Notícias
Comentários 142

Idosos com HIV enfrentam diferentes desafios de saúde a longo prazo


catie

No Canadá e em outros países desenvolvidos, cada vez mais pessoas soropositivas vivem mais tempo, graças à terapia anti-HIV. O poder dos antirretrovirais é tão profundo que os pesquisadores estimam que um jovem adulto que é infectado hoje, diagnosticado pouco depois e que logo começa o tratamento deve ter uma expectativa de vida próxima do normal. Esta previsão otimista depende adesão ao tratamento, todos os dias, exatamente como prescrito, e da ausência de outras doenças ou condições graves de saúde pré-existentes.

À medida em que mais pessoas soropositivas vivem mais, numa era de uso generalizado da antirretrovirais, os serviços de saúde terão de ser adaptados para essa população que está mudando as necessidades de cuidados de saúde.

Pesquisadores da Universidade de Waterloo, em Ontário, junto com a Agência de Saúde Pública do Canadá (PHAC, do inglês Public Health Agency of Canada), colaboraram em um projeto de análise de dados em massa que recolheu informação relacionada à saúde de mais de um milhão de pessoas, das quais, uma pequena fração (menos de 1%), tinha HIV. Os participantes foram avaliados no contexto de três configurações de tratamento de saúde:

  • assistência domiciliar
  • cuidado de longo prazo
  • cuidado complexo continuado

“Mais coinfecções, porém menos doenças crônicas.”

Os pesquisadores descobriram que, em geral, as pessoas soropositivas idosas tiveram “mais coinfecções, porém menos doenças crônicas”, em comparação com pessoas soronegativas. Além disso, eles descobriram que as pessoas soropositivas são geralmente mais propensas à experimentar “depressão, isolamento social e uso de medicamentos psicotrópicos.” Estas conclusões têm implicações para os planejadores de políticas de saúde pública, médicos, enfermeiros, farmacêuticos, especialistas em geriatria e outros que trabalham no campo do cuidado de pessoas soropositivas, em sua transição para a terceira idade.

A equipe de pesquisa canadense afirmou que, de fato, “a incapacidade de solucionar as necessidades de cuidados únicos de idosos soropositivos pode levar a resultados ruins e aumentar a pressão sobre o sistemas de saúde.”

Detalhes do estudo:

Os pesquisadores determinaram as definições de cuidados da seguinte forma:

  • Assistência domiciliar — este termo abrange “serviços de apoio pessoal, casa de repouso e alguns cuidados de reabilitação fornecidos na casa de um paciente.” Os dados para análise sobre o uso de assistência domiciliar foram coletados a partir de pessoas que vivem na Colúmbia Britânica, Manitoba, Ontário, Nova Escócia e Yukon.
  • Cuidado de longo prazo — este termo abrange “casas de repouso públicas, privadas e de caridade que prestam cuidados regulamentado para pessoas com condições médicas estáveis ​​que necessitam de cuidados 24 horas por dia.” Os dados para a análise sobre o uso de cuidados de longo prazo foram coletados em Alberta, Colúmbia Britânica, Manitoba, Nova Brunswick, Terra Nova e Labrador, Nova Escócia, Ontário, Saskatchewan e Yukon.
  • Cuidado complexo continuado — este termo abrange “hospitais ou unidades de ambientes hospitalares que prestam assistência à pessoas com deficiências mais graves, com condições de saúde medicamente complexas e/ou necessidades de saúde mental além daquelas normalmente cuidadas em casas de repouso.” Os dados para a análise sobre cuidado complexo continuado foram coletados em Ontário e Manitoba.

Em geral:

No total, dados de 1.200.073 pessoas foram analisados, das quais 1.608 pessoas (0,13%) eram soropositivas. Alguns dados a partir de alguns participantes foram coletados desde 1996, mas, em todos os casos, a coleta de dados terminou em 2014.

A distribuição de pessoas soropositivas, de acordo com as diferentes categorias de configurações de cuidados, foi a seguinte:

  • Assistência domiciliar — 178 pessoas (0,05%) eram soropositivos
  • Cuidado de longo prazo — 423 pessoas (0,19%) eram soropositivos
  • Cuidado complexo continuado — 1.007 (0,16%) eram soropositivos

Principais conclusões:

Os pesquisadores chegaram às seguintes descobertas:

  • Pessoas soropositivas se mostraram mais propensas a serem diagnosticadas com pneumonia.
  • Independentemente da definição sobre cuidados específicos, pessoas soropositivas se mostraram mais propensas a serem diagnosticadas com tuberculose.
  • As taxas de certas infecções bacterianas resistentes a antibióticos, na pele e nos intestinos, se mostraram mais comuns em pessoas soropositivas em cuidados complexos e em cuidados de longo prazo.
  • As taxas de infecções bacterianas no sangue que ameaçam a vida se mostraram, em geral, maior entre as pessoas soropositivas.

Saúde mental:

“Soropositivos experimentam mais isolamento social.”

Os pesquisadores descobriram que, em geral, “condições psiquiátricas crônicas são mais comuns entre os indivíduos soropositivos que estão em assistência domiciliar.” Além disso, as equipes de pesquisa descobriram que as “soropositivos experimentam consideravelmente mais isolamento social” do que os soronegativos. Diante disso, talvez não devesse ser surpreendente que, em geral, as taxas de uso de medicamentos psicotrópicos sejam maiores entre as pessoas soropositivas.

Tenha em mente:

O presente estudo é o maior estudo de pessoas com HIV em diferentes ambientes de cuidado de saúde no Canadá. De acordo com a equipe de pesquisa, em geral, pessoas soropositivas mais velhas têm mais coinfecções e menos doenças crônicas do que as pessoas mais velhas soronegativas.

Os pesquisadores descobriram que os soropositivos têm “taxas substancialmente mais elevadas de uso de medicamentos psicotrópicos.” Eles suspeitam que o isolamento social entre as pessoas soropositivas aumente sentimentos de solidão e depressão. No entanto, devido ao desenho do estudo, eles não podem tirar conclusões definitivas ligando o uso de psicotrópicos à problemas psicossociais.

Sobre medicamentos psicotrópicos:

Estes medicamentos podem ter um efeito positivo sobre o comportamento e o humor e incluem as seguintes categorias:

  • ansiolíticos
  • antidepressivos
  • antipsicóticos
  • hipnóticos
  • estabilizadores de humor
  • sedativos

Não só no Canadá:

Um estudo publicado em 2014, realizado na Dinamarca, analisou dados de 3.615 soropositivos que foram comparados com dinamarqueses soronegativos da mesma idade e sexo. Os pesquisadores dinamarqueses também descobriram que as pessoas soropositivas eram mais propensas a receber prescrição e a utilizar uma vasta gama de medicamentos psicotrópicos. Em um sentido amplo, as conclusões sobre medicamentos psicotrópicos nos estudos canadenses e dinamarqueses sugerem que problemas de saúde mental são uma preocupação crescente entre as pessoas com infecção pelo HIV.

Em 23 de março de 2016 por CATIE

Fontes: Denmark—unexpected trends in use of psychotropic medicinesTreatmentUpdate 204; Impressive gains in survival for older people with HIV but still less than general populationCATIE NewsDanish study raises questions about accelerated aging in HIVCATIE NewsQuantification of biological aging in young adultsProceedings of the National Academy of Science USAManagement of Human Immunodeficiency Virus Infection in Advanced AgeJournal of the American Medical AssociationLong-term HIV infection and health-related quality of lifeCATIE NewsDutch doctors explore intersection of aging and HIVCATIE NewsGeriatric syndromes found to be common among some people with HIVCATIE NewsHIV and Aging: State of Knowledge and Areas of Critical Need for Research. A Report to the NIH Office of AIDS Research by the HIV and Aging Working GroupThe CIHR Comorbidity AgendaCanadian Institutes of Health Research (CIHR); CIHR’s HIV Comorbidity Research Agenda: Relevant Research AreasHIV and AgingHealthy living tips for people 50 and over living with HIVMental HealthHIV in Canada: A primer for service providersHIV and brain-related issuesTreatmentUpdate 204; Longer life expectancy for HIV-positive people in North America TreatmentUpdate 200; Factsheets on HIV and aging in CanadaCanadian Aids SocietyHIV & Aging: A 2013 Environmental Scan of Programs and Services in Canada – Community ReportCanadian Working Group on HIV and Rehabilitation (CWGHR); Directory of Promising Programs and Services for Older People Living with HIV in Canada – CWGHR; Evidence-informed recommendations for rehabilitation with older adults living with HIV: a knowledge synthesis – CWGHR
Referências: 1) Foebel AD, Hirdes JP, Boodram C, et al. Comparing the care needs of people living with and without HIV in Canadian home and long-term care settingsCanada Communicable Disease Report. 2016;42:52-56. 2) Rasmussen L, Obel D, Kronborg G, et al. Utilization of psychotropic drugs prescribed to persons with and without HIV infection: a Danish nationwide population-based cohort study. HIV Medicine. 2014 Sep;15(8):458-69. 3) Legarth R, Ahlström MG, Kronborg G, et al. Long-term mortality in HIV-infected individuals 50 years or older: a nationwide, population-based cohort study. Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes. 2016 Feb 1;71(2):213-8. 4) Lohse N, Hansen AB, Pedersen G, et al. Survival of persons with and without HIV infection in Denmark, 1995-2005. Annals of Internal Medicine. 2007 Jan 16;146(2):87-95. 5) Lohse N, Hansen AB, Gerstoft J, et al. Improved survival in HIV-infected persons: consequences and perspectives. Journal of Antimicrobial Chemotherapy. 2007 Sep;60(3):461-3. 6) May MT, Gompels M, Delpech V, et al. Impact on life expectancy of HIV-1 positive individuals of CD4+ cell count and viral load response to antiretroviral therapy. AIDS. 2014 May 15;28(8):1193-202. 7) Samji H, Cescon A, Hogg RS, et al. Closing the Gap: Increases in life expectancy among treated HIV-positive individuals in the United States and Canada. PLoS One. 2013 Dec 18;8(12):e81355. 8) Lewden C, Chene G, Morlat P, et al. HIV-infected adults with a CD4 cell count greater than 500 cells/mm3 on long-term combination antiretroviral therapy reach same mortality rates as the general population. Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes. 2007 Sep 1;46(1):72-7.
Anúncios

142 comentários

  1. Alex diz

    Não entendi mt bem o que diz que idosos soropositivos estão mais propensos a coinfecções, coinfecções de que? Infecções com outros vírus (que não seja o hiv)?

    • Sim. Outros vírus e bactérias:

      “Principais conclusões:

      Os pesquisadores chegaram às seguintes descobertas:

      • – Pessoas soropositivas se mostraram mais propensas a serem diagnosticadas com pneumonia.
      • – Independentemente da definição sobre cuidados específicos, pessoas soropositivas se mostraram mais propensas a serem diagnosticadas com tuberculose.
      • – As taxas de certas infecções bacterianas resistentes a antibióticos, na pele e nos intestinos, se mostraram mais comuns em pessoas soropositivas em cuidados complexos e em cuidados de longo prazo.
      • – As taxas de infecções bacterianas no sangue que ameaçam a vida se mostraram, em geral, maior entre as pessoas soropositivas.”
    • Vivendopositivo diz

      Essas pesquisas dificilmente diferenciam pessoas “soropositivas” de “imunodeprimidas”. Na verdade a impressão que passa é que quase todas elas são feitas em cima de pessoas com baixa imunidade ou que sofreram efeitos colaterais da AIDS ou de medicações de primeiras gerações. Sempre insisto perguntando a mesma coisa pra meu infectologista, e ele sempre repete o mesmo – que a saúde de quem inicia o tratamento com boa imunidade, principalmente logo depois do contágio, é praticamente idêntica a de quem é soronegativo, e as doenças que por ventura terão serão as mesmas já predispostas geneticamente de um envelhecimento normal.

    • Ricardo. diz

      foda. eu tento aceitar essa realidade, mas por essas e outras que esse papo de vida normal nao cola comigo.

      • Triste + diz

        Concordo com vc Ricardo. Queria saber que ” vida normal” é essa que as pessoas pensam. Não tem uma notícia animadora, só coisas ruins, atrás de coisas ruins.
        No meu conceito, me sinto como se estivesse no corredor da morte.

        • Zimba diz

          ô povo pra só reclamar, né? poxa!
          Temos que dar graças a Deus que a TARV ta aí sem colateral praticamente, deixando nossa vida normal!
          Vão viver uma vida saudável, se alimentar bem, praticar exercícios…
          Ficar se preocupando com problemas que nem sabemos se vamos ter de fato só prejudica ainda mais a saúde!
          alegria galera!
          olha o pessoal soro+ dos anos 80 e 90… uns nem nos 30 chegaram!

          • Triste + diz

            Zimba com todo respeito a vc, não é o caso de só reclamar, é o caso de não ficar vivendo de ilusão.
            Não vou omitir de vc e nem a todos aqui, mais sinceramente me sinto ” gado marcado pra morrer”. Não aceito essa doença na minha vida. E as vezes a gente se cansa de tantas promessas e expectativas que nunca se concretizam.
            Desculpe o desabafo.

            • Paulo Roberto diz

              Amigo, entendo perfeitamente o que você sente.
              Eu “estou” bipolar: um dia estou bem e otimista, outro dia estou triste e completamente sem chão.
              Mas vamos combinar: nunca se ouviu falar em tantos avanços.
              Eu acredito que, a partir de um sinal, mesmo que pequeno, de uma cura vindoura por um laboratório, outros laboratórios entrarão na “corrida” do ouro.
              Sim, para os laboratórios a cura representa ouro…
              Embora eles ganhem muito dinheiro com as terapias de manutenção, a cura será inevitável, com tantas pesquisas. E o laboratório que conseguir isso, em primeira mão, ganhará muito mais dinheiro. Pense nisso!
              De qualquer forma, é bom que nos cuidemos para chegarmos até lá, indetectáveis.
              É essencial, no meu ponto de vista, que nos afastemos de drogas, mesmo as “recreativas” – não precisamos disso.
              É essencial que tenhamos boa alimentação e uma suplementação vitamínica, se for necessário.
              E é também, muito importante que nos mantenhamos otimistas, embora seja difícil esse feito.
              Mas vamos chegar lá.

              • Triste + diz

                Paulo Roberto, estou desanimado com tudo. Semana passada estourou algumas herpes na minha boca e até agora não está ” curada”. Estou tomando aciclovir de 4 em 4 hrs e nada. Daí tiro a conclusão: é pq sou HIV q não cura? Ou é normal ter herpes. Será q as pessoas onde trabalho vão perguntar? Enfim, são mil coisas q ficam se passando pela minha cabeça. To vivendo dias de pura angústia.
                To cansado de viver com esse medo constante. Com uma insegurança em todos os passos que dou. Só tenho infectologista dia 28/04 e estou desesperado por essas herpes não cicatrizar.
                Olha, sou leigo em todos esses assuntos, portanto desculpe se comentei alguma bobagem.

                • Pequena + diz

                  Triste +

                  Posso te perguntar uma coisa?
                  Foi seu infecto que te receitou esse remédio para herpes?
                  Outra coisa, isso é devido ao stress, não aceitação de nossa condição.
                  É normal isso, até quem não tem HIV vive cheio de Herpes devido ao stress, baixa imunidade.
                  Pra dizer a verdade em breve faço 2 anos que descobri minha condição e nunca tive uma herpes sequer.
                  E se está te incomodando, vá ao CTA tentar agendar uma consulta com seu infecto para resolver isso, é um direito nosso caso precisemos ou converse com os enfermeiros, pois eles são capacitados para nos ajudar.
                  Jamais se auto medique, sei que muitos tem boa intenção em ajudar mas cada pessoa é diferente uma da outra ok.
                  Força, fé e foco sempre 😉
                  Um forte abraço Pequena + ❤

                  • Triste + diz

                    Pequena +, boa noite.
                    Essa medicação foi dada por uma enfermeira chefe que é muito amiga minha e sabe da minha sorologia.
                    Não sei se foi a atitude mais correta em tomar, mais na hr do desespero e medo, não cheguei a pensar em nada.
                    A minha mente fica maquinando essas coisas 24 hrs por dia e automaticamente chego a pensar q meu cd4 está baixando e por isso me apareceu essas herpes.
                    Como disse: sou bem leigo no assunto, posso estar falando tremenda besteira, mais infelizmente minha mente só pensa nessas coisas.
                    Obrigado pelas palavras de apoio e um grande abraço pra vc.

                    • Pequena + diz

                      Triste +

                      Que bom ter sido uma enfermeira, mas quando estiver na dúvida do que fazer recorra ao CTA que vc se trata, eles estão mais preparados pra te atender e sanar suas dúvidas 😉
                      Não sei a quanto tempo vc descobriu seu diagnóstico, mas essa angústia e desespero vai passar.
                      Todos que frequentam esse blog já passaram ou estão passando por isso.
                      Não se entregue, lute, jamais desista de seus sonhos, é possível alcançá-los viu 😉
                      Caso queira conversar vou deixar meu e mail aqui ok
                      abaixinha74@gmail.com
                      Um forte abraço Pequena +

                • Luiz Carlos diz

                  Acho que eu sou feliz por não pensar nisso… Eu trabalho com pesquisa científica e acredito nos avanços que iremos fazer nos próximos anos. Primeiro teremos mais terapias de um comprimido, depois terapias por vacina com prazos maiores, até eventualmente chegarmos à cura.

                  Eu nem penso nos ARV, não me incomodo de tomar, e não sinto nenhum efeito colateral (quando tomava o EFV passei a ter depressão profunda, depois que mudei para ATZ/r+TDF+3TC) fiquei super bem.

                  Ficar se sentindo como alguém que é fadado a morrer, pensando que logo irá morrer ou qualquer coisa do tipo não faz sentido ao meu ver. Penso de uma forma muito simples: saio de casa todos os dias rumo a academia. Passo por uma esquina em que toda semana tem alguma colisão grave. Se um dia for pra eu morrer, tenho muito mais chances de morrer nessa esquina, por passar todo dia por ela. Ou não, pode ser que a sorte me leve para outro caminho, e eu morra tropeçando na calçada e batendo a cabeça. Oras, morrer todos vamos, o importante é aceitarmos as condições em que estamos vivos e aprendermos a viver a vida da melhor forma possível!

                  • Leo diz

                    Luiz, vc acha que teremos o comprimido unico do atazanavir/r, lami e tenofovir?

                    • Luiz Carlos diz

                      Acho que pra Inibidores de Protease que levam booster, como o ATZ/r, ainda vão demorar mais um pouco para termos em um único comprimido. Já temos vários outros medicamentos lá fora, como o Complera, Stribild e o destaque do ano, o Triumeq (ABC/DTG/3TC). Os custos do Triumeq são quase os mesmos do Atripla, similar ao 3 em 1 que temos no Brasil. O único problema é a patente.

                      Já existem estudos dizendo que só o DTG já seria suficiente para controle viral, e cada vez caminhamos para menos efeitos colaterais. É tudo uma questão de tempo e, quando menos esperarmos, teremos medicamentos novos sendo ofertados como primeira ou segunda linha de tratamento.

            • Zimba diz

              Triste +,
              Entendo tua revolta e angústia, tbm passo por isso, né?
              Vc não é gado marcado pra morrer, e sim todas as pessoas, soro+ ou não! Não adianta agente simplesmente não aceitar, é encarar a situação de frente e seguir a vida da melhor forma possível.
              Poxa, é ruim ter hiv? é? mais muito pior outras doenças cara!
              Meu pai por exemplo, perdeu a visão dos dois olhos tem mais de 30 anos,e por causa de uma doença também…. dai agente para e pensa: poxa, somos egoístas ainda assim!
              Tivemos a benção de terem descoberto esses antiretrovirais que salvam nossa vida, e temos que ficar felizes com isso… acabamos infelizmente infectados, mas temos ainda esperança de um ótimo futuro, ainda que a cura não seja descoberta.
              Só se lamentar e deixar a tristeza dominar não vai te fazer bem… encara isso como se fosse outra doença e segue a vida.
              Eu sei que é difícil, mas me coloco no lugar e penso que tem gente soronegativa em situação pior (meu próprio pai) e tão aí, vivendo bem, mesmo com os problemas!

              Fica bem e seja feliz! 😉

            • anjo (terapeuta) diz

              Para o rotulo de triste. Boa noite. Prefiro chamar vc de amigo do que pelo rotulo de triste. Muita coisa depende de vc a pessoa q mais pode ti ajudar e vc mesmo mas no momento sugiro q busque ajuda psicologica, como esses pensamentos vc nem vai precisar ficar idoso para tomar outros remedios. E isso q vc quer pra sua vida? Como vc quer estar quando chegar a 3 idade?

  2. Brumo diz

    Envelhecer no Brasil já é sofrido. Envelhecer sendo soropositivo no Brasil então nem se fala. Triste e desesperadora realidade.

    • Beatriz Pacheco diz

      Epa! Desculpem! Quem disse que é triste e desesperadora realidade? Estou com quase 70 anos, tenho HIV desde 1992, e diagnóstico em 1997! E estou ótima de saúde, saudável e feliz! Sou viúva de um soronegativo – sim ele, que não tonha o HIV – faleceu de câncer, sem nenhum vírus meu! Fomos MUITO felizes juntos… O que temos de ser é mais otimistas! Estamos vivos, se temos adesão perfeita ao tratamento estamos saudáveis (como eu)! Só não podemos é ficar reclamando da vida… Olhem só, moramos em um dos poucos Países no mundo que oferece gratuitamente a medicação! Temos tudo na mão… mas temos de fazer a nossa parte. Ficar fechado em casa, criando “monstros” em nossas cabecinhas, só vai nos fazer mal! Vamos seguir vivendo…NORMALMENTE! É o que eu faço! Tenho filhos, netos e, quem sabe, ainda verei meus bisnetos? Planejem o futuro e corram atrás dos seus sonhos! Se a velhinha aqui consegue, vocês VÃO CONSEGUIR MELHOR AINDA! Grande beijo da HIVó Bia e vamos VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ!

      • fred diz

        Beatriz!sabe. ando so com os meus triglicerideos meio alto, oq devo fazer para baixalos, nao como quase nada eliminei as massas , paes,doces, do meu cardapio, ja estou ficando sem opsao.se puder me dar umas dicas agradeço. meu email e fredh_2007@yahoo.com.brabraços.

      • Jonas diz

        Olá Beatriz, sou novo na área, 45 anos, casado com uma soronegativa. Pouco mais de 30 dias diagnosticado e querendo viver uns 20 anos a mais para criar meus dois filhos. Tão animador e real é o seu depoimento. Viva a vida!

  3. Gil diz

    Quanto custa uma passagem para o Canadá? E para a Dinamarca? Porque lá existe um serviço público de assistência e cuidados aos idosos, além de serviços de saúde exemplares, justificando os altos impostos. Envelhecer com dignidade dependendo de serviços do governo, no Brasil, é tarefa árdua…
    No Brasil, até antiretrovirais começam a faltar, falta o básico, apesar de altos impostos.
    Creio que nos próximos anos,a questão de remédios menos agressivos e as terapias genéticas melhorarão a condição dos soropositivos, quem sabe vindo uma cura em 15 anos, 10 anos, ninguém sabe.
    Quanto às propensões que a pesquisa aponta, creio que outras questões devam ser clareadas: se os soropositivos idosos vieram de terapias de resgate, já que ao se adoecer pelo HIV há um desgaste muito grande que cobra seu preço do corpo no futuro; se tais pessoas passaram por quantas terapias anteriores, tempo de infecção…
    Perigo é muitos de nós já encasquetarmos que assim que ficarmos velhos já teremos este monte de doença… Propensão não é certeza… é bom que se refletir!

    • Brumo diz

      Gil, tudo bem? Por acaso foi vc quem disse algo sobre usar pomada antifungico e arvs? Preciso saber se baixa a imunidade. Li em algum lugar aqui no blog mas não encontro mais…

      • Oi Brumo, Tive problemas com fungos e minha infectologista me prescreveu Candicort Creme (cetoconazol+dipropionato de betametasona). Uso tópico, duas vezes ao dia após o banho.
        Abraço!!….

      • Gil diz

        OLÁ, BRUMO…
        Nossa, nem lembro, mas SIM, CETOCONAZOL INIBE O RITONAVIR e mais algumas medicações da terapia ARV. Está na bula…
        minha infecto e outra (de contraprova) disse que o uso da POMADA com CETOCONAZOL pode ser usada porque a absorção para o corpo é mínima, então ela disse que em pomada (tipo pra micose na virilha) até pode, mas não mais de 15 dias seguidos,
        Usei uma semana. No segundo dia já foi sumindo e usei mais 5-6 dias e parei.
        MAS… RECOMENDO O DE SEMPRE: fale com seu médico!

  4. Fábio M diz

    Resultados Detalhados do Estudo da Fase IIA da Vacina Candidata Contra o HIV da Biosantech
    postado em 15/03/2016 23:07
    AFP /Agence France-Presse
    Os resultados detalhados do estudo da fase IIA da vacina candidata contra o HIV de Biosantech que tinha por objetivo principal demostrar a redução de uma nova manifestação virêmica e uma nova manifestação do ADN pró-viral após uma pausa momentânea da triterapia acabaram de ser publicados pela revista científica Retrovirology. Os resultados comprovam especialmente que três pacientes ainda têm DNA viral não detectável, 24 meses após a vacina candidata ser injetada. Fortalecidos por estes resultados, a Biosantech anuncia sua intenção de passar a uma avaliação de grande escala durante o ano 2016 a fim de poder solicitar a Autorização de Introdução no Mercado (AMM, em francês) a partir do segundo semestre de 2018.

    Entrevista coletiva por Corinne Treger: quinta-feira, 16 de março de 2016 às 11h ? Hotel Sofitel de Marselha, Vieux Port ? 36 boulevard Charles Livon 13007, Marselha, França
    Biosantechanuncia hoje a publicação na Retrovirology sobre os resultados detalhados do seu estudo de eficácia clínica da fase IIA de sua vacina candidata contra o HIV contendo a proteína Tat Oyi e elaborada com base nos trabalhos do Professor Erwann Loret.
    Estes resultados comprovam que com a dose injetada de 33µg, uma eficácia global de cerca de 60% reduziu uma nova manifestação do ARN e do ADN pró-viral após uma suspensão momentânea do tratamento nos pacientes infectados pelo HIV.Os resultados comprovam igualmente e sobretudo, que três pacientes ainda têm o ADN viral não detectável, 24 meses após a injeção da vacina candidata.
    Portanto, estes resultados confirmam o efeito benéfico da vacina candidata não somente na viremia, mas também nas células de reserva do vírus. Desta forma, associada à triterapia com o objetivo de eliminar as células de reserva, ela poderá curar a AIDS definitivamente nas pessoas infectadas.
    As análises dos eventos adversos sérios durante o estudo mostram taxas de notificação parecidas entre o grupo de vacinados e o grupo testemunha. Resultados conformes ao perfil de tolerância favorável observados durante os 12 meses de vigilância ativa do estudo de eficácia anterior realizado na Assistência Pública dos Hospitais de Marselha (APHM, em francês).”O fato de ter à disposição uma vacina que vem em complemento aos antirretrovirais é um grande avanço do tratamento anti-HIV”, explica a Dra. Isabelle Ravaux, investigadora principal do estudo na APHM. O programa de estudo clínico de eficácia das fases I e IIA da vacina candidata anti-HIV da Biosantech foi realizado em cerca de mais de 50 voluntários da região de Marselha. A Biosantech fará um pedido de estudo em fase III de sua vacina candidata e sob condição da aprovação das autoridades regulamentares e dos resultados em grande escala, a primeira vacina contra o HIV poderá estar disponível a partir do segundo semestre de 2018. Uma vacina que satisfará às necessidades medicais urgentes nas regiões de grande epidemia do mundo e também à necessidade de erradicar as reservas do HIV nos pacientes que recebem tratamentos antirretrovirais.
    O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.
    Ver aqui a publicação na íntegra:http://www.businesswire.com/news/home/20160315006868/pt/

    • Paulo Roberto diz

      Fábio, eu tenho orado a Deus pedindo pela cura, e em especial por esta vacina.
      Sugiro a todos que crêem em Deus que façamos nossas orações incessantemente, pois quem crê sabe o valor que uma oração tem.

  5. Pedro diz

    Tem dias que tudo parece ter um peso maior, uma gravidade maior e como muitos aqui devem passar o mesmo, carregar esse vírus dentro do nosso corpo e se sentir uma Bomba Relógio às vezes não é fácil. Eu sei que muitos aqui vão me relembrar que podemos ter uma vida “normal” e que só lembram do vírus quando tem que tomar o comprimido (todos os dias) , mas a gente esquece de mencionar o quanto é dificil viver se preocupando com o que vai comer, sem poder fazer aquela farra com os amigos e beber bebida alcoolica sem se preocupar, de ter que pegar todos os meses o remédio (poderia sim ter mais centroa de distribuição e que fosse liberado de 3 em 3 meses pelos menos), de ter que fazer atividade física não só apenas por prazer, mas sim para amenizar possiveis complicações, de viver num otimismo sem tim e muitas vezes solitário. Eu vivo uma vida normal sim, sou otimista, perseverante e tenho muita fé que tudo vai dar certo e melhorar para nós soropositivos, mas não me imagino vivendo com esse vírus até o fim da vida, ou por longos anos, pensar nessa possibilidade me desanima, mas sem que eu deixe de lutar. Por mais que tenhamos o melhor tratamento, não me canso de orar pela cura definitiva desse vírus, mesmo estando indetectavel e CD4 1.025, mas n me reduzo à isso.

    Desculpem o desabafo!

    • Charles diz

      Cd41025, sinta-se privilegiado com esse resultado e Pense em coisas boas.

      • Pedro diz

        Meu CD4 não é uma questão de sorte e sim pq eu descobri bem cedo o vírus e em menos de 1 mês iniciei o tratamento, onde nunca deixei de tomar, intensifiquei os exercícios diários, alimentação, e tudo que podia ajudar nessa recuperação, mas digo que não é fácil e nem sempre a gt quer estar com todas essas preocupações. Mas vamos seguindo em frente, sugiro aqui à todos que procurem também cuidar da mente, se apegar às crenças que no final tudo acaba dando certo.

        Não abandonem nunca seus tratamentos, cuidem da saúde do dia a dia e não esqueçam de viver a vida.

    • Marina diz

      Não desanime Pedro.Sou idosa e descobri quando meu marido ficou doente.Não o odiei por isto.Tento levar uma vida normal dentro de minhas possibilidades.Muitas vezes nem lembro que sou soro positiva ..Esta indetectável.Mas procuro não pensar e na hora dos medicamentos,digo a mim mesma que é a pilula da salvação.Pense positivo.Somos milhares.procure levar vida normal.Faça amizades.São só 3 comprimidos ao dia.Pior seria um câncer.Força.Conheço gente que é soro positiva ha mais de 20 anos e nem resfriadas ficam.Coragem.Toca tua vida.

    • Não necessariamente. O que o estudo acima quer dizer é que quem é idoso hoje e tem HIV tem mais chances de precisar de algum medicamento psicotrópico.

        • Alex diz

          Uma coisa interessante é saber se o que causa a maior propensão de doenças mentais é o fato de ter reservatórios virais do HIV no cérebro, ou, se a maior tendência a doenças mentais é causada pelo stress emocional que em grande parte das vezes acomete os soropositivos.

          E no caso de ser pela segunda causa, tbm teria que ser verificado se essas pessoas teriam mais probabilidades genéticas/hereditárias de ter doenças mentais, e então se essas doenças mentais foram desencadeadas com a sobrecarga emocional de ter HIV (que poderia ter sido tbm desencadeadas por outra sobrecarga emocional).

          • Verdes Olhos diz

            Ótimas questões. Também fico com essas dúvidas, quanto aos reservatórios estarem no cérebro e isso nos afetar.

  6. Gledson diz

    Pessoal, e essa gripe aí agora H1N1 mesmo com o cd4 acima de 500 podemos ou até devemos tomar a vacina né? Ando meio preocupado.

    Obrigado.

    • Luiz Carlos diz

      Sim, inclusive soropositivos se encaixam no grupo de risco, em que a vacinação é normalmente feita antes da vacinação para a população geral.

    • Pequena + diz

      Gledson

      Podemos e precisamos tomar 😉
      Assim que abrir a campanha no final de abril, a maioria dos CTA oferece a vacina para todos os soropositivos.
      Caso não esteja oferecendo peça uma requisição ao seu infecto e se encaminhe a um posto de saúde para receber sua vacina.
      Outra coisa, se vc possui carteirinha de vacinação é bom leva-la e na sua próxima consulta mostrar ao seu infecto para colocar as vacinas em dia 🙂
      Espero ter ajudado.
      Um forte abraço Pequena +

  7. Antonio diz

    Olha eu vejo tudo com muito otimismo. O avanço no conhecimento sobre HIV é enorme gente. Se pensarmos em outras doenças mais simples e que atormentam a humanidade há muito mais tempo. Há 20 anos era uma sentença de morte um pessoas com diagnóstico. Hoje é mais simples que muitas doenças. Só tem o efeito psicológico grande. Mas é isso que temos que trabalhar. E viver a vida. Eu sou confiante que a cada dia a perspectiva será melhor, com cura ou sem cura.
    JS obrigado pela a materia. Muito boa.
    Outra coisa pessoal pesquisa é mesmo devagar, embora eu acho que HIV (a pesquisa) evoluiu muito rápido. Embora claro que queríamos que estivesse já a cura até da gripe comum. Mas é um processo que demora mesmo.
    Abraços

  8. Alexandre diz

    KKKKKKKKK! Do caralho. Agora fica todo mundo em pânico. Não entendo. De acordo com alguns aqui a cura num chega até o ano que vem, ou no mais tardar até 2020? Pq esses mesmos se preocupam em envelhecer com HIV? O dinamarquês falou que ainda temos um longo caminho até a cura, daí todo mundo lê aquilo e se esquecem de tudo que pensavam até então. Um cara fala que a CRISP já é uma realidade e que em breve a cura se dará por esse método, e agora escreve aqui que vai ser foda envelhecer com HIV aqui no Brasil. Isso se chama não ter opinião formada. Quer dizer que só pq o dinamarquês disse que a cura está longe, todos acreditam? Ele quis dizer que pelo método dele a cura está longe, e deve estar mesmo. O Panobinostat falhou. Mas e outros tantos estudos? Ninguém acredita neles mais não? Agora a moda é acreditar no dinamarquês, que nem a fase 1 ele começou? Os mesmos que interpretam erroneamente que a deram um prazo máximo para cura até 2020 são os mesmos que interpretam que a cura vai demorar 20 anos pq o estudo dinamarquês fracassou e são os mesmos que dizem que a vacina francesa será a cura em 2018 e que são os mesmos que dizem que o infecto disse que a cura está longe. Pra mim esses já sofrem de loucura desde agora, não precisam ficar velhos, não.

    • Fofa Da Depressao diz

      E vc não sofre de loucura? Afinal vc acha que tem o vírus há anos e até hoje não teve coragem (ou seria Vergonha na cara) pra fazer o teste!!!

    • MB+ diz

      KKKKKKKK….parece a dança da quadrilha .

      ” Olha a cobra….ihhhhh….É Mentira ……Ahhhhh…..”

    • Alessandro diz

      Alexandre, vc acompanha seu cd4, carga viral e ainda não faz uso de medicação ? Oque te fez chegar a essa conclusão de que seria melhor aguardar ? Bom eu não tive escolha, tive que começar pois meu cd4 estava abaixo de 300.

  9. Gente, vamos de vagar para não sofrermos desilusões!
    Vamos nos cuidando que uma hora vai chegar a nossa cura.
    A paz a todos!

  10. Ah! Esqueci de comentar; esse estudo começou em 2006 e ensaios em macacos indicaram que não haviam reservatórios virais em 2007.
    Portanto o estudo da vacina é promissor, porém vamos encarar com cautela.
    Grande abraço amigos!

  11. LV Antônio diz

    Pessoal não fiquem mal! O que importa é que temos a oportunidade de viver com as tarvs!

    Aproveito, após um mês de exposições de risco tosse seca persistente pode configurar uma infecção aguda? Sem febre, apenas tosse e dor de cabeça?

    Obrigado

  12. Zen diz

    Devemos considerar também que esses idosos hoje estudados ingeriam muito mais remédios do que temos hoje, e que ano a ano novos medicamentos surgem. Minha grande esperança é Dolutegravir como monoterapia (inclusive sendo tomado 2 ou 3 vezes por semana – já quele supostamente não gera resistência do vírus) ou a vacina de 2 em 2 meses. Ficaria feliz já. Menos toxinas pro corpo, mais qualidade de vida. É esse progresso que vimos desde a década de 80. Hoje são três componentes que a maioria toma, daqui uns anos podem ser dois…ou apenas um…ou uma vacina mensal. Veja que o grande desafio é a adesão e manutenção ao tratamento. É muito melhor pro governo ter as pessoas infectadas indetectáveis, pq sabe-se que o risco de transmissão é quase nulo. Mas, pra isso, os remédios tem que se tornar cada vez mais fáceis de serem administrados. Essa vacina creio ser a maior descoberta de todos os tempos. É muito fácil manter uma população de hiv+ indetectável com visitas ao posto a cada dois meses pra tomar uma injeção do que ter que ir todo mês buscar remédios que depende da nossa disciplina pra ingeri-los todos os dias.
    Que o universo ilumina cada vez mais a mente de nossos cientistas! E mesmo que a cura demore, pelo ou menos que os medicamentos melhorem.

  13. Ser+H diz

    Muita informação traz o vazio do excesso. Meu foco é estar sempre INDETECTAVEL e CD4 acima de 500. Quantos de vcs hj tem uma vida mais regrada sendo soropositivos comparada à época que desconheciam o diagnóstico? Quantos jovens se entopem de drogas e álcool sem mensurar as consequências? E agora usam até o gás de buzina kkkk. Escolhi viver cada dia, sem vincular minhas realizações a uma suposta futura cura. Ela virá ao seu tempo. Enquanto isso vivo bem sem que o HIV me domine. Tenho consciência que tenho uma doença crônica mas que tem tratamento. De resto viver a vida. Sei que meu organismo derrota o HIV que está escapando dos esconderijos para o meu sangue. Só isso já me deixa confiante de que sou maior que esse virus.

  14. Gil diz

    Domingo recebemos um casal de amigos em casa. É um casal homoafetivo e sorodiscordante. Vieram conversar, rir… e nos contaram, a mim a à minha esposa, sobre esta questão de um deles ter HIV. Sabem de minha sorologia, mas não sabíamos da dele(s). Nos conhecemos há um ano, numa festa e, de lá pra cá, sempre saímos para as praias e eventos. Faz 22 anos que o XXXX tem o HIV. Ele passou momentos difíceis, mas depois da medicação, está bem, tem 45-46 anos, saudável e forte, mesmo bebendo um pouco e fumando uns 4-5 cigarros/dia. Indetectável. Comentou de diversos amigos que ele tem, que são companheiros de luta contra HIV, nestes 22 anos, todos vivos e bem de saúde, ou com doenças que “todos” acabam tendo, menos quem parou com a TARV, que vieram a falecer ou ficarem muito mal, até conseguirem resgatar.
    Ele mostrou efeitos da época que a medicação causava lipodistrofia, na perna e no rosto, onde fez intervenção cirúrgica com metacrilato. Não tinha notado. Hoje, não temos mais este efeito. E, se tivéssemos, ainda assim viveríamos com TARV, mas de um jeito pior… já não é assim!
    Minha crença/esperança é esta: que possamos viver e com saúde estarmos para quando a vacina chegar, quando novas medicações chegarem, pudermos nos recuperar dessa infecção, nos curarmos.
    Vai dar certo. Não levará 20,22 anos. Se levar, que possamos ficar bem.
    O que meu amigo falou é que o HIV para ele, ajudou-o a ver o verdadeiro valor da vida, que ele melhorou enquanto pessoa, enquanto homem, enquanto profissional.
    É uma visão bacana, inspiradora. Talvez este amigo soropositivo esteja lendo, agora, indiquei o blog a eles… resolvi contar este papo para ajudar a muitos que esperam tanto, para que vivam o momento, o hoje, pois temos provas MUITO BEM vivas de que é possível viver bem com HIV.

  15. Gaúcho27a+ diz

    Bom dia JS, atualmente venho desenvolvendo um estudo antropológico, através de uma pesquisa etnográfica, com idosos soropositivos em uma cidade do extremo sul do RS. Venho avaliando, principalmente, alguns problemas que surgem junto ao diagnóstico, como depressão, isolamento, estigmatização e discriminação, que podem levar a eventos traumáticos de vida e causar impacto negativo e progressivo no curso da doença. Após a conclusão do estudo, posso partilhar os dados caso haja interesse…a defesa da dissertação será em breve! Grande abraço

    • Gil diz

      Tenho MUITO INTERESSE em saber os resultados de sua pesquisa. Entre em contato quando concluir, por favor!

  16. Paulo Roberto diz

    É, gente… parece que a terapia genética (ou gênica) está fazendo muita fumaça… E onde há fumaça, há fogo!
    Dr. Khalili tem sido muito requisitado ultimamente.
    Vamos aguardar. Será que em dois ou três anos teremos a cura para esse mal???
    http://temple-news.com/news/searching-for-a-cure-to-hiv/

    Como eu disse, onde há fumaça, há fogo.
    E eu espero que outros laboratórios entrem também na “corrida”.
    Abraços
    Paulo Roberto

      • Paulo Roberto diz

        Claro que li, Alexandre.
        Por que a pergunta?
        Aliás, eu não tenho condições financeiras para ir para a Dinamarca e não iria para o Canadá nem em pensamento – DETESTO neve!
        Então, o jeito é ficar no Brasil, mesmo… e aguardando a tão sonhada CURA. Dentro de dois anos, mais ou menos, segundo o dr Khalili, não é?

        • Alexandre diz

          Dentro de 2 ou 3 anos ele quer começar os ensaios clínicos. Essa cura aí vai demorar mais de 15 anos, Paulo Roberto. Quem me dera que estivessem falando em cura definitiva para daqui 3 anos, quem me dera!!!

          • Paulo Roberto diz

            Alexandre, acredito que, se tudo der certo, eles vão, sim, começar os ensaios clínicos muito antes do que esperam. E, tendo sucesso nos ensaios, rapidamente isso vai estar sendo usado por todos nós.
            Lembre-se que essa fase da pesquisa, agora, depende de dinheiro… E dinheiro para este tipo de pesquisa, é o que não pode faltar.
            As coisas não são mais como eram antigamente, Alexandre… O AZT, entre sua descoberta e seu uso, demorou, salvo engano meu, “apenas” seis anos, lembra?
            Hoje temos avanços tecnológicos que permitem agilizar todo o sistema, o que não existia antes.

            • Alexandre diz

              Paulo Roberto, sinto muito em te dizer que vc está totalmente equivocado. Infelizmente a fase 1,2A,2B, 3 e 4 têm de ser respeitadas. Isso demora no mínimo 20 anos. O AZT, ao contrário do que vc disse, foi liberado muito mais rápido do que hj em dia se libera um medicamento pra HIV, novo. Antigamente as pessoas estavam morrendo, e a liberação se deu em menos de 6 anos. Salvo engano 4 anos, no mundo inteiro.

  17. Paulo Roberto diz

    Me ocorreu um pensamento, agora: ainda não ouvi dizer que o JAPÃO tenha algum estudo sobre a CURA do HIV.
    Não me lembro de ter visto algo sobre o Japão nessa corrida, e logo uma nação tão avançada!!!
    Estarei desinformado?
    O que acha, JS???

  18. carlos diz

    Pessoal, fala serio heim!! Muito mimimi…Todos aqui ficam só se apegando a noticias ruins! Vamos viver a vida esquecendo do futuro, que não é certo nem para soro+ e nem para soro-. Conheço um monte de gente hiv+ vivo, feliz e um outro monte hiv- morto por cancer, acidente, infarto do miocardio etc… O fato de vcs não terem o virus não é garantia que vão envelhecerem saudaveis não! Poxa, cada comentario que vejo aqui de autopiedade que é foda!! Faz assim amigos que vão falar asneiras por aqui: Quando estiverem tristes, desanimados com sua sorologia, deem um pulinho no hospital do cancer, de preferencia na ala infantil e verão como sairam de la melhores, mais felizes e saudaveis! Desculpem meu desabafo, mas acho que quem reclama hoje deveria ter pego a doença nos anos que não tinham tratamento, ai sim teriam razão em reclamar. Sou soro+ a muitos anos, vivo super bem, meus exames excelentes, sem diabetes, sem colesterol alto, sem nada..apenas usando a TARV e fazendo exercicios 6 x na semana, alimentação saudavel e vida que segue. Parem de ficar reclamando sem ao menos fazer nada, só esperando a morte chegar. Isso é pecado, tendo em vista tantos que morreram sem ao menos terem uma chance na epoca em que não existiam tratamento. Agora que existe, é gratuito muitos ainda reclamam??? Desculpem o desabafo mas tambem passo a mesma coisa que vcs, e querem saber, minha vida hoje é bem melhor do que quando eu não tinha a doença. Vou morrer?? Logico que sim!! Quando??? Ai da mesma maneira que um soro negativo não tenho essa resposta! Quem se sente triste, depressivo precisa procurar ajuda…reclamar não adianta nada, só piora a situação! Pensem nisso! Abraços a todos!!

    • Paulo Roberto diz

      Carlos, nem todo mundo aceita isso como “normal” em suas vidas.
      Eu, por exemplo, alterno momentos de intensa tristeza com momentos de alegria – em especial quando temos boas notícias.
      Que vamos morrer, isso é uma certeza. Mas quando e de quê, ninguém sabe… concordo contigo, neste ponto.
      Hoje mesmo morreu uma médica em minha pequena cidade.Veja bem, uma médica.
      Se sentiu mal na Semana Santa, foi internada, com dor de cabeça e febre, fez vários exames, pensaram que fosse dengue, zica, chicungunya, tudo negativo, e ela veio a falecer hoje.
      Ela tinha um verme no cérebro. Sim, um verme, desses que a carne de porco transmite!
      Só depois de falecida é que deram o diagnóstico!
      Veja bem: médica, trinta e cinco anos, casada, não fumante e praticante de esporte.
      Realmente, não sabemos quando vamos morrer.
      Mas acredito que ninguém fique feliz por saber que é soropositivo, mesmo com todo o avanço da medicina neste sentido.
      As pessoas não são iguais, Carlos, e nem todas pensam na “parte boa”, se é que existe parte boa neste assunto.
      E, quanto ao “não fazer nada”, o que podemos fazer?

      • Verdes Olhos diz

        Concordo totalmente contigo, Paulo Roberto. E esse papo de “minha vida hoje é bem melhor do que quando eu não tinha a doença”, eu acho nada a ver. E até mereceria alguns estudos psiquiátricos/psicológicos (já devem existir vários). Quer dizer que a pessoa era infeliz, antes de receber o diagnóstico? Aí a vida fica melhor porque o indivíduo recebe o diagnóstico de que tem uma doença incurável e que necessita tomar remédios todos os dias, pelo resto da vida? Por favor…
        Pessoalmente, pra mim, a única parte boa disso tudo vai ser quando (e se) anunciarem a cura. Acho que vai ser uma felicidade única, algo como ganhar na loteria ou nascer de novo. Quando estou triste pensando nessa porcaria de vírus, me “consolo” pensando na alegria que vou sentir quando for anunciada a cura (esterilizante ou funcional). Será uma alegria que só quem passa por uma situação muito difícil, e sai inteiro dela, consegue sentir.
        E realmente não sou a favor do conformismo, não. Se nós estamos insatisfeitos com o estado atual do tratamento do HIV/AIDS, temos mais é que reclamar e falar sobre isso.
        De minha parte, só vou me contentar quando forem desenvolvidas curas ou vacinas. O resto é paliativo.
        Abraços a todos.

        • Paulo Roberto diz

          Oi, Verdes Olhos…
          Eu também só vou me contentar quando forem desenvolvidas curas ou vacinas.
          Como já postei aqui, já fiz maluquices imensas atrás de tudo o que diziam que curava.
          Hoje estou menos afoito. Mas continuo aguardando, dia após dia, a tão sonhada cura, esteja ela onde estiver e seja do jeito que for.
          Penso da mesma maneira que você.

        • André diz

          Será que a única parte boa será quando anunciar a cura pra vc? Será que se demorar a aparecer e quando tiver vc estiver bem velho, acabado por não ter vivido os anos que passou só esperando a cura chegar, vc vai realmente ver a cura como algo bom?
          Viva o HOJE que o AMANHÃ a Deus pertence.
          Claro que a vida não é nunca vai ser “normal” como antes, mas viver de se lamuriar só afasta as pessoas de nosso convívio (algo que não queremos) e nos arrasta pra uma depressão que pode não ser reversível. Reflita.

          • Paulo Roberto diz

            André, me mostre a “parte boa”: eu fui diagnosticado há vinte e dois anos, quando não havia nem o AZT.
            Perdi carreira, perdi amor, perdi amigos e família.
            Tive que me reconstruir sozinho. Longe de tudo e de todos, sem apoio, sem medicamentos até há alguns poucos anos.
            Se a “parte boa” nisso tudo forem os medicamentos, que hoje me mantém vivo, então eu posso concordar – em parte.
            Mas diga a quem passou pelo que eu passei que o HIV tem uma “parte boa”…

      • Triste + diz

        Paulo Roberto…. Parabéns.
        Vc tem o meu respeito.
        Vc sabe diferenciar as coisas, entender e respeitar os sentimentos de cada pessoa. Tiro meu chapéu pra vc.

        • Gil diz

          Concordo. Paulo Roberto respeita, é sensato, coerente, polido e educado. Tem gente que até pode ter razão na sua argumentação, mas peca pela grosseria, pela forma de querer ser dono(a) da razão. Paulo, mesmo quando recebe cusparada, sai por cima… Admiro muito!!
          Tem gente que precisa de autopiedade. Se não serve, não curte, não dá bola. Tem gente que é otimista, tem gente que alterna, gente pessimista… somos humanos e suscetíveis às variações emocionais, de opinião, de medo, de incerteza…. Tem gente, sim, que está melhor hoje, sendo soro+, do que antes, quando não se cuidava, nem pensava na vida…
          E saber respeitar as diferenças, só faz bem a mabas as partes.

          • Paulo Roberto diz

            Gil, juro que, assim que eu puder, irei pessoalmente te visitar e levar meu abraço!!!
            Te amo muito, amigo!

        • Paulo Roberto diz

          Amigo (a),
          Descobrir o HIV foi uma experiência traumatizante para mim. A forma como descobri, as consequências disso, foram, realmente desastrosas em minha vida.
          Porém, me fez ficar mais humano, mais solidário, e fez com que eu me aproximasse mais de Deus.
          Enfim, não sou “o cara”, nem pretendo ser. Mas faço questão de ser melhor HOJE do que fui ONTEM.
          Sei que às vezes sou até ridicularizado por crer que Deus pode TUDO.
          Não tem problema. Sigo como sou, sem me importar para críticas.
          Vamos juntos vencer esse mal!
          Tenho confiança de que a Biosantech irá disponibilizar em breve essa vacina para todos!

      • Triste + diz

        Paulo Roberto…. Parabéns.
        Vc tem o meu respeito.
        Vc sabe diferenciar as coisas, entender e respeitar os sentimentos de cada pessoa. Tiro meu chapéu pra vc.

  19. Felipe diz

    Sou de Recife, faz três meses que comecei meu 3 em 1… Tenho tantas dúvidas, tantas… O meu primeiro exame de carga viral e CD4 ainda não chegou e tem quase um mês que fiz, no posto onde pego a medicação uma paciente me disse que já ficou em falta várias vezes… Tinha o sonho de me tornar médico hoje já não sei se devo ir por esse caminho, leio os comentários de vocês faz uns dois meses e não me animo… Corri pra fazer um plano de saúde, mesmo que modesto pra não ficar tão a mercê do SUS… Não tenho mais paz. Se vocês tiverem algum grupo ou alguém aqui de Recife quiser manter uma troca de informações eu agradeceria muuuuito. Tô sozinho nessa batalha… Já descobri a doença depois que tive problemas intestinais e perda de peso… Tô me recuperando ainda. Bom, vou passar a interagir mais com vocês porque aqui pelo menos eu não sinto o peso do mundo ao meu redor. Um abraço.

  20. Paulo Roberto diz

    Felipe, você não está sozinho nessa batalha.
    E mais: por que motivo desistir do seu sonho de fazer Medicina?
    Eu desisti dos meus projetos, Felipe… E hoje, se tivesse seguido com eles, com toda a certeza, estaria bem melhor.
    Entenda: é difícil, sim, mas faça que seja só um detalhe. Um detalhe IMENSO, mas um detalhe.
    Não desista dos seus projetos. Siga com o seu objetivo, sim!!! A VIDA, meu amigo, não acaba por causa de um vírus que, hoje, é controlável, e sim, quando nos rendemos às dificuldades.
    Abraços. Seja feliz e obtenha sucesso na carreira que você escolheu.

    • Felipe diz

      Tenho medos, de me descobrirem, de trabalhar num hospital e por isso ser mais suscetível a pegar infecções… Procurei tanto e não achei nada que proiba alguem com HIV de trabalhar na área da saúde mas pode ter passado algo batido por mim… É tudo muito novo. Menos de 6 meses entre o diagnostico e hoje… Tô pensando bastante ainda. Obrigado pelo apoio.

      • D_Pr diz

        Felipe, aqui no blog temos médicos soropositivos que sempre comentam, que podem te esclarecer que dá pra tocar o barco em qualquer profissão você escolher, principalmente nessa linda profissão! Com certeza será um valoroso médico, maduro e com valores que muitos dos seus colegas jamais terão!

        Temos médicos, engenheiros, advogados, professores, policiais, bombeiros, políticos, funcionários públicos, hippies que viajam pelo mundo…o HIV não escolhe credo, classe social e profissão!

        O fato é que hoje, o HIV não proíbe ninguém de trabalhar em profissão que seja, quem nos coloca limitações somos nós mesmos, mas esses fantasmas são internos, e precisamos acender a luz para mandá-los embora.

        Você pode e deve fazer uma proposta para si mesmo que essa condição não o impeça de seguir seus sonhos, como disse o colega!

        Fique bem!

      • Paulo Roberto diz

        Felipe… Até você se formar, talvez já tenham descoberto a cura, a tão sonhada cura…
        Não desista dos seus sonhos.

        • Felipe diz

          Vou me entregar aos meus começos sem nem pensar nos meus finais. Obrigado pelo apoio, vou interagir mais com o site.

          • Alex diz

            Oi Felipe, eu entendo vc, se quiser conversar pode deixar kik ou Skype que eu te add. E quanto a fazer medicina, não tem problema, existem vários médicos que possuem o vírus, que contraíram antes ou após o curso. Abs.

            • Felipe diz

              Criei uma conta no kik, não sabia da existência desse App rs. felipeprado03 o nome do usuário. Fiquem a vontade para me add.

  21. Joseph diz

    Quanto drama nos comentários. Várias pessoas se lamentando por ter HIV e dizendo não aceitarem. Vocês já precisam de psicotrópico desde já, nem vão precisar chegar na velhice pra isso. O site é feito pra orientar portadores, e não definir suas vidas. Se vocês definem a vida de vocês, através de um site, pelas notícias aqui postadas, vocês já estão doentes e isso não é questão de ter ou não o vírus.
    Por favor, antes de destorcerem a realidade e postarem a infelicidade de vocês com a vida, lembrem que tem pessoas recém-diagnosticadas lendo.

  22. Paulo Roberto diz

    Joseph, você está receitando psicotrópico com base em quê?
    Você é um psiquiatra, para fazer isso?
    Cada um tem uma opinião, e creio que a sua seja a de que contrair HIV é como ganhar um prêmio cobiçado, é isso mesmo?
    Acho que ninguém aqui está DIStorcendo a realidade, e sim, contando suas experiências, boas e más.
    Os novos soropositivos precisam saber a VERDADE, de modo que entendam que, apesar de tanto “drama”, como você diz, não estão sozinhos na luta!
    Agora, dizer que nós estamos doentes, é muita falta do que fazer, não é não?
    Acho que quem está doente e precisa urgentemente de um psicólogo é justamente quem tenta dourar a pílula e nega os fatos – esse sim, vive no mundo maravilhoso da Alice.

    • Triste + diz

      Paulo mais uma vez PARABÉNS.
      Esse detalhe da sua postagem ” DIStorcendo” foi fantástico. Daí percebe o nível cultural de ” alguns” que pensam ser sempre os próprios sábios.

  23. Charles diz

    Como sempre digo, tomem sempre os remédios que viverão até o fim, e orem para ter um milagre, porque na terra só enchergamos ganância, orgulho, preconceito, inveja e outras bizarrices e todos nos inclusive eu somos iguais porém uns aparentam mais e outros menos. Ah e quer viver na solidão, basta contar a um conhecido que tem HIV.

  24. FG- PR diz

    Povo louco, ficam brigando por nada kkkkkk, acho melhor vcs viverem a não ficarem reclamando da vida, afinal ela é curta independente de ser ou não soropositivo.

  25. Homem23:55 diz

    Não acho que estao brigando.
    Estão se ajustando.

    “Como as pedras de um rio, que mais proximas de sua nascente são ponteagudas e ao descerem pela sua foz vão ficando mais polidas.
    É nos atritos que nos transformamos!”

    Obrigado pessoal, tenho aprendido muito com todos.
    E o tal do ģrupo no KIK?
    Alguem pode me add?

    Kik: homempositivo

    obrigado

    • Paulo Roberto diz

      HOMEM23:55, sempre SÁBIO, sempre usando as palavras mais certas!
      Caramba… um dia quero encontrar você, assim como muitos outros aqui, pessoalmente, para abraça-los e dizer que somos mais que amigos, somos irmãos!
      Os acontecimentos ruins unem as pessoas. Que estejamos unidos também quando tudo isso passar!

  26. LV Antônio diz

    Olá pessoal!

    Comecei a tomar o 3 em 1 hj a noite. Interessantes foi colocadrealizada em minha mente que, a partir de hoje, nasci novamente.

    Não vou pensar em daqui há 5 10 ou 20 anos; vou pensar positivo, garantir uma boa qualidade de vida e viver como antes da sorologia.

    Acredito na espiritualidade e que todos morrem por algum motivo pré determinado. Então, vida q segue e cada dia é uma vitória. Saúde todos nós temos; o que precisamos é nos amar mais.

    A vida mundana nos ensina o bem e o mal; a espiritualidade nos ensina que tudo tem seu tempo e que tudo dará certo. Confie!

    Claro, tive e tenho dias de angústia pois meu namorado ainda está no processo pós pep e não temos uma conclusão sobre sua sorologia. Isso o deprime e me angustia, mas preciso ser forte.

    Ele não vai continuar aqui mas eu vou. Com fé e com amor próprio, que antes não tinha.

    CV 1828 cd 431. Serei indetectável, assim seja.

  27. LeozinhoRoots diz

    Boa noite pessoal, ano passsado tomei a vacina de gripe na particular no mês de maio. Devido esse surto de H1N1 aqui em SP gostaria de tomar logo em abril. Será que é possível ou devo esperar o mês de maio para fazer 1 ano? Obs: tomei na particular pois ela imuniza 4 cepas de vírus, e a do sus imuniza 3.

    • Luiz Carlos diz

      Não precisa esperar, e as cepas da vacina de 2016 são diferentes da 2015. Só tem que tomar cuidado porque como as vacinas ainda não estão prontas, tem alguns laboratórios oferecendo vacinas com as cepas do ano passado, que não adianta nada se você tomou a vacina ano passado… O melhor é esperar a orientação do governo, até porque temos preferência pois nos enquadramos no grupo de risco. Depois, se você quiser, pode tomar a particular também, caso nesse ano o número de cepas seja diferente.

  28. Joseph diz

    Utilizar erros de digitação como forma de argumento é tão infantil. E meu, querido, a questão aqui não é de opinião. A questão é que muitos frustados com as próprias vidas, estão colocando a culpa no hiv e esquecendo que ele é somente um vírus, e não uma história toda. Sinto muito por esse tipo de pessoa.

    • Gil diz

      Sair julgando as pessoas, depreciando é uma forma de agressão. Uma forma de se sentir bem, de se distanciar daquilo que pensas ser o errado, por se apropriar de uma suposta certeza. Mas se sentir bem depreciando, desrespeitando, tripudiando… será algo bom, saudável, normal e, sobretudo, ético numa fala coletiva?
      Quem sabe esta ideia da medicação psicotrópica apontada ao outro não seja mesmo uma fala a si mesmo?
      Aqui as pessoas se sentiram à vontade para desabafar, falar de suas dores, falar de suas esperanças, de seus anseios, pegarem opiniões e conselhos, interagirem, fazer amigos… Muitas vezes damos risadas…
      O JS nunca regulou ninguém, ele, que é dono do blog e que poderia mediar ou proibir discussões, lamentos, etc.. e não faz… aí, vem outros que curtem ofender, que devem se sentir bem cortando o barato dos outros… Como diria minha saudosa Vovó: QUE FEIO!

      • Paulo Roberto diz

        Amigo Gil.
        Eu louvo a Deus e agradeço pela vida do JS. Ele teve a coragem que eu não tive, e este blog é uma bênção para todos os que querem desabafar em busca de apoio.
        Agradeço a Deus ter encontrado pessoas também como você, amigo dileto e fiel, com quem eu passaria horas conversando sem me entediar.
        Hoje, passados tantos tempo do meu diagnóstico, me arrependo apenas de não ter seguido à frente com meus projetos.
        Mas os tempos eram outros. Por isso, talvez, as pessoas não entendem certos conceitos.
        De qualquer forma, eu jamais deixei de correr atrás de uma cura. E esse é o meu objetivo até hoje. Busco, incansavelmente.
        E com isso me tornei uma pessoa melhor, pois há quem se torne amargo e insensível diante da própria dor; e há também aqueles que se negam a enxergar a realidade e pintam tudo das cores que acham que “fica melhor”.
        A realidade está aí. Quem quiser, que a viva. Quem não quiser, que a pinte com as cores que desejar, sabendo que estará maquiando algo feio para ficar bonitinho. O problema é que a tinta não dura para sempre.

  29. Joseph diz

    A questão é que postaram aqui como se tratasse de uma verdade absoluta “ser soropositivo não é bom, e não dá pra viver normal e com expectativa de vida normal” foi o pensamento deixado. Agora, se imagine na situação de um recém-diagnosticado, como ficaria a cabeça ao ler sobre isso aqui. Ainda mais no rapaz que fez referência a suas herpes e tudo mais e o outro que falou que quando “descobrem sua sorologia, se afastam”.
    Acho que aqui é feito sim para falar sobre medos e o que queira falar sobre o HIV, mas de uma forma sem impor o seu sofrimento, como regra.
    Tenho HIV há um ano, no começo foi difícil sim pelo estigma criado por mim, na cabeça, não vou mentir. Eu tive apoio total do meu namorado da época. E continua sendo difícil em alguns raros momentos, quando estou “mal com tudo”, como todos tem seus momentos assim. Mas agora, vir dizer que o HIV domina minha vida, já é outra coisa. Só tive uma relação sem preservativo, já imaginou se eu viesse aqui culpar Deus e o mundo pela minha vida?
    O que está bem claro é que o hiv não vai determinar minha expectativa de vida, minha profissão, meus relacionamentos, meu estar bem ou não. Cada um deve usar seus problemas da melhor forma, no caso do HIV, me serviu para aumentar meu amor próprio, meu foco nos meus objetivos, melhor cuidado com a saúde e aproveitar mais quem eu amo e a mim. Agora, vir para um forum, querer lamentar pela própria vida, e usar o HIV como alvo/causa de seus problemas, é desmotivante e desnecessário para quem foi recém diagnosticado. E é isso que tá sendo feito, e não sendo falado sobre seus medos sobre o HIV, mas a vida em geral só que como causa de tudo o HIV.
    Esse é meu ponto de vista, porque todos aqui, um dia, já fomos “recém diagnosticados”, e com toda certeza, sabemos que a forma que vemos o HIV no ínicio é determinante.
    Eu bebo, saio com meus amigos, faço atividades fisicas, como porcarias, mas tenho ótima alimentação no geral, beijo, transo, durmo tarde e tô muito bem, obrigado. Agora, me diz, isso não é vida normal? A cura, seria maravilhosa, mas não vivo esperando isso, porque sou eu quem determino a minha vida e não supostas notícias de cura.
    Usar HIV para justificar a causa de seus problemas, não os resolve, só tira sua responsabilidade sobre eles.

    Abraços.

    • Paulo Roberto diz

      Joseph, entenda: o que é normal para você pode não ser normal para outros.
      Aqueles que são recém-diagnosticados têm os mesmos dramas que muitos aqui.
      Precisam saber que tem pessoas que se sentem como eles, que ficam tristes, que buscam soluções. Precisam saber, por exemplo, que eu me arrependo muito de ter parado meus projetos, para que eles não parem os deles.
      Para você, vida normal pode ser beber, transar, fumar, comer porcarias, o que seja…
      Mas para muitos aqui, vida normal é não ter que esconder nada dos outros, por medo do preconceito – como eu.
      O conceito de NORMAL neste caso, varia muito, é pessoal.
      As pessoas precisam saber da verdade. Senão, elas se sentirão excluídas, como se só elas tivessem o pressentimento de uma espada sobre sua cabeça e os outros não.
      Precisam saber que temos medo e lutamos para vencê-lo, para que elas também tenham força para vencer isso.

      • Joseph diz

        Eu não acho que você tenha conseguido interpretar direito meu conceito de vida normal ou quis tentar me ridicularizar, baseado em seu moralismo. O que eu quis dizer, é que vida normal é poder fazer de tudo que todos fazem, mas dentro dos limites.
        E a questão aqui não está sendo compartilhamento de tristeza, mas imposição de tristeza. Vocês estão ditando como quem tem HIV vive, e isso é pesado para quem está chegando agora e até mesmo pra quem já está aqui há muito tempo.
        E questão de preconceitos, infelizmente, todos nós sofremos. Já sofri bullying por ser afeminado na infância, por ser gay quando adolescente, já tive sindrome do pânico, depressão e por último, ninfomania que me levou ao limite – ao hiv. Dar espaço ao que os outros pensam ou agem com você, em qualquer coisa que você tenha, é péssimo. Você tem que impor pra você mesmo “eu sou assim, e isso que falam de mim, não é o que eu sou”, como eu estou impondo agora, quando vocês insinuam que viver com hiv é uma vida de tristezas. Seja você, não seja o que os outros falam de você.
        Não dê espaço para preconceitos, não seja criador de preconceitos (como o de que viver com hiv é triste) e tenha autoestima/autocofiança. O hiv é um diagnóstico, não é uma vida toda! Sua história é maior que um vírus, você é maior que um vírus.

        • Paulo Roberto diz

          Oô, Joseph… Eu jamais ridicularizaria você. Aqui nem é o espaço adequado para isso e não faz parte do meu caráter.
          Só que o seu conceito de NORMAL é diferente do meu.
          Não, não podemos aceitar o HIV, como você quer parecer que aceita. Ansiamos pela cura – VOCÊ NÃO?
          Deixa eu te contar um pouquinho de mim para você entender melhor:
          Desde o momento em que fui diagnosticado, perdi a carreira pela qual tanto lutei, perdi o apoio da família, perdi o amor, e tive que me reconstruir sem o apoio de ninguém. Até os amigos se foram. Tive que me mudar de cidade para ter um pouco de paz.
          Isso é frustrante. Mas não aconteceu contigo. Então, você não pode mensurar o que é que EU penso e sinto, porque você não sabe o que eu passei e não passou pela décima parte disso tudo.
          Para a maioria das pessoas, conviver com o HIV é realmente frustrante.
          Se contigo é diferente, parabéns!
          E, dizer que eu sou MORALISTA, isso sim, é a prova da sua total ignorância a meu respeito.
          Aceito as pessoas como elas são. Mas não posso admitir que tentem colocar todos os outros no pedestal que elas imaginam estar.
          Conviver com o HIV é TRISTE, sim, mas precisamos saber que há esperança, há tratamento. E mais: há a possibilidade de cura para os próximos anos.
          Me desculpe, mas eu não sinto a alegria que você sente, por ser portador do HIV. Nem ninguém é obrigado a sentir a tristeza que eu sinto.

      • Verdes Olhos diz

        Exato, Paulo Roberto. As pessoas podem se sentir excluídas, achando que estão “erradas” por terem angústias devido ao fato de serem portadoras. Por isso que eu não compro nem reproduzo esse papo de “minha vida é melhor depois do diagnóstico”. A minha vida não é uma tragédia, mas certamente era bem mais LEVE antes. E concordo contigo também quanto a essa ideia de “normalidade”. Eu acho bem “anormal” e desconfortável a gente ter que ficar levando uma vida dupla, escondendo essa situação até para pessoas bem íntimas (como, por exemplo, nossos familiares). Pra mim, isso não é exatamente uma “vida normal”. Embora, como eu disse antes, também não seja uma tragédia. Nem 08, nem 80.
        Poderia ser pior? Podia, sem dúvidas. Mas pode – e deve – ser melhor.

    • LV Antônio diz

      Gostei do seu comentário Joseph.

      Fui recém diagnosticado e ontem comecei meu 3 em 1. De tanto as pessoas falarem que tem pesadelos e outros sintomas, fiquei com isso na cabeça.

      Mas, ao deitar, mentalizei: chega, eu me amo e não quero isso p mim. Quem comanda meu corpo sou eu chego minhas atitudes.

      E tive logo um pesadelo com o meu chefe! Kkkk ela me enchendo de trabalho e não me dando paz! Na boa, isso é sinal de vida longa kkkkkk.

      Como as pessoas pensam diferente, nem todas conseguem ver alegria mesmo em momentos ruins. Eu não vou me render e quando chegar minha hora, Deus leva!

      Valeu!

      • Joseph diz

        Arrasou! Hahaha.
        É isso mesmo. Você vai ficar bem. O hiv é um companheiro indesejado. Estou há 1 ano nessa caminhada, e meu aprendizado comigo mesmo e com a vida foram enormes. Cresci 10 anos em 1. Prepare-se para o melhor que o melhor sempre chega e continue vivendo sua vida e sonhando porque ela tá longe do fim!
        Felicidades pra você e muita coragem em tudo que desejar.

      • Paulo Roberto diz

        LV Antônio,
        Você foi diagnosticado há pouco tempo, não é?
        Pois é o que eu disse: Para quem não perdeu nada com o HIV, a vida pode até seguir aparentemente normal.
        Você tem sua carreira (eu perdi a minha), você tem sua família (a minha se afastou) e seus amigos (os meus já não os tenho mais).
        Tenho a certeza de que quando vier a cura, muita gente vai querer voltar ao meu convívio. Mas eu não me esquecerei do que passei.
        É muito diferente ser diagnosticado hoje e ter sido diagnosticado há anos, quando não havia NADA – só a sentença de morte.
        É muito diferente você saber o motivo da sua contaminação – eu não sei, pois jamais transei sem camisinha e tinha parceiro fixo havia anos!
        Posso ter sido contaminado até mesmo por vários socorros que fiz, ao longo da minha carreira, quando chegava todo ensanguentado de uma ocorrência – com sangue de gente que sequer conhecia.
        Entenda que as coisas, hoje, são diferentes.
        Hoje eu não desistiria dos meus planos. Hoje eu não teria perdido minha carreira, só para começar.
        O tempo passa, e a cura está vindo por aí… Pelo menos, hoje, temos o medicamento.

    • Ricardo. diz

      a sua expectativa de vida sim esta afetada pq esse veneno chamar 3×1 causa efeito colateral

  30. Luna diz

    Eu acredito que a forma como encaramos essa situação vem da nossa própria personalidade , a descoberta do vírus não faz alguém que era feliz se tornar infeliz e vice versa.
    É dificil? É. É triste? Sim.
    Eu mesma , descobri há 4 meses e alterno momentos de esperança com momentos de extrema angústia.
    Porém, tenho a consciência de que esse vírus não pode nem deve determinar nossa infelicidade, é tudo questão de cabeça.
    Tentar absorver algo de tudo isso , tentar sim nos tornar seres humanos melhores.
    Pra mim , foi um “freio “. Eu era mto intensa , vivia procurando emoções, era meio inconsequente.
    No meu caso , oque mais pesa é que sempre prezei mto a liberdade de escolhas ,odeio empecilhos (aquariana ,rs ). Então isso me entristeceu mto , pq não posso mais me relacionar com quem eu quero , o sonho de encontrar um grande amor ficou abalado , se quiser engravidar vai ser mto mais difícil etc
    Por isso ,sonho sim com a cura, com o bônus de que se ela vier terei me tornado uma pessoa muito melhor ,sim.
    Beijos de luz em todos.

    • Paulo Roberto diz

      Luna, estou escrevendo MUITO no blog ultimamente, porque estou licenciado por três meses, por causa de uma cirurgia.
      Eu, quando fui diagnosticado, parei com todos os meus projetos, achando que seria a melhor opção.
      Tranquei matrícula na faculdade, e, sem perceber, acabei trancando a minha própria vida.
      Hoje, eu não faria isso.
      Por favor, não desista dos seus sonhos. Se tiver que ficar sozinha por uns tempos, que seja assim – e que seja feliz.
      Não coloque a sua felicidade nas mãos de outras pessoas.
      Espere que a cura virá, sim… mais algum tempo e ela chegará.
      Lembre-se de quem não teve a sorte de ter os medicamentos que temos hoje.
      Vamos procurar a serenidade. Sei que é difícil, mas nesse momento é crucial termos a serenidade como moradora do nosso coração e da nossa mente.

  31. Paulo Roberto diz

    Ah, que pena… Eu não falo russo! Aprendi Inglês, Espanhol, Italiano, um pouco de Alemão e Francês, prevendo que a cura viria da Europa ou dos Estados Unidos.
    Raylander, obrigado!
    Vamos torcer para que seja verdade!

  32. Paulo Roberto diz

    Só não entendi o final: A vacina contra o HIV é análoga à vacina Britânica, cujo mecanismo ativa a imunidade e a multiplica por trinta e cinco”.
    Não sei de que vacina britânica eles estão falando… Mas que, se for verdade, é uma ótima novidade, isso é.
    Bora aprender Russo!!!

  33. Joseph diz

    Paulo Roberto,
    tento imaginar o que você sente e sinto muito pelo que tenha passado. Mas cada um de nós aqui temos uma história também. Você propagando os seus sentimentos de anos atrás, de certa forma, mantém a forma que era visto o portador de hiv nos anos iniciais da história.
    Eu tenho vontade assumir minha sorologia, mas ainda estou me preparando pra isso. E não cobro isso de pessoas que são soropositivas, nem cobraria, porque não tenho esse direito. De forma alguma, quero banalizar o hiv, porque ele não é uma fácil descoberta. Mas a forma de lidar com isso, tem que ser sim a partir do nosso pensamento. O pensamento é determinante. E ter hiv é somente uma parte de nossa vida. Pensar como se fosse doente, adoece. E de doente, nós, em tratamento e com taxas de CD4 e CV boas, estamos longe.
    Sinto muito por você ter abandonado o seu sonho, mas te recomendo a voltar pra ele, porque sempre tem tempo pra isso.

  34. Paulo Roberto diz

    OH, Joseph… Se eu te contasse tudo o que eu passei, você entenderia. O choque de um diagnóstico desses ser revelado aos berros, em público, com a frase “você tem seis meses de vida”, o constrangimento de um comandante botar a tropa toda reunida e contar para todos, perguntando quem teria tido sexo com “o aidético”… Cara, isso tudo marca a gente.
    Mas, se eu abandonei meus projetos antigos, foi por causa da frase fatídica dando a minha sentença de morte…
    Ocorre que hoje tenho outros projetos.
    Aprendi vários idiomas, me dediquei a isso. Pensava que, onde quer que eu encontrasse a cura, seria de grande ajuda se eu falasse o idioma local.
    Não havia muito o que fazer.
    Vou te explicar por que a cura é tão importante para mim: é porque, se eu conseguir ficar curado ANTES de completar 54 anos, posso voltar para a Corporação em tempo de ser reformado novamente, mas dessa vez com todos os vencimentos que tinha antes – reformado por tempo serviço ou por idade…
    Além do que, é claro, minha auto-estima estaria lá em cima…
    Eu não fico chorando pelos cantos, não… Eu ajo. Já disse aqui mesmo nesse blog que já fiz maluquices enormes e gastei muito dinheiro atrás da cura.
    Agora você entende o motivo, né?
    Sem contar que tudo voltaria a ser como antes, só que MELHOR, pois nesse tempo, procurei depurar meus sentimentos, procurei me edificar, obtendo cultura e informação.
    Bem sei que muitas coisas que eu tinha antes eu não terei mais, mesmo se for curado HOJE.
    Mas isso é outra história.
    Não posso me dar por vencido nem deixar de procurar a cura. Fiz disso o meu grande projeto de vida.
    Que, por sinal, é o projeto de vida de muita gente que, justamente por não aceitar esse invasor em seus corpos, lutam e se dedicam, como eu, a procurar – onde quer que ela esteja, seja ela de que maneira for.

  35. Paulo Roberto diz

    E mais, Joseph: Como eu morava no Rio de Janeiro, em Ipanema, eu conhecia muitos artistas, diretores e autores de novelas.
    Um pouco da minha própria história está na novela “CHAMAS DA VIDA”, da Record.
    E não ganhei UM CENTAVO sequer por isso. Nem quero.
    Claro que mudaram tudo, mas o personagem foi baseado na minha própria história, e isso me foi dito por pessoas muito ligadas ao autor, que, antes da novela ser escrita, vieram me procurar.

  36. Zen diz

    Paulo Roberto,
    amigo vc disse que já tentou de tudo. Vc já tentou a Ozonioterapia?
    Achei super interesante.

    • Paulo Roberto diz

      Sim, Zen. Tentei, comprei o equipamento, mas não resolveu nada. Usei por quatro anos seguidos.
      Tentei também a tal “máquina de Riffe”, que age por eletromagnetização, sem solução.
      Uma coisa que ainda não tentei foi a tal CAIXA ORGÔNICA.
      Acho que só faltou isso.

  37. LV Antônio diz

    É isso pessoal. Cada um com sua história e suas reflexões. O bom que estamos aqui para conta las e aprender com cada uma.

    Abraços,

  38. Paulo Roberto diz

    Pessoal, o Raylander postou um link. Eu abri e li, está em espanhol, mas é de facílima compreensão.
    Será que os russos conseguiram, mesmo, a CURA?
    JS, o que você acha???

  39. gusta diz

    ou seja, estamos fudidos… sem essa q de somos iguais soronegativo q isso é mentira. Coisa q colocamos para vivermos melhor, mas na verdade, no fundo sabemos q nao somos iguais… Somos bem mais propensos a ficarmos doentes sim…

  40. Jovem Paulista diz

    Alguém aqui de São Paulo que faça a retirada da medicação com o serviço de algum motoboy de confiança poderia me indicar? Sempre vou buscar mas estou sem tempo atualmente. Obrigado!

  41. ss diz

    Gente estou sempre aqui torçendo por vces.orando e pedindo pra Deus que ajude vces .a superar cada dia as barreiras .todos nos sofremos cada um do seu jeito .sendo soropositivo ou não .a gente tem sempre que orar e pedir força pra Deus porque ele e o único amigo verdadeiro .nao sintam excluídos .porque nesta vida ninguém sabe o dia de amanha .levanta a cabeça porque Deus não quer ver ninguém derrotado tenha fe esperança que com certeza logo Deus vai amenizar esse sofrimento entenda que Deus pode tudo .como ele mostrou um remédio para não deixar ninguém mais morrer .ele tbem vai mostrar uma vacina para todos que estão com essa doença .ajude os que tão triste da a mão pros que estão sem motivo nenhum para suportar essa luta diária .façam sua parte vao fazendo exercício .comendo coisas naturais tem um sal muito bom que e o sal rosa do Himalaia que e natural daquele um pouco dessa doença entrega na mão de Deus e vai levando a vida com esperança que logo se Deus quiser ele manda uma grande vitória pra todos.

    • Essa notícia da Fox News é baseada em uma notícia recente do The Telegraph, o mesmo jornal que, em 2013, disse que a cura estava a poucos meses de distância.

      Naquela altura, o Telegraph publicou uma manchete sensacionalista e só no meio da matéria é que dizia que “Os primeiros resultados são esperados ‘em alguns meses’” — e não a cura em si. Mais à frente na mesma notícia é que o jornalista esclarece que “cinco anos” seria um prazo razoável para a conclusão da pesquisa e possivelmente a cura do HIV.

      Nesse texto recente não é diferente. Lendo a matéria fica claro que em três anos não espera-se a cura, mas começar os testes em humanos, que podem demorar ou ter um resultado que não seja o esperado: “Embora os experimentos até agora só foram realizados em um laboratório, os pesquisadores Lewis Katz School of Medicine na Universidade de Temple, estão confiantes de que dentro de três anos, eles serão capazes de começar os testes em seres humanos.”

  42. Bom dia. Eu descobri que sou soropositiva ontem, estou meio em pânico com esse tempo de espera até o infectologista, consegui consulta para o dia 10/05. Eu sei que o hiv não é mais a sentença de morte de 30 anos atrás, mas estou com medo porque não estou tratando no momento. Alguém mais passou por isso? Obrigada, beijo no coração.

  43. KA diz

    oi, estou conhecendo essa página agora, gostaria de poder conversar com o paulo roberto e joseph, se possível alguém tem ou entra em contatos com eles e puderem passam o e-mail ou algum contato deles, se puderem dar essa força, valeu.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s