Ano: 2015

VRC01

Anticorpo VRC01 suprime HIV

Uma única infusão de um poderoso anticorpo, chamado VRC01, pode suprimir o nível de HIV no sangue de pessoas infectadas que não estão tomando terapia antirretroviral, de acordo com relatório de cientistas dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) americano, em um artigo publicado na quarta-feira, 23 de dezembro de 2015. Os pesquisadores também descobriram que infundir o anticorpo VRC01 numa veia ou sob a pele é seguro e bem tolerado por pessoas que vivem com HIV, e os anticorpos permanecem no sangue durante um período prolongado. O estudo clínico de fase 1, conduzido por cientistas do Centro de Pesquisa de Vacinas do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), envolveu 23 pessoas infectadas pelo HIV, 15 dos quais estavam a tomando antirretrovirais e oito dos quais não estavam. Os indivíduos em tratamento receberam duas infusões de VRC01 em 28 dias de intervalo, e aqueles que não estavam em tratamento receberam uma infusão de anticorpos. Os pesquisadores avaliaram se as infusões de anticorpos eram seguras e se reduziram a quantidade de HIV no plasma sanguíneo (carga viral) ou no interior das células do …

Avalie isto:

VACC-4x

VaCC-4x e Romidepsin reduzem reservatório e controlam carga viral

ABionor Pharma ASA, uma empresa biofarmacêutica comprometida em alcançar uma cura funcional para o HIV, anunciou resultados bem sucedidos da Parte B do estudo clínico Reduc. Nesse estudo, a combinação de VaCC-4x e Romidepsin (Istodax®, Celgene), um agente reversor de latência viral, levou ao controle do HIV reativado e à redução no reservatório viral latente, confirmando e ampliando os resultados positivos da análise interina, anunciada em 4 de maio de 2015. A Parte B do estudo Reduc inscreveu 20 pacientes. Os dados sobre a carga viral foram obtidos de 17 pacientes e 16 pacientes completaram o estudo. A Bionor sediou nesta segunda-feira, 21 de dezembro de 2015, uma conferência telefônica com CEO David Horn Solomon, que apresentou os resultados e as conclusões. Nessa conferência, os principais pontos abordados foram: O reservatório de HIV latente foi significativamente reduzido, em 40%, medido pela quantidade total de DNA de HIV e por um exame de crescimento viral quantitativo (qVOA, do inglês Quantitative Viral Outgrowth Assay) A carga viral manteve-se abaixo do nível de detecção em 11 dos 17 pacientes em terapia antirretroviral combinada, mesmo com a reativação do …

Avalie isto:

4557613828_23b3474962_o

Carta de um leitor: aos recém diagnosticados

“Meu querido desconhecido, Há muitas expressões que definem o lugar onde você crê que está nesse momento, tentando se manter firme sobre suas pernas, com seu resultado na mão, pensando, talvez pela primeira vez com a devida seriedade, a respeito do que será da sua vida, do seu futuro como soropositivo. Fundo do poço? Na lama? Fim da linha? Nada disso. Você ainda não sabe, mas a verdade é que está se preparando para realmente começar a viver. O sofrimento vai passar — deixe passar. Para isso, há que se emagrecer muitos sentimentos ruins para sobreviver ao HIV. Há que se dedicar ao conhecimento para combater ignorância e preconceito. Vão ser muitas idas ao médico, aos laboratórios, às farmácias, ao psicólogo, a grupos de apoio. É uma luta diária que, por enquanto, ainda não tem fim. Mas a primeira guerra a ser travada é consigo mesmo. Nesse momento, não há ninguém que possa lhe fazer mal maior do que seu apego ao fantasma do passado, de si mesmo quando era soronegativo. Você não é mais essa pessoa. Assim …

Avalie isto:

Sangamo

Sangamo divulga dados de dois estudos de terapia genética

A Sangamo BioSciences Inc., líder em edição terapêutica de genoma, anunciou a divulgação dos dados da Fase 2 de dois estudos clínicos da companhia que estão curso, (coorte 3* SB-728-1101 e SB-728-MR-1401) de SB-728-T, que estão sendo desenvolvidos para o controle funcional do HIV/aids. Os dados comparativos preliminares sugerem que a aplicação adenoviral de nucleases de dedo de zinco (ZFNs) em células T pode ter efeito imuno-estimulador único, para o controle da infecção aguda e, mais importante, para a redução do reservatório de HIV. “Os dados preliminares da Fase 2 sugerem superioridade do produto SB-728-T, o qual foi aplicado às células CD4 e CD8 através de adenovírus, administrado em dois dos três indivíduos tratados inicialmente e fora de terapia antirretroviral há mais de um ano”, afirmou o Dr. Dale Ando, vice-presidente de desenvolvimento terapêutico e diretor médico oficial da Sangamo. “O adenovírus utilizado para entregar os ZFNs de modificação de CCR5 em células-T pode atuar como um ‘adjuvante’, proporcionando estimulação imunológica adicional, além do pré-condicionamento oferecido pelo medicamento Cytoxan (ciclofosfamida), e aumentando a expansão das células CD8, uma vez que são infundidas de volta para o indivíduo. Esta …

Avalie isto:

emilio ribas

Manifesto dos Médicos Residentes do Instituto de Infectologia Emílio Ribas

“O Instituto de Infectologia Emílio Ribas (IIER), fundado em 1880 com o objetivo de combater a epidemia de varíola que assolava o Estado de São Paulo, à época aberto apenas em tempos de surtos, se consolidou ao longo dos anos como o maior serviço de infectologia da América Latina. Serviu de sentinela e fiel combatente às grandes epidemias como difteria, febre tifóide, peste bubônica, gripe espanhola, sarampo e meningite. Atualmente, é considerado referência nacional e internacional em moléstias infecciosas e principal centro de cuidado e atenção ao paciente que convive com o HIV. Temos vivido momentos angustiantes no que diz respeito à falta de insumos básicos para o bom atendimento dos pacientes. O Brasil vive um momento crítico do ponto de vista político e econômico. Historicamente, a saúde pública vem sendo sucateada, culminando com piora importante nos últimos anos e tornando-se inaceitável nos últimos meses. O Emílio Ribas também vem sofrendo. Apesar da tentativa de melhorias na qualidade da infraestrutura, temos vivido momentos angustiantes no que diz respeito à falta de insumos básicos para o …

Avalie isto:

wohltop10_aging

Não envelhecemos mais cedo

O ritmo do envelhecimento das pessoas que vivem com HIV tem sido um importante tópico de discussão entre os pesquisadores de HIV e, assim, uma das principais causas de preocupação para muitos pacientes soropositivos. Relatórios concluindo que a infecção pelo HIV provoca uma aceleração da nossa caducidade levaram a uma crença de que as pessoas que vivem com o vírus são bombas-relógio metabólicas, com risco acrescido de ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais, fraturas, demência, fraqueza e outros aspectos ruins do envelhecimentos. Grande parte do trabalho sobre as relações entre a infecção pelo HIV e os resultados adversos vieram de estudos de coorte, onde a confusão pode ser difícil de se evitar ou de levar em conta. Por exemplo: fatores de risco tradicionais, como tabagismo, uso de crack, ferimentos na cabeça e depressão são mais prevalentes entre as pessoas infectadas pelo HIV e, assim, aumentam as taxas de eventos típicos do envelhecimento. Existem métodos estatísticos para corrigir fatores de confusão conhecidos, contudo alguns desses fatores são menos óbvios e, assim, não são capturado nos inquéritos usados nos estudo e em registros médicos. A identificação destes fatores de confusão …

Avalie isto:

Fantastico TV

Procura-se: arrependidos

A pesquisadora Marta Rangel, da TV Globo, está procurando personagens para um projeto de série que pode vir a ser exibida no Fantástico e que tem o nome provisório de “Segunda Chance”, inspirada em uma produção da BBC. Para essa série, a pesquisadora busca por pessoas arrependidas, seja de uma escolha ou de alguma atitude no passado e que agora queira pedir desculpas para “zerar” as pendências da vida. É importante esse personagem estar com muita vontade de se livrar da mágoa e desabafar em frente às câmeras — por isso, é preciso mostrar o rosto. A ideia é promover o reencontro e, quem sabe, a reconciliação das partes envolvidas. Por exemplo: Alguém que transmitiu o vírus HIV para o parceiro ou parceira e não fala mais com ele ou ela. Alguém que terminou o relacionamento quando soube que o parceiro ou parceira era portador do vírus HIV.  Além de pessoas com esse perfil, o programa também busca por alguém que sacaneou um colega de infância e hoje se arrepende do bullying, ou, ainda, pais, filhos e irmãos que não se falam há muito tempo, por causa de alguma uma briga …

Avalie isto:

Imagem ilustrativa do autoteste de HIV.

Autoteste de HIV é aprovado pela Anvisa

A Anvisa — Agência Nacional de Vigilância Sanitária, aprovou, no último dia 20 de novembro, a venda do autoteste de HIV em farmácias, drogarias, postos de medicamentos, serviços de saúde e programas de saúde pública de todo o Brasil, atendendo a pedidos do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde. Segundo a agência, essa é mais uma arma no combate ao HIV. “O país passa a ser um dos poucos do mundo a adotar esta estratégia, buscando ampliar o acesso ao diagnóstico, o que configura-se em mais um instrumento para auxiliar no controle da infecção no Brasil.” Um dos principais objetivos da implementação do autoteste é o impacto na redução da transmissão do vírus e a queda do surgimento de novos casos. Segundo a nota da própria agência: “O conhecimento do estado de saúde permite melhorar a qualidade de vida das pessoas diagnosticadas e reduzir a probabilidade de transmissão do vírus, auxiliando no controle da infecção pelo HIV.” A ideia é que esse tipo de testagem possa ser feita por usuários leigos e, por isso, o regulamento estabelece que os produtos …

Avalie isto:

Aides

Carta de um leitor: sobre ser soropositivo

“1ºde dezembro, o Dia Mundial de Luta Contra a Aids, nunca passa sem notícias incríveis, mas também com algumas narrativas insuportáveis. Fico imaginando como seria se eu, naquela tarde de setembro de 2014, quando resolvi fazer o teste, tivesse lido essas reportagens, mal escritas e preconceituosas, sobre como é conviver com o HIV hoje em dia. Muito provavelmente, teria tanto medo que deixaria para fazer o teste em outra hora. Afinal, estava assintomático — o que eu não sabia é que estava com poucas células CD4 e prestes a desenvolver uma doença oportunista. ‘Há coisas que podem ser feitas e, com tratamento, vocês viverão longas vidas.’ Lembro-me da primeira carta que mandei para você, Jovem, falando com tanto sofrimento sobre como era descobrir ser portador do HIV. Nela, contei da reação violenta que tive frente às profissionais de saúde, quando disseram para mim o resultado do teste rápido. Lembro do suor frio percorrendo todo o corpo, da boca seca, da taquicardia e do apoio insuficiente que recebi dos profissionais. Poucos minutos antes do teste, a assistente social havia desejado que ninguém fosse …

Avalie isto: