, onde quem acredita, nós mesmos iremos estar por aqui.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s