HIV salva GlaxoSmithKline


financial times

Faz somente um ano desde que a GlaxoSmithKline estava considerando um spin-off [distribuir quotas de um novo negócio aos acionistas atuais] da sua unidade de HIV, como forma de aumentar o valor para os acionistas descontentes. A opção foi rejeitada e, agora, o negócio, conhecido como ViiV Healthcare, está desempenhando um papel cada vez mais importante nos esforços para levar a farmacêutica britânica ao crescimento econômico.

Na última semana, a GSK relatou ter tido progresso positivo com um novo tratamento de ação prolongada que está em desenvolvimento pela ViiV, enquanto seus medicamentos já existentes seguem expandindo a participação no mercado global de HIV, de US$ 20 bilhões por ano, sobre seus rivais, incluindo a Gilead Sciences. A contribuição da ViiV para os lucros operacionais da GSK aumentou de 16% em 2014 para 29% no ano passado, e foi previsto pela UBS que chegue à quase metade até 2020.

Em parte, isto é reflexo do declínio dos negócios com medicamentos respiratórios da GSK, outrora poderosos, enquanto a onda de crescimento da ViiV acelerou a mudança. As vendas de medicamentos para o HIV aumentaram 54% no ano passado, para £ 2,3 bilhões, em comparação com uma queda de 7% em negócios de produtos farmacêuticos mais amplos. Os lucros operacionais da Viiv subiram 72%, para £ 1,7 bilhão, em comparação com uma queda de 12% em negócios de produtos farmacêuticos mais amplos.

Alexandra Hauber, analista da UBS, diz que a ViiV é “crucial” para a promessa de retomada de crescimento da GSK ao longo dos próximos cinco anos, uma vez que seu medicamento Advair, líder de vendas para tratar asma, agora enfrenta a concorrência dos genéricos. “A principal razão que faz os investidores poderem ter certeza de que a GSK conseguirá cumprir suas metas para 2020 é a ViiV”, diz ela.

Para os críticos de Sir Andrew Witty, executivo-chefe da GSK, a crescente dependência do grupo em um negócio que ele anteriormente estava disposto a se desfazer parcialmente é evidência de confusão estratégica. Seus aliados dizem que a avaliação do futuro da ViiV foi um exercício saudável, o qual chamou a atenção para a carteira oferecida pelo HIV e terminou com todas as partes — direção, conselho e a maioria dos investidores — em acordo de que este era um negócio bom demais para desistir.

As raízes da GSK no mercado de HIV são profundas. Uma das suas empresas predecessoras, Burroughs Wellcome, foi responsável pelo AZT, o primeiro medicamento aprovado pelos reguladores dos Estados Unidos para tratar o HIV, em 1987 — e foco do filme Clube de Compras Dallas (2013), vencedor de três Oscar.

No entanto, a GSK ficou para trás da Gilead na onda seguinte de medicamentos e, entre 2002 e 2013, viu sua fatia de mercado cair de 40% para 11%. Em 2009, a decisão de combinar os ativos relativos ao HIV da GSK com a Pfizer numa joint venture, batizada de ViiV, inicialmente não conseguiu reverter o declínio. Contudo, em 2014, o negócio — 78% detido pela GSK — estava começando a recuperar o espaço perdido e, no ano passado, sua fatia de mercado subiu para 17%.

Grafico_1GSK

A recuperação foi impulsionada pelo Dolutegravir, um inibidor da integrase vendido sob a marca Tivicay e como parte de um comprimido de combinação de três-em-um chamado Triumeq. Estes produtos têm diminuído a vantagem clínica da Gilead, mas mesmo a GSK ficou surpresa com a rapidez com que esse produto decolou. As vendas de Tivicay e Triumeq foram de £ 1,3 bilhão no ano passado e a UBS espera que chegue a £ 4,9 bilhões em 2020 — com uma margem de lucro de 75%, maior do que qualquer outro produto da GSK.

Hauber diz que o potencial poderia ser ainda maior se a ViiV conseguisse tornar o Dolutegravir a espinha dorsal de novas combinações de duas drogas que oferecem alternativas “mais simples e mais seguras” para as formulações atuais de três medicamentos. A mais avançada dessas terapias duplas está em fase final de estudos. “Temos de demonstrar que a estratégia de terapia com dois medicamentos que estamos seguindo pode cumprir sua promessa”, diz Dominique Limet, executivo-chefe da ViiV. “É cedo, mas, se funcionar, será algo transformador.”

Uma oportunidade ainda maior poderia vir de tratamentos de ação prolongada, cujo objetivo é substituir as pílulas diárias por uma injeção administrada uma vez a cada quatro ou oito semanas. O primeiro produto desse tipo — desenvolvido pela ViiV em parceria com a Johnson & Johnson — suprimiu com sucesso o vírus HIV em mais de 90% dos pacientes, em estudos de fase intermédia, detalhados na Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections (CROI 2016), em Boston, na terça-feira.

Grafico_2GSK

No entanto, muitos participantes do estudo relataram dor associada com as injeções, levando alguns analistas a questionar como o produto poderia ser adotado em larga escala. “Em poucas palavras: acreditamos que o número de pacientes que irão optar por injeções dolorosas, no lugar de comprimidos diários e indolores, é pequeno e representa um risco limitado para a perspectiva da Gilead”, disse Geoffrey Porges, da Leerink Partners.

A GSK tem procurado ampliar sua linha de pesquisa e desenvolvimento com a aquisição de diversos medicamentos experimentais da Bristol-Myers Squibb em um negócio de US$ 1,5 bilhão, num acordo firmado em dezembro e completado nesta semana.

Grafico_3GSK

E pode haver mais investimentos adiante. A GSK reservou um passivo de £ 2 bilhões em seu balanço para reaver as opções de venda da Pfizer e de seu outro parceiro, a Shionogi, do Japão, para que estas vendam suas participações na Viiv ao grupo britânico. Nesse mês, Sir Andrew deu a entender que a GSK estava ansiosa por um acordo, dizendo que ele era “certamente um comprador” se surgir uma oportunidade de assumir o controle total.

É improvável que a ViiV consiga ter tudo o que quer na corrida para a próxima geração de medicamentos contra o HIV, mas Hauber diz que os investidores ainda vão apreciar bastante ver a “GSK desafiar como nunca a Gilead”.

Tratamento preventivo:

A GlaxoSmithKline tem o objetivo de fazer como a Gilead Sciences e também oferecer um tratamento que possa impedir as pessoas de contrair o vírus HIV. A ViiV Healthcare, unidade do grupo do Reino Unido, publicou esta semana resultados globais encorajadores de um estudo clínico em estágio inicial sobre um medicamento injetável chamado Cabotegravir, que já demonstrou fornecer 100% de proteção contra a infecção pelo HIV em estudos pré-clínicos feitos em animais.

A Gilead tem liderado o caminho dos medicamentos profiláticos contra o HIV, com a sua pílula oral Truvada, provando mais de 90% de eficácia na prevenção da infecção quando tomada diariamente. A ViiV quer produzir uma alternativa mais duradoura, que precisa ser injetada apenas uma vez cada oito ou 12 semanas.

Ainda há muito para a ViiV provar — os dados divulgados nesta semana só fornecem informações sobre a segurança do medicamento —, com um estudo mais amplo planejado para demonstrar sua eficácia. Perguntas sobre o apelo de um tratamento mais durável ser capaz de superar a dor da injeção, com 98% dos participantes do estudo relatando desconforto na picada do Cabotegravir, também permanecem.

