Notícias
Comentários 53

Malhação tem nova série original no Gshow sobre casais sorodiferentes


UNAIDS_BRASIL

A Malhação: Seu Lugar no Mundo lançou neste sábado, 2 de abril, uma nova série original chamada Eu Só Quero Amar, cujo tema central será a vida de casais sorodiferentes (quando dos parceiros um vive com HIV e o outro não). A série, que é um misto de documentário e ficção, é fruto da parceria entre o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) e a área de Responsabilidade Social da Globo, iniciada com o lançamento da campanha Viver Melhor, em setembro de 2015.

O ponto de partida da série é o casal Henrique e Camila, interpretado pelos atores Thales Cavalcanti e Manuela Llerena. Henrique vive com HIV e namora Camila na trama da série teen. Depois de uma história conturbada e cheia de obstáculos, os dois resolveram bancar a relação enfrentando até mesmo a resistência dos pais de Camila.

O objetivo da série é aprofundar para o público jovem o debate sobre esta relação e principalmente sobre a vida de um casal sorodiferente, desde os desafios no convívio social — como enfrentamento do estigma e da discriminação — até a vivência de uma sexualidade saudável e bem informada.

Manuela e Thales gravam as primeiras cenas da série original do Gshow 'Eu Só Quero Amar' (Foto: Maria Eduarda Freitas/Gshow)

Manuela e Thales gravam as primeiras cenas da série original do Gshow ‘Eu Só Quero Amar’ (Foto: Maria Eduarda Freitas/Gshow)

Desde o final de dezembro, o UNAIDS tem prestado consultoria à produção da série Malhação: Seu Lugar no Mundo para apoiar o autor da trama, seus roteiristas e produtores tanto no refinamento da linguagem quanto nas sugestões de temas e histórias reais capazes de apoiar as cenas com os personagens envolvidos direta e indiretamente com a questão do HIV na série.

“Pela primeira vez na história da televisão brasileira, estamos indo além de prevenção, testagem e tratamento do HIV.”

“Pela primeira vez na história da televisão brasileira, estamos indo além de prevenção, testagem e tratamento do HIV. Estamos falando também de sexualidade, estigma e discriminação — e diretamente para o público jovem, que é o mais afetado hoje no país”, afirma Georgiana Braga-Orillard, diretora do UNAIDS no Brasil. “Estamos muito felizes que Emanuel Jacobina tenha iniciado o debate e que, juntos, tenhamos conseguido aprofundá-lo desta forma. A parceria com o Gshow na criação desta série veio coroar este esforço de uma forma muito especial.”

“A parceria com o UNAIDS é fundamental para que contribua para mudanças positivas de comportamento.”

“Nossa estratégia é mobilizar o país para temas socialmente relevantes. Assim, a parceria com o UNAIDS é fundamental para que essa mensagem de respeito, tolerância, esclarecimento e de harmonia no convívio entre casais sorodiferentes alcance o maior número possível de pessoas e assim contribua para mudanças positivas de comportamento”, destacou Bia Azeredo, diretora de Responsabilidade Social da Globo.

Cada sábado do mês de abril contará com um novo episódio da série, totalizando cinco episódios. Inspirada na obra de Emanuel Jacobina – autor desta temporada Malhação: Seu Lugar no Mundo –, a série para a internet tem como roteiristas Filipe Lisboa e Giovana Moraes, e colaboração de Gabriel Estrëla (Projeto Boa Sorte), jovem ator, cantor e diretor vivendo com HIV. A direção geral é de Leonardo Nogueira. A produção também contou com apoio de consultoria do UNAIDS Brasil.

Pela assessoria de imprensa do UNAIDS Brasil.

Anúncios

53 comentários

  1. Dei_Pr diz

    Acho muito bacana e também importante quando com clareza se tem mais informações sobre não só como este assunto mas muitos outros…
    Que acha mais transparências em assuntos tão sérios…

    meu Kik
    dei_sc

  2. P+ diz

    Gente, alguém aqui sofreu com falha terapêutica? O 3 em 1 não fez efeito em mim após os 6 meses de tratamento. Vou fazer a genotipagem para saber qual TARV vou ter aderir a partir de agora.
    E, outra coisa, meu colesterol HDL está abaixo de 40, e isso está me preocupando um pouco, mesmo meu infectologista dizendo que ainda não é alarmante. Já comecei uma dietinha e vou voltar pra academia, pra ver se melhora.

    • Alex diz

      Como assim não fez efeito? Quanto estava sua carga viral no início e depois quanto ficou? E cd4?

      • P+ diz

        Uai, não fazendo. Fui infectado com um tipo de HIV já resistente ao 3 em 1.
        Meu CD4 sempre 1064 desde o início do tratamento. Já a carga viral:
        Mês 0 – 7000;
        Mês 4 – 523;
        Mês 6 – 1024.
        Por isso a falha terapêutica. Vou fazer a genotipagem para saber qual TARV é mais adequada para combater o meu tipo de HIV.

  3. Alex diz

    Pessoal, alguém sabe se vacinas podem interferir no CD4 (ou carga viral)? A vacina da gripe h1n1, por exemplo.

    • Pequena + diz

      Alex

      Meu infecto sempre me recomenda um mês antes de fazer coleta de carga viral e CD4 evitar tomar vacina.
      Caso esteja na dúvida vá ao seu CTA e se informe, é o melhor a se fazer 😉
      Um forte abraço Pequena +

  4. Coralina diz

    Queria saber se com essa nova Tarv 3 em 1 a mulher pode ter filhos? Seria bom quem uma novela abordasse mais sobre tudo…

    • D_Pr diz

      Coralina, uma mulher soropositiva pode e deve ter filhos, se for da sua vontade! Quanto ao uso do efavirenz que é um dos medicamentos que compõem o 3×1, não é recomendado durante a gravidez.

      Existem outras combinações adequadas a futura mamãe. Não seria esse o impedimento!

      Boa sorte

  5. Na ficção tudo é lindo, maravilhoso! Quero ver na vida real viver um relacionamento diferente, discordante ou sei lá o que!
    Vejamos cenas do próximo capítulo..hahaha

    • RecentWave diz

      Eu vivo um relacionamento sorodiscordante e muito bem. E olha que contraí HIV depois de quase 5 anos de namoro. É como se nada tivesse mudado, a não ser o fato de não transarmos mais sem preservativo e meu amadurecimento com toda esta situação.

    • Ledos diz

      que triste ler isso Vida!
      sou negativo e vivo em um relacionamento discordante muito bem…também conheço várias outras pessoas nas mesmas condições de relacionamento. Cuidado pra não criarmos problemas onde não existem…as relações já humanas são complexas o suficiente para serem afetadas por uma condição sorologica. Com responsabilidade e maturidade toda forma de amor e possível. Beijão!

    • luquinha diz

      Não suma vida , pois você faz falta aqui , Barasa esta querendo saber de ti ! … beijos no seu coração

    • Mutatis Mutandis diz

      Vida, vida, vida…Tem uma canção muito massa de Chico Buarque com esse nome.

      Faça-nos um favor: por favor, não nos abandone!

      Satisfação revê-la, ou melhor, relê-la…kkkkk

    • anjo (terapeuta) diz

      Eu vivo um amor sorodiscordante meu noivo optou por nao usar presevativo e ainda me lembra a hr de tomar meus amigos 3×1. Ta tudo muito normal nossa vida

    • anjo (terapeuta) diz

      Meu noivo e sorodiscordante e lor opcao dele nao usamos preservativos ele ainda me lembra a hr da medicaçao. Tudo normal proximo passo casar e adotar filhos.

    • Gil diz

      OI…Mantenho um casamento, ha’ um ano positio, esposa soube, nada cobrou, a nao ser que nos ama’ssemos ainda mais e enfrenta’ssemos os preconceitos.

      • D_Pr diz

        Gil, eu tenho uma dúvida, responda se quiser

        Você já era casado, traiu sua esposa e assim conseguiu se contaminar?

    • Rafa diz

      Vivo em um relacionamento soro discordante a quase 5 anos (eu hiv+ e ele não) e vivemos muito bem, e felizes, nada mudou, usamos preservativos e claro que sem algumas neuras que o povo coloca na cabeça… Vivemos plenamente bem! Abs

  6. Ledos diz

    Olá galerinha! Só digo uma coisa pra vcs: na ficção e lindo e na vida real também.
    Vivo em um relacionamento discordante faz muito tempo e nosso problemas de relacionamentos nunca estão ligados a condição sorologica dele. Meu namorado descobriu ser positivo em Janeiro deste ano, claro que seria melhor se fosse o contrário, mas não é…vivemos muito bem e felizes, obrigado!
    Me arrisco a dizer que depois da notícia da sorologia, dos cuidados que temos, e de todas as coisas que envolvem uma descoberta de positivo para o hiv, nossa relação amadureceu muito. Somos mais amigos, mais companheiros, cuidamos um do outro, e a pequena quase invisível ideia sobre morte e doença, faz com que a gente se aproveite e se queira cada vez mais. O hiv já e algo normal pra nós, não falamos o tempo todo nele, lembramos da hora da medicação e de comprar camisinhas quase que naturalmente. Não existe nada de diferente, além do tabu criado pela maioria. Abraços pra todos.

  7. Caio diz

    Galera tô super preocupado, peguei chikungunya!

    Foi na emergência do hospital e o medico receitou uma injeção de dipirona e que eu ficasse tomando remédio Paracetamol ou Dipirona em 6 em 6hs. Não relatei pra ele que era positivo, pois moro numa cidade muito pequena tive receios. Desde de Janeiro que estou em tratamento com o 3×1, meu CD4 quando descobri era 356 e minha carga viral 16 mil. Estou super preocupado, nervoso e com muito medo, minha consulta com a infecto será só no início de Maio. Alguém aqui já pegou Dengue ou Chikungunya?

  8. Lucas diz

    Boa noite pessoal!!! tudo bem com vocês?

    Recebi resultado de exame esta semana, CV: indetectável, CD4 1092 / CD8 1353.
    A minha dúvida é a respeito da relação CD4/CD8, pesquisei mas não consigo entender ou encontrar algo claro, minha relação por exemplo está em 0,81… é uma taxa normal?

    Se puderem me ajudar ficarei grato!!

    • Gmrs diz

      Sua relação cd4/cd8 está ótima. Segundo o meu infecto esta taxa fica perfeita quando se atinge o valor 1, ou seja, o número de celular cd4 é igual ao cd8.

  9. Ledos diz

    Querido amigo anjo (terapeuta), sem julgamentos, somos todos adultos e cada um arca com as consequências das decisões que toma, vou fazer umas perguntas só por questões de curiosidsde mesmo. Seu namorado sabe dos riscos que corre em fazer sexo sem camisinha com você?! Você sabe que os estudos que revelaram a “impossibilidade” de transmissão em relacionamentos discordantes envolvem a camisinha, mesmo com carga viral indetectável?! Você não tem medo de expor ele à infecção?!
    Não quero soar agressivo, de forma alguma…só quero entender seu ponto te vista. Por que me parece que vocês estão banalizando a questão. Que não é um bicho de sete cabeças já sabemos, mas também não é a oitava maravilha do mundo.
    Abraços!

    • anjo (terapeuta) diz

      Caro Ledos penso q nao sabemos direito o q e isso (hiv) mas falei tudo q sei e dos riscos dele vir contrair. Resposta ja pensei nisso tudo, sei q posso pegar um dia mas nao vou condicionar nosso relacionamento a isso. No começo eu quis separar dele por medo de transmitir esse virus para ele mas ele nao aceitou e disse que queria continuar mesmo sabendo da minha situaçao. Que nao falariamos mais sobre preservativos e nao voltamos a falar. Ele faz os exames a cada fim de ano.

    • Verdes Olhos diz

      Caro Ledos: venho respeitosamente dizer que suas afirmações estão equivocadas. Os infectologistas atualmente tendem a afirmar que CARGA VIRAL INDETECTÁVEL NÃO TRANSMITE O VÍRUS, mesmo sem o uso de preservativos. Você mesmo pode conferir isso no site do dr. Joel Gallant, um dos maiores especialistas no assunto, através do link http://hivforum.tumblr.com/ . O dr. Gallant afirma e reafirma constantemente em suas publicações: INDETECTÁVEL NÃO TRANSMITE. Entendeu, Ledos? Por via das dúvidas, vou repetir novamente: INDETECTÁVEL NÃO TRANSMITE.
      Espero que você se informe melhor e, por favor, pare de transmitir conhecimento errado sobre um assunto tão sério.

      • anjo (terapeuta) diz

        A minha infecto q e professora em faculdade de medicina toda vez pega meus exames e fala. Vc esta indetectavel e intransmicivel. Sori e diz vc esta otimo

      • Ledos diz

        Ola Verdes Olhos!
        Obrigado por compartilhar todo esse conhecimento, já sabia sim disso tudo…só comentei o que sempre ouço dos medicos e que são recomendações! Não estou disseminando informação alguma, apenas levantei questionamentos com ele. Acho que estão banalizando sim o assunto assim…e perguntei pq achei que de repente ele ñ tinha informações corretas. De qualquer forma, nao tive a intenção de polemizar. Abraços meu querido, passar bem! Cuidem-se!

  10. André diz

    Relacionamentos sorodiscordantes: 90% dos que conheço são assim:
    O positivo sempre é o ativo (ou mais ativo) e o negativo sempre o passivo. Seja na relação hetero ou homossexual.
    Por isso vemos mais mulheres e caras passivos positivos sozinhos, do que homens heteros e / ou homens gay ativos nessa condição sozinha. As mulheres e os homens passivos são levados mais pela emoção, por isso se envolvem mais facilmente com caras positivos que o contrário. E é interessante pq a probabilidade de se pegar o vírus é maior pra mulheres e caras passivos pq há uma maior incidência do vírus no sêmen que no ânus / vagina. Quando um “hetero” pega na maioria das vezes é pq o contato com o passivo / ou mulher eles têm contato com o sangue (advindo da menstruação da mulher ou do rompimento de pequenos vasos no ânus da pessoa passiva) ( PS: essa última conclusão é mais da minha cabeça hehehehe).

    • Gil diz

      Você associa o comportamento de pessoas sexualmente passivas (termo e conduta que não existe mais, pois a padronização não se reflete a todos, na prática) com emocionalmente frágeis, com pessoas emotivas. É uma estereotipia improdutiva e falsa, que pode existir, mas não se configura como regra, por se tratar de humanos que mudam, que variam, que não são rotuláveis. Isso leva a conclusões errôneas, como estas que você escreveu. Melhor não estereotipar para não se deixar levar por pré-conceitos…

  11. MARK CUNHA diz

    André que comentário atrasado e preconceituoso. Ativo passivo não importa o que importa amar seja hétero gay ativo passivo enfim.. Pro amor não existe barreiras. E para os que estão solteiros com medo de se relacionar uma dica que dou é amem a si primeiro para depois amarem os outros.

    • André diz

      Meu rapaz, não estou sendo preconceituoso, estou sendo prático, objetivo. Isso é um fato. É só vc perceber pelos comentários aqui ou no site radar. Quando vemos depoimentos dos homens heteros positivos eles tem uma companheira negativa, diferentemente das mulheres que até o momento não vi UMA que dissesse que tem um relacionamento sorodiscordante.
      Só estou levantando a questão que apesar dessa parte ser menos propensa a pegar (homem hetero e gay ativo) são eles que tem mais receio em entrar numa relação sorodiscordante.
      Vá lá no site radar e vc vai ver: a maioria a espera de um companheiro ativo sexualmente. O que demonstra que os passivos se contaminam mais fácil e fica mais difícil de encontrar um relacionamento: FATO.

      • Eu tenho, André. E muitas outras mulheres também tem. Comentário de blog não é estatística. A maioria dos comentários, se tu já percebeu, são de homens. Talvez por questões culturais, vá saber. Eu tinha vontade de estudar sociologia, até fazer uma cadeira no mestrado e perceber que a quantidade de variáveis é muito maior que a nossa imaginação. As pesquisas não tem como ser precisas, em se tratando de variáveis sociais e psicológicas. Sendo assim, coisas loucas como “mulheres merecem ser estupradas” saem na mídia como oficiais, para meses depois o diretor do instituto de pesquisa ter que pedir demissão por causa da besteira. Não dá para generalizar por comentário de site, entende? Acredito também que deverias ter mais cuidado com as palavras, existem muitas pessoas fragilizadas lendo isso, não é lugar para opiniões pessoais que podem machucar os outros.

  12. ss diz

    Boa noite pessoal eu tomei a vacina de hepatite b já faz uns 2 anos e toda vez que faço exame pra saber dos anticorpos da vacina não da nada como se eu não tivesse tomado a vacina e estranho eu não entendir alguém sabe bjs

    • D_Pr diz

      SS

      Houve falha na imunização, você não é o único. Relate ao seu infectologista e posteriormente divida conosco qual a orientação ele te passou.

  13. lima diz

    Vou me identificar como LIMA , preciso falar sobre o assunto também com alguém q namora um outro homem e q seja soro discordante. Recebi diagnóstico a dois meses e aderi o tratamento…tô com muito medo e preciso conversar… alguém disposto?

    • Ribeiro diz

      Oi Lima, tudo bem .. Entre em contato comigo para conversarmos .. Eu e meu namorado somos sorodiferentes .. Meu Skype é vicnogr , se tiver me escreve lá

    • Sou mulher, cis, 33 anos. Descobri que sou portadora do vírus hoje pela manhã com um teste comprado pela internet. Não posso dizer que foi a surpresa do século porque digamos que minha juventude foi bem conturbada. Na hora liguei para o meu namorado e ele foi me encontrar na cidade vizinha. Nos amamos demais e temos um relacionamento excelente, não foi um problema contar para ele. Logo após fomos a um CTA, tive meu diagnóstico confirmado e tive a melhor notícia da minha vida ao saber que ele não tem nada. Estou preocupada, mas não arrasada. Marquei os meus exames e a vida segue igual a antigamente, estamos mudando de apartamento e à tardinha voltamos a nos preocupar com as caixas que precisam sair do apartamento antigo. Não vou me deixar abater por pena de mim mesma e preconceitos que nem me pertencem. Se alguém quiser conversar estou super aberta a novas amizades, meu mail é ametn29@gmail.com.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s