Mês: julho 2014

Mais testagem, menos incidência

Segundo estudo comparativo, HIV cresce entre gays em Londres por causa da falta de testagem Por Gus Cairns, em 24 de julho de 2014 para o Aidsmap Números sugerem que em São Francisco a testagem está aumentando a revelação da condição sorológica e a escolha dos parceiros com base na condição sorológica Um estudo apresentado na 20ª Conferência Internacional de Aids (Aids 2014), em Melbourne, comparou a epidemia de HIV entre homens gays em São Francisco, nos EUA, a Londres, no Reino Unido, e confirmou que, enquanto a incidência de novos casos de infecção pelo HIV em São Francisco está caindo, ela está estática e até mesmo subindo em Londres. A razão principal parece disso ser o fato de que homens gays em Londres não só fazem testes de HIV com menos frequência do que em São Francisco, mas fazem menos testes do que dizem fazer. A diferença é gritante: na última pesquisa sobre saúde sexual masculina, em 2011, 58% dos homens gays pesquisados disseram ter feito teste de HIV no último ano, enquanto os …

Avalie isto:

Boa sorte

Filme com Deborah Secco como portadora de HIV emociona público em Paulínia Tiago Dias, do UOL, em Paulínia (SP) Nos minutos finais de “Boa Sorte”, uma espécie de “A Culpa é das Estrelas” com usuários de drogas, o público do Festival de Paulínia –que, no início, chegou a rir com o filme– se resumia em um silêncio cortado apenas por narizes assoados para evitar o choro. Até mesmo a atriz Deborah Secco derramava lágrimas ao abraçar a equipe após a primeira exibição do longa, na noite desta quinta-feira (24). [Continue lendo.]

Avalie isto:

Um debate sobre o ‘indetectável’

O resultado do estudo PARTNER é uma licença para transar sem camisinha? Em 30 de junho de 2014 por Incidence.org O resultado preliminar do estudo PARTNER foi uma das notícias mais comentadas na conferência CROI 2014, que aconteceu este ano em Boston. O estudo multicêntrico conduzido em 75 clínicas na Europa observou e continua observando o risco de transmissão do HIV entre casais em que há um parceiro soronegativo e outro soropositivo, o qual está em tratamento. Até agora, o estudo inscreveu mais de 1.000 casais que, com base em uma análise preliminar, praticaram 16.400 atos sexuais entre homossexuais e 28.000 entre heterossexuais. Nenhuma transmissão do HIV foi observada entre um soropositivo com carga viral inferior à 200 cópias/ml e seu parceiro soronegativo. (Leia o relatório do Aidsmap para mais detalhes e assista ao vídeo sobre o estudo). Será que isso quer dizer que homens gays podem finalmente abandonar os preservativos com seus parceiros soropositivos em tratamento? Bom, isso não é tão simples. Precisamos entender que estes resultados do PARTNER são preliminares, mas também representam um …

Avalie isto:

Sobre PrEP, camisinha e sexualidade

Quando a Ciência encontra a prevenção, o prazer não fica para trás Por Mathew Rodriguez para o TheBodyPRO.com em 22 de julho de 2014 Com o auditório praticamente lotado durante a 20ª Conferência Internacional de Aids (Aids 2014), um grupo de palestrantes liderados pelo escritor e ativista Sean Strub, abordaram as mudanças que estão no horizonte da prevenção do HIV — um horizonte que agora inclui camisinha, PrEP (profilaxia pré-exposição), PEP (profilaxia pós-expsoição), escolha de parceiros sexuais com base na condição sorológica [serosorting], escolha de práticas sexuais com base no risco [seropositioning] e provavelmente também microbicidas, entre outras intervenções. Strub abriu a sessão apontando que a análise do risco inclui tanto o racional — dados científicos que mostram que a camisinha e outras opções de prevenção reduzem vertiginosamente o risco de transmissão do HIV — quanto o irracional, o qual inclui dois importantes componentes: desejo e prazer. Ele lembrou que os fatos que são considerados na análise de risco, a equação que precede o eventual encontro sexual, estão constantemente mudando em decorrência do avanço na …

Avalie isto:

A Declaração de Melbourne

A conferência Aids 2014, em Melbourne, Austrália, que terminou hoje, começou com a publicação de uma Declaração de seus embaixadores. O texto é o seguinte: “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.” Artigo 1º, Declaração Universal de Direitos Humanos, 1948 Nos reunimos em Melbourne, o tradicional local dos povos Wurundjeri, Boonerwrung, Taungurong, Djajawurrung e Wathaurung, guardiões originais e permanentes das terras que compõem a nação Kulin, para avaliar o progresso da resposta global contra o HIV e os caminhos futuros, na 20ª Conferência Internacional de Aids, Aids 2014. Nós, signatários e endossantes desta Declaração, afirmamos que a não-discriminação é fundamental para a criação de programas de saúde pública eficazes e de uma resposta ao HIV baseada em evidências, direitos humanos e independente de gênero. Para derrotar o HIV e alcançar acesso universal à prevenção, tratamento, cuidado e suporte, ninguém deve ser criminalizado ou discriminado em decorrência de seu gênero, idade, raça, etnia, …

