Notícias
Comentários 42

XI Curso Avançado de Patogênse do HIV

XI Curso Patogenese HIV

Data: 13 a 20 de abril de 2016

Local: Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) — Av. Dr. Arnaldo, 455, São Paulo/SP

Algumas palestras são ministradas em inglês e sem tradução simultânea.

O Curso Avançado de Patogênese do HIV vem sendo realizado desde 2006. Partiu de uma iniciativa de colaboração entre o grupo do Dr. Esper Kallás e o Prof. Dr. David I. Watkins, da Univesidade de Wisconsin, Madison, EUA. Nessa ocasião, achou-se que os estudantes, professores e cientistas brasileiros que tinham dificuldade de ir a eventos internacionais poderiam se beneficiar da realização de um curso em São Paulo, que revisaria os mais novos aspectos da patogênese da infecção, estreitando os laços entre tais profissionais e o avanço do conhecimento.

A primeira edição, realizada em 2006, contou com a participação do Prof. Watkins da Universidade de Wisconsin e do Prof. Dr. Mario Stevenson, então da Universidade de Massachussets, EUA. Juntamente com pesquisadores do Brasil, notadamente da Universidade São Paulo e da Universidade Federal de São Paulo, foram realizadas uma série de conferências, que abordaram temas básicos e avançados em virologia, imunologia, prevenção, tratamento e desenvolvimento de novas vacinas, seguidas de discussões com a participação dos 35 alunos inscritos, além de distribuição de material didático e das aulas apresentadas.A iniciativa foi um sucesso. Nos anos seguintes, foram realizadas novas edições do evento, que vem crescendo, tanto em número de palestrantes que vêm do exterior, como em número de participantes. A partir de 2009 o curso passou a ser realizado na Faculdade de Medicina da USP.

Os organizadores do curso têm como proposta consolidar este evento como um dos mais importantes cursos em patogênese do HIV no Brasil, abrindo oportunidades de colaboração entre os centros internacionais e brasileiros na área.

temas_xi_curso_patogenese
Inscrição_xi_curso_patogenese

bg_xi_curso_patogenese

Convidados:

adrian-mcdermottAdrian McDermottNational Institutes of Health

Adrian McDermott is Director, Advanced Clinical Testing at the Vaccine Research Center, NIAID-NIH. He received his PhD in Immunology and Immunogenetics from the University of London then gained post doctoral HIV research experience at University of Wisconsin, Gladstone Institute of Virologyand Immunology(UCSF)and Aaron Diamond AIDS Research Center (Rockefeller University).Prior to joining the VRC, Adrian was Director of Immunobiology and Vaccine Design at IAVI where his group designed and testednovel prototype vaccines in the SIV challenge protection model,and collaborated with IAVI-Live Attenuated SIV Consortium studying the correlates of immunity in the SIV model. Currently, his team at the VRC focuses on identifying efficacious immune responses utilizing novel and comprehensivemeasurements of T and B cells during viral infections, or those generated after successful vaccinationregimen in order to derive the maximum amount of information from the VRC and CAVD clinical HIV vaccine trialprograms to further inform rationale HIV vaccine development.

alexandre-grangeiroAlexandre Grangeiro, Faculdade de Medicina da USP

Pesquisador Científico V, vinculado ao Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina-USP. Desenvolve pesquisas na área da epidemiologia e avaliação de políticas e serviços de saúde. Atualmente coordena estudos sobre o uso das profilaxias pré- e pós-exposição sexual e o uso combinado de métodos preventivos em serviços públicos de saúde; a efetividade da terapia antirretroviral no tratamento de pessoas infectadas pelo HIV no Brasil (Coorte Brasil); e de avaliação de novas tecnologias para promover o acesso à testagem do HIV. Foi Diretor do Programa Nacional de DST e Aids e do Instituto de Saúde-SP. Pesquisador Científico V, vinculado ao Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina-USP. Desenvolve pesquisas na área da epidemiologia e avaliação de políticas e serviços de saúde. Atualmente coordena estudos sobre o uso das profilaxias pré- e pós-exposição sexual e o uso combinado de métodos preventivos em serviços públicos de saúde; a efetividade da terapia antirretroviral no tratamento de pessoas infectadas pelo HIV no Brasil (Coorte Brasil); e de avaliação de novas tecnologias para promover o acesso à testagem do HIV. Foi Diretor do Programa Nacional de DST e Aids e do Instituto de Saúde-SP.

ashley-t-haaseAshley T. Haase, Universidade de Minnesota

Ashley T. Haase, M.D., is Regents’ Professor of Microbiology and Professor of Medicine at the University of Minnesota, Minneapolis. He has served as Head of the Department of Microbiology since joining the University of Minnesota in 1984 after 13 years at the University of California, San Francisco, where he was Professor of Medicine and Microbiology and Chief of the Infectious Diseases Section of the VA Medical Center. Dr. Haase has devoted his career to investigating slow virus infections, particularly the lentiviruses responsible for chronic neurological and pulmonary diseases in sheep (visna maedi) and immune depletion in humans (HIV-1/AIDS) and non-human primates (SIV). He and his colleagues have developed sensitive and quantitative methods to characterize viral and cellular populations in vivo and have used these methods to reveal the covert nature of infection that enables lentiviruses to persist in the face of host defenses and, in the case of HIV-1, escape eradication by current therapies. He and his colleagues continue analyses of the lymphatic tissue reservoir where HIV-1 is produced, stored and persists and the principal organ system in which immune depletion and the pathological consequences of infection are manifest; and studies of the globally predominant sexual route of HIV transmission in the SIV rhesus macaque model that will enable developing effective vaccines and microbicides. Dr. Haase is an NIH NINDS Javits Awardee and a two-time recipient of an NIH MERIT Award for his work on visna virus and HIV, and Member of the Institute of Medicine of the National Academy of Sciences. A summa cum laude graduate of Lawrence University, Appleton, WI, and 1990 recipient of Lawrence’s Lucia R. Briggs Distinguished Achievement Award, Dr. Haase received his B.A. in 1961, his M.D. from Columbia College of Physicians and Surgeons in New York in 1965, and did his post-graduate work at Johns Hopkins University, the NIH and the National Institute for Medical Research, London, UK, before joining the University of California, San Francisco. Dr. Haase has served as member of the NIAID Advisory Council, member and chair of the U.S.-Japan Cooperative Medical Science Program, member of the NIH Office of AIDS Research (OARl) Advisory Council and Chair of the NIAID AIDS Research Advisory Committee. He chaired the OAR Advisory Research Evaluation Panel, Etiology and Pathogenesis Review Committee from 1995–1996 and is currently the Chair of the OAR Microbicide Research Working Group.

boris-matija-peterlin-1Boris Matija Peterlin, Universidade da California, San Francisco

B. Matija Peterlin, MD, was educated at Duke University and Harvard Medical School. Following clinical training at Stanford U. Medical Center, he became Assistant Professor at U. California, San Francisco. He rose through the ranks to full professor and Investigator at the Howard Hughes Medical Institute. His laboratory focuses on acquired and genetic immunodeficiencies. He defined the mechanism of action of several HIV proteins and discovered how elongation of transcription is controlled in eukaryotic systems. He was also among the first investigators to focus on the latency of HIV and its impact on the persistence of this infection. Recently, his studies also focused on restriction of HIV and retroviral replication as well as the encapsidation of viral genomic RNA into progeny virions. In addition to his research activities, Dr. Peterlin is also a clinician and treats patients with autoimmune diseases.

daniel-douekDaniel DouekNational Institutes of Health

Dr. Douek studied medicine at the Universities of Oxford and London. He then practiced internal medicine, before pursuing a PhD in Immunology at the University of London. Dr. Douek was appointed to the Vaccine Research Center, NIAID in November 2000. Dr. Douek is a recognized leader in the field of human immunology. His laboratory, the Human Immunology Section, studies the processes that determine the course of human diseases in which the immune system, particularly its T cell arm, plays a central role in their pathogenesis and outcome. He aims to use the knowledge gained to initiate clinical studies of new therapeutic and vaccine approaches. Dr. Douek is a widely published author in the field of human immunology and currently the main focus of his lab is both the pathogenesis and immune control of HIV infection.

david-i-watkinsDavid I. Watkins, Universidade de Miami

David was born in Kampala, Uganda and grew up in Trinidad and Tobago. At the age of 11, his family moved to the United Kingdom where he was interred at a British boarding school; Monmouth School for boys. He survived this ordeal and graduated from Durham University in 1982 with a degree in Botany and Zoology. He then moved to the United States where he pursued a Ph.D. in Immunology at the University of Rochester in upstate New York. As a postdoctoral fellow at Harvard, David studied the evolution of the immune system and started to develop his interest in the relationship between the major histocompatibility complex (MHC) molecules and infectious disease. David was appointed Assistant Professor at Harvard Medical School in 1989 and embarked upon a career trying to understand how MHC class I genes evolved. In 1992, David moved to the University of Wisconsin-Madison to set up his own laboratory. Here, he developed a program in the use of the rhesus macaque in simian immunodeficiency virus (SIV) research. His program attempts to understand the relationship between the diversity of the macaque’s MHC class I genes and the ability of the immune system to combat viruses. He has now developed a multifaceted program in SIV immunobiology. He studies the role of MHC class I genes in defense against the AIDS virus and conducts vaccine studies for Dengue and HIV. David has recently moved to the University of Miami where he will be closer to his formative beloved childhood home in the West Indies and recently adopted country of Brasil. David was a member of the AIDS Vaccine Research Working Group (AVRWG). He served on the “Immunobiology of HIV” study section for six years and currently serves on the “AIDS Immunology and Pathogenesis” study section. He has had the honor of being an Elizabeth Glaser Scientist. David’s hobbies include orchid collecting, painting and blue marlin fishing.

douglas-nixonDouglas Nixon, Universidade da California, San Francisco

Dr. Nixon trained as a clinical virologist in London and Oxford, U.K., and as a cellular immunologist with Dr. Andrew McMichael at Oxford University, U.K. In 1997, Dr. Nixon was appointed Assistant Professor at Rockefeller University, New York. In December 2000, Dr. Nixon joined the Gladstone Institute of Virology and Immunology, San Francisco, as Associate Investigator. In 2006 Dr. Nixon was appointed Associate Chief of the Division of Experimental Medicine, and Professor of Medicine at the University of California, San Francisco. In 2013 Dr. Nixon moved to The George Washington University in Washington D.C. as Walter G. Ross Professor and Chair of the Department of Microbiology, Immunology & Tropical Medicine. Dr. Nixon is experienced in conducting studies of the cellular immune response to retrovirus infections and the assessment of T cell responses, and has published extensively on these topics. He has been principal investigator on multiple NIH and other grants and co-investigator on several others, and has designed numerous hypothesis-driven studies. He published the first identification of an HIV specific CTL epitope in the Journal Nature. He has published over 190 articles in peer-reviewed journals including first or senior author publications in Nature, PNAS, Plos Pathogens. He is funded through grants from the NIH and the Gates Foundation. He was elected as a scientist of the Elizabeth Glaser Pediatric AIDS Foundation, is a member of the American Society for Clinical Investigation, the Henry Kunkel Society, and gave the Distinguished Science Lecture in 2009 at the NIH Rocky Mountain laboratories. He is Chair of the NIH AIDS Vaccine Research Subcommittee. He is Section editor for PLoSONE. He reviews for many publications, including Nature, Science, and Cell.

drauzio-varellaDráuzio Varella, Hospital Sírio Libanês

Dráuzio Varella é médico oncologista, formado pela USP. Faz parte do corpo clínico do Hospital Sírio-Libanês. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids. Em 1986 iniciou campanhas de prevenção à aids, no rádio. No período de 1989 a 2002 trabalhou como médico voluntário na Casa de Detenção de São Paulo, presídio no qual realizou campanhas educativas e inquéritos epidemiológicos sobre a prevalência do HIV. Com base nessa experiência publicou ” Estação Carandiru”, o primeiro de seus livros. Atualmente é voluntário na Penitenciária Feminina da Capital. Além da atividade clínica, é colunista da Folha de São Paulo e apresenta séries educativas sobre temas de saúde na TV Globo, há mais de dez anos.

edecio-cunha-netoEdécio Cunha-Neto, Faculdade de Medicina da USP

Professor Associado, Dep. Clínica Médica, e Pesquisador do Instituto do Coração, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Chefe do Laboratório de Imunogia Clínica e Alergia (LIM-60), Disciplina de Imunologia Clínica e Alergia-FMUSP; é pesquisador do INCT de Investigação em Imunologia-iii e Pesquisador 1B do CNPq. É membro do Comité Técnico assessor de Vacinas para HIV do Programa Nacional para DST/Aids e Hepatites Virais, do Ministério da Saúde. Graduado em Medicina pela Universidade de Brasília, é Doutor em Ciências e Livre-Docente pela Universidade de São Paulo. Realizou pós-Doutorados nas Universidades de Stanford e Harvard, nos EUA, e no Roche Milano Ricerche, na Itália. Seu foco de pesquisa é em pesquisa de tradução/”translational research” na área de Imunologia celular e molecular de doenças humanas. Tem ênfase na infecção pelo HIV-1, em especial os mecanismos de proteção e novas vacinas contra o HIV-1, e na imunopatologia da cardiopatia chagásica crônica. Foi co-Chairman do comitê do programa científico do “13th International Congress of Immmunology” (Rio de Janeiro, 2007) Tem 69 trabalhos publicados em periódicos seletiva editorial. Sua publicação apresenta 1100 citações, e fator h de 19. Recebeu os prêmios científicos Roche (1994), Santista-Juventude/CNPq (1998) e Jairo Ramos (2002).

esper-g-kallasEsper G. Kallas, Faculdade de Medicina da USP

Organiza e coordena as atividades deste curso desde sua primeira edição em 2006. Médico Infectologista, Professor Associado da Disciplina de Imunologia Clínica e Alergia e Livre-Docente pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em 2009. Atualmente é também Pesquisador do LIM-60, na Disciplina de Imunologia Clínica e Alergia, onde coordena as atividades de grupo de pesquisa clínica certificado pelo National Institutes of Health (NIH). Realiza projetos de medicina translacional no LIM-60 e no Centro de Pesquisa Clínica, trazendo conceitos de ciência básica para aplicações clínicas, especialmente em infecções pelo HIV, HTLV, CMV, vírus herpes, hepatites virais e micobacterioses. É o Investigador Principal da unidade de pesquisa clínica que realiza estudos de novas drogas e vacinas terapêuticas e preventivas (“São Paulo Clinical Trials Unit”), financiada pelo NIH, em parceria com o Centro de Referência e Treinamento em DST-Aids, da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Esta unidade é referência internacional para realização de estudos de vacinas candidatas contra o HIV. Entre eles, desenvolve projetos inseridos no HIV Vaccine Trials Network e o iPrEx, projeto multicêntrico internacional de avaliação de estratégia de profilaxia pré-exposição contra o HIV usando antirretrovirais.

ester-c-sabinoEster C. Sabino, Faculdade de Medicina da USP

Professora Livre Docente pela Disciplina de Hematologia e Hemoterapia da Faculdade de Medicina da USP e chefe do Departamento de Biologia Molecular da Fundação Pró Sangue Hemocentro de São Paulo. Investigadora principal do projeto Retrovirus Epidemiological Donor Study II International. Consultora do Programa Nacional de DST/Aids e da Coordenação de Sangue e Hemoderivados. Principal linha de pesquisa: segurança transfusional e diversidade genética do HIV.

heloisa-ramos-lacerda-de-meloHeloisa Ramos L. de Melo, Hospital das Clínicas da UFPE e Hospital Univ. Oswaldo Cruz da UPE

Graduada em Medicina pela UFSC em 1985, completou mestrado em Doenças Infecciosas em 1994 e Doutorado em 1998, ambos na Universidade de São Paulo e prestou Livre Docência na Disciplina de Infectologia, UNIFESP em 2012. É Professora Associada da UFPE e UPE no Recife. Atua como médica infectologista no Hospital das Clínicas da UFPE e Hospital Universitário Oswaldo Cruz da UPE. Publicou 74 artigos completos em periódicos nacionais e internacionais. É autora de dois livros, sendo a autora principal do livro Condutas em Doenças Infecciosas. Orientou 26 Dissertações de Mestrado e 13 Teses de Doutorado nas Pós-Graduações em Medicina Tropical e Ciências da Saúde na UFPE. É pesquisadora com Bolsa de Produtividade em Pesquisa nível 2 pelo CNPQ e coordena projetos nas áreas de epidemiologia e resistência do HIV aos antirretrovirais (vinculado a convênio financiado pela CAPES, Procad-NF), doença cardiovascular e biomarcadores em indivíduos com HIV/Aids (Projetos financiados pela UNESCO/Ministério da Saúde e CNPQ) e aceitabilidade e factabilidade do uso de terapia antirretroviral em PVHIV e contagem de linfócitos acima de 500 células por mm/ (financiado pela SVS/MS). Ocupa o cargo de Coordenadora Científica da Sociedade Brasileira de Infectologia para o biênio 2014-2016.

hendrik-streeckHendrik StreeckInstitute for HIV Research, University Duisburg-Essen

Hendrik Streeck, M.D.,Ph.D. is Professor and Chair of the Institute for HIV Research, University of Duisburg-Essen. He completed his medical training in Berlin, Germany in 2006 and received his PhD from Friedrich-Wilhelm University, Bonn, Germany in 2007. After his postdoctoral fellowship at the Partners AIDS Research Center, he was Assistant Professor at the Ragon Institute of MGH, MIT and Harvard and Assistant Immunologist at the Massachusetts General Hospital. In 2012 he was recruited as the Chief of the Cellular Immunology Section the U.S. Military HIV Research Program (U.S. MHRP) and adjunct Assistant Professor in Emerging Infectious Diseases at the Uniformed Services University of the Health Sciences. In March 2015 he took the chair of the Institute for HIV Research but remains consultant for the U.S. MHRP on T cell immunology in HIV vaccine and cure research.

joel-blanksonJoel BlanksonJohns Hopkins School of Medicine

Joel Blankson MD, PhD is an associate professor of medicine at Johns Hopkins School of Medicine. He earned his PhD from the Rockefeller University and his MD from Cornell University Medical College. He trained in internal medicine and infectious diseases before doing a post-doctoral fellowship with Dr. Robert Siliciano. His laboratory has studied viral reservoirs in elite suppressors and have shown that some of these patients are infected with fully pathogenic virus. His group has documented transmission of virus from chronic progressors to elite suppressors and has shown that virus isolated from elite controllers can cause AIDS in humanized mice. His group has also studied the immunologic basis of elite control and shown that CD8+ T cells from elite suppressors can potently inhibit viral replication. They plan to apply their findings to HIV eradication.

jorge-kalilJorge Kalil, Universidade de São Paulo

Prof. Jorge Kalil possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1977), mestrado em Imunogenética e Imunopatologia e doutorado em Biologia Humana, ambos pela Universidade de Paris VII. Atualmente é Professor Titular de Imunologia Clinica e Alergia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Diretor do Laboratorio de Imunologia do Instituto do Coração e Diretor do Instituto Butantan. Foi eleito vice-presidente da IUIS (International Union of Immunology Societies) para o mandato 2010-2013 e posteriormente a presidência da entidade 2013-2016. Tem experiência na área de Imunologia, com ênfase em imunogenética, atuando principalmente nos seguintes temas: HLA, autoimunidade, transplante de órgãos, imunidade auto-infecciosa e alergias. Recebeu os prêmios científicos TWAS (2004), Jabuti (2005), Classe Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico (2006, 2007), Feira Fórum Hospitalar (2011) e Prêmio Fundação Conrado Wessel de Ciência (2011) entre outros.

kenneth-rock-1Kenneth Rock, Universidade de Massachusetts

Dr. Kenneth L. Rock is Professor and Chair of Pathology at University of Massachusetts Medical School. He is an authority in the area of immune surveillance and antigen presentation. He has played a leading role in elucidating the pathways by which antigenic peptides are generated for presentation on MHC class I molecules. His discoveries include identifying the cellular and molecular basis for cross presentation, the key role of the ubiquitin-proteasome pathway in antigen presentation and the post-proteasomal trimming steps that help create or destroy presented peptides. In other work he is elucidating the role and molecular mechanisms by which dying cells alert the immune system to danger. Dr. Rock has published >170 papers and holds 6 awarded patents. He has served on numerous national committees and editorial boards. He has founded two biotechnology companies and served on a number of scientific advisory boards.

lishomwa-ndhlovuLishomwa Ndhlovu, Universidade do Havaí

Dr. Ndhlovu MD, PhD is an Assistant Professor and Co-Director of the Immuno-Genetics Laboratory in the Hawaii Center for AIDS and Department of Tropical Medicine at the University of Hawaii, John A. Burns School of Medicine. Before joining the faculty at the University of California, San Francisco (UCSF) in 2010, Dr Ndhlovu completed his HIV Immunology Postdoctoral fellowship in the Laboratory of Dr. Douglas Nixon at the San Francisco General Hospital – UCSF through support from a Human Immunology Fellowship awarded by the Cancer Research Institute, New York. His research focused on investigating the role of innate and cellular immunity in human retroviral disease pathogenesis in multiple clinical patient cohorts with the specific intent of finding better ways to prevent or suppress HIV-1, and related retroviral diseases. This focus has spanned a range of fields, from understanding dysfunction of innate Natural Killer cells in HIV infected persons to studying mechanisms of T cell control of HIV infection through identification ofnovel targets for the therapeutic reversal of HIV–associated immune dysfunction.

luciana-costaLuciana Jesus da Costa, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ

Professora Adjunta e Chefe do Departamento de Virologia do Instituto de Microbiologia Paulo de Góes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Formada como Bacharel em Genética pela UFRJ, realizou o Mestrado em Genética ainda pela UFRJ, o Doutorado em Ciências Básicas em Doenças Infecciosas e Parasitária pela Universidade Federal de São Paulo, e o Pós-Doutorado pela Universidade da Califórnia em San Francisco. Seu laboratório se dedica ao estudo das diferentes etapas do ciclo replicativo do HIV-1 e do SIVcpz, mais especificamente à caracterização do papel da proteína acessória viral Nef nas etapas de montagem e maturação da progênie viral e desta forma do mecanismo pelo qual Nef aumenta a infecciosidade dos Lentivirus de primatas. Mais recentemente seu grupo também estuda os mecanismos de controle da tradução dos transcritos virais, na tentativa de decifrar a importância das vias dependente de CAP e dependente de IRES para a síntese das proteínas virais.

lucio-gamaLucio Gama, Universidade Johns Hopkins

Lucio Gama has been working in the HIV field since 1988 when he started his Master degree in Virology under the mentorship of Dr. Maria José de Oliveira Ângelo (USP). For five years he taught microbiology at the Itajubá School of Medicine, and in 1994 he moved to the USA to work on themolecular aspects of membrane receptors with Dr. Gerda Breitwieser at the Johns Hopkins School of Medicine. In 2001 he moved to the Retrovirus Lab, also at Johns Hopkins, researching the innate immune aspects of SIV infection, under the supervision of Dr. Janice Clements and Dr. Chris Zink. During his Ph.D. in Immunology with Dr. Esper Kallás (USP), he characterized a new subset of immunosuppressive monocytes with a unique CD14++CD16-CCR2-phenotype. Currently he is collaborating with Dr. Kallás group in the identification of this new cell population in other infections and inflammatory diseases, besides continuing his research at Hopkins focusing on the importance of monocytes and macrophages in SIV and HIV latency.

marcelo-alves-soaresMarcelo Alves Soares, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Ciências Biológicas — Bacharelado em Genética — pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990), Mestrado em Biofísica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1993) e Doutorado em Ciências Biológicas (Genética) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000) em conjunto com a Universidade do Alabama em Birmingham, EUA, sob orientação da Dra. Beatrice Hahn, que traçou a origem do HIV-1 a partir de chimpanzés africanos. Fez seu Pós-Doutorado no Instituto Pasteur de Paris (França), sob supervisão da Profa. Françoise Barré-Sinoussi, pesquisadora laureada com o Prêmio Nobel de Medicina em 2008 pela descoberta do HIV. Atualmente é Pesquisador Associado II do Instituto Nacional de Câncer (INCA) do Rio de Janeiro, onde coordenada do Programa de Oncovirologia. É também Professor Associado II do Departamento de Genética da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e Chefe do Laboratório de Virologia Humana. É Coordenador Adjunto do Programa de PG em Oncologia do INCA e Membro da Comissão de PG em Genética da UFRJ. Foi Consultor Técnico no Ministério de Saúde, da Organização Mundial da Saúde e do Industry Liason Forum da International Aids Society. Tem experiência nas áreas de Oncovirologia e Genética, com ênfase em Genética Molecular e de Microorganismos, atuando principalmente nos seguintes temas: oncoviroses, hepatites virais, HIV/Aids, fatores de restrição à infecção por lentivírus de primatas, e resistência do HIV aos antirretrovirais. É Pesquisador 1D do CNPq e Cientista do Nosso Estado Sênior da FAPERJ. Figura entre os 12 pesquisadores em HIV/Aids mais citados da América Latina e Caribe segundo o periódico Science.

mario-ostrowskiMario Ostrowski, Universidade de Toronto

Mario Ostrowski is associate professor of Medicine, Immunology and pathobiology and lab medicine at University of Toronto and also is a consultant infectious diseases clinician at St. Michael’s Hospital in Toronto, Canada. His interests include studies on T cell immunoregulation in HIV and HCV infection, molecular adjuvants for vaccination, pDC-virus interactions, and the role of endogenous retroviruses in HIV infection.

mario-stevensonMario Stevenson, Universidade de Miami

Mario Stevenson received his PhD from the University of Strathclyde in Glasgow Scotland in 1984. He performed postdoctoral studies at the University of Nebraska Medical Center and was a professor at that institution from 1993-1995. He conducted a research sabbatical at National Institute for Medical Research in London in 1990. In 1995, he joined the Program in Molecular Medicine at the University of Massachusetts Medical Center. He served as the David Freelander Chair of AIDS Research and Director of the Center for AIDS Research at the University of Massachusetts Medical School until 2010. He is currently Chief of Infectious Diseases and Professor of Medicine at the University of Miami Medical School. Dr. Stevenson’s research is aimed at uncovering the functions of viral accessory genes, mechanisms of viral persistence and immunopathogenicity as well as cellular factors influencing virus-host cell interplay.

michael-m-ledermanMichael M. Lederman M.D., Case Western Reserve University School of Medicine and University Hospitals/Case Medical Center

Michael Lederman is the Scott R. Inkley Professor of Medicine at Case Western Reserve University School of Medicine and University Hospitals/Case Medical Center where he is also Professor of Biomedical Ethics, Pathology, Microbiology and Molecular Biology. Dr. Lederman received his bachelor’s degree in Biology from Brandeis University and his M.D. from the Mt. Sinai School of Medicine. He trained in Internal Medicine at Case Western Reserve University, University Hospitals of Cleveland and the VA Medical Center where he served as chief resident in Medicine and completed fellowship training in Infectious Diseases. He received post-doctoral training in cellular immunology in the laboratory of Dr. Jerrold Ellner and he joined the faculty at CWRU in 1980. Dr. Lederman has been engaged in HIV/AIDS research since he and Dr. Oscar Ratnoff first described and characterized the occurrence of AIDS-related immune deficiency in otherwise healthy men with hemophilia in 1983. He work focuses on the mechanisms whereby HIV infection induces immune dysfunction and on strategies to correct and prevent it. In 1985, Dr. Lederman established the Special Immunology Unit at University Hospitals of Cleveland that was the first dedicated HIV clinic in Northern Ohio. In 1987, he established the AIDS Clinical Trials Unit at Case/University Hospitals and within the national network of these units, the AIDS Clinical Trials Group (ACTG), he established and directs the network of Immunology Support Laboratories that provides immunologic monitoring of national HIV treatment trials. Dr. Lederman is a member of the Association of American Physicians, the American Association of Immunologists, the Infectious Diseases Society of America, the HIV Medicine Association and is a Fellow of the American Association of Microbiology and the American Association for the Advancement of Science. He serves on the editorial boards of several research journals, and is editor in chief of Pathogens and Immunity. He remains married to his first wife, and owns two children and two dogs. He swims (slowly) and plays the piano (badly).

rafick-pierre-sekalyRafick-Pierre SékalyVaccine & Gene Therapy Institute, Flórida

Dr. Sékaly has been for the past year the Co-Director and Chief Scientific Officer of VGTI-Florida an Institute focused on the development of better immune therapies and Vaccines to Chronic viral diseases and cancer. Recently he received the Avant Garde award from NIDA for his work on the HIV reservoir. Dr Sékaly obtained his Ph.D. in Biochemistry at the Université of Lausanne in 1984. He has been involved in the areas of AIDS and AIDS pathogenesis for the past fifteen years. Dr Sekaly’s group have been at the forefront of novel assay development which has allowed the characterization of the qualitative and quantitative features of the immune response at the single cell level. He is now fully focused on applying systems biology to unravelling defects in different cells (innate and adaptive) of the immune response. In addition to his scientific work and leadership at VGTI -FL, Dr. Sekaly is the Founder and Scientific Director for the National Laboratory of Immune Monitoring. Dr. Sekaly is one of four winners of the Avant-Garde Award for HIV/AIDS research from the National Institute on Drug Abuse. This award carries a grant of $500,000 per year for five years. Dr. Sekaly has also been awarded with his colleagues at UCSF a $25 million award for work aimed at identifying novel approaches to eradicate HIV.

renato-santana-de-aguiarRenato Santana de Aguiar, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Adjunto do Departamento de Genética da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Minas Gerais (1999), mestrado em Bioquímica e Imunologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2002), doutorado em Ciências Biológicas (Genética) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006) e Pós doutorado em Microbiologia e Imunologia pela University of California, San Francisco (UCSF). Tem experiência na área de Genética, Bioquimíca e Microbiologia com ênfase em Virologia Molecular e Biologia Celular, atuando em projetos que avaliem as interações moleculares entre fatores virais e celulares e seu papel na modulação das infecções virais. Lidera grupo de pesquisa sobre fatores de restrições celulares, como APOBEC, na inibição da infecção por HIV. Além de projetos que avaliem o transporte do RNA viral para os sítios de montagem e sua relação com sítios de processamento de RNA e sistema de interferência de RNA. Mais recentemente, desenvolve projetos envolvendo latência viral e a varredura de novos compostos capazes de reativar a transcrição viral. Desenvolve projetos envolvendo HIV, SIV, Dengue e HCV. Além disto, atua em projetos que avaliem o desenvolvimento de resistência aos anti-retrovirais utilizados no tratamento da infecção por HIV. Consultor científico atua em projetos de pesquisa aplicada a HIV/AIDS em parceria com o Center of Disease Control (CDC, EUA) e UFRJ nos países africanos de língua portuguesa (Moçambique e Angola).

ricardo-tapajosRicardo Tapajós, Universidade de São Paulo

Formado na FMUSP e residência em Infectologia pela FMUSP. Mestrado pelo Depto de Educação Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de Illinois em Chicago, sobre o ensino de Medicina através das artes. Doutorado pela Fmusp, Depto de Doenças Infecciosas e Parasitárias, sobre aids e cinema.

richard-koupRichard KoupUniversity of Connecticut

Dr. Koup received a B.S. in Biophysics and a M.S. in Biochemistry from the University of Connecticut and his M.D. from the Johns Hopkins University School of Medicine. Dr. Koup did his internship and residency in Internal Medicine at the Rhode Island Hospital and a fellowship in Infectious Diseases at the University of Massachusetts Medical School. Dr. Koup has held appointments at the Aaron Diamond AIDs Research Center and University of Texas Southwestern Medical Center. Eleven years ago Dr. Koup moved to the NIH to join the Vaccine Research Center where he is a tenured Senior Investigator and Chief of the Immunology Laboratory. Dr. Koup studies the protective role of HIV-specific cellular immunity. His major discoveries include defining the temporal association between the first appearance of cytotoxic T cells and the decline in viremia during acute infection, delineating the role of the thymus in HIV pathogenesis, showing that HIV specific CD4+ T cells are preferentially infected and depleted by HIV, and determining that the quality, not just the quantity, of the T cell response to HIV is crucial for maintaining control over HIV replication. Most recently he has begun to study the role of follicular T helper cells in HIV/SIV pathogenesis and the role they will play in the development of an effective vaccine against AIDS. Dr. Koup has trained over 35 pre- and post-doctoral students, and co-authored over 200 papers on HIV and related topics. He serves as an editor for Journal of Virology and PLoS Pathogens.

tom-hopeTom HopeNorthwestern University Feinberg School of Medicine

Tom Hope received his Ph.D. from UC Berkeley in Immunology. During his postdoctoral training at UC San Francisco, he began to study HIV Rev protein. His study of RNA export elements led to the discovery of the Woodchuck Hepatitis Virus Posttranscriptional Regulatory Element (WPRE), which is commonly used to stimulate gene expression levels in expression vectors and gene therapy applications. In 2004, Tom was selected as an Elizabeth Glaser scientist. The Hope lab has developed a series of techniques which allow the fluorescent labeling of HIV particles or viral proteins and for more than a decade has utilized a cell biology approach to study various aspects of HIV from virus entry and assembly, to defining the earliest steps of the sexual transmission of HIV.

Inscrição_xi_curso_patogenese

Curso Avançado de Patogênese do HIV

Anúncios
Este post foi publicado em: Notícias
Etiquetado como:

por

Jovem paulistano nascido em 1984, que descobriu ser portador do HIV em outubro de 2010. É colaborador do HuffPost Brasil e autor do blog Diário de um Jovem Soropositivo.

42 comentários

  1. Thiago + diz

    Amigos, gostaria de fazer uma pergunta, sei que provavelmente já devem ter postado por aqui, mas não consigo encontrar, tenho muita curiosidade em saber exatamente a respeito da possibilidade de engravidar uma mulher ela sendo negativa e eu positivo ( indetectável ).
    Li em algum post anterior, que um Homem positivo ( indetectável ) fez um teste pra saber se tinha o vírus Hiv no sêmen, e foi constatado que não tinha a presença do vírus no sêmen, pois ele estava indetectável, sendo assim poderia engravidar sua mulher, pela relação natural.
    Até que ponto isso é verdade ?? Um homem positivo indetectável, pode engravidar uma mulher negativa por vias naturais ?
    REalmente o vírus Hiv não se encontra no sêmen de um homem indetectável ?

    Desculpa se a pergunta, já foi respondida, mais leio tanto sobre isso, e não consigo chegar em um conclusão !

    • Hiago diz

      Bom dia Thiago, boa pergunta..
      Tambem quero saber, pois quero ter filhos do jeito natural, mas tenho medo

    • Gil diz

      Sem problemas, se estiver indetectável há mais de 6 meses, não há chance de transmitir o vírus, pode engravidar de forma natural.

      • Sem Problema pode engravidar de modo natural, porem tem que estar indetectável a mais de 6 meses, isso é fato, isso é ciência, isso é pesquisa, isso é realidade, isso é o avanço da medicação, se um infecto falar que não pode estar desatualizado. repito indetectável não transmite HIV. e ponto final.

        • Mutatis Mutandis diz

          EGC, por tudo que já lí, penso assim também. Lí inclusive aqui no blog do JS!

          Meu infectologista é um dos expoentes aqui de onde moro, lida com HIV desde os primeiros casos no início da década de 80!

          Mas, EGC, agora desabafando um pouco…é foda colocar isso na cabeça das esposas ou esposos! É fácil para nós que temos, pensar que, dadas essas condições de tempo de indetectável e nem uma outra DST, não transmitiríamos.

          Contudo, me ponho no lugar dela! Pra minha esposa isso não é fácil de entender!

          Agora some isso com o tal do protocolo para casais sorodiscordantes no Brasil, o que aliás nem sei bem se existe, mas digamos que exista: o que os médicos estão autorizados a dizer? Rapaz, é lasca! Mas ninguém abre a boca para autorizar o sexo sem preservativo!
          Fica difícil sem o apoio médico!

          O preservativo não nos (a mim e a ela) é problema, mas seria melhor se não precisássemos, convenhamos! Sonho com esse dia: o dia em que fique claro pra minha esposa que eu não sou capaz (mantidas as condições já descritas) de contaminá-la!

          Até lá, vamos fazendo do preservativo uma peça… erótica, por assim dizer!

          E tome fazer amor com quem se ama, porque é bom demais!

  2. Alvaro Infante diz

    Thiago+, creio ser importante vc procurar um infectologista de “ponta”, mesmo porque algumas informações relativas a essa enfermidade muitas vezes são distorcidas por portadores que não compreendem a dimensão desse vírus. De antemão, lhe digo que sim, é possível. O fato de estar indetectável, tomando os remédios “britânicamente”, fará com que o bebê tenhas grandes chances de nascer estável. Claro que essas chances aumentam(nascer sem vírus) se for por fertilização “In vitro”. Meu infectologista, além de ser um grande pesquisador, que integra uma equipe com dois prêmios Nobel na pesquisa da cura, foi também professor em Harvard, me esclareceu muitas coisas das quais nem sempre podem ser divulgadas em grande escala para as massas, justamente pelo perigo de tais informações serem mal compreendidas. Portanto, meu caro, busque um bom infectologista, e tire as suas dúvidas a esse respeito(e outras) com ele.

    Sorte, paz e força!

    Alvaro Infante.

  3. Alvaro Infante diz

    Jovem SP, que excelente noticia saber sobre este curso. Pergunto quanto a possibilidade dele ser compartilhado, ao vivo, via web: Periscope, Hangouts etc.?

    Abs.

  4. Maupr diz

    Queria tirar uma dúvida se alguém já passou por isso. Depois de um ano indetectável deu um blip no meu exame de rotina, agora depois de 3 meses deu novamente um blip e aumentou um pouquinho de 29 para 40. O que me intriga que não tive nenhuma infecção, nem um resfriado. Meu CD4 só tem caído depois que iniciei o tratamento, agora está em 305, eu não tem jeito de aumentar. Eu tomo TARV religiosamente no mesmo horário.

    • Alessandro diz

      Talvez vc precise mudar sua mediação, pode ser que seu vírus adquiriu resistência a algum componente, vi que o tenofovir tem tido problemas, o vírus anda burlando ele, fale com seu infecto.

  5. Triste+ diz

    Galera comecei meu 3×1 na noite passada, ainda não deu o horário de tomar de novo, mas estou sentindo febre, eu posso tomar um dipirona antitérmico ou algo assim?

    • Voce é uma pessoa normal, pode tomar dipirona, paracetamol, xarope, mel, chá, cerveja, mutamba, antibiotico , doril, resfrenol, naldecon, vc tem um virus controlavel, oque não pode é arder de febre e querer procurar um infectologista, um PS serve e ainda vc nem precisa mencionar que é HIV positivo se for apenas casos simples de febre e refriado

      • Paulo Roberto diz

        ECG, não é assim tão simples, não.
        Um soropositivo em tratamento não pode tomar qualquer remédio.
        Eu, por exemplo, não posso tomar: DOMPERIDONA, SINVASTATINA, PARIET, nada de MAGNÉSIO e outros medicamentos para o estômago, triglicérides e colesterol.
        Estou em tratamento, e desenvolvi refluxo gastroesofágico.
        Fui a um especialista, contei-lhe sobre meu tratamento e estou esperando que ele faça uma pesquisa para saber o que eu posso tomar.
        Até hoje, nada!
        Venho sofrendo com isso há alguns meses.
        Não digo que por qualquer coisinha a pessoa tem que correr para o infectologista, mas as coisas não são assim tão simples.
        A automedicação, em especial no caso do soropositivo, deve ser evitada.

        • D_Pr diz

          Boa noite Paulo Roberto,

          Vamos por partes, as medicações que você mencionou somente tem acesso a pessoa que fez exames e está em acompanhamento médico? Como vou tomar “sinvastatina” sem antes passar por exames pra ver o nível do meu colesterol?

          A automedicação, em especial no caso de QUALQUER pessoa, deve ser evitada! Contudo, o EGC tem muita e completa razão em dizer que o amigo acima é uma pessoa normal!

          Se o teu especialista não é suficientemente capacitado em resolver teu caso, deve ter o mínimo de ética em indicar outro que possa! Solução tem e não é por você ser soropositivo ou deixar de ser.

          Estimo melhoras Paulo e não deixe a peteca cair agora pela condição de soropositivo, vire o jogo e coloque as cartas na mesa pra esse médico resolver teu caso ou dar andamento e tratamento urgente pra quem possa.

          Obs.: perdão pela repetição!

          • Paulo Roberto diz

            D_PR,
            evidentemente, ninguém iria tomar sinvastatina sem orientação médica ou exames que comprovem a alta do colesterol.
            Nem Domperidona se não estivesse com refluxo.
            Eu, por exemplo, tenho colesterol e triglicérides altos há dez anos. Foi por isso que descobri que um soropositivo não pode tomar Sinvastatina: quem me disse foi o meu infectologista. Neste caso, há outra medicação, chamada GENFIBROZILA, que pode ser tomada, porém, com acompanhamento sério do médico e com exames frequentes.
            Quanto ao refluxo gástrico, resolvi me tratar com a homeopatia – comecei esta semana o tratamento.
            Vamos ver no que dá.

  6. anjo (terapeuta) diz

    Ola alguem que toma medicacao a mais de 5 anos teve ou conhece alguem que teve auteracao fisica. Aumento de gordura na barriga e afinamento no rosto.

  7. Paulistano Positivo diz

    Estive em consulta com meu infecto, aqui em São Paulo, e perguntei sobre as novidades da CROI que ele participou esse ano.
    Muito se falou sobre as pesquisas direcionadas a medicamentos que expulsam o vírus dos reservatórios e também sobre a terapia gênica.

  8. Dudu_Paraná diz

    gente boa tarde tudo bem com vcs ?
    depois de longos seis meses em luto por ter descoberto a minha sorologia eu posso dizer que estou começando viver novamente, pois bem, fazem exatamente cinco meses que estou em tratamento com o 3×1 e a princípio está tudo bem, porém eu tenho notado que estou emagrecendo sabe, em dois meses já emagreci dois quilos, exatamente a duas semanas comprei uma calça qual o número era 36 sempre vesti 38 porém depois dessas duas semanas tô percebendo que a calça já está ficando mais larga, a princípio quando comprei ela ela ficava apartada na cintura e agora ela está mais folgada, gostaria de saber se é normal emagrecer assim, pois meu peso normal sempre foi entre 60 e 62 quilos agora estou pesando 58, sério que estou bem preocupado….alguém ai já teve essa experiência de começar a emagrecer no começo do tratamento, e se tem vcs conseguiram voltar ao peso normal?

  9. Dudu_Paraná diz

    gente boa tarde tudo bem com vcs ?
    depois de longos seis meses em luto por ter descoberto a minha sorologia eu posso dizer que estou começando viver novamente, pois bem, fazem exatamente cinco meses que estou em tratamento com o 3×1 e a princípio está tudo bem, porém eu tenho notado que estou emagrecendo sabe, em dois meses já emagreci dois quilos, exatamente a duas semanas comprei uma calça qual o número era 36 sempre vesti 38 porém depois dessas duas semanas tô percebendo que a calça já está ficando mais larga, a princípio quando comprei ela ela ficava apartada na cintura e agora ela está mais folgada, gostaria de saber se é normal emagrecer assim, pois meu peso normal sempre foi entre 60 e 62 quilos agora estou pesando 58, sério que estou bem preocupado….alguém ai já teve essa experiência de começar a emagrecer no começo do tratamento, e se tem vcs conseguiram voltar ao peso normal????

    • Paulistano Positivo diz

      Fala Dudu,

      Qdo soube da minha sorologia positiva para o HIV fiquei totalmente atordoado com a nova condição. Isso gerou muita preocupação, fiquei bem triste, pensei que tudo eatava acabado para mim.
      Acho que todos esses fatores, com a cabeça a mil, contribuiram para minha perda de peso, inicialmente. Eu pesava 80kg e fui pra 75kg, num estalar de dedos.
      Com o tempo, acostumado com a “nova vida”, meu peso voltou ao normal e até engordei mais. No momento estou me alimentando de forma mais saudável, fazendo muito exercício, porque, ainda, depois dessa fase eu engordei pra cacete!
      Então relaxa um pouco a cabeça, mas sempre se reporte a seu médico em caso de dúvidas.

  10. Guerreiro Filho_BH diz

    Bom dia a todos,
    Dudu_Paraná, tenho também essa percepção quanto à perda de massa magra, fato que me deixa relativamente preocupado. A priori estou em tratamento a exatos 3 meses e 10 dias. Sendo bem racional em meu caso, tenho ficado muito preocupado com umas “paradas” e isso pode estar a contribuir para uma redução em meu apetite. Minha rotina é super corrida e com má alimentação a perda de massa é uma possibilidade real. Faço bastante atividade física e é péssima a sensação de perder massa . É clarividente que a medicação pode contribuir com esse quadro de perda de massa mas quero eliminar esse componente da má alimentação e da falta de apetite para me preocupar de verdade. Ao menos é isso que farei!! Temos de nos conhecer bem para não atribuirmos quaisquer aspectos corporais ao quadro de infecção pelo HIV. Agora, eu também tenho me sentido mais triste , entende?? isso pode ser tanto interferência de um dos componentes do 3×1 ou de “coisas da minha cachola”. Tanto por um ou por outro isso também pode contribuir com a perda de massa. Já torcendo para você , por mim e demais que possam estar com essa sensação, ótimo domingo ae!!

  11. M. diz

    Gente eu estou tomando o 3×1 a 3 dias e parece que eu estou super drogado, literalmente, indescritível o que sinto, isso é normal? Eu vou ter que conviver com essa sensação para sempre? Já estou num estágio de apavoramento :/ me ajudem!!!!

    • JV diz

      Acredite que vai passar! Beba muiiiita água e faça exercícios! Evite o medicamento junto com alimentação pesada e gordurosa pois parece que aumenta a absorção e esses efeitos são mais intensos. Vai passar! Hoje sinto uma pequena letargia em alguma ocasiões. Estou no segundo mês de medicamento. Dormir bem tb ajuda!

  12. Dei_sc diz

    M. relaxe quase todos passam por essa esse período de adaptação… tendem a ir diminuindo … estou em Ta Dei_sc rv a 6 meses e estou bem… melhor a cada dia…
    foco, força e fé…
    estou no Kik 👇

    • M. diz

      Mas isso está interferindo meu desempenho na faculdade/trabalho, sinto muito sono, o tempo todo, todo mesmo, nao consigo me conter ):

      • Verdes Olhos diz

        Olá, M. Você pode mudar de combinação, trocar os remédios. Existem diversas combinações possíveis e, até onde eu sei, a única que causa essa intoxicação mental é a combinação que tem o Efavirenz. Se você está se sentindo mal, fale com seu(sua) infectologista e converse sobre a possibilidade de trocar. Eu detestei tomar o 3 em 1, passei muito mal, mesmo, os sintomas não diminuíram com o tempo e eu simplesmente troquei. Em poucos dias sem o efavirenz, meu sono voltou ao normal, minha alimentação e meu senso de realidade também.
        Então, deixando claro: VOCÊ NÃO É OBRIGADO a tomar o Efavirenz e esperar os “efeitos diminuírem”. Eu troquei e não pretendo jamais voltar.

        • Tom diz

          Qual a sua combinação?
          Eu ainda não iniciei minha TARV, mas conversando com o infecto ele já indicou que vou começar com o 3X1. Fiz algumas perguntas sobre esses efeitos do Efavirenz, mas ele desconversou, não deu importância. E confesso que estou com receio desses efeitos colaterais…noites mal dormidas, tonturas e tal…

      • Pedro diz

        M,
        Esses sintomas passam c tempo( normalmente nos primeiros dias), cuidado c alimentação, evite alimentos gordurosos.

  13. Paulo Roberto diz

    Deviam chamar o tal dr. Paulo Gouveia para este curso de patogênese, não acham?
    Lá ele poderia demonstrar para o mundo inteiro seus trabalhos com a tal mutamba…
    Aham, aham…

  14. p.s ribeiro diz

    Estou tomando o 3×1 a alguns dias .nos primeiros dias realmente foram muito ruins mais logo isso passou e hj ja nao sinto tantos efeitos..estava afastado do trabalho e dei uns dias na faculdade…ate q td se normalize para q ai volte con td…meu infecto foi muito gente fina me deu afastamento de 30 dias..nesse periodo farei o possivel pra organizar minha vida e creio q td dara certo..

  15. Junior diz

    Boa tarde. Gostaria de falar a respeito de plano de saúde. Estou afim de contratar um plano para mim sendo que tenho HIV e gostaria de saber se tenho que dizer quando contratar o plano sobre tal condição. Sabe- se que eles podem aumentar valores ou reter benefícios ao saber sobre a sorologia. O que é indicado fazer para não ter problemas?

    • Antonio diz

      Eu ja contratei, depois troquei e não falei nada, alias nego que tenho, não sei se é certo ou não, mas se vc falar o preço vai la em cima.

  16. Sam diz

    Pessoal, bom dia!
    Sou de Salvador/BA e gostaria de trocar ideia com outros soropositivos daqui.. falar sobre médicos particulares, exames, enfim, tudo o que a gente enfrenta nessa jornada. Quem puder, me adiciona no kik: thespatient ou manda email: thespatient@outlook.com.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s