Está faltando antirretroviral no Brasil?

HuffPost Brasil

No final do mês de junho recebi uma mensagem de uma leitora de meu blog. Por e-mail, ela contava ser soropositiva, assim como seu marido e seu filho, um menino de três anos de idade: todos com HIV. Moradora de Belo Horizonte, ela falava sobre a falta de medicamentos antirretrovirais na farmácia pública. “O governo não está mandando”, disse ela. “Às vezes, faltava o medicamento do meu menino: especificamente a Nevirapina.”

A mensagem dessa leitora não era diferente de dezenas de outras mensagens que recebi nos últimos meses, de diferentes leitores, de outras cidades de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Todos reclamando da falta de medicamentos antirretrovirais em seus postos de saúde. É importante dizer que as reclamações desses leitores não foram verificadas. São relatos de pessoas que, sob o direito ao sigilo a respeito de sua condição sorológica para o HIV, preferem manter o anonimato e não fizeram referência à localização específica dos postos onde retiram seus medicamentos. Todavia, todas essas mensagens a respeito da falta de medicamentos vieram mais ou menos no mesmo período, nos últimos meses, seguindo o afastamento da presidenta Dilma Rousseff, o início do governo de Michel Temer e o subsequente pedido de exoneração de Fábio Mesquita, diretor do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

“Considerado um dos maiores especialistas do país em HIV/aids, Mesquita estava à frente do departamento há três anos. Ele diz que programas de saúde importantes, como o que garante o acesso universal aos medicamentos de aids — uma referência internacional —, estão seriamente ameaçados no ministério comandado pelo engenheiro Ricardo Barros, do PP”, resumiu a Carta Capital a respeito da entrevista com Fábio Mesquita, feita logo após a sua renúncia.

A preocupação de Fábio com o futuro do sistema público de saúde no Brasil se sustenta, entre outros pontos, no próprio programa de governo do presidente interino Michel Temer, intitulado “Uma Ponte para o Futuro”, um texto de 18 páginas onde se diz que: “Vamos precisar aprovar leis e emendas constitucionais que, preservando as conquistas autenticamente civilizatórias expressas em nossa ordem legal, aproveite os mais de 25 anos de experiência decorridos após a promulgação da Carta Magna, para corrigir suas disfuncionalidades e reordenar com mais justiça e racionalidade os termos dos conflitos distributivos arbitrados pelos processos legislativos e as ações dos governos.” Mais adiante, o mesmo texto diz que: “Para isso é necessário em primeiro lugar acabar com as vinculações constitucionais estabelecidas, como no caso dos gastos com saúde e com educação.”

Em outras palavras, o governo interino deixa claro que tem a intenção de mudar a constituição para, assim, poder reduzir — ou, quem sabe, cortar — os gastos obrigatórios nela estabelecidos, como saúde e educação. O texto do governo interino não afirma, especificamente, que vai cortar o programa brasileiro de acesso universal aos antirretrovirais contra o HIV. Porém, diante do discurso de Fábio Mesquita e dos relatos pontuais sobre a falta de medicamentos antirretrovirais — gratuitos à população e pagos pelo governo —, é natural a preocupação daqueles que, como eu, vivem com HIV. Grupos de ativistas no Rio de Janeiro já fizeram protesto em defesa do SUS.

É importante lembrar o que acontece em situações de redução, falta de acesso ou corte aos medicamentos contra o HIV. Rússia e Venezuela são os dois exemplos mais recentes. Enquanto a Rússia tem sido acusada de atacar deliberadamente ONGs de prevenção à aids e ativistas, além de cortar o financiamento para o tratamento antirretroviral, provavelmente por motivos políticos, a Venezuela experimenta a falta de medicamentos em decorrência de sua crise financeira, e recusa ajuda humanitária internacional. “Como o sistema de saúde pública está desmoronando e o fornecimento de medicamentos foi interrompido, cerca de 4.000 pacientes com HIV que dependem desses medicamentos estão sem tratamento, de acordo com grupos de defesa locais.”

Fela Kuti no Senator Hotel, em Londres, em 11 de novembro de 1983.
Fela Kuti no Senator Hotel, em Londres, em 11 de novembro de 1983.

Outro exemplo se deu na África do Sul em 2002. Naquela altura, o então presidente Thabo Mbeki aderiu à teoria “dissidente” ou “negacionista”, a qual nega que o HIV seja o causador da aids ou até mesmo que esse vírus de fato exista. Depois de um encontro com Peter Duesberg, principal símbolo dos dissidentes, Mbeki cortou o fornecimento de antirretrovirais no país, apenas dois anos depois da morte do músico nigeriano Fela Kuti, portador do HIV e um dos negacionistas de maior liderança na África. A autópsia mostrou que Fela morreu de complicações relacionadas à aids. Estima-se que a política de Mbeki levou 300 mil sul-africanos à morte e 35 mil bebês contaminados por transmissão vertical, da mãe portadora do vírus para o bebê, além de outros milhares que foram contaminados pelo HIV naquele país.

O aumento das transmissões se deu porque quem é diagnosticado com HIV e começa o tratamento antirretroviral logo atinge a carga viral indetectável, o que quer dizer que a quantidade de vírus no sangue é tão baixa que não pode mais sequer ser detectada nos exames mais precisos de laboratório. A quantidade de vírus em outros fluídos corporais, como sêmen e líquido pré-ejaculatório, também cai, muitas vezes também até níveis indetectáveis.

Em extensos estudos, como o HPTN 052 e Partner, ou mesmo outros estudos similares, onde, até agora, já foram acompanhados mais de 9 mil casais sorodiscordantes (quando só um dos parceiros é positivo para o HIV), a amostragem de transmissão a partir dos parceiros em tratamento antirretroviral e indetectáveis foi, literalmente, zero. De fato, desde o começo da epidemia de HIV/aids, nos anos 80, nunca foi documentado um único caso sequer de transmissão do HIV a partir de quem faz tratamento antirretroviral e tem carga viral indetectável. Por isso, desde 2008 as autoridades médicas suíças afirmam que soropositivos nessas condições apresentam “risco negligenciável de transmissão”, enquanto consensos médicos americano, britânico, canadensesueco, entre outros, reconhecem os efeitos do tratamento antirretroviral na redução do risco de transmissão do HIV. Para melhorar, o tratamento antirretroviral já recebeu até uma “bênção” do Vaticano, que quer oferecê-lo em seus orfanatos e hospitais em todo o mundo. Em níveis populacionais, os antirretrovirais já mostraram benefícios no controle da epidemia na África do Sul e na Dinamarca. Em outras palavras: além de salvar a vida de quem tem HIV, os antirretrovirais evitam que quem não tem o vírus venha a contraí-lo. Por isso, ganhou o nome de “tratamento como prevenção” — ou TasP, do inglês treatment as prevention.

“Foi uma das maiores descobertas da ciência, quando a gente viu que, se a gente conseguisse derrubar a carga de vírus que tem na pessoa, com o medicamento, essa pessoa teria menos vírus circulante — e, portanto, o vírus no sangue, o vírus no sêmen, o vírus na secreção vaginal ou o vírus no leite materno chegaria com mais dificuldade. Portanto, essa pessoa não poderia transmitir o HIV.” Essa foi a fala de Fábio Mesquita, quando ainda diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, durante o X Curso Avançado de Patogênse do HIV, em 2015, que aconteceu na Faculdade de Medicina da USP, em São Paulo.

Fabio Mesquita
Fabio Mesquita

“Nós descobrimos isso em 1996: chegamos à conclusão que, se a gente desse um medicamento para um ser, a gente protegia outro ser. Só que, naquela época, a gente achava que isso só acontecia dentro do próprio corpo. Então, a gente dava o medicamento para a mãe, para proteger o bebê. Impedir a transmissão vertical”, explicou Fábio. A transmissão vertical é o nome que se dá à transmissão do HIV da mãe para o feto. Desde que surgiu o tratamento antirretroviral, em 1996, a transmissão vertical pode ser impedida graças aos medicamentos, sempre que a mãe portadora do vírus segue o tratamento durante a gravidez. “A lógica era exatamente esta: a gente derrubava a carga viral da mãe e o bebê não nascia contaminado. A gente nunca pensou que, se esse ser estivesse do lado de fora do corpo, a gente também estaria protegendo este outro ser. Anos depois — entre 1996 e 2011 — a ciência concluiu que, se esse ser estiver do lado de fora do corpo, é exatamente a mesma coisa: derrubou a carga viral, não tem como transmitir o HIV. Esse hoje é o mecanismo mais poderoso de prevenção que existe.” E conclui: “é mais poderoso que a camisinha.”

drauzio-varella
Dr. Drauzio Varella

O Dr. Drauzio Varella, que subiu ao palco logo depois de Fábio, concordou com a eficácia comprovada do tratamento como prevenção: “Nós tínhamos essa sensação exata, que foi demonstrada muito mais tarde e que todos que trabalhavam na área sabiam: se a gente zerasse a carga viral, a chance de transmissão era muito menor. Isso já havia sido demonstrado nas mulheres grávidas. E, se valia para a transmissão materno fetal, que é dentro de um corpo só, imagina a chance de funcionar para o outro? É muito maior!”

No Brasil, de acordo com o último Boletim Epidemiológico, aproximadamente 88% das pessoas que vivem com HIV e que fazem tratamento antirretroviral no Brasil têm carga viral indetectável. Contudo, somente 52% infectados no Brasil fazem tratamento antirretroviral — um número muito baixo, levando em conta a expectativa do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, o Unaids, que estabeleceu a meta 90-90-90, onde “90% de todas as pessoas vivendo com HIV conheçam seu status, 90% das pessoas diagnosticadas recebam terapia antirretroviral e 90% das pessoas recebendo tratamento possuam carga viral suprimida e não mais possam transmitir o vírus.”

metas_ambiciosas-unaids

Para que o tratamento funcione para quem tem HIV e também para prevenir a epidemia de continuar a crescer, é preciso que a oferta a seu acesso a seja contínua e que aqueles que dependem destes remédios mantenham a adesão — o que hoje não é tão difícil, uma vez que basta um comprimido por dia.

Com a falta de acesso ao tratamento, o jornal Moscow Times alerta que “a taxa de infecção pelo HIV vai continuar a crescer em toda a Rússia, uma vez que até mesmo interrupções curtas no tratamento podem provocar a mutação do vírus, que se adapta rapidamente às medicações e se desenvolve mais rápido.” Na Venezuela, estima-se que pelos menos mil pessoas com HIV já morreram em decorrência da falta de antirretrovirais, enquanto a inflação naquele país chegou a fazer um pacote de camisinhas custar mais de 2 mil reais, segundo O Globo.

Mas e o Brasil? É estranho que as reclamações a respeito da falta de medicamentos tenham aumentado logo depois do afastamento de Dilma Rousseff, uma vez que o governo interino de Michel Temer ainda não tomou qualquer medida efetiva contra a determinação constitucional de acesso à saúde, tampouco sobre a Lei 9.313, de 13 de novembro de 1996, que rege a distribuição de antirretrovirais em todo o País. Nessas condições, responsabilizar o governo federal também é entranho, ainda mais quando aprendemos sobre o funcionamento da distribuição de medicamentos no País:

Como disse Grabriel Estrëla, aqui no Brasil não está faltando medicamento antirretroviral. Ainda bem! Isso quer dizer que nossos líderes, afastados e interinos, devem estar cientes da importância da manutenção do programa brasileiro de resposta à epidemia de HIV/aids. Acabar com o acesso universal aos antirretrovirais seria um golpe contra a saúde brasileira e, também, contra o controle da epidemia no mundo. Essa consciência deve se estender do governo federal aos estados e municípios, bem como à cada unidade dispensadora de medicamentos. Por isso, se faltar antirretroviral na sua farmácia, reclame e proteste. É seu direito!

http://jovemsoropositivo.polldaddy.com/s/está-faltando-antirretroviral-na-sua-farmácia

Anúncios

85
Deixe um comentário

avatar
41 Comment threads
44 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
51 Comment authors
PRJair Pereira Leonardo JúnioritalogabLucasChloe Recent comment authors
  Inscrever-se  
Receber notificação
Gil
Visitante
Gil

Aqui em João Pessoa, no Recife-PE, assim como em Natal-RN e Campina Grande-PB, e cidades menores da Paraíba, sei de fonte segura que não está faltando medicação.
Em SC também não está faltando.
E no início do mês, foi a primeira vez que me ofereceram levar a medicação para 2 meses.
Faltou aqui por uns 10 dias, no final de 2015, outubro e atrasou em novembro uma semana.

Erick Allan Bounean
Visitante
Erick Allan Bounean

Aqui no interior de Minas a chegada dos medicamentos esta atrasando frequentemente.

Paraibanopositivo
Visitante
Paraibanopositivo

Hoje com a foto do príncipe Harry fazendo o teste de HIV o facebook ficou tomado por várias paginas compartilhando essa notícia, e, junto, dezenas de comentários de diferentes partes do Brasil dizendo que o governo federal suspendeu a distribuiçao de antiretrovirais para indetectaveis, com varios perfis comentando a mesma coisa principalmente no estado da Paraíba. Não sei onde está a verdade. Espero que seja só leigos falando sobre o que não sabem como há mtos no facebook. Espero de verdade que seja só boatos

Gil
Visitante
Gil

Eu não teria porque mentir, peguei a informação do CTA Clementino e de um amigo que trabalha na Secretaria de Saúde da PB, ele mesmo é positivo.

Gil
Visitante
Gil

Ah, pessoal, isso pode servir para mais gente: eu fui hoje retirar meu FGTS (fundo de garantia), pois a lei permite quem tem o vírus HIV, mesmo indetectável, retirar. Fora que a moça do balcão não queria aceitar só o número do CID da doença, queria o nome no atestado médico (liberou depois de pedir para ela ligar para a chefe e ler a Lei que dispensa o nome da doença se tem CID), FOI TUDO TRANQUILO E RECEBO SEMANA QUE VEM, dinheiro que aplicarei num sonho de ter um lote e mais tarde, construir a minha casa. Precisa de… Ler mais »

Santos
Membro
Santos

Cara isso de sacar o fgts pode afetar empréstimos em bancos ??ou prejudicar quem tem financiamento estundantil como o fies???

Gil
Visitante
Gil

Não creio que afete, porque você não consigna o seu fgts no empréstimo. Esta semana liberar esta possibilidade. Quanto a fies, não entendo tanto disso pra dizer, mas pelo que sei, não…

FG-PR
Visitante
FG-PR

Gil saquei início do ano é apenas levei o atestado, não foi necessário reconhecer firma ou algo do tipo, inclusive colocaram para todo mês o valor depositado pela empresa que trabalho seja transferido automaticamente para a poupança.

Um dica para quem for sacar é que procure um gerente e não os caixas normais, são pessoas mais instruídas e não vai ficar questionando.

Gil
Visitante
Gil

Eu lembrei que vc postou que foi bem tranquilo. Pensei nos depósitos mensais transferidos, também. Mas a atendente burrinha e grosseira que peguei se superou.
Vou fazer assim como disseste, ir no gerente.

Tom
Visitante
Tom

Pasmen. Perguntei pro meu infecto sobre ele fazer uma declaração pra sacar o FGTS. Ele disse que não sabia como fazer, pra eu checar na CEF, pois haveria um formulário do Banco a ser retirado e preenchido. Médico particular, que não atende pelo meu plano de saúde.

Gil
Visitante
Gil

Leia no site da caixa. Pelo sim, pelo não, pegue a assinatura do médico com firma reconhecida

Rafa
Visitante
Rafa

Também saquei somente com o atestado e documentos pessoais, nada de reconhecer firma… Foi super tranquilo…

alanmac
Visitante

Vale a pena dizer que só retirem esse R$ em extrema necessidade ou para investimento viável como compra de imóvel pois o FGTS rende mais do que a poupança.

Luiz Carlos
Visitante
Luiz Carlos

FGTS rende mais que a poupança? Em que mundo amigo? FGTS rende 3% a.a. + TR, enquanto a poupança rende um pouco mais de 6% a.a. + TR.

Todos que puderem sacar o FGTS, como economista, sugiram que o façam regularmente, e procurem investimentos desbancarizados como Títulos Públicos, LCIs de bancos pequenos, etc.

Juka
Visitante
Juka

Impressão minha ou uma postagem foi extirpada? Já seria efeito do afavirenz???

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Essa questão de liberação de 2 meses consecutivos de medicamento que o Gabriel informa no vídeo está sendo implantada? Isso não acontece na farmacia onde retiro o remédio. Eles liberam para 1 mês somente.

Maxwell
Visitante
Maxwell

Na farmácia que pego aqui no meu estado eles só liberam também para um mês somente. Hoje, por acaso, peguei minha medicação e questionei sobre isso e ela disse que o pedido de compra que a secretaria faz pra eles é pra entrega de um mês aos pacientes já cadastrados na farmácia e uma reserva para novos pacientes que possam aparecer ou uma situação em que o portador tenha que viajar e que deve vim com a passagem comprada e solicitação dessa dispensa pelo médico.

vivendopositivo
Visitante
vivendopositivo

Eu recebo sempre pra 3 meses. 1 consulta foi pra 1 mês, segunda pra 2 meses, e a partir daí sempre 3 meses. (diagnostico jan/15)

Pequena +
Visitante
Pequena +

Boa noite 😉

Aqui no Paraná recebo apenas remédio para um mês.
Só recebi para dois meses no final do ano passado devido as festas de fim de ano.
Mas nunca chegou a faltar e nem cheguei a ouvir comentários sobre isso no CTA que frequento 🙂
Um forte abraço Pequena + <3

Gabriel Estrela
Visitante

Pode ser que a Farmácia seja pequena e por isso não consiga armazenar medicamento suficiente para dispensar dois meses…

Thiago
Visitante
Thiago

Aqui em SC, você recebe para 2 meses a partir do momento que fica indetectável..
Enquanto nao estiver, é para 1 mês

ger+
Visitante
ger+

Aqui em santa catarina esta normal mesmo e estao dando medicaçao para 2meses….tudo sobre controle…

Ricardo
Visitante
Ricardo

Peguei a medicação ontem em BH,graças a Deus, tudo normal……CV indetectável.

RecentWave
Visitante
RecentWave

Também retirei em BH e tudo normal.

Grão da Noite
Visitante
Grão da Noite

Na farmácia onde pego meu 3 em 1 eles só têm fornecido para 1 mês. Só forneceram para 2 meses 01 única vez (no 2º mês). Nos últimos meses do ano passado fui pegar a nova caixa quando estavam faltando apenas 02 ou 03 comprimidos. Mas, agora em 2016, quando estão faltando 10 eu já vou pegar, que é pra, se disserem que não tem, eu ter tempo de fazer alguma coisa, ainda que pra isso eu precise me expor (ir ao Ministério Público da União, ao Ministério Público Estadual e também aos jornais). Onde meu namorado pega os remédios… Ler mais »

Grão da Noite
Visitante
Grão da Noite

Por falar em HIV, apareceu esse artigo pra eu ler (deve ter sido porque entrei aqui no blog do Jovem Soropositivo. Aquelas coisas da informática que rastreiam os acessos da gente…) : http://ladobi.uol.com.br/2016/07/greg-louganis/ . Parece interessante. Vou ler.

FG-PR
Visitante
FG-PR

Esse mês também peguei para 60 dias, mas isso depende do estoque, tem meses que vou pegar e tem uma cartaz avisando para não dispensar algumas combinações por 60 dias.
Acho que essa conversa de corte de medicamentos é sensacionalismo barato.

Maxwell
Visitante
Maxwell

FG-PR eu tenho uma leve tendência para os princípios políticos da esquerda MAS nesse caso tenho que concordar contigo: sensacionalismo barato essa conversa. Chego a pensar que é notícia plantada da esquerda política pra queimar o filme do Temer.

Henrique
Visitante
Henrique

Eu gostaria que esses remédios fossem disponibilizados nas redes particulares para quem quisesse comprar, e quem nao quisesse que pegaria na rede pública. Ficamos nessa agonia com medo de um dia o medicamento faltar. Acaba que ficamos refens do governo, e tudo isso por causa de corrupção. Espero que um dia esse país mude e a cura chegue para nos livrarmos dessa agonia.

binhomais
Visitante

Henrique, como vai?

Já pensei nisso também, e seria muito bom pela privacidade e também ajudar a aliviar o sistema ppúblico de saúde. Mas as dois problemas significativos surgiriam: exploração pelas redes de farmácias privadas e também uma síndrome de “quer melhor, trabalhe e compre”.

O governo centralizando a compra tem enorme poder de barganha. O 3×1 poderia ser vendido por dezenas de vezes mais caro do que é.

Pelo sim ou pelo não fico contente que ainda tenhamos disponível a medicação. Que Deus nos ajude.

Abraços.

Maxwell
Visitante
Maxwell

O meu receio não é nem de faltar a medicação é mais o governo querer meio que forçar a grande maioria das pessoas a mudarem seus esquemas de medicação para o mais em conta para eles, sem se preocupar com nossa saúde. Eu, desde o começo da minha descoberta, tomo o ritonavir, atazanavir e tenofovir + lamivudina e lá se vão mais de 2 anos e me sinto adaptado e não tenho o menor interesse em ir pro 3×1 já que sei que ele afeta o sistema nervoso e pra mim não é recomendável. E qto a pegar medicação mês… Ler mais »

FG-PR
Visitante
FG-PR

Maxwell também tomo essa combinação e concordo contigo, não trocaria essa combinação pelo 3×1 por nada. Vivo como se nada tivesse acontecido e isso é o que importa.
Quanto a distribuição na rede privada eu também gostaria que tivesse essa opção, ficaria mais tranquilo.

Indi
Visitante
Indi

Tomo o 3×1 e também vivo como se nada tivesse acontecido… Aliás nunca tive nenhum efeito colateral, além do mais sou indetectável …

Juka
Visitante
Juka

Já eu sempre no 3×1 e nunca tive um efeito colateral.so troco se for provado q existe outros melhores…nada mais confortável q só um comprimido….eu usava 11 comprimidos para malhar.depois do diagnóstico deixei esses suplementos e vivo só com o 3×1.ou seja qdo eu era negativo tomava 11 hj tomo 1…olhe como ficou mais prático..rsrs

Zimba
Visitante
Zimba

Concordo Juka,
Tb faço uso do 3X1, e acho ele bom! Apesar de eliminar o sono já presente na hora!
Fora isso, jamais trocaria por combinações de mais comprimidos por dias.
Ufa!

Juka
Visitante
Juka

Eu não tenho problema em dormir, pelo contrário.sempre fui dorminhoco.rs

RecentWave
Visitante
RecentWave

Oh inveja boa. Este 3×1 acaba com meu sono. Me dá sonhos loucos as vezes e o pior, me sinto ligadão muitas vezes. Sem contar que fico com umas sensações neurológicas estranhas, sei lá, uma coisa no olho, não sei explicar. As vezes fico com vontade de mudar o esquema, mas morro de medo.

Sebastian
Visitante
Sebastian

Maxwell e FG-PR, os comentários de vocês me tranquilizaram. Tomo o 3×1 desde janeiro de 2015, assim que meu primeiro exame de CD4 e CV chegou pós-diagnóstico. Ontem troquei a medicação para a combinação ritonavir, atazanavir e tenofovir + lamivudina depois de um teste de genotipagem e entendimento da minha médica de que minha resposta ao 3×1 está lenta e piorando. Fiquei muito preocupado com essa troca devido aos possíveis efeitos renais e icterícia (com amarelamento dos olhos). Como 28 anos, me preocupo com o efeito a longo prazo do efeito sobre os rins. Por outro lado, o possível amarelamento… Ler mais »

Maxwell
Visitante
Maxwell

Eu tive no começo mas que foi resolvido logo com a ingestão diária de uns 3 litros acima de água por dia. A água faz diluir mais o remédio em nosso organismo o que faz com que a bilirrubina se dissipe mais rápido.
Faça isso, ingira bastante líquido ao dia que lhe ajudará.

FG-PR
Visitante
FG-PR

Também só tive ectiricia no começo, tomando bastante água ninguém nem percebe. Quanto aos danos nos rins se for acontecer com você também aconteceria com o 3X1, já que é o Tenofovir que pode causar isso é no 3X1 também tem Tenofovir. Fica tranquilo essa combinação é super de boa, é pra mim não diferença nenhuma tomar um comprimido que tem três componentes ou tomar 3 comprimidos, boto os 3 na boca e mando pra dentro, o que me importa é o efeito colateral a longo prazo e não a quantidade de comprimidos.

Soulpositiva
Visitante
Soulpositiva

Nossa, lendo isso voltou a minha revolta com a repórter que interrompeu o médico que falava na prevenção através do tratamento para dizer que “a melhor forma de prevenção continua sendo o preservativo”. Não sei que tanto estigma e preconceito fazem essa gente desapegar do que a ciência diz para se agarrar com unhas e dentes aos anos 80. Medo, talvez? Enfim, sobre o corte da medicação: juridicamente eu considero extremamente inviável. Além da legislação específica, afrontaria a Constituição Federal em tantos artigos (art. 5o, III – dignidade da pessoa humana, art. 5o, XXXVI – direito adquirido, art. 196 –… Ler mais »

MARCOS VINICIUS BENTO DA ROSA
Visitante
MARCOS VINICIUS BENTO DA ROSA

Bueno. Entendo o direito ao anonimato das pessoas. Mas sinceramente, em dois meses – e sem.a revogação de qualquer lei – me parece impossível que se dificulte o acesso aos antireteovirais. O que é evidente é que é feita muita política em cima de conquistas que não são de Dilna, Temer ou FHC: são da sociedade. O acesso aos antireteovirais são uma conquista da população. Fora que para o próprio governo, é muito mais “barato” do que bancar internações referentes a doenças oportunistas decorrentes do HIV. É matemática. São números. Simples assim. O verdadeiro problema é a péssima gestão que… Ler mais »

