Uma equipe de pesquisadores de Hong Kong afirma ter desenvolvido e testado em camundongos um novo anticorpo contra o HIV, que pode ser usado na prevenção ou em tratamento, oferecendo a “cura funcional”.

A descoberta, publicada no Journal of Clinical Investigation, ocorre no momento em que a China enfrenta uma epidemia crescente entre grupos de alta prevalência de HIV, como profissionais do sexo e homens que fazem sexo com homens. Cerca de 850.000 pessoas na China vivem com HIV.

A descoberta vem da equipe liderada pelo professor Chen Zhiwei, do Instituto de Aids da Universidade de Hong Kong. Sua descoberta, testada em camundongos, mostra que o novo anticorpo pode ajudar a controlar o vírus e eliminar as células infectadas. O anticorpo seria capaz de tratar todas as variedades de HIV. “Nosso anticorpo específico, recém-descoberto, funciona para todas as cepas”, disse Chen à Reuters.

Chen explicou que uma “cura funcional” significa que o nível do vírus seria tão baixo a ponto de ser indetectável no corpo, contanto que os pacientes continuem tomando injeções do anticorpo, talvez trimestralmente, ou com menor frequência. O novo anticorpo teria uma meia-vida significativamente mais longa do que os tratamentos atuais e poderia, por exemplo, ser administrado trimestralmente. Chen e sua equipe dizem que pretendem levar o anticorpo para testes clínicos em humanos dentro de três a cinco anos.

Andrew Chidgey, executivo-chefe do grupo Aids Concern em Hong Kong, lembra que resultados promissores não significam que o novo tratamento estaria prontamente disponível em breve.

Anúncios

Há cinquenta anos, um jovem negro de 15 anos chegou assustado ao hospital de St. Louis, cidade que fica no estado americano do Missouri. Ele sofria sintomas incomuns, que intrigaram os médicos. Suas pernas estavam inchadas e, em seguida, seu corpo inteiro. Nenhum tratamento parecia funcionar, nem mesmo sete semanas de antibióticos.

Robert Rayford ( * 3 de fevereiro de 1953 † 15 de maio de 1969 )

Ao longo de seis meses seu estado de saúde continuou a se deteriorar, até que, em maio de 1969, o tímido adolescente perdeu a vida para uma doença que confundia toda a equipe médica. Seu nome era Robert Rayford e ele é a primeira pessoa de que se tem notícia a morrer em decorrência do HIV nos Estados Unidos.

Sua morte se deu apenas um mês antes da Rebelião de Stonewall, em junho de 1969, que começou no bar LGBT Stonewall Inn, em Nova York. Os frequentadores do bar eram principalmente adolescentes periféricos do Queens, Long Island e New Jersey, incluindo jovens drag queens e sem-teto que ocupavam casas abandonadas no Lower East Side — provavelmente, no espírito dos bares retratados no premiado documentário Paris Is Burning (1990), disponível no Netflix. Foi nesse bar que uma batida policial foi iniciada na noite de 27 de junho, seguindo ordens da State Liquor Authority, autoridade responsável pelas licenças para venda de álcool na cidade e que, recentemente, proibira a venda de bebidas alcoólicas em bares que atendiam clientes abertamente homossexuais.

Do outro lado da rua, uma multidão de aproximadamente cem pessoas assistia à polícia fichar e prender os funcionários e clientes do bar. Antes de serem presos, os jovens sorriam e acenavam para a multidão. Irritados pela irônica reação, os policiais começaram a empurrá-los violentamente com seus cassetetes. A multidão começou a gritar para que a polícia parasse; e os oficiais responderam, dizendo-lhes para saírem da rua. Alguém começou a lançar pedras e a balançar o camburão da polícia. Da parte de trás da multidão, latas de cerveja e garrafas voaram pelo ar. Depois, detritos de rua, o que fez com que os oficiais recuassem para dentro do bar, trancando as portas, encurralados pela multidão.

Multidão revoltada enfrenta a polícia em frente ao bar Stonewall.

Pedras voavam. Um jornal em chamas atravessou a janela quebrada do bar, iniciando um pequeno incêndio. Dentro do bar, os policiais se salvaram graças à uma mangueira de incêndio, a qual eles passaram a usar para jogar água contra a multidão. Foram seis dias de confronto. E o resto virou história.

Vários anos mais passaram antes que bares abertamente gay fossem licenciados, como o Ballroom em West Broadway e o Reno Sweeney na West 13th Street. Foram-se ainda mais alguns anos até que figuras políticas de Nova York se posicionassem a favor de leis antidiscriminação. Tudo isso, marcado pela Revolta de Stonewall: o momento da virada do movimento pelos direitos homossexuais nos Estados Unidos e, possivelmente, em todo o mundo. Por isso, 28 de junho, a data da Revolta de Stonewall, é considerada o Dia do Orgulho LGBT.

Jovem sendo preso pela polícia durante a Revolta de Stonewall.

Naquela época, ninguém sabia ainda o que era o HIV — doze anos se passariam antes que os Centros para Controle e Prevenção de Doenças americano, o CDC, reportassem sobre uma misteriosa pneumonia e imunodeficiência que afligia “cinco homens jovens homossexuais”. As mortes decorrentes mesma misteriosa doença começaram a aumentar a partir de 1981, mas o HIV não foi identificado pelos cientistas até 1984.

Gaëtan Dugas, o “Paciente Zero”.

Foi somente em 1987 que o HIV foi encontrado nas amostras de tecido de Rayford. Mesmo assim, poucos notaram sua história. Ao invés disso, a origem da epidemia de HIV e aids foi atribuída a Gaëtan Dugas, um comissário de bordo canadense, branco, responsabilizado por disseminar o HIV por todo o continente norte-americano e apelidado, à época, pelo CDC e pela imprensa, como o “Paciente Zero”. Isso se deu depois de uma extensa busca das autoridades médicas, a partir de informações das ligações sexuais entre homens gays e bissexuais na Califórnia, Nova York e alguns outros estados. Dugas era o marco zero entre vários parceiros.

Capa do New York Post em 6 de outubro de 1987.

Em 1987, uma matéria do New York Post que tinha como manchete “O homem que nos trouxe a aids” contou sua história: a cada cidade em que pousava, o comissário aproveitava para transar com quantos homens pudesse, mesmo ciente de que sua condição pudesse ser transmissível a outras pessoas. Depois de fazer sexo, conta-se que era comum que Dugas apontasse para as lesões em sua pele, provavelmente oriundas de Sarcoma de Kaposi e outras manifestações de doenças oportunistas típicas da aids, e então dissesse para seus parceiros: “agora você também tem!”

Tudo isso é contado em detalhes no livro And the Band Played On, do jornalista Randy Shilts, publicado também em 1987, o qual fala do conturbado início da epidemia, retratando Dugas como um sociopata promíscuo que espalhou o vírus pelo país. Logo após terminar de escrevê-lo, Shilts foi diagnosticado positivo para o HIV. Em agosto de 1993, o livro virou filme, ao qual o jornalista assistiu pouco antes de sua morte, aos 42 anos, em decorrência de uma pneumonia. Nesse sentido, Shilts foi vítima de Dugas.

Gaëtan Dugas.

Acontece que atribuir a responsabilidade pela origem da epidemia ao comissário de bordo canadense é impreciso e incorreto. Dugas não foi o primeiro infectado e a história de Robert Rayford é prova disso.

Quando o caso de Rayford foi identificado, uma narrativa diferente sobre quem estava morrendo de HIV já estava em curso: ao que parece, concentrava-se em homens gays brancos. O relatório de 1981 do CDC trazia a informação genérica dos cinco jovens gays com pneumonia, sem indicar a sua etnia — algo que, à época, nos Estados Unidos, seria um indicativo de que todos eles eram brancos. Dois outros casos, um afro-americano homossexual e um haitiano heterossexual, não foram sequer mencionados pelo CDC. Michael Gottlieb, médico responsável pelo relatório, disse ao New York Times: “Até recentemente, eu não teria pensado que isso tinha importância”.

Reconhecer apenas Dugas negligencia a trágica experiência de Rayford e o fato de que ele não é a única pessoa negra a perder a vida para o HIV. Ao invés disso, ele foi a primeira vítima documentada daquilo que se tornaria uma tendência na epidemia de HIV: o impacto devastador e desproporcional do HIV sobre as comunidades negras. Desde que o vírus foi descoberto, negros representam 43% das mortes por HIV nos Estados Unidos. Homens negros gays e bissexuais representaram 26% de todas as novas infecções por HIV em 2016, apesar de representarem menos de 2% da população total dos Estados Unidos. Dentre 1,1 milhão de americanos que vivem com o HIV hoje, quase 475.000 deles são negros e quase 150.000 deles são homens negros gays e bissexuais.

No Brasil não é tão diferente. De acordo com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, o Unaids, a epidemia de HIV afeta desproporcionalmente a população afrodescendente do País. Dados do Boletim Epidemiológico de 2016 do Ministério da Saúde mostram que, entre os casos de infecção por HIV registrados de 2007 a 2015, 44% são entre brancos e 54,8% são entre negros e pardos. A diferença ainda é maior entre mulheres: 39,2% dos casos são entre brancas e 59,6% entre negras e pardas. Em 2015, a maior proporção dos falecimentos ocorreu entre pardos (44,2%), seguidos por brancos (41,4%) e negros (14%), o que significa que a população negra representou um total de 58,2% desses óbitos. Na cidade de São Paulo, também em 2015, enquanto a taxa de mortalidade por causas relacionadas à aids entre brancos foi de 5,4 por 100 mil habitantes, entre negros foi de 10,9 por 10 mil habitantes.

Gaëtan Dugas nunca teve a chance de se defender das acusações feitas contra si. Ele morreu antes disso, em março de 1984, em decorrência de complicações da aids. Foi só a dois anos atrás que sua história foi reescrita, quando Michael Denneny, editor do livro And the Band Played On, confessou que o perfil do personagem de Dugas foi propositalmente deturpado: “Nós nos rebaixamos ao sensacionalismo. Meu agente disse: ‘Sexo, morte, glamour e — o melhor de tudo — ele é um estrangeiro!’ Essa foi a única maneira que encontramos para chamar a atenção.”

A alegação de que Dugas foi a primeira pessoa a trazer o HIV para os Estados Unidos foi refutada por pesquisadores em novembro de 2016, por meio de testes genéticos. Ele nunca foi de fato o primeiro portador do vírus, mas apenas um dos primeiros a receber o diagnóstico. Além disso, nenhuma das atitudes e decisões de seu personagem descritas no livro de Randy Shilts podem ser confirmadas. O próprio autor do livro, que virou best seller, teria inicialmente relutado em desenhar o perfil de vilão para Dugas. Ele teria cedido depois de muita insistência de seu editor. Talvez, sua confissão tenha vindo cifrada, numa declaração feita antes de sua morte: “O HIV me fez ver todas as coisas superficiais às quais nos apegamos, como ego e vaidade.” — Enquanto isso, a história de Rayford foi mantida em silêncio.

Campanha da organização ActUp: “Silêncio = Morte”

O HIV não veio de Dugas e nem de Rayford. Uma equipe internacional de cientistas, liderada pelas universidades de Oxford, na Inglaterra, e Leuven, na Bélgica, reconstruiu a história da pandemia de HIV por meio de registros históricos e amostras de DNA do vírus, os quais remontam ao final dos anos 1950. O DNA permitiu a elaboração de uma árvore genealógica do vírus, que traçou sua ascendência através do tempo e do espaço. Usando modelos estatísticos, cientistas voltaram ainda mais para trás no tempo e, finalmente, localizaram a origem da pandemia: no ano de 1920, em Kinshasa.

Foi ali, na capital do que é hoje a República Democrática do Congo, onde tudo começou. Embora o vírus provavelmente tenha cruzado de chimpanzés para os seres humanos em anos anteriores, na região do sul de Camarões, o HIV manteve-se uma infecção regional até entrar em Kinshasa.

Mapa da República Democrática do Congo.

Quando o vírus surgiu, esta era uma cidade agitada. Foi o maior e mais rápido crescimento de uma cidade na região, com ligações de transporte atingindo todo o país. O movimentado Rio Congo levava pessoas a mais de 600 quilômetros de distância. A ferrovia trazia dezenas de trabalhadores ao sudeste de Katanga, província de mineração que depende de trabalho imigrante, e para Lubumbashi, a mais de 900 quilômetros.

A partir dos anos 1920 até 1960, a cepa pandêmica do HIV — outras cepas anteriores fracassaram  se propagou de Kinshasa, atravessou fronteiras para outros países e, então, desembarcou em outros continentes, infectando quase 75 milhões de pessoas em todo o mundo. Dentre elas, você, eu, Dugas e Rayford, vítimas do HIV.

Em São Paulo, homens que fazem sexo com homens (HSH), com 18 anos de idade ou mais, podem agora participar do estudo A Hora é Agora, para avaliar a logística de distribuição do autoteste para HIV.

O autoteste é um novo teste de triagem para HIV. Esse teste é feito e interpretado de maneira simples e rápida, pela própria pessoa, na hora e lugar em que desejar, sem a necessidade de um laboratório e nem da presença um profissional da saúde. Um dos objetivos da implementação do autoteste é ampliar significativamente a cobertura de testagem para o HIV, principalmente em populações que não têm acesso à testagem convencional.

O autoteste detecta anticorpos contra o HIV presentes em secreções da boca, o chamado fluido oral. Esses anticorpos geralmente passam a ser detectados entre 25 a 30 dias após a infecção pelo HIV, a chamada janela imunológica — isso significa que, antes deste período, algumas pessoas podem estar infectadas pelo HIV e ter o resultado do autoteste não reagente ou negativo. O médico infectologista Ricardo Vasconcelos explica que “a bula do autoteste indica uma janela imunológica de 30 dias, com raros casos de alguns indivíduos que podem levar até 90 dias para positivar o autoteste”. Depois desse período, o autoteste é bastante eficiente na identificação de pessoas que vivem com HIV. para terem anticorpos detectáveis.

Nesse estudo, serão distribuídos kits de autotestagem para homens que fazem sexo com outros homens, residentes de São Paulo e com 18 anos ou mais. Para participar do estudo, acesse www.ahoraeagora.org e responda a algumas perguntas. Após finalizar o preenchimento do questionário, você deverá escolher o local de retirada do seu kit, que já inclui o autoteste. Após a retirada do kit, você poderá então realizar o autoteste quando e onde preferir. Depois de realizar o teste, você deverá informar a conclusão no site e, assim, receber as orientações correspondentes a cada um dos possíveis resultados — positivo, negativo ou inconclusivo.

Quero fazer o autoteste para HIV!

Se o resultado do seu autoteste for não reagente ou negativo, a sua participação no estudo será considerada encerrada. Caso seu resultado seja reagente ou positivo no autoteste, você deverá comparecer a um dos serviços de saúde indicados para realizar um teste confirmatório, o qual é feito com algumas gotas de sangue coletados por punção no seu dedo. Somente se o teste confirmatório resultar reagente ou positivo estará confirmada a infecção pelo HIV e, nesse caso, a indicação de acompanhamento clínico adequado, oferecido gratuitamente pelo SUS.

Nessa pesquisa está garantido o seu direito de confidencialidade. As informações que você vier a fornecer aos pesquisadores serão analisadas em conjunto com as de outros pacientes, não sendo divulgada a identificação de nenhum deles. Você ainda pode recusar-se, a qualquer momento, a participar do estudo, sem prejuízo. A participação do estudo não inclui qualquer compensação financeira.

Estima-se que 1 milhão de russos estejam infectados com o HIV, enquanto apenas um terço deles recebe tratamento antirretroviral. Em 2017, cerca de 30 mil pessoas morreram de aids no país, de acordo com o Centro Federal de Aids da Rússia.

“Atualmente, não há tentativas reais de superar a epidemia”, diz Vadim Pokrovsky, diretor do Centro Federal de Aids. Segundo ele, se não houver mais prevenção e tratamento, 2 milhões de pessoas provavelmente vão adquirir HIV até 2020. Pokrovsky afirma que o orçamento do governo russo em 2016, de cerca de US$ 382 milhões, serve para somente cerca de um quarto do que é necessário para combater o vírus no país.

Diante desse cenário, a epidemia russa de HIV e aids está crescendo a uma taxa de 10% ao ano, tornando a Rússia um dos poucos lugares no mundo onde a epidemia continua piorando dramaticamente. É sobre isso o que fala este documentário da PBS (somente em inglês):

 

A Suprema Corte da Suécia absolveu um homem soropositivo do crime de exposição ao risco de transmissão. De acordo com a emissora SVT, o homem em questão teve relações sexuais desprotegidas, sem camisinha, e sem avisar seus parceiros a respeito da sua condição sorológica positiva para o HIV. Por conta disso, ele foi acusado de colocar em perigo a saúde do outro homem e expô-lo ao risco de doença grave.

Em 2013, o homem acusado teria recebido, por escrito, a orientação médica para informar seus possíveis parceiros sexuais a respeito do sua sorologia e sempre usar preservativos em todas as formas de relação sexual. Por não tê-lo feito, o promotor do caso acusou o homem de negligência grave. No entanto, o Supremo Tribunal absolveu o homem, afirmando que, para que o caso pudesse ser classificado como “exposição ao risco”, algum risco mínimo deveria existir.

Citando os vários estudos internacionais que os leitores deste blog devem conhecer, a Suprema Corte da Suécia determinou que o “tratamento estável contra o HIV”, definido pelo vírus continuamente mantido em um nível indetectável, leva a um risco “mínimo” de transmissão. Neste caso, ressaltou o tribunal, todos os requisitos foram de segurança e proteção foram atendidos. Por outro lado, também ponderou que as pessoas vivendo com o HIV que não tomam a medicação e expõe seus parceiros ao risco, fazendo sexo sem camisinha e sem avisar seus parceiros, ainda podem ser condenadas.

Estima-se que o número de pessoas que vivem com o HIV na Suécia seja de cerca de 12.000 pessoas, 83% das quais recebem tratamento antirretroviral. O país chegou a ter o maior índice de processos per capita contra soropositivos.

Diante desse histórico, o  veredicto foi classificado pela defesa como “fundamentalmente importante”, que ressaltou seu impacto de longo alcance, que pode mudar mudança a prática até agora estabelecida. O veredicto também recebeu uma salva de palmas da Associação Sueca para Educação em Sexualidade (RFSU), da Federação Sueca para os Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros (RFSL) e da HIV Sweden, cujos líderes responderam com uma declaração conjunta.

Hans Linde, presidente da RFSU, disse que este era um julgamento “muito aguardado”, que fornecerá “maior proteção legal” aos soropositivos. A presidente da RFSL, Sandra Ehne, ressaltou que a Suécia tem uma “história sombria” de processar pessoas sem risco de transmissão do HIV e expressou esperanças de mudança.

Este parece ser o segundo caso de absolvição de um soropositivo na Suécia. A mudança de rumo jurídica possivelmente data de 2013, ano em que um dos tribunais do país, citando um relatório do Centro Nacional de Controle de Doenças Transmissíveis (Smittskyddsinstitutet, SMI), absolveu um homem soropositivo condenado a um ano de prisão por ter tido relações sexuais com quatro mulheres que nunca contraíram o vírus.

Embora as evidências mostrem uma redução global nos casos de HIV e aids em muitos países, a epidemia entre homens que fazem sexo com homens (HSH) parece estar se expandindo — em países de baixa, média e alta renda. De acordo com os autores de um estudo publicado em maio de 2018 no jornal Medicine e que, mais recentemente, em 6 de junho, virou notícia na Folha de S. Paulo, os “HSH correm alto risco de infecção por HIV devido à vulnerabilidades estruturais, biológicas e comportamentais, que agem em conjunto, aumentando as chances de infecção”.

Nesse estudo, a prevalência do HIV aumentou além das expectativas em relação aos resultados de uma pesquisa anterior, feita em 2009. Nesse estudo de 2009, o Ministério da Saúde do Brasil realizou a primeira Pesquisa Nacional sobre Vigilância Biológica e Comportamental do HIV (BBSS) entre HSH, trabalhadoras do sexo (FSWs) e usuários de drogas (DU) para o HIV. Os resultados dessa época mostraram prevalência de HIV de 4,9% entre DU, 5,8% entre FSW, e 12,1% entre HSH. Em comparação com a prevalência do HIV na população em geral (estimada em 0,37%) a prevalência do HIV entre DU foi 13 vezes maior, entre o FSW foi 16 vezes maior e entre HSH foi 33 vezes maior. Em 2016, o 2º BBSS Nacional foi realizado com HSH, conforme relatamos aqui. FSW e, pela primeira vez, mulheres transexuais foram incluídas neste BBSS e reportadas nesta revista

Agora, a pesquisa atual se baseou na entrevista com 4.176 homens de 11 capitais e Brasília. Destes, 3.958 aceitaram fazer o teste de HIV, com 18,4% de resultados positivos. A pesquisa anterior, de 2009, com a mesma metodologia, encontrou prevalência de 12,1%. “É um número altíssimo. São vidas e vidas em risco”, diz Lígia Kerr, professora da Universidade Federal do Ceará (UFC) e que coordenou ambos os trabalhos. No grupo entrevistado, 83,1% se declaram gays, 12,9% heterossexuais ou bissexuais e 4% outros. Do total, 75% transam só com homens. Foram feitos dois testes do HIV, a maioria em unidades de saúde. Enquanto isso, segundo o Ministério da Saúde, a prevalência do HIV na população geral é de 0,4%.

Outra preocupante curiosidade é que metade dos participantes foram testados pela primeira vez na vida. O estudo utilizou de uma metodologia americana que recruta pessoas-chaves, chamadas de “sementes”, para serem entrevistadas e testadas duas vezes. Essas, por sua vez, indicam outras pessoas com o mesmo perfil e assim por diante. Cinco a seis sementes foram inicialmente selecionadas para iniciar o recrutamento e os cupons e entrevistas foram gerenciados on-line. O teste rápido no local foi usado para o rastreio do HIV e confirmado por um segundo teste. O tamanho da amostra foi de 350 pessoas por cidade. Os dados de todas as 12 cidades foram fundidos e analisados ​​com as ferramentas de análise de dados de pesquisa.

Perfil da amostra: homens que fazem sexo com homens

Menos de 25 anos
58%
Mais de 25 anos
42%
Ensino médio completo ou superior incompleto
59%
Ensino superior completo
11%
Classes A e B
41%
Classe C
43%
Classes D e E
16%
Solteiros
83%
Casados
4%
União estável com homem
10%
União estável com mulher
1%

Ainda segundo o estudo, na América Latina, entre 2000 e 2015, o número de novas infecções por HIV entre adultos aumentou lentamente. De 2010 a 2015, o Brasil passou a fazer parte dos países da América Latina e Caribe onde a infecção por HIV entre adultos aumentou, muito embora nosso país tenha um histórico de programa exemplar de prevenção ao HIV. O País responde por mais de 41% do total de novas infecções entre Argentina, República Bolivariana da Venezuela, Colômbia, Cuba, Guatemala, México e Peru.

“O Brasil apresenta grandes desigualdades socioeconômicas, e a epidemia da aids espelha essa desigualdade”, diz o estudo. De 2006 a 2015, as taxas de HIV nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, as mais desenvolvidas, apresentaram redução de 7,4% e 23,4%, respectivamente. Apesar da redução geral nessas regiões, durante este mesmo período Porto Alegre relatou uma uma elevada alta de casos de aids: 74 a cada 100.000 habitantes — o dobro da taxa do resto do estado e quatro vezes a média brasileira. Por outro lado, as regiões Norte e Nordeste, as mais pobres do país, mostraram um aumento linear da aids no mesmo período: de 14,9 para 24 casos por 100.000 habitantes na região Norte e de 11,2 para 15,3 casos por 100.000 habitantes no Nordeste, representando um crescimento de 61,1% e 36,6%, respectivamente. Dois estados dessas regiões, Pará e Maranhão, apresentaram um aumento de 91,5% e 82,9% na incidência de casos de aids, respectivamente.

