Se o mundo tentar, a aids pode acabar


The_New_York_Times_logo

O mundo fez tanto progresso na redução da propagação da aids e no tratamento de pessoas com HIV que a epidemia tem recuado dos holofotes. No entanto, por quaisquer medidas, a doença continua a ser uma grande ameaça — 1,1 milhão de pessoas morreram no ano passado devido à causas relacionadas com a aids e 2,1 milhões de pessoas foram infectadas com o vírus. Embora as mortes estejam em queda ao longo dos últimos cinco anos, o número de novas infecções tem, essencialmente, atingido um patamar.

A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou uma meta na semana passada de acabar com a propagação da doença até 2030. Este é um objetivo louvável e ambicioso, alcançável apenas se as nações individuais fizeram campanha vigorosa para tratar a todos os que tem o vírus e limitar as novas infecções.

Os medicamentos e o conhecimento já existem, mas, em muitos países, o dinheiro e a vontade política não. Além de voltar o holofote sobre a doença, é crucial que países ricos, como os Estados Unidos, continuem a desembolsar quantias generosas para reforçar o que deveria ser empenho global. Doadores e países de baixa e média renda precisam aumentar os gastos para US$ 26 bilhões por ano até 2020, de acordo com a ONU, acima dos US$ 19,2 bilhões em 2014.

ONU aids

Embora ainda elevadas, as mortes atribuíveis à aids caíram 36% desde 2010. Em grande parte, isso se deu porque muitas pessoas estão recebendo medicamentos antirretrovirais — 17 milhões de pessoas em 2015, em comparação com 7,5 milhões cinco anos antes. Estes medicamentos permitem que as pessoas vivam vidas quase normais e reduzem o risco de transmissão do vírus para outras pessoas.

Alguns países, como África do Sul (antes uma zona de calamidade) e Quênia, têm feito enorme progresso em aumentar o tratamento, mas muitas pessoas que precisam da terapia salva-vidas não têm acesso a ela. Apenas 28% das pessoas infectadas na África ocidental e central estavam sendo tratados em 2015, de acordo com um recente relatório da ONU. Os números eram ainda mais baixos no Oriente Médio e no norte da África (17%), Europa oriental e da Ásia central (21%). Segundo Sharonann Lynch, assessor de políticas para o HIV dos Médicos Sem Fronteiras, em alguns países, as pessoas que recebem um diagnóstico positivo para o HIV recebem a instrução de voltar ao médico só quando ficarem doentes, devido à restrições orçamentárias. Muitos nunca mais voltam.

Em outros lugares, pode ser difícil chegar até as pessoas que precisam de medicamentos por causa de guerra ou por falta de um sistema público de saúde funcional. E muitos dos que precisam de ajuda não estão dispostos a pedi-la, porque temem ser condenados ao ostracismo ou, pior, porque são gays, usuários de drogas ou estão envolvidos em trabalho sexual. Leis e atitudes discriminatórias em países como Nigéria, Rússia e Uganda provavelmente forçaram dezenas de milhares de pessoas que precisam de ajuda a se esconder.

Em alguns países, as infecções têm de fato aumentado, o que ajuda a explicar por que o avanço no controle da epidemia atingiu um patamar. Na Europa oriental e na Ásia central, por exemplo, 190.000 pessoas foram infectadas no ano passado, contra 120.000 em 2010. Enquanto o número de mortes tem se mantido muito baixo, o número de novas infecções se manteve estável ou modestamente baixo, nos últimos cinco anos. Isso é verdade para os Estados Unidos, onde estima-se que 44.073 pessoas foram diagnosticadas em 2014, o ano mais recente para o qual os Centros de Controle e Prevenção de Doenças têm dados publicados, abaixo de 44.940 em 2010.

Esses números não abrem espaço para complacência, mas para campanhas de saúde pública mais vigorosas, mais acesso a preservativos, agulhas limpas para usuários de drogas e prescrições de medicamentos pré-exposição. Ainda não há cura para a aids. Mas há muitas maneiras de minimizar suas consequências mortais.

Pelo Conselho Editorial do New York Times em 13 de junho de 2016

Anúncios

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever-se  
Receber notificação
Juka
Visitante

O hiv só vai sumir qdo houver a cura e ser gratuitamente distribuída.ate lá vai sempre ter milhares de infecções. Grande parte de infectados não se testam e não fazem por medo do diagnóstico quase certo. É um problema q está em todo lugar do planeta.gracas a deus é a ciência hj vivemos bem…

Vircetti
Visitante

Tbm acho q so a cura, vai acabar com a pandemia!!

Mar+
Visitante

Existir cura não significa fim de epidemia ou pandemia. Exemplo disso está aí a sífilis, que tem tratamento simples e barato (quando descoberta na 1ª e 2ª fase) e mesmo assim nunca foi extinta, e até está tendo um aumento considerável de casos.

O fim da AIDS só aconteceria se todas as novas infecções fossem evitadas e se aguardasse o fim desta geração e o surgimento das novas, já livres das infecções. Ou seja, todos nós, soropositivos (até mesmo os soronegativos) não estaríamos incluídos nessa “geração livre das infecções”.

Henrique
Visitante
Vou ser sincero… Eu espero que esses numeros subam cada vez mais “até pq é bem lógico, esse numero tende a subir visto que existem mtos infectados que nao sabem de sua condição”. Isso pode parecer ser egoísmo da minha parte mas não é.. Acredito que só assim os cientistas continuarão buscando novos tratamentos e até mesmo a cura contra esse vírus que está presente na sociedade e em nossas vidas. Hoje conseguimos viver normalmente, mas nao queremos viver a vida toda dependendo de Medicamentos e com esse grande fardo chamado pré conceito em torno desse vírus. A pouco mais… Ler mais »
Gustavo
Visitante

Não parece egoísmo, é egoismo. Não estamos falando de números e sim de pessoas que morrem diariamente por complicações ou são infectadas. “Se você acha que as pessoas devem ser infectadas para que todos recebam a cura, você poderia começar morrendo, não? Talvez isso também ajudaria?” (Ironia). Com certeza os números subirem não é caminho.

Henrique
Visitante
Nao ajudaria, até pq quem morre acaba nao utilizando os diversos recursos existentes e com isso daria um fim aos gastos públicos. E morre de Aids quem quer.. Vc acha que se a epidemia for erradicada ou controlada apenas com um remédio diário, eles vão se empenhar para buscarem uma cura? Ou vc acha que o famoso coquitel foi criado em tempo recorde na decada de 90 pq? Justamente pela quantidade de novos casos de pessoas infectadas e morrendo. E em momento algum desejei a morte de ninguém, pelo contrário, desejo vida para todos. E eh um fato que varios… Ler mais »
Dan
Visitante

egoísta.

Ricardo - Gru
Visitante
Tbm vou ser sincero, não acredito que possa existir redução nos números não. Até porque, se eu, no auge dos meus quase quarenta anos entrei em contato com o vírus de uma forma imbecil, imagino esta garotada que esta chegando agora que pouco ouve falar em HIV/Aids, camisinha, PrEp e etc… Eu tenho contato com algumas enfermeiras do CTA que faço o tratamento e as mesmas falam que é assustador a quantidade de novos casos de HIV em especial na faixa etária de 15/25 anos. A realidade é que também não vejo acabar com a pandemia senão com a cura… Ler mais »
Matheus
Visitante

Até quando surgir a cura ainda vai rolar milhares de novos casos,vide isso é só olhar as DSTs que hj tem cura e elas nunca foram extintas.

Chaval
Visitante

Mais de 2mil mulheres são infectadas por semana na África do Sul.

Pedro Dias
Visitante

Enquanto as pessoas estiverem ficando indectável e a tal vida “normal” pós Hiv for uma recompensa, acho que vão ficar nesse jogo de morde e assopra pra essa cura sair. Talvez se o interesse mudasse em torno disso já estariamos livres desse vírus maldito.

Henrique
Visitante
E nao temos uma vida normal? Pelo menos a minha é, so tenho que tomar o medicamento as 22 hrs e estou livre, e claro, ser mais responsável cmg msm e me cuidar mais. Coisa que acredito que todos deveriam fazer independente de qlq diagnóstico. Independe de vida normal ou nao, os governos gastam milhões anualmente tanto com medicamentos quanto para prevenção, dinheiro este que poderia ser investido em outros programas. Obvio que todos querem a cura e acho hipocrisia quando leio pessoas falando que a indústria farmacêutica tem a cura mas mao liberam justamente pelos lucros que são gerados… Ler mais »
Revoltado
Visitante

Henrique, não temos vida normal. Conhece ou leu sobre “sífilis tuskegee” … talvez te oriente sobre o quão preocupados com nossa saúde são os sistemas de saúde, governo e indústria farmacêutica.

Mar+
Visitante

Não há nada de normal na vida que estamos levando. Sejamos realistas.
Estamos vivendo bem essa vida anormal, isso sim, porém infinitamente melhor do que a vida que muitos HIV+ vivem em alguns países.

Maxwell
Visitante
Vida normal é não ter que depender de tomar remédio todo santo dia, é de não ter medo de ficar com alguém com medo de se envolver e ter que contar de sua sorologia e ser rejeitado ou pior (ser chantageado ou ter sua sorologia revelada aos quatro ventos), vida normal é poder comer tudo que vc podia comer sem precisar se preocupar que os “queridos remédios” mais cedo ou mais tarde vão potencializar um aumentos em suas taxas de triglicerídeos, colesterol, de não ter que vim ao blog esperando notícias melhores sobre nossa condição positiva… Fico feliz, sinceramente, por… Ler mais »
GF-SP
Visitante
Eu já acho que quanto menos pessoas se infectarem menores serão os esforços para medicamentos que tratam mas não curam em definitivo e maiores os esforços em torno da cura. E digo isso pela própria especulação monetária e lucrativa por parte das farmaceuticas. Se há um declínio na expansão de casos (considerando também a queda das patentes que vai diminuir o lucro e expandir o tratamento em níveis muito maiores) isso significa que apenas a cura vai conseguir extrair algum dividendo já que o espectro a ser explorado estaria, por assim dizer, diminuindo. Obviamente as grandes farmaceuticas que lucram com… Ler mais »
Palpite +
Visitante

Acho que a maioria queria se ver livre era do Estigma e preconceito. Não ter que se esconder tanto é ter tanta vergonha de falar que tem HIV.

Em mim mesmo, a ideia de suicídio é sempre presente.

Mar+
Visitante
Palpite+ , se vc já teve algum parente ou amigo próximo que tenha se suicidado, deve ter idéia de como isso só machuca quem realmente gostava dessa pessoa. Ninguém vai sentir pena de vc só pq vc tem HIV, pode tirar isso da cabeça. E na sociedade vc sempre vai ser estigmatizado por qualquer coisa, atécnico mesmo por uma roupa que se usa. Se não aqui, mas ali será. Querer ser aceito é caminho sem fim. Esqueça essa cura e aceite a realidade que temos. Procure parar de pensar na doença, pq o tempo tá passando pra todo mundo. Todos… Ler mais »
alleh Junior
Visitante

Olá! Estou no Kik. Meu usuário é “allehJunior” kik.me/allehJunior

Bom Amigo
Visitante

Olá pessoal, descobrir essa matéria aqui:
http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2016/02/24/internas_cienciaesaude,628646/pesquisadores-pernambucanos-podem-validar-a-cura-da-aids.shtml
O que vocês acham? Será que isso seria mesmo possível? Alguém já estudou sobre ou leu em outro local algo parecido?
Abraços

Ser feliz
Visitante
Bionor PHARMA ASA BOLSA DE VALORES DE ANÚNCIO O peer-reviewed e altamente reconhecida revista The Lancet HIV publicou os resultados do ensaio clínico da REDUC Parte B (Oslo, Noruega, 09 de julho de 2016) Bionor Pharma ASA (Bionor) (OSE: Bionor) anunciou hoje que os resultados positivos do ensaio clínico REDUC Parte B foi publicado pela primeira vez na peer-reviewed e altamente reconhecida revista The Lancet HIV. O manuscrito é intitulado “Efeito combinado de VaCC-4x, de granulócitos humanos macrófagos fator estimulador de colônias de vacinação recombinante e Romidepsin sobre o HIV-1 reservatório (REDUC): a single-braço, o julgamento / 2A fase 1B”.… Ler mais »
Fabio
Visitante

É brincadeira. Neguinho ainda fica falando em debelar o vírus sem a cura. Pura ilusão. Isso não vai acontecer nunca. A sociedade está se tornando cada vez mais promíscua. Só com a cura o vírus poderá ser debelado.

Vircetti
Visitante

Falando em cura… Qual a mais promissora heim??

A Cura ou Nada
Visitante

Às vezes me parece que só se um grande grupo de portadores do vírus se organizasse e resolvesse parar de tomar os anti-retrovirais é que as pesquisas de cura seriam realmente aceleradas. Talvez o único jeito de pressionar governos, instituições, empresas, médicos.
De qualquer jeito, a gente não pode aceitar morrer bem velhinhos com essa porcaria de vírus dentro do corpo. Não, mesmo. Se querem que a gente morra velhos e indetectáveis (sem transmitir o vírus), podem esperar sentados.
#aCuraouNada

Realidade+
Visitante

Comece por vc, pare de tomar os antirretrovirais e nos diga sobre essa pressão no topo da piramide, estarei aqui indetectável, gracas a Deus, laboratórios, médicos e de alguma forma o governo!

Ser feliz
Visitante

E mentira essa noticia acima ?

ss+¿¿
Visitante

Alguem para traduzir?

P+
Visitante
Empatia mandou um abraço, hein? Chega a ser doentio esse desejo de vocês de que cada vez mais e mais pessoas sejam contaminadas, simplesmente pelo fato de que se “vive bem com HIV hoje em dia”. Desejem câncer para que a cura do câncer apareça; desejam diabetes para que a cura do diabetes apareça; desejem Alzheimer para que a cura do Alzheimer apareça… Parem de se automutilar, de se afundarem em depressão e ainda desejar que outras pessoas passem pelo que passamos. Todos queremos a cura. Investe-se muito na busca pela cura. Mas por favor parem de viver esperando o… Ler mais »
Raquel
Visitante
Eu acho que há um exagero nessa questão do hiv,ou ainda mais da aids.Pelas minhas contas,sou portadora do hiv ha pelo menos 10 anos,nao faço tratamento,nao sou adepta da teoria da conspiração de que hiv nao existe ou nao causa aids,mas optei por um caminho que faz os médicos tremerem na base.Todos os infectos que me consultei disseram que se eu nao me tratasse em poucos meses,eu iria desenvolver a aids,as doenças oportunistas,e estaria morta.Isso pq,quando fiz meus exames,por exemplo,minha carga viral estava em 200 mil,meu cd4 quase zerado(apenas 11).Cheguei a tomar aquele 3 em 1 durante 2 meses,e tive… Ler mais »
P+
Visitante

Típico comentário desserviço que não acrescenta em nada. Muito semelhante aos “cidadãos de bem” que querem que cada vez mais pessoas sejam infectadas com o HIV. Ridículo!

Raquel
Visitante

A verdade dói?

Revoltado
Visitante

Qual a sua verdade? Dizer que parou com a medicação e não provar é tão simples. Quero ver na prática.

P+
Visitante

Nossa, exatamente, Fernando!
Por mais que o HIV seja um fardo que temos que carregar, há inúmero outros fardos que várias pessoas carregam. A vida não é fácil pra ninguém, e ela não fica mais difícil quando se tem HIV, ela passar a ter um significado diferente, apenas.
É óbvio que todos queremos a cura, mas precisamos aguardar e enquanto isso vivermos nossas vidas. Ficar com esse sentimento de ódio nada vai adiantar, a não ser na automutilação.

Ricardo - Gru
Visitante
Gzuis, to como medo aqui de alguns comentários que li, um orienta aumentar o numero de infectados, outro adepto ao não tratamento, outro que pensa em suicídio o tempo todo. Para tudo que quero descer ! Galera, vamos pensar, hoje temos “o trabalho” de tomar apenas 01 comprimido por dia, ir no CTA 2 vezes ao ano e ter um acompanhamento por pessoas qualificadas (pelo menos onde eu faço o tratamento é assim), não consigo enxergar o motivo de tanta revolta. Com raríssimas exceções ninguém foi culpado por nossa sorologia senão nós mesmo que em algum momento não tomou a… Ler mais »
Ronaldo Felix
Visitante
Descobri na semana retrasada que estou soropositivo. Ainda estou muito triste. A infecto me pediu exame para contagem de cd4 para me dizer se vou ter que começar logo com a medicação. Agora faço parte de estatísticas das quais jamais imaginei que eu faria. Tenho lido muito sobre o assunto e constatado os avanços tanto com relação ao tratamento quanto à possibilidade de uma cura iminente e permanente, não apenas funcional, para muito breve. Agradeço a Deus ter contraído o vírus num momento em que a medicina já tem um conhecimento muito aprofundado sobre ele. Uma cura urgente é necessária… Ler mais »
Patrícia Shilamom
Visitante
Eu estou triste….pois em janeiro íamos fazer 12 anos de casada e com dois filhos…meu marido ( agora ex) me traiu e contraiu siflis daí ele quis a separação…ele ficou desempregado e a cabeça dele mudou…passou a me evitar e quando eu cobrava ele dizia que era com ele….não era nada comigo…acabamos nos separamos..ele não quis nem tentar salvar nosso casamento….Senti -me culpada a princípio pois achei que não fui mulher suficiente para ele ter que procurar fora….agora faz seis meses que nos separamos e ele me conta que é soro positivo…meu chão caiu…não por mim….. Já fiz vários exames… Ler mais »
Ronaldo Felix
Visitante

Que Deus nos ajude a conservar a sanidade para conseguirmos nos tratar direito e assim nos mantermos são até que a cura definitiva chegue.