Notícias
Comentários 107

HIV resistente ao Tenofovir não é incomum


Reuters

Resistência a um dos principais medicamentos contra o HIV é comum no mundo todo e pode significar problemas para tratar e prevenir o vírus que causa a aids, de acordo com um novo estudo.

Em algumas partes do mundo, mais de metade das pessoas que continuam a ter HIV não controlado mesmo sob tratamento acabaram por ter uma forma do vírus que é resistente ao medicamento Tenofovir, afirmam os pesquisadores na The Lancet Infectious Diseases. O novo estudo sugere que o tratamento e acompanhamento de pacientes com HIV no mundo todo precisa ser melhorado, bem como a vigilância deve ser aumentada, disse o autor sênior, Dr. Ravi Gupta, da University College London.

“Se você desenvolver resistência, é uma perda muito grande.”

O Tenofovir é o principal medicamento para tratar e prevenir o vírus da imunodeficiência humana, o HIV. O fármaco também pode ser usado para tratar a hepatite B. “Se você desenvolver resistência a isso, é uma perda muito grande”, disse o autor do estudo Dr. Robert Shafer, da Universidade de Stanford, na Califórnia.

“A disponibilidade de medicamentos de segunda linha está aumentando, mas eles são um pouco mais caros e têm mais efeitos colaterais associados com eles,” Gupta disse à Reuters Health. Segundo ele, as pessoas adquirem resistência do HIV ao Tenofovir de duas maneiras: ou não tomam o medicamento como prescrito e então o vírus sofre mutação, ou são infectados por alguém com uma forma já resistente do vírus.

Para o novo estudo, os pesquisadores utilizaram dados de 1.926 pessoas em 36 países que continuaram a ter HIV não controlado apesar do tratamento simultâneo com uma variedade de medicamentos, que incluíam o Tenofovir. A proporção de pessoas com Tenofovir resistente ao HIV variou de 20% na Europa a mais de 50% na África subsaariana.

“Em parte, o sistema imunológico ajuda os medicamentos.”

Embora o estudo não possa dizer o que faz com que surjam vírus resistentes ao Tenofovir, os pesquisadores descobriram que a saúde do sistema imunológico quando o tratamento começa, bem como os outros medicamentos que fazem parte do regime de tratamento, estão relacionados com o risco de resistência. As pessoas que iniciaram o tratamento com uma contagem baixa de células CD4, que é uma medida da saúde do sistema imunológico, se mostraram cerca de 50% mais propensas a ter resistência do que as pessoas com sistema imunológico saudável. “Nós acreditamos que, em parte, o sistema imunológico ajuda os medicamentos”, disse Gupta.

Além disso, as pessoas que tomam um medicamento chamado Lamivudina também se mostraram cerca de 50% mais propensos a ter resistência do que aqueles que tomam uma droga similar, conhecida como Emtricitabina. Além disso, o tratamento com Nevirapina, em vez do semelhante Efavirenz, também foi ligado a maiores chances de vírus resistente ao Tenofovir.

“Se essa tendência continuar, a eficácia da PrEP pode ser comprometida.”

Segundo Gupta, ao contrário de estudos anteriores, a nova pesquisa descobriu que o HIV resistente ao Tenofovir se reproduz tanto quanto um HIV não resistente faz, o que significa que a resistência pode ser transmitida para outras pessoas. “Eu acredito que, se essa tendência continuar e se forem encontradas um monte de infecções por HIV com resistência, a eficácia da PrEP pode ser comprometida”, disse Gupta, referindo-se a profilaxia pré-exposição, que é a prática de ter pessoas não infectadas tomando medicamentos anti-HIV para tentar evitar contrair o vírus.

Os pesquisadores dizem que não podem prever quantas com HIV terão resistência, pois seu estudo só incluiu pessoas que falharam o tratamento. No entanto, as estimativas sugerem que, nas atuais circunstâncias, a cerca de 8 a 18% dos doentes na África subsaariana que recebem Tenofovir e Efavirenz irão desenvolver resistência no primeiro ano de tratamento. Esses resultados destacam a necessidade de uma melhor vigilância da resistência aos medicamentos em pacientes com HIV, escrevem os autores. “Precisamos de sistemas de alerta imediatos e precisamos agir sobre o que encontramos”, disse Gupta.

Por em 28 de janeiro de 2016 para a Reuters. Fonte: The Lancet Infectious Diseases.

Anúncios

107 comentários

    • ARLAN diz

      Se vc tomar seus medicamentos corretamente isso nunca vai acontecer pode perguntar para seu infecto q ele vai confirmar.

    • “As pessoas adquirem resistência do HIV ao Tenofovir de duas maneiras: ou não tomam o medicamento como prescrito e então o vírus sofre mutação, ou são infectados por alguém com uma forma já resistente do vírus.”

      • ROCK HUDSON diz

        Pelo que li está somente em fase de testes em São Paulo e Rio . Não está disponível nos CTAs.

        • Paulo Roberto diz

          Mas me parece que eu li uma postagem aqui de alguém que já fez…

        • Cezar diz

          Isso. Tenho um analisando que toma a prep e pega o truvada na Fiocruz aqui no Rio. Ele conseguiu renovar o acompanhamento, logo mais um ano de truvada

        • Paulo diz

          Estou fazendo meu tratamento no Hospital das Clinicas em SP e lá tem varios cartazes anunciando a PrEP. Acho que qualquer um pode fazer. Vou perguntar a próxima vez que for lá.

          • ROCK HUDSON diz

            Sim, eles procuram ou procuraram voluntários para futuramente aprovar o tratamento em nível nacional.

    • Até onde eu sei, a introdução da PrEP no Brasil está nas mãos do Programa Nacional de HIV/DST. Mas não existe data definida para aprovação.

  1. cariocarj diz

    CytoDyn Anuncia Pacientes HIV-Positivos Aproximando 17 Meses de Supressão Viral Completa Com PRO 140 monoterapia

    VANCOUVER, Washington, 19 de janeiro de 2016 (GLOBE Newswire) – CytoDyn Inc. (OTC.QB: CYDY), uma empresa de biotecnologia focada no desenvolvimento de novas terapias para combater o vírus da imunodeficiência humana (VIH), anunciou hoje que seu estudo de extensão em curso do PRO 140 monoterapia em uma coorte de pacientes infectados pelo HIV mostrou-supressão da carga viral completa para bem mais de um ano, com alguns pacientes que se aproximam de 17 meses. A Companhia acredita que a supressão virológica completa através de um tratamento com um único agente, PRO 140, um anticorpo segura e eficaz, em vez de através da terapia de combinação HAART amplamente utilizado, pode representar uma oportunidade significativa para tratar pacientes com HIV. Com base nestes resultados de monoterapia, a Companhia pretende apresentar um segundo protocolo de Fase 3 para PRO 140 monoterapia com a FDA. CytoDyn está atualmente conduzindo um estudo de Fase 3 ensaio piloto para PRO 140 como uma terapia adjuvante com a comercialização esperado em 2017.
    Dr. Nader Pourhassan, Presidente e CEO da CytoDyn comentou que: “Acreditamos PRO 140 pode tratar eficazmente a adesão a um regime terapêutico complexo, que é um grande desafio no mundo de hoje HIV. Apenas cerca de 25% dos pacientes com HIV em os EUA têm uma carga viral totalmente suprimida. Um grande contribuinte para este problema é devido à incapacidade dos pacientes a aderir a uma programação altamente estruturada para tomar seus medicamentos em um calendário específico a cada dia de suas vidas (Anti Retroviral Therapy ou-ART). PRO 140 é administrado como uma injecção subcutânea simples, semanal e poderia ser a solução para este grave problema de aderência. Além disso, nossos ensaios clínicos até à data indicaram claramente que PRO 140 é seguro e eficaz sem os efeitos colaterais e toxicidades experiente na arte atual regime terapêutico.Estamos otimistas com nossas provações atuais e futuros de PRO 140 e acreditamos que nosso anticorpo apresenta uma alternativa atraente ou terapia adjuvante de ART para pacientes com HIV. “

    • Paulo Roberto diz

      Sim, mas não há uma data prevista para a conclusão dos estudos?

      • Alex diz

        Pelo q dá a entender a conclusão deve ser ainda este ano ou no próximo, pois pretende no próximo ano já comercializar o remédio.

        • prba2010 diz

          Alex, tomara que venha esse medicamento o mais rápido possível.
          Eu tomo três comprimidos na hora do almoço… Mas meu estômago está reclamando e eu estou apresentando refluxo…
          Um medicamento injetável seria uma boa para mim.
          Obrigado!

  2. Lucas_=+ diz

    Olá sou novo em diagnostico e gostaria de uma ajuda, fiz a genotipagem do HIV e apareceram mutações no resultado, sabem em dizer se é grave? Meu medico disse que não são mutações serias, mas senti algo no ar, alguém já fez e teve esse resultado? o que foi falado? contra partida na mesma genotipagem deu td sensível para os antirretrovirais
    me ajudem? Obrigado.

    • Alex diz

      Pq vc fez esse exame de genotipagem? Já usou remédios antes e teve problema em diminuir a carga viral?

    • Grão da Noite diz

      O meu médico pediu o exame de genotipagem, antes do início da TARV, para saber se eu fui infectado por alguém que já houvesse desenvolvido resistência a alguma medicação. Mas meu exame não pôde ser feito. Foram feitas 3 coletas de sangue, 2 antes do início do tratamento, e 1 já depois. As 2 primeiras coletas não serviram para o exame e o laboratório não explicou direito por quê (disse que as amostras tinham sofrido hemólise. Só não disse por que isso aconteceu. Então a explicação não serviu pra muita coisa). A 3ª coleta, feita quando eu já estava com 12 dias de tratamento, também foi inútil, pois minha carga viral já tinha caído para abaixo da sensibilidade do método usado pelo laboratório. Fiz ontem a coleta para o 1º exame de carga viral após o início do tratamento (comecei a tomar o 3 em 1 no dia 17.09.15). Já poderia ter feito antes, mas, por receio, adiei até tomar coragem. Espero que dê indetectável… Estou rezando pra isso.

    • Jorge diz

      Lucas
      A genotipagem é feita pra nortear o tipo de medicação que o médico vai prescrever. Alguns tipos de mutação no vírus fazem com que ele fique resistente a determinadas classes de antiretrovirais. Se vc se contaminou com um vírus que apresenta um determinado tipo de mutação, pode ser que alguns medicamentos sejam ineficazes para diminuir a carga viral e o médico então opta por outra classe de medicamento. É comum se pedir a genotipagem no incio do tratamento. Alguns médicos fazem.

  3. Ricardo - Guarulhos diz

    Ando um pouco preocupado, pois não consigo ganhar peso e ainda bem um noticia desta me desanimou geral ! Só Deus mesmo para nos dar esperança de dias melhores.
    Confesso que psicologicamente ando muito desgastado.

    • Paulo Roberto diz

      Ricardo, eu também não consigo ganhar peso. Mas não estou preocupado com isso.
      Se é isso o que te preocupa, vá a um nutricionista!!!
      Todo CTA tem um nutricionista!
      Mas não se preocupe com isso não, cara… Estar indetectável é a melhor coisa, no nosso caso!!!
      Claro que isso desgasta muito nosso psicológico… mas acredite, isso vai passar, é uma questão de tempo…

      • Homem23:55 diz

        Ricardo – Guarulhos e Paulo Roberto,

        A questão de não ganhar peso, não é algo genético de vocês?
        Talvez estejam cobrando algo, que o corpo de vocês não pode oferecer, mesmo que não fossem soropositivos.

        Sei o que estão passando, pois estive perdendo massa magra, mas por outros motivos, que não tem relação nenhuma com HIV+. Solucionando já começarei a ganhar peso.

        Como o Paulo Roberto falou, se está indetectável, é mais importante.
        O corpo está funcionando normalmente, como qualquer outro.

        Fui no infecto semana passada, que foi bem claro. Algumas coisas já nos pertenciam antes do HIV+, é uma pena elas aparecerem no mesmo momento (porque dá a impressão que é causada pelo HIV+), mas devem ser tratadas normalmente.

        Espero que se reestabeleçam!!

        abraços

        • Paulo Roberto diz

          HOMEM 23:55, no meu caso, não é genético.
          Mas eu não estou preocupado com isso, não… Quero é ter SAÚDE!
          Abraços!

    • vctsantos diz

      Ricardo, fica tranquilo. Com o tempo vai conseguir ganhar.
      Eu depois de um ano de diagnóstico e fazendo atividades físicas, suplementando da maneira correta, é claro com acompanhamento de nutri consegui ganhar 4kg.

      A pratica de esportes ajuda e muito, qualquer dúvida só falar. Quem sabe possa ajudar com dicas.

      • davi-pe diz

        Pois é…EU Tb voltei a ganhar peso apos 1 ano. E olhe que nunk fui de ganhar facil…sempre magro. Recuperei 5 kg. Todo mundo me axando gordinho rsrs. Ten q relaxar a mente pro corpo ficar bem. Abs

  4. Junnior Jr diz

    Nossa não gostei nem um pouco de ler essa noticia :(, fiquei desanimado.
    Descobri faz pouco tempo e estou em tratamento com o 3×1, o que ja não sinto nenhum sintoma graças a Deus, porém só fiz um exame de cd4 então não sei ainda se o medicamento esta fazendo efeito em mim, confesso que fiquei bem preocupado com isso, que triste, espero que não tenha que trocar de medicação 😦

    Força para todos nós que passamos por isso…

    abs a todos

  5. ARLAN diz

    Gente calma. Esse estudo apenas comprova o que todos nos já sabíamos,que se não tomar o medicamento corretamente o vírus pode criar resistência isso e fato mas se tomar certinho todos os dias esse risco não existe isso também e fato ok. Agora quanto a pessoa já adquirir o vírus mais resistente isso e muito mais difícil pq o vírus que consegue penetrar nas células de entrada tem que se ligar a receptores específicos que poucos vírus tem e na grande maioria das vezes os vírus resistentes não consegue se ligar a essas células por tanto mesmo que a pessoa que transmitiu o vírus tenha o vírus resistente no organismo o que vai infectar as células de entrada provavelmente ainda não e resistente mas pode se tornar se o tratamento não for levado a serio.

  6. Alex diz

    Então considerando que o Pro 140 até agora deixou por pelo menos 17 meses a carga viral indetectável, aparentemente ele vai poder ser usado com uma frequência ao menos de 6 em 6 meses?

    Quanto será que vai custar?

    • Alexandre diz

      Doses semanais ou quinzenais. Mas vale lembrar que somente em 1 quinto dos pacientes que iniciaram os estudos o PRO-140 continua eficaz, nos demais o vírus criou a tão temida resistência. Muito, mas muito provavelmente o Pro-140 começará a ser comercializado para ser usado juntamente com pelo menos 2 drogas orais, e num futuro de médio prazo ele poderia ser administrado quinzenalmente juntamente com a Rilpivira e Cabotegravir, ambos injetáveis.

      • Alexandre diz

        Com relação ao preço parece que ele será indexado pelo PIB de cada país, ou seja, terá preços diferentes em todos os países. Péssimo para o Brasil que tem um PIB altíssimo, porém, não chega até a população.

        • Alex diz

          Nossa, que triste, não sabia que ele tinha esse índice tão alto de resistência, não sabia tbm que provavelmente precisará ser tomado com outras doses diárias. Então em termos de comodidade, se for preciso tomar junto com outros remédios diários, não fará tanta diferença.

  7. Alex diz

    Pessoal, vi um comentário no twitter que deixo aqui apenas por curiosidade da situação, uma pessoa (que parece trabalhar na área de saúde, não conheço) narrando que atendeu uma mulher idosa que queria uma espécie de atestado para que pudesse usar a piscina para fazer hidroginástica, porque tinha sido barrada por um profissional de saúde em razão de ser HIV positiva e terem dito que ela poderia passar o vírus pela água: https://twitter.com/rafacasal/status/693156193196490753

    Um absurdo.

  8. Caionan diz

    Boa noite pessoal. Refiz meus exames, e meu cd4 subiu (foi para 900), o cd8 está em 1800, e minha cv indetectável. Porém aquela relação de percentagem entre cd4 e cd8 passou de 0,55 para 0,51. Será que algo está errado? Meu médico é só em março. Se alguém puder me ajudar agradeço. Tenho 6 meses de tarv (atazanavir). Valeu.

    • ARLAN diz

      Cara n tem nada errado, vc está melhor q muitos soronegativos desse jeito n pega nem resfriado..

      • Caionan diz

        Arlan, mas e esse percentual da relação cd4/cd8 que passou de 0,55 para 0,51?

        • Homem23:55 diz

          Olá Caionan,

          Várias coisas podem influir nessa relação.
          Se o seu médico pediu que tomasse vacinas, se está se curando de uma gripe, etc…

          Acredito que a relação seja algo importante sim, dá uma pesquisada na WEB, existem vários sites e encontrará algumas respostas. Vai entender a relação de cada linfócito e isso te trará mais lucidez.

          Com conhecimento poderá se analisar melhor, porque “cada caso é diferente”.

          abraço

        • ARLAN diz

          Essa variação vai ocorrer o tempo todo isso e normal,se preocupe apenas em manter sua carga viral indetectável e cd4 acima de 500 que vc pode ter certeza q estará mais saudável do que a maioria dos soronegativos.

  9. Homem23:55 diz

    Amigos,

    Percebi que algumas pessoas desanimaram com a noticia.
    Tomar o remédio com responsabilidade e cuidar da saúde, é DEVER de quem quer viver mais.

    Também faz parte da TARV: evitar bebedeiras, praticar exercícios físicos, se alimentar bem, usar camisinha…

    Todos dias quando tomamos nossos remédios, fazemos uma escolha: VIVER

    Então vamos viver!
    Mas é interessante que o significado de viver, esteja correto para cada um de nós.
    Está com dúvida se o seu significado está correto? Pergunte ao seu corpo!
    O que fizer bem a ele, certamente lhe trará mais vitalidade!

    Afinal, este estudo nem apresentou os valores da América do Sul.
    “…utilizaram dados de 1.926 pessoas em 36 países…A proporção de pessoas com Tenofovir resistente ao HIV variou de 20% na Europa a mais de 50% na África subsaariana…”

    Achei este estudo BASTANTE CONFUSO.
    Na dúvida, amanhã vou escolher VIVER e vou tomar meu remédio!!!

    Estamos juntos! Por favor, sem desânimos!

    • *HOMEM 23:55
      Gostaria de parabeniza-lo pelas belas palavras e textos que lança aqui no Blog…
      Me passa a impressão de ser uma pessoa muito querida e equilibrada… Gosto muito de ler todos os relatos aqui, excepcionalmente os bem escritos e desenvolvidos.
      Temos que pensar positivo além de sermos positivos!
      A vida de qualquer pessoa é cheia de percalços e dificuldades, porém são estas experiências que nos fazem crescer dia após dia…são tijolos de aço pra construção do nosso castelo vital.
      Vamos viver dia após dia galera…Sem nos massacrarmos pelo que pode acontecer.
      Lembrem-se que TUDO pode acontecer…mas se pode acontecer, ainda não aconteceu!
      Temos a obrigação de sermos felizes, de vivermos o hoje e agradecermos a Deus pela vida e pela evolução da ciência a nosso favor.
      Beijos de luz a todos.

  10. Alex diz

    Pessoal, não sei se vcs já pensaram sobre isso, mas o remédio Pro 140, por exemplo, que está sendo divulgado com expectativa de ser comercializado em 2017, ok, pode ser que seja comercializado nesse ano, mas e as notícias em relação a cura?

    Porque imagino que a empresa por trás do Pro 140 deve tá investindo um valor significativo nele, e caso a cura chegue até 2020, como muitos falam, não sei se valeria muito a pena eles estarem investindo nesse remédio de uso contínuo, tendo em vista que já estamos beirando a cura.

    Isso é só um pensamento que já me surgiu e me deixou meio com receio se realmente estamos próximos dessa cura e se ela vai ser entregue mesmo ou se antes vão querer colocar opções de remédios contínuos pra arrecadar mais dinheiro. O que acham?

    • Paulo Roberto diz

      Alex, lembre-se de uma coisa: isso é uma verdadeira GUERRA entre laboratórios.
      São vários laboratórios, não um só. Então, cada um deles se foca em um estudo: há os que estudam os medicamentos de uso prolongado, e outros que estudam o vírus com o objetivo de elimina-lo.
      Se, por acaso, um desses laboratórios encontrar a cura, os outros estudos não estarão perdidos…
      Lembre-se também de que estes laboratórios recebem MUITO DINHEIRO dos governos e também de particulares.
      Eles não se sustentam simplesmente pela venda dos medicamentos.
      Se ocorrer de um deles encontrar a cura, e espero que seja o mais breve possível, os outros, então, passarão a estudar outras coisas.
      Uma coisa é certa: Até há alguns anos, o HIV era quase um desconhecido, e hoje é o vírus mais estudado do planeta.
      Espero que muito em breve descubram a cura. Mas uma injeção semanal também seria muitíssimo bem-vinda, por enquanto.
      Fé, Esperança e Força para viver a VIDA, sempre!!!

  11. cariocarj diz

    Põe uma coisa na cabeça de vocês que estão assustados e com medo, hoje em dia só morre de AIDS que quer, porque ser portador de um vírus e está INDECTÁVEL VIVE igual a um soronegativo, apenas tem que a responsabilidade de levar o tratamento a sério, tomando a TARV diariamente. Existe Vida e muita Vida após o exame reagente !

    Leio muita coisa aqui e vejo que é Psicológico. Vocês precisam dá um novo sentido a vida de vocês, não digo todos…Vou ser muito sincero, até esqueço que fui infectado com o vírus… Eu vivo muito bem ! Não existe doença é apenas uma infecção crônica. O meu próprio infecto falou que o lance de oportunidades é coisa do passado é “balela” caiu por terra… hoje em dia um portador vive igual a um negativo, morre do coração ao final da vida, doenças da idade, velhice.

    Sinto que tenho mais força e vontade de viver e lutar e NÃO DESISTI, procurei dá um novo sentido a minha Vida ! não entreguei-me e nem nos momentos mais difíceis e angustiantes do diagnóstico deixei a peteca cair, claro foi um abalo que não esperava, descobri em exames de rotina…Até a pessoa mais equilibrada sente o choque. Não gostaria de ter contraído, mas me sinto muito forte psicologicamente e não precisei de nenhum tratamento psicológico e não tomo nenhum remédio de tarja preta, claro cada ser humano é um caso é único, reage de maneiras diferentes.. sofri tive medos, anseios mas a turbulência passou…

    Obs.: Vou contar um segredo: Depois dessa forte turbulência inclusive voltei a estudar com dedicação e cursar com muito AMOR uma faculdade que AMO que é a de Ciências Biológicas, porque sempre amei a Vida, a Natureza, e sempre quis fazer graduação nessa área, procurem olhar a VIDA com outros olhos com mais amor, otimismo e fé em Deus ! Porque em breve ficarem livre desse vírus. Em março faço 1 ano de TARV 3X1.

    Desejo á todos que estão passando por momentos angustiantes quanto ao diagnóstico ou o início da TARV para não ter medo, que tudo passa… Eu sei que é difícil, porque também sofri e procurem olhar a vida com outros olhos… existem pessoas em situação piores que a nossas.

    • Luciano. diz

      [Namastê! ] O Melhor comentário.. E X A T A M E N T E isso! Descobrir o HIV foi decisivo na minha nova forma de ver a vida.. Uma oportunidade de embarcar em outra “viagem”… e estou adorando ser quem sou agora após a descoberta!

    • danny diz

      Cariocarj, ja estou tomando meus 3×1 por 8 meses, antes disso tomei lamivudina tenofovir e efavirens, durante 8 meses, no inicio senti aquelas tonturas e estava tao angustiado e deprimido q nao sei como sobrevivi, mas sabe , hoj so tomo todas as noites o 3×1, antes de dormir, sempre tomo por volta das meia noite, , ja estou indetectavel desde q comecei com o 3×1, me sinto bem como nunca,unico encomodo e fazer a consulta de 2 em 2 meses para pegar a receita, ate hoj nunca esqueci de tomar o remedio, nem por um dia , o tempo as vesez varia em minutos, de um dia pra outro, mas nao passa disso, o dr falou q em caso de esquecimento pode ter espaço de uma hora, q tudo bem,entao nao saio de casa sem levar ao menos uma dose, se eu nao souber q vou chegar no horario certo de tomar, ai fico tranquilo. outra coisa tambem e q nao sou de bebedeiras, nao sou viciado em nada,parei ate com os refrigerantes, , no começo, perdi 8 kilos quando estava com 86kg, hoj estou com 78k ja faz um ano, estou mantendo meu peso, um pouco devido a nao exagerar nos refrigerantes e doces, ,mas me sinto bem , gostei muito do seu comentario, que devemos olhar a vida com outros olhos, nao esperar com ansiedade, por grandes coisas, quando tiver q chegar a hora de uma noticia boa ela vai chegar, , so nos resta ter confiança e rezar e pedir q Deus nos ajude, e tocar a vida pra frente, errar, erramos , mas vamos procurar nao errar mais, e ter fe, boa sorte, sabe, nao sou de fazer comentarios aki, mas eu gostei muito do seu comentario, , e isso ai mesmo, vamos ficar tranquilos, q mais cedo ou mais tarde tudo vai dar certo, , nao sei se vc tem skyp. mas se um dia vc quizer me add, pra conversar, e ser amigo, iria gostar muito, as vesez surge duvidas e e bom ter alguem para perguntar, so isso, ok? meu skyp e …. fredh_2008@hotmail.com ficarei feliz se vc me add, boa sorte e abraço.meu nome e danny.

  12. soropositivo em crise diz

    Que a falha no uso correto da medicação pode causar resistência é fato que todos sabem. Isso inclusive explicaria a razão da África ter um índice maior de soropositivos resistentes do que a Europa — afinal, imagino que os soropositivos europeus têm mais esclarecimento que os africanos, em função de terem um grau de instrução maior, via de regra. A preocupação maior e em relação a possibilidade dessa resistência ao Tenofovir ser passível de transmissão. No site da BBC, que fala sobre esse estudo, os seus condutores apontam para essa possibilidade, mas dizem que ainda é preciso comprová-la. Minha preocupacao é porque os gays soropositivos costumam transar sem camisinha entre si, e se essa resistencia for de fato transmitida, isso seria um grande problema para esse grupo. A questão da reinfeccao, por tudo o que já li, não é consenso. Há medicos que dizem que ela pode ocorrer e prejudicar o tratamento, há outros que dizem que é uma mera hipótese que não tem se mostrado real na pratica. Cheguei inclusive a ouvir relatos de soropositivos gays que há mais de dez anos se tratam corretamente, tem por hábito transar sem camisinha com outros infectados, e que jamais deixaram de ser indetectaveis…

    • Homem23:55 diz

      Soropositivo em crise,

      Eu acredito na reinfecção, apesar de não ser médico, compreendo o processo e pra mim faz todo sentido.
      Mesmo tomando o remedio ATRV corretamente, se entrar em contato com o vírus resistentes, é óbvio que o remédio não te protegerá.

      Na dúvida, sendo heterossexual ou gay, melhor não cometer o mesmo erro. Pois como diz o ditado: “errar uma vez é humano… persistir no erro, não é nada inteligente….”

      Abraços

      • Ser+H diz

        O meu infectologista me disse que mesmo na TARV vc pode se reinfectar com outra cepa do HIV e ter que mudar para outra linha de medicamento. Cuidem-se. A cura vai demorar.

        • cariocarj diz

          Também só da tese que deve-se cuidar da Saúde como ser ainda fosse um soronegativo, porque não tem só outras cepas de hiv, e sim hepatites B e C, Sifilis entre outras DST curáveis.

  13. Mat diz

    Galera, alguém já tomou ou toma Cobavital? Será que pode tomar em tratamento com os ARVS… Obrigado.

    • Paulo Roberto diz

      Mat, só um médico pode te responder.
      De qualquer forma, acho que, se não for extremamente necessário, não se deve tomar medicamentos – ainda mais deste tipo, que é um anabolizante.
      Eu meço 1,76 e cheguei a 83 kg. Confesso que me sentia muito mais bonito sendo gordinho, rsrsrs… mas atualmente penso mais na SAÚDE do que na estética.Hoje, com 74 kg, vejo que é meu peso ideal. Não estou assim tão feliz, não me sinto bonito, mas… a saúde não tem preço, cara…

      • ROCK HUDSON diz

        Só um médico que entenda do assunto né, por que a maioria ainda proíbe whey protein.

  14. eu+ diz

    Se alguem puder me respnder tenho uma duvida!um cd4 de 1077,cd8 1444 e uma carga viral de 67.800 isso e uma infecçao recente?

    • vivendopositivo diz

      Só um exame western blot pode te responder. Nenhum desses números te garante essa resposta porque cada pessoa responde de um jeito à contaminação.

    • Grão da Noite diz

      Não sei se tem como saber quando a infecção aconteceu. Eu tive sorte porque fiz um exame em fevereiro do ano passado, que deu negativo. E respeitei com boa margem o tempo da janela imunológica (a última relação desprotegida tinha acontecido em meados de 2013, com meu namorado de então). Como sou meio neurótico, ainda fiz 2 testes rápidos, mais ou menos 30 dias e 60 dias depois, que também deram negativos. Em maio comecei a namorar um cara. Mais ou menos um mês depois fizemos sexo sem camisinha algumas vezes (sei que é maluquice. Mas foi o que aconteceu. Me permiti a loucura sem conhecer a sorologia dele…). Lá pelo dia 20 de julho tive sintomas do Zika vírus (manchas vermelhas nos braços, leva inchaço nas articulações dos dedos das mãos, um pouco de febre). Aqui onde moro havia muita gente tendo Zika. Minha mãe teve nesse mesmo período. Mas fiquei encucado, achando que aquilo poderia não ser Zika, mas sim sintomas da fase aguda da infecção pelo HIV (que não é AIDS, mas o período em que o organismo é infectado e começa a desenvolver anticorpos ao HIV, fazendo o corpo apresentar sintomas parecidos com o de uma gripe ou outros vírus, como Zika ou dengue…). No dia 24 de agosto fiz a coleta do Elisa. A coleta foi feita de manhã, à tarde a médica do laboratório ligou pedindo para uma nova coleta ser feita… Foi dos piores momentos da minha vida até hoje. Não sei se os sintomas que tive foram ou não da fase aguda da infecção pelo HIV. Pode não ter sido. Mas o exame deu mesmo positivo. Minha carga viral deu 2.697 microlitro/sangue, minhas CD4 quase 900 e as CD8 1.200. Como a relação CD4/CD8 deu menor que 1,0, o médico disse que o HIV já tinha destruído uma boa quantidade das minhas CD4, pois o normal é a relação ser 1 para 1. Mas ainda estava tudo bem. No dia 17.09.15, uma das minhas efemérides pessoais, comecei a TARV, pois precisei de alguns dias para começar a tomar os remédios, que já estavam comigo há pouco mais de 01 semana. Meu namorado ainda não teve coragem de fazer o teste de HIV. Porém, como os exames de fevereiro, e os testes rápidos de março e abril deram negativos, e eu só me expus a risco de contágio com ele no período, provavelmente ele tem. Digo provavelmente porque a esperança é a última que morre. Espero que agora em 2016 ele faça o exame. Tenho muito receio do que esteja acontecendo no corpo dele. Não adianta tapar o sol com a peneira. O melhor é conhecer a verdade e começar logo a se tratar.

      • cariocarj diz

        Fujir de um problema é burrice … Tem que fazer o teste o seu namorado.

        • Grão da Noite diz

          Com certeza. Vivo falando isso pra ele. Mas ele morre de medo. Tenho muito receio de que o medo dele o faça ter AIDS. Espero que ele tenha coragem pra não deixar chegar a esse ponto.

      • cariocarj diz

        Mas o cd4 estava ótimo ! é você tinha uma baixa carga viral, a sua contaminação foi bem recente… e você de quem você pegou…

      • ROCK HUDSON diz

        Uma curiosidade. O que a médica do laboratório te disse ao te pedir uma nova coleta? falou a verdade ou inventou uma história. Sempre fico curioso nesse ponto. obrigado.

    • cariocarj diz

      Apesar do seu CD4 está excelente, a CV está alta e não é nada bom isso.

  15. Grão da Noite diz

    Claro que é muito bom saber sobre os novos remédios que estão por vir. Mas não podemos saber ao certo quando os novos remédios chegarão até nós. Só teríamos essa previsibilidade (acho que o correto seria dizer que a imprevisibilidade seria menor…) se tivéssemos acesso aos remédios novos sem a intermediação do governo. Como existe essa intermediação, mesmo que o PRO 140 comece a ser vendido lá fora (diga-se o mesmo de outros novos remédios), pode demorar um bom tempo para o recebermos aqui no Brasil, pois há uma burocracia interna a ser vencida e também uma dificuldade que me preocupa: dinheiro. Não sei o quanto o governo está disposto a liberar em verbas para modernizar a listagem dos medicamentos destinados à TARV. Se me lembro bem, o 3 em 1 levou 8 anos para ser distribuído aqui no Brasil. Acredito que uma das razões tenha sido evitar ou adiar um aumento de custos. Acho que devemos nos animar com os remédios que surgirem. Mas, a não ser os pacientes muito ricos, que podem adquiri-los diretamente, sem precisar do fornecimento governamental, a maioria de nós somente se beneficiará deles anos depois de começarem a ser comercializados lá fora. Em Histórias da AIDS, Artur Timerman fala de um tratamento que pode curar e imunizar o corpo ao HIV que pode custar uns 100 mil dólares. É muito dinheiro. Se a cura custar isso tudo, muitos de nós só teremos acesso a ela muitos anos depois das pessoas ricas. É isso. Não quero desanimar ninguém. Mas devemos colocar no horizonte de nossas esperanças uma dificuldade chamada dinheiro. Ela adiará por um tempo difícil de se determinar o acesso de muitos aos tratamentos mais modernos e também à cura.

    • Ma diz

      É por isso que vocês devem dar valor ao tratamento disponibilizado agora. Façam o uso corretamente dele. O que vier depois é lucro. Bjs!

  16. Paulo Roberto diz

    Grão da Noite,
    Cem mil dólares para curar HIV e imunizar???
    Cara, me desculpe, mas eu não acredito nisso, não… Já li a respeito, e não há evidências claras de que algum ser humano tenha se curado e se imunizado.
    E olha que pessoas que têm condição financeira para pagar os custos disso continuam sendo infectadas, como é o caso do Charles Sheen.
    Realmente, eu temo pelo governo brasileiro… estamos em plena crise, gerada pelo próprio governo e sua corrupção “genética”.
    Mas acredito que, se descobrirem a cura, o governo se interessará mais por gastar com a cura do que com tratamento eterno.
    A curto prazo, tenha a certeza, o governo economizaria muito…
    E ainda existem as ONGS, os organismos internacionais, que tratariam da distribuição de um medicamento que cure…
    Fora isso, temos a JUSTIÇA, que, no meu entender, pode ser acionada – e pelo pouco que entendo de Leis, é causa ganha!
    Dessa forma, não entendo que só pessoas ricas teriam acesso à cura, mas, deixando de lado o que eu ACHO, ainda não se vê nenhum laboratório dizendo que a cura virá em poucos meses…
    Então, vamos viver um dia após o outro, e vamos dar graças a Deus por termos os medicamentos que nos mantém VIVOS!
    Abraços
    Paulo Roberto

    • Grão da Noite diz

      Artur Timernan é um dos infectologistas mais respeitados do país, um dos que primeiro começaram a estudar e a tratar a AIDS e o HIV. E Timothy Ray Brown, o chamado “paciente de Berlim”, foi curado e imunizado do HIV. A entrevista com ele vai ser publicada pelo Jovem Soropositivo em breve (o anúncio da publicação é a postagem mais recente neste blog). Artur Timerman explica que há várias linhas de pesquisa em busca da cura para o HIV. Uma das que parecem mais promissoras é esta, cujo tratamento se estima que custará cerca de cem mil dólares. Eu não disse que só pessoas teriam acesso à cura. Disse que pode ser que elas tenham acesso primeiro (é o que acho mais provável). Você acha que os soropostivos ricos tomam os mesmos remédios que os soropostivos que têm uma conta bancária mais vazia? Do mesmo jeito que eles têm casas maiores, em bairros mais caros, e carros mais caros também, eles têm acesso a medicações que só anos depois chegarão aos pacientes mais pobres. É assim mesmo. É o mundo em que vivemos.

      • Paulo Roberto diz

        Grão da Noite, obrigado pela resposta.
        Realmente, no estágio em que estão as pesquisas com clonagem de células, eu até agora não entendi o motivo pelo qual não replicaram as células que salvaram a vida do Timothy Ray Brown.
        Porém, aqui no Brasil, acredito que qualquer soropositivo, seja ele rico ou pobre, tome o mesmo tipo de medicação.
        Claro que lá fora as leis são outras. O 3×1, por exemplo, levou oito anos para ser adotado aqui no Brasil.
        Para ser franco, já entrei em contato com vários laboratórios, no Brasil e no Exterior, me oferecendo para “cobaia”. NENHUMA resposta.
        Eu imprimi a entrevista do JS com o Timothy, e vou ler à noite, pois me falta tempo agora.
        Mas continuo sem entender o motivo pelo qual não replicaram as células que salvaram a vida do americano.

        • Grão da Noite diz

          Essa linha de pesquisa de que fala o Artur Timernan usa o conceito do tratamento que curou o Ray Brown. Células CD4 são retiradas do organismo do paciente e, por manipulação genética, a partir das CD4 retiradas são produzidas outras células de defesa com uma mutação que faz delas impermeáveis ao HIV (se lembro bem a maioria das pessoas tem nas CD4 uma proteína de que o HIV precisa pra entrar nessas células que ele usa pra se replicar). As células com a mutação são reintroduzidas no corpo da pessoa. São necessárias umas 4 injeções com as células geneticamente modificadas pra renovar o sistema imunológico do paciente com células CD4 em que o HIV não consegue entrar. Por isso esse tratamento ao mesmo tempo cura e imuniza a pessoa. Acho que a pessoa continua transmissora do HIV, já que o próprio Timernan diz que o HIV se aloja em células que podem levar até 50 anos pra morrer. Por isso interromper a TARV faz reiniciar a replicação viral. Bom, no caso do Ray Brown, ele estava com leucemia. O médico dele, que é de Berlim (por isso ele ficou conhecido como “paciente de Berlim”, apesar de ser norte-americano), teve a ideia de procurar um doador que, além de compatível, tivesse a mutação que faz a medula produzir células CD4 sem a proteína que o HIV usa pra entrar nessas células. No tratamento o sistema imunológico do Ray Brown foi zerado ou quase zerado, e a medula nova começou a fazer o corpo produzir CD4 com a mutação da imunidade ao HIV. Dizem que esse tipo de tratamento é muito caro e agressivo, além de a pessoa precisar da sorte de encontrar um doador compatível e que também tenha a mutação que faz o corpo produzir CD4 em que o HIV não consegue entrar. Sobre esse tratamento que pode custar 100 mil dólares, Artur Timernan diz que, se todos os testes comprovarem que ele é seguro e eficaz, isso pelos critérios da FDA (agência americana que fiscaliza remédios e alimentos), ele deve ser colocado no mercado lá pra 2024. Falta um tempinho. Mas pelo menos é uma esperança. Sobre como acontece a distribuição dos remédios aqui no Brasil, acho que não existe diferença entre ricos e pobres. Pelo menos é o que acho. Mas quem tem dinheiro pode buscar tratamentos em qualquer lugar do mundo…. Não estou reclamando dos ricos. Se o HIV só atingisse pessoas pobres não haveria tanto interesse no desenvolvimento de uma vacina e da cura pra ele. Felizmente o vírus não tem essas distinções muito humanas, o que acaba beneficiando a todo mundo, graças a Deus.

          • Paulo Roberto diz

            Grão da Noite, concordo com tudo o que você disse, mas restou uma dúvida. Com o avanço da Ciência em replicações, clonagens e manipulações genéticas, o que impede que os cientistas manipulem uma célula de um indivíduo infectado, a fim de promover a cura, usando outra célula com a mutação da imunidade ao HIV?
            Tipo assim, um ” cruzamento” entre as células?

  17. Paulo Roberto diz

    HOMEM 23:55 e CARIOCARJ: suas postagens me enchem de ânimo e esperança!
    Sou eternamente grato pelas palavras de força e fé que vocês publicam aqui neste espaço.
    Sou eternamente grato ao JS pelo blog, contendo ricas pérolas de informação e esperança!
    Muitíssimo obrigado A TODOS por tornarem a minha vida melhor, contribuindo assim, para o meu próprio crescimento humano e espiritual!
    Ainda bem que vocês existem!
    Deus os abençôe ricamente!

  18. Tony Df diz

    Eu ja estou no meu terceiro esquema. Tive que mudar a primeira vez por causa do efavirenz que me fazia muito mal. A segunda por causa do tenofovir que estava me dando problemas renais. Hoje tomo norvir, biovir e Atazanavir.

  19. Homem23:55 diz

    Paulo Roberto,

    Não há o que agradecer.
    Estamos juntos no mesmo barco, um cuida do outro.
    #SomosTodosPositivos

    Abraço e boa semana!

  20. Paulo Roberto diz

    Eu estou enfrentando um problema difícil de resolver. Estou com refluxo gastroesofágico.
    Fui a um gastro, que me passou Domperidona – que não posso tomar devido à TARV, usando NORVIR.
    Fui a outro médico, que me receitou um medicamento importado chamado Pariet – fabricado na Suécia, que custou 280 reais a caixa com 28 comprimidos.
    Também não posso tomar por causa da TARV, usando Atazanavir.
    Claro que ambos os médicos sabiam da minha sorologia e sabiam do meu tratamento.
    Vou ver se consigo falar com meu infectologista amanhã, mesmo sem ter consulta marcada, para ver o que ele pode fazer.
    Vejam bem, paguei consulta particular, expliquei o problema, levei as bulas dos medicamentos (que mais parecem um testamento, de tão grandes), comprei remédios e, se não LESSE A BULA, não sei o que seria de mim.
    Alguém aí já teve refluxo gastroesofágico? Se sim, poderia me orientar?

  21. Caio diz

    Oi gente, fazia um tempinho que eu não passava aqui para ler os posts e comments, mas vamos lá!

    Há um mês, dia 28/12 eu recebi meu diagnóstico positivo. Foram apenas alguns dias para assimilar toda a situação, pois minhas visitas ao medico já se iniciaram na semana seguinte; exame confirmatório e solicitação do calendário especial de imunização para soro+.
    No dia 17/01 tive minha primeira consulta com o infecto do cta e tive o azar de cair com um médico velho e sem noção que me fez ficar envergonhado e ainda me fez sentir culpado. Ao sair da sala fui conversar com a enfermeira que agendou meus outros exames e retorno, mas que já me marcou com outra médica para agora, 18/02.
    Nesse mesmo dia já peguei a receita e meu primeiro frasco do 3×1, mas a enfermeira pediu para eu começar a tomar só depois que eu fizesse o primeiro exame de CV e CD4.
    Chegou o dia, 27/01 (inclusive meu aniversário) fiz os exames logo cedo e na noite do mesmo dia, sem medo e super ansioso, tomei meu primeiro comprimido e fui dormir. Acordei no meio da noite e infelizmente tive os tais sonhos vividos e alucinações. Respirei fundo, coloquei um Tiago iorc para ouvir e dormir novamente. Acordei super tranquilo e só tive uma leve tontura após o almoço.
    Segunda noite, o medo de ter alguma reação me deixou acordado um pouco e por incrível que pareça; nada!
    Terceira noite, tomei e fui assistir um filme. Senti um leve desconforto, mas nada extremo.
    Da quarta noite em diante já não sinto mais nada, tive uma adaptação ótima ao remédio e já estou na minha sexta noite!
    O que me ajudou muito foi sempre manter o pensamento positivo, não deixar os pensamentos ruins dominarem minha cabeça e não me abalar com a inevitável tristesa que as vezes tenta aparecer mas eu já mando pra longe!
    Esse mesmo pensamento positivo me ajudou a ser honesto e contar para minha irmã, para um grande amigo e para o rapaz que estou saindo há alguns dias!

    Meu nome é Caio, fiz 29 anos no último dia 27 e a vida segue!

    Esse é meu relato para os novos diagnosticados que lêem esse blog em buscas de respostas; A vida segue, feliz e com muita cor. Não serão somente dias cinzas a frente.

    • Tom diz

      Obrigado pelo seu comentário Caio.
      E parabéns pela sua coragem e franqueza.
      Eu ainda nao comecei meu tratamento, por alguns motivos pessoais, medo inclusive…mas o que vc escreveu é encorajador.

  22. lgonc diz

    Olá, fiz um teste rápido em novembro e deu positivo. Só marcaram meus exames para o início de janeiro, semana passada fui a minha primeira consulta minha cv tá indetectável, cd4 1100, cd8 1300. A médica disse que a soroconversão ainda não deve ter ocorrido, mas achei estranho pq o teste de novembro já detectou. Fiz teste rápido em outro lugar, pra fluido oral deu negativo e sangue deu positivo. To esperando agora o resultado da sorologia. Vi que os testes rápidos identificam os anticorpos pro hiv, alguém sabe pq o quantitativo não detectou o hiv, mas o rápido identificou anticorpos?

    • lgonc,
      Você precisa fazer um teste de sorologia para o HIV que não seja o teste rápido e nem aquele de fluído oral, para garantir que não é um falso positivo.

      • Ricardo diz

        Acredito que sua médica deveria pedir o exame denominado West Bolt, que é o exame confirmatório para HIV e que sanaria toda e qualquer dúvida.

        • Depende muito da situação Ricardo.
          Eu fiz dois ELISAS (um com resultado + e outro -)
          Fiz dois Testes Rápidos ( ambos +)
          e dois Western Blot em laboratórios diferentes (um + e outro -)
          No meu caso, os falsos positivos ocorreram porque eu já tinha iniciado a três dias o uso da TARV.
          Bem… como profissional de saúde que sou, creio muito no resultado do TESTE RÁPIDO, até porque comigo ele não se enganou. O Teste Rápido só faz leituras de copias do vírus HIV ignorando qualquer outra tipagem viral que estiver presente na sua amostra de sangue, tanto que ele (o teste) – em dias atuais – é considerado exame diagnóstico e o infectologista inclusive já pode te prescrever a medicação da TARV.
          O Western Blot é o exame mais sofisticado e “específico” para o diagnostico conclusivo do HIV, porém em algumas situações ele também pode dar falso negativo e falso positivo…sem dizer que é um exame relativamente caro.
          Ter HIV não é perder a saúde e sua qualidade de vida. O diagnóstico vai sim fragilizar-te um pouco porém como já dito muito aqui no BLOG, viver com HIV é algo indesejável porém muito possível devido a eficácia da medicação que temos disponível e graças ao avanço das ciências.
          A melhor opção é se vigiar e se polir mais…podar os excessos que deveriam ter sido já podados quando soronegativo e decidir viver com mais qualidade de vida.
          Desejo a todos muita paz, amor e SAÚDE viu!
          Deixo meu email pra quem quiser entrar em contato pra tirar dúvidas ou trocar experiências… NICK.CAFFIOLE@GMAIL.COM

  23. Drica diz

    Eu sou positivo há vinte anos descobri em 2011 desde então tomo a medicação certinha e sempre deu indetectável conheci meu marido fomos morar juntos e eu não sabia que tinha pelas minhas contas fui contaminada em 94 conheci meu marido em 96 estamos juntos até hj graças a deus não passei pra ele e nós nunca usamos camisinha apos meu diagnóstico passei a usar preservativo com ele. Só consegui encara td isso pq ele me da força

  24. Sérgio diz

    Minha gente relaxe! Descobri em Maio que era soropositivo comecei o tratamento em Junho. Depois de 3 meses fiz o exame de carga viral e caiu de 8000 copias para 400. O meu peso se mantem o mesmo, peguei chicungunya fiquei bom e me acabei no carnaval levando sempre o meu 3×1 e tomando na hora certa. Não se desesperem, vamos vivendo a vida enquanto tudo tá bom com a nossa saúde.

  25. Senhores,

    O Unaids emitiu essa nota sobre o estudo acima:


    UNAIDS

    Para a maioria das pessoas, a terapia antirretroviral é extremamente eficaz no tratamento do HIV, permitindo que as pessoas que vivem com o HIV tenham vidas longas e saudáveis.

    Contudo, o HIV é um vírus complexo que pode adaptar-se e sofrer mutação rápida. Isto pode levar o vírus a se tornar resistente a um medicamento. A resistência às drogas é mais provável de acontecer quando uma pessoa é incapaz de tomar os medicamentos regularmente, como prescrito. Uma vez que a resistência se desenvolveu, a cepa resistente do vírus pode ser transmitida a partir de uma pessoa para outra. A resistência a medicamentos pode levar ao fracasso do tratamento, quando os medicamentos que já não mantém o vírus sob controle. Se isso acontecer, será necessário um regime de tratamento antirretroviral alternativa.

    Dados nacionais abrangentes sobre padrões de resistência ao HIV são escassos, especialmente nas regiões mais afetadas pelo HIV. No entanto, a revista médica The Lancet Infectious Diseases publicou recentemente um estudo realizado pelo TenoRes Study Group, que lança mais luz sobre a resistência global das drogas contra o HIV.

    O estudo analisou dados sobre a resistência aos medicamentos de HIV em quase 2.000 pessoas que vivem com HIV e que tiveram insucesso do tratamento após a primeira linha de tratamento para o HIV, com um regime de droga recomendada pela OMS contendo Tenofovir. Os dados foram coletados a partir de diferentes estudos realizados entre 1998 e 2015 em 36 países. O estudo encontrou mais resistência ao Tenofovir do que a outros medicamentos antirretrovirais  anteriormente relatados, com 20% de resistência ao Tenofovir em pacientes com falha do tratamento na Europa e mais de 50% de resistência em pacientes com falha do tratamento na África subsaariana. Esta constatação sugere que a resistência Tenofovir pode ser a causa de falha do tratamento em mais de metade das pessoas que desenvolvem a falha do tratamento durante a terapia de primeira linha na África subsaariana.

    Os resultados do estudo não indicam a necessidade de rever as diretrizes de tratamento globais existentes, uma vez que regimes contendo Tenofovir permanecem eficazes para a maioria das pessoas que vivem com HIV iniciar o tratamento de primeira linha. No entanto, os resultados reforçam a necessidade de uma vacina eficaz ou cura para o HIV e a necessidade de garantir que as pessoas são capazes de aderir a regimes de tratamento prescritos, através de apoio ao tratamento e garantia de fornecimentos de medicamentos antirretrovirais de qualidade assegurada, a fim de reduzir o risco de desenvolvimento de resistência ao Tenofovir.

    O estudo sublinha a importância de identificar rapidamente a falha do tratamento através de exames de rotina para avaliar a supressão da carga viral — esta é a base do terceiro pilar da meta 90-90-90 do Unaids, que propõe que 90% das pessoas com acesso ao tratamento do HIV tenham suas cargas virais suprimidas. A identificação rápida de resistência aos medicamentos, juntamente com a mudança de tratamento para um regime eficaz tratamento de segunda linha, vai ajudar a recuperar a supressão da carga viral, manter as pessoas que vivem com HIV saudáveis e reduzir a transmissão de vírus resistentes.

    Pelo Unaids em 8 de fevereiro de 2016

  26. Caio diz

    Alguém sabe me dizer se não tomar o remédio 3×1 exporadicamente na hora certo tipo nos fds ou apenas no sábado pode acontecer alguma complicação ou o vírus se tornar resistente?

    • Caio tem que tomar todo dia na mesma hora pra sempre ate seu último dia se vc atrasa vc pode atrasar em uma hora apenas pasando disso vc so toma no outro dia mesma hora tem que ser sempre na mesma hora …

    • Caio
      Meu caro amigo…meus cumprimentos à você.
      Então…o ideal jovem seria que você tomasse no horário habitual (mesmo horário), porém como você mesmo disse, isso ocorre esporadicamente, não existindo assim problemas maiores!
      A medicação necessita de um período maior que 24 horas pra que seja totalmente eliminada do organismo.
      Evite passar mais de duas horas do seu horário habitual para a ingesta da medicação, ou adiantar duas horas do seu horário de ingestão habitual. Ahhhh, outra coisa muito importante é evitar tomar a medicação num intervalo de menos de 12 horas entre um dia e outro (isso ocorre com certa frequência quando algumas pessoas saem pra balada e voltam só no amanhecer do dia seguinte, esquecendo de tomar o remédio…daí quando é na noite do mesmo dia ela vai e toma novamente o remédio – isso pode ser bem prejudicial por conta dos medicamentos utilizados na TARV serem muito fortes).
      Fiquem tranquilos quanto a isso, porém não descuidem e não transformem este esporadicamente em habitualmente.
      Desde que comecei meu tratamento em Março de 2014, nunca segui estritamente o horário de ingestão, porém costumo tomar sempre entre as 00:00 horas e as 02:00 horas da madrugada que é o horário que costumo dormir. Estou INDETECTÁVEL a mais de um ano e meio.
      Tenho 26 anos, sou profissional da área da saúde e tenho acesso consideravelmente fácil a informações.
      Me coloco a dispor de quem precisar de ajuda, conselhos ou trocas de experiências.
      Deixo meu email para que possamos nos comunicar.
      email: nick.caffiole@gmail.com

  27. MG29 diz

    Pessoal,
    Descobri que sou soropositivo em março do ano passado. Em abril comecei a tomar a medicação e em outubro veio a notícia de que estava indetectável.

    Ainda assim, meu cd4 inicial era 160, em junho foi para 420 e em outubro caiu para 350. Como tive alguns problemas de saúde, estou receoso para os resultados na nova coleta agora em fevereiro.

    Sou servidor público e tenho passado por situações complicadas: meu chefe tem me perseguido quando tenho consultas médicas. Ele reclama e quase me coagiu a contar qual doença eu tinha para justificar as ausências e alguns atestados que tirei. Estou bastante abalado e com dificuldades de trabalhar.

    Como meu órgão cogita a possibilidade de afastamento para soropositivos com cd4 menor que 500, estou pensando em solicitar afastamento temporário. Alguém aqui já solicitou? Vocês acham que foi proveitoso para recuperação ou ficar parado acabou gerando mais transtornos?

  28. Hiago diz

    Olá pessoal,
    Decobri ser portador do vírus HIV
    Já fiz exames e meu CD4 861 e carga viral 49000

    Vai, fazer 3 meses que estou em tratamento com 3×1 tomando todo dia no horário

    Vou fazer novos exames no fim desse mês de fevereiro,
    Será que há possibilidades de eu estar indetectável? Alguém sabe me informar?

    Obrigadoo!!

  29. Moreno+ diz

    Boa noite galera.

    Tô em tratamento desde maio de 2015. Uso o 3 em 1 e em novembro a minha CV tava indetectavel. Porém sinto esporádicas dores nos gânglios em várias partes do corpo . Alguém tem esse sintoma? Sempre que sinto isso fico com medo de ser resistência viral.

    • Marcos diz

      Bom dia moreno
      Quais eram os seus números iniciais em maio?
      Acredito que não tenha nada a ver, pode ser outros motivos

      • Moreno+ diz

        Marcos em maio de 2015 era 11.000 a CV. Caiu pra 94 em agosto e zerou em novembro. Eu achei q essas dores nos gânglios fossem passar. Mas elas vão e voltam.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s