Mês: junho 2015

Novo potencial tratamento contra o HIV está nas células imunes

Publicado em 25 de junho por Weill Cornell Medical College Um time de pesquisadores liderado por cientistas da Weill Cornell Medical College descobriu uma forma de limitar a replicação do tipo mais comum de HIV no momento em que a infecção está começando a se desenvolver. O estudo, publicado em 25 de junho na Nature, traz luz sobre um elemento da imunidade humana contra o HIV-1 e que pode vir a ser uma poderosa nova estratégia — talvez parte de uma vacina — para limitar a severidade da doença, sem cura, que afeta 35 milhões de pessoas no mundo. Transmitido através de fluidos corporais, o HIV-1 prospera infectando e destruindo importantes células imunes, conhecidas como T CD4, as quais, habitualmente, montam uma defesa contra o vírus e iniciam a atividade antiviral de outras células imunes. Há muito tempo os cientistas sabem que as células T CD4 produzem uma substância chamada Interleukin-21 (IL-21), a qual desempenha um papel importante no sistema imune, ao ativar células especializadas em matar vírus como o HIV-1 e guiar a produção …

Avalie isto:

Lactobacilo e CD4

Abriu nos últimos dias a triagem para mais uma fase do estudo clínico sobre os “efeitos imunológicos do uso contínuo de Lactobacillus casei Shirota em pacientes em tratamento supressivo com pobre recuperação de células T CD4+”, coordenado pelo Dr. Esper Kallás, professor associado da disciplina de imunologia clínica e alergia, no Instituto Central da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). O estudo começa no mês de julho, tem duração de 12 semanas e prevê 8 visitas ao centro de pesquisa clínica do HCFMUSP para avaliação, algumas das quais podem ser feitas por telefone. Os participantes devem: Ter entre 18 e 60 anos; Estar tomando coquetel; Ter carga viral indetectável; Apresentar CD4 abaixo de 500 nos últimos testes. A nova seleção de voluntários já começou. Se você, assim como eu, também se encaixa neste perfil e tem interesse de participar deste estudo, entre em contato com a Zelinda através dos telefones (11) 2661-7214 ou (11) 2661-3344 ou pelo e-mail zelinda.bartolomei@gmail.com.

Avalie isto:

O dilema do soropositivo

Foi em 2013. Faz pouco mais de dois anos. Eu estava angustiado com o dilema de contar da minha sorologia positiva para uma jovem de 26 anos, com quem o curso natural levaria ao sexo. Estirado sobre o gramado daquele parque das redondezas, arborizado e com um chafariz ao centro, eu refletia sobre isso. Quando seria o momento de contar da sorologia positiva para aqueles que queremos ter perto, que queremos beijar e transar? Como será a melhor maneira de contar que temos HIV? Esse era um assunto completamente novo para mim, do qual eu não tinha qualquer experiência. Carecia de alguma orientação. Percebendo que ainda tinha mais algumas horas livres, me dirigi ao consultório do Dr. Esper, que carinhosamente logo me recebeu. “— Você planeja contar antes ou depois da primeira relação sexual?”, perguntou o doutor. “— Antes”, respondi. “— Jovem, se você quer fazer isso, saiba que é por opção e não por obrigação”, sublinhou o doutor. “A sua obrigação é, como a de qualquer outra pessoa, soropositiva ou não, de se proteger …

Avalie isto:

Consulta pública sobre os exames de CD4

O Ministério da Saúde determinou a ampliação, por mais 10 dias, do prazo da consulta pública sobre a “Periodicidade de consultas e seguimento laboratorial”, do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) para Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos. A atualização do protocolo prevê a diminuição da frequência de exames de CD4 (linfócitos T-CD4+) em algumas circunstâncias clínicas. A proposta em consulta pública é necessária para melhorar a relação custo-efetividade do manejo do HIV no âmbito do SUS e baseia-se em evidências científicas e foi discutida no âmbito do comitê assessor para Terapia Antirretroviral em Adultos Infectados pelo HIV. Desse modo, considera-se o uso mais racional do CD4 e reforça que nos pacientes estáveis, em uso de terapia antirretroviral e com carga viral indetectável, o foco do monitoramento laboratorial deve ser a detecção precoce de falha virológica. O resumo da proposta é que o exame de CD4 não deverá ser utilizado para o monitoramento clínico de uma pessoa vivendo com HIV/aids quando todas as seguintes condições abaixo estiverem presentes: Paciente assintomático; Em terapia antirretroviral (TARV); …

Avalie isto:

Vasos recém-descobertos podem ligar o cérebro ao sistema imune

Cientistas descobriram uma ligação entre o cérebro e o sistema imune que pode ajudar a explicar a conexão entre problemas de saúde física ruim e problemas cerebrais, incluindo Mal de Alzheimer e depressão. A descoberta de vasos, situados logo abaixo do crânio, derruba o que vem sendo ensinado há décadas e pode abrir caminho para novas abordagens para o tratamento de doenças do cérebro. Os cientistas por trás da descoberta expressaram surpresa por ter descoberto uma grande estrutura anatômica que até agora tinha sido completamente negligenciada. “Eu pensei que o corpo estivesse mapeado e que estas descobertas terminaram por volta de meados do século passado. Mas, aparentemente, elas não terminaram.” “Baseado no que aprendemos, estes vasos não deveriam estar lá”, disse Jonathan Kipnis, que conduziu o trabalho na Universidade de Virgínia. “Eu pensei que o corpo estivesse mapeado e que estas descobertas terminaram por volta de meados do século passado. Mas, aparentemente, elas não terminaram.” Essa descoberta pode fornecer uma base biológica para as crescentes evidências de que a saúde mental e o estado do …

Avalie isto:

Novo protocolo brasileiro de profilaxia pós-exposição

Desde a década de 90, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece a profilaxia pós-exposição (PEP), a pessoas acidentalmente expostas ao HIV, a qual consiste no uso de antirretrovirais, que devem ser iniciados em até 72 horas a contar da possível exposição ao vírus e mantidos ao longo de 28 dias, como forma de prevenir a infecção. É a “pílula do dia seguinte do HIV”. A PEP foi inicialmente implantada só para casos de acidentes de trabalho com profissionais de saúde, quando são expostos a materiais contaminados ou têm a luva perfurada por objetos cortantes no trato com paciente soropositivo ou de sorologia desconhecida. Em 2011, a PEP foi estendida para vítimas de violência sexual e, desde 2012, ampliada para qualquer acidente sexual, incluindo o não uso ou o rompimento do preservativo. Desde 2010, a oferta de PEP quase dobrou, passando de 12 mil tratamentos para 22 mil, em 2014. Agora, o Ministério da Saúde, assessorado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC), colocou em consulta pública o novo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) …

Avalie isto:

Fiocruz vai testar novo medicamento para prevenir HIV

Por Juana Portugal para INI/Fiocruz em 15 de maio de 2015 O Laboratório de Pesquisa Clínica em DST e Aids, do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), conduzirá o estudo clínico HPTN077 com um medicamento totalmente novo para prevenção da aids. A droga, conhecida como GSK1265744, já mostrou resultados positivos em testes conduzidos para tratamento da aids, e agora terá seu potencial testado como parte da estratégia de prevenção da infecção pelo HIV. A pesquisa será realizada simultaneamente na África do Sul, no Brasil, nos EUA e no Malawi. Seleção de voluntários Os candidatos a participar da pesquisa serão selecionados na Fundação Oswaldo Cruz. “Este critério tem como objetivo potencializar a adesão, facilitar a administração do medicamento e o acompanhamento clínico”, explica Beatriz Grinsztejn, coordenadora do Laboratório e pesquisadora líder do estudo. A proposta do projeto é avaliar a segurança, tolerância, aceitabilidade e sua farmacocinética (descrevendo o processamento da droga no corpo humano, identificando o caminho percorrido no organismo da administração à excreção). Depois de passar por uma avaliação completa do estado de saúde, …

Avalie isto: