Notícias
Comentários 78

Mais testagem, menos incidência


Segundo estudo comparativo, HIV cresce entre gays em Londres por causa da falta de testagem

Por Gus Cairns, em 24 de julho de 2014 para o Aidsmap

Números sugerem que em São Francisco a testagem está aumentando a revelação da condição sorológica e a escolha dos parceiros com base na condição sorológica

Um estudo apresentado na 20ª Conferência Internacional de Aids (Aids 2014), em Melbourne, comparou a epidemia de HIV entre homens gays em São Francisco, nos EUA, a Londres, no Reino Unido, e confirmou que, enquanto a incidência de novos casos de infecção pelo HIV em São Francisco está caindo, ela está estática e até mesmo subindo em Londres.

A razão principal parece disso ser o fato de que homens gays em Londres não só fazem testes de HIV com menos frequência do que em São Francisco, mas fazem menos testes do que dizem fazer. A diferença é gritante: na última pesquisa sobre saúde sexual masculina, em 2011, 58% dos homens gays pesquisados disseram ter feito teste de HIV no último ano, enquanto os números computados nos postos de saúde em Londres sugerem menos de 20% de todos os homens gays soronegativos da cidade (incluindo os que não frequentam postos de saúde) fazem testes todos anos. Essa taxa é 50% menor do que a taxa observada em São Francisco.

Evidentemente, a testagem sozinha não reduz o risco de transmissão de HIV. Mas as altas taxas de testagem em São Francisco parecem levar à taxas mais elevadas de revelação da condição sorológica entre homens gays e, como resultado, ainda mais altas taxas de escolha dos parceiros sexuais com base na real condição sorológica. A taxa de sexo desprotegido com parceiros de sorologia oposta ou desconhecida está em queda em São Francisco e estável em Londres.

Colin Brown, do Public Health England (PHE), afirma que, historicamente, a prevalência de HIV entre homens gays em São Francisco é alta, em 24%, mas decrescente. Por sua vez, em Londres ela aumentou de 10%, em 2009, para 13%, hoje. Por conta disso, ele sugere, tem havido uma cultura de revelação da condição sorológica em São Francisco. O desafio agora é sobre como encorajar mais revelação em Londres, uma cidade muito maior, mais diversa, com prevalência muito menor e onde há evidência de maior estigma anti-HIV.

Os números

Londres e São Francisco acabaram comparadas entre si porque as taxas de HIV em ambas são bem monitoradas. Em Londres, a taxa anual de novos diagnósticos de HIV entre (todos) os homens permaneceu estática, em 580 casos a cada 100.000 homens (um caso para cada 172, por ano), entre 2006 e 2013. O número de novos diagnósticos subiu de 1200 para 1400, mas em virtude de mais testagem.

Em São Francisco, a taxa de novos diagnósticos a cada 100.000 homens caiu de 690, em 2006, para próximo de 520 em 100. Números preliminares de 2013 sugerem uma queda acentuada para 435 casos a cada 100.000 (um caso a cada 230 homens, por ano). O número anual de novos diagnósticos em São Francisco, uma cidade menor do que Londres, caiu de 420 para 300.

A incidência real — a verdadeira taxa de novas infecções — é sempre mais difícil de ser estabelecida do que o diagnóstico, pois é confundida por mudanças nas taxas de diagnóstico. Assim, um indicador é a proporção das infecções diagnosticadas que são recentes (menos de 6 meses atrás). Em Londres, conforme estabelecido pelo estudo de incidência, a proporção de novas infecções diagnosticadas que são recentes se manteve entre 23-24% desde 2007, enquanto em São Francisco ela caiu de 18% para menos de 5% entre 2004 e 2011.

A proporção de homens gays vivendo com HIV que não fez diagnóstico e não sabe de sua condição sorológica caiu de 34% para 13% em Londres, entre 2004 e 2011. Em São Francisco, caiu de 22% para 4% no mesmo período. Estas quedas são, evidentemente, histórias de sucesso em ambas cidades e vêm acompanhadas da subida da média de contagem de CD4 no ato do diagnóstico, a qual subiu de aproximadamente 390 para 450 células/mm³ nas duas cidades. Todavia, as taxas de incidência permanecem teimosamente altas em Londres, enquanto decrescentes em São Francisco.

Por que? A diferença mais óbvia está na proporção de homens gays que sabem seu status para o HIV, em particular entre aqueles que fizeram o teste recentemente. De acordo com relatos feitos pela própria comunidade, a proporção de homens gays que fez o teste de HIV no ano passado subiu de 43% para 58% em Londres, entre 2004 e 2011, mas de 69% para 72% em São Francisco durante o mesmo período.

Mas a taxa de testagem real entre homens gays é surpreendentemente diferente. Em Londres, a grande maioria dos homens gays faz o teste de HIV em postos de saúde especializados em saúde sexual. Estima-se que a proporção de homens gays soronegativos que visitou estes postos para fazer o teste no ano anterior foi de apenas 17%, em 2011. Embora seja bem maior do que a estimativa de 12%, em 2009, é três vezes menor do que a proporção de homens que diz ter feito o teste no último ano.

Em São Francisco, estima-se que 29% dos homens soronegativos fizeram o teste em postos de saúde em 2011. No entanto, muitos outros fizeram o teste através de seus médicos ou de planos de saúde particulares. Portanto, essas taxas certamente são mais altas — provavelmente o dobro da taxa de Londres.

Escolha de parceiros com base da condição sorológica e DSTs

Isso não seria motivo de preocupação — em termos de transmissão — se todos usassem camisinha. Mas a razão que faz a testagem levar à taxas menores de incidência de HIV em São Francisco é, provavelmente, em virtude da escolha de parceiros sexuais com base na condição sorológica. Em Londres e São Francisco, quase a mesma proporção de homens gays relata praticar sexo anal sem camisinha — entre homens soropositivos, aproximadamente 60% em Londres e 55% em São Francisco; entre soronegativos, aproximadamente 55% em Londres e 45% em São Francisco. A proporção de homens soronegativos que nem sempre usa camisinha aumentou 15% nas duas cidades, desde 2004.

No entanto, a porcentagem de homens gays que faz sexo sem camisinha com um homem de sorologia desconhecida ou oposta — sexo sorodiscordante sem camisinha — permaneceu a mesma em Londres, em torno de 10% entre homens soronegativos e em torno de 26% entre homens soropositivos. Em contraste, a taxa em São Francisco, que era maior, decaiu de 20% para 12% entre homens soronegativos e de 37% para 20% entre homens soropositivos. Em outras palavras, em São Francisco os homens estão fazendo a mesma quantidade de sexo sem camsinha, porém, cada vez mais, restrito a parceiros da mesma condição sorológica para o HIV.

Dados objetivos reforçam essa prática no que diz respeito ao diagnóstico de outras DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). Em Londres, as taxas de gonorreia em homens gays são aproximadamente as mesmas entre homens soropositivos e soronegativos — em torno de 1,7 a 1,9 casos a cada 100 homens por ano. Em São Francisco, a taxa de gonorreia em soropositivos é aproximadamente a mesma da taxa em Londres — 1,6 a cada 100 — mas é muito menor entre homens soronegativos, em 0,45 a cada 100. Com sífilis, as taxas entre soronegativos são as mesmas em Londres e São Francisco — em torno de 0,3 a cada 100 por ano. Entre homens soropositivos em Londres, casos de sífilis são quase cinco vezes maiores — em torno de 1,3% ao ano. No entanto, em São Francisco a taxa de sífilis em homens soropositivos aumentou de 1,8% ao ano para 3% — dez vezes a taxa em soronegativos.

No seu conjunto, estes números sugerem que DSTs estão mais concentradas entre homens soropositivos em São Francisco porque o sexo sem camsinha entre soropositivos e soronegativos é mais raro. Mais homens gays em São Francisco escolhem seus parceiros com base na condição sorológica e se beneficiam de uma taxa de HIV em queda, enquanto as DSTs aumentam entre os soropositivos.

Há ainda outras diferenças entre Londres e São Francisco. Em Londres, 13,6% dos homens gays sexualmente ativos reportaram usar metanfetamina no último ano — um grande aumento nos últimos anos — enquanto em São Francisco 12% reportaram usar a droga, cujo uso tem decaído nos últimos anos. Em Londres, a taxa de reinfeção por hepatite C entre homens gays aumentou 25% em dois anos, enquanto em São Francisco se manteve estável.

A maior diferença entre as cidades está na taxa de exames de saúde para quem tem HIV. Aproximadamente 60% de toda a população soropositiva de cada cidade está tomando antirretrovirais e atingiu supressão viral. No entanto, em São Francisco, esta taxa só não é mais alta em virtude do abandono do tratamento entre os homens diagnosticados, enquanto, em Londres, é em virtude da proporção de pessoas não-diagnosticadas.

Campanhas de prevenção e os próximos passos

Recentes campanhas de saúde para homens gays em São Francisco se mantiveram concentradas não em desencorajar a escolha de parceiros com base na condição sorológica ou em encorajar homens gays que presumem ser soronegativos e se anunciar como tal, mas em encorajar aqueles que fizeram o teste de HIV e receberam resultado negativo a anunciar isto e discutir informações relevantes — tal como o tempo desde seu último teste, se fizeram sexo sem camisinha desde o último teste ou em que circunstâncias eles fariam sexo sem camisinha.

Enquanto a escolha de parceiros com base na condição sorológica pode funcionar, Colin Brown lembra que “o mito dessa escolha entre positivo/negativo precisa ser mudado”. Em outras palavras, é preciso mudar a ideia presunçosa de que aqueles que não revelam sua condição sorológica não tem HIV.

Brown disse também que há questões importantes para as autoridades de Londres. Como a cidade pode alcançar uma cultura de testagem e revelação do diagnóstico em larga escala, numa população de baixa prevalência? Qual foi a contribuição da imigração, oriunda de países de alta — ou baixa — prevalência para uma cidade na qual metade dos homens gays nasceu fora do Reino Unido? Qual a diferença entre a administração do tratamento, escolha de parceiros ou de tipo de ato sexual com base na carga viral e o aumento, formal ou informal, da profilaxia pré-exposição (PrEP)?

Entre os comentários do público, Lisa Power, ex-diretora do Terrence Higgins Trust, disse que São Francisco também se beneficiou de possuir uma autoridade de saúde centralizada, enquanto em Londres há “o mito de que o localismo é sempre bom”, o qual fez com que os serviços de saúde fossem fragmentados em 33 distritos. Outro comentarista, de Amsterdã, sugeriu que outras cidades europeias e americanas se beneficiariam de comparações com esta.

A mensagem, no entanto, parece ser bem simples: os homens homossexuais em Londres precisam fazer teste de HIV e divulgar sua sorologia com mais frequência — e não apenas dizer que fazem isso.

Referências

Brown CS et al. A divergent tale of two cities: why has HIV control in men who have sex with men (MSM) differed between London and San Francisco (SF) since 2006? 20th International AIDS Conference, Melbourne, abstract THAC0205LB, 2014.

Veja o resumo no site da conferência.


Anúncios

78 comentários

  1. Mais um texto…sempre relacionando homens com homens. Discriminação com casais hetero… rsrsrs… HIV é um virus hereto também gente!! Expliquem aos medicos e governos.

  2. Ga,

    Eu perguntei apenas por curiosidade…sem segundas
    intenções. Daqui do mundo virtual e do mundo real eu só quero amizades…Amar NUNCA mais!!!!!!!!

    • Vida, já leio seus comments há algum tempo, desde que descobri minha sorologia para HIV+ e eu amo vc… rs! Eu teria segundas, terceiras e pencas de outras intenções com vc, se eu não fosse “HSH” (afff, até nisso tem padrões, estereótipos e etc_ acabei de baixar meus primeiros exames… curioso, angustiado e tenso sobre o resultado. Ainda não vi. Verei já… medooooooo!!!).

      • Binhomais

        Que lindoooooo! É a primeira vez que alguém se declara para mim aqui no blog..
        Eu posso tentar te “regenerar”.. Há essa possibilidade? rsrs Te dou casa, comida, roupa lavada e outras “coisitchas mas”..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Beijos querido.

        • Matteus78 diz

          Acredito que se regenera aquilo que se considera doente. Olha o que o Wikipedia diz: Regeneração é a capacidade dos tecidos, órgãos ou mesmo organismos se renovarem ou ainda de se recomporem após danos físicos consideráveis. Vida, sei que foi sem intenção, mas não ficou bem colocado.

    • Beto diz

      Vida, meu nome é Beto. Descobri que sou + em 2014. Tenho vontade de conversar com alguém sobre isso que estou vivendo. Percebo pelos seus comentários q vc eh uma pessoa legal. Sem 2as intencoes..

      • Beto, esse resultado positivo é um baque em nossas vidas..A princípio achamos que é o fim e que vamos morrer! Meu lindo, uma coisa posso te garantir..tudo isso passa é só dar tempo ao tempo..
        E uma coisa eu sempre digo aqui…”isso” não é o fim..é o início de uma nova vida.. (uma vida meio tortinha) mas uma vida..
        Anota meu e-mail e me adiciona no skype também.. luzvidareluz@hotmail.com

        Beijoss

    • Ga diz

      Você deve ter tido alguma decepção amorosa, por isso deve falar assim, não pense dessa forma, quanto menos esperar vai aparecer uma pessoa do bem que irá te valorizar, tenha fé em Deus, que nunca é tarde para recomeçar.

      • Ga,

        Realmente, venho de uma baita decepção amorosa. Eu o amava muito muito muito e de todo o amor que eu sentia restou um coração frio e uma mácula enorme na alma!

  3. Sérgio diz

    Vida , nunca diga nunca!!! Quando vc menos esperar o amor vai bater a sua porta. Abraço.

  4. Rivaldo diz

    vida, nao diga isso. vc ainda vai casar, ter filhos, vai amar e ser amada muito ainda. 😉

    • Rivaldo, quando eu era adolescente eu sonhava em me casar e ter filhos (eu AMO crianças).. Hoje em dia eu sonho em viver muito e bem….

  5. Pois é, virusinho danado! 389 CD4, relação CD4/CD8 = 0,2… tenho consulta com o infecto dia 19/08, será que devo entrar em contato com o médico e tentar adiantar a consulta?

    • Camillo diz

      Acredito que não precisa adiantar não…. CD4 acima de 200 tá legal, você não vai adoecer.

    • Binho, seu cd4 está muito bom! Bemmm melhor que o meu primeiro exame!

      E a carga viral? você não fez?

      • Oi Vida! Deu 135 mil cópias, log acho que 5,6. Fiquei meio tenso, tomei alguns drinks (mentira, tomei vários). Me pergunto o que é mais prejudicial para nós, álcool em excesso ou cigarro (fumo uns 5 por dia). Volto ao infecto em duas semanas. Não gostei de algo no “meu Dr E.”, esta é minha segunda consulta e, como na primeira vez, só consegui agenda para semanas depois (uso convenio da empresa). Alguém sabe se no sistema público é mais rápido aqui em São Paulo capital?

        • Binho , fumo e álcool em excesso faz mal para qualquer um independente da sorologia! rs
          Você já está tomando os remédios?
          Bom, eu devido aos remédios que tomo, meu fígado anda bem inflamado e reparei que toda vez que tomo um pouco de qualquer bebida alcóolica, eu sinto um grande incômodo nele…é horrível!
          Portanto, o bom seria abandonar esses vícios, seu organismo irá agradecer! Agora quanto ao sistema público de SP eu não sei responder, mas sei quem sabe! Me passa seu e-mail que te dou maiores informações ou manda um email pra mim no luzvidareluz@hotmail.com

  6. Camillo diz

    Vida, tb não pretendo me apaixonar nuuuuunca mais, mas é somente uma pretensão…, nada a ver com o hiv, é que não tenho interesse mesmo. Xiiii….. me esqueci de tomar o Efavirenz e o Biovir ontem a noite…. Vou tomar o Biovir de agora e não posso me esquecer hoje a noite outra vez, senão…..

    • Camillo, o amorrrr é uma dorrrrrr.
      Agora comigo é assim: de copo sempre cheio e coração vazio …Antes embriagada do que iludida..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Eita.. vou comprar fosfosol pra vc …é óoootemo para recuperação da memória..rs

      • Camillo diz

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, verdade….. me diverti vendo o Rebu e acabei me esquecendo…

  7. Mãe de um JS diz

    Vim aqui pela primeira vez, há 4 meses atrás, pra dividir minhas angústias por ocasião do início do tratamento do meu filho. Hoje venho dividir minha alegria por ter acabado de ler no seu último exame a palavra INDETECTÁVEL. Apesar das dificuldades do tratamento, até hoje persistentes, o resultado foi alcançado e isso nos dá mais força pra continuarmos a lutar contra esse vírus fdp!!!
    beijos e continuem firme nessa luta!
    PS. acho que a Vida mencionou que não quer mais amar no mundo virtual!! não entendi que seria no mundo real! (rsrs), pois afinal de contas não existe coisa melhor no mundo que o AMOR!!!!

    • Mããããeeeeeee.. que maravilha!!! Indetectável é a palavra mais esperada depois do baque de um resultado positivo! É uma alegria tão grande.

      Viu Mãe..você entendeu errado..rs
      Eu perguntei logo acima se o Ricardo era hetero. Aí vem o Ga e fala que ele (Ricardo) tem namorada e que eu não teria chance.rs
      Aí eu falei que só queria saber da opção sexual dele por pura curiosidade sem segundas intenções..e falei também que aqui do virtual e também no real eu só quero amizades..rs

  8. Marcos diz

    Descobri que sou positivo há mais de um mês e ainda estou chateado e apavorado, mas percebo a cada dia que basta uma mudança de comportamento e aceitação de sua condição atual para que tudo continue da mesma forma. Ainda estou aguardando o resultado dos exames e esta ansiedade que “acaba” com a gente, mas vai dar tudo certo, eu creio ! Só tenho mto receio acerca dos efeitos colaterais dos ARVs, é de fato tudo isto que tem na Internet ou vai de organismo pra organismo, ou os remedios atuais são menos agressivos ? Enfim, ainda resta mta duvida e medo do futuro, gostaria de compartilhar com alguém que tenha vivido esta experiencia e como está se sentindo hoje em dia. Forte abraço a todos.

    • Oi Marcos, meu filho iniciou a medicação há três meses e teve uma ótima adesão. No começo tudo é muito difícil, a tensão o silêncio e a expectativa de algum sintoma. Aos poucos a vida se normaliza. Pode me escrever filhosorop@globomail.com
      É muito bom ter alguém para compartilhar os anseios.

      • Secret diz

        Que ótimo seu apoio, Mãe!! Eu não tive coragem de contar nada a minha família!! Fico muito feliz por vocês!

        Um grande abraço!

          • Secret diz

            É bem complicado o silêncio mesmo! Estava comentando isso com a Vida em particular! Domingo foi um dia bem difícil pra mim por ter tido uma recaída sentimental e ter que fingir naturalidade dentro de casa! Tem hora que o mundo parece que parou de girar!

            Beijos!

  9. Gente, eu falei que não quero mais amar, me apaixonar…Agora eu quero fazer igual a maioria dos homens: só curtir, ficar, nada sério, sem apego, sem compromisso..quero fazer um sexo mágico e depois dizer…TCHAU. (ou talvez nem diga tchau).rsrs

    • Camillo diz

      Vida, pratico isso desde o ano 2000! Não por raiva ou por dor ou revolta, mas por falta de interesse mesmo, não procuro e nem tenho expectativas. Prefiro assim, já provei, vi o que é, tá bom. Deixo pra amar só durante o sexo.

  10. Alisson diz

    Eita vida complicada!!! Combater o vírus…sofrer por amores…
    Mas é tão bom viver, né?
    Bom fds pessoal!!!

    bjos

  11. Alisson

    no amor temos o sabor e também o dissabor…complicado né?.rs
    Mas apesar das agruras da vida..É SEMPRE MUUUUITO BOM VIVER!

    Bom final de semana pra vc também!

    Beijoss

  12. Nossaaaa..só eu falei nesse blog, falei demais! A coitada da Larissa falou demais também e foi massacrada..rs A próxima provavelmente serei euuu..rs
    Acho que só volto aqui na primavera!

    Beijos pessoal…bom final de semana!!!!!

  13. mãe de um JS diz

    aahh tudo bem não querer mais amar e só querer diversão! mas insisto que não existe coisa melhor na vida, e o amor quando chega, não pede licensa e arromba portas… e aí puft! a mágica acontece. como diz João Bosco “o amor quando acontece a gente esquece que sofreu um dia, esquece sim…”
    beijos pessoas e bom fds!

  14. alicia diz

    ola descobri que so positiva ha 4mes , mesmo meu cd4 em 560 ja comecei com a medicaçao graças a Deus nenhum efeito colateral mais ainda tenho muito medo pois queria engravida .

  15. Náty diz

    É pessoal … Estamos juntos nessa jornada! Quer dizer, eu sou soro-, mas alguém que amo muito é soro+ … descobrimos a pouco tempo e a vontade de que o chão se abra e nos engula é constante! Embora seja uma situação muito embaraçosa, eu tenho certeza que vai passar e logo a cura vai estar aí e meu amor e vocês estarão livres desse maldito vírus! Eu tento colocar na minha cabeça que um dia todos nós vamos morrer e essa também é uma forma de perder a vida (forma terrível) … ele diz que não pode ter essa doença por ele e por outra pessoa (por mim), sofremos juntos … tentamos esquecer, só que quando dá 23:30 o despertador nos lembra a realidade! Já deixei bem claro que eu estaria aqui pra tudo… e vamos até o fim! ♥

  16. yago diz

    oi pessoal gostaria se algun de vcs me ajudacem,a 4 dias atras estava eu mas 3 colegas numa festa,mas so q estavamos tomando os 4 em duas latinha tipi rodizio de lata cada um passava p outro;problema q eu mordi minha bochecha,dai machucou,tipo assim se algum deles for + e ter cortado a boca com a lata q estavmos bebendo,qual o risco q eu passei foi muito grande,nao sei a sorologia de nenhum e dia 8 tenho q ir hemocentro doar sangue .to preoupado demais.se tiver alguem q possa me ajudar ficarei muito grato dsd ja agradeco q fique com deus

    • Segundo o grande músico e letrista Mano Brown, em seu hit “Diário de um Detento”, HIV só se pega na boca do cachorro.

    • Jean diz

      yago,
      nao sou infectologista, mas acho que vc tá muito aflito. Vamos pensar com kalma: foram 2 latas de cerveja… Vc diz que mordeu a propria bochecha, ou seja, eram latas que eram normais, que nao tinham lascas da lata para provocar cortes, certo? Então não havia porque eles se cortarem. correto? E cerveja tem alcool, não acredito que o vírus se mantenha vivo em meio aquoso + alcool. Ao meu ver não tem perigo algum, mesmo que remotamente, algum dos seus amigos fosse HIV+. Todavia o seu post aqui demonstra nossas aflições diante do desconhecido e como as vezes criamos “neuras” n relacionamento com as outras pessoas. Se vc ainda tem duvida, procure um centro de orientação sobre DST, geralmente as prefeituras tem, se vc morar em alguma capital é mais facil de encontrar. Fique bem!

  17. yago diz

    e so uma duvida minha gnt,quem poder me ajudar,tenho esposa ela esta gravida so keria ajuda de alguem q possa me informa ,por favor

  18. Bela diz

    Alicia,

    Queria saber porque você já começou com os remédios mesmo com a contagem de cd4 acima de 500.
    Eu estou positiva desde janeiro deste ano, no primeiro exame minha carga viral foi acima de 500 e agora acima de 600 ainda não uso remédios.

    • Digo diz

      Bela, a pergunta não foi pra mim, mas creio que o caso da Alicia se encaixa no novo protocolo do Ministério da Saúde, que indica a medicação para todos os soro+, independentemente de carga viral e CD4.

    • alicia diz

      ´
      é o novo protocolo do ministerio da saude ele acha melhor ele disse pra que espera ficar doente

  19. Bela diz

    Obrigada por responder Digo.
    Estive consultando a pouco e a médica falou que só começaríamos com o remédio caso a contagem das células cd4 ficasse menor que 500. Pode ser que ela mude a abordagem na próxima consulta.

    • Cris Gaucha diz

      Oi Bela,

      Realmente é o que o Digo falou. Hoje, constatou a soropositividade pode começar com os ARVs.
      Se quando eu descobri, soubesse o que sei hoje, teria começado imediatamente, mesmo naquela época estando com o CD4 em 770.
      Lembre-se… uma coisa importantissiiiima é estar com a CV indetectável.
      Converse com sua infecto na próxima consulta, ela vai lhe orientar.

      Bjãoo

      • Bela diz

        Cris Gaúcha,

        Obrigada pela informação. Você usa os remédios há muito tempo? Você tem que idade? Bjo

  20. yago diz

    obg jean foram varias latas eu fikei chapadao lembro de pouca coisa so lembro de ter mordido a bochecha e ter tirado um pedacinho,minha neura e pq em janeiro eu passei por isso cara mas foi por sexo oral.eu possa ta na neura sim,como fikei da primeira vez.

  21. Barbosa diz

    Olá vou contar um pouco do que aconteceu comigo …eu estava estava morando junto com o meu marido fazia 3 anos já tinha 2 filhos 1ano e 5 meses e um bebe de 2 meses… Resolvemos nos casar no cartório ja tinha data marcada, um
    Belo dia de manhã meu marido
    Na sala junto com a minha sogra estão sentados na cozinha minha sogra começa a falar que meu marido tem algo pra me fizer que ele não pode se casar antes de contar a verdade pra mim…pensei que seria alguma traição ou algo assim …

  22. E foi assim que recebi a notícia … Que meu marido era HIV positivo minha sogra afirmava que ele estava curado que Deus tinha curado ele … Fiquei sem palavras eu tinha 2 filhos como ele pode demorar 3 anos pra me contar isso ele não pensou nos filhos não pensou em mim… Que amor e esse…,se ele estava curado queria um papel dizendo negativo… Ainda ficaram bravos por eu querer que ele fizesse um novo teste…demorei meses pra conseguir levar ele pra fazer um teste …na gravidez realizei todos os exames que deram negativo mas mesmo assim fiz o teste nas crianças minha bebe tinha 4 meses levei ela pra tirar sangue chorando não me importava comigo sim com os meus filhos..,fiz o exames na sexta ligaram do laboratório dizendo que ia atrasar o exame de HIV mas eu já tinha pegado os outros que tinham dado tudo positivo então já imaginava o que daria o de HIV esperei sofrendo até na segunda o resultado deu positivo…

  23. Eu não me separei casei no cartório… Fiz meu exame deu negativo das crianças Tbm
    Eu amava ele demais se ele tivesse me contado quando a gente namorava eu jamais teria largado dele… Mas a mentira abalou muito meu casamento perdi a confiança ainda continuo casada hoje minha filha já tem 4 anos e o meu filho 5 …depois disso algo mudou dentro de mim isso foi a quase 3 anos atrás ficou anos sem tocar no assunto fingindo que não aconteceu nada eu sempre falando vamos no médico e ele fingia não estar ouvindo …em janeiro depois de tanto lutar conseguir levar ele no médico que disse que teria que começar a tomar o remédio voltar a tomar pois antes dele me conhecer ele tomava o remédio teria que tomar o mesmo só depois mudar.., ele ficou muito revoltado de ir no médico …enfim até hoje não voltou no médico e nem tomou o remédio …me sinto perdida muito
    Chateada dele não cuidar dele mesmo e do tomar o remédio ele não me ama nem anã os filhos pois se vc eu faria tudo o que a medicina pudesse fazer por mim.., me ajudem me deum
    Um conselho estou cansada …

    • Ga diz

      Desculpe, mas sua história é um pouco confusa. Pela má escrita e sua dificuldade em redigir um texto lógico, fiquei com sem compreender o que você escreveu. Talvez um curso intensivo de Português seria uma boa para começar.

      • Barbosa diz

        Ga se estiver incomodada (o) Pode me dar aulas ou pagar um curso não irei me importar obrigada pela crítica …

          • Barbosa diz

            Sim, e que ele fez o exame de HIV e para sífilis e outras doenças peguei esses exames primeiro que deram positivo… O do HIV só peguei depois de algum dias que Tbm deu positivo …desculpe não estar perfeito o texto e que escrevo isso tudo de um cel que tem um corretor que não ajuda muito … Vc escreve algo e ele troca 😳…

            • Barbosa diz

              Ga,me perdoe por ter sido grossa e mal
              Educada eu realmente fiquei chateada mas não devia ter te respondido mal …e que não me sinto bem quando sou criticada pois vivi sendo criticada a vida inteira…peço desculpas

      • ricardo diz

        Ga,
        Mesmo com dificuldade pra se compreender o texto, dá pra se ter uma boa noção do grande problema que a Barbosa está passando e mesmo assim você encontrou tempo para ser sarcástica fazendo críticas absurdas como as que fez. Perdeu uma grande oportunidade de ficar calada e lembre-se que o mundo dá voltas e um dia você ou alguém que você ama pode passar por grandes dificuldades e não gostará que a tratem com cinismo.

        • Ga diz

          Não a tratei com cinismo, pelo menos não foi minha intenção, peço desculpas pelo que escrevi, mas realmente não compreendi a história da nossa colega. Sei que é uma barra, e jamais julguei-a pelas circunstâncias vividas, apenas que estaria muito difícil compreender a real história pelo texto truncado. Não me leve a mal, amigo.

    • Minha namorada contou depois de nós escorregarmos na bebida e na falta de noção dela. 2X. Foi um abalo enorme, estavamos juntos há menos de 1 semana. Perdi a confiança. Depois de meses estamos namorando e apaixonados.

      Não é facil penso. Não se sente o HIV no corpo mas sim no preconceito e isso acompanha muito. Abala o psicologico.

      O que ele deve ter é medo dos exames darem alteração, ou quando vai ao médico, todo o assunto volta, ele faz o filme na cabeça dele. Volta o medo de adoecer.

      Converse bastante, e não temos historico de pessoas com o TARV tendo qualquer doença. Talvez seja um auto-preconceito dele.

      Tomara que passe. Tomara que ele se abra mais para a vida.

      Não posso dizer que tive um choque inicial sabendo de minha linda, mas me abriu os olhos para como eu encarava tudo isso e me abriu os olhos para viver a vida.

  24. alicia diz

    to tomando a minha medicação quase um més sinto um pouco de dor de cabeça e to tendo isonia mais meu medico disse que isso ja vai passa tomo lamivudina ,efavirenz e tenofovir a noite . então vamos que vamos espera a cura

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s