Artigos
Comentários 255

É hora de nos comunicarmos melhor

Brasil Post

Quando fui diagnosticado soropositivo para o HIV, em outubro de 2010, percebi que passei a fazer parte de um novo grupo, das pessoas que vivem com o vírus e, também, de alguns médicos, enfermeiros e cientistas que estão próximos de nós. Uma vez parte desse grupo e sendo impossível dele me separar até que descubram a cura, me pareceu natural procurar entender meu novo meio, compreender essa nova realidade à minha volta. Percebi que ela é muito sustentada e amparada pela ciência. Precisamos dela. A minha vida e a vida de todas as pessoas que vivem com HIV depende dela.

Cada novo medicamento, cada descoberta, cada passo em direção à sonhada cura, é acompanhado por muitos de nós. Com isso, aprendi um pouco sobre as pesquisas e a metodologia científica. Percebi o quão defasado era o meu conhecimento sobre HIV/aids antes do diagnóstico e que hoje, quatro anos depois de receber o resultado positivo, as coisas continuam assim para a maioria das pessoas soronegativas, aquelas que não vivem com HIV. Muitos não têm ideia dos avanços da ciência nessa área. Longe disso, até duvidam dela. E, por isso, a reportagem de capa da National Geographic deste mês de abril de 2015 veio a calhar.

“Vivemos em uma época na qual todo tipo de conhecimento científico — desde a segurança do flúor e das vacinas até a realidade das mudanças climáticas — enfrenta oposição organizada e, muitas vezes, virulenta. Acirrados por fontes de informação próprias e por interpretações peculiares de pesquisas, os contestadores declararam guerra ao consenso dos especialistas.”

interestelar

O artigo também lembra que foi seguindo este raciocínio que, no filme Interestelar, a Nasa do futuro é mostrada como uma organização obrigada a trabalhar na clandestinidade: ninguém nem sabe que ela existe. O mundo passou a ser um lugar reinado pelas crenças leigas, incrédulas do conhecimento científico, incluindo total descrédito, por exemplo, pela viagem do homem à Lua. É oculta no subsolo que a Nasa modifica geneticamente as plantas para que resistam às pragas cada vez mais combativas, que aniquilam nossas últimas fontes de alimento, e constrói foguetes para nos levar para longe da morredoura Terra a algum lugar habitável no espaço.

Mas não é fácil subir até as estrelas. Antes, é preciso vencer a gravidade, a força que gruda nossos pés no chão e que, como consequência, nos impede de perceber o mundo tal como ele é de verdade: uma esfera. Por milhares de anos, nosso planeta foi tido como plano e quadrado. Contava-se histórias de que monstros marinhos habitavam nas beiradas do desconhecido e engoliam os desbravadores que ousassem chegar até lá. Aparentemente, foi só com a experiência do navegador português Fernão de Magalhães, que fez a primeira viagem de circum-navegação ao globo de que se tem notícia, entre 1519 e 1522, que a teoria de um mundo plano foi por água abaixo. O medo dos monstros que habitariam na linha do horizonte mostrou-se imaginário, e não real. (A primeira observação direta de que a Terra é redonda só viria muito depois, com o astronauta russo Yuri Gagarin, que em 12 de abril de 1961 foi o primeiro homem a ir para o espaço e dizer: “A Terra é azul”.)

Flat Earth

Superada a teoria da Terra plana, uma coisa ainda permanecia indiscutível: nosso planeta era certamente o centro do universo. O mundo gira ao nosso redor, e não o contrário. Como poderia ser diferente? A observação direta comprova isso: vemos o Sol e Lua em movimento no céu, e uma Terra parada. É o senso comum.

“No princípio do século 17, ao sustentar que a Terra gira em seu próprio eixo e também ao redor do Sol, Galileu não estava apenas rejeitando a doutrina oficial da Igreja. Estava pedindo às pessoas que acreditassem em algo que não se encaixava no senso comum — afinal, as aparências, sem dúvida, mostram o Sol girando em torno da Terra e, além disso, não dá para sentir o planeta rodopiando em seu eixo.”

Dito isso, você deve se lembrar do que aconteceu com Galileu: quase foi levado à fogueira. 359 anos depois, a mesma igreja que o condenou reconheceu estar errada. Hoje, podemos até achar absurdos os questionamentos dos nossos antepassados a respeito das descobertas científicas de suas épocas. Quem sabe, até dar risada de suas ideias antiquadas. Mas podemos ter certeza que, diante das descobertas atuais, não continuamos fazendo exatamente a mesma coisa que nossos antepassados faziam?

Moon

Ainda hoje, uma legião de pessoas é contra a vacinação, tem dúvidas a respeito da fluoretação da água, do aquecimento global, da viagem do homem à Lua e, alguns, chegam a questionar a real existência do HIV ou negam a sua relação como agente causador da aids — mesmo décadas depois do surgimento da terapia antirretroviral e de seu incontestável sucesso em evitar milhares de mortes decorrentes da doença. “Há um limite para o debate de ideias, especialmente quando se aplica à saúde pública”, diz o Dr. Esper Kallás, meu médico infectologista e professor associado da Disciplina de Imunologia Clínica e Alergia da Faculdade de Medicina da USP. “É legítimo questionar se a vacina contra o sarampo é eficaz? Deveríamos debater o estímulo ao cigarro em escolas? Ou o uso do amianto em incubadoras de berçários? É preciso ter o mínimo de bom senso quando se fala de um assunto tão grave em saúde pública.”

Isso quer dizer que assuntos como este não deveriam nunca ser questionados? “Todo mundo deveria questionar”, disse Marcia McNutt, editora da revista Science, para a National Geographic. “Mas todos deveriam recorrer ao método científico, ou confiar naqueles que usam o método, para se posicionar em relação a essas questões.” Afinal, existem questionamentos que são sabidamente irredutíveis. “A evolução aconteceu mesmo. O clima está mudando. As vacinas salvam vidas. Faz diferença ter razão — e a tribo dos cientistas tem um alentado histórico de ter, afinal, entendido o que estava ocorrendo.”

“O método científico nos leva a verdades pouco evidentes por si mesmas e que, muitas vezes, são de difícil aceitação.”

Antes de Fernão de Magalhães, muitos dos navegadores que partiam em busca do desconhecido de fato nunca mais voltavam, reforçando, através da observação pura e simples, a teoria dos monstros que habitavam nos extremos dos oceanos — e desacreditando os gregos, que séculos antes já haviam observado meticulosamente as estrelas e concebido, a partir delas, a ideia de que a Terra era redonda. Isso mostra, conforme lembra a revista, que “o método científico nos leva a verdades pouco evidentes por si mesmas e que, muitas vezes, são de difícil aceitação.” Hoje, a única diferença é que essas verdades são mais complexas que no passado — menos evidentes que a Terra esférica, a qual navios e aviões agora circundam todos os dias. E assuntos complexos, como sabemos, são temas de especialistas.

A convite do Dr. Esper Kallás, estive na última semana no X Curso Avançado de Patogênse do HIV, que aconteceu na Faculdade de Medicina da USP, em São Paulo. Assisti a algumas palestras. (Afora as apresentações mais técnicas, como aquela que falava sobre o processo de transcrição do HIV, por exemplo, as demais eram possíveis de ser compreendidas por alguém, como eu, que não usa o jaleco branco no dia a dia.) Fábio Mesquita, diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, falou sobre a segurança oferecida pelo tratamento como prevenção (ou TasP, do inglês treatment as prevention). “Foi uma das maiores descobertas da ciência, quando a gente viu que, se a gente conseguisse derrubar a carga de vírus que tem na pessoa com o medicamento, essa pessoa teria menos vírus circulante — e, portanto, o vírus no sangue, o vírus no sêmen, o vírus na secreção vaginal ou o vírus no leite materno chegaria com mais dificuldade. Portanto, essa pessoa não poderia transmitir o HIV.”

“Se a gente desse um medicamento para um ser, a gente protegia outro ser.”

“Nós descobrimos isso em 1996: chegamos à conclusão que, se a gente desse um medicamento para um ser, a gente protegia outro ser. Só que, naquela época, a gente achava que isso só acontecia dentro do próprio corpo. Então, a gente dava o medicamento para a mãe para proteger o bebê”, explicou Fábio. Ele se referia à transmissão vertical, o nome que se dá à transmissão do HIV da mãe para o feto ou para o bebê, no momento do parto. Desde que surgiu o tratamento antirretroviral, em 1996, a transmissão vertical pode ser prevenida graças a esses medicamentos, sempre que a mãe portadora do vírus segue o tratamento corretamente durante a gravidez. “A lógica era exatamente esta: a gente derrubava a carga viral da mãe e o bebê não nascia contaminado. A gente nunca pensou que, se esse ser estivesse do lado de fora do corpo, a gente também estaria protegendo este outro ser. Anos depois — entre 1996 e 2011 — a ciência concluiu que, se esse ser estiver do lado de fora do corpo, é exatamente a mesma coisa: derrubou a carga viral, não tem como transmitir o HIV. Esse hoje é o mecanismo mais poderoso de prevenção que existe”, explicou Fábio, antes de concluir: “É mais poderoso que a camisinha.”

Quem subiu ao palco logo em seguida foi o Dr. Drauzio Varella, que começou sua fala concordando com a eficácia do tratamento como prevenção. “Nós tínhamos essa sensação exata, que foi demonstrada muito mais tarde e que todos que trabalhavam na área sabiam: se a gente zerasse a carga viral, a chance de transmissão era muito menor. Isso já havia sido demonstrado nas mulheres grávidas. E, se valia para a transmissão materno fetal, que é dentro de um corpo só, imagina a chance de funcionar para o outro? É muito maior!”

Mas quanto uma afirmação dessas é capaz de reverberar na mente e no coração dos leigos e mudar suas concepções a respeito dos soropositivos e do HIV/aids? Será que explicar que quem tem HIV, faz tratamento e tem carga viral indetectável é um parceiro sexual seguro, com base em extensas evidências científicas que temos hoje, tira todo o medo que nós, que vivemos com HIV, percebemos na face das pessoas para quem contamos ter HIV?

“O quanto você acredita que o indetectável realmente funciona?”

Há algumas semanas, uma leitora do meu blog, a quem vou chamar de J., foi diagnosticada soropositiva. Quando contou para seus pais, estes separaram alguns dos talheres da casa só para ela usar, sem misturá-los com os demais. Deram bronca, dizendo que contraíra o vírus porque afastara-se de Deus. Quando avisou ex-namorados, estes disseram que sentiam muito e lembraram que ela ainda poderia se satisfazer sexualmente, se masturbando ou se relacionando com outros soropositivos. J. então explicou a eles que bastava usar camisinha e que, em breve, uma vez iniciado o tratamento, ela provavelmente se tornaria indetectável e não apresentaria mais risco consistente de transmitir o HIV. Mas a resposta que escutou foi clara: “J., o quanto você acredita que o indetectável realmente funciona?”

É curioso como, apesar de todo o avanço da ciência e da precisão da metodologia científica, resultados de estudos — ou mesmo de uma série de estudos que comprovam o mesmo resultado –, terminam o dia no mesmo lugar que a crença e o dogma religioso: não adianta explicar, é preciso acreditar. “A ciência faz um apelo à nossa racionalidade, mas as nossas crenças são motivadas sobretudo pela emoção — e a motivação mais forte é ficarmos juntos e sermos aceitos por nossos pares”, explica a National Geographic. “Continuamos na escola secundária”, diz Marcia McNutt. “As pessoas sentem a necessidade de fazer parte e isso é algo tão forte que os valores e as opiniões mais imediatas se sobrepõem às conclusões científicas, sobretudo quando não há desvantagem evidente em ignorar os dados científicos.”

Mesmo quando se leva em conta dados científicos, existe o problema daquilo que é chamado de “viés de confirmação”, que nada mais é que a tendência de buscar e enxergar apenas os indícios daquilo que nós — ou o nosso grupo — acreditamos. Você sabe do que eu estou falando. O melhor exemplo do viés de confirmação está nas redes sociais, com as amizades que se encerram e grupos que se fecham a cada postagem de conteúdos que refletem opiniões divergentes. O resultado é um conjunto de pessoas que compartilha entre si informações que corroboram sempre com a opinião que já é uníssono entre aquele grupo. Os petistas sempre postarão conteúdos petistas, lidos e comentados por petistas. Com os tucanos, sim, os “coxinhas”, a mesma coisa — provavelmente também falando mal de petistas. Os vegetarianos postarão sobre os benefícios da dieta sem carne, e receberão likes de outros vegetarianos. Os místicos falarão sobre as últimas da física quântica. E assim por diante.

Vivemos na era do viés de confirmação, algo que vai na completa contramão do método científico. Se queremos avançar a discussão e o nosso entendimento a respeito do mundo, precisamos romper essa bolha. Mas como vamos fazer isso? Como fazer para que informações novas e desdobramentos científicos sejam reconhecidos ou, ao menos, ouvidos com a justa atenção que merecem? Como convencer os céticos de que existe uma outra perspectiva apontada pela ciência?

“Os céticos precisam ouvir os fatos da boca de pessoas que confiam, e que partilham dos mesmos valores fundamentais.”

“Insistir em apresentar-lhes mais fatos de pouco adianta. Segundo Luz Neeley, da organização Compass, que ajuda a treinar cientistas para que se comuniquem melhor, o que os céticos precisam é ouvir os fatos da boca de pessoas que confiam, e que partilham dos mesmos valores fundamentais.” Por isso, ainda que restrita a um encontro entre especialistas, são de extrema importância falas sobre o tratamento como prevenção, com as de Fábio Mesquita e do Dr. Drauzio Varella, ou mesmo sua subsequente palestra a respeito do que a ciência sabe hoje a respeito das relações biológicas do sexo — na qual ele explica, baseado em uma revisão da revista Nature, que a definição de gênero entre homem e mulher, apenas, é simplória demais para o que se sabe hoje a respeito do assunto: biologicamente, a sexualidade é muito mais diversa do que se imagina. Também é valiosa sua última coluna na Carta Capital, onde escreveu sobre a profilaxia pré exposição (PrEP), numa matéria intitulada: Um comprimido promete fundar a era pós-camisinha da prevenção ao HIV.

Mas ainda é preciso mais. Assuntos científicos carecem de ser melhor divulgados pelas pessoas e imprensa em geral. Descobrimentos tão revolucionários, como a eficácia do tratamento para o HIV em uma pílula única, o TasP, a PrEP e a profilaxia pós exposição (PEP), as quais são capazes, respectivamente, de prevenir o HIV ou evitar a instalação da infecção do vírus após um acidente de risco, ainda sofrem com uma inexplicável reticência dos meios de comunicação. Essas notícias não são divulgadas com a mesma facilidade e destaque, por exemplo, que matérias a respeito do “clube do carimbo”, o grupo restrito de soropositivos que afirma transmitir intencionalmente o HIV.

star-formation

É romântica, mas é verdadeira a fala do protagonista de Interestelar, Cooper: “Costumávamos olhar para o céu e imaginar qual seria o nosso lugar nas estrelas, agora só olhamos para baixo e nos preocupamos com o nosso lugar na terra.” Ainda preferimos falar dos monstros no horizonte, ao invés de falar do mundo como ele é. Do que já aprendemos sobre ele. É como se fosse proibido dizer que o HIV, hoje, é diferente do que foi no passado. É como se fosse perigoso dizer que hoje o vírus pode ser tratado com uma única pílula por dia — e, em breve no Brasil, prevenível também sob uma única pílula por dia. É como se tivéssemos receio de dizer que, hoje, há algo mais seguro que a camisinha — mesmo podendo, com isso, evitar e prevenir mais infecções pelo HIV. Será que ainda temos medo dos monstros no horizonte ou, depois de falar sobre as últimas descobertas, de sermos lançados à fogueira, assim como Galileu? Bom, eu penso que não. Se aprendi alguma coisa com a matéria da National Geographic, é que é hora de aprendermos a nos comunicar melhor. Pelo menos, é o que eu acredito. Tá bom, o grupo a que pertenço acredita nisso também.

Atitude Abril

Anúncios

255 comentários

  1. Este é um dos seus textos mais inspiradores em tantos níveis e sentidos! Esses dias estava pensando exatamente sobre o tema que trata este seu texto: o medo de romper com as falas do passado e com o misticismo. Em minha faculdade, esta semana tomei a decisão de falar abertamente para meu grupo de Estágio sobre o tema; e o que recebi foi o agradecimento das pessoas por ter lhes dado a oportunidade de saber o que não sabiam. Desta forma, como um dos seus mais empolgados leitores é a minha vez de agradecer: seu blog nos dá instrumentos para lutar contra o estigma, obrigado, JS.

  2. Muito pertinente seu comentário. Acrescentaria apenas que existe uma diferença entre a ignorância e a fé. Enquanto a falta de conhecimento e a negação dele é apenas um perpetuador de coisas ruins para o ser humano. É refutar as evidências. É fugir da realidade. A fé é um fenômeno humano que a ciência dá crédito e se esforça para entender. Por ser um sentimento abstrato e extremamente subjetivo também encontra barreiras fortes dentro do meio científico. Mas há evidências de sua importância direta e indireta. Enquanto a ignorância é falta de conhecimento ou sua negação. A fé verdadeira é a crença sobre a realidade apresentada. O problema acontece quando certas religiões usam a ignorância como fé. O que é muito comum. Ter fé que um remédio vá fazer efeito pode ser de grande auxílio, vide efeito placebo. Mas concordo que devemos primeiro ter a ciência como guia comum entre nós e a comunicação eficiente como arma contra ignorância. Colocaria ainda a necessidade de união. Devemos nos apoiar mutualmente, como grupo. Isso não significa passar a mão na cabeça de malfeitos. Sermos mais unidos e uma das principais formas de romper essas barreiras sociais baseadas na ignorância.

  3. caradobemsampa2 diz

    Comecei a leitura, mas vou dedicar mais tempo a noite e em casa.
    tenho certeza que valerá cada linha!

  4. R. diz

    Sensacional o seu texto JS

    como soropositivo há 1 ano sinto que é preciso sempre explicar sobre assuntos que deveriam ser de interesse de todas as pessoas que vivem uma vida sexual ativa…
    às vezes tenho vontade de fazer uma apostila, encadernar e sair distribuindo a todos que conheço e encontro…e ainda assim sinto que mesmo quando explicamos como funciona lidar com o HIV hoje a maioria das pessoas parece ainda teimar em relacionar a epidemia à imagens do passado, como Cazuza, Renato Russo e tantas outras….
    acho importante demais conhecermos o passado, respeitá-lo para nunca esquecermos o quao difícil foi, e termos inclusive esse compromisso de agradecer os avanços da ciência e entender todos os percursos para chegarmos até aqui…
    mas isso é uma coisa, a outra é simplesmente duvidar, sempre de que a epidemia hoje tem outra perspectiva, outra luta, outra cara…
    penso sobretudo porque aqui se fala de sexo…e quando o assunto é sexo, o corte parece ser outro…
    é preciso romper essa barreira social e afetiva em torno do vírus…para que os avanços da ciência realmente penetrem de maneira definitova no nosso cotidiano…para que nao tenhamos mais medo e receio de dizer nosso status de soropositivos em tratamento e indetectáveis…
    para que todo esse trabalho traga também uma vida social mais justa e menos estigmatizada…
    te acompanho porque vc faz um bem enorme com suas postagens…

    grato,

    R.

  5. Hope diz

    Oriento estudantes de mestrado e doutorado e, no início, todos entendem que têm não hipóteses, mas conclusões já prontas e que devem ser provadas a qualquer custo. Minha pergunta de sempre: se você já tem a conclusão, que tal escolhermos outro tema de pesquisa?? É difícil nos desapegarmos de nossas hipóteses, mesmo quando se provam erradas! Parabéns pelo texto!

  6. Romulo diz

    Muito rico seu texto. Realmente causa até um mal estar saber que a ciência evoluiu tanto, mas que as pessoas torcem o nariz para as descobertas e preferem se arraigar a crenças tão ultrapassadas e até mesmo nocivas!

  7. M. diz

    Olha quando fui diagnosticado com HIV eu estranhei 3 coisas:

    1- Os médicos confiam muito no tratamento e não associam a pessoa que se cuida a morte e sim a uma doença crônica totalmente controlável.

    2- Eles pedem para você não contar nada a ninguém, pois sabem o prejuízo que isso pode acarretar. Os meus me falaram para contar se quiser, daqui a meses onde eu já esteja com a cabeça no lugar.

    3- Meu infectologista disse que teme muito mais outras doenças que ele atende do que o HIV. Eu achava que o Hiv era a pior de todas.

    Agora não sei se ele falou isso por causa do meu desespero ou se é porque as coisas são assim mesmo.

    • Lucius de Roma diz

      As coisas são assim mesmo M.! O tratamento é eficaz e os efeitos colaterais a curto e médio prazo são contornáveis; é melhor que um número reduzido de pessoas saiba da sua soropositividade pois o ser humano é imprevisível nas suas reações; existem muitas doenças piores que a AIDS ( e olha que eu desenvolvi a doença) e já vi amigos e conhecidos jovens morrerem de câncer e de outras mazelas nos últimos e eu graças a Deus permaneço saudável.

        • Lucius de Roma diz

          Muito tardio! CD4 16 e carga viral quase 500 mil por mm3. Sou um não respondedor, minha cd4 nunca passou de 300 nestes quase 3 anos de tratamento. Mas graças a Deus minha saúde é ótima e tenho uma excelente resposta imune humoral (anticorpos), apesar de ter 50 anos e com isso não desenvolvi nenhuma doença neste período.

          • Secret Guy diz

            Caramba, Lucius!!

            Isso pra você foi um renascimento. Não há possibilidade de seu cd4 aumentar com a recuperação do sistema imunológico? Vamos ficar na torcida!

            um abraço!

          • vivendopositivo diz

            Lucius, fiquei curioso, vc conseguiu ficar indetectavel? Em quanto tempo? Qual a explicação médica para seu CD4 não voltar aos padrões normais? Até hoje não entendi bem isso, de porque algumas pessoas não recuperam os cd4.

            • Lucius de Roma diz

              Oi Vivendopositivo. Fiquei e permaneço indetetável desde o 3° mês de tratamento.As CD4 não se recuperaram e não o farão devido ao longo período de contato com o vírus (de 6 a 8 anos do contágio), mas o que exatamente impede que ele se recupere eu não sei te informar, pois já ouvi várias justificativas e parece que ninguém tem certeza absoluta sobre isso. Talvez JS saiba um pouco mais sobre isso, pois seu médico é pesquisador na área e ele também teve dificuldade para aumentar o número das CD4.

      • Entendi Lucius. Sabe o que tem me preocupado são esses efeitos a longo prazo 😦

        Precisamos logo de uma cura gente.

      • Gc diz

        Tive uma experiência meio complicada sobre minha condição: morei com um cara, que era médico, e toda vez que tínhamos um desentendimento ele rasgava aos quatro cantos mina condição. Chegou a contar no trabalho e para minha família, que até então não sabia de nada. Sorte que tenho pessoas ao meu redor que gostam de mim.

        • Cara do Bem Sampa diz

          que situação GC
          por isso acho delicado contar…
          que bom que ficou bem
          abraços

    • EPSJ rj diz

      Então, o meu infectologista disse exatamente a mesma coisa, eu fui diagnosticado ontem de manhã, minha cabeça esta tudo fora do lugar… um pouco sem rumo ainda!

      Daqui algum tempo eu consiga contar à alguém.

  8. Wagner-sp diz

    JS parabéns pelo seu texto, confesso que fiquei emocionado em algumas partes!
    Mudanças de paradigmas são necessárias para que este estigma existente sobre o portador de HIV diminua, mas como vc mesmo disse ainda ressoa na cabeça das pessoas o passado…Tem sido um pouco frustrante discutir com algumas pessoas sobre o assunto e perceber que por mais dados e informações de fontes fidedignas que eu possa apresentar, elas simplesmente não querem/não vão/ não são capazes de entender e se apegam com todas as forças naquilo que é mostrado no jornalismo sensacionalista…

  9. Uow! Muito interessante JS (like). Apesar de longo compartilho com vocês trechos de um estudo que li, coincidentemente, nesta semana – Para quem quiser ler na íntegra mande um mail – dramadaflor@gmail.com – que eu envio. 😉

    “A linguagem é o lar do ser… A comunicação é similar ao sistema nervoso do corpo humano. É mantida por uma multiplicidade de sinais que se originam de todas as partes do corpo. Se o sistema nervoso ou o sistema imunológico falhar, o bem-estar do corpo inteiro é prejudicado. Similarmente, nenhuma democracia moderna pode existir, simplesmente deixada sozinha para florescer, sem um determinado nível de informação e de participação. É assim que todo corpo político depende dos Direitos à Comunicação.

    A comunicação mantém e anima a vida. É também o motor e a expressão da atividade social e da civilização; conduz pessoas e povos do instinto à inspiração, por meio de processos e sistemas variados de questionamentos, de comando e de controle; cria um entendimento comum de idéias, fortalece o sentimento de solidariedade e traduz o pensamento em ação, refletindo cada emoção e necessidade, das tarefas mais humildes da sobrevivência humana às manifestações supremas de criatividade ou destruição. A comunicação integra o conhecimento, a organização do poder e dirige os caminhos que ligam a memória do homem (seres humanos) a sua (suas) aspiração (aspirações) mais nobre (s), endereçando-o (s) constantemente para uma vida melhor.

    Essas reflexões conduzem a uma outra dimensão da comunicação: a igualdade. Nós não podemos nos comunicar com o outro quando o consideramos ‘inferior’. O mestre pode impor informação ao seu escravo ou empregado, mas uma comunicação genuína dificilmente tem seu espaço numa relação assim. O mesmo acontece quando os homens consideram mulheres como seres humanos ‘inferiores’… A liberdade comunicativa pressupõe o reconhecimento de que todos os seres humanos têm a mesma importância. E a igualdade se torna mais explícita nas interações humanas à medida que a comunicação acontece com mais facilidade e de maneira plena.”

    Abraços em todos.

  10. Cara+ diz

    Lindo texto JS.

    O que percebo é que existe uma lacuna, porque não dizer, um grande abismo entre o que nós, junto com médicos, estudiosos, cientistas…, sabemos a cerca da doença e o que a população no geral sabe. Essa lacuna, esse paradigma que se criou é que precisa ser combatido para que possamos viver uma “nova consciência” sobre o tema hiv/aids.

    Infelizmente, na história da humanidade, quebra de paradigmas está associada a demora pois mexe com idéias enraizadas, conceitos e pre conceitos estabelecidos, que trazem um certo conforto. Reentender o que já está (estava) entendido, dá trabalho, pois trata direto com mudança de conceitos e consequentemente, posturas frente a vida.

    Como sempre postei aqui nesse blog, até porque vivo isso na minha profissão diária, essa mudança, esse novo olhar sobre o tema, essa “nova consciência” que gerará uma nova postura e entendimento sobre, só se dará com informação correta, clara e objetiva (como essa do seu post), preferencialmente em massa e não somente a quem a procura.

    Bem por esse motivo, me mostrei “entusiasmado” com a campanha do carnaval #partiuteste. Mesmo pequena, frente a imensidão de coisas que desconhecemos quando somos soronegativos (interrogativos???), me pareceu uma mudança de como encarar a doença, dando a entender que se conhecendo melhor, existe muita vida e de qualidade.

    Pena que na contramão, meses depois veio esse tal “clube do carimbo” e desandou todo o esforço feito. A comunicação foi editada a ponto de não revelarem, ou melhor, deixarem bem entendido, que o tal clube se dá com soropositivos que não fazem tratamento e por esse motivo não se encontram indetectáveis, expondo a todos nós (para as massas e desavisados de plantão) como possíveis criminosos, só reforçando assim, aquele mais do mesmo que a gente entende a duras penas no nosso dia a dia.

    Parabéns pelo post, pelos conhecimentos e esclarecimentos. Que possamos a partir de agora ter a certeza de que – É hora de nos comunicarmos melhor! para um futuro melhor, com menos estigma, menos preconceito, menos intolerância e mais aceitação, mais igualdade, mais vida!

  11. Cauã + diz

    Parabéns pela escrita JS. Texto perfeito nos mínimos detalhes.
    Informação condizente com tudo que acreditamos.
    Muita informação aos desinformados Sempre!!!

  12. HopeAlways diz

    Parabéns pelo excelente texto JS. Altamente coerente e informativo. Cada dia mais sou fã. Agradeço também pela oportunidade de conhecer tanta gente bacana. Agora a pergunta é : Fala com quem p encontrar vc quando for a sampa?rsrsrs 😀

  13. Peterson diz

    Belíssimo texto. Acredito que a quebra dos paradigmas precisa vir de dentro para fora, ou seja, temos que buscar essa mudança da concepção de valores em nós mesmos primeiro para depois buscar uma possível compressão do exterior (dos outros). Sei que não sou uma pessoa ignorante, porém, comumente me pego lamentando (passo por ciclos de “pensamentos negativos” – posso assim dizer). Sei dos avanços da ciência, não só sei como vivencio o mesmo, sou minha Carga Viral é indetectável a um bom tempo. Mesmo assim me pego questionando-me muitas vezes.
    Sei que é um “auto sabotar-se”, porém não consigo deixar de me sentir mal em alguns momentos. Sei que preciso trabalhar com isso.
    Esperar a compreensão do outro é um segundo passo para mim.

    • Nana diz

      Esperar das pessoas um comentário que seja de ânimo,meu médico disse que não era pra falar com meus amigos devido às pessoas ainda terem esse preconceito..e dificil tem dias que estou bem,tem dias que gostaria de acorda desse pesadelo,meu medo maior e ter descoberto isso agora 3 meses e a pessoa que me passou faleceu 1 mês….mas estou bem meu cd4 está ótimo,nem vou precisar iniciar o tratamento por agora…

  14. Ale diz

    Texto fantástico, como tantos outros postados no seu blog. Não sou muito de textos grandes, só tenho a agradecer, pois cada vez que leio suas postagens ganho mais fôlego para continuar a viver bem, sem medo do HIV e feliz.
    Grande abraço

  15. Soropositivo diz

    Caro Jovem Soropositivo,
    Antes de qualquer coisa, obrigado. Seu blog foi uma das razões pelas quais não surtei ao me descobrir portador do HIV, às vésperas do último Carnaval (as outras consistiram em conversas com outros portadores que conheci pela Internet, consultas com bons médicos e leituras de outros sites, principalmente estrangeiros).
    Sua abordagem acerca do tema —- desprovida de informações ultrapassadas e extremamente calcadas no estigma popular da doença — permitiram-me fazer aquilo que foi essencial para sobreviver ao impacto do diagnóstico: entender a infecção pelo HIV de acordo com o que ela de fato é hoje (ou seja, uma condição crônica de saúde, efetiva e facilmente tratável, que não diminui mais a expectativa de vida dos que a têm, e que pode ser facilmente não-transmissível a terceiros).
    Esse processo, para mim, assemelha-se muito ao mito da caverna de Platão, no qual um sujeito preso numa caverna por correntes (suas opiniões acerca da realidade, convencionadas pela sociedade) enxergava apenas as sombras das coisas do mundo externo, tomando-as como reais. Depois de se livrar dessas correntes, sair da caverna, e ver a real imagem das coisas do mundo externo, o sujeito voltava à caverna para convencer seus pares dessa nova realidade (embora fosse desacreditado pela maioria deles). Esse mito, a propósito, inspirou também a história do Neo, no filme “Matrix”.
    Mas voltando ao assunto, antes desse entendimento, admito que eu pensava como a maioria dos soronegativos: que o HIV ainda era o monstro do início da epidemia, que ele representaria o fim da minha vida ( e também das minhas vidas social, afetiva e sexual), e que eu jamais pegaria o vírus (por ser ele algo “dos outros”).
    Confesso que o processo de aceitação da minha nova condição tem sido sofrido demais, principalmente em função dos meus próprios preconceitos.
    Se eu soubesse antes do que eu sei hoje sobre o HIV, tenho certeza de que passaria muito mais facilmente por esse baque inicial. E digo mais: tenho certeza de que teria muito mais chances de não ter sido infectado.
    Afinal, ao contrário do que muitos parecem pensar, não falar sobre o HIV não faz com o que o vírus torne-se ausente de nossas vidas: na verdade, esse silêncio faz com que tenhamos mais chances de contrair esse agente biológico.
    Grande parte dos governos e organizações de saúde do mundo já atentou para esse fato: ao invés de diminuir as novas infecções, a desinformação sobre a nova realidade do HIV e da AIDS tem servido única e exclusivamente para perpetuar a epidemia e o preconceito contra os soropositivos (que, ao contrário das armas da medicina no combate à infecção, não evoluiu muito ao longo dos últimos 30 anos).
    O discurso do medo mostrou-se falido. Órgãos de saúde de países como o Canadá, o Reino Unido e os Estados Unidos estão tentando reconstruir a imagem do HIV perante a população. No Brasil, o esforço nesse sentido ainda me parece tímido (talvez em função da influência política do conservadorismo religioso que, numa situação como a da epidemia do HIV, mostra-se, literalmente, criminoso, como diz o Doutor Dráuzio Varela).
    Hoje mesmo fui buscar meu primeiro frasco do “3 em 1”, e fiquei pasmo com a desatualização da farmacêutica que fez uma espécie de consulta para apresentar-me a medicação.
    Apesar da boa vontade demonstrada, a moça não aceitava que um paciente com carga viral indetectável é um transmissor meramente hipotético do vírus! Ademais, por mais que isso se deva talvez a um problema de conceituação, chegou a me dizer que não havia diferença entre portador do HIV e paciente com AIDS manifestada ( como se eu que tenho CD4 de quase 1000 e baixa carga viral estivesse na mesma situação de alguém com CD4 baixíssimo e de alta carga viral). Se uma farmacêutica que trabalha exclusivamente com remédios para a AIDS padece dessa desatualização de conhecimento, imagine então uma pessoa soronegativa cujos conhecimentos sobre o tema estacionaram nos anos 80/90?! Aliás, percebi que mesmo médicos que não são infectologistas padecem de um profundo desconhecimento e de uma profunda desatualização sobre o tema.
    Sem dúvida, é essencial que essa nova realidade do HIV e da AIDS seja levada ao conhecimento de todos. Não apenas para o controle da epidemia, como também para diminuir os preconceitos infundados contra os portadores do vírus. O caminho é longo, mas nós, soropositivos, não podemos nos furtar a entrar nessa batalha (pelo nosso bem, e pelo bem da saúde pública). É triste demais (embora compreensível) pensar que teremos que passar anos e anos escondendo um problema de saúde como se ele fosse um crime! Se a infecção crônica pelo HIV ainda não tem cura, o preconceito contra ela, felizmente, tem: informação. Então, vamos nessa: espalhemos o conhecimento e pressionemos as autoridades e os meios de comunicação para fazê-lo também.

    • andre diz

      “talvez em função da influência política do conservadorismo religioso” – ok…que tal culpar também o comportamento promíscuo antirreligioso? Seria um pouco mais honesto.

      • D_Pr diz

        André, uma vez escutei de um amigo, deputado federal…o problema não é o que você diz , e sim, como ou o que as pessoas vão entender do que foi dito!

        Na minha opinião, você interpretou a frase do “soropositivo”, de maneira contrária a intenção do cidadão, não coloque comportamento promíscuo como nivelador dos frequentadores! Você desconhece a história de cada um…, visto que na minha interpretação ele se referia ao combate do estigma e preconceito, para derrubar a imagem do que entendemos por ser portador do HIV e tais medidas esbarram no conservadorismo, que não busca informar as pessoas de maneira correta e SIM criminalizar os portadores do HIV!

        • andre diz

          Ninguem nivelou ninguem, uma vez que não citei nomes e muito menos me referi a este digno blog. Voce comete o mesmo erro que procura combater. E ademais: o blog tem muita gente, creio que a maioria, que adquiriu a infeccão de modo involuntário, na base da confiança no parceiro. Porém também está cheio de depoimentos de frequentadores de saunas, de parceiros que frequentam orgias e até mesmo de um rapaz que adquiriu o vírus após “comemorar” um resultado negativo com relações desprotegidas seguidas. Se isso não for promiscuidade, então eu não sei o que seria. Por fim, querer responsabilizar o meio religioso é que é o cúmulo do pensamento medieval, como citou um nobre colega abaixo deste post.

          Abraço!

          • D_Pr diz

            André,

            Na minha falta de argumentos e interpretação distorcida, conforme minhas limitações pueris e intelecto pouco desenvolvido, prefiro concordar com você e me calar!

            Abraço e um ótimo final de semana!

      • Secret Guy diz

        Comportamento promíscuo antirreligioso??

        Putz…. essa doeu na alma! Pelo jeito a mente também tá contaminada por comportamento moralista da Idade Média!

        • Herivaldo Virulato diz

          É culpar a vítima pelo crime… O que é, afinal, um comportamento “promíscuo”? Transar todos os dias com a mesma pessoa? Muita gente pegou assim. Transar com uma pessoa diferente cada semana? Muita gente faz isso e não pega. Vamos focar no que interessa é deixar as pessoas fazerem o que quiserem de seu próprio corpo! Impressiona-me que tem gente que ainda se preocupa comisso. Deus não quer que vc tenha um comportamento promíscuo, por isso mandou o HIV. Deus também não deve querer que você pegue sol, afinal mandou o câncer de pele!

      • Secret Guy diz

        Larga de ser hipócrita!

        E a condenação da igreja ao uso de preservativos? Me fala sobre isso! Fora todo o dogma e manipulação exercido sobre a população? Mas não adianta falar nada para uma mente obtusa. Será somente perda de tempo!

        Cada um faz com o seu corpo o que bem entender seja na sauna, na IGREJA, em casa, no motel com 1, 2, 3, 4, 5 ou 6 pessoas! Cada um tem o direito a viver a sua vida! Você não tem direito de julgar e ofender o particular de cada indivíduo através de uma forma de pensamento ARCAICA!

        • andre diz

          Hipócrita é um adjetivo um pouco pesado, todavia, nada tenho contra vc. Mas vamos debater ideias, sem descer à ofensa. Aqui vai um pensamento a respeito da restrição imposta pela ICAR sobre o uso da camisinha, veja bem, é apenas minha opinião: Se a pessoa se contamina por aceitar a orientação da igreja no sentido de não usar o preservativo, comete um ato muito pior do ponto de vista teológico: o do sexo descompromissado. Então o sujeito que assim age, está em desconformidade com os ditames da igreja de qualquer forma…de todo modo é um transgressor…não é “culpa” da igreja, mas de seu próprio descontrole sobre seus instintos! É esse o ponto que eu quero chegar. Veja bem, nem católico eu sou, tenho opinião divergente sobre seus dogmas e etc. Mas isso não me impede de sopesar alguns pontos discordantes de meu ponto de vista. Mudando o enfoque, concordo com vc Secret Guy, quando diz que cada um tem o direito de viver sua vida: e por isso mesmo deve assumir sua parcela de responsabilidade e não se tornar um “coitadista” e jogar a culpa em instituições…que a cada um que deseje ter o direito de viver sua própria vida do jeito que lhe aprouver, que também lhe caiba o dever e a responsabilidade de proteger a si mesmo e a sociedade que o cerca do modo mais cuidadoso possível. O que sair disso é, como já disse, uma variante do “coitadismo” que está tão na moda atualmente.

          Fique bem e tenha um excelente final de semana!

          • Juliana :) diz

            André, vamos ver o contexto da frase que vc mencionou?

            “O discurso do medo mostrou-se falido. Órgãos de saúde de países como o Canadá, o Reino Unido e os Estados Unidos estão tentando reconstruir a imagem do HIV perante a população. No Brasil, o esforço nesse sentido ainda me parece tímido (talvez em função da influência política do conservadorismo religioso que, numa situação como a da epidemia do HIV, mostra-se, literalmente, criminoso, como diz o Doutor Dráuzio Varela).”

            A questão não é se fazer de coitadinho: “adquiri o HIV por culpa da Igreja e não dos meus próprios atos.”
            Se vc observar o contexto da frase vai ver que não tem nada a ver com isso.
            O que está sendo questionado (observe que ele ainda usou a palavra “talvez”) é como o conservadorismo religioso influencia a política de combate e prevenção do HIV no Brasil.
            Em outros países de fato há campanhas interessantíssimas de combate ao preconceito e de incentivo aos testes.
            Se vc manja inglês, depois só joga no Google: “undetectable hiv campaign” e vc vai ver alguns exemplos do que eu estou falando.
            Joga la também: “know your status hiv campaign” e vai ver vários outros exemplos.

            E por que no Brasil não vemos campanhas nesse sentido? A abordagem aqui é bem diferente. Você acha mesmo que o conservadorismo religioso não tem nada a ver com isso? Eu acho que tem sim.
            E isso não isenta qualquer pessoa, religiosa ou não, de sua responsabilidade sobre suas ações.

            Então vamos voltar ao contexto. O mocinho “Soropositivo” diz que o esforço dos órgãos de saúde do Brasil ainda são tímidos em mudar a imagem do HIV perante a população.
            E vc diz que deveríamos culpar o “comportamento promíscuo antirreligioso”?
            Pra começar, vc se equivocou na interpretação de texto aí, só pode…
            E, em segundo lugar, o que é ser promíscuo pra vc? É transar com vários? Quanto é esse “vários”? Vamos perceber a relatividade desse conceito? Se a pessoa quer ter um comportamento que vc julgaria “promíscuo” (devido aos SEUS conceitos, cultura, modo de pensar e julgar), o problema e dela, a vida é dela, as escolhas são dela.

            Sexo não é pecado. Sexo não é sujo. E o sexo dos outros não é da sua conta. Seja orientação sexual, escolha sexual ou comportamento sexual. Basta se preservar, se testar, se cuidar. É por causa de ideias como essa, que AIDS e “promiscuidade” andam juntas, que o preconceito está aí, que muita gente não se protege (“meu namorado não é promíscuo), que muita gente não se testa (“eu não sou promíscuo”). E isso só aumenta o número de infectados que nem sabem que são soropositivos e estão por aí infectando outros.

            Percebe o alcance disso??

            Por favor, não faça generalizações tão preconceituosas. Além de tudo, muita gente pode se sentir ofendida. Tome cuidado com suas palavras, ou então pense um pouco mais antes de falar (ou escrever).

            Beijinhos de luz
            😉

            • andre diz

              Não estou inventando nada, se voce acha que prática de sexo com desconhecidos em saunas não é promiscuidade e que falar nisso é preconceito, isso é problema SEU e de quem concorda com voce. O sujeito se contamina dessa forma, o parceiro(a) confia nele e voce diz que isso não é da conta de ninguém?? Promiscuidade é um conceito objetivo, não relativo como voce quer fazer parecer. Seu relativismo não cabe aqui não (PS. a palavra preconceito é um “gatilho” – palavra-chave desprovida de seu significado que é jogada na cara de alguém que discorda de sua idéia sacrossanta – pesquise isso no google e depois que voce obtiver um pouquinho mais de cultura, TALVEZ consiga perceber o quão arrogante foi). Ademais, tome cuidado VOCE também com suas palavras, pois vi em outro post, seu falso moralismo jogado na cara da pessoa que expôs seu pensamento a respeito de não querer ter relações com pessoas indetectáveis. Ela apenas disse que teria que ter cuidado redobrado pois o fator humano (que é inerentemente falho) poderia fazer com que um identectável possa se transformar num eventual transmissor involuntário.Vi um apedrejamento sem precedentes, numa fúria talibã que me causou vergonha alheia, pois em vez de ter uma conversa clara com uma pessoa que foi humilde em agradecer o conhecimento adquirido no fórum, o que vi foi um “linchamento” moral que a moça sofreu e que agora estão tentando também me impor.

              E para parecer simpático, após lhe revidar à altura, também lhe envio hipócritas “beijinhos de luz”…

              • Juliana :) diz

                Hahahaha ficou bravo, André?

                Relaxa aí, cara…

                Acredito sim na relatividade do conceito de promiscuidade. Pois o que é promíscuo pra um pode não ser promíscuo pra outro.

                E acredito mais ainda que você está errado ao propagar esse ideia de que promiscuidade e aids andam juntas (pelos motivos que eu ja expliquei no meu comentário anterior).

                Mas se você quer insistir no erro, daí ja não há nada mais que eu possa fazer.

                Quer dizer que houve um apedrejamento/linchamento com fúria talibã no meu comentário?
                Hahahahahahahahaha
                Exagerado você hein?
                Ta nervoso? Calma, faz bem isso não!
                Eu só disse que eu me relacionaria tranquilamente com um soropositivo. Passei loooooonge dessa fúria toda aí.

                Acho que você que tem que dar uma relaxada hein? Que tal um yoga? Uma meditação? Diz que ajuda…

                Mais beijinhos de luz, como diria Irmã Zuleide!
                😀

                • andre diz

                  “E acredito mais ainda que você está errado ao propagar esse ideia de que promiscuidade e aids andam juntas (pelos motivos que eu ja expliquei no meu comentário anterior).
                  Mas se você quer insistir no erro, daí ja não há nada mais que eu possa fazer.”

                  Depois de ler isso, como sustentar uma conversa com uma pessoa que diz que promiscuidade é relativa e que nada tem a ver com aids…é de sangrar os olhos…experimente viver assim…voce, (que é soronegativané?), uma hora acerta…boa sorte (voce vai precisar).

                  • Cara+ diz

                    André…
                    na boa, vc se importaria de nos contar como se tornou “sangue azul”? peço desculpas, caso já tenha contado aqui no blog, mas é que como existem muitos posts, se não te importares em relatar novamente, ficarei grato!

                    obrigado!

                  • maxwell diz

                    Se vc entende que promiscuidade e aids são duas coisas que andam de mãos juntas, então podemos entender que você é promíscuo?
                    Amigo, cresça para depois querer aparecer.
                    A moça apenas disse que há INÚMEROS casos em que determinada pessoa pegou em uma relação MONOGÂMICA.

                  • Juliana :) diz

                    André, há muita gente (aqui no blog mesmo) que vc não consideraria “promíscua” e mesmo assim contraiu o HIV.
                    Acorda, filhão!

              • Cara+ diz

                Oi André

                apenas para esclarecer o post em questão da tal Fernanda (se não me engano o nome é esse), que se diz ser soronegativa e que conheceu esse blog por ter tido um comportamento de risco e que falava que mesmo tendo conhecimento e tendo lido tudo o que era disponibilizado neste blog, inclusive sobre questões de estar indetectável x relacionamento, não teria um relacionamento com um soropositivo.

                Opção dela e é claro que devemos respeitar, mas infelizmente essa postura é pautada em preconceito e não em fatos. Se não é preconceito, o que seria então? Uma vez que todas as pesquisas, pesquisadores, estudiosos, postura médica e especializada, diz uma coisa e a pessoa quer adotar outro comportamento que vem na contramão de tudo o que é comprovado? Ou realmente a pessoa não entendeu bem o “tema de casa”, ou apenas correu os olhos sobre o que não interessava saber para fazer tal colocação.

                O que a faz não ter certeza que pode ter um relacionamento com um soropositivo tão normal e legal quanto com um soronegativo? PRECONCEITO! Então quer dizer que porque gosto demasiadamente de doces, jamais terei uma relação com alguém que tem diabetes, pois teria que me controlar no meu desejo incontrolável por doces? Pera aí né!!!!

                É um direto dela? é. Devemos respeitar? Devemos! Até porque cada um sabe onde aperta o seu sapato. Agora, não venha aqui querer colocar abaixo todo o estudo, entendimento, acompanhamento e comprovação de anos de estudo. Entenda que a limitação é dela e não dos estudos e comprovações feitas.

                Na boa, não vamos esquecer que esse blog é visitado por inúmeras pessoas. Todos os dias tem gente entrando aqui e relatando ter tido “reagente” no seu teste anti hiv. Lembrando tb que tem várias pessoas que só acompanham e esse tema hiv x relacionamento (inclusive relacionamento sorodiscordante) é o “calcanhar de Aquiles” de boa parte de soropositivos em tratamento e indetectáveis, então, todo o cuidado em escrever o que se pensa é sempre bem vindo, ainda mais num espaço destinado a soropositivos.

              • Confiante diz

                Correto. Qualquer tipo de sexo fora dos padroes normais é pura selvageria, sexo é nojento, principalmente entre homens, o sexo é algo tao impuro que só serve pra duas coisas procriar ou pegar doencas.

          • Secret Guy diz

            André!

            A igreja é instituição política mascarada de religião com uma filosofia de controle e submissão através da culpa e renúncia da vida.

            Você, pelo jeito, não vê os tentáculos dessa política nefasta. Você julga as pessoas perante a Santidade da Igreja. Me poupe!

            Isso é ser inocente demais! Me desculpe por ter te ofendido!! Eu não tenho vontade de discutir porque você é uma pessoa que afirma suas convicções. Você não está aberto para o debate. Suas afirmações são conceitos atrasados. Eu não sou fechado ao diálogo. Porém, a base de minhas afirmações são contemporâneas.

            • andre diz

              Secret guy: Não há diálogo com um “hipócrita” como eu…continue julgando agressivamente com base em seu pensamento contemporâneo e livre de “preconceitos” (vide o que voce disse: “Você julga as pessoas perante a Santidade da Igreja. Me poupe!”). E eu disse que nem católico sou…mas quem sou eu pra contestar voce né?
              Como eu disse alhures, melhor ler isso do que ser cego…

    • Concordo totalmente com você, a falta de informação nos faz sofrer muito mais. Pessoal até riu de mim aqui, pois eu postava desesperado achando que havia passado Hiv para minha família. Que eu tinha que avisar todo mundo, sair de casa e tudo mais.

      Mesmo depois de toda a informação, hoje de manhã minha mãe entrou no banheiro em seguida a mim. Eu havia apenas urinado e fiquei tenso pensando que poderia passar algo para ela. Olha aonde chegamos! Eu estou tendo mais dificuldade de vencer o preconceito do que lutar contra esse vírus. Isso chega a ser ridículo. E olha que eu me informei, sei os meios de transmissão e vaso sanitário definitivamente não é um deles. Mas eu fico me sentindo mal por causa do senso comum que é extremamente preconceituoso.

      Estou a uma semana trabalhando com uma cara péssima, pois não consigo me desligar disso… não posso falar nada com ninguém… Não posso deixar de vir ao trabalho… tenho que inventar uma desculpa quando preciso ir ao médico e simplesmente tenho que sofrer em silêncio. E porque? Porque o preconceito é muito grande e o meu tenho percebido que é o maior de todos.

      Claro que um câncer é muito mais grave do que HIV, mas pelo menos as pessoas que tem esse tipo de doença podem receber apoio… a pessoa com HIV tem que se comportar como um criminoso. Isso é muito triste. A globo que fez aquele desfavor a sociedade com aquele “clubinho do carimbo” deveria se posicionar a respeito das pessoas que tem o vírus e se cuida… Como canta Cássia Eller “O mundo está ao contrário e ninguém reparou”.

  16. HOPE diz

    Fiquei muito emocionado e esclarecido com o post.
    comecei ha uma semana o Retroviral e os primeiros dias foram bem dificeis.
    Segui o conselho de um amigo aqui do blog e comecei numa sexta-feira , o que me ajudou a estudar bem os efeitos colaterais.
    Neurologicamente, nao sinto nada.. pra nao dizer nada,. uma pequena tontura, mas acho que se agrava por consequencia do rivotril que sempre tomo antes de dormir (antes nao sentia tal tontura).
    nos primeiros dias senti uma queimação incontrolável por todo o corpo, mas eu comando bem minha mente e hj nao sinto mais.
    Senti um enjoo enlouquecedor nos três primeiros dias e consultei minha infecto perguntando se poderia tomar Bromoprida para combater a queimação e ela me disse nao haver problema nenhum.
    Conclusão. uma semana depois, já parece que estou tomando apenas um comprimido inofensivo ao deitar.
    Minha cabeça está mais tranquila agora.
    Tinha muito medo da reação do 3×1 em meu organismo, espero que fiquem apenas nas que já senti até hj.

    • caradobemsampa2 diz

      Hope
      excelente noticia! muito feliz por vc.
      Mais uma etapa vencida!
      parabéns pela conquista
      abraços

  17. Herivaldo Virulato diz

    Eu continuo chateado com a postura do Dráuseo na Globo. Competiria a ele dar o primeiro passo.
    E eu acho que, mais que PrEP, o caminho é TasP. Ele não me parece estar convencido disso.

  18. Zeus diz

    Melhor blog de auto-ajuda do mundo, até por que só sei português rsrsrsrsrs.
    Texto maravilhoso e que expressa a realidade ou fantasia.

    Parabéns Js, sua escrita vira vida em nossos corações

  19. luquinha diz

    Uma frase que para mim se destacou (Muitos não têm ideia dos avanços da ciência nessa área. Longe disso, até duvidam dela. ) Lindo texto , com confiança de cura rs

    Gente mudando de assunto , gostaria que vocês dessem uma olhada no site , da Fundação viva cazuza se puder comprem uma camiseta que custa 50 reais mais 14 reais a taxa de embarque ,os modelos ( fã clube volta cazuza) ou (prefiro toddy ao tédio )lembrando que em 2013 chegaram 6 bebezinhos .http://www.vivacazuza.org.br/sec_loja.php

  20. caradobemsampa2 diz

    Realmente valeu à pena dedicar um tempo para ler, compreender e refletir sobre as informações desse texto.
    JS, só tenho a agradecer por trazer informações tão atuais, e tão bem interpretadas e escritas. Você faz co-relações fantásticas. Não é a toa que seu blog é um sucesso e indicado para leitura em alguns CTA´s. Além disso criou e disponibiliza um espaço precioso para que pessoas que como nós estão aprendendo a aprender com a sorologia positiva.
    O que mais me tranquiliza nesse texto, é ter a certeza que tomando a medicação evito a propagação da epidemia.

    Hoje, sigo no 7º do 3×1 e meu organismo está se adaptando muito bem…. e que continue assim.

    Vamo que vamo pessoal.

    grande abraço a todos

    • HOPE diz

      Muito feliz por vc tb Caradobem…. é dificil demais se deparar com a noticia de ser soropositivo, mas felizmente com o tempo as coisas parecem ir se acertando na cbça. hj por coincidencia é meu 7º dia com o 3×1 tb.
      Espero nao ter outras reações além das que já tive. e espero de verdade que vc tb nao tenha reaçoes ruins.
      Grande abraço

      • caradobemsampa2 diz

        Tamo junto Hope, firme e forte rs
        pra mim o pior já passou.. e pra vc tb… bora diminuir a carga viral rs
        abraçao

    • Goiano+ diz

      Meu sétimo dia também amigo!
      Com muita fé e força de vontade vamos conseguir vencer.

      Abraço a todos vocês! 🙂

      • caradobemsampa2 diz

        Opa Goiano,
        maior galera com o mesmo tempo de medicação…
        vamo que vamo… até agora tudo indo bem.
        abraço

    • Juliana :) diz

      Cara do bem meu quiridoooo
      Sdds! hehehe
      Que bom saber que vc está se adaptando bem à medicação!
      Fico muito feliz mesmo! E que continue assim! Rumo ao indetectável! 🙂
      Bjosssssssss

      • caradobemsampa2 diz

        Jujuuuuu!!!!
        Saudades de vc 🙂
        tudo indo perfeito. bem melhor que esperado.
        bjao

    • Novato diz

      Pessoal, que maravilha! Estou tomando a minha medicação desde o dia 10/04. Exceto as tonturas estranhas e sonhos conturbados, não sofri com qualquer outro efeito colateral nos primeiros dias. Desde a descoberta que ocorreu há pouco mais de um mês perdi um pouco de peso e fios de cabelo. Acredito que se deva ao fato do choque ENORME que foi para mim, bati no fundo do poço. Do “meu poço”, deixo claro. Emocionalmente abalado, venho descobrindo novas formas de ver o mundo e a vida. Hoje acordo disposto, sem qualquer efeito colateral. Nem tontura, não tive alergia, apenas os sonhos ficaram. Enquanto forem sonhos bons, que permaneçam! Tive uma longa conversa com a minha infecto sobre outras possíveis combinações medicamentosas, mas o 3×1, que nos traz esses efeitos imediatos e alguns outros a médio e longo prazo, são o melhor custo x benefício para o sistema brasileiro. Assim como essa novidade chegou até nós, espero que possamos ter a cada dia novas opções mais seguras e que fiquem a nosso alcance. Fico feliz em saber que o Caradobemsampa2 e o Hope estão lidando com a medicação como eu, que encaram a situação como um suplemento. Tomem as vacinas, alimentem-se bem, durmam, exercitem-se. O amor próprio, que muitas vezes dispensei, hoje é regra na minha vida. Vamos fazer com que o nosso futuro seja melhor!

      JS, seu foi incrível! “Costumávamos olhar para o céu e imaginar qual seria o nosso lugar nas estrelas, agora só olhamos para baixo e nos preocupamos com o nosso lugar na terra.” Parabéns!

      Força e fé! 🙂

  21. Mutatis Mutandis diz

    Boa noite. Belo texto.

    JS, seu texto é tão bem fundamentado que dá até medo de escrever algo que o contrarie, ou pelo menos tangencie essa possibilidade. Creio que o que vou escrever deve apenas tangenciar…Dado o tempo que tenho vou tentar escrever algo, não para contrariá-lo, mas para explicar que a dualidade Ciência x Religião é bem menor do que a gente pensa. Sou cristão e sou amante da ciência. A Igreja Católica está longe de ser uma entidade obscurantista, mais muito longe mesmo!

    1) Ao ler o livro “História Politicamente Incorreta do Mundo” escrito por um cientista Brasileiro, que nada tem de religioso, nota-se que a Inquisição, da forma como nos é contada, é um dos grandes exageros da humanidade, estava muito longe de ser um Nazismo na Idade Média…

    2) Numa pesquisa rápida no google também se percebe que o brilhante Nicolau Copernico era um Cônego (Padre com alguns trabalhos a mais) da Igreja Católica, ele foi o homem que lançou todas as bases da teoria heliocêntrica e disse abertamente que a Terra não era o centro do universo mas, ao contrário do que se pensava, era a Terra que girava em torno do sol.

    3) A abóbada ou domo (aquela parte redonda que fica sobre o teto do Vaticano e das demais construções nesse estilo) serviu como observatório astronômico durante anos, sendo usada como observatório inclusive pelo Paulo VI (acho que foi ele, salvo engano…) quando Armstrong pisou na lua.

    4) Que Sua Santidade (quaisquer dos Papas, inclusive o atual) é assessorado por mais de trinta prêmios Nobels que estão a serviço do Vaticano prestando consultoria nas mais diversas áreas (social, política, científica, médica, etc…) e esses cientistas nem são necessariamente religiosos, podem ser inclusive ateus!

    Olha a lista de casos que comprovam que a Igreja não é essa vilã que nossos professores de história e Hollywood pintam é vastíssima. Precisamos apenas abrir nossos olhos e parar de culpar a igreja pelas idiotices do ser humano em relação à ciencia. A igreja vê a ciência como manifestação plena da sabedoria divina no homem. Não quero aqui converter ninguém, nem causar aqui um debate religioso, nem tenho condicão sequer de participar de algo assim.

    O professor Felipe Aquino (Doutor em Eng Mecanica Pelo ITA, dentre outras atividades) afirma que foi graças à Igreja Católica que o Ocidente existe nos moldes de hoje. Segundo ele as invasões bárbaras que devastaram a Europa destruiram grande parte a riqueza cultural, científica e artística, exceto àquelas que os mosteiros fundados por São Bento conseguiram preservar. Não é à toa que a Igreja tem excelentes colégios e Universidades por todo o mundo, a Igreja tem vocação Científica, a Igreja acredita inclusive na teoria do Big bang (pasmem!!!) Quem parece que não gosta muito de igreja (provavelmente por não conhecê-la) são a maioria dos cientistas….

    Caros amigos, repito: não quero converter ninguém, nem preciso! Mas não podemos sair por aí com conceitos “lugar-comum”, igual a esses conceitos do tipo: quem tem HIV tem Aids, que tem HIV é uma bomba ambulante, quem está indetectável não é confiável, enfim….façamos a mesma pergunta que a igreja faz diante de um tão sonhado milagre: QUAL A POSIÇÃO DA CIÊNCIA?

    Para se atestar um milagre de um candidato a Santo, a Igreja precisa de 03 pareceres de cientístas diferentes, vejam só?!

    Grande Abraço a todos!

    • Herivaldo Virulato diz

      Só tenho uma palavra para vc, mutatis: parabéns! Seu texto é ótimo. Não culpemos a igreja pelas pessoas, senão nós estaremos, mutatis mutandis (desculpe o trocadilho)fazendo o mesmo que fazem conosco:julgando o todo pela parte.

  22. Ca+ diz

    Ótimo texto!
    Não te conheço, mas já te adoro JS!…rss
    Hoje faz uma semana que aderi ao tratamento… Dia 27 de abril fará um mês que descobri minha nova condição e desde então tenho acompanhado tudo por aqui. Nesse pouco tempo tenho buscado informações para sair da ignorância quanto se trata de HIV assunto que antes não me importava.
    Nunca vou esquecer o meu desespero e ao mesmo tempo a minha ironia em receber o diagnóstico de soro +…eu ria pq não queria entender que o Positivo realmente significativa Positivo, lembro que estava no site do laboratório e fui correndo mostrar pra minha irmã pra me certificar que não estava lendo errado. Uma mistura de desespero, despreparo e aflição “como aconteceu comigo!?”. Pois então, vem a vida e te dá um ” sacode” pra mostrar que o mundo é maior do que se vê pela janela.
    Sou grata por esse blog pois aqui dia 14/04 o D_Pr me socorreu ajudando a decifrar os exames. Agora o objetivo é seguir o tratamento até ficar indetectável e ir reorganizando a vida depois dessa sacudida. A hora é AGORA pra nos comunicarmos melhor. 😉

    • Garoto+ diz

      Boa noite galera, hoje dia 23/04 fazem exatamente 2 meses que descobri ser soropositivo, nunca passou pela minha cabeça chegar a este momento, nunca pensei que eu poderia ter que conviver com isto, digo a vocês que ainda não comecei a fazer o tratamento, estou esta semana indo fazer os primeiros exames, pois antes estava tomando coragem e tentando me aceitar, hoje estou melhor, me aceito e estou disposto a iniciar um tratamento e sei que isso não me atrapalhará em nada, como muitos disseram aqui no blog, tem tanta coisa pra fazer, tanta correria no dia a dia que acabo até esquecendo que possui isso.
      Fui pela primeira vez em um clínico geral que atende como infecto, porem, não gostei dele, ele é de idade e não responde minhas duvidas na mesma proporção que eu pergunto, por exemplo ele diz que não posso em hipótese alguma tomar suplementação como whey protein e outras coisas meio cabulosas de pessoas que realmente faltam se atualizar, por isso decidi dar continuidade ao meu tratamento com outro infecto, agendei horário e farei os exames a partir de lá, enfim, gostaria de dizer a vocês que desde que descobri ser soropositivo venho acompanhando o blog e que o mesmo me deu muita força para dar continuidade a minha vida, como faculdade, trabalho e etc.. Tenho apenas 20 anos e não passa 1 segundo se quer pela minha cabeça em contar com os meus pais, acredito que eles não merecem saber ou não entenderiam tal situação, apenas prejudicaria a mim e até mesmo a saúde deles.
      Enfim, obrigado pelo desabafo..

      • Secret Guy diz

        Relaxa que você logo tira isso de letra!

        Eu contei somente para 02 pessoas. É bem dificil a gente aguentar o baque sozinho. Dá aquela vontade de se jogar nos braços de alguém mas hoje eu sei que foi a melhor decisão tomada!

        Eu ainda também não estou em tratamento mesmo já há quase 01 ano sabendo que sou sangue azul!! E eu achando que não sobreviveria nem mais um mês!!

        Abs!

      • zed diz

        Olá, Garoto+. Ontem fez uma semana que comecei a tomar o remédio 3×1. Também não falei com os meus pais e com ninguém. Não acho que faria bem a eles nem a mim. Temos que ser fortes e fazer o tratamento direitinho, estar com a saúde em dia e quem sabe em alguns anos (5, 3 anos sei lá) com o desenvolvimento de algum tratamento ficarmos livres do vírus. Como o psicólogo que me atendeu disse que toma remédio todo dia pra pressão alta, to encarando assim. Não to comparando o hiv com pressão alta, mas tem muita gente que toma remédio todo dia pra várias doenças e muitas que são graves. Olha não digo que é fácil, mas essa é a nossa opção. Cuidar da saúde e tocar a vida. Voltei a fazer a academia, to trabalhando e não quero ficar pensando nesse vírus 24 horas por dia. De vagar vou retomando as coisas que estava fazendo. Sempre venho aqui e leio os comentários do pessoal. Isso tem sido muito bom pra mim. Abraços e tudo de bom pra vc.

        • caradobemsampa2 diz

          Zed é bem por aí…
          Ontem tb fiz uma semana com o 3×1…e hoje iniciei academia
          aos poucos as coisas vao normalizando.
          abraços

    • D_Pr diz

      M

      “Só sabemos com exatidão quando sabemos pouco; à medida que vamos adquirindo conhecimentos, instala-se a dúvida.”

      Johann Goethe

      O amanhã é tempo demais! Viva hoje!

    • Secret Guy diz

      Um passo de cada vez!

      A situação dela é extremamente diferente da nossa! A medicina é uma constante em evolução. Essa primeira geração de usuários de ARV mostrará o caminho a ser tomado nas pesquisas e assim por diante!

      Claro que viver com HIV não é um mar de rosas mas felizmente temos a ciência a nosso favor!

  23. Herivaldo Virulato diz

    Jovem, o Brasil costuma se vangloriar de ser pioneiro nas estratégias de combate ao HIV. Isso já foi verdadeiro um dia, mas tenho a impressão de que dormimos nos louros. Veja que campanha interessante no link abaixo. Onde está a nossa? Esse é o caminho que todo o mundo desenvolvido está percorrendo. E nós?

    https://m.youtube.com/watch?v=ulhaZ5HfTWY

  24. Brumo diz

    O que falar do JS que “mal conheço”, mas já considero pacas ??? hehehee …

    Bom fds, galera!

  25. fernanda diz

    Eu não sou soropositiva mas acompanho esse blog faz um tempo. Num momento que eu estava meio grilada sobre hiv fez mt bem pra mim. Tão bem, que continuo acompanhando . Realmente,ler as histórias de superação que leio aqui me motivam muito pra vida . Hj resolvi dar minha opinião sob a perspectiva de quem não é soropositivo +. Acho que por acompanhar o blog tenho uma visão um pouco mais ampla do que a maioria das pessoas. Meu comentário é sobre o caso da “J” que o jovem mencionou. Eu particularmente não me relacionaria com alguém portador do vírus e não é por preconceito ou desconhecimento. Sei da questão do indetectável,de hj poder ter filhos,do avanço médico, da tarv de td. Mas eu penso que qnd trabalhamos com a variável humana o resultado nunca é exato. Acho que exige uma confiança absurda no outro pq sabemos que em relação a doenças principalmente as crônicas que dá pra vc ir vivendo com qualidade enquanto tá medicado às vezes as pessoas se descuidam mesmo. Nem sempre a falha na prevenção salta aos olhos e no fim a verdade é que a gnt tem que contar mais com o comprometimento do outro do que com o nosso, e pelo menos pra mim é aí que o bicho pega.acho que a partir do momento que existisse um medicamento que desse ao parceiro um maior controle sobre a contaminação acho que as coisas seriam mais fáceis pra ambos os lados. Pq por mais q hj ser soropositivo não seja o fim do mundo a verdade é que ngm quer ter força nenhuma ainda mais uma doença q hj pesa mt mais pelo estigma social do que a doença em si. .

    • fernanda diz

      Corrigindo * a verdade é que ninguém quer ter DOENÇA nenhuma.

      • D_Pr diz

        Curioso Fernanda, as histórias daqui te motivam pra vida e você atira a flecha no calcanhar de Aquiles do soropositivo que é relacionamento?

        Não se sinta ofendida, como eu também não me ofendi pelo seu comentário, pois vivo um feliz relacionamento sorodiscordante (e ainda bem que minha namorada tem mais instrução nesse assunto que você), bem como apoio outras pessoas se permitirem amar, mas por falar em permitir, deixa eu dizer:

        Do fundo do meu coração, seu comentário fere e muito, a pior das lembranças de muita gente, o medo de ficar sozinho! Medo de ser rejeitado, medo de se apaixonar por alguém como você e ter essa resposta…

        Espero que a saúde lhe acompanhe, e você se cuide quando conhecer um soro-interrogativo afim de evitar que o feitiço vire contra o feiticeiro!

        Fique em paz!

      • Alexandre diz

        Fala Fernandinha, vc deve ser uma safadinha, heim? Conta pra gente, conta. Falar que o grande problema é confiar no comprometimento do parceiro? É pq vc deve ser uma putinha daquelas, num é não? Daquelas que o namorado liga e vc atende o telefone enquanto está dando pra 3 colegas de trabalho ao mesmo tempo, e conversa numa boa enquanto os 3 te desossam, num é? Conta pra gente vai?
        Coitado do corno do seu namorado. Daqui a pouco vc contamina ele. Sei que vc ainda é negativa, mas do jeito que deve ser sapequinha, já já pega!
        Beijo Fe!

        • desbravador diz

          hehehehe. Pode ser, Alexandre. Essas putinhas pipocam por aí nos dias de hoje. Fim de semana passado, eu e um amigo saímos com a “namorada’ dele e com uma conhecida dela de outro estado. A menina disse que tinha namorado lá na cidade dela, e mais, disse que o amava muito, entretanto ao final da noitada regada a muita cerveja,vinho e caipirinha, estávamos todos juntos dentro de um apartamento, se é que me entende. A moça tinha um namorado que dizia “amar” e após 30 minutos estava flertando arrojadamente comigo!

          • Juliana :) diz

            Gente, Alexandre e Desbravador,

            descupe, mas…

            Que MERDA é essa de “Fernanda safadinha putinha”?

            Na boa, não dá nem pra acreditar que eu li os comentários de vocês.

            É o apocalipse.

            OI, OIIIII PÁRA O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

        • andre diz

          Lamentável esse comentário. Espero que seja devidamente moderado.

          • Alexandre diz

            Lamentável o meu comentário? Desnecessário? Dupla de bosta. É por isso que cagam em nós. Lamentável é o comentário dela, ou vcs não entenderam? Sabemos que o Hope é gay, o que não tem problema algum, mas sendo assim não sabe o impacto que um comentário desse provoca, pois em relacionamentos gays a traição é muito mais normal do que em relacionamentos heteros, e não adianta negarem, logo, um comentário igual a esse não tem o mesmos peso pra vcs igual tem pra gente. E ainda pedem que seja devidamente moderado. Com certeza são passivos em todas as esferas da vida. Sem problemas. Cada um é cada um. Mas me irrita gente assim. São os verdadeiros brasileiros que trazem até hj consigo, o espírito da colonização por exploração. Não saem da zona de conforto e se entregam por qualquer preço. Por isso eu digo, dupla de bosta. Depois chega o desbravador e NARRA UM FATO, os dois colegas vão lá e enchem de negativo. Foda!

    • vivendopositivo diz

      Grande parte das pessoas hoje se contamina dentro de um relacionamento monogâmico. Sobre o medicamento que te dá esse controle, se chama truvada e já é utilizado.

    • Ca+ diz

      Fernanda, pode ter absoluta certeza de que ninguém contraí o hiv ou qualquer outra doença por querer. Respeito teu comentário, mas o que não acrescenta atrapalha. Que bom que as histórias que tens acompanhado por aqui de certo modo te ajudam e tomara que consiga aproveitar essas informações da melhor maneira possível. Porém teu discurso não faz mais parte do universo de muitos por aqui precisa te informar mais pra mudar essa maneira de ver as coisas. A tua ” visão mais ampla” permeia um caminho bem perigoso quase o do PRECONCEITO se não mudar isso, logo será só mais um atirando pedra ou julgando e aqui ninguém precisa disso. Ok!

    • Cara+ diz

      Na boa!!! Eu li isso?
      Fernanda, de verdade você lê o blog? ou apenas corre o olho sobre o que lhe interessa saber e passa desapercebido pelo o que não interessa? Seu questionamento, sua postura e suas colocações só colocam a prova todo o posicionamento científico a cerca da doença e seu tratamento. Como se anos de estudos, descobertas e avanços fossem colocados na lata do lixo!

      Te pergunto isso pois, se soubesse, veja bem, se soubesse metade do que sei hoje (sendo soropositivo) sendo soronegativo, jamais teria um pensamento como o seu. Se tivesse em mente que um soropositivo em tratamento, com carga viral indetectável representa um risco menor do que a própria camisinha para um possível risco de contaminação, não veria problema algum em ter um relacionamento sorodiscordante. Me sentiria até “duplamente” protegido, uma vez que soronegativo tem sempre o “Q” da interrogação sobre ser positivo ou não, mesmo fazendo testes e acompanhamentos (aliás, quantos efetivamente o fazem???). Digo isso, pois quantos aqui já não passaram pela terrível experiência (sendo soronegativos) de uma camisinha estourar e depois ficarem com uma pulga (porque não dizer, um elefante) atrás da orelha? É o tal: eu confio extremamente no outro, mas com o pé atrás. Eu te amo e sei que tu me amas, mas não confio, tudo bem para você?

      Ou confia, ou não confia. Não existe meio termo!

      De verdade, reveja seus conceitos, suas práticas e entendimentos a cerca de, pois existe um tamanho abismo entre o que você começou escrever no seu post e o que diz entender. Pra mim, beirou preconceito do qual, mesmo tendo acesso a informação correta, clara e objetiva, como é a que o JS brilhantemente disponibiliza nesse blog, você ainda se sente “insegura”, “bloqueada”, porque não dizer “travada”, questionando não meras opiniões, mas sim posicionamentos científicos pautados em muito estudo, acompanhamento e comprovação.

      Uma pena que nós, como seres humanos só nos cercamos da informação correta, clara, consistente e verídica, quando esta bate a nossa porta! Se a mídia não estivesse tão focada em fazer vender e render noticia que traga ibope, talvez não tivéssemos que ler comentários como esse!

      • Secret Guy diz

        Maravilha!

        Adoraria ter a tua paciência pra escrever aqui!!

        Esse post tá sendo um show de preconceito. Teve um lá em cima defendendo os preceitos religiosos e legitimando a culpa da contaminação da pessoa diante da Igreja Católica.

        O Alexandre, que entendo a indignação dele, desfere o mesmo show de preconceito e machismo junto com o desbravador contra liberdade sexual feminina!!

        Tá osso!

        • Alexandre diz

          Liberdade sexual feminina pra vc é elas terem um relacionamento fixo e saírem transando com quem quiserem? É isso? Então eu sou preconceituoso. Nunca ia querer uma mulher dessas para mim. Tem gente que gosta. Curte ver a mulher dando pra outros. Eu não. Então eu deixo esse tipo de mulher pra quem gosta.

          • Cara do Bem Sampa diz

            Realmente, comentários preconceituosos são desnecessário!
            Sugiro que quem os tenha, guarde pra si!
            A opinião individual pode ser compartilhada, desde que não ofenda os demais integrantes desse grupo.
            Violência não precisa ser combatida com violência.

        • Juliana :) diz

          Ta difícil né, Secret Guy? pqp…
          É rir pra não chorar! kkk

        • andre diz

          Pois é…também tenho visto o showzinho de pessoas defendendo preconceito contra a religião e legitimando a culpa da contaminação diante de comportamentos promíscuos…não ligue caro amigo..o mundo tá cheio de gente …como é aquela palavra que voce gosta de usar mesmo? Começa com a letra H, não lembro agora…abraços e beijinhos de luz;;;

          • Secret Guy diz

            Tá ainda batendo na tecla da culpa da contaminação diante de comportamento promíscuo!! Vc tá precisando de uma suruba e não yoga como já te indicaram!!

            Qual a diferença de eu transar com uma pessoa, ou então, com mil pessoas se for usado preservativo em todas as relações?

            Vc quer provar aqui que somente porque a pessoa tem um número maior de parceiros sexuais ela não se previne!! Isso é PRECONCEITO e só você não percebeu!

          • Cara+ diz

            Oi André…

            reitero a pergunta que te fiz lá encima, estou, digamos assim, mega curioso em saber como você tirou o “bilhete premiado” de ter regente em seu exame anti hiv. Te importa em nos contar como foi?

            obrigado!!!!

    • Juliana :) diz

      Fernanda,

      eu também não sou soropositiva e também acompanho o blog desde fevereiro desse ano, devido a um falso positivo.

      Vou lhe dizer uma coisa… eu me relacionaria tranquilamente com um homem soropositivo. Do fundo do meu coração. Sem grilo.

      Meu segredo? Chama INFORMAÇÃO.

      🙂 Beijinhos

      • Herivaldo Virulato diz

        Juliana, eu passei um tempo sem acompanhar o blog. O seu era falso positivo? Que excelente notícia! Parabéns!

        Quanto ao comentário da Fernanda, sem comentários… e eu, que vivo um ótimo relacionamento sorodiscordante, cada dia mais acho que os soropositivos deveriam tentar se relacionar entre si… Neste blog eu só vejo gente bacana e digna!

        • Juliana :) diz

          Ei querido! Obrigada!
          Caso raro o meu!
          Apesar do susto todo eu fico feliz por isso ter acontecido pois conheci esse blog e pessoas maravilhosas!
          🙂
          Beijos!

    • Juliana :) diz

      Fernanda,

      se é que vc ta acompanhando esses comentários, eu queria pedir DESCULPAS em nome desses dois caras que te ofenderam aqui.

      Por mais que eu discorde do seu ponto de vista e viva de forma diferente, eu compreendo o que vc quis dizer, e acredito que nada do que vc falou justifica esses dois comentários vacilões.

      Simplesmente ignore.

      Beijinhos

      • desbravador diz

        Na verdade, nem chamei ela de putinha, apenas disse, narrando um fato, que poderia ser.Aliás, boa parte das mulheres de hoje em dia acham que podem fazer exatamente o que quiserem sem a menor contrapartida, sem a menor contra-argumentação. Então os homens que preservam o sua força interior devem ficar passivos diante de moças que,mesmo comprometidas, “se entregam” ao primeiro com quem simpatizam?”Liberdade sexual feminina” é o ca@%lho!!!Isso é coisa lambedor de salto alto, coisa que eu não sou. Se quer dar pra meio mundo dê, agora não queira se escorar em chavões politicamente corretos para insinuar que os homens devem “tolerar” ver suas NAMORADAS dando uma de “fraternas” por aí. E não venha com essa posturinha de madame blasé, “oh, tá difícil de ouvir, oh, é rir para não chorar”.Difícil é ter saco de conversar com uma pentelha politicamente correta como tu!!!!! A realidade com homens de verdade é outra, e menininhas montadas em uma presunçãozinha “moderna”,como tu deve ser,além de serem um porre, só podem chamar atenção de babacas completos. Conheço o teu tipinho, Juliana: chata pra burro, burra, e se acha uma coisa cheia de idéias “avançadinhas” para “distribuir”. Vai procurar, aborrecer, e encher o saco da turma de emasculados que caem nessa conversinha. Ainda existem homens. E o mundo virtual ainda te da chance de emitir essas bufadas de patricinha “indignada”. Vem conhecer um homem que não barganha a sua masculinidade e tente me “dominar”…Tenta pra ver…

        • Alexandre diz

          Desbravador, larga pra lá. Não entenderam nada. A tal da Fernanda fala que o grande problema é confiar no parceiro, ou seja, ela fala isso com base nos comportamentos dela dentro de um relacionamento. Oh SecretGuy, eu não falei que a pessoa que transa com 100 parceiros não se previne. Onde vc leu isso? Me mostra. A Fernanda que insinuou. Aprenda a interpretar, mané. Ela disse que o grande problema é confiar no parceiro. Ok, mas o parceiro dela,ou ela, podem muito bem trair usando preservativo, ou não? Esse cara deve ter aprendido a palavra preconceito há pouco tempo. Só fala isso. Deve ser preconceituoso pra caralho. Sobre a juliana, o Desbravador já disse tudo.

          • Secret Guy diz

            Eu nao tava falando de vc, Alexandre. Eu falava sobre o comportamento promíscuo que o André critica! Sobre você, eu discordei de suas ofensas!

            • Alexandre diz

              Secret, quem não quer ser ofendido não ofende. Tenho absoluta certeza que a Fernanda ofendeu a todos aqui. A Juliana está bancando de bonitinha pq ela é negativa. Aí é mole vir com discursos politicamente corretos. E tem mais, eu duvido que ela se relacione com um positivo, como ela disse. Porra nenhuma. Só discurso pra poder dar lição de moral. Como disse o Desbravador, esse tipinho aí todos nós já conhecemos. No mais, me desculpe aí pela confusão.

            • andre diz

              Vc é tão afetadinho que não tolera a palavra promíscuo que logo corre vestir a carapuça, achando que o que eu falei foi pra voce ou para todos os membros desse grupo. Então, nessa postura defensiva, acaba me atacando e excluindo o comportamento promíscuo relativizando-o a conceitos morais particulares. Ou vai dizer que comportamento promíscuo não existe e só existe na cabeça da pessoas.

              Outra para tal da juliana: Voce nem soro é, quando cair num hospital com infecção fúngica nos pulmões por causa do CD4 baixo e tiver que tomar dois litros de uma porcaria verde delirando com 40 graus de febre, voce vem aqui dar lição de moral, tá?

              • Juliana :) diz

                E daí que eu não sou soropositiva, André? Não estou aqui pra dar lição de moral em soropositivos não, pelo contrário, estou aqui defendendo-os, estou aqui contra o preconceito, contra a discriminação, a favor da informação.

                Vc é

              • Juliana :) diz

                Ops! Rs! Continuando: Vc é que fica tentando dar lição de moral em todo mundo, falando que a Aids é culpa da promiscuidade e merdas assim.

                • andre diz

                  Voce ainda tem a coragem de negar que comportamento promiscuo não facilita a disseminação da infecção? Diz que isso é “merda”?

                  Oh my god…experimente sair transando indiscriminadamente com todo mundo, mas não venha aqui depois fazer falso drama dizendo que seu exame deu falso positivo, só pra ganhar likes…

                  Ah…alguém aí em cima te deu uma chacoalhada tão grande que me deu vergonha alheia..depois dessa eu pegava meu exame de “falso positivo” e saía de fininho…

                  PS1: Quem tem uma defensora como vc, que acha que promiscuidade é “merda”, não precisa de inimigos..

                  PS2: beijinhos de luz…

                  rsss

        • Juliana :) diz

          Desbravador, vc acha que me conhece? Na boa, seu comentário me deu nojo.

  26. Luquinha, cade novidades, quando aparecerão, qual palpite para chutar esse bicho peçonhento para longe?

    • luquinha diz

      Ate Dezembro será anunciada a cura , isso e um fato pode confiar .

  27. M. diz

    Gente me desculpe… Tenho sido fraco. Sinto que não estou aguentando bem a pressão de ser soropositivo. Vcs devem estar cansados de minhas lamentações. Nem a medicação eu comecei ainda. Mas me sinto tão triste, tão fraco, sem auto estima sem esperança. Estou tentando procurar conforto na religião e também nesse blog… Estou agendando um psiquiatra também. Esse blog me ajuda muito … obrigado pessoal. Espero que esse sofrimento passe. Tenho medo que meus pais descubram e eles adoeçam de desgosto. Estou muito triste. 😦 Espero um dia conseguir enxergar as coisas da mesma perspectiva que vocês.

    • HopeAlways diz

      Vai conseguir sim M , calma, tudo questão de tempo , conversa , informação e também vc se ajudar. Ajuda psicológica será ótimo pra vc. Mas também deixo uma dica: Faz um skype e adiciona o pessoal. Tem muita gente super do bem aqui. Tenho conhecido pessoas que com certeza se tornarão meus amigos. abraços e acima de tudo se cuida!

    • Secret Guy diz

      M.

      A gente vive essa fase de luto mesmo. Culpa, medo do futuro, medo de rejeição. Mas, o pessoal aqui é ótimo pra dar uma força! Eu mesmo, daqui a pouco, vou fazer aniversário de sangue azul! Sempre tem os altos e baixos mas as coisas vão se ajeitando devagarinho.

      Um abraço!!

    • Ricardo - Guarulhos diz

      “M” é assim mesmo, daqui a pouco vc vai ver que tudo volta ao normal…quando descobri minha sorologia fiquei muito mal, a ansiedade tomou conta de mim, enfim, até hoje faço uso de anti-depressivo (fica a dica). Aqui também encontrei muitas informações necessárias e embora eu não tenha participação assídua no blog, entro quase que diariamente e faço questão de ler todos os comentários e respostas. O medo do futuro é natural no ser humano, quiçá em nós, soro+, que temos em mente flash vividos nos anos 80/90, certo é que a midia não se atualizou neste assunto, prefere “conter” o virus tocando o terror em todos! Neste momento que vc esta fragilizado psicologicamente, aconselho segurar ” a onda” e se tiver que falar sobre sua sorologia, escolha uma pessoa mente aberta e que estará pronta para te levantar… Falo por mim, fique firme, não abra mão da medicação e tente parar de criar “monstro terríveis dentro de sua mente”, daqui a pouco, vc vai ver que sua vida volta ao normal e com a certeza que vc irá se cuidar mais, mais e mais e na boa, nem lembrará que tem o tal vírus dentro de vc, de tão quietinho que ficará !

    • caradobemsampa2 diz

      M
      Não conheci ninguém até agora que comentou que descobriu que tem hiv e ficou feliz 😉
      Cada um tem seu tempo, pra aceitar e seguir adiante.
      Lembre-se: os problemas possuem a importância que atribuímos a eles.
      E estamos aqui pra te apoiar 😉
      abraçao

      • caradobemsampa2, feliz eu não fiquei, mas o resultado reagente para mim foi um tapa na cara tão bem dado que eu mudei muitas coisas na minha vida… Eu duvidava antes que eu chegaria aos 50 anos de idade, agora estou bem seguro que passarei fácil. Não que eu ame a minha nova agenda, mas a mudança de visão me ajudou a repensar minhas práticas e isso contribuiu para minha expectativa de vida.

        M., tudo vai melhorar, acredite. O começo é difícil, mas as coisas vão se ajeitando.

        • caradobemsampa2 diz

          Binhomais
          concordo com vc…
          mudei minha alimentação, iniciei academia hoje kkkk
          quem diria.. rsrs
          tamu junto.
          abraçao

      • Herivaldo Virulato diz

        Eu não fiquei feliz de ter hiv, mas fiquei feliz de conhecer vocês!

        • caradobemsampa2 diz

          Herivaldo
          concordo com vc!
          feliz de mais em conhecer todos aqui

    • Gutto diz

      M” meu filho, isso ja nao e culpa de Hiv e nem por te-lo, ja e vc q e triste mesmo e incalacado srsrsrsr adote um cachorro e veras como a vida é linda… Fazer o bem e o melhor sentimento do mundo. Sua alma q esta precisando de reparos… N tem q ter medo, vergonha. Saia dessa obrigaçao d ser perfeito ao olhos dos outros q isto e a pior doença da humanidade… O hiv, nem de longe, e seu maior problema. E so um virus, na qual, ficarava praticamente morto dentro do seu organismo com as medicaçoeS.. A escolha d viver feliz é só sua…. cabe a vc decidir que lado ficar.

    • HOPE diz

      M.
      Eu confesso pra voce que me sinto como vc, mas por momentos… cara. Se tiver de sofrer, sofra caso aconteça algo de ruim com vc. Não é um mar de rosas estar infectado, mas existem pesoas com outras doenças que nao tem a chance de tratar como uma doença crônica como nos temos hj.
      Levante sua cbça,
      Qndo comecei a ler o blog tb achava que a cura era utopia e que todos neste blog fossem lunáticos em ver esperança em algo que no meu julgamento não havia absolvição.
      Mas o que seria de mim se nao fosse a ESPERANÇA.
      A ela eu me agarrei e estou hj vivendo cada dia como único. Tenho muita saúde hj, e se tenho saúde, vou aproveitar o maximo dela.
      VOltei a fazer esporte, voltei pro slackline, minhas risadas voltaram pros meus labios e o brilho nos meus olhos eu vejo retornando a cada dia…
      Levanta a cbça amigao… nossa passagem aqui eh curta… independente do fardo ou lição que viemos pra aprender, temos o direito e a obrigação de APROVEITAR….
      Não é à toa que escolhi HOPE como meu nick… Peço a Deus todos os dias pra ela não deixe meu coração…
      gde abraço

      • HopeAlways diz

        HOPE + HOPEALWAYS =Esperança em dobro!!! Show Hope o pensamento é esse. 😀

      • Nani diz

        Hope!!
        Adorei sua vibe…acho interessante nos cercarmos de pessoas assim, com essa energia boa que consegue enxergar
        além…um grande abraço.

        Nani

  28. johnny diz

    Amigos, um help: tomei hoje a vacina pneumocócica 13 (prevenar 13), quatro meses depois de tomar a 23, que dá no SUS mesmo. Daí a dúvida: li na bula que o intervalo entre as duas tem que ser de um ano, pelo menos… Segui a recomendação da médica, mas agora to cismado se realmente não devia ter esperado. Alguém sabe algo sobre isso? Obrigado!

  29. Wagner-sp diz

    Galera, boa noite!
    Só passando aqui para dizer que hoje será o 11º dia do tarv com o 3 em 1 e, tirando a melhora significativa do sono, não senti nada! Estava de férias até ontem e voltei a trabalhar hoje, ao acordar percebi que estava com muito sono, inclusive quase quebrei o box do banheiro! Ou seja tudo continua exatamente como sempre foi: acordar cedo ainda é uma droga e meu box tem muita sorte de ainda estar intacto!!

    • zed diz

      rsrs, Wagner, cuidado com o box. Hj será meu 9º dia com 3×1, tem dia que deu uma leve tontura outros dias não, hj por ex. não tive nada. Sai, fui com meu sobrinho ver Vingadores, comi pipoca, refri e to me sentindo muito bem. Vamos em frente, abração.

      • Wagner - SP diz

        Tô prestando mais atenção no boX Zed!!
        Aqui vai tudo bem, só uma leve alergia que apareceu hj nos braços, parece que levei umas picadas, mas nada muito crítico. Falei com meu médico se seria interessante tomar algum antialergico e ele acha melhor aguardar e ver a evolução!
        Força a todos e um grande abraço!

  30. Gerry diz

    Pessoal gostaria apenas de compartilhar minha felicidade com vocês! Comecei o tratamento há exatamente um mês e em duas semanas minha carga viral caiu de 25.000 para 247 e meu CD4 foi de 240 pra 412! Saí saltitando de felicidade da consulta com a ifecto e isso com certeza me deu mais força e vontade de viver! Nunca imaginei que ficaria tão feliz e emocionado com uma coisa dessas como eu fiquei. Muitas vezes nos perdemos no lado ruim das coisas e nos esquecemos de admirar aproveitar o lado bom; nasci de novo!

  31. Brian diz

    Bom dia pessoal, olá JS, faz uma semana que descobri que sou soro positivo, minha reação pode ter sido igual a de várias pessoas aqui, CHOCANTE, ainda não caiu minha ficha, eu sai daquele consultório, cheguei em casa, dormi, e acordei, achando que foi apenas um pesadelo, mais não foi, o papel ainda está aqui na minha mão, tenho uma nova condição, e vejo aqui que eu tinha pouco conhecimento, mais esse pouco conhecimento me fez ir atras de mais respostas, pois eu não queria morrer, e ainda não quero…… não consegui chorar, não entrei em desespero, e não consigo sequer pensar em contar á alguém, pois sei que minha mãe não aguentaria, e sei que os poucos que se dizem meus amigos, também não entenderiam minha nova condição.
    Ainda é recente essa informação e difícil de aceitar, MAIS foi graças á este blog Jovem Soropositivo, que consegui achar um novo caminho, uma nova perspectiva de vida, fui enriquecido de informações, não somente sobre medicamentos tratamentos, mais também, de esperança de uma corrente de pensamento em torno da cura desse vírus. Ainda não comecei nenhum tratamento, mais venho lendo todos os posts do blog e acompanhando os comentários de vocês, isso não tem preço, estou começando a reunir forças pra dar inicio a jornada que agora não é mais só de vocês também é minha, e tenho muita confiança em Deus, e peço muito a ele que ilumine nossos cientistas para sempre poder nos ajudar da melhor forma possível. Como eu disse no inicio, minha ficha ainda não caiu totalmente, espero que em algum momento de mal estar, ou de desabafo, vocês me compreendam, de hoje em diante, vocês são meus únicos amigos. Bom Dia!

    • caradobemsampa2 diz

      Brian
      aos poucos, vc toma conta da realidade e as coisas vao entrando nos eixos.
      o importante é se manter como está agora, sereno e se adaptando a nova realidade.
      se precisar de algo, to por aqui
      abrçao

  32. M. diz

    Pessoal saiu meu resultado. Consulta só na 4 feira. Desesperado por não entender nada. Alguém pode me ajudar?

    CD4 E CD8 + CD3 – SUBPOPULAÇÃO LINFOCITÁRIA
    As determinações realizadas em citometro de fluxo com anticorpos
    monoclonais marcados mostraram os seguintes resultados:

    Linfócitos T ativador: 73,2 % 1.686 /mm3
    (Marcador CD3)

    Linfócitos CD4 : 19,3 % 445 /mm3
    (Marcador CD4 – Auxiliador)

    Linfócitos CD8 : 49,3 % 1.136 /mm3
    (Marcador CD8 – Supressor)

    Relação CD4/CD8 : 0,39

    HIV PCR QUANTITATIVO EM TEMPO REAL
    Resultado: 12.721 COPIAS DE RNA DO HIV-1/mL (4,10 LOG)

    • Secret Guy diz

      M.,

      Não precisa se desesperar mas é hora de começar o tratamento pelo número de cd4 abaixo de 500. O número de CD4 numa pessoa normal varia de 500 a 1.200. Como você pode ver o seu cd8 é de 1.136. Seria um numero parecido com esse o seu cd4 normalmente. Por isso sua relação cd4/cd8 está em 0,39. Ela normalmente seria acima de 0,90. E sua carga viral de HIV é baixa. Logo você estará indetectável.

      Abraços!

    • Cauã + diz

      M

      Não se desespere pois seus numeros não estão muito ruins, como o secret guy lhe disse, o Cd4 de uma pessoa saudável é de 500 para cima e o seu está em 445 (cd4 atua como células de defesa do seu corpo, são os soldadinhos do nosso corpo que combatem as doenças).
      Pra vc ter uma idéia seus resultados foram muito melhores q os meus. Meu cd4 marcou 254 e minha carga viral 180.081 cópias. Estou em tratamento com Tarv há 1 mês e concerteza estou bem melhor.
      Lhe aconselho a Iniciar o tratamento pois assim, logo estará indectavel e não oferecerá riscos de contaminação, além de estar esbanjando saúde, pois seu cd4 estará aumentado acima dos 500 concerteza.

      Abraço fique bem!

  33. M. diz

    Obrigado Secret Guy, esperava que eu conseguisse evitar iniciar o tratamento tão breve. Mas já que parece mesmo ser inevitável. Que eu consiga rapidamente ser indetectável. Obrigado!

  34. Madamemin diz

    Parabéns pelo texto Jovem!

    O que eu tenho percebido hoje é que as pessoas estão doentes. Doentes não no sentido clínico da palavra, estão raivosas, incapazes de perceber e compreender o outro na sua integralidade!
    São inúmeros os exemplos diários disso! Somos julgados por um ato, um comportamento (dito) errado ou desconforme com os dogmas do outro.

    Somos julgados por uma doença.
    Até aqui mesmo no blog se fala em comportamento promíscuo, como se ainda estivéssemos na época em que se relacionava o HIV\Aids a um determinado grupo de risco.

    Hoje percebo que não concedemos ao outro sequer o benefício da dúvida! – Eu acho isso e ponto, nem adianta tentar argumentar!
    Alguém em mil novecentos e pontinhos disse que Aids matava, pq hj seria diferente? Bom o Jovem já explicou diversas vezes! A ciência explica!

    Eu confesso que quando abri meu exame pensei que meus pais perderiam mais um filho! Hj, depois de quase sete anos, estou em vias de contratar um plano de previdência privada, pois quero poder viajar na velhice!
    E não tenho medo de contaminar ninguém também!
    Mudei de opinião…me rendi frente aos resultados de todos esses estudos que tanto são divulgados aqui no Blog!

    Então pq não contar minha soropositividade para todo mundo? É, meu medo do preconceito dessa sociedade doente não mudou!

    Tá na hora de mudarmos e renovarmos nossos conceitos.
    Já chega de, como diria Raul “ter aquela velha opinião formada sobre tudo”.

    Novamente, obrigada Jovem…vc realmente é um espetáculo!

    • Cara+ diz

      bahhhh, baita comentário Madamemin

      realmente enquanto ficarmos nessa de ” ter a velha opinião formada sobre tudo…” continuaremos nesse mais do mesmo que a gente é obrigado a ver, ouvir, sentir, por pura falta de informação e/ou porque é trabalhoso demais se desfazer dos velhos costumes, dos velhos hábitos, das velhas manias….

    • Secret Guy diz

      Madamemim!!

      Que banho de lucidez!! Pois é, eu adoraria poder ter esse síntese para me expressar. Mas eu sou uma pessoa explosiva. Eu até chamei uma pessoa de hipócrita outro dia e acabei me arrependendo depois. Mas o micro (o blog) está retratando completamente o macro (a sociedade). Sorte de haver você, o J, o Cara+ e outros para nos salvar desse mar de ignorância.

      Beijos!

      • Madamemin diz

        Secret Guy,

        Eu vi que rolou uma briguinha ali em cima….
        Mas teve comentário bem mais agressivo do que o seu, nem esquenta…..Rssss

        O Jovem é foda, o Cara+ sempre me impressiona com o que escreve, eu só brinco de dar opinião !
        😉 ;p

        Beijos

        • Cara+ diz

          amada conterrânea (temos que nos conhecer heim?), quem me dera impressionar….hehehehe

          bj grande

  35. Bio diz

    Texto, como sempre, muito bem escrito JS. A coerência reflexiva que vc imprime nele é incontestável. E aí está, a meu ver, o grande problema da humanidade: A FALTA DE REFLEXÃO sobre hipóteses e conceitos versus ignorância e credulidade. Como uma via de mão dupla, a EMPATIA é utilizada, na maioria das vezes, de acordo com as necessidades de cada um. Se ontem convinha apenas supor para suprir a carência de conhecimento a respeito do outro ou do novo, tudo bem. Mas se hoje as suposições são insuficientes, buscam-se informações para suprimir as incertezas. Enfim, como diz minha avó: cada um só sabe que o CALO DÓI, quando o SAPATO APERTA!!

  36. Herivaldo Virulato diz

    Pessoal, ontem eu encontrei o deputado Jean Willys num restaurante. Conversei com ele. Perguntei quando o governo brasileiro seria mais objetivo no combate do hiv. Quando as campanhas abordariam a segurança do indetectável. Quando incentivaruam o test and treat.
    Ele me surpreendeu com excelente conhecimento do tema. Falou que o governo já reconhece que a camisinha falhou flagrantemente e que sairá uma campanha com nova abordagem. Vamos aguardar.

    • Juliana :) diz

      Uaaaauuu que massa!!!
      Eu curto o Jean Willys!

      Tomara que essa nova abordagem seja bem nova mesmo, porque a cada dia que passa eu fico mais pasma com a falta de informação das pessoas!

      Vocês acreditam que sexta-feira eu estava num bar e tive que ouvir, de pessoas instruídas, que fazem mestrado na UFMG, que são os remédios que causam a Aids em quem tem HIV pq é tudo uma estratégia da indústria farmacêutica pra ganhar dinheiro; e que é por isso q tem pessoas soropositivas que não tomam remédio e não tem Aids.

      Dá pra acreditar nisso????

      Duas dessas pessoas comentaram também que nunca fizeram o teste pq tem medo de descobrir que tem Aids.

      Nossa, que tristeza…

    • Juliana :) diz

      Nossa, que massa, Herivaldo!
      Eu curto o Jean Willys!
      Espero que essa nova abordagem seja bem nova mesmo! Estamos precisando!
      A cada dia fico mais impressionada com a falta de informação das pessoas!

      Sexta-feira eu estava num barzinho com umas pessoas que fazem doutorado na UFMG e vocês nem vão acreditar no que eu tive que ouvir de pessoas tão instruídas.

      “Há pesquisas que mostram que o que faz soropositivos desenvolverem a AIDS são os remédios antirretrovirais. É tudo uma grande estratégia da indústria farmacêutica pra ganhar dinheiro. Quem tem HIV e não se medica não desenvolve doença.”

      Dá pra acreditar que eu ouvi isso????

      Fiquei um bom tempo argumentando, tentando convencer as pessoas do ABSURDO que é uma afirmação dessas, mas não sei se adiantou.

      No final ainda tive que ouvir de duas dessas pessoas que elas nunca fizeram o teste nem querem fazer porque têm medo de descobrir que tem HIV.

      Olha que tristeza…

      • Cara+ diz

        Sabe Juliana,

        uma máxima que existe em comunicação e marketing é: a falta de informação faz com que as pessoas criem as mesmas. E essa sua colocação, de pessoas que se dizem ser tão instruídas, só vem a colaborar com essa afirmação.

        Não existe outra forma de mudar conceitos, posturas e porque não dizer, paradigmas sem informação correta, clara, explicativa e de fácil entendimento a todos os níveis.

        Te digo, enquanto a mídia continuar encima desse mais do mesmo para gerar notícia, com base no medo, o que vamos ver, são atitudes iguais a dos seus amigos. Pessoas com medo de fazer o teste (sorointerrogativos) e que numa dessas, por desconhecerem sua condição, estarão emanando o vírus por ai, pois acreditam ainda no velho conceito dos grupos de risco, esquecendo-se que o fato de simplesmente ter uma vida sexual ativa, mesmo na monogamia (digamos assim), pode a colocar num comportamento de risco, pelo simples fato de desconhecer sua condição e e de seu parceiro.

        • HopeAlways diz

          “a falta de informação faz com que as pessoas criem as mesmas” SEN SA CIO NAL essa frase. Bem isso mesmo !

          • Cara+ diz

            HopeAlways

            essa é uma das premissas de comunicação – quando a pessoa não tem informação e/ou a informação completa, para não “perder o bonde andando” ela acaba meio que inventando alguns caminhos para continuar a prosa, bem naquele estilo conversa de “cumadres”: – olha, ouvi dizer…; não sei se é bem assim, mas…; fulano me falou que…e por ai vai….

  37. Brumo diz

    Hoje fazem 2 meses que descobri a minha sorologia. O sentimento que mais me acompanha nesse lapso de tempo ainda é o de arrependimento. De acreditar que por ter tido um relacionamento estável eu estaria bem longe do hiv. O sentimento de culpa ainda é muito forte. Espero que um dia eu consiga me perdoar por esse “vacilo”. Por enquanto a minha vida ainda não mudou. Sigo estudando, trabalhando, e na companhia de meus poucos, mas bons, amigos e familiares. Somente duas pessoas sabem. Acredito que não há necessidade de contar a mais ninguém. Grande parte das pessoas ainda tem uma imagem distorcida do hiv/aids. Prefiro não me aborrecer mais. Meu maior receio é entrar em um relacionamento discordante. Creio que não teria coragem de contar, mesmo em tratamento , me previnindo e futuramente indetectável. Enfim, tenho esperança em alguma cura, porém aceito qualidade melhor em se tratando de medicação. Acredito que estou como vários aqui, dias estou super bem, nem me lembro do vírus. Já em outros essa “cruz” insiste em pesar. Mas nada que uma boa noite de sono não resolva. Espero que um dia possamos dar boas risadas disso tudo, e comprovar que esse foi mais um ciclo que se fechou na vida de cada um. Fica aqui o meu agradecimento a todos que participam e fazem o blog acontecer, pois boa parte da força em seguir em frente eu tiro daqui. Vocês são especiais demais. Abraços.

    • caradobemsampa2 diz

      Oi Brumo
      vai se perdoar sim. primeiro queira se perdoar, depois substitua esse sentimentos por outros melhores 😉 tudo no seu tempo…
      como vc, tb nao tenho mais intenção em contar pra mais ninguem…. creio que nao é necessario. estar indetectavel, com medicaçao certinha… pra que….
      que bom que está indo bem, os momentos melhores virão
      abraçao

  38. Vhiver+ diz

    Faz algum tempo que venho acompanhando esse site e ele tem me feito um bem enorme, algumas vezes choro, algumas me inspiro… Tem sido ótimo ler tanto os textos abordados quanto os comentários de alguns! Recebi meu diagnostico exatamente à um mês, tem sido extremamente difícil lidar com tudo isso (digo, psicologicamente), o processo é lento porém eficaz (rs), aos poucos minha mente vem se aquietando… Venho tomando o medicamento 3×1 a algumas semanas e tive pouquíssimos efeitos colaterais inicias (o que é ótimo, pois administrar físico e psicológico ao mesmo tempo teria sido um pouco difícil). Quando recebi meu diagnostico me vi deparando terrores bem pautados com imagens epidêmicas dos anos 80/90 (corpos magros, morte eminente, vergonha familiar, etc..) com o tempo lendo e buscando sobre a doença vi o quão desinformado eu era e ainda sou em muitos aspectos, o quanto preconceituoso eu era e nunca admiti e o tanto que era refém da minha ignorância crendo que se pouco falasse sobre o assunto ou até mesmo não falasse ele jamais estaria perto de mim, tratando assim o HIV, como um bicho peçonhento ao qual se eu não mexesse com ele jamais seria mordido… Bem, tenho 22 anos, meu maior medo é o resultado do meu atual/ex parceiro, no qual deu que somos discordantes, mas minha infectologista disse que ele ainda pode ter uma chance de ter contraído o vírus e o mesmo estar em estado de incubação, vivo esse terror todos os dias, o peso de poder ter passado essa doença pra outra pessoa, não sei o que pensar disso tudo e tenho tentado aprender a viver com essa nova condição!

    Criei um Skype ao qual quem quiser conversar, trocar ideias, falar sobre o HIV ou falar de nada mais do que a vida, fiquem a vontade em adicionar: vhivermais

    Obrigado e parabéns Jovem, pelo material sempre impecável!

    • vhiver, essa sua infectologista, talvez seja fraca demais, se ele fez o teste e obedeceu a janela imunologica de 30 dias, e deu negativo, não ha virus incubado, pois o exame de sangue não detecta o virus e sim o anticorpo e em 30 dias nosso organismo ja produziu antcorpo.

  39. Soropositivo diz

    Um país que, em alguns anos, irá acabar com a epidemia do HIV é o Canadá. Por lá tem havido um esforço público muito grande no sentido de informar a nova realidade do vírus, bem como de testar (e tratar) as populações-chave. Olhem que beleza de campanha: http://www.itsdifferentnowbc.org/
    Como a maioria de vocês, desde que me descobri soropositivo, percebi o quão importante é informar a população sobre essa nova realidade, tanto para combater a epidemia, quanto para diminuir o estigma. Este blog é talvez a mais notável iniciativa nesse sentido, no Brasil. No entanto, sinto que a mensagem dele precisa chegar ao grande público (infelizmente, não está chegando). O Brasil, que sempre foi exemplo no combate ao HIV, está mesmo ficando para trás por não mudar efetivamente o foco das campanhas públicas. Pensando nisso, entrei em contato com uma pessoa de meu círculo de amizades, que vem a ser novelista numa grande emissora nacional. Expliquei os fatos a ela, e pedi que abordasse o tema num futuro trabalho seu. Recebi uma resposta aparentemente positiva. Espero que isso aconteça mesmo, uma vez que a novela brasileira é sabidamente um dos canais mais efetivos para trazer um tema ao conhecimento da nossa sociedade.

    • Wagner - SP diz

      Nossa que campanha bacana essa! Será que no curto ou médio prazo veremos algo parecido aqui no Brasil?

    • Juliana :) diz

      Nossa, Soropositivo, que genial!!!
      Tomara que dê certo! Novelas tem um alcance e uma influência muito grande! Só espero que o tema seja tratado com seriedade e informação, pra combater o preconceito e o estigma, e não o contrário! E que incentive as pessoas a se testarem e tratarem!
      Eu quaaaase convenci uma Youtuber famosa a tratar o assunto em um dos seus vídeos mas ela acabou desistindo, infelizmente!

  40. Soropositivo diz

    Agora, um recado para a moça que não se relacionaria com soropositivos. Minha cara, fazê-lo é um direito seu. Eu mesmo, por ignorância, antes de me descobrir talvez também não fizesse isso. Lembro-me até hoje de um dia no qual uma pessoa me contou antes do sexo a sua sorologia, e eu acabei não conseguindo terminar de transar com ela. Pois bem, quase dois anos depois, acabei sendo contaminado (em parte por minha culpa, em parte por maldade alheia) por outra pessoa que não me revelou sua sorologia (embora soubesse-a, mesmo não estando em tratamento), e que me induziu ao sexo desprotegido. Ou seja: a mesma ignorância que me fez rejeitar uma pessoa soropositiva, me fez contrair o HIV. Nem preciso dizer que, na mesma hora, minha vontade foi de achar a pessoa que rejeitei e pedir desculpas. O mundo dá muitas voltas. Tenha a certeza de que alguém que tem a sinceridade de lhe informar a sorologia é alguém que tomará todos os cuidados para não transmitir-lhe o vírus. Eu confesso que não revelo minha sorologia para o HIV quando estou num relacionamento casual. Estou indetectável, e faço uso consistente da camisinha (logo, tomo todos os cuidados para não passar o HIV). É um direito que a lei brasileira me dá. De todo modo, na única vez até hoje em que contei ser soropositivo para uma pessoa, antes do sexo, fui aceito sem maiores problemas (o que me fez ter ainda mais vergonha de quando rejeitei a pessoa que me revelou sua sorologia).

  41. Soropositivo diz

    Para quem falar inglês, uma dica de palestra: https://www.youtube.com/watch?v=a_ALOmOPAlI
    Reagan Hofmann, uma belíssima norte-americana de quarenta e poucos anos, é positiva desde os 28 anos. Ela foi ou é editora da “POZ Magazine”, de Nova York, e trata o tema de forma totalmente desconectada do estigma. É muito bacana ver soropositivos que têm a coragem de se assumir (não julgo, em absoluto, quem não tenha-a, contudo). Essas pessoas ajudam a a desmistificar a doença, diminuindo o preconceito nos soronegativos, e servindo de espelho para os soropositivos que acabaram de se descobrir.

  42. Soropositivo diz

    Outra campanha muito bacana é esta: https://www.youtube.com/watch?v=rF4AF_twVDo
    Tomei conhecimento da Reagan Hofmann através dela. Foi feita pelo “Center for Disease Control” dos EUA, e tem o objetivo de dar uma cara ao HIV, que é a forma mais efetiva de acabar com o estigma, mostrando pessoas reais que convivem bem com o vírus há anos.
    E WAGNER, a campanha canadense é mesmo muito bacana. Chorei ao ver o vídeo dela, pois ele dá a exata dimensão do significado da nossa luta: uma luta tão histórica quanto outras lutas que, em dados momentos, afrontaram o “status quo” da sociedade, e que acabaram por mudá-la radicalmente, garantindo um mundo melhor para as futuras gerações.

  43. Soropositivo diz

    Outro vídeo da mesma campanha do CDC norte-americano. Vale a pena conferir: https://www.youtube.com/watch?v=QnQkrwuykNY
    O Mark S. King é um ativista fantástico. É soropositivo há 30 anos, está muito bem, obrigado, e tem um blog chamado “My Fabulous Disease” ( http://marksking.com/), que tem uma abordagem cômica e descontraída da vida com o HIV. Uma passagem bacana (e emocionante) do vídeo é quando a o Mark comenta que a amiga que aparece ao lado dele teve medo de chegar perto dele quando descobriu que ele era soropositivo. Mas o medo era de chegar perto dele se ela estivesse gripada, pois achava que poderia matá-lo, em função da sua ignorância sobre a doença (e não o medo de contrair o vírus que fez tantos portadores serem rejeitados pelas famílias e amigos no início da epidemia).

  44. luquinha diz

    Parti para o maracanã para ver meu BOTAFOGO campeonato carioca , todos torcendo pelo BOTAFOGO E HOJE tadinho do vasco

    • Viruscultura diz

      Lucas meu amigo, sou rubro-negro, mas estou torcendo pelo Botafogo em sua homenagem e também pelo meu sogro… Infelizmente hoje não tivemos sorte… mas vamos com força e confiança para o próximo jogo!! Obs: Adoro seus comentários… Forte abraço!!

  45. luquinha diz

    Gente segue a dica , cuidado com a estação do ano , a mais perigosa para nós , ao mesmo tempo que esta calor esta frio , em casa fico 24 horas no ar isso e perigoso , tomo banho quente isso também não é bom , saímos de casa vento , chuvisco , calor ,outono a pior estação palavra dos infectos ,falta muito pouquinho para a cura funcional , enquanto isso temos que proteger nossos pulmãozinho

    • Gutto diz

      Luquinha E tao pirigoso assim p gente? Tipo, se eu sou indetectavel e meu cd4 e otimo 990 corros riscos ? Tipo, alem do normal? E uma duvida q tenho .. e tao delicado assim???? Queria entender… pq se for, entao n e vida normal assim,ne? Arsra temos ruscos d morte entao no inverno. Entao e como antes, qualquer geipe ou resfriado a gente morre… entao n e vida normal nessa porra srsrao pirigoso assim p gente? Tipo, se eu sou indetectavel e meu cd4 e otimo 990 corros riscos ? Tipo, alem do normal? E uma duvida q tenho .. e tao delicado assim???? Queria entender… pq se for, entao n e vida normal assim,ne? Arsra temos ruscos d morte entao no inverno. Entao e como antes, qualquer geipe ou resfriado a gente morre… entao n e vida normal nessa porra srsr

      • Cara+ diz

        Gutto

        sei que vc não fez a questão diretamente a mim, mas apenas “desmistificando” o que o Luquinha disse: o outono e o inverno são propensos a qualquer pessoa, independente de sua condição sorológica, pegar resfriados, gripes e/ou até mesmo pneumonias, pois dias como os dessa estação (outono) enganam – durante o dia é quente e a noite esfria e bastante, principalmente aqui no sul.

        Reforço que essa mudança brusca de temperatura não é boa para ninguém e qualquer um (sendo + ou -), pode sim pegar uma das enfermidades acima caso não se cuide. Entendo que quando o Luquinha fez o comentário, não o fez dizendo que por sermos soropositivos, estamos mais propensos, mas sim, que é para nos cuidarmos, assim como qualquer pessoa deve se cuidar.

        Ahhh e falando em cd4, o seu está ótimo!

    • vivendopositivo diz

      Também não entendi essa postagem. Por que perigosa a “nós”? Nós soropositivos ou nós HUMANOS? A não ser que esteja imunodeprimido, traz o mesmo “perigo” a qualquer outra pessoa viva. Se duvidar, a qualquer ser vivo… porque até as plantas perdem as folhas.

  46. zed diz

    Olá, pessoal. Eu já li bastante sobre o vírus mas gostaria de entender algumas coisas. O vírus só afeta os linfócitos, a cd4 ou afeta outras células também? Os remédios retiram os vírus do sangue e ficam só os que estão escondidos nas células fora do sangue? Um tratamento eficaz seria o que ativasse essas células com vírus escondido e jogasse eles no sangue para o remédio atuar contra eles também?

    • vivendopositivo diz

      Efeito da replicação do HIV no sistema imunológico

      O sistema imunológico é composto de vários leucócitos e órgãos especiais, tais como o baço, que defendem o organismo contra bactérias e vírus. O HIV é um vírus potente que se reproduz dentro de determinados leucócitos, destruindo-os. Essa perda de leucócitos pode fazer com que o sistema imunológico torne-se tão debilitado a ponto de não mais conseguir defender o organismo da doença.

      celulas O HIV afeta os leucócitos de várias maneiras.

      Células – T CD4

      O HIV tem como alvo principal os leucócitos com receptores CD4, conhecidas como células-T CD4+ ou apenas CD4.. O vírus usa esse receptor para se ligar à célula hospedeira. O HIV infecta diversos tipos células-T CD4, mas seu principal alvo é a célula-T CD4 auxiliar.. As células-T CD4 auxiliares sadias liberam substâncias químicas especiais denominadas citocinas, que estimulam as células-B, as células NK (natural killer) e outros aliados do sistema imunológico que tentam combater o vírus. Quando o vírus danifica e destrói as células-T CD4 auxiliares, todo o sistema imunológico é desestruturado.

      Células – T CD8

      O HIV tem como alvo principal os leucócitos com receptores CD4, conhecidas como células-T CD4+ ou apenas CD4. O vírus usa esse receptor para se ligar à célula hospedeira. O HIV infecta diversos tipos células-T CD4, mas seu principal alvo é a célula-T CD4 auxiliar.. As células-T CD4 auxiliares sadias liberam substâncias químicas especiais denominadas citocinas, que estimulam as células-B, as células NK (natural killer) e outros aliados do sistema imunológico que tentam combater o vírus. Quando o vírus danifica e destrói as células-T CD4 auxiliares, todo o sistema imunológico é desestruturado.

      Células – B

      As células-B são leucócitos que produzem anticorpos. Embora as células-B não sejam infectadas pelo HIV, elas podem eventualmente perder sua capacidade de funcionar adequadamente.

      Células NK

      As células NK (natural killer) eliminam quaisquer células que são infectadas por organismos estranhos, tais como o HIV.
      Embora as células NK não sejam infectadas pelo HIV, seu número pode diminuir significativamente. Além disso, a liberação anormal de citocinas e os efeitos de determinados produtos virais podem causar mau funcionamento dessas células.

      Monócitos e Macrófagos

      Os monócitos e os macrófagos são leucócitos que atacam organismos estranhos. O HIV pode enfraquecer a capacidade dessas células, por exemplo, de eliminar microbactérias que podem causar infecções oportunistas fatais, tais como a tuberculose.

      Publicado em 15/12/2009
      Este site é um serviço de MSD aos pacientes. Não tome nenhum medicamento sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso pa sua saúde

    • vivendopositivo diz

      Os remédios dependendo de cada classe, evitam o virus entrar no cd4, evitam de transformar o RNA deles em DNA, evitam integrar o DNA no DNA humano, evitam juntam as peças dentro da célula para produzir novos virus. Dessa forma, não “tira” eles do sangue, eles simplesmente morrem porque não tem como se reproduzir mais ou infectar novas células. Alguns linfócitos infectados ficam dormentes escondidos, e de tempos em tempos saem do santuário produzindo novos vírus e jogando na corrente sanguínea. ( O cd4 quando produz virus imediatamente morre). Então há um aumento da CV que pode passar a um valor detectável (maior que 50 un/mm3) durante algum momento, fenômeno chamado “blip”. A cura promissora é fazer esses cd4 escondidos, e fora do alcance dos retrovirais a expulsarem os virus ou sairem do estado de latencia, acabando assim com o tempo, estoque de virus e reservatórios do corpo.

      • Wagner - SP diz

        Muito interessante e bem didático soropositivo!

        Então o grande problema são os vírus que ficam inertes nas células de cd4… Nos já sabemos o motivo disso ocorrer?? É algum tipo de mecanismo de defesa do vírus com a queda da CV em função do tratamento ou naturalmente ele tem esse comportamento?

        • vivendopositivo diz

          Wagner- SP

          O motivo deve ter algo a ver com a evolução dele. Sobre ter relação com o retroviral, parece que não, segundo essa pesquisa, a formação dos reservatórios acontecem logo depois do contágio.

          “O estudo publicado na revista Nature, realizado com macacos, sugere que “reservatórios virais” que se formam no organismo após a infecção surgem antes mesmo de o HIV ser detectado no sangue.”

          http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/07/140721_hiv_medicamentos_pesquisa_fn

    • vivendopositivo diz

      Esse gráfico explica os gráficos da a) possibilidades de cura (sem reservatórios), b)redução da reserva latente – sem blip (produção viral), C) pessoas com resposta a medicação mas com blips d) como reagiriam ao cessar o tarv (imediatamente volta a CV), e) pessoas sem blip, e como reagiria sem parar o tarv ( demora a subir a CV).

      http://www.jci.org/articles/view/11246/figure/1

  47. Keystone Simpósios 2015 – Mecanismos da Persistência do HIV: Implicações para uma Cura
    26 abril – 1 maio 2015

    Boston, Estados Unidos

    Apesar do controle a longo prazo da replicação, o HIV persiste como DNA integrado silenciado na memória das células T CD4, e possivelmente em outros reservatórios celulares, incluindo células ingênuas e macrófagos. Um baixo nível de reabastecimento do reservatório através de ciclos de replicação limitada, poderia também contribuir para a persistência, pelo menos em alguns doentes. A cura para a infecção do HIV só vai ocorrer se essas barreiras forem invertidas, ou se a capacidade de controlar o HIV indefinidamente for melhorada.

    Um número de intervenções promissoras que podem inverter a infecção latente foram identificados, e a prova de que tais drogas afetam a transcrição de HIV in vivo foram fornecidas em ensaios clínicos pilotos. A observação de que alguns pacientes tratados durante o controle da infecção primária tiveram um durável controle da replicação do HIV após interrupção da terapia sugere respostas que o hospedeiro pode ser manipulado, o que levaria a uma cura funcional. O caminho daqui para a frente vai exigir uma compreensão detalhada dos mecanismos de latência viral que poderiam levar à identificação de novos medicamentos, e um melhor conhecimento da plasticidade e dinâmica dos principais reservatórios de células HIV: células CD4 T e macrófagos.

    O papel do microambiente do tecido tem de ser reforçado com a grande ajuda de modelos de primatas não humanos. No Keystone Simpósios 2015, reunião sobre Mecanismos da Persistência do HIV: Implicações para uma cura, especialistas de dentro e fora do campo do HIV apresentaram os resultados dos avanços recentes sobre mecanismos imunes e estratégias terapêuticas que possam conduzir a cura do HIV.

    Segue o link:
    http://www.globaleventslist.elsevier.com/events/2015/04/mechanisms-of-hiv-persistence-implications-for-a-cure/

  48. Gutto diz

    Sobre a cura funcional, vcs achan q demora quantos anos??? Pelos os estudos, indica menos q 10 anos ou menos ou muito mais?

  49. johnny diz

    Amigos, help. Tomo o 3 x 1 há quase seis meses, numa boa. Tenho tido, porém, uma dor de estômago crescente… Não costumava sofrer disso antes da medicação. Será que tem a ver? Alguém aqui sofre com dor de estômago? Vou avisar minha médica, claro, mas falta um mês até a consulta… Se alguem puder compartilhar dicas de como avaliar e tal, agradeço muito! Valeu!

  50. vivendopositivo diz

    JS, libera ai a identidade desse desocupado largando negativo aleatoriamente em todos os comentários.

    • Cara+ diz

      Vivendopositivo

      esse definitivamente está de mal com o mundo, negativou até comentários de pessoas dando parabéns a outros e matérias super interessantes sobre novas descobertas e esconderijos latentes.

      cada um que aparece né? até arriscaria dizer quem é, mas deixa quieto. Gente de mal com o mundo é F!@#$! pois simplesmente não conseguem entender que o problema é delas e não dos outros, ai fazem isso!

      Mas como diria superman – para o alto e avante!!!!

    • Cara do Bem Sampa diz

      Nem vale a pena rsrs
      A maior parte das pessoas aqui são do bem.
      Isso que importa 😉
      abraçao

  51. D_Pr diz

    Só tenho uma coisa a dizer sobre alguns acontecimentos na minha vida!

  52. Dinho diz

    Cara parabéns pelo blog, muito importante as informações postadas aqui e com essa interação. Passei alguns dias super angustiado por ter tido uma relação sem camisinha, e sempre lembrava de uma outra em que a camisinha havia estourado, fiz o teste, já tinha feito outras vezes mas desta tinha quase certeza que estava com o vírus. Foram alguns dias de muito sofrimento, mas sempre achando melhor saber a verdade o quanto antes. Fui hoje receber o exame, muito frio na barriga, pensando na minha vida, família, amigos, sabia que iria ser uma tremenda reviravolta, 180 graus na vida, porém já estava conformado e imaginando a rotina de conquisteis, exames. O conformismo vinha muito por saber que eu tinha me colocado nessa situação havia me exposto ao risco. Pesquisei muito sobre o HIV, onde vim parar aqui, lendo suas postagem fiquei mais confortavel, esperançoso, vendo que é possível viver sim, e ser feliz após o diagnostico. Recebi os exames voltei para casa, marquei o retorno ao médico, e decidi ler por conta própria o resultado, já não aguentando mais aquele momento de tortura, já estava a alguns dias sem conseguir dormir direito. Abri o exame e fui lendo com o coração pulando, mãos e pernas tremendo e enfim li que o resultado era não reagente. Nossa um grande alivio, não quero passar por isso novamente, essa situação mudou muito minha vida, minha forma de pensar, e agora respeito ainda mais todos que vivem com essa doença. Afinal todo mundo está sujeito a passar por isso. Fiz questão de deixar este registro para te dizer que você foi muito importante e me deu muita força em todo esse processo, foi meu melhor amigo mesmo sem saber. Obrigado e continue com este trabalho magnifico! Grande Abraço!

  53. Ian diz

    Olá gente, tudo bem?
    Sou recente no blog e vim buscar um pouco de ajuda/orientação.
    Eu e meu namorado fizemos exames recentemente (cerca de dois meses) e descobrimos que ele é hiv positivo e eu sou hiv negativo, ou seja, somos um casa sorodiscordante.
    O meu intuito ao vir aqui é pedir que conversem comigo um pouco, me orientem porque gostaria muito de ajudá-lo a se sentir melhor, mais confiante. Ele está num momento de oscilações de humor muito grandes, isso tem criando situações de conflito entre a gente, mas eu tenho aguentado firme pois não consigo ver nele nada além daquilo que me fez amá-lo fortemente: o caráter, a alma, aquilo que ele traz de profundo e lindo dentro de si.
    Por vezes ele diz que gostaria de se enxergar como eu o enxergo, e que espera um dia conseguir isso.
    Enfim, criei esse e-mail para resguardar nossas identidades, mas minha essência é o que fala com vocês.
    ianqopa@gmail.com

    Muito obrigado. Às vezes algumas situações extremas devolvem nossa capacidade de reconhecer a força que existe dentro de nós. Que exemplo o de vocês!
    Até breve!!!

    Ian

    • M. diz

      Olha Ian, acho que o mais difícil já foi conquistado que é o fato de você não ter preconceito. Acredito que seu namorado está em fase de choque e que você deveria explicar que se tratando direitinho ele pode ter uma vida plena e ser indetectável… ou seja não oferecer risco de contaminar ninguém. Acho que você tem que fazer como tem feito, ser compreensivel, pois ele realmente está passando por um momento muito difícil.

      • Ian diz

        M.

        Tenho seguido meu coração, tentado levar o máximo de amor e carinho para que ele entenda que não está nem estará sozinho nesse processo de readaptação da vida. Mas que readaptá-la não significa viver em função disso, mas delinear o caminho a partir disso que descobrimos agora.
        De qualquer forma, ele tem uma personalidade forte demais, e dificilmente gosta de se sentir fraco, o que dificulta a compreensão desse processo e das etapas necessárias, já que sua ansiedade o faz estudar ao máximo e ao mesmo tempo sofrer por antecipação diante do que lê a respeito dos efeitos colaterais do tratamento, por exemplo.
        Abraços

  54. Novato diz

    Dediquei pelo menos uma hora para ler o texto do JS e os comentários acima. Fico MUITO feliz em ver pessoas que compartilham suas experiências em prol do bem das outras, pois juntos somos mais fortes. Vocês permanecem me ajudando a cada palavra amiga e atitude de superação! Saúde, saúde e saúde! Queria poder dar um FORTE ABRAÇO em cada um de vocês! Só posso agradecer, OBRIGADO! 😀

    • Novato diz

      Aproveitando que passei mais cedo por aqui, quero compartilhar algo com vocês. Sempre falamos tanto sobre o estigma da doença, não é mesmo? Acabo de ver essa campanha do GIV (Grupo de Incentivo à Vida), que busca fazer de nós, portadores da doença, pessoas aceitas e respeitadas pela sociedade. Impossível não se emocionar! ❤

      • caradobemsampa2 diz

        Novato
        obrigado por compartilhar.
        gostei de mais.
        A informação é a cura.
        abraçao

  55. Fenix diz

    Bom dia, compartilhando um link da Terra que mostra a evolução do tratamento para HIV AIDS desde a descoberta da doença. Foi a melhor informação que já vi destinada ao publico em geral. Ë possivel perceber na linha do tempo que evoluímos mais nas pesquisas nos últimos cinco anos do que nos vinte e cinco anteriores, então por que não pensar no quanto podemos evoluir nos próximos cinco anos?http://saude.terra.com.br/historia-da-aids-busca-da-cura/

  56. JJJ diz

    Gente ontem fui no medico clínico geral e comentei com ele que tinha hiv e tal mas eu falei que sou casado minha mulher é parceira e tal mas quanto menos gente souber melhor ate ai blz fui tomar um sorinho e ele falou pra toda equipe pra cuidar comigo porque eu tenho hiv todos me olharam resolvi uma coisa nunca mais falo alem do meu infecto nosaa me senti como uma ameaça em potêncial nao conto mais pra médico nenhum o que vcs acham?

  57. JJJ diz

    Vc que nao curtiu meu comentário escreva porque sinceramente gostaria de saber a sua opiniao é importante pra mim pode apostar assim como a opinião de cada um aki e estou com saudades da vida que anda meio sumida por onde vc anda Vida

    • JJJ, tem alguém meio sem ter o que fazer que está negativando todos os comentários. Liga não!

      Eu acho bizarro um profissional de saúde ter um preconceito destes, na verdade ele demonstra que não é conhecedor de coisas básicas como assepsia e também que pensa que seus colegas de trabalho são incompetentes e que pensam como ele (ou talvez realmente o sejam).

      Desculpe a pergunta, mas em que local isto aconteceu? Nunca tive este azar…

      • JJJ diz

        Foi em santa Catarina prox a capital cara faz 8 meses que descobri ser soro positivo e faz 3 meses que to nos retrovirais no momento mesmo estou péssimo ate sai de casa não sei mais achei melhor pois minha mulher e soro negativa e apos 7 anos de casamentodescobri entao to meio pensando m…sabe dar um fim em tudo antes tudo bem depois do aacontecido to péssimo mas obrigado meu amigo suas palavras me ajudam e muito muito obrigado más acho que é melhor assim minha mulher arrumar alguem sem ter hiv cara to emocionado respondendo pra vc más muito obrigado por tudo..

        • caradobemsampa2 diz

          JJJ
          minha namorada tb é negativa.
          Descobrir ser positivo é bem pesado mesmo. Mas precisamos seguir. A vida não acabou.
          Hoje após um pouco mais de 2 meses da descoberta e 15 de tarv…. posso dizer que estou vivendo Até melhor. ..
          Pense num futuro Feliz e viva-o intensamente.
          Em alguns momentos percebo que a maioria das barreiras estravam em mim.
          Fique bem
          Grande abraço

    • Wagner - SP diz

      Jjj não liga!
      Tem alguém negativando todos os comentarios indiscriminadamente! Vc pode perceber que em alguns momentos aparecem exatamente a mesma quantidade de comentários negativos, seja lá qual for o assunto! A pessoa está negativando até posts de correção gramatical haha
      Na minha opinião, este post do JS foi um dos melhores pois aponta a necessidade de mudar paradigmas estabelecidos e, infelizmente, muitas pessoas não querem que isso ocorra! Negativar os comentários sem critérios é uma forma de atrapalhar a comunicação!
      Sobre contar para outros profissionais médicos, essa foi exatamente a primeira pergunta que fiz ao meu infectologista e ele disse que eu não tinha necessidade de falar. Apenas nas situações diretamente relacionadas ao hiv…

      • JJJ diz

        Foi em santa Catarina prox a capital cara faz 8 meses que descobri ser soro positivo e faz 3 meses que to nos retrovirais no momento mesmo estou péssimo ate sai de casa não sei mais achei melhor pois minha mulher e soro negativa e apos 7 anos de casamentodescobri entao to meio pensando m…sabe dar um fim em tudo antes tudo bem depois do aacontecido to péssimo mas obrigado meu amigo suas palavras me ajudam e muito muito obrigado más acho que é melhor assim minha mulher arrumar alguem sem ter hiv cara to emocionado respondendo pra vc más muito obrigado por tudo..

        • JJJ, as vezes dá umas neuras e vontade de sumir, de mudar de país (ou planeta), vontade de parar a medicação (mas daí eu ficaria doente e seria pior)… Não sei o peso que está seu coração, mas tente tocar o barco cara, o tempo não para, por isso não se paralise. Enquanto respirarmos há vida, o HIV só pode nos derrubar se deixarmos.

          To aqui torcendo para que seu coração se acalme.

          Abraço.

        • Hope diz

          JJJ,
          Assim como você, meu marido foi diagnosticado depois de 7 anos de casamento. E, estranhamento, não foi contaminada. Logo no começo ele tinha os mesmos pensamentos que você (já lá se vão 8 meses). Queria ir embora, que eu seguisse minha vida… falou até em se matar. Pois bem, nada disso aconteceu, e vivemos felizes, com os problemas de qualquer casal. Eu sei que no início parece o fim do mundo, mas eu garanto que não é!

        • JJJ diz

          Acho melhor nao JS isso que ele está querendo chamar a atenção vamos d3ixar quieto que logo ele para com isso más muito obrigado pelo seu blog que tanto nos ajuda Abraço

  58. Oi gente, vim aqui fazer uma visita e adorei tudo por aqui, aprendi bastante e vi muita gente bacana por aqui. Bom… meu melhor amigo tem HIV e eu procuro sempre me manter informada pra tentar ajudá-lo a superar os momentos difíceis, as duvidas, e momentos de angústia, gosto muito dele e quero sempre passar tranquilidade e força pra ele enfrentar a vida de cabeça erguida. Ficava me perguntando o porque dele ter contraido a doença, mas tanto mal quanto o bem tem o seu lugar, hoje vejo nele um garoto forte, mudado, amadurecido e cheio de garra… Oq me faz orgulhar muito. Sou uma das poucas pessoas que sabem sobre a condição dele, quero sempre esta do lado acompanhando a superação de perto e motiva-lo pra tudo que possa servir bons benefícios. Bom ė isso gente, a vcs que estão enfrentando momentos conturbados, aproveitem pra poder fortalecer a fé em Deus e em vocês mesmos, tudo na vida tem um porque, e com certeza terá um fundamento e ensinamentos importantes na vida de cada um, e torço pela descoberta da cura, bom dia pra todos!!

    • wolf diz

      torcendoportodos,

      lindo o seu gesto! O mundo definitivamente precisa de mais pessoas como você!

      Abraço e continue dando suporte ao seu amigo!

    • Rodrigo Salles diz

      Eu também tenho um amigo ”cabeça dura” que foi diagnosticado com HIV a 4 meses porém até hoje ele ainda não iniciou o tratamento. Fiquei extremamente abalado em saber que meu melhor amigo estaria com HIV e mais triste ainda em saber que ele se ”entregou” e só fica dizendo que vai morrer e não tem perspectiva nenhuma para o futuro, além de se sentir rejeitado por todos. Encontrei nesse Blog toda a informação de qualidade que eu precisava e pude perceber que o HIV nos dias de hoje não é mais uma sentença de morte e sim uma doença crônica como outra qualquer e que se tratada corretamente, a expectativa de vida é a mesma de qualquer outra pessoa. Tento dizer isso a ele, falo várias vezes pra que ele acesse esse blog e mude seus conceitos, mas ta difícil. Mas creio que eu vou conseguir e eu já falei que não irei desistir. Ele fala muito que eu estou falando essas coisas pois estou com pena dele, mas eu quero que ele saiba que não é pena, só quero que ele entenda a doença que ele tem e saiba que ele NÃO vai morrer por causa disso. A todo momento estou mandando o link dos artigos pra ele ler e vou continuar mandando rsrs.. Tenho certeza que após ele ler os artigos desse blog, ele vai querer ler mais e mais, pois apesar de eu ser soronegativo, eu gosto muito de ler todos os artigos pois eles confortam qualquer pessoa que está angustiada com seu diagnóstico. Posso estar falando bobagem, mas eu penso que se eu tivesse HIV, eu valorizaria muito mais minha vida do que valorizo hoje, creio viveria sem medo algum, não porque iria morrer, mas acreditando que o diagnóstico positivo é apenas uma NOVA ETAPA de nossas vidas e todos temos que seguir em frente e fazer a diferença nesse mundo, deixarmos de alguma forma a nossa marca. Enfim.. Parabéns ao criador desse blog fantástico! e Muito Obrigado por compartilhar tanta informação de qualidade!

  59. ManausIndeterminado diz

    Fiquei encantado com o texto do JS! Ele escreve muito bem. Pelo tipo de construção de texto e argumentação deve ser alguém com uma facilidade imensa de escrever e muito qualificado. Apaixonei só pelo texto, pena que ele é hetero… Rsrs. O post me animou bastante. Galera, continuo sorointerrogativo ainda, mas espero fazer exames em breve (após a Pep) e dar negativo. Tenho amigos soropositivos e sempre fui mente aberta, mas td muda quando vc está do outro lado. Este blog me dá forças e fico o fia todo aguardamdo por atualizações.

  60. Wolf, obrigada!

    Realmente o mundo precisa de pessoas instruídas e bem informadas, todo mal na sociedade esta ligado diretamente a falta de informação, vejo que não são os soro+ que estão doentes, e sim as pessoas q estão doentes de tanto preconceito, doentes e pobres de espírito Oq ė bem pior. Mas enfim ninguém perde seus valores e suas virtudes por conter uma doença crônica, e sim perde os mesmos por ser alguém de mente pequena e mal informada que os levam ao preconceito.

  61. Fernando-1981 diz

    Boa tarde pessoa! Acho muito bacana conhecermos pessoas novas e principalmente compartilhar experiências. Deixo aqui meu contato caso queiram conversar e trocar informações. Meu celular e 947457300. Abraços!!!

  62. Leozinho diz

    Boa tarde! Tenho vontade de morat na argentina para trabalhar e estudar! Alguem sabe como é a vida de um soro+ la?

  63. farmacêutico diz

    É pessoal realmente é muito difícil essa situação , depois e um relacionamento de 8 anos descobri a pior forma que meu parceiro era soro positivo, fui traido diversas vezes , ao assinar o exame dele meu mundo caiu, pois na mesma hora não pensei nele mais sim em mim , embora seja de rotina fazer a testagem de 6 em 6 meses realizei em mim três vezes na semana todos os testes existentes porém soro negativo, estou dando suporte a ele mesmo sendo soro discordante o mundo e a culpa vem assombrando sabendo que no futuro também irei ser soro positivo

  64. Tih diz

    Parabéns pelo blog!!!Vou Contar aqui parte da minha vida.
    Descobri que sou positivo a um ano e meio através de uma fissura na gengiva após extração dos dentes do siso(Quando meu odonto recomendou o exame).Acredito que meu contato tenha acontecido em 2010,ano esse que até então levava uma vida promíscua,envolvido com álcool,drogas e sexo sem responsabilidade,sem nenhum respeito e amor próprio.
    Sabem aquela coisa de amor não correspondido?
    Conheci um carinha aos quinze anos,a mesma dele.Passava por aqueles conflitos de identidade,sofrendo em silêncio por ser diferente,por ter atração por pessoas do mesmo sexo que eu e não entender o que acontecia comigo,enfim,quem já passou por isso sabe do que estou falando.
    Ele insistiu muito (o que não quer dizer que eu não queria),mas tinha muito medo, até o dia em que eu acabei cedendo ao desejo.Nos relacionamos por dois anos escondidos,eu da minha família e ele do seu parceiro(ele era bem vivido apesar da pouca idade).Nossa alegria acabou quando descobriram e nos afastaram,não permitiram nem nossa amizade.(pelo menos fui assumido e me descobri,ja que todos no bairro ficou sabendo).Aos vinte anos mudou se para o Centro de SP e eu o encontrava nas baladinhas por lá.Na verdade era um dos motivos pelo qual eu frequentava,pois nunca esqueci e era uma forma de reencontra-lo,mas o problema é que ele sempre estava namorando,ou ficando,,, e eu? bebia,rodava a banca,transava mesmo…sem nenhum pudor.isso se estendeu uns anos.
    No ano de 2009,fui doar sangue e ainda não era positivo mas no ano seguinte nos encontramos em uma dessas noites e ficamos,estávamos ”colocados ” e não nos preocupamos com preservativo…não sei se foi nesse dia que aconteceu ,mas foi naquele dia que eu resolvi ficar só com ele,que parei com a vida de loucuras em que eu estava,que decidi que era com ele que queria ficar.Desde então não fiquei com mais ninguém,estava me organizando para me declarar e viver o que sempre sonhei,tbm não fiz mais exames …depois de um ano nos encontramos e ele estava acompanhado de novo,quando eu já estava decidido e resolvido.Tive uma crise de ciumes(acho que normal pra quem estava esperando a uns dez anos),ficamos sem nos falar por uns meses até que recebi a noticia que ele tentou se matar(não foi por mim),na mesma época que extrai os dentes.
    Em uma das visitas ao hospital,por descuido da enfermeira,soube que ele era positivo e logo em seguida,as recomendações do odonto qnd fiz o teste rápido…já sabem o resultado.
    Confesso que com as circunstancias do momento,já esperava o diagnóstico.Já fui me preparando psicologicamente e estava até mais do que as funcionárias do UBS.

    Por seis meses não fiz uso do retroviral,meu CD4 estava em 450,e o infectologista disse que não era uma urgência,até pq não tinha muito tempo que as recomendações tinha mudado para 500,não me recordo da carga viral.Nesse período me alimentei melhor,tomei vitaminas e tal…Aumentou para 480 mas ainda sim ele sugeriu a medicação e então aceitei.Foi ai que caiu a ficha…Foi um ano de depressão,autoestima baixa,inseguranças e os piores sentimentos que já tive, eu não acho certo culpar ninguém além de mim,como fui tão imprudente comigo?
    Agora vejo que a vida está me ensinando a me amar,me respeitar,cuidar mais de mim,a conhecer meus limites.
    Quanto a ele …me declarei ,disse tudinho mas nos separaram mais uma vez…o que ele vai fazer com a informação eu não sei ,mas foi preciso todo esse tempo,tudo isso acontecer pra mim aprender a olhar com um pouco mais de carinho pra minha vida.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s