Notícias
Comentários 81

O que é inflamação crônica?


4164702_orig

Os antirretrovirais têm adicionado décadas à expectativa de vida das pessoas vivendo com HIV que têm acesso ao tratamento. No entanto, quando comparado com pessoas soronegativas, aqueles que fazem o tratamento contra o vírus ainda têm maior risco de alguns problemas de saúde, normalmente associados ao envelhecimento. As razões por trás deste aumento dos riscos para a saúde ainda não são muito bem compreendidas, mas a comunidade científica está ansiosamente à procura de respostas. Os pesquisadores estão inclinados a apontar o dedo a um fenômeno conhecido como “inflamação crônica” como principal culpado.

Quando você se corta ou contrai uma infecção, o sistema imunológico logo inicia um processo em cascata, que envia para o local atingido um exército diversificado de células que promovem a cura, controlam a infecção e dão origem à inflamação. Entre esses soldados, um batalhão interligado de células CD4 e CD8 (conhecidas como células T “auxiliares” e “assassinas”, respectivamente), anticorpos, fatores de coagulação e citocinas pró-inflamatórias, entre muitos outros.

Em condições normais, células específicas irão desativar este processo inflamatório saudável, assim que o processo de cura ou combate da infecção estiver terminado. Mas, às vezes, a inflamação persiste a longo prazo e pode se tornar contraproducente, causando danos às células e tecidos saudáveis. Em pessoas soronegativas, a inflamação crônica está ligada à uma série de doenças, incluindo cardiovasculares, autoimunes, doenças hepáticas, renais e câncer.

O próprio HIV parece dar origem à inflamação crônica. O vírus também pode conduzir à desregulação do sistema imunológico, o que pode aumentar ainda mais a inflamação. Muitos cientistas acreditam que a inflamação crônica relacionada com o HIV contribui para o aumento do risco de doença cardiovascular, doença neurocognitiva, osteoporose (perda óssea), doença hepática, doença renal, fraqueza e alguns cânceres não relacionados à aids em indivíduos soropositivos. Todas estas condições estão associadas com o envelhecimento. Mas pessoas com HIV tendem a apresentá-las em idades mais jovens do que os seus homólogos soronegativos.

Poucas semanas depois da infecção, o HIV inicia um ataque maciço sobre o intestino, que tem uma elevada concentração de células CD4. Mesmo o tratamento muito precoce contra o vírus pode não ser capaz e reverter completamente este dano, que parece causar inflamação crônica, permitindo que os micróbios nocivos possam infiltrar-se no corpo (em um processo chamado de translocação microbiana), estimulando, assim, mais ativação imune e inflamação crônica.

Enquanto o tratamento do HIV não ajudar a combater a disfunção imune e a inflamação crônica causadas pelo vírus, os antirretrovirais não necessariamente acabam com esses efeitos. Pois, por um lado, ter uma carga viral indetectável não significa que o vírus é totalmente silencioso. A replicação viral de baixo nível ainda pode persistir e em um nível alto o suficiente para solicitar um constante estado de alerta do sistema imune, um estado inflamatório crônico. Por conseguinte, as células imunes superativadas podem conduzir para um estado de esgotamento, semelhante ao que é visto em pessoas mais velhas. O HIV também pode perturbar as células que ligam ou desligam a inflamação, possivelmente comprometendo a habilidade do corpo para regular adequadamente a inflamação.

Pessoas com HIV tendem a ter taxas mais elevadas de outras infecções virais, como a hepatite B ou C vírus (HBV, HCV) e citomegalovírus (CMV, que é da família do herpes), que também podem contribuir para a inflamação crônica e ativação imune. Além disso, o HIV pode causar cicatrizes, tanto no timo quanto nos nódulos linfáticos, o que leva à interferências na capacidade do corpo para combater infecções. O timo é um órgão que fica no peito, responsável pelo fabrico de células T, enquanto os nódulos linfáticos são responsáveis ​​pela coordenação das respostas imunes às infecções.

Os inúmeros problemas graves de saúde a que a inflamação crônica pode dar origem podem soar alarmantes. Mas o Dr. Steven Deeks, professor de medicina na Universidade da Califórnia, São Francisco (UCSF), que é um especialista em inflamação crônica relacionada ao HIV, diz: “É importante ressaltar que o efeito que nós estamos falando não é dramático”, diz ele. “Esse efeito, provavelmente não terá muito impacto na qualidade de vida, na saúde geral das pessoas, de fato, até que as pessoas estejam em sua sexta, sétima décadas de vida, quando então o efeito pode ser muito mais aparente.”

A pesquisa sobre tratamentos para a inflamação crônica:

“Eu acho que o júri ainda está se decidindo sobre a melhor abordagem para direcionar a resposta inflamatória, ou melhor, para orientar a raiz da resposta inflamatória: o próprio HIV, coinfecções e a translocação microbiana”, diz o Dr. Peter Hunt, professor associado de medicina da UCSF, que também estuda inflamação crônica relacionada ao HIV. “Um dos problemas é que nós realmente não temos intervenções bem sucedidas para bloquear essas causas; não temos quaisquer intervenções que desligam a expressão do HIV. “

Vários estudos têm sugerido que os medicamentos para baixar o colesterol, conhecidos como estatinas, podem reduzir a inflamação crônica nas pessoas com HIV e protegê-las contra seus efeitos nocivos. Mas os resultados de um estudo que fornece evidência científica do melhor padrão mostrou que tais benefícios ainda deixam a desejar. Atualmente, os pesquisadores estão recrutando 6.500 participantes em um estudo, chamado REPRIVE, que inclui pessoas com HIV que estão tomando antirretrovirais e que normalmente não seriam prescritas a tomar estatina. Os participantes serão distribuídos aleatoriamente, para receber estatina ou placebo. O estudo deve responder se os efeitos antiinflamatórios das estatinas vai se traduzir em um risco reduzido de doenças, tais como ataque cardíaco ou câncer, em pessoas com HIV. Infelizmente, os resultados não são esperados até 2021.

Outros medicamentos que já  estão mercado e atualmente sob pesquisa como agentes antiinflamatórios para as pessoas com HIV incluem: Micardis (Telmisartan), um medicamento para a pressão arterial, e Vildagliptina (Galvus), para diabetes. Pesquisas já têm demonstrado que a Aspirina não parece ajudar na inflamação relacionada com o HIV.

Os cientistas também estão pesquisando para ver se os probióticos, que promovem as bactérias desejáveis ​​no sistema digestivo, podem afetar o chamado microbioma do corpo de uma forma que ajude a diminuir a inflamação relacionada com o intestino.

Buscando afetar diretamente as vias inflamatórias, os pesquisadores estão olhando para os medicamentos utilizados em doenças inflamatórias, como a artrite reumatóide doença autoimune, e mesmo para alguns tratamentos contra o câncer. Outra pesquisa está examinando as drogas que inibem os principais indicadores de inflamação, chamados biomarcadores, tais como as citocinas interleuken-1 ou -6 (IL-1, IL-6).

Em geral, os especialistas concordam que uma cura para o HIV está a décadas de distância (ao contrário do que diz recentes reportagens erradas). Entretanto, como pesquisadores se esforçam para desenvolver maneiras de diminuir o tamanho do reservatório viral e, por sua vez, possivelmente reduzir a replicação viral de baixo nível, eles podem acabar encontrando os tratamentos que, mesmo quem não curem, acabem amortecendo a inflamação crônica.

Coisas que você pode fazer para combater a inflamação crônica e seus efeitos potencialmente nocivos:

De acordo com Deeks, os danos a longo prazo causados pela inflamação crônica relacionada com o HIV podem ser mais fáceis de evitar quando as pessoas são mais jovens, em vez de reverter os danos quando as pessoas são idosas.

As formas de prevenir tais danos incluem:

  • Tratamento precoce. Uma pesquisa mostrou que os antirretrovirais iniciados logo após a infecção podem reduzir a probabilidade de problemas de saúde ligados à inflamação, tais como ataques cardíacos e certos tipos de câncer.
  • Tome seus antirretrovirais todos os dias. Uma pesquisa recente descobriu que não aderir 100% ao tratamento está relacionado à maior inflamação.
  • Não fume. Fumar é especialmente prejudicial entre pessoas vivendo com HIV (além de ser altamente comum) e pode agravar a inflamação nas artérias.
  • Alimente-se de forma saudável. Uma pesquisa mostrou que a chamada dieta mediterrânea reduz o risco de ataques cardíacos ou AVC.
  • O exercício físico regular reduz o risco de inúmeros problemas de saúde.
  • Reduza a gordura corporal. O tecido gordo pode ser uma fonte de inflamação.
  • Trate coinfecções. A hepatite C agora é curável através de apenas oito semanas de tratamento e a hepatite B é tratável. Ambas as infecções podem causar graves danos ao fígado; e o HIV pode acelerar tais danos.
Por Benjamin Ryan em 5 de abril de 2016 para Poz Magazine

Anúncios

81 comentários

  1. anjo (terapeuta) diz

    Prefiro pensar q a cura virar antes mas me cuidarei como se ela estivesse de fato a decadas… vou continuar vivendo bem.

  2. Alexandre diz

    Difícil, né? Cabe a nós leitores filtrarmos muitas coisas que lemos na internet, inclusive aqui nesse blog. O dono do blog posta uma matéria falando que a cura estaria a 3 anos de distância e 10 dias depois posta outra matéria falando que a cura está a décadas de distância.

    • Perdido diz

      Muito irônico mesmo o blog ceder a publicar aquela matéria errônea da cura em 3 anos como muitos noticiários sensacionalistas e sem credibilidade e agora publicar uma matéria dizendo que a cura está muito longe. Vai entender…

    • Hans diz

      Tudo é uma incógnita, o tratamento de hoje era uma incógnita no passado, no entanto ele existe hoje e permite vida saudável aos portadores do HIV… A cura hoje é uma incógnita, mas não quer dizer que estar longe ou perto.
      Nenhuma data que vc ouvir falar sobre a cura vai se concretizar é só estimativa, uma pessoa pode dizer 3 anos e ela aparecer em 2, outros podem falar 20 e ela aparecer em 10.
      No passado ninguém imaginava esse cenário favorável para o HIV hoje… já hoje a cura é falada com entusiasmo e realismo, não é mais sonho o que atrapalha é a lentidão com que os estudos acontece.

    • D_Pr diz

      Fala aí Alexandre, como está? Você leu sobre a tesourinha CRISPR, o HIV já criou um meio de driblar ela também e estou com você, a cura não vira de edição genética!

      Não sou adepto da teoria da conspiração, mas é bom estarmos atentos as diversas formas que podemos pressionar e exigir sim a cura, afinal é nosso direito reivindicar o melhor para nossa saúde, como disse o MB, briguemos por tratamentos melhores nesse momento e briguemos sim pela cura!

      • Alexandre diz

        Fala, D_Pr! Cara, me desculpe a sinceridade, mas quando eu li aquela matéria da CRISPR aqui no blog eu pensei que só idiota para acreditar naquilo, e até onde eu sei os leitores aqui são de um nível intelectual um pouco melhor, com algumas exceções que nem merecem comentários. Achei, também, um pouco irresponsável. Realmente não entendi o JS. D_Pr, é questão de matemática. Se os testes começarão em 3 anos ela não vira cura antes de 20 anos. Simples assim. Por isso eu disse que já que, estão postando tudo em forma de sensacionalismo, basta a nós leitores filtrarmos tudo o que lemos, independente de onde lemos. Sobre pressionar as autoridades, também concordo, mas têm que ser as autoridades do exterior, pq as do nosso país estão pouco se fudendo pra todos.
        Te mandei um email.
        Grande abraço, D_Pr!

    • Paulo diz

      Rapaz!!! O Js tem o maior trabalho para informar a gente e , nesmo assim, chove criticas.., eu hein!

    • Alexandre,

      Não é tão difícil assim…

      Primeiro, porque, embora a matéria original do Telegraph tenha na manchete o anúncio de que a cura vem em três anos, essa mesma manchete não foi propagada aqui no blog. O título da manchete que eu optei por publicar aqui no blog diz que a cura vem “em breve”, e não em três anos.

      Em segundo, conforme adverti os leitores que já estavam propagando a notícia nos espaços de comentários antes dela ser publicada no blog, o conteúdo dessa mesma matéria não diz, em momento algum, que a cura vem em três anos. E eu tomei o cuidado de destacar isso:

      “Embora os experimentos até agora tenham sido realizados somente em laboratório, os pesquisadores da Lewis Katz School of Medicine na Universidade de Temple, estão confiantes de que, dentro de três anos, serão capazes de começar os testes em seres humanos.”

      Portanto, a notícia original tem uma manchete sensacionalista, mas o conteúdo, ao meu ver, não. Em situações em que tenho dúvida a respeito das pesquisas e da ciência sobre o HIV, antes de publicar qualquer coisa, eu costumo recorrer à opinião de alguns médicos infectologistas, incluindo, quase sempre, o Dr. Esper Kallás. E, a respeito dessa notícia do Telegraph, o Dr. Esper disse:

      “Também acredito.”

      Quando perguntei ao Dr. Esper sobre o que ele acha a respeito do prazo de três anos sugerido na manchete, ele disse:

      “É uma boa aposta.”

      Os três anos da notícia do Telegraph não deixam de ser uma aposta, uma especulação, assim como os dez anos da matéria acima. Contudo, as duas estão dando estimativas na mesma direção, que é a da cura.

      Na minha opinião, difícil seria se o meu enfoque editorial incluísse alguém dizendo que não vai haver cura. E não foi isso o que aconteceu: ao contrário, publiquei mais uma opinião que vai na mesma direção, para que a voz a respeito da pesquisa do HIV/aids continue plural e, assim, para que cada um tire suas próprias conclusões.

      Pra não ficar difícil, uma das possíveis conclusões que você pode tirar a partir de duas matérias que apostam na cura, apenas em datas diferentes, é fazer a média, e concluir que 6 anos e meio é um prazo factível. 🙂

      Abraços!

      • Alexandre diz

        Me desculpe JS, mas continuo discordando. Quer dizer que o Dr. Ésper acha que a apostar numa cura daqui a 3 anos é uma boa aposta? Só se ele estiver se referindo a outro método que não seja a CRISPR, né? Pq se os testes em humanos começam em 3 anos nem preciso falar mais. Outra coisa, tudo bem que vc mudou o título da matéria de “03 anos” para “em breve”, mas isso não pode ter sido pior? Essa sua postagem aqui critica sua outra postagem ” (ao contrário do que diz recentes reportagens erradas).”, e não fala na cura em 1 década de distância, fala em décadas de distância, ou seja, no mínimo 20 anos. Então, essa sua média está errada, mesmo ela batendo com a minha, que é de 07 anos para a cura. Agora te mando uma pergunta sem ironia, é de coração mesmo, até pq de uns dias pra cá estou meio ansioso e as vezes preocupado com a hipótese dessa cura demorar muito mais do que a gente imagina, ainda mais lendo que a grande maioria dos cientistas concordam que a cura está a décadas de distância. Acho que é pq devo começar a me tratar em breve, mas vamos lá: O Dr. Ésper acredita numa cura para daqui a 03 anos?
        Grande abraço e me desculpe, mais uma vez, por me opor de novo.

        • Alexandre,

          Não vejo onde você está se opondo e acho que as respostas pra essas perguntas você já tem…

          O Dr. Esper disse que a cura em 3 anos é uma boa aposta. Pela nossa conversa, entendi que ele estava se referindo à CRISP, sim. O revés que esse método teve em uma outra pesquisa, que você destacou em outro comentário, é completamente natural e até saudável no processo das pesquisas científicas. Nesse caso, gerou o aprendizado que Liang, o cientista que conduziu essa pesquisa, comentou, quando disse que “acha que uma abordagem melhor seria cortar o HIV em vários locais do DNA, ao invés de apenas o único alvo da experiência inicial.”

          Na notícia acima, a frase “recentes reportagens erradas”, que você destacou no seu comentário, se refere ao prazo da cura e, por isso, não contradiz a afirmação da notícia anterior de que vai haver cura. Por isso, nesse sentido, de que vai haver cura, essas duas notícias não discordam entre si. Denovo: elas só discordam quanto ao prazo.

          Agora, sobre a sua correção para a média de tempo entre as duas estimativas, quanta picuinha, hein? Mas entendi que deve ser ironia sua, como você disse, e que você entendeu o que eu quis dizer, que é sempre possível fazer a média entre as diferentes estimativas que começam a nos ser dadas por cientistas, médicos e jornalistas diferentes.

          Sobre a ansiedade pela cura, por coincidência o próximo post vem a calhar.

          Abraços!

          • Alexandre diz

            KKKKKKKKK! Picuinha minha, JS? Pra vc, se a cura vier em 20 anos é a mesma coisa do que se ela vier em 10? E em momento algum eu disse que estava sendo irônico, apenas te corrigi te mostrando que eles não falaram em década e sim em décadaSSS. Tem algum problema nisso?

            • Picuinha refazer aqui uma conta que você sabe fazer…

              E você disse “Agora te mando uma pergunta sem ironia”, dando a entender que as outras poderiam ser com ironia.

              • stark diz

                e sem querer entrar na discursão, mas já entrando, penso que o blog é igual aos medicamentos: a intenção é ajudar mas se você não se adaptou a ele tem mais uns outros 50 que talvez te atenda.

                • Discordo, stark…

                  O que eu quero dizer — e acho que não me expressei bem com o Alexandre — é que a cura vir em 5, 10 ou 20 anos faz diferença, claro, mas ainda não deixa de ser uma aposta. Por isso, saber que a cura vem é mais importante que saber o seu prazo, que ainda é uma estimativa. Além disso, a cura é nosso interesse comum e as apostas geram divergências. Então, melhor nos concentrarmos naquilo que nos une, ao invés daquilo que nos separa, certo?

                  Abraços!

                  • Alexandre diz

                    Stark, vai se fuder! JS, obrigado pelas respostas, mas não fui irônico hora alguma. Só fiquei com medo de que aquela pergunta soasse irônica, sacou? Grande abraço e parabéns mais uma vez!

    • Fabio diz

      Acho que hoje a comunidade científica tem muita cautela para falar em tempo para se alcançar a cura, por isso sempre jogam o tempo pra mais. Tenho esperança.

  3. Reportagem bem desanimadora pra começar um fim de semana. Mas enfim, temos que ter fé nas pesquisas, pois muito ainda pode ser feito. Alguns anos atrás não falava-se da cura da Hepatite C e hoje as pessoas são curadas rapidamente. Assim foi com muitas doenças e tenho fé que com o HIV isso será possível também. Vivemos hoje numa era global, onde todas as pesquisas são compartilhadas com muitos países, com muitas cabeças pensando ao mesmo tempo. NINGUÉM sabe ao certo nada! Tudo é muita especulação e concordo que viver esperando a cura pra ontem vai gerar em nós uma frustração constante. Vamos fazer a nossa parte! Não vivam em função das pesquisas, nem de tudo que é noticiado. Hoje temos muitos remédios eficazes pra todas as doenças, inclusive pro HIV. Doenças co-relacionadas, se descobertas a tempo também terão uma chance brutal de serem curadas com tratamentos disponíveis hoje! Tomem seus remédios, visitem seus médicos regularmente, façam seus exames conforme orientação e procurem manter um estilo de vida saudável. Ter fé de que dias melhores virão é como colocar uma cobertura nesse gostoso bolo da vida. Bom fds a todos!

    • André diz

      Concordo cara. Hoje tento não mais viver em função da “cura”. Passei por essa fase, onde vivia sempre antenado nos sites pra tão “sonhada cura” e o que isso me trouxe? Crises de ansiedade que nunca tive em minha vida que tive que ser levado a tomar MAIS uma medicação pra tratar por um ano. Hoje foco mais em meu bem estar físico, faço academia, me tornei mais “gostoso” kkkkk, me alimento “melhor” (não tanto como os nutricionistas desejam na verdade kkkkk), dou as minhas curtidas enquanto não aparece alguém pra uma vida a dois certa.
      Desde que surgiu o HIV é que a cura vem daqui a 5 anos, daqui a 3 anos…. é sempre assim. Então decidir não mais “congelar minha vida” à espera da cura. Se a cura aparecer vai ser divulgada na TV, rádio, as pessoas comentarão e daqui que chegue a nós meros classe-média e pobres vai passar mais algum tempo, então é focar em VIVER. Estudar, se divertir, namorar… carpe diem.

  4. Matheus diz

    Difícil saber em quem acreditar…uns dizem que até 2020 a cura chega e outros dizem que esse processo levará décadas…acredito que no futuro irá aparecer medicamentos de longa duração cada vez mais eficazes e a cura irá custar um “certo” tempo pra sair mas não podemos deixar de lado o fator “Eureka” que pode aparecer a qualquer momento…enfim vamos se cuidar hoje para garantirmos o nosso futuro da melhor maneira possível.

    • Alexandre diz

      Ninguém nunca falou em cura até 2020. Isso foi muito mal interpretado por muitos. Eles querem ter uma base para a cura até 2020. Se isso ocorrer, estamos falando em uma cura para 2035. Acredito em estudos jamais divulgados ou pouco falados, tipo o do Picker, para que essa cura venha até 2025.

  5. MB+ diz

    Como disse uma vez e volto a repetir:
    -olha a cobra uhhhh
    – é mentira …ahhhhh

    Quanto aos medicamentos mais eficazes estes já existem porém o povo iludido pela frase ” a cura vem” se esquecem de cobrar esses tais medicamentos no Brasil …enquanto nossos pensamentos estiverem voltados para essa tal de cura…Vamos ser iludidos e viver de ilusão com a história do 3 em 1 já está bom .
    Não estou dizendo que não acredito na cura …mas sim que devemos focar em buscar as melhores medicações enquanto essa não vem.

  6. MB+ diz

    Matheus …

    Você está certo ….e acredite um desses ativistas que batalham para isso sou eu…somente quero ressaltar que para isso aconteça precisamos de mais apoio de vocês .

  7. Triste + diz

    Cada vez que leio essas notícias, sinto minha vida acabando aos poucos.

    • fred diz

      triste, !nao pense em nada, so em voce estar bem , tome os remedios sempre, e com regularidade, converse sempre com seu medico, tire suas duvidas .se tiver gripe, cuide da gripe como se fosse so uma gripe, e assim por diante, procure nao comer coisas gordurosas, e cuidado com bebidas alcolicas, de resto viva susse e pense q a vida nao e eterna pra ninguem, tem gente que tem diabetes e e um inferno tomar insulina todos os dias ou pressao alta, imagine so, e mais facil se cuidar sendo soropositivo do q cuidar de uma diabetes, coisa que meu medico me falou, e entao?viva tranquilo, e se a cura tiver de vir ela vai vir cedo ou tarde, so nos resta pedir a DEUS que nos ajude nessa , abraço, seja feliz, fred.

      • Triste + diz

        Fred, não consigo fazer mais nada da minha vida a não ser viver em função desse vírus. Não posso sentir sintomas de nada que já acho que vai acontecer algo comigo.
        Esse mês de maio tenho que fazer novo exame de carga viral e cd4 e isso já está me deixando super apreensivo, pois fico com um medo terrível pensando o que será q esse exame vai acusar.
        Não queria ser assim ou me sentir assim. Não gostaria de parecer uma pessoa somente NEGATIVA, mais infelizmente é um sentimento mais forte do que eu e que me faz sofrer muito. Pra falar a verdade pra vc, as vezes meu coração dói muito pq fico pensando que não tenho muita expectativa de vida. Penso que não vou aguentar tudo isso por muito tempo, pois sinto como se minhas forças estivessem se esgotando.

        • Positividade de Luz diz

          Querido,sei que não pediu minha opinião,mas eu te sugiro fazer teatro ou alguma atividade lúdica onde vc possa extravasar seus sentimentos e se reinventar,cara existe vida após o diagnóstico positivo e existe vida em abundância REAJA QUERIDO!!!

          • Triste + diz

            Positividade da luz
            Querido amigo eu não tenho mais forças pra nada. Essa situação toda esta me destruindo por dentro. Larguei mão de fazer tudo que eu gosto pra ficar trancado dentro de casa, pois na minha concepção, eu me escondendo dentro de casa é o lugar mais seguro que posso ficar.

            • anjo (terapeuta) diz

              Vc se ja nao estar em depreçao pode estar muito perto. Sua fala cheira perigo.

            • Rapaz, se mesmo ouvinte sugestões de vários aqui que passam pela mesma doença que você, indicando TERAPIA, GRUPOS DE AJUDA MÚTUA, ANTIDEPRESSIVO (se for o caso), TERAPIA OCUPACIONAL, ARTES DE FORMA GERAL, você PREFERE ficar dentro de casa porque está se sentindo menos mal, assim o faça! Você tem todo o direito de desistir de tudo a qualquer momento. É uma escolha de vida, querido. Sorte ai. Abraço.

        • anjo (terapeuta) diz

          Triste ou vc busque uma terapia ou vc vai se afundar e digo seu pensamentos negativos ti fazem mais mal q o propio virus pois este vc deve estar controlando ne. Veja seus recados ha dias so fala de tristeza. A vida nao tem controle remoto, levate e mude.

        • Gil diz

          OLÁ TRISTE+
          Seu pensamento aqui exposto indicam sintomas de depressão. É necessário que procures ajuda profissional de um bom (boa) psicólogo (a), de psiquiatra para avaliar se o tratamento medicamentoso diminua seu estado que vai além da melancolia, da tristeza ou luto agudo.
          Às vezes, o foco exposto (infecção por HIV) é só um gatilho que dispara esta doença, que é, na verdade, um desequilíbrio neuroquímico do cérebro. A depressão pode atacar sem uma razão aparente, outras vezes por um motivo que as pessoas acham fútil, mas, na verdade, tudo depende da predisposição que cada um tem a se tornar doente de depressão, que é diferente de um estado depressivo. Um trabalho adequado de psicoterapia e de medicação (se for o caso, o médico psiquiatra decidirá) farão com que sua vida seja vivida com equilíbrio em relação ao futuro. Otimismo, eu sei, não vem em caixinhas e com um estigma social tão grande em relação ao vírus HIV muitas pessoas perdem o rumo equilibrado e sensato da vida, mas isso pode e precisa ser corrigido. Tens muito a viver, ainda. O vírus neutralizado, mesmo que PODE vir a causar essa tal infecção crônica, não afeta o seu cotidiano. Vamos viver muito, tranquilos, sem sintomas, sem adoecer por HIV. Abraço, querido!

  8. Lua diz

    MB+ muito bom o que postou, rindo muito,.
    Olha a cobra…
    É mentira….
    É bem isso aí.
    Acho que muitos amigos aqui acabam adoecendo por conta da ansiedade, das angustias que Infelismente deixam a imunidade lá embaixo.
    Sabe qual o sentido da vida? Prá frente!!!!!
    Bjus em todos

  9. Matheus diz

    Triste+ a vida de todo mundo está acabando aos poucos…isso é viver!

  10. MARK CUNHA diz

    Todo mundo vai morrer um dia do que adianta curar o HIV e adquirir uma hipertensão um câncer de pulmão um diabetes?? Cada comentário besta que fico indignado gente vamos nos amar primeiro todo mundo vai morrer um dia não adianta nada curar o HIV e morrer com um tiro na cabeça ou atropelado quanta neurose desse povo.

  11. Cezar diz

    Antes de saírem comprando remedios e enchendo o rabo de Yakult, sendo que nada está provado ainda, peça seu médico, caso ele não coloque no exame de rotina, indicadores inflamatórios como proteína c reativa, VHS, homocisteína. Cruza estes resultados com sua glicose, pressão arterial, colesterol e hormônio da tireóide. E faça, pelo menos uma vez ao ano, um ecocardiograma doppler. Isso já vai ser de grande ajuda. Não torrem seu dinheiro via pânico. Serenidade, tranquilidade pra lidar com a situação. E, claro, procurem várias fontes de pesquisa, questionem seus infectologistas, não sejam fiéis a apenas uma corrente.

  12. Eu+ diz

    Vcs já viram isso?
    http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2016/01/cientistas-brasileiros-pesquisam-cura-para-aids.html
    Achei interessante! A propósito, gostaria de alguém de São Paulo pra conversar, pois estou desde novembro fazendo tratamento e com muitos altos e baixos emocionais. Minha depressão está oscilando e estou afastado do trabalho desde setembro. Não consegui aderir ao Kick e por isso peço, gentilmente, que alguém mais otimista e realista possa manter contato comigo, pra conversar a respeito da minha nova condição. As vezes acordo com vontade de morrer e fico desesperado quando leio algumas coisas sobre os efeitos colaterais vindouros da doença. Fico pensando na possibilidade de fazer hemodiálise devido ao uso contínuo de medicamentos dentre outras coisas. Será que alguém poderia conversar comigo, por favor? De preferencia por Skype! Fico no aguardo de uma resposta! Obrigado!

    • Raphapositivo diz

      Eu+ me passe seu email
      Sou de SP estou positivo desde novembro e acho que podemos conversar

    • Gil diz

      OLÁ, EU+
      Mande um e-mail para psicoglmr@gmail.com
      A gente troca ideias, pode ser?
      Meu mundo, há exatos 365 dias, desabou. E há exatos 364, se reconstruiu.
      Não tenho medo, nem raiva do HIV. Não tenho medo de viver, nem raiva dos problemas.
      Tenho vontade de me manter saudável, brincando com meus filhos, com os amigos, conhecer gente nova e trabalhar (estou trabalhando muito, ultimamente, até peço desculpas para alguns colegas daqui).
      Se eu tiver câncer, vou tratar e sobreviver. Se eu tiver doenças, vou tratar e sobreviver. Ese um dia alguma doença me vencer (não vai) ou infortúnio ocorrer (caí de moto semana passada e me ralei todo), CADA DIA VIVIDO TERÁ VALIDO A PENA!
      Eu vou ler e te responder cada e-mail, mas pode demorar uns 3 ou 4 dias… mas conte comigo!

  13. Coralina diz

    Não sei o q dizer disso tudo… Só pareço estar saudável como sempre estive. Até minha mãe q tem problemas com tireóide e colesterol com certeza não se sente tão saudável como eu… Isso é estranho, parece surreal…

  14. Luna diz

    Inevitável pensar que há alguns meses atrás há essa hora eu provavelmente estaria linda ,sorridente , curtindo com as amigas ou beijando na boca ,rs.
    Hoje estou aqui , largada no sofá, continuo linda , porém bem menos sorridente. Lendo sobre inflamação crônica proveniente do HIV.
    Tudo isso , pq eu resolvi me envolver com um imbecil , e eu fui mais imbecil ainda por imaginar que aquele cara legal, lindo , sarado , carinhoso jamais teria algo. E pensar que na nossa primeira vez as camisinhas estavam na minha bolsa.
    Sei que culpa não é saudável, mas como falei no inicio, é inevitável.

    • Blue diz

      Me vi no seu comentário, é exatamente assim. Nunca pensei que estaria nessa situação. Mas né, vida que segue…

    • Triste + diz

      Luna o fator maior de toda essa revolta na minha vida é justamente por eu sempre ter me cuidado o máximo possível e por “ironia do destino” fui carimbado por uma pessoa maldosa, astuta e que possue o dom de TER e USAR todas as malícias do mal.
      Hj estou aqui…totalmente depressivo, sem enxergar uma luz no fim do túnel, saindo de casa somente para trabalhar e nada mais além disso.

      • Juka diz

        Eu tbem me cuidava ao máximo e fui carimbado por um verme….se eu pegasse da firma tradicional, eu não sentiria tanta angústia. Acho q nosso sentimento é semelhante ao de alguém q foi condenado a prisão máxima por um crime q não cometeu.
        Mas um dia vamos todos RI disso tudo….axé

    • D_Pr diz

      Luna, o pessoal tem diversos grupos no “kik messenger” que acabam ajudando muito… Seria interessante você participar… Resgate a sua essência…

    • Gil diz

      Agora, está feito, Luna… Continue sorrindo e beijando muito!
      A vida não pode parar. Tome sua medicação e pronto. Cuidados com a saúde se fazem necessários a todos, sempre.
      As pessoas que conversei sábado, num mutirão de saúde, num bairro pobre de João Pessoa, me relataram situações assim, como a sua… Ouvi dezenas de pessoas, 4 delas soropositivas. Pegaram de seus maridos/companheiros. Outras tantas pegaram DST´s e hepatite…
      A gente faz besteira, sim. Somos humanos. Nos perdoar é a base para sermos mais felizes e tranquilos.
      Beijão.

  15. Téo diz

    Muito obrigado por publicar essa matéria, JS!

    Muita informação útil condensada de forma clara. Sempre o que lia o assunto era difuso, um pouco aqui, outro lá, nada muito claro e direto como foi explicado na matéria.

    A verdade é que estamos sob condições desfavoráveis e precisamos nos cuidar. Motivos, causas e “como acontecem os problemas” precisam ser alertados para todos nós, soro+. E esse tipo de matéria é perfeita!

  16. Matcelo (M.) diz

    Confesso que prefiro acreditar que a cura está mais próxima, mas de qualquer forma só tem boa notícia aí. Se esse tal envelhecimento precoce existe temos ferramentas para evitar o que já é sutil. Vamos nos cuidar mais ainda pessoal!!!

  17. Eu, particularmente,acho que só outro agente biológico, tipo vírus e/ou bactéria competitivo(s) com capacidade de mutação poderá (ão) erradicar o HIV das células humanas.

  18. stark diz

    Todos ficamos bastante animados há algumas semanas quando os pesquisadores anunciaram que tinham removido o HIV das células imunitárias utilizando uma nova tecnologia de edição de genes chamada CRISPR/Cas-9, ou ‘CRISPR’ simplesmente, que trabalha como uma tesoura molecular que corta e cola ADN.

    Pelo que samos, o resultado específico está a aguentar-se bem, mas um estudo independente revelou agora que, de forma preocupante, o HIV pode evoluir para sobreviver aos ataques do CRISPR em apenas duas semanas. Ainda pior, o ataque em si poderia introduzir mutações que tornam o vírus mais forte. Portanto… bolas.

    Para lhe dar alguma base, quando o HIV infecta as nossas células imunitárias, insere o seu genoma no ADN das nossas células, ninguém foi capaz tornar o ADN do HIV das nossas células inactivo, por isso está sempre lá activo à espera que os medicamentos parem.

    Mas com o desenvolvimento do sistema CRISPR em 2012, os cientistas conseguiram bons resultados no que toca a atacar o genoma inactivo do HIV.

    No ano passado, por exemplo, uma equipa liderada por Chen Liang da McGill University no Canadá conseguiu utilizar o CRISPR para eliminar o ADN viral que estava escondido nas células imunes humanas, e aparentou efectivamente desactivar o HIV.

    Mas duas semanas depois, as células estavam a produzir cópias do vírus novamente, e desta vez o vírus tinha mutado e se tornado mais forte e resistente ao CRISPR. Os pesquisadores publicaram os novos, e ligeiramente deprimentes, resultados no Cell Reports.

    Lian e a sua equipa acharam que dividindo o HIV em pequenos pedaços utilizando o CRISPR, a célula tentaria remendar-se (como faz automaticamente) e introduzir ‘tecido cicatrizado’ na sequência o que iria fazer com que o vírus parasse de se replicar e efectivamente desactiva-lo.

    E apesar de isso inicialmente parecer estar a acontecer, alguns dos vírus sobreviveram, e as alterações dos tecidos cicatrizados tornaram-no na verdade mais forte – ainda pior, por causa das suas sequências genéticas terem sido alteradas graças a estas novas mutações, o CRISPR deixou de ser capaz de identifica-lo e ataca-lo.

    “Por um lado, o CRISPR inibe o HIV, por outro, ajuda o vírus a escapar e sobreviver”, disse Liang ao New Scientist.

    Para sermos francos, não é uma grande surpresa que o HIV tenha conseguido vencer mais uma das nossas tentativas de detê-lo – há muito tempo que sabemos que poderia mutar para sobreviver à maior parte dos medicamentos antivirais que utilizamos. Mas o que nos surpreendeu neste caso foi a velocidade da resposta do HIV… e o facto de parecer que as nossas células o ajudaram a alcançar estas mutações.

    “A surpresa é o facto das mutações de resistência não serem produtos da processo de cópia do ADN que é propenso a erros, mas sim serem criadas pelo próprio sistema de reparação das células”, acrescentou Liang.

    Mas nem tudo são más notícias. Liang acredita agora que a melhor hipótese será eliminar o vírus HIV em vários pontos do ADN, em vez de o fazer apenas no alvo que utilizaram na primeira experiência. Ele também considera que aliar o CRISPR com outras enzimas que não a Cas-9 possa resultar.

    E como mencionámos no início deste artigo, a pesquisa de há umas semanas atrás, que conseguiu editar com efeito o vírus HIV eliminando-o completamente das células imunitárias humanas, parece continuar a trabalhar – e é só por si, um fantástico passo em direcção à cura.

    “Eu assumo que se atacarmos vários pontos ADN do HIV, existe uma boa hipótese de alcançar uma longa supressão do vírus”, disse Liang. “Felizmente, este campo está a avançar bastante rápido… Eu acho que o CRISPR é fácil e específico o suficiente para ser utilizado. Eu acho que iremos ter melhores ferramentas [para combater o HIV]em breve”.

    Estamos a torcer para que agora que sabemos as falhas do sistema CRISPR/Cas-9, iremos nos tornar melhores a combater o HIV de vez. Porque mesmo tendo em conta este último estudo, esta continua a ser a nossa melhor hipótese de vencer o vírus.

    fonte: http://www.sciencealert.com

    • Pedro A. diz

      Sim, Antonio. Eu tomei semana passada, quando cheguei no laboratório particular, tinha 30 pessoas esperando e apenas 3 doses disponíveis da vacina. Me colocaram para tomar uma das 3 doses, sem ter que esperar nada. Abraços, Pedro A.

  19. takeda diz

    sinceramente estava tão esperançoso mais agora desanimei viu…
    corremos atrás de uma melhoria mais em contra mão sempre aparece mais alguma coisa pra retardar a nossa esperança……

    O vírus em si ele não nos mata se tratarmos direitinho… o que nos mata e saber que esta com ele e saber como as pessoas se portarão perante sua condição..

    cansei de ser visto como uma aberração por te hiv

  20. dere diz

    Boa noite, gostaria de tirar uma duvida com vocês.. se puderem me ajudar… Então.. hoje de tarde percebi que meu corpo esta cheio de manchinhas/pintas vermelhas que não coçam fiz meus exames mês passado e esta tudo ótimo, mas perdi meu pai tem 14 dias e gostaria de saber se pode ser emocional estas pintas… vi que é sintoma da sífilis mas fiz o exame VDRL e deu não reagente CD4= 960 e indetectável. Gostaria de saber se alguém ja passou por isso e como ela tratou? Amanha cedo vou ao posto ver isso pra ver se pode ser alguma alergia…. Boa noite a todos e boa semana.

    • Pequena + diz

      Dere

      Boa noite 😉
      Isso mesmo, vá ao CTA se informar.
      Cada pessoa reage de alguma forma ao tratamento e adversidades que ocorrem ao seu redor.
      Eu tive uma reação alérgica quatro meses depois de iniciar o tratamento.
      De início foram apenas pintinhas, depois coçaram muito, se concentraram na região do adomem e costas.
      Sou tão tranquila que de inicio pensei ser o sabonete, o sabão em pó que lavo minha roupa e até mesmo o amaciante, fui eliminando o que supunha ser…rs…
      Mas um dia quando fui ao CTA buscar a medicação pedi para o enfermeiro chefe dar uma olhada e ele me mandou marcar uma consulta imediatamente com meu infecto.
      Passei por consulta meu infecto disse ser reação alérgica da medicação, passou antialérgicos e se caso não passasse era pra trocar a combinação 3 1.
      Graças a Deus passou, tanto que agora em maio já faço 1 ano de tratamento e indetectável.
      Espero ter ajudado 🙂
      Um forte abraço Pequena + ❤

  21. Marcoz diz

    Então. A cura virá. Assim como veio o azt. Assim como veio o coquetel de 20 e tantos comprimidos. Assim como hoje se tem (apesar de algumas polêmicas) o três em um.
    Acredito sim que em alguns anos teremos a esperarada cura. Mas aceitei que náo será em três anos. Tão pouco será 2020. A pesquisa clínica tem todas as suas etapas e protocolos. De coração, se ao menos se desenvolvessem medicamentos de longa duração, pra mim já seria um sinônimo de cura. E acho que esses são muito mais viáveis a médio prazo.
    Então não devemos ou podemos condicionar nossas vidas a espera da cura, pois temos anos de vida pela frente até a mesma chegar e o tratamento estar disponível para todos.
    Talvez eu esteja sendo um tanto quanto realista em demasia. Talvez eu ainda conheça pouco de nossa condição. Mas o fato é que me descobri soropositivo em 3 de fevereiro deste ano. O dia que nunca mais esquecerei enquanto viver. Curiosamente esse foi o dia que eu tive certeza é ciência de nossa imortalidade.
    Lembro da solicitação de exame de sangue (devido a lesões de HPV que surgiram, as quais ainda trato), e que dentre muitos, havia o do HIV. Ao entrar pra fazer a coleta no laboratório, senti uma energia pesada, um aperto no peito. Algo me dizia que eu receberia ali minha sentença de morte. Mas eu tentava me enganar. Uma semana depois, veio a ligação do laboratório, me solicitando uma nova coleta. Veio a aflição o desespero. A negação.

    “Eu me sinto bem, então não posso ter isso”

    Tinha me decidido a não fazer o segundo exame. Mas aquela foi a pior semana da minha vida. A duvida estava me destruindo. Perdi a vontade de viver. Só pensava na dor dos meus pais, que não haviam criado um filho pra isso. Minha vida tinha perdido o sentido, pois no fundo eu sentia que o hiv estava dentro de mim. Mas graças a dois grandes amigos (que me arrastaram a um SAE), acabei fazendo o teste rápido e tendo confirmada a minha sorologia…

    Dois meses se passaram desde lá. Muito tenho lido, muitos mitos derrubei. Hoje, sei que minha CV é de 19000. Meu CD4 517. O 3 em 1 já está aqui, no meu armário. Penso em começar amanhã, e peço a mim mesmo para ter coragem, pois sei que pode ser difícil. Mas acabei entendendo que talvez não seja esse o ponto final. Que talvez eu tenha algumas décadas pela frente. Que talvez eu possa viver de novo um grande amor. Que talvez eu ainda possa dar aos meus pais o orgulho de ver o filho graduado. E que talvez o resto da minha vida possa ser feito de paz. E sei que apesar dos pesares, é o ATR que pode me ajudar nisso tudo.
    As minhas palavras e suposições acima, são escritas de alguém ainda novo nesse mundo. Muito da minha esperança veio crescendo a partir das perspectivas e relatos de vocês, que me brindam com suas palavras nesse belo site. Eu sou alguém que quis não mais estar aqui devido a esse pequeno vírus. Mas esse pequeno vírus me fez em pouquíssimo tempo perceber o quão belo é apenas viver em paz, e estar perto de quem nos ama. Eu não vou desistir. E é isso que eu desejo a todos nós: força e coragem para continuar lutando.
    Obrigado pelas belas palavras sempre!

  22. Juka diz

    Nós é os personagens da caverna do dragão.

    Como os meninos perdidos, q vivem em função de achar o portal mágico q os direcionem para casa, embora sempre fracsaam,com o vingador q serve para atormenta-los e fazer de tdo para impedir e tirar suas forças, comi o mestre dos magos q mais atrapalha q ajuda, embora os deixam sempre esperançosos e cada dia mostra q está próximo o retorno para casa…..assim somos nós, q fazando uma analogia ao desenho, estamos sempre à procura do sonhado portal mágico ( a cura) e temos o vingador( o vírus) nosso pior inimigo. A ciência( o mestre dos magos) nos dão esperanças e ao mesmo tempo nos frusta….e como no desenho,a cada dia enfrentamos dragões e monstros de tdos os tipos.mas como no desenho, nenhum monstro mais forte q nós.
    Infelizmente os meninos perdidos não acharam o portal mágico e devem permanecer ainda lutando naquele mundo cruel.ao contrário da fábula, espero q tdos nós estejamos firmes e fortes para qdo o tal sonhado portal mágico se abrir para nós é deixar para trás tdos dragões, monstros e vingadoras e um dia quem sabe nos reunirmos para cada um contar como foi participar da caverna do dragão.

  23. Gil diz

    Eu me sinto, muitas vezes, como alguém mordido por um vampiro. Mas logo lembro que posso deixar minha vampirice adormecida…
    Estarei mais “vampiro” se eu me deixar levar pelo fato de que não deveria ter isso, ter “deixado” o dentuço me pegar…
    Mas ora bolas! Ainda tenho tempo de viver e ver e amar meus filhos, minha esposa e meus amigos. Ainda tenho um antídoto diário que permita que eu não crie os dentões… Sou humano, ainda. E um dia, quem sabe, vem a cura. Assim como um dia, quem sabe, eu fique rico!
    Acredito que esta derrota da CRISP traga mais descobertas, mais certezas e mais opções de pesquisa. Não é porque não deu certo, que o vírus deu um jeito, que os cientistas desistem. Muitas vezes, de pesquisas frustradas se obtém vitórias!
    Assim como eu li principalmente a palavra PODE na reportagem sobre infecção crônica. PODE. Não quer dizer VAI ferrar a gente. Não é certeza. PODE.
    Mas quem bebe, quem fuma, quem come comida industrializada, gorduras, quem não cuida do sono, quem anda nas cidades poluídas também tem pequenas inflamações… em tudo quanto é lugar… viver é estar no fio da navalha. Em filme de vampiro, qualquer um pode levar dentada!
    Assim como em breve, as medicações serão menos agressivas e não precisarão de nossa dedicação diária para que os dentões de vampiro e a pela pálida e fria não se desenvolvam.
    Ainda sou humano. Ainda amo. Ainda vivo bem.
    Se o dia do “reagente”, onde soubemos que estávamos positivos foi o princípio do fim, a consciência da finitude humana, naquele mesmo dia acidentes tiraram a vida de tantos que não se despediram de seus amores, de tantos que só queriam dizer adeus e eu te amo… que queriam dizer ago importante a alguém…
    Assim como muitos descobriram, no mesmo dia de nosso diagnóstico, que uma doença está irreversível, que sabem e sentem a vida escorrer das mãos, num interminável sofrimento e ainda assim se mantém esperançosos, nós tivemos o diagnóstico, mas que serve para nos alertarmos de que maiores cuidados serão necessários. Sabemos que o HIV não vai nos exterminar em breve, se fizermos tudo para termos equilíbrio e saúde.
    Não me transformarei num vampiro. Não sou uma aberração. Não sou um proscrito, mordido por um zumbi… sou um cara que acorda, beija esposa e filhos, que brinca com os cães, toma café e vai trabalhar ouvindo Beatles.
    Hoje estou bem. Logo virão remédios melhores. Os que tenho já me ajudam. Não é resignação. Mas os dentões crescem e minha pele fica pálida mais um pouquinho cada vez que acho que só do jeito perfeito é que se pode viver.
    Oxente, e desde quando tudo na vida da gente é perfeitinho?

  24. JV diz

    Perfeito texto! Muito bom ver seu otimismo! A paz interna é a melhor coisa! Muita luz para todos nós!

  25. JV diz

    Tem aqui alguém do interior do RJ? É sempre bom conversar! Caso sim, façam contato!

  26. Ale diz

    Na Sexta- feira meu namorado descobriu que é soro+ e me avisando no mesmo dia sobre sua infecção ( estavamos brigados ) . No mesmo isntante que soube que ele estava com o vírus entrei em choque e chorei muitoooooo a única coisa que pensava era na minha família, sem saber se eu estavo infectado ou não. Então esperei o final de semana agora passar para fazer o teste. Ontem, segunda-feira 11/03 fui fazer o teste e fiz 2 vezes e as duas vezes deu possitivo também. Passei o final de semana todo rezando, fazendo orações, pedindo isso, pedindo aquilo, fazendo promessas e não resolveu nada rsrs.

    Mas com a ajuda de vocês e por tudo q estou lendo aqui, nos comentários estou mais tranquilo e aceitando mais minha sorologia. Estou percebendo que sabendo se cuidar e levar a vida agora com mais cuidado, viverei por muito tempo ainda. Sei que não é fácil essa posição nossa mas também não é difícil. Continuarei vivendo minha vida mais alegre e observando mais as coisas ao meu redor. Parece paranóia minha, mais parece que após vc descobrir ser soro+ vemos o mundo mais bonito e diferente…com aquela vontade de viver.

    Sei tbem que passarei uns bocados com a iniciação dos medicamentos ( que farei os exames dia 24 para saber minha C.V. ) mas com minha fé ainda intacta.

    Sobre meu namorado? Eu amo muito ele ❤ e não sei mais viver sem ele e Deus colocou essa missão para nós “um cuidas-tes do outro” para sempre. Sei que Deus tem planos para nós.
    B…te amo.

    Só queria desabafar um pouco e esse é meu primeiro comentário. E esperamos de coração fazermos grande amigos aqui. Porque…precisaremos rsrs. Abraços a todos vocês e muita Luz.

  27. lari diz

    JV, sou do RJ.
    tem algum e-mail para que eu possa entrar em contato?
    abç

  28. JV diz

    Pessoal, gostaria de me comunicar com pessoas que se interessem por atividades físicas e boa forma no geral. Sou praticante de musculação, pedalo e nado. Depois de descobrir minha sorologia, em dezembro último, me sinto com mais vontade ainda de treinar e treinar e treinar e alcançar um corpo e um condicionamento bacanas. Contratei uma personal, estou com um endócrino e com meu infecto, claro! Quem quiser trocar ideias… joaopositivo30@gmail.com

  29. Neófito diz

    Acompanhar esse blog e, principalmente, a sessão de comentários tem sido uma grande bênção! Essa troca é fundamental! Eu sou extremamente “ignorante” nesse assunto ainda, estou tentando situar-me, aterrissar para compreender. Enfim, alguns colegas disseram que se cuidavam ao máximo e, mesmo assim, devido a certas pessoas terem-nas carimbado, elas adquiriram a doença. O que isso significa? Peço que me perdoem pela “ignorância”…

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s