Avalie isto:

Grupo de patentes

Parcerias no futuro do tratamento do HIV Postado 24 de julho de 2014 no blog da Aids 2014, por Greg Perry, Diretor Executivo do Medicines Patent Pool A comunidade internacional já percorreu um longo caminho desde a primeira conferência sobre aids, em 1985. Embora ainda estejamos à espera de uma vacina eficaz contra o HIV e uma cura funcional, a inovação dos antirretrovirais (ARVs) e seu aumento de escala trouxeram uma mudança significativa na perspectiva da resposta global ao HIV/aids. Ao longo dos últimos 31 anos, 29 novos químicos foram aprovados para o tratamento do HIV. A descoberta da terapia antirretroviral, apresentada na 11ª International Aids Conference (IAC), em 1996, foi um divisor de águas ao fazer do HIV/aids uma condição crônica e não mais uma sentença de morte. Em 2001, combinações triplas de dose fixa reuniram vários ARVs em esquemas de único comprimido. Agora, quando entramos na quarta década de HIV, podemos ver mais uma vez a promessa de novos medicamentos que ajudarão a melhorar os regimes de hoje, com drogas que parecem oferecer maiores barreiras contra …

Avalie isto:

Coinfecção por hepatite C pode ser curada

Sofosbuvir + Ribavirina cura hepatite C em mais de 80% das pessoas com HIV e coinfecção por HCV Por Liz Highleyman em colaboração com hivandhepatitis.com Um regime livre de Interferon, composto por Sofosbuvir e Ribavirina por 24 semanas, levou a uma resposta virológica sustentada contra hepatite C em 84 a 89% das pessoas soropositivas com genótipos da hepatite C crônica 1, 2, 3 ou 4, de acordo com os resultados da fase 3 do estudo PHOTON-2, apresentado na segunda-feira na 20ª Conferência Internacional de Aids (Aids 2014), em Melbourne, na Austrália. As taxas de cura foram menores, no entanto, para os pacientes com genótipo 1a e cirrose hepática. As pessoas com HIV e coinfecção com o vírus da hepatite C (HCV) experimentam uma progressão mais rápida da doença hepática, do que pessoas apenas com hepatite C, e não respondem bem à terapia à base de Interferon. Antivirais de ação direta que têm como alvo diferentes etapas do ciclo de vida do HCV oferecem uma perspectiva de tratamento mais curto, com menos efeitos colaterais e maiores taxas de cura …

Avalie isto:

Indetectável para todos

Ativistas lançaram um apelo demandando uma nova resposta à epidemia, baseada no direito de todo portador do vírus à carga viral indetectável. O apelo foi publicado no site da organização Treatment Action Campaign e dirigido às autoridades presentes na conferência Aids 2014, em Melbourne, Austrália. Carga viral indetectável: uma oportunidade para todos em 2020! Treatment Action Campaign • Treatment Action Group • HIV iBase • International Treatment Preparedness Coalition (ITPC) • Health GAP • AIDS and Rights Alliance of Southern Africa (ARASA) • Asian Network of People Living with HIV/AIDS (ANP+) • MSF Access Campaign • AfroCAB • International Community of Women Living with HIV/AIDS East Africa (ICW EA) • AIDS Law Project, Kenya • Housing Works • TASO Uganda • Zimbabwe Network of People Living with HIV/AIDS (ZNNP+) • Positive Generation Cameroon • International Civil Society Support • Thai AIDS Treatment Action Group (TTAG) • Thai Network of People Living with HIV (TNP+) • ACCESS Foundation Thailand • Delhi Network of People Living with HIV (DNP+) • National Network of Tanzanian Women with HIV/AIDS • Africa Young Positives (AY+) • Africa Japan Forum • Japan AIDS and Society Association (JASA) • Gays and Lesbians of Zimbabwe …

Avalie isto:

Uma estratégia para desentocar o HIV

Cientistas descobrem maneira de expulsar o HIV de células infectadas Por Alice Park @aliceparkny em 21 de junho de 2014 A técnica aborda o problema dos reservatórios de HIV escondidos no corpo e pode vir a ser uma nova maneira de combater a infecção viral Uma vez que o HIV entra no organismo, ele não quer mais sair. Toda estratégia que os cientistas desenvolveram ou estão desenvolvendo para combater o vírus — de poderosos medicamentos anti-HIV à vacinas promissoras que agem contra ele — sofre do mesmo problema. Nenhuma consegue desentocar todo vírus no organismo e o HIV tem a tendência de se esconder, permanecendo inerte por anos, até irromper e causar a doença. Nenhuma estratégia conseguiu desentocá-lo, até hoje. Kamel Khalili, diretor do Comprehensive NeuroAIDS na Temple University School of Medicine, e seus colegas, usaram uma nova técnica de edição genética para recortar o vírus das células nas quais ele havia infectado — fazendo-o voltar a seu estado pré-infecção. A estratégia é baseada na detecção e ligação do material genético do HIV e representa …

Avalie isto: