Artigos
Comentários 147

Carta de um leitor: o medo de não ser aceito e o alívio de ser acolhido

“É engraçado como, quando algumas coisas acontecem, eu penso na figura do autor desse blog, o Jovem Soropositivo. Quase sempre isso ocorre num evento bastante corriqueiro, na fila do Hospital Emílio Ribas, buscando meus remédios. Como sempre, fazia isso tentando não olhar para os rostos das pessoas que estavam ali, fazendo a mesma coisa que eu — pela primeira vez, entretanto, eu entendi o porquê. O Jovem, essa figura sem rosto, virou, de repente, um universal concreto: ele era a moça triste que estava na fila, a criança impaciente do lado da mãe, o adulto, despreocupado, trocando mensagens no celular.

Toda vez que se passam certas coisas comigo, vem a figura do Jovem, que também sou eu e, ao mesmo tempo, tantos outros.

Toda vez que se passam certas coisas comigo, vem a figura do Jovem, esse quase-demiurgo, meio porta-voz, que também sou eu e, ao mesmo tempo, tantos outros. Razão que pode explicar o incômodo que senti quando li a história na qual ele se sentiu forçado a catar, no lixo, uma camisinha, como prova de um sexo protegido. Talvez, naquela hora, tenha saído de um fundo, uma linha muito nítida que ligou aquela experiência que ele experimentou, dentro dos possíveis da vida de um soropositivo, se irradiando, um pouco, em cada um que leu aquela história. Era eu também agachado diante de um imperativo irrecusável. Um afeto de reconhecimento, que, ao produzir seu revés, nos coloca à distância e em uma proximidade vertiginosa diante dos que nos nomeiam como outros e que, sem saberem disso, somos eles também — se é que isso faz algum sentido.

City_at_night

A cidade de São Paulo, já muito querida por mim, se tornou ainda mais convidativa depois de ler as histórias do Jovem, quase sempre me reconhecendo nelas. Há alguns meses, resolvi me mudar para cá — uma mudança com data de validade, no entanto. Aqui experimentei algumas coisas curiosas. Entre elas, um taxista que interrompe o percurso do carro para contar sobre sua disfunção erétil e da complicada relação com a amante. Também, o porteiro de um prédio qualquer, ébrio, procurando por cigarro nas ruas da cidade e que compartilha sua história por onde passa, incluindo as ruas da Avenida Paulista, onde eu me encontrava com alguns companheiros. E aí, no meio disso tudo, apareceu Rafa, que se ofereceu para me encontrar num bar perto de onde estou hospedado.

‘A vida é assim: a gente olha para trás só para se guiar, mas se não olhar para frente a gente corre o risco de voltar para trás, pelo mesmo caminho.’

Chego um pouco nervoso e sem saber como identificar seu rosto no meio das pessoas. Mas, assim que o vi, reconheci. Nos cumprimentamos, conversamos banalidades, bebendo uma cerveja da qual eu nunca havia ouvido o nome — tinha um sabor forte, um gosto agradável. Um desconhecido, já bêbado, estaciona o carro perto de nós e inicia uma conversa amigável sobre como havia perdido seu dente da frente, descrevendo como a vida era bonita. ‘Está vendo aquele retrovisor ali? A vida é assim: a gente olha para trás só para se guiar, mas se não olhar para frente a gente corre o risco de voltar para trás, pelo mesmo caminho que nos fez chegar até aqui.’ Banal que fosse, reconhecemos na fala do senhor embriagado uma sabedoria pouco comum. E o provocamos, dizendo que ele era um filósofo disfarçado. Ele então nos abraçou, e deu um beijo na testa de cada um. Desejou sorte, pagou sua cerveja e seguiu seu caminho, nos deixando a imaginar uma narrativa sobre o que teria acontecido consigo, nos deixando a rir da estranha possibilidade de que um estranho tenha nos abordado e que tenha dito as coisas que disse. Ainda assim, e apesar das nossas resistências, a verdade é que seu posicionamento ecoou tão certeiro em nossas cabeças.

Distanciados dos primeiros desconfortos de quem se vê pela primeira vez, Rafa e eu nos aproximamos, enquanto conversávamos, quase como se estivéssemos ensaiando um ato de cortejo, um em relação ao outro. ‘Compartilha aí algo inusitado sobre você!’, me fitou ele, enquanto fazia o pedido. Eu, nervoso com o teor da proposta, apenas afirmei, depois de pensar muito, que gostava de ler despido, totalmente sem roupas. A pergunta retroagiu sobre Rafa e, como se tivesse antecipado a volta da questão, pôs-se a narrar histórias das suas visitas a desertos, a compra de sua jaqueta favorita e o curso de inglês que deixou de fazer — todas, histórias narradas com a perfeição de um livro bem escrito.

Inside-the-book

Acho que foi naquela hora, já tarde demais, que eu fui capturado. Era madrugada quando trocamos os copos de vidro por aqueles de plástico, a pedido de uma miúda e insistente figura, a dona do restaurante. Nas ruas da cidade, a noite havia esfriado e, na desculpa de procura por calor, nossos corpos se aproximaram. Nos beijamos. As horas da madrugada passaram sem deixar que houvesse uma decisão consciente por partir. Fomos um em direção ao outro — e, também, à procura de outro lugar para continuarmos juntos. O jornal da madrugada passava na televisão, dentro do bar. Fumaças de cigarro contornavam o ambiente, onde nos sentamos. Ele me apresentou uma bebida com um nome engraçado, e um gosto terrível. Mais uma cerveja, melhor, junto com a narrativa de sua experiência acadêmica e sobre seu desencantamento das atividades que teve dentro do movimento estudantil.

Percebi que tudo o que experimentara até ali parecia, de alguma forma incômoda, anunciar um fim.

A manhã já se anunciava com o canto dos pássaros. O frio e a cicatriz do seu maxilar afiguraram na paisagem. Pagamos a conta, e nos despedimos. Em minha caminhada até a casa em que estou hospedado, percebi em mim que tudo o que experimentara até ali parecia, de alguma forma incômoda, anunciar um fim. Esse pensamento perdurou por dias, me corroendo por dentro. Até que, na semana seguinte, Rafa me convidou para ir à sua casa. Concordei, com o coração palpitando, de felicidade e de desespero. Com as mãos frias, puxei o celular, e contei que era soropositivo para o HIV. Na tela do aplicativo de mensagens, a mudança das cores nas pequenas setas, para o azul, indicava que Rafa já havia lido a minha mensagem. “Rafa está escrevendo…”, indicou o celular logo em seguida, prendendo meus olhos na tela do pequeno aparelho. Foi quando, finalmente, veio sua resposta.

‘Não tenho problema algum com isso. Por mim, nosso encontro está de pé, sim.’

Sua mensagem me atingiu quase com decepção, afinal, me privou de ter me encontrado com meus monstros, aqueles que com tanto zelo eu havia alimentado. Fiquei confuso por alguns minutos. E agora?!, pensei. Cheguei em sua casa e algo estava entre nós: nossos corpos não sabiam muito bem como se aproximar novamente. Em antecipação, sugeri um vinho, fora dali. Bebemos, e falamos sobre seu trabalho. Comemos um delicioso sanduíche de salmão. Ele me apontou as casas noturnas da cidade, indicando para o exagero das vestes de algumas pessoas da noite paulistana. Então, se aproximou de mim, e encostou seu queixo no meu ombro. Voltamos para sua casa.

O medo de não ser aceito e o alívio de ser acolhido não se dão exatamente de forma óbvia.

Rafa acendeu um cigarro e, de costas para mim, encostou seu corpo na sacada do apartamento, com o rosto de frente para a janela. Me aproximei, e o abracei. Nos sentamos no sofá para ver um filme. Aos poucos, fomos ficando mais juntos. Quando nos demos conta, não havia mais roupas, nem fumaça, nem a luz da televisão. A madrugada já se encerrava e a manhã mais uma vez se anunciava pelo canto dos pássaros. Um convite para dormir lá, para o qual balancei a cabeça, de forma confusa, e recusei. Era como se fosse impossível aceitar. Por alguma razão, julguei que havia entre nós um abismo. O medo de não ser aceito e o alívio de ser acolhido não se dão exatamente de forma óbvia. Aliás, às vezes, será que não sentimos mais medo de ser aceitos e alívio quando não somos acolhidos?

abraco

Eu nunca mais encontrei Rafa, e o tempo de voltar para minha cidade agora já se anuncia, junto com o final de ano. Afora a possibilidade de sentir alívio em não ter de encontrá-lo, não faço ideia de por quê não pego o telefone e ligo para ele. Também não faço ideia da razão de endereçar esse texto ao Jovem, mas foi a figura que me veio à cabeça para contar essa história. Talvez, por conta de seu último conto, aquele em que a graciosa M. também aceitou de pronto se relacionar com ele — assim como Rafa, comigo. Agora, me pego a pensar no resto da história: será que M. continua a se encontrar com o Jovem Soropositivo?

Com carinho,

V.”

Anúncios

147 comentários

  1. J.F. diz

    Ler o texto me trouxe lágrimas aos olhos. Me identifiquei com a história narrada. Acompanho o blog desde que fui diagnosticado no começo do ano, dando especial atenção às postagens relacionadas às questões afetivas e de relacionamentos. Parabéns ao texto muito bem escrito, V., assim como os do J.S.. Obrigado por compartilhar conosco!

  2. Gustavo diz

    De fato criamos um monstro em nós. Hoje estou deprimido, pois ontem tive uma noite encantadora, fui convidado para ir ao cinema assistir Peter Pan, aceitei o convite, pelo menos por algumas horas esqueci que sou soropositivo, dentro do cinema eu pensava, sou normal, consigo ser feliz! Mas estou triste, não consigo levar a diante por esse monstro. E esconder o detalhe que tenho esse vírus não é legal, não gostaria que alguém escondesse isso de mim também. Contar sua condição sorológica não é fácil, pois quando queremos que algo fique em segredo, apenas nós devemos saber. E é difícil contar pra alguém, não quero que as pessoas sintam pena de mim. O que aconteceu comigo é um detalhe da vida!

    • Will diz

      Gustavo, acho que esse monstro é nosso, e nós o alimentamos… Abrir a condição não é fácil mesmo, mas tb não é algo necessário. Afinal, como vc mesmo disse, é um detalhe da tua vida….entre tantos outros…. Vá ao cinema, aceite os convites, rs… Se achar necessário, fale para a pessoa sobre sua condição..se não..pra que falar? Sei que é complicado..mas a vida é assim….
      abraço..

      • Gustavo diz

        Will, estou bem agora! Ainda não faz necessário contar, devo apenas aceitar o convite rs e viver um momento de cada vez, agora vamos assistir vai que cola! Ainda se quer rolou um beijo rs! Confesso em ter medo da paixão me fisgar! Mas precisamos viver, ser felizes!!! Abraço!

      • Fê... diz

        Concordo com vc Will….acho que devemos viver a vida normalmente e se realmente for necessário, que falemos sobre nossa condição porém, se não se fizer necesário…pra que falar?!

    • Paulo Roberto diz

      Gustavo, eu também me sinto assim, às vezes… Realmente, não é fácil. Hoje eu sigo sozinho, não quero a companhia de ninguém. E tento desesperadamente, ser feliz assim.
      Já não saio mais como antes. As coisas perderam a graça para mim.
      E procurar outra pessoa, para quê???
      Eu prefiro ficar sozinho. Mas nem por isso sinto-me infeliz. Alterno momentos de depressão com momentos de pura alegria. E assim vou vivendo, meio bipolar.
      Mas acredite: a cura está vindo. Em breve vamos nos livrar desse monstro. Tente ser feliz. Ocupe o seu tempo com boas leituras, ou quem sabe, com o aprendizado de um idioma, um instrumento musical, algo assim…
      A MENTE VAZIA É A OFICINA DO DIABO.
      Não permita que sua mente fique vazia. Preencha-a com coisas boas, e logo verá o resultado!

      • Gustavo diz

        Paulo Roberto, entendo sua opinião em viver sozinho. Mesmo antes de ser soropositivo já estava pensando deste modo. Entretanto, estava me conhecendo melhor, mesmo que eu tenha 23 anos de idade, agora que estou conseguindo me olhar no espelho e saber quem eu sou graças as terapias com uma excelente profissional! Estava em um processo de me fazer feliz sozinho, sem achar que era outra pessoa que entregaria minha felicidade. Hoje, descoberto minha sorologia, estou fazendo isso mais do que nunca! Há coisas que acontecem em nossas vidas para algum propósito! Não culpo ninguem por estar com o vírus! Inumeras pessoas não dão valor na vida, diariamente destroem suas vidas com drogas, bebidas, cigarros, considero essas coisas muito mais destruidoras que as drogas que tomamos, alias eu ainda nao tomo! mas tomarei em breve. Nossa vida continua a mesma, o vírus não machuca, ele não me julga, não fala pra ninguem sobre o que eu tenho. EU que entrego o poder para o VIRUS me fazer mal, triste, tirar o sentido da vida, a única coisa que ele pode fazer é destruir nossa imunidade, tal imunidade que está diretamente ligada ao nosso estado de espírito! Portanto, por mais que seja FODA, sorria!

        • Paulo Roberto diz

          KKKKKK!!! Você é muito jovem… 23 anos???
          É… Nós ainda vamos encontrar a cura desse mal… e está vindo por aí, há promessas para O ANO QUE VEM…
          Talvez eu tenha me conformado em viver sozinho exatamente por ser mais velho que você.
          Tenho quase 50 anos! Bem sei que tenho uma vida estável financeiramente falando, mas emocionalmente… deixa prá lá. Me conformei com isso.
          Para você, ainda há TEMPO.
          Seja você mesmo, e seja FELIZ.

      • Confiante diz

        Compartilho do mesmo ponto de vista seu.Temos que admitir que nossa felicidade nao depende de uma outra pessoa, ou mesmo de uma gozada… busco ajuda de um profissional psiquiatra para me tornar assexuado,pois existem outros prazeres, como ler um bom livro, sair com amigos, ir ao cinema, etc.. a desgraça de cada um que pegou esse maldito virus foi por causa de sexo.

        • Gustavo diz

          Confiante, o ano de 2015 inteiro penso na possibilidade de me tornar assexuado. Sexo e alguém está longe de ser o pilar da felicidade. Descobri outros prazeres, como ajudar as pessoas, estou indo em um abrigo de criança ajuda-las, é hiper gratificante e nos faz bem. Eu não julgo o sexo, muito menos a pessoa. Nos amamos, a pessoa nao sabia que tinha o vírus, o amor que tinhamos um ao outro, iriamos contar. Acredito que ainda a pessoa não saiba, mas estou cuidando de mim primeiro, dando um passo de cada vez, até chegar o passo de compartilhar essa história com a pessoa que foi um grande amor da minha vida.

          • Nick Caffiole diz

            Gustavo você é um fofo menino!
            Li alguns relatos eus aqui no JS e é muito legal saber que você apesar dos percalços da vida quer dar a volta por cima e se manter firme e de pé.
            Ser HIV+ passa longe de ser sentença de morte e sim o torna sentenciado a cuidar mais de sua saúde em todos os sentidos e isso é muito dificil pra alguém (como muitos) que se considera “normal e saudável” mas nunca vai ao médico, nunca cuida da alimentação, nunca pratica atividades físicas e nunca faz exames periódicos.
            Sou muito grato a Deus por ter descoberto meu diagnostico no início e poder tratar e viver muito muito bem. Agradeço demais ao site JS que me faz muito bem ao ler e aprender com muitas experiências que são compartilhadas aqui.
            tenho um email para me comunicar com o pessoal aqui do site.
            Sinta-se a vontade pra me escrever quando quiser viu… Quero e preciso de amigos iguais a mim e que entendam bem o que passamos.
            email : nick.caffiole@gmail.com

        • Alessandro diz

          Confiante
          Vc falou tudo e mais um pouco, tudo por causa de uma gozada é pra caba mesmo !!!

        • Paulo Roberto diz

          Amigo Confiante, não faça isso… Se tornar assexuado é uma questão de opção. Não necessita de médicos, psiquiatras ou algo assim.
          É como deixar de fumar.
          Vem a vontade, pense em outra coisa.
          Só peço a você que não tome remédios para isso. A cura virá, e vamos poder nos relacionar com outras pessoas sem medo. No meu caso, o medo é que me tornou assexuado. Quem sabe, quando a cura vier, volte também o tesão? E eu não vou me segurar, não!!!
          Ter um relacionamento é bom. Só não podemos fazer disso uma condição para sermos felizes.

      • Ricardo diz

        Olá Paulo, me identifiquei demais com seu depoimento.exatamente como me sinto. Gostaria de trocar mais experiências, tem algum email disponível?? Abraço.

    • Carvalho+ diz

      No início de outubro completei 1 ano de uso da TARV; logo com alguns meses de uso cheguei ao indetectável e meu CD4 aumentou significativamente (mais de 750). Estou super bem e ainda prático atividades físicas. Sempre continuei tendo relações sexuais. E agora estou namorando há dois meses. Fico pensando em contar, mas fico em dúvida sobre essa decisão. Engraçado que sempre vem aquela vontade de falar. Abraços.

  3. Luquinha diz

    Vocês bebem mais do que eu , deram sorte de não ser parado pela lei seca , estão de parabéns pagaram a conta direitinho, da proxima vez me convida adorooooo salmão com manga , so não entendi uma coisa . E casal gay ou hetero ?

    • D_Pr diz

      Quer saber de tudo nos mínimos detalhes, oras, é um casal! Como vai Luquinha? Boas novas chegando (profeta gentileza), já deixou a barba crescer?

  4. Hans diz

    Existe algum grupo no whats ou coisa assim?
    Podia rolar um grupo no whats!

    • antonio neto diz

      Tem do aplicativo kik, onde as pessoas não precisam compartilhar o número telefônico!

      • Tony DF diz

        É bem bacana esse aplicativo KIK, não aparece o numero do telefone, é igual whatssapp. Sou de Brasília. Estou trocando ideia com um rapaz que conheci por aqui, é bem legal compartilhar experiências. Quem estiver afim adiciona ae: Tony2015df

  5. Cauā+ diz

    Linda História, o final feliz é vc quem escreve meu amigo ,”V”

  6. Luquinha diz

    Eu não sou preconceituoso não, so perguntei de cururiosidade , eu estou bem e feliz . Gente não devamos falar o que façamos , mais ainda da tempo de fazer uma criança feliz. Perto de você existe uma criança carente , ajude por favor e um pedido meu por favor.

    • É só um casal, no caso de rapazes Luquinha.

      Amigooooo por favor previsões. Sentindo falta aqui 😉

      Grande abraço nosso querido!

  7. Luquinha diz

    Foi distraçao a minha , pois na foto acima mostra eles se abraçando um é negao e o outro tem a cor do arco iris ( por sinal linda foto) .Binhomais obrigado por sentir minha falta ,gentileza sua , a minha vida e um corre corre. Falando em previsões as coisas estão muito boa está melhor que a corrida da hepatite c , tipo duas drogas Interfon e Ribavirina custa 30 mil dólares e com o dólar a este valor !Mais vem coisa boa ai sim e tomara que o Brasil esteja envolvido rs so a assim não ficara tão caro , na. Quarta vou viajar a trabalho em 7 dias volto com a confirmaçao. Que vai acontecer agente ja sabe mais tipo vai dar tudo certo sim , cerol neles rs

  8. Curioso diz

    Há cerca de 6 meses chegava ao ápice um conflito que me consumia há semanas, meses e quase anos, estava cansado de amores sem rosto, de uma noite para “experimentar” aquilo que eu ainda duvidava ou temia a acreditar se eu realmente gostava ou não, de esconder esse monstro que se confundia com minha imagem no espelho.

    Foi quando como derradeiro experimento, antes de tomar qualquer decisão, experimentei ir além, semanas depois através de um exame veio o resultado que nem nos meus piores pesadelos imaginava acontecer.

    Agora, o conflito inicial ainda persiste, pois o baque dos acontecimentos recentes ainda não me permitiram refletir e tentar organizar tudo isso.

    Entretanto, vejo que o “monstro” que eu tanto lutava no começo, era um bebê perto desse segundo que surgiu. Espero um dia me livrar disso tudo, enquanto isso vou seguindo, sem me sentir totalmente sozinho, pois vejo que além dos monstros que me acompanham, outras pessoas tbm têm seus monstros e lidam com eles.

    • Paulo Roberto diz

      Amigo, sua história é igual à centenas ou talvez milhares de histórias que lemos ou conhecemos aqui e em outros lugares.
      O que importa, agora, é que você se mantenha SAUDÁVEL, pois a cura está vindo aí, a passos largos.
      Sei que é difícil, mas, acredite: você é forte o suficiente para superar isso.
      E se não for, eu farei o possível para te ajudar.
      Tente se manter SAUDÁVEL. Isso é o que importa, no momento.
      Lembre-se de que você é o único responsável pela sua saúde, a partir de agora.
      E eu quero, mesmo sem conhecer você, que você se mantenha saudável, vivíssimo e feliz.
      Existem pessoas amigas e sinceras que farão o possível para te ver sorrir, acredite nisso!
      E eu sou uma dessas pessoas.
      Fé, força, coragem, PERSISTÊNCIA…
      É isso o que a vida quer de você.

  9. Paulo Roberto diz

    Pessoal, eu entendo o que muitas pessoas postam aqui, pois também vivo assim.
    É difícil para nós ter que ocultar nossa sorologia. É difícil conviver com isso, e vou dizer, mesmo, encontrar alguém que entenda e aceite uma relação com um soropositivo é raro.
    Por mais amor que se tenha, há sempre o MEDO – e o medo é maior do que o amor, na maioria das vezes, infelizmente.
    Acredito que, se for entre dois homens ou duas mulheres, então, a coisa complica mais ainda.
    Mas não podemos deixar que isso nos afete de maneira a nos tornarmos infelizes.
    Eu custei a entender que eu mesmo me bloqueio, pois sou eu quem não permite ser amado. Sou EU que tenho medo, apesar de ser soropositivo. Tenho medo de passar isso para alguém.
    Tá, eu poderia encontrar alguém que também fosse soropositivo. Mas nem sequer procuro.
    Vou levando minha vida assim, já me acostumei com isso de estar sozinho.
    Claro que não sou de ferro e às vezes bate uma sensação de solidão, de abandono. Mas isso passa. Tentei ocupar minha mente com cursos e mais cursos, para tirar do foco essa falta de alguém.
    Já sofri muito com isso, não vou procurar mais um sofrimento, que seria um relacionamento com outro cara, porque EU tenho medo.
    Acostumei a ficar sozinho.
    Nem sei se, digamos, a cura chegar ano que vem, nem sei se vou procurar alguém, de tão acostumado que estou a ficar só. Acho que perdi o jeito da “coisa”, sabe?
    Mas nem por isso sou infeliz. Não, isso não.
    Já chorei muito, agora não me permito mais ter esse sentimento.
    Acabou um curso, faço outro. Aprendi um idioma, passo imediatamente para outro. Agora inventei de aprender música. Ocupa a mente e faz bem ao espírito.
    Levo minha vida assim. Mas não sou infeliz. Não me permito.
    Eu sou a única pessoa que TEM que conviver comigo mesmo para o resto da minha vida. Então, eu TENHO OBRIGAÇÃO de fazer o melhor para mim.
    Sou EU o responsável pela minha felicidade, não os outros.
    É assim que eu penso.
    Se eu puder ajudar a alguém, estejam à vontade para responder.
    Se não, fica aí, pelo menos, um pouco de mim.
    Abraços a todos.

    • Herico diz

      Paulo seu relato é motivador. eu tenho 28 anos hoje a tarde o chão se abriu quando fui ao laboratório pela segunda vez esse mês, no primeiro fiz o exame de HIV por que nos últimos seis meses me expus a situação de risco por três vezes com pessoas diferentes. um dia antes do marcado para receber o exame o laboratório me ligou a bioquímica me chamou em particular e disse que meu exame havia dado indeterminado e que eu precisaria fazer uma contra prova, mais que eu procurasse ficar tranquilo que isso não significava necessariamente que estaria com HIV. não fiquei tranquilo foi de todas a maior semana da minha vida. hoje dia marcado para receber o resultado da contra prova novamente o laboratório me liga a mesma bioquímica para eu comparecer ao laboratório para receber o resultado, disse que não tinha noticias boas ´pra mim, naquele momento eu já não tinha mais reação. lembro dela falar que minha vida não acabava ali, que eu precisava urgentemente procurar tratamento. não sei como consegui dirigir, não tinha vontade de ir pra casa. fui para um supermercado onde passei um tempo dentro do carro no estacionamento sem saber direito o que estava acontecendo. fui na praça de alimentação pedi apenas um suco, e consegui voltar pra casa.Não da pra falar pra minha mãe ela já é psicologicamente abalada por uma depressão, eu que cuido dela, e agora me vejo doente precisando cuidar de mim, como vou cuidar dela? não posso dividir com ela esse calvário. fico pensado e como vai ser a minha vida, como justificar a ausência no trabalho para tantas consultas médicas? moro longe dos centros de saúde especializado fica a seis horas de viagem o centro especializado em HIV. como me ausentar do trabalho? o medo dos efeitos colaterais dos remédios, das diarreias no trabalho, das erupções na pele e pessoal perceber, o medo de que os remédios altere o que tenho de melhor que é o meu bom humor. medo que eu tenha passado para alguém, medo de tudo, medo de morrer já.

      • Paulo Roberto diz

        Herico, hoje você tem este sentimento – acho que todos nós já vivemos este dia com as mesmas emoções.
        Mas acredite, não é o fim. Realmente, tua vida não acaba aqui.
        Faça o tratamento, cuide-se. Fique longe das drogas, procure cuidar mais da tua alimentação. Lembre-se de que, agora, tua responsabilidade é dobrada: tens que cuidar de ti mesmo e de tua mãe.
        Mas não é o fim. Acredite, a cura está vindo aí.
        Pense em quantas pessoas não tiveram a mesma sorte que nós, pessoas que tinham dinheiro, fama, tinham tudo para serem felizes, e sucumbiram porque não havia medicamentos para o HIV há alguns anos.
        Pense no avanço da Ciência neste campo… em breve estaremos todos livres disso!
        Lembre-se de não se recontaminar: isso é importante.
        Faça o tratamento com disciplina, que isso vai passar.
        E não cometa as loucuras que eu fiz: gastei muito dinheiro atrás de curas de todos os tipos. Bastava dizer que fulano curava a Aids que eu ia atrás, correndo. Acreditava em cada coisa que lia, cara… perdi tempo e muito dinheiro.
        Cuide-se, tome os medicamentos, procure uma ocupação para a mente, que te deixe tranquilo e sereno, e é só.
        Mantenha-se saudável de corpo e mente. Verá que sua vida ainda pode ser muito longa, agora depende de você.
        Abraços
        Paulo

        • Herico diz

          Muito Obrigado Paulo, nesse momento onde meu pensamentos me assolam, as palavras os comentários que leio aqui no blog são um conforto, são de bom animo. estou tenso com medo de que estágio eu esteja. Segunda feira, tentarei marcar a consulta com a infectologista. sei que possivelmente não conseguirei marcar para uma data de imediato. Peço a Deus que me de forças para seguir adiante. Muito obrigado amigos. espero que vocês não se chateie com migo que o que for acontecendo vou postando aqui, vou buscando ajuda com vocês, aqui consigo desabafar. tenho evitado ver meus amigos, por que tenho medo de não segurar as lagrimas diante deles, meu semblante está diferente. O que está na minha cabeça é um sentimento de luto por mim mesmo, de que enquanto as pessoas morrem um dia por vez, eu possa estar morrendo três dias por vez. então preciso primeiro saber da minha real situação, em que nivel está a contaminação no meu organismo, para então poder pensar o que fazer em relação a com quem falar sobre essa situação (Familia). Muito obrigado por cada palavra de incentivo.

  10. Jéssica diz

    Gente esses dias vocês estão acabando comigo de tanta emoção rsrsrs…
    Lindo desabafo V. E sim, assim como vc me vejo como Jovem Soropositivo. Compartilho do mesmo sentimento de medo de ser aceita e alívio por não ser acolhida, mas ao mesmo tempo penso, até quando?
    Por que afinal, eu quero sim encontrar um porto pra ancorar meu barquinho e até construir uma família com direito a filhos e tudo mais.
    E tem sido um dilema essa questão. A pouco tempo conheci um cara incrível do jeito que sonhei nos viamos toda semana mas nunca tinha coragem de contar pra ele da minha sorologia, até que chegou o grande dia, disse que precisava conversar com ele sobre algumas coisas e criei aquele clima tenso, me sintia no meio do nada, tudo parado. E depois preparar o terreno contei, e sua resposta foi: Isso só faz eu te admirar mais…
    Mas não foi o suficiente pra eu permanecer com ele, pq na verdade estava aterrorizada em ter sido acolhida, não tive coragem de aceitar sua acolhida e abri mão de algo que poderia sim ter dado certo.
    Nem dei espaço para saber com detalhes o que se passava na cabeça dele, apenas fui embora… Não sei ainda como trabalhar isso em mim, mas são duas questões tão entrelaçados que parece ser apenas uma com um milhão de interrogações.
    Enfim, meu desabafo rsrsrs
    Eu só agradeço por compartilharem a história de vcs!!! Me ajuda demaaais, é quase a extensãodo meu tratamento rsrsrs

    • Paulo Roberto diz

      Ow Jéssica, LIGA PRÁ ELE, pow…
      Vá em frente! Sua felicidade está nas SUAS MÃOS, entenda isso… Mas se ele aceitou, por que é que você correu?
      LIGA PRÁ ELE, AGORA!!!
      PERMITA-SE SER FELIZ!
      E permita que ele seja parte dessa felicidade!
      LIGA PRÁ ELE, VAI…

      • Jéssica diz

        Aai é tão difícil Roberto… Passa tantas coisas na nossa cabeça, penso que quando não estiver bem posso contaminá-lo, e como vai ser quando planejar ter filhos??
        Enfim, estou trabalhando isso em mim. Obrigada por me encorajar!!! 🙂

        • Paulo Roberto diz

          Ah, pára com isso, Jéssica… Não há mais contaminação de mãe para filho, se você se cuidar direito. E quanto a contaminar teu parceiro, também não rola, desde que estejas indetectável.
          Mas de uma coisa esteja certa: é melhor VOCÊ CONTAR do que ELE DESCOBRIR.
          Se tens medo, é normal… Mas se ele a rejeitar por isso, lembre-se: MELHOR SÓ DO QUE MAL ACOMPANHADO.
          É sinal de que ele não te merece.

  11. Me identificou com cada história aqui…tenho 23 anos fui casada por 8 anos ,e em 2013 meu marido foi detectado o vírus,ele me escondeu isso,em 2014 ele adoeceu e me contou oque estava acontecendo…Fiz o teste e deu positivo ,em fevereiro deste ano ele veio a falecer,e me deixou com um filho de 8 anos pra cuidar…Tenho medo de tanta coisa…Me sinto insegura em relação a isso….

    • Paulo Roberto diz

      ANE, deixa eu te dizer uma coisa: a cura está vindo aí. Pode crer nisso.
      23 anos é muito pouca idade para se entregar.
      Ainda mais com um filho para cuidar.
      Levante a cabeça e vá à luta. Se não for por ti, seja pelo teu filho!
      Bem sei que é difícil, mas isso torna a tua luta mais valorizada ainda.
      Seja feliz, você tem idade suficiente para ser feliz.
      Você tem tempo à frente. Um filho amado. Uma recordação que deve ser linda.
      Vá você mesma à luta para ser feliz.
      Encontrar ou não alguém, é mero detalhe. Ninguém nos faz feliz a não ser nós mesmos.
      Tua felicidade é RESPONSABILIDADE TUA. Não entregue isso a ninguém.
      Se encontrar alguém, ótimo. Se não encontrar… bem, é porque não tinha que ser.
      Se eu tivesse um filho, teria a quem dedicar esse amor que tenho guardado no peito. Mas nem um filho eu tenho.
      Temos tanto a dividir, mas… no meu caso… Com quem?
      Viva a sua vida, da melhor maneira possível. E eu desejo muitas felicidades para você e seu filho.
      Não conte a ele. Ele não tem idade suficiente para entender e nem precisa sofrer por isso.
      DEPOIS, quando a cura chegar e ele estiver mais amadurecido, ele entenderá – e pode ter certeza, vai te admirar mais e mais por isso.

      • daniellemos diz

        paulo, suas msgs me enchem de animo.
        esse papo de cura me faz mto bem!

        • Paulo Roberto diz

          Daniel, que bom que eu te faço bem. Que bom que eu te dou ânimo.
          É exatamente para isso que estamos aqui. Para ajudar uns aos outros a suportar o peso desse bichinho.
          Só quero ver se, no dia em que estivermos todos livres disso, alguém vai ter a idéia de reunir todos nós para uma grande festa…
          Já pensou?

  12. cejs diz

    Passei ultimamente por isso , é terrível a incerteza as dúvidas o medo da rejeição e o medo da aceitação ainda mais quando tudo é muito novo , descobri há dói meses a minha sorologia positiva , onde fui bruscamente inserido nesse novo modo de vida por um ex que já sabia ser portador e me expôs a essa condição , estou há um mês em tratamento com retroviral , meu organismo já não sente muito efeito colateral pelo medicamento , mas ainda não sei o que me espera adiante , espera no sentido afetivo , não tive coragem de contar para a família pois acredito que apenas traria um sofrimento continuo sei que seria bem acolhido mas ainda tenho essa barreira comigo mesmo , contei apenas a um amigo que também é positivo e já se trata há quase dez anos , onde encontro apoio e tiro dúvidas ainda estou na fase de luto , não tenho remorso ou raiva de ser exposto a essa nova vida mas com certeza sei que algumas barreiras agora serão mais difíceis de serem ultrapassadas mas tenho fé e sei que vou passar por todo esse deserto de uma forma tranquila mesmo estando agora em meio a um furacão. Sou de salvador bahia deixo meu contato aqui para quem quiser trocar idéias , experiências ainda me sinto perdido em meio a tantas informações .7188484633 whatsapp.

  13. Paulo Roberto diz

    Acho estes depoimentos fascinantes. Só quem vive esta situação sabe o que é.
    Ter que dizer NÃO à própria vida, não é coisa que se possa classificar de fácil.
    Mas vamos prosseguir. Estamos VIVOS. Estamos esperançosos
    Não é bom que alguém passe por isso, mas não estamos sozinhos.
    Eu não tenho mais esperança de viver um grande amor. Não me resta mas TEMPO para isso, afinal, aos quase 50 anos…
    Mas vocês que têm 20, 30, ainda podem sonhar.
    A cura virá em breve, e vocês poderão viver um grande amor, pois para vocês, o tempo futuro é longo.
    Felicidades a todos!

      • Paulo Roberto diz

        Sim, Jéssica. Há tempo para tudo. Você é jovem, tem muito tempo pela frente. Eu já não sonho mais.
        Vejo quando passo no meu carro, um Citroën C4… rapazes e moças me olhando. Não sei se admiram a mim ou ao carro.
        Mas EU não quero. Até que a vida me prove o contrário, penso que não há mais TEMPO.
        Quando chegar a cura, não vou procurar ninguém. Se a VIDA puser alguém no meu caminho, que seja. Mas me acostumei a ficar sozinho. Nem sei se me acostumaria à idéia de viver a dois.
        O importante não é estarmos ou não acompanhados. O importante é sermos FELIZES, do jeito que der.
        Abraços!

  14. Mommy diz

    Meus novos amigos, descobri a sorologia tem pouco mais de dois anos, quando iniciaria um tratamento de fertilização para engravidar, já que pelos métodos convencionais a coisa não acontecia (Ainda bem! Caso contrário poderia ter passado o vírus para o bebê).
    Sou casada há 5 anos e mesmo depois da grande descoberta, continuo com o mesmo marido e ainda mais feliz, acreditem! Sou daquelas pessoas que podem dizer que aprendi que o amor incondicional realmente existe antes mesmo do meu bebê nascer, o que acontecerá em breve.
    Somos sorodiscordantes, portanto, somente eu estou em tratamento. Não tive sintomas, nem doença oportunista, mas em razão do longo tempo que passei sem saber que era portadora, aproximadamente 08 anos, meu CD4 estava muito baixo. Hoje, está tudo em equilíbrio e no início desse ano, com todo o acompanhamento médico necessário, fizemos a fertilização in vitro e logo mais nascerá nosso bebê.
    Nossa opção foi manter sigilo absoluto sobre a minha condição, com exceção dos médicos e terapeuta. A decisão foi muito difícil no começo, mas hoje não poderia ter tomado melhor caminho. Não que esteja feliz com isso, mas diante do quadro que nos encontramos, foi a melhor saída, pois, assim, a maior parte do tempo só me lembro dessa condição ao tomar os medicamentos e como a grande maioria, também estou a espera da cura!
    Sou Kardecista e intensifiquei meus conhecimentos nessa área e são sempre de grande ajuda, além dos tratamentos que lá recebo.
    Gostaria de deixar aqui uma pontinha de esperança aos que estão sozinhos ou aos que entregaram os pontos. Não desistam do amor, não desistam da vida, eu carrego uma dentro de mim e vocês não podem imaginar tamanha felicidade que estou sentido e agora também dividir isso aqui, já que guardamos nosso segredinho a 7 chaves.
    Um beijo carinhoso, da Mommy.

    • Paulo Roberto diz

      Mais um depoimento, mais uma vida que VIVE. Parabéns. Que sejam felizes. Se nem o bichinho conseguiu separar vocês, é porque existe AMOR de verdade!
      Sejam muito felizes, e estejam certos de que a cura está vindo…
      Seja kardecista, católico, protestante… Deus é um só. E no céu, não há espaço reservado para “estes” ou “aqueles”.
      Todos somos irmãos perante a Deus.

      • Úrsula diz

        Gosto muito das suas pastagens Paulo, me animam. Gostaria de ser sua amiga e ter como conversar mais com vc.

  15. Tony DF diz

    Eu só me vejo tendo relacionamento com rapaz que seja soropositivo tbm e como fica difícil achar alguém nesses termos, rsss, vou seguindo sozinho mesmo sem esperar muito.

    • Paulo Roberto diz

      Ainda se fosse só o fato de necessariamente ser soropositivo ainda estaria bom.
      O problema é: eu tenho quase 50 anos… vou me relacionar com alguém de 20, para quê??? A diferença de idade também conta…De mais a mais, tem a questão da DISTÂNCIA… Eu sou carioca, mas me mudei para MG, por força das circunstâncias.
      Enfim, são tantos os entraves que acabei por aceitar que devo viver sozinho até que A VIDA se encarregue de colocar alguém no meu caminho.
      E se a vida se negar a fazer isso, continuarei sozinho.
      O que não me permito, jamais, é ser infeliz. Tá certo, às vezes pinta aquela depressão… mas é momentânea e passa com o raio do amanhecer.
      Só isso. Basta-me estar vivo. Quantos não tiveram a chance de se tratar e estar VIVOS?

      • Mary diz

        Vc não desanime. Eu tambem estou nos 40, me sinto bem e atractiva, mais por cautela tb tenho estado sozinha por bastante tempo, mais não perco a esperança. Não perca você tambem.

  16. Luquinha diz

    Vocês ja ouviu falar numa pessoa legal , mais que e chata para caralio? Então se contaminam e surgem do nada .

    • Paulo Roberto diz

      Que porra é essa, Luquinha??? Ché-zuis, que qué isso?
      KKKKk!!!

  17. Jovem Novato diz

    Assim como o Tony eu também me sentiria tranquilo tendo em minha vida alguém com mesma situação sorológica que eu. Sinto muito a falta de trocar experiências e até mesmo conhecer rapazes que passam pelo mesmo. Vou deixar meu kik… quem se sentir à vontade pode me chamar: jovemnovato.

    Abraços

  18. Paulo Roberto diz

    Um dos meus filmes preferidos é WUTHERING HEIGHTS, ou O MORRO DOS VENTOS UIVANTES, onde a protagonista, Kathy, volta em espírito para a fazenda onde foi criada e para o verdadeiro amor de sua vida.
    É uma história de possessão, de ciúme, vingança…
    Mas é assim que eu me sinto: parece que eu meio que morri, e depois que isso tudo passar, quero dizer, quando vier a cura, eu vou voltar para aquilo que eu perdi.
    Meio fantasmagórico, meio deprimente, meio louco, não?

    • Alex diz

      E se “quando a cura vier”, e vc for voltar para “aquilo que perdeu” e perceber que demorou tanto pra voltar que acabou perdendo de vez e não tem mais o que recuperar? E ainda, hipoteticamente, se vc não alcançar a cura vai deixar de ir atrás do que perdeu?

      Eu tbm me senti ou me sinto meio morto depois disso, é como se tivesse morrido uma parte de mim, obrigando a viver com limitações, pode ser que essa parte “morta” um dia retorne a vida novamente com a possível cura, não sei se caso isso aconteça vai ter a mesma graça de antes, mas já não procuro pensar mais assim, prefiro tentar pensar o que posso viver com a parte que permanece viva, embora confesse que nem sempre é fácil.

      • Paulo Roberto diz

        Alex, eu não vou lutar por aquilo que perdi, se você quer dizer de um RELACIONAMENTO. Já era. Café requentado, NÃO!
        Mas vou voltar para a ALEGRIA DE VIVER que perdi. Isso, sim…
        A felicidade não é estar acompanhado, amigo… E é atrás dessa felicidade que eu vou.

  19. Matheus diz

    Mommy vc é um exemplo a ser seguido…linda história…boa sorte na sua gestação, abçs.

  20. O HIV, mesmo recebendo meu diagnóstico há menos de dois meses, apareceu na minha vida há mais de dois anos. Me relacionei com uma pessoa que descobriu sua condição sorológica positiva para HIV enquanto estava comigo. Apesar de apoiá-lo no início, não tive cabeça, idade e muito menos maturidade para dar procedência ao relacionamento, que durou alguns meses. Me embrulha o estômago só de pensar na situação em que o deixei após desaparecer completamente.
    Algumas semanas depois, ao receber o resultado de um PCr quantitativo, senti um alívio. Deus havia sido bom comigo. Mesmo exposto ao vírus, não havia contraído. Não daquela vez.
    Isso me abalou muito, a ponto de não sentir mais vontade de me relacionar com ninguém. Foquei na minha carreira profissional, me ocupei integralmente, e deixei de lado o sonho antigo de conhecer alguém legal, namorar, casar, dividir a vida com alguém. Simplesmente me fechei. Por dois anos não dei abertura para ninguém se aproximar de mim, até conhecer uma pessoa que me fez rever minhas prioridades.
    Aconteceu o imprevisto, me apaixonei, me vi num futuro distante com ele, e para não colocá-lo em risco antes que tivéssemos um contato mais íntimo, resolvi fazer alguns exames.
    Foi aí que o HIV apareceu pela segunda vez na minha vida, mas dessa vez, sem previsão sair. Meu “ex-futuro-namorado” ficou apavorado, surtado, desesperado e se afastou de mim. Reação totalmente previsível.
    Minha infecção parecia foi recente, carga viral de 2.500, CD4 – 600. Mas isso não mudou nada.
    Só de pensar que posso passar pela mesma situação ao me envolver com alguém soronegativo, já desisto da ideia de tentar, por mais que a pessoa pareça ser legal, madura, e compreensiva. Sabemos que isso não é suficiente.

    • Alex diz

      Pq sua infecção parecia recente? Pelo q já li uma carga viral baixa e cd4 alto ou razoável significa infecção que já ocorreu há algum tempo.

      • Meu último exame negativo foi nove meses antes do positivo. Até um ano eu considero a infecção relativamente recente… Meu ex tava infectado há 3 anos, carga viral 40.000 e CD4 150… Minha médica disse que não dá pra estimar tempo de infecção baseado na carga viral e CD4 porque isso varia muito de pessoa pra pessoa….

      • Cezar diz

        Está questão da carga viral eh relativa. No momento da coleta, deu 2500, mas no dia seguinte pode dar 50 mil, depois retornar para 10 mil. Tudo depende do combate primeiro de seu sistema imunológico. Eh bom lembrar que este consegue, durante um bom tempo, destruir 99% (ou ateh mais) das cópias do vírus.

    • Paulo Roberto diz

      Dinho, este é o drama da maior parte dos soropositivos.
      Eu, de minha parte, não quero enganar a ninguém, mas, por outro lado, também não quero me expor, justamente com medo de ser rejeitado.
      Por isso botei na cabeça que quero ficar sozinho. Aceitei que eu tenho que ser feliz por mim mesmo.
      Embora às vezes eu fique deprimido, a alegria sempre volta, e já não tenho mais tanta necessidade de ter companhia.
      Para que correr atrás do vento?
      Seria improvável que eu encontrasse alguém.
      Então, para que tentar?
      Vou deixar que a vida se encarregue disso. Se acontecer, bem, se não acontecer, é porque não era para acontecer.
      Fato é que, desde que descobri isso, nunca mais consegui sequer PENSAR em ficar com alguém.
      Mas isso vai passar. Esperamos boas notícias, e, embora eu já não seja mais novinho, quem sabe???
      Talvez ainda haja tempo.

  21. Paulo Roberto diz

    E assim vamos vivendo, dia após dia… Cada um com sua história, seus afazeres, seus amores – ou desamores.
    Mas devemos agradecer a DEUS o fato de estarmos VIVOS.
    Quantos não conseguiram??? Quantos faleceram, quando ainda não havia medicação?
    Sim, vamos agradecer a Deus. O futuro pertence a Ele, então, vamos entregar-nos a Ele.
    Ele é misericordioso e justo. Havemos de vencer, as últimas notícias são animadoras…
    Agradeçamos o fato de estarmos VIVOS – e relativamente bem.
    Isso nos basta.

  22. Divergentt diz

    Dinho, vc teve relação entre o ultimo exame positivo e o negativo?

    Pessoal, sempre acompanho o blog… Desde o ano passado…
    Ano passado eu descobri que tinha contraido HPV do meu ex namorado, então o médico pediu exames e o de HIV deu negativo… Desde então preferi n me relacionar mais com ngm, até que em janeiro/fevereiro desse ano o meu atual namorado apareceu… quando estava ficando mais sério, fizemos todos os exames pensando em começar o namoro mais tranquilos, e o meu deu não reagente pra HIV, mas o dele deu reagente…
    Passamos por momentos difíceis, mas sempre juntos.
    Apesar do cuidado, a minha preocupação em relação ao relacionamento nunca foi a de contrair o vírus, mas de n aguentar vê-lo doente de AIDS algum dia… Mas me informei bastante e hoje estamos muito bem.

    Em setembro refiz os exames após mais de 7 meses do nosso único contato de riso (sexo oral), e, novamente, veio não reagente. Ele está indetectável desde o segundo mês tomando a medicação e ontem, depois de quase 9 meses juntos, fizemos sexo pela primeira vez… Foi especial e espero ter mais momentos assim com ele, pq eu o amo muito

    • Divergentt, muito legal essa história do seu relacionamento…
      Então, respondendo sua pergunta, tive relação de risco duas semanas antes de receber o exame negativo e outra em maio desse ano… Recebi o diagnóstico em agosto. Acredito que fui contaminado em maio, porém, não posso afirmar :/

  23. Hans diz

    Gente, eu sou soro negativo, assim diz meu exame de 3 semanas atrás, eu tive uma relação desprotegida com uma mulher que conheci nessas noites da vida, fiquei meio bolado esperei 33 e fiz o exame em um CTA e deu não reagente vou repetir por segurança e sem medo agora do resultado!
    Sabe pq? Hoje em dia só tem AIDS quem quer e quem não faz o teste a tempo de se tratar, ter o HIV não quer dizer que a pessoa vai ter AIDS! Hoje os medicamentos são eficazes demais são drogas modernas, essa geração de hoje tem sorte, pode sim, ter uma vida perfeitamente normal com o hiv… Foda mesmo e o que mata sem da chances é o câncer… Vamos parar de sofrer e seguir a vida gente, Deus deu a oportunidade as vcs de descobrir e tratar esse problema, e outra a ciência não anda para trás.
    Em 2026 todos os antirretrovirais vão ter quebra de patente ou seja países do mundo todo vão poder fabricar, e pode ter certeza q antes dessa data o laboratório oficial que tem os direitos dos antirretrovirais, eu esqueci o nome agora… Eles já estão trabalhando para revolucionar o tratamento e tbm facilitar antes dessa data, para eles continuar lucrando, eu já li isso numa matéria, acho q foi aqui mesmo!
    Tem uma organização que promete a cura pra 2020, emfim alguma coisa vai acontecer até 2026, ou cura, ou cura funcional, o um tratamento mensal ou semanal atóxico etc…
    É só olha pra trás, antigamente era uma sentença, dps passou a ser controlada com 20 ou 30 comprimidos diário e tem gente dessa época q é viva até hoje,sem falar q o tratamento era mais tóxico que os de hoje em dia!
    Hoje ter o HIV é ter uma doença facilmente controlada em alguns caso com apenas um comprimido, e o que é melhor… O HIV quando e descoberto cedo ele não incapacita ninguém, basta trata e segui a vida normal, nem precisa fala pra ninguém, o que vc precisa fazer é se cuida e usar camisinha!
    Eu vi uma menina linda lá no CTA ela parecia ter uns 23 anos, ela estava meio triste estava com a mãe dela, ela estava lá para a primeira consulta com o infecto, eu escutei elas conversando. Eu tava doido pra falar com ela e conseguir o whats sei lá… Mas era um momento meio complicado pra fazer isso, aí eu respeitei !
    Eu nem ligo, foda-se se é soropositivo ela era gata! Agora eu tenho informação, toda pessoa devia ter as mesmas informações que eu tenho sobre o HIV, aí sim o preconceito idiota por falta se informação ia acaba.
    Eu sei que fazer sexo com uma pessoa positiva que se trata e com camisinha como devemos fazer em qualquer relação, é riso abaixo de zero
    Pior é sair trazando com pessoas q vc acha q é soronegativas!
    Mais uma coisa, vcs tem Deus e a ciência ao lado de vcs, é uma questão de honra para o cientistas vencer esse vírus… O virus HIV fascina ciência é o problema de saúde mais estudado e vai ter um fim em breve!
    Por isso daqui 4 dias vou fazer o teste de confirmação e foda-se o resultado!

    • ARLAN diz

      hans daqui 4 dias vao fazer quantos dias apos sua exposiçao de risco?

  24. Gustavo diz

    Acho q estao sofrendo muito alem doq deveriam… essa coisa d n ter mais ninguem, de n fazer mais sexo…. gente, q coisa triste. Vcs mesmo se colocam como se fossem um bicho podre intocável. Depois muitos falam d preconceito, mas o mesmo o coloca abaixo de tudo. Como pode isso? To achando muito filme de drama isso aqui… Pior q tem gente q vive feliz no drama ae faz todo aquele show com musica doida… So e feliz quem quer… ficar se colocando d coitado e intocável n vai mudar em nada…

    • Paulo Roberto diz

      Desculpe-me, Gustavo, mas vou discordar de você. Felicidade não tem nada a ver com sexo. E ninguém vive feliz no drama, cara. É só o jeito que cada um tem de encarar os fatos.
      E sem essa de só é feliz quem quer. Você sabe que todos queremos ser felizes, mas para algumas pessoas (como eu, por exemplo), o HIV se tornou uma barreira intransponível. Nem por isso eu deixo de ser feliz.
      Como eu disse, antes só do que mal acompanhado. Sei que a cura virá, mas nem sei (sinceramente) se vou procurar alguém. A minha felicidade não está em outra pessoa, e sim, em mim mesmo, entende?
      Não se trata de preconceito. É, talvez, o medo de infectar alguém ou levar um pé na bunda. Para que arriscar, se posso muito bem ser feliz sem usar os outros como uma bengala?

  25. Hans diz

    Arlan, vai ser o segundo teste o primeiro dps da situação de risco foi com 33 e de não reagente
    Daqui 4 dias faz exatamente 2 meses !

  26. Hans diz

    Não tive nenhum sintoma de fase aguda tbm
    Eu ouvi dizer q mais da metade quando exposto ao vírus tem a fase aguda e o resto pelo menos um sintoma e eu não tive nada!
    O primeiro exame de negativo, eu acho que é só paranóia mesmo! Mas independente do resultado vou ficar nesse blog enquanto ele existir, gostei muito!

    • ARLAN diz

      Hans eu trabalho em uma farmácia e furei o dedo com uma agulha de um cliente que tenho quase certeza ser soropositivo e depois disso fiz um exame 4 geração com 36 dias outro com 45 dias negativos, depois 1 semana depois desse teste teve um dia que vomitei e depois fiquei uma semana sem comer e sem apetite não sei se por conta do psicológico muito abalado ou pq é sintoma do HIV mesmo,depois fiz um teste rápido com 57 dias negativo e um PCR quantitativo que ainda não saiu o resultado,mesmo assim estou convencido que estou infectado.Sou inteligente e sei que um teste desses com 57 dias e muito seguro mas e difícil acreditar não estar infectado espero que quando sair o meu PCR eu fique mais tranquilo se der negativo acho que sexta feira estará pronto e eu venho aqui falar se der positivo acho que aqui vou encontrar um pouco de conforto..Ahh espero que o seu tbm seja negativo abraço..

  27. R - interio de SP diz

    Também me sinto assim, ainda não tive coragem de contar pra ninguém 😦
    E meu namorado me deixou assim que soube da minha sorologia.

  28. Eu+ diz

    A primavera chegou, e por alguns dias o sentimento de invasão também. Algo me fora furtado, e eu ainda nem havia me dado conta. O diagnóstico chegou, e com ele, alguns fantasmas também. Era uma tarde de sábado quando eu ainda no escritório, abri os dois resultados no meu computador, o do meu namorado, amostra não reagente para HIV, e o meu, amostra reagente para HIV. Meu coração parou por alguns minutos, a partir daquele momento a única ideia que passava na minha cabeça, era que eu certamente fui transportado para um universo paralelo no qual algo invadiu meu corpo, meus pensamentos e meus dias.
    A primeira coisa que fiz quando conseguir chegar em casa, foi dizer: Nossos exames ficaram prontos e o meu positivou, preciso me cuidar, o que você fará com essa informação cabe a você e eu vou aceitar. Ele resolveu ficar….
    Queridos estou vivendo essa nova situação junto com cada um de vocês, não tem sido fácil, mas se eu disser que está sendo muito difícil eu estaria certamente mentindo. A vida segue e costumo brincar, tocar a bola pra frente e o 3×1 pra dentro.
    Força e Fé.

  29. Divergentt diz

    Arlan, eu vomitei algumas vezes durante esses oito últimos meses… Puro nervosismo, misturado com um refluxo que eu descobri mês passado… Sentia todos os sintomas que lia na internet e tive certeza que meu exame de 45 dias após o sexo oral desprotegido estava negativo por causa da janela imunológica… E me enganei, porque depois de 8 meses continuou negativo.
    Bola pra frente e tenta não pirar com isso.

    Eu tenho 28 anos e tive depressão por 4 anos, larguei tudo, depois conquistei tudo de novo, então passei num concurso, namorei 3 anos e era muito feliz, mas descobri traições e então veio o HPV (fiz cirurgia no reto por causa disso), depois, quando tava me recuperando desse trauma, veio o HIV na pessoa que eu tava começando a namorar…
    E só tô começando a viver…
    Fiz esse pequeno desabafo pra dizer que a vida é difícil, mas a luta diária pode revelar momentos de beleza e amor que fazem valer a pena viver e lutar…

    • Curioso diz

      Não sabia q para o HPV precisa cirurgia, vc teve q sintomas disso?

    • ARLAN diz

      Obrigado nunca imaginei que existissem pessoas tão legais e atenciosas assim,estando ou não infectado vou sempre estar aqui nesse blog torcendo para a cura chegar logo..

  30. Olá pessoal

    Fui diagnosticado recentemente nao faz nem uma mês no dia em que descobri foi um baque acahva que iria morrer em pouco tempo e tudo mais, pesquisei e descobri que trata-se de uma doença crônica que pode ser tratada e não se manisfestar. Tenho um relacionamento com a minha esposa a 8 anos houve alguns desencontros nesses períodos e acredito que aí que eu fui contaminada maaaaaasss assim que soube a minha eaposa fez o exame e 90% das nossas relações esses anos todos foram sem preservativos e graças ao coito interrompido ela não foi contaminada, sem ela acredito que estaria em depressão porém ela está comigo e me ajudando muito.
    Descobri esse blog através de pesquisa no google e achei genial pois todos aqui querem o melhor para outro independente de conhecer ou não e acho isso muito bom afinal na internet hoje em dia é um xingando o outro, obrigado a todos.

  31. Hans diz

    Arlan, pode encerrar o caso e procurar um piscologo cara, pq a única coisa q vc tem é hipocondria, um exame de 4 geração já indica positivo com 22 dias e sua janela já tinha tempo suficiente para um resultado confiável!
    Eu fiz um teste com fluidos orais com 33 e deu não reagente, vou repetir pq é norma do ministério da saúde!
    E pra tranquilizar seu emocional: Olha essa galera aí, todos eles tem uma frustração por esse acidente ter acontecido na vida deles!
    Mas o problema de todo mundo aqui é mais emocional, pq o vírus em si já estar controlado as drogas de hoje são modernas e eficazes, só morre disso hoje em dia quem for burro e não se tratar e o tratamento tende a ficar mais fáceis e espaçados com o tempo daqui uns 5 ou 10 anos o tratamento vai ser mais moderno ainda!
    O que derruba a pessoa mesmo é o psicológico por se senti sozinho, se todo mundo aqui se encontrasse pra conversar falar dos medos, trocar experiências saber que existe outras pessoas com os mesmo problemas seria muito mais fácil enfrentar isso… O psicológico é pior do que o virus, pq o vírus já estar controlado!

    • ARLAN diz

      Pois é quando pegar meu exame sexta se negativar vou tentar encerrar o caso pq ta difícil mesmo sabendo que o tratamento hj e tranquilo ninguém quer ter uma doença dessas neh.Graças a Deus e aos cientistas rsrs que hj temos medicamentos para tratar mas não ter HIV e bem melhor ainda mais pra mim que sou viciado em musculação e sei que se estiver infectado vou ter quer pegar mais leve na estética e dar preferencia para minha saúde com exercícios mais leves e mais aeróbicos,de qualquer maneira agradeço e desejo saúde e paz a todos..

  32. Divergentt diz

    Curioso, foi preciso cauterizar as lesões. O médico disse que era um procedimento simples, mas pra mim não foi. Cirurgia com anestesia raquidiana e 15 dias de recuperação. Eu não tinha muitas lesões, mas estavam muito profundas pra outro tipo de tratamento… As pessoas não divulgam muito isso, eu mesmo nunca soube que era assim pro HPV, mas o importante é que passou!

  33. M. diz

    Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue;outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho…o de mais nada fazer.
    Clarice Lispector

  34. Tenho 23 anos…há 2 descobrir que tenho HIV… Não tenho vontade de sair nem na frente da minha casa…Pq é tão complicado de aceitar isso….

    • ARLAN diz

      Ane as vezes e difícil encarar um problema de frente mesmo,mas ninguém vai poder fazer isso por você,acredite que a vida não e feita só de flores HIV não e uma coisa fácil de superar mas tem coisas muiiiito pior na vida,pessoas tetraplégicas que não conseguem mexer um dedinho se quer enquanto vc tem toda vida pela frente,pode ter certeza que essa fase ruim vai passar e procure um psiquiatra que ele vai te ajudar muito com toda certeza..

    • Leão diz

      Ane,
      O Arlan está certo. Veja o meu caso : Eu contraí HIV graças a 4 cortes que sofri em uma situação de assalto. 2 destes cortes foram mais profundos e por pouco não atingiram veias importantes. Apanhei muito neste dia também e tudo isso porquê queriam um celular que estava dentro da minha mochila e ao tentar tirar, confundiram com uma arma. Hoje eu agradeço a Deus ou aos Deuses (nãos sabemos qual crença é de fato a correta) por estar vivo. Aquelas pessoas não tinham nada a perder, só consegui me salvar porque um grupo de pessoas que voltavam pra casa me deram socorro. Claro que não é nada fácil viver com HIV, há poucos meses conheci a pessoa que mais me faz bem no mundo depois da minha mãe, irmãs e pai. Lógico que minha sorologia mexeu com nosso relacionamento, mas fomos nos informando, indo ao médico juntos, entendendo do assunto, dia após dia, um passo de cada vez. E é assim que devemos viver, construindo pontes que nos ligam a outras pessoas, afastar-se ou isolar-se só vai te prejudicar emocionalmente. Há muita vida após o diagnóstico e uma vez me disseram : “As mais bravas guerras são para os melhores guerreiros.” Tenha fé em você mesma e coragem pra escrever uma nova história, independente de qualquer coisa! Há muita vida em você!

  35. Débora diz

    Boa tarde galérinha do BEM!

    Leão…

    Como assim? Vc foi esfaquiado e se contaminou? Fiquei sem enterder e curiosa…

  36. Débora diz

    Leão,

    Desculpe-me pela pergunta… acabo de obter a resposta em outro post.

    Abraços.

    • Leão diz

      É amiga Débora… Foi exatamente isso que aconteceu. O curioso desse tipo de contaminação é sua condição “rara” e por isso não existe portaria que obrigue profilaxia pós exposição. Procurei um CTA e a informação que obtive foi essa, a profilaxia tem um custo e só deve ser ministrada em caso específicos. No meu boletim de ocorrência não apontava abuso sexual e de fato não houve, mesmo com toda violência do assalto. Meu infectologista disse que o vírus pode ficar vivo fora do organismo por algum tempo, mesmo em objetos como facas, navalhas e seringas, palavras dele : “Você pensa que o seu barbeiro troca a lâmina por uma questão de higiene? É pra sua segurança mesmo, aquele período de descanso da lâmina contaminada não é o suficiente para causar morte do vírus! Da mesma forma que a manicure tende a esterilizar sua ferramentas de trabalho.”
      Foi muito difícil aceitar a minha contaminação, mas agradeço por ter um médico tão paciente e que junto a mim procurou explicações.

  37. Ansioso diz

    Boa noite, galera!
    Estou muito muito preocupado, já tive até algumas psicossomatias como achar q estou com febre, herpes em razão de estresse, achar q tinha rashs e inguas.
    Há 3 semanas fui a uma casa de swing e fiz sexo vaginal com uma garota de programa. A camisinha rompeu, mas acho q foi próximo à base e o sexo durou no máximo 2 minutos com a camisinha rompida. Sei q a chance e baixa (mesmo eu tendo candidíase, pq não tenho feridas nem nada do tipo), mas não consigo relaxar. Falei com ela por Whatsapp e ela disse q tinha feito exame de HIV 2 semanas antes de termos feito sexo… Tentei tomar o pep,mas aqui no RJ todo CTA me mandava pra outro CTA e só descobri o lugar certo quando estava próximo das 72h… Então sabia q a chance era minúscula.
    Estou muito muito doido, pensando até q uma quase transa de 2 anos e meio atrás com uma menina no carnaval, onde houve uma ou 2 penetrações sem camisinha, me transmitiu HIV, já q meu cd4 estava baixo esse ano (eu estava com uma virose)… Enfim, sei q a minha história e muito insana, mas queria desabafar com vcs… Já q todos são tão legais e me deixaram mais tranquilo na eventual possibilidade de eu ter me infectado.

    Abs

  38. Eu contraí o hiv do meu marido. ..em fevereiro desse ano ele faleceu, e me deixou com meu filho de 8 anos.Meu filho não tem graças a Deus, mas o medo que eu tenho em passar sem querer essa doença é muito grande. ..É complicado , mas faço de tudo pra levar uma vida normal. ..

    • Leão diz

      Cara Ane,
      Você deve se tratar corretamente para reduzir a possibilidade de transmissão. Existem estudos que apontam : O paciente com carga viral indetectável há ao menos 6 meses, não acometido por outras DSTs e que segue o tratamento a risca, possui risco de transmissão desprezível.

      Aconselho que leia isto;

      http://www.giv.org.br/divulgacao/indetectavel_01.htm

    • Jéssica diz

      Ane, minha amiga… Me identifiquei muito com você, completei meus 24 anos agora em Julho, e ainda tenho muitos medos… Descobri o HIV no momento mais improvável da minha vida há 7 anos atrás com apenas 17 anos. Estava indo para uma comunidade missionária e lá para ingressar precisamos fazer vários exames, e no meio desses descobri que era HIV positivo. Agora a questão era, como? Pois nunca tinha tido relação sexual e meus pais são negativos… Tive um irmãozinho adotivo que já faleceu que era positivo, mas meus pais sempre foram extremamente cautelosos quanto ao nosso cuidado, e foi uma possibilidade que até os médicos descartaram. Quando era bebê o leite da minha mãe secou e uma amiga da família me amamentou, mas depois de uns 10 anos ela faleceu de Aids, lembro dos meus pais loucos da vida querendo fazer exame em mim, mas mais um vez os médicos descartaram a possibilidade de infecção e não fizeram o exame…

      Enfim, 17 anos depois fui diagnosticada. Não sei de fato em que momento fui infectada. E como isso me perseguia! De lá pra cá minha vida foi só interrogações, por que? E agora?… Mas eu comecei a perceber uma coisa graças a pessoas incríveis que conheci nesta tragetória e tbm neste blog apenas lendo os breves relatos nos comentários, de que o vírus não sou eu, ele não me difine. Claro, não é como um passe de mágica, pois como compartilhei em alguns comentários anteriores, ainda tenho muitos medos, mas vejo que já consegui dar muitos passos de auto-confiança e de amor próprio, como tenho aprendido a me amar, sabe. A me observar a gastar tempo comigo, porque quero viver, e quero gerar vida, quando casar e ter meus três filhos rsrsrs. Com tudo isso descobri o quanto sou importante.

      Eu sei que são só dois anos de diagnóstico e não podemos anular o peso disso, mas quero como amiga te dizer, VOLTE A SONHAR!!! SOMOS MUITO JOVENS, E DEVEMOS EXALAR VIDA PARA NÓS E PARA OS OUTROS!!!
      Estamos todos juntos princesa 🙂

  39. Herico diz

    Boa Tarde! hoje é o dia mais difícil da minha vida. tenho 28 anos, recebi a contra prova do primeiro exame, no primeiro exame não só me disseram que havia dando indeterminado e precisava fazer o outro teste mais preciso. hoje sei que ja havia dado positivo, e não quiseram logo me falar. moro em uma cidade pequena conheço a bioquimica, hj ela me chamou para o resultado da contra prova, foi positivo. vi a que ela quase chorou ao me dar a noticia. meu chão se abriu ali. não sei como consegui dirigir até em casa, primeiro andei pela cidade sem um norte. não queria vir pra casa. não sei como será a minha vida daqui pra frente. por favor me ajudem, tenho medo, não tenho coragem de falar pra minha mãe, se eu falar ela vai achar que ja vou morrer, ela não tem estrutura psicológica pra isso. não sei o que fazer, sei que a contaminação é recente e desconfio de quem tenha me passado, mais me machuca saber que posso ter repassado para outras duas pessoas. não sei o que fazer, não sei o que será da minha vida daqui pra frente. por favor alguém que ja tenha passado por essa situação me ajude, me fale como convive com HIV, o que me venhe na cabeça é que eu vou morrer. meu medo como vou me afastar do trabalho para ir ao medico para fazer todos os exames sem falar o que está acontecendo. não quero que ninguém saiba ainda, até eu ter condições psicológica de lidar com essa situação. me ajudem por favor

    • Leão diz

      Herico,
      Meu caro, eu sei o quanto é desesperador. Mas lembre-se que é um direito seu não revelar nada em seu trabalho e é garantido por lei que você possa faltar quando for preciso fazer exames. Os exames em geral serão feitos em laboratórios e prescritos por um infectologista de sua confiança. O primeiro passo é se cuidar, afinal de contas vai precisar de força pra seguir a sua vida. Seu caminho não acaba aqui, existe tanto a se fazer ainda… O vírus não te define, você pode ir além e continuar com todos os seus planos futuros. A partir de agora você vai tomar seu medicamento, provavelmente o 3×1, logo estará indetectável, vai precisar tomar vacinas (se já não tomou) contra hepatite B, HPV e gripes, talvez algumas outras também. Com carga viral indetectável o que segundo muitos especialistas torna nula a possibilidade de transmissão (desde que se esteja na condição de indetectável por ao menos 6 meses). Eu também fui diagnosticado há pouco tempo, cerca de dois meses, meu contágio não foi por via sexual, em um assalto levei vários cortes no corpo e tive muitas outras complicações além do HIV. Mas hoje eu agradeço todos os dias por estar VIVO e ter a possibilidade de continuar seguindo com meus sonhos. Não me concederam profilaxia pós exposição porquê existe um custo aos governos e a minha forma de contaminação é “incomum”, o que eu acho incrível é que se eu fosse profissional da área de saúde e acidentalmente tivesse me cortado, poderia ter recebido profilaxia pós exposição. Porém toda violência do assalto, toda informação que tive neste blog e por meu infectologista, me permitiram acreditar que é possível viver de forma saudável. Ainda não contei a minha mãe, será meu grande desafio, principalmente por quê só em janeiro deste ano ela deixou de tomar anti depressivos. Acredito que nós dois encontraremos a força e a hora certa. Agora, tente se concentrar em você mesmo e será meio caminho andado. Avante guerreiro!

      • Herico diz

        meu caro suas palavras me dão animo e me fazem acreditar que talvez não tenha acabado pra mim. sim, tantos projetos de vida, minha vida profissional so começando, o sonho de uma companhia de um relacionamento, tudo isso ameaçado. estou aguardando marcar consulta com infectologista. fico tão tenso, com medo de como esteja a minha situação. não tenho condições de falar com minha mãe, que tem sérios problemas psicológicas devido a uma depressão, e acredito que essa noticia iria abalar muito o estado dela, vivemos só nós dois, eu cuidando dela. desde do dia 16/10/15 quando veio a confirmação, fico tentando parecer bem, más desde esse dia todas as noites foram perturbadoras. ja passei por tantas dificuldades na minha vida, sempre tive que ser tão forte, e agora mais uma vez preciso lutar sozinho, só que dessa vez parece ser uma batalha muito grande por toda a vida, pra se manter vivo. ja tive vontade de falar para o meu melhor amigo, mas ele me ama tanta que iria sofrer a mesma dor que estou sentindo, se preocupa com migo mais do que eu mesmo, então não quero que ele sofra por minha causa. mais está sendo um fardo enorme, principalmente pelo medo. meu caro eu lhe agradeço tanto pelas suas palavras, não sei se você imagina o quanto elas me fazem melhor. muito obrigado! estou só esperando marcar a consulta com infectologista. com medo dessa demora em marcar até fazer todos os exames. é tudo tão tenso. mais uma vez muito obrigado.

        • Leão diz

          Sim, eu sei o que é esse sentimento… Incertezas, inseguranças, dor… Tudo isso faz parte de um pacote a ser superado quase diariamente. Mas não desanime, como você disse é sim uma batalha para se manter vivo o resto da vida, porém hoje em dia ela é bem mais simplificada. A comparação não parece digna para muitas pessoas porém lá vai: Já parou para pensar em quantas pessoas que sofrem com diabetes por exemplo, os cuidados que devem ser tomados com medicação, alimentação, exames periódicos e etc? É mais ou menos a mesma coisa. Com isso não quero dizer que as duas situações são igualmente simples, longe disso! As duas são bastante delicadas. Mas já é possível conviver com ambas! Você não vai morrer se tomar seu remédio corretamente, você está vivo e pode sim encontrar uma/um companheira (o). Não é fácil, sim, todos nós aqui neste blog sabemos. Mas é possível! Se é possível por quê não tentar? Não se deprima meu amigo, não deixe que este parasita te defina, mostre sua força, se cuide e principalmente, não seja preconceituoso com você mesmo. Não interessa como o vírus chegou até sua pessoa. Você acha que a forma de contaminação é fator importante? Não cara… São muitos de nós no mesmo barco, pessoas que tem sonhos, tem filhos, empregos, namoradas, namorados… Família… O que importa a todos nós de verdade é que hoje a medicina está muito avançada e permite a continuidade, pense nisso. Eu fiquei exatamente assim como você, me perguntava todos os dias como isso foi acontecer comigo, um corte durante um assalto e pronto! Sabe a que me levou?! A nada! Só me lamentei e estive a beira de uma depressão. Não precisamos disso cara! Continue a nutrir seus sonhos, eles te darão ainda mais motivos pra viver. Você encontrará sempre um amigo aqui no blog, uma palavra de apoio, carinho e atenção. Vamos seguir! É hora da guerra, GUERREIRO!

        • Ola herico, tudo bem? Eu também recebi os resultados confirmatórios do meu teste semana passada. Seus medos estão parecidos com os meus. Se quiser conversar com alguém que está passando pelo mesmo ( ou quase), me escreva, pois vou achar bem bacana poder compartilhar dúvidas e respostas. Pois to tentando aprender e ter paciência esses dias e não é fácil ter de fazer isso sem poder partilhar com alguém que realmente entenda hoje como é estar nessa fase de imprevisibilidade de como será o amanhã.
          Meu email: will_lopesaugusto@yahoo.com.br
          Facebook: will.augusto

    • Paulo Roberto diz

      TEMPO, Herico… o TEMPO para você se acostumar com a idéia, tempo para digerir as informações, para chorar e voltar a sorrir.
      O TEMPO é a resposta.
      Quanto ao trabalho… vá a um médico particular e pegue um atestado. Depois, vá ao infectologista. Mas não deixe de se cuidar.

  40. Mommy diz

    Herico, também tive a sensação que morreria no dia seguinte ao diagnóstico, fiz mil planos de como passaria meus últimos dias de vida e nada disso aconteceu e olha que já se passaram mais de dois anos! E te digo mais, minha saúde está muito melhor hoje, nem resfriado tem me pegado mais. Estou grávida e seguindo todas as orientações médicas para meu bebê nascer saudável e sem o vírus, como é possível nos dias de hoje…
    Nada nos acontece por acaso e o entendimento vem com o tempo. Essa máxima é verdadeira, acredite! Respire fundo sempre que ficar ansioso, siga todas as prescrições médicas, procure uma boa terapia e não desista dos seus sonhos, tenho certeza que vc será muito feliz, só depende de você!
    Beijo carinhoso, da Mommy.

    • Herico diz

      Mommy Muito obrigado li sua resposta ao meu comentário com as lagrimas no rosto, muito obrigado mesmo. foi a primeira demostração de carinho que recebi depois do resultado. espero ter forças e ser tão forte quanto vocÊs são. muito obrigado de coração pelo carinho…

  41. Mommy diz

    Ah, sobre seu receio de contar pra sua mãe, espera um pouco até ter certeza se vai querer contar ou não, pois é importante você primeiro se estruturar, entender essa nova fase de sua vida e quando se sentir mais forte, vc saberá se o melhor é contar ou não. O maior mal que nos acomete não é o vírus, nem nossos remedinhos diários, mas o preconceito e a falta de informação das pessoas que estão à nossa volta e se você não estiver pronto pra enfrentar isso, terá dois problemas ao invés de um só! Fique bem!

  42. S_Faith diz

    Texto incrível! Acredito que ninguém merece ser sozinho. Independente da sorologia. Se a vida não nos concedeu um amor é nosso dever criar algum por conta própria. Amar a nós mesmos, aos nossos amigos e principalmente a vida. Leio o blog há alguns meses e aproveito o espaço para compartilhar minha história com vocês. É grande =)

    Acabo de sair de um relacionamento de 2 anos com uma pessoa que acabou de descobrir a sorologia positiva. O HIV ou qualquer outra DST sempre foram uma preocupação minha, por isso sempre realizei exames periódicos mesmo namorando. Ele só havia realizado o teste uma única vez há bastante tempo. No mês de julho fiz um teste para controle e por acaso o informei, já que sempre acreditamos que bastava um de nós estar com esses exames em dia. Para nossa surpresa o teste realizado por ele logo após o meu deu reagente.

    Perdemos o chão e conforme os outros exames iam se confirmando, crescia dentro de mim um pavor intenso. Pelo fato de não conhecer nada sobre o assunto apesar de temê-lo e também pela incapacidade de poder fazer algo concreto por ele, como voltar no tempo e reescrever a história. Realizei mais exames e até o momento continuam não reagentes. Ele é uma pessoa incrível e tem tocado a vida com pensamentos positivos e tentando ao máximo ocupar a mente com o apoio da família e de um infectologista super humano e atencioso.

    Decidimos dar um tempo na relação até que as coisas se resolvam na mente dele e também na minha, pois estou enfrentando uma forte crise depressiva com direito a somatização e tudo. Acredito que estarmos juntos desse jeito só pioraria as coisas. Na maior parte do tempo me sinto muito triste por tudo isso, mas o amo muito e me sinto agraciado pelos momentos maravilhosos que compartilhei ao lado dele e por tê-lo salvado de um certo modo ao informar sobre o teste que realizei.

    A sorologia não deveria ser uma barreira afetiva para ninguém. Todos nós merecemos ser felizes. Daqui há algum tempo, esse bichinho será coisa do passado. Enquanto aguardamos por esse dia, não tenham medo de acreditar no amor e nos bons pensamentos e sentimentos. A cura para todos os males é VIVER e AMAR! Desejo isso a todos vocês.

  43. Dayana diz

    Falando em amor…Quando eu descobri ser soropositiva, contei logo para meu namorado com dois meses de namoro , foi muito sofrimento…Mas depois percebemos, que separados seria mais angustiante ainda (detalhe: ele é negativo). Dia primeiro vai fazer um ano que estamos morando juntos. Tomo meu remédio direitinho, (ele sempre fica me lembrando).
    … Fizemos amor 3 vezes sem preservativo, (loucura que deu de repente, sem pensar nas consequências…) De vez em quando eu o vejo, pelo cantos, calado, pensativo, com ar de preocupação, nesse momento eu sinto uma dor horrível no meu coração, uma dor inexplicável.
    Quando fico sozinha em casa, fico muito triste, me sentindo culpada. Sempre sonhei em ter um marido como ele, e quando o encontrei, aconteceu isso.
    Terça, eu vou receber meu exame de cd4 , e ele vai refazer os testes…
    Nós sonhamos muito em ser pais…mas a falta de informação que tem no posto é precária, muita gente pra ser atendido rápido, muitas dúvidas a serem esclarecidas, enfim…e o medo me predomina mais.
    Ja falei, que o meu maior erro foi de ter confiado em outra pessoa, e ele não é obrigado a pagar por isso. Pois quando amamos alguém de verdade, queremos ver-la feliz, mesmo não estando junto a ela.
    E nisso, estamos juntos vivenciando essa nossa historia até onde for…
    bjs pessoal. Muita força.
    Nós somos mais que guerreiros,

    • Fê... diz

      Forças garota…siga firme em seu relacionamento que vai dar sempre certo.

      Parabéns ao casal!!!

  44. Se alguém estiver em grupo no whatsap que fale sobre o assunto me adicionem lá (96)991875443 ou se alguém quiser conversar….

  45. Guilherme diz

    Boa noite pessoal, tenho 34 anos e vou começar o tratamento hoje, tomar meu primeiro comprimido….sou + a 5 anos e sempre relutei em tomar, graças a Deus meu cd4 e cv sempre esteve controlada, mas optei por tomar pra prevenir….na verdade minha infecto me convenceu a começar agora que estou bem do que esperar piorar….enfim….achei excelente esse espaço e fiquei muito mais tranquilo em relação aos efeitos colaterais que pelo q vi são apenas tontura, sensação de estar meio chapado e as vezes sonhos reais…..
    Mas estou com receio…..domingo tenho um aniversário pra ir e todo ano é véspera de feriado e vamos pra uma chácara…..agora estou com medo em relação a cervejinha…..é perigoso eu começar o tratamento hoje e no domingo “encher a cara”????
    Tem perigo de passar mau ou algo do tipo alguém sabe????
    Obrigado pessoal e muita saúde e paz a todos nós

    • André diz

      Não tem problema nenhum. Pelo menos sempre ouvi falar e minha infecto disse q não tem problema nenhum no consumo do álcool…. tanto é q como eu sempre tomo a noite, e acaba q nos fdss tomo e vou pra night e bebo normalmente .

      • Guilherme diz

        Valeu Andre, mas acordei super tonto hoje….fiquei o dia inteiro com uma pressão na cabeça, to até com medo de tomar umas geladas……mas vamos ver como vai ser….como foi o primeiro comprimido acho que vou esperar o próximo fds pra beber…..
        Você já bebeu logo na primeira vez que tomou o remédio??

        • André diz

          É assim msm Guilherme ! A sensação após o primeiro é muito doida ! Sensação de estar muito bêbu msm … rs. Eu fiquei assim tb qdo acordei ! E os sonhos muuito reais ! Mto vívidos. Até o terceiro é mais ou menos assim. Dps fica tudo normal, pelo menos comigo foi assim…. Mas eu não bebi não, até pq eu comecei a tomar numa segunda-feira (03/08). Mas no fds sim…. tomei a medicação normal e bebi sim. De boa.

  46. Guilherme diz

    Entendi…..que viagem né, tive uns sonhos muito loucos nem parecia sonho, acho q nem foi…kkkk….
    Nem vou beber então, vou esperar o próximo fds…..
    Mas valeu pelo toque.
    Faz tempo que vc tem???

  47. André diz

    uhauhahu virou um chat nosso ! Então …. descobri esse ano: dia 17/04.
    Não sei mais ou menos qdo foi…. sei q em 2012 fiz três testes durante o ano com intervalos de meses e não deu em nada. Tudo não-reagente. Acho q foi em 2013. E acho q foi do meu namorado na época. Em 2013 e 2014 eu não fiz testes. E tive comportamento de risco. Enfim…. sei q sou + há apenas 6 meses. E comecei o arv há 3 meses.
    Complicado…. ng sabe, ainda não tenho coragem de contar pra ng…. só uma pessoa sabe e msm assim já n tenho contato com ele.

  48. Guilherme diz

    Né…..rsrs
    Puts q foda, eu descobri faz 5 anos….fiquei em choque e peguei de um cara q conheci no carnaval e transamos sem camisinha por ele insistir muito….tipo o cara quis me passar, pq tinha doado sangue uns 4 meses antes e não tive relação com ngm depois…enfim…existe pessoas ruins…
    Cara a melhor coisa é você contar somente para quem você confia de verdade e mais ninguém…..
    Eu contei só para minha prima minha mãe e meu irmão….nem pro meu melhor amigo eu falei e nem vou falar, no começo queria contar e sempre ficava na duvida mas achei melhor não…..te aconselho a isso…..se vc tiver uma relação boa com sua família conte pra sua mãe que ela vai ser sua parceira….mãe é mãe…no começo é foda, mas depois passa até pq antes ter HIV do que ter uma hepatite ou diabetes, que é muito pior é devastador, ngm morre mais de aids e logo menos os medicamentos estarão mais modernos, vacinas e se Deus quiser a cura…..fica na paz e só conte para quem vc confiar de verdade e mais ngm….

  49. Juliano diz

    Olá pessoal…
    Achei interessante a discussão por aqui…
    Descobri ser soro há 11 meses e decidi ainda não tomar ARVs…
    CD4 690 e CV 4200 ! Estou com dúvida se começo ou seguro um pouco !

    Que acham ?

  50. Guilherme diz

    Juliano,
    Segura um pouco, se está td bem….mas vai se cuidando assim q cair vc começa .eu esperei 5 anos pra começar e tomei meu primeiro a 5 dias….

  51. Tenho vontade de ser mãe, não sou casada, poderia fazer uma inseminação artificial mas optei por adotar uma criança. A ideia esta sendo construída nos meus pensamentos e a cada dia que passa está mais forte, ainda vai demorar um pouquinho, quero terminar a minha faculdade, para ter um tempo maior com o meu filho. Entrei neste site depois que eu li uma reportagem que menos de 1% das crianças soropositivo são adotadas e achei um absurdo, li algumas reportagens sobre o HIV, tratamentos, depoimentos e também li alguns comentários que foram feitos nesta matéria. Não sou portadora do vírus HIV, decidi adotar uma criança soropositivo e vou amá-la muito e acredito que meu amor será o suficiente para ela se amar muito e permitir que os outros a amem também, quero ensiná-la que tem muita gente com preconceitos e faze-la compreender que essas pessoas precisam de compreensão, que elas não conseguem entender as inúmeras diferenças entre indivíduos que existem na nossa sociedade e que graças as essas diferenças nós, como individuos, conseguimos evoluir. Vou ensiná-la que todos nós vivemos um dia de cada vez e ninguém tem a certeza que estaremos vivos no dia seguinte e por esse simples motivos temos que fazer cada dia como o melhor dia das nossas vidas, vou incentivar para que ela tenha sonhos a longos prazos, independente da sua idade ou condição, porque estar viva para mim é sinônimo de sonhar e realizar esses sonhos com trabalho, honestidade e persistência. Não irei permitir que ela acredite que tem um monstro dentro dela porque não tem, ela saberá que tem um vírus e que precisará tomar remédios para ficar bem, apenas isso. Os monstros são aqueles que vivem dentro de pessoas que se boicotam, intolerantes, rancorosas, sem esperança na vida e para que possamos ficar longe desses monstros temos que nos entregar a vida, de braços abertos, permitir que a vida nos ensinem e prestar atenção para aprender com ela. E quando a gente faz isso, a gente chora sim, sente raiva, dor, angústia, frustação, desânimo. Mas também teremos momentos de risos, verdadeiras amizades, abraços, beijos, amores, paz…, e assim vamos construindo a nossa história…
    Enfim tenho muitas outras coisas que vou ensinar para minha pequena e espero que todos vocês também continuem ensinando uns aos outros a serem pessoas melhores, que continuem sonhando e correndo atrás dos seus sonhos. Todos tem um futuro quando não se pará de viver…, as pessoas que são bacanas pra gente sempre permanecem em nossas vidas independentes das nossas condições (soropositivo, homossexual, pobre, falido, feio, deficiente…) a gente só permanece na vida das outras pessoas quando a gente também os amam e as respeitam.

  52. Renata diz

    Que comentário lindo, schriscar! Me emocionei de verdade. Que bom seria se todos tivessem sua lucidez!

    • Paulo Roberto diz

      Renata, como você está? Dê notícias, eu fiquei preocupado com sua postagem anterior.

      • Renata diz

        Paulo, estou bem, na medida do possível. Muito obrigada pela preocupação. Contei a minha irmã, que é medica, minha angústia. A reação dela foi de total apoio, disse inclusive que vai comigo ao exame. Amanhã mesmo farei, acho que era a ponta de coragem que eu estava precisando.

        • Paulo Roberto diz

          Renata, mande sempre notícias!
          Obrigado por ter respondido, mas só hoje vi sua postagem!
          Estarei orando por você.

    • é isso aí, vida boa é com emoção, e qdo digo emoção não me refiro só as emoções boas, qdo nos sentimos ameaçados, com medo, raiva, é nessa hora que descobrimos o que a gente é e depois de tudo se tivermos coragem a gente bate um papo com o nosso eu para decidir se é assim que queremos ser.

      • Paulo Roberto diz

        schriscar, muito generosa a sua atitude. Seja feliz, e que Deus possa abençoar você ricamente.

  53. Renata diz

    Oi, Paulo Roberto. Estou bem, na medida do possível. Farei o exame hoje muito provavelmente, contei a minha irmã que me encorajou. Muito obrigada pela preocupação!

  54. Mary diz

    Olá, venho lendo o blog a pouco tempo e hoje preciso muito de ajuda, estou perdida e sem saber o que fazer, vou contar um pouco de mim.
    Tenho 42 anos, sou viúva e mãe de 3 filhos, perdi meu marido estupidamente para um enfarto, fui casada por 18 anos e muito feliz, então quando ele se foi meu mundo desabou, mas sempre acreditei na vida e acho que este estamos aqui para sermos felizes. Mesmo assim achava que seria impossível amar novamente.
    Pois bem, eu estava errada, há pouco mais de 6 meses conheci uma pessoa incrível e nos apaixonados, porém com pouco mais de 1 mês que estávamos nos conhecendo ele descobriu ser soropositivo, e tentou se afastar, mas acabou me contando o motivo. Bom eu o amo e não seria um vírus que mudaria isso, além do mais sou bem informada e pra mim o HIV é uma doença crônica que necessita de tratamento, nada além disso. Ok. Após o primeiro impacto o encorajei a procurar o médico, fez exames e à 3 meses começou o tratamento e aí nossos problemas começaram também, ele acorda mal, geralmente com mau humor e dor de cabeça e passou a acreditar que não tem condições de ter uma vida a dois (antes essses eram nossos planos), não faço cobranças, sou carinhosa e muito companheira, mas não se acha digno de viver esse amor, diz que não consegue retribuir tudo que faço, que não consegue pensar em romance…
    Quando estamos juntos é maravilhoso, mas ele está instável e se esquiva, diz que ele não é o melhor pra mim, que mereço ser feliz e ele não está bem.
    Estou completamente perdida, eu o amo muito e sei que me ama também, ele tenta terminar e eu acabo insistindo, acabo me magoando e realmente não sei mais o que fazer.
    Resolvi escrever para pedir ajuda, pois preciso entender o que se passa, acho que seja reação ao remédio, ou ainda pior, ele não se aceita.
    Gente li alguns depoimentos aqui onde dizem não querer um relacionamento, não pensem assim, o amor pode não curar o corpo, mas é capaz de curar a alma.
    Desculpem meu desabafo e a escrita, mas estou muito nervosa.
    Que Deus esteja com cada um de nós.
    Bj

  55. Paulo Roberto diz

    Mary. Entendo o dilema de vocês. Eu, por mim, não quero companhia – pelo menos não agora.
    Mas se você o aceita mesmo sabendo da soropositividade dele, e ele se esquiva, apesar de te amar também, penso que o melhor seria que ele procurasse um psicólogo.
    Nos CTAs tem atendimento psicológico gratuito. Pelo menos, onde eu me trato, tem.
    E mais: você acredita em Deus. Então peça a Ele que envie o Espírito Santo para acalmar e consolar seu marido.
    Se ele não quiser procurar um psicólogo, procure você. Explique seu problema e peça para que ele te oriente.
    Estarei orando por vocês.
    Abraços
    Paulo Roberto

  56. Mary diz

    Paulo Roberto, obrigada.
    Na verdade somos namorados, ele não quer ajuda psicológica e eu já faço terapia. Minha grande angústia é saber se esse comportamento é frequente e se é possível ser um efeito colateral do remédio.
    Sigo com fé em Deus, ele é agnóstico, acredito que nossos destinos não se cruzaram por acaso.
    Abraço.

  57. Paulo Roberto diz

    Bom, Mary… Então, que tal se você procurar um psicólogo? Um bom psicólogo poderá te ajudar a convence-lo.
    E, tenha a certeza, nessa vida, NADA é por acaso.
    Se ele é agnóstico, seja você a peticionária dessa causa junto a Deus.
    Deus tudo pode.
    Abraço

  58. Paulo Roberto diz

    Mary, me desculpe. Não li direito. Então, você faz terapia??? Já é um bom caminho, para saber como lidar melhor com essa situação.
    Insista com ele… mas tente compreender.
    O resto é tempo…
    Se cuide e cuide dele.
    Abraços!

  59. Mary diz

    Paulo, acho que você tocou na parte mais difícil pra mim, tempo…
    Quando se tem uma grande perda e ainda inesperada como eu tive, tudo passa a ser urgente, temos de viver o hoje da melhor maneira possível, o amanhã é incerto. Muito obrigada pelo carinho.
    Bj

  60. Ju diz

    Fascinante ler todas as histórias postadas aqui. É de humanidade tão grande que eu até consigo me esquecer do “problema”. Não sei se tenho HIV. Minha exposição é recente: fui pra cama 3x com um cara que havia recém-conhecido. Ele é legal e nos damos bem, mas não tenho intimidade suficiente pra perguntar sobre a vida pregressa dele e exames etc. Como o JS diz, um clássico “sorointerrogativo”. Me identifiquei um pouco com a história da Mary, pela questão da perda recente de um ente querido. Meu pai se foi há quatro meses, e, um mês e meio depois do fato, meu ex-marido me deixou (acho que ele não soube lidar com a loucura). Desde então eu vivo um pouco apavorada. Desenvolvi uma diarreia crônica, anterior à exposição. Não lido bem com isso e ainda não consegui saber o que é. Na verdade, como eu mesma digo para a minha psicóloga, entrei em um ciclo de autodestruição retroalimentável, e as relações sexual e emocionalmente desprotegidas fazem parte de tudo isso. Ando com um medo paralisante (sempre fui hipocondríaca, especialmente com o HIV). Tudo que eu sinto atribuo ao vírus: sensação de coisa parada na garganta, temperatura em torno de 36,8-37º à noite, espinhas, coceira… Sinceramente estou em pânico e isso já está transparecendo para as pessoas ao meu redor. Quando venho aqui e leio os relatos (já visitei o site algumas vezes antes), a sensação é dupla, de impotência e de um afeto/solidariedade incrível. Estou esperando fechar 30 dias desde a última exposição para fazer o exame com alguma margem de segurança. De qualquer forma, positivo ou negativo, sinto que já estou um pouco (ou muito) morta por dentro.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s