As pessoas com medo de sexo


Atlantic

Imagine que mil pessoas, selecionadas aleatoriamente dentro da população norte-americana, fizeram sexo desprotegido ontem. Quantos deles vão morrer depois de contrair HIV de um único encontro sexual? Agora, imagine outras mil diferentes pessoas. Essas pessoas vão de carro de Detroit para Chicago amanhã, cerca de 480 quilômetros. Quantos vão morrer na viagem como resultado de um acidente de carro? Qual desses dois números é maior?

Se você é parecido com os participantes de um novo estudo liderado por Terri D. Conley, da Universidade de Michigan, sua estimativa para o HIV deve ser maior — muito maior. A suposição média dos participantes do estudo para o caso de HIV foi um pouco mais de 71 pessoas por mil, enquanto a estimativa média para o cenário de acidente de carro foi cerca de 4 pessoas por mil.

Em outras palavras, os participantes pensaram que somos aproximadamente 17 vezes mais propensos a morrer de HIV contraído a partir de um único encontro sexual desprotegido, do que morrer em um acidente de carro em uma viagem de 480 quilômetros. Mas aqui está o ponto: essas estimativas não só estão erradas, como elas estão completamente invertidas. De acordo com estatísticas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e da Administração Nacional de Segurança nas Estradas, temos 20 vezes mais probabilidade de morrer em uma viagem de carro do que de HIV contraído durante um ato sexual desprotegido.

“Parece que decidimos culturalmente que o sexo é algo perigoso e deve ser temido.”

Por que as estimativas dos participantes não chegam nem perto? Conley e seus colegas acham que a resposta tem a ver com o estigma: o comportamento de risco relacionado ao sexo é julgado com mais rigor do que os riscos de saúde comparáveis ​​(objetivamente mais arriscados), quando levado em conta as diferenças relevantes entre os comportamentos. “Parece que decidimos culturalmente que o sexo é algo perigoso e deve ser temido”, me disse Conley em uma entrevista. É por isso, argumenta ela, que os pais norte-americanos tentam “microgestão” da sexualidade de seus filhos, “com o alerta sobre o perigo de DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) fazendo grande parte disso.”

Ao mesmo tempo, “os pais ficam animados em ver seus filhos recebendo a carteira de motorista, e não os proíbem de dirigir regularmente… Eles sabem que há riscos, mas assumem que seus filhos devem aprender a gerir esses riscos.” Conley acha que esta abordagem deve ser aplicada ao sexo também.

“A sexualidade sempre teve a ver com o caráter moral. Se um alguém tem uma DST, isso sugere que seu caráter também está ‘infectado'”.

Claro, também poderia haver algum aspecto moralista aqui, uma espécie de ressaca da formação puritana que temos nos Estados Unidos. Eu levantei esta hipótese com Shaun Miller, um filósofo da Universidade Marquette que pensa sobre sobre amor e sexualidade. “Eu não tenho certeza de que isso se relaciona com os nossos valores puritanos”, ele me disse, “mas eu acho que o estigma é um caminho para o julgamento moral. A sexualidade sempre teve a ver com o caráter moral e, assim, se um alguém tem uma DST, isso sugere que seu caráter também está ‘infectado'”.

Para testar essa ideia de que os riscos relacionados com o sexo são mais estigmatizadas do que outros tipos de risco, Conley e seus colegas publicaram um estudo de acompanhamento. Nesse estudo, eles queriam apontar para algumas das diferenças entre dirigir carros e fazer sexo — duas atividades que trazem risco, claro, mas que são riscos diferentes, à sua maneira. Se essas diferenças pudessem de alguma forma explicar as estranhas estimativas que os participantes deram no primeiro estudo, sem ter nada a ver com o estigma relacionado com sexo, isso poderia invalidar a teoria de Conley.

Conley e sua equipe projetaram um teste que compararia “maçãs com maçãs”: dois casos em que uma ameaça à saúde foi transmitida através de relações sexuais, mas apenas uma das quais era uma DST. Eles deram uma coleção de 12 vinhetas para um número de participantes, uma vinheta por pessoa. Todas as vinhetas contavam basicamente a mesma história: alguém transmite a doença para outra pessoa durante um encontro sexual casual, sem saber que tinha algo a transmitir. Havia duas doenças: clamídia, uma DST comum que raramente causa graves problemas de saúde (e que pode ser completamente curada com antibióticos), ou H1N1, vulgarmente conhecida como a gripe suína, a qual pode ser seriamente ruim para sua saúde e até mesmo levar à morte.

O principal ponto manipulado entre as diferentes vinhetas foi a gravidade do resultado causado pela doença. Um resultado “leve” foi descrito como ficar doente o suficiente para ter de ver o médico e, em seguida, tomar remédios por uma semana. Um resultado “moderado” foi o mesmo, incluindo a necessidade de ir para a sala de emergência. Um resultado “grave” foi ficar hospitalizado e quase morrendo. E um resultado “fatal”, claro, foi morrer. As últimas duas condições só são aplicáveis à H1N1, porque a clamídia raramente faz tão mal assim.

Uma vez que os participantes leram a sua vinheta, eles deveriam dizer o que eles pensavam sobre a pessoa que transmitiu a doença. Os participantes avaliariam a pessoa sobre o quão arriscado e quão egoísta seu comportamento tinha sido, bem como o quão sujo, mau, imoral e burro era fazer o que eles fizeram. Os resultados foram surpreendentes. Os participantes que leram a história sobre alguém que, sem saber, transmitiu clamídia — com um resultado “leve” sobre a saúde de outra pessoa — julgaram a pessoa com mais rigor do que os participantes que leram sobre o caso da gripe suína, mesmo em casos em que a outra pessoa morreu!

“Por que haveria tanta culpa em torno de uma DST, mas não em uma doença que não é transmitida através de relações sexuais?”

Conley não esperava ver isso. “Por que haveria tanta culpa em torno de uma DST, mas não em uma doença que não é transmitida através de relações sexuais?”, ela disse. É uma boa pergunta. E o estigma injustificado — a explicação preferida de Conley — pode ser a resposta. Mas há outra resposta possível, e é uma que aponta para uma fraqueza potencial na metodologia deste segundo estudo. Há uma diferença importante entre a clamídia e a gripe suína, em termos de como você pode impedi-las de serem transmitidas — e que tem a ver com preservativos. Usar um preservativo irá reduzir drasticamente as suas chances de transmitir uma DST como a clamídia, mas não teria qualquer efeito sobre a transmissão da gripe suína. Isso ocorre porque a gripe suína não é transmitida através do contato genital, mas sim através do sistema respiratório, com o qual você pode se contaminar através de beijo ou tosse.

Os participantes que receberam a vinheta “clamídia” poderiam ter fundamentado suas opiniões com esse pensamento: “se a pessoa nessa história tinha a certeza de que os preservativos seriam usados — o que é a coisa mais responsável a se fazer em um encontro sexual ocasional –, então a DST, muito provavelmente, não seria transmitida. Mas ela foi transmitida. Assim, a pessoa provavelmente não fez uso de preservativos. Assim, vou julgar esta pessoa duramente, porque eu desaprovo este comportamento irresponsável”.

Tal como o filósofo e cientista cognitivo Jonathan Latourelle, da Universidade Estadual do Arizona, apontou: “se você tiver clamídia, as pessoas podem pensar que existe pelo menos alguma probabilidade de você ter isso por causa de um comportamento sexual que eles desaprovam”. No caso da gripe suína, o mesmo tipo de julgamento simplesmente não podia ser aplicável. Isso porque, mesmo se as estratégias de sexo seguro fossem empregadas, o vírus iria ser transmitido exatamente da mesma forma. Conley e seus colegas reconheceram esta limitação em sua pesquisa, ganhando elogios de outros pesquisadores com quem conversei. Ainda assim, limitações à parte, a equipe de Conley acredita que seu estudo tem implicações importantes para a saúde pública. A principal delas, em sua opinião, é que o estigma em torno das DSTs precisa ser reduzido drasticamente. Caso contrário, eles temem que o tiro poderia sair pela culatra, levando a mais transmissões de DSTs, e não o contrário.

“Comportamentos estigmatizantes não impedem que atividades insalubres ocorram.”

“A pesquisa básica sobre o estigma é bastante clara sobre um assunto”, Conley e seus colegas escreveram. “Comportamentos estigmatizantes não impedem que atividades insalubres ocorram. Por exemplo, quanto mais um indivíduo experimenta algum estigma associado ao seu peso, é menos provável que ele perca peso.” Assim, concluem, “temos todas as razões para suspeitar que estigmatizar DSTs irá, igualmente, levar a resultados de saúde sexual piores.” Eles dão dois exemplos para ilustrar este risco. Um: se alguém pensa que pode ter uma DST, mas preocupa-se que o seu médico irá estigmatizá-lo, ele pode ser menos propenso a procurar tratamento médico. E, dois: se alguém pensa que o seu potencial parceiro sexual irá julgá-lo por ter uma DST, então eles estarão menos propensos a falar sobre isso.

Mas pode não ser assim tão simples. Estigmatizar alguns comportamentos, tal como comer em excesso, não parece reduzi-los, mas o que dizer de outros comportamentos, tal como fumar? Existem algumas evidências, embora contestadas, de que o aumento do estigma em torno de fumar realmente tem sido muito eficaz em reduzir o número de fumantes ao longo do tempo. Quando se trata de estigmatização, então, a questão é se o sexo de risco é mais parecido com fumar ou mais com comer demais. Como diz o clichê científico: “mais pesquisas são necessárias.”

Por Brian D. Earp para The Atlantic em 12 de novembro de 2015

Anúncios
avatar
26 Comment threads
51 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
44 Comment authors
AnonimoRodrigo SilvaRickThiago GusmaoGompMais Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Inscrever-se  
Receber notificação
Dani Santos
Visitante

Pessoal, eu sei que não tem a ver com o post, mas gostaria de fazer uma pergunta.. É a segunda vez que eu acordo 5 da manhã sentindo coceiras no corpo.. como se fossem formigas, dor de estomago e muscular. O que mais me preocupa são as coceiras rs.. porque eu não faço ideia do que possa ser. Será que é o remédio? Me incomoda bastante, até durante o dia. Parece que tem formigas andando na minha pele. No início pensei que fosse “zica” uma prima da dengue.. mas as manchas vermelhas não aparecem. Enfim.. obrigado.

Junior
Visitante
Junior

Dani, sobre as coceiras, tenha paciência, elas passam! É normal! Agora a dor de estômago e muscular não sei te dizer, mas as coceiras eu tbm tive no início do tratamento… Minha infecto me disse que tem a ver com a reação do remédio, um sinal que ele está “fazendo efeito”, portanto, a coceira é uma coisa boa!

Gabriel Ritieli
Visitante

Obrigado Junior!!!!!

Ricardo Gru
Visitante
Ricardo Gru

Pessoal, quem ja leu alguns comentários meus aqui no blog sabe q eu sou bem de boa em relaçao a minha sorologia, entretanto, atualmente uma coisa tem me incomodado: Mesmo me alimentando bem e fazendo tudo certo eu nao estou ganhando peso, nao consigo passar dos 66kgs, quando meu peso antes do HIV era 70kgs, isto tem mexido um pouco comigo…é natural esta dificuldade para ganhar peso ? Alguém pode passar algumas dicas ? Abraços.

Alex
Visitante
Alex

Tente perceber o quanto de calorias vc está consumindo por dia. Por exemplo, se sua média de calorias gastas por dia é 2400 calorias, e vc mantém se alimentando só com 2400 calorias, vc vai manter o peso, para vc ganhar peso teria que aumentar o número de calorias. Assim, não bastaria se alimentar bem, isso basta para quem quer manter o peso, mas teria que aumentar o número de calorias.

O ideal seria um acompanhamento com nutricionista para verificar suas necessidades e preparar uma dieta saudável de acordo com seu objetivo.

R2D2
Visitante
R2D2

Eu também tenho esse mesmo problema. Depois da Síndrome Retroviral aguda, quando perdi uns 8 kgs, eu não consigo mais engordar. Hoje em dia minha média é 67 -68kgs. Mas meu infecto disse não conseguir fazer uma correlação direta com a sorologia, e o mais importante na verdade é verificar as taxas metabólicas e ver se elas tão ok.

Mutatis Mutandis
Visitante
Mutatis Mutandis

Passo pela mesma coisa, Ricardo GRU. Sempre fui magricelo, mas com 1,79 e 75 kg tava até bonitinho…com o tratamento não passo de 72kg. Parece pouco, mas não é…e o pior é que aos olhos de que vê é uma magreza, digamos “pouco saudável”, os menos educados perguntam logo se “estou doente?”. Como relativamente bem (em quantidade e em diversidade, gosto de saladas e etc…) mas nao consigo ganhar peso tambe’m… Mas vamos lá…meu infectologista diz que eu estou bem demais assim…que tem muita gente querendo ter o meu peso, blá, blá, blá….o importante é colesterol, glicose, e afins estarem… Ler mais »

Acupunturista
Visitante
Acupunturista

Olá, este é meu primeiro comentário aqui. Descobri que sou soropositivo dia 11 deste mês. Pra mim foi um tremendo choque. Logo eu, alguém extremamente ligado a saúde e com muitos cuidados com minha saúde. Sei que alguns não vão ler até o final, então já quero recomendar um video que me fez mudar minha visão: https://www.youtube.com/watch?v=2Gi1vikmqYQ Continuando: Contrai o vírus por meio do meu ex namorado, o qual estive com ele por 1 ano. Quando fizemos sexo pela primeira vez (1 ano atrás) já foi sem camisinha, pois ele havia dito pra mim que fez o teste de HIV… Ler mais »

Salvador
Visitante
Salvador

Hábitos saudáveis são sempre importantes para a manutenção da saúde. O próprio pensamento filosófico chinês diz que é melhor cuidar da saúde do que da doença. Você como acupunturista sabe disso. O estigma e preconceito nos fazem ter sentimento de culpa e isso não faz bem à saúde. Matendo uma vida equilibrada podemos viver muito. Mas, independente de qualquer doença, não temos controle sobre a vida. A única certeza que temos é de que vamos morrer com ou sem HIV. Até lá, um dia de cada vez com paciência e equilíbrio. Se quiser trocar umas idéias meu email é salvadorposi@hotmail.com… Ler mais »

Doug
Visitante
Doug

Muito legal seu post. Eu tbm mudei muito minha forma de ver e viver a vida. Já fiz tantas sessões de acupuntura, que indicou pra quem precisar. Você mora aqui em SP tbm?

Positivo
Visitante
Positivo

Sua história é muito parecida com a minha. Descobri há menos de uma semana que convivia a 05 anos com meu marido sabidamente soropositivo há 16 anos. Apesar da minha insistência pelo sexo sem preservativo em 6 meses de convivência, ele poderia ter evitado já que era diagnosticado à epoca.
Mas como você, apesar da mágoa, não consigo cultivar ódio ou rancor. Estou ainda no período de aceitação e só posso contar com ele. Bom, caso alguém queira manter contato, meu e-mail é positivosempre@outlook.com

Cauã+
Visitante
Cauã+

A verdade é que ainda está enraizado na sociedade que o sexo é algo promíscuo e que só deve ser feito depois de casado para procriação e do modo tradicional Homem x Mulher…
Caso não ocorra dentro deste padrão estamos recebendo um castigo por fugir a regra.

Junior
Visitante
Junior

Também tenho o mesmo problema com o ganho de peso. Já estou pensando em tomar bomba já na moral, pq ninguém merece essa dificuldade absurda de ganhar peso. Pelo amor, antes da medicação não era assim!

Brumo
Visitante
Brumo

Queria eu estar com dificuldade para engordar!! Ganhei uns 6kg em 9 meses, e minha glicemia está no limite. Tenho até fevereiro pra reverter o quadro, caso contrário já vejo meu infecto me fuzilando com olhos (kkk). Oh céus!! Bom fds a todos.

Ricardo Gru
Visitante
Ricardo Gru

Kkkk Brumo, a sensaçao de uma pessoa te olhar dos pes a cabeça e falar “nossa como voce ta magro” ah cara é horrivel…mas to fazendo de tudo para ganhar pelo menos mais dois quilos

R2D2
Visitante
R2D2

“Tá querendo entrar numa garrafa?” – “Tá passando fome?” são as mais tradicionais comigo rs

Mutatis Mutandis
Visitante
Mutatis Mutandis

Magreza não significa saúde e nem gordura significa doença. Agora, sabemos que as taxas (ok, as bancárias também são…kkkk) é que são importantes.

Gente, quem puder fique sem movimentar tanto o metabolismo, penso que qualquer coisa que tenhamos de fazer em matéria de saúde fica um pouco mais complicada, principalmente se estamos “escondendo” nossa condição de soropositivo de nossa família e amigos.

Ser+H
Visitante
Ser+H

Não importa que vc seja gordo ou magro. Importante é estar bem de saúde mesmo sendo soropositivo. Tomar bomba para engordar tá fora de questo

Ser+H
Visitante
Ser+H

Não importa que vc seja gordo ou magro. Importante é estar bem de saúde mesmo sendo soropositivo. Tomar bomba para engordar tá fora de questão porque vc precisa priorizar o seu fígado para metabolizar a TARV diária.

Pedro
Visitante
Pedro

Olá, tenho uma duvida, seria ótimo se alguém pudesse me responder.

Estou planejando fazer intercambio para os EUA por 6 ou 12 meses, gostaria de saber se é possível que algum familiar meu, por exemplo, retirasse uma quantidade de medicação e me mandasse pelo correio, ou eu teria que comprar por lá mesmo?

Salvador
Visitante
Salvador

Pedro,
Eu fui informado que a medicação é liberada para o período que você passará fora. Se informe no seu CTA. Onde eu retiro a medicação eles pedem pra avisar com antecedência, uma carta e o print da passagem aérea confirmando as datas que você estará fora. De qq forma, cada CTA tem sua regra.
Um abraço e boa sorte.

Pedro
Visitante
Pedro

Bacana! vou me informar, muito obrigado pela resposta.

Luciano
Visitante
Luciano

Muito grato pelo post e pela indicação do vídeo… comentei em outro post como a sorologia me fez despertar para outras questões que só tem me feito crescer… no momento estou aprendendo como lidar com a possível situação de ter infectado meu parceiro, em um momento de tesão me deixei levar e fizemos sexo sem prevenção, a iniciativa foi da parte dele e eu não consegui dizer não no momento.. o que me trouxe grandes preocupações depois, imaginar que fui responsável.. ou tão irresponsável ao ponto de tê-lo contaminado por segundos de prazer tem atacado meu emocional. Ainda me pego… Ler mais »

positivosempre@outlook.com
Visitante
positivosempre@outlook.com

Luciano, sei como você está se sentindo, estou na situação do seu parceiro. Fui infectado pelo meu companheiro, sabidamente soropositivo. Ainda aprendendo a lidar com a situação.

Luciano
Visitante
Luciano

Positivosempre@… desculpa a invasão.. mas você foi passivo na relação? Seu parceiro só disse depois? Ele estava indetectável? Se sim, há quanto tempo? Como você está com ele após saber? Sei que se infectei meu parceiro e ele descobrir, com certeza ele me mata.. Um dia ele me mostrou esse vídeo.. https://www.youtube.com/watch?v=cWoNAiU_QRc nem preciso dizer que os fatos são mesmo reais e o quanto gelei ao ouvir..

positivosempre@outlook.com
Visitante
positivosempre@outlook.com

Fui ambos Luciano. Ele já conhecia a situação dele há 18 anos e me escondeu. Convivemos juntos há 5 anos, e fazendo admissional para um concurso fiquei sabendo que estava soropositivo. Como não havia mais saída, ele resolveu confessar, que quando transamos sem preservativo ele já sabia da sua condição e preferiu omitir por estar indetectável, enfim. Ainda estou tentando recuperar o meu chão, mas pelo que tenho vivido esses dias, não há muito do que fugir, só me resta enfrentar a situação, e decidir de deixo-ou ou se continuo convivendo com a pessoa me infectou.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Positivosempre é o primeiro caso do mundo a se contaminar com uma pessoa indetectável. De duas, uma: ou o cara não estava indetectável ou vc se contaminou com outro. Me desculpem os gays, não estou julgando ninguém, mas a grande maioria “acha” que pegou de fulano ou de beltrano, mas é difícil terem certeza, pois a vida sexual da maioria dos gays (não estou dizendo todos), é bem dinâmica, o que dificulta saberem de quem pegaram, pois transam promiscuamente com muitos numa mesma semana, mesmo quando estão comprometidos a traição é muito comum entre os gays. Não estou generalizando, estou… Ler mais »

Gil
Visitante
Gil

Preconceito puro! Não há medida para dizer qual grupo de orientação é mais promíscuo. A diferença é que no meio gay falam mais sobre suas relações, mas apenas em alguns grupos, pois há a variante cultural. Isso tanto na reedição do Kinsey como nas pesquisas citadas em Kaplan, só para embasar. Hoje, os gays usam preservativos numa porcentagem maior que os heterossexuais, isso é demonstrado em pesquisas do Min Saúde, por exemplo, divulgadas também no Congresso Brasileiro de DST/AIDS.
Se informe melhor, antes de propagar preconceito… cara doente!

Alexandre
Visitante
Alexandre

Gil, pensava que alguns pudessem se sentir ofendidos com o meu comentário, até pq é muito mais fácil atacar do que tentar entender uma realidade, mas vc eu tinha certeza que ia dar as caras. Sabia que vc ia aproveitar para tentar desfilar suas frases de efeito, e dessa vez vc foi até bastante objetivo. Não foi chato e prolixo quanto das outras vezes, com aqueles textos inesgotáveis. Kkkkkkk. Meu nobre, a população gay compõe a maioria dos soropositivos, ou não? Vc apareceu aqui recentemente então não sabe da minha história, se soubesse não falava merda. Procure se informar melhor… Ler mais »

sampapoa
Visitante
sampapoa

sou homossexual e longe de mim querer incitar discriminação. entretanto, realmente o alexandre tem razão. não quero estimular preconceitos aqui. apenas quero deixar claro um fato que A MAIORIA DOS HOMOSSEXUAIS NEGA HIPOCRITAMENTE: OS GAYS SÃO BEM AIS PROMÍSCUOS QUE OS HÉTEROS. o problema não está em fazer bastante sexo com muitas pessoas. o problema, entre os homossexuais, é tratar seus parceiros de sexo como produtos descartáveis (em uma rotatividade quase insana de busca por prazer custe o que custar). o internacionalmente conhecido sociologo zigmunt baumann trata bastante disso nos seus livros “amor líquido” e “modernidade líquida”. não existe estabilidade,… Ler mais »

Gil
Visitante
Gil

SAMPAPOA, Não é todo o mundo do meio gay que é promíscuo. A imensa maioria não frequenta clubes, baladas, saunas e, destes, quem frequenta, a maioria busca se proteger. O problema não é a promiscuidade, é o sexo sem camisinha. Cada um tem direito de transar com quem quiser. Mas o contingente de rapazes solteiros héteros que transam é muito grande e, dos casados que procuram prostitutas, é enorme. Agora pense que, na maioria das cidades brasileiras, nos 5570 municípios, poucos deles tem ambientes gays. E nas cidades onde tem, nem todos frequentam lugares onde o povo gay vai buscar… Ler mais »

Gil
Visitante
Gil

Não te interessa minha sexualidade, imbecil. Mas afirmo-lhe sem te interessar que sou heterossexual, 3 filhos, poucas parceiras, nenhuma além da esposa após casar, há 15 anos. Se fosse gay aproveitaria ao máximo com quem quisesse, como é direito de todo ser humano agir como desejar sobre seu corpo, mas faria com preservativo. Da mesma forma na faculdade, quando havia as festas liberais da turma de Psico, de Farmácia… preservativo e curtir a vida com responsabilidade. Quanto a seu cruzeiro imaginário, não há base, só achismo, para dizer que mais héteros dos que os gays transariam. Reitero: você é doente,… Ler mais »

sampapoa
Visitante
sampapoa

gil, preste especial atenção a partir do minuto 20:37 https://www.youtube.com/watch?v=Wvt_2qeiP2g

GompMais
Visitante
GompMais

Grande hipocrisia dizer que os gays são mais promíscuos que os héteros. A verdade é que homens são mais promíscuos que as mulheres. Sou homossexual, aprontava as vezes, mas meus amigos héteros aprontavam e aprontam muito mais. O fato de proporcionalmente, no Brasil, Eua, ocorrer menor índice de infecção entre héteros é graças às mulheres que são menos promíscuas e o sexo com penetração não envolver exclusivamente o anal, e ainda assim, muitas vezes são infectadas por confiarem em seus amados esposos e namorados. Na África por exemplo, onde há o maior contingente de infectados pelo hiv, estima-se por volta… Ler mais »

Gil
Visitante
Gil

Perfeito, Gomp Mais.
Ótimo comentário. Mas apesar de ter razão, tens de dar um desconto para quem escreveu aquela asneira (que nem eu consegui dar), pois com seres (não digo pessoas para certos tipos) com transtorno de personalidade, errado é todo aquele que discorda da sábia visão sociopática. Você foi preciso em sua observação, tens razão, mas o que se acha dono da página e da verdade vai dar um jeito de tentar ser superior (sem ser).

Luciano
Visitante
Luciano

Alexandre.. quer dizer que você concorda que eu sendo indetectável há tempos e sendo o passivo da relação, tenho poucas chances de ter infectado o meu parceiro na vez que fizemos sem preservativo?

Alexandre
Visitante

Bem pouco provável, Luciano. Me desculpe a sinceridade mas o mais provável é que vc tenha levado um chifre. Na boa.

Luciano
Visitante
Luciano

Mas a questão nem é chifre Alexandre.. é só a “noia” de ter infectado o coitado.. mas como foi uma vez e sou indetectável.. espero que não ter sido o responsável por essa transmissão, caso ele venha a ter… vivendo e aprendendo a usar o botão do controle! Paz para todos!

Alexandre
Visitante
Alexandre

Fica tranquilo, cara. Vai rolar tudo bem. Vc não contaminou ele.

Rick
Visitante
Rick

Com certeza a probabilidade é bem baixa… ! Pergunte a algum médico especialista e tire suas dúvidas…

positivosempre@outlook.com
Visitante
positivosempre@outlook.com

Alexandre, talvez não tenha me expressado da maneira correta. Lendo novamente meu comentário, vi que esqueci das aspas no “indectável”. Como não nos conhecemos, não vai adiantar muito te dizer que eu sei perfeitamente que pessoas na condição INDETECTÁVEL tem probabilidade quase nula de transmissibilidade do vírus. Apesar da carga de preconceito do seu comentário, ele é extremamente pertinente. Abraço.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Sampapoa, parabéns pelo seu comentário. Concordo com tudo e, mesmo não sendo gay, me incluo no perfil. Antigamente o sexo para mim era totalmente separado do afeto. Ou eu amava ou eu tinha tesão, até que descobri a minha atual esposa e consegui as 2 coisas nela. Não sou hipócrita pra falar que toda vida fui santo, que tive poucas parceiras e que sempre fiz sexo com preservativo, e me contaminei de forma acidental, não. Pelo contrário, como disse, até 2008 fui sujo. Era compulsivo. Te digo que até demorei a me contaminar, pelo estilo de vida que tinha. Era… Ler mais »

Gil
Visitante
Gil

Não, relaxe, imbecil, vc não incomoda. É muita pretensão sua achar que me mexe comigo. Mas te entendo, sim. Eis um traço: megalomania (mexe comigo até desequilibrar,kkkk), fantasia de poder e acha que tá sempre certo. Outro: se justifica racionalizando. Outro: tenta colher informações de quem tenta tripudiar. São sintomas claros… Isso não me incomoda, me instiga. De sentimentos, apenas causa repulsa. Afinal, aqui sou pessoa, não profissional… mas o olho clínico não desliga. Sei, aqui sou pessoa, mas o olho clínico não desliga quando vê patologia. E essa, não é tratável, pois tem a ver com perversidade. E dos… Ler mais »

Alexandre
Visitante
Alexandre

Imagina se te incomodasse? Quer dizer que não provoco desequilíbrio em vc? Quer dizer que esse é o seu estado normal? E eu que tenho tanta raiva? Kkkkkkkkk! Outra, infelizmente não sou impotente. Se fosse não teria pego HIV. Kkkkkkkkkk! E vc não me respondeu, hein? Se furtou. Vou te fazer outra pergunta: vc aprendeu a palavra “sociopata” essa semana?

ARLAN
Visitante
ARLAN

Luciano como vc sabe exatamente quem te contaminou?a pessoa te falou q tinha te contaminado de proposito?

Luciano
Visitante
Luciano

Arlan.. Conheci um rapaz pela internet, ainda havia MSN, fomos e começamos a conversa, sempre muito atencioso, divertido.. marcamos… fomos a uma pizzaria e ele sugeriu levarmos pra lancharmos no motel, fomos andando, passamos por várias farmácias e tudo ok, no motel quando partimos para os “finalmentes” ele disse que a camisinha que estava o apertava muito, sugeri ir a uma farmácia, mas ele disse que não me preocupasse.. meu coração bateu na hora, perguntei: você está sugerindo fazermos sem prevenção? Ele disse que sim.. aquele papo de pode confiar.. como estávamos nos falando há tempos, bobamente estava apaixonado pelos… Ler mais »

Pedro
Visitante
Pedro

Luciano, mas por que você não contou logo ao seu parceiro, para que ele fosse ao posto de saúde usar o PEP? A pessoa tem até 72h, após a situação de risco, de se “salvar dessa”. Bom, eu entendo muito bem este lance de confiar, estando apaixonado. Sempre fui encucado com este lance de DSTs, nem tinha vida sexual muito intensa, pq sempre fui muito medroso em relação a isto. Antes de transarmos sem camisinha, prometemos cada um fazer exames e provarmos que estávamos limpos. Eu cumpri, levei os exames, mas ele não. Disse que estava limpo, que era doador… Ler mais »

Luciano
Visitante
Luciano

Pedro.. moro em um interior.. aqui nunca ouvi falar desse PEP, além de ter um grande preconceito e todos praticamente se conhecerem, por ser uma cidadela.. outra coisa.. ele é do tipo que mataria se confessasse isso.. por isso mesmo ainda não digeri o acontecimento, você viu o vídeo que postei em um comentário anterior? ( https://www.youtube.com/watch?v=cWoNAiU_QRc ) ele concordou com o cara ter matado a mulher que o infectou… aconteceu em outubro, a janela é janeiro, tenho infecto em dezembro, até lá quero ver uma forma de fazermos exame para tirar o bicho da cabeça.. ou não.. se der… Ler mais »

guidosoldera
Visitante
guidosoldera

Nos Estados Unidos, eles ao menos têm um instrumento dentro da própria linguagem, algo que penso que nós não temos aqui no Brasil (ao menos não em apenas em uma palavra). Lá é possível fazer uma rápida distinção entre safer e safe. Aqui no Brasil temos de apelar pra uma frase para que a mesma ideia seja proposta. Existe um erro muito cometido quando se chega na seara da sexualidade que é a ideia de que o sexo é safe (seguro) e não safer (mais seguro). Acho que este texto também está falando sobre isso, pois lá existem estes instrumentos… Ler mais »

D_Pr
Visitante
D_Pr

Onde está essa cura?

Luquinha, será que mais esse Satanás deu pra trás? Quais as boas novas?

Alessandro
Visitante
Alessandro

Fica pressionando assim o luquinha jaja ele muda o nome para poder postar aqui no blog kkkkk.

Alegre+
Visitante
Alegre+

Verdade Alessandro, tô achando que ele nem vai aparecer mais.
Pelo menos não como Luquinha kkkkkk

Yogui_SP
Membro
Yogui_SP

Nem me falem, tá difícil para mim a questão do sexo. Desde quando fui diagnosticado, fiz sexo apenas 1 vez. São alguns traumas que a gente vai superando aos poucos. As vezes fico muito bem, as vezes me sinto completamente frustado. A terapia tem ajudado bastante nesse sentido. Preciso melhorar.

AmigoGyn+
Visitante
AmigoGyn+

Amigos, gostaria de um conselho de vocês, acabei de pegar meu primeiro exame de CV e CD4, e o meu resultado foi o seguinte: CD4: 571 células — 29,62% CD8: 741 células — 38,46% CD4/CD8: ————- 0,77 CARGA VIRAL — Cópias/Ml: 1.924 Resultado atual — LOG: 3,284 Enfim, acredito que meu exames estão bons, acho que minha carga viral está muito baixa, ” se é que eu entendi isso “. Tenho consulta amanha, pra supostamente começaria ainda meu tratamento, gostaria da opinião de vocês, se caso a médica me pergunta se já eu quero começar o tratamento se digo sim,… Ler mais »

Ser+H
Visitante
Ser+H

Eu começaria a tomar a TARV logo.

Gil
Visitante
Gil

OLÁ, AMIGOGYN, Quanto mais cedo você começar sua terapia antiretroviral você evita que suas células de imunidade sejam destroçadas pelo HIV. A toxidade do medicamento existe, mas não é tão severa e nem se compara aos estragos que o HIV fará na sua saúde se ele andar por aí, livre,leve e solto. Logo, logo você estará indetectável e pronto, com exercícios, muita água, muito equilíbrio a sua vida estará normal até que novas medicações menos agressivas estejam disponíveis. Dos males, o menor, não é? Tome agora que sua saúde está em dia. Mas acho que seu número de CD4 poderia… Ler mais »

AmigoGyn +
Visitante
AmigoGyn +

Obrigado, pelo insentivo, farei isso !!

gustavo
Visitante
gustavo

eu levo minha vida tão normal sem “problemas” tipo, quase nao lembro desse HIV trabalho, vou academia, como as coisas ( embora durante a semana nao costumo comer porcaria) engordo atoa mas cuido do corpo e sempre cuidei, namoro ( ele tbm é soropositivo) fazemos planos, vivemos, fazemos sexo( com camisinha só o oral que as vezes rola sem camisinha) as vezes tomamos umas cervejas pq nao somos de ferro, as vezes curtimos uma baladas mas adoramos ficar em casa com nossas filhas ( nossas dogs) e assim levamos a vida… Sei la, as vezes fico tempo sem entrar aqui… Ler mais »

Lizel
Visitante
Lizel

Gustavo……. Eu descobri a pouco tempo minha sorologia e estou tentando ficar assim igual a você !!!! Parabéns !!!!!!
Me dá tanta esperança ler essas coisas de pessoas tão positivas !

Matheus
Visitante
Matheus

Gustavo vc é um exemplo de como devemos conviver com o HIV…ele é só um vírus supremido no nosso corpo

DoBemDF
Visitante
DoBemDF

Fazia tempo que não escrevia algo aqui, mas depois de ver esse comentário do Gustavo me identifiquei. Com o tempo o HIV passou a fazer parte da minha rotina. Apenas isso. Há muito tempo tomo remédio pela manha cedo em razão de um hipotireoidismo, e terei que tomá-lo ate o fim da vida. E ninguém dizia que eu tinha uma vida quase normal em razão disso. Então eu só inclui mais uma pilula na minha vida. Agora é uma de manhã e outra a noite. De resto, tudo igual. Trabalho, academia, boa alimentacao, estudo, saída com os amigos, bjo na… Ler mais »

Daniel
Visitante
Daniel

eu gostaria de pensar assim, mas os efeitos colaterais dos remedios me apavoram.

Victor
Visitante
Victor

Daniel, se vc presta a atenção até uma simples aspirina tem efeitos colaterais prescrito na bula e todo medicamento tbm… Mas, isso não que dizer que os efeitos são uma regra, pode acontecer ou não… Os efeitos são relatados pq alguém em algum lugar os sentiram e isso serve para todas medicações! Por exemplo, a lipodistrofia era um efeito colateral dos esquemas das TARVs antigas que passavam de 15, 20 comprimidos diários, mas nem todos dessenvolveram lipodistrofia… Hoje os efeitos das TARVs modernas nem fala mais em lipodistrofia, e a maioria dos efeitos são inciais e passageiros quando acontece com… Ler mais »

Gaúcha
Visitante
Gaúcha

Gente… O q vcs acham de uma cv de 100.000 com um cd4 de 600? Parece infecção recente, não? alguem pode indicar um infectologista em Porto Alegre? 🙁

lucianA
Visitante

ola gaucha,na santa casa tem a dra cinara carvalho infectologista,uma medica incrivel ,ela cordena a pesquisa no rs sobre hiv.me tratei com ela no inicio de tudo a 2 anos pois descobri na gravidez.boa sorte gaucha.

Victor
Visitante
Victor

Galera, estamos mais perto do que, cura funcional, tratamentos injetáveis de longa duração ou a cura esterilizante?

sad
Visitante
sad

Oi pessoal. Estou muito mal, mais do que jamais estive na vida. Estou a ponto de fazer uma besteira. Vou perder minha profissão conquistada a duras penas por causa desse vírus maldito. Vou trazer tristeza pra minha família, que já sofreu tanto. Estou em extremo desespero. Alguém conhece um grupo de auxílio psicológico? Estou tentando pensar racionalmente, mas tá difícil. Muito difícil. Por favor, preciso de ajuda.

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

Sad, eu também perdi minha carreira. Tentei não trazer mais problemas para a minha família, me desesperei, tentei fazer uma besteira… Mas, pense bem: quantos NÃO TIVERAM a sorte de tomar os medicamentos??? Quantos pereceram por causa desse vírus maldito, que na época não tinha nem controle??? Por favor… pense bem: NÓS, por mais que estejamos desesperados, por mais que estejamos nos sentindo mal, tanto no plano físico quanto no plano psicológico, ESTAMOS VIVOS… A cura já virá, pode ter certeza… Faça uma prece, uma oração a Deus, que isso vai acalmar o seu coração… Eu não sou psicólogo, não… Ler mais »

Gaúcha
Visitante
Gaúcha

Pq perder o emprego?? 😑

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

No meu caso, Gaúcha, porque eu era socorrista. E não me aceitaram sendo soropositivo.

Gaúcha
Visitante
Gaúcha

Entendi… Sinto muito, viu? Mas com certeza vai superar isso e se tu te tornar um grande músico, nos convida para o show… 🙂 de repente na festa da cura! Hehe e se precisar conversar ou trocar ideias ; itmk1208@gmail.com beijos!

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

Gaúcha, eu não pretendo me tornar um grande músico, mas… quem sabe???
Isso foi só uma fuga, uma coisa que eu iniciei para não pensar no HIV e me focar em SER FELIZ.
Afinal, estou com quase 50 anos… E preciso ser feliz, entende?
Se a cura vier antes de eu completar 51 anos, posso ter minha carreira de volta. Mas nem sei se realmente quero ser socorrista de novo… É tanta tragédia, tanta coisa ruim… Um socorrista só é chamado para calamidades, e eu quero ser chamado para FESTAS, rsrsrsrs…
Vou te escrever, sim, é bom trocarmos idéias!
Grande abraço
Paulo Roberto

FSL
Visitante
FSL

Galera, bom dia! me add no tal do KIK acabei de fazer… fsj1028 gostaria muito de fazer amizades e trocar experiencias.

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

Bom, eu devo dizer que também perdi totalmente a vontade de fazer sexo, desde que fiquei sabendo da minha soropositividade.
Mas descobri que existem outras coisas além do sexo, para suprir falta deste. No meu caso, dediquei-me aos estudos de idiomas, de música e vivo feliz assim.
Me preocupam duas coisas: me aparecem manchas avermelhadas no pênis, que desaparecem quando tomo FLUCONAZOL, mas se eu paro de tomar, elas voltam.
Alguém já passou por isso?

Thiago Gusmao
Visitante
Thiago Gusmao

Alguem pode me incluir no grupo do KIK?
Meu username é thithigusmao
Obrigado

Rodrigo Silva
Visitante

O relato deste luciano, dá nojo de se ler, nunca vi tanto sinismo, vitimação e coitadismo fajuto em um só comentário. Peso na consciência? kkkkkkkkkkkkk Ou peso com medo das consequências? Mas, voltado a questão da promiscuidade e deixando de lado a natureza hetero ou gay, homens tendem a ser promiscuos,por uma questão de virilidade, cultural e banalização do sexo, portanto indivíduos gays masculinos, são promiscuos e ponto. Anus não foi “feito” pra sexo, portanto as chances de contaminar por meio desta via, sendo hetero ou gay, serão maiores. A disseminação do vírus entre os grupos não ocorre de forma… Ler mais »

Anonimo
Visitante
Anonimo

Descobri a um ano que sou soro positivo, faço tratamento e tudo certinho. Meu marido também, porém nosso sexo nunca mais foi o mesmo , nao por minha parte, ele esta cada vez pior, passa semanas sem me procurar. Alguem ja passou ou passa por isso ?!