Worried
Visitante
Worried

Galera, acabei de receber os resultados do exame que eu fiz na semana passada. Carga viral indetectável, CD8 1526 (um pouco alto) e CD4 765. Até aí acho que nada muito preocupante. Porém meus níveis de TGP e TGO estão elevados para 128 e 91 respectivamente. Sei que isso é relacionado ao fígado mas não sei se é algo a ser preocupante. Tomo o 3×1 há 1 ano, não abuso de bebidas alcoólicas (somente aos finais de semana é muito pouco) e não faço uso de outro tipo de medicação. O que vocês acham? Como é o nível desses elementos… Ler mais »

Pedro Dias
Visitante
Pedro Dias

Worried,

Tb tive essas altereçoes relacionados ao fígado, cv ind, cd4 690… Fiquei super preocupado tb. Terei consulta semana que vem para tirar essas dúvidas.

binhomais
Visitante

Worried, no começo de tratamento é comum subir. Poucos meses depois costuma volta ao normal. Você está nos primeiros meses em TARV?

Danilo
Visitante
Danilo

Alguem pode me incluir nesses grupos do kik messenger, orionbh meu nick

GF-SP
Visitante
GF-SP

Rezo e tenho fé que em breve ninguém mais precisará destes remedios:

http://www.abc.net.au/news/2016-07-15/hiv-breakthrough-brisbane-harrich-nullbasic-aids-aimr-berghofer/7631328

Animador não?

Moreno RO
Visitante
Moreno RO

No Tocantins recebemos medicamento para três meses. E nunca faltou medicação. Mas essa possibilidade da falta me preocupa muito.

Sebastian
Visitante
Sebastian

Em Poro Alegre, no início de junho, o local onde retiro medicamento TARV estava com atraso no recebimento e por isso distribuindo apenas 15 comprimidos, pedindo que o paciente retornasse para retirar os outros 15 em duas semanas. Atualmente a distribuição dos TARVs parece estar normalizada. Ano passado o genérico do Bactrin (antibiótico “preventivo”) ficou em falta por uns três ou quatro meses e o Dapsona (substituto do Bactrin) também. Infelizmente foi muito difícil encontrar esses antibióticos no mercado. Pelo que soube o Dapsona é importado apenas pelo SUS e para comprar só mandando manipular (mas nem toda farmácia de… Ler mais »

Maxwell
Visitante
Maxwell

Sebastian vc sabe que pode deixar o nome de duas ou três pessoas que podem pegar a medicação por vc na farmácia?

Juka
Visitante
Juka

Eu pago um enfermeiro para pegar para mim.nao piso meus pés na farmácia. Tbem não faço exames nem consultas pelo sus…tudo em nome do sigilo.

Sebastian
Visitante
Sebastian

Sei sim, Maxwell. Como moro sozinho e apenas meu namorado sabe do diagnóstico, não aproveito muito essa possibilidade. Além disso, meu namorado não mora em Porto Alegre e vem para cá apenas nos finais de semana…

Obrigado pelas dicas (essa e sobre a ingestão de água)

sampapoa
Visitante
sampapoa

gente, isso ao menos parece JOGO POLÍTICO MUITO BAIXO!!!! alguns partidos pra se manterem no poder são capazes de tudo. simples assim.

Bio
Visitante

Boa Tarde queridos combatentes!! Acho que já postei essa informação aqui, mas não me custa nada repetir. Os antirretrovirais são dispensados, no mínimo, uma vez a cada 20 DIAS. Assim sendo, cada paciente pode e deve fazer DUAS RETIRADAS a cada 40 DIAS. Assim, no prazo de 60 DIAS, cada usuário terá um frasco sobrando e garantirá a continuidade do tratamento, caso haja alguma eventualidade, como por exemplo, ATRASO na distribuição dos remédios pelo Ministério da Saúde. Outra informação importante: cada paciente indetectável pode solicitar do seu infectologista, no máximo, TRÊS receitas por consulta e de preferência SEM DATA. Dessa… Ler mais »

Truvada Saves
Membro
Truvada Saves

Eu gostaria de saber por que os soropositivos têm tantos direitos e outros portadores de doenças graves não tem nada.

Sebastian
Visitante
Sebastian

Rock Hudson, portadores de outras doenças possuem diversos direitos e benefícios, muitas vezes não destinados aos soropositivos. Um exemplo é a compra de veículo com isenção (pelo que sei integral) do IPI. Uma amiga da minha família, muito próxima, teve câncer de mama, enfrentou a doença e está curada faz muitos anos. Depois de curada ela solicitou a isenção de IPI para a compra com de um caro de alto padrão com cambio automático, pois o uso do cambio manual poderia ser prejudicial devido ao local do seu câncer e obteve esse direito. Pelo que sei, portadores de certas doenças… Ler mais »

SoroRj
Visitante
SoroRj

Estou em estado de pânico. Desclbrir recentemente que sou soro positivo e nem comecei a fazer meu tratamento ainda. Ando tendo febre e estou muito resfriado. Fiz os exames VC e CD4 essa quinta. Estou muito abalado e com medo. Não sei oque fazer… será que o governo vai tirar o meu direito de viver? Eu preciso de tratamento e não tenho muita informação da minha medica. Realmente não sei oque fazer pra me ajudar e não me expôs.

Positividade de luz
Visitante
Positividade de luz

Primeiramente tenha calma SoroRj,sei que não é fácil essa descoberta,já está indo para cerca de 1 ano que me descobri soropositivo,achei que era meu fim,mas graças a Deus,estou aqui firme e forte e INDETECTÁVEL ,qnt a febre mal estar,vc pode tomar medicamentos normais para febre,gripes,etc,
E assim que começar o tratamento com os antirretrovirais,siga certinho que td ficará bem amado!!!!
Paz e bem querido,e saibas que não estás sozinho nessa batalha chamada NOVA VIDA!!!

binhomais
Visitante

SoroRj, no começotemos muito medo. Conforme o tempo passa vamos aprendendo a lidar, criamos amizades aqui e as vezes até pessoalmente. O peso da notícia vai se acomodando dentro de nós.

Leia o blog todo, veja os comentários, irá notar que as pessoas superam o medo e passam a viver bem.

Abraços.

alanmac
Visitante

Se quiser conversar passa e-mail para alanmac@oi.com.br. Fui diagnosticado a uns 2 meses e comecei o tratamento a uns 20 dias e graças a ajuda de muitos eu conheci mais sobre o assunto e me tranquilizei.

Chloe Price
Visitante
Chloe Price

Pessoal, alguém aqui já viveu fora do Brasil ? Eu morei na Austrália e Nova Zelândia por alguns anos, e recebi medicamentos do Brasil pela DHL. E como eles não pedem exame de sangue, na consulta não me declarei como +. E bom não tive nenhum problema, porque eu mandava os medicamentos para um consultório genérico lá que assinava os papéis dizendo que eu podia receber os medicamentos e depois vinha para casa pela DHL. Estou querendo me mudar para o Canadá por mais de 6 meses e desejo trabalhar e estudar lá por um tempo(pelo menos 2 anos), e… Ler mais »

Hj
Visitante
Hj

Cara, como eh tratamento na australia? Vc pegava os remedios do brasil? O tratamento na australia eh muito caro? Como funciona? Eh vdd para o visto permanente eles fazem exame d hiv? Abs

Chloe
Visitante
Chloe

Mandei os remédios por Dhl como mencionei no meu texto.

Positividade de luz
Visitante
Positividade de luz

Ah detalhe,tmb não me exponho e somente um amigo sabe de minha sorologia,pois o ANONIMATO é um direito nosso,fique em paz com relação a isso tmb,ok?

M_mro
Visitante
M_mro

Boa noite pessoal, Descobri agora dia 09/07 que sou soropositivo.. Pela conversa com minha médica estava no período de infecção aguda, ou seja, fui infectado a pouco tempo… Apesar de estar conseguindo manter a calma e já ter iniciado os remédios essa quinta 14/07 eu tenho me sentindo meio sozinho e solitário já que resolvi não contar pra absolutamente ninguém… De toda forma queria agradecer a todos que postaram suas histórias e experiências aqui, isso me ajudou bastante a ver que existe uma vida depois do hiv e que as coisas estão evoluindo e tenho fé que logo teremos uma… Ler mais »

Léo
Visitante
Léo

Acompanho o blog há tempos e achei a postagem um pouco quanto tendenciosa, ficou claro através do vídeo e das postagens nos comentários que esse boato é falso.

Espalhar noticias falsas para gerar pânico em nome de denegrir o governo interino – o que ficou claro – não deveria ter lugar em um site que até o momento demonstrou seriedade.

Atitudes assim nada agregam à sociedade, com todo respeito, essa matéria pegou mal.

Abs!

Edu
Visitante
Edu

Eu conversei com a farmacêutica da unidade onde pego meus remédios em SP e ela explicou-me duas coisas: muitos CTAs e SAEs não se organizam corretamente contando com prováveis atrasos na entrega em virtude do deslocamento, esticaram, etc. Pelo que ela explicou-me, o estoque desses dos anti-retrovirais não pode ser muito maior do que realmente seja necessário, a margem de segurança é pequena, pois segundo ela o preço desses remédios é alto e o objetivo é não haver desperdícios, considerando que nem todo mundo usa a mesma medicação, o 3×1 que é mais fácil de organizar. Questões de organização logística.… Ler mais »

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

Onde eu faço o tratamento, em uma cidade das Minas Gerais, faltou uma única vez, no final de 2009 – eu não fazia tratamento ainda. Soube que, no final de 2009, faltou no Brasil inteiro, tendo até um grupo que foi protestar em Brasília (li pelos jornais). Eu peguei meus medicamentos na sexta-feira, tudo tranquilo. Por via das dúvidas, sempre pego com uma semana de antecedência, pois agindo assim, tenho sempre um pequeno estoque. Estou numa correria danada estes últimos tempos, com um parente que se encontra doente, e quase não tenho tempo para acessar o blogue. De qualquer forma,… Ler mais »

Pedro Henrique
Visitante
Pedro Henrique

Boa tarde amigos. Meu nome é Pedro, e só depois de algumas semanas lendo esse blog tive coragem de postar algo. Bom passo por uma fase muito amedrontadora e este está servindo para que eu me acalme por mais que não veja mais saída. Tive uma relação sem preservativo com uma garota e depois de 3 dias peguei candidiase, já estava com o sistema imunológico fraco pois estava com diarréia e febril antes da relação. Depois do remédio que tomei fluconazol começou a me aparecer reações de pele, (reações das quais na internet vi que é mais comum em quem… Ler mais »

André
Visitante
André

Só peguei remédio uma vez até agora e mesmo o médico informando que forneciam e na receita falando que era pra pegar por 2 meses, na farmácia falaram que agora só estavam dando por um mês. Não sei se será sempre assim agora, se está apenas por um momento, ou se foi pelo fato de ser a primeira vez que pegava a medicação. Dia 25 estarei indo pegar a medicação novamente, e espero que possa pegar para dois meses logo, pois ficar indo todo mês além de chato, acaba atrapalhando no trabalho, já que não informo para que preciso me… Ler mais »

André
Visitante
André

Como informado, hoje fui pegar remédios e dessa vez me deram o tratamento para dois meses, sendo assim só preciso voltar lá em setembro. Ao chegar na farmácia também pude vê-los repondo o estoque e pelo que observei, tem bastante remédio. Espero que seja isso mesmo e que não falte remédio jamais. Obtenho a medicação no Hospital das Clínicas da UFPE em Recife.

pedroks399
Visitante

Esperava pelo menos uma palavra amiga, mas parece que até meu teste ser reagente eu não posso contar com ninguém não é mesmo?
Uma pena, mas de qualquer forma com o que ando sentindo já é quase uma certeza, e quando essa se concretizar eu volto à postar.

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

Pedro, que papo é esse? Tomara que seu teste NÃO DÊ reagente, cara…
Eu, como postei anteriormente, não tenho tido tempo para ler o blog, como fazia todos os dias…
Mas não fique grilado com isso, não…
Saiba que, seja qual for o resultado, poderá contar sempre com (quase) todos aqui no blog.

Pedro Henrique
Visitante
Pedro Henrique

Obrigado Paulo. Do fundo do coração!
Ta sendo uma barra muito forte pra mim. Sentir esses sintomas e ficar esperando o telefone tocar para refazer o exame.
Sei que não é o fim do mundo. Mas não é tão fácil pra mim como parece ser pra vocês.
Paz 😉

Orionbh
Visitante
Orionbh

Pessoal estou surtando, descobri q sou positivo na fase aguda da infecção e de imediato, ainda sem acreditar pois sempre namorei e fui cuidadoso o meu médico já me passou o 3×1, que já estou tomando há 12 dias, sem muitos efeitos colaterais, acho que a ansiedade é dessa fase de descoberta e negação. Mas ainda fico me perguntando se esse protocolo de passar o medicamento no início, mesmo estando com cd4 em 850 ( a carga está alta pois estou na fase aguda claro, ainda não baixou) não é um protocolo que convencem os médicos tupiniquins para que não… Ler mais »

anjo (terapeuta)
Visitante
anjo (terapeuta)

Ola eu descobri no inicio e so comecei a tomar um ano e meio depois, minha medica disse vc esta bem e a decisao de começar e sua porem quanto mais cedo melhor pois vc estara ajudando seu organismo a se defender. Comecei com cd4 acima de 500.

Edu
Visitante
Edu

Orionbh, é normal que no início, recem-diagnosticado, muitas coisas passem por sua cabeça. Comigo e acredito que com 99,99% dos que aqui nos lêem, passaram por isso. Muito importante você saber que atualmente o diagnóstico reagente não é mais uma sentença de morte, como até a metade dos anos 90, praticamente. Por que se cuidar e tomar remédios se sua infecção é recente, seu sistema imunológico está bomzão? Responde pra si mesmo: é mais fácil dar um tapa na pintura do carro numa leve ralada de pára-choque ou numa porrada frontal com a parte mecânica atingida, inclusive? Se precisar ou… Ler mais »

Lucas
Visitante
Lucas

Pessoal como funciona esse tal de kik? Existem grupos por lá? Obrigado meu usuário: lucapver vlw

italogab
Visitante

Aqui na cidade em que moro (Imperatriz do Maranhão), tenho passado por alguns constrangimentos. Primeiro que como alguns relataram existem dias certos pra pegar medicação. A regra é que com dois dias antes de finalizar minha jujubas posso retirar uma nova caixa. Por três vezes pude pegar duas dispensas seguidas, só que em meados de maio faltou medicação, eu rebolei e consegui com um conhecido pegar emprestado. Desta vez, desde a sexta feira (dia 07 de outubro) eles não liberaram nada porque acabou o estoque (meu último comprimido tomei dia 09 (ontem), voltei hoje ao CTA (dia 10 de outubro)… Ler mais »

Jair Pereira Leonardo Júnior
Visitante
Jair Pereira Leonardo Júnior

Sou parceiro de um soropositivo em uma relação sorodiscordante. Nós moramos em São Luís – MA e hj meu namorado foi ao posto de saúde do Bairro de Fátima conhecido como SAE e não tem a medição do meu namorado. Ele toma o 3 em 1. A medicação dele acaba antes do prazo que eles deram pra regularizar a distribuição! Um absurdo. Liguei pro Ministério da Saúde e me disseram que era um problema da administração municipal. Liguei pra vários números da secretaria de saúde daqui e obtive a resposta de que o problema foi do governo federal com uma… Ler mais »

PR
Visitante
PR

Em Natal, RN, estamos com instabilidade séria de fornecimento de medicamento. Há meses que o Hospital Giselda Trigueiro não disponibiliza o medicamento de forma segura e estável como anteriormente.