Notícias
Comentários 53

Órgãos de doador soropositivo são transplantados pela primeira vez


Latimes

No primeiro transplante que dá a pacientes infectados pelo HIV ainda outra chance de uma vida longa, os cirurgiões do Johns Hopkins University Medical Center transplantaram um rim e um fígado de uma doadora falecida que era soropositiva para dois receptores soropositivos. As cirurgias de transplante, que utilizaram os órgãos doados pela família da mulher soropositiva, encerram um período de 25 anos em que órgãos de pessoas infectadas pelo HIV dispostas a doá-los eram rejeitados para uso em transplantes.

“Este é um dia muito importante para os pacientes que vivem com o HIV.”

O procedimento experimental segue a resolução de 2013 do HIV Organ Policy Equity Act, ou HOPE, que revogou a proibição de utilizar órgãos soropositivos para transplante. “Este é um dia muito importante para nosso hospital e para nossa equipe, mas mais importante para os pacientes que vivem com o HIV e doenças de órgãos em estágio terminal”, disse o Dr. Dorry L. Segev, cirurgião do Johns Hopkins que realizou as cirurgias. “Para estes indivíduos, isso pode significar uma nova chance de vida.” Segev, professor de cirurgia da Escola de Medicina da Johns Hopkins University, também teve um papel fundamental na concepção e na pressão para que fosse aprovada a legislação que pôs fim à proibição de 1988 sobre transplantes de órgãos infectados pelo HIV.

“Estamos animados com estes primeiros transplantes.”

A Dra. Christine Durand, especialista em doenças infecciosas da Johns Hopkins University, que agora supervisiona o cuidado dos dois pacientes transplantados, disse que ambos os pacientes estão bem. O paciente que adquiriu um novo rim, 30 anos depois de contrair HIV, já está em casa, disse ela. O segundo paciente, soropositivo há 25 anos, ainda permanece no hospital. Mas seu novo fígado, que substitui aquele que falhou após complicações decorrentes de uma infecção por hepatite C, está “funcionando muito bem”, acrescentou. “Estamos animados com estes primeiros transplantes”, disse Durand.

Alexandra K. Glazier, executiva-chefe do New England Organ Bank, que facilitou a doação de órgãos, elogiou a “família extraordinária que enxergou para além de sua própria perda” e concordou com a doação. A família se recusou a identificar a dadora dos órgãos, mas a descreveu como “uma filha, uma mãe, uma tia, melhor amiga e irmã”, que “deixou esse mundo ajudando os oprimidos por quem ela lutou tanto.”

Cirurgiões da Johns Hopkins University transplantaram fígado e rim de uma doadora soropositiva para dois destinatários soropositivos.

Pela Lei HOPE, apenas receptores de transplante que são soropositivos são elegíveis para receber órgãos de doadores soropositivos. Ainda assim, espera-se que a mudança traga centenas, e potencialmente milhares, de órgãos transplantáveis ​​anualmente disponíveis para as pessoas infectadas pelo HIV e com doenças em fase terminal dos rins, coração, fígado e pulmões.

Muitos doadores infectados pelo HIV são saudáveis o suficiente para doar um órgão sem grande risco para a sua saúde.

Embora as cirurgias feitas no Johns Hopkins tenham usado órgãos de um doador falecido, os especialistas esperam que, em breve, doadores soropositivos possam vir a oferecer um rim para transplante. O Dr. Segev disse que muitos doadores infectados pelo HIV são saudáveis o suficiente para doar um órgão sem grande risco para a sua saúde. Os protocolos de pesquisa para o atendimento de doadores vivos soropositivos, acrescentou ele, serão elaborados “ao longo dos próximos meses.”

Contudo, Segev exortou aqueles que vivem com HIV a deixar claro para suas famílias e entes queridos a sua vontade de tornar-se dadores de órgãos post mortem. Quando outros centros de transplante se juntarem à Johns Hopkins na realização desses procedimentos, a prática promete encurtar a fila de espera para todos os que aguardam a ligação para informar que o órgão de um doador está disponível. Há 121.220 pacientes na lista de espera da Organ Procurement and Transplantation Network, e um nome é adicionado, em média, a cada 10 minutos. A cada dia, uma média de 22 pacientes morrem à espera de um órgão.

Dos cerca de 31.000 transplantes de órgãos realizados anualmente nos Estados Unidos, os órgãos que envolvem doadores infectados pelo HIV continuam a ser uma pequena minoria. Especialistas estimam que, a cada ano, de 500 a 600 pessoas soropositivas venham a morrer em circunstâncias que deixariam seus órgãos disponíveis para transplante. Com mais pacientes infectados pelo HIV na lista de espera para receber órgãos, os pacientes não infectados também irão mover para cima na lista de espera.

“À medida em que a notícia espalhar, teremos mais doadores disponíveis.”

Na quarta-feira, Segev previu que “à medida em que a notícia espalhar, teremos mais e mais doadores disponíveis”, aliviando a escassez de órgãos. Pessoas que vivem com o HIV e precisam de transplante podem considerar receber um órgão soropositivo e chegar a ser transplantado mais rápido, disse ele. Ou podem continuar à espera de um órgão não infectado, assim que este estiver disponível.

O Dr. David Klassen, médico-chefe da United Network for Organ Sharing, disse que questões fundamentais permanecem sobre essa nova geração de transplantes, que são realizados como procedimentos de pesquisa. Entre elas está a dúvida se órgãos de doadores soropositivos serão tão resistentes quanto órgãos que vieram de doadores não infectados. Klassen também disse que, entre doadores e receptores de sorologia positiva, os médicos têm o desafio adicional de tentar garantir que um destinatário infectado pelo HIV não receba um órgão de um dador infectado com uma cepa do vírus mais agressiva. Na maioria dos casos, disse ele, pode-se avaliar se ambos receptor e doador tomam os mesmos medicamentos antirretrovirais e têm se dado bem com eles.

Mas nos casos em que a infecção pelo HIV de um doador é diagnosticada no momento da sua morte, garantir o transplante pode não ser possível, disse Klassen. Ainda assim, ele enfatizou que os novos procedimentos sublinham o quão dramaticamente o prognóstico para pacientes soropositivos mudou. “Certamente, há anos, quando o HIV entrou em cena, era uma doença fatal: todos os que tinham, morriam”, disse ele. Pacientes soropositivos não eram suscetíveis de serem listados na lista de espera por órgãos, pois seus prognósticos eram muito ruins e a ideia de usar órgãos infectados pelo HIV era impensável, disse Klassen.

“Os pacientes hoje têm boas perspectivas de sobrevivência a longo prazo.”

Com o sucesso de coquetéis antivirais no tratamento de pessoas infectadas pelo HIV, “os pacientes hoje realmente têm boas perspectivas de sobrevivência a longo prazo”, disse Klassen. “Todas os avanços no transplante são completamente dependentes desta evolução”, disse ele. Pacientes soropositivos, que estão em maior risco de desenvolver insuficiência renal por causa da doença têm sido elegíveis para entrar na fila por transplantes de órgãos, ao lado de pacientes não infectados.

 

Nos principais centros de transplante, os cirurgiões têm experiência substancial na realização de cirurgias em pacientes infectados pelo HIV. Entre 2005 e 2015, cirurgiões nos Estados Unidos transplantaram órgãos doados em pelo menos 1.376 pacientes soropositivos. Os centros onde foram realizados esses procedimentos serão os primeiros a obter a aprovação para realizar transplantes de órgãos de dadores soropositivos para receptores soropositivos.

Enquanto o Johns Hopkins é o primeiro centro de transplante autorizado realizar o procedimento experimental, dois outros — o Hospital da Universidade Hahnemann, na Filadélfia, e o Hospital Monte Sinai, em Nova York — também solicitaram autorização para realizar tais procedimentos, assim que doadores de órgãos se tornarem disponíveis. Segev disse que as cirurgias, que aconteceram há algumas semanas, “são apenas o começo.” Em uma tentativa de melhorar os resultados dos pacientes, o Johns Hopkins e 29 outros hospitais vão formar um consórcio para compartilhar sua experiência sobre estas cirurgias, e outras em que pacientes com HIV receberam órgãos não infectados.

“Este é um procedimento muito seguro e eficaz para aqueles com HIV.”

Os protocolos de tratamento pós-cirúrgicos para pacientes transplantados que vivem com o HIV — que incluem um regime vitalício de drogas imunossupressoras — são uma preocupação particular. Mas Durand disse que o histórico de sucesso tem sido bom. “Com seleção e monitorização cuidadosa, este é um procedimento muito seguro e eficaz para aqueles com HIV”, disse Durand na quarta-feira.

