Notícias
Comentários 63

Prevenção com soropositivos


Orientações americanas sobre prevenção com pessoas vivendo com HIV agora enfatizam o envolvimento com cuidado da saúde, tratamento do HIV e fatores sociais

Por Roger Pebody em 5 de janeiro de 2015

A agência de saúde pública norte-americana e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) publicaram novas recomendações sobre as intervenções de prevenção do HIV e conselhos que devem ser oferecidos à pessoas que são HIV positivo.

As últimas orientações publicadas pelo CDC a respeito do que às vezes é chamado de “prevenção com positivos” se deram em 2003. Essas diretrizes tinham 24 páginas e enfatizavam a triagem para fatores de risco comportamentais e doenças sexualmente transmissíveis, aconselhamento sobre prevenção junto com médicos, intervenções comportamentais e notificação de parceiros.

Todos esses elementos permanecem, mas o escopo de aplicação das novas diretrizes agora é muito mais amplo, com as recomendações aumentando para 240 páginas. Enquanto as orientações anteriores eram claramente focadas no conhecimento e comportamento do indivíduo, as novas recomendações levam mais em conta fatores sociais e estruturais, bem como o impacto profundo que os antirretrovirais têm sobre a transmissão do HIV. Por exemplo, um indivíduo pode precisar de apoio em virtude de pobreza, doença mental, uso de substâncias ou habitação instável, a fim de ser capaz de se comprometer totalmente com a assistência médica necessária e aderir ao tratamento do HIV.

Além disso, o documento reafirma o papel central que as pessoas que vivem com HIV têm na prevenção. “Uma estratégia de prevenção que visa aumentar o acesso às intervenções biomédicas, comportamentais e estruturais de maneira eficaz para os mais de um milhão de pessoas que vivem com HIV tem mais chances de diminuir a transmissão do HIV do que uma estratégia que tenta mudar comportamentos sexuais e de uso de drogas por injeção dos muitos milhões de pessoas que estão sob risco de infecção”, afirma.

As recomendações foram desenvolvidas em parceria com a Health Resources and Services Administration, o National Institutes of Health, a American Academy of HIV Medicine, a Association of Nurses in Aids Care, a International Association of Providers of Aids Care, a National Minority Aids Council e a Urban Coalition for HIV/Aids Prevention Services.

Em muitas questões, as diretrizes reúnem e repetem diretrizes que já foram desenvolvidas por essas e outras organizações. As recomendações também foram feitas à luz da 2010 National HIV/Aids Strategy, reconhecida pela preocupação com a melhoria da equidade em saúde e com uma melhor orientação de prevenção do HIV.

Além do contexto das orientações, as fraquezas da cascata de tratamento nos Estados Unidos são descritas imediatamente. Muitas pessoas que são diagnosticadas com HIV não são levadas a cuidados de saúde e não são capazes de permanecer em assistência. Como resultado, apenas um quarto das pessoas que vivem com HIV nos Estados Unidos têm carga viral indetectável. [No Brasil, 76% das pessoas que vivem com HIV e estão sob tratamento antirretroviral são indetectáveis.] Além disso, menos da metade das pessoas que trabalham com cuidado de saúde recebem aconselhamento sobre prevenção do HIV e muitas não fazem checkups de saúde sexual.

Intervenções que melhorem a adesão aos cuidados médicos são vistas como fundamentais para a prevenção do HIV. Ao invés de simplesmente oferecer consultas ou fazer encaminhamentos, espera-se que os prestadores de serviços de saúde adotem uma abordagem proativa de acompanhamento dos resultados (como verificar se o paciente compareceu à consulta). Os serviços que oferecem o teste de HIV, por exemplo, devem avaliar as barreiras e os facilitadores para iniciar tratamento médico e fazer os encaminhamentos para serviços médicos e sociais que poderiam lidar com os problemas subjacentes, além de fornecer ajuda prática para que os pacientes possam comparecer às consultas.

Nos Estados Unidos, os profissionais de saúde são convidados a ajudar as pessoas que vivem com o HIV a se inscrever em programas como o Medicare, Medicaid, o Aids Drug Assistance Program e o Department of Veterans Affairs. Várias recomendações enfrentam problemas, tal como a obtenção de cuidados de saúde. Por isso, a sugestão é que os programas mencionados devem ser promovidos como uma estratégia a nível populacional [tal como no Brasil] e que informações devem ser prestadas sobre como suprir o tratamento em caso de pausa na cobertura.

Muitas das recomendações sobre intervenções de redução de risco comportamentais são muito semelhantes às diretrizes de uma década atrás. No entanto, os provedores de saúde agora devem recomendar intervenções biomédicas, bem como estratégias comportamentais.

Os profissionais de saúde devem informar todas as pessoas com HIV sobre o papel do tratamento antirretroviral, eficaz na redução da transmissão do HIV, bem como na melhoria da sua própria saúde e expectativa de vida. Enquanto algumas limitações do tratamento antirretroviral devem ser descritas (tal como a necessidade de adesão e tratamento vitalício, possíveis efeitos colaterais e o risco de transmissão de não ser totalmente eliminado), os provedores de saúde são convidados a encorajar os pacientes a começar a terapia antirretroviral no prazo de três meses após o diagnóstico, independentemente da contagem de células CD4.

Pessoas com HIV devem também ser informadas sobre a disponibilidade — para os seus parceiros seronegativos — da profilaxia pré-exposição (PrEP) e profilaxia pós-exposição (PEP).

Uma grande parte das recomendações gira em torno da concepção de filhos para homens ou mulheres que vivem com HIV e que desejam ter um filho. Há recomendações específicas para mulheres que estão grávidas. Ambos os homens e mulheres que vivem com HIV devem receber aconselhamento de saúde reprodutiva. As pessoas em um relacionamento com um parceiro HIV negativo devem ser informadas sobre maneiras de reduzir o risco de transmissão ao conceber, incluindo a terapia antirretroviral, a relação sexual desprotegida programada e a PrEP.

As recomendações se destacam por sugerir que os serviços de saúde usem dados de vigilância coletados rotineiramente, a fim de identificar os indivíduos e os grupos sociais que estão “escapando” do cuidado de saúde. Por exemplo, uma pessoa que foi diagnosticada com HIV mas não tem uma contagem de células CD4 baixa pode ser contatada para que seu tratamento seja iniciado. Da mesma forma, uma pessoa sob tratamento antirretroviral que tem uma carga virai detectável pode ser identificada como necessitando de tratamento mais eficaz ou apoio à adesão. No entanto, o documento assinala que estas abordagens devem ser tratadas com respeito à confidencialidade do paciente, segurança de dados e da legislação local (o que difere para cada estado americano).

No entanto, quando se trata dos 33 estados americanos que usam a lei penal para processar as pessoas que vivem com HIV para punir os comportamentos que a lei supõe colocar outros em risco de transmissão do HIV (incluindo até mesmo cuspir e morder), a recomendação fica em cima do muro. Ela observa que as leis são controversas e têm sido objeto de debate público, mas em vez de sugerir medidas para limitar a sua aplicação, pede aos profissionais de saúde que mantenham as pessoas com HIV conscientes de suas obrigações legais.

Recomendações mais detalhadas, que são consistentes com as diretrizes atuais, são descritas em tópicos, incluindo apoio à adesão, notificação de parceiros, diagnóstico e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis.

Referência:

Centers for Disease Control and PreventionRecommendations for HIV prevention with adults and adolescents with HIV in the United States, 2014. 


Anúncios

63 comentários

  1. Vida positiva H diz

    Precisando de ajuda dos colegas do blog. Os exames do meu namorado deu carga viral de mais de 700 mil cópias e o cd4 de apenas 65 mm³. O médico dele tomou um susto, e disse que ele teve sorte de não ter desenvolvido uma doença séria oportunista, o máximo que aconteceu foram manchas vermelhas na pele e coceira. Ele essa semana inciou o tratamento com Efavirenz, Tenovir e Lamivudina. Os efeitos colaterais iniciais que ele sentiu foi só uma tontura ao acordar e uns sonhos meio loucos. A minha dúvida é saber se essa combinação é agressiva ao ponto de diminuir bastante a carga viral e aumentar consideravelmente o cd4 dele em pouco tempo? Tô preocupado demais. O médico passou antibiótico bactrim para ele tomar enquanto o cd4 dele tiver baixo… Tô torcendo para o sucesso do tratamento dele. Um abraço a todos.

    • CARA + diz

      Oi Vida Positiva H

      quando comecei meu tratamento (set/2014) meu cd4 estava em 89 e cv em mais de um milhão. Diagnóstico tardio? Pode ser, porém, nunca havia sentido nada diferente, apenas um leve cansaço que poderia ser facilmente associado ao stress do dia a dia. Tive pequenas manchas avermelhadas no rosto, que descobri também com o diagnóstico, ser em função da baixa imunidade, que assim que comecei a tarv, sumiram.

      Faço uso, além da tarv (a mesma do seu namorado), lami, teno e efa (segundo o protocolo é a medicação de entrada da todos os novos diagnósticos), do sulfa e fluconazol, o primeiro diário e o segundo semanal. Esses dois últimos serão retirados assim que meu cd4 aumentar (assim como o bactrim que seu namorado está tomando).

      Se procurares pelo blog, tem textos e comentários de gente bem mais conhecedora que eu, explicando como a tarv funciona, inclusive por períodos/dias de como eles agem no organismo. Dê uma lida, que te fará bem. Te deixará bem tranquilo.

      A tarv tende em pouco tempo derrubar os níveis de carga viral e tem como objetivo, chegar ao indetectável. O cd4 já é bem mais pessoal, varia realmente de pessoa para pessoa, do estilo de vida, alimentação, do próprio organismo mesmo. Alguns demoram mais, outros em dias/meses, já tem um aumento significativo do cd4.

      Porém, o que percebo aqui é que cada organismo é um organismo diferente. Por isso, agem diferente. Assim como tem gente com cd4 em níveis considerados bons e estão gripados, eu, mesmo com um cd4 baixo, não sei o que é uma gripe há mais de 3 anos. Então…

      O jeito é: fazer o tratamento direitinho, encarar a tarv como nossa alidada, desencanar e principalmente manter a mente boa – pensar na solução, não no problema (já faz toda a diferença).

      Logo, logo, vc estará relatando aqui, que está tudo bem com ele! com vcs!

    • Raul diz

      Vida positiva H,
      Meu cd4 estava em 17 e tomo a mesma medicação que seu namorado, também não tive nenhuma doença oportunista grave. Fiquei indetectavel com 2 meses de tratamento. Dê bastante apoio a ele e com tempo tudo volta aos eixos.

    • Essa TARV é rápida para zerar a carga viral, em 43,dias eu sai de 150 mil pra praticamente zero. Em relação a CD4 é bem o que o CARA+ falou, vai da pessoa, mas é uma subida gradativa. Eu melhorei mais de 50% nos 43 dias.

      Alimentação boa, evitar coisas que o deixe para baixo e tomar os medicamentos certinho, é a receita pra ele ficar bom rapidão. Vocês vão ver como ele estará ótimo nos próximos exames.

      Boa saúde pra vcs!

    • Washington diz

      Caro amigo quando descobrir em 2013 tbm estava com cd4com 49 tomei menos o tenovir….hoje quase 3 anos depois estou otimo…é só tomar os remedios correto boa sorte para o seu companheiro(a)…abraços..

  2. S. diz

    Vida positiva H, realmente seu namorado é sinistro! Se ele não desenvolveu nenhuma doença com esse CD4, não se desespere. A profilaxia com Bactrim vai segurar as doenças oportunistas. Existem outras opções de início para CD4s baixos, mas se o seu médico indicou essa combinação, ele certamente sabe o que está fazendo. Torcendo pelo sucesso também! E você, como está?

    Abs

    • M. Torres diz

      Bom dia Vida positiva H. Quando eu descobri minha sorologia, em maio de 2014, meu CD4 tbm estava abaixo, com 94. Já a carga viral estava em 200.000 cópias. Comecei o mesmo esquema, logo em junho, e hj minha carga viral está indetectável, e CD4 em 320. O Bactrin ajuda bastante, eu não tomava antes, e desenvolvi sífilis e CMV. Depois disso foram vários meses com antibióticos e até internamento. Por isso é importante reforçar a adesão completa e regular ao tratamento, pois a pior parte é agora no começo. Posso dizer que estou muito bem agora, face ao ocorrido anteriormente. Só não se deixe desanimar :). Tudo de bom pra vcs!

      • Vida positiva H diz

        Obrigado essa força estou passando para ele. O blog e todos aqui dão uma esperança e uma energia muito boa para enfrentarmos o início do tratamento. Bom seria se todas as pessoas compreendessem que ter hiv não é o fim de tudo, pode ser um começo de um recomeço da vida. Só comecei a pensar assim a partir do que venho lendo aqui no Blog. Um abraço a todos!

  3. Vida positiva H diz

    S. Eu vou iniciar tudo agora também, próxima semana primeira consulta com infectologista, exames e inicio da terapia com os antirretrovirais. Diferente dele eu não sinto nada, estou assintomático, fiz o teste depois que ele foi diagnosticado. Espero que comigo mesmo estando sem sintomas esteja tudo bem. Uma dúvida: Pelo CD4 dá pra se ter uma ideia do tempo da infecção? Ele pode baixar tanto assim, como no caso do meu namorado, mesmo se a infecção for recente? Li muitas coisas sobre esse assunto até mesmo para me preparar psicologicamente para o que vier e ter conhecimento, mas nada que eu li relata uma queda tão brusca assim do CD4 em tão pouco tempo, posso desconfiar que o contágio dele foi antigo, tipo de anos? Estou com ele a 2 anos, não vou deixar ele sozinho nessa, independente de qualquer coisa. Um abraço

    • Acredito que não tem como saber, pois, são milhares de possibilidades entre como seu sistema imunológico reage versus o tipo de vírus da sua infecção. Como comentei em outro post, não quero me atrever a falar nada técnico, mas vi alguns estudos científicos que não me convenceram (falo como uma pessoa de formação universitária e que trabalha com estudos e dados estatísticos). Eles até podem estimar uma média da população geral, mas cada caso é um caso e podemos ser exceção tanto nas boas ou nas más estatísticas. Esta é minha visão, se eu falei alguma besteira por favor alguém me corrija.

    • Hope diz

      Vida positiva, quando meu marido foi diagnosticada estava parecido com seu namorado… o que a infecto dele falou foi que, provavelmente, a infecção dele era bem antiga…eu escolhi confiar nele! Boa saúde para todos!

    • S. diz

      Cara em geral, cd4 mais baixo e cv mais alta = infecção mais antiga. Mas não é regra. Eu mesmo fui diagnosticado com menos de 1 ano de infecção (fazia exames frequentemente) e com uma cv de 70000 e cd4 300 … que já seria uma infecção mais antiga teoricamente… ou seja cada organismo reage de uma forma. Não dá pra ser categórico nisso.

      • Téo diz

        Meu caso foi parecido com o S., acima.
        Entre um exame negativo e eu ter contraído HIV e ter feito o diagnóstico e exames foram menos que 12 meses. No início eu estava com CD4 de 301 e CV em 153 mil e já foi recomendado o início do tratamento.

  4. CARA + diz

    Lendo o texto, principalmente o que o nosso querido JS já fez questão de frisar em amarelo, percebo que o que vivo aqui, não é muito distante do que vem sendo praticado no CDC.

    Praticamente todas as orientações, que agora estão devidamente documentadas, me foram passadas no dia que descobri meu diagnóstico.

    Pena que não é uma realidade que se “assegura” em todas as regiões do Brasil.

    Obrigado JS pelo texto, obrigado meu Deus pelo “meu Rio Grande do Sul, céu, sol, sul, terra e cor onde tudo que se planta cresce e o que mais floresce é o amor.” (trecho de uma cantiga daquelas beemmmm tradicionalistas).

    • Tati diz

      Cara+… Estou de férias aqui no Rio Grande…. Só de pensar que aqui tem o 3 em 1 dá vontade de ficar morando aqui… Kkkkkk mas logo logo se Deus quiser na minha cidade vai chegar também… Vai ser um ano com notícias boas pra todos nós… Bjus

      • CARA + diz

        pois é Tati

        tomara que seja a realidade para todo o território nacional nesse 2015 que se inicia.

  5. Pedrinho diz

    Saúde e paz a todos! Pessoal essa semana peguei meu 3º exame pós início de tratamento, estou indetectável desde o primeiro, mas me chamou atenção a queda do CD4, no primeiro estava na caso dos 500, no segundo subiu pra casa dos 700 mas agora voltou pra 500. Devo me preocupar ou isso é normal? Acho q já ouvi q o CD$ sobe bem lentamente….

    • Secret Guy diz

      Pedrinho,,,

      o CD4 é um número flutuante.. uma queda no número não significa uma piora. A queda mesma é verificada através da média. Pode ter certeza que com o aumento para 700 o seu corpo já reagiu ao tratamento.. agora você verá ele aumentando cada vez mais e também descendo. Mas 700 já é um número ótimo perfeitamente saudável!

  6. Hope diz

    Alguns dias são melhores que outros… hoje meu marido está com uma tosse infernal e falta de ar. Eu sempre tive asma e sei como é ruim… mas no caso dele, parece que há um início de pneumonia atípica por micoplasma. Vai ter que tomar um outro antibiótico e está de péssimo humor por causa disso… aí já fica falando em morte e coisas assim, mesmo os médicos dizendo que não é nada demais.
    Além disso, ele está com umas alergias na pele que coçam muito. Como ele já toma os remédios há 3 meses, a médica disse que não é efeito colateral. Como ele nunca teve alergias assim, fiquei preocupada. Alguém tem ou teve isso?

  7. Marina diz

    Não está dando certo o esquema com antirretrovirais…
    Não em meu caso… Pois corrigindo o numero da carga viral que disse em outro comentario, não sao 8,000 cópias, mas sim 80.000 cópias…Errei no desespero, pois minha cabeça não anda legal devido aquilo tudo…
    Apos tomar as tarvs, acabo vomitando e tendo reações sérias… Mas isso é devido a hérnia de hiato em meu estômago e prolapso do cólon…
    O médico me disse que terei de tomar injetaveis…
    Pessoal, entro em pânico, mas ainda bem que existe este blog onde pessoas procuram ajudar com palavras de conforto..
    Como é isso de injetáveis??? Fico mais angustiada
    Como ja sabem, meu marido me contaminou de propósito..
    Agora pago o preço por causa de minha depressão que me fragilizou e me fez confiar num momento de fraqueza na pessoa errada…
    Também tomo bactrim faz tempo…
    Ainda tenho arritmias severas as vezes no coração devido a extrassístoles… Tambem tenho prolapso valvar mitral… o que me gera ´pânico…
    Cd4 a 190. Carga Viral 80.000 cópias corrijido
    Muito fraca e abatida, tento até que surja uma solução médica tomar alguns naturais e não sair de casa a fim de evitar infecções…
    Mas parece que não ta adiantando, pois a angustia chega a tal ponto de quase cometer suicídio…
    Fui violentada, ainda tenho uma séria fratura na quarta vértebra da coluna…
    Sinto fraca, e as tarvs não estou tolerando devido a meu organismo Fragilizado…
    Existe alguma forma de melhorar o prolapso do colon retal sem cirurgia???

    • CARA + diz

      Oi Marina

      já havia comentado com você em outro post e repito: a única pessoa que pode fazer algo por vc mesma é você. Por mais que a gente se sensibilize com sua situação, com o que está acontecendo com vc e possamos de alguma forma, te confortar com nossas palavras, só você pode se ajudar. Só você pode ver “além do horizonte”, só você pode ver a “luz no fim do túnel”.

      Não adianta! Para tudo na vida, existem sempre dois caminhos, ou você se entrega e literalmente “morre na praia”, ou você luta e vai em busca do que quer. Não tem outro jeito.

      Ontem mesmo, assistindo um programa (que não sei o nome) na Natgeo, onde pessoas sem o mínimo de preparo são colocadas em meio a selva e precisam sobreviver (sendo orientados obviamente por alguém que conheça a situação), um dos participantes falou algo que me fez refletir sobre o que passamos. Disse algo mais ou menos assim: é preciso mudar todo nosso processo mental para poder sobreviver em situações tão desumanas e só pensar em chegar lá… se não for o cérebro, o corpo não ajuda. Ou seja, se pensar em se entregar, fatalmente as coisas não irão bem.

      Entendo o orientador, como o nosso médico, super aliado em nos ver bem, em ter sucesso mesmo com o diagnóstico. Se está tendo problemas com a medicação, pergunto: seu médico já sabe disso? Sabe de todo seu histórico, de sua frágil saúde? O que efetivamente está acontecendo com você?

      Confie nele. Confie em Deus, Peça ajuda para passar por esse momento difícil. Para vencer! Mude seu processo mental, mentalize “chegar lá” e se ajude. Tenho certeza que as coisas começarão a mudar a partir do momento que mudares tua postura frente aos acontecimentos.

      • CARA + diz

        E por falar em médico. Caso não esteja satisfeita com o andamento da situação, você pode, inclusive, trocar de médico e também trocar o esquema da medicação para algo que se adapte melhor ao seu corpo!

        Alternativas existem! Busque! Se informe! Faça por você!

        • Marina diz

          Obrigada Cara+
          Suas palavras e a de todos que tentam ajudar são muito uteis, pois realmente ja não tinha esperanças…
          Aqui todos são importantes por isso…
          Quando não tenho mais forças, venho até este Blog e leio os comentários que nos ajudam muito , pois muitos estão sozinhos nesta batalha…
          Estou em tratamento com Zidovudina injetável.. Até o momento da solução p/ o prolapso…
          O Médico vai decidir a necessidade ou não da cirurgia…
          Espero que tudo de certo afim de poder usar as medicações normalmente…
          Se for caso de cirurgia devo ficar internada..
          Mas como vc disse, tenho que lutar..

          • CARA + diz

            e vais conseguir, Marina. Tenha certeza disso!

            Sucesso em seu tratamento, estamos aqui para ajudar!

      • Pequena + diz

        Cara +

        Pôxa amigo que lindas palavras 🙂
        Tu estás inspirado heim…rs…
        Mas é bem isso, pensamento positivo e vontade de vencer é tudo.
        O negativismo paralisa nos deixando sem ação 😦
        Força aí Marina, não desista de viver!!!
        Somos todos criaturas especiais, cada qual a seu jeito, com suas limitações.
        Força,foco e fé sempre ❤
        #TAMOJUNTO
        Bjus da Pequena +

        • Marina diz

          Obrigada Pequena+…
          Obrigada pelo email que me mandou..
          Fico chorando, mas sei que a tempestade pode passar sim…
          Acho que eu teria cometido suicídio, mas vejo que novas saídas podem me levar a luz no fim do túnel…

          • Secret Guy diz

            Marina!

            Tudo passa nessa vida! A eternidade é uma colcha de retalhos de nossas vidas! Nenhum mal é para sempre!

            Logo, você descobrirá o que a Pequena disse. Todos nós somos especiais. E você será especial quando perceber que é a prova viva de vencer o HIV e não a idéia preconceituosa que as pessoas possuem ao nosso respeito!!

            Um grande abraço!

    • Paraense diz

      Oi, gostaria de relatar um pouco da minha viva, pós diagnóstico. Ontem dia 18 de fevereiro fez um ano que recebi o diagnóstico de ser um soropositivo. Descobri isto quando fiz uma doação de sangue, coisa que fazia regularmente. Se me perguntarem como me infectei, não poderei afirmar seguramente, pois sempre usava presevativos e evitava ao maximo relações casuais. Mas aconteceu. Não procurei culpados, mesmo porque, no fundo, eu é quem sou responsável por mim. O que eu posso afirmar, sem sobra de dúvidas, foi que após isto eu escolhi lutar, juntei todas as minhas forças e as canalizei para meu tratamento. Para minha rapida melhora. Hoje, há mais de oito meses, meus exames sempre dão indetectaveis. Eu escolhi viver, ecolhi lutar, escolhi não me culpar e nem culpar ninguém pela minha situação. Hoje estou trabalhando minha cabeça para voltar a ter uma vida sexual ativa, pois desde então meu maior medo é infectar alguem. Fora isto minha vida é normal. Meu parceiro nesta jornada é meu medico, pergunto tudo, falo tudo. Acreditem sua decisão de lutar lhes garante 50% de sucesso no tratamento os outros 50% é a adesão fiel ao uso dos medicamentos. Espero ter podido contribuir, positivamente, com este meu relato. PAZ A TODOS E TODAS.

  8. Oi galerinha!

    Estou no meu 9o dia de uso dos ARVs, lami + efav + tenof.

    Não senti efeito nenhum praticamente, além de uns sonhos mais vivos no 1o dia. Hoje que acordei com minhas mãos e braços com manchinhas vermelhas e a mão coça um pouco. É normal? O que vocês recomendam?

    Um beijo pra todos e vamos que vamos!

    • Hope diz

      Lorenzo,
      Meu marido está com a mesma coisa… e está tomando os mesmos remédios que você há 3 meses. Parece alergia a alguma coisa, e o hemograma também confirma isso. Só não sabemos a o que, pois ele nunca foi alérgico.

    • Lorenzo, não deixe de ir no dermatologista. Eu tive reação parecida em 14 dias, meu infecto falou ser reação comum ao EFV mas bem no começo.

      Gel de aloe vera me ajudava a tolerar a coceira, mas resolveu com ajuda de um dermato.

      Melhoras.

    • CARA + diz

      Lorenzo

      temos mais ou menos o mesmo tempo de tarv e com a mesma combinação. Olha! o que tenho percebido é que, vez ou outra surgem essas mesmas manchinhas nas minhas pernas, mas com a mesma facilidade que surgem, vão embora e o segredo é se controlar para não coçar.

      Descobri o poder do creme hidratante e o uso mesmo sem sentir a “vermelhidão” e não tenho mais sentido esse “desconforto”.

      • Legal, galera, agradeço as respostas de vocês!!

        Hoje senti que deu uma pioradinha, já que as manchinhas vermelhas parecem ter se espalhado mais. Mas nada assustador. Enviei email pro meu infecto e ele disse pra eu ficar atento e observar. Caso piore, disse pra eu tomar anti-alergico. Decidi que só vou tomar mesmo se tiver muito, muito ruim… por enquanto acho que dá pra aguentar.

        Também li que água de coco e chá de camomila ajudam. To cuidando com dieta.

  9. Marina diz

    Não está dando certo o esquema com antirretrovirais…
    Não em meu caso… Pois corrigindo o numero da carga viral que disse em outro comentario, não sao 8,000 cópias, mas sim 80.000 cópias…Errei no desespero, pois minha cabeça não anda legal devido aquilo tudo…
    Apos tomar as tarvs, acabo vomitando e tendo reações sérias… Mas isso é devido a hérnia de hiato em meu estômago e prolapso do cólon…
    O médico me disse que terei de tomar injetaveis…
    Pessoal, entro em pânico, mas ainda bem que existe este blog onde pessoas procuram ajudar com palavras de conforto..
    Como é isso de injetáveis??? Fico mais angustiada
    Como ja sabem, meu marido me contaminou de propósito..
    Agora pago o preço por causa de minha depressão que me fragilizou e me fez confiar num momento de fraqueza na pessoa errada…
    Também tomo bactrim faz tempo…
    Ainda tenho arritmias severas as vezes no coração devido a extrassístoles… Tambem tenho prolapso valvar mitral… o que me gera ´pânico…
    Cd4 a 190. Carga Viral 80.000 cópias corrijido
    Muito fraca e abatida, tento até que surja uma solução médica tomar alguns naturais e não sair de casa a fim de evitar infecções…
    Mas parece que não ta adiantando, pois a angustia chega a tal ponto de quase cometer suicídio…
    Fui violentada, ainda tenho uma séria fratura na quarta vértebra da coluna…
    Sinto fraca, e as tarvs não estou tolerando devido a meu organismo Fragilizado…
    Existe alguma forma de melhorar o prolapso do colon retal sem cirurgia???

    • Junior diz

      Marina, li seus comentários e me sensibilizei.
      Só acho que se seu marido não está tomando arvs deixe q continue assim, ele merece o pior.
      Qto a vc, se cuide, tenho certeza que irá dar td certo.
      bjs

      • Marina diz

        Junior, estou com Zidovudina injetável, até resolverem o problema do prolapso…
        Quanto a meu Marido, fico espantada com tamanha maldade, e ainda usa o nome de Deus…
        Ele p/ manipular uma pessoa leva somente 1 minuto…
        Mas ja não posso fazer mais nada quanto a isso…
        Só sei que o estou evitando, apesar das ameaças…
        Obrigada a vc e a todos aqui…

  10. Luquinha diz

    Poxa Marina , eu só tenho te dizer que você tem que conseguir , falta tão pouco , você é do Rio ? Nos temos que arrumar uma solução para você , eu sei que para que, quem estar de fora parece ser fácil , mais tipo há solução , não sei se há antirretrovirais injetáveis , mais vamos achar uma saída , em melhorar o prolapso do colon retal , ainda não e comprovado mais o que posso te garantir que para você poderá ser uma saída sim e a auto- hemoterapia , aqui no rio existe o Dr Luiz Moura , eu so te garanto uma coisa ele não e um charlatão , e poderá te ajudar sim , procure um pouco do assunto no you tube , a consulta dele não e cara , não estou aqui falando que você deva parar com a sua medicação , mais o seu caso e diferente ,e quanto ao seu ex que te contaminou propositalmente ,e sobre você ter sido violentada , tente esquecer , pois eu só tenho que te dizer uma coisa , você tem um amigo , que se chama Jesus cristo , este sim será seu melhor amigo e vai te ajudar , te indico a assistir um culto ao vivo da primeira igreja Batista do Rio de Janeiro Estarei orando por você , saiba que você a partir de hoje não estará mais só e acredite já deu tudo certo

    • Marina diz

      Oi Luquinha…
      Te agradeço muito por se preocupar comigo…
      Me sinto mais confiante quanto ao futuro..
      Eu sou da Região de Ribeirão Preto SP…
      Mas vou procurar me informar sobre a auto-hemoterapia, se vc diz ser bom deve ser mesmo…
      Quanto a esquecer as violências e as tentativas de contaminação, não é tão fácil assim esquecer…
      Principalmente quando o Culpado se diz Evangélico e Temente a Deus…
      Pode acreditar… EWle consegue com tremenda facilidade, enganar pessoas com falsas profecias, e a frente dos olhos de muitos, consegue enganar e convencer que é um Vaso de Deus e todos acreditam nele…
      A Pastora foi a Culpada Também… Pois o levantou na Igreja dizendo que ele tem dons do Espírito e profetiza…
      Mas somente coisas materias…
      E profetiza discórdias entre as pessoas..
      Agora te pergunto: Deus não faz justiça??? Pois permite tudo isso…
      E Depois ele sai a noite a procura de suas vítimas…
      Sabe o que ele me disse??? Se alguém disser que eu contaminei , digo que foi outro…
      Ele transou muitas vezes com uma mulher daquela denominação…
      E diz que se ela for contaminada, ponha culpa em outra pessoa… E que se dane ela…
      Cadê a justiça Luquinha??? Ore então, mas ore a ele pra ser desmascarado perante todas as igrejas…
      Fico enojada, e penso em fazer besteira maior ainda…

      • Téo diz

        Olá Marina,
        Transmitir HIV intencionalmente é crime. Creio que onde vc faz tratamento deve haver assistente social que pode te auxiliar, caso vc queira denunciá-lo.

  11. Luquinha diz

    Não sei as suas condições , mais saiba que estou aqui para lhe ajudar Marina , temos que achar uma saída .

  12. Alex diz

    Amigos,

    Tenho uma pergunta a vocês que são soropositivos há mais tempo. Diagnosticado desde maio deste ano, eu ainda estou na fase de buscar no Google notícias quase diariamente tudo o que sai de novidades em relação ao vírus em termos de estudos científicos. Fazendo a peneira, claro, em sites muito alternativos (medicina alternativa, etc) e sem credibilidade, ainda sobram muitas fontes de informação sérias que dão cada vez mais alento para nós, apontando para uma cura em um futuro não muito distante.

    Sempre houve uma quantidade grande de notícias positivas e animadoras sobre a cura do HIV ou isso é algo que tem acontecido mais recentemente?

    Abraços
    Alex

    • Alessandro diz

      Eis um questionamento que eu fiz em um assunto a um tempo atrás e ninguém respondeu, mas de tempos para cá pesquisando eu vejo que o fim de 2013 e o ano de 2014 estão sendo os anos que mais tem novidades a respeito de uma provável cura, estão fechando o cerco, existem empresas responsáveis pela troca de informações de pesquisas e isso começou ano passado 2014, ou seja este ano terá ainda mais novidades, e tbm testes que já estão em andamento que terão seus resultados divulgados, mas agora sendo bem sincero e sabendo como tudo isso funciona, acredito que em um prazo máximo de 10 anos teremos a cura definitiva para o HIV, pode sair antes, com certeza, mas eu acredito que essa seria a data máxima !!! mas até lá já teremos medicamentos muito modernos, vacinas terapêuticas e etc, efeitos colaterais super reduzidos e vamos que vamos !!!

      • Alex diz

        Obrigado pela resposta, Alessandro.

        Eu também tentei fazer uma busca em notícias mais antigas e realmente encontrei menos coisas – mas achei que poderia ser um problema de saber filtrar a busca. Certamente a cura não seria algo do tipo “Eureka! Descobriram a cura para o HIV agora e amanhã estarão comercializando”. As pesquisas levam tempo e há diferentes abordagens sendo desenvolvidas. Sigamos confiantes.

        Abraço
        Alex

  13. Jovem+ diz

    Gente, preciso compartilhar uma alegria.
    Primeira consulta, primeira leitura de exames.
    CV 140.000 (naturalmente) e CD4 969 (UFA!)
    Os.exames laboratoriais estão excelentes, sem alterações. Minha médica disse que eu estou ótimo.
    Ela sugeriu que eu entrasse com as medicações já, mesmo que meu CD4 esteja bem alto. Disse que eu não precisaria, mas ela aconselha que sim.
    Então decidi começar a TARV, acham que fiz bem em começar logo?

    • Secret Guy diz

      Ótimo, Jovem!!

      Fico feliz por você!! Sim.. seu cd4 está ótimo mas a carga viral está já um pouco alta! Assim, com a medicação você vai permanecer com seu cd4 elevado e se tornar indetectável!

      um abração!!

    • Jovem+, acho que foi a melhor coisa começar. Não deixe sua imunidade cair para começar, vai que você dava o azar de uma oportunista, daí já viu. E parece que quem tem CD4 alto nem costuma ter efeitos colaterais. E a CV tava meio altinha né? Bora zerar isso amigo.

      Boa saúde pra ti!

  14. Alex diz

    Oi, Jovem+

    As pesquisas apontam que é melhor você começar antes para evitar formar reservatórios. As notícias mais recentes, desta semana, dizem que o vírus que fica nesses reservatórios se alteram, se camuflam, conforme o tempo vai passando. Começar a se tratar cedo significa evitar essa camuflagem e, portanto, quando testarem uma eventual vacina, estes pacientes serão aparentemente mais fáceis de serem tratados. Acho que tua decisão foi boa.

    Mas foi diferente da minha. Eu escolhi esperar. Fui diagnosticado durante a fase aguda porque tive muitos sintomas. Fiz um exame que deu negativo e, um mês depois, fiz mais um e saiu positivo. Então soube desde o início da infecção, praticamente, que estava infectado. Meu CD4 é de 680 atualmente.

    Preferi adiar o começo do tratamento porque quis, em primeiro lugar, aprender a lidar psicologicamente com minha soropostividade. Mas também escolhi adiar porque a rotina dos medicamentos exige um mínimo de rotina e comprometimento, algo que não poderia oferecer atualmente por causa de mudança de trabalho, de cidade e, muito provavelmente, de país. Na minha opinião, se este não é teu caso, acho que fizeste muito bem em começar. Pelos relatos que ouço, a rotina não é tão complicada assim e, além disso, quantidade de remédios vem diminuindo – em alguns lugares do país o controle do vírus já é feito com uma simples pílula.

    Boa sorte!
    Abraço
    Alex

  15. FG-PR diz

    Como vc pediu um opinião lá vai ela: eu não começaria o tratamento agora, pois como vc mesmo disse trata-se de uma infecção recente e como é sabido algumas pessoas conseguem combater o vírus por um tempo com o próprio sistema imunológico e se eu tivesse a oportunidade de ficar pelo menos 1 ano sem iniciar o tratamento eu faria, pois por mais tolerável que seja o tratamento, ficar sem é muito mais fácil, além de que quanto mais tempo vc tomar os medicamentos mais efeitos colaterais aparecerão. No meu caso mesmo com 1 ano e meio de infecção meu CD4 foi a 376, porém minha carga viral era de 29.000, só iniciei pois não tive escolha é minha infecto foi bem clara em dizer que eu deveria avaliar antes dela ver os resultados. Se eu estivesse na sua situação eu aguardaria chegar até a um nível de CD4 por volta de 600, que ainda é um número normal em pessoas que não estão infectadas. Lógico que eu acompanharia de perto com exames pelo menos a cada 2 meses. Mas cabe somente a vc essa decisão.

  16. Marcus diz

    Pessoal,
    Saiu o resultado da minha genotipagem. Resistência para o efavirenz e a lamivudina. 😡😡😡
    Agora voltar ao infecto para saber o que fazer. Ta fácil pra ninguém. Mas nao me entrego. Darei mais notícias dessa experiência chata.
    So pra lembrar faço uso da: zidovudina, lamivudina e efavirenz desde outubro de 2012. Qse 2 anos depois o vírus voltou a dar as caras. Quero um veneno mais forte pra eles.
    Abraços

    • Secret Guy diz

      Oi Marcus,

      você já tinha feito genotipagem antes? Bem, eu peguei um vírus já resistente ao Efavirenz é só descobri porque fui participar de uma pesquisa de genotipagem. Caso não houvesse essa pesquisa eu já faria o tratamento comum. Será que não foi esse seu caso? Eu acho que 02 anos é um tempo muito pequeno para adquirir resistência a 02 medicamentos. COm certeza, haverá um outro esquema para você!

      abraços!

      • Marcus diz

        Secret. guy
        Nao tinha feito genotipagem. Meu infecto já receitou o efav e biovir. Até então estava dando certo, pois, fiquei indetectavel por um tempo. Depois de Qse 2 anos voltou a aparecer. Resultado foi resistência ao efav e a lamivudina. Já falei com ele por tel e ele vai sim trocar a medicação. Qual vc toma atualmente? Vc é de sp né?

        • Téo diz

          Então vc deve ter se contaminado com um vírus já resistente, Marcus.
          Mas não desanima não. Força ai porque foi ótimo que vc fez o exame de genotipagem e descobriu qual medicamento não faz efeito em vc. Agora vc vai poder ter um tratamento muito mais adequado eficiente contra esse intruso das nossas vidas.

  17. Jovem+ diz

    Pessoal, ontem foi meu primeiro dia de TARV

    Pensa numa noite diferente.
    Vários sonhos muito vívidos, um mal-estar geral que eu não saberia explicar se é enjoo, dor de estômago ou outra coisa.
    Acordei super bem, com uma leve, bem leve tonturinha.

    Rumo ao segundo dia!
    Que dê tudo certo. Rumo ao INDETECTÁVEL!

  18. Carioca_positivo diz

    Força ai Jovem+ vai dar tudo certo, se Deus quiser… Ainda n comecei o tarv, mas todos relatam que isso logo passa! Tmj!

  19. G.S diz

    Descobri que estava infectado no dia 15 de janeiro, e procurei uma especialista em minha cidade que me orientou em tomar o coquetel 3 em 1. Esperei uma semana pois fui a SP enconsultei com outro infecto que me orientou prontamente e com eficácia juntamente com o mesmo remédio.
    Estou no segundo mês da medicação e desde quando fui diagnosticado, este foi meu primeiro passo para me render formalmente à outra doença que possuo, da adicção (dependência quinica). Com isso tive um depertar espiritual e não tive mais recaídas SPH. Tomo minha medicação tanto pro HIV, quanto os antidepressivos para a adicção com precisão de horários não faltando nenhum dia, Possuo uma balanceada e atividades físicas regulares. Daqui a alguns meses irei repetir meus exames e tenho fé em meu Poder Superior irá continuar me abençoando, que tudo continuará bem.
    A doença do HIV foi uma luz no fim do túnel pra mim… Acredito que se não tivesse descoberto-a estaria ainda nas drogas. Só por hoje não usei e não pretendo usar.
    Continuo sendo um adicto em busca de recuperação, me chamo G.S é estou limpo à 78 dias. Que o Deus abençoe todos vocês é que os anjos os protejam. Desejo serenidade, sabedoria, paciência, à todos aqueles que sofrem da mesma doença que eu, seja a adicção e/ ou o HIV. TMJ Abraços.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s