Taxa de infecção por HIV por capital

São Paulo
25%
Recife
21%
Curitiba
20%
Belém
19%
Rio de Janeiro
15%
Manaus
15%
Belo Horizonte
14%
Porto Alegre
10%
Fortaleza
10%
Campo Grande
9%
Salvador
8%
Brasília
6%

Nos últimos 10 anos, de fato, houve um aumento nos novos casos de aids notificados entre os homens, especialmente aqueles com idades entre 15 e 19 anos, 20 a 24 e 60 anos de idade ou mais. Entre os jovens, de 2006 a 2015, a taxa foi alarmante: quase triplicou entre os jovens de 15 a 19 anos, de 2,4 a 6,7 ​​casos por 100.000 habitantes, e dobrou entre os jovens de 20 e 24 anos, de 15,9 a 33,1 casos por 100.000 habitantes. No mesmo período de 10 anos, os casos de aids entre HSH aumentaram de 35,3% para 46,2%.

As descobertas desse estudo representam um sério desafio para os formuladores de políticas de saúde pública: “como devemos abordar a crescente epidemia entre HSH no Brasil?”, perguntam-se os autores do estudo. “Nossos resultados defendem um esforço de prevenção revigorado, combinando abordagens inovadoras, tais como engajar as comunidades no desenvolvimento de soluções e envolvendo as próprias comunidades na pesquisa, publicação e defesa de direitos”.

Para Ligia Kerr, vários fatores explicam o aumento da prevalência do HIV entre homens que transam com homens, um fenômeno que também visto em países da Europa e nos Estados Unidos. “Já se fala em segunda onda de aids.”

Um regime experimental de vacinas, baseado na estrutura de um local vulnerável no HIV, induziu, em animais — camundongos, porquinhos-da-índia e macacos –, anticorpos que neutralizaram dezenas de cepas de HIV de todo o mundo. Os resultados foram relatados  no dia 4 de junho na revista Nature, por pesquisadores do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) dos Estados Unidos, parte do National Institutes of Health (NIH), e seus colegas.

Peter D. Kwong, Ph.D., chefe da Seção de Biologia Estrutural do Centro de Pesquisas de Vacinas do NIAID, e o Dr. Mascola, diretor deste Centro, lideraram o estudo. “Os cientistas do NIH usaram seu conhecimento detalhado da estrutura do HIV para encontrar um local incomum de vulnerabilidade ao vírus e projetar uma vacina nova e potencialmente poderosa”, disse Anthony S. Fauci, diretor do NIAID. “Este elegante estudo é potencialmente importante, mais um passo adiante na busca contínua para desenvolver uma vacina segura e eficaz contra o HIV.”

O estudo se utiliza de uma das duas abordagens que o NIAID está buscando para desenvolver uma vacina contra o HIV. Em uma abordagem, os cientistas primeiro identificam anticorpos potentes contra o HIV que podem neutralizar muitas cepas do vírus e, então, tentam extrair esses anticorpos com uma vacina baseada na estrutura da proteína de superfície do HIV onde os anticorpos se ligam. Em outras palavras, os cientistas começam com a parte mais promissora da resposta imune e trabalham para desenvolver uma vacina que a induza. Este método foi usado para projetar a vacina descrita neste estudo.

A outra abordagem, empírica para o desenvolvimento de vacinas contra o HIV, começa avaliando, em pessoas através de estudos clínicos, as vacinas candidatas mais encorajadoras em termos de eficácia. Em seguida, os cientistas tentam basear-se nos resultados de estudos bem-sucedidos, examinando, por exemplo, amostras de sangue e outras amostras clínicas dos participantes do estudo que receberam a vacina para identificar as partes mais promissoras da resposta imune. Posteriormente, os pesquisadores usam essa informação para melhorar as abordagens de vacinação para estudos futuros. Este método foi utilizado para desenvolver o regime de vacinação contra o HIV testado no estudo clínico RV144 e os regimes de vacina contra o HIV atualmente em estudo no HVTN 702 e Imbokodo.

Nos últimos anos, pesquisadores descobriram muitos anticorpos naturais que podem impedir que múltiplas cepas de HIV infectem células humanas, em laboratório. Cerca de metade das pessoas que vivem com o HIV produzem os chamados anticorpos “amplamente neutralizantes”, mas geralmente apenas após vários anos de infecção — muito tempo depois de o vírus já ter se estabelecido no organismo. Os cientistas identificaram e caracterizaram os locais no HIV onde se conecta cada anticorpo amplamente neutralizante. Agora, laboratórios em todo o mundo estão desenvolvendo candidatas à vacina contra o HIV com base na estrutura desses locais, com o objetivo de persuadir o sistema imunológico de pessoas soronegativas a produzir anticorpos protetores após a vacinação.

Este diagrama ilustra a localização do peptídeo de fusão (em vermelho) no pico do HIV (em verde), que se projeta para fora da membrana viral (em cinza). O diagrama também mostra como um anticorpo amplamente neutralizante (em amarelo) se liga ao peptídeo de fusão.

A  vacina experimental descrita nesse estudo é baseada em um local do HIV chamado peptídeo de fusão do HIV, identificado por cientistas do NIAID em 2016. O peptídeo de fusão, uma pequena sequência de aminoácidos, faz parte da superfície do HIV a qual o vírus usa para entrar nas células humanas. De acordo com os cientistas, o local do peptídeo de fusão é particularmente promissor para uso como vacina porque sua estrutura é a mesma na maioria das cepas do HIV e, também, porque o sistema imunológico claramente o “enxerga” e monta uma forte resposta imunológica contra ele. O peptídeo de fusão não possui açúcares que obscurecem a visão do sistema imunológico.

Para fazer a vacina, os pesquisadores projetaram muitos imunogénio diferentes — proteínas projetadas para ativar uma resposta imune. Estes foram concebidos utilizando a estrutura conhecida do peptídeos de fusão. Os cientistas primeiro avaliaram os imunogénio utilizando uma coleção de anticorpos que têm como alvo o local do peptídeos de fusão e, depois, testaram em ratinhos quais os imunogénio provocaram mais eficazmente anticorpos neutralizantes. O melhor imunogénio consistia em oito aminoácidos do peptídeo de fusão, ligados a um transportador que provocava uma forte resposta imunitária. Para melhorar seus resultados, os cientistas associaram esse imunogénio a uma réplica do pico do HIV.

Então, os pesquisadores diferentes combinações de injeções da proteína em camundongos e analisaram os anticorpos gerados pelos esquemas vacinais. Os anticorpos ligados ao peptídeo de fusão do HIV e neutralizaram até 31% dos vírus de um painel globalmente representativo de 208 cepas de HIV. Com base em suas análises, os cientistas ajustaram o regime vacinal e testaram-no em porquinhos-da-índia e em macacos. Esses testes também produziram anticorpos que neutralizaram uma fração substancial de cepas de HIV, fornecendo evidências iniciais de que o regime de vacinas pode funcionar em várias espécies.

Agora, os cientistas estão trabalhando para melhorar o regime vacinal, incluindo torná-lo mais potente e capaz de alcançar resultados mais consistentes com menos injeções. Os pesquisadores também estão isolando mais anticorpos amplamente neutralizantes gerados pela vacina em macacos e vão avaliar esses anticorpos por sua capacidade de proteger os animais de uma versão símia do HIV. Os cientistas do NIAID usarão suas descobertas para otimizar a vacina e fabricarão uma versão adequada para testes de segurança em voluntários humanos, em um estudo clínico cuidadosamente planejado e monitorado. Os testes preliminares em humanos, utilizando este novo regime de vacinação, está previsto para começar no segundo semestre de 2019.

Aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) passarão a ser usados para transportar medicamentos e insumos de saúde que não estão chegando ao destino por conta da greve dos caminhoneiros, de acordo com o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun.

Uma notícia publicada pelo jornal O Estado de São Paulo informa que o Ministério da Saúde solicitou auxílio da Força Aérea Brasileira para transporte de produtos. Parte deles tem estoques suficientes para apenas dois dias. A escolta das Forças Armadas servirá para transportar, por via terrestre, os medicamentos entre os Estados e auxílio das companhias aéreas para que os produtos sejam levados em caráter prioritário. Na lista, estão medicamentos para tratamento de câncer, para pacientes transplantados, remédios de alto custo, além de vacinas e drogas usadas na terapia anti-HIV — os nossos antirretrovirais.

Segundo a Agência Brasil, no dia 28 aconteceu uma coletiva de ministros no Palácio do Planalto. “A Força Aérea passa a transportar medicamentos por determinação do presidente em conjunto com o comitê de crise. Foi determinado que a Força Aérea passe a transportar medicamentos e insumos da área da saúde para os hospitais”, diz Carlos Marun, que afirma que o presidente Michel Temer “tem revelado uma preocupação cada vez maior com a questão da vida humana, da saúde”.

Caminhoneiros em protesto na BR-040.

O Ministério da Saúde divulgou uma nota afirmando que “integra a Sala de Crise do governo federal para apoiar a manutenção da capacidade de atendimento da rede de atenção à saúde, evitando possíveis interrupções de serviços essenciais. As ações têm atenção estratégica no transporte de medicamentos e insumos, adquiridos pelo governo federal, e que são necessários para continuidade de tratamentos de transplantados, oncológicos e outros tratamentos com necessidade de uso contínuo de medicação. A iniciativa prioriza a continuidade de atendimentos críticos para manutenção da vida em serviços de saúde, como os de urgência e emergência, hospitais, transporte sanitário, rede de hemoderivados e insumos, rede assistencial, entre outros.”

O Ministério da Saúde ainda informou que todos os estados estão sendo acompanhados e as demandas, mapeadas. As necessidades do setor estão sendo atendidas, segundo a pasta, com o apoio de forças federais, estaduais e municipais. Em diversas localidades há registros de falta medicamentos e insumos hospitalares. No Rio de Janeiro, a Secretaria Estadual de Saúde suspendeu, desde o dia 28, as cirurgias eletivas (não emergenciais) em sua rede de hospitais. O mesmo procedimento foi adotado pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal, que também suspendeu consultas ambulatoriais em hospitais e policlínicas. As unidades básicas de saúde permanecem fechadas hoje. Serão priorizados casos de urgência e emergência e o transporte de pacientes para exames será feito apenas em casos de extrema necessidade A remarcação, segundo a pasta, será feita na primeira oportunidade.

Em entrevista à Agência Brasil, o vice-presidente da Federação Brasileira de Hospitais, Eduardo de Oliveira, disse que o estado de São Paulo, em particular, enfrenta problemas relacionados ao deslocamento de funcionários — sobretudo aqueles que trabalham na periferia, em unidades de pequeno e médio porte. Outro alerta da entidade diz respeito ao estoque de sangue nos hemocentros do estado. “Os doadores estão com dificuldade para chegar ao posto de coleta. E o estoque das unidades está começando a acabar. Se essa situação não se normalizar, vamos ter problemas cada vez piores”, avaliou.

Avião da FAB carregando mantimentos.

Outro problema diz respeito à situação crítica de falta de ração para animais. Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a falta de ração poderá levar a morte de pelo menos 1 bilhão de aves e 20 milhões de suínos. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, juntamente com o Ministério da Saúde, estão tratando de protocolos para atuar se necessário.

De acordo com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, “não se fala ainda e emergência, o assunto está sob controle e, na medida em que tenhamos a retomada do transporte, a retomada do abastecimento, a retomada da ração, das condições de manutenção deles, sairemos desse risco da emergência.”

Talvez seja importante esclarecer que a contraindicação do uso de Dolutegravir por mulheres grávidas, divulgada em Nota Informativa pelo Ministério da Saúde, acompanha uma recomendação mundial — também publicada pela Agência Europeia de Medicamentos e a US Food and Drug Administration.

Essa recomendação vem depois de um relatório de Botswana, na África, onde se observou uma frequência mais alta de malformações congênitas em bebês nascidos de mães que engravidaram enquanto tomavam Dolutegravir. A incidência de defeitos do tubo neural, como “espinha bífida”, mostrou-se mais comum em bebês nascidos destas mães. Um defeito do tubo neural ocorre quando a medula espinhal, o cérebro e as estruturas relacionadas não se formam adequadamente. A espinha bífida, caracterizada pela medula espinhal mal formada, é o defeito mais comum do tubo neural.

O estudo foi bastante abrangente e analisou bebês nascidos de 11.558 mães em tratamento antirretroviral; destas, 426 tomavam Dolutegravir durante a gravidez e quatro delas, o que representa 0,9% do total, tiveram bebês que apresentaram algum defeito no tubo neural. Em comparação, o risco de defeitos do tubo neural mostrou-se de 0,1% em mulheres que estavam tomando outros esquemas antirretrovirais. Essa variação aparentemente pequena em porcentagem parece ser significativa o suficiente para os alertas emitidos no mundo todo — ao meu ver, um bom sinal de cautela e atenção das autoridades de saúde pública para conosco, pelo menos, no que diz respeito ao HIV.

O estudo continuará até fevereiro de 2019, portanto, mais informações sobre o risco não estarão disponíveis por aproximadamente um ano. O que também já se sabe é que o risco de defeitos do tubo neural do tipo relatado no estudo do Botswana é mais elevado no momento da concepção até o primeiro trimestre da gravidez.

Agora, a Organização Mundial da Saúde (OMS), está realizando uma revisão das suas orientações e diz que uma atualização será emitida nos próximos meses. A declaração da OMS observa que o risco de defeitos do tubo neural é aumentado pela deficiência de ácido fólico e reitera sua recomendação de que todas as mulheres tomem um suplemento diário de ácido fólico antes da concepção e durante a gravidez, para ajudar a prevenir defeitos do tubo neural. A fabricante do Dolutegravir, a ViiV Healthcare, subsidiária da GlaxoSmithKline, afirma que os estudos de toxicologia animal que levaram ao licenciamento do Dolutegravir não mostraram evidências de resultados adversos no desenvolvimento de bebês ratos ou coelhos.

Em nenhum sentido o alerta acima se transcreve para homens e mulheres não grávidas que fazem uso do Dolutegravir. Ao contrário, para essas pessoas, o uso desse antirretroviral continua a ser encorajado pelas autoridades médicas. “O Dolutegravir oferece muitos benefícios, incluindo ser melhor tolerado por pacientes e apresentar melhores resultados, como supressão viral mais rápida”, lembra o Plano de Emergência do Presidente dos Estados Unidos para o Alívio da Aids, o PEPFAR. “O PEPFAR encoraja os países a continuar com a sua transição para o Dolutegravir.”

A bula do medicamento distribuído no Brasil, fabricado pela GlaxoSmithKline com o nome comercial Tivicay, indica seu uso para maiores de 12 anos e aponta três efeitos colaterais “muito comuns”, que ocorrem em 10% das pessoas que tomam Dolutegravir: dor de cabeça, náusea e diarreia. É uma lista tão pequena quanto o tamanho do comprimido, parecido com um AAS infantil, e corretamente atualiza conforme casos recentes documentados: efeitos “incomuns” de depressão e pensamentos suicidas, que podem acometer entre 0,1% a 1% das pessoas. Se perguntar a mim, diria que esta é uma das bulas mais amenas dentre todos os antirretrovirais que tomei. E, agora, é o antirretroviral que passarei a tomar.

Em algumas horas, ainda hoje, antes da hora de dormir, me despeço para sempre do Efavirenz, antirretroviral que tomei todo o santo dia, ao longo dos últimos sete anos da minha vida — desde a nossa  psicodélica primeira noite juntos, que se deu em 4 de maio de 2011. Ainda me lembro daquela noite, quando a textura do lençol e os ruídos do travesseiro chamavam toda a atenção dos meus sentidos entorpecidos pelos efeitos neuropsiquiátricos comuns do Efavirenz, especialmente no início do seu tratamento.

Naquele primeira noite, sonhei com cores vibrantes, tão realistas, e com um estranho personagem que urrava comigo, transformando a trama noturna num pesadelo. Ainda me recordo das suas feições, que traziam uma expressão de intensa angústia. Mais intensa do que eu poderia aguentar. O personagem estava vestido de médico e me alertava de erros para os quais eu deveria corrigir; contudo, quando eu os fazia, alteravam-se as condições de tempo e espaço e tudo voltava ao seu início, de modo que era impossível corrigir um caso sem com isso afetar o outro. Tudo era como deveria ser: uma vida cheia de erros, que nem deveriam ser tão graves, não fosse o peso daquele sentimento de responsabilidade imputado em mim pelo personagem. Ele deixava claro que tudo era uma última chance, sem qualquer chance para erro.

Acordei assustado, no meio da madrugada, com os gritos de um dos pacientes. E decidi que não assistiria mais ao seriado House logo antes de dormir. Mas, de olhos abertos, ainda uma surpresa: meu mundo real estava inteiramente colorido, mesmo em pleno quarto escuro — algo rápido, por poucos instantes apenas, tempo suficiente para que meu cérebro percebesse que ali não era mais espaço para alucinações.

Esses fortes efeitos colaterais do Efavirenz provavelmente se deram comigo em tanta intensidade por conta de minha saúde debilitada. Meu início com ele se dava quatro meses depois do meu diagnóstico positivo para o HIV, tempo em que me consultei com o taciturno Dr. O., o primeiro infectologista que visitei. “Você vai tomar Kaletra e Biovir”, determinou o médico, sem espaço para qualquer indagação minha ou alternativas. Recém diagnosticado, presumi que era mesmo assim que deveria de ser. Os efeitos colaterais subsequentes, diarreias e vômitos que me acometeram todos os dias, diversas vezes ao dia, fizeram-me perder quinze quilos em poucos meses, deixando-me abatido, fraco e, de acordo com os exames de sangue, anêmico. Foi quando adentrei, na tarde de 3 de maio de 2011, no que apelidei de “Restaurante Positivo”.

“— Boa noite, senhor. Gostaria de fazer o pedido?”

“— Deixe-me ver. O que você sugere?”

“— Senhor, hoje estão muito bons: Efavirenz, Atazanavir, Lopinavir ou Kaletra.”

“— Não, Kaletra não! Já experimentei e não gostei. Gostaria, inclusive, de reclamar com o chef., adverti.

“— Pois não, senhor.”

“— Diga a ele que me deu muita indigestão! Dor de barriga, se é que você me entende…”

“— Oh! Senhor, sinto muito…”

“— E esse Efavirenz?”

“— É muito recomendado, tem ótimos efeitos medicinais e apenas um colateral mais comum, que é um lapso de concentração após sua ingestão.”

“— Mas passa?”

“— Melhor que Kaletra, senhor.”

“— Ótimo! E o… ‘Atazana-vírus’?”

“— Atazanavir, muito indicado também. Ele também têm AZT nos ingredientes, tal qual o Biovir, mas o preparo é mais cuidadoso. Garanto que o senhor não terá aquele problema… Eh… Intestinal.”

“— Sei… Nenhum outro efeito?”

“— Ele é como aqueles chicletes coloridos, senhor.”

“— Como assim?”

“— Aqueles que as crianças comem e ficam com língua azul, sabe?”

“— Sei…”

“— Pois então, o Liponavir deixa nossos clientes com icterícia: olhos amarelados! É a última moda aqui no restaurante.”

“— Humm… Muito bem. Mas acho que prefiro começar pelo Efavirenz.”

“— Muito bem, senhor. Ótima escolha. Sugiro apenas que o senhor não volte guiando.”

“— Não tem problema, estou de táxi.”

“— Perfeito, senhor. Algum acompanhamento?”

“— O de sempre!”

“— Biovir! Perfeito, senhor.”

“— Obrigado! E qual é o seu nome mesmo?”

Foi mais ou menos assim que decorreu minha primeira consulta com o Dr. Esper Kallás, médico infectologista com quem me consulto desde então. Ele me advertiu dos efeitos indesejáveis do Efavirenz, mas também lembrou que a diarreia decorrente do Kaletra muito provavelmente deveria sumir em pouco tempo — o que eu não imaginava é que esse tempo seria mesmo tão curto.

Vinte a quatro horas depois do fim do tratamento com Kaletra e a minha primeira dose de Efavirenz, a diarreia cessou totalmente! Meu apetite voltou. Na manhã seguinte, quando tomava café da manhã, percebi que algo em mim coisa havia mudado: a cada mordida e ingestão dos alimentos, era nítido que minha digestão voltava ao normal, tal como era antes de começar com Kaletra. Em dois dias de Efavirenz, não havia mais sinal da diarreia, o efeito colateral que me acompanhara diariamente ao longo dos quatro longos meses anteriores.

Um sorriso involuntário se estampou em meu rosto, de orelha à orelha. No almoço, corri para o restaurante, desejoso de tudo aquilo que havia sido totalmente privado de comer naqueles meses: as fibras e gorduras, que tanto prejudicam um sistema digestivo diarreico. Debrucei-me sobre o buffet de saladas e carnes e repeti o prato duas vezes, sem uma única gota de diarreia depois.

No fim das contas, os efeitos colaterais severos e desagradáveis do Kaletra sumiram como num passe de mágica — graças à troca de remédios proposta pelo Dr. Esper. Por que teria o infectologista anterior insistido por tanto tempo em meu tratamento com Kaletra, se havia outra alternativa? Por que não me dera outra opção, assim como fez o Dr. Esper? Essa são perguntas cujas respostas me escapam até hoje.

O que sei é que o Efavirenz me trouxe de volta a felicidade, ou, pelo menos, a disposição para poder senti-la. Desde o diagnóstico eu não enxergava a beleza na cidade de São Paulo, algo que finalmente foi possível naquele dia de maio de 2011, típico de outono, com sol dourado e brisa fresca, tão parecido com o dia de hoje. Devo confessar que, ao longo da primeira semana de Efavirenz, minha visão ainda embaralhou um bocado, aqui e ali. Também me deixou um pouco mais confuso que o habitual, tal como previsto pelo doutor.

“— O Efavirenz vai deixar você meio… ‘balão’”, dissera o Dr. Esper, há sete anos, antes de prescrever meu então novo antirretroviral. “Esse remédio pode influenciar na concentração”, explicou o médico.

Ao longo daquela primeira semana, lembro que perdi as duas chaves de casa. Por dois dias, esqueci completamente em que dia eu estava, da semana e do mês. E não adiantava olhar no celular: no segundo seguinte, lá estava a dúvida novamente. Cheguei a ir ao dentista às 10:40h quando meu horário era 14:40h, mesmo logo depois de ligar para confirmar. Esqueci meu próprio número de telefone, da minha mãe e da minha namorada à época. Andei aos tropeços dentro de casa, sem o mínimo equilíbrio, logo depois de tomar minha dose de antirretroviral. Todos os dias, até as 13:30h, era a mesma coisa: uma enorme confusão!

Tudo isso, confesso, não poderia ser mais divertido. Não depois de meu histórico com Kaletra e Biovir, e os tantos meses de diarreias consecutivas, vômitos e as fezes incontidas defecadas nas calças. Diante disso, sofrer com a viagem quase psicodélica do Efavirenz era um agrado! Aos poucos, também aprendi a contornar os lapsos de concentração, a começar por um enorme copo de café preto pela manhã, puro e forte, hábito que mantenho até os dias de hoje.

O Efavirenz me acompanhou ao retorno da minha disposição, à retomada da minha saúde, términos de namoro, férias e viagens, trabalhos e demissões. Foi com ele que me casei — ou, melhor dizendo, estava com ele quando me casei –, perdi parentes e ganhei um filho, a grande alegria de me tornar pai. Então, é com certa comoção que o Efavirenz vai embora. Foi um prazer, Efa! E seja bem vindo, Dolutegravir. Em uma vida de soropositivo permeada pelo sentimento de eternidade da infecção pelo vírus, pequenas mudanças como essa trazem grande impacto. Ou, talvez, não mais tão grande assim.