Na terça-feira, cinco candidatos a transplante de soropositivos foram listados nos centros autorizados de órgãos soropositivos, de acordo com Anne Paschke, porta-voz da United Network for Organ Sharing. Quatro estão à espera de um rim e um aguarda um fígado, disse ela.

Por Melissa Healy em 30 de março de 2016 para o Los Angeles Times.

Anúncios

53 comentários

  1. carla diz

    Gente por favor gostaria de uma orientaçao de voces, trabalho no governo do amazonas a mais de 4 anos e sou hiv positiva a mais de 2 anos e minha pergunta e:
    Nao sou concursada apenas comissionada, mais eu corro o risco de perder meu emprego no Estado quando mudar o governo ( entrar outro governador por exemplo ) sendo hiv e nao concursada? e qual o procedimento eu deveria tomar para resolver essa situacao?
    por favor me ajudem se possivel
    grata, carla moraes

    • Ser+H diz

      Lei 12.984, de 2 junho de 2014

      Define o crime de discriminação dos portadores do vírus da imunodeficiência humana (HIV) e doentes de aids.

      A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

      Art. 1o Constitui crime punível com reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa, as seguintes condutas discriminatórias contra o portador do HIV e o doente de aids, em razão da sua condição de portador ou de doente:

      I – recusar, procrastinar, cancelar ou segregar a inscrição ou impedir que permaneça como aluno em creche ou estabelecimento de ensino de qualquer curso ou grau, público ou privado;
      II – negar emprego ou trabalho;
      III – exonerar ou demitir de seu cargo ou emprego;
      IV – segregar no ambiente de trabalho ou escolar;
      V – divulgar a condição do portador do HIV ou de doente de aids, com intuito de ofender-lhe a dignidade;
      VI – recusar ou retardar atendimento de saúde.

      Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

      Brasília, 2 de junho de 2014; 193o da Independência e 126o da República.

      DILMA ROUSSEFF
      José Eduardo Cardozo
      Arthur Chioro
      Ideli Salvatti

      Carla se acontecer de vc ser demitida arbitrariamente procure seus direitos. Contacte um advogado da sua confiança.

    • André diz

      Acredito que independente de sua condição de portadora se vc é COMISSIONADA pode sim “perder seu emprego”, já que a estabilidade em órgão público se dá por concurso público e não por indicação partidária.
      Agora se eles te “mandarem embora” por conta de sua condição positiva acredito que vc pode ingressar na justiça por danos morais e quem sabe até ser redisgnada de volta ao cargo se a pessoa que tiver ficado em seu local também seja comissionada.

      • lara diz

        Concordo em todos os termos. Importa dizer que o cargo em comissão e de livre nomeação e de livre exoneração. Estabilidade mesmo só mediante concurso público, como disse o Andre. Agora, havendo legislação a respeito que não a postada acima e alguém conheça, por favor compartilhem! Barasa querido “estoy aqui querendo te” kkkkk brincadeira querido ! Me manda teu Mail , faz tempo que não “a velha” guarda não se comunica!!! Bjs em todos aqui!!!

    • casalpositivo diz

      Poise Carla o grande X da questão é que vc não poderá segurar seu emprego com a desculpa de sua sorologia pois vc e cargo comissionada e nao concursada infelismente, eu tb fui comissionado e por ser comissionado trocava governador, demitia boa parte dos comissionados e depois recontratavam novamente. Agora Se vc tivesse estabilidade e fosse segura seu emprego aí sim, poderia aplicar a lei que o colega mencionou.

  2. Luna diz

    Legal. Eu sempre quis ser doadora de órgãos, como era de sangue antes de ser contaminada. Fiquei bem alegre com a notícia.
    Mas parei de ler na parte onde falam em sobrevivência dos soropositivos , acho esse termo inadequado e depressivo.

  3. Andersonbsb diz

    A sua condição não lhe garante estabilidade, vc não pode é ser demitida por discriminação. Fora isso, não há o que reclamar.

  4. Mente+ diz

    Pessoal, desculpe a ignorância. vejo vcs falando sempre sobre o kik. Alguém poderia me explicar como usa? baixei e nao entendi muito bem. Ele é bem “sigilo” mesmo? Tem algum grupo do pessoal que acompanha o JS? Grato 🙂

  5. Olá, importante matéria e conquista, mas deixo uma observação para fazer justiça a outra equipe de transplantes, na África do Sul, que transplanta HIV para HIV desde 2008.
    Referência: Muller E, Kahn D, Mendelson M. Renal transplantation between HIV-positive donors and recipients. N Engl J Med 2010;362:2336-7.
    Acredito que os resultados destes primeiros transplantes e novos resultados da mesma equipe em 2015 com um total de 27 casos motivaram outros centros a adotar o transplante órgãos de portadores do HIV para outros portadores.

  6. Samir diz

    Pessoal, sou de Salvador, tenho 27 anos e descobri minha sorologia há 3 semanas. Queria conhecer outras pessoas daqui de Salvador pra trocar ideia, dividir experiências principalmente sobre a superação do HIV, recomendação de médico, enfim, pra ter apoio mutuo. Quem puder, me adiciona no kik: thespatient ou manda um e-mail pra thespatient@outlook.com

  7. Joana diz

    Boa noite. Estou mto aflita… Estou fazendo a Pep e meus olhos estão amarelos (além da pele tbm estar, com aspecto bronzeado). Meu chefe veio comentar esses dias comigo… O médico que me prescreveu a Pep disse ser da medicação mas que se em 3 dias N melhorasse (um dia ficar mais ou menos amarelo que em outros), era p eu voltar p ele mudar a medicação. Meu receio é que mudando a medicação a Pep perca a eficácia e se continuar, que eu desenvolva uma hepatite medicamentosa…. Alguém já fez Pep e tbm ficou com olhos amarelos?

    • André diz

      Beba bastante água Joana. De 3 a 4 litros por dia que isso ajuda a diminuir / até sumir o amarelo dos olhos.

    • Espanho diz

      VOLTE NO medico sim, se ficou muito amarelo pode ser necessario trocar o remedio para preservar sua saude mesmo, cada figado reage de um jeito, talvez o medico tire o atazanavir(que provavelmente causou esse amarelo na pele) e coloque outro no lugar. essa mudança nao altera a eficacia do tatamento nao, volte o mais rapido e apos avaliacao ( ele fara novos exames de sangue inclusive), siga a orientacao do médico.

  8. Goiano + diz

    Sinceramente gente, parei de deixar que a noticia que recebi de reagente pra hiv, tomasse conta da minha vida e dos meus pensamento, NÃO DÁ pra viver triste, NÃO DÁ pra viver tendo dó de mim mesmo.
    EU TENHO VIDA, plena, boa, e muito feliz, sou saudável e tenho tantos mais tantos planos, não posso deixar algo que eu mesmo nem vejo ou sinto, tomar conta dos meus dia.
    A VIDA DA GENTE só muda, quando a gente se posiciona diante dela, não quero ver o tempo passando e viver reclamando.
    SÓ NÃO ENTENDE QUEM NÃO QUER, HIV SÓ MATA, SE VC NÃO CUIDAR. VOCÊ NÃO É DOENTE.
    VIVA, PAREI DE ME LAMENTAR.

  9. Claudia diz

    Oi pessoal, gostaria de ajudar um amigo q se descobriu soropositivo a pouco tempo. Entre tantas dúvidas ele gostaria de saber se deve “procurar”, ainda q anonimamente, as parceiras com quem transou sem camisinha para alertá-las sobre os riscos. Eu já achei q sim, agora estou muito na dúvida. Precisamos dessa ajuda. Obrigada

    • André diz

      É o mais sensato e humano da parte dele informá-las mesmo que anonimamente para que as mesmas possam ter o direito de se caso descobrir começar logo o tratamento e não permitir que as mesmas só descubram em um estado avançado da doença ou até vim a falecer pelo desconhecimento da própria doença.

    • Ju diz

      Claudia, como você mesma acha, o melhor é que ele conte, sim. Já é difícil passar pelo choque do diagnóstico, mas mais difícil ainda (insuportável até) seria ter que conviver com a culpa pelo adoecimento de outra(s) pessoa(s).

  10. Dei_sc diz

    Isto mesmo Goiano +…
    Tenho 21 anos, e me lastimei de mais no início … como se fosse mudar algo…
    ter HIV NÃO É SER DOENTE…
    uma condição tratável…
    uma vida SIM normal… a não ser que seja prisioneiro dos próprios pensamentos ..

    tem um livro do AUGUSTO CURY muito interessante…

    Ansiedade- como enfrentar o mau do século.
    SPA- Síndrome do pensamento acelerado.

    esse livro e incrível, em momentos nos precipitamos antes de algo acontecer e muitas vezes NÃO acontece … acabamos asfixiando novas idéias o conhecimento e muito mais….

    estou no kik Dei_SC
    abrassos.

    • Ju diz

      Mas o mais difícil é se desapegar dos pensamentos… É simplesmente impossível não ter aquela culpa guardada, não refletir sobre o efeito borboleta das nossas atitudes. Apesar disso, acho que é possível construir uma nova personalidade e tentar outras e novas formas de ser feliz.

  11. Dei_sc diz

    Não e possível apagar córtex cerebral, mas é SIM possível reorganizar essas
    janelas…
    Ocupar a cabeça com coisas boas…
    Fazer coisas boas….
    a vida dispõe a quem se dispõem…

    Entre viver intensamente e viver se lastimando prefiro viver Intensamente…

    vamos viver oque à pra viver … vamos nos permitir… 🎶

  12. Jovem_Belém+ diz

    Olá Boa tarde pessoal. Descobri há pouco tempo a sorologia, fiz o teste no CTA e fui encaminhado para o Casa dia da minha cidade, porém, fui no estabelecimento e é muita gente, lugar desorganizado, os médicos faltam… Então já vi que por lá o acompanhamento com o infectologista será complicado, então alguém que more em Belém do Pará, conhece algum infectologista (que seja humanizado e que seja mais especializado nessa área de HIV) que atenda particular? Desde já obrigado.

    • jc diz

      jovem , sou de Belém e vou à casa Dia somente para buscar a medicação. Faço as consultas e exames pelo plano de saúde. A infecto que com a qual faço as consultas é da clínica CION e chama-se Dra. Maria do Socorro. Liga pra lá e agenda uma consulta . Muito Boa essa Médica. Abraços !.

      • Jovem_Belém+ diz

        Jc muito obrigado, dei uma olhada na net e a cion é uma clínica de oncologia? Ela atende lá mesmo? E vc tem o plano da unimed? To querendo fazer um plano pra começar a fazer o acompanhamento…

        • jc diz

          É verdade Jovem , o carro chefe da CION é Oncologia , mas eles atendem outras especialidades , inclusive infectologia.Eu sou atendido lá pelo IASEP , mas eles aceitam outros planos como UNIMED.Espero ter sido útil.

    • Rimel diz

      Jovem, também sou de Belém e faço acompanhamento com a Dra. Rita Medeiros. Ela atende no Hospital Porto Dias e é da equipe do Barros Barreto, hospital de referência da capital paraense.

    • Maicon diz

      Olá Iago, quanto tempo levou para ficar com esse quadro ótimo ? Comecei o retro 3×1 a um mês e meio mais a minha imunidade ainda não subiu 😞

    • Maicon diz

      Olá Blza?em quanto tempo você conseguiu subir seu cd4 e sumir praticamentecom a carga viral ? Comecei o tratamento a um mês e meio.

      • Hiago diz

        E ai Maicon, comecei o tratamento 3×1 no dia 10 dezembro 2015 com CV 46.000 e cd4 861

        Refiz os exames dia 29 de fevereiro o resultado saiu ontem.
        Não chegou nem a 3 meses para ficar indetectável.

  13. Jovem Paulistano diz

    Olá, alguém de São Paulo faz a retirada da medicacao por meio de motoboy poderia me indicar um de confiança? Sempre pego as medicações no Ribas mas estou sem tempo!

  14. Joana diz

    Alguém em Pep teve os olhos amarelos e precisou parar? Agora estou com
    Alergia nos braços do Atazanavir…. Alguém que tome o Atazanavir , mesmo fora da Pep, teve rash e teve olhos amarelos e o médico quis trocar?
    André, obrigada pela ajuda. Fui ao hospital e o infecto não deu mta importância aos olhos amarelos e nem à alergia , mas disse que se desse no peito e rosto tinha que avisá- los imediatamente. Fiquei sem entender, Pq no braço ok e no peito N é ok?

    • FG-PR diz

      Joana isso vai pasar, para os olhos amarelos tome pelo menos 3 litros de água por dia, quanto ao rash costuma passar em no máximo 1 semana.

      Tive isso no início da tratamento e não é nada sério.

    • Essa notícia da Fox News é baseada em uma notícia recente do The Telegraph, o mesmo jornal que, em 2013, disse que a cura estava a poucos meses de distância.

      Naquela altura, o Telegraph publicou uma manchete sensacionalista e só no meio da matéria é que dizia que “Os primeiros resultados são esperados ‘em alguns meses’” — e não a cura em si. Mais à frente na mesma notícia é que o jornalista esclarece que “cinco anos” seria um prazo razoável para a conclusão da pesquisa e possivelmente a cura do HIV.

      Nesse texto recente não é diferente. Lendo a matéria fica claro que em três anos não espera-se a cura, mas começar os testes em humanos, que podem demorar ou ter um resultado que não seja o esperado: “Embora os experimentos até agora só foram realizados em um laboratório, os pesquisadores Lewis Katz School of Medicine na Universidade de Temple, estão confiantes de que dentro de três anos, eles serão capazes de começar os testes em seres humanos.”

  15. Luna diz

    Olá, descobri o vírus em final de novembro , meu diagnóstico foi recente ,tenho certeza que havia sido infectada menos de 2 meses antes.
    Iniciei o tratamento com o 3×1 inicio de dezembro. Minha CV era de 11785 e CD4 997.
    Hoje fui a consulta e a CV estava em 40. CD 4 não foi liberado , pois faço tratamento pelo sus.
    Gostaria de indicação de bom infecto no RJ que atenda pela Unimed.
    Grata ,beijocas

  16. Guto diz

    Gente me ajuda… Eu tomo meu remédio 3×1 todo dia antes de dormir. Hoje acordei e não consigo me lembrar se tomei ou não… Fiquei desesperado… Não conseguia lembrar 😦 :(… Daí resolvi tomar, era 9:30. O que eu faço agora? A noite tomo normalmente? Por favor me ajudem. Estou desesperado.

  17. CURA PARA O HIV TERIA 3 ANOS DE DISTANCIA

    Uma cura para o HIV supostamente pode ter apenas alguns anos afastado após os cientistas foram capazes de cortar o vírus com sucesso o afastando de células infectadas e prevenir a doença de retornar.
    Cientistas da Escola Katz Lewis de Medicina da Universidade de Temple estão confiantes de que nos próximos três anos, eles serão capazes de iniciar testes em humanos, o UK Daily Telegraph relatou.
    Pesquisadores americanos já demonstraram que é possível editar genes para cortar o vírus a partir de células de DNA inteiramente.
    Especialistas britânicos acreditam que este tratamento, o que só foi testado em laboratórios, que permitem que o corpo de forma eficaz “curar-se de dentro”, segundo o jornal. Células imunitárias humanas que foram testados nos laboratórios mostraram nenhuma alteração de qualquer outra parte do código genético.
    “O fato de que, pela primeira vez, temos sido capazes de eliminar completamente os segmentos do genoma viral em laboratório demonstra que devemos ser capazes de eliminá-lo no corpo humano”, disse o pesquisador-chefe, professor Kamel Khalili The Telegraph.
    Ele reiterou que, com base nas recentes descobertas, ensaios clínicos, poderia começar dentro dos próximos três anos.
    A nova técnica é chamada CRISPR / Cas9. Trata-se alvo o código genético do HIV que insere nas células, de acordo com o The Telegraph. Os cientistas, em seguida, tomam a proteína Cas9 e editá-lo para que ela possa reconhecer o código viral.
    O sangue do paciente então iria injectar Cas9, que iria então procurar o vírus HIV nas células. A proteína, em seguida, releases e enzima, corta para fora o vírus. Os cientistas estão confiantes de que a substituição de 20 por cento das células do sistema imunológico com células geneticamente alteradas seria suficiente para curar o vírus.
    “É um passo importante. Isso faz parte de uma onda de pesquisa que está sendo feito uso dessas novas técnicas para atacar o HIV em particular, mas também uma série de outras doenças”, da Grã-Bretanha Manchester University Professor Matthew Cobb disse à Rádio 4, de acordo com o jornal.
    De acordo com as estatísticas mais recentes do Centers for Disease Control and Prevention (CDC), mais de 1,2 milhões de pessoas nos EUA estão vivendo com o HIV e cerca de 12,8 por cento deles não sabem que têm o vírus.
    Os infectados tomam um medicamento anti-retroviral para controlar a infecção, mas precisam levá-la para o resto da sua vida. Se parar de tomar o tratamento, o vírus poderia causar a SIDA.
    De acordo com Kamel Khalili, o líder do estudo: “Os resultados são importantes em vários níveis.”
    “Eles demonstram a eficácia do nosso sistema de edição de genes na eliminação de HIV a partir do ADN das células-T e, através da introdução de mutações no genoma viral, inativação de forma permanente a replicação viral.”

    Falando ao The Telegraph , Khalili disse que o estudo tem “enorme potencial”, e acrescentou: “Com base nas conclusões devemos estar entrando em ensaios clincical dentro de três anos”

    Um artigo detalhando seu estudo foi agora publicado no alto perfil relatórios científicos revista.

    http://www.foxnews.com/health/2016/04/02/cure-for-hiv-reportedly-3-years-away.html

    • Essa notícia da Fox News é baseada em uma notícia recente do The Telegraph, o mesmo jornal que, em 2013, disse que a cura estava a poucos meses de distância.

      Naquela altura, o Telegraph publicou uma manchete sensacionalista e só no meio da matéria é que dizia que “Os primeiros resultados são esperados ‘em alguns meses’” — e não a cura em si. Mais à frente na mesma notícia é que o jornalista esclarece que “cinco anos” seria um prazo razoável para a conclusão da pesquisa e possivelmente a cura do HIV.

      Nesse texto recente não é diferente. Lendo a matéria fica claro que em três anos não espera-se a cura, mas começar os testes em humanos, que podem demorar ou ter um resultado que não seja o esperado: “Embora os experimentos até agora só foram realizados em um laboratório, os pesquisadores Lewis Katz School of Medicine na Universidade de Temple, estão confiantes de que dentro de três anos, eles serão capazes de começar os testes em seres humanos.”

  18. PAULO ROBERTO
    PARECE QUE ESTÃO ACELERANDO, TOMARA, QUEM NÃO SONHA COM ISSO, COMO DISSE MEU INFECTO, VAMOS PRESENCIAR ISSO, COM FÉ.

    • Paulo Roberto diz

      ECG, meu amigo…
      Eu espero que a cura venha a tempo de eu pedir minha reintegração à tropa…
      Por isso tenho tanta ânsia de estar curado em breve!!!

  19. Magali diz

    Joana, eu já fiz PEP e na época tb fiquei com os olhos amarelados, porem a medica me disse ser normal e eu continuei com os mesmo medicamentos (ritonavir, tenovofir+lamivudina e atazabavir). Depois de uma semana apareceu uma alergia enorme na região das pernas e pé, corri pro CTA e lá conversei com a enfermeira chefe que me garantiu ser reação aos medicamentos, pois imaginei que eles não estariam fazendo efeito e eu estivesse tendo uma manifestação ao virus….

    Continuei com a mesma medicação pelos 28 dias. E depois do acompanhamento de três meses, ela fechou meu diagnóstico!

    Vá ao CTA e converse com a infecto ou a enfermeira do local, elas te orientarão sobre como proceder com os olhos amarelados e com a alergia! Ela pode até te receitar algo pra sanar a alergia… A minha passou sozinha depois de 4 dias.

  20. Pablo diz

    Boa tarde amigos. Passando aqui para falar que estou muito feliz com meus resultado do exame. Começei a terapia 3×1, em dezembro de 2015, com CV 58000, e CD4 em 90 (risco de morte segundo meu medico). Agora em março repeti os exames e os resultados foram: CV indetectável, e CD4 em 358. Resultado bom ,segundo ele. Ele m disse: preocupe-se em ficar indetectável, o CD4 sobe devagar e depende muito de seus hábitos de vida. To feliz. Queria compartilhar com vcs.

    • Maicon diz

      Boa tarde Pablo, fico feliz por você. Eu também me encontro em um quadro parecido comecei o tratamento 3×1 desde março meus primeiros exames apontaram carga viral altíssima e cd4 baixo, aceitei bem a medicação, semana passada fiz hemograma para levar para o médico segunda feira. Não vi um aumento de linfócitos visto q estou em uma dieta super saldável, me sinto bem melhor o negócio é torcer para carga viral diminuir

  21. KakaRj27 diz

    Alguém pode me adicionar em algum grupo no kik por favor

    KakaRj27

  22. Pablo diz

    Maicon, juntamente com meus primeiros exames, tb fiz hemograma completo e tudo deu nos padrões normais, inclusive linfócitos. Isso é muito bom viu? Pode ter certeza que vc em pouquinho tempo estará indetectável. Essa terapia é super eficaz e segura. Pode ficar tranquilo amigo. Evite os exageros e continue na sua dieta balanceada. Logo logo vai testemunhar coisas boas aqui pra nos.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s