O uso da chamada profilaxia pré-exposição, ou “PrEP”, para evitar a infecção pelo HIV, tem causado controvérsia, com os críticos argumentando que irá prejudicar o uso do preservativo e, portanto, aumentar a propagação de outras doenças sexualmente transmissíveis. Mas a Organização Mundial da Saúde e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos têm apoiado o uso do Truvada por pessoas sob alto risco de contrair HIV.

Dominique Limet, executivo-chefe da ViiV, disse que tratamentos preventivos podem ter um grande impacto se amplamente adotados em regiões como a África subsaariana, onde o HIV continua a avançar. “Nós já estamos observando o afrouxamento do… sexo seguro”, disse ele. “Temos que trabalhar de mãos dadas com a comunidade médica e organismos de saúde pública [para promover práticas mais seguras].”

Por Andrew Ward para o Financial Times em 25 de fevereiro de 2016

Anúncios
avatar
29 Comment threads
16 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
33 Comment authors
Pablo FerrazCarioc@29DanROCK HUDSONZimba Recent comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Inscrever-se  
Receber notificação
Mariah
Visitante

Isso só demonstra que estão mais preocupados em fazer novos medicamentos para nos manter dependentes dos medicamentos, do que promover a cura.
É bom ter novas estratégicas para nos oferecer mais conforto, porém para mim o mais importante é o fim do HIV.
Isso sim é confortável. O fim do HIV.

Henrique - MG
Visitante
Henrique - MG

É, infelizmente o HIV gerou negócios muito rentáveis e descobrir a forma de eliminação do vírus pode ser o fim de uma grande receita das empresas. Somos consumidores dos produtos deles e isso que querem. Reconheço que os medicamentos são essenciais para nós, mas sigo na esperança de uma descoberta que elimine o vírus de nosso organismo, de que exista algum pesquisador capaz de enfrentar esta indústria do medicamento que tem como foco principal manter esta unidade de negócios alimentada pelo HIV.

Cristiane
Visitante
Cristiane

Visam somente o lucro. Enquanto não haver a cura do Hiv ficaremos dependentes dos remédios. Graças a Deus q temos eles, porém a cura seria primordial p quem tem o vírus.

Richard
Membro
Richard

…e AINDA BEM que visam somente o lucro! AINDA BEM que o HIV gera negócios. (Já pesquisaram sobre as doenças que não geram dinheiro? Tipo aquelas raras, que só 1 azarado em cada 900 mil tem? os doentes de doenças assim, que não geram lucro, só se ferram… sem remédios, sem tratamento e sem nenhum interessado em tratar deles…!) O próximo negócio é fazer da cura um negócio… E se ela for mesmo cientificamente inevitável, como tem sugerido ser, a industria farmacêutica não tem outra saída a não fazer da cura um negócio rentável.. Se puderem atrasar um pouco a… Ler mais »

Carioc@29
Visitante
Carioc@29

Nossa Richard, perfeito seu comentario! Concordo plenamente!

JEFF
Visitante
JEFF

Infelizmente acho que já existe a CURA DO HIV, mas quem lucra com isso não autoriza que seja divulgada! Acho até que financiam as “pesquisas visando a cura” só assim os cientistas ganham dinheiro e ficam de bico calado! Pessoal, reflitam: São 30 anos e não descobriram uma cura pra a AIDS?!!!! Não são 30 dias, mas sim 30 anos! Até o Ebola que era incurável, quando começou a chegar na Europa rapidinho apareceu a cura neh?!! Ai podem dizer: ah, mas o HIV também chegou na Europa. Certo mas a transmissibilidade do Ebola é muito maior que o do… Ler mais »

Mariah
Visitante

Felizmente existe né? Só não temos a acesso….

thiago +
Visitante
thiago +

🙁 Gostaria tanto de ter visto outra noticia aqui . 🙁 🙁

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

Eu gostaria de ver uma notícia falando da CURA… Às vezes fico triste com a falta de perspectivas.
Mas tenho fé em Deus que este dia vai chegar.

Erick Allan Bounean
Visitante
Erick Allan Bounean

Sim, isso mesmo, falar sobre o andamento da cura, como por exemplo, pesquisas que estudam como aniquilar o HIV do organismo em sua totalidade. Elas existem certamente. Onde? Quando? por quem?

Cezar
Visitante
Cezar

Não basta ter somente fé em deus. Jah cansei de falar neste espaço que os soropositivos devem, de começo, ‘infernizar’ a vida de seus infectologistas, cobrar pela cura insistentemente. Sei não fizer nada, se não pressionar, o modelo de negócio atual vai permanecer durante muito tempo. Money, money, money.

mgneiro
Visitante

Olá galera sou soronegativo, mas tive uma experiência de risco que me trouxe até o BLOG, e graças a ele ganhei mais conhecimento e passei entender mais sobre a doença e vi que os preconceitos hoje são por pura ignorância, gostaria de saber o porquê do ser humano ser desta forma, hoje temos várias doenças incuráveis mas o preconceito só prepondera no HIV, infelizmente a vertigem de conhecimento das pessoas está associada a uma imagem de 30 anos atrás, os meio de comunicação e o próprio governo tentam controlar esta infecção através do estigma do medo, hoje se você não… Ler mais »

Mariah
Visitante

Muito lindo seu comentário.
Precisamos de mais comentários como o seu, pois é um tipo de comentário de pessoa que tem um bom coração e a mente aberta em relação aos preconceitos.
Deus te abençoe hoje e sempre.

Truvada Saves
Membro
Truvada Saves

Concordo em absolutamente TUDO o que você escreveu ! beijos.

Dan
Visitante
Dan

Também sou soronegativo e estou no blog há um ano. Conheci o blog depois de um susto que passei e depois continuei acompanhando sempre que posso dou uma passadinha nos comentários para deixar uma palavra de força.
Sempre que posso, repasso as informações do blog para amigos. Esses dias estava conversando com um colega e ele não sabia o que era indetectável, depois que eu expliquei ele ficou surpreso e disse que nem imaginava que o tratamento estivesse tão avançado.
Força pra todos enquanto a cura não chega… 😉

Tom Silva
Visitante

Eu também queria muito que fosse uma notícia sobre a CURA… mas infelizmente não é. Fazer o que né? Às vezes ficamos desacreditados em relação a tudo isso, mas tenhamos fé que tudo vai dar certo! Tenho quase certeza que eles sabem como acabar de vez com este vírus, mas se acabar os lucros despencam e isso não seria vantagem para eles. O DINHEIRO FALA MAIS ALTO!

Mutatis Mutandis
Visitante
Mutatis Mutandis

Eu queria dizer que seria salutar deixar nossas emoções à parte, nossas conclusões com perspectivas holywoodianas fora de nossa análise. Nunca vi na vida um pessimista de sucesso! Desculpem- me, ninguém é obrigado a concordar comigo, mas eu acho um intelectualoidismo pensar/afirmar que a cura existe e que os “Rockfeller e os Iluminati” ( ou as pessoas que façam esse papel) estão segurando para ganharem mais dinheiro! Concordo com Richard: ainda bem que o HIV gera negócios…Ainda bem que há uma corrida (como a corrida espacial dos anos 60 para se chegar à lua) por parte dos laboratórios para se… Ler mais »

Alexandre
Visitante
Alexandre

Enquanto o HIV salva a Glaxo por ela ser uma das maiores fornecedoras de ARV, suas concorrentes querem faturar mais que ela e a querem derrubar. Com isso, fabricantes como a Johnson, Pfizer e Gilead buscam a derrocada da Glaxo. Como elas vão conseguir isso mais fácil? Com a cura. Sem teoria da conspiração, galera. A Johnson e Gilead, estão envolvidas num grande estudo para a cura. Lembrando que a Gilead é maior fabricante de remédios para doenças infecciosas no mundo. E ainda temos os cientistas autônomos, como o Picker e David Margolis, por exemplo.

davi-pe
Visitante
davi-pe

Acredito tb no grande mérito que será pra qm descobrir a cura.

Erick Allan Bounean
Visitante
Erick Allan Bounean

Se há uma disputa pela descoberta de novos medicamentos é uma questão a se avaliar. Mas, independente disso, acredito verdadeiramente que existe uma corrida em busca da cura, por diferentes instituições.

Matheus
Visitante
Matheus

2016 e ainda tem gente que acredita nessas teorias da conspiração…Pessoal é fácil de entender quem tem o produto melhor ganha melhor…e quem tem a cura vai acabar com o mercado?Vai falir?Não né…mesmo com o aparecimento da cura hj…novas infecções irão acontecer e novas pessoas irão precisar por um bom tempo até o HIV ser extinto.

Homem23:55
Visitante
Homem23:55

Hooo Matheus,
Gostava da época que via tudo assim tão simples e surreal…
Basta você acompanhar nossos amigos que dependem do SUS para fazer consultas e pegar receita de remédio.

2016 e infelizmente as pessoas estão mais ganaciosas do que nunca! 🙁

Estão dispostas a tudo, pra terem mais e mais dinheiro… INFELIZMENTE…

EU acredito sim, que a cura já existe… Está sendo negociada, entre os “grandes”…

Realista
Visitante
Realista

O que é mais rentável: ofertar a cura para os já infectados ou mantê-los sob medicação pro resto da vida, e ainda se beneficiar de outros milhares que irão se infectar?

Alexandre
Visitante
Alexandre

Realista, depende. Pra Glaxo é melhor manter, mas e para a Pfizer, por exemplo, é melhor continuar com 10% do mercado do HIV ou encontrar uma cura e quebrar com alguns de seus concorrentes, além, é claro, de faturar bilhões com ela? Ou vc acha que a cura do HIV se dará de forma simples, com um simples tratamento de 1 semana com remédios vendidos em farmácias populares? Sua pergunta é tão óbvia quanto burra. Melhora aí pra gente poder te chamar de Realista e Esperto!!!

Gledson
Visitante
Gledson

Olá a todos!! Gostaria que se possível me tirasse uma dúvida. A infecção por HIV tende a diminuir nível de neutrófilos mesmo com o uso de anti retrovirais? Acabei de pegar meus exames e percebi essa diminuição. Alguém sabe explicar se é preocupante?

Grato.

Zen
Visitante
Zen

Infelizmente o vírus é rentável para quem fabrica os remédios. Seria insano e utópico demais pensarmos que uma empresa que fatura XXXXXXXXXXXX milhoes anulmente com um remédio que mantem o vírus sobre controle irá desenvolver uma cura e faturar apenas X milhoes anualmente com isso. Porém, pensando pelo lado positivo da crueldade do mercado, temos a concorrência. Essa pode ser a salvação, essa pode fazer o anuncio que tanto queremos e com isso faturar o seu dinheirinho. Enfim, se fossemos pensar que ninguém está comprometido com a cura de doenças, então não teríamos cura através dos medicamentos para nenhuma das… Ler mais »

Grão da Noite
Visitante
Grão da Noite

Não acredito que a cura já exista. Na minha opinião a vaidade dos cientistas tornaria muito difícil o sigilo sobre algo capaz de render um Nobel de Medicina e a inscrição do nome nos galardões da História. Apesar de ter essa opinião, estou me preparando psicologicamente para usar remédios para o HIV por algumas décadas. Estou com 39 anos. Até confio que viverei o bastante para ser curado, mas não conto que isso vá acontecer antes dos meus 70 anos. Se acontecer antes, ótimo. Se não, o jeito é ir vivendo. Parei de beber cerveja com frequência, venho fazendo das… Ler mais »

Will
Visitante
Will

Por que comprimido branco e GG?

nickcaffiole
Visitante

Porque provavelmente o medicamento que ele toma é o 3×1 de cor branca e ele diz GG porque o comprimido é grande.
Adorei o relato dele!
Muito sincero e coerente.

The faithfulness
Visitante
The faithfulness

Sinceramente, não vivo pensando em cura. Dou graças a Deus por existir um medicamento q me mantém indetectável e me proporciona continuar a vida normalmente. Para os que pensam como eu a notícia da cura da AIDS terá uma grandiosidade diminuída pois não mudará a vida. Ou seja, o remédio é só uma rotina. Claro q de início não foi fácil, mas, superado o período dos efeitos, estou vivendo como vivia antes da infecção. Tenho muito mais medo da sífilis, essa sim preocupa, porque transmite facilmente no sexo oral e, embora exista o benzetacil, pode ser tarde a descoberta e… Ler mais »

Hans
Visitante
Hans

Vcs encaram tudo com muito pessimismo… No passado ninguém imaginava que a AIDS seria controlada em alguns casos com um comprimido diário, a cura hoje é uma incógnita assim como o tratamento de hoje era no passado… Sem falar que a nova geração de medicamentos tbm pode levar a uma cura, vcs criaram uma ideia fictícia de que a cura vai ser uma injeção ou remédio de um dia para o outro! As vezes a cura vai ser reforçando a medicação por 3 ou 6 meses ou mais, inclusive já temos um estudo assim com o Dolutegravir aqui mesmo no… Ler mais »

Verdes Olhos
Membro
Verdes Olhos

Falou tudo, Hans. Tô cem por cento de acordo com tua visão a respeito da cura. Eu, pessoalmente, imagino a futura cura como uma espécie de quimioterapia: um tratamento por determinado período de tempo, que pode até ser desgastante para o paciente, mas que por fim eliminará inteiramente a carga viral do paciente. Uma espécie de “coquetel reforçado”. Se hoje a gente leva em média seis meses para ficar indetectável, imagino que no futuro (não faço ideia de quando) vamos levar seis meses para ficar curados.

Bio
Visitante

Sinceramente, eu não consigo mensurar se é arrogância ou ingenuidade achar que só os seres humanos evoluíram. Inúmeros micro-organismo evoluíram na luta pela sobrevivência e disseminação de seus genes, dentre eles os vírus, como o próprio HIV. Assim sendo, essa teoria arcaica de que as grandes empresas farmacêuticas já possuem a cura para o HIV/AIDS, mas não disponibilizam em detrimento de lucro, é no mínimo fantasiosa. Enquanto houver vida, haverá renovação, inclusive das patologias que nos acometem, a prova disso são as novas doenças que estão surgindo. Ser mais razão e menos emoção, também pode ser um remédio bastante eficaz… Ler mais »

Bio
Visitante

Só corrigindo “micro-organismos”…

Matheus
Visitante
Matheus

Falou tudo Hans!

dere
Visitante
dere

Boa noite a todos, momento desabafo.. rsrsrsrs desculpa mas tem um mês que conheci uma pessoa e fui pedido em namoro, foi muito bom pois estava me sentindo muito só desde que descobri o HIV, mas não durou por muito tempo… falei que era soropositivo.. e a pergunta foi “você esta ciente que tem um veneno no sangue?”. Pois é machucou e doeu muito preferia apanhar do que ouvir isso…. mas vai mudar.. tenho fé… espero que todos tenham mais sorte que eu, o meu medo é ele sair contando para todo mundo…. no final da historia a pessoa sumiu…… Ler mais »

Brumo
Visitante
Brumo

Acredito que um mês seja pouco tempo para falar de status sorológico. Lembre-se que não somos obrigados a falar de nossa sorologia. É um direito de todo soropositivo. Temos sim a obrigação de evitar o contágio através do uso de preservativo (obrigação de ambos). Com o passar dos meses talvez por um sentimento moral haja a necessidade de se falar sobre o assunto. Talvez seja interessante sondar a pessoa sobre oq ela acha/sabe/pensa sobre hiv e tirar suas conclusões. Essa é minha opinião. Claro que alguns sentem necessidade de contar logo, outros esperam, vai de cada um. Abraços.

Brumo
Visitante
Brumo

Todos sabemos que qualquer indústria busca o lucro, inclusive a femacêutica. Porém, acredito que se houvesse uma cura, ela já estaria disponível. O hiv/aids é hoje a doença para qual existe os maiores números de pesquisas. Aquele que descobrir a cura, alémm do status permanente perante a humanidade, ganhará rios de dinheiro. Sem falar da economia aos cofres públicos que será imensa. E claro, mesmo com a cura ainda haverá um número grande de pessoas contaminadas por longos anos, e que farão uso da tal cura. A cura interessa a nós, aos Estados/governantes, a parte da indústria farmacêutica, aos pesquisadores,… Ler mais »

pedro
Visitante
pedro

Pessoal estou indetectavel . Fazem 4 dias que estou com minha garganta inflamada. Não estou tendo nenhum outro sintoma. Apenas a garganta inflamada. Alguns de vocês já ocorreu a mesma coisa estando em tratamento? Irei a infecto no proximo mês e agora estou preocupado.

Zimba
Visitante
Zimba

Bom pessoal, só gostaria de compartilhar e questionar uma informação.
Hoje busquei meu segundo exame de carga viral, e o primeiro após o inicio da TARV.
Bom, antes a CV estava 550.000 cópias… Fiz o exame após 30 dias de tratamento e busquei hoje. Resultado: 403 cópias.
Acho que é um resultado bom pra 30 dias de tratamento… o que acham?
Lógico que queria já estar indetectável, mas creio que leva um tempinho né? como foi com vcs?

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

Zimba, queria bater um papo contigo sobre a dieta VEGANA… Pode me contactar, por favor?
pb-almeida2010@bol.com.br
Obrigado!

pedro
Visitante
pedro

So complementando o post anterior desde que comecei o tratamento não tive nenhum tipo de problema, porém fazem 4 dias que estou com a garganta inflamada. Não estou com febre nem dores musculares. Estou preocupado, pois nessa condição tudo é motivo para nós preocuparmos.

Zen
Visitante
Zen

Ainda nao estou em tratamento. CV 3.000 e CD4 800. Peguei um resfriado tb, fiquei ruim por um dia e no outro ja melhorei. (sempre foi assim a vida inteira, melhoro com 2 – 3 dias, sem usar remedios) . Mas dessa vez ja achei q teria milhoes de coisas. Acho que é normal, muita gente ta tossindo na rua, espirrando, limpando nariz, esse tempo louco acaba levando a isso. Acho que mesmo com CV indetectavel e CD4 > 500, vamos continuar gripando da mesma forma q era antes sem o HIV. No meu caso oq ta piorando sao minhas… Ler mais »

Matheus
Visitante
Matheus

Zen com cd4 800 a pneumonia passa é longe de vc…e quando iniciar o tratamento vai subir ainda mais!

Pablo Ferraz
Visitante
Pablo Ferraz

Na verdade, tenho visto que o Sistema Farmacêutico e os Laboratórios, em comum não têm nenhum.. mais digo novamente, nenhum interesse de se manifestarem o tratamento da cura da aids. Isto é claro e objetivo!!! Muito mais do que os tais 20 milhões de dólares de receita contínua em que eles obtém, eles nunca abririam as mão para apresentar a cura definitiva , para favorecer mais de 50 milhões de pessoas… e eles encerrarem com os seus Capitais garantidores!. Analisem por vocês mesmos: A Lepra- Bacilo de hanssem não tinha cura, mas já a muitos anos tem. A Tuberculose que… Ler mais »