Artigos
Comentários 180

Por que há tanto medo do HIV?

Outro dia, enquanto andava de metrô, escutei um casal conversando. Um deles dizia:

“– Hoje os jovens não usam mais camisinha porque ouvem dizer por aí que para o tratar o HIV basta tomar uns remedinhos.”

Vamos por partes. Antes, é importante lembrar que, no Brasil, a tendência de aumento nas taxas de diagnóstico não se concentra apenas entre jovens de 15 a 24 anos, mas também em adultos com 50 anos ou mais. Isso mostra que os medicamentos para disfunção erétil devem estar funcionando! Mas será que sugere que o medo do HIV realmente sumiu? Eu acho que não.

Acho que o medo continua, e ele não é (mais) capaz de conscientizar sobre o uso do preservativo. Nos dias de hoje, assustar não adianta. É preciso informar. Falar a real. E muito claramente.

Digo isso porque quando eu não usei camisinha, não fiz isso consciente de como era a vida de um soropositivo. Então, eu não sabia se bastaria tomar uns remedinhos ou não. Sequer sabia que havia remédios para o HIV, quais são e o que eles fazem. As aulas de educação sexual que tive na escola nunca me explicaram isso, mas apenas se detinham sobre o uso da camisinha. Então, a verdade é que eu simplesmente não pensava no vírus e nem nas suas implicações. Só fui fazer isso depois do diagnóstico.

Então, quase sem conhecimento algum, quando li “HIV positivo” no resultado do meu teste eu tive um choque. Morri de medo do HIV — ou, melhor dizendo, morri de medo dele me matar! Mas aprendi que não precisa ser assim. Com o passar do tempo, fui percebendo que eu tinha muitos mitos e preconceitos sobre o que era o HIV, a aids, o tratamento, o diagnóstico e até mesmo a prevenção. Concluí que era interessante aprender sobre tudo isso para compreender sobre a minha condição e, também, para explicar às pessoas a minha volta. E é isso o que faço aqui.

Na minha experiência como soropositivo entendi que o HIV, em todos os seus aspectos, está muito ligado à duas constantes: o cuidado e o tempo. O medo do HIV diminui, se é que não some por completo, quando entendemos que os problemas surgem se essas duas constantes não forem respeitadas. Aliás, elas estão presentes em todas as etapas relacionadas ao vírus: prevenção, diagnóstico e tratamento.

Na prevenção, como sabemos, o principal cuidado é a camisinha. O uso dela torna o sexo seguro. No entanto, em situações excepcionais em que ocorrer falha, rompimento ou não uso da camisinha durante a penetração, a profilaxia pós-exposição pode ser indicada, depois de uma avaliação médica. A profilaxia só funciona se iniciada em até 72 horas a contar da suposta exposição ao vírus e mantida corretamente e seguindo as instruções médicas ao longo de todos os dias das semanas seguintes, mesmo diante dos possíveis efeitos colaterais desagradáveis que podem surgir. Se não houver indicação médica para a profilaxia ou se o prazo de 72 horas for perdido, o jeito é seguir para o diagnóstico.

Quanto antes for feito o diagnóstico, melhor. A razão disso é bem simples: quanto mais tempo o organismo ficar exposto ao vírus, sem cuidado, pior. Afinal, se a habilidade do HIV é danificar o sistema imune, quanto mais tempo ele tiver livre para isso, maior será o dano causado. Em números: aproximadamente 25% das pessoas que demoram a se diagnosticar podem vir a não recuperar totalmente o seu sistema imune, grupo que pode ter complicações a longo prazo e do qual talvez eu faça parte, enquanto mais de 10% das pessoas diagnosticas tão tardiamente que já apresentam aids não sobrevivem nas semanas seguintes. Portanto, o melhor é fazer o teste logo!

Mas o diagnóstico também depende do tempo. Somente quando terminar o período da “janela imunológica”, que nada mais é que o tempo que o seu organismo leva para produzir anticorpos contra o vírus, é que o resultado do teste é preciso. Nem um dia antes. As informações disponíveis sobre o período da janela imunológica, no entanto, são um pouco contraditórias, variando entre 30 e 60 dias. Meu médico, o Dr. Esper Kallás, um dos mais respeitados infectologistas do País, é da opinião que os testes de hoje apresentam resultados plenamente confiáveis com 30 dias da suposta exposição ao vírus.

Se o resultado do teste vier “positivo” ou “reagente”, o cuidado passa a ser feito todos os dias. E é aqui que entram os tais “remedinhos.” Eles são chamados de antirretrovirais. Têm a habilidade de inibir os processos que o vírus usa para entrar nas células CD4 do sistema imunológico que estão no sangue. Como o vírus é esperto e usa vários processos, o tratamento consiste numa combinação de antirretrovirais, e é por isso que é apelidado de “coquetel.”

No meu caso, o coquetel que tomo consiste em três antirretrovirais cujos comprimidos não são tão grandes e podem ser tomados todos juntos, de uma única vez e antes de dormir. Entretanto, existem mais de vinte antirretrovirais diferentes que formam diferentes combinações de coquetel. Algumas combinações incluem um maior número de comprimidos, outras não. Alguns comprimidos são maiores que outros. E alguns coquetéis devem ser administrados em maior frequência por dia que outros. É comum que, no começo do tratamento, surjam efeitos colaterais desagradáveis. Em geral, náusea, vômitos e diarreia. Mas é verdade também que estes costumam passar completamente com o tempo.

Como qualquer condição de saúde, mesmo sob tratamento o HIV ainda pode trazer algumas complicações para quem o porta. Com o tempo, o vírus pode desenvolver resistência aos antirretrovirais. Se isso acontece, troca-se de coquetel. Ainda assim, a resistência é algo que costuma surgir no longo prazo ou em pessoas que violam o cuidado necessário, não tomando o coquetel corretamente todos os dias. Embora cada vez mais raras, complicações pelo uso prologando dos antirretrovirais também podem surgir.

Por isso, para prevenir e manter a certeza de que está tudo indo bem é que fazemos exames regulares, a cada três ou quatro meses. Além dos exames comuns de um check up, fazemos dois outros exames a mais: um deles que avalia como anda o sistema imune e outro que conta o número de vírus que se encontra no sangue. Entretanto, os antirretrovirais de hoje são tão eficientes que na maioria dos casos essa contagem não pode ser feita porque nenhum vírus é encontrado. E o resultado do exame vem “indetectável.” Sempre que um tratamento de HIV é bem sucedido, é isso o que acontece. E a grande maioria dos tratamentos hoje é sim bem sucedida, como é o caso de 76% dos soropositivos que tomam antirretrovirais no Brasil. Eu mesmo, por exemplo, sou indetectável desde o primeiro mês de tratamento, há três anos, e desde então permaneço assim.

Sob tratamento, sem o vírus detectável no sangue ao longo de mais de seis meses e sem a presença de outras DSTs, a transmissibilidade do HIV é reduzida em 96%. Com camisinha, tudo se torna tão seguro que um soropositivo pode namorar com um soronegativo ou outro soropositivo, seja homem, mulher, travesti, transexual ou transgênero, sem que os parceiros tenham que ter qualquer medo do vírus.

Portanto, na prática, o que muda na vida de um soropositivo é a necessidade de fazer os exames rotineiramente e de tomar os remédios todos os dias. Fazendo as contas, se cada visita tri ou quadrimestral ao laboratório de exames leva mais ou menos duas horas e ao infectologista outras duas, e se considerarmos que o tempo de tomar os remédios é de 10 segundos por dia — duração mais que justa para se pegar um copo d’água e engolir os comprimidos — então, o HIV consome no máximo apenas 10 horas da vida de um soropositivo por ano.

Nas outras 8.750 horas deste mesmo ano, nossa vida não é nada diferente da sua. Tomamos café. Pegamos trânsito ouvindo Mílton Jung no Jornal da CBN. Será que o Pizzolato vai ser extraditado? Reclamamos do calor. É segunda feira? Tem vídeo novo do Porta dos Fundos! O horóscopo diz que hoje é um dia de “sensações vagas, arrepios e pressentimentos.” Atualizamos o status no Facebook. Lamentamos a morte de Philip Seymour Hoffman, grande ator! Lemos as notícias. O Papa defende a virgindade. Não, não foi dessa vez que acertamos a Mega Sena. Almoçamos arroz, feijão, salada de batata e carne. Trabalhamos. Depois, #partiu academia. Mas não gostamos de BBB. Compramos pipoca para assistir “Até Que a Sorte Nos Separe 2.” Ficamos indignados com Woody Allen e, depois, fazemos as pazes com ele. Acho que agora não gostamos muito é da Mia Farrow. E esses torcedores do Corinthians? Imagina na copa?! William Bonner dá boa noite no Jornal Nacional. Lemos um livro do Dalai Lama. Hoje tem balada! E dormimos no sofá com a TV ligada.

image_1393626039

Anúncios

180 comentários

  1. Jr diz

    Palmas pra vc! Ótimo texto! Com certeza o preconceito existe por pura falta de informação. Ontem mesmo após uma notícia vinculada no site da globo.com falando sobre criação por cientistas do mapa da resistência humana ao vírus, teve um IMBECIL que colocou o seguinte texto nos comentários da notícia:

    “APRENDA A RECONHECER QUEM TEM HIV. > LIPODISTROFIA HIV… ESTUDEM SOBRE ISSO… SALVE A SUA VIDA E A DOS OUTROS ESPALHANDO ESTA INFORMAÇÃO QUE O GOVERNO ESCONDE DO POVÃO. ( LIPODISTROFIA HIV PROCUREM NO GOOGLE E CLIQUE IMAGENS.)”

    Esse comentário infeliz só mostra o quão ignorante e preconceituosa a população é em relação ao HIV.

    Falando em exames de rotina, depois de 14 meses de tratamento, meu CD4 passou de 120 ( qdo do diagnóstico) pra 510 ( 39%). Nem acreditei quando vi que o percentual de CD4 está dentro dos níveis considerados ‘normais’. Levei quase 6 meses pra meu CD4 finalmente sair da casa dos 200. Tempos difíceis! Bom tratamento a todos!

    Abraço a todos.

    • robeAug diz

      No dia 12/02 fiz o exame e o resultado foi positivo de HIV e no dia 17/02 comecei o tratamento. Minha carga viral está em 382.854 e meu CD4 233/ml, tomo os remédios religiosamente todos os dias e nos horários tbm. Estou tomando dois comprimidos de lamivudina e um de tenofovir pela manhã e um de efavirenz pela noite. Espero que eu consiga baixar os níveis de carga viral e aumente o CD4 e tbm aumente os níves de plaquetas no sangue pois tbm tenho púrpura que faz com as mesmas diminuem, quando comecei o tratamento minhas plaquetas estava em 11.000 e depois de uma semana de tratamento elas estão em 28.300, aos poucos estão aumentando. Estou otimista com o meu tratamento eu sei, é apenas o começo e se DEUS quiser vou conseguir com que a carga viral fique indetectável nos seis primeiros meses de tratamento que foi o prazo dado pela minha infectologista. Grande abraços a todos! 🙂

      • M.L. diz

        Fui detectado. Recebi a noticia ontem. Me acabri em lagrimas junto aos meus pais. Tenho 17 anos. Mas sei que não são os médicos que curam e sim Deus. A doença tem cura basta ter fé e pedir pra deus e seus orixás e santos intercederem em nossas vidas.
        Fique com Deus e muito axé em nossas vidas!

    • feh diz

      Esse lipodistrofia realmente aparece em quem faz o uso dos medicamentos??

  2. “Ficamos indignados com Woody Allen e, depois, fazemos as pazes com ele.”

    Vc é genial, sem mais.

      • WDM diz

        Tu é excelente em teus comentários…. tive uma relação de risco com uma suposta soro positivo,que faleceu …. e já fiz e refiz meus exames , sou soro negativo.
        Parabéns… não é o fim do mundo…. Quando se realmente entende o vírus , e faz conforme o tratamento, reeducação alimentar, mudanças de alguns hábitos, terá sim uma vida saudável .

        Que Deus nos abençoe sempre. WDM

  3. Ricardo diz

    Texto realista , esclarecedor, inteligente e animador,características comuns aos textos desse nosso Grande Amigo (oculto) JS. Obrigado mais uma vez JS!!!! Deus lhe dê Saúde e Força pra continuar vivendo e nos encantando com suas palavras Abraço.

  4. Thiago. diz

    Parabéns pelo texto! Fico surpreso pela total falta de informação do governo para com o público… desde o meu diagnóstico, que foi de certa forma tardio como o seu, tenho observado que não há campanha ALGUMA na televisão sobre HIV…. de dezembro pra cá não vi sequer UMA inserção, seja incentivando o uso de preservativos ou qualquer outro tipo de informação…. Enquanto milhões e milhões são gastos com outros tipos de publicidade…. JS, você presta um imenso serviço social do qual deveria ser reconhecido! Um abraço!

  5. Vivi diz

    Olá querido Js, quanto tempo, que saudades , passei pra dizer oi e já vi que vc está bem , fiquei feliz Mts bjs

  6. Luz diz

    Muito bom o texto!tá de parabéns!!!a melhor parte foi:não gostamos de bbb.
    Bbb é um lixo!kkkkkk

  7. Lipe Guedes diz

    Texto genial, como todos que venho acompanhando aqui desde fev/2013, exatamente 1 ano, quando descobri ser portador do HIV.
    Venho sempre acompanhando os textos e lendo os comentários, os quais foram de extrema importância para me manter firme e tranquilo, mas até hoje não havia comentado.
    Tenho 23 anos, sou bissexual e namoro há quase 6 anos com outro cara. Descobrimos primeiro sua soropositividade e ele logo iniciou o tratamento pois estava com o CD4 em 252.
    Eu venho fazendo meus exames regularmente durante esse 1 ano, apresentando sempre CV abaixo de 10mil e CD4 pouco abaixo dos 500. Amanhã farei os exames novamente, 4 meses após os últimos, e acredito que dessa vez iniciarei o tratamento já que já está sendo recomendado o início logo após o diagnóstico independente da situação.
    Mais cedo ou mais tarde sabia que iria desabafar aqui e não apenas espiar, como acredito que muitos fazem.
    Estou confiante e sinto muito alegria de viver. O HIV não teve força suficiente pra me abalar.
    Espero “falar” aqui mais vezes e comunico assim que souber do início do meu tratamento.

    Agradeço ao JS e aos demais que sempre estão presentes aqui comentando, que ajudam a muitos que lêem calados as suas palavras de estímulo.
    Até mais.

  8. JCS diz

    Belo texto, JS.

    Somos só pessoas com doenças crônicas.

    Mas não atribuo o preconceito só à desinformação. As pessoas são cruéis. Tô desiludido com a humanidade. :/

  9. Heindal Nunes diz

    JS

    Parabéns pelo texto. Encorajador demais para os que estão no status “TENSÃO PRÉ-DIAGNÓSTICO”. Alivia a alma e acalma o coração.

    Porém acho perigoso para pessoas que tomam isso como referência e saem por ai se arriscando, fazendo sexo sem camisinha.

    Certa vez ouvi de uma hematologista a seguinte afirmação: “Hoje uma pessoa soro+ vive melhor do que um diabético”.

    Sim acredito que seja verdade, mas não podemos esquecer o outro lado da moeda e banalizar o VÍrus.

    Parabéns JS

    Heindal Nunes

    • JCS diz

      Helindal,

      Isso é verdade. Existe muitas condições piores que o HIV. Mas o fato é que o HIV é prevenivel, outras doenças não (ou nem sempre). Devemos ter cuidado com a banalização.

    • Estou de acordo.

      Por isso penso que o HIV é algo sério, mas que não precisa ser visto com (tanto) medo.

      O medo fomenta o preconceito, atrasa o diagnóstico e até o início do tratamento de quem já foi diagnosticado.

  10. Rodrigo diz

    JS, seus textos são realmente sempre muito bons e como já foi dito várias vezes aqui: são ferramentas para que possamos levar tudo isso de forma mais leve e melhor, bem informados.

    Me recordo uma vez que em um dos seus post’s você questionou o por que dessa situação (ser positivo) ou algo parecido – agora não me recordo bem do teor do post, mas sabe cara, seu papel aqui (dentro outros aqui) é fundamental. Nem sempre temos clareza de quais caminhos, missões a vida irá nos colocar / exigir, mas você de fato tem uma missão importantíssima aqui e há muitas pessoas que estão a cada dia se beneficiando dessa sua missão.

    Desejo muita luz em seu caminho, uma vida plena e saudável e muita felicidade.

  11. Muito bom texto JS! O Be-a-bá que nós soropositivos já sabemos de cor… Porém, é muito importante que os recém diagnosticados e soronegativos conheçam o que vem por trás desse vírus. O HIV não é mais um monstrinho, e se visto como uma oportunidade de crescimento do nosso ser, pode ser um companheiro bem razoável.
    JS, eu gostava quando ainda existia uma certa incerteza, medo, e até um escrever mais receoso em suas palavras… Mas você sempre foi muito claro e objetivo, ainda que em suas questões. Como formador de opinião é ótimo uma comunicação tão direta. Para se quebrar paradigmas, não devemos dar muito espaço para dúvidas, as informações devem ser coesas, as afirmações categóricas e as regras bem claras. “O HIV é não é um monstro, saiba como um soropositivo vive normalmente; ademais, não é por isso que alguém irá preferir ter HIV, saiba como se prevenir.” E pronto!
    Muito bom ter um exemplo como você!
    beijos saudade…

  12. Gomes diz

    Nossa, muito legal mesmo seu texto, ele consegue simplificar tanta coisa em poucas palavras, é muito bonito seu trabalho. Parabéns!

  13. JuJo diz

    Você é alguém iluminado por escrever desse jeito e entrar no coração e na vida de pessoas que nem sequer conhecem seu rosto. JS, continue nos dando mais textos como esse e que eles fiquem cada vez mais visíveis ao público.

    =)

  14. Marcos diz

    Oi pessoal,

    To numa duvida que vire e mexe, tem que incomodado. De ontem pra hoje, eu e meu parceiro, passamos a noite juntos. Ele não sabe da minha sorologia, morro de medo em contar, pois estamos pouco tempo juntos (2 meses), gosto MUITO dele e toda vez que ficamos, eu fico com essa ”nóia” na cabeça. Ele queria ser o ativo na relação, sem camisinha, mas eu falei que NÃO ia rolar, então nós usamos, mas s vezes ele fazia oral em mim, antes eu ficava olhando pra ver se saia aquela secreçãozinha, e na hora ele ficava uns 3 segundos fazendo e eu logo tirava (com medo), meus ultimos resultados dos exames deram cd4 tinham dado quase 600 e a doutora, disse que talvez eu tivesse ”carga viral indetectado”. Resumindo isso tudo… Ele não entrou em contato com meu semen, nem eu com o dele, eu queria muito proteger ele. Usamos preservativo na hora da penetração. Mas será que rola algum contato, com o oral que ele fez em mim? 😦

    • Marco, acho injusto tudo isso. Poxa, se é pra ser uma relação, que seja de verdade total. Eu sou soro negativo, meu namorado é soro positivo e estou com ele porque o amo, e nos cuidamos. Se ele te ama ele vai entender e ficará com você. Ou faça com camisinha.. até mesmo o sexo oral. Seja verdadeiro.. sem a consciência pesada. =)

    • TheWho diz

      É complicado isso. Quando eu descobri que era positivo, a primeira pessoa que contei foi pro meu namorado. Ele fez vários exames e deram negativos. Sempre transamos com camisinha e antes de eu descobrir o HIV ele fez oral em mim muitas vezes mas não pegou. Mas sabemos que tem um risco sim!! Infelizmente nós terminamos o namoro.
      Mas acho que você deveria contar pro seu namorado. Quando contei pro meu estávamos mais ou menos com 2 meses de namoro também e ele disse que me amava e ia cuidar de mim.

      • Marcos diz

        Amanhã vou fazer novos exames e vou contar o que aconteceu a doutora. Existe um remédio chamado PEP. PEP sexual (profilaxia pós-exposição sexual) é
        uma medida de prevenção que consiste no uso de
        medicamentos até 72 horas após a relação sexual, para
        reduzir o risco de transmissão do HIV (vírus da aids). Vou conversar sobre esse medicamento com minha médica, e dependendo do que ela me dizer, vou contar a ele. Gosto muito dele, juro pra vcs, que não queria que isso acontecesse e não queria contar mais a NINGUÉM. Mas se eu tiver que contar, pra não deixar isso acontecer com ele. Vou ter que contar… Vai me doer muito (Já esta me doendo), mas quero que ele fique bem.

  15. Marco, acho injusto tudo isso. Poxa, se é pra ser uma relação, que seja de verdade total. Eu sou soro negativo, meu namorado é soro positivo e estou com ele porque o amo, e nos cuidamos. Se ele te ama ele vai entender e ficará com você. Ou faça com camisinha.. até mesmo o sexo oral. Seja verdadeiro.. sem a consciência pesada. =)

  16. Jana diz

    Adoro seus textos JS, da uma injeção de animo para todos nos, faz um ano q descobri ser portadora do virus, hoje me sinto mais tranquila, faço o tratamento certinho, e sigo minha vida, o blog tem me ajudado e muito nesse processo todo de adaptação.

    Bjos!!!

  17. Vivi diz

    Um excelente texto, como sempre seus textos são perfeitos! Andei meia sumida do seu blog mas estou de volta, pois se existe um lugar onde me sinto bem esse lugar é aqui…

  18. Lara diz

    JS meu querido, você como sempre nos presenteando com seus textos maravilhosos. Parabéns e muita saúde para todos nós. 😘😘😘

  19. Túlio diz

    Jovem,
    você não pode divulgar o endereço do consultório do doutor Esper Kallas? Parabéns pelos textos!

  20. Adonis diz

    Gostaria de deixar o meu relato aqui,em 1985 contrai a Hepatite B e em 1989 descobri que era portador do HIV,devemos lembrar que o Coquetel só surgiu em 1997,sendo assim,segui a orientação do médico que disse que eu não deveria receber outra carga de HIV e que para isso não acontecer deveria fazer o uso do preservativo,o que faço até hoje e a segunda coisa que ele me disse,todo mundo vai morrer um dia,então viva a sua vida intensamente como se hoje fosse o último dia e foi o que venho fazendo até hoje,nunca tomei coquetel algum,mas também nunca tive nada relacionado ao HIV,enfim,agora em 2014 chego aos meus 47 anos tendo uma vida totalmente normal!!!

    • Pf diz

      Como assim cara?! Desde 89′ e até hj nao toma coquetel??! Conte-nos mais…

    • estudiosodemais diz

      Provavelmente seja um controlador de elite, devemos saber que os arvs são necessário para garantir uma qualidade de vida para as pessoas infectadas….

    • Adonis diz

      Em resposta aos comentários abaixo,recentemente fui fazer o teste novamente pois o último que realizei foi o Elisa no Delboni em 1989,apenas para confirmar mesmo,por sinal na época era super caro,agora fui no serviço público mas pedi para realizar o teste de sangue normal e não o teste rápido,fiz para Hepatite B/C – Sífilis e HIV e o resultado novamente foi reagente,enfim apenas por mera curiosidade quero saber como anda a carga viral,mas para isso vou ter que esperar uma consulta médica que só Deus sabe quando,pois estão com poucos médicos para muitos atendimentos,mas segundo quem trabalha lá e não médico,disse que eu sou um tipo de pessoa assim como outras como eu que a medicina tenta estudar para tentar descobrir o que temos de diferente,pois escondemos algo,algum segredo dentro de nós que impede o HIV de agir,enfim quando realizar a consulta e fazer todos exames,volto a postar o que me falarem,apesar que no CAT que fui já deixei claro que até então não tenho intenção em tomar coquetel algum,hoje só tomaria se ficasse doente e tivesse relação com o vírus ou se houvesse alguma vacina que o eliminasse de vez,como disse,vou fazer 47 anos e vivo assim desde os 22 anos,então acho melhor não mexer em time que esta ganhando!!!

  21. Thiago diz

    Pessoal, sei que é meio fora de contexto mas preciso de uma informação…. comecei meu tratamento no inicio de janeiro (biovir efavirenz) e tenho notado muita queda de cabelo… esse coquetel é o mais “comum” de inicio de tratamento, portanto eu pergunto: alguem sabe se essa queda de cabelo passa com o tempo? alguem tem alguma experiencia ou info a respeito? obrigado!

  22. SILVA diz

    OLÁ, PESSOAL, PASSANDO AQUI PARA DIVIDIR COM VCS UM POUCO DA MINHA ALEGRIA, APÓS SETE MESES DE TRATAMENTO COM OS ANTI-RETROVIRAIS MEU CD4 710, E CARGA VIRAL INDETECTAVÉL, PRA HORNRA E GLORIA DO SR. JESUS, AGORA E SÓ VITORIA, E CONTINUAR FIRME E FORTE. ABRAÇOS A TDS

  23. Eduardo diz

    Texto muito consolador para quem está tomando PEP e dentro do período da janela imunológica de 30 dias e em desespero por que está com a garganta doendo tem uma semana e não passa! Desde que minha camisinha estourou num sexo casual com um desconhecido, estou desesperado e só leio coisas sobre o assunto. Já li de tudo um pouco para o bem a para o mal! Torçam por mim. Meu teste será na quinta feira próxima! Antes do carnaval!

  24. beeluna diz

    Olá, talvez esse assunto não seja para está postagem, mas estou muito aflita, angustiada e em choque. Ontem eu fui assaltada, levaram meu celular e a pessoa que me assaltou me mordeu na mão, foi uma mordida forte e sangrou. Agora está inchado e dolorido. A pessoa que me mordeu tinha um aspecto horrível, sem cabelo, magra, bem, suja, sem sapatos, roupa suja e rasgada e parecia ser uma nóia viciada em crack e outras drogas, parecia ser moradora de rua. Fui no hospital e a médica não deu muita importância, não limpou o ferimento e disse que eu não corria riscos de pegar uma doença, no máximo uma infecção no local pela a sujeira. Ela passou antibiótico (clavulina), um anti-inflamatório e vacina anti-tetânica e recomendou que eu tome a vacina pra hepatite B, já que eu nunca tomei. Gostaria de saber, se pela experiencia de vocês, eu corro grandes riscos de contrair o hiv ou hepatites, já que era uma moradora da rua que provavelmente nunca frequentou um medico, não tem higiene bucal, portanto deve ter caries e gengivite e deve ter imunodepressão devido ao uso de drogas. Estou com muito medo e queria saber se nesse caso seria recomendável tomar a PEP pra prevenir o hiv. Aguardo uma resposta em breve, estou em choque e tendo crises do pânico desde o ocorrido ontem.
    Obrigada

    • beeluna, risco baixo, ele tava sangrando???Era mais fácil ele pegar se você tivesse algo….e a profilaxia é mais efetiva se iniciada 36 hora após a exposição de risco!

      • Errado. A profilaxia deve ser iniciada em até 72 horas da eventual exposição, e mantida corretamente por todos os dias das semanas seguintes.

        • estudiosodemais diz

          JS sim , 72 horas é a hora limite, mas se iniciada antes de 36 tende a ter mais efetividade segundo algumas fontes,..me expressei mal, mas o mais importante é a saude dela….

          • Obrigada estudiosodemais e Junior! Vou tomar a vacina só na quarta devido ao feriado, mas o médico disse que esses dias de espera não vão fazer diferença. Estou bem mais tranquila quanto a pegar alguma coisa, agora só um pouco assustada e ansiosa pelo assalto em si mesmo. Obrigada!

          • Mas será que seria recomendável no meu caso tomar PEP? O médico disse que não recomenda, mas eu estou muito nervosa. Vou no médico denovo amanhã e conversar com ele denovo, já que amanhã vão fazer 72 horas.

            • Site do governo nao deifiniu ainda nem uma janela ai certo, o site fala um coisae o formspring do MS outra difernete rsrs ,hoje infelizmente no meu ponto de vista não serve como parametro algum,,,, , o Drauzio VArella comentou que se iniciada antes tende a ser mais efetiva

            • estudiosodemais diz

              http://drauziovarella.com.br/sexualidade/profilaxia-e-exposicao-ao-hiv/

              Quanto mais rapidamente for administrada a profilaxia, melhor será o resultado. Dados experimentais indicam que os índices de infecção são mais baixos quando ela é iniciada nas primeiras 36 horas. Um estudo mostrou que filhos de mães infectadas apresentam menor chance de contrair o HIV quando tratados nas primeiras 48 horas depois do parto.

              O esquema de tratamento precisa conter pelo menos duas drogas, mantidas por um período de 28 dias.

              OLha, eu acredito que quanto antes iniciar melhor, e em tempo, não falei que não podia em até 72…..digamos que 72 é a hora limite….

              • Sim. Quanto antes melhor e o limite máximo é de 72 horas.

                Agora leia seu comentário acima. Você escreveu: “a profilaxia é mais efetiva se iniciada 36 hora após a exposição de risco!”

            • estudiosodemais diz

              http://drauziovarella.com.br/sexualidade/o-que-fazer-depois-de-uma-relacao-sexual-sem-protecao/

              O que utilizamos? Os mesmos medicamentos indicados para tratar os portadores do vírus da AIDS. Por quanto tempo? A recomendação atual é que sejam mantidos por 28 dias. Evidentemente, quanto mais cedo a pessoa iniciar PEP, menor a chance de contrair o HIV. No entanto, se a relação ocorreu há mais de 72 horas, a medicação deixa de produzir efeito e não é mais indicada.

              Considero o Drauzio um médico sério, lógico que não é o maior especialista ,mas respeitavel a opinião dele, em tempo JS, o Dr. Ésper já comentou algo contigo sobre PEP???

    • Junior diz

      beeluna, risco somente pra hepatite B. Como vc nunca tomou a vacina? está no calendário de vacinas pra qualquer pessoa. Boa sorte.

      • Mas será que seria recomendada a profilaxia? Ele disse que não é recomendado no meu caso. Acabei de voltar do instituto Emílio Ribas, aqui em São Paulo, o médico disse que não corro riscos de hepatite C e nem de HIV e que o risco de hepatite B é bem baixo e que eu deveria tomar a vacina de hepatite B apenas porque eu não tinha tomado e por desencargo de consciência. O que vocês acham?

        • Junior diz

          Não houve riscos pro hiv. Mesmo que tivesse algum sangramento na boca, a saliva consegue inativar o vírus. Risco só pra hepatite B, conforme o seu médico disse.

        • estudiosodemais diz

          Fica tranquila, faz a vacina da hepatite e siga tua vida…

  25. beeluna diz

    Vou tomar a vacina na quarta só, mas o médico disse que esses dias de espera não vão fazer muita diferença. Estou bem mais tranquila em relação a pegar alguma coisa, só estou assustada e ansiosa pelo assalto em si. Obrigada estudiosodemais e Junior! 🙂

  26. Jessy diz

    Eu não consegui conter minhas lágrimas ao ler cada palavra. Eu não conhecia o blog e não conhecia o mundo do soropositivo porque simplesmente não era o meu mundo. Mas agora pode ser que seja. Tive relação sexual com um rapaz que descobri depois ser homossexual. Ele retirou a camisinha, porque no final, nao estava mais lá. Isso foi em dezembro de 2012 e depois disso minha vida nunca mais foi a mesma. Fiz exames na janela imunologica (apenas 11 dias depois), deu negativo, mas nunca mais tive coragem de refazê-lo. Hoje em dia não durmo sem antidepressivos, e o medo de refazer os exames e dar positivo me deixa assim, com vontade de perder a propria vida.

    • Faz o teste logo, pare de sofrer,se vc tem algo, trate,se não tem se cuide,seja adulto(a) e enfrenta a realidade ok???Ou vai se esconder pro resto da vida nessa choradeira e draminha???Ou vc logo vai acabar infectando alguém se tiver algo???Por favor né??Falta de respeito e responsabilidade!!

    • estudiosodemais diz

      Vc ja pensou que se vc realmente “tem algo” ,e não esta tratando,sua vida esta se definhando mais rápido??Faça o teste logo….

  27. Mara diz

    Olá! Parabéns pelas informações!
    Estou muito insegura com relação aos meus exames. De janeiro pra cá meus 4 hemogramas mostraram alterações em leucócitos, plaquetas e no último, linfócitos reativos a 5% com um anti-HIV negativo. Foi feito no mesmo dia com janela de 98 dias. Fiz o eletroquimioluminecencia geração 4.
    Se esses linfócitos forem do HIV o exame mesmo assim daria não reagente?

    • Mara diz

      Esqueci de mencionar que tive uma relação de risco em novembro do ano passado.

    • estudiosodemais diz

      98 dias???? rsrsr vc não tem nada….com 30 dias esse teu teste já chegava, hemograma não tem nada a ver com HIV, claro que tem a questão das células brancas etal, mas não serve como parâmetro em hipótese alguma!!

      • SILVA diz

        A desculpa, depende do lugar que se faz, eu por exemplo, por orientação médica quando ainda nem sabia da minha situação resolvi doar sangue, isso era em julho (2010), me chamaram para fazer uma nova coleta, e não me disseram nada, só me chamaram para dar o diagnostico em janeiro do ano seguinte (2011), quando eu já sabia da minha nova condição e já estava em acompanhamento médico, então querido dependendo do lugar que você vai acho que simplesmente vão fingir que não existe nada.

  28. Oi me chama daniele e exatamente dois mesese descobri o hiv e como deus e maravilhosamente justo na minha segunda consulta tava la meu positivo pra uma gravidez foi assustador pra mim pois ninguem sabe do hiv meu cd4 esta bem baixa 68 mais com a forca queeste anjinho ta me dando e com a luz de deus em minha vida vai subir se possivel e se tiver alguem mulher que ja teve uma gravidez sabendo do hiv queria muito tira algumas duvidas pois conversa com medico pra mim nao e a mesma coisa nada melhor de que quem passou o ta passando o mesmo que a gente bjos fiquem com deus

  29. Felipe diz

    Olá a todos, descobri esse blog hoje e tenho que dizer que foi como uma tábua de salvação, pois o blogueiro JS traz muitas informações e sobretudo desmistifica muitos medos que temos em relação a ser um Soro positivo e ao tratamento a ser acrescentado em nossa “nova vida”.

    Bem, sou Garoto de Programa e comecei a me prostituir em 15 de março de 2012, no início sempre tive os devidos cuidados no uso do preservativo, sempre fiz exames e tudo seguia bem, até que passei a viajar para SP e outras cidades, fiquei relativamente conhecido e migrei de vez para SP. Bem instalado passei a ter muitos clientes e claro, muitas propostas para transar sem camisinha, recusei todas, porém cometi deslizes em transar com outros gp’s a quem julgava que se cuidavam.
    Eis que no dia 29 de abril deste ano eu fiz um teste rápido, feito pela saliva, o chamado teste oral, numa campanha que acontecia na Praça da Republica em SP e foi constatado REAGENTE – Ainda com a médica na minha frente e sob impacto fizemos um outro teste de confirmação e não teve jeito, foi comprovado que sou soropositivo.
    Senti angustia, medo, chorei e no dia seguinte já com encaminhamento marquei minha primeira consulta para fazer meus exames e detectar carga viral, junto a isso eu interrompi todos os programas e agora estou em processo de repassar meu ap e voltar para minha cidade, quero fazer meu tratamento lá.

    Felizmente sempre tive boa alimentação e pratiquei atividade física e não apresento nenhum sintoma. Creio que com o início do tratamento eu possa zerar minha carga viral para indetectável e ter uma boa saúde.

    Sou formado, trabalho também no terceiro setor e tenho ciência que a decisão em ser garoto de programa surgiu em um momento de fraqueza. Não sei dizer se me contaminei a partir de algum outro gp, parceiro ou cliente, contudo meus últimos exames eram de out de 2012 e estive limpo até lá.
    Planejava em parar esse mês de maio, já estou cansado dessa rotina, tive que abandonar amigos e minha vida social foi completamente mudada desde que comecei a me prostituir. Eu tinha mais estranhos na minha vida do que amigos.
    Faz dois meses conheci um rapaz que curiosamente me encontrou como gp, mas não foi meu cliente. Nessas peças que a vida nos prega ele me encontrou por indicação de um amigo e ficamos conversando durante dias para combinarmos um encontro. Entretanto, no dia marcado o pai dele sofreu um avc foi internado e depois de uma semana faleceu, logo depois esse rapaz também passou mal, foi internado e depois de dias em bateria de exames foi diagnosticado um pequeno tumor no fígado, um câncer em estágio inicial, porém acompanhado de uma infecção no estômago. Ele segue em tratamento em Barretos fazendo sessões de quimioterapia.

    Com todos esses percalços passamos a falar dia e noite, trocar fotos, e-mails e ligações. Eu optei por não desistir dele e tenho dado todo meu apoio, a partir da, nasceu afeto, carinho e por que não dizer amor, desde então eu que já vinha pensando em desistir e mudar de vida resolvi fazer meus exames para iniciar uma nova etapa da minha vida. Mas os resultados me pegaram de surpresa. Desolado meu único pensamento era em como ele ficaria com essa notícia, eu não pensei nem em mim…
    No mesmo dia eu abri o jogo para ele e ao telefone choramos feito criança e para minha surpresa ele disse que não me abandonaria e que agora eramos um só…
    .
    Fico com medo por que ele segue debilitado e não quero prejudica-lo, mas seguimos firme em nossa decisão de ficar juntos. Estou certo que com o diagnóstico ainda em fase inicial eu seguirei em tratamento e em poucos meses terei minha carga viral indetectável.
    Nesse mundo do sexo pago eu vi e vivi muitas coisas e vejo o quanto as pessoas são irresponsáveis com sexo e com o uso de drogas, eu admito que fui imprudente e me contaminei por falta de preservativo com quem julguei ser saudável.

    Mesmo ainda um pouco abalado eu me julgo duro na queda e passei a buscar informações para entender essa nova etapa da minha vida. Decidi que ainda não contarei a minha mãe e aos meus amigos mais próximos, por hora quero inciar meu tratamento, buscar mais informações e contar com o apoio do meu parceiro. Por misericórdia encontrei esse blog que por sinal é bem esclarecedor e me sinto muito confiante para iniciar meu tratamento. Espero em breve poder trazer boas notícias apresentando meus resultados.

    Obrigado pela oportunidade em poder compartilhar nossas histórias por aqui.

  30. anonimooo diz

    Ótimo texto, graças a seu texto deu tempo de eu fazer o PEP, pois nem sabia da existência deste!!! Que DEUS abençoe a todos!!

  31. Le diz

    Não sei se vai ler meu comentário. Já são tantos… não quero ser pessimista, mas leio sempre sobre a normalidade da vida após o tratamento. iniciei há dois meses e depois disso tudo mudou… sinto muitos efeitos não saio mais à noite, perdi o desejo, sinto-me fraco…espero que isso passe. Gostaria de saber que esse não é só um texto otimista, mas que realmente esse mal estar vai passar… gostaria de conversar com alguém a respeito…

    • Pri. diz

      Le,posso dizer por mim tenho o vírus desde 2001(que eu descobri) no começo passava muito mal ,vomitava direto,sonambulismo enfim vários sintomas,com o tempo foi amenizando e fui me adaptando melhor. Não quer dizer que vai ficar normal ,mas você vai encontrar uma normalidade nisso tudo. Como uma médica me disse uma vez você conserta uma coisa e acaba com outra. O sono é normal são os remédios,desejo com o tempo retoma,procure se alimentar melhor e informar esses sintomas para o seu médico. O que eu percebo é quando estou muito triste tudo piora,eu sei que parece meio piegas ,mas manter a alegria de viver e buscar alternativas para vida é necessário. Hoje estou desempregada e procurando uma recolocação,é uma luta diária me manter alegre,mas eu tenho que ter forças e continuar batalhando ,pois estou com o vírus indetectável e o meu cd4 1400,então isso me motiva a seguir em frente ,mesmo com algumas pedras no meu caminho.
      Procure se alimentar melhor isso faz uma diferença.
      Se cuida….

  32. Lucas diz

    O seu blog tem me ajudado muito..faço meu acompanhamento com a dra.vivian da equipe do dr. Ésper , ela me ajudou muito a enxergar toda situação com outro angulo. Parabéns pelos textos bem escritos.

  33. Nalu diz

    Olá, sou soronegativa e casada com um soropositivo indetectável praticamente desde que descobriu o hiv há 16 anos. Ele é atleta e sempre teve ótima saúde. Não sofre os efeitos colaterias dos remédios e só lembro que ele possui o virus quando ele comenta que vai fazer os exames de rotina a cada 6 meses. O que tenho a dizer é algo que pode gerar atitudes irresponsáveis mas reforça os estudos feitos com relação a transmissibilidade do virus naqueles indetectáveis há muito tempo. Ele se relacionou sem camisinha durante oito anos com sua ex-mulher (ela queria engravidar) e ela não foi contagiada.O mesmo aconteceu com uma ex-namorada durante dois anos e agora comigo, são três anos de relacionamento sem camisinha.Faço o teste duas vezes por ano e estou ok.

    • interessante isso. Como o estudo suiço… mas ainda assim os proprios medicos são controversos. Eu não tenho segurança com a menina que namoro… e mesmo entrando no TARV… meu psicologico não segura muito. Mas parabéns pela relação e pela questão colocada.

      O HIV é , ao meu ver hoje muita opinião e muito debate ainda.

    • Nalu,
      Muito bom saber de casos assim que reforçam os estudos de transmissibilidade e carga viral indetectável.
      Obrigado pelo seu comentário! 🙂

    • Nalu, mas ele usa TARV ? vc recebeu a informação de que poderia fazer sexo desprotegido como e quando? Do infectologista dele ou arriscou mesmo?

  34. Miranda diz

    Oi gostei muito do seu material,sou soro negativo e conheci uma pessoa que pra mim é especial só que ele é portador do vírus HIV,queria algumas dicas de como levar esse relacionamento adiante com proteção se poderes me ajudar serei grata

  35. Marvin diz

    Boa noite, Le! O que vc sente e absolutamente normal, ja que começou recentemente o tratamento. Devo dizer-lhe q a primeira noite q tomei o efaviren foi terrivel. Tive pesadelo e ao acordar td girava. Fiqei apavorado e fiz o num 2. E eu estava na cama.Disse a minha mae q tive pesadelo, ja q ate hj passados mais de 5 anos minha familia n sabe. As tonturas param assim q apos alguns meses.Mas tem pessoas q n sofrem qqer efeito colateral. Pode acreditar: Apos um ano ou ate menos q isso vc acostuma. Abraço.

  36. luiza.barbino diz

    oi pessoal boa noite….nunca tinha entrado néssa pagina?? eu tbm sou soropositivo e sofro muito com essa situaçao…nao por ter o o viros, mas pela descriminaçao de visinhos. sou divorçiada tenho 52 anos de~s q descobrir nao tenho corage de arrumar um companheiro. mas muito bom seus cmentarios fiquei mais alegre em saber que nao estou sosinha nessa. um abraço a todos. se alguem quiser ser meu amigo pode me add no fece.

  37. anny diz

    Oi, td bem?

    Bom depois de tantos dias navegando na net pesquisando sobre o HIV e me desesperando a cada novo depoimento, hoje finalmente me veio coragem de fazer o exame graças a seu texto, mantive relacoes sexuais desprotegitas no entanto nunca me veio a cabeça fazer esse exame, nao sinto nada…mas como falaram que sintomas nao aprecem né?
    Nao sei qual será o resultado, mas com certeza ja sei qual sera minhas atitudes e pessoas como vc nos fazem a comecar a pensar de forma diferente 🙂
    Ok primeiro vou chorar muiiito e me desesperar e dizer q idiota eu fui de transar sem camisinha, mas ai vou lembrar desse seu texto maravilhoso, , Parabéns .

  38. Bom dia a todos, emocionada ao ler o texto, sou aluna de psicologia e estou desenvolvendo um trabalho sobre o processo de adaptação de pessoas portadoras do vírus. Queria dizer e encorajá-los a cada vez mais buscar a melhor qualidade possível de vida. Somos todos iguais e diferentes entre si, cada um com suas limitações e desafios diários. Isso que faz nossa vida ser cada vez mais valiosa.

  39. Alba diz

    Descobri que sou soropositiva ha duas semanas. estou abaixo do chão. Não tenho como contar isso para ninguém, a única pessoa com quem eu podia desabafar era um namorado, que me abandonou que fez exames e não foi diagnosticado como soropositivo. Um dia antes de eu saber de minha situação, ele havia me pedido em casamento. Sinto-me um lixo. Estou com medo de encontrar alguem conhecido nas consultas, com medo de ele contar para alguem que tenho HIV, pois tenho certeza que serei discriminada, humilhada, alvo de chacotas, olhares de medo, rejeição, desprezo, ódio.O que me dói é o preconceito das pessoas, não tenho como andar com um cartaz pendurado no peito com os dizeres deste post, por exemplo, para que as pessoas se informem. Me vejo sozinha para o resto da vida, sem ninguém para amar, sem ser amada,sem afeto, sem carinho, sem sexo, sem nada.. Solidão, e mais solidão.Já é difícil ter um companheiro, agora então, sendo soropositiva e negra, pior ainda.A impressão que tenho é que soropositivos só podem se relacionar afetivamente com soropositivos, pois uma pessoa sem HIV não consegue se unir a um soropositivo. tenho vontade de morrer, mas ha pessoas que dependem financeiramente de mim ainda e sou obrigada a esperar pelo menos uns seis meses ate dar fim de minha vida. Nunca tive medo da morte, mas tipo levar um tiro, uma facada, sofre um acidente de carro, etc. Eu trocaria todas as doenças do mundo, câncer, ebola, leucemia, todas juntas se pudesse me livar do HIV, pois ninguém quem sofre destes males é visto como vítima, mas um soropositivo é sempre visto como devasso, inconsequente.estou condenada viver por mais alguns meses, queria acabar com tudo hoje mesmo, mas não posso deixar quem ja me ajudou desamparado. preciso antes, preparar o terreno para que não passem por dificuldades. Se por acaso alguem descobrir ou os sintomas começarem a ficar visiveis, seri obrigada a partir assim mesmo, pois não tenho forças para suportar tudo de ruim que vira. A arma ja esta carregada, no fundo do guarda-roupa.

    • Secret diz

      Alba,

      Nesse momento você está praticando o AUTO-PRECONCEITO. Provavelmente, 95% dos usuários desse blog receberam esse diagnóstico de “POSITIVO” que no momento se transforma em “SENTENÇA DE MORTE”.

      É duro pra caralho!

      Meu diagnóstico faz pouco mais de um mês. Não sou negro mas sou homossexual. E o preconceito também é gritante.

      Mas as coisas mudaram. E o preconceito precisa ser mudado. Hoje o que mata é o preconceito, não o HIV. Você se matar não vai mudar nada. Hoje quem te incrimina amanhã pode ser o próximo contaminado. A melhor resposta ao preconceito é a informação e não a entrega da sua vida.

      Com o preconceito as pessoas continuarão a estigmatizar o HIV fazendo com que as pessoas não se testem, replicando o vírus e o estigma e aumentando o número de contaminados.

      Caso você escolha viver você fará um tratamento. Você poderá escolher um CTA (centro médico) distante da sua residência para que você possa fazer seu tratamento no anonimato. E pode ter certeza, ninguém vai saber da tua sorologia porque você vai viver sua vida normalmente.

      Se livre do preconceito. Busque informações. Veja a nova realidade. Veja o futuro. Há perspectivas de tratamentos melhores num horizonte muito próximo. Inclusive, os próprios TARV´s (o famoso coquetel). Aqui mesmo no Brasil em alguns lugares está sendo distribuído o medicamento 3 em 1 que você toma somente a noite.

      Agora, pense nos milhões de vidas ceifadas pelo HIV que não tiveram chance de ter essa realidade que temos hoje. Veja, se realmente vale a pena abrir mão da sua vida pela opinião preconceituosa de alguém que pode ser a próxima vítima.

      Afinal, somos todos humanos e ninguém se contaminou por livre e espontânea vontade. O HIV é um fator biológico. Não é um fator moral! Todos estamos suscetíveis!

      Pense bem se vale a pena mesmo se rebaixar ao nível de pessoas preconceituosas!

      Um grande abraço! Estamos por aqui!

    • ex ex ex Deprimido diz

      Alba, compreendo teu sofrimento, e as duvidas que surgem ao ler uma noticia de que se eh soropositivo. Mas honestamente, acho que voce tem que levantar a cabeca e lutar. Nas tuas palavras, voce fala de que existem pessoas que dependem de ti. Isto seria mais do que suficiente para ir a luta. Mas nao somente isto. Existe voce! Voce vem em primeiro lugar.
      Porque querer acabar com a sua vida, antes mesmo de lutar?
      Existe preconceito la fora? Sim, mas nao somente com quem eh HIV.
      Tente entrar numa loja “chique” vestindo uma bermurda, camiseta e sandalias havaianas. Se conseguir entrar, provavelmente as vendedoras irao te seguir a loja inteira. Porque? Por causa do preconceito em nao estar bem vestida.
      O que tem a ver uma compra numa loja com o HIV?
      Bom, eu to querendo dizer que o preconceito existe quando ele eh sabido e claro.
      Como alguem pode saber que voce eh portadora do virus?
      Voce tem que lutar primeiro contra estes teus paradigmas que rondam tua cabeca. Quebre primeiro o preconceito que parece estar contigo. Depois, quem importa com o povo la fora?
      Eu fui diagnosticado no dia 26/05. O chao abriu e fui la para baixo. Depois de uns cinco dias de panico, eu percebi que eu nao havia mudado. As pessoas que me conhecem, continuarao a me conhecer da forma que sou. E foi entao que eu pensei: eu sou ainda a mesma pessoa de antes.
      No comecinho de junho ja tive a primeira consulta com meu infecto, que pediu exames mais detalhados. E ja nesta consulta eu falei a ele que queria comecar o tratameto, qualquer que fosse ele. 3 semanas depois, na reconsulta, para ver o resultado dos exames, ele me passou o medicamento.
      30 pilulas tomadas, e estou indetectavel. Fiz tudo a risca que ele pediu e aconselhou.
      Gracas a minha fe, nao tive efetios coletarais. Melhor, tenho dores de cabeca horriveis, que nao passam nunca! Mas ele falou que isto eh assim mesmo.
      Resumo: siga seu medico, e ignore o preconceito la fora. Ele existe e sempre existira. E nao somente com portadores do virus. Creia em voce mesma a cada manha que acordes.
      A vida eh muito linda e bela. Nao vale a pena acabar com ela antes do tempo. Tenho certeza que tudo que voce falou acima, eh um momento de medo, angustia, panico.
      Respire fundo, leia, leia, leia, ouca outras pessoas, nao conte para ninguem que voce eh portadora do virus. O importante neste momento e voce manter a cabeca em ordem.
      Eu tomo apenas um medicamento (4×1), que eu escolhi toma-lo junto com o cafe da manha. Como ves, a vida continua com ou sem HIV.
      Se quiser conversar mais, estou a disposicao.

      • Secret diz

        Oi Ex ex deprimido!

        Eu tb sou recém diagnosticado mas ainda não passei pela infecto pois estou aguardando um teste de genotipagem que ficará pronto em breve.

        Qual remédio você está tomando? Em qual região você mora? Eu estou buscando informações a respeito do tratamento para debater com a minha infecto.

        um abraço!

        • ex ex ex Deprimido diz

          Oi Secret… eu tomo Stribild, mas eu nao moro no Brasil. Este medicamento eh uma combinacao de 4 medicamentos em uma unica pilula. Meu infecto falou que nos EUA ja existem ha dois anos. Mas aqui onde estou, faz apenas 6 meses. So que os resultados sao otimos. Ele me recomendou este porque minha carga estava baixa (78) e o cd4 alto (1104).
          sucesso no teu tratamento.
          Siga a risca tudo que for recomendado.
          E importante: corte a bebida! Na verdade, voce pode beber, mas se nao beber, os efeitos sao mais rapidos.
          Eu tomava 2 garrafas de vinho por noite. Foi dificil parar. Mas pensei em mim primeiro!

          • Secret diz

            Ah.. é em outro país que você mora. Aqui começou a ser distribuído um 3×1. Eu ainda não sei muito sobre os diferentes tipos de arv´s. Eu vou me informar mais sobre isso ao longo do tempo.

            Um abraço! Sucesso no seu tratamento tb!

    • Alba, imagino o que deves estar passando, o quanto deve estar sendo difícil passar por tudo isso. E sei que parecerá clichê, mas tente não se importar tanto com o que os outros vão pensar, todos somos vulneráveis a contrair o vírus. Busque o tratamento, não tenha vergonha, trate-se! Espelhe-se nesses montes de comentários otimistas, reconheça o valor da sua vida, você não é menor do que ninguém! As coisas vão melhorar, veja o próprio relato do autor do texto. Você não precisa dar satisfação ou andar com um cartaz pendurado no peito, é uma escolha sua, mas não deixe que o que os outros vão pensar atrapalhe sua qualidade de vida. Deixo aqui minhas palavras de apoio!

    • Silva diz

      Alba qrd vc esta exagerando, tds que aqui estamos tmbm vimos o chão sumir dos nossos pés qnd descobrimos, e nem por isso acabamos com nossa vida embora seja esse o primeiro pensamento. Vc diz que em seis meses vai tirar a sua vida, hello quem garante que vc não vá antes disso, afinal pra morrer basta estarmos vivos né. Então qrd erga a cabeça e acima de td fé em Deus. Afinal ele da a cruz pq sabe que podemos carregar. A pergunta e vc quer carreggar a sua. Abraços…..

    • Alba, eu tb tive uma relação de risco , e pra honra e gloria do senhor deu negativo, mas se eu tivesse contraído, iria me tratar, pq a vida já é um presente de Deus, sei que qualquer palavra hoje soara de forma as vezes de não solução, Minha amiga por mais difícil que seja, procure achar um equilíbrio pra tudo isso, procure uma psicologa que irá te ajudar muito, entregue tua vida nas mãos de Deus , não deixe te ter fé. Que Deus te proteja.Tenha fé sempre.

  40. anny diz

    Oi Alba, li seu post e terminei de ler com lagrimas, nao sei se palavras sao o suficiente, ou te falar nao faz isso que td vai dar certo, nesses momentos parece que nada vale a pena, nada faz sentido e por mais que outras pessoas falem , nós sempre pensamos,”é facil de dizer não é vc que ta passando por isso”o que quero dizer é que cada um é responsável por sua vida, nao veja o hiv como o monstro da sua vida, logico que ninguém recebe a noticia e comemora, ma no estado em que vc está provavelmente nao será a doença que ira te matar e sim a tristeza, tira um dia pra chorar, uma noite pra se culpar, pra gritar silenciosamente no seu subconsciente, mas lembre-se que sempre tem o dia seguinte pra lutar, para comemorar a vida, e agradeça SIM, nao ser um cancer, ebola otodas essas outras doenças q vc citou.
    em primeiro lugar VC tem que vencer seu preconceito, e os outros? Dane-se os outros…vc tem a escolha de nao falar pra ninguém a sua sorologia, e enquanto aos sintomas vc tem que se informar muito mesmo, , não cobre de outros aquilo que vc mesmo ao da não fez, nao tenha pena de si.
    ter HIV, nao mata, a falta de fé na vida sim.
    Abraços, fica bem.

  41. anny diz

    Secret, texto PERFEITO 🙂
    Fiz o teste a poucos dias , e sem hipocrisia nenhuma eu ja havia me preparado para um possível positivo, e o que me dava mais medo era sim o PRECONCEITO e não a doença em si, tenho amigos soropositivos e vivem perfeitamente bem, obviamente seguindo o tratamento arrisca.
    felismente deu negativo, mas nem por isso deixo de me informar e conversar sobre isso, pois como vc falou, qualquer pessoa estar suscetíveis a ter HIV, no entanto o estigma que essas tres letrinhas trazem é que congelam as pessoas, levando assim a não se testarem e pondo em risco nao so a sua saúde e a de tantas outras, não so por ter HIV, e sim por não se tratar.
    Abraços.

  42. ex ex ex Deprimido diz

    Anny, achei otima o teu resumo: “ter HIV, nao mata, a falta de fe na vida sim”. OTIMO.
    Na verdade a falta de fe e animo acaba com qualquer pessoa, nao somente com quem tem HIV.
    Viver eh maravilhoso! Acordar, tomar banho de chuva, sol na cara, conversar com pessoas na rua que nem as conheco, aprender com os outros… A vida eh linda!

  43. Obrigado diz

    As suas palavras e o seu otimismo te fazem ,não só mais duradouro que a expectativa de vida de um soropositivo,mas sim eterno,pelo valor que o seu gesto tem.Muito obrigado! Precisamos de mensagens positivas assim para continuar lutando! A cura somos nós!

  44. Renato diz

    Fascinante… Achei o texto muito top, muito esclarecedor e objetivo. Parabéns, que todos os dias você seja um canal de energias positivas na vida daqueles que perderam a vontade de viver.
    Conheci hoje este blog por um engano e voltarei outras vezes, é quase terapêutico. Um forte abraço!

  45. Augusto diz

    Vou amanha fazer o teste… Minhas amídalas estão enormes… E apesar de não ter febre nem nenhum outro sintoma amanha faz 30 dias do comportamento de risco… E estou morrendo de medo não sei nem o q fazer só Deus. Ótimo post

  46. Grandes Sonhos diz

    Oi, gente. Boa Noite!
    Bom, não quero dizer quem realmente sou, então, me chamem de Rod.
    Tenho 28 anos e em Julho de 2013 descobri que era soropositivo (na época, eu estava com 26). Descobri a partir do momento em que contraí uma Sífilis e a médica do posto onde eu consulto me pediu exames de todas as DST’s possíveis. Aí venho a bomba: soropositivo.
    Lendo os seus textos, JS, e lendo todos os comentários aqui deixados, me senti menos sozinho (já que decidi não contar pra ninguém sobre isso, principalmente minha família, por não aceitarem ter um filho nascido homossexual).
    Achei que a partir dalí minha vida havia acabado. Mas a médica do posto foi como um anjo! Me deu todo apoio e auxilio que precisei para continuar a sonhar.
    Em Fevereiro de 2014 inicei meu tratamento no centro Orestis Diniz do Hospital das Clinicas de Belo Horizonte. Infelizmente não estava fiel as consultas, e só depois de 9 meses da primeira consulta, fiz a segunda. Nisso, meu Infectologista me pediu de cara os exames necessários.
    Mas algo que me deixou feliz é que meus exames de carga viral e CD4 deram níveis ótimos. Mas para que isso se mantenha, vamos aos nossos “remedinhos” diários que estou tomando a três semanas.
    Tomo três tipos:
    2 comp. Iguego Lamivudina 150mg
    1 comp. Furamato de tenofovir desproxila 300mg
    1 comp. Efavirens 600mg
    No começo, foi barra. Perda de sono, sensação de parecer estar bêbado, enchaquecas… E vários outros sintomas causados pelo Efavirenz.
    Essa semana, comecei a notar que meu cabelo vem caindo constantemente, tipo como se eu estivesse com Sífilis novamente. Ouvi dizer que os medicamentos podem causar isso.
    Gostaria que vocês poderiam me dizes se isso é verdade.

  47. Ricartdo de Souza diz

    Era o que eu precisava ler… to inconformado…queria me matar quando fiquei sabendo

  48. Bastian diz

    Olá. Primeiro gostaria de saudar o autor por sua excelência em abordar o tema. São palavras jungidos a fatos extraordinários de vida. Achei magnífico todas as palavras expostas aqui, tanto pelo autor quanto por todos os outros confidentes. Gostaria de agradecer por abrir meus olhos sobre esse fato da vida, que, ao meu ver, é assim que deve ser visto o HIV. Eu não sei se tenho, passei por uma relação de risco há pouco tempo, e ainda não completei o prazo para a feitura do definitivo, pois fiz um e deu não reagente. O medo é indescritível, de fato. Ainda mais quando a pessoa tem sintomas, pois estou com uma faringite que não cura, e meus ganglios estão inchados somados a perda de peso. Quanto mais eu lia sobre “fase aguda” mais medo eu estava tendo. Até que vim olhar o blog, e achei surpreendente! Lágrimas saem nesse momento. A força de vida de cada um aqui é contagiante. Eu os saúdo. Agradeço a todos. Obrigado.

  49. Dico diz

    Parabéns pela simplicidade e por encorajar as pessoas a fazerem o teste, estou com medo, mas lendo o texto pensei seriamente em fzr o maus rápido possível. Bjs e obrigado

  50. Júnior diz

    No dia 13/02/15 eu fui fazer meu exame e pra minha surpresa o resultado foi REAGENTE(Positivo). E na mesma hora que recebi o resultado é claro que eu fiquei sem chão, com medo de morrer, com medo da minha família e pensei “Minha Vida Acabou, Eu To Morto” entrei em depressão e de fato quase morri, mais não era o HIV que tava me matando e sim a minha mente, meu psicológico, aquela maldita depressão.
    Imediatamente comecei meu tratamento fiz os exames básicos de rotina e fiz os outros dois exames Carga Viral e CD4, e pra minha surpresa minha carga viral tava baixa e o vírus não tava se desenvolvendo…Minha médica Dra Lorena ficou surpresa e disse que isso nunca aconteceu durante ela ta trabalhando e isso me deixou tão feliz.
    Mesmo assim ainda não vivo de forma normal, pois o medo e até mesmo o preconceito comigo mesmo é muito grande… Passo pela psicóloga sempre é aos poucos to seguindo minha vida.
    Lendo esse texto eu chorei tanto. Me senti tão bem, tão próximo da pessoa que escreveu… Até mesmo parece que a maior parte do texto foi escrito diretamente pra mim.
    Parabéns.

  51. Bruno Borges de Barros diz

    Então bom diaa conheci uma pessoa a pouco tempo só que não tivemos oportunidade de ter algo a 3 semanas atraz saiu o exame de e constatou positivo eu não me importei quero ficar com ele com preservativo mas gostaria de saber se e verdade se apos o ato sexual tomando remédios combate ?

  52. Ed diz

    Jovem Soropositivo, rapaz te agradeço, tive um problema na garganta e o médico me pediu uma bateria de exames e procurar um infectologista, o que mais me assustou no exames foi do HIV.
    Chorei muito e ainda estou tenso, meu resultado sai dia 14/08/2015, suas msm de otimismo me fizeram repensar muitas coisas inclusive uma de suicídio que rodava minha mente.
    Vlw cara, que Deus te abençoe sempre.

  53. Sérgio Silva diz

    Olá! Fui diagnosticado ontem (26/8) como soropositivo. O pior de tudo é que não tive um comportamento de risco para me contaminar. Tive um relacionamento estável com um cara por alguns meses e nunca mantivemos relações sem o uso de preservativos. No início o cara parecia saudável, não demonstrava nenhum tipo de problema de saúde. Entretanto, alguns meses depois ele começou a apresentar comportamento estranho e uma tosse insistente. “E só uma virose, uma alergia ao ar-condicionado do trabalho…”, dizia. Ele me confessou que no passado teve uma vida sexualmente promíscua, mas há tempos tinha parado. Tinha se regenerado. Contudo, ele não gostava que se falasse sobre Aids. Tinha verdadeiro pavor. Comecei a achar esse comportamento estranho e o convenci a ir ao médico, já que as tosses continuavam e ele apresentava um quadro de emagrecimento.

    O médico, então o convenceu a fazer o teste de HIV. Ele, com muita relutância, cedeu às insistências do médico e minha. Quero ressaltar que em momento algum deixamos de fazer uso do preservativo em nossas relações. Quando saiu o resultado dos exames, ele não me deixou ver. Disse que se eu confiasse nele ficaria com o que ele dissesse e ele me disse que o teste deu negativo. Fiquei “com um pé atrás”, e fingi que aceitei aquela situação. Mas minhas desconfianças sobre a possibilidade de ele ser soropositivo aumentaram. Nesse ínterim, a saúde dele piorava. Ele estava emagrecendo cada vez mais, já não conseguia se alimentar direito, passava mal no trabalho e estava visivelmente fraco. E as tosses não cessavam. Ele também começou a reclamar de dores nas costas. O convenci novamente a ir ao médico. Fomos no mesmo. Era o médico do convênio dele. O doutor pediu a ele o resultado dos exames anteriores e ele disse que haviam sumido. O médico, então, pediu que ele os repetisse.

    Eu o acompanhei à clínica para colhimento do sangue. Isso foi numa quinta-feira. O resultado dos exames sairia na segunda-feira da semana seguinte. Mas aconteceu algo estranho. A saúde dele piorou e muito. Como trabalhava durante o dia e estudava à noite, eu ia para casa dele todos os sábados e passávamos o final de semana juntos. No sábado dessa semana, anterior ao domingo do segundo turno das eleições de 2014, quando cheguei na casa dele tive um susto da maneira em que o encontrei. Ele havia emagrecido ainda mais. Mal conseguia ficar de pé. Gemia de dores nas costas. Tossia sem parar. Tremia muito. Fiquei paralisado sem saber o que fazer. Perguntei a ele se tinha algum remédio, se tomava algum medicamento. E ele me falou sobre uns analgésicos… Mas, quando o vi, já não tinha mais dúvidas. Ele era soropositivo. Já havia lido sobre a Aids. Na terça-feira da semana seguinte ele foi internado às pressas em uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e faleceu à noite. Foi diagnosticado o óbito como “falecimento por tuberculose e complicações pulmonares em decorrência de imunodeficiência adquirida – HIV”. Nem cheguei a pegar o resultado dos exames feitos na clínica.

    Fiquei preocupado, mas não muito, pois tinha a consciência de não ter tido nenhum comportamento de risco durante o tempo em que estive com ele. Só que eu estava enganado. Aquele cara havia me envolvido em uma trama macabra. Ele sabia de sua condição de soropositivo e usou preservativo furado em nossas relações. Alguns meses após a morte dele eu recebi um telefone anônimo de alguém que se identificou como amigo dele me contando tudo. Fiquei aterrorizado e comecei a me lembrar de algumas coisas. Ele me pediu para tirar uma foto e disse que ela era especial. Que iria para a galeria de pessoas especiais. Segundo o tal amigo que até hoje não consegui identificar e que nunca mais entrou em contato comigo, esta foto estava num álbum com as de outros caras, todos contaminados por ele. Me lembrei que ele me mostrou esse álbum. Disse que eram “amigos especiais” e que inclusive alguns deles já eram falecidos. Mal sabia eu que estava sendo vítima da insanidade de um psicopata. Me lembrei que sempre era ele quem pegava e colocava o preservativo e eu nunca suspeitei de nada (não tinha porquê suspeitar). Ele fazia parte de uma rede de caras soropositivos cuja “diversão” é “batizar” soronegativos. Ele cometeu um crime, mas como já está morto, não há nada mais o que eu possa fazer. A não ser despertar as pessoas para ficarem atentas, pois certamente há muitos loucos assassinos como ele à solta. Eu o conheci em uma rede social dessas de encontros. Esse tipo de ambiente virtual é o mais usado por esse tipo de gente. Portanto, todo cuidado é pouco.

    Quando saiu o resultado do meu teste eu quase morri. Tive aquele choque inicial. Aquela reação de desespero: minha vida acabou, pensei. E isso foi ontem, 26/8/2015. Saí do médico desesperado. Chorei. Perguntei “porque comigo”? Procurei “os culpados”. Pensei em suicídio. Acordei assustado de madrugada e não dormi mais. “Como vou falar com minha família e com meus amigos?” Já resolvi que não falarei. Pelo menos não por enquanto. Não suportaria o preconceito (minha família é extremamente preconceituosa). Vou omitir. Tenho psicólogo amanhã. E estou aguardando a primeira consulta com o infectologista para dar início ao tratamento que pretendo levar à sério. Já trato de outra doença crônica que requer disciplina: sou diabético. Não sei até quando irei omitir minha condição de soropositivo… mas, aos menos por agora, ainda não tenho condições de falar. Não acredito que será fácil me omitir por muito tempo. Essas coisas “sempre vazam”. Vou ficar na minha.

    Sei que não será fácil. Sei que minha vida mudou. Entrou um intruso na minha vida e não adianta eu mandá-lo sair, pois além de intruso é abusado. O pior é que tenho consciência de não ter sido negligente. Mas não há mais o que fazer a não ser cuidar de minha saúde mantendo este vírus mortal neutralizado no meu sangue, já que ainda não é possível eliminá-lo por completo. Sei dos cuidados que deverei tomar para não me expor e nem expor minha família ao perigo do contágio. Vou cuidar disso. Sem neuras, sem revoltas. Vou continuar vivendo. Deus é mais. Muito mais. E hoje é o meu segundo dia como um soropositivo oficial. Ainda estou meio “borocoxô”, com o semblante um pouco caído, mas, eia, eu sou humano, tenho sentimentos e não recebi prêmio algum para sair por aí festejando. Mas sei que superarei essa fase e vou continuar chutando para gol.

    Até mais!

    • Magnolia diz

      Ei Sergio!
      Força meu querido! Vai da tudo certo. E seu depoimento será de grande ajuda e alerta para todos.
      Um abraço bem apertado pra você!
      Fica com Deus!

    • SILVA diz

      Oi Caro amigo saiba q não está só nessa jornada, o impacto causado pela descoberta da nova condição e terrivél. Eu qnd fui diagnosticada também pensei em sumir, acabar ali mesmo. E td muito rápido pensamento vai a mil, vc tem q decidir as coisas em uma fração de segundos . Mas graças a Deus peguei uma equipe médica maravilhosa, que me ajudou da melhor forma, e hj estou ai firme e forte, meus exames já deram indetectaveis no sétimo mês de uso dos medicamentos. Minha familia não sabe, acho q não precisam saber e que o fato de saber não vai mudar minha condição, e tmbm meus pais são leigos nesses assuntos, a única coisa que eles sabem sobre a palavra AIDS e que mata, então pra que assustar eles, a unica pessoa que sabe e meu esposo, ele graças a Deus e soronegativo, temos uma vida tranquila, até estamos pensando em um baby, uma dica se mora com outras pessoas retire o rotulo dos medicamentos apenas coloca siglas, ai so vc sabe do que se trata, e costumo dizer o seguinte se alguém fuçar demais ,quem procura acha, eu preservo o assunto mas se quer saber tem que saber digerir o assunto. Te garanto que se vc seguir a risca vai ver que vai ter uma vida mas saudavél, até mesmo de quem não e soropositivo. Espero ter ajudado de alguma forma, FORÇA, FÉ E CORAGEM SEMPRE!!!!!

  54. Wellington diz

    Ola,boa tarde para todos, tive relação sexual com uma pessoa que acabou de falecer por causa de câncer, ai descobrimos que era portadora do vírus HIV, e a dois anos atrás que tive contato com essa pessoa a onde que sempre me previni, mas um dia como de todos, o bendito preservativo estourou, e agora descubro que ela já sabia que era soropositiva á 8 anos e não disse nada, só tragédia de lá pra cá, um rapaz que teve contato com essa infeliz, descobriu que foi contaminado se suicidou,deixou uma carta para a namorada, que também foi infectada, se suicidou, acabei de descobrir mais várias outras pessoas. como vejo vários depoimentos, que não existe um culpado. Pois no meu sim porque se eu estiver infectado essa desgraçada me fez isso, e eu confiei nela, inclusive perguntei se os exames estavam em dia, me disse que sim.
    Sou muito devoto á Deus, estou muito tranquilo me preparando para a noticia. Pois vou fazer os exames segunda 14/09/2015, sou jovem, bonito, forte, amo viver a vida, sou casado e minha linda esposa não quer fazer o exame. Estou muito bem psicologicamente, estudei tudo que se tem sobre esse mal terrível, desde a tua descoberta, até os dias de hoje.
    Minha única preocupação é com minha esposa , que tem coragem de tirar a própria vida.
    Apesar de sempre eu ter um comportamento de me controlar. Eu tenho muito ódio ainda no coração dessa mulher , mas sei que vai passar .essa é minha breve História, e que Deus nos de força até quando partimos dessa para uma melhor.
    A todos do blog, só digo que por mais difícil que seja, esse não é o fim, Deus está no controle sempre, ficamos sim sem chão, mas o segredo é se cuidar, orar muito e esquecer que tem esse vírus no DNA.

  55. Fbs diz

    Boa noite, dia, tarde..

    Bom eu tenho pouco tempo q fui diagnosticado HIV+, mas preciso fiz o enxame em março desse ano de 2015 e recebi o resultado com um mês depois, foi um mês de angústia e sofrimento em espera do resultado, ate mesmo pq eu ja desconfiava que estava com a doença por algumas mundacas no meu corpo uma delas o emagrecimento, ( perdi 5 kls) e uma constante garganta inflamada, e tb em saber q um amigo próximo tinha contraido, o q me levou a fazer o enxame, deixa o medo q sempre tive. Hj ja diagnosticado n e nada facil, mais peço forcas a deus… estou fazendo já o tratamento a quase 2 meses. Resolvir compartilha com vcs um pouco da minha historia, descobrir esse blog q JS faz ótimos texto e tem me ajudado bastante em um pesquisa q fiz do medicamento q tomo, eu sempre estou por aqui lendo os textos e os comentários q aqui estão! N sou muito bem escrevendo, mais espero poder ter colaborado com meu depoimento, em uma outra oportunidade voltarei a escrever mais. Abraços a todos!

  56. Sérgio Silva diz

    Agradeço a todos pela mensagens de incentivo. Valeu pela força.

    Já fiz minha primeira consulta com um clínico geral e descobri que minha carga viral está muito baixa, o que, segundo os especialistas, é muito bom. Por causa do tratamento do diabetes, já tinha feito uma bateria completa de exames, cujos resultados estão excelentes, graças a Deus. Meu cartão de vacinas também está em dia. Não tenho vícios, pratico esportes (sou maratonista amador) e vivo uma vida bem tranquila. Tais fatores, ainda segundo os especialistas, são favoráveis para o sucesso no tratamento do HIV. Mas não escondo que sinto-me bastante desconfortável nessa condição de soropositivo. O peso de se carregar essa doença ainda é muito grande. Se tenho uma tosse, agora já acendo um sinal de alerta. Ainda não estou fazendo uso dos antiretrovirais. Minha consulta oficial com o infecto está agendada para o dia 14/11, aí sim, quando certamente já sairei do consultório de receita em punho. Bom, é vida que segue.

    Até a próxima. Abraços!

  57. M. diz

    Tomo meu medicamente desde dia 24/12/2014 , bem nas primeiras semanas eu tive os tais sonhos vividos e muita tontura porém hoje tomo meu medicamento às 22:00hrs e até consigo ir para alguma balada em seguida, diminui o álcool mas ainda não consegui parar totalmente, minha infectologista fiz não ter problema tanto que seja socialmente. Há umas semanas tenho tifo dores musculares, fui em um ortopedista e ele me pediu raio x por precaução, meu único defeito na luta com o HIV tem sido que qualquer dor que eu sinta, seja ela uma dor de cabeça eu acabo fazendo relação com o HIV, venho pro “Google” e consulto, o que é muito errado pois nem todas as informações na internet são positivas quanto a deste blog. Paz e bem para todos!!!

  58. Sérgio Silva diz

    Boa tarde a todos!
    Fiz minha primeira consulta oficial com a infecto, doutora Viviane, uma jovem e adorável médica. A consulta foi a de praxe: perguntas sobre meu histórico familiar, meu comportamento social e sexual, se tenho vícios (não tenho nenhum – aliás, nunca tive), se faço uso de remédio controlado (faço sim, pois sou diabético)… essas coisas. Durante a consulta ela localizou os gânglios linfáticos (ou linfonodos) nos dois lados do meu pescoço e nas axilas. Ela, então, me explicou que os gânglios linfáticos ou linfonodos são encontrados em todo o corpo e são uma parte importante do sistema imunológico. Eles ajudam o corpo a reconhecer e a combater os germes, infecções e outras substâncias estranhas e que são comuns no caso de infecção por HIV.
    Como eu estou ótimo, ou seja, sem nenhum sintoma, ela marcou uma bateria de exames (quase 30!) para ver como estão minha carga viral (o número de vírus em meu organismo) e meu CD4 (meu nível de defesa), para, então, entrar com os Antiretrovirais. Ainda estou emocionalmente abalado, mas já decidi que não deixarei me abater por causa de minha sorologia positiva.
    Vou levar a minha vida, agora, com a presença desse vírus intruso. Vou fazer o tratamento com diligência e continuar seguindo de cabeça erguida.
    Até mais!

  59. DC diz

    A pouco mais de um mês meu namorado foi internado com um febre persistente e que não baixava, a garganta muito inflamada e com muita fraqueza. Foi um luta, praticamente 5 dias para controlar a febre.
    Pouco tempo depois, cerca de 2 meses, resolveu fazer o teste rápido e para nossa surpresa: REAGENTE. Ficamos sem saber o que fazer, eu não queria fazer o exame de jeito algum, me recusava muito, sempre tive esse medo, pois já havia passado uma situação de risco com o primeiro cara que me relacionei. Ele já havia tido uma vida promiscua, como ele mesmo diz, “mais tempo de cama do que urubu de voo” mas diz sempre ter se protegido. Resolvi fazer o exame e tambem deu reagente. A um tempo atras tive herpes zoster, que a medica disse ser por causa do stress do serviço, hoje vejo que não.
    Ainda estamos em faze inicial, mas ele ja começou o tratamento, teve muitas reações com o TARV, tonturas, sonhos vividos, mal estar, diarreia e cólicas intestinais, a maioria já passou, só a diarreia que persiste.
    Logo tbem começarei o meu, peguei meus exames a pouco e vi que a carga viral esta alta e o CD4 a 245, mas tenho fé que tudo vai dar certo.
    Não há como negar o desespero, mas a esperança é muito forte, sei que ainda tenho de cumprir minha missão e nada, nem mesmo um virus vai me impedir. Eu acredito na vida e no ser humano, me cuidarei para cuidar de outros. E assim seguirei até o fim.

    Muita luz a todos

  60. AV diz

    Muito obrigada…tenho uma resistência forte em aderir ao tratamento. Mas depois de ler seu texto, vou refletir muito sobre isso.

  61. José diz

    Olá pessoal, to passando pra compartilhar um pouco de minha história. Exatamente há 1 mês descobri ser portador de HIV após um acidente em uma relação sexual, o preservativo estourou e eu acabei adquirindo. Primeiramente senti os sintomas clássicos e iniciais, felizmente eu senti, com certeza teria sido bem pior se eu não tivesse descoberto logo. Rapidamente comecei a tomada de medicações (Norvir + Tenofovir + Atazanavir) que foi uma combinação inicial a qual me foi dada. Comecei a notar uma leve perda de cabelo nas ditas “entradas de calvice”, gostaria de saber se isso passará em algum momento ou não. Também gostaria de saber se existe um grupo de WhatsApp do blog, caso contrário gostaria de propor a criação de um, meu número é 098 981959595, sintam-se a vontade para me mandarem mensagens.

  62. Rodrigo diz

    Parabéns ! Js pelo seu trabalho, muito esclarecedor suas palavras. Tenho uma duvida em tratamento com os antirretrovirais, há algum problema em tomar uma cervejinha no final de ano, claro que com moderação.

    Valew🍺🍺

    • Rodrigo, boa tarde, com certeza não tem problema em tu tomar uma cervejinha, tem de ser como disse , com moderação, nunca te esqueça que independente, da tua sorologia, bebida alcoólica, não faz bem para o organismo. então se cuide sempre.

  63. Sérgio Silva diz

    Então, comecei há uma duas semanas o meu tratamento com os antirretrovirais. É o famoso 3 em 1 – Tenofovir/Lamivudine/Efavirez, 300/300/600mg. Também estou tomando Bactrin para não contrair pneumonia. Eu não estou sentindo absolutamente nada. Sintoma algum. Continuo fazendo minhas corridas diárias, me alimentando normalmente, trabalhando… enfim, vida normal. Nem os tão temidos efeitos colaterais eu tive. Só na primeira vez em que tomei que acordei um pouco tonto e com um desconforto físico. Depois, nada. Sem efeitos colaterais, sem “sonhos vívidos”, sem alergia… Graça a Deus, ao que parece meu organismo está correspondendo bem à introdução dessas drogas que sei serem fortíssimas. Aliás, sou diabético e hipertenso e já fazia uso de outras medicações. Mesmo assim, não estou sentindo absolutamente nada. Creio que o fato de eu não ter um histórico de vícios – nunca bebi, nunca fumei, nunca fiz uso de drogas – e de há tempos já praticar atividade física – sempre corri – tornou meu organismo mais resistente.

    Minha segunda consulta será em março e vou seguir à risca o tratamento. Meu CD4 estava muito baixo – 192 – e a carga viral, alta. Mas, acredito que já nos próximos exames isso terá mudado. Saber que sou soropositivo, que tenho aids, ainda é algo que me incomoda muito, mas como não tem há jeito de mudar essa realidade, irei me tratar e não deixarei que essa doença me destrua como já fez com tantas outras pessoas. Minha meta agora é ser um indetectável e continuar levando minha vida numa boa, dadas as circunstâncias. Ah, ia me esquecendo, ainda estou naquela fase de paranoia de achar que qualquer espirro, qualquer dorzinha de cabeça é uma manifestação do HIV. Entretanto, creio que com o tempo isso irá passar. Não estou conformado com essa minha situação. Nunca irei me conformar com isso, mas já que aconteceu, tenho de encarar de frente. Ser um hospedeiro desse vírus maldito não é uma posição confortável, mas vou levar minha vida de cabeça erguida. Não transformarei esse vírus microscópico em um gigante. Por pior que ele seja – e eu sei dos males que ele capaz – não me curvarei. Não permitirei que ele me abata. Vou seguindo em frente. Até mais.

    • Wellington diz

      Parabéns pela tua história. eu tive relação sexual com uma pessoa que era soro positiva, essa pessoa não foi honesta comigo, e só vim a descobrir, pq ela foi internada e veio a falecer por causa de câncer. Enfim tomei coragem e fui fazer o exame, pela honra e gloria de Deus , meus exames deram negativo.
      Pra vcs que contraíram esse vírus intruso, que ataca nossas defesas, sabemos não ter cura , mas pra Deus tudo é possível. estou aqui sempre para ajuda-los de alguma forma.
      Hoje com os avanços medicinais, uma pessoa soro positiva, tem uma vida normalmente tranquila com teu tratamento.
      Que Deus possa sempre nos dar discernimento, sabedoria, paz, prosperidade e direção.

  64. Sérgio Silva diz

    Nossa, gente! Quase me esqueço de contar. Meus exames também revelaram uma sífilis, que segundo a médica foi contraída junto com o HIV. Já tratei a sífilis tomando 3 injeções de Benzetacil, durante 3 semanas consecutivas. A dra. Viviane me disse que, por causa do HIV, a sífilis, caso não fosse tratada, poderia evoluir para algo mais grave, consequentemente, fatal. Mas foi outra que não deixei me “passar a perna”. Já estive quase morto por causa do diabetes. Cheguei a ficar em coma por causa de hiperglicemia, mas estou aqui. Firme, forte e com o diabetes sobre controle. Não será diferente com o HIV.

    Agora sim, até mais!

    • Paulo Roberto diz

      Bom, Sérgio… O que posso te dizer é que chorei muito com o teu depoimento, tão forte, tão triste, mas cheio de esperança… Fora o seu nome, que me traz tantas recordações.
      Muita força, fé e esperança, cara… Um dia todos nós estaremos livres disso.
      E esse dia será em breve, você vai ver!
      Mas, puxa… um cara que passa, propositalmente, esse vírus… como classificar uma pessoa assim? Até hoje eu não entendo como pessoas podem ser tão más. Se o tal cara tivesse se tratado, talvez estivesse aqui entre nós, indetectável, sem problemas… Mas ao invés disso, ele preferiu morrer e passar isso adiante…
      Há muitos anos, amei de verdade, como nunca alguém amou, um rapaz com o seu nome: Sérgio Silva… Que pena que a vida nos separou… E hoje, vivemos cada um no seu canto, sem contato nenhum. Melhor assim. Longe dos olhos, longe do coração.
      Um grande abraço
      Paulo Roberto

      • Sérgio Silva diz

        Obrigado pelas palavras, Paulo. Lamento que seu relacionamento não tenha dado certo. Sobre a pessoa que me infectou, hoje sei que a pior doença dela não era a aids e sim a da alma, que certamente não está descansando em paz.

        Abraços!

  65. somente eu diz

    A exatamente 8 meses tive uma infecção do lado direito do celebro ,sempre tive minha vida muito complicada trabalho já a 12 anos no ramo de casamentos e me deparei com o meu medico pedindo uma bateria de exames ,e ao meio destes havia la o de HIV,nem sempre eu tomava o cuidado de me prevenir ,acho que isso sempre vinha quando eu saia tarde de cada salão nos dias que antecediam cada festa(preparativos de cada casamento) a maioria das vezes estava sempre com muita vontade de transar então me relacionava com pessoas que achava em esquinas ,isso vejo muitas pessoas fazendo isso.
    Mas acredito eu que que nunca passou pela minha cabeça que isso não poderia ocorrer comigo,sempre o teto dos outros pode ser de vidro o nosso nunca,ou aquele ditado famoso na casa dos vizinhos pode na minha não.
    Foi quando peguei o pedido do meu neurologista e fui correndo fazer aquela bateria de exames
    apos uma semana o pessoal da clinica me ligou para poder estar coletando nova amostra ,ali ja veio na minha cabeça pois o medico responsável pela clinica não estava e a enfermeira minha amiga não soube me informar para que seria aquela nova amostra.
    pois bem passou mais uma semana quando me ligaram novamente pois os meus exames estriam prontos ,busquei e logo quando entrei na sala o mesmo medico me falou que teria que ser retirado novo material e ali mesmo me entregou um envelope que contia todos os meus exames, me lembro como se fosse hoje ele me dizendo que ali quando eu entregasse ao meu neurologista ele saberia me explicar o que havia ocorrido .ali mundo veio a loukura .
    cheguei em meu carro e bem rápido abri aquele envelope ao folear existiam varias folhas e justamente nas ultimas havia o resultado que eu era soro positivo .
    A principio não entendi muita coisa mas corri para casa e procurar respostas para tudo aquilo que estava constando naquela folhas.
    A confirmação que realmente eu havia adquirido o vírus.
    Fiquei sem chão não tive coragem de falar sobre o assunto com ninguém .passarão se os dias meses,foi quando em si caiu minha fixa e pedi ajuda a uma grande amiga,que hoje sempre esta do meu lado.fomos ao medico e ele fez um encaminhamento para um amigo dele que eh infectologista e disse assim hoje ele passara a ser seu medico ..
    Ja se passarão 5 meses de cocktel no começo não me sentia realmente bem mas hoje já me acostumei com ele,a cada dia que tenho que colocar na boca sempre penso que poderia ser diferente ,mas não foi ,não me cuidei ,só achava que nunca aconteceria comigo ,não sei quem peguei pois sempre tive parceiros diferentes a cada semana.
    Hoje as vezes quando amigos tocam no assunto sempre venho com aquela informações que tive e que também busquei e busco para poder sempre esclarecer duvidas próprias e mesmo deles ,sem que eles saibam que sou portador do vírus.
    Hoje tenho vivo cada dia como se fosse ultimo cada cassamento como se fosse único ,estou bem ,mas sei que talvez um dia não esteja, sei que o preconceito eh gigantesco e avassalador e maior que a própria doença.moro em cidade pequena do interior do estado (oeste paulista)não saio mais de casa sem preservativos ,tenho me cuidado ,e sempre com a consciência que não porque adquiri o vírus o meu próximo tenha que também adquirir e eu ser um vilão desta historia,sempre penso que pode ser diferente ,mas para isso todos tem que realmente se conscientizar e deixar as vezes aquela loucura de gozar de lado e também se prevenir.mesmo hoje estando bem comigo mesmo sei que somente eu fui o vilão de tudo isso então vivo puxando as orelhas das pessoas mais próximas a mim e sempre impondo que elas sim se previnam para que isso não aconteçam com elas…
    Hoje dia 16 de janeiro de 2016 ,posso dizer que vivo sim com o vírus mas estou bem ,estou feliz em poder ter a oportunidade novamente de viver com o vírus mas não viver longe deste preconceito que tanto nos perturba,não sei ainda se é a hora de contar para minha família ainda não tenho coragem mas acredito eu que quando estiver preparado saberei da melhor forma dizer a todos mesmo correndo o risco de ser ignorado pelo resto de minha existência.
    Esta é a primeira vez desde que estou infectado que tenho coragem de compartilhar algo mesmo sendo anonimo .mas foi bom .
    espero que tenham gostado de um trechinho de minha nova vida
    Que Deus possa iluminar cada um que tenha adquirido o vírus …….

  66. João Miguel diz

    Olá!
    Galera, descobri este blog a pouco tempo, e confesso que ele me ajudou muito a lidar com minha soropositividade, devido ao compartilhamento de diversos casos, me sinto muito mais tranquilo em ter esse vírus.
    Descobri minha soropositividade, após ter sido estuprado bebado por um cara que eu me relacionei, porém ele me garantiu que havia usado preservativo, e é claro que eu não confiei nele, porém eu não conhecia o Pep, então decidi terminar tudo com ele e aguardar a janela imunológica pra poder fazer os exames.
    Só que Só fui Procurar um CTA para fazer exames, depois de alguns meses , depois de começar um novo relacionamento com uma mulher que parecia ser a pessoa certa para mim, eu estava muito apaixonado e antes de começarmos a transar eu queria ter certeza de que estava tudo ok, eu não pensei que fosse dar reagente ao meu teste de Hiv, mas mesmo assim quis fazer por precação.
    Quando tive o primeiro resultado positivo , não acreditei que aquilo estava acontecendo comigo, então entrei em negação , quis fazer outro teste, mas me disseram que a margem de erro eram quase nulas, eu insisti, e acabei que ter que ser atendido por uma psicóloga para eu poder me acalmar, mas mesmo com tantas informações precisas que eles me deram, simplesmente eu neguei pra mim mesmo , procurei fazer um novo exame em outro lugar, e deu reagente novamente, então caiu a ficha do que estava acontecendo, fiquei com raiva de mim, do meu ex e da vida, queria matar ele, só consegui melhorar depois de algumas sessões de terapia e tomar alguns medicamentos pra depressao. Então finalmente chegou a hora de contar pra mulher que eu estava namorando, acreditando que ela fosse terminar comigo, mas para minha surpresa ela pegou em minha mão e disse que iríamos passar por isso juntos, conclusão, ela me insentivou a seguir o tratamento, acompanhou nas minhas primeiras consultas, e a me trazer informações de como seria viver com Hiv, hoje ela é minha noiva, vamos casar em pouco tempo, nossa vida sexual é muito boa, minha carga viral está indetectável e minha saúde está ótima, cuido muito mais de mim agora. Tenho o apoio da minha família e de alguns amigos também. Tenho uma vida normal de uma pessoa que tem uma doença crônica. Claro que se eu pudesse escolher, jamais teria hiv , mas entendo que esse virusinho é muito pequeno diante de toda minha vontade de viver, sou maior que ele. Nunca mais tive contato com o cara que me passou o vírus e eu nem sei se ele sabe que tem. Responsabilidade de cada um se cuidar. Enfim essa é minha história.

  67. Ezequiel vianna diz

    Parabens pelo testo ótimo. Descobri ser soropositivo a 6 meses, fiz todos os exames e continuo fazendo a cada 2 meses minha CV esta 500 cópias e CD4 713, não tomo medicação porinquanto só. Faço acompanhamento a cada 2 meses espero que continue sem medicação por um bom tempo. E quando precisar tomarei sem problemas..
    Um forte abraço a todos, muita luz paz e amor.
    Parabéns pelo blog Js

  68. Lucas diz

    Estou em um relacionamento há 5 meses, e só ontem, em uma tarde tranquila, meu namorado olha pra mim e fala, amor vamos dar uma volta, preciso te contar uma coisa, achei estranho, tipo, do nada!
    Saímos, e fomos dar uma volta, e ele me falou que tinha HIV, quando ele disse minha cabeça explodiu, pq transamos uma vez sem camisinha, e ele foi ativo, mas sempre nós protegemos, só uma vez que foi sem camisinha, e ele começou a me explicar que ele sabia o que estava fazendo, que ele estava indetectavel há mais de um ano. Naquela hora eu sabia que eu tinha que ficar ao lado dele, afinal eu me apeguei muito ha ele, amo ele, mas tem horas que parece ser mentira, uma piada, uma brincadeira, uma pegadinha… Eu ainda não fiz um exame de sorologia, irei esperar por volta de 1 mês para fazer… Eu estou muito confuso e assustado, mas não o deixei, estou firme, do lado dele, mas confesso que muito assustado mesmo.

  69. Sérgio Silva diz

    Sérgio Silva

    Olá! Aqui estou eu de volta. Continuo firme e forte com meu tratamento. Também continuo fazendo minhas corridas… Emagreci um pouquinho, mas acho que é por causa do uso dos antiretrovirais. Esses remédios são muito forte. Mas estou bem, graças a Deus. Até já me relacionei com um rapaz… Pensei que nunca mais teria coragem. Se eu fosse irresponsável o teria contaminado, pois quando estávamos no clima ele não se preocupou com o uso do preservativo. Mas eu NUNCA faria algo assim. NUNCA! Quando a coisa esquentou eu peguei o preservativo e coloquei nele. Correu tudo bem, com proteção, segurança e muito prazer. Não falei a ele que sou soropositivo, pois é só um relacionamento casual. Contudo, se antes eu já não abria mão de fazer sexo seguro (conforme disse em meu primeiro post, fui contaminado por um cara com o qual eu tinha um relacionamento estável, que era soropositivo e eu não sabia e que furou a camisinha…), agora, consciente de minha sorologia HIV+ é que não abro mesmo. Não farei aos outros o que foi feito a mim. Eu tenho esse vírus maldito no corpo, mas meu espírito e alma não foram contaminados, graças a Deus.

    Mudando de assunto, no próximo mês (maio) eu irei ver o resultado do meu exame de CD4. Será o primeiro após o uso dos antiretrovirais. Estou confiante que houve uma baixa no número de vírus e um aumento no meu sistema de defesa. Assim que eu tiver o resultado eu comento aqui.

    Abraços a todos!

  70. Infelizmente como na maioria das grandes cagadas da vida, não conseguimos calcular direito na hora, e sedemos a tentação.
    Somos tão egoístas que na maioria das vezes só sentimos o peso do nosso erro quando ele está afetando a nós mesmos.
    Quero dizer que todos os pecados que fazemos todos os dias, enquanto não nos está afetando é bem mais difícil sentir amargura em cima disso.
    Precisamos sentir o arrependimento sincero, a noção do que é errado de verdade, não por apenas ter prejudicado a nós mesmo, mas por realmente sentir o arrependimento de verdade por ser ERRADO, e não por meramente o ato errado ter prejudicado a si mesmo.
    E só através de Jesus nos habilitamos a sentir o verdadeiro arrependimento da alma.
    Quem acabar lendo esse comentário, só digo uma coisa:
    Você não se contaminou porque pegou HIV, você não tem uma mancha na sua vida por causa do HIV, você já nasceu com um coração manchado, sua vida já está contaminada a menos que você aceite Jesus como salvador e creia nele.
    De maneira nenhuma pensem que por ter HIV significa que não tem mais o que perder na vida e agora pode viver de qualquer jeito.
    Vocês tem a vida eterna pra perder. Tem uma alma pra perder.
    Não esqueçais que a decência é um escudo contra o olhar do impuro.
    E quando o impuro desaparecer, que será a decência senão um obstáculo e uma mancha na
    alma?
    Tenho-vos dito isto”, declarou Jesus, “para que em Mim tenhais
    paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, Eu venci o
    mundo”.

    • Antonio diz

      Deus Abençoe à Todos. Somos Ferramentas de Deus neste mundo cruel e de sofrimento. Jovem parabéns pela sua atitude! Grato.

  71. Sérgio Silva diz

    Bom dia!

    Andei sumido, mas não foi por nada não. Graças a Deus meu tratamento está dando certo e já nos primeiros meses com o uso dos antirretrovirais eu já zerei minha carga viral. Estou indetectável. Continuo levando minha vida normalmente, faço minhas corridas 3 vezes por semana, me alimento normalmente e não sinto absolutamente nada. É óbvio que continuo com o mesmo conflito interno de ser HIV+. Minha família ainda não sabe e não sei se algum dia irei revelar isso a eles. Consegui me abri com uma amiga e isso me aliviou um pouco. Após o episódio do HIV eu ainda não me relacionei com ninguém. Não me sinto muito à vontade para me envolver em relacionamentos. O dia que eu sentir que essa necessidade redobrarei os cuidados que eu sempre tive, pois não suportaria o peso de carregar a culpa de ter infectado alguém. Bom, por enquanto é isso. Um super abraço a todos.

  72. Bru diz

    Bom dia, fiz exames de rotina, e dessa vez inclui o exame de hiv. Bate aquele “medo” que não sei explicar. Só sei que penso em pessoas que não tive proteção e que teria a chance do exame dar positivo. Não sei o que pensar na verdade. Não discrimino quem é soropositivo, mas torço para que meu exame de negativo. :/

  73. Gle diz

    Tenho 23 anos, sempre tive mais de um parceiro porem sempre tomava o cuidado de me previnir. No mês de julho fiz duas relacões de risco. Um deles eu ficava as vezes e ele nunca gostava de usar o preservativo falava q ficava so comigo o outro confiei porque me garantiu ter todos exames em dia. Maior erro que jamais poderia ter acontecido confiar e pensar que nao vai acontecer com a gente. Depois disso a uma semana depois tive um corrimento estranho mas achei q fosse algum fungo, estava esperando a consulta q eu teria com o meu gine para poder falar a ele. Mas no dia 30 de Julho fui em uma festa e conheci um rapaz no qual ficamos, estavamos bêbados, ele colocou o preservativo mas quando percebi tinha saído e ficado dentro de mim.
    No dia 5 de julho ele me mandou uma msg falando q estava com uns sintomas de gonorreia, porém já tinha sido diagnosticado e estava tomando antibióticos. Quando ele falou fiquei cega de nervosa comecei a pesquisar na Internet sobre Dst ate q comecei a pesquisar sobre o hiv, parece um absurdo, contudo q comecei a ler sobre os sintomas comecei a me desesperar, no dia seguinte numa quarta feira comecei a sentir diarreia e fiquei na esperança de ser por medo,mas tambem estava com coceira no corpo, dor de cabeça e tontura, na sexta feira percebi uma ingua na nuca, ai meu mundo caiu na minha cabeça ja era a fase aguda do hiv, fiquei muito depressiva principalmmte no trabalho. Nesse mesmo dia fui a Upa, passei com um clínico geral, ele falou q provavelmente era coisas do meu psicológico q não era tão fácil de pegar e os sintoma não era tão rápido, fiz o teste rápido de hiv deu não reagente, nesse momento voltei a sorrir achei q tudo já estava resolvido, onde me enganei, fiquei uma semana com a conciência mais limpa, até que dia 19/08 tive uma consulta com meu gine e ele não descartou a hipótese e pediu pra eu esperar por mais um mês pra fazer novamente um teste hiv e passou um monte de exames de dst ai q comecei a pesquisar na net e vi sobre o tempo de 2 meses após o ocorrido pra fazer o teste e ter certeza. Estou desesperada não consigo comer direito e nem dormir, já tem duas semanas que estou com diarreia, ingua na nuca e agora a coceira na pele aumentou, fui comparar com as fotos do site as manchas estão muito parecidas. Eu comentei sobre os sintomas q estava sentido com a segunda pessoa q me relacionei e ele continua a dizer q ele é limpo, com o primeiro nao cheguei a comentar pois fiquei sabendo q ele esta namorando. Tenho muita fé em Deus, creio que ele é o nosso pai criador e fará um milagre, estou indo sempre as missas e orando muito pra Deus me livrar. Mas na minha cabeça eu ja estou com o vírus,queria muito q fosse realmente o meu psicológico. Não sei como vou suportar essa ansiedade pra fazer um novo teste, estou muito abalada, não contei pra ninguem. Moro com meu irmão e meu primo, meus pais moram em outra cidade, amo muito minha família, se der positivo não sei o q vou fazer pra falar pra eles vou ser a maior decepção, pois vim pra SP pra trabalhar, estudar em busca de um futuro melhor pra eles mesmo e me acontece uma coisa dessas.
    No mês de julho fiz duas relacões de risco. Um deles eu ficava as vezes e ele nunca gostava de usar o preseevativo falava q ficava so comigo o outro confiei porque me garantiu ter todos exames em dia. Maior ero que jamais poderia ter acontecido confiar e pensar que nao vai acontecer com a gemte. Depois disso a uma semana depois tive um corrimento estranho mas achei q fosse algum fungo, estava esperando a consulta q eu teria com o meu gine para poder falar a ele. Mas no dia 30 de Julho fui em uma festa e conheci um rapaz no qual ficamos, estavamos bêbados, ele colocou o preservativo mas quando percebi tinha saído e ficado dentro de mim.
    No dia 5 de julho depois ele me mandou uma msg falando q estava com uns sintomas de gonorreia, porém já tinha sido diagnosticado e estava tomando antibióticos. Quando ele falou fiquei cega de nervosa comecei a pesquisar na Internet sobre Dst ate q comecei a pesquisar sobre o hiv, parece um absurdo, contudo q comecei a ler sobre os sintomas comecei a me desesperar, no dia seguinte numa quarta feira comecei a sentir diarreia e fiquei na esperança de ser por medo,uma coceira no corpo, dor de cabeça e tontura, na sexta feira percebi uma ingua na nuca, ai meu mundo caiu na minha cabeça ja era a dase aguda do hiv, fiquei muito depressiva principalmmte no trabalho. Nesse mesmo dia fui a Upa, passei com um clínico geral, ele falou q provavelmente era coisas do meu psicológico, fiz o teste rápido de hiv deu não reagente, nesse momento voltei a sorrir achei q tudo já estava resolvido, onde me enganei, fiquei uma semana com a conciência mais limpa, até que dia 19/08 tive uma consulta com meu gine e ele não descartou a hipótese e pediu pra eu esperar por mais um mês pra fazer novamente um teste hiv e passou um monte de examea de dst ai q comecei a pesquisar na net e vi sobre o tempo de 2 meses após o ocorrido pra fazer o teste. Estou desesperada não consigo comer direito e nem dormir, já tem duas semanas que estou com diarreia, ingua na nuca e agora a coceira na pele aumentou, fui comparar com as fotos do site as feridas estão muito parecidas. No mês de julho fiz duas relacões de risco. Um deles eu ficava as vezes e ele nunca gostava de usar o preseevativo falava q ficava so comigo o outro confiei porque me garantiu ter todos exames em dia. Maior ero que jamais poderia ter acontecido confiar e pensar que nao vai acontecer com a gemte. Depois disso a uma semana depois tive um corrimento estranho mas achei q fosse algum fungo, estava esperando a consulta q eu teria com o meu gine para poder falar a ele. Mas no dia 30 de Julho fui em uma festa e conheci um rapaz no qual ficamos, estavamos bêbados, ele colocou o preservativo mas quando percebi tinha saído e ficado dentro de mim.
    No dia 5 de julho depois ele me mandou uma msg falando q estava com uns sintomas de gonorreia, porém já tinha sido diagnosticado e estava tomando antibióticos. Quando ele falou fiquei cega de nervosa comecei a pesquisar na Internet sobre Dst ate q comecei a pesquisar sobre o hiv, parece um absurdo, contudo q comecei a ler sobre os sintomas comecei a me desesperar, no dia seguinte numa quarta feira comecei a sentir diarreia e fiquei na esperança de ser por medo,uma coceira no corpo, dor de cabeça e tontura, na sexta feira percebi uma ingua na nuca, ai meu mundo caiu na minha cabeça ja era a dase aguda do hiv, fiquei muito depressiva principalmmte no trabalho. Nesse mesmo dia fui a Upa, passei com um clínico geral, ele falou q provavelmente era coisas do meu psicológico, fiz o teste rápido de hiv deu não reagente, nesse momento voltei a sorrir achei q tudo já estava resolvido, onde me enganei, fiquei uma semana com a conciência mais limpa, até que dia 19/08 tive uma consulta com meu gine e ele não descartou a hipótese e pediu pra eu esperar por mais um mês pra fazer novamente um teste hiv e passou um monte de examea de dst ai q comecei a pesquisar na net e vi sobre o tempo de 2 meses após o ocorrido pra fazer o teste. Estou desesperada não consigo comer direito e nem dormir, já tem duas semanas que estou com diarreia, ingua na nuca e agora a coceira na pele aumentou, fui comparar com as fotos do site as feridas estão muito parecidas. Tenho muita fé em Deus, creio que ele é o nosso pai criador e fará um milagre, estou indo sempre as missas e orando muito pra Deus me livrar. Mas na minha cabeça eu ja estou com o vírus,queria muito q fosse realmente o meu psicológico. Não sei como vou suportar essa ansiedade pra fazer um novo teste, estou muito abalada, não contei pra ninguem, Mas na minha cabeça eu ja estou com o vírus,queria muito q fosse realmente o meu psicológico.
    Agora vai ser esperar essa angústia passar, e se realmente estiver tentar encarar a situação e me cuidar tomar os remédios e seguir em frente. Mas só pelo fato de ter lido todos os comentários ja fico mais aliviada, muitos de superação e vontade de viver. Não me deixem sozinha tenho muito medo do preconceito de da solidão. Obrigada por cirar esse espaço onde pude desabafar. Fiquem todos com Deus e orem por mim

  74. Lilika diz

    Uff estava tendo uma crise de pânico ainda bem que encontrei esse maravilhosa reflexão me ajudou. Muito amanhã te no que fazer o exame que. Muito te.po gostaria de fazer mas nunca tive coragem pois te no muito medo nor.al mas hoje fiquei apavorada mas com o seu comentario já estou melhor ou seja posso ter uma vida praticamente normal obrigada pela ajuda

  75. Carlos Andrade diz

    JS * Parabéns pelo seu blog que tanto nos ajuda a aprender com você e os demais participantes.
    Fui à dermatologista no qual estava com umas bolinhas e coceiras na batata da perna, sendo que, pediu exames e quando olhei estava o HIV, Sífilis e Hepatite C e outros. Sou desesperado por natureza perco sono e entro em desespero até com medo da chuva. Dai conheci seu blog pois apesar a minha idade avançada 50 anos sou completamente leigo no assunto, Pretendo aprender com os participantes cada dia mais. Não aguentando esperar exames do laboratório fui ate uma unidade perto da Avenida Indianópolis, SP, que realiza os testes rápidos e os 3 deram negativos ou seja não reagente. Confesso que como todos fui muito tenso e desesperado mesmo sempre me cuidando nos relacionamentos. Vou refazer todos os exames no laboratório pois existem muitos outros no pedido para eliminar a suspeita de outras doenças , mas agradeço a todos de coração pelos ensinamentos que tive e que ainda terei. Beto – SP

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s