Mês: maio 2014

O futuro da camisinha?

  A menor camisinha que você já viu pode ser o futuro dos contraceptivos Por EJ Dickson em 28 de maio de 2014 Vamos falar a real: os preservativos são um mal necessário, mas a maioria deles não são tão bons. São propensos a escorregar e estourar, diminuem a sensibilidade e fazem tudo o que você tocar durante o resto do dia cheirar como o interior de uma fábrica de pneus. É por isso que os inventores e defensores do sexo seguro têm trabalhado incansavelmente para criar uma versão melhorada do preservativo para o mercado. O esforço mais recente é uma camisinha “só na ponta”, um preservativo que cobre apenas a cabeça do pênis, para aumentar a sensibilidade. Inventado pelo californiano Charlie Powell, o preservativo é chamado de Galactic Cap [ou “Capacete Galáctico” em tradução livre]. Seu nome provavelmente deriva do fato de que o preservativo se parece com um capacete que um membro do alto escalão de uma sociedade futurista utópica seria obrigado a usar. O produto está sendo comercializado como um método de …

Avalie isto:

Risco de transmissão do HIV

Em novembro de 2011, escrevi um post sobre o risco de transmissão do HIV. Hoje, faço sua atualização. Finalmente, o Centros de Controle e Prevenção de Doenças (em inglês: Centers for Disease Control and Prevention — CDC) publicou uma tabela clara e atualizada a respeito dos riscos de transmissão do vírus. Para nós, talvez mais importante que a própria tabela seja o texto que a antecede. Traduzo tudo isso abaixo.   Risco de Transmissão do HIV O risco de contrair HIV varia muito, dependendo do tipo de exposição. Algumas exposições, como a exposição ao HIV durante uma transfusão de sangue, apresentam um risco muito maior de transmissão do que outras exposições, como sexo oral. Para algumas exposições, o risco de transmissão, embora biologicamente plausível, é tão baixo que não é possível fornecer um número preciso. Diferentes fatores podem aumentar ou diminuir o risco de transmissão. Por exemplo, fazer uso de terapia antirretroviral (os medicamentos para tratar a infecção pelo HIV) pode reduzir o risco de uma pessoa infectada pelo HIV em transmitir a infecção para …

Avalie isto:

De quem é a culpa?

A culpa é dele. Gaëtan Dugas, um comissário de bordo canadense, foi o responsável por disseminar o HIV por todo o continente norte-americano. Não é à toa que ficou conhecido como o “Paciente Zero”. Seu apelido foi dado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças americano (CDC) em março de 1984, após uma extensa busca das autoridades médicas a partir de informações das ligações sexuais entre homens gays e bissexuais na Califórnia, Nova York e alguns outros estados. Dugas era o marco zero dentre vários parceiros. Em 1987, uma matéria do New York Post que tinha como manchete “O homem que trouxe a aids” contou sua história: a cada cidade em que pousava, o comissário aproveitava para transar com quantos homens pudesse, mesmo ciente de que sua condição pudesse ser transmissível a outras pessoas. Depois de fazer sexo, era comum que Dugas apontasse para as lesões em sua pele, provavelmente oriundas de Sarcoma de Kaposi e outras manifestações de doenças oportunistas típicas da aids, e então dissesse para seus parceiros: “agora você também tem!” …

Avalie isto: