Artigos
Comentários 68

Caio Fernando Abreu: uma ponte entre dois séculos


Por em 29 de fevereiro de 2016 para Revista Cariri

cariri

Denominado por Lygia Fagundes Telles como um “encantador de serpentes” e um “biógrafo das emoções contemporâneas”, Caio Fernando Abreu tem sido redescoberto por uma geração que não o conheceu presencialmente, mas que consome ávida seus textos mais diversos. Tal fenômeno parece não acontecer por acaso, pois além de fornecer um retrato do país e da geração do final do século XX, Caio é o escritor brasileiro que, em companhia da poeta Ana Cristina Cesar, antecipou muito da dicção dos modos de escrita contemporâneos. Ambos já apresentavam em seus textos de 1980 uma linguagem confessional, supostamente “ligeira”, sem pedantismos ou academicismos. Características marcantes das formas presentes hoje nos blogs e hipertextos elaborados em especial pela juventude no ciberespaço. Não é à toa o imenso sucesso deles nas redes sociais. Seus textos antecipavam modos de expressão já naquela época quando não existia nem mesmo e-mail e onde computador pessoal era artigo de luxo.

12788694_10204481032825354_875564455_o-940x705

Nestes 20 anos da morte do escritor gaúcho, ousamos mexer no material que encarna as múltiplas vidas possíveis de Caio Fernando Abreu e elaboramos um pequeno perfil literário do moço. Vinte anos após sua partida, a obra de Caio Fernando Abreu permanece viva e pulsante.

Ao entrevistar Caio Fernando Loureiro Abreu ainda na década de 1970, a escritora Tânia Faillaci pontuou: “Caio quer ser um Mago. Por enquanto é um escritor premiado”. Ela traduzia o universo místico, pop e literário que envolveu grande parte da obra do escritor gaúcho, tão em voga hoje, mas naquele momento repudiado pela chamada “literatura de gravata”. Tal qual um dos heterônomos de outro Fernando, o Pessoa, ou como sua amiga Clarice Lispector, Caio pertencia a um mundo ancestral de oráculos e bruxos, como bem ressaltou Antônio Gonçalves Filho.

E foi exatamente na manhã do dia 12 de setembro de 1948 que nascia, quase na fronteira com a Argentina, na cidade de Santiago do Boqueirão, no Rio Grande do Sul, aquele virginiano com ascendente em Capricórnio. Rodeado de quartéis, o município se tornaria mais tarde apenas Santiago e viria a ser conhecido por uma designação bem mais simpática “a terra dos poetas”.

Embora não tenha se dedicado especificamente ao formato poesia no sentido estrito, é inegável o caráter lírico que perpassa a obra de Caio. Caráter este iniciado ainda na pré-adolescência, quando a paixão pela literatura se manifestava na leitura voraz e na escrita da história A maldição de Saint-Marie, ainda aos 13 anos. Posteriormente reformulado e renomeado como A maldição do Vale Negro, o melodrama viria a ganhar o Prêmio Molieri de teatro em 1988.

Ainda na adolescência, em 1965, vivenciou seu primeiro deslocamento geográfico, fenômeno que marcaria profundamente sua escrita e seus personagens. Foi estudar no Instituto de Porto Alegre, internato localizado na capital gaúcha. É nesta época que Caio tem sua primeira publicação. O conto “O príncipe sapo” impresso na revista Cláudia.

Concluídos os estudos da educação básica, Caio adentra a graduação em Letras pela UFRGS no ano de 1967 em companhia do futuro escritor João Gilberto Noll. Não se identificando com o curso, passa a frequentar Artes Dramáticas, que também abandonará posteriormente. No ano seguinte, o emblemático 1968, Caio adere ao fenômeno da contracultura fortemente influenciado pelo existencialismo, movimento hippie e pelo tropicalismo. Aliás, nesta época, Caio buscava uma “voz própria” e lutava contra a flagrante influência de Clarice Lispector. Sua inspiradora maior apareceria ainda excessivamente nos dois primeiros livros do escritor gaúcho: Inventário do Irremediável (1970) e Limite Branco (1971).

Caio Fernando Abreu na companhia de amigos, dentre eles, Lygia Fagundes Telles e Hilda Hilst.

Caio Fernando Abreu na companhia de amigos, dentre eles, Lygia Fagundes Telles e Hilda Hilst.

Perseguido pelo DOPS, a polícia política da ditadura militar, Caio refugia-se na “casa do sol”, sítio de Hilda Hilst. Ele está vivenciando neste momento outras experiências de deslocamento, uma vez que permanece em trânsito entre Rio de Janeiro (onde aprofunda amizade com Clarice e Nélida Piñon) e São Paulo (onde começa a desenvolver atividade de jornalista em diversos veículos da grande mídia, como a Revista Veja).

Anúncio do livro “O ovo apunhalado” no Jornal O Globo de 18 de janeiro de 1976.

Anúncio do livro “O ovo apunhalado” no Jornal O Globo de 18 de janeiro de 1976.

Em 1973, Caio decide realizar um auto-exílio para a Europa financiado pelos prêmios literários que então recebera. Após passar por Paris e lavar pratos em Estocolmo, decide fixar-se na Inglaterra, onde elabora parte de suas experiências que comporiam a obra póstuma Estranhos Estrangeiros (1996). Ali, Caio vive como hippie em uma squatter house, rouba leite nas portas das casas, trabalha como modelo vivo e é preso por subtrair uma biografia de Virginia Woolf em uma livraria. Naquele contexto o Flower Powerestava a todo vapor e Lennon ainda não havia decretado o final do sonho.  Como disse o autor gaúcho no prefácio à segunda edição de “O ovo apunhalado”, era um “tempo de dançadas federais. Lindos sonhos dourados e negra (SIC) repressão. Tempos de Living Theatre expulso do país, do psicodelismo invadindo as ruas para tomar contornos tropicais […] primeiras overdoses (Janes, Jimi). Eu estava lá. Metido até o pescoço. Apavorado viajante.”

Cena do Filme “Deu pra ti, anos 70” (1981), de Giba de Assis Brasil e Nelson Nadotti. No longa aparece o artigo de Nirlando Beirão que também inspiraria a escrita de “Morangos Mofados”.

Cena do Filme “Deu pra ti, anos 70” (1981), de Giba de Assis Brasil e Nelson Nadotti. No longa aparece o artigo de Nirlando Beirão que também inspiraria a escrita de “Morangos Mofados”.

Retornando ao Brasil, colabora em diversos jornais da imprensa alternativa dos anos 1970, tais quais,Opinião, Movimento, Versus, Ficção, Inéditos, Paralelo e Escrita. Ao mesmo tempo em que tem trechos censurados do livro O Ovo Apunhalado (1976), por serem tidos como “imorais” (SIC), a presença marcante dos textos de Caio na mídia alternativa possibilitará a publicação de dois de seus contos na antologia Histórias de um novo tempo (1977) pela editora Codecri, pertencente ao jornal O Pasquim. Com o sucesso editorial do volume, Caio passa a ser anunciado como um dos novíssimos escritores da literatura brasileira. Em 1977 publica ainda Pedras de Calcutá, livro no qual refletia sobre toda uma geração criada sob a sombra da ditadura e começa a esboçar alguns contos daquela que seria sua obra mais aclamada: Morangos Mofados. O livro, finalizado em 1979, é uma reflexão sobre o final do sonho da contracultura e de seus projetos. Contudo, é publicado somente em 1982, ano em que vira um dos maiores sucessos editoriais da década. Vale salientar que Morangos Mofados foi considerado pela Revista Bravo, nos anos 2000, como uma das cem obras definitivas da literatura brasileira de todos os tempos.

Já os anos 1980 começam com uma contradição intrínseca. Tempos de redemocratização, do fortalecimento dos novos movimentos sociais. Mas também anos de refluxos nos movimentos de liberação sexual, aos quais Caio dera visibilidade através de sua obra. Anos de recessão econômica e de descoberta do vírus HIV. Em sua arte, Caio expressava como ninguém aquele quadro onde o país aparece “explorado, humilhado, escroto, vulgar, maltratado, sem um tostão no bolso, cheio de dívidas, solidão, doença e medo”. Este clima tem reflexo em sua obra posterior. O triângulo das águas (1984) é considerada a primeira ficção da literatura brasileira onde aparece a palavra “aids”. Composta por três narrativas, vence a maior honraria da literatura brasileira: “o prêmio Jabuti” na categoria melhor livro de contos.

O próximo prêmio Jabuti viria em 1988 com a publicação daquela que é considerada sua obra mais madura: Os dragões não conhecem o paraíso. A solidão, o isolamento e ao mesmo tempo a ânsia pelo encontro no meio da noite urbana ilustram esta fase do autor. O livro é publicado na Inglaterra com uma excelente crítica de David Treece. Naquela mesma década, Caio, que já trabalhara como redator em revistas como Manchete, Pais e Filhos e POP,  escreve para as revistas  Gallery Around,  Leia Livros e diversos suplementos literários. Publica o livro infantil As frangas (1988) e redige quinzenalmente crônicas no jornal O Estado de São Paulo, escreve roteiros para TV e cinema. Ironicamente o autor intitula estas atividades como “coser para fora” ou “biscates culturais”. Trabalho duro para juntar dinheiro e poder se dedicar à paixão maior: a literatura.

Caio4

O ator Silvero Pereira em “Uma flor de dama”(2015), adaptação livre do conto “Dama da Noite”, que integra o livro “Os dragões não conhecem o paraíso” (1988).

No início da década de 1990, publica seu maior sucesso internacional. Onde andará Dulce Veiga? é traduzido para o inglês, alemão, francês, holandês e é indicado ao prêmio Laure-Bataillon de melhor romance internacional, ao lado de nomes como Paul Auster. O livro viria a ser adaptado em 2002 para o cinema sob a direção do amigo Guilherme de Almeida Prado. Ainda nos anos 1990, Caio Fernando Abreu volta à condição de estrangeiro para lançamentos em diversos congressos de literatura na Europa ao lado de escritores como Lygia Fagundes Telles e Rubem Fonseca. Em 1992 é convidado pela Maison des Écrivains Étrangers para uma bolsa de dois meses onde publica a novela “Bien Loin de mairenbad”, expressão máxima de sua elaboração sobre o fenômeno do deslocamento, do desterro. Contudo, o meteórico sucesso e as viagens internacionais são interrompidas por diversos sintomas que fazem o escritor voltar ao Brasil em 1994 e ser diagnosticado como portador do vírus da aids. O escritor tornaria tal acontecimento público através das crônicas, hoje clássicas, “Cartas para além do muro”, publicadas no jornal Estado de São Paulo.

Nos últimos anos de vida, Caio dedicou-se à revisão de suas obras, à compilação de suas crônicas, bem como à publicação do que ele mesmo chamou de um livro pré-póstumo. “Ovelhas Negras” (1996) é a coletânea de textos rejeitados que daria ao autor o seu terceiro prêmio Jabuti. Caio Fernando Abreu faleceu em 25 de fevereiro de 1996 deixando inacabado o livro “Estranhos estrangeiros”, que viria a ser organizado e publicado naquele mesmo ano por seus editores.

Alexandre Nunes

Alexandre Nunes
Professor de “Comunicação e Cultura” da Universidade Federal do Cariri – UFCA. Doutorando em “Cultura e Sociedade” pela UFBA.


Anúncios
Este post foi publicado em: Artigos
Etiquetado como:

por

Jovem paulistano nascido em 1984, que descobriu ser portador do HIV em outubro de 2010. É colaborador do HuffPost Brasil e autor do blog Diário de um Jovem Soropositivo.

68 comentários

    • Erick Allan Bounean diz

      Quais medicamentos estão presentes na injeção? No texto não fala.

  1. Pedro diz

    Ótima notícia, EGC!

    Que venham logo esses avanços para p tratamento!

  2. Leo24 diz

    Vocês acham que essas injeções demorarão muito pra chegar ao Brasil? O 3×1 mesmo passou 10 anos pra chegar por aqui, o que é um absurdo. Talvez se as tais injeções forem mais baratas do que os comprimidos para os cofres públicos eles agilizam.

  3. Ricardo - Gru diz

    Esta semana estive conversando com a minha infecto, ela disse duas pessoas aqui na cidade foram selecionadas para fazerem um “piloto” com as vacinas, estão sendo monitoradas pelo CTA local e pelo Carlos Chagas, estão reagindo muito bem as vacinas, ou seja, não houve multiplicação do vírus nem tão pouco baixa do CD4. Disse também que estão estudando prolongar o prazo para repetir a dose da vacina. Quem sabe num futuro próximo vamos ter finalmente a injeção semestral ou anual ? To torcendo para que isto ocorra logo ! Vamos ter fé que as coisas vão melhorar.

  4. Paulo Roberto diz

    Que venham as vacinas!!! Eu iria no CTA, tomaria as vacinas e me livraria desses comprimidos que me atacam o estômago e me causam refluxo.

  5. Paulo Roberto diz

    “Já os anos 1980 começam com uma contradição intrínseca. Tempos de redemocratização, do fortalecimento dos novos movimentos sociais. Mas também anos de refluxos nos movimentos de liberação sexual, aos quais Caio dera visibilidade através de sua obra. Anos de recessão econômica e de descoberta do vírus HIV. Em sua arte, Caio expressava como ninguém aquele quadro onde o país aparece “explorado, humilhado, escroto, vulgar, maltratado, sem um tostão no bolso, cheio de dívidas, solidão, doença e medo”.
    Até parece que é atualmente.
    Ano 2016: O país explorado, humilhado, escroto, vulgar, maltratado, sem um tostão no bolso, cheio de dívidas, solidão, doença e medo.
    Só mudou a data.

  6. Rafa diz

    Alguém sabe me dizer, se fumar um Beck de vez enquando, interfere o tratamento..
    Ou beber um drink nos finais de semana..

    Valeuu

    • Alex diz

      Eu ainda não li nada mt conclusivo sobre isso. Li relatos de cura e um relato de uma pessoa que disse ter usado e não ter surtido efeito. Mas, são apenas relatos, sem nada mt aprofundado, gostaria de saber algo mais concreto sobre isso. Acho que não deveria ser um assunto descredenciado sumariamente, basta lembrar o caso da fosfoetanolamina que possui indícios de ser benéfica e foi negligenciada pelo poder público.

      Considerando que seja mesmo possível a cura com isso, se “deu errado” para uma pessoa não quer dizer que os demais que supostamente ocorreram cura estão mentindo. Pois, até mesmo os tratamentos atuais nem sempre um tratamento funciona para todos, devido as mutações do vírus e outros fatores, do mesmo modo pode ser a cura.

      • Paulo Roberto diz

        Alex, eu usei e não surtiu efeito comigo.
        Mas se alguém me PROVAR que dá resultado, vou novamente para Araguaína e refaço todo o tratamento.
        Por enquanto, todas as pessoas com as quais tive contato na época em que eu me submeti a esse tratamento – pessoas que estavam também se submetendo à Mutamba – me disseram que não surtiu efeito para elas também.
        Se UMA pessoa me PROVAR que deu resultado para ela, tomo novamente o avião para Palmas e encaro a viagem de sete horas de van até Araguaína novamente.
        Talvez fique por lá para o resto da minha vida, pois o Estado do Tocantins é LINDO!

        • Alex diz

          Eu acho q já vi seu relato aqui, por isso mencionei que pode ser uma cura que não funciona em todos os casos, já que até alguns dos remédios atuais não funcionam em todos os casos.

  7. Antonio diz

    Estava vendo o perfil desse médico no Facebook e ação desse deputado que poder ser oportunista!, será que isso procede mesmo ? O tratamento com ozônio e óleo de coco pode ser um adicional aos medicamentos alguém já ouviu falar ou faz ?

  8. Antonio diz

    Eu já tomei uma vez esta folha comprada de Tocantis e atualmente compro a casca da Cha&Cia, embora ele fala que é somente da folha tem principio ativo, mas se tem o principio ativo nesta folha no tronco vai ter também. Na verdade deveria ter feito um estudo de fitoterapia desta planta para saber onde tem mais, se é na folha, caule, se a folha seca e fresca tem o mesmo efeito. Eu questionei o médico e ele não me respondeu. Ele baseia no que o avô dele fazia como famarcêutico no Tocantins. Eu penso assim mal não vai fazer, mas sempre continuei tomando o coquetel. Ate onde sei plantas e frutos que tem alta concentração de uma substancia conhecida como Tanino tem uma ação positiva no combate ao vírus, este composto inibe a replicação do vírus. Esta mutamba tem canino, como outras também. O que merecia era um estudo completo e amplo desta planta em um laboratório de de química medicinal, mas não foi feito. Isso lembra um pouco a historia da fosfoetanolamina no interior do estado de SP. Parece que tem resultado bons, mas ainda não tem um estudo completo. No caso da Mutamba tem estudo quase nenhum, é mais um conhecimento popular com alguns estudos e observação de um médico. Na fosfoetanolamina parece que esta avançando os estudo agora para comprovar, desde da toxicidade ate a cura.

  9. Pedro diz

    Estou com Dúvidas sobre começar ou não a tomar a medicação, meus exames estavam bons há 5 meses atrás e repeti essa semana!! estou aguardando os resultados
    minha carga viral estava 21 mil e CD4 e CD8 acima do 500, normal
    pretendo não iniciar a medicação caso isso se mantenha ou tenha pequena diferença
    Sei que o Ministério da Saúde quer que inicie o medicamento
    caso não inicie pode acontecer algo juridicamente?
    ou o medico pode se negar a continuar me acompanhar?
    alguem vive esta situação?

    • Ser+H diz

      Pedro ninguém é obrigado a fazer ou não fazer algo senão em virtude de lei. Vai de vc iniciar ou não a terapia com prévia orientação de um ou outro médico. Se fosse eu vc já tinha iniciado ontem.

  10. Pedro, vc esta totalmente errado! vc esta próximo de entrar em risco. Tem que enfrentar o problema e aderir ao coquetel! se vc pega uma gripe forte se CD4 e CD8 vai la embaixo e o vírus lá em cima. Lembra que estas relação são logarítmicas.
    Vc não é obrigado a nada e nenhum médico vai forçar, mas vc esta fazendo merda! Por que por mais que vc tome cuidado com a saúde vc vai piorar, esta é a verdade, contra o vírus o que a única arma que temos é o coquetel.
    Qual seu medo?

  11. Pedro diz

    vou conversar novamente com meu médico e ver o que ele acha, se posso ficar mais um tempo sem tomar, recebi os resultados agora e infelizmente tive um aumento da carga viral de 21mil para 36808 e o CD4 de 729 para 598

  12. Pablo diz

    Alguém sabe se é possível achar o número de células CD4, tendo por base um hemograma completo e a quantitativo de linfócitos?? Meus linfócitos estão em 2042.

    • D_Pr diz

      Pablo,

      A contagem de CD4 é um exame específico. Quanto ao exame feito no seu hemograma está entre o valor de referência normal: “20 a 50% ou 1500 a 5000/mm³ de sangue”. Pra ver em quantas andam seu CD4 tem que fazer especificamente esse exame.

  13. Antonio diz

    Pedro
    Comece a usar o coquetel o mais rápido possível, quanto antes melhor, seu organismo não esta mais conseguindo destruir o vírus

  14. anjo (terapeuta) diz

    Pedro comecar a medicao asvezes assusta como receber o diaginostico posivo mas e tao importante quanto saber. Fera nem tive efeitos colaterais, hj a medicacao e muito tranquila e quanto mais cedo comecar mais cedo estara indetectavel. Forca e coragem.

  15. Edu diz

    Pedro, vou pedir licença e me meter.
    Eu comecei o mei tratamento imediatamente meu diagnóstico, mas sempre li muita gente falando sobre começar ou não, encarar os efeitos colaterais, etc. De tudo que já li nesse anos de diagnóstico duas coisas me chamaram muito a atenção: a primeira é que quanto antes começar a tomar, mais você poupa seu sistema imunológico, suas células de defesa, seu organismo no geral, de uma infecção causada pelo vírus, e a segunda, que quanto antes você inicia com os medicamentos menos tempo você dá para o.virus se alastrar e encontrar os tais santuários onde se escondem. Aliás, todos os testes de vacina, remédios para cura, etc, exigem pacientes indetectáveis, ou seja, com o vírus suprimido. Você precisará estar sob controle quando a cura chegar, meu caro. Vá se cuidando enquanto ela não vem.
    Boa sorte!
    Forte abraço,

  16. Leo24 diz

    Pessoal, o 3×1 vem quantos comprimidos no frasco? de quanto em quanto tempo é preciso ir no CTA pegar o medicamento? obg

    • Antonio diz

      Leo24 vem 30 e depende do pedido do seu medico, as vezes ele da uma dispensa para 60 dias ou para 90 dias!

  17. Juka diz

    Entendo a angústia de iniciar ao tratamento, mas é um mal que veio para o bem.mal??? Pq?? Não tenho um efeito colateral, só aqueles sonhos dos três primeiros dias( até curti os sonhos…kkk).hj to de boa e indetectável. Aliás, iniciei rápido pós contaminação. Eu tava com 800 de cd4 e 18000 cv. Hj to indetectável e 1000 de cd4

  18. Matheus diz

    Galera, alguém aqui sabe qnt tempo o virus permanece infeccioso fora do corpo humano? Já ouvi falr que é quase impossivel ele infectar alguém estando fora do corpo…

    • Gil diz

      Poucos segundos, dois ou três, na presença do oxigênio e da luz. O vírus é frágil, na verdade apenas uma proteína que se acopla no dna humano e lá ele muda a forma da célula infectada de agir, causando um estrago danado, mas só dentro da célula parasitada ele, digamos, “cria vida própria”.

  19. Pablo diz

    Leo24, vem 30 comprimidos. Nossa Juka 1000 cd4? Que coisa boa hein. Se Deus quiser ainda chego la.

  20. curiosa diz

    Tive um amigo recém diagnosticado, ele já iniciou logo o tratamento e seguindo a vida dele normal, mas paralelo a esta descoberta ele estava se relacionando com alguém no qual ele não disse nada a respeito, só me disse que iria protegê-lo, ele não procurou tratamento psicológico e disse que está bem e disse que quando ficar indetectável não vai dizer pra ninguém mesmo, vocês acham o que disto? Queria saber nos meios legais, pois li várias coisas para ajudá-lo, se ele se relacionar e a pessoa descobrir pode processá-lo? Quando alguém pede um exame para se relacionar com alguém, se um soropositivo fizer vai mostrar como “não reagente”? já que ele é indetectável? e ele também não quer mais falar do assunto, então não sei como ajudar…

    • Hans diz

      Se um soropositivo fizer um exame, sempre vai dá positivo… Apesar de ficar indetectável, o exame que é feito vai procurar por anticorpos contra o hiv!
      E quando uma pessoa é infectada pelo HIV, essa pessoa vai ter anticorpos contra o hiv pelo resto da vida!

    • JOHN34 diz

      Eu suponho que ele vá dar reagente, pois os exames no geral detectam a presença de anticorpos, inclusive é por isso que os exames são mais no sentido de buscar anticorpos do que propriamente o vírus, justamente para não ocorrer esse tipo de erro, já que existem pessoas que mesmo não tomando remédio podem ter uma carga viral baixa ou a progressão do vírus seja muito lenta de modo que ele recém infectado ainda esteja indetectável

    • Gil diz

      Se fizer exame a pessoa com hiv, mesmo indetectável terá REAGENTE no resultado, pois no teste se mede os anticorpos para o vírus.
      No teste de contagem viral a pessoa indetectável terá contagem menor de 20 cópias por ml de sangue dando como “cópias do vírus não encontradas”

  21. Juka diz

    Eu tenho uma curiosidade, se pegarmos 20 pessoas soronegativas aleatoriamente e fizesse exame de cd4 será qual éa média? Será q de uma para outro existe uma gde diferença? Queria saber a minha antes de ser contaminado….

    • Homem23:55 diz

      Oi Juka

      Me questiono muito sobre isso.
      Vejo umas pessoas informando valores super altos, me cai a dúvida se estou dentro do padrão da minha genética ou abaixo de ser saudável.

      Existem valores de referência, mas eles são muito abrangentes.
      Me cuido e estando indetectavel, imagino que o valor que me encontro, é o melhor que meu corpo pode chegar.

      • Juka diz

        Qto VC ta? Eu to em 1000.será q eu estava mais antes de ser contaminado? Ou o fato de eu me cuidar mais, estarei mais saudável hj?

    • Gil diz

      Depende de cada pessoa, nível de stress, horas de sono e se teve infecção de algum vírus, como gripe ou resfriado uns dias antes, aí baixa o CD4, mas difícil baixar de 500. Em geral, pessoas saudáveis, vida equilibrada, soronegativas ou soropositivos, cd4 fica entre 750 e 1200. Estando indetectável o organismo se restabelece do ataque do hiv.

  22. Rodrigo diz

    Olá.
    Vendo os comentários gostaria se por favor alguém pudesse me tirar uma dúvida.
    Minha CV era de 97.000 em janeiro e meu CD4 de 408. Já estou há 35 dias no tratamento. Minha CD4 pode aumentar? E quanto? É um valor de “perigo” para doenças oportunistas e chegar no estágio AIDS?
    Obrigado pessoal.

  23. Hans diz

    Todo mundo sabe que quando a pessoa é infectada pelo HIV a pessoa vai ter anticorpos contra ele até o fim da vida. Por tanto o exame de HIV sempre vai dá positivo!
    Minha pergunta é em cima disso: se a cura for descoberta e a pessoa for curada, mesmo assim o exame vai dar positivo por causa dos anticorpos?
    No caso do paciente de Berlin o exame dele da positivo mesmo ele estando curado???

    • RoDigo diz

      Pesquise sobre IgM e IgG das doenças que possuem vacinação e cura.

    • D_Pr diz

      Bom dia Hans,

      No caso do paciente de Berlim, os exames de sorologia dele dão “não reagente”, ele teve todo o sistema imune “reconstruído” por conta do transplante, segundo postagem anterior aqui do blog mesmo.

  24. JOHN34 diz

    Eu sou soronegativo, em que situação eu posso pedir um exame para o cd4?

  25. The faithfulness diz

    Pedro,
    Concordo plenamente com o Edu e a maioria. VC já deveria estar tomando os remédios. Quanto antes iniciar o tratamento menos órgãos de seu corpo serão atingidos. Contraí o vírus em agosto de 2014 e em dezembro já estava iniciando o tratamento e ainda achei q iniciei tarde ,(mas preferi iniciar nas férias por questão de adaptação) Olha dos maiores efeitos o pior p mim foram as tonturas. Mas com o tempo foram passando. No meu caso sofri um ano com calorão e tonturas. Hj me sinto tranquilo. Somente qdo tomo comprimido ligo após ter comido algo pesado sinto uma pequena tontura. Mas saio tdo fim d semana e levo comprimido no bolso. Tomo no horário exato, até qdo vou balada. Nunca fiquei sem tomar, contrai o vírus em agosto de 2014 e em março de 2015 estava indetectável já.

  26. Ricardo6 diz

    Boa noite.
    Estou com acompanhando os comentários e tenho uma dúvida.
    Recebi o diagnóstico em janeiro com CV 97.000 e CD4 408, porém já estou tomando antiviral há 35 dias. Minha CD4 pode aumentar? Estou preocupado em relação à imunidade estar baixa e adquirir doenças oportunistas no estágio Aids.
    Alguém pode me tirar essa duvida?

  27. Pablo diz

    Amigos, fui pegar meu 3 x 1, e dessa vez veio uma embalagem diferente, bem maior e a cor do comprimido alaranjada. Me disseram que mudou o laboratório.

  28. positivosempre@outlook.com diz

    O meu também usou, só que antes era o laranja, agora é o branco.

  29. Zen diz

    Injeção a Cada 2 Meses Será o Futuro para Tratamento do HIV

    Uma injeção intramuscular composta por uma combinação de dois fármacos, que será administrada a cada dois meses, se tornará nos próximos anos no tratamento da aids, permitindo assim aos pacientes não ter de tomar um remédio diário.
    O chefe de Doenças Infecciosas e aids do Hospital Clínic de Barcelona, na Espanha, Josep María Gatell, explicou nesta sexta-feira que “a aderência ao tratamento é um dos principais problemas da doença”, já que alguns pacientes não seguem corretamente as ordens médicas, enquanto “a injeção lhes permitirá seguir o tratamento, melhorando além disso sua qualidade de vida”.
    Gatell, que apresentou o 22º Simpósio Internacional sobre HIV que será realizado no último fim de semana em Barcelona, disse que “este tratamento ainda não é comercializado, já que se encontra em fase 3 de estudo”, embora tenha afirmado que “se tudo correr bem, em meados de 2018 já poderia ser lançado no mercado”.
    Os fármacos que compõem a injeção, segundo explicou o médico da Unidade de HIV do Hospital Vall d’Hebron de Barcelona, Esteban Ribera, “eram remédios que já existiam, mas que foram reformulados com nanotecnologia, por isso que têm uma liberação mais prolongada” e permitiriam abandonar a necessidade de tomá-los todos os dias.
    Por outro lado, Gatell e Ribeira destacaram a importância da detecção precoce da doença, assim como de começar o tratamento imediatamente depois do diagnóstico, já que isto ajuda a lutar melhor contra a doença.
    Ao se tratar de uma doença contagiosa, é fundamental “identificar as pessoas que estão infectadas e não o sabem e começar a tratá-las o mais rápido possível” já que, como afirmou Gatell, isto “não só representa um benefício para os próprios afetados, mas também para a Saúde Pública”, porque deste modo se reduz o risco de transmissão de forma inconsciente.

    Minha pergunta é:
    quem atualmente toma o remédio diariamente, vai poder larga-lo e aderir a este novo esquema?
    Tomara que sim. Se a previsão é de 2 anos pra começar a comercializar, no Brasil deve ficar entre 2 e 3 anos pra distribuição no SUS. Também acham isso?

  30. leo24 diz

    Pessoal, verdade que após os sintomas da fase aguda, qualquer exame ja detecta a doença pois o corpo ja produziu anticorpos?

  31. Zen diz

    Postei agora a pouco isso do 22 Seminário Internacional de AIDS, MAS não achei nada sobre ele. Achei que a 21ª Conferencia Internacional será este ano. Será que é uma noticia falsa?
    Sei que estão falando do PRO140. To confuso rs. Help

    • Paulo Roberto diz

      ECG,
      Estou em uma corrente de oração online, exatamente neste momento orando pela cura do HIV e me vem essa notícia? No exato momento em que oramos!!!
      Estou tão emocionado que não consigo traduzir. Só lágrimas de felicidade!

        • Paulo Roberto diz

          Menos por que, Luquinha? Todos os dias eu oro pela cura.
          E por todos do blog.
          Não sei o porquê da sua crítica.

        • Marcus Vinícius diz

          Luquinha,
          vê se escreve algo que venha a somar. Sempre criticando os outros… Coisa feia… faz algo que preste!

  32. The faithfulness diz

    Boa tarde, amigos. Preciso de ajuda. Estou num dilema q não me deixa pensar em outra coisa. Após minha infecção tive um período terrível mas q logo superei. Até passei a viver melhor, curtir mais a vida, principalmente com meu filho. Estou indetectável e estava vivendo super de boa…estava, até conhecer um cara maravilhoso, q faz de tudo por mim e p estar comigo. Então me apaixonei por esse cara é só quero retribuir o carinho, atenção e amor q ele me dá. Quer uma vida comigo. Mas eu nunca lhe contei sobre ter HIV, e noventa e cinco por cento de mim diz p eu não contar e continuar vivendo esse sentimento q p falar a verdade, é a primeira vez q vivo. Mas tenho cinco por cento da consciência pesada do mal e estrago q eu possa vir a causar com esse “segredo”. Me ajudem to perdidasso mesmo. Uma parte de mim diz seja sincero mesmo q seja para perde lo, outra parte diz viva isso intensamente e use preservativo. P ser sincero já me pesou a consciência pois uma vez nos relacionamos sem proteção, isso pela minha errônea e até irresponsável percepção de que estou indetectável e dificilmente poderia transmitir. E agora, pela primeira vez me sinto angustiado entre o medo é a vontade de deixar o amor fluir. Me ajudem.

    • Guto diz

      Olá, The FaithFulness! A minha enfermeira me disse que eu não preciso contar para uma pessoa com quem vou ter uma relação (um ficante), que legalmente eu não sou obrigado. Entretanto ela me disse que se eu vir a ter uma relação mais duradoura, um compromisso e omitir essa informação, eu posso vir a ser processado sim. Não sei se é verdade, não procurei nenhuma lei q diz isso, nenhum caso que tenha havido.

      De qq forma, acho que se vcs estão convivendo uma relação a dois, vc deve ser o mais sincero possível e abrir o jogo. Por mais doloroso q possa ser, eu acredito que vc gostaria q ele te contasse, não é mesmo? E como vc disse, vc está indetectável (é isso mesmo?) Então ele não teria tanto com o q se preocupar… vcs usariam camisinha, vida seguiria, normal… não sei se estou sendo um romântico rss… só estou me colocando no lugar do rapaz… Vc não pode tomar essa decisão de omitir a informação ou permitir que ele não saiba… se ele souber no futuro, mesmo q vcs estejam juntos, ele pode julgar q isso foi uma traição, ou um egoísmo…

      Eu tenho pensado nessa situação se acontecer comigo, de encontrar alguém bacana com quem eu vá me relacionar “de verdade”… e isso me assusta, não te julgo… no seu lugar estaria pirando tbm! hehe

  33. Paulo Roberto diz

    Guwahati: Um médico de Assam afirma ter curado vários doentes infectados pelo HIV. Dr. Dhani Ram Baruah, um cirurgião cardíaco de Assam, afirmou ter encontrado a cura para o HIV. As moléculas biológicas isolados da planta tem o poder de combater o vírus HIV, afirmou.
    Em conferência de imprensa, ele afirmou ter curado vários pacientes afetados por essa doença terrível. O médico disse que “A cura genômica de pacientes com HIV / AIDS / GTIDS é desconhecido até agora. Estas doenças são indispensáveis e invencíveis e espalham-se a cada ano com um mínimo de 10-15 por cento. Tenho desenvolvido e patenteado 29 genes de combate biológicos chamados Baruah, genes de combate biológico que estou usando para curar estas doenças temidas desde o último muitos anos “.
    Depois de muitos anos de pesquisa intensa, o coordenador genético alegou ter curado a doença temida.
    Ele também discorreram sobre um de seus pacientes, Vijender Singh, que revelou que ele está fora de perigo. O homem de meia idade de Haryana alegou recuperação depois que ele foi assistido pelo polêmico engenheiro genético.
    “De acordo com exames laboratoriais de rotina, ele foi positivo e a mulher foi negativa. Mas o seu estado de pré-tratamento genômico revelou que ambos eram genomicamente positivos e, por conseguinte, que ambos tratados. Seu tratamento pós testes genômicos de curto prazo foram genomicamente negativos e eles estavam levando uma vida normal. Mas para ver os efeitos a longo prazo de genes de combate Baruah Biológicas, temos repetido seu teste genômico recentemente depois de oito anos, que revelaram nenhuma mudança em seus resultados após o tratamento e ele ainda é genomicamente negativo.
    “Este teste genômico não só identifica a infecção pelo HIV, mas também os genes afectados pelo vírus e seu futuro manifestação”, disse ele.

    Aos amigos do blog:
    Me desculpem pela tradução mal feita; foi feita às pressas e com lágrimas nos olhos.
    Só não sei que planta seria essa… Mas creio que seja um termo científico, não necessariamente uma planta.

  34. Gil diz

    Eu quero crer que venha a cura, mas… amigo Paulo Roberto, ico na torcida, mas lá dos confins da índia, numa região pobre e inóspita, tomara que eu esteja beeeem errado, mas não creio que seja sério o teor da notícia. Ainda mais vindo de um cardiologista, sem especificar os estudos científicos, sem uma revisão teórica coerente vindo de revistas como New England Journal of Medicine, que publicam coisas sérias e os artigos precisam ser muito bem elaborados para passar no crivo do corpo técnico, que libera a publicação. (Podem até chamar de preconceituoso, mas… certas coisas vitais a gente precisa saber a origem…)
    Nossa fé não pode nos dar alarmes falsos, pois uma hora, de tantas mutambas e chás sagrados da cura, a gente se desilude, bate uma bad trip na galera, uma deprê geral e fica ruim para muitos.
    Mas, fico na torcida ainda assim. Abraço, querido amigo!

    • Gil diz

      Quando disse sobre um “cardiologista”, faltou as aspas, pois na verdade a pesquisa deveria ser feita com geneticistas, infectologistas, biomédicos… mas pesquisa de cardiologista pesquisando genética para cura do HIV… escrevi na pressa, sorry!

      • Paulo Roberto diz

        Você tem razão, Gil. Mas juro que traduzi o texto de muito boa vontade.

        • Gil diz

          Paulo Roberto,
          Quando você tiver má vontade, meu amigo, o mundo acaba! Ainda assim, SE EXISTIR, uma má vontade sua… deve ser MUITO MAIOR que as boas vontades da maioria dos humanos, somadas, querido amigo! Você é sensacional, participativo, amigo, voluntarioso, admirável, incansável, dessas pessoas que eu só tenho orgulho, respeito, gratidão e admiração!!
          E obrigado pela tradução, entendi a mensagem e seu esforço. Abraço!

          • Paulo Roberto diz

            Ow, Gil, meu amigo… Obrigado pelas suas palavras.
            Eu acho que tudo o que eu passei desde que fui contaminado me fez amadurecer. E amadurecer é isso: se tornar MELHOR do que era.
            Não se trata de EU ser melhor do que os outros, mas sim, melhor do que EU fui um dia, entende?
            É uma espécie de competição entre dois de mim mesmo.
            O que eu mais anseio é a cura desse mal, e isso já há anos!
            Por isso, às vezes, faço coisas meio afobadamente, com o emocional sacolejado…
            Mas tento dar o melhor de mim.
            Eu também admiro muito você, Gil, e espero que, no dia em que houver a cura, possamos festejar juntos!

  35. Pablo diz

    Queridos colegas, boa noite. Como vcs procedem quando saem a noite com amigos e não tem previsão de voltar pra casa na hr regular de tomar o remédio?? Tomam assim que chegam? Ou levam e tomam na balada no horário de costume? No caso da segunda opção, como fazem para levar o comprimido com segurança????

  36. POSITIVIDADE SEMPRE diz

    Boa Noite muito interessante a matéria criei um grupo de conversas no KIK que é um aplicativo semelhante ao whatsapp porem sem numero de telefone se alguem aqui quiser participar será muito bem vindo é só me procurar no KIK vidaquesesegue um forte abraço…..

  37. Thiago + diz

    Amigos, gostaria de fazer uma pergunta, sei que provavelmente já devem ter postado por aqui, mas não consigo encontrar, tenho muita curiosidade em saber exatamente a respeito da possibilidade de engravidar uma mulher ela sendo negativa e eu positivo ( indetectável ).
    Li em algum post anterior, que um Homem positivo ( indetectável ) fez um teste pra saber se tinha o vírus Hiv no sêmen, e foi constatado que não tinha a presença do vírus no sêmen, pois ele estava indetectável, sendo assim poderia engravidar sua mulher, pela relação natural.
    Até que ponto isso é verdade ?? Um homem positivo indetectável, pode engravidar uma mulher negativa por vias naturais ?
    REalmente o vírus Hiv não se encontra no sêmen de um homem indetectável ?

    Desculpa se a pergunta, já foi respondida, mais leio tanto sobre isso, e não consigo chegar em um conclusão !

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s