Notícias
Comentários 59

Antirretrovirais deixam categoria de controle especial no Brasil


DST Aids Hepatites Virais

Desde quinta-feira, 1º, os antirretrovirais deixam de ser categorizados como medicamentos de controle especial, conforme publicação da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 103/2016, que atualiza o Anexo I, Listas de Substâncias Entorpecentes, Psicotrópicas, Precursoras e Outras sob Controle Especial, da Portaria SVS/MS nº 344, de 12 de maio de 1998, republicada no Diário Oficial da União de 1º de fevereiro de 1999, excluindo a lista “C4”: Lista das Substâncias Antirretrovirais. A nova resolução terá implicações positivas tanto do ponto de vista logístico como assistencial.

Com a nova resolução, será facilitado, por exemplo, o transporte dos antirretrovirais, que até então era diferenciado e exigia transportadora autorizada especificamente para medicamentos controlados. Isso impedia que os antirretrovirais pudessem ser transportados juntamente com outros medicamentos distribuídos no Sistema Único de Saúde. Outro aspecto positivo é a possibilidade de prescrição de antirretrovirais por períodos maiores, o que levará a uma redução de formulários a serem preenchidos pelos profissionais e a uma maior comodidade aos pacientes.

Em breve, o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais/SVS/MS comunicará a melhor forma de operacionalização dos fluxos de prescrição e dispensa de antirretrovirais mediante essa alteração colocada pela RDC 103/2016.

Em 2 de setembro de 2016 pela Assessoria de Comunicação do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais

Anúncios
Este post foi publicado em: Notícias
Etiquetado como: ,

por

Jovem paulistano nascido em 1984, que descobriu ser portador do HIV em outubro de 2010. É colaborador do HuffPost Brasil e autor do blog Diário de um Jovem Soropositivo.

59 comentários

  1. ricardo costa diz

    Ate que enfim. Ninguém merece o preenchimento daqueles tantos de papeis para pegar as medicações. Ja que estão remarcando o retorno para cada 6 meses … que nos dê então medicações para 6 meses ao invés de ficarmos indo lá a cada dois meses.

    • Paulo Roberto diz

      Dois meses? No CTA onde me trato, dão a medicação PARA UM MÊS apenas…

  2. Alex diz

    O texto destaca o seguinte: “Outro aspecto positivo é a possibilidade de prescrição de antirretrovirais por períodos maiores, o que levará a uma redução de formulários a serem preenchidos pelos profissionais e a uma maior comodidade aos pacientes.”

    Atualmente imagino que é padrão no formulário de requisição preenchido pelo médico ter lá opção de 90 dias, mas, mesmo preenchido nesse prazo máximo, várias farmácias só entregam medicamentos mês a mês. Isso irá mudar? Digo, mais farmácias (ou todas) irão entregar medicamentos para mais de um mês? O ideal mesmo seria para pelo menos 6 meses.

    • Paulo Almeida diz

      Alex, eu sei bem como é isso. No início eu retirava meus medicamentos na minha cidade, e mesmo apresentando receita para 3 meses eles só liberavam mês a mês. Quando mudei para o CRT da Santa Cruz, em São Paulo, eles passaram a me entregar a medicação para os três meses, evitando que tivesse que voltar mês a mês. Talvez isso aconteça por causa da quantidade que eles tem em estoque. Bem, é o que parece mas sei lá, nunca entendi.

    • Caio PE diz

      Não entendo essa discrepância entre a distribuição dos ARVs de maneira diferente em muitas regiões do país. Suponho que a diversidade de esquemas venha a conduzir isso. Algumas pessoas usam o 3×1, outras não podem usar o EFV e por isso o EFV deve ser desvinculado da composição (exemplo específico). Se disponibilizarem medicamentos para períodos maiores, um medicamento específico pode fazer falta para outro usuário. Suponho.

      • ricardo costa diz

        verdade Caio. Eu mesmo não posso tomar nenhum que tenha EFV. O efavirenz me causava depressão, vômitos constantes, labirintite, dor nas juntas e sem falar que eu via monstros e lugares cadavéricos com ele kkkkkk.

        • Pedro diz

          Olá pessoal. Eu comecei o pior pesadelo da minha vida a uma semana. Comecei o tratamento 3×1. Eu descobri minha sorologia em julho e demorei um mês pra me consultar e mais um mês pra começar meu tratamento. sempre fui muito calmo tanto que não me desesperei quando descobri, sabia que tinha tratamento, mas algumas questões estão realmente me deixando Doido da cabeça. Eu não sei se o 3×1 tem algum componente que causa depressão, mania de perseguição sei lá.. Só sei que desde que comecei a tomar tenho tido crises nervosas, um desespero interno que não sei mais o que fazer e nem se isso vai passar, minha consulta é so daqui a 10 dias, cada dia tem sido desesperador, hoje foi o dia pior de todos. não consigo conversar com as pessoas, nao consigo olhar no olho de ninguém, sempre acho que estão falando de mim. Eu moro sozinho, não tenho família e nem muitos amigos na cidade onde moro pra fazer faculdade. Inclusive não contei pra ninguém até hoje e nem pretendo. O medo das pessoas descobrirem me ronda, mas eu estava levando isso relativamente numa boa até começar a porcaria desse tratamento. Esse remédio me deixa aéreo, estranho, nao consigo concentrar em nada, não consigo comer vi que hoje na faculdade cheguei no meu limite e vi que estava a ponto de sofrer um ataque nervoso dentro da sala, noites muito mal dormidas.. enfim. tudo de ruim está acontecendo. Estou doido atrás de alguém pra pegar esses medicamentos pra mim, pois não quero botar os pés naquela farmácia mais. Quero pagar alguém pra prestar esse serviço pra mim e não sei ainda como vou conseguir fazer isso, Eu tenho plano de saúde, no desespero hoje marquei uma consulta com uma psiquiatra mas so consegui pra daqui a 10 dias também isso me desesperou mais ainda, pois eu estou piorando a cada dia, não sei se isso é um efeito físico-químico do próprio ARV, ou se é porque realmente estou em um caso grave de depressão e nada tema a ver com os remédios, pois eu fiquei dois meses bem, mesmo sabendo de tudo, nem na primeira semana, nem no primeiro dia que peguei o resultado fiquei no desespero que estou hoje. não vou aguentar mais 10 dias de crise sem um norte como a que tive hoje. se alguém de alguma forma ja passou por isso e puder me ajudar vou ficar muito agradecido.

          • Caio PE diz

            Alguns dos efeitos, a curto prazo, do EFV são: depressão e sonhos vívidos. Com o passar do tempo esses sintomas vão diminuindo até sessar. Em todo o caso, você pode solicitar ao seu infecto a troca dele por outro da mesma classe.

          • Helio diz

            Pedro, já melhorou? Alguns sintomas, quando você começa a tomar os remédios, duram por algum tempo, mas acabam passando. Os CTAs tem em gera um serviço de emergência. Vá em um e converse com o infecto de plantão. Mas não suspenda o tratamento por conta própria. É pior. Segura as pontas que não demora muito as coisas se encaixam.

          • Cleon diz

            Boa noite , querido fique calmo no início e tudo assim mesmo eu fiquei muito mal com os medicamentos e só vou a medico particular e mesmo assim tenho que ir na farmácia do sus pegar o remédio e há me acostumei porque todos que lá estão na mesma situação. E com relação a sintomas dos medicamentos logo passa . Fique com Deus abraço forte

          • Marcos diz

            Boa noite , querido fique calmo no início e tudo assim mesmo eu fiquei muito mal com os medicamentos e só vou a medico particular e mesmo assim tenho que ir na farmácia do sus pegar o remédio e há me acostumei porque todos que lá estão na mesma situação. E com relação a sintomas dos medicamentos logo passa . Fique com Deus abraço forte

  3. Luiz Carlos diz

    É uma ótima notícia, agora basta esperar entrar em prática, algo que deve levar algum tempo…

      • Alexandre diz

        Fala o que vc achou? Mas fala o que vc achou, mesmo, e não a opinião dos outros que irão formar a sua, se é que seja possível isso.

        • Caio PE diz

          Não dirijo-me a golpista feito você. Faça o favor de NUNCA citar meu nome (seja direta ou indiretamente). Volte a sua insignificância em ser filhinho de papai, puro VASP e apoiador do golpe! Ponto final.

          • Alessandro diz

            Kkkkkkk idiota útil que defende partido, defenda a nação !!! Golpe é oque deram na sua cabeça te fazer pensar assim…

          • Alexandre diz

            Caio, como a Dilma e o Lula sempre fizeram, vc não respondeu a minha pergunta. Previsível! Golpista é quem tenta dar as pedaladas assinando decretos sem a prévia aprovação do legislativo. De resto, mande um beijo pra sua mãe. Provavelmente ela não se lembra de mim (são muitos num dia, imagina na vida), mas eu me lembro dela, e “como”!

            • Caio PE diz

              Vc deve um cargo ou sua família deve mamar no governo golpista para essa defesa tão grande desse governo golpista. O congresso é tão sujo que, dois dias depois do golpe, eles votaram dizendo que as tais pedaladas agora não é mais crime. Não te preocupas, não vou baixar ao seu nível de vulgaridade nem ofender sua mãe, da mesma forma que você tenta, sem sucesso, ofender a minha. Fazer o que né? Não sou filhinho de papai, nunca fui VASP, diferentemente de certas pessoas golpistas. Riquinho mimado é assim mesmo!

              • Alexandre diz

                KKKKKKK! Ele mesmo se entrega. DOUTOR Caio, se 2 dias depois eles votaram que as pedaladas não são (vc escreveu errado) mais crime, é pq antes eram.
                Manda um beijo pra ela!!!
                #soujairbolsonaro

  4. Grão da Noite diz

    Acho que na prática não vai mudar muita coisa. Desde que comecei a tomar antirretrovirais, em setembro do ano passado, meu infectologista sempre prescreveu os remédios pra 3 meses, mas a farmácia só me forneceu por 2 meses uma vez. A farmacêutica fica com o formulário preenchido e assinado pelo meu médico e me dá um papelzinho em que ela anota para quanto tempo ela me forneceu os remédios. Só aconteceu uma vez de ela fornecê-los para 02 meses. Quando isso aconteceu, ela ficou com o formulário preenchido pelo médico e me deu um papelzinho em que anotou 2. Esse 2 significou que ela me forneceu remédios para 02 meses. Como o formulário preenchido pelo infecto prescrevia um fornecimento pra 03 meses, e ela anotou 02 no papel que me deu, com aquele mesmo formulário eu ainda pude receber remédio pra mais 01 mês, isso no mês seguinte…. E assim tem sido. Em todas as demais vezes eu fui, entreguei o formulário assinado pela infecto, e ela me deu um papelzinho em que anotou 1. No mês seguinte fui de novo, ela me entregou os meus remédios e me deu um papelzinho em que anotou 2, e assim foi até se esgotar a quantidade de meses prescrita no formulário que o infecto tinha me dado. Exauridos os 03 meses de cada formulário, tenho que entregar outro, pra recomeçar o ciclo. A farmacêutica diz que faz assim que é pra administrar o estoque da farmácia. Como essa resolução não obriga a farmacêutica a me entregar de uma vez só a quantidade de remédio que o médico prescreve, vou ter que continuar indo até lá todo santo mês. Pra eu mudar pra outra farmácia que fornecesse uma quantidade maior de remédio por vez, ela disse que teria que ser cumprida uma certa burocracia (a farmácia que me cadastrou teria que mandar meus dados para a farmácia em que eu passasse a retirar os remédios). Como eu desconfio dessa tal burocracia, resolvi deixar as coisas como estão. Bom seria se a gente pudesse buscar os remédios em qualquer farmácia. Mas pra isso acontecer teria que ser cumprida uma burocracia maior ainda do que aquela que teria que ser vencida pra eu mudar de farmácia…

    • Luiz Carlos diz

      Esta burocracia não existe. O sistema é online, é só você levar a receita branca e o documento de dispensa em outra farmácia.

    • Victor diz

      Nossa! Isso não existe! O cadastro é nacional! Você pode pegar o medicamento na farmácia que quiser! E se quiser pegar numa vez numa farmácia e outra vez noutra, pode! Eu retiro sempre em 2 farmácias diferentes!

  5. Roberto diz

    Antes eu ia todo mês a farmácia do CTA para apanhar os remédios, hoje eu sou uma vez a cada dois meses, melhorou bastante. Peguei os remédio semana passada e agora só irei voltar somente em novembro pra dezembro.

  6. Gil diz

    Na Paraíba, só levei a receita uma vez, veio uma carteirinha, eles carimbam a data, assinam e nunca mais levei receita. Agora, em julho, o próprio CTA me ofereceu levar remédio para 2 meses. Fácil, rápido e sem burocracia…

  7. Gente, vamos mudar essa por.ca.ria de receber medicação só para um mês? Vamos nos mobilizar! Acredito que esse é um pleito de enorme interesse para todos e que podemos juntos mudar essa realidade. JS, pode nos ajudar? Vamos entrar em contato com as ONGs, com o Ministério da Saúde, com o Papa se for necessário. Me chamem no KIK, vou criar um grupo só para isso. Abraços

  8. Xavier diz

    Semestralmente não seria ruim não. Me irrita ir de dois em dois meses. kik: xavier.martins

  9. Lukas diz

    essa matéria parece que foi realizada para mim. Até entao, entendia que “obrigatoriamente” era preciso passar no infecto a cada 2 ou 3 meses para pegar Receituário para a dispensa de medicamentos.
    Mas conversando com pessoas da minha cidade não é preciso.
    Apenas ir com a carteirinha ou documento com foto onde se está cadastrado e buscar o remédio.
    Sem aquele receituário grande com os diversos nomes da medicação e com o crm do médico.
    Eu vou em médico de plano de saúde e ele não me informou isso.
    Daí aquele constrangimento de ir até ao consultório de infecto a cada 2/3 meses e pegar uma receita e se expor.
    Além de fazer os exames de sangue a cada 6 meses, conforme protocolo.
    Me sinto sinceramente, muito atordoado. Se possível peço que informem como se dá a dispensa dos seus medicamentos.

    Ó receituário especial: só é preciso em tese na primeira vez. Nas demais não, porque seu tratamento estará cadastrado no sistema da farmácia que é pego a medicação

    • RecentWave diz

      Já experimentou procurar um outro infectologista no seu estado? Talvez o infectologista que você frequenta não tenha o domínio das informações que você precisa e por isso ele te coloca mais pilhado ainda.
      Quando eu recebi o diagnóstico há 1 ano, eu procurei um infectologista na minha cidade (BH) e não gostei do atendimento. Na verdade eu tinha passado por um médico que me instruiu bastante. Ele me deu a real e disse que não era o fim do mundo e que eu poderia procurar o serviço público de referência na minha cidade ou marcar no meu plano um infectologista particular, que eu poderia ter acesso ao tratamento (fazer exames, consultas) tudo pelo meu plano de saúde. Na verdade ele me disse que eu só teria contato com o serviço público quando eu fosse buscar os meus remédios. Este médico já me adiantou todos os exames que eu precisaria para quando eu fosse procurar o especialista (infectologista). Procurei o primeiro infectologista e eu o achei bem antiquado. Ele “desmentiu” tudo que este médico me disse e me aconselhou a procurar um CTA. Me disse que eu poderia fazer acompanhamento com ele, mas que ele não receitava os medicamentos. Fiquei sem entender, pois não faria sentido eu ter acompanhamento por dois infectologistas. Na época eu fui a um CTA e a consulta demoraria tanto e a assistente social me aconselhou a procurar outro médico pelo meu plano, que em muitos casos as pessoas só iam lá para ir a farmácia. Voltei neste primeiro infectologista que deixou bem claro que não fazia este tipo de acompanhamento e que eu deveria procurar um médico no SUS. Dentro deste impasse eu pesquisei novamente e achei uma indicação de uma infectologista numa cidade vizinha a BH e muito próximo da minha casa. Foi a melhor coisa que me aconteceu. Ela desde então me acompanha e tem sido uma relação de paciente/médico bem proveitosa. No início, repeti os exames com cerca de 1 mês e tratamento e depois de 6 meses. Agora já tenho outra consulta marcada depois de mais 6 meses. A cada 6 meses ela me dá 3 guias de remédios e cada uma vale por 2 meses. Aqui na minha cidade quem faz o tratamento por médico particulares tem atendimento em uma farmácia fora do CTA, com atendimento apenas para particulares. Lá é bem tranquilo e discreto. Eu levo todas as guias de exame e deixo já na farmácia. Assim então não preciso levar a cada 2 meses estas guias, apenas documento com foto ou a pessoa que busca pra mim leva o documento dela. Infelizmente tem que ir todos os meses, apenas 1 vez no ano é possível buscar para dois meses, mas com esta nova resolução quem sabe não melhora. Agora sei que quem faz tratamento pelo SUS é completamente diferente. Tem que levar todo mês a guia para liberação e a farmácia é muito mais tumultuada.

  10. Neto diz

    Bom dia…
    Hoje recebi os meus primeiros exames.
    CD 4 – 411 – 33,40 %
    CD 8 – 466 – 37,90 %
    Relação – 0,88
    Carga Viral – 72

    Eu descobri a pouco tempo e ainda nao faço uso de Tarvs . minha consulta é somente sexta feira e um amigo achou estranho minha carga está tao baixa.
    Alguem em situação semelhante ?

    • Luiz Carlos diz

      Neto, vamos lá. “Estranho” não significa que está errado. Seu CD4 está dentro dos conformes (as literaturas variam entre os valores de referência, normalmente 32% a 54% ou 27% a 57%).

      Sobre sua Carga Viral, seu amigo achou “estranho” porque boa parte da literatura sugere que na fase aguda (contaminação recente) a CV chegue às centenas de milhares de cópias/ml. No início da fase latente ela pode se reduzir a algumas mil cópias/ml, e a partir daí, se não tratada, a tendência é só aumentar.

      O que seu amigo não sabe é que existem outras classes de pessoas infectadas, chamadas controladores (ou respondedores) virológicos (a estimativa varia muito, mas vamos dizer que se aproxime de 5% da população vivendo com HIV), e os controladores de elite (também varia muito, mas a maioria dos estudos sugere 1% ou menos da população vivendo com HIV).

      Os controladores virológicos conseguem se manter com uma carga viral mais baixa e os efeitos de redução de CD4 demoram mais tempo para aparecer. Isto não significa que eles estão imunes.

      No caso dos controladores de elite, estes são capazes de suprimir a carga viral e controlar a infecção por HIV pela vida toda. Se não fazem o teste, nunca irão saber que estão infectados e irão viver uma vida normal sem o uso de TARV.

      Ao que me parece (e eu não sou médico, não leve minha opinião como 100% verdadeira), seu organismo é capaz de controlar moderadamente a carga viral, porém não totalmente, ou seja, você se enquadraria nos controladores virológicos.

      A TARV deve ser iniciada sempre o quanto antes, pois é o que irá lhe garantir melhor qualidade de vida (supressão da CV e aumento do CD4), e irá diminuir a praticamente zero o risco de você contaminar outras pessoas.

      Posso falar com uma certa propriedade pois eu também sou (ou era) controlador virológico. Possuía CD4 parecido com o seu e CV de 300 cópias/ml quando iniciei a TARV, e eu não tinha nenhum comportamento de risco há muitos anos (erro meu de não ter feito o exame quando tive uma exposição). Ainda assim, minha CV estava baixa e o CD4 relativamente bom (570 ~ 32%).

      Abraços

  11. Victor diz

    Lukas, aqui em SC é preciso levar a receita sempre que a medicação é retirada. Eles não dispensam a medicação sem receita. Minha médica faz 3 receitas em cada consulta. E a farmácia dispensa para 2 meses. Então as 3 receitas suprem esses dois meses.

    Neto, é possível que você seja um controlador de elite. Aproximadamente 1% dos soropositivos são controladores de elite, pessoas cujos anticorpos atuam de forma mais eficaz contra o HIV. Isso é ótimo, mas não é uma garantia, visto que eventualmente o HIV encontrará mecanismos para “escapar” desses anticorpos e começar a ter um fitness alto (se multiplicar de forma rápida). Teu infecto provavelmente te dará 2 opções: iniciar o tratamento imendiatamente ou acompanhar a CV e o CD4 a cada 3 ou 4 meses. Hoje sabe-se que quanto mais precoce o tratamento, melhor para o sistema imunológico, e a priori, todos os diagnosticados devem ser tratados, independente de CV e CD4. Mas você pode ser um caso especial. Considere-se sortudo. Depois nos fale o que teu infecto orientou. Um abraço!

    • Neto diz

      Muito Obrigado Vitor.
      Ainda estou muito angustiado….espero que seja algo bom.

    • Lukas diz

      Muito obrigado pela sua informação. Você entendeu o meu intuito de provocar a discussão sobre a dispensa de medicamentos .
      Sei de muitos casos, pessoas abanodas que pagam terceiros ou moto boys para buscar medicamentos.
      Muito agradecido por explicar o funcionamento no seu Estado.
      Abraços e vamos lutat por melhorias das pessoas vivendo com hiv

  12. riickpe diz

    Logo quando comecei meu tratamento em 2013, me possibilitavam receber medicação para dois meses (minha médica solicitou na receita), no Lessa de Andrade, em Recife. Hoje mudei pro IMIP e lá não liberam mais para dois meses. E o pior, que só é possível receber a medicação com a receita. Ou seja, o paciente além de ter que se deslocar para retirar remédios, ainda precisa de mais um dia para solicitar receita. Algo que seria obvio, porque se a pessoa inicia o tratamento é obvio que será necessário se medicar os meses seguintes. A não ser que se cure ou abandone o tratamento. Espero que a mudança seja positiva para nós.

    • Pequena + diz

      Riickpe

      Boa tarde 😉
      Se informe com seu infecto, pois o meu, a cada consulta ele deixa pronta 3 receitas referentes a 6 frascos de medicação, ou seja até a próxima consulta com ele (6 meses).
      Elas ficam no meu prontuário guardadas, pego elas com as meninas da recepção quando necessário.
      Apresento uma receita na farmácia, onde pego apenas um frasco por mês, assino e elas colocam em uma pasta, para próxima retirada.
      Já questionei o porque de não ser fornecido mais frascos.
      Elas me explicaram, veja a estrutura da farmácia. Observei a minha volta. E elas me disseram, falta espaço físico para guardar tanta medicação, pois não é apenas o 3 em 1 e sim muitas outras combinações e muitos outros remédios.
      E convenhamos, todos nós sabemos que a estrutura dos prédios públicos utilizados para a área da saúde se encontram totalmente sucateados ou são casas locadas sem a menor estrutura para receber um CTA.
      Enfim é isso, não custa ir buscar a medicação uma vez por mês. Pior seria se não tivéssemos ela.
      Um forte abraço Pequena + ❤

      • riickpe diz

        Pequena +, bom diaa!
        Obrigado pela resposta. Viu verificar essa possibilidade com minha infecto. Quando me consultava no Lessa, a outra me prescrevia dispensa para 2 meses. E realmente, refleti sobre essa questão da estrutura física do local. Embora, lá na farmácia do IMIP seja uma única farmácia para atendimento em geral, ou seja, não exclusivamente para realizar dispensa de medicação para o CTA.
        Abraço e saúde!

  13. Lukas diz

    Na Paraíba é tudo esdrúxulo, pois alguns pacientes não precisa de formulário, conforme Gil afirmou.
    Outros precisam alem do formulário / receituário levar exames periódicos de carga viral e cd4.
    No meu caso eu preciso levar sempre o receituário/ formulário a cada três meses além da minha carteira do hospital.
    Liguei hoje para lá e as informações da farmácia interna é uma ( conforme gill disse) e à farmácia externa ratificou o meu procedimento e agora acrescentou o bendito exame de cd4 e carga viral.
    Daí falei que nunca oediram para eu levar e a nulher me disse que deveriam ter dito ou avisado.
    Quando falo Paraíba digo Joao pessoa.
    Bem vindo ao encontro das desinformações onde o sol nasce primeiro.
    Solicito que criemos uma normatização a respeito disso através de sugestão ao MS.
    Ps: em Goiânia por exemplo é tudo on line e nem carteirinha há, só é preciso levar um documento com foto.

    Belém
    Sorocaba
    Rio de Janeiro
    Seguem essa minha burocracia – formulario e consulta com nedico a cada tres meses para pegar o formulário.

    • Cal diz

      E precisa falar nesse tom agressivo em relação ao Estado? Valha… O que tem a ver o cartão postal da Ponta do Seixas (ponto mais oriental das Américas, por isso a designação “onde o Sol nasce primeiro”) com a distribuição de ARVs?

  14. Pedro A. diz

    Se a humanidade fosse de fato desenvolvida, com as condições e recursos que já possui, estaríamos todos recebendo nossos remédios em casa e sempre na quantidade solicitada pelo infectologista. Existe album país assim, será? Pedro A.

  15. Lukas diz

    Cal, usei da ironia . E lembrando que muita gente deixa de fazer o tratamento por causa dessa burocracia.
    Se eu e vc não ligamos para essa burocracia do “estado paraibano”. Tem gente que tem.
    Infelizmente precisamos em meios que facilitem o acesso da medicação e com discrição.
    Eu não tenho problemas em buscar o remédio, mas ir ao infecto no consultório a cada 5/6 vezes ao ano acho um pouco demais.
    Porque fica todo mundo na sala de espera com tom visivelmente constrangido. Ainda mais quando se é jovem .
    Lembro de algumas coisas que não eram tipificadas: bullying, direito a privacidade.
    Mas esse achismo é altamente constrangedor. Pois vc e eu podemos agir con normalidade , mas tem gente que aponta e ainda mais numa cidade pequena.
    A minha infecto mesmo relatou que vários pacientes abandonam o tratamento porque nao querem ser vistos no consultório, num laboratório de coleta de sangue( ja li relatos de enfermeiros usarem duas luvas em cada mão ), num hospital de referência.
    Ponha- se nos lugar dos outros antes de criticar quem vc nem conhecer.
    Estou lutando para uma melhoria do serviço para todos e sem constrangimentos.
    E ao invés de criticar o outro seria bom que vc relatasse como é feito a distribuição de medicacao do seu Estado.
    E finalizando: deixei dois coments sobre o assunto .mas é melhor contemplar o sol e a lua do que tomar o remédio, parabéns Cal!

    • Cal diz

      Critiquei o tom de ironia para com o Estado, não sua “luta” por melhorias! Nem se preocupe, pois não acho que isso ou aquilo é mais importante do que o fácil acesso à medicação para todoa! Você que está inflamado! Tenha paz!

      • Lukas "inflamado" diz

        Exato.
        Eu falo do Estado e do lugar que eu moro. Não posso falar de Brasília porque não moro lá.
        E me desculpe: mas um mesmo hospital terem informações desencontradas para mim beira o absurdo.
        Esses dias liguei no hospital e me ofereci a assistência social para fazer um trabalho voluntário, sabe o que ela me respondeu?
        “Sou novata aqui”
        Não sei se existe algum tipo de voluntariado para os pacientes daqui.
        – a mulher era assistente social!?
        Será que as pessoas estão cegas e surdas?!
        Imaginei pessoas do interior que são ababdonadas da família e estão na capital sem ninguem ou uma visita.
        E eu querendo oferecer uma atenção as pessoas fragilizadas que lá estão internadas.
        No mínimo deveria ter dito: sou novata aqui e caso nao tenha um trabalho voluntariado, podemos criar. Pego seu contato e falarei com a direção para colocarmos em prática.
        Vamos nos humanizarmos.
        Somos pessoas e não máquinas.
        E sempre busquei falar com elegância e elogiar a eficiência do hospital.
        Mas não é pq temos remedios que devemos nos ajoelhar e agradecer.
        E sim, mudar para um grau de excelência.
        Quero ajudar meus pares que não tem um plano de saúde, que não sabe sobe seus direitos trabalhistas ou previdenciários.
        São pequenos atoa que transformamos o nosso em torno. Seja a mudança que queira ver para o mundo.
        E não apenas ficar na sua ou na minha zona de conforto, fazendo minha yoga, pilates, academia …
        Pq hj posso nao precisar ir no médico do sus mas e quando eu precisar?
        É justo ficar 40 dias para uma primeira consulta?
        É justo uma psicóloga falar que só se dará atendimento se tivesse algum problema físico?
        E o psicólogo? À saúde mental não faz parte da saúde como um todo?
        Somos seres complexos.
        E cal me desculpe, mas não preciso da sua paz, apenas queria saber como é o tratamento na sua cidade : apenas.

        • Gil diz

          Se a negativa de atendimento por parte da psicóloga se deu em ambiente público, peça um documento por escrito dela, mas de qualquer forma, se for em ambiente público ou privado, cabe denúncia ao CRP.
          Na semana que soube que estava infectado, fui ao Hospital Clementino Fraga e o Psic Clodoaldo me deu muito apoio e informação e não disse a ele, a não ser ao final da sessão, que eu era psicólogo também. Fui bem atendido, acolhido, informado por todos lá dentro, de médicos a atendentes.
          Mas há um problema sério com muitos profissionais e com a organização de serviços públicos no Brasil todo, não restrito ao estado da Paraíba.
          Infelizmente é uma máquina pública mal administrada, cheio de especialistas em merda nenhuma, de gestores eleitos por serem cabos eleitorais dos políticos corruptos.
          Aí, por mais que o funcionário se esforce em ser bom e competente, ele é engolido por entraves. Eu sou servidor público também, e queria fazer muito mais pelas famílias dos alunos que atendo, mas no máximo, consigo com meu telefone particular ligar para alguns amigos e viabilizar alguma situação que fica travada.
          Levei para minha escola os móveis antigos do consultório, como mesa, armário e ar condicionado, testes, jogos e brinquedos para avaliação diagnóstica, ou simplesmente não trabalhava, pois o Estado não dá nada, nem sal, nem telefone na escola… NADA!
          Nos hospitais é uma penúria só, igualmente.
          Não sabemos cobrar, esta é a verdade. Dá para ceder medicação para todos por 2 meses, mas tem muita gente que desperdiçaria a medicação, muitos perdem ou vendem e depois pedem mais, ou adoecem e daí precisam de novos esquemas, mais consultas. Somos um país com a maioria do povo indolente e mal instruída, que vota mal e age mal, infelizmente.

    • Felipe diz

      Lukas, seria muito bom se houvesse alguma mudança mesmo. Na minha cidade no interior do rio, tenho que consultar a cada três meses para pegar receita. O exame é a cada seis meses. Para pegar o remédio tenho que ir no CTA todo mês. Eu tento levar uma vida normal, não ficar pensando no vírus, mas o próprio tratamento não deixa. Toda vez de ir buscar o exame fico apreensivo de encontrar alguém conhecido, o que já aconteceu algumas vezes. Isso me deixa muito mal.

  16. Luk diz

    Pessoal, tô fazendo a PEP Sexual. Passei 8 dias tomando atazanavir + ritonovir + (tenofovir + lamivudina). Mas, acabei tendo problemas com icterícia, provavelmente por causa do atazanavir. A médica pediu que eu retornasse caso tivesse a icterícia e fui lá hoje. Lá, ela substituiu a medicação por (zidovudina + lamivudina) + tenofovir. Esse último esquema está no protocolo do Ministério da Saúde e até aí tudo bem. A minha única dúvida é que ao chegar em casa e ler a bula, eu vi que a zidovudina + lamivudina deve ser tomada de 12 em 12 horas, mas a médica indicou que eu tomasse os dois comprimidos junto com o comprimido do tenofovir de uma vez só. Segui a recomendação dela hoje porque não haveria tempo hábil de tomar a dose das 24h e teria que fazer isso de qualquer forma. Mas, estou preocupado se tomar os dois medicamentos pode causar algum problema em relação a eficácia. Sei que ela é médica, inclusive perguntei mais de uma vez se poderia tomar tudo junto e ela parecia bem segura. Algum de vocês pode me ajudar a esclarecer isso?

    • Rafael diz

      Olá Luk.
      O atazanavir causa icterícia sim e você deveria ter tomado bastante água para passar esse efeito colateral. Eu fiz a PEP com o primeiro esquema que você fez. Minha exposição foi no dia 06/03/16. Quando foi a sua? Voce tem kik?! abraços.

  17. Olá combatentes!!
    Algumas informações que podem ser úteis….
    1 – No início do tratamento com os ATRVs, as consultas são realizadas a cada 3 meses para que o (a) infectologista acompanhe a eficácia e a adaptação da combinação prescrita ao (à) paciente;
    2 – Atualmente, não é necessário que o (a) paciente apresente formulário para retirar o seu remédio. Basta uma receita normal, designando qual a combinação do tratamento, a carga viral e contagem do CD4, carimbada e assinada pelo (a) médico (a);
    3 – As receitas cujas retiradas são mensais têm validade de 90 dias com prazo mínimo de 20 dias entre cada retirada;
    4 – O (A) infectologista, vide regra, só pode prescrever duas ou mais retiradas do remédio por vez, após comprovada a eficácia da combinação feita para o tratamento do (a) paciente, ou seja, quando este (a) atinge a INDETECTABILIDADE viral;
    5 – Mesmo adaptado (a) e indetectável, o (a) paciente deve OBRIGATORIAMENTE, ter consultas semestrais com seu (sua) infectologista;
    6 – Comprovada a eficácia e adaptação da combinação dos ATRVs, o (a) infectologista pode, mediante solicitação do (a) paciente, prescrever receitas que garantam acesso à medicação por seis meses e, o que é melhor, da forma mais cômoda para o (a) paciente, ou seja, com uma, duas ou a quantidade máxima de retiradas por vez, permitidas pelo local de distribuição do medicamento.

    No mais, muita saúde a todos.

    Abraços!!!!

    • CaradeSP diz

      Bio, poderia nos dizer da onde tirou essas informações? Já fui em 3 infectos em SP e todos se recusam a dar receitas para além de 3 meses, nos obrigando sempre a voltar a cada 3 meses e PAGAR por mais uma consulta. Temos que lutar contra isso. Esse negócio de ter que ficar frequentando o médico a cada 3 meses é um absurdo. Vejo isso como VENDA DE RECEITA e não como acompanhamento médico. Claro que é importante que haja acompanhamento no início do tratamento, mas se o paciente atinge o indetectavel e mantém a saude estável não entendo porque precisamos de receita SEMPRE. Até que se encontre a cura, teremos que tomar os arvs até o fim da vida. Então pra mim isso é mais uma questão de MERCADO para os médicos do que uma real necessidade. Penso que seria necessário uma nova consulta obrigatoria somente se nossa carga viral subisse…. do contrário os médicos não podem fazer nada pela gente, apenas ficar VENDENDO receitas pro resto da nossa vida. Não precisamos ter que ir a um médico para entender o que significa indetectavel, pra mim o propio exame de carga viral indetectavel já dispensaria a receita médica.

      • Olá CaradeSp.

        Essas informações me foram passadas por profissionais de saúde que consultei. Informações 1, 4 e 5, pela minha infectologista. Ela atende por plano de saúde e mesmo assim me entrega 2 receitas com validade de 90 dias cada, o que me permite retirar medicamento por 6 meses (intervalo entre cada consulta), respeitando o prazo mínimo de 20 dias entre cada retirada. Peça pra seu (sua) infecto não pôr data na receita, quem despacha a medicação faz isso a cada retirada. As demais informações me foram passadas pelo pessoal da farmácia; os atendentes e a coordenadora de distribuição de medicamentos.

        Abraço e muita saúde pra vc!

        PS: Isso funciona assim aqui em Sergipe, onde moro. Como o sistema é único, deveria, em regra, funcionar da mesma forma.

  18. Amanda diz

    Quem aqui é da cidade do Rio de Janeiro poderia me informar um local onde a retirada de medicamentos é pouco burocrática e é possível pegar para dois meses? Farei minha primeira retirada em breve.

  19. Herico diz

    Por favor alguém de Fortaleza. Preciso de informações sobre onde pegar os medicamentos e como funciona. Qualquer coisa chamar no kik Herico_Antunes

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s