Notícias
Comentários 122

Consulta pública sobre os exames de CD4


logo_dstaidsO Ministério da Saúde determinou a ampliação, por mais 10 dias, do prazo da consulta pública sobre a “Periodicidade de consultas e seguimento laboratorial”, do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) para Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos. A atualização do protocolo prevê a diminuição da frequência de exames de CD4 (linfócitos T-CD4+) em algumas circunstâncias clínicas.

A proposta em consulta pública é necessária para melhorar a relação custo-efetividade do manejo do HIV no âmbito do SUS e baseia-se em evidências científicas e foi discutida no âmbito do comitê assessor para Terapia Antirretroviral em Adultos Infectados pelo HIV.

Desse modo, considera-se o uso mais racional do CD4 e reforça que nos pacientes estáveis, em uso de terapia antirretroviral e com carga viral indetectável, o foco do monitoramento laboratorial deve ser a detecção precoce de falha virológica. O resumo da proposta é que o exame de CD4 não deverá ser utilizado para o monitoramento clínico de uma pessoa vivendo com HIV/aids quando todas as seguintes condições abaixo estiverem presentes:

  1. Paciente assintomático;
  2. Em terapia antirretroviral (TARV);
  3. Com carga viral indetectável;
  4. Tenha apresentado dois exames consecutivos de CD4 com resultado superior a 350, com intervalo mínimo de 6 meses entre eles.

A proposta não prevê o fim dos exames de CD4, que são de fundamental importância para o monitoramento epidemiológico. O exame continuará sendo o principal teste de entrada do paciente no sistema público de saúde, logo após o teste positivo para o HIV.  A consulta pública está disponível no endereço: www.saude.gov.br/consultapublica, até o dia 20/06.


 

Anúncios
Este post foi publicado em: Notícias

por

Jovem paulistano nascido em 1984, que descobriu ser portador do HIV em outubro de 2010. É colaborador do HuffPost Brasil e autor do blog Diário de um Jovem Soropositivo.

122 comentários

  1. HopeAlways diz

    Seguindo a tendencia de paises desenvolvidos. Bacana vamos em frente sempre!!!

  2. Eu já estou seguindo este protocolo desde dezembro passado. 😛 (por conta própria)

    Vida adverte: não me “tomem” como exemplo, ou melhor “mau exemplo”…isso pode ser prejudicial !! rs

  3. Dere diz

    A minha infectologista já faz isso comigo, porque desde fevereiro(a descoberta) que meu CD4 mais baixo foi 680… firme forte e a 3 meses indetectável. Boa noite a todos.

  4. Pessoal, eu fui nomeada agenciadora do KIK e vim aqui especialmente para fazer uma seleção…as meninas que pediram!!.rs
    AGÊNCIA “SENSUELEN” (poucos entenderão..rs) estará fazendo por tempo indeterminado uma seleção de novos integrantes para compor o KIK.
    Requisitos :
    homens héteros (solteiros, casados, enrolados, tico-tico no fubá, amasiados, “amigados”..etc, etc)
    de qualquer raça, cor ou religião;
    de qualquer vila, bairro, lugarejo, viela, cidade, Estado, País, Planeta..rs
    jovem, velho, Matusalém..
    de qualquer profissão
    não é necessário comprovar renda ou mostrar extrato bancário;
    -não é necessário falar outras línguas.. ( tendo língua tá bão) 😛 (não precisa nem falar) a gente fala por eles ou nos comunicamos em Libras, fazemos gestos, mímicas) 😛
    -não é necessário ter “condução”.. (até “de a pé nóis qué)
    IMPRESCINDÍVEL mesmo é que seja HOMEM e HETERO e que tenha “SANGUE AZUL”
    ps:
    Currículo somente com fotos…fotos tipo (nude)…rs

    • Anderson Luiz diz

      Acho de péssimo gosto denominar portadores de HIV como pessoas que tem “sangue azul”. Perdeu oportunidade de calar-se

      • Anderson Luiz….se você preferir eu troco SANGUE AZUL por AIDÉTICOS…hahaha.. Qual é mais bonito?

        • Toni diz

          Que tal trocar “sangue azul”, por “soro+”?
          Pejorativos podem ser ofensivos. Também não gosto de ser rotulado de “Sangue Azul”, muito menos de Aidético.
          Uma pena comportamentos como o seu, em um local onde muitos vem em busca de informações ou até mesmo um conforto para seus conflitos.

          • MB+ diz

            Tony e Anderson,

            O termo sangue azul não é um pejorativo pois:

            Pejorativo é um substantivo (ou Adjetivo) que possui uma carga negativa ou ofensiva, que exprime sentido desagradável ou de desaprovação, de ordem psicológica ou social.

            E ser chamado de sangue azul é uma forma carinhosa de se expressar e nada tem de ofensivo ou negativo nisto.

            As informações e conforto sempre você achara aqui , independente de ser chamado de sangue azul …Aidético….soro positivo….pessoas vivendo com HIV/AIDS , HIV positivo ou sei lá o que mais , pois não é o que nos rotula que faz o que somos , mas sim o que somos o que nos rotula.

            A expressão “ter sangue azul” para qualificar um membro da nobreza , ser nobre de coração por estar aqui para ajudar os mais fracos , para escutar os que querem ser ouvido , para dar a mão aos necessitados , ou simplesmente ser nobre de coração e de alma.

            • HopeAlways diz

              Aeeeee arraasou MB+ esse povo nao sabe o q eh ser um verdadeiro sangue azul. #sangueazulsim

        • HopeAlways diz

          EU SOU SANGUE AZUUUUULLL VIDA E N ME OFENDO POR ISSO. TE AMOOOOOOO!!!! SANGUE AZUL AZULZINHO AZULZAO!!! 🙂 🙂

      • Anderson Luiz, não é maldade, é só uma expressão diferente para algo pesado.

        Fica bravo com a gente não. Eu de vez em quando brinco até com expressões mais pesadas, de gírias de alguns meios gls (que não vale citar aqui para não haver represálias).

        Fica na paz!

      • André, você já está no kik? qual o seu apelido lá? quem adiciona é o nosso amigo e Hope always.. Ele também seleciona os currículos..ele é suuuper criterioso..rsrsrs

        Beijos

  5. Mais Pesquisas

    PHILADELPHIA – Pesquisadores na Filadélfia estão liderando testes avançados sobre uma droga que muitos esperam que algum dia cure a AIDS.
    Os resultados sobre as duas primeiras fases foram tão bons que será dedicado a ele um segmento durante a Conferência Mundial da AIDS neste verão em Vancouver.

    Matt Fair está testando sangue de soropositivos para ver se uma forma alterada do Interferon A pode reduzir a quantidade de HIV.

    Durante décadas, os médicos usaram um grupo de medicamentos para controlar os sintomas.

    Mas o paciente tem de levá-los consigo para sempre – não curando AIDS.

    Agora, com um US $ 6 milhões, concessão de 4 anos do National Institutes of Health, os pesquisadores sob supervisão do Dr. Luis Montaner estão esperando para levá-la ao próximo nível – reduzindo o vírus no paciente e, em seguida, erradicá-lo completamente.

    “Talvez seja como Jonas Salk com a vacina contra a poliomielite ou algo nesse sentido. Como uma criança, essas idéias são ambiciosas, mas por ser fisicamente uma parte de um desses projetos é bom demais para ser verdade”, disse Fair, um assistente de pesquisa..

    A droga foi testada originalmente na década de 1980 sobre as vítimas da AIDS que não estavam recebendo o cocktail de estabilização e falhou.

    Agora ela está sendo testada por 20 semanas junto com as terapias atuais.

    Os dois primeiros ensaios menores foram positivos – este teste é maior estudo randomizado de AIDS no mundo.

    “Todo o seu sistema imunológico vai ser ativado no contato com esta droga -. Mesmo que o vírus esteja sendo mantido em remissão pela droga. Em um ponto adiante você pode remover as drogas reais que mantinham o vírus nos reservatórios e seu corpo vai fazer o resto “, disse o Dr. Montaner, do Instituto Wistar.

    Alguns membros da LUTA, o grupo local de conscientização sobre a Aids, estão sendo testados, disse Grace Rutha.

    Ela fala para os 30.000 doentes de AIDS na Filadélfia, é além de emocionante.

    “Para a comunidade de HIV, isso vai ser uma virada de jogo. Vai reconciliar famílias e vai ajudar as pessoas a viver vidas normais e gerenciar”, disse Rutha.

    Os resultados desta fase não serão completos até 2017, mas este teste multi-institucional, incluindo a Universidade da Pensilvânia e outros, está gerando a maior emoção jamais vista em muito tempo.

    Segue o link original:
    http://abc7.com/health/researchers-in-philadelphia-testing-drug-that-may-cure-aids/770602/

  6. js.acriano diz

    Pessoal, boa noite.
    Já tem algum tempo que acompanho este blog, porém, sempre fiquei na minha e nunca teci nenhum comentário. Descobri que era soro positivo em 04 de dezembro do ano passado e foi um verdadeiro choque pois jamais passou pela minha cabeça que me enquadraria no que chamam de “grupo de risco”.
    Sempre mantive relações sem utilização de preservativo em relacionamentos estáveis e sempre fui muito discreto com a minha sexualidade, porém, quando decidi fazer o teste rápido e o resultado deu positivo quase tive um troço.
    Além disto, o mesmo também foi positivo para sifilis (outro tapa na cara). Quando a minha carga viral saiu, refiro-me ao primeiro exame, constatou-se que a minha CV era – 40 e a minha infecto ficou espantada pois, segundo ela, nunca tinha visto algo semelhante, pelo menos, não em alguém que nunca tinha feito o uso do TARV.
    Tanto é que ela pediu para que eu repetisse a minha sorologia pois desconfiava que a minha sifílis havia interferido no resultado do exame.
    Fiquei super contente e me enchi de esperanças, afinal, poderia ser que meu resultado, desta vez, fosse negativo. Infelizmente não foi e comecei a usar o 3 em 1 em fevereiro do corrente ano.
    Senti pesados efeitos colaterais na primeira semana, contudo, elas foram diminuindo e hoje, após quase quatro meses de medicação, sinto-me absolutamente normal. A sifilis já foi tratada e não sinto absolutamente mais nada.
    Estou escrevendo isto pois em todos os comentários percebo que quando se descobre o resultado da sorologia como sendo positivo, a carga viral sempre é muito alta e, hoje, vi um comentário que falava que o indetectável teria carga viral de 0 a 90 (mais ou menos isto).
    Como só tenho consulta com a minha infecto no final de julho fiquei com uma pulga atrás da orelha: como é possível que eu tenha CV – 40 (isso mesmo: menos quarenta) se eu não utilizava nenhuma medicação? Alguém, mesmo após o uso da TARV já chegou a ter uma carga viral semelhante? Isso é realmente possível ou você acham que possa ser que a sifilis possa ter interferido no meu resultado duas vezes seguida? Devo pedir novamente para a minha infecto exame da minha sorologia já que, desta vez, a sifilis está tratada?

    • Luiz Carlos diz

      Também me assustei com a minha CV. Minha relação de risco que muito provavelmente me levou à infecção ocorreu há muitos anos, e descobri apenas em Março deste ano que eu era soropositivo. Todas as pesquisas indicavam que após a contaminação, a CV iria às alturas e depois poderia se manter an casa de 10ˆ4 a 10ˆ5 por muitos anos, porém minha CV era de 369 antes do início do tratamento.

      Depois de muito pesquisar, descobri que eu era um “Controlador Virológico”. Na prática, nada muda. Você, com CV de 40, é muito provavelmente um “Controlador de Elite”. Nós temos mais chances de retardar a AIDS por mais tempo, ou até não desenvolvê-la. De certa forma somos especiais, porém nada disso nos exclui de iniciar a TARV o quanto antes, para evitar infectar outras pessoas. Não se preocupe e não se assuste, também fiquei muito assustado com o meu resultado de CV. A única infelicidade para nós é que estudos apontam que quanto menor a CV, mais lentamente se recupera o CD4, mas não adianta ficar paranóico com isso, estando em TARV, indetectáveis, e a relação de CD4 aumentando, mesmo que lentamente, significa que estamos efetuando progresso.

      Abraços!

      • vivendopositivo diz

        js.acriano, o termo “indetectável” não é um diagnóstico “fixo”, ele vem caindo ao longo dos anos com a produção de exames mais precisos. Atualmente, existem laboratórios que o indetectável é <20 cópias/mL. No SUS até poucos anos era <60, mas agora já é de <40. Isso depende da precisão do exame, quem sabe daqui cinco anos não se detecte uma única cópia por mL? Então os indetectáveis serão os RNA viral zerados no sangue.
        Como a maioria dos laboratórios usa o que detecta no mínimo 40 cópias, você estava já no limite do detectável.

        Luiz Carlos,
        Gostaria se possível, a fonte dessa informação, você teria o link da pesquisa? Nunca li nada a respeito disso. Você não confundiu com CD4 baixo versus infecções antigas demorarem a recuperar a imunidade?

        • Luiz Carlos diz

          vivendopositivo,

          Existe uma série de artigos que abordam este tema:

          Difference in the CD4+T lymphocytes activation between long term non-progressors and typical progressors of HIV-1 infected patients

          Thirty Years with HIV Infection—Nonprogression Is Still Puzzling: Lessons to Be Learned from Controllers and Long-Term Nonprogressors

          Já li mais alguns, porém preciso procurar mais a fundo.

          Abraços

  7. Herivaldo Virulato diz

    Instalei o kik. Criei um email novo pra isso. Agora como eu encontro vocês?

  8. Digo diz

    Meu “protocolo” já segue essas diretrizes. Em conversa franca com meu infecto, chegamos à conclusão de que os exames trimestrais de CD4 só causavam estresse, pois a oscilação é constante e sempre que há uma baixa, por menor que seja, eu ficava preocupado.
    Segundo ele, o mais importante é seguir o porcentual de CD$, e o meu, que já foi da casa de 25%, hoje está em 40% (às vezes mais, às vezes menos).
    Portanto, atualmente só fazemos CD4 duas vezes por ano.

  9. Gustavo diz

    alguem aqui pode me responder se eu consigo sacar o fgts e qual procedimento?

    • Anderson Luiz diz

      Pode sim, é necessário um relatório do seu médico em letra legível porque até isso a Caixa pega no pé , aonde conste o código da enfermidade, junte documentos pessoais, carteira de trabalho e vá em uma agência da caixa . Na recepção ao ser abordardo pelos estagiários diga que seu caso é saque autorizado de FGTS não precisa dizer o porque .

    • Luiz Carlos diz

      Um detalhe adicional ao comentário do Anderson. O médico apenas precisa fazer um Atestado (certifique-se que diz Atestado ou Atestado Médico, e não Comprovante ou Certificação). O atestado tem apenas que dizer que você trata de doença CID B24.

      Com o atestado em mãos é só se dirigir à Caixa com a carteira de trabalho e número do PIS/PASEP. Em 5 dias úteis o dinheiro é liberado. O único inconveniente é que para quem não é correntista da Caixa, o saque só pode ser feito em dinheiro. Tive que esperar mais de 30 minutos até que trouxessem um malote com o dinheiro, e saí correndo para o carro e então até o Itaú para depositar a quantia que saquei.

  10. farmacêutico diz

    Boa tarde!
    A primeira vez que vi esta discussão foi no CROI 2011 ou 2012 não me recordo direito, segundo o autor do estudo depois de um certo período que o paciente esta em tratamento com carga viral indetectável e CD4 em um patamar aceitável o acompanhamento deste indicador passa a ser irrelevante, segundo o autor o exame torna-se fator de estresse para o paciente, pois variações comuns que ocorrem de um exame para outro não têm relevância clinica, gerando preocupação em demasia aos pacientes, sugeria o autor que os exames fossem feitos semestralmente ou até anualmente.
    Convenhamos que ocorre uma tensão pré e pós exame de CD4, muitas vezes injustificada, que só é elucidada após a visita a médico.

  11. JS, me dá licença para um desabafo? Conheci pessoas maravilhosas através de seu blog, mas sou do tipo que gosta de atenção rs.

    Dias vem, dias vão. E o Binho tá levando a vida. Semaninha não muito boa. Uma alergia esquisita, no trabalho complicado.
    Apesar de tudo meu corpo tá melhorando. Meu coração tá no ritmo natural. A cabeça deu uma leve bagunçada, mas quem não tem dias ruins?
    Bora tocando a vida, pq se não a gente senta e chora. Mas nada se resolve assim.

    • Pode desabafar à vontade, binhomais.. Dias bons e dias ruins todos temos. Nos ruins, me ajuda lembrar de olhar pro HIV pelo que ele é: um vírus. O resto, o que ele significa, é só invenção da nossa cabeça.

  12. Vhiver+ diz

    Olá pessoal, quem quiser conversar meu nick no skype é: vhivermais
    Um bom fds a todos!

  13. HopeAlways diz

    Quem ainda n sabe o q eh o kik eh um app p android e iphone. So baixar e se inscrever. O grupo do js la ta bombando rsrs como disse a vida. Ta lotado pois so cabem 50 membros, mas rola uma fila pra quem se interessar em entrar caso rolem novas vagas. So me add hopealways6.

  14. Pessoal temos que tomar vacina para pneumonia, ou não, ou a critério, nenhum infectologista me informou nada sobre isso, só falam na vacina da gripe, alguém sabe me informar? Obrigado 

  15. Paulof diz

    Tem sim EgC, sao duas; pneumo 13 e apneumo 23! Porem devem ser administradas com cd4 acima de200! A pneumo 13 so particular!

  16. bebeto diz

    Molécula que engana o vírus HIV e faz ele se autodestruir é descoberta
    Ciência, Doenças, Saúde, Saúde

    Mais uma boa notícia para portadores de HIV, não é a cura, mas é animadora.

    Um novo e importante passo foi dado por pesquisadores da Universidade de Drexel, nos EUA, que descobriram uma molécula que engana o vírus e faz ele se autodestruir.

    A novidade, chamada de Ação Dupla de Inibição Virolítica (DAVEI, na sigla em inglês), combina componentes modificados da imunidade do HIV com uma proteína que faz o vírus abrir mão de sua proteção. Assim, o DAVEI faz com que o HIV disperse seus componentes, como se ele estivesse acoplado a uma célula. O resultado é a destruição do vírus.

    Um dos maiores obstáculos das buscas da cura da Aids é o fato do vírus HIV desenvolver rapidamente imunidade em relação aos remédios. A pesquisa pode ser uma das alternativas a quebrar este problema.

    Ainda há muita pesquisa para ser desenvolvida em relação a tal descoberta, mas ela é um avanço importante. A descoberta é um método mecânico de desativar o vírus HIV –o que, teoricamente, tem potencial maior do que os remédios.

  17. M. diz

    pessoal fiz exame de sangue e está td bem mas minhas plaquetas estão em 143.000 ou seja abaixo de 150.000 que é o normal. Já aconteceu isso com algum de vcs?

    • Luiz Carlos diz

      Nada para se preocupar por enquanto, o nível de plaquetas cai por uma série quase infinita de razões, que vão de reações medicamentosas, infecções (até gripe causa queda de plaquetas), tratamentos quimioterápicos, doenças imunológicas, etc. É importante o monitoramento. Se caírem mais ainda, cabe reposição.

      Manter uma vida saudável (evitar álcool, drogas, e procurar uma alimentação balanceada) também ajuda na reposição de plaquetas.

  18. Gil diz

    Socorroooo, socorroooo… Pessoal, preciso da ajuda de vocês, leitores para uns pitacos…
    É que ontem viajei, tomei a TARV no horário certo, mas misturei umas comidas, passei mal e vomitei. Isso talvez pela viagem, o sacolejo, sei lá.
    Acontece que vomitei umas 3h30 depois de tomar a TARV, senti o gosto do remédio.
    Pensei, como todo bom neurótico: PRONTO… saiu o remédio todinho!
    Não sabia se eu tomava mais uma dose, se o corpo havia absorvido a medicação, se não absorveu, ter vomitado equivale a não ter tomado a medicação.
    E, caso eu tenha expelido a dosagem, o que fazer? Tomar outra dose? Perderei o efeito de ter falhado este dia?
    Vou completar um mês com a TARV esta semana… estou muito, muito precoupado, pois é domingo, não sei o telefone da infecto… podem me ajudar?

    • Luiz Carlos diz

      Calma amigo. Comprimidos são absorvidos pelo estômago a partir de cerca de 30 minutos após a sua ingestão. Obviamente isto varia de pessoa para pessoa. O “gosto” do remédio pode ter sido apenas o excipiente, ou seja, o que complementa a massa mas não faz parte da medicação em si. O 3×1 é uma droga com meia vida muito longa, portanto admite perda de dose. Apenas tome a próxima dose no horário de costume.

      No início do tratamento o ideal é tomar a dose o mais próximo do horário de deitar, longe das refeições, pois as náuseas e tonturas são efeitos colaterais muito comuns. Tomando o remédio na hora de deitar fica mais fácil de evitar que o organismo sinta estes efeitos.

  19. Gabriel diz

    Gil, relaxa. Continue tomando normalmente no horário. Nada de dose extra.

  20. xande diz

    Pessoal, uma coisa me deixou com medo…
    Vcs acham que um dia, diante de tantos cortes do governo em tantas áreas, e com a crise que nosso país está passando, se haveria uma possibilidade de faltar nossa preciosa medicação no SUS… fiquei tão apreensivo pensando nisso.. =(

  21. Acqua diz

    Olá,

    Confirmei na semana passada que sou portador do HIV, estou em uma montanha russa de sentimentos, li várias textos e comentários aqui, que me deixaram mais seguro e confortável. Hoje vou a minha primeira consulta com o infectologista, estou uma pilha de nervos, dúvidas e medos. Criei uma conta no kik, gostaria muito de conversar, caso alguém se disponha: aquariano27

  22. Pesquisa 11Jun2015

    Como os “controladores de elite podem revelar a chave genética do HIV e estabelecer a cura!

    Ë uma questão envolvida em muito mistério e esperança: Por que algumas pessoas com HIV nunca se tornam doentes?
    Pesquisa publicada na quinta-feira na revista médica PLOS patógenos oferece mais pistas para juntarem-se ao quebra-cabeça que, um dia poderá levar a uma resposta – e até mesmo uma cura ou uma vacina para a AIDS.
    Cientistas do Hospital Geral de Massachusetts e do Instituto Ragon analisaram o que acontece quando o HIV infecta as células dendríticas de pessoas portadoras do HIV e que cujas infecções nunca progridem e nunca se tornam doentes. Essas pessoas são conhecidas como “controladores de elite.”
    A pesquisa mostra que as células dendríticas, em particular, desempenham um papel fundamental na montagem da bem-sucedida resposta imune ao HIV.
    Acho que das células dendríticas, como hardware de computador para o corpo – eles vêm como padrão em toda as pessoas. Da mesma forma, imagine células T como software instalado em cada um de nós, fazendo o trabalho de matar os vírus. Sem o hardware (células dendríticas) estar funcionando corretamente, o software (células T) não é pode carregar e funcionar adequadamente .
    As células dendríticas “correm” para a cena das infecções . Eles patrulham o nosso corpo como uma polícia contra a infecção . Quando há problemas no local, eles se intrometem e passam as informações sobre a infecção para as células T (CD4), que muitas vezes, pensamos são as células que fazem a tarefa mais difícil: debelar a doença.
    O que eles descobriram foi que para a maioria das pessoas , as células dendríticas tem o poder debloquear de imediato infecção pelo HIV e mantê-lo sem que possa se reproduzir. Isto pode soar como uma boa notícia, mas, na realidade, as células dendríticas, realmente têm feito seu trabalho quando isso acontece. Ao fazê-lo, as células dendríticas expressam proteínas necessárias para que, em última análise, brilhe uma luz para as células T , ou CD 8 “killer” e o CD4 “helper”, as células que, depois, vem no encalço do vírus . As células dendríticas não matam o vírus completamente, por isso, continua a divulgar e replicar em todo o corpo a informação necessária para debelar a infecção ou, ao menos, para mantê-la sob controle, o que em grande parte das vezes não é realizado pelo sistema imune .
    Mas, as células dendríticas controladores de elite, são capazes de realmente deter o vírus porque lhes falta uma certa proteína chamada SAMDH1 que teria, inicialmente, a função desbloquear replicação viral. Ao fazê-lo, as células dendríticas podem, então, fazer soar o alarme de invasão, expressando-se através de uma proteína chamada cGAS, alertando as células T de forma que possam reconhecer o HIV como um invasor presente e para montar uma resposta imunológica poderosa .
    “Agora estamos concentrando-nos em entender completamente todos os componentes necessários para desencadear a ativação das células dendríticas durante a infecção pelo HIV, o que pode ajudar a induzir a uma resposta pelos controladores de elite independentemente de drogas – a remissão do HIV em uma população de pacientes mais amplo”, explicou Dr. Xu Yu. Yu é um professor associado de medicina na Escola de Medicina de Harvard .
    O Ragon Institute é composto de cientistas formados no Hospital Geral de Massachusetts, MIT e Harvard.
    Voce pode ler o comunicado de imprensa do Hospital Geral de Massachusetts sobre a pesquisa, e examinar o papel científico real neste site:

    http://journals.plos.org/plospathogens/article?id=10.1371/journal.ppat.1004930#abstract1

    http://journals.plos.org/plospathogens/article?id=10.1371/journal.ppat.1004930#abstract1

  23. 14Jun15 Pesquisa

    INJETÁVEL PARA HIV? ELE PODE ESTAR DISPONÍVEL MAIS CEDO DO QUE VOCÊ IMAGINA!

    Pessoas que usam Truvada como profilaxia pré-exposição (PrEP) e aqueles já infectados com o HIV podem, em breve, serem capazes de dizer adeus às suas pílulas diárias do esquema. Pesquisa Apresentada no fim do mês passado No 16º Workshop Anual sobre Farmacologia Clínica de HIV e Tratamento da hepatite C em Washington, D. C. , mostra uma promessa para uma PrEP mensal, ou mesmo injetável e trimestral, dose de Cabotegravir.

    http://natap.org/2015/Pharm/Pharm_51.htm

    “No momento em que vi o primeiro cartaz sobre A GSK744 do IAS em Washington, D. C. , em conferência Julho de 2012, eu imediatamente reconheci que esta foi o sofá da apresentação na conferência “, disse Jules Levin, diretor executivo do NATAP, que apresentou a atualização .
    “Esta seria uma grande evolução no tratamento do HIV e Prep. Imagine – tratamento do HIV a cada três meses, de uso injetável.
    O que é um grande desenvolvimento, um grande avanço na ciência .”
    Cabotegravir, é um inibidor de integrase de longa duração. Trata-se de uma nova geração de medicamentos, diferente do atualmente utilizado Truvada da Gileade, em uso como Prep nos dias de hoje, que tem sido uma “estrela ao longo de muitos anos.
    Cabotegravir, também conhecida como A GSK 444, ainda não foi aprovado pela U. S. Food and Drug Administration. Ele está sendo desenvolvido em conjunto pela Glaxo Smith Kline e ViiV Healthcare.
    Usado como Prep, a droga está em fase II e III dos ensaios clínicos entre os homens que têm relações sexuais com homens e transexuais, bem como mulheres nas Américas e na Tailândia. Ele Já se provou ser seguro e eficaz para evitar a transmissão via vaginal do HIV em macacos.

    http://newswire.rockefeller.edu/2015/01/15/long-acting-drug-effectively-prevents-hiv-like-infection-in-monkeys/

    Os resultados dos testes da PrEP em homens são esperados para o final deste ano e no início do próximo ano.
    Usado como um tratamento injetável de uso longo e duradouro no tratamento de pessoas infectadas pelo HIV, espera-se a introduzir os ensaios da fase III Cabotegravir, juntamente com uma outra droga, Rilpivarine, no início do próximo ano.
    Ensaios preliminares já demonstraram eficácia e segurança. A droga seria injetada nas nádegas.

    Por: David Heitz

  24. Gil diz

    Que legal, duas boas novidades. Creio que em breve obteremos avanços significativos para uma cura. Mas o fato de tomarmos uma injeção e ficarmos sem tomar os comprimidos vai melhorar ainda mais a qualidade de vida das pessoas com HIV.
    Hoje eu vi uma menina com HIV/AIDS que herdou o virus da mãe. É aluna de uma escola que dou consultoria. Ela estava muito mal no ano passado, chegou a contrair tuberculose. Mas é uma família muito privada de condições, se alimentam mal, poucos hábitos saudáveis, dentes podres, uma pena, ela tem quase 15 anos e um corpo de 8 ou 9 anos. De 4 meses pra cá ela mudou de casa, um parente está cuidando, adotou a medicação com responsabilidade e ela cresceu, se desenvolveu, está sadia, ganhando peso, cor saudável, atitude, melhorou na escola… fiquei muito feliz e surpreso. Ela não tem, segundo o parente, mais AIDS, esta regrediu e ela é portadora do virus, como eu e a maioria dos que escrevem aqui.
    Falei há um mês com a mãe dela, meio por acaso o diretor apontou. Ela está saudável também, mesmo com uma vida desregrada e já tem o HIV há mais de 15 anos…
    Na filha a doença agrediu porque moravam no sertão e em crianças o virus é mais agressivo, ainda mais em uma situação de desestrutura socioeconômica e emocional.
    Isso me anima, porque a medicação é eficaz, nos manterá saudáveis por longos anos, até que a cura seja possível de ser popularizada.
    Moçada, força na peruca!
    Eu estava ontem mais assustado, hoje consegui informações com a médica e me tranquilizei.
    Estou conseguindo lidar bem melhor com a situação, estou me estruturando bem, do ponto de vista emocional e já penso em começar a atender na clínica, após uns cursos que farei e de uns livros e artigos que vou começar a ler, os pacientes recém-descobertos com HIV-AIDS.

  25. fernandescarioca diz

    Isso a aí Gil ! Boas notícias. Sucesso ! Não é o fim do mundo, em breve vamos ter sim a Cura ! Eu creio nisso e todos aqueles que aqui postam e se contaminaram recentemente. Um abraço.

    • Gil diz

      Sim. Continuei atendendo na clínica, já tive pacientes com HIV no Sul, mas não havia me especializado neste público. Agora, que estou do” lado de cá”, quero ajudar as pessoas que precisam. Abraço, Fernandes!,

    • Alguém sabe informar se mesmo tendo câncer uma pessoa continua com números de CD4 altos? Meu infecto falou que era muito improvável. Alguém pode tirar essa dúvida?

      • Luiz Carlos diz

        Muito improvável, ora pelo cancer em si, ora pelo tratamento,que sempre agride células boas além das células com a doença. O mesmo vale tanto para soropositivos quanto para soronegativos.

        • Não estou, só uma pergunta de rotina, já que meus CD4 estão em 1050 e carga viral indetectável a dois anos.

  26. Guerreiro Azul diz

    Fiz um kik aqui.
    Guerreirodf77, sei nem pra onde vai isso…

  27. Gabriel diz

    Hoje estou muito feliz. Me “livrando” dos 4 comprimidos. Recebi o 3 em 1. Vai facilitar muito a minha vida, ja que tomo escondido. 🙂

    • Rick diz

      Que bom Gabriel! Qual era sua medicação? Estou tomando o tenofovir + atazanavir + ritonavir, ou seja, tomo três comprimidos ao dia! Alguém aqui no blog nessa medicação?

      • Paulof diz

        Gabriel, vc teve ictericia com o Atazanavir? Ou outro efeito colateral

          • Rick diz

            Não percebi essa icterícia de início não, aliás eu nem sabia que tinha esse efeito colateral, vi aqui no blog um dia desses! As vezes no canto dos olhos fica amarelado, mas tomo bastante água para evitar! Fale com seu médico a respeito! Tomo o ritonavir com o atazanavir há quase três anos!

      • Guerreiro Azul diz

        Eu tomo esse esquema, faltou vc lembrar da lamivudina Rick.

        Ainda tenho alergia, esporadicamente o corpo esquenta muito, principalmente região do pescoço, fico com a pele bastante irritada, vermelha, quando passo tempo sentado no sofá assistindo algo, deitado então…

        A infecto não sabe mais o q fazer, pois achava que a alergia era do efavirenz, sobrou pro tenofovir ou lamivudina. Mesmo melhorando comparadas ao que estava, as manchas não sumiram e tipo que se instalaram no corpo.

        Além disso, na troca do efavirenz por ritonavir e atazanavir, ganhei icterícia por causa deste último.

        Estou com medo de trocar novamente toda medicação e ter outros efeitos piores.

        Não sei o q vai ser, pois estou com psicológico no limite.

        • Secret Guy diz

          Guerreiro,

          se vc tiver problema com o tenofovir + lamivudina vc pode usar o Biovir também.

          • Guerreiro Azul diz

            Oi Secret Guy, ouvi falar do biovir, que causa diarréia, anemia, etc. Já estou com icterícia do atazanavir, meu medo é piorar mais ainda.

        • Brumo diz

          A quanto tempo vc está nessa combinação? Fez exame de genotipagem?

          • Guerreiro Azul diz

            Iniciei o tratamento com 3×1 em fevereiro. No dia 12 de Maio troquei por esta combinação:

            ritonavir+atazanavir com tenofovir+ lamivudina que já tomava no 3×1.

            Achava que as alergias iriam sumir, mas apenas deram uma amenizada. Estou sempre com corpo muito quente, a pele irritada facil, além de ainda ter manchas do primeiro esquema, o que me leva a crer que o problema é com tenofovir+lamivudina.

            Com ritonavir+atazanavir ganhei icterícia, mas de resto me sinto mais disposto do que quando tomava o bendito efavirenz e não tive outro problema.

            O meu problema é todo esse de pele, tenho medo de trocar e me lascar de vez. Me sinto em uma sinuca de bico, cabeça a mil, estima baixa e sem perspectiva.

            Sempre tive corpo bacana, sempre gostei de malhar, sempre fui vaidoso, assediado, etc.

            Desculpem o desabafo, mas já tem 4 meses que minha vida social tá off, por vergonha não uso mais minhas regatas, não malho mais, não jogo mais futebol, não chego nem perto da piscina, ando me escondendo das pessoas sempre que posso com medo de notarem minha cor amarelada.

            A única coisa que gostaria é de seguir meu tratamento sem complicações, há 4 meses eu insisto na esperança de esses efeitos passarem, porém apenas amenizaram pouco.

            Não tenho mais palavras pra expressar minha frustração, decepção e tristeza.

            • Brumo diz

              Eu tive o mesmo problema de alergia na pele com o 3×1. Nao foram simples pintinhas ou manchas vermelhas. O corpo foi tomado por uma crosta em alto relevo. Tomei antialergico e nada. Foram dias assustadores. Fiquei péssimo e frustrado. Enfim, resolvemos mudar o meu esquema. Antes fiz exames para ver se o efavirenze tinha alterado alguma taxa minha. Dito e feito, fígado (tgo e tgp) nas alturas. Mais momentos de pessimismo. Eu só queria seguir meu tratamento em paz. Infecto pediu pra esperar um mês até nova medicação. Refiz exames semanas depois e taxas do fígado de volta ao normal. Estou bebendo agua como nunca o fiz antes, e evitando ao máximo fritura. Até agora ok. Estou torcendo muito para que as coisas melhorem pra vc. Qualquer coisa converse com seu médico mais a sério. Exponha o que mais está lhe angustiando. Com certeza ele vai saber a melhor forma de contornar isso. Só não desista. Abraçao.

              • Guerreiro Azul diz

                Oi Brumo,

                Os rashs que tive tbm foram muito fortes, tanto que não me abandonaram por completo mesmo após 4 meses de tratamento, mesmo trocando esquema.

                Meus últimos exames alteraram apenas as bilirrubinas (devido ao atazanavir) e ggt que estava um pouco acima de 100, mas de antes de ter esse vírus às vezes ggt dava alteração, pouca, mas dava. Tgo, tgp, hemograma, triglicérides, etc, todos se normalizaram após trocar esquema.

                Quando estava tomando 3×1, quase todos esses estavam altos.

                É mais um motivo que está me segurando a não aventurar novamente outra medicação.

                Se não fosse essa icterícia e pele ainda com manchas irritando constantemente estaria com minha vida normal.

                O problema é que essa parte estética me tirou muita coisa que gostava de fazer, vestimentas, isso mexe muito com meu psicológico….

                • Rick diz

                  Sempre tomei Atazanavir com ritonavir e meu TGO e TGP nunca deram alterados!

      • Brumo diz

        Eu tomo essa medicação tmb. Por enquanto tudo ok. Meu maior medo é a ictericia.

  28. Gabriel diz

    Não tive problemas com a minha combinação… Me dei super bem com ela. Tomo há 2 anos o EFAVIRENZ (1 COMP) , TENOFOVIR (1 COMP) E LAMIVUDINA (2 COMPS)… Agora todos só em 1 só.

  29. Gustavo meu marido pegou o fgts com o primeiro exame de soro positivo atestado do medico com codigo do ‘cid’ carteira de trabalho comprovante de endereço cartão cidadão ; vc tira um extrato do seu fgts é leva junto e na cx eles ao atualização. Ok boa sorte. Abraço ermao

    • Gustavo diz

      Obrigado Luciana… Semana q vem eu vou na infecto e vou pedir a ela um atesntado.. Eu tenho os exames normais q eu fiz, ae nao sei se vai valer, mas p garantir eu vou pedir a ela um atestado… N carteira tem meu numero do pis ae levarei na semana q vem.. esper q eu consiga. Obrigada! :)))))

      • Luiz Carlos diz

        Só precisa do Atestado (como eu falei acima, tem obrigatoriamente que estar escrito ATESTADO, não pode estar Declaração, ou algo do tipo), constando o CID, de preferência B24. Documento de identificação e a CTPS, nada mais.

  30. hmax+ diz

    Pessoal, depois de dois meses de tratamento, atingi a carga viral indetectavel, ate agora sem nenhum efeito colateral. Estou muito feliz!!!!!!!! Agora só aguardar a cura, sentimos que ela está chegando. OBRIGADO A TODOS, este espaço é maravilhoso, com os post e comentários optei pelo tratamento, devo isso a vocês. #VIDA#INDETECTAVEL#TAMOJUNTO

  31. GuiPR diz

    Olá amigos.
    Estou tendo dificuldades em manter meu tratamento pelo SUS. A minha cidade recebe soropositovos de quase toda região, isso acaba sobrecarregando único CTA. Hoje fiquei pouco mais de 3 horas aguardando a consulta, mas já cheguei a ficar 4 horas. O pessoal é atencioso e acolhedor, porém está inviável continuar. Passei a tarde procurando planos, uns com co-participação e outros sem. Alguém faz o acompanhamento com planos privados? Se sim, qual modalidade me indica? Quais nossos direitos?
    Meu e mail é gilundetectable@outlook.com, caso queiram trocar experiências.
    Abs.

    • Gustavo diz

      eu vou na infecto no particular mesmo pois pelo CTA é impossivel de taaaanto q demora.. esta ultima vez eu marquei ja fez tempo p essa semana, um di antes eles me ligaram e desmarcaram ae novamente tive q marcar no particular

    • Luiz Carlos diz

      É difícil responder isso pois cada plano tem suas peculiaridades e os preços variam muito de cidade para cidade. A primeira coisa é procurar quais infectos atendem na sua cidade por quais planos de saúde, afinal não adianta contratar um plano e então descobrir que não há infecto que atenda neste plano por aí. Depois disso você deve procurar sobre os planos, mas para consultas simples em consultório e exames de sangue simples todos cobrem.

    • Digo diz

      É preciso saber também se o plano exigirá alguma carência ou se tem alguma restrição à doença previamente adquirida. Meu plano, por exemplo, cobre meus exames e consultas, mas cada vez de forma mais burocrática e demorada. Porém prefiro utilizá-lo pela privacidade durante as consultas.

  32. O IAS e o Rumo Conselho Consultivo um de cura Stakeholder HIV vai organizar a quarta anual Rumo a uma cura Simpósio HIV em Vancouver, Canadá, em 18 e 19 de julho de 2015, imediatamente anterior à Conferência da IAS 8 sobre HIV Patogênese, Tratamento e Prevenção (IAS 2015) .

    O simpósio vai continuar a mostrar o mais recente investigação na cura de HIV, mas também fornecer uma plataforma para apresentar o progresso da iniciativa de grupos de trabalho e criando um ambiente fértil para o diálogo com a comunidade em geral, através abstratos conduzido sessões, sessões de exposição de cartazes e mesas-redondas .

    O simpósio será co-presidido por Françoise Barré-Sinoussi, Director do regulamento de Retroviral Infecções Unidade, Institut Pasteur, França, Steven Deeks, professor de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco (UCSF), Estados Unidos, e Sharon Lewin, diretor do Instituto de Doherty de Infecção e Imunidade, da Universidade de Melbourne, Austrália.

    Objetivos do simpósio
    Proporcionar uma oportunidade para os cientistas que estão trabalhando em cura de HIV para compartilhar ideias, debate e rede entre os seus pares;
    Desenvolver conhecimentos sobre as prioridades que a pesquisa futura deve abordar a fim de combater a persistência do VIH em doentes em TAR;
    Acelerar a investigação sobre reservatórios virais e latência como o caminho para alcançar uma cura para a infecção pelo HIV;
    Promover o aumento dos investimentos em HIV / AIDS investigação cura;
    Fornecer uma plataforma para a partilha de informação entre cientistas, médicos, patrocinadores, mídia e membros da sociedade civil.

  33. Li o blog algumas vezes, para mim ainda é muito difícil falar ou até mesmo ler a respeito, porque depois do diagnóstico tem ocorrido crises de depressão, ansiedade e síndrome do pânico, mas tem algo que aconteceu comigo que gostaria de perguntar “off topic” para saber se alguém também já passou por isso. Há um ano atrás meus peitos começaram a crescer e sendo eu magro, fica tão estranho que as pessoas que convivem comigo passaram a observar e comentar e eu a me sentir péssimo. No começo eu comecei a usar jaquetas para cobrir, mas com o calor, não queria nem sair de casa. Usei camiseta a vida inteira, mas depois descobri que aquelas camisas com dois bolsos na frente disfarça um pouco o peito deformado e agora só uso camisas assim. Chama menos atenção e tranquilizou um pouco, mas tem coisas por exemplo que não dá para fazer de camisa. Gostaria de malhar e realmente não tem como usar camiseta. Alguém passou por isso, tem alguma informação ou dica para compartilhar. Obrigado!

    • Luiz Carlos diz

      Isso se chama lipodistrofia, e todos os ARVs causam, alguns mais, outros menos, em algumas pessoas mais, outras menos. Vale a pena conversar com seu infecto pois existem medicações para ajudar os pacientes com lipodistrofia, assim como outras indicações clinicas. A propósito, qual combinação de ARV você toma?

      • D_Pr diz

        Luiz Carlos,

        Todos os ARV’s causam lipodistrofia?

        Cara, eu jurava que existiam classes que não causariam esse efeito!

    • Espianick, não tenho conhecimento suficiente para te responder. Mas acho que se vc informar sua idade, tempo de infecção, tempo em tratamento (se já começou), remedios que usa (todos remedios que usa, indiferente do que trata), pode ajudar o pessoal a responder.

      Mas procure não desanimar, estamos vivos e você terá tempo de resolver isso.

      Abç

    • MB+ diz

      É errado diser que isto é lipodistrofia o nome correto desta patologia é Ginecomastia que é inchaço do tecido mamário em homens, causada por um desequilíbrio dos hormônios estrogênio e testosterona. Verificando-se assim um peito grande nos homens.
      A ginecomastia é provocada por uma diminuição na quantidade do hormônio testosterona em comparação com estrogênio. A causa desta diminuição pode ser condições que bloqueiam os efeitos da testosterona ou reduzir ou por uma condição que aumenta o seu nível de estrogênio.
      Várias coisas podem perturbar o equilíbrio hormonal, incluindo:
      Alterações hormonais naturais
      Medicamentos
      Algumas condições de saúde
      A ginecomastia é geralmente causada por alterações hormonais no nascimento, puberdade, ou como parte do envelhecimento. A ginecomastia pode ser causada por mudanças no equilíbrio de dois hormônios: estrogénio e testosterona.
      A Ginecomastia pode surgir também através de hereditariedade, estilo de vida e fatores de desenvolvimento. A Ginecomastia pode ocorrer em até 50% dos homens passando pela puberdade. Além disso, é comum em bodybuilders, aqueles que usam esteróides, e os usuários de maconha. Também pode estar relacionado a condições como o desequilíbrio da tireóide.
      Em adultos, o equilíbrio das hormonas pode ser afectado por:
      Envelhecimento
      Doença
      Tumores das glândulas supra-renais, hipófise ou testículos
      Hipertireoidismo
      Hipogonadismo
      A doença de rim
      A insuficiência hepática
      Medicamentos
      medicamentos para a SIDA
      medicamentos anti-ansiedade
      Antibióticos
      Quimioterapia
      Alguns medicamentos para a doença cardiovascular
      Os antidepressivos tricíclicos
      Úlcera de medicamentos
      As drogas ilegais
      Os esteróides anabolizantes
      Anfetaminas
      Heroína
      Maconha
      Álcool

      Bem , isto tudo sempre leva a frente a palavra pode , né?

      A pessoa mais indicada a te dar um diagnostico preciso com as causas e tratamento será sempre seu medico e é este que voce deve procurar pois somente ele poderá lhe ajudar.

      Ah, também hoje a classe inicial de medicamentos oferecida composta pelo 3 em 1 não oferece risco de Lipodistrofia.

      mMas novamente lhe digo procure seu medico ele terá a receita pra te ajudar.

      • Luiz Carlos diz

        MB+, sugiro que reveja seus comentários sobre o caso.

        1) Ginecomastia é uma forma de lipodistrofia

        “As alterações corporais compreendem:
        Lipoatrofia: redução da gordura em regiões periféricas, como braços, pernas, face e nádegas, podendo acarretar proeminência muscular e venosa relativa;
        Lipo-hipertrofia ou lipoacumulação: acúmulo de gordura na região abdominal, presença de gibosidade dorsal, ginecomastia nos homens e aumento de mamas em mulheres e acúmulo de gordura em diversos locais do corpo, como as regiões submentoniana e pubiana etc.;
        Forma mista: associação de lipoatrofia e lipohipertrofia.”

        Fonte: Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapeuticas – HIV
        http://www.aids.gov.br/pcdt/10

        2) A classe inicial do 3 em 1 oferece sim risco de lipodistrofia, pois contém Efavirenz em sua formulação.

        Consulte a tabela “Drogas antirretrovirais e seus efeitos metabólicos e na distribuição de gordura” do mesmo documento citado acima, em http://www.aids.gov.br/pcdt/10

        Abraços

    • Digo diz

      Cara, eu tive algo assim após o início dos ARVs. Sou magro e minha gordura corporal se distribuiu de forma estranha no corpo: bunda murcha, barriga um pouco saliente, peitinhos salientes… feio pra caraleo! Mas a musculação, que eu nunca havia feito na vida, tem ajudado bastante… A gordurinha do peito tá sendo substituída por músculos e até que tá bem mais bacana do que antes dos ARVs, pois ali só havia magreza. Portanto, se não for algo muito grave, que necessite de cirurgia (e o SUS cobre), tente se dedicar à atividade física, pois ajuda demais na nossa autoestima.
      Além disso, como o nosso colega MB+ também citou, essa desproporção de gordura no peito pode ter inúmeras outras causas. Como meu infecto sempre me diz:
      – Não é porque você tem HIV que agora tudo o que ocorre na sua vida tem relação com ele!

      • Comecei a tomar medicamentos em novembro de 2012 (efavirenz e zidovudina + lamivudina). Tenho 36 anos, 1,78m e 1,85kg. Os peitos começaram a crescer muito em 2014. A barriga também, mas os peitos chamam muita atenção. São como seios de mulher. A médica disse que se eu quiser posso agendar uma cirúrgia e que o tempo de espera é de 1 ano mais ou menos. Gostaria de malhar, mas não posso malhar de camisa e não tem como usar camiseta. Obrigado pelos comentários.

  34. Gledson diz

    Acabou de passar uma reportagem e uma entrevista na Globonews, falando sobre o aumento de contaminação entre os jovens de 14 a 24 anos e o teste tardio que acaba provocando a AIDS. Realmente e muito assustador o crescimento, as pessoas estão se confiando muito no tratamento e acham que o HIV e uma doença como outra qualquer, que pode ser controlada. Um médico na entrevista falou que não e bem assim e pode ocorrer suas complicações. Depois dessas palavras dele, realmente fiquei preocupado.
    Se a pessoa toma remédio, faz atividade física, tem uma boa alimentação e está em níveis indectaveis, quais problemas poderiam ocorrer a ela?

    Abraços a todos.

    • Gledson como vai?
      Gostei de seu comentário, bem sensato.

      Dou minha opinião, HIV não é um monstro ceifador de vidas para os que tem acesso a tratamento. Para quem não tem acesso a coisa, depois de um tempo de infecção, não é boa.

      Estar e ser consciente de sua condição e do cenário que se vive faz toda a diferença. Para quem tem acesso aos devidos cuidados não há praticamente nada que já não saibam tratar.

      Nos conte mais sobre quais coisas te afligem, assim a gente faz o que fazemos melhor: nos ajudamos e acalmamos uns aos outros.

      Grande abraço e segura as pontas aí que todos nós vamos ficar bem!

    • Brumo diz

      Acredito que essa “política do medo” deve ser aplicada. Viver com hiv é possivel, mas viver sem é melhor. Não é fácil tomar medicação todo santo dia. Não saber dos reais efeitos a longo prazo dos arvs no nosso organismo. Viver em uma sociedade preconceituosa. Espero que o Governo não tenha problemas em manter nossos remédios, já que o número de infectados está crescendo. Tá puxado…

    • Cara+ diz

      Oi Gledson

      tb vi a reportagem em questão (bastante longa por sinal), mas estava com gente por perto e não consegui assisti-la como gostaria. Porém o que pude observar é aquele mais do mesmo que a gente sempre ouve falar quando o termo é hiv/aids. Eles pegam casos em último grau para mostrar – como a situação daquele jovem que estava praticamente cego em decorrência de um diagnóstico mais do que tardio (só que eles não falaram e não deixaram subentendido isso em momento algum da reportagem).

      o que me deixa profundamente chateado nessas matérias é que eles comentam sobre e mostram casos extremos sem ao menos referenciar o porque efetivamente o paciente chegou àquele quadro clínico, (sem dizer de onde é, situação financeira, se trabalha, se estuda, se tem acesso à informação, saúde e o mínimo para um cidadão viver dignamente, qual o real conhecimento a cerca da vida) dando a entender erroneamente que um diagnóstico para hiv está diretamente relacionado a esses casos extremos. Em outras palavras, colocando TODOS no mesmo saco e cultuando o medo, porque não dizer o pavor na população.

      entendo que cultuar o medo, até possa surtir algum efeito no que diz respeito a prevenção. Afinal as pessoas não querem pegar e por isso o preservativo. Porém, tem o outro lado da moeda que é – este mesmo medo afasta as pessoas de se testarem e conhecerem sua real condição e talvez esteja ai o fato de tantos jovens estarem se contaminando (a reportagem em questão dizia que o aumento de casos entre os jovens cresceu 120% nos últimos anos, só não entendi se estava relacionado ao Brasil ou mundo).

      outra questão que me saltou aos olhos foi o caso de a representante da UNAIDS, que estava ao vivo com a jornalista e apresentadora da Edição das Seis, Leilane Neubarth, e poderia ter usado este espaço para desmistifica algumas questões tão bem sabidas por nós que estamos do outro lado, apenas reforçar em sua fala exatamente o que a matéria toda quis dizer (claro e óbvio que existe negociação de pauta prévia nos bastidores). Inclusive a própria Leilane,antes de passar a bola para a representante, comentou que muitas pessoas estavam associando hiv a outras doenças crônicas como diabetes, hipertensão….que poderiam tratar-se e por isso o aumento nos casos.

      Posso estar enganado, mas enquanto associarem HIV ao medo, ao pânico, a falta de conhecimento, acho bastante improvável a tal tática de 90x90x90 e o fim da epidemia até 2030, que foi reforçado no discurso da representante da UNAIDS. Mudança de cultura, quebra de antigos paradigmas e consequentemente, comportamento das pessoas, de uma nação, se faz com informação correta, clara e objetiva, caso contrário, seremos obrigados a conviver com esse beabá do hiv, esse mais do mesmo que nos “obriga” a viver na clausura, no anonimato, no medo de exposição e preconceito.

  35. Gil diz

    Valeu, Binho Mais.
    Concordo com você. Infelizmente, vivemos num mundo onde uns podem mais e outros, menos. Uns tem acesso e outros, morrem à míngua.
    Uma pessoa saudável pode ter, sim, tomando as medicações, um desenvolvimento de alguma alteração, mas… quem hoje em dia, mesmo sem virus algum, está numa segurança 100%?
    De mais a mais, com bom humor, com otimismo, com boa alimentação, acesso a vitaminas, com uso correto e ADESÃO total à medicação, controle do organismo com exames, as chances de complicação reduzem muito, muito, muito.
    Vi uma aluna estes dias (acho que já escrevi isso) de uma escola onde presto consultoria, que estava com a doença bem desenvolvida, inclusive com tuberculose. Ela herdou da mãe.
    Passou a ser bem assistida e a doença regrediu, ela cresceu, desenvolveu, engordou, está bonita, assim como a mãe, soropositiva há mais de 15 anos e com vida desregrada, mas que usa a TARV
    Eu creio que já existe como curar, mas as grandes corporações vão segurar as novidades de cura e terapias mais avançadas por um tempo, até conseguirem retorno plausível de seus milionários investimentos e, com mais avanços a alcançar, com novos desafios, soltam as terapias de cura e de prevenção na praça na hora certa (e que creio que num primeiro momento não será para todos, eficácia limitada), para que o marketing de novas buscas tragam mais e mais investimentos e lucros nas ações.
    Não penso que em mais de 10 anos ainda não exista cura disponível. Minhas metas são para 10 anos, depois de lá, farei outras.
    A vida é uma montanha russa, não é mesmo? Temos controle de tão pouca coisa… todo nosso cuidado e controle ajuda, mas em todo e qualquer humano, principalmente nos que não tem doenças ou infecções crônicas, cada cuidado é mais uma ilusão paliativa para aliviarmos a tensão da ameaça à vida (pelo simples fato de vivermos) do que domínio das contingências das situações que nos surgem. Nos iludimos com a vida natureba e alternativas em saúde, por exemplo, não exime muito a chance de termos um mal súbito, um piripaque e catapum!!
    Não, não fiquem tristes ou bravos e, não, não é pessimismo: penso assim e faço reflexões sobre esta situação para que as pessoas com quem lido aprendam que o QUE VALE MESMO, NESSA VIDA, É O MINUTO VIVIDO, BEM VIVIDO, SEM NEURAS, SEM TRAVAS.
    Fazer tudo bem feito, mas sem neurose é condição para que cada minuto bem aproveitado tenha algo a acrescentar em nossa existência.
    VIVA BEM, amanhã, não existe, ele se faz no hoje!

    • “se faz no hoje”… Parece tão pouco… E nesse “hoje” muitos terão décadas, quase um decênio… Quero este último… Romântico? Sim, sou!
      Gil, muito mais inteligente que eu, questione sempre! Nos ajude na reflexão.

      Abç do Binho.

  36. Jonas diz

    Olá,

    Tenho hiv faz 20 anos e sem tratamento. Apenas comecei agora pq a infecto recomendou , mesmo com cd4 ame torno de 700 e carga viral em torno de 10.000 cópias . Nunca tive nada de doença e sempre saudável . Comecei a usar TARV faz 3 meses e fiz ontem o exame para ver o quanto de carga viral tenho. Alguém de vcs ficou tanto tempo assim sem tratamento? É normal?

    Abraço a todos

    • Luiz Carlos diz

      Veja, normal não é. Porém não devemos confundir algo anormal como algo ruim. Uma pequena parcela da população tem a capacidade de controlar melhor o HIV. Esta parcela é chamada de “controladores virológicos”. Uma parcela menor ainda não desenvolve a AIDS durante a vida toda, chamados “controladores de elite”.

      Existem diversos estudos sobre o que estas pessoas tem em comum, porém nada conclusivo. Muitas pesquisas focam a cura do HIV nos controladores de elite, pois acreditam que podem disseminar suas características para outros portadores do vírus.

      Não sei qual decisão levou você a permanecer sem tratamento por 20 anos, mas certamente ao iniciar o TARV você fez a escolha certa. Em primeiro lugar por estar se tornando uma pessoa com carga viral indetectável, que como o próprio post do JS explica, são pessoas em que o risco de transmissão é mais baixo do que pessoas que desconhecem sua sorologia.

      Em segundo lugar porque os estudos sugerem hoje que quanto mais cedo se inicia a TARV, maiores as chances de prolongamento da vida e melhores as chances de recuperação. Não estou querendo lhe assustar, pois seu CD4 está muito bom, e imagino que já esteja com a CV indetectável. Agora o negócio é pensar no futuro e pensar que você pode estar evitando contaminar novas pessoas, mesmo que antes de iniciar a TARV tenha sempre feito uso do preservativo e se conscientizado sobre o assunto. CV indetectável nada mais é do que uma segurança a mais.

      Abraços e boa sorte!

  37. Gil diz

    OOO…binhomais, não sou mais inteligente que ninguém, mas me esforço pra poder dar conta de certas questões às quais sou lançado.
    Às vezes, faz sentido o que digo, às vezes, seria melhor eu não abrir a boca…
    Abraço.

  38. 40tinha diz

    Alguém poderia tirar-me esta dúvida?
    Dia 03 de junho tomei vacina do H1N1… Dia 17 de junho fiz o Teste Rápido, dando resultado REAGENTE para HIV.. Será que a vacinação poderia ter influenciado em um suposto FALSO-POSITIVO.

  39. Ti Always Happy diz

    Mês que vem começo meu tratamento Tenofovir/Lamivudine/Efavirenz.
    Quero muito tirar dúvidas, saber de reações e vivência com o tratamento (fazer amizades na vdd)
    Kik: tiagoalways
    Valeu, desde já. Abraços 😉

  40. larissa diz

    40tinha… eu fiz o teste rápido e o convencional e perguntei a enfermeira se tinha risco de dar falso positivo por causa da h1n1. Ela falou este exame detecta HIV em uma janela de 30 dias caso vc tenha tomando a vacina nesses nesse período de 30dias pode sim dar falso positivo. o meus 2 exames , deu nao reagente e a vacina eu tinha tomado a 3 meses atras. Acho melhor vc esperar da os 30 dias da vacina viu.

  41. Erivelton diz

    AZT + 3TC + Efavirenz é o esquema que minha médica está querendo mudar… É o mesmo que tomo desde 2004. Ela quer passar para o 3 em 1, mas como não há resistência prefiro continuar.
    Meu WhatsApp: 62 8213 7550. Vamos trocar idéias… Bater um papo… A todos… Bjs!!!

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s