Mês: julho 2016

O que Donald Trump significa para quem tem HIV/aids?

O candidato republicano à presidência ainda não tem nenhuma política para o HIV/aids. Nada sobre a doença está listado no site de Trump, tampouco o candidato discutiu como iria abordar a epidemia de HIV durante qualquer uma de suas aparições na campanha. Por isso, qualquer discussão sobre o que uma presidência de Trump significaria especificamente para as pessoas que vivem com HIV nos Estados Unidos e no mundo é essencialmente especulativa. Aqueles, como nós, fora do círculo íntimo de Trump são forçados a adivinhar qual seria sua política para o HIV/aids, a qual, com grande probabilidade, pode não existir. Enquanto não temos quaisquer detalhes sobre suas posições específicas para o HIV/aids, o conteúdo da plataforma de cuidados de saúde de Trump não traz um bom presságio para as pessoas que vivem com HIV. Como era de esperar do candidato presidencial republicano, o ponto principal da política de cuidados de saúde de Trump é, por exemplo, a revogação completa do Affordable Care Act [também conhecida como “Obamacare”, uma lei regulamentatória federal americana que visa controlar os preços dos planos de saúde privados e expande os planos de saúde públicos e privados para …

Avalie isto:

Príncipe Harry inspirou aumento de 400% nos testes de HIV

O teste de HIV ao vivo do Príncipe Harry levou a um aumento de cinco vezes nos pedidos de teste em casa, revelou uma ONG de caridade. O Terrence Higgins Trust descreveu o efeito de mídia social do príncipe como “um momento único na luta contra o HIV”. A organização fez um projecto-piloto, oferecendo às pessoas a chance de descobrir a sua condição sorológica para o HIV, enviando um kit de auto-teste de HIV em 15 minutos, assim que Harry se sentou para fazer o seu próprio, na quinta-feira, 14 de Julho. Naquele dia e no dia seguinte, os pedidos foram de cerca de 150 testes BioSure por dia, em contraste com 32 pedidos que feitos em 12 de julho. O Dr. Michael Brady, diretor médico da Terrence Higgins Trust, disse: “Nós sabemos que uma  em cada seis pessoas que vivem com HIV não sabem que têm HIV. A testagem coloca você no controle e, graças ao tratamento, vai evitar que fique gravemente doente, permitindo viver uma vida normal e impedindo de passar o vírus para outra pessoa.” “É por isso …

Avalie isto:

Vitamina D recomendada para “todos”

Todos devem considerar tomar suplementos de vitamina D no outono e no inverno, recomendam especialistas de saúde pública do Reino Unido. Essa afirmação vem com um relatório encomendado pelo governo, que define os níveis recomendados de 10 microgramas da vitamina por dia. Mas as autoridades estão preocupadas que isso pode não ser viável através da dieta, especialmente quando a luz solar, a qual ajuda na produção de vitamina D, é escassa. Baixos níveis de vitamina D podem resultar em ossos frágeis e raquitismo em crianças. Quantidades limitadas da vitamina são encontradas em alguns alimentos, como peixes gordos, ovos e cereais fortificados. Mas, para a maioria das pessoas, a maior parte de sua vitamina D é feita a partir da ação da luz solar sobre a pele. Estimativas oficiais sugerem um em cada cinco adultos e uma em cada seis crianças na Inglaterra podem ter níveis baixos dessa vitamina. Agora, uma extensa revisão das evidências científicas, realizada pelo Scientific Advisory Committee on Nutrition (SACN), sugere que todos acima de um ano de idade precisam consumir 10 microgramas de vitamina D por dia, a fim de proteger a …

Avalie isto:

Cura “clássica” do HIV permanece um desafio

A história sugere que encontrar uma cura “clássica” para o HIV — limpar o vírus do corpo — vai ser uma tarefa difícil, disse um alto funcionário americano. Por outro lado, um objetivo menos aspiracional — o de alcançar a remissão sustentada do vírus — parece ser mais provável, no estado atual da ciência médica, de acordo com o Anthony Fauci, médico e diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos.. O sistema imunológico humano pode lidar com outros vírus, mas o HIV quase nunca é vencido para curar a infecção, “nós temos que fazer coisas que a natureza nunca antes fez”, disse Fauci a repórteres que se reuniam na Conferência Internacional de Aids. Uma cura clássica “certamente não é impossível, mas muito desafiadora, por causa da natureza muito especial do HIV”, disse Fauci antes de dar um discurso em um simpósio pré-conferência, dedicado à ciência da cura do HIV. Essa “natureza especial” do HIV é um enigma bem conhecido — o vírus se insere no genoma das células do sistema imunológico, o próprio mecanismo que o corpo usa …

Avalie isto:

Tratamento para o sistema imune desestabiliza reservatórios de HIV

Embora a terapia antirretroviral consiga reduzir a quantidade de HIV no sangue a um nível indetectável na maioria das pessoas cronicamente infectadas, ela não é capaz de eliminar os reservatórios de HIV que persistem em células do sistema imunológico infectadas de forma latente. Resultados apresentados na 21ª Conferência Internacional de Aids (AIDS 2016), em Durban, África do Sul, sugerem que a combinação de terapia antirretroviral com um tratamento imunológico de reforço pode desestabilizar os reservatórios virais em macacos infectados com o vírus da imunodeficiência símia (SIV), o equivalente ao HIV em macacos. O trabalho foi financiado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, parte dos National Institutes of Health, e liderado por Rama Amara, Ph.D., da Universidade de Emory. O HIV infecta as células T CD4 do sistema imune. Outras células do sistema imunológico, chamadas células T CD8, ajudam a eliminar as células CD4 infectadas pelo HIV, mas sua capacidade de fazê-lo diminui ao longo do tempo. Estudos têm demonstrado que a perda da função das células T CD8 está associada a níveis elevados de uma proteína da superfície celular, …

Avalie isto:

Zero: nenhuma transmissão do HIV entre participantes do estudo Partner

Com resultados publicados para coincidir com a IAS 2016, conferência que começa em Durban na próxima semana, o estudo Partner mostrou que o impacto do tratamento antirretroviral contra o HIV na redução da transmissibilidade do vírus irá beneficiar milhões de pessoas no mundo. Os resultados invertem a suposição comum de que, por definição, algum nível de risco sempre existe quando um dos parceiros é soropositivo e reforçam a ideia de que a transmissão do HIV sob tratamento e carga viral indetectável não representa nada além de um risco teórico. O estudo Partner traz boa evidência científica de que a carga viral indetectável pode ser um limiar sob o qual a transmissão sexual do HIV não ocorre. A importância do estudo Partner está no fato dele incluir casais homossexuais e heterossexuais, e mediu o risco em pessoas que não estavam usando preservativos para então estimaram os riscos absolutos. Estudos anteriores se concentraram quase exclusivamente em pessoas heterossexuais que ainda relatavam altos índices de uso de preservativo. O estudo Partner fornece mais de três vezes a quantidade de tempo de acompanhamento de pessoas que não utilizam preservativos, em comparação a todos os estudos anteriores …

Avalie isto:

Cura ou remissão sustentada do HIV estão no centro das atenções

Dezesseis anos atrás, a histórica 13ª Conferência Internacional de Aids inspirou o novo paradigma de acesso ao tratamento contra o HIV que ajudou a mudar a trajetória da epidemia global de aids. Este ano, com o retorno de 18.000 cientistas, políticos, ativistas e pessoas que vivem com HIV para Durban, na África do Sul, a Aids 2016 irá destacar os últimas avanços e desafios em uma área de rápida evolução na pesquisa científica, a qual poucos poderiam ter imaginado na primeira conferência de Durban — a perspectiva do desenvolvimento de abordagens seguras, eficazes e globalmente escaláveis para curar ou alcançar a remissão sustentada da infecção pelo HIV. “A pesquisa para alcançar a cura está em estágio de formação, mas avanços significativos estão sendo feitos.” “A cura do HIV tem o potencial de alterar o futuro desta epidemia”, disse a Prêmio Nobel Françoise Barré-Sinoussi, copresidente do Iniciativa pela Cura do HIV da International Aids Society (IAS). “Com 37 milhões de pessoas vivendo atualmente com HIV em todo o mundo, e outras 2 milhões de novas infecções a cada ano, alcançar a remissão sustentada da infecção pelo HIV ou uma abordagem eficaz para a cura seria …

Avalie isto:

A incrível jornada dos soropositivos mais velhos da Índia

“22 de julho de 1987. Como posso esquecer esta data? Esse foi o dia em que me disseram que eu tinha HIV e que eu teria só mais um ano de vida”, conta Noori Saleem, ativista transgênero de 66 anos, de Chennai. Nascido com o nome de Noor Mohammed, em Ramanathapuram, Tamil Nadu, fugiu de casa quando tinha 13 anos de idade, cansado de ser intimidado por conta de seu jeito feminino e pelos espancamentos frequentes de seu pai. “Eu estava empregado por uma família da casta Chettiar, em Chennai. Ganhava a vida lavando louça e roupas. Foi nessa época que eu descobri a menina em mim”, diz Noori. Ele tinha 18 anos quando seu pai morreu, e voltou para casa prestar sua homenagem. “Como era difícil pagar as contas, continuei o trabalho sexual.” Quando percebeu que seria forçado a se casar com uma mulher, fugiu novamente — desta vez para Mumbai. “Conheci Pattama, um transgênero, e fiquei em sua casa. Eu fazia apresentações em casamentos, dançando e cantando em cerimônias de nascimento. Mas logo entrei para o trabalho sexual. Foi quando conheci meu parceiro, que era de …

Avalie isto:

Está faltando antirretroviral no Brasil?

No final do mês de junho recebi uma mensagem de uma leitora de meu blog. Por e-mail, ela contava ser soropositiva, assim como seu marido e seu filho, um menino de três anos de idade: todos com HIV. Moradora de Belo Horizonte, ela falava sobre a falta de medicamentos antirretrovirais na farmácia pública. “O governo não está mandando”, disse ela. “Às vezes, faltava o medicamento do meu menino: especificamente a Nevirapina.” A mensagem dessa leitora não era diferente de dezenas de outras mensagens que recebi nos últimos meses, de diferentes leitores, de outras cidades de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Todos reclamando da falta de medicamentos antirretrovirais em seus postos de saúde. É importante dizer que as reclamações desses leitores não foram verificadas. São relatos de pessoas que, sob o direito ao sigilo a respeito de sua condição sorológica para o HIV, preferem manter o anonimato e não fizeram referência à localização específica dos postos onde retiram seus medicamentos. Todavia, todas essas mensagens a respeito da falta de medicamentos vieram mais ou menos no mesmo período, nos últimos meses, seguindo o afastamento …

Avalie isto: